Angola Setembro 2012 Perfil do Sector Privado do País. Perfil do Sector Privado do País

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Angola Setembro 2012 Perfil do Sector Privado do País. Perfil do Sector Privado do País"

Transcrição

1 Angola Setembro 2012 Perfil do Sector Privado do País Perfil do Sector Privado do País

2 Angola Perfil do Sector Privado do País Written by: Estefanía Jover, Anthony Lopes Pintos and Alexandra Marchand

3 Angola Private Sector Country Profile Design, layout and infographics: Gala Jover Set in: Gotham Narrow Book, Gotham Narrow Medium Paper: Munchen Polar 120g Printers: Printech Europe Printed in United Kindgdom

4 Perfil do Sector Privado do País I Índice II Lista De Tabelas III Lista De Figuras IV Agradecimentos V Abreviaturas e Acrónimos 1 Síntese 4 Descrição Geral Do País 4 Introdução 5 História Recente 5 Sistema Político 6 Sistema Legal 6 População E Padrões Sociais 7 Economia 10 Comércio 12 Relações Internacionais 15 Conselhos Para Visitantes 17 Ambiente Empresarial 17 Clima Empresarial 20 Ambiente Regulatório 44 Petróleo E Gás 50 Mineração E Indústria 52 Telecomunicações 54 Operadoras Locais De Telecomunicações Móveis 56 Construção 61 Agricultura E Pescas 68 Turismo E Hospitalidade 72 Transportes 77 Serviços Públicos (Electricidade E Água) 82 Retalho 86 Cervejas E Outras Bebidas 89 Principais Estratégias De Desenvolvimento Do Sector Privado 89 Objectivos Da Política Do Governo 89 Planos De Desenvolvimento Económico 90 Cooperação Dos Sectores Público-Privado 90 Análise Ffoa 94 Referências 21 Investimento Estrangeiro 24 Estrutura Empresarial Possível 26 Relações Laborais E Segurança Social 26 Mercado Dos Valores Mobiliários 26 Principais Taxas De Tributação E Alterações À Estrutura Tributária 29 Principais Sectores Empresariais 29 Banca, Seguros E Micro-Finanças

5 II Perfil do Sector Privado do País Lista de Tabelas 9 Tabela 1: Indicadores-Chave económicos 62 Tabela 19: Produção Nacional de Carne, Ovos 9 Tabela 2: Composição do PIB (%) 11 Tabela 3: Balança Comercial (US$ Mil Milhões) 63 Tabela 20: Produção das Principais Culturas em Angola (em Toneladas) 11 Tabela 4: Composição das Importações (US$ Milhões) 67 Tabela 21: Comercialização e Produção No Sector das Pescas Tabela 5: Angola no Índice de Facilidade para Fazer Negócios Tabela 6: Procedimento para Aprovação de Investimentos Com A Anip Tabela 7: Procedimento para Aprovação de Investimentos No Gue Tabela 8: Taxas Compostas de Crescimento do Sector Bancário em Angola Tabela 9: Sector Bancário Angolano: Activos e depósitos (Af2010) Tabela 10: Sector Bancário Angolano: empréstimos e Lucros (Af2010) Tabela 11: Sector Bancário Angolano: Índices Comparativos e Outras estatísticas (Af2010) Tabela 12: Quadro Regulatório das Instituições Financeiras 70 Tabela 22: Alojamento em Angola 71 Tabela 23: Principais Hotéis em Luanda 74 Tabela 24: Estado da Reabilitação das Linhas Ferroviárias 76 Tabela 25: Porto de Luanda Principais Características 79 Tabela 26: Linhas de Transmissão da ene (2009) 79 Tabela 27: Tarifas de Distribuição de electricidade da edel Por Tipo de Cliente (2010) 81 Tabela 28: Valores da Cobertura de Água e Saneamento 92 Tabela 29: Premissas da Política económica 92 Tabela 30: Despesa Pública (em %) 41 Tabela 13: Prémios de Seguros por Ramos 46 Tabela 14: Principais Subsidiárias e Joint- Ventures da Sonangol 53 Tabela 15: Indicadores de Acesso a Tic em Tabela 16: Indicadores de Utilização de Tic em 2010 Tabela 17: Preços de acesso à internet em Angola (em US$) 56 Tabela 18: Obtenção de Alvarás de Construção

6 Perfil do Sector Privado do País III Lista de Figuras Figura 1: Taxa de Crescimento do PIB (Variação % Anual) Figura 2: Principais Parceiros de Importação em 2010 (US$ Milhões) Figura 3: Principais Parceiros de Exportação em 2010 (US$ Milhões) Figura 4: Como Angola e Economias de Referência Se Classificam em Termos de Facilidade Para Fazer Negócios Figura 5: Desafios de Competitividade de Angola Figura 6: Distribuição do Total de Activos em 2010 Figura 7: Distribuição do Total de Depósitos em Figura 17: Chegadas Por Região em Figura 18: Chegadas Por País em Figura 19: Razão da Entrada em Figura 20: Chegadas Por Mês em Figura 21: Redes Ferroviárias em Angola em Figura 22: Movimentação de Contentores no Porto de Luanda em Figura 8: Distribuição do Crédito Total em Figura 9: Distribuição dos Lucros Líquidos em 2010 Figura 10: Densidade / Distribuição das Sucursais (Fim do Primeiro Trimestre de 2011) Figura 11: Repartição dos Empréstimos Por Sector, 30 de Junho de 2011 Figura 12: Repartição das Fontes de Financiamento, 30 de Junho de 2011 Figura 13: Índice de Produção de Culturas ( =100) Figura 14: Rendimento Cerealífero em 2010 (Kg Por Hectare) 68 Figura 15: Chegadas Internacionais 68 Figura 16: Chegadas Internacionais Actuais & Previstas

7 IV Perfil do Sector Privado do País Agradecimentos O Angola PSPP 2012 foi preparado pela consultora francesa Alexandra Marchand com Estefanía Jover e Anthony Lopes Pinto, consultores do escritório angolano da sociedade financeira pan-africana Imara Holdings Limited. A revisão por pares contou com Septime Martin, Catarina Soares da Cunha, Joel Daniel Muzima, Felisberto Mateus e Luís Magalhães. As questões relativas ao relatório devem ser remetidas ao Escritório de Angola do Banco Africano de Desenvolvimento. O Angola PSPP 2012 foi financiado pelo French Trust Fund.

8 Perfil do Sector Privado do País V ABREVIATURAS E ACRÓNIMOS AF ANIP AOA BAD BAI BCI BDA BESA BFA BIC BIOCOM BM BMA BMF BNA BNI BPA BPC BPD BPE CEIC CFB CFL CFM CIF CIRC CMC CNFI CRIP Ano Fiscal Agência Nacional Para o Investimento Privado Moeda angolana Kwanza Banco Africano de Desenvolvimento Banco Africano de Investimentos Banco de Comércio e Indústria Banco de Desenvolvimento de Angola Banco Espírito Santo Angola Banco de Fomento de Angola Banco BIC Angola Companhia de Bioenergia de Angola Banco Mundial Banco Millennium Angola Banco BAI Micro Finanças Banco Nacional de Angola Banco de Negócios Internacional Banco Privado Atlântico Banco de Poupança e Crédito Barris por dia Barris de petróleo equivalente Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica Caminhos-de-Ferro de Benguela Caminhos-de-Ferro de Luanda Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes Fundo Internacional da China Central de Informação de Risco de Crédito Comissão do Mercado de Capitais Comissão de Negociação de Facilidades e Incentivos Certificado de Registo de Investimento Privado

9 VI Perfil do Sector Privado do País ABBREVIATIONS AND ACRONYMS DERP EBITDA EDEL EDGE ENE FAD FAO FEM FIDA FMI FND FNLA GA GMT GPRS GUE IDA IDPAA IDT IED IFI INACOM INE IPC IRSE ISS LDA MINADERP MINEA Documento de Estratégia de Redução da Pobreza Resultados antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações Empresa de Distribuição de Electricidade Taxa de Transferência de Dados Melhorada para a Evolução do GSM Empresa Nacional de Electricidade Fundo Africano de Desenvolvimento Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação Fórum Económico Mundial Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola Fundo Monetário Internacional Fundo Nacional de Desenvolvimento Frente Nacional de Libertação de Angola Governo de Angola Hora Média de Greenwich Serviço Geral de Pacotes por Rádio Guichet Único da Empresa Instituto de Desenvolvimento Agrário Instituto de Desenvolvimento da Pesca Artesanal e da Aquicultura Índice de Desenvolvimento das TIC Investimento Estrangeiro Directo Instituições Financeiras Internacionais Instituto Angolano das Comunicações Instituto Nacional de Estatística Índice de Preços no Consumidor Instituto Regulador de Electricidade Instituto de Supervisão de Seguros Limitada Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Ministério da Energia e Águas

10 Perfil do Sector Privado do País VII ABBREVIATIONS AND ACRONYMS MINEC MINHOTUR MPLA MPME NIF OMC OMS OPEP PERT PIB PNUD PPP PSPP RDH SA SADC SAPP SBA SIGPE SIMINCO SINOPEC SONANGOL SONILS TEU TIC UA UE UMTS UNCTAD Ministério da Economia Ministério da Hotelaria e Turismo Movimento Popular de Libertação de Angola Micro, Pequenas e Médias Empresas Número de Identificação Fiscal Organização Mundial do Comércio Organização Mundial de Saúde Organização dos Países Exportadores de Petróleo Projecto Executivo para a Reforma Tributária Produto Interno Bruto Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Parcerias Público-Privadas Perfil do Sector Privado do País Relatório de Desenvolvimento Humano Sociedade Anónima Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral Pool de Energia da África Austral Acordo de Stand-by ou Acordo de Crédito Contingente do FMI Sistema Integrado de Gestão Patrimonial do Estado Sistema de Informação Integrado do Ministério do Comércio Companhia Petroquímica da China Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola Serviços Integrados de Logística da Sonangol Unidade Equivalente a 20 Pés Tecnologias de Informação e Comunicação União Africana União Europeia Sistema Universal de Telecomunicações Móveis Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento

11 VIII Perfil do Sector Privado do País UNITA USAID USTDA União Nacional para a Independência Total de Angola Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional Agência para o Comércio e Desenvolvimento dos Estados Unidos

12 Perfil do Sector Privado do País 1 Síntese Em Abril de 2012 Angola celebrou o décimo aniversário do acordo de paz que pôs fim a 27 anos de uma guerra civil devastadora e inaugurou um período de crescimento económico rápido e sustentável, impulsionado pela produção de petróleo e as exportações. Com uma taxa de crescimento anual do PIB superior a 11.6% ao longo da última década, Angola classifica-se como uma das economias com crescimento mais rápido do mundo. Muito do seu crescimento pode ser atribuído directamente ao desenvolvimento dos sectores petrolífero e do gás. Angola surgiu como o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana depois da Nigéria, produzindo aproximadamente 1.7 milhões de barris por dia em Além disso, as águas profundas e ultraprofundas da Bacia do Kwanza, até então sem licenças de exploração petrolífera atribuídas, são consideradas dos mais promissores reservatórios de crude do mundo, com o potencial de aumentar significativamente a capacidade de produção de Angola. Com diversas novas descobertas por companhias petrolíferas estrangeiras envolvidas na prospecção das costas de Angola, as perspectivas para o sector permanecem positivas e o inventário das reservas de petróleo será provavelmente revisto em alta no futuro. Angola dispõe também das segundas maiores reservas de gás natural em África (297 mil milhões de metros cúbicos). A fábrica de Gás Natural Liquefeito (LNG) no Soyo, no Norte de Angola, representa o principal esforço do país para comercializar e desenvolver os seus recursos de gás natural. A indústria diamantífera é a segunda maior matériaprima de exportação de Angola depois do petróleo. No entanto, são igualmente abundantes outros minerais como ouro, baritina, ferro, cobre, cobalto, granito e mármore. O passo no sentido da diversificação da base de mineração de Angola para além dos diamantes está já em curso, impulsionado pelos avanços nas redes ferroviárias e rodoviárias e por alterações fundamentais na legislação do sector mineiro que conferem maior protecção aos investidores. Apesar da economia de Angola permanecer fortemente dependente dos recursos de petróleo, gás e minerais do país, o seu rápido crescimento permitiu uma expansão orçamental e uma mudança positiva na procura doméstica que tem impulsionado outros sectores da economia. Com uma taxa de crescimento anual do PIB superior a 11.6% ao longo da última década, Angola classifica-se entre as economias com as mais rápidas taxas de crescimento do mundo. Um desenvolvimento importante tem sido o aprofundamento e alargamento do sistema financeiro angolano. O crédito ao sector privado aumentou e o índice de penetração bancária registou avanços. O rácio padrão de crédito total sobre o PIB, que em 2003 se mantinha em 5%, era de 22% em No entanto, não existe um mercado de valores, o mercado monetário dispõe de poucos instrumentos transaccionáveis, a penetração das instituições de microfinanças permanece baixa e as disparidades regionais altas. Os avanços futuros irão exigir melhorias no contexto do crédito e o incentivo às instituições bancárias e não-bancárias no sentido

13 2 Perfil do Sector Privado do País de expandirem o financiamento ao sector privado. Desenvolver a capacidade do sector financeiro para intermediar fundos para investimentos produtivos será crucial para impulsionar o crescimento não-petrolífero no sector privado. O sector segurador também tem demonstrado um forte crescimento, nomeadamente no segmento Não Vida. O mercado segurador angolano é actualmente o sexto maior em África. No entanto, a ausência de um mercado de capitais nacional limita o desenvolvimento do sector de fundos de pensões. Angola tem o terceiro maior mercado doméstico para bebidas alcoólicas na África subsaariana, depois da África do Sul e da Nigéria. Cuca, o maior fabricante angolano de cervejas - parcialmente detido pelo gigante das bebidas francês Grupo BGI (Castel) alcançou um êxito enorme e expandiu as suas operações nos últimos anos. Não obstante, o mercado não dispõe ainda da oferta necessária e a discrepância é colmatada com importações. A Refriango, uma empresa de bebidas angolana que começou a produzir em 2005, conquistou o mercado local, ostentando uma extensa carteira de marcas reconhecidas; a empresa tem ambições de expansão regional e internacional. Embora a guerra tenha causado severos danos na rede fixa de telecomunicações de Angola, os avanços tecnológicos na esfera das telecomunicações móveis conduziram a uma melhoria significativa no acesso a serviços de telecomunicações em todo o país. Angola tem hoje um dos maiores mercados de telecomunicações móveis da África subsaariana com perto de 13 milhões de subscritores de telemóveis. No entanto, apesar das reformas no sector o actual nível de concorrência no mercado permanece baixo. O sector da construção presta uma contribuição muito importante para a economia doméstica, e tem aumentado de forma estável a sua quota no PIB de 3.5% em 2003 para uns estimados 8.9% em O sector foi fortemente atingido pelos pagamentos públicos em atraso em 2009/10 mas o financiamento prestado através do Acordo de Crédito Contingente do FMI, combinado com a recuperação dos preços do petróleo, permitiu o acerto de todos os pagamentos públicos no final de Os enormes investimentos na reabilitação e expansão de estradas, linhas ferroviárias, portos e aeroportos estão a transformar as infra-estruturas do país e a exercer um efeito positivo na produtividade do sector privado. Não obstante, o fornecimento de electricidade é ainda um problema sério, tanto para as famílias como para as empresas. Apesar dos investimentos substanciais no sector eléctrico, a capacidade produtiva permanece bastante deficiente em relação às necessidades, constituindo uma das maiores barreiras à expansão e diversificação da actividade do sector privado. Estima-se que dois terços das empresas angolanas depende dos seus próprios geradores, facto que encarece drasticamente os custos de produção. Custos de produção altos afectam a competitividade das empresas angolanas e atrasam o desenvolvimento da indústria local. Embora a economia de Angola permaneça fortemente dependente dos recursos de petróleo, gás e minerais do país, o seu rápido crescimento permitiu uma expansão orçamental e uma mudança positiva na procura doméstica que está a impulsionar outros sectores da economia. A agricultura é há muito o gigante adormecido da economia angolana. Angola tem profusa terra agrícola, um clima favorável e, ao contrário da maioria dos países na África subsaariana, abundantes recursos hídricos. Não obstante, Angola é um importador líquido de alimentos. Diversas iniciativas tanto do sector público como do privado visam revitalizar a produção agrícola e, actualmente, a agricultura é um dos sectores com crescimento mais rápido no país. A procura de mais, melhor e mais diversificada oferta proveniente de produtores locais também deverá aumentar à medida que as empresas procuram obter uma proporção cada vez maior das suas matérias-primas no

14 Perfil do Sector Privado do País 3 mercado doméstico. O sector tem igualmente beneficiado do crescimento sustentado do nível de rendimentos per capita da população, da melhorias nas infra-estruturas, do aparecimento de centros de distribuição e da presença crescente de grupos agro-industriais O sector agrícola é uma prioridade estratégica do governo, uma vez que se espera que este desempenhe um papel importante na redução das dispendiosas importações alimentares e no aumento do emprego nos próximos anos. Ao mesmo tempo que o comércio informal se mantém generalizado por todo o país, registou também um forte crescimento no sector retalhista formal. A última década assistiu ao aparecimento de diversos retalhistas organizados, com o desenvolvimento de diversos hipermercados enormes. As mudanças demográficas e no perfil dos consumidores, a crescente urbanização, as melhorias na infra-estrutura e o aumento do número de marcas internacionais disponíveis no mercado angolano têm impulsionado os desenvolvimentos nesta área. aumentar as oportunidades de emprego do país. O sector privado tem um papel central a desempenhar neste processo. No entanto, continua a ser manifestamente difícil operar em Angola e a economia do país permanece altamente dependente do investimento público. Embora o Governo de Angola esteja activamente a impulsionar várias iniciativas concebidas para criar um ambiente empresarial mais competitivo que promova o desenvolvimento empresarial e que estimule o crescimento, há ainda muito para fazer. O futuro de Angola depende na continuação de uma diversificação bem-sucedida da sua actividade económica. O sector de Hospitalidade e Turismo apresenta perspectivas animadoras. A oferta de hotéis em Luanda registou melhorias nos últimos anos, embora não exista ainda nenhum hotel de marca internacional na cidade. Os hotéis em Luanda prestam os seus serviços nomeadamente a viajantes em negócios, uma vez que o turismo internacional é ainda restrito em virtude dos controlos de imigração e dos preços elevados. No entanto, o turismo interno por locais e expatriados residentes tem crescido. A indústria de hospitalidade é ainda menos desenvolvida fora de Luanda, com potenciais oportunidades de investimento. Angola tem conquistado grandes avanços na década que se seguiu ao fim da guerra. Embora o país tenha, sem dúvida, beneficiado de condições favoráveis nos mercados de matérias-primas mundiais, a exploração dos seus recursos minerais é apenas parte da história. O desempenho económico de excepção de Angola nos últimos anos é tanto o reflexo da melhoria da estabilidade política e macroeconómica do país, como é a consequência de preços de petróleo favoráveis. E a prosperidade petrolífera tem sido estrategicamente investida na promoção do crescimento de outras áreas da economia. Não obstante, Angola é uma das sociedades com mais desigualdades do mundo e existe uma necessidade gritante de apressar a diversificação económica e de

15 4 Perfil do Sector Privado do País Descrição Geral do País Introdução O presente Angola - Perfil do Sector Privado do País (PSPP) apresenta uma actualização do anterior PSPP, produzido pela primeira vez em 2009 pela empresa de consultoria Aria Consult. Desde a última publicação do PSPP, tiveram lugar mudanças significativas nos quadros regulatório, administrativo e legal que afectaram directa e indirectamente o ambiente empresarial no país e criaram a base para mais crescimento em sectoreschave da economia, como sejam: banca, mineração, seguros, construção e agricultura. Este relatório reflecte essas mudanças e apresenta informação essencial sobre o desenvolvimento do sector privado em Angola. O relatório começa por apresentar uma visão geral do país com informação sobre o sistema político, o sistema legal, população, economia e informação dirigida aos visitantes empresariais. Segue-se uma análise compreensiva do ambiente empresarial com a apresentação das principais mudanças regulamentares, tais como a nova reforma do código fiscal que se prevê terá um impacto enorme nas receitas do país. Os sectores-chave da economia são em seguida especificados através da apreensão dos desenvolvimentos e das oportunidades de investimento neles ocorridos. Por último, são apresentadas recomendações para as principais estratégias de desenvolvimento do sector privado. A informação apresentada neste estudo será valiosa para empreendedores angolanos com informação económica vital para a criação de empresas e para uma maior criação de emprego para a população em geral e para a juventude em particular. O relatório fornece aos investidores estrangeiros informação primordial para o investimento directo no país. O estudo contribui ainda para o conhecimento das actividades do Banco Africano de Desenvolvimento em Angola, particularmente depois da recente abertura de um escritório local no país. Os dados em Angola e sobre Angola são escassos. O último censo populacional teve lugar em 1970 e a maioria dos dados demográficos baseia-se em estimativas e projecções. O próximo censo está previsto ter lugar em De modo a fornecer informação actualizada e reunir dados essenciais, foram conduzidas 30 entrevistas com todos os participantes do sector privado (funcionários e agências governamentais, sociedade civil, intervenientes do sector privado, comunidade académica, doadores, embaixadas estrangeiras). As contribuições para este relatório são gratamente reconhecidas. Foi desenvolvida ainda uma pesquisa documental exaustiva de forma a complementar o estudo no terreno e a apresentar um relatório actualizado sobre este país em rápida mudança. A informação apresentada neste estudo será valiosa para empreendedores angolanos com informação económica vital para a criação de empresas e para uma maior criação de emprego para a população em geral e para a juventude em particular.

16 Perfil do Sector Privado do País 5 HISTÓRIA RECENTE SISTEMA POLÍTICO Angola ganhou a sua independência da dominação portuguesa em 1975, depois de 14 anos de guerra anticolonial. Pouco depois, o país entrou num período de guerra civil violenta e intermitente que se estendeu por 27 anos e causou um milhão de mortos e mais de 4 milhões de deslocados. Em Abril de 2012 assinalou-se a primeira década de paz e de estabilidade política do país. Após a independência, o governo liderado por Agostinho Neto, o primeiro Presidente do país e líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), lutou pela supremacia contra os outros dois movimentos de libertação: a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA). O conflito assumia diferentes dimensões. Opunha os camponeses rurais da UNITA às elites urbanas do MPLA; baseava-se em diferentes linhas étnicas e grupos geográficos; e era também uma guerra que envolvia potências estrangeiras a União Soviética e Cuba apoiavam o pró-marxista MPLA, enquanto os Estados Unidos, a África do Sul do Apartheid e a China patrocinavam a UNITA. Em Abril de 2012 assinalouse a primeira década de paz e de estabilidade política do país. Em 1992, uma primeira tentativa de paz foi feita com a introdução de eleições legislativas. O MPLA venceu as eleições mas os resultados foram contestados por Jonas Savimbi, líder da UNITA apesar das eleições terem sido consideradas livres e justas pelos observadores internacionais. O país volta a mergulhar num período de intenso conflito. Em 1994, o Protocolo de Lusaka é assinado. Pretendia integrar e desarmar a UNITA e edificar a reconciliação nacional mas foi um fracasso. Só em 2002, a quando da morte de Jonas Savimbi, conhece o conflito o seu fim. O Memorando de Entendimento do Luena é celebrado e a UNITA torna-se um partido político não-armado. A República de Angola é um Estado unitário com um regime presidencialista multipartidário. Tem por base a Constituição adoptada a 5 de Fevereiro de Tem oficialmente três ramos independentes: executivo, legislativo e judicial. As primeiras eleições legislativas desde o fim da guerra tiveram lugar em 2008; o MPLA alcançou uma vitória esmagadora com 82% dos votos numas eleições pacíficas consideradas justas pelos observadores assegurando 191 dos 220 assentos na Assembleia Nacional. O Presidente dos Santos foi subsequentemente re-eleito como líder do partido no congresso do MPLA em Dezembro de Seguiu-se uma nova constituição, aprovada no princípio de Esta estabeleceu um sistema presidencialistaparlamentar segundo o qual o Presidente angolano deixa de ser eleito pelo voto popular, passando em lugar disso a ser eleito indirectamente pela Assembleia Nacional. Foi definido um limite de dois mandatos presidenciais de cinco anos. Angola é considerada como tendo um sistema presidencialista forte. O Presidente é simultaneamente Chefe de Estado e Comandante-em-Chefe das Forças Armadas. A Constituição concede ainda vastos poderes ao Presidente da República, incluindo: Nomear e exonerar o Vice-Presidente da República, Ministros de Estado, Ministros, Vice-Ministros e Secretários de Estado. Nomear e exonerar todos os Governadores Provinciais. Nomear e exonerar o Governador Nacional do Banco Central. Nomear os juízes do Tribunal Supremo após consulta do Conselho Superior da Magistratura Judicial. Nomear e exonerar o Procurador-Geral e o Vice- Procurador-Geral da República. Nomear os membros do Conselho Superior da Magistratura Judicial. Nomear e exonerar os embaixadores e acreditar os representantes diplomáticos estrangeiros.

17 6 Perfil do Sector Privado do País O governo é composto pelo Presidente José Eduardo dos Santos (desde 21 de Setembro de 1979); Vice-Presidente Fernando "Nando" da Piedade Dias dos Santos (desde 2 de Fevereiro de 2010); três ministros de Estado para a defesa e segurança, assuntos civis e coordenação económica; o Conselho de Ministros; ministros; viceministros; e secretários de Estado. O país está dividido em 18 governos provinciais (Bengo, Benguela, Bié, Cabinda, Cuando-Cubango, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Cunene, Huambo, Huíla, Luanda, Lunda Norte, Lunda Sul, Malanje, Moxico, Namibe, Uíge, Zaire). Existem 163 municipalidades e 532 comunas. A Assembleia Nacional é formada por uma câmara única com 220 assentos. Os seus membros são eleitos por voto proporcional para servirem mandatos de 4 anos. À data da elaboração deste relatório, as próximas eleições legislativas estão agendadas para 31 de Agosto de O MPLA deverá assegurar outra vitória abrangente, renovando o mandato do Presidente dos Santos. A idade legal para votar é de 18 anos. O MPLA domina o Parlamento. O principal partido da oposição é a UNITA com 16 dos 220 assentos, estando os restantes 13 assentos divididos entre três partidos mais pequenos. O veterano da UNITA, Abel Chivukuvuku, afastou-se recentemente da UNITA e formou um novo partido (Convergência Ampla de Salvação de Angola, CASA). SISTEMA LEGAL O sistema legal baseia-se no direito civil e direito consuetudinário português mas carece ainda de eficiência e eficácia. O ramo judicial é composto pelo Tribunal Constitucional; Tribunal Supremo; Tribunal de Contas; Supremo Tribunal Militar; os juízes de todos os tribunais são nomeados pelo Presidente. Os tribunais municipais e provinciais operam ao nível da primeira instância e o Tribunal Supremo ao nível da apelação. O Tribunal Constitucional lida exclusivamente com o exame de matérias de constitucionalidade. A legislação, bem como todos os Decretos Presidenciais e Despachos, são publicados no Diário Oficial (conhecido como: Diário da República). POPULAÇÃO E PADRÕES SOCIAIS População A população de Angola está estimada em 19.6 milhões (estimativa de 2011) com uma taxa de crescimento anual da população de 2.7%, um valor que é superior à média do subcontinente africano. Existem três grupos etnolinguísticos principais: Ovimbundu (37%), Kimbundu (25%) e Bakongo (13%). Outros grupos incluem Chokwe, Lunda, Ganguela, Nhaneca-Humbe, Ambo, Herero e Xindunga. Além destes, existe uma população mestiça (europeia e africana) que representa cerca de 2% e uma pequena população branca (1%). A população angolana é extremamente jovem, 48% tem menos de 15 anos e apenas 2% tem 65 anos ou mais. A idade média é de 18 anos. A esperança de vida é de 51 anos. Luanda é a capital e a principal cidade do país. A sua população está estimada em 5.8 milhões pelo Instituto Nacional de Estatística angolano, cerca de 30% da população total, e está em rápida expansão. Durante a guerra, um influxo de população que fugia do conflito nas zonas rurais deslocou-se em busca de protecção para os centros urbanos. Actualmente a taxa de urbanização em Angola é de 59%. Outras cidades importantes são: Lubango, Huambo, Lobito, Benguela, Kuito-Bié e Cabinda. Língua O português é a língua oficial de Angola. Mais de 80% dos angolanos fala português. Além de numerosos dialectos, Angola possui mais de vinte línguas nacionais. Umbundu é a segunda língua mais falada e está presente na região centro-sul do país. Religião Mais de 50% da população é Cristã (Católicos Romanos 38% e Protestantes 15%); as crenças locais contabilizam 47% da população.

18 Perfil do Sector Privado do País 7 Educação A literacia da população adulta é de 70%. Os anos de escolaridade esperados são 9.1 e a média de anos de escolaridade para a população adulta é de 4.4. A educação primária estende-se por seis anos e é obrigatória para crianças entre os seis e os nove anos. O sistema de ensino secundário divide-se em dois ciclos de três anos cada, conduzindo às Habilitações Literárias. Existe um sistema educativo técnico paralelo dividido em três anos de ensino vocacional (após a instrução primária) e quatro anos de ensino médio técnico (após a nona classe). Existem 16 colégios e universidades públicas, além de um aumento das universidades privadas (actualmente 22 são oficialmente reconhecidas). Existe uma universidade estatal, a Universidade Agostinho Neto. Apesar do acesso à educação ter melhorado nos últimos anos, a qualidade permanece uma preocupação. O desenvolvimento de Angola depende fortemente de investimentos no sector da educação. Saúde A malária é um dos principais problemas de saúde em Angola com 3.68 milhões de casos registados em A malária é também a principal causa de morte, doença e absentismo, particularmente entre a população com menos de cinco anos no país. Angola possui também a mais elevado taxa de doença diarreica do mundo. A prevalência de HIV/SIDA em Angola é uma das mais baixas na África subsaariana, embora tenha aumentado desde o fim do conflito em consequência do regresso de refugiados, da abertura das fronteiras e do aumento do comércio e das deslocações. Por último, o Governo de Angola (GA) envidou esforços para eliminar a transmissão da poliomielite após o surgimento de novos focos nos últimos anos. Padrões de vida Os padrões de vida em Angola são baixos apesar de um PIB per capita de US$ em O país ocupa a posição 148 de um total de 187 países no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas (ONU), não obstante as melhorias constantes em termos de desenvolvimento humano; Angola permanece na categoria de baixo desenvolvimento humano com um valor de em De acordo com o IDH, 54.3% da população ainda vive abaixo da linha de pobreza de US$ 1.25 por dia. Mas de acordo com os cálculos do INE e recorrendo a uma mediação com uma linha de pobreza de AOA (cerca de US$ 50) por mês, a incidência da pobreza manteve-se em 36.6% da população em O acesso ao abastecimento de água melhorada era de 50% em 2010, desagregado em 38% no meio rural e 60% no meio urbano (BM, 2012). Angola permanece sendo uma das sociedades com maiores desigualdades, com um coeficiente de Gini de As despesas sociais representam e continuarão a representar o principal gasto do governo com 32.9% da despesa total de 2011, superior ao limite de 30% imposto pelo Acordo de Crédito Contingente (ou Acordo de Stand-by, SBA) do Fundo Monetário Internacional (FMI). ECONOMIA Angola tem uma economia próspera e um dos índices de crescimento mais rápidos, com uma taxa de crescimento média do PIB real de 11.6% ao longo da última década (Figura 1). Desde o fim da guerra, a estabilidade política aliada ao aumento da produção petrolífera e das exportações e à alta dos preços internacionais do petróleo criaram as condições necessárias para um rápido crescimento económico. Uma boa gestão macroeconómica contribuiu também para reduzir consideravelmente a inflação de mais de 100% em 2002 para cerca de 13% desde A entrada massiva de receitas do petróleo financiou os ambiciosos esforços de reconstrução de Angola e estimulou o desenvolvimento de um sector privado não-petrolífero. Figura 1: Taxa de Crescimento do PIB (variação % anual) FONTE: FMI Apesar disso, Angola permanece altamente dependente do sector petrolífero. Perto de 80% das receitas fiscais

19 8 Perfil do Sector Privado do País públicas são provenientes do petróleo. Este último representa aproximadamente 98% das exportações e é a principal fonte de investimento estrangeiro directo (IED). Este contexto torna a economia angolana altamente susceptível às condições comerciais e aos choques financeiros uma situação sentida no país em virtude da crise financeira global. O colapso dos preços do petróleo na segunda metade de 2008 levou a uma descida das receitas fiscais, reduziu as reservas em moeda estrangeira e conduziu à desvalorização do Kwanza. A taxa de crescimento real do PIB passou de 13.8% em 2008 para apenas 2.4% em Deparando-se com necessidades financeiras avultadas, o governo de Angola abordou o FMI em 2009, assegurando um SBA no valor de US$ 1.4 mil milhões que terminou em Março de A economia tem desde então recuperado positivamente das perturbações severas associadas ao colapso dos preços mundiais do petróleo no final de 2008: os pagamentos em atraso nacionais foram liquidados, a taxa de câmbio estabilizada, a inflação aproxima-se agora de um dígito e a posição orçamental melhorou significativamente. Com reservas devendo alcançar um valor recorde de US$ 33.8 mil milhões em 2012 e com os contínuos e elevados excedentes da balança de transacções correntes previstos, o GA dispõe de mais poder de fogo para defender a sua moeda do que aquele de que dispunha em O FMI prevê que o crescimento real do PIB em Angola atinja os 9.7% em mudança positiva na procura doméstica. Juntas, estas tendências estimularam outros sectores da economia, incluindo os serviços financeiros, construção, indústria e a agricultura. Além disso, paralelamente às importantes reservas de petróleo e gás, o país dispõe de outros recursos naturais valiosos. É o quinto produtor de diamantes do mundo e possui reservas de minério de ferro, cobre, feldspato, ouro, bauxite e urânio. Energia hidroeléctrica, pesca, silvicultura e agricultura são alguns dos sectores sub-explorados que apresentam um enorme potencial económico de desenvolvimento. Perto de 80% das receitas fiscais públicas são provenientes do petróleo. Este último representa aproximadamente 98% das exportações e é a principal fonte de investimento estrangeiro directo (IED). Não obstante este crescimento se dever fundamentalmente à produção e exportação de crude, esta situação permitiu também uma expansão orçamental e uma

20 Perfil do Sector Privado do País 9 TABELA 1: INDICADORES-CHAVE ECONÓMICOS FONTE: FMI, DADOS E ESTIMATIVAS e 2012e Produto Interno Bruto (US$ mil milhões) Produto Interno Bruto Real (variação %) Sector Petrolífero Sector Não-Petrolífero Produto Interno Bruto per capita (US$) 4,671 4,082 4,329 5,146 5,788 Inflação IPC (variação %, fim do período) Balanço orçamental (% do PIB) Reservas internacionais líquidas (US$ mil milhões) 17, ,030 33,848 Reservas internacionais brutas (meses de exportações) Dívida (% do PIB): Dívida pública externa (incl. FMI) Total da dívida (externa + interna) TABELA 2: COMPOSIÇÃO DO PIB (%) FONTE: ORÇAMENTO DE ESTADO Agricultura, Silvicultura e Pesca Petróleo e Gás Diamantes Indústria Electricidade Construção Serviços Outros

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde 2011 / Portugal 2012 / Brasil 2013 / Angola 2014 / Cabo Verde Índice: - Porquê GetOut? - O Congresso do Empreendedor Lusófono - Angola - Missão ao Congresso Porquê GetOut? Portugal: Crescimento económico

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014 Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria Luanda, 26.05.2014 Agenda 1. Cenário Internacional 2. Formas de apoio 3. Estratégia de atuação na África Depto. de Suporte a Operações

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del.

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del. FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA Por Sebas*ão Franque Banganga Del. Regional da BRC 26 de Março de 2015 001 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. ANTECEDENTES

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

República dominicana A DOMINICANA É A REPÚBLICA DAS CORES, UM PAÍS DE INESGOTÁVEIS ATRAÇÕES!

República dominicana A DOMINICANA É A REPÚBLICA DAS CORES, UM PAÍS DE INESGOTÁVEIS ATRAÇÕES! INVESTIR NA REPÚBLICA DOMINICANA MISSÃO EMPRESARIAL SETEMBRO 2014 República dominicana A DOMINICANA É A REPÚBLICA DAS CORES, UM PAÍS DE INESGOTÁVEIS ATRAÇÕES! A República Dominicana é conhecida pelas praias,

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA Página : 1 de 18 Assembleia Nacional Presidência Da República Prog. De Reestrut.E Modern. Das Forças De Def. E Segurança Gabinete Do Vice-Presidente Da República Tribunal Constitucional Programa De Desenv.

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Victor Lledó Representante Residente do FMI Hotel Avenida, Maputo, 17 de Novembro de 2010 Estrutura da apresentação O papel

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais