Josiele Sousa da SILVA 2 Universidade Federal do Pará, Belém, PA. PALAVRAS-CHAVE: discurso; belo monte; xingu vivo; internet.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Josiele Sousa da SILVA 2 Universidade Federal do Pará, Belém, PA. PALAVRAS-CHAVE: discurso; belo monte; xingu vivo; internet."

Transcrição

1 Movimento Xingu Vivo para Sempre e o Discurso da Contestação contra Belo Monte 1 Josiele Sousa da SILVA 2 Universidade Federal do Pará, Belém, PA RESUMO Com o retorno da polêmica sobre a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA), o coletivo de entidades Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS) desponta como o principal antagonista do projeto. Composto por 250 entidades, ele utiliza estratégias discursivas para desmobilizar a construção da Usina, cujas obras devem afetar cerca de 300 mil pessoas. Uma das armas na luta pelo poder simbólico que marcam suas relações com os defensores do projeto são os textos informativos publicados pelo sítio institucional do MXVPS. O objetivo deste artigo é evidenciar como foi elaborado o discurso contestatório por meio da análise de 22 textos produzidos no período de 14/10/10 a 23/11/10. Todos os textos têm a marca da defesa de direitos das populações contra Belo Monte. PALAVRAS-CHAVE: discurso; belo monte; xingu vivo; internet. Introdução Idealizada há mais de 35 anos, durante a Ditadura Militar ( ), a construção da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, na Volta Grande do Rio Xingu (PA), voltou a ser objeto de discussão quanto a sua viabilidade econômica, social e ambiental a partir de outubro de Governo federal, ambientalistas de organizações não governamentais (ONGs) e representantes de comunidades indígenas e ribeirinhas da Região Xingu tentam validar suas opiniões divergentes sobre o empreendimento que deverá ser a terceira maior usina hidrelétrica do mundo. Em fevereiro de 2010, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) concedeu nova licença ambiental prévia para a construção da Usina, sendo realizado, em abril do mesmo ano, o leilão para a escolha das empresas responsáveis pelas obras e gerenciamento da hidrelétrica. O Consórcio Norte Energia, liderado pelas Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte) e Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), subsidiárias da Eletrobrás, foi o vencedor do leilão, tendo pressa para o início da construção, que estava 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho da II Conferência Sul-Americana e VII Conferência Brasileira de Mídia Cidadã. 2 Mestranda do Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM), da Universidade Federal do Pará, 1

2 prevista para começar em setembro de 2010, mas foi adiada em decorrência das eleições para a Presidência da República. A pressa se justificaria pela demanda de energia elétrica capaz de suprir as necessidades da indústria brasileira e o ritmo acelerado de crescimento econômico vivenciado pelo país. Em entrevista concedida ao Instituto Socioambiental em 2002, o atual presidente da Eletrobrás, José Muniz Lopes, afirmou que Belo Monte poderia ser considerada a melhor usina hidrelétrica do mundo (INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL, 2010), e que terá a capacidade de geração instalada de megawatts (MW). Belo Monte possuirá um reservatório de água com extensão de 516 km², o equivalente a mais de quinhentos campos de futebol juntos. De acordo com o Movimento Xingu Vivo (MXVPS) (2010a), considerada a principal organização engajada em impedir o projeto, cerca de 300 mil pessoas serão afetadas direta e indiretamente pela instalação das barragens em, pelo menos, 11 municípios paraenses que compõem a Região Xingu (Altamira, Anapu, Brasil Novo, Gurupá, Medicilândia, Pacajá, Placas, Porto de Moz, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu). O MXVPS mobiliza 250 entidades representativas de grupos indígenas, de agricultores, ribeirinhos e trabalhadores urbanos, reunidas em campanhas de divulgação e protestos que evidenciam os aspectos negativos da Usina. São eles a inundação de reservas indígenas e de áreas habitadas por comunidades ribeirinhas, a devastação de parte da fauna e flora da Região Xingu, além de sérios impactos sociais, entre os quais o inchaço populacional e o aumento da violência nos municípios abrangidos pela construção da hidrelétrica. O coletivo de ONGs mantém um sítio eletrônico na internet (www.xinguvivo.org.br) com textos informativos que destacam os prováveis abusos cometidos pelo Poder Executivo Federal contra os habitantes das áreas onde será instalada a Usina, na tentativa de iniciar as obras da UHE. Este trabalho tem como principal objetivo identificar como as estratégias discursivas do MXVPS constituem-se e se manifestam nos textos como instrumentos de contestação contra o discurso favorável à UHE Belo Monte. Outro compromisso é averiguar que sentidos são capazes de proporcionar aos visitantes do sítio institucional, além de apresentar em que contexto histórico-social da Amazônia foi elaborado o mesmo discurso de contestação e até que ponto é eficaz para alcançar seus objetivos. Para a compreensão das estratégias utilizadas nos textos do Xingu Vivo para Sempre, optou-se pela Análise do Discurso Francesa, 2

3 empregada no entendimento dos processos de construção de sentidos nos meios de comunicação. Foram analisados 22 textos informativos publicados no sítio, no período de 14/10/10 a 23/11/10, que compreende os primeiros quarenta dias de existência do meio de comunicação após o seu lançamento pelo Movimento. O material observado era o único em disponibilidade na época da realização deste artigo, cuja ideia surgiu em virtude da criação do sítio eletrônico. A fim de proporcionar a melhor compreensão do processo discursivo sobre a UHE Belo Monte no produto midiático, primeiramente se expôs a dinâmica de concorrência discursiva entre indivíduos e instituições nas relações sociais, a qual é potencializada nos meios de comunicação, inclusive na internet, somada à retrospectiva histórica da origem dos movimentos sociais em meio aos grandes projetos de exploração econômica na Amazônia a partir da Ditadura Militar. Atentou-se, ainda, para os antecedentes que colocaram em evidência a região amazônica como pólo de atuação de ONGs socioambientalistas. A disputa pelo poder simbólico Para se entender os processos comunicativos, nos quais é constante a construção de sentidos por meio dos discursos, é preciso compreender o conceito de Espaço Social. Esta terminologia é conceituada por Bourdieu (2010) como uma estrutura multidimensional, composta por um conjunto aberto de campos relativamente autônomos, embora subordinados quanto ao seu funcionamento e às suas transformações ao campo de produção econômica (BOURDIEU, 1998, p. 134 apud COSTA, 2006, p. 61). Cada campo é um sistema específico de relações objetivas que podem ser de aliança e/ou de conflito, de concorrência e/ou de cooperação (...) (BOURDIEU, 1998, p. 133 apud COSTA, 2006, p.60). Os campos travam entre si uma batalha permanente no espaço social para conquistar o poder simbólico, o poder de constituir o dado pela enunciação, de fazer crer, de confirmar ou de transformar a visão de mundo e, deste modo, a ação sobre o mundo, portanto, o mundo (BOURDIEU, 2010, p.14). Alguns campos estão em desvantagem em relação a outros nesta luta, conforme o capital simbólico que dispõem, e têm poucas possibilidades de influenciar percepções, comportamentos e condutas nas situações do cotidiano. Os campos detentores de maior capital simbólico utilizam estratégias para legitimar 3

4 a predominância e autonomia em relação aos demais. Esse embate permanente se dá pela interação sucessiva entre agentes e instituições sociais no interior de cada um deles, engajados em um contínuo processo comunicativo que implica a construção de sentidos a partir da interpretação de discursos. De acordo com Certeau (1994), quem tem o poder faz uso de estratégias para que sua visão de mundo continue predominante, mesmo diante de oposições. As estratégias apontam para a resistência que o estabelecimento, que um lugar oferece ao gasto do tempo; as táticas apontam para uma hábil utilização do tempo, das ocasiões que apresenta e também dos jogos que introduz nas fundações de um poder (CERTEAU, 1994, p.102). O autor francês confirma o dinamismo das relações sociais, baseadas na troca simbólica de estratégias e táticas entre os que têm capital simbólico maior e aqueles em posição de desvantagem em um determinado espaço social, mas capazes de manifestar as suas opiniões e anseios. Cada discurso traz em si elementos, enunciados e textos que remetem a outros discursos elaborados em situações anteriores, também vinculados fortemente ao contexto histórico-social no qual são produzidos e que também o transformam, conforme defende Maingueneau (2008). O conflito natural das relações sociais é potencializado por meio dos veículos de comunicação tradicionais (TV, rádio e mídia impressa) e, mais recentemente, pela Rede Mundial de Computadores, popularmente conhecida como Internet. O desenvolvimento dos meios de comunicação é, em sentido fundamental, uma reelaboração do caráter simbólico da vida social, uma reorganização dos meios pelos quais a informação e o conteúdo simbólico são produzidos e intercambiados no mundo social e uma reestruturação dos meios pelos quais os indivíduos se relacionam entre si (THOMPSON, 1998, p. 19). Os participantes dos embates comunicativos tentam sempre silenciar seus discursos concorrentes. Segundo Araújo (2000), entre as formas mais comuns de silenciamento nas disputas discursivas por meio dos veículos de comunicação está a denegação e a exclusão. A primeira modalidade, nega a legitimidade dos outros discursos, aqueles que disputam o mesmo espaço discursivo, desqualificando-os ou tentando subordiná-los ao do emissor (ARAÚJO, 2000, p.163). Na exclusão, o discurso concorrente é totalmente apagado, excluído, sendo bastante comum esta prática em notícias de sítios institucionais, quando se procura ressaltar aspectos de interesse das entidades responsáveis por esses produtos midiáticos. Com a chegada da Internet, no início dos anos 90 do século XX, foi possível aos que se consideravam excluídos do discurso da mídia tradicional ganhar melhor visibilidade ao 4

5 atuarem no ciberespaço, definido por Lévy (1999) como o espaço de comunicação aberto pela interconexão mundial dos computadores e das memórias dos computadores (LÉVY, 1999, p. 92). É nesse espaço que cada indivíduo e entidade, seja instituição pública ou governamental, possuem a capacidade de criar seus meios de comunicação individuais, no caso os sítios eletrônicos, blogs e perfis institucionais em redes sociais (Twitter, Facebook, Orkut), com a publicação de informações alinhadas às suas perspectivas ideológicas. Se antes tinham de usar táticas nos meios tradicionais para garantir a divulgação de suas ações, na Internet, os excluídos do discurso da mídia tradicional conquistam visibilidade e podem definir que estratégias discursivas utilizar em seus próprios medias. Desenvolvimentismo e socioambientalismo na Amazônia A partir da década de 60, a temática socioambientalista ganhou destaque nas discussões políticas, sociais e econômicas estabelecidas entre os países do mundo, conforme explica Costa (2006), dando margem ao surgimento de conceitos como desenvolvimento sustentável e povos da floresta 3. Critica-se o modelo industrial implementado na sociedade capitalista. A exploração indiscriminada da natureza sem a preocupação com o futuro das sociedades e com o elemento humano já não é vista como incapaz de trazer consequências graves à população mundial. Um novo modelo de conduta passou a ser ditado sob a regência da Organização das Nações Unidas (ONU) no qual se combate a ideia de crescimento econômico a todo custo a partir da destruição do meio ambiente. Neste período, os países mais desenvolvidos e os menos desenvolvidos economicamente passaram a travar fortes debates em fóruns internacionais que trataram sobre a proteção ambiental. Esta passou a ser vista como um problema não local, nacional ou internacional, mas global. Além disso, meio ambiente e desenvolvimento econômico e social tornaram-se questões interligadas (COSTA, 2006, p. 90). Paralelamente no Brasil, e em específico na Amazônia, o governo federal, integrante do campo político no espaço social global, idealiza uma série de projetos de exploração de recursos naturais com caráter desenvolvimentista, cuja principal marca é a conquista de 3 Conceito elaborado por Dutra (2009) como a posição de grupos que ocupam espaços considerados distantes da cultura urbana, territórios radicalmente distintos em relação ao universo da cultura civilizada, por isso mesmo invisibilizados, esses povos, no processo de sua midiatização (DUTRA, 2009, p.120). 5

6 resultados econômicos positivos e imediatos com o incentivo estatal à produção industrial de grande porte e à geração de empregos. Nas práticas desenvolvimentistas são relegados a planos inferiores de importância os possíveis impactos sociais e ambientais. Paes Loureiro (2003) afirma que, por quase 20 anos, o modelo desenvolvimentista proposto pela Ditadura Militar à Amazônia, cujas marcas ainda persistem na região, teve como foco a atração de capitais nacionais e internacionais. A finalidade do modelo era garantir a viabilização de projetos voltados à exploração de bauxita, ferro, manganês e cassiterita, além da produção de energia elétrica que alimentasse tais empreendimentos, como a Usina Hidrelétrica de Tucuruí e a própria UHE de Belo Monte, cuja construção ainda é objeto de polêmica. O resultado imediato dessa política pode ser evidenciado desde os primeiros anos também por duas linhas de consequências. Pela ótica do capital concentração de renda e depredação da natureza. Pela ótica da população expulsão, migração, empobrecimento e violentação da cultura (PAES LOUREIRO, 2003, p. 406). Nos anos 80, o Regime Militar entra em crise, dando espaço à abertura política e à organização dos movimentos sociais contestatórios que reivindicavam os direitos das comunidades afetadas pela ação predatória do poder econômico na Amazônia. Gonçalves (2001) enumera o surgimento de diversas entidades, entre as quais cita a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), assim como os sindicatos reunidos na Central Única dos Trabalhadores (CUT) em nível nacional. Na década de 90, a partir da realização da Conferência Mundial de Desenvolvimento e Meio Ambiente (Rio-92), com a elaboração da Agenda 21, aumentam-se as pressões contra as políticas desenvolvimentistas nos países pobres com o combate ao desmatamento, o controle da exploração mineradora, extrativista e energética, especialmente na região amazônica. Era necessário usufruir os recursos naturais da Amazônia e, ao mesmo tempo, atentar para a preservação do meio ambiente, garantindo o desenvolvimento sustentável das futuras gerações. As ONGs ambientalistas, integrantes do campo ambiental, também ganham maior visibilidade social a partir do destaque concedido pelos meios de comunicação à temática da conservação do meio ambiente, bem como o maior apoio financeiro de parceiros internacionais para atuarem nas causas socioambientais, em especial, na Amazônia. 6

7 Quem é o Movimento Xingu Vivo para Sempre? Considerada a principal organização representativa de populações habitantes da Região Xingu, no Pará, o Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS) teve a sua formação iniciada no I Encontro dos Povos Indígenas, realizado no período de 20 a 25 de fevereiro de 1989, em Altamira (PA). Três mil pessoas participaram do evento, entre as quais, 650 indígenas, para questionar a construção de um complexo com cinco hidrelétricas planejadas pela Eletronorte (INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL, 2010). Essas hidrelétricas formariam o complexo Kararaô, renomeadas, posteriormente, como Complexo Hidrelétrico de Belo Monte. Estavam à frente da organização do I Encontro o cacique Paulinho Paiakan, líder dos Kaiapós, acompanhado de outras lideranças: cacique Raoni, Ailton Krenak e Marcos Terena. Somente em 2008, as lideranças das tribos indígenas do Xingu e demais organizações solidárias na luta contra a UHE de Belo Monte reuniram-se em um coletivo composto por 250 entidades nacionais e internacionais de cunho sociopolítico e ambientalista. O MXVPS foi fundado na ocasião do II Encontro dos Povos Indígenas do Xingu, ocorrido no período de 19 a 23 de maio de 2008, em Altamira. O coletivo é formado por lideranças de ribeirinhos, pescadores, trabalhadores rurais, moradores de Altamira, professores, movimento de mulheres e organizações religiosas. Na Carta do Xingu Vivo para Sempre, o Movimento manifesta sua posição radicalmente contrária à instalação de hidrelétricas na região, bem como contesta a invisibilidade à qual estaria supostamente relegado nos processos decisórios sobre o destino da Amazônia. Não admitiremos a construção de barragens no Xingu e seus afluentes, grandes ou pequenas, e continuaremos lutando contra o enraizamento de um modelo de desenvolvimento socialmente injusto e ambientalmente degradante, hoje representado pelo avanço da grilagem de terras públicas, pela instalação de madeireiras ilegais, pelo garimpo clandestino que mata nossos rios, pela ampliação das monoculturas e da pecuária extensiva que desmatam nossas florestas (Carta do Xingu Vivo para Sempre, Altamira PA, 23/05/08). É esse tom de revolta e o posicionamento contestatório permanente que marcam o discurso do MXVPS, seja na mídia tradicional formada pelos meios de comunicação massivos (TV, rádio e impresso) ou no próprio sítio do coletivo, conforme será analisado no próximo tópico. Atualmente, o MXVPS está sob a coordenação geral de Antonia Melo, residente em 7

8 Altamira, e também coordenadora do Movimento de Mulheres do Campo e Cidade Pará (MMCC). Em Belém (PA), o Comitê Metropolitano MXVPS funciona como base articuladora do coletivo com outras entidades sediadas na capital paraense. O discurso da contestação e a defesa de direitos O sítio eletrônico do MXVPS foi disponibilizado na Internet a partir de outubro de Ele é dividido em seis seções: Notícias, com textos elaborados pelo próprio coletivo de ONGs; Documentos, o qual abriga pareceres técnicos de especialistas sobre os impactos socioambientais a partir da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, o histórico e as principais dúvidas a respeito do empreendimento; Deu na Imprensa, com notícias publicadas pela mídia impressa sobre o projeto da Usina; Compartilhar, sendo possível ao visitante divulgar a existência do sítio nas redes sociais (Orkut, Facebook e Twitter); Quem Somos, com a identificação do coletivo de entidades, a história parcial do Movimento e integrantes; e Contatos, que aponta os responsáveis pelo MXVPS, seus respectivos contatos telefônicos e endereços eletrônicos ( s). A publicação eletrônica ainda oferece aos visitantes um banco de imagens com fotos registradas por Verena Glass, apresentada no sítio como assessora de comunicação. Há ainda uma lista de 16 blogs cujos conteúdos têm vinculação com a Usina Hidrelétrica, além de vídeos com depoimentos e explicações sobre Belo Monte. Este artigo, porém, deteve-se em analisar as estratégias discursivas presentes nos textos informativos escritos pelo MXVPS no período de 14/10/10 a 23/11/10. Por meio dos 22 textos não assinados é possível visualizar as estratégias utilizadas pelas entidades a fim de garantir mais adeptos à causa da preservação do Xingu e aumentar o poder simbólico das ONGs. Ao criar um sítio eletrônico institucional, o Movimento Xingu Vivo tem à disposição um livre ambiente discursivo de contestação no qual possui voz predominante por meio de seus textos informativos contrários à construção da UHE de Belo Monte. No trecho abaixo, o MXVPS nomeia Belo Monte como fantasma, algo nefasto que amedronta os moradores de Altamira há anos e que trará impactos negativos ao município, como milhares de migrantes. O tom eloquente e enfático que alerta para a fragilidade de Altamira é evidente: O que será de Altamira?, que não estaria preparada para comportar a Usina. As melhorias prometidas pelo 8

9 governo federal não foram cumpridas e a situação de carência do município continua exatamente a mesma porque absolutamente nada foi feito. E agora, o fantasma de Belo Monte, que trará no seu rastro milhares de trabalhadores migrantes em busca de oportunidades de trabalho, ronda o município. O que será de Altamira? Em outubro, ao analisar os compromissos assumidos pelo governo e pelas empresas que querem fazer a usina, o Ministério Público Federal obteve documentos que comprovam que a situação relativa à saúde, educação e saneamento continua exatamente no marco zero. Absolutamente nada foi feito desde que o Ibama concedeu a Licença Prévia à obra sob a condição de que a cidade estaria preparada para seus impactos (Xingu Vivo para Sempre, 04/11/2010, Seção Notícias). Tratando-se de um meio de comunicação privado no qual não se pode constatar o combate direto de possíveis discursos concorrentes, o Movimento silencia qualquer discurso que possa reforçar a viabilidade da hidrelétrica, a possível geração de empregos, investimentos na infraestrutura, na educação e no serviço de saúde dos municípios da Região Xingu. O MXVPS declara um discurso no qual assume a responsabilidade sobre o que publica, a fim de mostrar ao leitor que tem a última palavra. Isso é possível porque o meio de comunicação, no caso o sítio, e as notícias, são produzidos pelo próprio coletivo de ONGs. Na construção de seu discurso, o Movimento usa também a ironia, a partir de questionamentos que desvalorizam qualquer proposição capaz de permitir a construção de sentido positivo a respeito da Usina, como veremos a seguir Se o Brasil quisesse tirar hoje seus pobres e indigentes da miséria, teria de gastar com esta parte da população mais R$ 21,3 bilhões ao ano em cima dos R$ 13,4 bilhões do Bolsa Família, segundo cálculos do Centro de Políticas Sociais da FGV (informa neste domingo, , a Folha de São Paulo). Belo Monte custaria, por baixo, entre 19 e 30 bilhões, com cerca de 80% deste valor advindo de fontes financiadoras públicas e fundos de pensão. Posto isso, se pudéssemos escolher, o que seria? Belo Monte ou a erradicação da pobreza no Brasil? (Xingu Vivo para Sempre, 14/11/2010, Seção Notícias). Na análise dos 22 textos publicados na seção de Notícias, verifica-se que o discurso favorável à Usina defendido por instituições do governo federal e aliados (Eletrobras, Consórcio Norte Energia S/A, Advocacia Geral da União e bancos) é, na maioria das vezes, denegado e excluído pelo Movimento Xingu Vivo. Eles são apenas citados nos textos para receberem críticas, além de qualificados como opositores daqueles que defendem os direitos das populações residentes nas áreas a serem afetadas negativamente pelo projeto da 9

10 hidrelétrica. No trecho extraído de AGU interfere novamente e adia julgamento de ação contra Belo Monte, averigua-se o uso das palavras ameaçado, retiraria e impediram, além da expressão criar obstáculos como uma estratégia discursiva que reforça a imagem da AGU como antagonista à tentativa dos moradores do Xingu em lutar pela sobrevivência, que estaria em risco com a construção de Belo Monte. Anunciado há um mês, o julgamento foi ameaçado na última sexta-feira, 19, quando a Advocacia Geral da União (AGU) comunicou que retiraria a questão da pauta. De fato, nesta segunda, em mais uma ação para criar obstáculos ao cumprimento legal das premissas constitucionais para a construção da usina, a AGU apresentou três pedidos formais que impediram o julgamento de mérito da Ação Civil Pública do MPF (Xingu Vivo para Sempre, 23/11/2010, Seção Notícias). O Movimento também destaca nos textos aspectos negativos do empreendimento, incluindo impactos ambientais e sociais grandiosos a serem provocados pela hidrelétrica, entre os quais o alagamento de municípios como Altamira a partir da instalação das barragens na Volta do Rio Xingu. O MXVPS ainda lança a dúvida sobre a concretização do projeto. Professores de engenharia ligados à Universidade Federal do Pará fizeram na última semana, a pedido do Ministério Público Federal, medições em Altamira para determinar quais áreas da cidade ficarão submersas na época da cheia, se as barragens da usina de Belo Monte forem mesmo construídas. Um dos reservatórios da usina será em frente à sede do município, que é banhada pelo rio Xingu (Xingu Vivo para Sempre, 18/10/2010, Seção Notícias). É perceptível no discurso proferido pelas entidades do MXVPS o destaque dado às riquezas naturais presentes na região Xingu, o que evidencia a interdiscursividade com os discursos de perfil socioambientalista já propagados. No texto Xingu, um símbolo da diversidade biológica e cultural brasileira, como o próprio título sugere, são evidenciados aspectos naturais grandiosos como a extensão do Rio Xingu, bem como a excepcionalidade da localização da bacia hidrográfica homônima, composta por diversas áreas de proteção ambiental. Os índios são considerados como parte integrante da natureza. Ao longo de seus 2,7 mil quilômetros, o Rio Xingu corta o nordeste do Mato Grosso e atravessa o Pará até desembocar no rio Amazonas, formando uma bacia hidrográfica de 51,1 milhões de hectares (o dobro do território do Estado de São Paulo) que abriga trechos ainda preservados do Cerrado, da Floresta Amazônica e áreas de transição. A Bacia do Rio Xingu é única no planeta: mais da metade de seu território é formada por áreas protegidas. São 27 milhões de hectares de alta prioridade para a conservação da 10

11 biodiversidade, abrigando 30 Terras Indígenas e 12 Unidades de Conservação (Xingu Vivo para Sempre, 14/10/2010, Seção Notícias). O discurso da entidade coletiva ainda se sustenta nas declarações de parceiros e até mesmo de instituições ora concorrentes, ora aliadas, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), socialmente reconhecido como dotado de legitimidade e legalidade. No fragmento abaixo, utiliza-se o parecer técnico do Ibama para ratificar a ideia de que a UHE de Belo Monte trará consequências nocivas para a Região Xingu, no Pará. Diversas irregularidades marcaram o processo de licenciamento ambiental, culminando com a emissão da licença prévia (LP) pelo IBAMA no dia 01 de fevereiro de 2010, contrariando o parecer técnico 06/2010 da equipe de analistas ambientais do próprio órgão, emitido no dia 29 de janeiro, afirmando não haver elementos suficientes que atestem a viabilidade ambiental de Belo Monte. Diversos problemas são apresentados pela equipe técnica: eutrofização das águas nos canais e reservatórios tornando a água podre nestes locais; o ressecamento do rio num trecho de 144 km na Volta Grande, devido a liberação de uma quantidade insuficiente de água, tornando inviável a navegabilidade e a manutenção da vida aquática, da pesca e do modo de vida das populações ribeirinhas e indígenas; proliferação de insetos vetores de doenças como a malária, leishmaniose e outras, etc (Xingu Vivo para Sempre, 14/10/2010, Seção Notícias). O MXVPS emprega o discurso do parecer técnico do Ibama em outro texto do sítio como se tivesse sido produzido, originalmente, pelas próprias ONGs. Ele apela ao público visitante para acreditarem que Belo Monte é realmente ruim aos que vivem nos municípios margeados pelo rio Xingu. No trecho abaixo, o Movimento realiza a apropriação discursiva, anteriormente explanada, por meio do grifo em itálico feito pelo próprio coletivo. Em parecer datado de 5 de outubro, técnicos do Ibama, após analisarem o cumprimento das condicionantes da Licença Prévia e a solicitação de Licença de Instalação para Instalações Iniciais do Consórcio, concluíram que o não cumprimento das condicionantes da Licença Prévia, bem como a não realização das ações antecipatórias necessárias à preparação da região para receber o empreendimento, não fornecem condições necessárias para o empreendimento começar a se instalar na região. Desta forma, não é recomendada a emissão de Licença de Instalação para as instalações iniciais do AHE Belo Monte (grifo nosso) (Xingu Vivo para Sempre, 16/11/2010, Seção Notícias). Também se constata a forte presença do Ministério Público Federal (MPF), representado pelo procurador da República Felício Pontes Júnior, como uma estratégia capaz 11

12 de conquistar simpatizantes na luta contra Belo Monte. O MPF é legitimado como órgão do Poder Judiciário fiscalizador do cumprimento das leis pelos órgãos públicos e pela sociedade na esfera federal do Brasil. Dos 22 textos analisados, verifica-se a citação da sigla MPF em 13 deles, sendo que em três desses textos ocorre a valorização do procurador da República Felício Pontes, apresentado como um indivíduo com muita credibilidade, um representante do Poder Judiciário sempre a trabalhar pelos mais fracos da Amazônia. Internautas entrevistam Felício Pontes Jr. é um exemplo de como o Movimento Xingu Vivo utiliza a boa reputação do procurador como estratégia de combate contra seus concorrentes na disputa discursiva, buscando validar a ideia de inviabilidade da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. O substantivo procurador é com p maiúsculo, o que valoriza ainda mais a sua posição social. O Procurador da República Felício Pontes Jr., do MPF do Pará, participou em 9 de novembro do primeiro Chat Xingu Vivo, um espaço de interação virtual e em tempo real onde especialistas envolvidos com o processo de construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. ( ) responsável por várias ações civis movidas contra o governo para tentar barrar Belo Monte, a atuação de Felício junto às comunidades indígenas, ribeirinhas e à população de Altamira é uma das principais armas para impedir que o projeto atual, cheio de irregularidades e atropelos da legislação, continue a ser levado à frente sob a anuência do Ibama (Xingu Vivo para Sempre, 11/11/2010, Seção Notícias). Outro trecho extraído do texto informativo Chat Xingu Vivo: Procurador da República conversa sobre problemas de Belo Monte aponta as qualidades profissionais do procurador, o qual está investido de poder legal e outros atributos que o qualificam como alguém capaz de questionar e de receber votos de credibilidade por parte daqueles que acessam o sítio do MXVPS. Paraense de Belém, Felício de Araújo Pontes Jr. é Procurador da República há 13 anos. Formado em Direito pela Universidade Federal do Pará, é mestre em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Iniciou a carreira como advogado do Centro de Defesa de Direitos Humanos do Rio e, posteriormente, como Oficial de Projetos da Organização das Nações Unidas, em Brasília (Xingu Vivo para Sempre, 05/11/2010, Seção Notícias). Em várias ocasiões, o Xingu Vivo adota uma postura de defensor dos direitos de indígenas, ribeirinhos e demais habitantes das áreas envolvidas no projeto hidrelétrico. Esta postura é manifestada de forma até agressiva, como foi possível verificar em Cartas a Dilma e Serra pedem posicionamento sobre Belo Monte. As entidades que compõem o MXVPS 12

13 assumem o título de defensoras, sem justificá-lo, por se apresentarem dotadas de legitimidade para representar as prováveis vítimas da Usina e para desqualificarem as informações do governo federal quanto à realização de debates sobre o futuro dos 11 municípios do Xingu após Belo Monte. Quando utiliza as declarações de indígenas, pode sensibilizar o público leitor para o drama das comunidades tradicionais, as quais serão as principais vítimas das inundações provocadas pelas barragens. O governo federal é acusado de astúcia e engano quanto ao atendimento das expectativas dos povos da floresta. Mais uma vez GRITAMOS que não fomos ouvidos, e denunciamos a manobra mentirosa da FUNAI, IBAMA, ELETRONORTE, ELETROBRÁS quando de má fé e por ocasião do componente indígena estiveram em nossas aldeias fazendo estudos antropológicos e apresentação do projeto Belo Monte, ao afirmarem que não estavam realizando as oitivas, que neste caso o congresso nacional viria ouvir todos os povos indígenas da região. No entanto fomos surpreendidos com as declarações do governo afirmando que já havia realizado as oitivas dos povos indígenas. Denunciamos tal crime e pedimos providências urgentes (Xingu Vivo para Sempre, 27/10/2010, Seção Notícias). Considerações finais A partir dos 22 textos informativos de seu sítio eletrônico, o MXVPS tem a possibilidade de publicar seu próprio discurso, não concorrendo, diretamente, como nas mídias tradicionais, com os discursos elaborados por instituições do governo federal, empresas eletrointensivas, construtoras nacionais e internacionais que acreditam na viabilidade social, econômica e ambiental da UHE de Belo Monte. Os textos são marcados pela defesa dos direitos das populações consideradas excluídas dos processos decisórios na Amazônia, além de terem caráter socioambientalista, originário das disputas discursivas historicamente travadas na própria região amazônica. O MXVPS assume a postura de sujeito representante dessas populações, ainda que em seus textos não sejam vistas declarações dos representados pelas entidades, com exceção de apenas um deles. Este último aspecto deveria ser superado, concedendo-se mais espaço a entrevistas com ribeirinhos, indígenas e moradores a serem atingidos pelas obras da hidrelétrica. O ideal seria não apenas privilegiar declarações do Poder Judiciário e de pesquisadores que destacam, principalmente, aspectos ambientais em suas informações, conforme foi constatado na maioria dos textos, esquecendo de se ressaltar as expectativas dos habitantes da Região Xingu. 13

14 Verifica-se a intenção de invalidar qualquer afirmação favorável à construção da futura hidrelétrica, muitas vezes de forma autoritária, irônica, demasiadamente eloquente, capaz de causar más impressões nos leitores e sentidos bem diferentes da proposta do Movimento. O sítio eletrônico, apesar de proporcionar a divulgação livre das ações do MXVPS, não pode ser utilizado isoladamente como único meio de comunicação do coletivo na tentativa de ganhar simpatizantes à causa contra Belo Monte. A Internet, mesmo que possibilite a livre visibilidade a agentes e instituições sociais, precisa ser empregada em conjunto com outros meios mais populares, como TV, rádio e jornal, até mesmo para a divulgação da própria existência do sítio. Nem todos os brasileiros têm acesso à Rede Mundial de Computadores, inclusive na Amazônia e na Região Xingu do Pará, o que impede o conhecimento por parte de um número maior de pessoas do discurso contestatório elaborado pelo Movimento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, I. A reconversão do olhar. São Leopoldo: Editora Unisinus, BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Tradução de Fernando Thomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, COSTA, L.M. Comunicação e Meio Ambiente: A análise das campanhas de prevenção a incêndios florestais na Amazônia. Belém: NAEA/UFPA, DUTRA, M. J. S. A Natureza da Mídia: os discursos da TV sobre a Amazônia, a biodiversidade, os povos da floresta. São Paulo: Annablume, GONÇALVES, C. W. P. Amazônia, Amazônias. São Paulo: Contexto, INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. A polêmica da Usina de Belo Monte. Disponível em <http://www.socioambiental.org/esp/bm/index.asp>. Acesso: em 28 nov

15 LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, MAINGUENEAU, D. Gênese dos Discursos. Tradução de Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, MOVIMENTO XINGU VIVO PARA SEMPRE (a). Perguntas frequentes. Disponível em <http://www.xinguvivo.org.br/2010/10/14/perguntas-frequentes/>. Acesso em 28 nov (b). Carta do Movimento Xingu Vivo para Sempre. In: Encontro Xingu Vivo para Sempre divulga documento final. Instituto Socioambiental. Disponível em <http://www.socioambiental.org/nsa/detalhe?id=2687>. Acesso em: 28 nov PAES LOUREIRO, J. J. Cultura amazônica: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras, THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Tradução de Wagner de Oliveira Brandão. Petrópolis, RJ: Vozes,

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE MISSÃO XINGU - Violações de Direitos Humanos no Licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte Relatores: Marijane Vieira Lisboa e José Guilherme

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria

II Fórum Técnico - Matriz Energética Brasileira Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria Bloco Categoria Subcategoria II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões 1. O empreendimento em geral 1.1. Materialização do empreendimento

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

A Questão Indígena no Brasil

A Questão Indígena no Brasil Foto: Michel Pellanders, 1987 A Questão Indígena no Brasil Lílian Nogueira Rolim Marcela Cerávolo Salomão Rafael Soares Farias Setembro/2013 Histórico da situação indígena no Brasil Origens: pré-colombianos.

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e

O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e Henrique Gomes Batista Ogoverno planeja desmatar 5,3 mil

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela 02 de novembro de 2014 Durante o II Encontro Binacional Yanomami Ye kwana foi criado o Fórum Permanente Binacional

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 Hidrelétricas planejadas e desmatamento na Amazônia Elis Araújo Pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - Imazon

Leia mais

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1.

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1. Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1. Condicionante Responsável Condicionantes de viabilidade do empreendimento sem prazo explicito

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 Telefone: (91) 3110-5000 E-mail: gesturpara@gmaiil.com Plano Ver-o-Pará Plano Operacional de Desenvolvimento SETUR; Macroprograma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS As mobilizações conhecidas como "Gritos ocorrem desde o início da década de 1990. O primeiro Grito do Campo aconteceu em maio de 1991 em Belém do Pará. O II Grito do Campo,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478

CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478 CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478 CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL CARTA DE MARICÁ Sejamos nós que conquistemos A terra

Leia mais

Termo de Referencia. IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã

Termo de Referencia. IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã Termo de Referencia IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã Contratação de Especialista 2 Planejamento de Proteção Territorial

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA Período de Execução: 2012 www.reedalcantara.com.br BRIEFING Reed Exhibitions PERFIL A Reed Exhibitions A Reed Exhibitions é a principal organizadora

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA CUIABÁ-SANTAR SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Decreto de 15 de março de 2004

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

REGULAMENTO. Só poderão ser indicados projetos cuja implementação pelos jovens tenha sido realizada em 2014 ou 2015.

REGULAMENTO. Só poderão ser indicados projetos cuja implementação pelos jovens tenha sido realizada em 2014 ou 2015. REGULAMENTO 1. GERAL O Prêmio Prudential Espírito Comunitário é uma iniciativa da Prudential do Brasil Seguros de Vida. O prêmio é a versão brasileira do Prudential Spirit of Community Awards, criado nos

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS BOM JESUS - SC Fevereiro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO À MOBILIZAÇÃO SOCIAL 3 2.

Leia mais

planejamento de comunicação 2011 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO

planejamento de comunicação 2011 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1 Nome da Organização: Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé 2 Data da Fundação: 15 de novembro de 1992 3 Localização: R. D. Pedro II 1892, sala 7 - Bairro Nossa Sra.

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.349, DE 2006 (MENSAGEM N o 489, DE 2006) Aprova o texto do Acordo sobre o Fortalecimento da

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte 1.

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte 1. Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte 1. Condicionante Aferição Indígena e constatações técnicas Condicionantes de viabilidade

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

Belo Monte e a indústria de barragens na Amazônia: características e desafios

Belo Monte e a indústria de barragens na Amazônia: características e desafios Belo Monte e a indústria de barragens na Amazônia: características e desafios Taller de Analisis de Impactos y Construcción de Propuestas sobre Inversiones en Infraestructonura en la Amazonia Andina Lima

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

ONGs e Movimentos Sociais

ONGs e Movimentos Sociais O que fazer quando uma hidrelétrica bate à sua porta? ONGs e Movimentos Sociais O Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB MAB é o Movimento dos Atingidos por Barragens, que desde a década de 70 tem

Leia mais