MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL"

Transcrição

1 MEMÓRIA SOBRE A GUERRA: PRACINHAS PARANAENSES NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL Maico José Moura Orientador: Prof. Dr. Francisco Ferraz 1 RESUMO A pesquisa presente neste trabalho é parte integrante de um projeto maior, proposto e coordenado pelo Professor Dr. Francisco Ferraz, cujo titulo é: Força Expedicionária Brasileira: Análise Historiográfica e Documental. Seu objetivo principal é entender as consequências e as significações dadas à participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, visto que, a Segunda Guerra Mundial está entre os eventos mais celebrados e rememorados por diversas comunidades de memória. O Projeto de Pesquisa foi dividido, e a este subprojeto coube estudar livros memorialísticos de ex-combatentes, sendo o foco principal analisar as representações dadas pelos próprios expedicionários, sobretudo a construção de uma memória compartilhada pelos pracinhas 2, contada a partir de livros memorialísticos escritos pelos próprios combatentes. Outro objetivo foi o de observar o papel da edição e publicação destes livros na construção da memória da Força Expedicionária Brasileira. Palavras chave: Segunda Guerra Mundial; Memória Social; Força Expedicionária Brasileira. 1 Professor adjunto do Departamento de História da UEL Universidade Estadual de Londrina. 2 Pracinhas é denominação dada aos veteranos brasileiros da Segunda Guerra Mundial 959

2 O Brasil teve três diferentes formas de participação na Segunda Guerra Mundial: primeiramente, como fornecedor de matérias-primas estratégicas para o esforço de guerra das nações Aliadas, liderada pelos Estados Unidos, contra os países do Eixo, representados pela Alemanha, Itália e Japão. Em seguida, cronologicamente, foi permitido o uso de bases aéreas e navais no Norte e Nordeste do país, para uso da aviação Aliada, a partir de Finalmente, após os ataques a navios mercantes brasileiros no litoral do país, por submarinos do Eixo, foi declarado Estado de Beligerância contra os agressores e iniciou-se a formação de uma Força Expedicionária Brasileira (FEB), para combater diretamente as forças alemãs, no Teatro de Operações do Mar Mediterrâneo 3. Essa participação mais direta nas operações militares foi, relativamente, pequena, em comparação com o enorme volume de homens, armas e recursos empregados nessa guerra, pelos Aliados. Porém, para os brasileiros, teve um caráter simbólico muito grande. Os vinte e cinco mil expedicionários lutaram contra os temidos alemães, nos campos e cidades da Itália, e venceram. Quando voltaram ao Brasil, se transformaram em personagens históricos. Iniciou-se então uma outra luta, dessa vez pelos significados que a participação brasileira nos campos de batalha pode ter para aqueles que lutaram, para aqueles que ficaram no país e para aqueles que teriam informações sobre o Brasil na guerra através de livros, filmes, monumentos, narrativas orais, etc. O foco principal deste trabalho foi o de estudar livros memorialísticos de ex-combatentes, analisando as representações dadas pelos próprios expedicionários, sobretudo a construção de uma memória compartilhada pelos pracinhas 4, contada a partir de livros memorialísticos, escritos pelos próprios combatentes. Outro objetivo, de forma secundária é observar se a edição e publicação destes livros influenciou, ou foram influenciados, na construção da memória da Força Expedicionária Brasileira. 3 FERRAZ, Francisco Cesar Alves. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Pracinhas é denominação dada aos veteranos brasileiros da Segunda Guerra Mundial 960

3 Neste trabalho, foram examinados mais especificamente os registros históricos e memorialísticos dos combatentes paranaenses da Força Expedicionária Brasileira (FEB). A escolha dos relatos e narrativas dos combatentes paranaenses se deve, em primeiro lugar, à proximidade geográfica e acesso a livros memorialísticos de circulação restrita ao Estado. Os livros estudados como base da pesquisa foram publicados com circulação pequena, e visavam o leitor mais próximo. Além do mais, o fato de frequentemente ser lembrada a origem paranaense dos expedicionários nesses livros (por exemplo, O Paraná na FEB, de Agostinho Rodrigues, Nós estivemos lá, de José Dequech), e da associação de ex-combatentes do Paraná ser a única no Brasil como uma referência estadual ( Legião Paranaense do Expedicionário ) chamou a atenção para a possibilidade deste tipo de obra contribuir para uma identidade estadual específica. Como veremos adiante, essa identidade foi muito superficial, pois a identidade mais frequente foi a de pertencimento à Força Expedicionária Brasileira (FEB) e às forças combatentes, mas que o de compartilharem as mesmas origens estaduais. Mesmo assim, esse foi um dos objetos de análise. Pudemos verificar que os expedicionários paranaenses se identificavam mais com as unidades a que pertenciam na Força Expedicionária Brasileira (FEB), ou pelo fato de serem efetivamente combatentes do front ( sacos A, ao contrário dos expedicionários da retaguarda os sacos B 5 ), do que pelas suas origens estaduais. Verificamos que compõem uma comunidade de memória. Mesmo pertencendo a unidades que não se conheciam, esses expedicionários sentiam que repartiam experiências em comum, não importam os Estados de origem ou de moradia. Segundo Ferraz (2003), a própria forma como a Força Expedicionária Brasileira (FEB) foi organizada contribuiu para isso, pois as unidades expedicionárias recebiam soldados de todo o país, mesmo que cada regimento de infantaria tivesse uma maioria de um estado ou outro. No caso dos paranaenses, eles se concentraram mais no 11º. Regimento de Infantaria, um dos três que 5 Os expedicionários receberam dois sacos, com fardas, calçados e equipamentos de uso pessoal: um deles, para uso em combate, era o Saco A. O outro, para uso na retaguarda, era o saco B. Os expedicionários que realmente vivenciaram ação em combate apelidavam os outros da retaguarda de saco B, o que era visto como ofensa. 961

4 compuseram a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Mas havia soldados paranaenses no 1º Regimento e no 6º Regimento também. Devemos entender que uma das principais bases desta comunidade de memorias são as associações de ex-combatentes, que a priori foram criadas com o intuito de serem a voz de seus membros, ou seja, os representando junto aos órgãos oficiais, ou como um ponto de encontro social. Porém, como já dito anteriormente, também foram organizadoras e fomentadoras da memória social deste grupo. Podemos observar este fenômeno em outros países também: No mundo todo, as associações de veteranos ou de excombatentes sempre possuíram mais ou menos essas mesmas funções: a) constituir-se um ponto de encontro, sede de eventos sociais de seus membros; b) organizar a luta pelos direitos de seus afiliados; c) representar coletivamente os ex-combatentes e pronunciar-se em seu nome; d) organizar as comemorações e toda expressão de memória de seus feitos, como a edição e/ou divulgação de memórias escritas, a ereção de monumentos, a participação em desfiles e cerimônias comemorativas, a administração de museus relacionados à guerra em que combateram. Por todas estas razões as associações são lugares de memória, tanto no sentido físico quanto no sentido representativo. 6 Essas comunidades de memória se inserem dentro deste contexto de organizar e fomentar a memória de um determinado grupo social. Segundo Paul Connerton: O termo grupo aqui é concebido num sentido lato e com alguma flexibilidade de significado, de forma a incluir tanto as pequenas sociedades, em que todos se conhecem (tais como as aldeias e clubes) como as sociedades territorialmente extensas, em que a maior parte 6 FERRAZ, Francisco César Alves: A guerra que não acabou: A reintegração social dos veteranos da Força expedicionária Brasileira, São Paulo: Tese de Doutorado em História Social Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/Universidade de São Paulo,

5 de seus membros não se pode conhecer pessoalmente (tais como o estado nação e as religiões mundiais). 7 Enfim pode-se perceber que o objetivo destas associações era não só o de representar seus membros, mas também o de deixar gravado sua visão sobre a participação dos soldados brasileiros na guerra. O lócus principal desses esforços em preservar e estimular a memória social sempre foi a associação de ex-combatentes. Dentro da associação, o veterano encontrou seus companheiros, recebeu orientação de seus direitos, auxílio mútuo e desenvolveu um espaço de vivência social e política. Apesar de um relacionamento por vezes difícil, a associação era reconhecida pelas autoridades como interlocutora legítima dos anseios de seus representados. Nesse espaço também foram produzidas e exercitadas as ações públicas de memória e valorização da dignidade expedicionária. Fora das associações, não havia possibilidade de ações coletivas de vulto, pois os veteranos brasileiros estavam isolados, pulverizados por todo o país, principalmente no interior. 8 Ainda em relação à memória da participação na guerra como uma gama de símbolos e significações, há a constituição de lugares de memória 9, com o intuito de manter viva a memória do ex- combatente brasileiro na Segunda Guerra Mundial. Contudo percebemos que a memória deste grupo não é homogênea e há constantes ressignificações e apropriações. A multiplicidade de memórias e lugares de memória existentes sobre a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial nos indicam uma forte preocupação em manter viva a figura 7 CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Portugal: Celta Editora, 1993, p.1. 8 FERRAZ, Francisco César A.. A GUERRA QUE NÃO ACABOU: A Reintegração Social Dos Veteranos Da Força Expedicionária Brasileira ( ). 9 A expressão lugares de memória não se restringe a espaços específicos, mas a todas os recursos de lembrança e comemoração de eventos no passado. FELIX, Loiva Otero. História e Memória: A problemática da pesquisa. Passo Fundo: Ediupf,

6 dos ex-combatentes. No entanto, ao contrário do que ronda o senso comum, as memórias deste evento histórico não são homogêneas e se agitam continuamente em meio às constantes ressignificações do passado - movimento próprio à História. Nos deparamos, deste modo, com uma forte distinção na forma como se estruturou a memória do sexcombatentes praieiros, dos veteranos da FEB, dos militares da ativa, da instituição militar e dos civis, o que torna inviável o entendimento da existência de uma memória nacional unificada sobre a participação do Brasil na Guerra e nos permite enxergar as disputas sutis pelos espaços de memória e lugares de reafirmação da identidade. 10 Cada grupo de memória cria suas formas de comemorar, relembrar e divulgar as ações históricas de seus membros, ou aqueles que eles consideram importantes e dignas de serem lembradas. No caso da memória brasileira sobre a Segunda Guerra Mundial, entre essas formas, estão os livros de memórias produzidos pelos ex-combatentes. Os objetos de estudo deste trabalho, como já citado acima são produções memorialísticas de ex-combatentes paranaenses cujos autores e obras são: - Nós Estivemos lá, de José Dequech; - Terceiro Batalhão: O Lapa Azul, de Agostinho José Rodrigues; - Segundo Pelotão: 8 Companhia, de Agostinho José Rodrigues; - O Paraná na FEB, de Agostinho José Rodrigues; - A verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo, de Alfredo Bertoldo Klas; 10 Os veteranos da FEB que estiveram na Itália chamam de praieiros àqueles que ficaram no Brasil, na vigilância do litoral, e que não pertenceram à FEB. A forma irônica de chama-los assim se deve ao ressentimento dos veteranos da campanha da Itália, que viram os praieiros receberem os mesmos benefícios (pensões, auxílios, direitos) que os que enfrentaram, com risco de vida, os alemães na Itália. CARVALHO, Virgínia Mercês Guimarães. Ex-combatentes do Brasil entre a História e a Memória ( ) - Dissertação (mestrado em História) Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Programa de Pós-graduação em História, Recife, Brasil,

7 - A verdade sobre Guanela Um drama da F.E.B., de Alfredo Bertoldo Klas Essas produções caracterizam-se pela heterogeneidade. Em alguns casos, as condições de produção dessas obras influenciaram sobremaneira o resultado dos trabalhos. É o caso de Agostinho José Rodrigues, que escreveu seus livros durante o período do regime ditatorial de Rodrigues era militar e político de destaque regional, pertencendo a partido de base de apoio ao regime. O livro de Dequech, por sua vez, que foi publicado postumamente em 1984, ainda dentro do período de governo militar, passou por revisão de amigos e família antes de ser publicado. Já nas obras de Klas, que foram editadas nos anos de e , em outro ambiente político. Outra questão a ser analisada é quais eram as memórias que os diversos autores queriam sedimentar, ou ao menos expô-las. Na análise preliminar foi possível perceber que os autores valorizaram o soldado paranaense, mas observamos que os livros de Klas e Rodrigues destoam de alguma maneira dos outros livros sobre a Força Expedicionária Brasileira (FEB), que em geral são laudatórios ou dão ênfase a fatos corriqueiros e engraçados vividos pelos soldados. Os livros destes autores são mais amargos em relação à guerra e a decisões tomadas por oficiais superiores. Nossa hipótese parte do pressuposto de que estas obras foram influenciadas por esta memória social anterior, visto que foram escritas a posteriori e não no calor do momento dos fatos ocorridos, tal como ocorria com os diários dos soldados, que a principio não eram para serem publicados, ou tornados de conhecimento público. Na elaboração dos livros, os autores já tiveram tempo pra refletir sobre e como escrever, assim podem escolher quais lembranças iriam expor, quais iriam deixar guardadas para si. Nessa perspectiva, há também as apropriações que já fazem parte da memória sedimentada por este grupo de memória. 11 KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Guanela: Um drama da F.E.B.. Editora Juruá, Curitiba, KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo. Imprensa oficial, Curitiba,

8 deste trabalho foi entender: Contudo há a necessidade de ressaltar que o objetivo principal a) Como essas obras contribuem para a construção memorialística da participação brasileira na Segunda Guerra Mundial no Paraná; b) Se tais obras foram influenciadas por uma memória já compartilhada pelos autores, e quais as dimensões sociais de reconhecimento e/ou esquecimento, uma vez que são parte dessas comunidades de memória. Considerações finais Neste trabalho abordamos a relação da memória social da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e a relação entre os livros memorialísticos de ex-combatentes paranaenses da Segunda Guerra Mundial. Este estudo abordou como a prática da memória social interfere, no modo de lembrar uma comunidade, e como isso se reflete nos livros, para não dizer quaisquer outras manifestações da memória. Isso dita o que deve ser exaltado e o que dever permanecer no subterrâneo da memória e não emergir ao conhecimento público. Alistair Thomsom denomina este fenômeno de batalha da memória. Segundo Thomsom, a memória é um campo de batalha, e como e um campo de batalha geralmente se impõe o mais forte. Com a memória não é diferente. Dentro da comunidade quem estiver mais condições de impor suas lembranças terá vencido esta disputa. Neste sentido, apesar de que de certa forma os trabalhos de Rodrigues e Klas trabalhem a contra da memória do grupo, não foram os vencedores da batalha, pois ao quebrarem o tom laudatório corrente dentro desta comunidade de memória, seus livros também tentam expor o que esta no subterrâneo da memória desta comunidade. Como no caso dos acidentes, mortes que geralmente não tinham sido tratados em outros veículos utilizados 966

9 pra propagar a memória do grupo. Entretanto vão no mesmo sentido da memória deste grupo, quando tratam dos soldados, ou Pés de Poeira como diz Rodrigues. Todos os autores analisados neste trabalho tratam da questão do soldado de forma parecida, são tratados como grandes homens, de coragem e honradez, e isso vai de encontro ao que é corrente na memória deste grupo. Devemos considerar que os livros foram escritos muito tempo após o evento. Assim, os autores tiveram tempo para refletir sobre e como escrever, selecionar as lembranças que iriam aparecer em seus relatos, e as que permaneceriam para si. Já existia uma memória corrente e sedimentada por este grupo, que influenciou o que cada autor exporia em seus trabalhos. Nessa perspectiva, há também as apropriações que já fazem parte da memória sedimentada por este grupo de memória. 967

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO, Virgínia Mercês Guimarães. Ex-combatentes do Brasil entre a História e a Memória ( ) - Dissertação (mestrado em História) Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Programa de Pós-graduação em História, Recife, Brasil, DEQUECH, José. Nós estivemos lá. Editora Litero-técnica, Curitiba, FELIX, Loiva Otero. História e Memória: A problemática da pesquisa. Passo Fundo: Ediupf, FERRAZ, Francisco César Alves. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ; LOCASTRE, Aline V. O ceticismo da memória: considerações sobre narrativas de dois veteranos da Força Expedicionária Brasileira. Militares e Política, v. 2, p. 1-19, HYNES, Samuel. Personal narratives and commemoration. In: WINTER, Jay; HOBSBAWM, Eric J. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, Era dos Extremos. São Paulo, Cia das Letras, SIVAN, Emmanuel (eds.). War and remembrance in the Twentieth Century. London: The Soldier s Tale: Bearing Witness to Modern War. New York, Penguin Books Cambridge University Press, KLAS, Alfredo Bertoldo. A Verdade sobre Abetaia drama de sangue e dor no 4 ataque da F.E.B. ao Monte Castelo. Imprensa oficial, Curitiba, A Verdade sobre Guanela: Um drama da F.E.B.. Editora Juruá, Curitiba, 2002 MAXIMIANO, Cesar Campiani. Trincheiras da Memória. Brasileiros na Campanha da Itália, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado em História Social, MAXIMIANO, Cesar Campiani. Onde Estão Nossos Heróis: Uma breve história dos brasileiros na 2ª Guerra. São Paulo. C.C. Maximiano, RODRIGUES, Agostinho José. Terceiro Batalhão: O Lapa Azul; Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro, Segundo Pelotão: 8ª Companhia. Editora Edaméris, São Paulo,

11 SEITENFUS, Ricardo. O BRASIL VAI A GUERRA: o processo de envolvimento brasileiro na Segunda Guerra Mundial, Ed. Manole, Barueri - SP THOMSON, Alistair. Anzac Memories: Living with the Legend. Melbourne: Oxford University Press,

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO SANTOS, Claudney Silva dos E-mail: claudney21@hotmail.com Novas perspectivas historiográficas

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE)

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Cognoscere ut Consilium Dare CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) RESUMO HISTÓRICO Ao término da Segunda Guerra Mundial, em razão das novas ideias

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS

XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS Douglas Silva Fonseca Universidade federal do Tocantins douglasfonseca@uft.edu.br Resumo: O presente trabalho descreve a divulgação do Xadrez Escolar no Estado do Tocantins,

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO Everton Pereira da Silva Departamento de Geografia

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA Cláudio GRANDE JÚNIOR ; Vilma de Fátima MACHADO FACULDADE

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

PROJETO 2ª JORNADA MERCÊS NA CAMPANHA OUTUBRO ROSA

PROJETO 2ª JORNADA MERCÊS NA CAMPANHA OUTUBRO ROSA A HISTÓRIA O movimento popular Outubro Rosa é internacional. Em qualquer lugar do mundo, a iluminação rosa é compreendida como a união dos povos pela saúde feminina. Em Brasília, às 18h40 desta terça-feira

Leia mais

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições?

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições? "Entrevista com Barone" Elisa Maria Pitombo Entrevista feita com Barone pela ABPp-SP realizada em 29/03/2005, agradecemos a possibilidade dessa entrevista. Você poderia citar fatos marcantes e curiosos

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento.

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. HISTÓRIAS EM REDE Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. O Programa O programa HISTÓRIAS EM REDE é um novo olhar sobre

Leia mais

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe ARTICULAÇÃO DE REDES

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA.

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. ARAÚJO 1, Marinalda Pereira de LEANDRO 2, Patrícia de Araújo MORAIS 3, Mohana Ellen brito Rodrigues de MARINS 4 Jessyca SILVA 5 Aldenise Batista

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi. Em busca da guerra boa dos pracinhas. Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania

Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi. Em busca da guerra boa dos pracinhas. Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania história y Em busca da guerra boa dos pracinhas Historiadores advertem que a FEB deixou legado de cidadania Há exatos 70 anos, no dia 13 de agosto de 1943, foi criada a Força Expedicionária Brasileira

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Doce Natal Gold Bazar Campanha Sagrada Família

Doce Natal Gold Bazar Campanha Sagrada Família Cada vez mais conscientes da nossa responsabilidade social e do nosso papel TRANSFORMADOR na sociedade, a Arriba! Comunicação lança o projeto Transforma!, o braço social da agência que irá desenvolver

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950)

A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950) A ESQUERDA MILITAR NO BRASIL: OS VETERANOS COMUNISTAS DA FEB (1945-1950) Carlos Henrique Lopes Pimentel Professor Doutor Francisco César Alves Ferraz (Orientador) RESUMO Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

FORMAÇÃO CIDADÃ PARA PLANOS DE ABANDONO DE ÁREA, COMBATE A INCENDIO E PRIMEIROS SOCORROS EM CASO DE SINISTRO.

FORMAÇÃO CIDADÃ PARA PLANOS DE ABANDONO DE ÁREA, COMBATE A INCENDIO E PRIMEIROS SOCORROS EM CASO DE SINISTRO. FORMAÇÃO CIDADÃ PARA PLANOS DE ABANDONO DE ÁREA, COMBATE A INCENDIO E PRIMEIROS SOCORROS EM CASO DE SINISTRO. Autores : João Victor Gonçalves Padilha BATISTA, Geice Zago Haus, Giordana Ferreira Oliveira

Leia mais

A SRA. MARIA HELENA BARROS DE OLIVEIRA (REPRESENTANTE DA. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ) Bom-dia. Quero saudar a

A SRA. MARIA HELENA BARROS DE OLIVEIRA (REPRESENTANTE DA. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ) Bom-dia. Quero saudar a A SRA. MARIA HELENA BARROS DE OLIVEIRA (REPRESENTANTE DA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ) Bom-dia. Quero saudar a todos que compõem a Mesa, aos presentes na pessoa do Excelentíssimo Ministro Gilmar Mendes;

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Esta etapa do projeto contitue uma análise de algumas universidades do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. Foi pesquisada a estrutura dessas universidades

Leia mais

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA 12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA Resumo O presente trabalho tem como objetivo relatar uma experiência desenvolvida no Programa

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade

Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade Pergunte a um gestor de qualquer nível hierárquico qual foi o instante em que efetivamente ele conseguiu obter a adesão de sua equipe aos processos

Leia mais