Construção de Identidades entre imigrantes portugueses e brancos de Angola no Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construção de Identidades entre imigrantes portugueses e brancos de Angola no Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Construção de Identidades entre imigrantes portugueses e brancos de Angola no Rio de Janeiro Isabel de Souza Lima Junqueira Barreto Resumo: Ao longo do ano de 1975 chegaram ao Brasil milhares de imigrantes vindos de Angola Nascidos em Angola, ou em Portugal, tomados pelo medo devido à insegurança e a escalada da violência no país Africano naquele ano, ocorre o êxodo da minoria branca, negros e mestiços, em menor número também deixam o país. A migração em massa ocorre predominantemente no segundo semestre, sobretudo nos meses de Setembro, Outubro e Novembro. O Brasil recebe milhares desses emigrantes, que na imprensa são chamados de refugiados. Ao chegarem se instalam nas cidade de Rio de Janeiro e São Paulo. Posteriormente migrando para outras cidades do país. Hoje, é possível encontrá-los em cidades como Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, São Luís do Maranhão, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outras. Há quem tenha vindo diretamente com passagem comprada com recursos próprios, há quem tenha passado antes de aqui se instalar definitivamente por Portugal, África do Sul ou ambos. Para receber esse grande fluxo migratório o governo federal cria uma força-tarefa, com envolvimento de três ministérios: Relações Exteriores, Justiça e Trabalho. Seu objetivo era fornecer documentação de permanência e trabalho em diferentes regiões do país. Foi instalada em Outubro de 1975, mas já em Novembro o governo anunciava que as instituições ligadas à comunidade portuguesa cuidariam da sua recepção. Hoje, 36 anos após a independência do país africano, ficaram memórias da vivência africana, do êxodo, da inserção na sociedade brasileira, mas também, a construção de uma identidade. Há quem se defina como angolano, há quem se defina como português. Entre os primeiros, no discurso há uma diferenciação com relação aos últimos: nós (angolanos) x. eles (portugueses). Uma das questões mais significativas é o ressentimento com o tratamento diferenciado recebido na antiga metrópole, onde eram designados por dois termos de conotação pejorativa: brancos de segunda e retornados. Esse trabalho visa uma reflexão quanto a esta última questão, sem abandonar os demais aspectos aqui citados. Doutoranda do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense

2 Palavras-Chave: Descolonização, imigração, identidades Abstract: During 1975 thousands of immigrants from Angola or Portugal arrived in Brazil, gripped by fear due to insecurity and violence in the African country, there was the exodus of the white minority, blacks and mestizos, who left the country in smaller numbers. The mass migration occured predominantly in the second half of the year, especially in the months of September, October and November. Brazil received thousands of these emmigrants, who were called refugees by the press. Upon arrivel they settled in the cities of Rio de Janeiro and São Paulo. Later they moved to other cities. Today it is possible find them in cities such as Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, São Luís do Maranhão, Rio de Janeiro, São Paulo, among others. Some of them bought their tickets with their own resources. There were those who before settle permanently in Brazil spent some time in Portugal, in South Africa or both. To receive this large migration the Federal Government created a task force involving three ministries: Foreign Affairs, Justice and Labour. Its goal was to provide documentation of residence and work in different regions of the country. It was instaled in October 1975, but in November the government announced that the institutions linked to the Portuguese community would take care of their reception. Today, 36 years after the independence of the African Country, memories of their life in Africa, of the exodus, of the insertion in Brazilian Society, but also an identity were built. Some call themselves Angolans others call themselves Portugueses. Among the first ones there is a discoursive differentiation concerning the last ones, we (Angolans) x they (Portugueses). One of the most significative matters is the ressentment with the differential treatment received from the former colonial power, where they were designated by two terms of pejorative connotations: brancos de segunda and retornados. This paper aims a reflection on this last matter, without abandone the other aspects mentioned above. Key-Words: Decolonization, immigration, identities Este trabalho visa abordar um aspecto da pesquisa de doutorado ora em andamento cujo tema é a chegada ao Brasil de exilados vindos de Angola majoritariamente durante o ano de 2

3 1975. Estes eram em sua maioria, membros da minoria branca daquele país africano que naquele ano estava em vias de se tornar independente, vale salientar, entretanto, que negros e mestiços também chegaram, embora em menor número. Pretendemos nos focar na construção de identidades entre membros desse grupo. Até o momento foram ouvidos quinze entrevistados. Entre esses há quem tenha nascido na antiga metrópole e quem tenha nascido na ex-colônia. Imigraram para o Brasil entre Dezembro de 1974 e Abril de Há quem tenha vindo diretamente para o Brasil, comprando passagem aérea com recursos próprios. Há quem tenha ido primeiramente para Portugal, também com recursos próprio, vindo para o Brasil após um determinado período. Há quem tenha vivido por um período na África do Sul e que só depois preferiram vir para o Brasil sem passar por Portugal e há quem tenha passado pela África do Sul e por Portugal antes de se decidir por vir para o Brasil. Entre os entrevistados onze viveram em cidades, três, de uma mesma família, viveram no meio rural, em uma fazenda de café e 1 viveu nos dois meios, urbano e rural. Entre os que tiveram vivência urbana, aparecem referências a Luanda, Benguela, Lobito, Moçâmedes, Sá da Bandeira (atual Lubango) e Nova Lisboa (atual Huambo). Quanto às suas origens sociais e econômicas, há quem descenda de famílias de camponeses madeirenses que com o passar das gerações deixaram o campo passando a residir nas cidades. Das duas pessoas ouvidas com esse histórico familiar, uma vem de uma família que trabalhava no setor hoteleiro (sendo proprietária do estabelecimento). A outra é um profissional liberal (advogado), cuja família ao deixar o meio rural passou nas gerações seguintes a exercer atividades no comércio, no funcionalismo governamental e por último a exercer profissões liberais. Os entrevistados que viveram no meio rural, eram empregados na fazenda em que viveram. Essa família, antes de migrar para Angola vivia no norte de Portugal, na região de Trás os Montes. Entre os que viveram em um contexto urbano, eram filhos de funcionários públicos ou de profissionais liberais como engenheiros, economistas e funcionários de empresas privadas. No que se refere às suas origens econômicas, portanto, eram em sua maioria membros de uma classe média ou classe média alta. Entre a minoria branca angolana, havia uma estratificação social. Devido a essas questões há entre seus membros ma diferenciação quanto à identidade. Os nascidos em Angola veem-se como Angolanos. Para que se possa compreender melhor essa construção diferenciada da identidade é preciso que nos voltemos em um primeiro momento para a estrutura da sociedade colonial. Como 3

4 mostram Fernando Pimenta, Cláudia Castelo e Sílvio de Almeida Carvalho Filho e Tatiana Pinto. Silvio de Almeida Carvalho Filho, em artigo em que analisa as minorias branca e mestiça em Angola, aborda os fatores que levaram ao surgimento e à intensificação progressiva de um sentimento antibranco na maioria negra da população angolana ao longo do século XX. A sociedade colonial era dividida, nas seguintes camadas: brancos privilegiados, colonos brancos pobres, mestiços, negros assimilados e a maioria de negros não assimilados, os chamados "indígenas". Havia uma gradação na discriminação ligada à cor. Apesar de ser uma regra repleta de exceções, quanto mais clara fosse a pele, em geral, mais elevada era a posição social do indivíduo. (FILHO, s/d: 01) A separação entre brancos, mestiços e negros aparecia até mesmo ao nível das organizações culturais e recreativas. O autor exemplifica tal fato com a Liga Nacional Africana, fundada em a partir da Liga Angolana (de 1912); predominantemente de negros com alguns mestiços e a ANANGOLA, formada por mestiços e por brancos nascidos em angola, os brancos de segunda. O ressentimento de negros e mestiços que deu origem ao nacionalismo desses grupos também está ligado à discriminação no meio profissional. Profissões que lidavam com comércio eram preferencialmente exercidas por brancos. Além disso, os salários de negros e mulatos eram inferiores aos de brancos. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, e o significativo aumento da imigração houve em Luanda, por exemplo, uma racialização topográfica, ou seja: Diferenciava-se uma cidade branca no centro urbano e a negritude na periferia, apesar de encontrarmos brancos formando 5% da população dos musseques durante a década de A grande leva de população branca recém-chegada vai concorrer com os "indígenas" e "assimilados" em várias atividades econômicas, deslocando-os e marginalizando-os. (FILHO, s/d: 02) Devido a isso, as relações raciais se endureceram e os negros chamados pelo autor de novos assimilados, que chegaram a esta condição após 1945, são predominantemente negros. Pelo fato de conviverem menos com brancos e mestiços e serem mais discriminados que os antigos assimilados, esse grupo construiu uma visão extremamente racista da dominação colonial (FILHO, s/d: 02). 4

5 Esse endurecimento das relações coloca o autor resultou na gênese ainda na década de 1950 de grupos de nacionalistas negros cuja proposta era a expulsão dos brancos e dos mestiços. Alguns brancos filhos de famílias pobres residentes dos musseques tinham contato com um mundo predominantemente negro e mulato. Desse grupo saíram alguns brancos nacionalistas, tais como António Cardoso, Luandino Vieira e António Jacinto. Ainda segundo Silvio de Almeida Carvalho Filho O problema em Angola não era de brancos, mestiços ou negros, mas de exploradores e explorados, mesmo que tivéssemos que admitir que, de maneira geral, os exploradores eram brancos e os explorados, negros (FILHO, s/d: 02). A nação que se buscava criar continua o autor não possuía o grupo étnico como critério de diferenciação, mas sim a unidade nascida da partilha do mesmo ideal revolucionário (FILHO: s/d, 02). O mesmo autor aponta para o fato de que a população branca de Angola em 1940 era de 1% do total, chegando a 5% na década de Esse crescimento se deve ao aumento maciço da imigração de Portugal para Angola após o fim da Segunda Guerra Mundial. Uma boa parte desses novos colonos eram camponeses de pouca educação que disputavam empregos com negros e mestiços, sendo que os dois últimos saíam perdendo. O branco na visão dos negros estava associado ao domínio, à exploração e a humilhação e essa competição por trabalho só sedimentou essa visão. O ápice desse ódio deu-se durante a guerra colonial. Para a historiadora Cláudia Castelo, ao chegarem no novo contexto, o primeiro impacto dos colonos é com o meio físico e social. Logo na chegada os imigrantes se deparam com um novo meio e entravam no que a autora chama de um embate ambivalente. Isso porque conjuga sentimentos inseparáveis: o medo (diante do clima, das doenças, dos animais selvagens e grandes espaços), o deslumbramento com relação à natureza, sobretudo fora das cidades. Nos centros urbanos essa percepção era diferente. Essas eram criações européias, ocidentalizadas, portanto. O estilo de vida era mais informal que o da metrópole. É nesse ambiente urbano, predominantemente branco, segundo a autora, que se torna mais perceptível à estratificação social entre a minoria branca. Citando Manuel Alfredo de Morais Martins a autora mostra que: nas cidades o núcleo europeu ou de ascendência européia já estava nitidamente compartimentado em classes de contornos bem definidos e baseados, essencialmente, na ocupação profissional, na instrução e nos rendimentos (Morais Martins, 5

6 apud CASTELO, 2007: 265). Morais Martins na década de 1950 havia servido em Moçâmedes como intendente de distrito e administrador do concelho. Durante seu exercício no cargo, verificou que havia fatores de distinção social e uma subclasse (entre aspas em Castelo), unida, formada por pessoas chamadas de Filhos da Terra. Estes, segundo o antigo intendente procuravam manter sempre uma posição predominante, até com fumos de superioridade aristocrática, que se manifestava mesmo naqueles que desempenhavam funções de pouco relevo e que viviam em nítida mediania económica (MORAIS MARTINS, apud CASTELO, 2007: 265). Os colonos recém chegados tinham que disputar espaço com essa atitude hostil. Nas décadas de 1950 e 1960, as cidades angolanas eram meios dinâmicos, com uma intensa vida sócio-cultural. Eram espaços relativamente liberais no que se refere à opinião pública e de costumes apesar da censura e das barreiras raciais (CASTELO, 2007: 267). Essa questão é outra de grande importância. A percepção que a minoria branca tinha dos povos nativos e a relação entre ambos, que está no centro da motivação do êxodo sofrido pela minoria branca durante o ano de É ainda Cláudia Castelo que nos diz que fora às questões do meio físico, eram os nativos que causavam as primeiras impressões nos recém chegados. Sua atitude era de estranheza em um primeiro momento, metamorfoseando-se em insegurança por conta da grande superioridade numérica. No sul de Angola, o medo de rebelião estaria sempre presente no meio da comunidade branca. Temor esse que retornou com o início da guerra colonial. Por influência do darwinismo social, em Portugal se difundia uma idéia de que os povos africanos constituíam uma raça inferior, que não poderia progredir por meio da educação por conta de suas características biológicas. Havia, entretanto, uma outra corrente de pensamento que ia na contra mão do darwinismo social, uma corrente de pensamento humanista liberal, que defendia ser o atraso do negro apenas uma etapa na evolução de sua cultura. Ao europeu caberia acelerar o processo. Essas duas correntes ideológicas, segundo Castelo influenciavam as práticas culturais e discursivas dos colonos. Devido à influência dos fatores acima citados, nas antigas colônias portuguesas da África a sociedade foi erguida sob barreiras raciais. Aqui, o racismo era o pilar da construção da identidade. Os colonos dependiam economicamente dos nativos que eram à força de trabalho em fazendas e no meio urbano. Uma grande parte dos impostos cobrados o eram dos nativos. O sistema econômico colocava brancos e autóctones em contato direto, o que gerou 6

7 uma tensão devido à relação de domínio dos primeiros para com os segundos. Havia mecanismos de controle da população nativa, inclusive no que tange à mobilidade. Aos nativos só era permitido locomoção fora de sua área de residência mediante uma guia dada pela autoridade administrativa. Uma das razões desse controle era a garantia de segurança à população branca. As barreiras raciais eram ainda acirradas por uma diferenciação legal. Como já demonstramos a partir do texto de Sílvio Almeida de Carvalho Filho, a população nas colônias portuguesas era dividida em civilizados, assimilados e indígenas. Esses últimos eram regulados por um estatuto próprio, o Estatuto Indígena (decretos n.º e , de e de ). Eram assim considerados todos aqueles que não tivessem incorporado hábitos europeus aos seus usos e costumes e não informava como esses poderiam obter a cidadania portuguesa e, por conseguinte usufruir de direitos civis. Essa divisão dava margem a arbitrariedades por parte da minoria branca. Segundo Cláudia Castelo, influenciados pela crença da superioridade da civilização e da raça portuguesa diante dos povos africanos. O nativo africano era meramente visto como uma força de trabalho, sem nenhum tipo de direito. Nesse quadro temos que abordar aqui a violência do trabalho forçado. Segundo a legislação que o instituíra: o Regulamento do Trabalho Indígena todos os nativos aptos ficavam obrigados a trabalhar para assim prover seus sustento e melhorar progressivamente a sua condição social. Caso o nativo não cumprisse a obrigação de trabalhar era levado a fazê-lo pelas autoridades administrativas que empregavam os meios considerados necessários. Os nativos que se recusassem a trabalhar eram forçados a fazê-lo em prol de empresas públicas ou privadas. Aquele que resistisse: Seria julgado como vadio e punido com trabalho correccional. O trabalho compelido obedecia a um contrato de prestação de serviços, que seria remunerado, devendo o curador dos negócios indígenas e os seus agentes fiscalizar as condições de aplicação. Já o trabalho correccional teria que ser prestado em obras públicas do Estado ou dos municípios e os indígenas a ele sujeitos só tinham direito a alimentação e alojamento por conta de quem os empregasse. (CASTELO, 2007: ) Uma questão muito importante que também não pode deixar de ser apontada é a expropriação de terras dos povos nativos em prol dos colonos que chegavam. Esse foi um dos mais graves problemas do período colonial. Segundo Castelo, o Estado várias vezes tentou frear essa expropriação, mas desde os finais do século XIX a legislação colonial orientava que 7

8 as melhores terras deveriam ser concedidas a não nativos. Entre 1945 e 1946 tentou-se colocar em prática uma experiência com colonos nativos no que ficou conhecido como Colonato da Caconda. Este foi o maior do gênero em Angola. No ano de 1966 estavam lá instalados 797 chefes de família, numa população total de 4507 pessoas. Houve outras tentativas, mas nenhuma se equiparou a Caconda (FEIO apud CASTELO, 2007: 316). Desde os anos 20, com intensificação nos anos 1950 houve ocupação legal ou não das terras por trabalhadores europeus. Devido à escassez de terra, os ovimbundo, majoritários no sul de Angola, migraram para o norte onde foram contratados como trabalhadores remunerados em plantações de brancos ou de pequenas plantações de café africanos no distrito de Cuanza Norte. Os contratos tinham duração de um ano, mas eram renovados muitas vezes. Durante os anos a 100 mil ovimbundos foram anualmente transportados para o Norte. Em cada ano, outros 15 a 20 mil procuraram emprego de um ou dois anos nas indústrias de Nova Lisboa e/ou na agricultura européia do Planalto (CASTELO, 2007: 316). Citando um artigo de Oliveira Santos, na revista do Instituto Superior de Estudos Ultramarinos, Castelo mostra que com o passar do tempo os nativos tomavam consciência do valor de suas plantações e da espoliação que vinham sofrendo. O autor do artigo chamava a atenção ainda para o fato de que a situação pode ter graves repercussões do ponto de vista político (CASTELO, 2007: 317). Já Fernando Pimenta no livro entrevista com Adolfo Maria 1, mostra através da trajetória de seu entrevistado as diferenças no seio da comunidade branca, o surgimento de um nacionalismo entre uma minoria entre esse grupo bem como entre mestiços e negros, a violência do colonialismo e o desenvolver do processo que levou a libertação de Angola. Uma das primeiras questões levantadas pelo historiador é quem eram os angolanos? A esta pergunta Adolfo Maria responde da seguinte maneira: Essa questão era (e talvez ainda hoje seja) muito pertinente. A noção de angolano era equívoca e provocou uma discussão que sempre atravessou a história do nacionalismo angolano, pois no seu âmago residia o problema da construção de Angola enquanto Estado-Nação. Ao equacionar-se o problema da Nação, o colonialismo português aparece forçosamente como um elemento fundamental em 1 Adolfo Maria Nacionalista branco angolano, filho de imigrantes transmontanos, que participou da luta pela independência de Angola. 8

9 dois aspectos: um é a sua acção na destruturação das sociedades africanas e na integral submissão das gentes e território à lei colonial; outro é o da própria natureza desse colonialismo. Na minha opinião, a debilidade económica e política de Portugal e a exiguidade dos seus meios humanos traduziram-se no terreno por formas de dominação específicas. O sistema colonial português não se apoiou nas chefias locais (como o fizeram outras potências coloniais). antes procurou liquidar as funções e representatividade dessas chefias. Portugal exercia a sua autoridade sobre as populações negras, directamente, através dos seus quadros administrativos, nomeadamente o chefe de posto, e dos meios repressivos que tinha ao seu dispor (o chefe africano local apenas servia de megafone à autoridade colonial). Como tal, os chefes das diferentes comunidades africanas- e em todos os escalões - nunca tiveram autonomia, o que enfraqueceu os laços identitários de cada comunidade e impediu uma afirmação étnica muito forte como sucedeu noutras regiões africanas. Mas, paradoxalmente, as mesmas debilidades da potência colonial, em particular a escassez de meios humanos europeus, obrigaramna a utilizar no seu aparelho administrativo e militar mestiços e negros instruídos, oriundos de famílias africanas que tinham prosperado através do comércio no interior e até do exercício da escravatura. Isto sucedeu sobretudo no século XIX e primeiro quartel do século XX. É nesta elite que se desenvolverá a ideia de pertença a uma entidade territorial, política e social mais vasta, compreendida no espaço definido pelas fronteiras coloniais, isto é, Angola. Durante bastante tempo, a noção de Angola como Nação difundiu-se quase só ao nível desta elite (por alguns dita «crioula») que, por fim, veio a dirigir o novo Estado, a partir de Nos anos 50, do século XX, a ideia de Angola como país com identidade própria estava amplamente difundida nos meios instruídos mestiços e negros e nas associações que dirigiam (liga Nacional Africana, Associação dos Naturais de Angola e outras) e na maioria da população urbana negra. sobretudo em Luanda. Em certos meios desportivos e culturais de Luanda (Clube Atlético de Luanda e Sociedade Cultural de Angola), a definição de angolano englobava todos os indivíduos negros, mestiços e brancos naturais de Angola ou que pela sua vivência local se sentissem totalmente identificados com o país. Esta concepção é sobretudo urbana (a convivência na escola e, por vezes no bairro foi um facto muito importante). A 2a. série de Cultura foi beber muito desse caldo na revista Mensagem e, tal como nesta, procurava-se ali contribuir para uma identidade colectiva radicalmente diferente daquela que a dominação colonial impunha. (PIMENTA, 2005: 30) O livro põe em cheque a noção difundida em Portugal de que o colonialismo português era soft, típico de um país tido como de brandos costumes. O entrevistado chama a atenção para as várias situações que configuram as contradições de uma sociedade colonial. Desde os conflitos entre dominantes e dominados, os conflitos entre as diferentes populações que habitam o país, os conflitos entre dominantes e dominados dentro desses grupos e vários conflitos de interesses em cada grupo. Devido à complexidade da sociedade colonial e a estratificação dentro da comunidade branca havia locais de sociabilidade que podiam ser dos seguintes tipos: brancos com brancos, brancos com brancos e mestiços, mestiços com mestiços, mestiços com negros, negros com negros e negros com brancos (estes últimos sendo mais raros). Estes locais eram a rua, 9

10 campos improvisados de futebol e a escola. Um outro aspecto enfocado foi o controle do Estado colonial centralizado em Lisboa, e não nas mãos da minoria branca. Tal fato teve implicações, embora a resistência ao colonialismo partisse sempre das populações negras no desenrolar da luta pela independência. A colonização portuguesa foi feita com indivíduos oriundos das camadas mais baixas da população metropolitana. Os colonos via de regra não tinham uma consciência política em sua grande maioria. E o regime do Estado Novo não se investia esforços nesse sentido, muito pelo contrário. Dessa forma, em Angola, a população branca era geralmente politicamente amorfa, nas palavras de Adolfo Maria. Para o regime salazarista, o papel da minoria branca era o de ser um instrumento da sua dominação frente às populações nativas. Em 1950, ano em que começou uma imigração mais intensa para a ex colônia, havia apenas dois liceus. Estes eram frequentados, como vimos acima ao abordarmos o texto de Silvio de Almeida Carvalho Filho majoritariamente por brancos, mas também em menor número por negros e mestiços. Dentre a minoria branca, havia um reduzido estrato politizado e defensor da emancipação angolana não importando qual o regime que vigorasse em Lisboa. A postura política desse grupo poderia ser sintetizada m três grupos com as seguintes características: 1- Um conjunto de colonos simpatizantes do regime salazarista, que apoiava a sua manutenção e era ligado ao Partido da União Nacional ou à administração colonial; 2 - Grupo formado por portugueses deportados por razões políticas e outros radicados em Angola que, faziam oposição ao regime. Este era o grupo mais politizado, com uma formação cívica, cultural e política mais completa. Apesar disso, este grupo não era homogêneo. Dentro dele havia: republicanos e democratas portugueses, com grande influência maçônica, ativos principalmente em Luanda, Benguela, Lobito e Huambo; 3 - Havia também um pequeno grupo de comunistas, ligados ao PCP, que apareceu apenas no pós-guerra e só em Luanda; Vários brancos angolanos com ideias independentistas, nacionalistas, presentes em centros urbanos, mas com poucas ligações entre si. Na década de 1940 surgem organizações nacionalistas fundadas por negros e mestiços e, por vezes, por brancos. Nesse ponto, a obra de Fernando Pimenta aborda a tensão existente entre os brancos nascidos em Angola e aqueles chegados de Portugal. Na leitura de Adolfo Maria, havia tensão entre a minoria branca e o governo metropolitano, chegando essas a tomarem a forma de 10

11 desobediência ao governo de Lisboa. Já entre a população branca na sua visão é mais correto falar em antipatia e oposição do que em tensão. Segundo ele: penso que essa tensão não era acentuada ao nível geral da população branca de Angola. Existia, sim, antipatia, senão mesmo oposição, entre muitos brancos naturais de Angola e os colonos recém-chegados de Portugal, sentimento que se acentuou ao longo da década de (PIMENTA, 2005: 38) As causas dessa oposição seriam de origem econômica e social, mas também ideológicas. Havia uma competição econômica entre ambos os grupos a nível de empregos na esfera pública e privada. Outro nível de disputas era verificado entre as burguesias metropolitana e local. A primeira buscava subordinar as empresas de Angola aos seus interesses, contando para isso com os mecanismos legais dos monopólios e os «favores» dos políticos metropolitanos (pimenta, 2005, 38). Além disso, havia o que Adolfo Maria denomina apego dos brancos nascidos em Angola àquela que denominavam de sua terra. Para muitos angolanos brancos os colonos portugueses que chegavam a partir da década de 1950 chegavam arrogantes e cheios de preconceitos raciais quer contra os negros e mestiços, quer contra os brancos nados e criados em Angola. E isso continua ele representava uma afronta e uma humilhação (PIMENTA, 2005: 38). Existia assim um sentimento de construção diferenciada da identidade. Se recorrermos ao que nos dizem Cláudia Castelo e Silvio Almeida de Carvalho Filho sobre essa questão, veremos que havia em resposta ao preconceito dos portugueses a construção de uma representação com relação aos recém-chegados de Portugal por parte dos brancos nascidos em Angola, na medida em que esses buscavam manter uma posição predominante e os portugueses que chegavam competiam por trabalho com negros e mestiços, e não com os brancos já instalados. Podemos dizer então, que a construção de uma representação não era exclusiva do português metropolitano, mas era antes do mais uma via de mão dupla. Os portugueses eram chamados de matarroanos, bezugos, termos que se referiam a portugueses, identificados com a dominação colonial que nem negros nm mestiços nem brancos de Angola gostavam. Foi a partir dessa diferenciação identitária, dessa identidade angolana que se formou uma consciência nacionalista entre a minoria politizada dos brancos angolanos. Podemos dizer que 11

12 haviam cinco tipos de posicionamento político: 1-o desprezo de uma parte dos brancos de Angola pelos novos colonos que chegavam. Não havia por parte deles um projeto para Angola, não tinham nenhuma familiaridade com o conceito de independência política; 2- Havia outra parte que desejava a independência, sendo esta pensada de forma que o novo Estado angolano fosse governado pela minoria branca com uma integração da elite assimilada negra e mestiça. Este grupo tão pouco tinha uma organização ou um líder que corporizasse esse pensamento; 3-um terceiro grupo, melhor estruturado, formado por membros do setor conservador da burguesia branca, que desejavam a independência em moldes rodesianos. Havia entre eles uma figura de destaque, um empresário de Sá da Bandeira, atual Lubango, Venâncio Guimarães Sobrinho. Feroz anti-metropolitano era também um opositor dos movimentos de libertação africanos surgidos entre o fim dos anos 1950 e início dos anos 1960; 4- O setor liberal da burguesia branca angolana era adepto de uma independência para toda a população de Angola, porém conduzida pela minoria branca, dando origem ao que Adolfo Maria denomina de uma situação brasileira. Este ponto de vista era defendido por setores de Luanda, mas principalmente no centro-sul, em Bengela, no Lobito e no Huambo. Neste grupo se destacava a figura do engenheiro Fernando Falcão. É deste grupo que emerge em 1961 um partido político, a Frente de Unidade Angolana (FUA); 5-Por fim havia um grupo reduzido de brancos, principalmente intelectuais progressistas (mas não só) de Luanda e de algumas cidades do centro-sul, que defendia um nacionalismo radical e a entrega do poder à maioria negra. Estes eram influenciados pelas ideias de esquerda e pelo convívio com colegas negros e mestiços na escola, havendo proximidade com os meios oposicionistas portugueses. Mas, uma vez Angola estando independente qual seria o lugar dos brancos tanto portugueses quanto angolanos na sociedade do novo Estado? Este tema era delicado e conflituoso. Não havia consenso em torno da questão. Tatiana Pinto, analisando essa questão dentro do MPLA mostra que havia duas posições conflitantes sobre essa temática. Uma contrária e outra favorável à concessão da nacionalidade angolana aos brancos. Essa última levava em consideração os militantes brancos do movimento. A posição final do movimento relativa a essa questão saída da Conferência Inter-Regional é assim sumarizada: 1. O direito de permanência no pais para todos os estrangeiros que se sujeitem as leis e que não sejam abrangidos pelo ponto 5; 2. Direito de nacionalidade 12

13 reconhecido a todos os que nasceram em Angola e a todo o estrangeiro que participou na luta de libertação nacional; 3. Direito de nacionalidade para todos os filhos de estrangeiros nascidos em Angola, com direito de opção da nacionalidade dos progenitores [este ponto foi eliminado]; 4. Direito de naturalização para os estrangeiros que satisfaçam as condições previstas pela lei; 5. Negado o direito de nacionalidade a todos os estrangeiros que atentem, por actos comprovados, contra a luta de libertação e a dignidade do Povo angolano; 6. Reafirmar o programa do MPLA em todos os pontos relativos a comunidade estrangeira de Angola, quer no respeitante aos direitos da pessoa humana, quer no respeitante a protecção dos seus bens. (PINTO, 2008: 37) Os brancos que participavam do movimento na luta anticolonial, não sofriam pela cor da sua pele, continua Tatiana Pinto, mas com os privilégios que a sociedade colonial lhes garantia. Assim sendo, a angolanidade de brancos e mestiços fora posta em causa, deslegitimada, assim como, tudo o que haviam feito em beneficio da luta por um país independente (PINTO, 2008: 38). O êxodo ocorre durante o ano de 1975, mas é intensificado no segundo semestre. Os jornais cariocas noticiaram a saída em massa de Angola e também a chegada no Rio de Janeiro. No dia 02 de Setembro o jornal O Globo publica a reportagem Angola: Embaixada retifica informações sobre emigrantes. A matéria versa sobre comunicado expedido pela Embaixada portuguesa que explicava que chegavam ao Brasil durante o primeiro semestre de portugueses. O comunicado afirmava também que a TAP transportava cerca de pessoas por dia, de Luanda para Lisboa. O Jornal do Brasil, também cobre o processo, em sua edição de 3 de Outubro, com reportagens intituladas respectivamente Novo grupo de 150 refugiados angolanos chegará hoje ao Rio, Angola já perdeu mais de 150 mil residentes informava que A Casa de Portugal, obra de Assistência e Beneficência Portuguesa estava dando suporte aos refugiados, que enfrentaram dificuldades para sair de Angola; que até aquele momento mais de 250 mil pessoas já haviam deixado o território em direção a Portugal, à África do Sul e à Zâmbia. Ainda segundo a mesma matéria mais 50 mil deveriam deixar o país até 11 de Novembro, data para qual estava marcada a independência. O fluxo migratório maior seria de pequnos funcionários, empregados do comércio lavradores, ou seja, indivíduos brancos pobres, mais próximos das ações de revanchismo racial. O fluxo de saída sofria ainda variações. Durante 13

14 ou depois dos combates se verificava o seu aumento, seguido de uma diminuição nas semanas seguintes. Outro periódico a cobrir o êxodo em Angola é a Revista Veja. Nas suas edições de 15 de Outubro e 19 de Novembro encontramos reportagens intituladas Recepção Especial e Fugindo para o Brasil respectivamente. Na primeira delas consta a recepção a refugiados de Angola e Moçambique no Rio de Janeiro. Cita como local de abrigo o Clube da Feira na Tijuca. Eram quase 300 refugiados, que chegaram ao Brasil em vôos especiais uma semana antes. Receberam ajuda de quatro agências de emprego e também de entidades lusobrasileiras na tentativa de encontrar trabalho. Entre eles havia pessoas com variados graus de instrução. Os de melhor escolaridade contavam com facilidades burocráticas fornecidas pelo Itamaraty, graças ao qual obtiveram visto de permanência em até cinco dias. A matéria informa também que a primeira leva de refugiados teria chegado ao Brasil em Setembro e que o Itamaraty havia anunciado o fim do programa de ajuda a longo prazo, que ficaria a cargo das organizações luso-brasileiras. A reportagem da edição de 19 de Novembro conta que só em São Paulo, já havia e que havia quem estivesse chegando de barco a Salvador. Eram, no caso, 25 refugiados. Embora sem estatísticas do Itamaraty, calculava-se em seis mil o número de refugiados chegados de Angola. O perfil desse imigrante é o seguinte: esmagadoramente brancos, desempenhavam profissões de classe média, embora sem instrução ou dinheiro. A reportagem aborda as forças tarefas, uma em São Paulo, na Galeria Prestes Maia e a outra numa sala do Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro, com funcionários de três ministérios: Relações Exteriores, Trabalho e Justiça. Sua função era regularizar os papéis dos estrangeiros em três ou quatro dias. A matéria conta ainda que a adaptação ao Brasil não era difícil. No Rio, a Federação das Associações Portuguesas e Luso Brasileiras também recebia os refugiados fornecendo hospedaria, alimentação e ajuda a encontrar emprego. A necessidade da montagem dessa força-tarefa foi detectada pelo Ministério das Relações Exteriores já no mês de Agosto daquele ano. Em documento datado do dia 21 daquele mês o ministro Antônio Francisco Azeredo da Silveira dá a conhecer ao Presidente Ernesto Geisel que até o final daquele ano o fluxo de grande número de portugueses que estava chegando ao Brasil podia chegar a milhares dependendo da evolução dos 14

15 acontecimentos tanto em Angola como em Portugal. Devido a emergência da situação pelo número de repartições consulares brasileiras e pela limitada disponibilidade de transporte, a grande maioria estava desembarcando em território brasileiro sem visto consular. Devido a natureza e a dimensão da chegada desses imigrantes o tratamento dado a eles deveria ser retirado dos canais rotineiros de transformação de vistos e de outras medidas administrativas. A força-tarefa a ser constituída deveria ser informal e sem ônus adicional para o tesouro. A resposta favorável do Presidente foi dada no dia 22 do mesmo mês em documento assinado por Golbery do Couto e Silva, datado do dia 27. As questões levantadas pelos autores no que se refere à diferenciação identitária entre ambos os grupos nos mostra que a construção de uma visão pejorativa é feita de ambos os lados. Se em Angola os portugueses são vistos como matarroanos e bezugos, os angolanos natos são tidos como brancos de segunda. Um dos entrevistados informou que dentre as famílias mais abastadas da sociedade colonial havia mulheres que viajavam a Portugal para terem seus filhos, para que esses não nascessem com essa condição. Um dos entrevistados aborda também essa questão fazendo a ressalva de que os portugueses não seriam totalmente brancos por conta da conquista do sul de Portugal pelos árabes séculos atrás: Agora, no entanto, havia sim uma diferença entre os portugueses de Portugal e os portugueses de Angola. Eles consideravam portugueses brancos de Angola os brancos de segunda. Tem essa diferença, só que eles se esquecem que eles foram colonizados, pelo menos a parte sul, pelos árabes. Então eles não são tão brancos quanto eles pensam.( M.P.) É comum nos depoimentos de brancos nascidos em Angola a referência ao português nato como o outro. O português é visto como individualista como aquele que se acha melhor por ter nascido na antiga metrópole, ao contrário dos nascidos em Angola, que seriam o oposto, ou seja, ajudariam-se entre si, como podemos verificar nas palavras de outra entrevistada: o português é um pouco individualista, não sei. Eles não são...associações e há outros povos e culturas que se ajudam. Os portugueses, nós os angolanos que vieram, insistimos, ajudamos muito um aos outros, mas em geral, português não (...) (M.B.) Isso nos leva a questão da construção da identidade e também da memória. Nos parece importante remeter aqui às reflexões de Zeila Demartini, que desenvolveu estudo sobre esses 15

16 imigrantes na cidade de São Paulo e de Michael Pollack e Alessandro Portelli. Segundo a socióloga paulista que junto com pesquisadores do Centro de Estudos Rurais e Urbanos da Universidade de São Paulo, desenvolveu os primeiros estudos com esse grupo de imigrantes no Brasil, é necessário manter uma vigilância constante sobre as narrativas obtidas. Michael Pollack ao refletir sobre a memória e a construção da identidade social, nos diz que a memória é socialmente construída. Para ele: podemos também dizer que há ligação fenomenológica muito estreita entre a memória e o sentimento de identidade. Aqui o sentimento de identidade está sendo tomado no seu sentido mais superficial (...) que é o sentido da imagem de si, para si e para os outros (...). Ninguém pode construir uma auto-imagem isenta de mudança, de negociação, de transformação em função dos outros. A construção da identidade é um fenômeno que se produz em referência aos outros, em referência aos critérios de aceitabilidade, de admissibilidade, de credibilidade, e que se faz por meio da negociação direta com os outros. Vale dizer que memória e identidade podem perfeitamente ser negociadas, e não são fenômenos que devam ser compreendidos como essenciais de uma pessoa ou de um grupo. (POLLACK, 1992: 204) Ao nosso ver as palavras do autor se encaixam como possibilidade analítica para o tema aqui analisado. Por fim, citando Alessandro Portelli podemos dizer que estamos lidando com uma multiplicidade de memórias fragmentadas e internamente divididas, todas, de uma forma ou de outra ideológica e culturalmente mediadas. (PORTELLI, 2006: 106) Bibliografia e fontes AAS mre/rb. Arquivo Pessoal de Antônio Francisco Azeredo da Silveira, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, CPDOC. CASTELO, Cláudia. Passagens para a África: o povoamento de Angola e Moçambique com naturais da metrópole ( ), Porto, Edições Afrontamento, DEMARTINI, Z.B.F. Reconstruido Identidades Múltiplas: imigrantes portugueses e luso-africanos em São Paulo. Athenea Digital, 10, FILHO, S.A.C. As relações étnicas em Angola: as minorias branca e mestiça ( ), p. 01. (Disponível em: JORNAL DO BRASIL, edição de 03 de Outubro de 1975, p. 07. JORNAL O GLOBO, edição de 02 de Setembro de 1975, p

17 PIMENTA, Fernando. Angola no percurso de um nacionalista: conversas com Adolfo Maria, Porto, Edições Afrontamento, PINTO, Tatiana Pereira Leite. Etnicidade, Racismo e Luta em Angola As Questões étnicas e Raciais na Luta de Libertação e no Governo Agostinho Neto, Niterói UFF, 2008 (Monografia de Final de Curso de Graduação em História) POLLACK, Michael. Memória e Identidade Social, Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de Junho de 1944): mito, política, luto e senso comum, In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e Abusos da História Oral, Rio de Janeiro, Editora FGV, REVISTA Veja, edições de 15 de Outubro e 19 de Novembro de

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A descolonização de Angola: migração e adaptação de portugueses e brancos angolanos no Rio de Janeiro

A descolonização de Angola: migração e adaptação de portugueses e brancos angolanos no Rio de Janeiro A descolonização de Angola: migração e adaptação de portugueses e brancos angolanos no Rio de Janeiro ISABEL DE SOUZA LIMA JUNQUEIRA BARRETO Entre 1961 e 1974, deu-se a guerra de independência de Angola.

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Relatório de Pesquisa de Opinião Pública Nacional Metodologia Pesquisa de opinião pública tipo quantitativa Universo: Cadastro de pessoas do IBDD

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 TAG 4/2010 STC-6 Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 1 Índice Introdução A Migração As Diversas Formas de migração humana As Causas ou motivos de migração humana Os grandes fluxos de migratórios

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Wendel Uhren Meira 08/11/2012

Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Sequência Didática Trabalho Concludente Tema: A Imigração no Estado de São Paulo e suas diferentes facetas. Justificativa: É fator de grande importância para esse período

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 XENOFOBIA À BRASILEIRA: A CRESCENTE AVERSÃO DA SOCIEDADE CIVIL BRASILEIRA À PRESENÇA DE POPULAÇÕES ESTRANGEIRAS Nathália França Figuerêdo Porto Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não Ei-los que partem Ei-los que partem novos e velhos buscando a sorte noutras paragens noutras aragens entre outros povos ei-los que partem velhos e novos Ei-los que partem de olhos molhados coração triste

Leia mais

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O _SUMÁRIO _Quem é o (a) solicitante de refúgio?...4 _Dificuldades enfrentadas pelo refugiado ao chegar ao Brasil...5 _Direito dos solicitantes

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

I. Visto Temporário II (Visto de negócios)

I. Visto Temporário II (Visto de negócios) CARTILHA PARA CONTRATAÇÃO REGULAR DE ESTRANGEIROS NO BRASIL Em se tratando de mão de obra estrangeira, são inúmeras as dúvidas que pairam nos empregadores e tomadores de serviços sobre as responsabilidades

Leia mais

Trabalhando com. Refugiados

Trabalhando com. Refugiados Trabalhando com Refugiados Quem são os refugiados? O refugiado é uma pessoa que está fora do seu país porque foi (ou estava em risco de ser) vítima de graves violações de direitos humanos em razão da sua

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e Imigração Ilegal/Irregular realizado em Brasília, Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2006, reuniu

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

V. Experiência de trabalho

V. Experiência de trabalho V. Experiência de trabalho Sonia Altoé SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALTOÉ, S. Experiência de trabalho. In: De "menor" a presidiário: a trajetória inevitável? [online]. Rio de Janeiro: Centro

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Lei da Nacionalidade Portuguesa Lei nº 37/81, de 3 de Outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 25/94, 19 de Agosto Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras Muitas pessoas se assustam ao ouvirem a idéia de criação de cotas para negros nas universidades públicas Brasileiras. Este artigo busca compreender

Leia mais

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção)

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migrações O vaivém da população pelo mundo Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migração ou Movimento Populacional: Ocorre o tempo todo no mundo Pessoas mudam-se

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

Racismo no Futebol. Juliana Garcia (UFRJ) pesquisadores da História e das Ciências Sociais que analisam a manifestação social e

Racismo no Futebol. Juliana Garcia (UFRJ) pesquisadores da História e das Ciências Sociais que analisam a manifestação social e Racismo no Futebol Juliana (UFRJ) SILVA, Carlos Alberto; VOTRE, Sebastião: Racismo no Futebol. Rio de Janeiro: HP Comunicação Editora, 2006. A relação entre futebol e sociedade é um tema amplamente discutido

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais