Difusão e desenvolvimento do português vernáculo de Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Difusão e desenvolvimento do português vernáculo de Angola"

Transcrição

1 Masarykova univerzita Filozofická fakulta Ústav románskych jazykov a literatúr Portugalský jazyk a literatura Radoslava Filusová Difusão e desenvolvimento do português vernáculo de Angola Bakalárska diplomová práca Vedúca práce: Mgr. Iva Svobodová, Ph.D. 2012

2 Prehlasujem, že som diplomovú prácu vypracovala samostatne s využitím uvedených prameňov a literatúry....

3 Týmto by som sa chcela poďakovať Mgr. Ive Svobodovej, Ph.D. za vedenie mojej diplomovej bakalárskej práce, za jej trpezlivosť, cenné rady a čas, ktorý mi venovala. Taktiež Radke Konůpkovej za ochotné poslanie materiálov z Angoly. Nemenšia vďaka patrí i mojej rodine a priateľom za podporu v období písania práce.

4 Índice 1. Introdução 6 2. Breve introdução histórica Primeiro período (séculos XV-XIX) Os anos Os anos Os anos Segundo período (século XIX. até 1974) Década de 50 do século XX Décadas de 60 e 70 do século XX Terceiro período a independência angolana Actual situação linguística Informações sobre o país Informações sobre a situação linguística Bilinguismo e multilinguismo Superstato, substrato e estrato Línguas locais Estatuto da língua portuguesa em Angola Variações diatópicas, diastráticas e diafásicas Demarcação da norma padrão Sintagma nominal do português vernáculo Marcação de número Marcação de género Marcação de posse Pronomes pessoais Desvios no plano lexico semántico Empréstimos Criação das designações pelos processos morfológicos Derivação prefixal Derivação sufixal Derivação sufixal verbal Derivação sufixal nominal Derivação sufixal adverbial 42 4

5 Outros processos morfológicos Linguagem literária Linguagem e discurso Português como linguagem literária em Angola variedade do português produzida por Luandino Vieira Oralidade Plano morfológico Plano sintáctico Conclusão Bibliografia 55 5

6 1. Introdução O primeiro objecto do presente trabalho é descrever a imagem da situação linguística do português em Angola e o seu desenvolvimento no contexto sociolinguístico desde o início da colonização até ao presente. Não falta também a enumeração dos desvios mais significantes da norma padrão, concretamente no plano morfosintáctico e lexico-semántico. O segundo objecto deste trabalho é aproximar uma das variações diafásicas do português vernáculo de Angola, nomeadamente a linguagem literária. O trabalho aqui apresentado contém quatro partes principais. A primeira destes partes oferece uma breve introdução histórica, onde descreveremos a difusão e o desenvolvimento da língua portuguesa no território de Angola. A segunda parte apresenterá a actual situação linguística do país, que é, na verdade, multifacetada graças à existência de cerca 40 línguas bantu usadas nesta área. A língua oficial é contudo o português. Sendo o resultado desta situação do contacto e da influência das línguas que convivem no mesmo território, dedicaremos a terceira parte à descrição dos desvios mais significantes do português vernáculo de Angola, incluindo também a lista de empréstimos, a maioria dos quais tem origem justamente nestas línguas bantu. O plano lexico-semántico desta variedade do português é muito interessante, porque neste plano linguístico os angolanos são muito productivos e é nele que encontram e afirmam a sua identidade. A última parte abrange a problemática da linguagem literária de Angola, pondo em foco sobretudo a linguagem revolucionária de Luandino Vieira, incluindo a análise com base nos estudos de Perpétua Gonçalves (2000) e Maurício Silva (2008), como também na própria leitura, o que consideramos a parte práctica deste trabalho. É importante notar que nesses dias não existe nenhum manual do português angolano. O que existe são teses (de mestrado ou doutoramento) e artigos científicos que procuram identificar algumas das características linguísticas que distinguem o português de Angola de outras variedades da língua, nomeadamente a europeia e a brasileira. Liliana Inverno, o experto no âmbito do português vernáculo de Angola escreve: A referência na vida pública e no ensino é e continua a ser a norma europeia do português e os traços linguísticos que têm vindo a ser apontados na literatura como caraterísticos do português angolano continuam ainda a ser vistos, no plano oficial, 6

7 como "erros" ou "desvios" relativamente à norma do português europeu. 1 Uma das informações básicas sobre o país é, além do mais, o facto de que pertence à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. No que concerne ao Acordo ortográfico, por causa da actual situação linguística, a qual descreveremos numa das seguintes capítulos, solicitou um moratório de três anos para o ratificar. (Notícias, ) 2 Temos que confessar que a extensão deste trabalho não nos permite oferecer a descrição da imagem completa do português vernáculo de Angola. Esta descrição vê-se dificultada também pelo facto de que, como afirma Liliana Inverno (2009: 4), a língua está sempre num processo do desenvolvimento, que está provavelmente ainda muito longe do seu término. O trabalho que aqui apresentamos é apenas um esforço por captar pelo menos os traços básicos desta variante e do seu desenvolvimento sociolinguístico. 1 Informação baseada na correspondência com a autora. [ ] 2 Disponível em: [Consult ] 7

8 2. Breve introdução histórica Ó Pátria, nunca mais esqueceremos Os heróis do quatro de Fevereiro. Ó Pátria, nós saudamos os teus filhos Tombados pela nossa Independência. Honramos o passado e a nossa História, Construindo no Trabalho o Homem novo, Angola, avante! História do contacto O primeiro encontro da língua portuguesa com as línguas africanas foi uma consequência natural da exploração de África pelos portugueses, iniciada no século XV. Naquela época os navegadores e aventureiros nem imaginavam que iriam a descobrir a diversidade linguística africana e provocar os efeitos linguísticos inesperados, nem poderiam vislumbrar a possibilidade de expansão da língua portuguesa na África (Petter, 2008:15). No que concerne à fase histórica da colonização angolana em geral, no ano de 1977, Ehrentrant escreve no prefácio do livro de Salvato Trigo, Introdução de literatura angolana de expressão portuguesa, que a história de África, especialmente da África negra, incluindo os contactos com os portugueses, tão decisivos para o seu futuro desenvolvimento linguístico, é mal conhecida. Afirma que: A respeito de Angola, os estudantes aprenderam que, em 1482, Diogo Cão atingiu a foz do Congo. Eles sabem que Portugal como outras potências marítimas europeias instalou em África estabelecimentos comerciais, muitas vezes secundados por pequenas guarnições militares, e que, em Angola, devido a uma certa relação de trono para trono, a corte do Congo beneficiou do concurso de letrados portugueses, na maioria padres católicos. Ouviram também falar da Conferência de Berlim de 1885, 3 O hino nacional angolano, um dos símbolos do país, adaptado em ano de 1975, quando o país tornou-se independente. Citado de: [Consult ] 8

9 verdadeira partilha da África pelas potências europeias: França, Inglaterra, Alemanha, Bélgica e Portugal. Poucos deles saberão, contudo, até que ponto a colonização foi sagrenta devido à escravatura que aí foi praticada do modo odioso (Trigo, 1977:8) Ora, hoje a situação é bem diferente: através de leitura das obras literárias e da educação e devido aos meios de comunicação, chegamos a ganhar mais informações sobre a escravatura africana e sobre as actividades que os portugueses desenvolveram no território africano. Não obstante, quanto à história da língua portuguesa neste território quanto à sua divulgação e ao desenvolvimento, muito ainda está por descobrir. Como escreve Emilio Bonvini (1996: in Petter, 2008:15-17) no seu artigo sobre a historiografia das línguas africanas, durante a época da exploração, os portugueses tiveram que promover uma estratégia linguística de abordagem do continente africano com o objecto de resolver o impasse da comunicação com os habitantes dos territórios invadidos. As primeiras expedições a explorar a costa ocidental da África, levaram apenas os intérpretes árabes, visto que pressupuseram que os habitantes deste território também pertencessem ao mundo árabe, como os habitantes das costas setentrionais. No entanto, a comunicação revelou-se impossível devido ao facto de que os habitantes não falavam árabe, mas a língua, mais tarde identificada como bérbere. Tendo adquirido estas experiências, os portugueses estabeleceram em Lisboa uma estratégia de interpretariado e de ensino do português aos africanos.. Como escreve Bonvini (1996: em Petter, 2008:17): [ ] os intérpretes eram escolhidos entre os escravos de alguns senhores africanos que os emprestavam aos portugueses para que eles aprendessem a língua portuguesa e eram trocados por um outro escravo que estava no barco; quando um desses intérpretes conseguia conquistar outros quatro escravos para os seus senhores, eles eram alforriados Desta maneira, esses intérpretes foram levados, voluntaria ou obrigatoriamente, para Portugal, onde aprendiam a língua e trabalhavam nas expedições marítimas portuguesas. A Portugal, nomeadamente a Lisboa, chegaram também junto com os outros intérpretes das diferentes línguas africanas faladas nos territórios atingidos pelos portugueses, o que contribuiu, no futuro, para uma comunicação melhor (Bonvini, 1996:132 em Petter, 2008:17). Isto foi um dos primeiros passos da difusão do português no continente africano. 9

10 Segundo Chavagne (2005:20-21), podemos distinguir três períodos historicamente diferentes do desenvolvimento e difusão da língua portuguesa: o primeiro período (séculos XV-XIX), a fase da expansão marítima e comercial; o segundo período (do século XIX. até 1974), a fase da exploração e colonização; o terceiro período (de 1974 até o presente), a fase da independência angolana; 2.2. Primeiro período (séculos XV-XIX) Como já foi adiado no início, o ano de 1483 desempenha um papel significativo na história de Angola. Neste ano os portugueses chegaram à foz do rio Zair no Congo. Em seguida, Diogo Cão, envia uma mensagem de paz e amizade ao rei Nziga Kuwu e leva como reféns vários chefes locais da província de Soyo para se familiarizarem com a civilização europeia. Em dois anos os reféns ao retornar-se para o Congo, entusiasmados com as condições de vida em Lisboa, propuseram ao rei do Congo o acolhimento dos portugueses e a conversão à religião cristã. O dito motivo levou os portugueses a instalaram nesse território um protetorado, o que foi um passo decisivo que os trouxe para África. Essa situação, efectivamente, contribuiu para o início da difusão da língua portuguesa no território de actual Angola. Numerosos africanos partiram para Portugal, para aprender a língua e voltaram para Angola para apoiar a sua divulgação em suas terras. (Bonvini, 1996:133 em Petter, 2008a) Mais tarde a escolarização alargou-se para o próprio reino do Congo, há referências sobre este facto na província de Soyo e nos arredores da capital Mbanza Congo 4 (incluindo), como o testemunham as seguintes declarações de Willy Bal: Il y a bien huit ou dix écoles comme au Portugal [à Soyo]. Tous les enfants apprennent le portugais et reçoivent l instruction en cette langue. (Bal, 1979: em Chavagne 2005:21) Il linguaggio, con che si predica [à São Salvador], è il linguaggio Portoghese, se bene anco il Castigliano è inteso, e detta lingua la intendono moltissimi, particolarmente nella Città di San Salvador, ed in Sogno. (ibidem) É nessa época que, graças aos missionários, comerciantes, guarnições militares, 4 Na época de independência o nome foi mudado para São Salvador. (Chavagne, 2005:21) 10

11 artesões, professores e vários funcionários portugueses, a língua portuguesa entra em contacto com a língua kimbundu e kikongo. Este contacto foi particularmente intenso no século XVI (Chavagne, 2005:21) Os anos No período de , a língua que predomina no território de actual Angola, é o kimbundu, ainda que o português fosse a língua oficial. (Vansina, 2001:268 em Inverno, 2009:2) Nesse período, em 1576, chega a Luanda Paulo Dias de Novais que estabelece a actual capital do país, (Chavagne, 2005:24) e em 1845 é iniciada uma série de medidas legislativas para abolir o tráfico de escravos em Angola. (Pélissier, 1997:27-29 em Inverno 2009:2) Inverno (2009:2) justifica a dominância da lígnua kimbundu ao facto de que o número de portugueses que permaneceram em Angola até ao século XX, era muito reduzido. Devia ser a consequência das guerras com os reinos africanos vizinhos e das doenças que causaram a mortalidade elevada dos emigrantes portugueses. Segundo Santos (1998:85 em Inverno, 2009:2), entre os anos 1575 e 1592 chegaram para Angola 2340 portugueses, mas como se mostrou mais tarde, finalmente apenas 300 deles permaneceram em Luanda. Outros 450 pereceram na guerra e o resto morreu por causa das doenças ou evadiara-se para o interior do país, onde assimilou as culturas africanas. O que contribuiu para esta situação foi também o facto de que o número de mulheres europeias era também reduzido o que causou a assimilação da maioria das crianças porque eram educadas pelas mulheres africanas. (Vansina, 2001:269 em Inverno 2009:2) Os anos Durante os anos 1620 e 1750 a posição do kimbundu tornou-se mais forte. O kimbundu era a língua mais usada na vida diária de Luanda, a cidade mais significativa do território angolano na altura. Para este facto contribuiu a elite afroportugesa, que era dupla - nos centros urbanos ocupava os principais cargos da administração pública e no interior do país operava como capturadora dos escravos e protectora das rotas comerciais. (Venâncio, 1996:51 em Inverno, 2009:2) Esta elite era formada pelos falantes nativos do kimbundu ou do kikongo, as duas línguas mais faladas nas áreas dirigidas pelos colonizadores. Esta convivência linguística resultou em 11

12 formação de um novo dialecto do kimbundu, consideravelmente influenciado pelo kikongo. (Vansina, 2001:47 em Inverno, 2009:2) Importa salientar que apesar disto, a elite afro-portuguesa tinha também um bom conhecimento da língua portuguesa que era naquela época usada como a língua franca 5, ou seja a língua que servia para a comunicação entre as pessoas de línguas maternas diferentes: no nosso caso para a comunicação entre os portugueses e os habitantes locais Os anos A crescente africanização, tanto linguística como cultural, não era bem aceite pelos portugueses. Com o objectivo de impedȋ -la, o governador Francisco Innocencio da Sousa Coutinho lançou em 1765 o decreto sobre o uso das línguas no ensino, destinado especialmente à elite afro-portuguesa. Através deste documento empenhou-se por desestimular o uso das línguas locais no ensino dos filhos desta elite. (Vansina 2001:47 em Inverno 2009:2) A despeito deste decreto, a situação não mudou até meados do século XIX. Naquela época nota-se a diferença entre o kimbundu falado no interior do país e em Luanda, onde a influência dos portugueses era a mais intensiva do todo território angolano. Chatelaine (1894:v em Inverno 2009:3) define este kimbundu luandense como a língua needlessly mixed with Portuguese elements Segundo período (século XIX. até 1974) Do que já sabemos acerca do primeiro período, a difusão da língua portuguesa estava ainda nos seus começos e embora fosse a língua dos colonizadores, língua da nação superior no território angolano, o kimbundu e o kikongo continuaram a desempenhar o papel mais importante na vida diária dos habitantes de todas as camadas sociais, desde os mais pobres até, já mencionada, elite afro-portuguesa. A situação linguística do segundo período ia-se mudando gradualmente até que o português se 5 Any language could conceivably serve as a lingua franca between two groups, no matter what sort of language it was. [Consult ] 12

13 tornou a língua mais falada nas áreas urbanas de Angola. Um dos pressupostos desta mudança é, sem dúvida, o aumento do número dos emigrantes portugueses (Inverno, 2009:3) e à diferença do primeiro período, também o aumento do número das mulheres. Inverno ilustra, além do mais, este aumento dos brancos em Angola na seguinte tábela: Tabela 3.1: Estimativa da população de Angola de 1845 a Africanos 99,9% 99,7% 99,3% 98,1% 97,4% 95,3% --- Brancos 0,03% 0,02% 0,48% 1,2% 1,9% 3,6% 5,1% Mestiços 0,01% 0,06% 0,18% 0,75% 0,72% 1,1% 1,57% Baseado em (Bender, 2004:71 em Inverno, 2009:3 ) À luz destes dados, podemos inferir que embora o número dos colonos portugueses aumentasse, não é mais do que 5,1% alcançado na década de 70 do século XX. A percentagem dos negros africanos é naturalmente a mais elevada em todos os períodos, à diferença dos mestiços, cujo número é pouco significativo. Há dois motivos principais que contribuiram para o aumento do, já mencionado, número dos brancos. Um destes motivos é o receio de que Angola pudesse tornar-se um novo Brasil, quer isto dizer, que pudesse ganhar a independência, como o aconteceu no Brasil em Em vista disso, não é supreendente que depois da independência brasileira, a atenção dos portugueses passou a concentrar-se imediatamente nas suas colónias africanas. (Chavagne 2005:26) O segundo motivo, que não é de menor importância, foi a divisão das fronteiras das colónias africanas entre as potências marítimas europeias e o regulamento das condições referentes a estas colónias estipulado pelo decreto da conferência de Berlim de (ibidem) Segundo o artigo 35 da acta geral redigida em Berlim em 26 de Fevereiro de os colonizadores reconhecem a obrigação de assegurar, nos territórios ocupados por eles, nas costas do Continente africano, a existência de unia 7 autoridade capaz de fazer respeitar os direitos adquiridos e, eventualmente, a liberdade do comércio e do trânsito nas 6 Toda a acta, incluindo o artigo 35, é disponível em: [Consult ] 7 O termo unia pode ser confuso, mas é citado na mesma forma como no documento. Para mais informações ver a acta citada acima. 13

14 condições em que for estipulada. (ibidem, s.p.) Este foi um passo decisivo para a verdadeira colonização iniciada em 1926 pela chegada das numerosas guarnições militares para o território angolano. (Chavagne, 2005:27) Para verificar este facto, vejase o aumento gradual do número dos brancos no território de Angola entre os anos na tábela 3.1. No que concerne à política linguística deste período, já em 1921, o uso das línguas africanas na vida pública em Angola foi proibido pela lei. (Chavagne, 2005:28): 1. É proibido o emprego das línguas indígenas ou qualquer outra língua, à excepção do português, por escrito ou por panfleto, jornal, na catequese das missões, nas escolas e em todos os contactos com as populações locais (...) (Norton de Matos, 1921:s.p. em Chavagne, 2005:28) Os seguintes subcapítulos, aproximarão o desenvolvimento desta situação e a difusão da língua portuguesa durante as seguintes décadas, desde a década de 50 até a independência angolana Década de 50 do século XX. Esta época favoreceu a generalização do português em todo o território de Angola, sendo os angolanos obrigados a adoptar a língua portuguesa. Com base em vários decretos publicados entre 1926 e , a população angolana tinha que assimilar a cultura portuguesa. (Inverno, 2009:4) Para serem reconhecidos como assimilados, os angolanos tinham de possuir as seguintes habilidades: saber ler, escrever e falar fluentemente no idioma português, professar a mesma religião que os portugueses e manter os padrões de vida e costumes semelhantes aos europeus. (ibidem) Esta cultura europeia era, sem dúvida, muito distante da cultura dos africanos e por isso não era fácil adquirir os ditos hábitos, tão naturais para os europeus. Rui Ramos descreve a situação dos angolanos através do olhar do africano: Para se tornarem "cidadãos portugueses" tinham de prestar provas: ser católico praticante, dormir numa cama, ter o exame da quarta classe, falar bem português, ter só uma mulher, comer com garfo e faca, isto é, ter costumes "europeus exemplares". 8 Especificamente: Estatuto Político, Social e Criminal dos Indígenas de Angola e Moçambique (1926), Acto Colonial (1930), Carta Orgânica do Império Colonial Português e Reforma Administrativa Ultramarina (1933), Lei Orgânica do Ultramar Português e Estatuto dos Indígenas das Províncias da Guiné, Angola e Moçambique (1953). (Marques, 2001: em Inverno, 2009:4) 14

15 Isto é: o que para um qualquer branco era adquirido por nascimento, para o colonizado era adquirido depois de difíceis provas, em que, muito provavelmente, muitos europeus reprovariam. 9 No que diz respeito à educação em contexto da assimilação, até 1961 em Angola havia dois tipos diferentes da escola primária. O primeiro tipo seguia o modelo de Portugal e era só para os brancos e para um determinado número dos assimilados. O segundo tipo seguiu o ensino rudimentar destinado sobretudo aos africanos em geral, ou por outras palavras, para os assim chamados, não civilizados. (Massa, 1984: 88 em Petter, 2008:38) Dado que os níveis mais elevados de educação eram accesíveis apenas para a minoria dos africanos, isto é, para os que tivessem adquirido o já mencionado estatuto de assimilado, a educação foi praticamente vedada à generalidade dos habitantes locais. (Inverno, 2009:4) Pois, aqui podemos ver o problema de toda a situação. Por um lado era obrigatório dominar o português, por outro, o acesso à educação era limitado. Testemunha-o também Jorge Macedo, escritor e jornalista angolano, citado em Chavagne (2005:28), quando escreve: Os meninos negros, os colonialistas não deixam entrar na Escola. E para se desculparem exigem pés vestidos com sapato e bilhete de identidade. E quando isso conseguimos (um ou outro entre milhões) nos obrigam então renunciar nossos falares regionais; kimbundo, txokwe, muila, umbundu, nhaneca, etc., nos obrigam fugir viver ao pé de nossos pais, de nossa origem (a sanzala), não ir mais no quimbo, habitar casa de carácter definitivo na cidade deles, falar correntemenete e afinadinho o português de Portugal... Contudo destaque-se que naquela época, a assimilação, baseada nos decretos já citados, era mais psicológica do que numerosa (veja-se as seguintes tábelas). No fim da década havia menos que assimilados da população de 4,5 milhões pessoas. (Chavagne 2005:28) O fracasso inicial desta assimilação é provado também pelo facto de que antes da independência de Angola, apenas uma minoria dos habitantes angolanos dominaram o português. Isto demonstam as tabelas 3.2 e 3.3 propostas pela Inverno: 9 Disponível em [Consult ] 15

16 Tabela 3.2: Índice de proficiência em português (áreas rurais em Angola) Perfeito...0,1% Relativamente fluente 0,4% Razoável..16% Alguns poucos rudimentos...24% Nenhum conhecimento...59% (Heimer 1974:s.p. em Bender 2004: 353 em Inverno 2009:3) Tabela 3.3: Frequência de uso do português (áreas rurais em Angola) Habitual ,1% Certa frequência....0,8% Muito raramente % Nunca. 59% (Heimer, 1974:s.p. em Bender, 2004: 353 em Inverno, 2009:3) Décadas de 60 e 70 do século XX. Nas décadas de 60 e 70 Portugal decidiu investir mais na intesificação da sua presença no interior do país para ter o melhor controlo em todos os territórios de Angola, criando grandes colonatos agrícolos (Inverno, 2009:4), pela extensão notável da educação rural (Petter, 2008:38) e um pouco mais tarde, durante a década de 70, também pelo estabelecimento de assim chamados aldeamentos 10,quer isto dizer, vastas aldeias organizadas pelos militares, muitas vezes rodeadas de arame farpado, onde se agrupavam africanos anteriormente dispersos. (Bender 2004: em Inverno 2009:4) O resultado desta estratégia portuguesa foi o aumento significativo do número dos falantes do português entre os africanos, motivado pelo contacto diário e frequente com a língua portuguesa nestes estabelecimentos. Isto foi também a motivação suficiente para aprender a língua dos colonizadores. (Inverno 2009:4) As décadas de 60 e 70 são também caraterizadas pela exclusão dos africanos da vida política e económica (Chavagne, 2005:29), o que causou, em comparação com o período anterior (isto é, os séculos XV-XIX), uma significativa reviravolta. A elite 10 O termo usado por Bender. (Bender 2004: em Inverno 2009:4) 16

17 afro-portuguesa, como já sabemos, estabelecida durante os anos , era na década de 60 e e no início da década de 70, muito reduzida. Os valores dominantes desta época eram a língua e cultura portuguesas. As tradições africanas naturalmente continuavam a existir, mas de uma maneira mais oculta. Oficialmente o modo da vida africana foi desvalorizado pelos portugueses, incluindo danças e canções tradicionais, práticas religiosas e culinárias e línguas locais. Portugal queria impor o modo da vida europeu e generalizar a cultura. Um dos exemplos deste fenómeno é por exemplo o uso dos nomes próprios portugueses, tanto antropónimos como topónimos, registado já no início da década 70. Parece que à maioria dos angolanos não incomodava esta situação, que continua até os nossos dias. Antes pelo contrário; alguns angolanos brancos adoptavam os nomes africanos (Chavagne, 2005:29). Este fenómeno tem, com certeza, o fundo cultural e simbólico. José Eduardo Agualusa escreve sobre esta inversão: Queres ver como está tudo trocado? Os brancos chamam-se Pepetela, Ndunduma, Chassanha. Os pretos chamam-se Agostinho Neto, José Eduardo dos Santos, Mendes de Carvalho, Jorge Valentim (Agualusa 2000:27 em Chavagne 2005:29) Resuma-se que estas décadas são caracterizadas pelo esforço dos portugueses por substituir a cultura africana pela cultura europeia, a qual, junto com a a divulgação da língua portuguesa por todo o território angolano, devia facilitar o controlo no país Terceiro período a independência angolana As consequências da revolução e dos acontecimentos em Portugal em 25 de Abril de 1974 tiveram um grande impacto também além das fronteiras do país, provocando também a guerra colonial em Angola e também a proclamação da independência em 11 de Novembre de A decolonização tão característica para este período foi rápida. Já em 1975, durante poucos meses, saiu a maioria dos brancos, isto é cerca de 95% dos europeus. Por mais paradoxo que pareça, esta imensa descolonização não influenciou o estatuto do português no país, mas supreendentemente acelerou a expansão da língua portuguesa em Angola. 11 Pepetela, Ndunduma, Chassanha e Mendes de Carvalho os escritores. Agostino Neto o presidente da Angola de 1975 até 1979, José Eduardo dos Santos o presidente actual da Angola desde 1979, Jorge Valentim o político. 17

18 Uma das condições para a aceleração da difusão da língua portuguesa era a deslocação dos habitantes angolanos para os territórios que antes pertenceram aos brancos. A guerra civil em Angola, que durou 30 anos (de 1975 até 2002), causou o esvaziamento de grande parte do território do interior. A população tendia para fugir para a cidade de Luanda e para as regiões próximas. Ali concentrava-se quase um quarto dos angolanos. (Castro, 2006) Durante os 20 anos o número dos habitantes destes regiões mesmo triplicou. (Chavagne 2005:32) Esta mudança demográfica logicamente não ficou sem os efeitos linguísticos. Muitos angolanos, especificamente os dos Zaire 12, começaram a aprender português em Luanda ou continuaram a falar as suas línguas maternas, nomeadamente a lingala ou o kikongo. Isto é apenas um caso concreto do grande grupo dos falantes das mesmas línguas, mas em geral, a maioria da população fugida do interior do país, era muito diversificada e para se compreender mutuamente e para se enraizar nesta grande cidade, eles tinham que aprender português. Isto é, na verdade, a causa principal da aceleração da difusão da língua portuguesa no território da Angola. (ibidem) É interessante que naquela época também os movimentos políticos mais importantes no país eram linguisticamente divididos. MPLA 13 usava (e sempre usa) apenas o português considerando-o a língua da luta pela libertação. Para a maioria dos membros deste movimento o português era a língua materna. Isto não é o caso dos outros dois movimentos significantes naquela época. Em FNLA 14 falava-se maioritariamente o kikongo e em UNITA 15 a língua dominante era o umbundu. O início desta fase da independência influenciou assim, consideravelmente, a actual situação linguística, da qual trataremos no seguinte capítulo. 12 Em 1978 o grande afluxo dos angolano do Zaire chegou a Luanda, onde se instalou. (Chavagne, 2005:32). 13 Movimento Popular para a Libertação de Angola. As informações sobre o movimento são disponíveis em linha oficial: 14 Frente Nacional de Libertação de Angola. As informações sobre o movimento são disponíveis em linha oficial: 15 União Nacional para a Independência Total de Angola. As informações sobre o movimento são disponíveis em linha oficial: 18

19 3. Actual situação linguística em Angola 3.1. Informações básicas sobre o país Pela extensão territorial 16, República de Angola é nesses dias o segundo maior país de língua oficial portuguesa. Localiza-se na costa ocidental de África e o seu território é limitado ao norte e ao nordeste pela República Democrática do Congo, ao leste pela Zâmbia, ao sul pela Namíbia e ao oeste pelo Oceano Atlântico. Inclui também o enclave da Cabinda, através do qual faz fronteira com a República Democrática do Congo ao norte. Mapa Nº 1 17 Administrativamente, Angola é divida em 18 províncias, nomeadamente: Bengo, km² 17 Disponível em [Consult ] 19

20 Benguela, Bié, Cabinda, Cunene, Huambo, Huíla, Kuando Kubango, Kwanza Norte, Kwanza Sul, Luanda, Lunda Norte, Lunda Sul, Malanje, Moxico, Namibe, Uíge e Zaire. Para a conceituação melhor, veja-se o seguinte mapa: Mapa Nº 2 18 No que concerne à população, em 2010 o número estimado dos habitantes foi 19,9 milhőes. 19 Cerca de 54,8% da população vive em áreas urbanas e o restante, o que é 45,2% da população, permanecem nas áreas rurais. (ibidem) 3.2. Informações sobre a situação linguística Nesta parte ofereceremos as informações básicas sobre a situação linguística 18 Disponível em: [Consult ] 19 Segundo Relatório sobre o Progresso do País para dar Seguimento aos Compromissos da Sessão Especial sobre VIH e SIDA da Assembleia Geral das Nações Unidas, periodo , de Março Disponível em: _Narrative_Report[1].pdf [Consult ] 20

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA Sílvia Faim EB 2,3 Monte de Caparica Em Portugal, ao longo dos anos, tem vindo a crescer e a disseminar-se o número de jovens provenientes dos mais variados lugares do mundo,

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Call centres, regiões e ensino superior

Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Frank Peck Center for Regional Economic Development University of Central Lancashire (UK) A UCLAN (Universidade de Central

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Hans J. Vermeer Skopos and commission in translational action

Hans J. Vermeer Skopos and commission in translational action Hans J. Vermeer Skopos and commission in translational action 1 Synopsis? Introdução de conceitos importantes para a Skopostheorie de Vermeer: Skopos - termo técnico para o objectivo ou propósito da tradução;

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais

A indústria da editoria pode exercer-se,

A indústria da editoria pode exercer-se, Fernando Pessoa A indústria da editoria pode exercer-se, A indústria da editoria pode exercer-se, e efectivamente se exerce, de duas maneiras: ou isoladamente, ou em conjunção com o comércio de livraria.

Leia mais

Variação e normalização linguística

Variação e normalização linguística Que bacana! Hoje vou de ônibus. Amanhã pego o trem. Hoje vou de autocarro. Amanhã apanho o comboio. Vaiamos, irmãa, vaiamos dormir (en) nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves meu amigo. Jesu! Jesu!

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO República de Angola MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DR. PAULINO BAPTISTA, SECRETÁRIO DE ESTADO PARA A HOTELARIA DA REPÚBLICA DE ANGOLA, DURANTE A VIII REUNIÃO DE MINISTROS

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais