Gestão de Sistemas ERP: o Desafio do Pós-implementação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Sistemas ERP: o Desafio do Pós-implementação"

Transcrição

1 Gestão de Sistemas ERP: o Desafio do Pós-implementação Autoria: Cesar Alexandre de Souza, Ronaldo Zwicker Resumo Recentemente os sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) se tornaram o principal componente da arquitetura de informação da maioria das empresas de grande e médio porte. O conhecimento necessário para a gestão desses sistemas tipicamente está disperso entre vários atores: a empresa, o software, o fornecedor, os consultores e os terceiros envolvidos. Além disso, os sistemas ERP possuem peculiaridades que os distinguem de outros sistemas de informações. Para as áreas de Tecnologia de Informação das empresas isso determina novos desafios diferentes dos relacionados com a gestão de sistemas convencionais. O estudo dos aspectos envolvidos na gestão dos sistemas ERP e a compreensão de como estes artefatos transformaram o papel das áreas de Tecnologia de Informação na gestão dos sistemas de informação das empresas constituem o objetivo deste trabalho. Inicialmente é proposto um modelo de gestão de sistemas ERP com base em levantamento bibliográfico. A partir desse modelo foi realizada uma pesquisa de casos comparados cujas constatações são relatadas em seguida. Ao final são apresentadas as conclusões que as observações realizadas permitem estabelecer. O Papel dos Sistemas ERP nas Organizações Sistemas ERP podem ser definidos como sistemas de informação integrados adquiridos na forma de pacotes comerciais de software, com a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma empresa. Durante a segunda metade dos anos 90 a implementação de sistemas ERP foi, em escala mundial, um dos principais focos de atenção relacionados com a utilização da Tecnologia de Informação (TI) nas empresas. A história mostra que a implementação de sistemas ERP não é tarefa simples havendo inclusive relatos de vários casos de insucesso. A pesquisa acadêmica brasileira sobre o tema, desenvolvida a partir do final da década passada, estudou principalmente os fatores determinantes de uma implementação bem sucedida (Bergamaschi e Reinhard, 2000; Souza e Zwicker, 2000; Saccol et al. 2002). A pesquisa mostra que a implementação de sistemas ERP constitui um processo de mudança cultural e um fator crítico de sucesso é evitar que o projeto seja tratado como um projeto de informática. Aspectos como envolvimento da alta direção, envolvimento dos usuários e o gerenciamento de mudanças foram apontados como essenciais para o sucesso desses projetos de implementação. A questão dos benefícios obtidos pelo uso desses sistemas também foi pesquisada, porém existem poucas avaliações de natureza quantitativa. Os sistemas ERP trouxeram benefícios no que se refere à integração das operações internas da empresa, permitindo a redução de estoques de matérias primas, redução em tempos de atendimento a pedidos, produção e recebimento. Também ocorreram ganhos de eficiência pela eliminação de operações realizadas manualmente, especialmente aquelas ligadas à integração manual entre os sistemas departamentais anteriormente isolados. Esses sistemas também usam uma base de dados única o que incrementa a qualidade das informações disponíveis e, ao disponibilizarem as informações em tempo real, podem contribuir na melhoria dos processos de tomada de decisão da empresa (Souza e Zwicker, 2000; Saccol et al. 2002). 1

2 Após a implementação o sistema ERP em geral torna-se a base sobre a qual a empresa passa a desenvolver outras iniciativas, tais como o CRM (Customer Relationship Management), o SCM (Supply Chain Management) e os sistemas de BI (Business Intelligence). Isso constitui a chamada segunda onda dos ERPs e é quando as empresas passam a consolidar suas revisões em processos e efetivamente aplicar um modelo de gestão integrada. Os Novos Desafios da Gestão de TI Além do fenômeno ERP deve ser considerada a questão da atual dinâmica do uso de recursos de TI nas empresas. Segundo Andressen (2003), as unidades de negócio estão demandando da TI níveis de serviço cada vez mais altos e os gestores de TI estão sendo obrigados a repensar a forma como executam suas operações, gastam seu dinheiro e planejam para o amanhã. Quando se considera a forma através da qual as áreas de TI deveriam atender as áreas de negócios da empresa, toma corpo a proposta de oferta de serviços de TI como se fossem utilidades (analogamente ao caso da telefonia). Vale observar que, em consonância com esta visão, Carr (2003) provocou polêmica e intensa discussão ao sugerir que a comoditização dos serviços e recursos de tecnologia implicaria em uma redução da importância estratégica da TI para as empresas. Contrário a essa argumentação, Gurbaxani (2003) afirma que o fato da TI estar se transformando em uma infra-estrutura comum para a condução de negócios constitui na realidade uma grande oportunidade para a obtenção de vantagens competitivas. Apesar dessa polêmica, é preciso considerar, como afirma Kayworth (2002), que as áreas de TI que funcionavam tradicionalmente como unidades administrativas, com foco no desenvolvimento de sistemas transacionais para melhorar a eficiência da organização, têm adquirido um papel muito mais fundamental para a condução dos negócios nos últimos anos. As áreas de TI têm sido atingidas por inúmeras mudanças relacionadas à forma como as empresas interagem com seus clientes, com seus fornecedores e com seus parceiros externos. Segundo o autor pode-se argumentar que, em função dessas mudanças, o escopo e a natureza da gestão das áreas de TI mudou radicalmente, na medida em que a TI tem sido utilizada para unir os processos da empresa a de seus fornecedores e clientes. Além disso, essas transformações têm ocorrido em um ambiente caracterizado pela rápida evolução e transformação da tecnologia. Outro aspecto importante é a crescente preocupação com os custos da área de TI. Isso se reflete na forma de reduções nos investimentos em TI e incremento do uso de métricas de avaliação de custos e resultados, tais como: o TCO (Total Cost of Ownership), o ROI (Return On Investment), o SLA (Service Level Agreement) e o SLM (Service Level Management). Inicialmente uma resposta das empresas à desaceleração econômica ocorrida a partir do ano 2000, a tendência de redução e controle de investimentos na área de TI parece estar se consolidando e isto deve prevalecer no longo prazo. A situação soa conflitante, pois as áreas de TI são pressionadas a reduzir e controlar seus custos e simultaneamente são pressionadas a oferecer serviços cada vez mais abrangentes, estáveis e em constante adaptação às mudanças nos negócios. 2

3 Gestão de Sistemas ERP Nos últimos anos os sistemas ERP se consolidaram como o principal componente de sistemas corporativos de informação de muitas empresas. Isso ocorre num momento em que as equipes de TI são pressionadas para garantir a capacidade de resposta e adaptação dos seus sistemas às necessidades dos negócios da empresa e suas constantes mudanças. Também ocorre num momento em que as equipes de TI são pressionadas a controlarem os seus gastos e investimentos em seus sistemas. Por outro lado, um sistema ERP em geral constitui componente crítico na gestão integrada das diversas áreas da empresa e na gestão da sua cadeia de suprimentos, o que exige o atendimento de requisitos extremos de disponibilidade e performance. Isso delineia o significado do termo gestão de sistemas ERP : ele constitui o conjunto de ações realizadas para garantir o atendimento das necessidades do negócio, a performance, a disponibilidade, e o controle das atividades de manutenção e operação. Estas ações atualmente são parte crítica do dia-a-dia das equipes de TI nas empresas. A experiência mostra que a gestão de sistemas ERP pode ser problemática. Por exemplo, a pesquisa de Chew (2001) mostra que após o início da operação de sistemas ERP os usuários enfrentam altos custos de manutenção, suporte técnico ruim e dolorosos upgrades (implantações de novas versões do software). Um quarto das empresas entrevistadas na pesquisa experimentou interrupções em seus negócios decorrentes de upgrades de seus sistemas ERP e um terço das empresas reclamou de tempos de espera maiores do que o esperado por serviços de suporte de seus fornecedores. Segundo a pesquisa, em resposta a essas dificuldades, as empresas usuárias devem possuir alguma capacidade para dar suporte aos aplicativos. Também sugere que usuários insatisfeitos devem aproveitar a ocasião de um próximo upgrade para considerar a troca de fornecedor. Os requisitos de performance, disponibilidade, custos e constante adaptação às necessidades dos negócios se aplicam também aos demais sistemas da empresa, sejam eles desenvolvidos internamente ou não. Entretanto, o que ocorre com os sistemas ERP é que parte do conhecimento necessário para o atendimento destes requisitos não se encontra na empresa. Esse conhecimento está fortemente incorporado no próprio software e disperso entre outros agentes (fornecedores e consultores). Isso traz desafios à gestão dos sistemas ERP diferentes dos relacionados com a gestão de sistemas desenvolvidos internamente, embora se espere que os resultados sejam os mesmos. Segundo Brooks (1995), na medida em que pacotes comerciais de software vendem aos milhares, ou milhões, a qualidade, o prazo de entrega, a performance dos produtos e os custos de suporte se tornam questões dominantes, ao invés dos custos de desenvolvimento, tão cruciais no caso de sistemas desenvolvidos internamente. Segundo Kern (2002), ao optar pela utilização de pacotes, a empresa deve compreender que é o fornecedor que controla agora a introdução de novas funcionalidades no pacote. Se os usuários internos solicitarem alterações na funcionalidade do pacote é possível que tenham que esperar ou, se as solicitações não estiverem nos planos do fornecedor, podem ter que se virar. Mesmo a solução de problemas de performance pode depender de conhecimento não disponível na empresa, pois isso decorre da estrutura de programas e do banco de dados. Pui- Ng, Chan e Gable (2001) afirmam que, por conta desses aspectos, a manutenção de sistemas ERP difere fundamentalmente da manutenção de sistemas desenvolvidos internamente. 3

4 Modelo de Pesquisa Para O Brien (2001), a gestão da TI compreende os aspectos de administração estratégica, administração de operações, administração de recursos, administração de tecnologia e administração distribuída. A administração estratégica da TI deve garantir que esta contribua de forma significativa para a lucratividade e os objetivos maiores da empresa. A administração de operações, que o autor divide em desenvolvimento, operações e suporte técnico, compreende as atividades que devem ser realizadas para que os sistemas sejam disponibilizados e possam ser adequadamente utilizados. A administração de recursos e a administração da tecnologia englobam as atividades ligadas ao gerenciamento dos recursos de informação, tecnologias, redes e recursos humanos ligados à área de TI. Finalmente, a administração distribuída trata da distribuição de responsabilidades pertinentes aos sistemas de informação entre gerentes de áreas usuárias. Essa taxonomia sugere considerar os aspectos da administração operacional como parte do modelo que será utilizado neste trabalho. Dessa forma serão analisadas as atividades de desenvolvimento, operação e suporte técnico e que estejam especificamente relacionadas aos sistemas ERP. O modelo é completado com os aspectos relacionados aos atores envolvidos e que podem ser internos (analistas e programadores) e externos (fornecedores, consultores e usuários) à área de TI. O modelo é apresentado de forma esquemática na figura 1. serviços consultores relacionamento serviços fornecedor ERP relacionamento GESTÃ O DO SISTEMA DESENVOL OPERAÇÃ O VIM ENTO SUPORTE serviços usuários relacionamento Figura 1 - Modelo de Pesquisa Em relação às atividades de desenvolvimento o ciclo de vida de sistemas ERP difere em vários aspectos do ciclo de vida dos sistemas desenvolvidos internamente. Por exemplo, com relação ao processo de manutenção Pui-Ng, Chan e Gable (2001) apontam que os sistemas ERP sofrem manutenções solicitadas tanto pelos usuários (como nos sistemas desenvolvidos internamente), quanto pelo próprio fornecedor na forma de patches (correções de problemas, melhorias de pequeno porte ou modificações exigidas por lei) e upgrades (implantações de novas versões do software). Com relação às atividades de operação do sistema destacam-se aquelas relacionadas com a sua performance e com a manutenção de sua disponibilidade. O conhecimento necessário para 4

5 a realização dessas atividades, principalmente no caso do performance-tuning (ajuste fino da performance), pode não estar acessível internamente. No caso da disponibilidade, a forte integração dos sistemas ERP pode levar a dificuldades em parar o sistema para a realização de manutenções e instalação de correções. Mesmo a manutenção de módulos específicos pode ser problemática, pois modificações em um módulo podem exigir modificações simultâneas em outros módulos. Finalmente, as atividades de suporte compreendem o treinamento de usuários e atendimento de suas dúvidas relacionadas com o uso do sistema. Segundo Pui-Ng, Chan e Gable (2001), essas atividades são mais intensas e difíceis no caso dos sistemas ERP do que nos sistemas desenvolvidos internamente, principalmente em decorrência do restrito conhecimento sobre o funcionamento interno do sistema. Casos Estudados A pesquisa foi de natureza exploratória e teve por objetivo aprofundar o entendimento de aspectos-chave relativos aos processos de gestão de sistemas ERP. Para tanto foram analisados os casos de duas empresas brasileiras de grande porte que implementaram sistemas ERP há mais de dois anos, tempo considerado necessário para que a empresa já houvesse superado a fase de estabilização do sistema, e para que as funções ligadas à gestão do ERP já houvessem se estabelecido. Esta abordagem se justifica, pois segundo Lazzarini (1995), os estudos de caso são úteis nas pesquisas que têm como objetivo contextualizar e aprofundar o estudo de um tema. A utilização de mais de um caso em um estudo dessa natureza traz maior robustez aos resultados, além de permitir a comparação entre duas situações distintas. Para as entrevistas foi utilizado um roteiro (apresentado em anexo) contendo perguntas abertas e que procuravam identificar os aspectos mais importantes da gestão do sistema ERP de cada empresa. As entrevistas foram realizadas entre março e abril de Na empresa LCSA foram entrevistados o gerente de TI, um analista de sistemas e um usuário-chave. Na empresa MBSA foi entrevistado um dos coordenadores da área de TI. Os nomes das duas empresas pesquisadas estão disfarçados. A seguir é apresentada a síntese dos relatos dos casos estudados e que é complementada com subsídios adicionais decorrentes de outra pesquisa, de natureza quantitativa, realizada recentemente pelos autores. Caso da Empresa LCSA A LCSA é uma empresa multinacional produtora de material de escrita. No Brasil a empresa possui várias fábricas, fatura anualmente ao redor de US$ 100 milhões e emprega cerca de 3000 funcionários. Histórico da Implementação A LCSA implementou o sistema SAP R/3 em 1998, em modo big-bang, resultado de um projeto de implementação que se iniciou em 1996 e teve duração de 18 meses. O sistema R/3 foi implementado em substituição a um conjunto de 26 sistemas desenvolvidos internamente. Um dos principais motivos que levaram à substituição foi a necessidade de redução dos custos de manutenção dos mainframes que a empresa possuía e que também interferiam na atualização tecnológica de seus sistemas. Atualmente a empresa tem 180 usuários do sistema. 5

6 Logo após o início da operação a LCSA enfrentou um período de estabilização que se estendeu por 30 meses. Isso decorreu de dificuldades na localização (ajuste ao contexto nacional) do produto, que se encontrava em seus estágios iniciais de utilização no Brasil. Esse longo período de estabilização acabou por impedir uma evolução constante de versões que foram sendo disponibilizadas pela SAP. Quando isso foi finalmente possível, a migração para a nova e atual versão acabou se tornando um novo projeto de porte e que consumiu cerca de 10% do valor do projeto inicial de implementação. Esse projeto foi finalizado em 2002 encerrando um intervalo de não atualizações de cerca de cinco anos. Atualmente a área de TI conta com 31 pessoas sendo 13 voltadas ao desenvolvimento e configuração das funcionalidades do sistema R/3 (inclui 2 programadores da linguagem ABAP do R/3) e 16 voltadas ao seu suporte, além do gerente da área e uma secretária. Os analistas funcionais são especializados por módulo do sistema R/3. A área de suporte é responsável pelo suporte técnico do R/3 e help-desk. Também é responsável pelo desenvolvimento e manutenção de sistemas departamentais desenvolvidos em Access ou Excel e que atendem funcionalidades locais muito específicas não disponíveis ou viáveis no sistema R/3. A área é subordinada à diretoria administrativa e financeira. Mudanças na Gestão da TI Na situação anterior a preocupação era gerir pessoal técnico para desenvolver programas e, eventualmente, sistemas não integrados. Em síntese a área apagava incêndios localizados e departamentais. O foco do treinamento dos profissionais de TI era essencialmente técnico e voltado para a atividade de programação. Não havia preocupação com a formação de pessoal voltado para a análise ou desenvolvimento de processos. A atividade de programação era prioritária e consumia todo o tempo da equipe inviabilizando qualquer foco nos processos de negócio. De acordo com o gerente de TI, eu me voltava muito mais ao dia-a-dia de programadores e analistas, gerenciando o que cada um fazia em nível de programas, não de processos. A introdução do sistema ERP determinou uma mudança de foco. Tornou-se necessário treinar o pessoal de TI para: (a) pensar em processos de negócio da empresa e não mais em programas e, (b) tentar maximizar o uso do sistema ERP na condução destes processos. A parte mais difícil estava relacionada com a mudança exigida na cultura dos profissionais de TI, pois não era mais necessário programar, mas sim entender como utilizar a funcionalidade disponível no sistema para dar apoio aos negócios. Entretanto, essa mudança ainda não se completou, pois é uma transição lenta de uma cultura de programadores de sistemas para uma cultura de analistas de negócio. Além do treinamento oferecido para mudar a forma de pensar e agir dos profissionais, também se exigiu mudanças no perfil das chefias da área de TI. É interessante observar que na LCSA a introdução do novo sistema não implicou na alteração do quadro de pessoal de TI. As pessoas foram remanejadas e suas funções alteradas, isto possivelmente também contribuiu para as dificuldades relatadas. Outra mudança decorreu da necessidade de estabelecer processos de gerenciamento de terceiros. Na situação anterior gerenciavam-se sistemas sobre os quais a empresa possuía total domínio da tecnologia, arquitetura e metodologia de desenvolvimento. Os sistemas eram independentes e todas as pessoas envolvidas estavam na própria empresa. Na nova situação foi necessário gerenciar as relações com o fornecedor e com as empresas de consultoria e dos quais é necessário aportar conhecimentos não disponíveis na empresa. A empresa passa a 6

7 depender de uma série de condições impostas pelo fornecedor entre elas a aderência a especificações e necessidade de instalação sistemática de correções e upgrades. Isso requer uma série de novas habilidades dos gestores de TI. De acordo com os relatos o novo foco em processos de negócios ficou definitivamente estabelecido, mas não atingiu um nível satisfatório. Em parte isso é decorrente da demora na estabilização do sistema, o que consumiu os esforços dos profissionais de TI em questões operacionais e manutenções corretivas. Também foi assinalado que essa mudança de foco não deveria ocorrer exclusivamente na área de TI, mas em toda empresa. Em algumas áreas a preocupação com o novo sistema se limita à elaboração de novos relatórios ou a pesquisa de alternativas de implementação de funcionalidades muito específicas. Esquece-se a visão de processos e de negócios. Em síntese, apesar do novo sistema ter alterado o foco da área de TI e das áreas usuárias, ele constitui apenas um agente passivo do processo. Outras ações são necessárias para completar a tarefa. Gestão do Sistema ERP Na LCSA são quatro as atividades realizadas pela área de TI e que estão diretamente ligadas ao sistema ERP: (1) configuração, parametrização e customização; (2) manutenção do sistema em funcionamento permanente; (3) gerenciamento das relações comerciais e técnicas com os fornecedores e parceiros; (4) pesquisa e aprimoramento. A configuração, parametrização e customização do sistema são realizadas tendo em vista a otimização dos processos, mudanças na legislação e novas necessidades da empresa. De maneira geral as necessidades de mudança são atendidas por configuração e parametrização. A customização por desenvolvimento de novos programas acabou reduzida após a implementação da nova versão do sistema. A manutenção em funcionamento permanente implica no monitoramento de software, hardware, rede, telecomunicações e banco de dados. Essas atividades são consideradas as mais importantes e as que consomem a maior parte dos recursos da área. O gerenciamento das relações com os terceiros engloba processos de negociação relativos a novas modalidades de aquisição, extensão de licenças, contratos de manutenção, contratação de consultorias, etc. Essas atividades são realizadas pelo gerente e pelas chefias da área. Finalmente, a atividade de pesquisa e aprimoramento consiste em pesquisar e estudar as funcionalidades já disponíveis no R/3 e ainda não utilizadas na empresa. Essa atividade é realizada pela própria equipe de desenvolvimento. A gestão do sistema também incorpora um procedimento de help-desk e atendimento de dúvidas relativas ao R/3 e que é realizado pelos analistas funcionais. Nos relatos foi observado que se torna necessária uma reciclagem dos usuários, passado algum tempo da implementação. Isto porque a rotatividade de funcionários das diversas áreas altera e reduz o conhecimento possuído pelos usuários na medida em que ele é transmitido de pessoa a pessoa. Muitas dúvidas submetidas à área de TI são decorrentes dessa virtual perda de conhecimento nas áreas usuárias. De modo geral há um considerável backlog de solicitações para serem atendidas através da parametrização ou eventualmente customização do sistema. A percepção dos entrevistados é de que modificações nos sistemas legados eram muito mais simples e rápidas. Apesar do backlog as solicitações dos usuários são entendidas como mais maduras, voltadas aos processos e aos negócios, e não aos detalhes de telas ou relatórios. Os usuários também 7

8 demandam e exigem mais em decorrência de novas necessidades de informação decorrentes da atual dinâmica de negócios da empresa. Relação com Usuários O sistema ERP modificou o relacionamento entre a área de TI e os usuários, que passaram a ter uma interação de melhor qualidade com o departamento. Na situação anterior os usuários se atinham a detalhes como formatação de telas e relatórios, uma vez que havia plena liberdade nas atividades de desenvolvimento. Na situação atual estes detalhes em geral estão pré-determinados e a discussão passou a ser centrada em processos e procedimentos. Entretanto, para que isso fosse possível, além do grande envolvimento dos usuários no processo de implementação, foi necessário um intenso trabalho junto aos usuários relativo a aspectos considerados como sendo de natureza comportamental. Em decorrência aumentou a responsabilidade dos usuários em relação aos sistemas e na situação atual prevalece a coresponsabilidade entre o departamento de TI e os usuários. Entretanto, esse comportamento não é homogêneo entre os usuários e depende do perfil dos envolvidos. Não existe ainda um comitê de usuários para a priorização das atividades da área de TI. A priorização é conduzida pela própria gerência da área em decorrência do longo período de estabilização onde o comitê de usuários não era relevante. A área de TI solicita anualmente uma programação das solicitações e suas prioridades, e que ela tenta conciliar com a disponibilidade de recursos. Quando há conflitos a área reúne os departamentos para negociar as prioridades. Após a implementação do sistema R/3 a empresa manteve a figura dos usuários-chave e que atualmente atuam como centralizadores de chamados para a área de TI, auxiliam no esclarecimento de dúvidas e resolvem pequenos problemas do sistema. Eles claramente detêm o papel de multiplicadores de conhecimento. Também foi observada a dificuldade da área de informática em manter a evolução contínua do sistema ERP por conta do desinteresse ou falta de tempo dos usuários. Foi relatado que as pessoas se acostumam a uma maneira de fazer as coisas e temem buscar novas formas de atuação. Quando a área de TI solicita a participação para alguma atividade de melhoria o usuário eventualmente não colabora e a evolução acaba não ocorrendo. Foi assinalado que a melhoria do sistema é prioridade apenas da área de TI e que uma reciclagem ou retreinamento dos usuários poderia contribuir para motivar as pessoas a buscar novas alternativas para seu trabalho. No caso dos sistemas legados em geral era mais fácil averiguar se determinado usuário estava ou não satisfeito. Também era mais simples identificar as causas da insatisfação, pois o sistema tinha um ou poucos donos. No caso do sistema ERP a identificação da satisfação não é mais tão direta, pois o sistema é integrado e a satisfação de um usuário pode ser a insatisfação do outro. Inclusive pode ser necessário levar em conta a satisfação do fornecedor e dos consultores. Num sistema integrado complexo dificilmente podem prevalecer as necessidades e preferências de uma única pessoa, pois é necessário sempre considerar o todo. A empresa ainda não utiliza indicadores de satisfação dos usuários. Quanto a indicadores técnicos, tais como velocidade de acesso e quantidade de transações realizadas, a empresa está pesquisando alternativas de software. A disponibilidade do sistema não é medida e por enquanto isto não constitui problema. As paradas programadas também são facilmente resolvidas pois na empresa não há faturamento aos domingos durante a maior parte do ano. 8

9 Caso da Empresa MBSA A MBSA é uma empresa brasileira (holding) da área de mineração e metalurgia. A MBSA possui três unidades de negócio no ramo de extração e beneficiamento de metais e que são compostas por várias plantas industriais além do escritório central. A MBSA possui cerca de 4000 funcionários e fatura cerca de US$ 300 milhões anualmente. Histórico da Implementação A MBSA implementou o sistema Baan IV através de um projeto que se iniciou em 1998 e que se estendeu ao longo de 10 meses. A MBSA iniciou a operação do sistema empregando o modo big-bang em duas das três unidades de negócio da empresa. A principal dificuldade enfrentada nestas unidades foi relacionada com a localização do pacote ao Brasil. Uma série de problemas de sistema ligados à emissão de livros fiscais e ao envio de informações de cobrança para os bancos tornou o início da operação bastante complicado. O volume de problemas de localização acarretou o adiamento do início da operação na terceira unidade e em função disso os problemas de localização nessa unidade foram sensivelmente menores. A área de TI é corporativa e atende todas as três unidades de negócio da empresa. A área é composta por duas equipes: a equipe de infra-estrutura, composta por um coordenador e mais duas pessoas, e a equipe do centro de competência Baan, composta por um coordenador, 4 analistas funcionais (um para cada módulo implementado) e um analista programador. A área totaliza 10 funcionários e os coordenadores estão subordinados ao Gerente de Planejamento Estratégico e TI da empresa. Mudanças na Gestão da TI Anteriormente à implementação do sistema Baan havia um total de 39 pessoas de TI nas três unidades de negócio, sendo 22 funcionários e 17 terceirizados. Com a mudança a maioria dos analistas de sistema saiu da empresa, os funcionários operacionais foram transferidos para a empresa terceirizadora de help-desk, e funcionários advindos das áreas usuárias foram utilizados para montar o centro de competência Baan. Os 4 analistas funcionais e, inclusive, o coordenador do centro de competência Baan têm sua origem nas áreas usuárias da empresa. O centro de competência Baan recebe as solicitações e problemas dos usuários relativos ao sistema ERP, efetua a análise das alternativas de solução e, quando necessário, encaminha os problemas para o fornecedor ou a empresas de consultoria para o desenvolvimento da solução. A proposta da empresa é terceirizar todo o desenvolvimento de sistemas que envolvam programação e customização do sistema ERP. O objetivo é manter a equipe de informática com foco no entendimento do negócio da empresa, e não na tecnologia. A MBSA também terceiriza os serviços de help-desk e datacenter. No caso do help-desk, além do suporte telefônico, a empresa mantém 12 pessoas que pertencem ao prestador de serviços distribuídos pelas unidades fabris. A empresa que fornece os serviços de datacenter é uma empresa do próprio grupo empresarial. Os servidores da MBSA estão localizados nessa empresa. O coordenador entrevistado entende que a mudança efetivamente mudou o foco da área, tanto que o departamento agora é chamado de Planejamento Estratégico e Tecnologia de 9

10 Informação. O fato de todos os funcionários do centro de competência serem originários de áreas usuárias, em princípio, é mais uma evidência que essa mudança de foco (da tecnologia para processos e negócios) deve ter realmente ocorrido. Gestão do sistema ERP De acordo com o relato cerca de 40% do sistema está customizado. Quando há alterações legais o fornecedor automaticamente incorpora as implementações no pacote padrão. Entretanto, essas alterações precisam ser sempre analisadas, pois muitas vezes elas interferem com o código customizado e acabam exigindo mais alterações. Se o porte dessas alterações é pequeno então a implementação é feita pelo próprio analista programador da equipe, em caso contrário é contratada uma consultoria. A MBSA optou por apenas instalar e manter atualizadas as modificações relativas a mudanças legais. Aparentemente a gestão dessas modificações no código customizado não representa um problema porque são poucas as alterações enviadas pelo fornecedor. Para o resto não obrigatório a empresa mantém o sistema desatualizado em relação ao fornecedor. Isso tem gerado conflitos com o fornecedor e exigido negociações mais intensas por parte da área de TI. Há também demanda de migração para uma nova versão do sistema e que deve exigir esforço considerável num projeto previsto para dois anos de duração. Outros problemas diversos com o fornecedor também foram relatados deixando evidente a importância da gestão do relacionamento com o fornecedor. O papel do centro de competência Baan é receber e encaminhar as solicitações de suporte e melhorias do sistema sendo que os chamados sempre passam pelo help-desk e de lá são encaminhados ao centro. As solicitações de suporte são de três tipos: suportes funcionais (como realizar uma determinada operação); suportes de erros operacionais (correção de operações realizadas incorretamente pelos usuários); e identificação de erros no sistema (bugs). As solicitações podem ser resolvidas pelos próprios analistas ou encaminhadas para a Baan. Os contatos com a Baan só são realizados pela área de TI. Para as solicitações de melhoria é feita uma triagem onde se verifica se a solicitação não conflita com os modelos de processos do sistema e se avalia a possibilidade de implementação. Nessa etapa é exigido que o usuário especifique os benefícios que serão obtidos com a melhoria. Se for aprovada a solicitação é convertida num projeto especificado em detalhes e é elaborado o seu orçamento. Se o valor já estava previsto no orçamento de TI para o ano então a solicitação é atendida com base na verba de TI. Se não estava previsto então a área usuária pode esperar o ano seguinte para incluir o projeto no orçamento de TI ou executá-lo imediatamente com seu próprio orçamento. Todas as solicitações são tratadas como projetos e são desenvolvidas com apoio de consultorias. Os usuários participam intensamente do processo nas etapas de aprovação do desenho funcional, aprovação do desenho técnico, testes, aceite do projeto e colocação em produção. Todo o processo é documentado. Segundo o entrevistado o backlog não é grande, pois as informações não são represadas. Uma vez detectada uma necessidade, e ocorrendo sua aprovação, então o desenvolvimento é acionado imediatamente, se não houver aprovação então se retorna o pedido ao usuário justificando a decisão. Também foi assinalado que a exigência de justificativas e especificação dos benefícios esperados contribui para manter baixo o volume de solicitações. 10

11 As tarefas de manutenção do sistema ERP relacionadas com infra-estrutura (como backups e performance-tuning) são realizadas pela empresa terceirizada de datacenter. Portanto, uma importante atividade de gestão do ERP acaba eliminada do rol de preocupações imediatas do centro de competência Baan, o que possivelmente contribui de forma definitiva para o aparente sucesso do modelo de gestão adotado pela MBSA para o seu sistema ERP. Relação com Usuários Para que a reduzida equipe de TI possa dar suporte ao grande número de usuários, existem nas plantas industriais usuários-chave responsáveis por determinado módulo e que têm a função de filtrar e centralizar os problemas. De modo geral são esses usuários que entram em contato com o centro de competência Baan, relatando problemas ou dúvidas que eles próprios não puderam resolver. A empresa possui um total de 32 usuários-chave, distribuídos entre as três áreas de negócio e entre os diversos módulos do sistema. Estes usuários participaram ativamente do processo de implementação do sistema ERP. No caso de rotatividade de funcionários então os próprios usuários-chave fazem o treinamento. O problema se agrava no caso da saída de um usuário-chave, nesse caso é necessário um novo treinamento (individualizado) realizado pela área de TI. Segundo o relato, a empresa tem indicadores de uso do sistema atrelados a metas. Há metas de atendimento e satisfação do usuário e que são avaliadas através da aplicação de questionários. Também há metas financeiras ligadas aos orçamentos da área. No help-desk é emitido mensalmente um relatório de satisfação e tempo de atendimento pela empresa terceirizada e que mantém um contrato de SLA (Service Level Agreement) com a MBSA. Outros Subsídios aos Casos Estudados Pesquisa recente (a ser publicada) realizada pelos autores junto a 22 empresas de médio e grande porte usuárias do sistema R/3 da SAP corrobora as constatações dos dois casos analisados e fornece alguns subsídios adicionais. Baseado nas respostas a questionário respondido pela gerência da área de TI foi possível estabelecer, obedecendo ao modelo de pesquisa da figura 1, os resultados que são sumarizados a seguir. Com relação às atividades de desenvolvimento metade das empresas declara que tem dificuldade no atendimento de novas solicitações de usuários e que estas aumentaram desde a implantação do sistema. Com relação às atividades de operação do sistema cerca de metade das empresas enfrenta problemas, considerados críticos, com as paradas do sistema para manutenção preventiva e com a performance do sistema. A preocupação com a disponibilidade permanente e ininterrupta do sistema também é evidente. Também é enfatizada a necessidade de instalação de pacotes de suporte à manutenção corretiva o que, possivelmente, constitui uma demanda localizada no tempo e que deve ser rapidamente resolvida. Chama atenção o número de empresas que consideram crítica a questão dos estornos de operações realizadas incorretamente pelos usuários, um aspecto que não foi detectado no estudo de casos. A figura do estorno, também presente em sistemas convencionais, assume importância peculiar nos sistemas integrados, pois operações erradas afetam uma cadeia grande de transações e interferem imediatamente nos processos em andamento na empresa. 11

12 Com relação às atividades de suporte aos usuários do sistema R/3, proporcionalmente bem menos profissionais estão envolvidos do que o total designado para dar suporte aos outros sistemas da empresa. Entretanto, cabe observar que cerca de 70% das empresas informou que lança mão de serviços de help-desk terceirizados deixando clara a importância dessa atividade na gestão do sistema ERP. Além disso, o grau de esforço e tempo despendido para essas atividades é muito significativo ultrapassando o que é dedicado a outros tipos de atividades. Com relação aos consultores observou-se que apenas um em cada três profissionais ligados ao R/3 é terceirizado mostrando que as equipes em geral podem ser consideradas internas à empresa. Entretanto, a quase totalidade das empresas utiliza serviços terceirizados de consultoria funcional e de programação ABAP (linguagem do sistema R/3), o que sugere que tarefas mais sofisticadas ou específicas não são realizadas internamente. Com relação aos usuários foi verificado como os gestores de TI avaliam a facilidade de uso dos diversos módulos. De modo geral, todos os módulos são considerados fáceis de usar. Os gestores também consideram que os usuários estão satisfeitos com o sistema apesar de 25% dos respondentes ter observado que existem críticas severas dos usuários em relação ao sistema. Com relação ao fornecedor ERP metade das empresas assinalou ter dificuldades de negociação, apesar de que a nota atribuída ao suporte, pré-venda, treinamento, consultoria e pós-venda poder ser considerada muito boa. Fica aparente que as áreas de TI não enfrentam problemas de qualidade técnica do produto e do serviço do fornecedor, mas problemas de relacionamento e barganha com os quais as áreas de TI não devem estar afeitas. A pesquisa deixou evidente que o sistema ERP é considerado de fundamental importância no âmbito do suporte administrativo, da realização de atividades fim e da tomada de decisão operacional. A sua importância para o suporte da tomada de decisão estratégica foi considerada marginal, entretanto, ele efetivamente é a base para iniciativas de CRM, BI e SCM. O sistema também está cada vez mais incorporado nas atividades da empresa: metade dos usuários de TI são usuários do sistema e o número de usuários tem evoluído ao longo do tempo. Nesta pesquisa não foi possível determinar a existência de correlações entre o nível de uso do R/3 (percentagem dos usuários da empresa que são usuários do sistema) e outras variáveis associadas com a gestão do sistema. Não houve correlação com o esforço de desenvolvimento, com o esforço de suporte e com o nível de despesas de TI. Apesar da amostra considerada ser pequena isto eventualmente sugere que, ao contrário das expectativas, o aumento no grau de utilização de um sistema ERP não implica necessariamente em economias de escala e redução das despesas operacionais com TI. Isso sugere que a expansão do conjunto de usuários de um sistema ERP, depois que ele estiver instalado e em operação regular, tende a não mais ser feita pelo desligamento de sistemas antigos (o que eliminaria custos), mas tende a incorporar novas funções ou áreas da empresa que antes não contavam com o auxílio de sistemas de informações. Nesse sentido, a manutenção das despesas num patamar estável eventualmente poderia ser considerada como um ganho de escala. 12

13 Conclusões Fica evidente uma mudança de foco da área de TI. Nos dois casos a área migrou de uma abordagem técnica de sistemas de informações para uma abordagem de processos de negócios suportados por sistemas de informações. No primeiro caso a empresa busca uma transição natural e gradual para o novo modelo, enquanto que no segundo caso essa mudança foi planejada e realizada de forma muito mais incisiva. São evidentes as diferenças nos dois casos: enquanto no primeiro se mantém a equipe convencional de TI, no segundo opta-se por uma nova constituída por profissionais vindos da área usuária. Essa diferença de estratégia é exaltada pelo uso da terceirização de forma muito mais incisiva na segunda empresa. Também nos dois casos percebe-se que o papel do usuário na gestão de um sistema ERP é muito mais importante e fundamental do que no caso de sistemas internamente desenvolvidos. Na segunda empresa há uma forte preocupação com o envolvimento desses usuários no processo e, aparentemente, eles de fato se envolvem. Na primeira o processo de mudança foi feito de maneira mais gradual e persiste a necessidade da área de TI procurar obter maior envolvimento e participação. Ambas as empresas enfrentaram sérios problemas de localização ao longo da implementação do sistema ERP, mas eles estão definitivamente superados. Atualmente, nos dois casos, existem problemas de relacionamento com o fornecedor e que exigem a atenção do gestor de TI. Parte das dificuldades aparentemente decorre da permanente necessidade de atualização dos sistemas e que nem sempre pode ser cumprida à risca pelas empresas. Fica evidente que as duas empresas adotam procedimentos não preconizados pelo fornecedor para conseguir manter seus esforços de atualização em níveis condizentes com as suas possibilidades. Aparentemente as empresas que possuem sistemas ERP também continuam expostas à necessidade de realizarem upgrades de maior monta e que demandam tempo e recursos significativos. Certamente são aspectos de gestão de TI importantes e que possivelmente eram menos significativos à época dos sistemas desenvolvidos internamente. Há também outros aspectos a observar: a importância do treinamento dos usuários, a figura dos usuários-chave, a terceirização da manutenção e desenvolvimento, a aderência a padrões de disponibilidade e de performance do sistema, a figura do backlog, a figura do estorno de operações, etc. São aspectos que também podem ser associados a sistemas convencionais, mas que assumem características próprias no contexto de um sistema integrado. Por exemplo, a figura do usuário-chave é agora muito mais significativa e precisa ser considerada explicitamente na gestão do sistema ERP. Além disso, as empresas adotam estratégias diferentes no tratamento de cada aspecto com implicações também diferentes. Vale a pena identificar estas estratégias, entender as suas implicações e difundir esse conhecimento. A análise contextual mais detalhada dessa multiplicidade de detalhes constitui interessante possibilidade de pesquisa futura no âmbito da gestão de sistemas ERP. Referências Bibliográficas Andressen, M. (2003). The new IT crisis. Disponível em <http://techupdate.zdnet.com>, acessado em 25/01/03. Bergamaschi, S. e Reinhard, N. (2000). Implementação de Sistemas para Gestão Empresarial. Anais do 24º Encontro Anual da ANPAD. 13

14 Brooks, F. P. (1995). The Mythical Man Month, 20 th Anniversary Edition. Addinson Wesley, New York. Carr, N. G. (2003). A TI já não importa. Harvard Business Review (edição brasileira), Maio. Gurbaxani, V. (2003) Does IT Matter? An HBR debate. Harvard Business Review, Junho. Chew, J. (2001) Living with your enterprise Apps. Forrester Research Report. Kayworth, T. R. (2002). Managing the Corporate IS Organization in the 21 st Century. AMCIS 2002 Minitrack Papers. Kern, H. (2002). Scrutinize shrink-wrapped software. Disponível em <http://techupdate. zdnet.com>, acessado em 22/10/02. Lazzarini, S. G. (1995). Estudos de Caso: aplicabilidade e limitações do método para fins de pesquisa. Economia & Empresa, out/dez. O Brien, J. A. (2001). Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet. Saraiva, São Paulo. Pui-Ng, C. S., Chan, T. e Gable, G. (2001). A client-benefits oriented taxonomy of ERP maintenance. IEEE International Conference on Software Maintenance. Saccol, A. Z., Macadar, M. A., Pedron, C. D., Neto, G. L. e Cazella, S. C. (2002). Algum tempo depois... como grandes empresas brasileiras avaliam o impacto dos sistemas ERP sobre suas variáveis estratégicas. Anais do 26º Encontro Anual da ANPAD. Souza, C. A. e Zwicker, R. (2000) Implementação de Sistemas ERP: um estudo de casos comparados. Anais do 24º Encontro Anual da ANPAD. Anexo Roteiro de Entrevistas 1) Histórico da Implementação 2) Área de TI e suas tarefas Como é composta a equipe de TI? Quais são as atividades realizadas pela área na empresa? A que área a gerência de TI é subordinada? 3) Gestão do sistema ERP O que significa para a área de TI a administração do sistema ERP? Quais são as atividades relacionadas com essa administração? Por quem são realizadas? Quais são as atividades mais importantes para a administração do sistema ERP? Quais são as mais complexas? Quais são as mais onerosas? Quais as principais atividades relacionadas com a evolução do sistema, com sua manutenção e com sua operação? 14

15 4) Mudanças na Gestão de TI Como o uso de um sistema ERP mudou a gestão de TI na empresa? Quais foram os benefícios prometidos pelo sistema ERP em relação à gestão de TI? Eles foram realmente obtidos? O sistema ERP realmente aumentou o foco da área de TI nos negócios? 5) Relações com os usuários O sistema ERP aumentou o envolvimento dos usuários na definição de seus sistemas de informação? O uso de um sistema ERP mudou a estrutura de responsabilidades da área de TI e das áreas usuárias? Como? Como o sistema ERP alterou o relacionamento da área de TI com as áreas usuárias? Ainda existe a figura do usuário-chave? Quais atividades eles realizam? Como são conduzidas alterações no sistema que requerem o envolvimento de mais de uma área usuária? 6) Relações com o Fornecedor Quais são os motivadores do fornecedor na evolução do sistema ERP que ele fornece? Os interesses do fornecedor conflitam com os interesses da empresa? Como estes conflitos são resolvidos? Quais tipos de serviços são atualmente contratados de terceiros por conta do uso do sistema ERP? 7) Uso de Indicadores A empresa utiliza algum tipo de indicador para analisar a gestão do seu sistema ERP? Quais? Quais poderiam ou deveriam ser utilizados? 15

Analisando a gestão de sistemas ERP: Estudo de casos comparados

Analisando a gestão de sistemas ERP: Estudo de casos comparados JUL. AGO. SET. 2006 ANO XII, Nº 46 205-216 INTEGRAÇÃO 205 Analisando a gestão de sistemas ERP: Estudo de casos comparados CESAR ALEXANDRE DE SOUZA* Resumo Recentemente, os sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS ERP: UMA ANÁLISE DAS CAPACIDADES E ATORES ENVOLVIDOS

GESTÃO DE SISTEMAS ERP: UMA ANÁLISE DAS CAPACIDADES E ATORES ENVOLVIDOS GESTÃO DE SISTEMAS ERP: UMA ANÁLISE DAS CAPACIDADES E ATORES ENVOLVIDOS Resumo Autoria: Cesar Alexandre de Souza, Ronaldo Zwicker Atualmente os sistemas ERP constituem importante componente da arquitetura

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar.

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Tema da Aula Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. A solução dos problemas de informatização nas empresas possui

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 IT SERVICES PORTFOLIO SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 Ser a única no Brasil a ser certificada pela SAP, mostra como estamos à frente no que tange à transparência em todos os nossos processos e, especialmente,

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS WHITE PAPER Setembro de 2012 transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS Principais problemas e como o CA Nimsoft Service Desk ajuda a solucioná-los agility made possible Índice resumo executivo

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

Sistemas ERP : Conceituação, Ciclo de Vida e Estudos de Casos Comparados Ronaldo Zwicker Cesar Alexandre de Souza In: Sistemas ERP no Brasil

Sistemas ERP : Conceituação, Ciclo de Vida e Estudos de Casos Comparados Ronaldo Zwicker Cesar Alexandre de Souza In: Sistemas ERP no Brasil Sistemas ERP : Conceituação, Ciclo de Vida e Estudos de Casos Comparados Ronaldo Zwicker Cesar Alexandre de Souza In: SOUZA, César Alexandre de; SACCOL, Amarolinda Zanela (organizadores). Sistemas ERP

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP)

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) 8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) MATHEUS CONSOLI 1. Introdução A década de 1990 foi de

Leia mais

Excelência em Metodologia de Helpdesk

Excelência em Metodologia de Helpdesk Excelência em Metodologia de Helpdesk O IntraDesk foi desenvolvido com base nas melhores práticas conhecidas de Helpdesk, indicadas por organizações como o Gartner Group e o Helpdesk Institute, que, aliadas

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes.

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes. Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes Abril de 2014 Conteúdo Resumo Executivo 3 Introdução 3 IBM recebe alta pontuação

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais)

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Os ERPs, em termos gerais, são plataformas de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa;

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

AULA 07. Tecnologia hoje nas empresas. Prof. André Luiz Silva de Moraes

AULA 07. Tecnologia hoje nas empresas. Prof. André Luiz Silva de Moraes 1 AULA 07 Tecnologia hoje nas empresas 2 Função de um gerente? Tomar decisões e definir políticas baseadas na informação a partir de dados gerados no seu trabalho diário Problema? Quantidade de dados Solução?

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Transformando dados em decisões estratégicas

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Transformando dados em decisões estratégicas INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Transformando dados em decisões estratégicas Primeiramente, qual a diferença? DADOS INFORMAÇÃO CONHECIMENTO CONHECIMENTO Conjunto de informações analisadas INFORMAÇÃO Conjunto

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (Sistemas de Gestão Empresarial)

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (Sistemas de Gestão Empresarial) DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (Sistemas de Gestão Empresarial) Prof. Ricardo J. Rabelo Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e

Leia mais

Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica

Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica the product development company White Paper Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica O GUIA COMPLETO PARA A ALOCAÇÃO INTELIGENTE DE INVESTIMENTOS EM SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO DO CICLO DE VIDA DO PRODUTO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE

GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE ERP: prioridade número 1 das empresas brasileiras A demanda é clara: os software de gestão empresarial, os ERPs (Enterprise Resources Planning) se mantêm como prioridade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management Knowledge for excellence management Atenção: as informações deste catálogo estão sujeitas à alteração sem prévio aviso. Assegure-se de consultar sempre a revisão vigente deste documento. www.softexpert.com.br

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 Índice 1. Conceitos de Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas...3 1.1. Principais Fases... 3 1.2. Técnicas... 4 1.3. Papéis de Responsabilidades... 4 1.3.1.

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais