Financiamento do Sistema de Saúde em Portugal - Que futuro?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento do Sistema de Saúde em Portugal - Que futuro?"

Transcrição

1 Financiamento do Sistema de Saúde em Portugal - Que futuro? Lisboa, 19 de Novembro de 2014 José Manuel Félix Ribeiro

2 1. SISTEMAS DE SAUDE TENDÊNCIAS PESADAS DE EVOLUÇÃO DESAFIOS PARA OS ORGANIZADORES E INOVADORES

3 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Demografia Prolongamento do tempo de vida na população com 80 e mais anos, sujeita a doenças incapacitantes do foro neurológico Entrada na fase de maior consumo de medicamentos por parte da numerosa geração dos baby boomers do pós 2ª guerra, Redução do peso relativo das camadas etárias mais jovens implicando uma redução e envelhecimento da população ativa gerada endogenamente, com consequências significativas sobre o financiamento dos sistemas de protecção social

4 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Estilos de vida O stress, novas formas de organização familiar e profissional, hábitos alimentares, sedentarismo, consumo de bebidas alcoólicas, de tabaco ou de drogas, aos quais se vêm acrescentar os impactos ambientais, irão ter um efeito cada vez maior na alteração dos padrões de morbilidade Fonte: OCDE Healthdata

5 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Padrão de Morbilidade Da interacção deste factores parece surgir um padrão de morbilidade em que: As doenças oncológicas vão continuara a afirmar-se como principal causa de morte nos países desenvolvidos; Acréscimo de doenças crónicas na população em idade activa, como a diabetes e outras doenças associadas à obesidade, bem como doenças inflamatórias como a artrite reumatóide; Maior frequência de doenças incapacitantes do foro neurológico nas fases pós activas da população; E podem vir a desenvolver-se outras doenças do foro imunológico

6 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Respostas Terapêuticas Já em 2016, prevê-se que de entre as áreas terapêuticas com maior crescimento potencial de vendas se encontram áreas não tradicionais ou seja que não foram cobertas pelas vagas de novos medicamentos da década de 90

7 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Tecnologias Entre as áreas terapêuticas com maior potencial de incidência futura atrás referidas várias irão provavelmente necessitar de fármacos biológicos, muito mais complexos de produzir e com maiores exigências no acompanhamento do seu uso O desenvolvimento destes medicamentos de base biotecnológica é mais caro do que o das small molecules químicas, e quando se dirige a populações muito mais pequenas o seu preço tende a ser muito elevado AREAS TERAPÊUTICAS TRADICIONALMENTE EXPLORADAS PELA INDUSTRIA VERSUS ÁREAS TERAPÊUTICAS DE ESPECIALIDADES, COM FORTE POTENCIAL DE CRESCIMENTO Fonte:IMS Institute for Healthcare Informatics 2012

8 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Tecnologias Desenvolvimentos científicos de décadas recentes como a genómica e a proteonómica vão criar uma base para melhor compreender os mecanismo de doenças e os meios de diagnóstico precoce das mesmas, utilizando ferramentas moleculares O desenvolvimento de diagnósticos precoces de riscos de doença poderá contribuir para uma abordagem mais personalizada da medicina ao permitir recolher informação sobre genes, proteínas e factores ambientais susceptíveis de serem utilizados para prevenir, diagnosticar e tratar doenças

9 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Exigências dos Financiadores e Organizadores dos Sistemas de Saúde Período de crescimento lento das economias, que sucede a um ciclo de endividamento de grandes proporções, está a forçar processos de contenção orçamental muito rigorosos Os financiadores e organizadores dos diversos tipos de sistemas de saúde vão transmitir aos prestadores muito maiores exigências de controlo de despesas e aos inovadores a prova do valor económico das novas tecnologias de saúde

10 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Exigências dos Financiadores e Organizadores dos Sistemas de Saúde No médio e longo prazo os Financiadores vão estar cada vez mais interessados em: reduzir a probabilidade de manifestação de doenças (prevenção) contar com soluções de cura ou de formas de administração de medicamentos que aumentem substancialmente sua a eficácia, recorrer a novas terapêuticas menos dependentes de medicamentos (em que se podem incluir vacinas para doenças não infecciosas ou novas abordagens como a regeneração de tecidos)

11 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Respostas possíveis dos fornecedores - o exemplo da industria farmacêutica Industria Farmacêutica e Mudança nos seus Modelos de Negócio - Uma hipótese para discussão: A abordagem da doença deverá passar a ser feita ao longo do seu ciclo de vida com uma oferta adaptada a cada um das fases desse ciclo e não apenas a produtos ou medicamentos para um dessa fases As empresas que quiseram estar presentes em várias fases desse ciclo de vida deverão ter um oferta mais integrada de diagnósticos, medicamentos, e meios de monitorização automática dos resultados da medicação As empresas que queiram estar fortemente presentes em áreas terapêuticas de especialidade deverão integrar uma forte componente de serviços para obter receitas adicionais para pagar o investimento realizado nos seus medicamentos não os sobrecarregando com a totalidade do retorno desse investimento

12 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Respostas possíveis dos fornecedores - o exemplo da industria farmacêutica E se houvesse uma MUDANÇA DE PARADIGMA, com base nos avanços científicos e tecnológicos? A industria farmacêutica foi formatada nas ultimas décadas pela estratégia dos blockbusters Historicamente, quer as doenças quer os pacientes por elas afectados, eram caracterizados por factores fenotípicos observáveis Pela sua própria natureza a segmentação por fenótipos originava extensos mercados potenciais de pacientes exibindo, no essencial, as mesmas condições físicas A estratégia dos blockbusters focalizava-se no desenvolvimento de medicamentos que se dirigissem a esses mercados amplos (15 milhões ou mais de pacientes), permitindo obter receitas anuais de vendas na ordem de 1bilião de dólares ou mais Fonte :DELOITTE

13 Macro Enquadramento: Tendências Pesadas Respostas possíveis dos fornecedores - o exemplo da industria farmacêutica E se houvesse uma MUDANÇA DE PARADIGMA, com base nos avanços científicos e tecnológicos? Os desenvolvimentos científicos e tecnológicos ocorridos com o desenvolvimento da biologia molecular permitem hoje substituir a fenotipagem das doenças por uma sua compreensão ao nível molecular. E a segmentação dos pacientes com base nas características observáveis pode vir a ser substituída por uma segmentação baseada no genótipo (com a possibilidade da eficácia dos tratamentos ser avaliada pelos respectivos bio marcadores) Com efeito os avanços tecnológicos estão a abrir às empresas farmacêuticas oportunidades de ligar tratamentos com eficácia a grupos geneticamente homogéneos de pacientes, que prometem eficácias muito superiores aos intervalos actuais

14 MUDANDO DE PARADIGMA com base nos avanços científicos e tecnológicos Ou seja as MATRIZES QUE RELACIONAM PACIENTE /DOENÇAS poderiam vir a apresentar-se de forma muito diferente da atual: Com mais linhas para cada tipo de doença - correspondentes à diversidade de grupos de pacientes uniformes em termos de genótipos Com quatro colunas correspondentes a quatro fases do ciclo de vida da doença e sua cura : a fase inicial de predição e prevenção - ou seja em que se definem as exigências comportamentais e/ou as ferramentas para a prevenção (ex vacinas); a fase em que doença é diagnosticada; a fase em que se aplicam soluções terapêuticas que a podem suspender ou curar; uma fase final em que, na impossibilidade de cura, se encara a sua transformação numa doença crónica com o mínimo de sintomas adversos

15 SÍNTESE Em consequência das Tendências Pesadas referidas os actuais sistemas de saúde vão deparar-se com: Uma pressão sobre o financiamento, que não pode ser separado da evolução dos modos de financiamento das economias e da dimensão e orientação da poupança forçada que os Estados sejam capazes de captar Uma mudança possível na prestação de cuidados de saúde envolvendo os processos de prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças

16 2. O FINANCIAMENTO FUTURO DA ECONOMNIA versus O FINANCIAMENTO FUTURO DA SAÚDE DESAFIOS PARA OS FINANCIADORES

17 1ª QUESTÃO EM ABERTO Portugal: Será que se vai assistir a uma mudança no modo de financiamento da economia? 2ª QUESTÃO EM ABERTO Como é que uma mudança de modelo na economia se pode articular com soluções para o financiamento dos serviços de saúde?

18 1ª QUESTÃO EM ABERTO Abordagem proposta Compreender o modelo de economia de mercado dominante na zona euro Avaliar a possível trajetória de evolução desse modelo Retirar consequências dessa possível trajetória para Portugal

19 O MODELO DE ECONOMIA DE MERCADO Dois Pilares Chave NA ZONA EURO Um sistema financeiro assente na intermediação bancária, em que os bancos comerciais estão cada vez mais orientados para operações ativas de menor risco Um sistema de cobertura de riscos individuais e de garantia de rendimento assente na Segurança Social com sistemas de pensões em regime de repartição- e no Estado- no que é comum designar por Welfare State

20 O CONTRASTE COM O MODELO ANGLO SAXÓNICO (o caso dos EUA) Um sistema financeiro assente no mercado de capitais, em que investidores institucionais, fundos de investimento, fundos mútuos e bancos de investimento têm um papel chave na alocação da poupança para investimento e em que entidades especializadas na gestão do risco atuam separadas dos bancos Um sistema de cobertura de riscos individuais de garantia de rendimento em que Segurança Social e Estado intervêm, mas ao lado de investidores institucionais com um papel chave- fundos de pensões e seguradoras

21 O CONTRASTE COM O MODELO ANGLO SAXÓNICO (O CASO DOS EUA)

22 ESTADO E BANCOS - O processo em curso na Zona Euro Os Estados nacionais são obrigados a um processo violento de consolidação orçamental, à saída do rebentamento de uma bolha de crédito formada pela passagem á moeda única para acompanhar as preferências da Alemanha Os Estados na zona euro permanecem relutantes em mudar as soluções de financiamento das áreas sociais, mantendose fiéis ao Welfare State, mas sendo forçados a reduzir os benefícios ou a redefinir a cobertura, optando por reduzir o investimento público e as despesas com a defesa. Limitando o papel dos investidores institucionais a uma intervenção complementar

23 ESTADO E BANCOS - O processo em curso na Zona Euro No sistema financeiro os bancos estão a ser reorientados para correrem o menor risco possível, deterem mais capitais próprios e concentrarem-se à escala europeia, por forma reduzir os riscos de falências. No caso de crises bancárias, não deverão contar com a intervenção de fundos públicos, antes de acionistas e titulares de divida serem chamados a contribuir na mais ampla extensão. Os bancos mais seguros das economias mais desenvolvidas da zona euro atrairão não só os depósitos de maior montante em toda zona como poderão aceder ao mercado de capitais para se financiar com mais facilidade. Essas novas redes bancárias vão passar a comandar a distribuição do crédito às regiões periféricas, tornando-se os interlocutores privilegiados do Banco Central Europeu

24 SÍNTESE Se esta consolidação/centralização do sector bancário não for acompanhada por um aumento muito significativo do papel dos mercados de capitais, dos investidores institucionais e dos fundos de investimento: A Zona Euro vai ficar com um défice estrutural de agentes que façam a gestão do risco de inovação, e dessa maneira terá o seu crescimento estruturalmente enfraquecido Os países periféricos na Zona Euro vão ficar sujeitos a uma distribuição de crédito profundamente assimétrica no espaço dessa zona e sem alternativas nem internas nem externas para financiarem as suas economias

25 3. TRÊS CENÁRIOS PARA O FINANCIAMENTO E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAUDE EM PORTUGAL- HORIZONTE 2030 Uma reflexão estruturada

26 Resposta à 2ª Questão em Aberto Como é que uma mudança de modelo na economia se pode articular com soluções para o financiamento dos serviços de saúde? Recorreu-se á construção de Cenários de evolução do Sistema de Saúde em Portugal realizado com base num Exercício DELPHI, através do qual procurámos avaliar da disposição de um grupo de peritos em saúde para aceitar diferentes trajectórias de reforma do sistema de saúde em Portugal, incluindo algumas que apontavam para uma mudança no modelo de economia de mercado, mais assente no mercado de capitais e nos investidores institucionais e menos no Estado

27 União Europeia Despesas de Saúde por tipos de financiamento

28 Exercício Delphi Preparação: Análise macro dos diversos sistemas de saúde implantados nos países europeus e que apresentam uma assinalável diversidade, com diferentes respostas a características ou problemas do sector de cuidados de saúde Portugal Irlanda depois da Troika

29 Exercício Delphi Objectivo: consultar um conjunto de Peritos sobre opções contrastadas na evolução do Sistema de Saúde português num contexto de contenção orçamental e de manifestação das macro tendências referidas procurando identificar pontos de concordância ou rejeição partilhados pela maioria Painel de respondentes 31 participantes Mulher es 13% 7% 16% 29% Dirigente da saúde Professor Univ. Homens 87% 19% 29% Director Geral Farmacêutica Deputados Outros

30 Exercício Delphi Questões: Questionário com 11 questões agrupadas por 2 grandes temas: a) Questões relativas ao sistema de saúde e sua evolução (incluindo temas sobre financiamento e organização do sistema de saúde, e da prestação dos cuidados de saúde) questões 1 a 8 b) Papel da indústria farmacêutica, nomeadamente sobre a possível evolução dos modelos de negócio questões de 9 a 11 Para cada questão optou se por apresentar um conjunto de afirmações que pretendiam abranger várias hipóteses possíveis, apontando para diferentes soluções para a questão em apreço, nomeadamente as opções extremas.

31 Exercício Delphi Questões: Cada uma dessas opções mereceu dos peritos uma avaliação, através de um sistema de notação de: 1 (rejeição), 2 (não havendo concordância com a resposta em causa o perito admitiria que fosse uma hipótese a analisar) e 3 (concordância) O objectivo era tornar possível construir o mapa mental do grupo, identificando as soluções em que havia maior consenso, quer positivo (concordância), quer negativo (discordância), e aquelas em que se manifestava maior disponibilidade dos participantes a considerarem a hipótese, mesmo sem ser a sua primeira escolha. Esta última alternativa foi considerada fundamental para identificar trajectórias possíveis de evolução que introduzissem variedade.

32 Três Cenários Cenário A Estado mais eficiente - modelo público mitigado (combinação das escolhas com preferências mais afirmadas) Cenário B Parceria Estado & Sociedade (combinação intermédia que incorpora escolhas que não sendo as mais afirmadas, revelam a disponibilidade para que fossem estudadas mais em detalhe) Cenário C Mercado e sociedade com intervenção supletiva do Estado Cenário órfão (combinação das escolhas com rejeições mais claras)

33 Cenário A O Sistema de Saúde deveria manter-se estruturado em torno de um financiamento via imposto, completado subsidiariamente por seguros privados e co-pagamento pelo utilizador; O financiamento e prestação de cuidados de saúde deveriam estar institucionalmente separados, colocando os prestadores em competição e garantindo a liberdade de escolha informada do prestador pelo utilizador final; Estado mais Eficiente Em situação de escassez de recursos seria aceitável a definição pelo Estado, de uma forma mais exigente, do acesso, introduzindo critérios mais rigorosos de avaliação económica das intervenções terapêuticas; Introdução de maior eficiência no que respeita à prescrição de exames e medicamentos através de uma regulamentação evolutiva e da monitorização da prática clínica por entidades públicas; Os hospitais deveriam manter-se maioritariamente num regime institucional público e continuar a desempenhar um papel central no sistema; Proceder-se à generalização da rede de cuidados continuados, em parte cofinanciada pela Segurança Social, de forma a retirar dos hospitais uma parte significativa de actuais utilizadores; A evolução para um paradigma de prevenção da doença seria gradual, deve do privilegiar campanhas de prevenção continuadas, financiadas por fundos públicos.

34 Cenário B Em comum com o anterior este Cenário considera que: O sistema de saúde deveria manter-se estruturado em torno de um financiamento via imposto, completado subsidiariamente por seguros privados e co-pagamento pelo utilizador; Devem estar separados institucionalmente o financiamento e a prestação de serviços de saúde, colocando os prestadores em competição e garantindo a liberdade de escolha informada do prestador pelo utilizador final; Seria aceitável a definição pelo Estado, de uma forma mais exigente do acesso, introduzindo critérios mais rigorosos de avaliação económica das intervenções terapêuticas; Parceria Estado Sociedade Mas, distinguir-se ia do anterior pelos seguintes elementos: A prestação de cuidados de saúde primários deveria ser assegurada por centros de saúde com mais valências (ex.: disponham de meios complementares de diagnóstico próprios e consultas de algumas especialidades) Num contexto em que os hospitais veriam reduzida parte das suas funções actuais, o Estado deve definir a rede hospitalar, havendo lugar à concessão da gestão dos hospitais não universitários a entidades privadas sem fins lucrativos Introduzir maior eficiência no sistema pela regulamentação e monitorização da prática clínica, combinada com uma diferenciação nos níveis de comparticipação dos custos dos actos médicos; O sistema de saúde teria necessidade de evoluir para um reforço das funções de prevenção da doença, através da introdução de incentivos materiais aos utilizadores, como factor de uma maior responsabilização individual pela prevenção da doença.

35 Cenário C O Sistema de Saúde deveria evoluir para um seguro universal de saúde com a cobertura de cuidados definida pelo Estado - e financiado pela combinação de contribuições individuais, comparticipação dos empregadores, fundos familiares e apoio supletivo do Estado no pagamento dos prémios deste seguro; Face à escassez de recursos financeiros públicos, o Estado deveria assegurar essencialmente mas de forma total (como ressegurador) a cobertura das despesas em tratamentos mais caros, transferindo para o cidadão a maior parte dos encargos com os cuidados primários (salvaguardando a situação dos grupos mais vulneráveis como crianças, jovens, idosos com um nível de rendimento familiar reduzido e desempregados). Mercado e Estado Supletivo No que respeita à relação entre o financiamento e a prestação de cuidados de saúde, a solução institucional seria a de um sistema hibrido com um seguro universal, mas com seguradoras em competição permitindo-as organizar o acompanhamento dos utilizadores e selecionar os prestadores, podendo fazê-lo através de unidades prestadores de cuidados primários e de especialidade ou de grupos de clínicos individuais que pudessem ser escolhidos pelos utilizadores O Estado deveria definir a rede hospitalar e gerir exclusivamente os hospitais universitários assegurando investigação de qualidade, concessionando os restantes de preferência a entidades sem fins lucrativos; O sistema de saúde em Portugal teria necessidade de evoluir para um reforço das funções de prevenção da doença e poderia fazê-lo através da admissão da possibilidade de aumento dos custos a serem suportados pelos utilizadores, em caso de incumprimento das orientações dadas pelos prestadores dos cuidados de saúde.

36 Financiamento do Sistema de Saúde em Portugal - Que futuro? Financiamento das Tecnologias de Saúde Como Investir e Garantir a Equidade e a Sustentabilidade?

O SISTEMA DE SAÚDE EM PORTUGAL NUM CONTEXTO DE CONTENÇÃO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL

O SISTEMA DE SAÚDE EM PORTUGAL NUM CONTEXTO DE CONTENÇÃO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL APIFARMA Ciclo de Conferências Financiamento dos Medicamentos e Impacto na Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde O SISTEMA DE SAÚDE EM PORTUGAL NUM CONTEXTO DE CONTENÇÃO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL 17 de

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Recrutamento ético de enfermeiros

Recrutamento ético de enfermeiros Recrutamento ético de enfermeiros Posição do CIE: Tomada de posição O CIE e as suas associações membro acreditam firmemente que a qualidade dos cuidados de saúde depende directamente de um fornecimento

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

A Saúde dos Portugueses que caminhos?

A Saúde dos Portugueses que caminhos? A Saúde dos Portugueses que caminhos? APRESENTAÇÃO Universidade A da [CLIENTE] Beira Interior Covilhã, 19.Maio.2007 PAGE 1 AGENDA Serviço Nacional de Saúde Financiamento privado: o caso MultiCare MultiCare

Leia mais

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 13 de Fevereiro de 2014 A missãocrescimento As entidades promotoras: O Conselho Geral: Esmeralda DOURADO Rui

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social Alto Minho 2020 : Por uma nova visão territorial das políticas públicas 2014-2020 Inclusão Social & Capital Humano: Que Instrumentos de Financiamento 2014-2020? PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Sessão de Divulgação na Região Centro: Penacova novembro de 2015 Alexandra Neves Portugal : Pioneiro na União Europeia na aposta

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

O que é o Portugal 2020?

O que é o Portugal 2020? O que é o Portugal 2020? Portugal 2020 é o novo ciclo de programação dos fundos europeus, que substitui o antigo QREN (Quadro Estratégico de Referência Nacional). Foi acordado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DAS CIÊNCIAS DA VIDA E SAÚDE

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DAS CIÊNCIAS DA VIDA E SAÚDE ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DAS CIÊNCIAS DA VIDA E SAÚDE ccdr-n.pt/norte2020 10 DE MAIO DE 2013 PORTO Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar se nas

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Onde estamos e para onde vamos?

Onde estamos e para onde vamos? Onde estamos e para onde vamos? Carlos da Silva Costa Governador 20º Encontro SAER A nova economia e as novas formas de financiamento Museu do Oriente, 25 de junho de 2014 Onde estamos e para onde vamos?

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

driven by innovation first-global.com

driven by innovation first-global.com company profile driven by innovation Missão Contribuir para a melhoria dos processos e para o aumento de produtividade dos nossos clientes, adaptando as melhores tecnologias às necessidades reais do mercado.

Leia mais

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Equipa de investigação: Ana Escoval (Coordenação) Ana Isabel Santos Rafaela Sousa Susana Moreira Com a colaboração de: Ana Rita Pedro Patrícia Barbosa

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Santa Casa da Misericórdia de Santarém 28 Maio 2015 Tema ENTIDADES PÚBLICAS PORTUGAL 2020 Objetivos

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

ANF. Associação Nacional de Farmácias

ANF. Associação Nacional de Farmácias ANF Associação Nacional de Farmácias Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Associação Nacional de Farmácias N.º Colaboradores 150 N.º de Estabelecimentos 3 Dispersão

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa 2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL RS vs Stakeholders Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa Instituto Português de Corporate Governance 27 de Novembro de 2013, Lisboa

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Economia A do Ensino Secundário ENSINO SECUNDÁRIO ECONOMIA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo?

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Entrevista: Graeme Bilbe, chefe global de Neurociências na Novartis O

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais