MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL"

Transcrição

1 MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL Maico José Moura Orientador: Prof. Dr. Francisco Ferraz 1 RESUMO A pesquisa presente neste trabalho é parte integrante de um projeto maior, proposto e coordenado pelo Professor Dr. Francisco Ferraz, cujo titulo é: Força Expedicionária Brasileira: Análise Historiográfica e Documental. Seu objetivo principal é entender as consequências e as significações dadas à participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, visto que, a Segunda Guerra Mundial está entre os eventos mais celebrados e rememorados por diversas comunidades de memória. O Projeto de Pesquisa foi dividido, e a este subprojeto coube estudar livros memorialísticos de ex-combatentes, sendo o foco principal analisar as representações dadas pelos próprios expedicionários, sobretudo a construção de uma memória compartilhada pelos pracinhas 2, contada a partir de livros memorialísticos escritos pelos próprios combatentes. Outro objetivo foi o de observar o papel da edição e publicação destes livros na construção da memória da Força Expedicionária Brasileira. Palavras chave: Segunda Guerra Mundial; Memória Social; Força Expedicionária Brasileira. 1 Professor adjunto do Departamento de História da UEL Universidade Estadual de Londrina. 2 Pracinhas é denominação dada aos veteranos brasileiros da Segunda Guerra Mundial 959

2 O Brasil teve três diferentes formas de participação na Segunda Guerra Mundial: primeiramente, como fornecedor de matérias-primas estratégicas para o esforço de guerra das nações Aliadas, liderada pelos Estados Unidos, contra os países do Eixo, representados pela Alemanha, Itália e Japão. Em seguida, cronologicamente, foi permitido o uso de bases aéreas e navais no Norte e Nordeste do país, para uso da aviação Aliada, a partir de Finalmente, após os ataques a navios mercantes brasileiros no litoral do país, por submarinos do Eixo, foi declarado Estado de Beligerância contra os agressores e iniciou-se a formação de uma Força Expedicionária Brasileira (FEB), para combater diretamente as forças alemãs, no Teatro de Operações do Mar Mediterrâneo 3. Essa participação mais direta nas operações militares foi, relativamente, pequena, em comparação com o enorme volume de homens, armas e recursos empregados nessa guerra, pelos Aliados. Porém, para os brasileiros, teve um caráter simbólico muito grande. Os vinte e cinco mil expedicionários lutaram contra os temidos alemães, nos campos e cidades da Itália, e venceram. Quando voltaram ao Brasil, se transformaram em personagens históricos. Iniciou-se então uma outra luta, dessa vez pelos significados que a participação brasileira nos campos de batalha pode ter para aqueles que lutaram, para aqueles que ficaram no país e para aqueles que teriam informações sobre o Brasil na guerra através de livros, filmes, monumentos, narrativas orais, etc. O foco principal deste trabalho foi o de estudar livros memorialísticos de ex-combatentes, analisando as representações dadas pelos próprios expedicionários, sobretudo a construção de uma memória compartilhada pelos pracinhas 4, contada a partir de livros memorialísticos, escritos pelos próprios combatentes. Outro objetivo, de forma secundária é observar se a edição e publicação destes livros influenciou, ou foram influenciados, na construção da memória da Força Expedicionária Brasileira. 3 FERRAZ, Francisco Cesar Alves. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Pracinhas é denominação dada aos veteranos brasileiros da Segunda Guerra Mundial 960

3 Neste trabalho, foram examinados mais especificamente os registros históricos e memorialísticos dos combatentes paranaenses da Força Expedicionária Brasileira (FEB). A escolha dos relatos e narrativas dos combatentes paranaenses se deve, em primeiro lugar, à proximidade geográfica e acesso a livros memorialísticos de circulação restrita ao Estado. Os livros estudados como base da pesquisa foram publicados com circulação pequena, e visavam o leitor mais próximo. Além do mais, o fato de frequentemente ser lembrada a origem paranaense dos expedicionários nesses livros (por exemplo, O Paraná na FEB, de Agostinho Rodrigues, Nós estivemos lá, de José Dequech), e da associação de ex-combatentes do Paraná ser a única no Brasil como uma referência estadual ( Legião Paranaense do Expedicionário ) chamou a atenção para a possibilidade deste tipo de obra contribuir para uma identidade estadual específica. Como veremos adiante, essa identidade foi muito superficial, pois a identidade mais frequente foi a de pertencimento à Força Expedicionária Brasileira (FEB) e às forças combatentes, mas que o de compartilharem as mesmas origens estaduais. Mesmo assim, esse foi um dos objetos de análise. Pudemos verificar que os expedicionários paranaenses se identificavam mais com as unidades a que pertenciam na Força Expedicionária Brasileira (FEB), ou pelo fato de serem efetivamente combatentes do front ( sacos A, ao contrário dos expedicionários da retaguarda os sacos B 5 ), do que pelas suas origens estaduais. Verificamos que compõem uma comunidade de memória. Mesmo pertencendo a unidades que não se conheciam, esses expedicionários sentiam que repartiam experiências em comum, não importam os Estados de origem ou de moradia. Segundo Ferraz (2003), a própria forma como a Força Expedicionária Brasileira (FEB) foi organizada contribuiu para isso, pois as unidades expedicionárias recebiam soldados de todo o país, mesmo que cada regimento de infantaria tivesse uma maioria de um estado ou outro. No caso dos paranaenses, eles se concentraram mais no 11º. Regimento de Infantaria, um dos três que 5 Os expedicionários receberam dois sacos, com fardas, calçados e equipamentos de uso pessoal: um deles, para uso em combate, era o Saco A. O outro, para uso na retaguarda, era o saco B. Os expedicionários que realmente vivenciaram ação em combate apelidavam os outros da retaguarda de saco B, o que era visto como ofensa. 961

4 compuseram a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Mas havia soldados paranaenses no 1º Regimento e no 6º Regimento também. Devemos entender que uma das principais bases desta comunidade de memorias são as associações de ex-combatentes, que a priori foram criadas com o intuito de serem a voz de seus membros, ou seja, os representando junto aos órgãos oficiais, ou como um ponto de encontro social. Porém, como já dito anteriormente, também foram organizadoras e fomentadoras da memória social deste grupo. Podemos observar este fenômeno em outros países também: No mundo todo, as associações de veteranos ou de excombatentes sempre possuíram mais ou menos essas mesmas funções: a) constituir-se um ponto de encontro, sede de eventos sociais de seus membros; b) organizar a luta pelos direitos de seus afiliados; c) representar coletivamente os ex-combatentes e pronunciar-se em seu nome; d) organizar as comemorações e toda expressão de memória de seus feitos, como a edição e/ou divulgação de memórias escritas, a ereção de monumentos, a participação em desfiles e cerimônias comemorativas, a administração de museus relacionados à guerra em que combateram. Por todas estas razões as associações são lugares de memória, tanto no sentido físico quanto no sentido representativo. 6 Essas comunidades de memória se inserem dentro deste contexto de organizar e fomentar a memória de um determinado grupo social. Segundo Paul Connerton: O termo grupo aqui é concebido num sentido lato e com alguma flexibilidade de significado, de forma a incluir tanto as pequenas sociedades, em que todos se conhecem (tais como as aldeias e clubes) como as sociedades territorialmente extensas, em que a maior parte 6 FERRAZ, Francisco César Alves: A guerra que não acabou: A reintegração social dos veteranos da Força expedicionária Brasileira, São Paulo: Tese de Doutorado em História Social Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/Universidade de São Paulo,

5 de seus membros não se pode conhecer pessoalmente (tais como o estado nação e as religiões mundiais). 7 Enfim pode-se perceber que o objetivo destas associações era não só o de representar seus membros, mas também o de deixar gravado sua visão sobre a participação dos soldados brasileiros na guerra. O lócus principal desses esforços em preservar e estimular a memória social sempre foi a associação de ex-combatentes. Dentro da associação, o veterano encontrou seus companheiros, recebeu orientação de seus direitos, auxílio mútuo e desenvolveu um espaço de vivência social e política. Apesar de um relacionamento por vezes difícil, a associação era reconhecida pelas autoridades como interlocutora legítima dos anseios de seus representados. Nesse espaço também foram produzidas e exercitadas as ações públicas de memória e valorização da dignidade expedicionária. Fora das associações, não havia possibilidade de ações coletivas de vulto, pois os veteranos brasileiros estavam isolados, pulverizados por todo o país, principalmente no interior. 8 Ainda em relação à memória da participação na guerra como uma gama de símbolos e significações, há a constituição de lugares de memória 9, com o intuito de manter viva a memória do ex- combatente brasileiro na Segunda Guerra Mundial. Contudo percebemos que a memória deste grupo não é homogênea e há constantes ressignificações e apropriações. A multiplicidade de memórias e lugares de memória existentes sobre a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial nos indicam uma forte preocupação em manter viva a figura 7 CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Portugal: Celta Editora, 1993, p.1. 8 FERRAZ, Francisco César A.. A GUERRA QUE NÃO ACABOU: A Reintegração Social Dos Veteranos Da Força Expedicionária Brasileira ( ). 9 A expressão lugares de memória não se restringe a espaços específicos, mas a todas os recursos de lembrança e comemoração de eventos no passado. FELIX, Loiva Otero. História e Memória: A problemática da pesquisa. Passo Fundo: Ediupf,

6 dos ex-combatentes. No entanto, ao contrário do que ronda o senso comum, as memórias deste evento histórico não são homogêneas e se agitam continuamente em meio às constantes ressignificações do passado - movimento próprio à História. Nos deparamos, deste modo, com uma forte distinção na forma como se estruturou a memória do sexcombatentes praieiros, dos veteranos da FEB, dos militares da ativa, da instituição militar e dos civis, o que torna inviável o entendimento da existência de uma memória nacional unificada sobre a participação do Brasil na Guerra e nos permite enxergar as disputas sutis pelos espaços de memória e lugares de reafirmação da identidade. 10 Cada grupo de memória cria suas formas de comemorar, relembrar e divulgar as ações históricas de seus membros, ou aqueles que eles consideram importantes e dignas de serem lembradas. No caso da memória brasileira sobre a Segunda Guerra Mundial, entre essas formas, estão os livros de memórias produzidos pelos ex-combatentes. Os objetos de estudo deste trabalho, como já citado acima são produções memorialísticas de ex-combatentes paranaenses cujos autores e obras são: - Nós Estivemos lá, de José Dequech; - Terceiro Batalhão: O Lapa Azul, de Agostinho José Rodrigues; - Segundo Pelotão: 8 Companhia, de Agostinho José Rodrigues; - O Paraná na FEB, de Agostinho José Rodrigues; - A verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo, de Alfredo Bertoldo Klas; 10 Os veteranos da FEB que estiveram na Itália chamam de praieiros àqueles que ficaram no Brasil, na vigilância do litoral, e que não pertenceram à FEB. A forma irônica de chama-los assim se deve ao ressentimento dos veteranos da campanha da Itália, que viram os praieiros receberem os mesmos benefícios (pensões, auxílios, direitos) que os que enfrentaram, com risco de vida, os alemães na Itália. CARVALHO, Virgínia Mercês Guimarães. Ex-combatentes do Brasil entre a História e a Memória ( ) - Dissertação (mestrado em História) Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Programa de Pós-graduação em História, Recife, Brasil,

7 - A verdade sobre Guanela Um drama da F.E.B., de Alfredo Bertoldo Klas Essas produções caracterizam-se pela heterogeneidade. Em alguns casos, as condições de produção dessas obras influenciaram sobremaneira o resultado dos trabalhos. É o caso de Agostinho José Rodrigues, que escreveu seus livros durante o período do regime ditatorial de Rodrigues era militar e político de destaque regional, pertencendo a partido de base de apoio ao regime. O livro de Dequech, por sua vez, que foi publicado postumamente em 1984, ainda dentro do período de governo militar, passou por revisão de amigos e família antes de ser publicado. Já nas obras de Klas, que foram editadas nos anos de e , em outro ambiente político. Outra questão a ser analisada é quais eram as memórias que os diversos autores queriam sedimentar, ou ao menos expô-las. Na análise preliminar foi possível perceber que os autores valorizaram o soldado paranaense, mas observamos que os livros de Klas e Rodrigues destoam de alguma maneira dos outros livros sobre a Força Expedicionária Brasileira (FEB), que em geral são laudatórios ou dão ênfase a fatos corriqueiros e engraçados vividos pelos soldados. Os livros destes autores são mais amargos em relação à guerra e a decisões tomadas por oficiais superiores. Nossa hipótese parte do pressuposto de que estas obras foram influenciadas por esta memória social anterior, visto que foram escritas a posteriori e não no calor do momento dos fatos ocorridos, tal como ocorria com os diários dos soldados, que a principio não eram para serem publicados, ou tornados de conhecimento público. Na elaboração dos livros, os autores já tiveram tempo pra refletir sobre e como escrever, assim podem escolher quais lembranças iriam expor, quais iriam deixar guardadas para si. Nessa perspectiva, há também as apropriações que já fazem parte da memória sedimentada por este grupo de memória. 11 KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Guanela: Um drama da F.E.B.. Editora Juruá, Curitiba, KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo. Imprensa oficial, Curitiba,

8 deste trabalho foi entender: Contudo há a necessidade de ressaltar que o objetivo principal a) Como essas obras contribuem para a construção memorialística da participação brasileira na Segunda Guerra Mundial no Paraná; b) Se tais obras foram influenciadas por uma memória já compartilhada pelos autores, e quais as dimensões sociais de reconhecimento e/ou esquecimento, uma vez que são parte dessas comunidades de memória. Considerações finais Neste trabalho abordamos a relação da memória social da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e a relação entre os livros memorialísticos de ex-combatentes paranaenses da Segunda Guerra Mundial. Este estudo abordou como a prática da memória social interfere, no modo de lembrar uma comunidade, e como isso se reflete nos livros, para não dizer quaisquer outras manifestações da memória. Isso dita o que deve ser exaltado e o que dever permanecer no subterrâneo da memória e não emergir ao conhecimento público. Alistair Thomsom denomina este fenômeno de batalha da memória. Segundo Thomsom, a memória é um campo de batalha, e como e um campo de batalha geralmente se impõe o mais forte. Com a memória não é diferente. Dentro da comunidade quem estiver mais condições de impor suas lembranças terá vencido esta disputa. Neste sentido, apesar de que de certa forma os trabalhos de Rodrigues e Klas trabalhem a contra da memória do grupo, não foram os vencedores da batalha, pois ao quebrarem o tom laudatório corrente dentro desta comunidade de memória, seus livros também tentam expor o que esta no subterrâneo da memória desta comunidade. Como no caso dos acidentes, mortes que geralmente não tinham sido tratados em outros veículos utilizados 966

9 pra propagar a memória do grupo. Entretanto vão no mesmo sentido da memória deste grupo, quando tratam dos soldados, ou Pés de Poeira como diz Rodrigues. Todos os autores analisados neste trabalho tratam da questão do soldado de forma parecida, são tratados como grandes homens, de coragem e honradez, e isso vai de encontro ao que é corrente na memória deste grupo. Devemos considerar que os livros foram escritos muito tempo após o evento. Assim, os autores tiveram tempo para refletir sobre e como escrever, selecionar as lembranças que iriam aparecer em seus relatos, e as que permaneceriam para si. Já existia uma memória corrente e sedimentada por este grupo, que influenciou o que cada autor exporia em seus trabalhos. Nessa perspectiva, há também as apropriações que já fazem parte da memória sedimentada por este grupo de memória. 967

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO, Virgínia Mercês Guimarães. Ex-combatentes do Brasil entre a História e a Memória ( ) - Dissertação (mestrado em História) Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Programa de Pós-graduação em História, Recife, Brasil, DEQUECH, José. Nós estivemos lá. Editora Litero-técnica, Curitiba, FELIX, Loiva Otero. História e Memória: A problemática da pesquisa. Passo Fundo: Ediupf, FERRAZ, Francisco César Alves. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ; LOCASTRE, Aline V. O ceticismo da memória: considerações sobre narrativas de dois veteranos da Força Expedicionária Brasileira. Militares e Política, v. 2, p. 1-19, HYNES, Samuel. Personal narratives and commemoration. In: WINTER, Jay; HOBSBAWM, Eric J. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, Era dos Extremos. São Paulo, Cia das Letras, SIVAN, Emmanuel (eds.). War and remembrance in the Twentieth Century. London: The Soldier s Tale: Bearing Witness to Modern War. New York, Penguin Books Cambridge University Press, KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo. Imprensa oficial, Curitiba, A Verdade sobre Guanela: Um drama da F.E.B.. Editora Juruá, Curitiba, 2002 MAXIMIANO, Cesar Campiani. Trincheiras da Memória. Brasileiros na Campanha da Itália, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado em História Social, MAXIMIANO, Cesar Campiani. Onde Estão Nossos Heróis: Uma breve história dos brasileiros na 2ª Guerra. São Paulo. C.C. Maximiano, RODRIGUES, Agostinho José. Terceiro Batalhão: O Lapa Azul; Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro, Segundo Pelotão: 8ª Companhia. Editora Edaméris, São Paulo,

11 SEITENFUS, Ricardo. O BRASIL VAI A GUERRA: o processo de envolvimento brasileiro na Segunda Guerra Mundial, Ed. Manole, Barueri - SP THOMSON, Alistair. Anzac Memories: Living with the Legend. Melbourne: Oxford University Press,

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO SANTOS, Claudney Silva dos E-mail: claudney21@hotmail.com Novas perspectivas historiográficas

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi. Em busca da guerra boa dos pracinhas. Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania

Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi. Em busca da guerra boa dos pracinhas. Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania história y Em busca da guerra boa dos pracinhas Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi criada a Força Expedicionária Brasileira

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950)

A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950) A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950) Carlos Henrique Lopes Pimentel Professor Doutor Francisco César Alves Ferraz (Orientador) RESUMO Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

O culto cívico aos mortos: o caso dos traslados dos combatentes brasileiros das guerras mundiais. Adriane Piovezan

O culto cívico aos mortos: o caso dos traslados dos combatentes brasileiros das guerras mundiais. Adriane Piovezan 0 O culto cívico aos mortos: o caso dos traslados dos combatentes brasileiros das guerras mundiais Adriane Piovezan A prática de trazer para o local de origem um cadáver de soldado morto em guerra era

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Os Veteranos da Força Expedicionária Brasileira: História, Memória e Patrimônio no Estado de Mato Grosso do Sul

Os Veteranos da Força Expedicionária Brasileira: História, Memória e Patrimônio no Estado de Mato Grosso do Sul Os Veteranos da Força Expedicionária Brasileira: História, Memória e Patrimônio no Estado de Mato Grosso do Sul SILVA, Márcio Aparecido Pinheiro 1 UFGD - Dourados Mato Grosso do Sul/Brasil Introdução:

Leia mais

Palavras-chave: história política; história militar; mudanças.

Palavras-chave: história política; história militar; mudanças. HISTÓRIA POLÍTICA NO BRASIL: DA HISTÓRIA MILITAR À NOVA HISTÓRIA MILITAR 1 Sandro Heleno Morais Zarpelão (Mestre em História Política Universidade Estadual de Maringá; Doutorando em História Social Universidade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE)

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Cognoscere ut Consilium Dare CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) RESUMO HISTÓRICO Ao término da Segunda Guerra Mundial, em razão das novas ideias

Leia mais

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial 2ª GUERRA MUNDIAL Novos estudos feitos por um historiador norte americano, revelam que os Estados Unidos teriam cogitado que as forças militares brasileiras, então em combate na Italia, ocupassem a Austria

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPÍTULO 1 13

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPÍTULO 1 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPÍTULO 1 13 O caminho de volta: os ex-combatentes e a sociedade 13 1.1. Ex-combatentes: questões historiográficas 14 1.1.1. As memórias sociais e seus agentes 14 1.1.2. Os veteranos

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

A COBRA VAI FUMAR: A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA POR MEIO DE AUDIOVISUAIS, SESSENTA ANOS DE CRIAÇÕES.

A COBRA VAI FUMAR: A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA POR MEIO DE AUDIOVISUAIS, SESSENTA ANOS DE CRIAÇÕES. Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 A COBRA VAI FUMAR: A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA

Leia mais

O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS.

O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS. O ACERVO DE FONTES ORAIS DA MARINHA DO BRASIL: CONSTITUIÇÃO E PERSPECTIVAS. Sérgio Willian de Castro Oliveira Filho 1 Introdução Atualmente encontra-se sob a guarda da Diretoria do Patrimônio Histórico

Leia mais

CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-)

CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-) CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-) (EXCEÇÕES PRELIMINARES) Julgamento de 12 de dezembro de 1996 Em sua decisão no Caso Reativo às

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL Micheline(1); Laura (2); Marília(3) (Micheline Cristina Rufino Maciel; Laura Susana Duque-Arrazola;

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

PROJETO 2ª JORNADA MERCÊS NA CAMPANHA OUTUBRO ROSA

PROJETO 2ª JORNADA MERCÊS NA CAMPANHA OUTUBRO ROSA A HISTÓRIA O movimento popular Outubro Rosa é internacional. Em qualquer lugar do mundo, a iluminação rosa é compreendida como a união dos povos pela saúde feminina. Em Brasília, às 18h40 desta terça-feira

Leia mais

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI 20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI No dia 18 de setembro de 1865, ocorre a rendição do Paraguai, depois do cerco de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. É um bom momento para lembrarmos daquele que

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas. Resumo

Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas. Resumo Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas Profa Dra Marynelma Camargo Garanhani Andressa Fochesatto Leandro de Oliveira Belgrowicz UNIVERSIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito I GUERRA MUNDIAL 1914-1918 Os antecedentes e o conflito Somente aqueles que nunca deram um tiro, nem ouviram os gritos e os gemidos dos feridos, é que clamam por sangue, vingança e mais desolação. A guerra

Leia mais

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT:

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT: ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, Beatriz da Costa e UERJ GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: CNPq

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA Cláudio GRANDE JÚNIOR ; Vilma de Fátima MACHADO FACULDADE

Leia mais

Contacto Associação Cultural. Assinam o Documento1.Dança/Pr - Secretaria de Estado da Cultura do Paraná fevereiro 2011: Fórum de Dança de Curitiba

Contacto Associação Cultural. Assinam o Documento1.Dança/Pr - Secretaria de Estado da Cultura do Paraná fevereiro 2011: Fórum de Dança de Curitiba 1 A/C Secretário de Estado da Cultura do Paraná Sr. Paulino Viapiana Data: 02/02/2011 Documento1.Dança/Pr De: Artistas, Produtores, Gestores Culturais, Instituições, Organizações e Representações Civis

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO GRUPO DE PESQUISA TRABALHO E CAPITAL (ATIVIDADE DE EXTENSÃO 1º. SEMESTRE DE 2014: O TRABALHO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 O Grupo de Pesquisa

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

A Polícia Comunitária no Brasil

A Polícia Comunitária no Brasil BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Polícia Comunitária no Brasil José Ricardo Chagas* Admite-se a polícia comunitária como filosofia, vez que é uma nova forma de conceber e pensar a ação da polícia, mas também,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS Curitiba 2013 DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE 2015 5º BIL na operação anhanguera-2015 2 EDITORIAL Nesta edição do nosso Informativo O Itororó apresentaremos as principais atividades realizadas pelo 5º Batalhão de Infantaria

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - Estudos e Pesquisas

A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - Estudos e Pesquisas A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - Estudos e Pesquisas A FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL Estudos e Pesquisas DECEx DPHCEx - CEPHiMEx RIO DE JANEIRO

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB Pelotas, RS, 8 de janeiro de 2011 Edição Especial INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 Brasília - DF. No período de 5 a 9 de julho de 2010 ocorreu, no Ministério da Defesa, o estágio para comandantes e

Leia mais

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Irani Flôres de Siqueira nasceu em Montenegro/RS, em 11 de fevereiro de 1936, filho de Mozart Noronha de Siqueira e de Cassilda Flôres de Siqueira. É casado com Lourdes Beatriz Pereira

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 Bruno Rafael dos SANTOS 2 Amanda Barbosa LEMES 3 Ana Cristina Herrero de MORAIS 4 Cezar Augusto MOREIRA 5 Debora Cristina dos SANTOS 6 Drieli Costa LOPES 7 Jéssica

Leia mais

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO Cel Cláudio Moreira Bento(X) HOMENAGEM AOS HERÓIS DA CONQUISTA DE MONTE CASTELO No transcurso, em 21 fevereiro de 2015 do 67º aniversário da vitória brasileira

Leia mais

Fundador da Comunidade Judaica do Porto

Fundador da Comunidade Judaica do Porto Fundador da Comunidade Judaica do Porto Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Série: A última guerra do Prata

Série: A última guerra do Prata TÍTULO DO PROGRAMA Série: A última guerra do Prata SINOPSE DO PROGRAMA O documentário é parte de uma série produzida pela TV Escola que apresenta as análises e pesquisas mais recentes a respeito da Guerra

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Marcos Ferreira* TEXTO DE APOIO PARA DEBATE Não há assunto na sociedade brasileira que receba mais epítetos sobre sua importância, urgência e centralidade na vida

Leia mais

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Pesquisa Sebrae: Empresários participantes do III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Brasília, Novembro 2012 * *Conhecer o perfil das empresas participantes do III Fomenta Nacional; *Investigar

Leia mais

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 Este pequeno caminhão de ¾ de toneladas foi desenvolvido pela companhia Dodge Brothers Corporation nos Estados Unidos e largamente empregado na

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA

JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO Juliana Karol de Oliveira Falcão¹ E-mail: julianakarol-16@hotmail.com Arthur Rodrigues de Lima² E-mail: arthur.rlima@hotmail.com

Leia mais