Imagem da Semana: Radiografia de abdome

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imagem da Semana: Radiografia de abdome"

Transcrição

1 Imagem da Semana: Radiografia de abdome Figura 1: Radiografia simples de abdome em incidência anteroposterior. Enunciado Paciente do sexo feminino, 33 anos, casada, nulípara, procurou serviço de pronto-atendimento com queixas de dor abdominal na região da fossa ilíaca direita, acompanhada de náuseas e vômitos. Ao exame, apresentava defesa abdominal no quadrante inferior direito e sinal de Blumberg positivo em FID. As alterações radiológicas a seguir correspondem a achados na radiografia da paciente, exceto: a) Acúmulo fecal no ceco b) Apendicolito c) Íleo sentinela d) Borramento da margem do psoas

2 Análise da imagem Imagem 2: Radiografia simples de abdome em incidência anteroposterior realizada em decúbito dorsal apresenta dilatação de alça intestinal ilíaca (setas vermelhas) associada à imagem de acúmulo fecal no ceco, caracterizada por hipotransparência entremeada por múltiplos pequenos focos de imagens hipertransparentes (círculo vermelho). Nota-se, também, borramento da margem do músculo psoas (linha pontilhada vermelha) e aumento da densidade de partes moles no quadrante inferior direito. Diagnóstico O caso clínico em questão ilustra o diagnóstico diferencial de abdome agudo, que, por se tratar de uma manifestação comum a várias afecções, é um desafio médico. A radiografia simples de abdome teve importância na condução do caso, uma vez que apresentou alterações radiológicas consistentes com a hipótese de apendicite aguda. Os achados mais comumente relacionados à apendicite, segundo estudos compilados por Brooks e Kiellen, incluem íleo sentinela (15 a 55%), aumento da densidade de partes moles no quadrante inferior direito (12 a 33%), apendicolito (2 a 22%), escoliose côncava direita (1 a 14%), borramento da margem do psoas (1 a 8%), borramento da faixa adiposa préperitoneal (<8%), separação do conteúdo cecal da gordura pré-peritoneal (<5%), gás no apêndice (<2%) e abscesso.

3 O borramento da margem do psoas corrobora a hipótese de um processo inflamatório agudo do lado direito. A dilatação gasosa ileal, chamada de alça sentinela, é sugestiva de que o processo inflamatório se localize no quadrante inferior direito, mas pode estar presente em outras causas de dor em FID. O acúmulo fecal no ceco é o sinal mais fortemente relacionado à apendicite aguda, com sensibilidade de 97,00%, especificidade de 85,33% e valor preditivo negativo de 98,08%, de acordo com estudo realizado por Petroianu et al. A imagem de apendicolito, fecalito na área de projeção do apêndice cecal, embora seja muito específico para apendicite, não está presente na imagem desta paciente. Discussão do caso Dentre as afecções que podem provocar o abdome agudo da FID, a apendicite aguda destaca-se como a principal causa e requer tratamento cirúrgico de emergência. Ocorre com mais frequência durante a 2 a e 3 a décadas de vida, no sexo masculino. A etiopatogênese da apendicite envolve a obstrução da luz do apêndice ileocecal, provocando retenção de muco e distensão do órgão, o que leva a compressão venosa e hipóxia e favorece a colonização bacteriana, resultando em resposta inflamatória local. Na fase inicial ou catarral, o apêndice se torna congesto, edemaciado e aumentado de volume. Na fase exudativa, a serosa se apresenta opaca e com pontilhado hemorrágico, coberta por exudato fibrinopurulento. Na fase gangrenosa, há necrose, que resulta, na fase perfurativa, em destruição da parede e extravasamento do conteúdo para o peritônio. A apresentação clínica clássica da apendicite tem início com dor abdominal periumbilical, náusea e vômitos. À medida que a inflamação progride, a dor migra para FID e pode ser acompanhada por febre. Ao exame físico, encontram-se defesa peritoneal em FID e os sinais de Blumberg (dor intensa à descompressão da parede abdominal), de Rovsing (dor em FID durante palpação da fossa ilíaca esquerda), do psoas (dor em FID à extensão passiva do quadril direito; se apêndice está em posição retrocecal) e do obturador (dor em FID à flexão passiva do quadril; se está em posição pélvica). A apendicite aguda é diagnosticada com base na avaliação clínica, associada à contagem de leucócitos e/ou estudos de imagem. Ao leucograma, observa-se, em aproximadamente 80% dos casos, leucocitose com desvio à esquerda, com aumento da contagem de leucócitos à medida que o quadro progride. Como abordagem complementar, podem ser empregados métodos de imagem como radiografia simples, ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética e cintilografia. O desafio diagnóstico reside na baixa especificidade dos métodos de avaliação, que leva a erro diagnóstico inicial aceitável em até 20% dos pacientes com dor na FID. Além disso,

4 cerca de 15% a 40% de todas as apendicectomias resultam na remoção de um apêndice normal. O diagnóstico diferencial da apendicite contempla patologias agudas do trato digestivo, das vias urinárias e do aparelho ginecológico. O retardo no tratamento leva à perfuração do apêndice e aumento da morbidade. Aspectos relevantes - O diagnóstico etiológico da dor abdominal na fossa ilíaca direita (FID) é um desafio, por se tratar de uma manifestação que pode ocorrer em uma enorme gama de afecções cirúrgicas e não-cirúrgicas. - Os achados radiográficos mais fortemente relacionados à apendicite aguda incluem acúmulo fecal no ceco, aumento da densidade de partes moles no quadrante inferior direito e apendicolito. - A apresentação clínica clássica da apendicite tem início com dor abdominal periumbilical, náusea e vômitos. À medida que a inflamação progride, a dor migra para FID e pode ser acompanhada por febre. - A baixa especificidade dos métodos de avaliação leva a erro diagnóstico inicial aceitável em até 20% dos casos de dor na FID. O retardo diagnóstico leva à perfuração do apêndice e aumento da morbidade. - Cerca de 15% a 40% de todas as apendicectomias resultam na remoção de um apêndice normal. Referências 1. Black CE, Martin RF. Acute appendicitis in adults: clinical manifestations and diagnosis. Waltham: UpToDate, [acesso em fevereiro de 2013]. Disponível em: 2. Petroianu A, Alberti LR, Zac RI. Sinal radiológico de acúmulo fecal no ceco para diagnóstico diferencial de apendicite aguda em relação a outras doenças inflamatórias abdominais. Medicina (Ribeirão Preto) 2007; 40(4): Brooks DW, Killen DA. Roentgenographic findings in acute appendicitis. Surgery 1965; 57:

5 4. Acute appendicitis. In: Frimann-Dahl J. Roentgen examination in acute abdominal diseases. 3a ed. Oslo: Thomas Publisher, 1974, Pp Responsáveis Eduardo Prados de Carvalho, acadêmico do 10º período da Faculdade de Medicina da UFMG. Marina Bernardes Leão, acadêmica do 8º período da Faculdade de Medicina da UFMG. Orientadores Dra. Nikole Soares Guimarães, Cirurgiã Geral na UPA Centro-Sul. Dr. Wilson Luiz Abrantes, Cirurgião geral, ex-chefe da cirurgia do Hospital de Pronto Socorro João XXIII e Professor aposentado da UFMG. Revisores Lucas Fonseca Rodrigues, Raphael Rabelo de Mello Penholati e professora Viviane Santuari Parisotto Marino

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O apêndice vermiforme ou apêndice cecal é uma pequena extensão tubular, com alguns centímetros de extensão, terminada em fundo cego, localizado no ceco, primeira

Leia mais

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax 9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax Enunciado Paciente do sexo masculino, 39 anos, atendido no Pronto Atendimento com quadro de dor abdominal difusa, intensa e de início súbito, com cerca de 3 horas

Leia mais

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal APENDICITE AGUDA Histórico Descrita pela primeira vez por Lorenz Heister em 1755. Em 1827, Melin publicou artigo sobre inflamação aguda do apêndice, recomendado sua retirada cirúrgica. Anatomia e Fisiologia

Leia mais

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome.

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Apendicite.

Leia mais

APE P NDICITE T A GUDA MARCELO LINHARES

APE P NDICITE T A GUDA MARCELO LINHARES APENDICITE AGUDA MARCELO LINHARES APENDICITE AGUDA INTRODUÇÃO Primeira descrição de apendicite Heister, 1683 Reconhecida como entidade patológica em 1755 Patologia mais importante do apêndice cecal Principal

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada. Figura 1: Tomografia computadorizada contrastada de abdome

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada. Figura 1: Tomografia computadorizada contrastada de abdome Imagem da Semana: Tomografia computadorizada Figura 1: Tomografia computadorizada contrastada de abdome Figura 2: Tomografia computadorizada contrastada de abdome Enunciado Paciente masculino, 40 anos,

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência Caso Clínico Paciente sexo feminino, 68 anos, comparece à unidade de emergência queixando-se de dor e distensão

Leia mais

REVIEW ARTICLE ESCALA DE ALVARADO PARA O DIAGNÓSTICO CLÍNICO DE APENDICITE AGUDA

REVIEW ARTICLE ESCALA DE ALVARADO PARA O DIAGNÓSTICO CLÍNICO DE APENDICITE AGUDA REVIEW ARTICLE ESCALA DE ALVARADO PARA O DIAGNÓSTICO CLÍNICO DE APENDICITE AGUDA Gabryella Rodrigues Adorno 1, Thamires Ferreira Rios, Fabio Augustode Araújo Colombo, Pedro Manuel Gonzalez Cuellar 2 RESUMO

Leia mais

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Dario A. Tiferes dario.tiferes@fleury.com.br ABDOME AGUDO Apendicite Colecistite Diverticulite Colites pancreatite Ileítes (DII) Apendagite Doença péptica Isquemia intestinal

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

36º Imagem da Semana: Radiografia de tórax

36º Imagem da Semana: Radiografia de tórax 36º Imagem da Semana: Radiografia de tórax Radiografia de tórax, incidência anteroposterior Radiografia de tórax, perfil esquerdo Enunciado Criança de 8 anos, masculino, previamente hígida, foi levada

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS NA APENDICITE AGUDA

ASPECTOS ÉTICOS NA APENDICITE AGUDA 11 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa v. 7, n. 12, jan./jun. 2010 ISSN 1807-8850 GODINHO, L. T. GUIDONI R. G. R. ASPECTOS ÉTICOS NA APENDICITE AGUDA RESUMO Alguns aspectos éticos e técnicos da Apendicite

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE-SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA CIRÚRGICA APENDICITE AGUDA. ESTUDO DE 37 CASOS. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE-SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA CIRÚRGICA APENDICITE AGUDA. ESTUDO DE 37 CASOS. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO _. M v 55 A * ' UNIVERSIDADE FEDERAL DE-SANTA CATARINA CVENTR-o DE CI-E_Nc.IAs DA SAÚDE- DEPARTAMENTO DE CLÍNICA CIRÚRGICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APENDICITE AGUDA. ESTUDO DE 37 CASOS. Orientador:

Leia mais

Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução

Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução Mauricio Zapparoli Disciplina de Radiologia Médica Departamento de Clínica Médica - Hospital de Clínicas UFPR Objetivos Radiologia Convencional Anatomia/Semiologia

Leia mais

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática.

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Abdome Agudo Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Demanda intervenção médica imadiata, cirúrgica ou não 2 Abdome Agudo obstrutivo Gastro-intestinal Vólvulo Hérnias Aderências Genito-urinário

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

HÁ AINDA ESPAÇO PARA O EXAME FÍSICO NO DIAGNÓSTICO DE APENDICITE AGUDA?

HÁ AINDA ESPAÇO PARA O EXAME FÍSICO NO DIAGNÓSTICO DE APENDICITE AGUDA? Vol.4,n.1,pp.56-62 (Set - Nov 2013) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - HÁ AINDA ESPAÇO PARA O EXAME FÍSICO NO DIAGNÓSTICO DE APENDICITE AGUDA? IS THERE STILL SPACE FOR PHYSICAL EXAMINATION

Leia mais

ANALISE DA ACURÁCIA DOS EXAMES DE IMAGEM DE APENDICITE AGUDA

ANALISE DA ACURÁCIA DOS EXAMES DE IMAGEM DE APENDICITE AGUDA Vol.8,n.4,pp.05-0 (Dez 206 Fev 207) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR ANALISE DA ACURÁCIA DOS EXAMES DE IMAGEM DE APENDICITE AGUDA ANALYSIS OF ACCURACY OF ACUTE APPENDICITIS IMAGING

Leia mais

Bárbara Ximenes Braz

Bárbara Ximenes Braz Bárbara Ximenes Braz Identificação Sexo masculino 26 anos Universitário Americano Queixa principal Dor abdominal há 1 semana. HDA O paciente apresentou queixa de dor latejante, constante há uma semana,

Leia mais

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal 1 Complicações na Doença Inflamatória Intestinal Esta é uma iniciativa do GEDIIB de favorecer o acesso dos Médicos especialistas em DII a uma forma lúdica de informar seus pacientes sobre aspectos decisivos

Leia mais

Imagem 1: destacada em vermelho a redução do espaço articular.

Imagem 1: destacada em vermelho a redução do espaço articular. Radiografia Análise das Imagens Observação: As seguintes alterações estão presentes em todas as imagens, mas foram destacadas separadamente para melhor demonstração. Imagem 1: destacada em vermelho a redução

Leia mais

Andy Petroianu 1, Luiz Ronaldo Alberti 2, Renata Indelicato Zac 3 RESUMO ABSTRACT ARTIGO ORIGINAL

Andy Petroianu 1, Luiz Ronaldo Alberti 2, Renata Indelicato Zac 3 RESUMO ABSTRACT ARTIGO ORIGINAL Novo sinal radiográfico de apendicite aguda: imagem de acúmulo fecal no ceco para diagnóstico diferencial de apendicite aguda em relação a outras doenças inflamatórias abdominais. Estudo prospectivo 337

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e cistografia retrógrada

Imagem da Semana: Radiografia e cistografia retrógrada Imagem da Semana: Radiografia e cistografia retrógrada Imagem 01. Radiografia simples de abdome em decúbito dorsal. Imagem 02. Análise da imagem Imagem 01. Radiografia simples de abdome em decúbito dorsal

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia

Imagem da Semana: Radiografia Imagem da Semana: Radiografia Imagem 01. Radiografia de tórax e abdome em AP Recém-nascido (RN), a termo, sexo masculino e parto vaginal. Foi reanimado na sala de parto devido a apneia e frequência cardíaca

Leia mais

Discussão de Caso Clínico. Módulo de Sistema Digestório

Discussão de Caso Clínico. Módulo de Sistema Digestório Discussão de Caso Clínico Módulo de Sistema Digestório 2014.2 Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 64 anos, aposentado, casado e caucasiano. Procurou serviço de emergência com queixas de dor de barriga

Leia mais

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA OBJETIVOS 1- Introdução - incidência -definição 2- Etiopatogenia

Leia mais

FÍSTULA ENTEROCUTÂNEA COMO COMPLICAÇÃO DE APENDICECTOMIA NA ADOLESCÊNCIA: RELATO DE CASO

FÍSTULA ENTEROCUTÂNEA COMO COMPLICAÇÃO DE APENDICECTOMIA NA ADOLESCÊNCIA: RELATO DE CASO Vol.18,n.3,pp.83-87 (Mar Mai 2017) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR FÍSTULA ENTEROCUTÂNEA COMO COMPLICAÇÃO DE APENDICECTOMIA NA ADOLESCÊNCIA: RELATO DE CASO ENTEROCUTANEOUS FISTULA

Leia mais

Fatores de risco associados às complicações de apendicite aguda.

Fatores de risco associados às complicações de apendicite aguda. http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912017006002 Artigo Original Fatores de risco associados às complicações de apendicite aguda. Risk factors associated with complications of acute appendicitis. Ana Paula

Leia mais

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Sessão TOMOGRAFIA Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Caso 1 Feminino, 48 anos, história de HAS, DM e pancreatite prévia recente (há 1 mês), reinternou com dor abdominal, náuseas e vômitos. Nega história

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes

Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes Introdução: Emergências cirúrgicas em pediatria representam de 0,6 a 1 % dos atendimentos pediátricos

Leia mais

Estudo Radiográfico de Abdome Agudo (ERAA): Ingestão de cápsulas de entorpecentes*

Estudo Radiográfico de Abdome Agudo (ERAA): Ingestão de cápsulas de entorpecentes* Estudo Radiográfico de Abdome Agudo (ERAA): Ingestão de cápsulas de entorpecentes* DHIEGO FERREIRA G. 1, REINALDO DE O. 2 dgumieri@gmal.com Técnico em Radiologia -HRCAF RESUMO As corretas incidências radiográficas

Leia mais

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira Apresentação de caso Marco Daiha / Raquel Lameira História clinica inicial: Criança feminina, 4 anos, admitida no Hospital Alcides Carneiro/Petrópolis- Rj, transferida de outra unidade de saúde para investigação

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática.

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática. Análise e avaliação do exame convencional e contrastado do abdômen Radiografia do Abdômen É realizada nas seguintes incidências: Decúbito dorsal (ou simples) Posição ortostática Decúbito lateral direito

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES Prof. Valentim A. Gheller Escola de Veterinária da UFMG INTRODUÇÃO Abordar todas as afecções passíveis de resolução cirúrgica no sistema digestivo

Leia mais

11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias

11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias 11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, há 2 dias com hematúria macroscópica e dor abdominal difusa leve à esclarecer. Pressão arterial

Leia mais

Ingestão de corpo estranho

Ingestão de corpo estranho 1. INTRODUÇÃO A ingestão de corpo estranho é ocorrência comum de urgência. Geralmente a passagem e eliminação pelo trato digestivo ocorre espontaneamente sem a necessidade de intervenção. A morbidade grave

Leia mais

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e:

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e: USP - 2001 89 - Paciente de 48 anos, assintomática, procurou seu ginecologista para realizar exame anual preventivo. Realizou ultra-som de abdome que revelou vesícula biliar de dimensão e morfologia normais

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

CASO CLÍNICO. Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012

CASO CLÍNICO. Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012 CASO CLÍNICO Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012 Masc., 15 anos. QP: dor abdominal e diarréia HDA: Paciente era hígido até 8 meses antes, quando

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SOCIEDADE E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM IMAGENOLOGIA BIOMÉDICA

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SOCIEDADE E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM IMAGENOLOGIA BIOMÉDICA 1 INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SOCIEDADE E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM IMAGENOLOGIA BIOMÉDICA A COMPARAÇÃO ENTRE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E ULTRASSONOGRAFIA ABDOMINAL

Leia mais

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL EXAME CONTRASTADO DE TRÂNSITO INTESTINAL TRÂNSITO INTESTINAL OBJETIVO: EXAMES CONTRASTADOS O objetivo do exame de Trânsito Intestinal é estudar a forma e a função dos seus três componentes (Duodeno,

Leia mais

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC Doenças das vias biliares César Portugal Prado Martins UFC Anatomia do Sistema Biliar Função da vesícula biliar Concentração da bile absorção de sal e água produção de muco Armazenamento da bile Excreção

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. XVI Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO 1 Paciente: M. G. A., 38 anos, sexo feminino. Queixa: Infecção do trato urinário de repetição. Realizou ultrassonografia

Leia mais

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP Colégio Brasileiro de Cirurgiões Capítulo de São Paulo COLECISTITE AGUDA Tercio De Campos TCBC-SP São Paulo, 28 de julho de 2007 Importância 10-20% população c/ litíase vesicular 15% sintomáticos 500.000-700.000

Leia mais

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares Doença Diverticular Fisiopatologia Estrutural - Parede cólica: mucosa, submucosa muscular - circular - longitudinal - Teniae coli serosa - Falsos divertículos - Hipertrofia da camada muscular: da elastina

Leia mais

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho NÁUSEAS VÔMITOS DOR ABDOMINAL LEUCOCITOSE ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Raro 1/500 Diagnóstico Difícil: Sinais e Sintomas Fisíológicos Alterações Anatômicas e

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia simples do abdômen

Imagem da Semana: Radiografia simples do abdômen Imagem da Semana: Radiografia simples do abdômen Imagem 01. Radiografia simples do abdômen, incidência anteroposterior (AP), paciente em decúbito dorsal. Paciente gênero masculino, 86 anos, natural de

Leia mais

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise Prof André Montillo UVA Patologia Evolução Fisiológica A Partir dos 4 anos de idade haverá uma Obstrução da

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO DRA MARINA PORTIOLLI HOFFMANN DRA MARIA HELENA LOUVEIRA DR GUILBERTO MINGUETTI INTRODUÇÃO: O câncer de mama associado a gestação

Leia mais

Embolização nas Hemorragias Digestivas

Embolização nas Hemorragias Digestivas Embolização nas Hemorragias Digestivas Francisco Leonardo Galastri Cirurgião Endovascular e Radiologista Intervencionista Departamento de Radiologia Vascular Intervencionista do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

Apendicite Aguda no Ciclo Gravídico-Puerperal: Um Estudo de 13 Casos

Apendicite Aguda no Ciclo Gravídico-Puerperal: Um Estudo de 13 Casos RBGO 20 (4): 187-192, 1998 no Ciclo Gravídico-Puerperal: Um Estudo de 13 Casos Trabalhos Originais Acute Appendicitis in the Gravidic-Puerperal Cycle: A Study of 13 Cases Expedito Fernandes Gurgel, Renart

Leia mais

Caso do mês Março de

Caso do mês Março de INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA DIVISÃO DE PATOLOGIA Caso do mês Março de 2016-1 Mônica N Moura Sérgio de Oliveira Romano CASO Identificação: Sexo Feminino 80 anos História: paciente

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

Samira El Hassan. Comparação da Ultrassonografia e da. Tomografia Computadorizada em Pacientes. com Suspeita de Apendicite Aguda

Samira El Hassan. Comparação da Ultrassonografia e da. Tomografia Computadorizada em Pacientes. com Suspeita de Apendicite Aguda Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde Samira El Hassan Comparação da Ultrassonografia e da Tomografia Computadorizada em Pacientes com Suspeita de

Leia mais

importante. Conclui-se, então, que o quadro é constituído basicamente por dor abdominal de grande intensidade, que na maioria das vezes requer solução

importante. Conclui-se, então, que o quadro é constituído basicamente por dor abdominal de grande intensidade, que na maioria das vezes requer solução 82 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 35, n o. 3, de 2006 1806-4280/06/35-03/82 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAIS Juliano Martini 1,Kelson Rudy Ferrarini 1,Marcel do Nascimento Martins

Leia mais

GAMEDII HISTÓRIA EQUIPE GAMEDII AGRADECIMENTOS:

GAMEDII HISTÓRIA EQUIPE GAMEDII AGRADECIMENTOS: GAMEDII HISTÓRIA A formação de uma equipe de profissionais interessados na assistência aos pacientes portadores de doença de Crohn e retocolite ulcerativa iniciou-se em outubro de 2005. Através da equipe

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Reconstrução em 3D de tomografia computadorizada de crânio. Imagem 02. Tomografia computadorizada de crânio, sem injeção endovenosa de meio de contraste

Leia mais

APENDICECTOMIA EM PACIENTES COM IDADE SUPERIOR A 40 ANOS - ANÁLISE DOS RESULTADOS DE 217 CASOS

APENDICECTOMIA EM PACIENTES COM IDADE SUPERIOR A 40 ANOS - ANÁLISE DOS RESULTADOS DE 217 CASOS APENDICECTOMIA EM PACIENTES COM IDADE SUPERIOR A 40 ANOS - ANÁLISE DOS RESULTADOS DE 217 CASOS ANTONIO SÉRGIO BRENNER 1 ; JULIANA SANTIN 2 ; FREDERICO VIRMOND NETO 2 ; TANIA BOURSHEID 2 ; RUBENS VALARINI

Leia mais

FÍGADO, BAÇO E ESTÔMAGO

FÍGADO, BAÇO E ESTÔMAGO , E Profa. Dra. Juliana Peloi Vides Maior órgão do abdome Abdome cranial Está quase totalmente no gradil costal Vesícula biliar direita da linha média. Normalmente não visualizada HEPATOMEGALIA: arredondamento

Leia mais

16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho

16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho 16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho Enunciado Paciente do sexo masculino, 15 anos, previamente hígido, iniciou com quadro de dor e edema na região distal da coxa direita há três meses, que evoluiu

Leia mais

APENDICITE AGUDA MIMETIZANDO ESCROTO AGUDO: relato de caso

APENDICITE AGUDA MIMETIZANDO ESCROTO AGUDO: relato de caso APENDICITE AGUDA MIMETIZANDO ESCROTO AGUDO: relato de caso Allyne Capanema GONÇALVES¹ Marcus Vinícius Capanema GONÇALVES² ¹Estudante de medicina na Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Belo Horizonte

Leia mais

HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL GUSTAVO AUGUSTO MENDES COSTA LIMA

HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL GUSTAVO AUGUSTO MENDES COSTA LIMA HOSPITAL GERAL DE FORTALEZA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL GUSTAVO AUGUSTO MENDES COSTA LIMA MANEJO DA APENDICITE AGUDA REVISÃO DE LITERATURA FORTALEZA 2016 GUSTAVO AUGUSTO MENDES COSTA

Leia mais

Relevância da ultrassonografia no diagnóstico pré-operatório de apendicite aguda

Relevância da ultrassonografia no diagnóstico pré-operatório de apendicite aguda Relevância da ultrassonografia no diagnóstico pré-operatório de apendicite aguda Relevance of Ultrasound in preoperative acute appendicitis diagnosis Ricardo Salgueiro Borges¹ Márcia Mantovani Borges¹

Leia mais

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO ATRESIA DE ESÔFAGO: Malformação em que a parte proximal do esôfago termina em fundo cego. Classificação Segundo tipo de atresia: Tipo I (A): atresia sem fistula (8%);

Leia mais

Imagem da Semana: Cintilografia Renal c/99mtc

Imagem da Semana: Cintilografia Renal c/99mtc Imagem da Semana: Cintilografia Renal c/99mtc Imagem 01. Cintilografia Renal Estática Imagens (99mTc-DMSA) Paciente do sexo feminino, 10 anos de idade, apresenta enurese noturna, incontinência urinária

Leia mais

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome 32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome Enunciado Paciente masculino, de 52 anos, previamente hígido, procurou atendimento médico devido a dor abdominal em cólica iniciada há cerca de 18 horas, com

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

Doença Diverticular do Cólon

Doença Diverticular do Cólon Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Doença Diverticular do Cólon Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia Hospital de Base - FAMERP Doença Diverticular do Cólon Conceito Considerações

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de tórax

Imagem da Semana: Tomografia de tórax Imagem da Semana: Tomografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior. Enunciado Paciente masculino, 29 anos, previamente hígido, apresentou dor súbita e intensa em região retroesternal,

Leia mais

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA PRÉ-REQUISITO R ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (0) 0 RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de Monografia

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de Monografia I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Análise comparativa entre apendicectomia videolaparoscópica e aberta convencional realizada

Leia mais

Fatores de Risco para as Complicações após Apendicectomias em Adultos

Fatores de Risco para as Complicações após Apendicectomias em Adultos após Apendicectomias em Adultos Risk Factors for Complications After Appendectomy in Adults SILVANA MARQUES E SILVA¹, SORAIA BARROSO DE ALMEIDA², OLÍMPIA ALVES TEIXEIRA LIMA³, GABRIEL MAGALHÃES NUNES GUIMARÃES

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

Imagem da Semana: Cintilografia

Imagem da Semana: Cintilografia Imagem da Semana: Cintilografia Figura 1: Cintilografia da tireoide (123Iodo) Enunciado Paciente do sexo feminino, 23 anos, previamente hígida, com queixa de tremor, sudorese, palpitação, queda de cabelo,

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic

Leia mais

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA!

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! Tema: Semi-oclusão por àscaris Objetivos Definir e identificar sinais e sintomas da Semi-oclusão por áscaris. Formular plano assistencial

Leia mais

Utilização da Ressonância Magnética em Crianças com Suspeita de Apendicite Aguda em Casos Selecionados: Resultados Preliminares

Utilização da Ressonância Magnética em Crianças com Suspeita de Apendicite Aguda em Casos Selecionados: Resultados Preliminares PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA / PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA MESTRADO EM MEDICINA

Leia mais