Boletim Informativo. SCARJoV. Malária continua ser a principal causa de morte no país segundo o MINSA. NESTA EDIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Informativo. SCARJoV. Malária continua ser a principal causa de morte no país segundo o MINSA. NESTA EDIÇÃO"

Transcrição

1 Boletim Informativo A S S O C I A Ç Ã O D E R E I N T E G R A Ç Ã O D O S J O V E N S / C R I A N Ç A S N A V I D A S O C I A L SCARJoV NESTA EDIÇÃO V O L U M E 9 E D I Ç Ã O 9 A B R I L Malária continua ser a principal causa de morte no país segundo o MINSA. Malária continua ser a principal causa de morte no pais segundo MINSA 1 Fair Play for Africa em marcha em Luanda 2 Criado fórum dos jornalistas de luta contra Malária 3 Mesa redonda p r o p õ e - s e abordar políticas 4 angolanas dos c u i d a d o s paliativos Comissária da União Africana satisfeita com 5 situação dos D i r e i t o s Humanos em Declaração de Lakes sobre a Rede de Mulheres Seropositivas 7 Reino da Noruega quer cooperar com Angola no domínio d o s d i r e i t o s humanos 8 Segundo dados tornados público pelo Ministério da Saúde por ocasião do dia mundial da luta contra a malária, afirma que a mesma continua ser a principal causa da mortalidade e o principal problema de saúde pública no pais. Dados do MINSA, apontam a malária como sendo responsável de 35% da mortalidade nas criançasças, 25% da morbidade materna e causa 60% dos internamentos hospitalares de crianças menores de cinco anos de idade, e 10% dos internamentos das mulheres. A doença também apontada como sendo responsável por 55% da taxa de utilização da rede periférica. No pais estão identificados três espécies de plasmódio implicados na transmissão da malária: plasmódio falciparum 925, plasmódio vivax7%, plasmódio malaria 1%. Ainda de acordo com o relatório que vimos citando,o pais apresenta-se com duas zonas mais endêmicas sendo a parte norte do pais» Cabinda, Uige, Malange, Kuanza-Norte, Lunda-Norte e Luanda «enquanto que nas províncias do sul Namibe, Cunene, Huila, e Kuando Kubango, ocorrem surtos epidêmicos com aumento de casos durante a estação das chuvas, com um pico entre os meses de Janeiro e Maio. O plano estratégico nacional para o controlo da malária , estima que cada angolano perde em media entre 25 a 27dias úteis de trabalho por ano devido a malária. No mesmo documento faz-se referência a um estudo sobre o impacto econômico da doença em Angola realizado em 1995 e que estima que o custo global anual da doença para o pais é de 125 milhões de dólares Norte Americano. O estudo assegura ainda que há uma década o custo unitário de cada episódio de malária totalizava 34 dólares dos quais 63,8% eram suportados diretamente pela família com particular incidência nas famílias pobres das áreas rurais, onde o custo direto corresponde a 100% do valor mensal individual da manutenção alimentar e familiar.

2 P Á G I N A 2 «Precis amos r e f o r ç a r a nossa acção em todo país para que as p e s s o a s portadoras do vírus do HIV, saibam que nós, existimos para defender os seus direitos e que juntos podemos fazer mais em prol da nossa causa e ajudarmos as pessoas a se i n f o r m a r e m s o b r e o s perigos que a d o e n ç a representa para a humanidade, já que no país ainda há muito tabu sobre isso». Nesta copa do mundo não se esqueça: marque golos prevenindo-se contra o VIH e Tuberculose Rede Nacional de Pessoas Vivendo tem novo corpo diretivo. A Rede Nacional de Pessoas Vivendo com o vírus do HIV e SIDA (RNP+Angola), realizou de 26 a 30 de Abril, a sua segunda assembléia extraordinária. Durante o encontro, os participantes passaram em revista a vida interna da organização bem como se procedeu ao balanço das atividades desenvolvidas durante os últimos quatro anos, tendo os membros se congratulado pelo desempenho da rede durante o período findo. Para dirigir a rede no quadriênio 2010 a 2014, foi eleita Ma lamba Joaquim, que na ocasião, apontou a revitalização da rede a nível de todo país como uma das principais tarefas, e tornar a mesma uma associação de utilidade publica como prioridades do seu mandato. «Precisamos reforçar a nossa acção em todo país para que as pessoas portadoras do vírus do HIV, saibam que nós, existimos para defender os seus direitos e que juntos podemos fazer mais em prol da nossa causa e ajudarmos as pessoas a se informarem sobre os perigos que a doença representa para a humanidade, já que no país ainda há muito tabu sobre isso». Disse a nossa interlocutora, que pretende contar com a colaboração de todos os membros da rede e não só para a materialização dos objetivos traçados, por considerar que sozinha não conseguirá atingi-los. Por seu turno, António Ribeiro, Coordenador cessante da rede, manifestou-se satisfeito pelo trabalho desenvolvido pela rede durante o seu mandato que caracterizou de muito positivo apesar das dificuldades vividas durante o mesmo, tendo desejado a sua sucessora, êxitos durante o seu reinado. B O L E T I M I N F O R M A T I V O

3 V O L U M E 9 E D I Ç Ã O 9 P Á G I N A 3 Criado fórum dos jornalistas de luta contra Malária No âmbito das comemorações do dia mundial da luta contra a malária, o centro de formação de jornalistas «CeFoJor» albergou um seminário dirigido aos jornalistas de diferentes órgãos cujo tema, versou sobre o papel do jornalista na luta contra a malária, sob égide do Ministério da Saúde em parceria com o Ministério da Comunicação Social, no qual fizeram parte, profissionais provenientes das dezoito províncias do país O encontro, teve como principal objetivo, criação de um ambiente favorável para o envolvimento dos profissionais da comunicação social, no desenvolvimento de uma rede de jornalistas engajados na luta contra a malária, devendo posterior evoluir, para uma rede de combate as grandes endemias. Após dois dias de discussões profundas sobre o modelo de organização e a apresentação da situação da malária no nosso País, e do plano estratégico nacional, os participantes ao evento, concluíram, haver necessidade de uma maior inteiração entre o programa nacional de luta contra a malária e os medias, constituindo assim uma elo importante para o cumprimento dos objetivos da declaração de Abuja que prevê a redução do impacto da malária em África, em 50%, e para o acompanhamento das iniciativas de eliminação da malária na sub-região da «SADC,» até Daí a importância segundo o documento da criação da rede de jornalistas com vista a influenciar nas mudanças de comportamento e de atitude das populações com a realização de estudos e pesquisas por parte dos profissionais da informação, tendo neste particular sendo recomendado, a abertura e aproximação entre os técnicos de saúde, e os profissionais de imprensa. Ao presidir a sessão de enceramento, a Vice Ministra da Saúde Evelize de Fresta, considerou a criação da rede dos jornalista no combate a malária, como um parceiro importante, do ministério da saúde face a doença, dado a função que os mesmos desempenham sobre as comunidades para as quais é dirigida a mensagem sobre os cuidados a ter e os comportamentos de risco, tendo na ocasião salientando, que está em estudo no Ministério da Saúde a criação de um prêmio de jornalismo de saúde, com vista a melhorar e incentivar os profissionais que trabalham na área de saúde. União Européia vai aumentar financiamentos em Angola. O Embaixador d a U n i ã o Européia em Angola, João G a b r i e l, afirmou em entrevista ao b o l e t i m i n f o r m a t i v o SCARJoV, que a organização que dirige no p a í s v a i reforçar os apoios para as organizações não governamentais nacionais e estrangeiras que desenvolverem atividades no nosso país. O diplomata luso afirmou que este aumento surge em função do crescente número de solicitações de apoios, feitas a União Européia por organizações nacionais e estrangeiras que labutam no território nacional, que são submetidos a comissão de avaliação de propostas a serem financiadas pela comunidade, caso sejam aprovados. São muitas solicitações de pedidos que recebemos as quais temos que avaliar em função dos recursos que temos disponíveis mas posso garantir lhe que nos últimos tempos, aumentamos significativamente o número de financiamento, e vamos continuar a apoiar dentro das nossas possibilidades - afirmou o diplomata. João Gabriel, mostrou-se satisfeito com o estado atual dos direitos humanos, tendo em conta os últimos desenvolvimentos verificados a nível do pais, com o alcance da paz efetiva em todo território nacional facto que para si, constitui uma grande possibilidade para se continuar a fazer progressos significativos neste domínio. Problemas existem em todos países mesmo nos nossos, o importante é que exista esforços para se alterar a situação, isso temos constatado os, esforços que o governo tem feito para melhorar a situação das populações e da dignificação da pessoa humana.

4 P Á G I N A 4 "uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes e suas famílias que enfrentam os problemas associados à doença fatal, através da prevenção e alívio do sofrimento por meio da identificação precoce e De onde virão as nossas próximas estrelas de futebol? Mais de 22 milhões de Africanos, muitos deles jovens futebolistas, vivem com o HIV. Mesa redonda propõe-se abordar políticas angolanas dos cuidados paliativos A associação SCARJoV em parceria com a Associação Africana para Cuidados Paliativos (APCA) promovem no dia dezoito do mês em curso, uma mesa redonda sobre as políticas da legislação angolana sobre os cuidados paliativos. De acordo com uma nota de imprensa a que tivemos acesso, pretende-se com está iniciativa, efetuar uma revisão a legislação nacional e outros documentos políticos e de implementação pelos dez países africanos onde a APCA funciona, no sentido de avaliar as oportunidades, falhas, problemáticas do gênero que possam ser resolvidos no apoio aos cuidados paliativos a nível local. Adianta a nota de imprensa que vimos citando. O encontro terá como palco a sala de reuniões da União dos Escritores Angolanos, e nela farão parte membros de associações cívicas que atuam nos diversos domínios e c o n t a r á c o m f a c i l i t a d o r e s estrangeiros e nacionais. Note que a Organização Mundial de Saúde (OMS) define cuidados paliativos como "uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes e suas famílias que enfrentam os problemas associados à doença fatal, através da prevenção e alívio do sofrimento por meio da identificação precoce e avaliação impecável e tratamento da dor e outros problemas, físicos, psicossocial e espiritual.'' Os cuidados paliativos, pois, são fundamentais na gestão e no apoio à doença fatal como câncer e HIV/SIDA, no entanto um dos principais desafios para o desenvolvimento de cuidados paliativos eficazes em toda a África é a falta de sua integração nas políticas de saúde existentes e estratégias nacionais, negando acesso à saúde pública para a maioria das pessoas que necessitam de cuidados paliativos. Diretor Executivo do UNAIDS, Dr. Peter Piot, disse: "O futebol oferece uma plataforma excitante para intensificar os esforços de prevenção do HIV em toda a África e ajudar a promover a auto-estima e apoio ao desenvolvimento da comunicação de promoçao de habilidades para a vida. Combinando o futebol com programas de base comunitária e uma divulgação intensa da mídia dará um impulso salutar ao trabalho permanente de prevenção ao HIV no continente e será particularmente forte nos meses de preparação para a primeira Copa do Mundo a ser hospedado em África ". Governos Africanos, joguem limpo! Por favor invistam 15% ou mais de nossos orçamentos nacionais na saúde do nosso povo: 15% é nosso, dêem-nos! De onde virão as nossas próximas estrelas de futebol? Mais de 22 milhões de Africanos, muitos deles jovens futebolistas, vivem com o HIV. Sabes se és ou não HIV positivo? Seja uma estrela do futebol, faça um teste de HIV hoje e faça a diferença. Ela é sua mãe, irmã, esposa, filha: respeite o corpo dela, respeite suas opções de saúde reprodutiva, pare a violência contra a mulher, pare a propagação do HIV! B O L E T I M I N F O R M A T I V O

5 V O L U M E 9 E D I Ç Ã O 9 P Á G I N A 5 Comissária da União Africana satisfeita com situação dos Direitos Humanos em Angola. A Comissária dos Direitos Humanos da União Africana, Sayata Maiga que efetuou uma visita de trabalho durante quatro dias ao país, mostrou-se satisfeitas pelo estado atual dos direitos humanos nos últimos tempos em Angola. Maiga apontou a construção de novas unidades penitenciárias, e a diminuição das questões de prisão preventiva como aspectos significativos para a garantia das liberdades individuas no país. Enquanto esteve no nosso país, a diplomata da União Africana, manteve vários contactos com as autoridades angolanas que trabalham na matéria, de quem recebeu explicações sobre os passos que estão sendo dados no domínio dos direitos humanos, e apresentar algumas questões que tem chegado a Comissão da União Africana dos Direitos Humanos relativos ao tratamento dos emigrantes nas províncias do Zaire, Uíge e, nas Lundas-Norte e Sul com as questões de repatriamentos sem a observância das normas internacionais; sobre o assunto, a diploma disse ter recebido garantias das autoridades angolanas, de que esforços tem sido evidenciados no sentido de se respeitar as liberdades individuais; mostramos a nossa preocupação em relação a isso em todos os encontros em que participamos, e recebemos das autoridades a garantia de que tudo tem sido feito para que se observe estes princípios, que fazem parte da carta africana dos direitos do homem de quem Angola, é subscritora salientou, Sayata Maiga. Francisco Tunga Alberto, preocupado com os direitos humanos no país. O Secretário Executivo do Conselho de Coordenação dos Direitos Humanos em Angola, Francisco Tunga Alberto, considerou em entrevista ao SCARJoV, de preocupante o estado atual dos direitos humanos no nosso país. O ativista cívico, sustenta a sua posição, apoiando-se nos últimos acontecimentos ocorridos em Benguela, Huila, Cabinda, primeiro com o impedimento da associação OMUNGA, que pretendia realizar uma manifestação a favor das populações que viram as suas casas demolidas pelo executivo local, e que foi prontamente reprimida pela policia, e no segundo caso as demolições de casas na província da Huila levado acabo pelo governo liderado por Isaac dos Anjos, e por último as detenções arbitrárias em Cabinda com a detenção de vários ativistas do enclave sem culpa formada «o quadro perante o qual estamos, não deixa de ser preocupante porque todos dias assistimos, e ouvimos casos de violações de direitos humanos, por parte de quem em principio, tem a função de garantir estes mesmos direitos, que é o governo» destacou o ativista, que aponta o governo como sendo o principal violador dos direitos da pessoa humana, contrariando os discursos oficiais do executivo angolano. Para o nosso interlocutor o facto de o nome do país constar de forma sistemática em relatórios internacionais como sendo um dos que mais viola, as liberdades individuas a nível do mundo, deve obrigar o executivo angolano, a desenvolver mais esforços convista a alterar o atual quadro.

6 P Á G I N A 6 Em 2001, os estados membros da União Africana prometeram aumentar os gastos em saúde para um mínimo de 15% dos orçamentos nacionais. Desde então, os gastos totais na saúde cairam em 14 países. Só seis países - Botswana, Burquina Faso, Malawí, Níger, Ruanda e Zâmbia - alcançaram os objectivos que fixaram há nove anos atrás. Porém, durante os últimos 10 anos, só 5 dos 53 países Africanas conseguiram reduzir a mortalidade de crianças abaixo dos cinco anos. De facto, em seis países, aumentou a mortalidade da criança. As taxas médias de mortalidade materna também subiram em 23, de 49 países africanos. Fair Play for Africa Comunicado de imprensa Nova Rede: Fair Play for Africa inicia durante a Copa das Nações Africanas 29 Janeiro 2010 Uma nova rede da sociedade civil africana chamará os lideres dos estados africanos para manter as promessas de gastar 15% dos orçamentos nacionais em saúde durante o lançamento da sua campanha, Fair Play for Africa, para melhores cuidados médicos no continente africano, este fim de semana, em Angola. Na sexta-feira a noite, representantes do governo angolano, embaixadas e as órgãos de comunicação social vão ter uma apresentação da campanha Fair Play for Africa numa recepção de gala, e o evento principal será no domingo, uma marcha de solidariedade em Luanda. A marcha terá milhares de pessoas que desfilarão pelas ruas da capital angolana, começando no Estádio de Cidadela as 10H45 e terminara no Estádio de 11 de Novembro antes de inicio da partida final da Copa das Nações Aficanos. Vestindo as cores dos cartões vermelhos e amarelos do futebol, os activistas soprarão os apitos do Fair Play em solidariedade com outros através do continente para Saúde para todos. A campanha usara o ano 2010 e a plataforma da primeira Copa do mundo em terra africana, para assegurar que os líderes desenvolvem um plano para apressar o progresso em atingir as metas de saúde no continente. O Presidente da Fair Play for Africa, Mabalane Mfundisi disse: Enquanto as nações africanas se preparam para a primeira Copa do mundo em terra africana, milhões dos africanas mais pobres estão a lutar pelas suas vidas. Doenças como a malária, a TB e o VIH & SIDA continuam a devastar o continente e nem a comunidade internacional nem os governos da União Africana fizeram o suficiente para salvar vidas. Em 2001, os estados membros da União Africana prometeram aumentar os gastos em saúde para um mínimo de 15% dos orçamentos nacionais. Desde então, os gastos totais na saúde cairam em 14 países. Só seis países - Botswana, Burquina Faso, Malawí, Níger, Ruanda e Zâmbia - alcançaram os objectivos que fixaram há nove anos atrás. Mfundisi disse: Há nove anos atrás, numa reunião em Abuja os líderes africanos prometeram responsabilizarse e liderar pessoalmente para segurar, que mais de 15% de seus orçamentos seriam gastos em tratamentos, cuidados e acesso a saúde. Aquela promessa não foi cumprida. Nós precisamos de agir agora e trabalhar para desenvolver juntos um Plano de Aceleração liderado pela União Africana, para a saúde em África. Os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio da ONU procuram uma redução de dois terços nos óbitos de crianças abaixo de cinco anos e reduzir as taxas de mortalidade materna em três quartos em Porém, durante os últimos 10 anos, só 5 dos 53 países Africanas conseguiram reduzir a mortalidade de crianças abaixo dos cinco anos. De facto, em seis países, aumentou a mortalidade da criança. As taxas médias de mortalidade materna também subiram em 23, de 49 países africanos. A campanha Fair Play for Africa está urgindo que: * Os membros da União Africana declarem endossar um Plano de Aceleração dos ODMs na próxima cimeira da UA em julho de 2010 * Os líderes africanos fixem um prazo dentro do qual alcançarão o compromisso de Abuja de alotar 15% de seus orçamentos a saude. * Os/as parlamentares africanos exercitem um maior escrutínio de recursos e assegurem gastos efectivos para a provisão de saúde para todos * Os países doadorer cumpram com os compromissos de ajuda feitos no G8 de 2005 em Gleneagles, apoiando um Plano de Aceleração conduzido por África para alcançar as Objectivos de Desenvolvimento de Milénio. Mfundisi disse: 2010 deve ser um ano em quem os nossos líderes demonstrem a humanidade de África em cumprir os compromissos de prover cuidados médicos para todos os seus povos. Para fazer isto, nós precisamos de vontade política, mais fundos e maior transparência dos governos de forma a que os cidadãos possam ver como seu dinheiro está a ser gasto. Nós também precisaremos do apoio de governos de paises doadores para um plano conduzido pela Africa para apressar o nosso progresso em atingir os ODMs. O lançamento, em Angola será seguido de lançamentos locais em cada um dos 10 países de foco para a Fair Play for Africa, com actividades de mobilização que continuam ao longo de O site da Web da campanha também será lançado no domingo 31 janeiro. FIM Para informação e entrevistas Mabalane Mfundisi, Presidente da rede Fair Play for Africa, tel: Wayne Alexander, Membro do conselho dinamizador Fair Play for Africa, tel: SAÚDE PARA TODOS É NOSSA META B O L E T I M I N F O R M A T I V O

7 V O L U M E 9 E D I Ç Ã O 9 P Á G I N A 7 Declaração de Lakes sobre a Rede de Mulheres Seropositivas Nós, mulheres seropositivas da África Austral e do Este, reunidas no Centro de Conferências do Lakes Hotel em Joanesburgo, Africa do Sul entre 2-3 de Março de 2010 num workshop facilitado pela ARASA e ICW Namíbia/ Namíbia Women s Health Network para aceder as necessidades e construir capacidades da rede de mulheres seropositivas da África Austral e do Este afim de identificar e reportar as violações dos direitos humanos sofridos pelas mulheres seropositivas na região, bem como as questões dos direitos humanos que tornam as mulheres e raparigas mais vulneráveis ao HIV na região. Nós reconhecemos que a nossa rede é fraca e agradecemos ARASA pela oportunidade ao identificar as fraquezas e as capacidade requeridas para a nossa rede. Concluímos que o rosto do HIV na África Austral e do Este é da mulher e que a pandemia é disseminada persistentemente pelas violações dos direitos humanos, particularmente contra mulheres, na região. Portanto, precisamos reforçar a nossa rede de mulheres seropositivas na região para capacitar-nos a falar e expor estas violações dos direitos humanos. Mandatamos a ARASA para servir como anfitrião desta emergente rede para mulheres seropositivas a responder as violações dos direitos humanos na África Austral e do Este para um período de 2 ou mais anos de formas a apoiar-nos a erguer nossas capacidade para reforçar a nossa rede; apoiar os nossos representantes da nossa rede para discutir os direitos humanos e para implementar as nossas actividades, começando com a conferência regional para mulheres seropositivas para identificar estratégias para os passos futuros. Nós mais uma vez mandatamos a ARASA para apoiar-nos numa iniciativa de angariação de fundos para a rede e na implementação de actividades incluindo a mobilização de recursos para a conferência regional a ter lugar no segundo semestre do ano de Concordamos que após 2 ou mais anos a ARASA irá transferir esta nova rede, com garantias de uma forte estrutura de rede para expor as violações dos direitos humanos enfrentados por mulheres vivendo com HIV na África Austral e do Este. Membros da comissão mandatados para trabalhar com ARASA para levarem esta iniciativa adiante: 1. Tanzânia: Joan Chamungu Msuya 2. Namíbia/Zimbabwe: Jennifer Gatsi-Mallet 3. Swaziland: Nontobeko Dlamini 4. Zâmbia. Monica Mvula 5. Malawi: Miriam Msiska Nyoni 6. Botswana: Doreen Mooketsi 7. Maurícias. Letícia ponien 8. Moçambique: Gledcia Catarina 9. Seychelles: Molly Jean 10. Angola: Malamba Joaquim 11. Lesoto: Mamoletsi Moletsi Assinado em Joanesburgo, África do Sul aos 03 de Março de 2010:

8 Reino da Noruega quer cooperar com Angola no domínio dos direitos humanos O Embaixador da Noruega acreditado no nosso pais Jon Voa, disse recentemente em Luanda, que o seu país quer ajudar Angola na área dos direitos humanos. Jon Voa fez estas declarações, a saída de uma audiência que lhe foi concedido pelo Secretário do Estado para os Direitos Humanos António Bento Bembe. O diplomata norueguês apontou como prioridade as áreas de formação de quadros no domínio da magistratura, o apoio as mulher e o gênero, e a formação dos líderes associativos, onde o seu país tem bastante experiência. Vim manifestar ao senhor Secretário de Estado para os Direitos Humanos, a nossa disponibilidade em cooperar com Angola nas áreas que o país desejar que nos possamos cooperar, principalmente no domínio dos magistrados judiciais, líderes associativos, e também no domínio do gênero, com formações no país enviando quadros na Noruega. Angola esta a viver uma fase muito importante como país depois da guerra e nós também, queremos a ajudar o país a melhorar no domínio dos direitos humanos. Afirmou o diploma norueguês. Por seu turno, o Secretario de Estado para os Direitos Humanos, António Bento Bembe, disse aos jornalistas que o país esta aberto a cooperar com a Noruega, de que considerou ser um dos pioneiros na luta e respeito dos direitos humanos a nível de todo o mundo, fruto da sua história, e que Angola, não pode perder esta oportunidade concedida pela Noruega. Mendes reeleito para mais quatro anos. O Jurista David Mendes, foi reconduzido no dia 24 de Abril para mais um mandato, a frente da associação cívicas Mãos Livres. O evento teve lugar numa das unidades hoteleiras da cidade capital, e contou com a presença de várias figuras nacionais e estrangeiras que fizeram questão de testemunhar a cerimônia de eleição da referida associação, com especial destaque, para a presença do Embaixador da União Européia acreditado no nosso país, João Gabriel Matos Ferreira. Ao fazer uso da palavra, David Mendes, começou por agradecer o voto de confiança a si depositado por parte dos seus companheiros, tendo na ocasião feito uma retrospectiva da vida a associação desde a sua criação no longínquo ano de 2000, período, que caracterizou de difícil para a vida do pais por quanto, o pais ainda estava mergulhado em guerra» fomos conotados como um partido político devido a nossa intervenção pública e chegamos a ter os nossos escritórios encerrados em algumas províncias do país como por exemplo a província do Huambo mais ainda assim não paramos porque o nosso objetivo não era a política como julgavam as autoridades do país. «Disse Para o novo quadriênio, David Mendes, apontou a parte leste do país como sendo prioritária por considerar que o leste, ainda esta votado ao abandono, em matérias judiciais tendo em conta o número de queixas que associação recebe de trabalhadores diamantíferos, e de pessoas singulares. David Mendes fez saber ainda que as Mãos Livres, poderá se tornar em breve uma instituição de utilidade pública, caso o Ministério da Justiça de o aval nos próximos tempos a julgar segundo disse uma carta dirigia a associação para os serviços de apoio da Presidência da República, o que acontecer, constituirá uma mais-valia, mas garantiu que o possível financiamento do estado a associação, não vai alterar o posicionamento desta agremiação «nós não aceitamos e nunca aceitaremos que ninguém interfira nas atividades da associação, mesmo que seja o estado a não ser a auditoria as finanças fora disso, não aceitaremos. Concluiu.

9 Associação de Reintegração dos Jovens /Crianças na Vida Social Estrada da Camama Viana ao Calemba 2 (Bairro da Paz) Kilamba Kiaxi - Luanda Angola Telefone: Telemóvel: Telemóvel: Correio electrónico: A reflexão Juvenil para a nova geração Editorial Objectivo: Capacitar os jovens para um desenvolvimento efectivo e habilitoso sobre administração de conflito. Promover a educação sobre HIV-SIDA no contexto dos direitos humanos, com vista a proteger os direitos da criança em particular. Considerar o género como parte integrante da comunidadebaseada na prevenção e administração de conflitos. Missão: Melhorar o conhecimento, para cumprimento e observância dos direitos humanos. Encorajar troca de informação e experiência através de formações, pesquisa, lobby e advocacia. Visão: Contribuir na criação de uma sociedade democrática livre de abusos e violência, onde os direitos dos jovens/ crianças são reconhecidos por lei e prática. Contribuir para o desenvolvimento da cultura dos direitos humanos para assegurar a paz, Estabilidade, democracia e desenvolvimento sustentável para a próxima geração.. BREVES Prezados leitores Bem-Vindos à nona edição do Boletim SCARJoV do projecto produção da informação sobre HIV, financiado pela União Europeia através da Oxfam GB, na qual esperamos garantir uma periodicidade mensal, com temas previamente definidos e de interesse comunitário. Porem uma organização que se preze firme e comprometida, apois seis anos de existência; tem muito a dar para as comunidadades, aos parceiros da sociedade civil como também ao governo em todos níveis. É de recordar que, as experiências acumuladas seja no campo de trabalho, nas consultas regionais e internacionais, na formação do homem que culminou com o estabelecimento estrutural seja interna como externo, assim devemos doravante orientar nossa visão e missão na criação das capacidades no seio das comunidades. Sabendo na comunidade o lugar de perdão e de construção de amor recíproco, desde que haja um vetor eficaz de circulação de informação, que prende com a mudança de atitudes na cultura não só das relações entre camadas interessadas. Entretanto, o desenvolvimento passa por adoptar um comportamento são em todos aspectos da vida, mas sobretudo no uso e partilha das relações humanas. Pois que um dos fundamentos da SCARJoV é participar na luta contra o flagelo do HIV/SIDA, dentro das suas concepções culturais, visto que é: dominar as regras, cultivar o patriotismo na partilha das informações buscar experiências vindas de além mais, semear sementes de valorização de uma consciência de convivência com as vitimas no sentido de promover programas fortes de integração da educação sobre SIDA num contexto cultural local e numa perspectiva dos direitos humanos. A nossa idéia é caminhar juntos mais juntinhos no sentido de que cada membro da comunidade deve encarrar a pandemia como um inimigo a não perdoar nem dar tréguas nenhuma. Para a efectivação desta estratégia, apostou-se no estabelecimento de parcerias institucionais. Além das parceiras internas faz-lhe como membro em pleno direito do colegio de organizacoes nacionais ao servico de SIDA e do conselho dos direitos humanos a nivel local, e transcontinental; tendo criado um espaço consolidado com a ARASA-Aliança de Direitos para Africa Austral na área de formação de quadro, especialmente no domínio de direitos humanos e HIV/SIDA. Assim somos a solicitamos a todos prezados leitores e interessados da causa social a enviarem vossos calendários de eventos, notas de imprensa e qualquer informação de interesse social que desejam partilha. Recorde-se que este é um trabalho em progresso continuo e todas sugestões e comentários são bem vindas. Assinou Simão Cacumba e Tunga Alberto Na próxima edição resumo do encontro Consultivo Regional sobre HIV e os Serviços Legais na África austral. Na próxima edição conclusão e recomendações da Mesa redonda sobre a abordagem das políticas angolanas dos cuidados paliativos. A nível da região vimos que os estados estão mais dinâmicos que a sociedade civil; pois que a sociedade civil coloca sempre a língua como barreira; mais os governos não vêem isto como sendo um obstáculo para as suas relações bilatérias. Temos que trabalhar com organizações da sociedade civil regional. A igreja não pertence ao bispo, pastor muito menos ao ancião ou leigo pois que esta pertence aos crentes. se este não esta interessado então retire-se; isto é que esta a acontecer no Malaui e Suazilândia. O HIV NÃO AFECTA OS MEUS DIREITOS HUMANOS Direcção do Boletim: Simão Cacumba M Faria Redacção: José Adalberto Eduardo Nguezi Sofia Bernarda Angelina Neusa Colaboradores : Francisco Alberto Propriedade: SCARJoV LICENÇA Nº MCS-431/B/2006 Financiamento oficial:

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION Comunicado da Conferência de Consulta Regional sobre as Oportunidades de Investimento no Sector Privado da Região dos Grandes

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014

Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014 Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014 S. Excia Ministro da Saúde S. Excia Governadora da Província

Leia mais

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008)

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD (Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África) é um colóquio político para o Desenvolvimento de África, que o Japão iniciou em 1993 e conduziu

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por ocasião do Banquete de Estado

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação REPÚBLICA DE ANGOLA Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação Intervenção de Sua Excelência Licínio Tavares Ribeiro, Ministro dos Correios e Telecomunicações ANGOLA (Genebra, 12 de Dezembro de 2003)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE SA9430 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P.O. Box 3243 Telephone: 5517 700 Fax: 5517844 www.africa-union.org CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA SAÚDE (CAMH6) Sexta Sessão

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 2 DE JULHO PALÁCIO DO ITAMARATY BRASÍLIA

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: +251 11 551 7700 Fax: +251 115 182 072 Website: www.au.intwww.africa-youth.org PRIMEIRA REUNIÃO DO COMITÉ TÉCNICO

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000)

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000) P TRIMESTRE Introdução RELATÓRIO DE RESUMO DA ALMA: 2P o DE 205 No mês de Julho de 205, a Etiópia e a Comissão Económica das Nações Unidas para África vão ser os anfitriões da 3ª Conferência Internacional

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo"

Campanha Está Provado por A+B arma não é brinquedo Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo" Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "Participo do

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana Comissão da União Africana 1. Solicitar à CUA para que organize, enquanto aguardar-se pela implementação plena das decisões pertinentes sobre a operacionalização dos Comités Técnicos Especializados (CTE),

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

INTERVENÇÃO DA PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE (FDC), NO III PARLAMENTO INFANTIL NACIONAL

INTERVENÇÃO DA PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE (FDC), NO III PARLAMENTO INFANTIL NACIONAL INTERVENÇÃO DA PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE (FDC), NO III PARLAMENTO INFANTIL NACIONAL Sra. Presidente da Assembleia da República, Excelência Sra. Ministra da Mulher e da

Leia mais

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br Programa de Estágios Comunitários Estágios Comunitários Ontem, Hoje e Amanhã Estagiocomunitario@yahoo.com.br Introdução O Programa de estágios comunitários é um projecto que nasceu a partir da experiência

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS, COOPERAÇÃO E COMUNIDADES SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES INTRODUÇÃO O Iº Encontro dos Órgãos de Comunicação e Informação de Caboverdianos na Diáspora, realizado

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo:

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo: Envolvimento e Participação da Sociedade Civil nos Processos em direcção ao Acesso Universal na África Austral Uma Posição Comum Nairobi, 26 de Maio de 2008 Região em Crise A África Austral é o epicentro

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração e

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

COMUNICADO. 3. Participaram na Cimeira Conjunta os seguintes Chefes de Estado e de Governo ou seus representantes:

COMUNICADO. 3. Participaram na Cimeira Conjunta os seguintes Chefes de Estado e de Governo ou seus representantes: CIMEIRA CONJUNTA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL (SADC) E DA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A REGIÃO DOS GRANDES LAGOS (CIRGL), PRETÓRIA, ÁFRICA DO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Lisboa, 25 de Julho de 2105 Sessão de abertura (agradecimentos; este seminário

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 RESUMO Julho 2013 As Missões de Acompanhamento Eleitoral da União Europeia são independentes das instituições da União Europeia. O presente

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais