Segurança do Paciente: Uma Meta de Todos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança do Paciente: Uma Meta de Todos"

Transcrição

1 Wilma-Ney Lopes, Ms. I FÓRUM CEARENSE DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS E GERENCIAMENTO DE RISCO SANITÁRIO HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Segurança do Paciente: Uma Meta de Todos

2 Primum non nocere Antes de tudo, não cause dano, não prejudique o paciente Princípio de Hipócrates ( a.c) Nos faz lembrar : há riscos envolvidos em todo e qualquer momento para o doente

3 Segurança do Paciente É a redução do risco de danos desnecessários associados à assistência em saúde até um mínimo aceitável O quê é viável diante do conhecimento atual, dos recursos disponíveis e do contexto em que a assistência se dá. /ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). The Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety v1.1. Final Technical Report and Technical Annexes, Disponível em:

4 Incidentes Eventos ou circunstâncias que poderiam resultar, ou resultaram, em dano desnecessário ao paciente. Erros, violações e atos deliberadamente inseguros ocorrem na assistência em saúde. /ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). The Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety v1.1. Final Technical Report and Technical Annexes, Disponível em:

5 Qualidade na Assistência à Saúde tem relação com o risco ao paciente Qualidade é a obtenção dos maiores benefícios com os menores riscos ao paciente e ao menor custo. Donabedian, 1978

6 Até recentemente os incidentes associados à assistência à saúde eram considerados inevitáveis ou reconhecidos como um ato realizado por profissionais mal treinados 1º estudo data de 1974 (EUA) ANVISA. Boletim Informativo.V1 N1. Jan-Jul_2011

7 Estudos relacionados aos danos causados na ocasião da assistência 1974 (EUA) Pioneiro California Medical Associations e California Hospital Association - Universityof Southern California School os Medicine (Los Angeles) Revisão de 21mil prontuários de pacientes internados em 23 hospitais da Califórnia 4,6% dos pacientes com eventos adversos

8 Estudos relacionados aos danos causados na ocasião da assistência 1984 (EUA) The Harvard Medical Practice Study. Revisão de 30mil prontuários de pacientes internados em hospitais de Nova York 3,7% dos pacientes com eventos adversos 13,6% destes, ocasionando óbito ao paciente

9 Instituto de Medicina dos Estados Unidos aponta... Erros associados a assistência à saúde causam 44.0oo a 98.ooo disfunções a cada ano nos Hospitais dos Estados Unidos Kohn et al., 2000

10 Na Europa, estudos realizados sobre a qualidade na atenção hospitalar mostraram... A cada 100 pacientes, 10 sofrem danos evitáveis durante a assistência Gallotti, 2004

11 Estudos relacionados aos danos causados na ocasião da assistência Década de 90 incidência de Eventos decorrentes da assistência*, encontrados em Prontuários revisados Austrália 16,5 por 100 pacientes Nova Zelândia 11,33 por 100 pacientes Grã-Bretanha 10,8 por 100 pacientes França 14,5 por 100 pacientes * Que causaram incapacidade temporária ou permanente, prolongamento da internação ou morte do paciente UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MENDES, et.al, 2005

12 Estimativa do IHI Institute for Healthcare Improvement (IHI) norteamericano estima que 40 a 50 Eventos ocorrem por 100 internações nos EUA ANVISA. Boletim Informativo.V1 N1. Jan-Jul_2011

13 Marco de confluência do movimento mundial pela Segurança do Paciente 1999 publicação do livro Errar é Humano: Construindo um Sistema de Saúde mais Seguro (Institute Of Medicine norte-americano)

14 Marco de confluência do movimento mundial pela Segurança do Paciente 1999 EUA - Danos causados na ocasião da assistência - 8º causa de mortalidade no país Mortalidade maior do que De acidentes automobilísticos ( mortes.ano) De câncer de mama ( mortes.ano) De AIDS ( mortes.ano) UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Institute Of Medicine norte-americano

15 50 a 60 % dos eventos (danos) são evitáveis UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Gallotti, 2004

16 Probabilidade de morte decorrente de incidentes relacionados a administração de medicamentos em pacientes hospitalizados (390/dia) é 3 vezes maior do que as decorrentes por acidentes automobilísticos (125/dia), e infinitamente maior do que a chance de morrer em um acidente aéreo (0,27/ 1 milhão de decolagens). Berlin et al, 1998

17 Alguns Incidentes divulgados pela mídia

18 Mulher morre após receber café com leite na veia Paciente de 80 anos estava internada no Posto de Atendimento Médico de São João de Meriti. Erro é o segundo desse tipo registrado no estado do Rio em uma semana

19 Idosa morre após ter sopa injetada na veia Ela estava internada na Santa Casa de Barra Mansa, que reconhece o erro.

20 Menina morre após receber vaselina na veia A estudante Stephane dos Santos Teixeira, de 12 anos, moradora do Jaçanã, zona norte, morreu neste sábado, 4, após receber, no Hospital Municipal São Luiz Gonzaga, na mesma região, vaselina líquida no lugar de soro fisiológico. Jornal da Tarde de São Paulo, o5 dez 2010

21 Auxiliar admitiu ter aplicado leite materno em veia de bebê A auxiliar de enfermagem Maria Neuza Nery Leão, 56 anos, admitiu ter aplicado leite materno pela veia do bebê Kauê Abreu dos Santos, de 13 dias, e não pelo nariz. A criança era prematura e estava internada no Hospital Municipal e Maternidade Professor Mario Degni, no Butantã (zona oeste), onde morreu no dia 7. Segundo o delegado-titular do 51º DP (Butantã), Guaracy Moreira Filho, Maria Neuza será indiciada por homicídio culposo (quando não há intenção de matar). 12/11/2011

22 Medicamento Errado causa queimaduras em crianças no lugar de sedativo para realização de exame diagnóstico, as crianças recebem ácido Uma criança de 2 anos recebeu um medicamento errado num hospital particular de Itapevi, na grande São Paulo. Ele deveria ter recebido um sedativo, mas ingeriu ácido no lugar. No mesmo dia, outra criança, de 4 anos, também ingeriu o ácido no mesmo hospital. 12/11/2011

23 Paciente vai a óbito em virtude de desligamento inadequado de equipamento médico-hospitalar do qual era dependente Equipamentos que mantinham a vida de um paciente há mais de quatro anos no hospital foram desligados por um funcionário sem preparo para a função. Segundo a escrita do médico responsável, o paciente foi encontrado em óbito e sem a ventilação necessária para que ele sobrevivesse. Além disso, o médico escreve que faz o laudo à mão porque o que estava no sistema sumiu. BandNews_Curitiba 31 ago 2012

24 A clínica de fertilidade que usou o esperma errado Quando Nancy Andrews dos EUA, de etnia hispânica, engravidou através de fertilização in vitro ela e seu marido esperavam uma filha. O que eles não esperavam é que a menina fosse negra, já que seu marido é caucasiano. Exames de DNA indicam que os médicos da clínica utilizaram o esperma de outro homem para inseminar os óvulos de Nancy. O casal cria a menina como sua filha desde seu nascimento em outubro de 2004, mas estão processando a clínica e o embriologista responsável. [Daily News] Fonte:

25 Recebeu o pulmão e coração errados Jésica Santillán, de 17 anos, recebeu o coração e os pulmões de um doador incompatível. Os médicos Centro Médico da Universidade de Duke parecem não ter feito a verificação de compatibilidade antes da cirurgia. Depois de um segundo transplante para corrigir o erro ela sofreu danos neurológicos e outras complicações que adiantaram o seu falecimento. Jésica tinha sangue tipo O e recebeu os órgãos de um doador tipo A. O hospital assumiu o erro e fizeram um acordo financeiro com a família da menina. Nenhuma das partes pode comentar o caso. [CBS News] Fonte:

26 Afastador de metal de 33 cm esquecido no paciente Donald Church, de 49 anos, tinha um tumor no seu abdômen quando chegou no Centro Médico da Universidade de Washington, em junho de Quando ele recebeu alta o tumor havia sido removido, mas um afastador de metal de 33 centímetros de comprimento permaneceu no seu abdômen por engano. O hospital, que reportou outros quatro incidentes similares entre 1997 e 2000, removeu a peça e pagou U$ 97 mil para Donald. [Seattle Pi] Fonte:

27 Cirurgia cardíaca no paciente errado Joan Morris (um pseudônimo) de 67 anos foi admitida para realizar uma angiografia no cérebro. No dia seguinte ela recebeu, por engano, uma cirurgia cardíaca invasiva para um estudo de eletrofisiologia. Depois da angiografia ela foi transferida para o andar errado, e ao invés de retornar para seu leito original e receber alta no dia seguinte ela acabou sofrendo uma cirurgia cardíaca que a colocou em riscos de hemorragia, infecção, ataque cardíaco e derrames. Durante a cirurgia o médico recebeu um telefonema de um colega perguntando o que você está fazendo com a minha paciente?. Neste momento foi constatado o enorme erro e a paciente voltou para seu leito em condição estável, depois do estudo ser suspenso. [Linking Hub] Fonte:

28 Perna errada é amputada Não é nada agradável ter que sofrer a terrível perda de uma de suas pernas por amputação, mas ainda é muito pior quando levam a sua perna boa. Este é talvez o caso mais notórios dos que estão aqui listados e ocorreu quando Willie King precisou amputar uma de suas pernas em 1995, na Flórida, nos EUA. Uma cadeia de erros levou a perna errada a ser preparada para cirurgia e os cirurgiões perceberam o terrível engano no meio do procedimento, quando já era tarde demais. Como resultado a licença médica do cirurgião foi suspensa por seis meses e ele foi multado em U$ 10 mil. O University Community Hospital de Tampa, onde a cirurgia ocorreu, pagou U$ 900 mil para Willie e o próprio cirurgião pagou mais U$ 250 mil. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Fonte:

29 Rim saudável é removido no lugar do órgão doente No estado de Minnesota, nos EUA, um paciente foi submetido a uma remoção de rim por causa de um tumor maligno. Infelizmente o rim removido foi o saudável. A descoberta de que este foi o rim errado foi feito no dia seguinte quando o patologista examinou o material e não encontrou evidência de qualquer malignidade, disse o Dr. Samuel Carlson, o médico chefe do Park Nicollet Hospital. O rim potencialmente canceroso permaneceu intacto e funcionando. [Wcco] Fonte:

30 Ponte de safena feita em artéria errada Dois meses depois de uma operação de ponte de safena dupla, que deveria ter salvado a sua vida, o comediante Dana Carvey, que atuava no Saturday Night Live, recebeu uma notícia deprimente: o cirurgião cardíaco havia operado a artéria errada. O homem de 45 anos, e pai de duas crianças pequenas para resolver o problema de um bloqueio que poderia ter tirado a sua vida foi encaminhado para outra cirurgia de emergência. Respondendo ao processo de U$ 7 milhões, que Dana iniciou, o cirurgião disse que foi um erro honesto já que a artéria do paciente esta situada em uma posição incomum no seu coração. Mas Dana não viu assim: É como remover o rim errado. É um erro grande assim, ele disse à revista People. [FDA] Fonte:

31 Estimativa para o Brasil... Considerando a lógica dos estudos realizados no mundo... Como existem em torno de hospitais no Brasil, teoricamente poderíamos ter pelo menos danos por dia ou 225mil danos por mês ou danos por ano Se utilizarmos a estimativa do IHI de eventos por 100 internações... Hus - UFC * Estima-se pelo menos incidentes em 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ *http://www.huwc.ufc.br/www.meac.ufc.br

32 Qualidade do cuidado para segurança do paciente Questão de alta prioridade na Agenda da OMS desde Lançamento formal da ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE (OMS) (Resolução n 57 Assembléia Mundial da Saúde) Objetivo: despertar a consciência e o comprometimento político para melhorar a segurança na assistência

33 Diretrizes básicas para Segurança do Paciente Identificação do paciente Paciente: Leito: Admissão: / / Alergias: Especialidade: Médico Assistente: Dieta: Mapeamento de Risco: o Queda o Desnutrição o Flebite o Sem risco o Outro Data da admissão Nome completo, Nº Prontuário, Unidade de Internação, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Enfermaria - Leito

34 Diretrizes básicas para Segurança do Paciente Consentimento Livre e Esclarecido Cirurgia Segura Registro Seguro Transporte Seguro do Paciente Passagem de plantão Transporte seguro de materiais contaminados Administração Segura de Medicamento e Hemoderivados Gestão de Pessoas Gestão de Equipamentos

35 Diretrizes básicas para Segurança do Paciente Gerenciamento dos riscos Gestão segura dos resíduos hospitalares Qualificação de fornecedores Reconciliação medicamentosa Segurança no trabalho Comunicação interna Envolvimento do paciente e do familiar no cuidado Controle de qualidade da água

36 Diretrizes básicas para Segurança do Paciente Gestão do sistema do Suprimentos Controle de pragas Educação permanente (em serviço) Gestão dos resultados Trabalho em equipe (cultura INTERdisciplinar; busca da TRANSdisciplinaridade) Liberação segura do paciente em óbito Alta multidisciplinar Plano Terapêutico multiprofissional

37 Bibliografia consultada ANVISA.MS. Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Boletim Informativo. V.1.n.1. Brasília.Jan-jul de 2011 DONABEDIAN, A. The Quality of Medical Care. Science, n.200.p GALLOTTI, Renata M.D.G. Eventos Adversos. O quê são. Ver. Assoc. Med Bras, v. 50(2).p , 2004 KOHN, L. et al.to err is human: building a safer health system. Wasnington. National Academy. Press MENDES, W. et.al. Revisão dos Estudos de Avaliação da Ocorrência de Eventos Adversos em Hospitais. Ver. Bras. Epidemiologia. 8(4):

38 Não são os objetivos que levam as Organizações até aonde elas vão, são as pessoas. Jack Welch

39 Obrigada!!! Contatos:

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR EVENTOS ADVERSOS (EAs) Evento Adverso pode ser definido como lesão não intencional que resultou em incapacidade temporária ou permanente e/ou prolongamento do tempo de permanência

Leia mais

Conhecimento de enfermeiros assistenciais sobre eventos adversos relacionados aos cuidados de enfermagem

Conhecimento de enfermeiros assistenciais sobre eventos adversos relacionados aos cuidados de enfermagem Conhecimento de enfermeiros assistenciais sobre eventos adversos relacionados aos cuidados de enfermagem Lívia Marques Souza Roberta Meneses Oliveira Ilse Maria Tigre Arruda Leitão Marcela Monteiro Gondim

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

http://www.medicinacomplementar.com.br/convertido/do-0628.htm

http://www.medicinacomplementar.com.br/convertido/do-0628.htm 1 de 5 4/10/2011 16:36 PRIMUM NON NOCERE 22/10/2008 Lucas Santos Zambon Especialista em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP Desde que o pai da medicina, Hipócrates

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos?

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Juliana P Machado Gerente de Enfermagem HSF Doutoranda EERP- USP Esp. em Gestão de Negócios Saúde Membro REBRAENSP Segurança do Paciente...

Leia mais

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Premissas para qualidade do cuidado à saúde IOM 2001 Segurança Eficácia e

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Tecnologia da Informação a Serviço o do HCPA

Tecnologia da Informação a Serviço o do HCPA Tecnologia da Informação a Serviço o do HCPA AGH Aplicativos para Gestão Hospitalar IG Informações Gerenciais Gestão Administrativa e Qualidade Assistencial AGH Mobile Tópicos Tecnologia da Informação

Leia mais

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br Torre de Babel Walter Vieira Mendes Júnior 1 1 - Doutor em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Avaliador de serviços

Leia mais

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é?

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Claudia Travassos, médica, MPH, PhD Pesquisadora Titular e Coordenadora do Portal Proqualis,

Leia mais

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ACREDITAÇÃO

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ACREDITAÇÃO III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ACREDITAÇÃO Rio de Janeiro - Setembro 2015 Debate em foco Segurança Percebida X Esperada. A Gestão de Riscos no Brasil Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar Antonio

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Qualidade e Segurança nos Serviços de Saúde Segurança do Paciente em Serviços de Saúde CIRURGIA SEGURA

Qualidade e Segurança nos Serviços de Saúde Segurança do Paciente em Serviços de Saúde CIRURGIA SEGURA Qualidade e Segurança nos Serviços de Saúde Segurança do Paciente em Serviços de Saúde CIRURGIA SEGURA Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GVIMS/GGTES/ANVISA Diana Carmem A. N de Oliveira

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um Renata Ariano Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011 SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional A área da saúde costumava ser mais simples, menos eficaz e mais segura. Chantler, 1997. A área da saúde

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA QUALIDADE EM SAÚDE ACREDITAÇÃO. Que definição? ISQUA - www.isqua.org Um processo que as organizações utilizam para avaliar e implementar a gestão da

Leia mais

Soluções para a Segurança do Paciente

Soluções para a Segurança do Paciente Soluções para a Segurança do Paciente Tradução de Adélia Quadros Farias Gomes Para o Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Proqualis 2007 O Programa da Organização Mundial

Leia mais

Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar

Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar TEMA: Construindo um Sistema de Gestão de Risco Hospitalar Rosane Oliveira Simões Consultora de Qualidade e Segurança

Leia mais

Anexo 02: PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE*

Anexo 02: PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE* MINISTÉRIO DA SAÚDE Anexo 02: PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE* Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz Protocolo integrante do Programa Nacional de Segurança do Paciente. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

Segurança do Paciente no Brasil

Segurança do Paciente no Brasil Seminário Segurança do Paciente no Estado do Paraná: Onde Estamos e Para Onde Vamos? Segurança do Paciente no Brasil 21 de maio de 2014 Maria de Lourdes O. Moura PROQUALIS/ICICT/FIOCRUZ Roteiro da Apresentação

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Maria Clara Padoveze Introdução No texto a seguir vamos abordar diversos elementos que permeiam

Leia mais

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Maria Clara Padoveze Introdução No texto a seguir vamos abordar diversos elementos que permeiam

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Os perigos do Raio X Hemodinâmica & Estrutura Hospitalar Faturamento

Leia mais

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 O erro aconteceu. O que o paciente e a família esperam de você agora? Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 1 Disclosure Uma das premissas para o alcance da cultura de segurança é a existência

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente

Indicadores de Segurança do Paciente Indicadores de Segurança do Paciente Carla Gouvêa Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) Roteiro da Apresentação Características e atributos dos indicadores

Leia mais

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO Doação de órgãos e tecidos A vida em suas mãos... Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - O que é Doação de Órgãos? É um ato pelo qual você manifesta a vontade de que, a partir do momento de sua

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health Minneapolis - MN OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html AGENDA A CONFIRMAR* OptumLabs é o primeiro centro aberto e colaborativo de pesquisa e inovação da indústria de Healthcare. Através dos mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências.

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. LEI N 9.434-4 de Fevereiro de 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Segurança na Administração de Medicamentos : Erros na Prescrição e Dispensação de Medicamentos Andrea Almeida Tofani Email: farm.hc1.hospitalar@inca.gov.br Novembro 2010 Segurança

Leia mais

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS Andrea Righi de Oliveira Kelian Enfermeira especialista em Gerenciamento de Enfermagem, Administração Hospitalar e em Gestão da Qualidade

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

Checklist de Segurança em Endoscopia Digestiva. Elsa Monteiro UTG Centro Hospitalar de Setúbal EPE

Checklist de Segurança em Endoscopia Digestiva. Elsa Monteiro UTG Centro Hospitalar de Setúbal EPE Checklist de Segurança em Endoscopia Digestiva Elsa Monteiro UTG Centro Hospitalar de Setúbal EPE Em qualquer actividade humana existe a possibilidade de erro por falha humana, e estes erros são cometidos

Leia mais

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar RELEASE À IMPRENSA: Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar São Paulo, 9 de junho de 2009 *Hospital São Camilo e Lean Institute Brasil fazem workshop inédito

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/16 1. INTRODUÇÃO Em outubro de 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para Segurança do Paciente. A iniciativa foi uma resposta à Resolução 55.18 da Assembléia Mundial

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO PROTOCOLO DE SERVIÇO CIRURGIA SEGURA Responsáveis: Vânia Segalin, Graziela Cauduro, Rafaela Andolhe Colaboradores: Roosi Zanon Código: PS03 CIRSEG Data: Dezembro/2015 1 FINALIDADE A finalidade do protocolo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Cruz Vermelha Brasileira

Cruz Vermelha Brasileira Cruz Vermelha Brasileira Modelo de Gestão 5As MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO CENÁRIO INSTITUCIONAL Hospital de Campanha ARC Hospital de Campanha Atendimento Pré Hospitalar

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ. Helidea Lima 14 abril 2014

MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ. Helidea Lima 14 abril 2014 MODELOS DE GESTÃO DA SAÚDE NO BRASIL EXPERIÊNCIA REDE D OR SÃO LUIZ Helidea Lima 14 abril 2014 A situação de saúde no Brasil A crise contemporânea dos sistemas de atenção à saúde reflete o desencontro

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS ILARES O objetivo deste questionário é analisar as atividades profissionais desenvolvidas

Leia mais

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Í ndice Fi l a nt ro p i a e R e s p o n s a b i l i d a d e S o c i a l 0 5 A Sociedade e a Filantropia Hoje 07 Dezenove Projetos em Parceria

Leia mais

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Semmelweis Ao ser contratado em 1846 como médico assistente na Primeira Clínica Obstétrica do Allgemeine Krankenhaus (Hospital

Leia mais

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO Rosangela Jeronimo 2011 HOSPITAL SANTA CRUZ Filantrópico Foco na comunidade japonesa Localizado no bairro da Vila Mariana São Paulo 166 leitos destinados a internação

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 Solicitantes: DR. M. L. B. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. PAULO ROBERTO CUNHA VENCIO Assunto: RESPONSABILIDADE ÉTICA E LEGAL DE PROFESSOR

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Subgrupo de Segurança e Qualidade no Uso Terapêutico de Células e Tecidos GUIA DE QUALIDADE E SEGURANÇA EM TECIDOS E CÉLULAS PARA IMPLANTES Este documento

Leia mais

Mentiras por Omissão: O Relatório Completo

Mentiras por Omissão: O Relatório Completo CurasdoCancer.com apresenta Mentiras por Omissão: O Relatório Completo Obrigado por fazer o download do Relatório Completo em PDF. No nosso slideshow tivemos que condensar e compressar a informação para

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais