MARSH GESTÃO INTEGRADA DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARSH GESTÃO INTEGRADA DE SAÚDE"

Transcrição

1 31 de Outubro de MARSH GESTÃO INTEGRADA DE SAÚDE FEBRABAN Sheila Clezar

2 AGENDA Panorama da Saúde Custos de Saúde Interesses Divergentes Visão Integrada de Saúde Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Tendências Marsh 2

3 Panorama da Saúde

4 Panorama da Saúde Universalista: assistência médica oferecida gratuitamente pelo Estado e sustentada por impostos e taxas. Ex. Cuba, Canadá e Inglaterra Assistencialista: modelo adotado pelo Brasil desde (através da Previdência Social), dividido em dois grupos: Contributários: através de fundos de saúde ou planos administrados pelo setor privado Não contributários: garantidos pelo Estado ou Instituições Filantrópicas Marsh 4

5 Panorama da Saúde Fonte: IBGE / DATAUS 2006 População Estimada Marsh 5

6 Panorama da Saúde Planos Privados ,0% População Total no Brasil Fonte: Senso 2006 Fonte: ANS Jun/ ,0% Planos Públicos Marsh 6

7 Panorama da Saúde Planos Individuais ,2% 6,5% 22,1% População Total no Brasil Não Identificados ,4% 71,4% Fonte: Senso 2006 Fonte: ANS Jun/ ,4% Planos Coletivos Marsh 7

8 Panorama da Saúde Marsh 8

9 Panorama da Saúde Alto endividamento Fluxo de caixa negativo Pendência de pagamento para fornecedores Pendência de pagamento de tributos Dificuldade de obtenção de linha de crédito Marsh 9

10 Panorama da Saúde Receita das operadoras de planos coletivos: bilhões 5 anos 40 bilhões Despesa das operadoras de planos coletivos: Aumento de 60,0% bilhões 5 anos 32 bilhões Fonte: ANS Jun/2007 Aumento de 68,4% Marsh 10

11 Panorama da Saúde Processo de consolidação - de janeiro de 1999 até fevereiro de 2006, a ANS cancelou o registro de operadoras no país, principalmente devido a ausência de reservas técnicas (Resolução 85 da lei 9656/88) Marsh 11

12 Panorama da Saúde Origem da receita dos hospitais particulares: Pacientes Particulares 9% SUS 2% Fonte: ANAHP 2007 Planos de Saúde 89% Marsh 12

13 Panorama da Saúde Por Receita Por Número de Operadoras Seguradora 22,7% Autogestão 2,1% Medicina de Grupo Seguradora 0,8% Autogestão 20,6% 46,1% Medicina de Grupo 32,3% Administradora 1,3% Filantropia 3,0% Cooperativa Médical 39,8% Filantropia 7,1% Cooperativa Médica 24,1% Fonte: ANS - DIOPS/FIP (22/Nov/2006) Nota: A ANS não divulga os dados sobre receita das Administradoras Marsh 13

14 Panorama da Saúde Política de inclusão social X gestão profissional Tecnologia - grande quantidade de equipamentos de alto custo (Exemplo: na Av. Paulista existem mais aparelhos de ressonância magnética do que em todo o Canada, Pet-Scan) Falta de planejamento de investimentos Aumento da expectativa de vida e envelhecimento da população (Projeção: em 2050, haverá 1 idoso para cada jovem) Marsh 14

15 Panorama da Saúde Perfil Demográfico População Brasileira Aumento no percentual de pessoas mais idosas = Aumentos nos custos de saúde 100 Acima de 60 anos Acima de 60 anos % 62.05% % 25.39% 60 e acima 6.11% 12.56% Marsh 15

16 Panorama da Saúde Falta educação pública e privada; Glosas executadas para ajustes financeiros; Saúde mental em 2.020, segundo projeção da OMS, causará mais mortes que doenças cardiovasculares Marsh 16

17 Panorama da Saúde Custos médicos (EUA) MÉDICOS E FARMACÊUTICOS 24% (US$ 116,2 MM) CUSTOS MÉDICOS DIRETOS CUSTOS MÉDICOS INDIRETOS PRESENTEÍSMO 63% (US$ 311,8 MM) AFASTAMENTOS DE LONGO PRAZO 1% (US$ 6 MM) Fonte: Bank One - HBR ABSENTEÍSMO 6% (US$ 27 MM) AFASTAMENTOS DE CURTO PRAZO 6% (US$ 27 MM) Marsh 17

18 Panorama da Saúde Presenteísmo queda na produtividade devido a problemas comuns de saúdes estimada em US$ 150 bilhões por ano nos EUA Fonte: Debra Lerner, William H. Rogers e Hong Chang, na Tufts England Medical School Marsh 18

19 Panorama da Saúde Doenças crônicas 60 % das mortes no mundo estão relacionadas a patologias crônicas durante os próximos dez anos estima-se que 388 milhões não resistam a estas patologias 5 % dos pacientes são responsáveis por metade do total do custo de planos médicos enquanto pacientes com múltiplas patologias crônicas (aproximadamente 1% do total da população) são responsáveis por 30% a 40% do total dos gastos em saúde Fonte: OMS 2007 Marsh 19

20 Panorama da Saúde Doenças crônicas Brasil Países de baixa renda Países de renda médiabaixa Países de renda médiaalta Países de renda alta Transmissíveis, puerperais e perinatais, e deficiências nutricionais Doenças crônicas Ferimentos Fonte: OMS 2007 Marsh 20

21 Panorama da Saúde Doenças crônicas (cont.) dentre as principais causas, destacam-se: 30% cerebrovasculares 13% câncer 07% males respiratórios 02% diabetes 09% outras enfermidades crônicas estima-se que 75% dos gastos totais com saúde nos EUA, referemse a doenças crônicas Marsh 21

22 Panorama da Saúde Doenças crônicas (cont.) diabetes afetam quase 180 milhões de pessoas no planeta, sendo em sua grande maioria do tipo 2, associada ao estilo de vida diabetes eleva o risco de doenças cardiovasculares e obesidade 80% dos casos de doenças coronárias, 90% dos casos de diabetes do tipo 2 e 33% dos casos de câncer poderiam ser evitados com recomendações sobre fatores de risco à população Marsh 22

23 Custos de Saúde

24 Custos de Saúde Impacto Financeiro Gastos com saúde sob a folha de pagamento (sem considerar encargos): 3 % 1 DÉCADA Entre 7% e 12% Marsh 24

25 Custos de Saúde Impacto Financeiro Caso da GM: 2,5 aposentados para cada empegado ativo ( ex-funcionários c/ plano de aposentadoria) Comprometimento de 5% das vendas no mercado americano com o plano de saúde Em 2008, segundo a Fortune, as 500 maiores empresas dos Estados Unidos em faturamento estariam gastando todo seu lucro com a saúde de seus funcionários O investimento no setor de saúde americano em foi maior que o PIB brasileiro em (1 trilhão e 800 milhões) Marsh 25

26 Custos de Saúde Impacto Inflacionário Inflação nos últimos anos: IGPM - 353,23% IPCA - 293,99% IGP-DI - 370,63% IPC/FIPE - 262,14% INPC - 296,61% SEGURO SAÚDE - 505,97% Marsh 26

27 Custos de Saúde Impacto Inflacionário Inflação nos últimos 10 anos: Inflação ao Consumidor Inflação Médica Brasil 150% 350% Estados Unidos 27% 68% Aprox. 2,5 vezes Marsh 27

28 Custos de Saúde Fatores Impactantes nos Custos de Saúde Estado de saúde da população coberta Desenho dos Programas Elegibilidade Novas Tecnologias Qualidade de Vida Custo Total Fator Idade Decisões Judiciais Localidade Legislação Gestão do Benefício Eventos de Alto Custo Marsh 28

29 Custos de Saúde Fatores Impactantes nos Custos de Saúde Fator idade Crescimento de custos estimado, atuarialmente, em 3% ao ano Crescimento da população idosa Novas tecnologias Novas técnicas de diagnósticos Novos procedimentos cirúrgicos Novas terapias Novos medicamentos Marsh 29

30 Custos de Saúde Fatores Impactantes nos Custos de Saúde Qualidade de vida Maior preocupação com a saúde gera maior procura por atendimentos/exames preventivos Eventos de alto custo Impacto em populações com pouca massa de participantes Nova legislação de saúde (Artigos 30 e 31) (Projeto de Lei 445) Empregador assumindo mais custos Aumento no passivo atuarial (FAS 106, CVM 371) Marsh 30

31 Custos de Saúde Fatores Impactantes nos Custos de Saúde Ineficiência operacional Medicamentos/materiais utilizados nas internações Judiciário Muita burocracia. Poucas empresas utilizando as facilidades criadas pela Internet Auditorias por amostragem Materiais/medicamentos importados Taxa de comercialização Decisões judiciais favoráveis ao consumidor para coberturas não previstas no contrato e não calculadas atuarialmente Marsh 31

32 Custos de Saúde Fatores Impactantes nos Custos de Saúde Falta de gerenciamento da sinistralidade Aumento da frequência Procedimentos de maior custo Marsh 32

33 Custos de Saúde Evolução dos Custos para Empregados Ativos Evolução do custo médio per capita mensal (empresa + empregado) R$ 160,00 R$ 140, ,46% R$ 134, ,38% R$ 128, ,06% R$ 120,00 R$ 100,00 R$ 80,00 R$ 60,00 R$ 92,60 R$ 80,10 R$ 57,22 R$ 48,41 R$ 88,39 R$ 103,94 R$ 62,48 R$ 74,70 R$ 100,05 R$ 105,63 R$ 40,00 R$ 20,00 R$ 0,00 Enfermaria/Quarto Coletivo Apartamento/Quarto Privativo Média Geral Fonte: 44 empresas do Banco de Dados da Mercer acompanhamento histórico Marsh 33

34 Custos de Saúde Evolução dos Custos para Empregados Ativos Participação da empresa no custeio dos programas de saúde 100% 80% 81% 78% 83% 88% 75% 70% 75% 75% 81% 77% 83% 87% 60% 40% 20% 0% Médias Empresas Grandes Empresas Média Geral Fonte: 44 empresas do Banco de Dados da Mercer acompanhamento histórico Marsh 34

35 Interesses Divergentes

36 Interesses Divergentes HOSPITAIS OPERADORAS DE SAÚDE CLIENTE E SOCIEDADE Marsh 36

37 Interesses Divergentes HOSPITAIS Importante lembrar que a principal fonte de receitas do hospital e a razão primária dele existir, tanto agora como no futuro será sempre a internação e o tratamento de pessoas doentes ou com lesões. Pontos a considerar: Produtividade = Ocupação Hospitalar; Diminuição de receitas: Concentração de ganho medicamentos; Necessidade de investimentos frequentes em tecnologia; Diminuição das internações; Aumento das alternativas ambulatoriais; Diminuição dos dias de internação. em materiais e Marsh 37

38 Interesses Divergentes HOSPITAIS (cont.) Aumento do número de fechamentos de hospitais População mais velha com mais necessidades de assistência Mudanças nos padrões de doenças, mais ligadas ao estilo de vida Maior competição pelos pacientes A contribuição associada aos cuidados com a doença está diminuindo. Para manter seu atual status financeiro serão forçados a aumentar as receitas vindas do atendimento a pacientes doentes, com novas fontes, como Promoção da Saúde. Marsh 38

39 Interesses Divergentes OPERADORAS DE SAÚDE Pressão por parte dos clientes para reduzir custos, gerando mecanismos que podem comprometer a qualidade da assistência e a responsabilidade técnica do médico; Aumentos continuados da sinistralidade; Pouco investimento em prevenção e promoção de saúde; Margem reduzida (índice combinado médio de 2%). Marsh 39

40 Interesses Divergentes CLIENTE / TENDÊNCIAS DA SOCIEDADE Maior percepção por serviços; Maior sensibilidade à custos; Maior responsabilidade do consumidor; Questionamento sobre a alta tecnologia médica; População envelhecendo; Importância da saúde infantil; Crescente interesse em promoção de saúde pelas empresas; Consciência mais clara sobre a responsabilidade pessoal; Busca maior por estilo de vida saudável. Marsh 40

41 Visão Integrada de Saúde

42 Visão Integrada de Saúde O benefício saúde deve ser analisado sob 3 perspectivas: Empresa Empregado Custos / Riscos Marsh 42

43 Visão Integrada de Saúde Empresa O benefício saúde é componente da estratégia de remuneração total? Contém os ingredientes necessários para contribuir com o sucesso do negócio? É uma ferramenta de atração/retenção de bons profissionais? Marsh 43

44 Visão Integrada de Saúde Empregado O benefício saúde está de acordo com as necessidades dos empregados? O benefício saúde é entendido e percebido pelos empregados? Os níveis de contribuição atual são suportáveis por parte dos empregados? O empregado se sente apoiado para iniciativas de promoção de saúde e qualidade de vida? Marsh 44

45 Visão Integrada de Saúde Custos / Riscos Os custos do benefício saúde são suportáveis e não comprometem outros investimentos em pessoas? A relação custo versus satisfação do empregado está equilibrada? Os riscos inerentes ao benefício são conhecidos? O gerenciamento de custos e riscos é efetivo e contribui para o seu controle e minimização? Marsh 45

46 Visão Integrada de Saúde Dentre os fatores que contribuem para o aumento dos custos com a saúde, a grande maioria está fora de nosso controle, como por exemplo O envelhecimento da população O aparecimento de novas doenças e o conseqüente avanço da Medicina para enfrentá-las O custo de medicamentos e de materiais cirúrgicos Os padrões de negociação das operadoras de planos de saúde com hospitais, clínicas e laboratórios Os movimentos da classe médica por melhores condições de remuneração Resta-nos portanto a utilização das ferramentas que estão ao nosso alcance, de forma integrada e coesa, para a minimização destes impactos e para a busca de um custo melhor controlado a longo prazo Marsh 46

47 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas

48 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Fatores de Influência no Padrão de Saúde O estado de saúde é apenas o topo do Iceberg: Marsh 48

49 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Fatores de Influência no Padrão de Saúde Genética e Dotação Gestacional 30% Circunstâncias Sociais 15% Condições Ambientais 5% Assistência Médica 10% Escolhas Comportamentais 40% Marsh 49

50 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Fatores de Influência no Padrão de Saúde Promoção de Saúde Medicina Preventiva Morte Prematura Invalidez Sintomas Sinais Ponto Neutro Atitudes Conhecimentos Comportamentos Saúde Total Fonte: 1972, John Travis M.D. Medicina Tradicional Tratamento da Doença Marsh 50

51 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Promoção de Saúde e Prevenção de Doenças Gestão Pessoal de Saúde Nova Relação: Empregador X Colaborador Gestão do Risco Marsh 51

52 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Promoção de Saúde e Prevenção de Doenças Promoção de Saúde Manutenção ou melhora dos níveis existentes de saúde através da implementação de programas, serviços e políticas efetivas Prevenção de Doenças Aplicação das ciências biomédica e epidemiológica para a eliminação ou detecção precoce de doenças em populações e indivíduos O foco primário é a redução de riscos, a qual é baseada no modelo de doença para assistência médica; o foco predominante da promoção da saúde é a melhora da saúde, o qual obviamente, tem efeito na prevenção de doenças Marsh 52

53 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Promoção de Saúde e Prevenção de Doenças Antes que o sistema de saúde torne-se mais orientado para a promoção, deve se tornar orientado para a prevenção. Prevenção de doenças, como o próprio nome mostra, está ligada ao campo das doenças e atua de forma a prevenir que certas doenças se instalem ou se desenvolvam. Marsh 53

54 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão Pessoal de Saúde 99% das pessoas nascem saudáveis 50% das pessoas morrem antes dos 65 anos A grande maioria tem baixa qualidade de vida após os 65 anos CAUSA Incapacidade de Gestão Pessoal Marsh 54

55 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão Pessoal de Saúde 75% do diagnóstico identificado na anamnese (história pregressa da doença); 10% exames físicos; 5% exames laboratoriais simples; 5% tecnologia mais complexa. Marsh 55

56 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Viabilidade do Sistema Hospitais de alta qualidade, além de serem reconhecidos como competentes no tratamento de doenças, possuem o conhecimento necessário para as ações propostas em promoção de saúde. Necessidade de maiores receitas, maiores mercados e diminuição de custos Planos de Saúde: mudanças culturais, econômicas e tecnológicas estão causando uma mudança no modo como os serviços de saúde serão fornecidos no futuro. Devido a ênfase no controle de custos, os planos de saúde serão os maiores responsáveis por reduzir a demanda por utilização e manter a alta qualidade e satisfação pelos serviços Marsh 56

57 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Viabilidade do Sistema Visão Holística: a viabilidade dos hospitais depende da viabilidade das operadoras = consciência da necessidade de atendimento integral (prevenção + diagnóstico) Remuneração por performance : protocolos clínicos identificando indicadores de padrão de tratamento e resultado Unidades de Negócios: responsabilidade do médico na gestão como negócio (mas aliada aos protocolos clínicos, para evitar o uso excessivo da tecnologia) Marsh 57

58 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Viabilidade do Sistema Medicina Narrativa: melhorar a comunicação entre médico e paciente, o que resulta em tratamentos mais precisos e eficazes Mudança de Foco: Investir para Economizar = Gestão do Risco Parceiros comprometidos + Riscos Compartilhados com Usuários Marsh 58

59 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco Da gestão da despesa à gestão do risco Evolução Gestão da despesa Gestão do custo Gestão do risco Ações Sugeridas Mapeamento de riscos (screening) Definição de programas de prevenção e educação à saúde Estabelecimento de programas de gerenciamento de doenças e casos de alto risco Marsh 59

60 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco Mapeamento da situação atual: as grandes oportunidades para as empresas controlarem os custos em saúde passam, necessariamente, por: conhecer quanto saber como e onde identificar em que se gasta Marsh 60

61 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco Utilização do Benefício Farmácia Possibilita a redução dos custos com internações de pacientes portadores de doenças crônicas (ex: DPOC, Diabetes) por meio do acompanhamento do uso contínuo dos medicamentos indicados para o tratamento Auditorias Permite a avaliação periódica do processo de gestão do plano Auxilia na identificação de distorções nas bases de dados Duplicidade de cobrança Participantes em duplicidade Marsh 61

62 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco Garantias de Performance (planos auto-segurados) Institui um compromisso das Operadoras de Planos de Saúde com os resultados Valoriza a parceria com as Operadoras de Planos de Saúde Marsh 62

63 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco A comunicação é fundamental Para melhorar o entendimento dos programas, sua percepção e atingir os objetivos da organização Para valorizar as práticas de Recursos Humanos das empresas Para que o empregado entenda seu papel Para transmitir uma visão clara do futuro Para aumentar o comprometimento e provocar a ação desejada A comunicação precisa ser estendida aos familiares do empregado Se informados eficazmente sobre as características dos planos e suas regras os participantes vão racionalizar o uso dos benefícios obtendo o máximo de qualidade, sem desperdícios Transforma usuários em parceiros Marsh 63

64 Análises, Ações e Soluções Pró-Ativas Gestão do Risco Educação em Saúde foco em gestão compartilhada com o usuário Top of Mind : lembrança da marca, confiança, satisfação e intenção de compra Política do P ao P Os 6 C s - A difícil tarefa de mudar hábitos: comunicação, credibilidade, consistência, continuidade, comprometimento e coragem Promoção em Saúde e Prevenção de Doenças = Investimento Marsh 64

65 Tendências

66 Tendências O modelo de atenção à saúde suplementar deve adotar medidas de promoção à saúde e prevenção de doenças; A política de reajuste deve ser aperfeiçoada; A migração de planos anteriores à Lei nº 9.656/98 deve ser fortemente estimulada; Deve ser garantida a concorrência no setor e o aprimoramento das regras de reserva técnica das operadoras; Marsh 66

67 Tendências Educação dirigida aos problemas de saúde prevalentes e métodos para sua prevenção e controle; Atenção materno-infantil, incluindo o planejamento familiar; Imunização contra as principais doenças infecciosas; Prevenção e controle de doenças endêmicas; Distribuição de medicamentos básicos. Marsh 67

68 Tendências Deve ser construído um plano de contingência para os usuários de operadoras que não consigam sua adequação ao mercado; A existência de um efetivo controle social no setor é fundamental; Aprofundar a articulação entre a saúde suplementar e o SUS; Marsh 68

69 Pesquisa Marsh Mercer H&B 2007

70 Pesquisa Marsh Mercer H&B 2007 No primeiro trimestre de 2008, a Marsh e a Mercer enviarão o convite para a Pesquisa Mercer referente aos seguintes benefícios: Assistência Médica Assistência Odontológica Seguro de Vida Outros Benefícios Marsh 70

71 Pesquisa Marsh Mercer H&B 2007 Benchmarking Avaliação de: Desenho dos planos Taxas praticadas Contribuição fixa e variável dos colaboradores Múltiplos de reembolso Elegibilidade Tendências Dentre outros Marsh 71

72 Referências

73 Referências CPH Corporate & Personal Health American Journal Of Health Promotion J. Macginnis Organização Mundial de Saúde CDC Atlanta HERO - Health Enhancement Research Organization Havard Business Review Mercer Human Resource Consulting Diferenciais Estratégicos na Conjuntura do Mercado de Saúde Suplementar Marsh 73

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Ciclo de Debates SUS O Cenário do Fornecimento de Órteses e Próteses Uma visão das Operadoras de Planos Privados 07 de

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014 Debates GVsaúde Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões Denise Eloi Maio/2014 Sistema de Saúde Suplementar 1.274 operadoras de planos de saúde com beneficiários Mais

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde Os custos da saúde sobem mais que a inflação em todo o mundo: EUA Inflação geral de 27% em dez anos, a inflação médica superou 100%; Brasil Inflação geral 150%

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

DESAFIOS e RUMOS. da Saúde Suplementar

DESAFIOS e RUMOS. da Saúde Suplementar e RUMOS da Saúde Suplementar Perspectivas de Saúde Suplementar Na visão de uma Seguradora Especializada Operadoras O Mercado de Saúde Suplementar Modalidade Qtde. Beneficiários (%) Receita (%) Despesa

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB 1 º S E M E S T R E / 2 0 1 5 Plano de Saúde da CEB e Plano CEB-Saúde 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Como são calculadas as mensalidades?

Como são calculadas as mensalidades? Este informe aborda os aspectos relacionados ao reajuste do valor das mensalidades do Plano de Assistidos e do Plano de vinculados administrados pelo Eletros-Saúde (ES) para o ano de 2015. mas antes, é

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

PESQUISA DO 1º FORUM INTERNACIONAL DE SAUDE AAPSA

PESQUISA DO 1º FORUM INTERNACIONAL DE SAUDE AAPSA PESQUISA DO 1º FORUM INTERNACIONAL DE SAUDE AAPSA Introdução Introdução A ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE RECURSOS HUMANOS E GESTORES DE PESSOAS - AAPSA, instituição empreendedora, referência em debates de atualidades,

Leia mais

Práticas de Mercado de Benefícios e Mecanismos de Contenção de Custos 20 de Março de 2013. Francisco Bruno Consultor Sênior

Práticas de Mercado de Benefícios e Mecanismos de Contenção de Custos 20 de Março de 2013. Francisco Bruno Consultor Sênior Práticas de Mercado de Benefícios e Mecanismos de Contenção de Custos 20 de Março de 2013 Francisco Bruno Consultor Sênior Práticas de Mercado de Benefícios e Mecanismos de Contenção de Custos Conteúdo

Leia mais

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Regulaçã ção o Atuarial dos Planos de Saúde Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Gerência-Geral Geral Econômico-Financeiro dos Produtos GGEFP/DIPRO Regulação do Setor

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt Sustentabilidade em saúde Dr. Reynaldo A. Brandt Definição Sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. É suprir as necessidades da geração

Leia mais

O mercado de serviços de Saúde no Brasil

O mercado de serviços de Saúde no Brasil www.pwc.com.br O mercado de serviços de Saúde no Brasil O mercado brasileiro de serviços de saúde: um dos mais promissores e atraentes do mundo Contexto Quinto país em termos de área e população, com 8,51

Leia mais

A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino. Presidente da Unimed do Brasil

A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino. Presidente da Unimed do Brasil A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil Cenário da Saúde Suplementar PIB gasto em saúde (2013) Gasto per capita em saúde

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

Impacto do Envelhecimento sobre os gastos com saúde no setor de saúde Suplementar

Impacto do Envelhecimento sobre os gastos com saúde no setor de saúde Suplementar Impacto do Envelhecimento sobre os gastos com saúde no setor de saúde Suplementar Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar O rápido envelhecimento populacional

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização TISS I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização Roteiro Panorama da Saúde Padrão TISS Reflexões Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

X - CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTRÓPICAS DE PLANOS DE SAÚDE

X - CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTRÓPICAS DE PLANOS DE SAÚDE X - CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTRÓPICAS DE PLANOS DE SAÚDE TEMA: CRIANDO E GERENCIANDO COM SUSTENTABILIDADE PALESTRA: INCENTIVANDO A ABERTURA DE NOVAS OPEREADORAS. NÚMEROS NA SAÚDE: Nº de Beneficiários

Leia mais

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar 50 Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar SANDRO LEAL ALVES 1 1 Este artigo reflete a opinião do autor e foi produzido a partir de apresentação realizada pelo mesmo por ocasião da 4ª Conferência

Leia mais

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares José Cechin Superintendente Executivo José Cechin Carina Burri Martins Francine Leite Apresentação Entende-se por Custos Médico-Hospitalares o total das despesas

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Setor de Saúde no Brasil

Setor de Saúde no Brasil Setor de Saúde no Brasil PANORAMA DO MERCADO BRASILEIRO DE SAÚDE Forte desejo por saúde privada, em todos os segmentos de consumidores Razões pelas quais as pessoas gostariam de ter um plano privado (%

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

PwC HealthCast 2020: creating a Substainable Future

PwC HealthCast 2020: creating a Substainable Future Há evidência crescente de que o atual sistema de saúde de todas as nações vai se tornar insustentável se algo não mudar nos próximos 15 anos. Globalmente, a assistência tem sido ameaçada por uma confluência

Leia mais

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde.

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde. Seguros para a Cobertura de Medicamentos Principais Desafios e Experiências 1. Contexto 2 No Brasil: 38,8 milhões de brasileiros (20% da população) utilizam medicamentos contínuos; desses, 12,4 milhões

Leia mais

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Seminário O Público e o Privado na Saúde Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Tema: O Mais Saúde (PAC Saúde) e as Políticas Sistêmicas de Investimentos Setoriais Pedro Ribeiro Barbosa

Leia mais

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico Modelo Domiciliar de Modelos Assistenciais Assistência ao Doente Alternativos Crônico Panorama da Saúde no Brasil Aumento do poder aquisitivo Mudanças no Estilo de Vida Crescimento da População com Planos

Leia mais

AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR

AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR Saúde e Produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso dos negócios Towers Watson São Paulo, 28 de maio de 2014

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Painel da Saúde Suplementar no Brasil

Painel da Saúde Suplementar no Brasil Painel da Saúde Suplementar no Brasil Fundamentos da Auditoria na Saúde Suplementar 10h às 12h A ANS, a regulamentação e os Planos de Saúde. Goldete Priszkulnik (30 ) A Auditoria em Saúde assessorando

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

MENSURANDO OS CUSTOS EM SAÚDE APERFEIÇOAMENTO DA GESTÃO ASSISTENCIAL E DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DOS PROVEDORES DE SERVIÇOS HOSPITALARES

MENSURANDO OS CUSTOS EM SAÚDE APERFEIÇOAMENTO DA GESTÃO ASSISTENCIAL E DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DOS PROVEDORES DE SERVIÇOS HOSPITALARES APERFEIÇOAMENTO DA GESTÃO ASSISTENCIAL E MENSURANDO OS CUSTOS EM DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DOS SAÚDE PROVEDORES DE SERVIÇOS HOSPITALARES Sérgio Lopez Bento 07.11.2014 R econhecimento de uma H istória de

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Tânia Kadima M. Ferreira tania@mutuadosmagistrados.com.br VII Congresso Brasileiro de Auditoria em Sistemas de Saúde Auditoria Médica Instrumento

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Renato Tasca, OPS/OMS Brasil Belo Horizonte, 18 de outubro de 2011 Cenário global de crise dos

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Sérgio Lopez Bento 02.06.2009 AGENDA 1. Contexto atual do segmento de saúde privada 2. Modelos de

Leia mais

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência Irene Minikovski Hahn novas tecnologias remuneração pela doença transição demográfica falta de incentivo para avaliação de qualidade

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Modelos de contratação de Serviços de Atenção Domiciliar: Fee for Service X Pacotes X outras modalidades

Modelos de contratação de Serviços de Atenção Domiciliar: Fee for Service X Pacotes X outras modalidades Modelos de contratação de Serviços de Atenção Domiciliar: Fee for Service X Pacotes X outras modalidades Apresentação/Caracterização do Serviço Forma de Contratação de Serviços Equipe de gestão e Avaliação/Controle

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP 1 Um pouquinho de teoria Cobertura e acesso universais são essenciais mas não suficientes Valor: patient health

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar. A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil

Agência Nacional de Saúde Suplementar. A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil O que é a ANS A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é uma agência reguladora do Governo Federal vinculada

Leia mais

ORIENTADOR DO CLIENTE INTERCÂMBIO. Manual com informações para o cliente Unimed.

ORIENTADOR DO CLIENTE INTERCÂMBIO. Manual com informações para o cliente Unimed. ORIENTADOR DO CLIENTE INTERCÂMBIO Manual com informações para o cliente Unimed. O QUE É CLIENTE INTERCÂMBIO? Quando você está em uma cidade diferente daquela onde possui o plano de saúde e precisa de atendimento,

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2013

Seminário Anual de Saúde 2013 Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Luiz Augusto Carneiro Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson.

Leia mais

conceitos em saúde suplementar José Cechin EPM/SP 26 setembro 2008

conceitos em saúde suplementar José Cechin EPM/SP 26 setembro 2008 SAÚDE: pública p e privada conceitos em saúde suplementar José Cechin EPM/SP 26 setembro 2008 Agenda 1. Saúde: público e privado 2. Conceitos 3. Lei 9.656/98, temas e alterações 4. Risco e precificação

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Sistema de Saúde Privada 03 de junho de 2015 Sistema de saúde privado deverá ser impactado pela piora do mercado de trabalho no curto prazo Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

Relações entre consumidores e operadoras. Interesses individuais x coletivos. José Cechin Sul América, SP 18 setembro 2008

Relações entre consumidores e operadoras. Interesses individuais x coletivos. José Cechin Sul América, SP 18 setembro 2008 Relações entre consumidores e operadoras de planos de saúde 10 anos após s a lei 9.656 Interesses individuais x coletivos José Cechin Sul América, SP 18 setembro 2008 Agenda 1. Conceitos 2. A gênese da

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Economia da Saúde. A situação da Saúde suplementar. nº 23 agosto / 2006

Economia da Saúde. A situação da Saúde suplementar. nº 23 agosto / 2006 IMPRESSO ESPECIAL CONTRATO N.º 050200271-9/2001 ECT/DR/RJ Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial nº 23 agosto / 2006 Economia da Saúde Disciplina relativamente nova no mundo e,

Leia mais

Soluções para a sua Empresa

Soluções para a sua Empresa Seja Bem-vindo! Apresentamos um portfólio completo de serviços na gestão de benefícios corporativos. Nosso modelo de atuação conta com excelentes profissionais, tecnologia, qualidade e muita experiência.

Leia mais

Gestão e governança hospitalar com o paciente no centro

Gestão e governança hospitalar com o paciente no centro Gestão e governança hospitalar com o paciente no centro 18 de março de 2015 1 Nossa proposta Em seu terceiro ano, o Business Club Healthcare trabalhará fortemente o tema Geração de valor compartilhado

Leia mais

O conceito de assistência à saúde...

O conceito de assistência à saúde... Prof. Humberto Medrado hmedrado@ventureconsultoria.com.br O conceito de assistência à saúde... Estabelecer prioridades Planejar, avaliar e implementar continuamente ações de assistência integral à saúde

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

Modelo de Saúde Vivo/Telefonica. Michel Daud, M.D. Diretoria de Saúde e Qualidade de Vida

Modelo de Saúde Vivo/Telefonica. Michel Daud, M.D. Diretoria de Saúde e Qualidade de Vida Modelo de Saúde Vivo/Telefonica Michel Daud, M.D. Diretoria de Saúde e Qualidade de Vida Porque Investir em Saúde? Para o Colaborador Promove conscientização Aumenta auto estima Proporciona atendimento

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs Nossa proposta Para ampliar as trocas de experiências já realizadas nos encontros do Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare Conhecimento para Negócios deram início a uma série de estudos de

Leia mais

José Cechin Bradesco, SP 29jun2010 55 11 3706.9747

José Cechin Bradesco, SP 29jun2010 55 11 3706.9747 MERCADO DE SAÚDE TENDÊNCIAS REGULATÓRIAS INFLAÇÃO MÉDICA José Cechin Bradesco, SP 29jun2010 jcechin@iess.org.br 55 11 3706.9747 Agenda Mercado VCMH custos crescentes Perspectivas Operadoras Consolidação

Leia mais

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA S ASSISTENCIAIS 1 Quartiero,L. 2 1 Monografia de conclusão de Especialização em Auditoria em Saúde - FACISA 2 Enfermeira,

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais