O DESAFIO DE CONCILIAR EFICIÊNCIA E EQÜIDADE NOS SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE MODERNOS. Marcus Vinicius Machado MELO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DE CONCILIAR EFICIÊNCIA E EQÜIDADE NOS SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE MODERNOS. Marcus Vinicius Machado MELO"

Transcrição

1 O DESAFIO DE CONCILIAR EFICIÊNCIA E EQÜIDADE NOS SISTEMAS PÚBLICOS DE SAÚDE MODERNOS Marcus Vinicius Machado MELO NUGES Núcleo de Estudos de Gestão e Saúde, Meio Ambiente e Negócios Sustentáveis UCAM - Universidade Candido Mendes - Campos - RJ

2 O desafio de conciliar eficiência e eqüidade nos sistemas públicos de saúde modernos A estruturação dos sistemas de saúde públicos e privados no mundo, em todos os momentos ao longo da história, tem como um de seus elementos fundamentais a dinâmica dos conflitos na relação entre compradores (governos e planos e seguros de saúde) e vendedores de serviços de saúde (profissionais de saúde, hospitais). Na segunda metade do século XX, esses conflitos amplificaram-se em razão da incorporação de novos usuários aos sistemas, com a universalização no acesso, seguida da diminuição no financiamento dos serviços; como fator agravante, a forte incorporação tecnológica no campo da saúde inflacionou os custos dos serviços e trouxe a medicina definitivamente para dentro dos hospitais. Agrega-se a isso as especificidades da assistência médica particularmente os limites de sua abordagem como um bem privado, em função de seus impactos humanos e sociais - e o resultado são organizações e sistemas complexos e de difícil avaliação de resultados. Palavras Chave : eqüidade - eficiência - planejamento em saúde - gestão em saúde - políticas públicas de saúde

3 O desenvolvimento dos sistemas de saúde fundamentou-se historicamente no debate entre o público e o privado, ou seja, entre o Estado e o mercado, particularmente na dinâmica da intervenção estatal no campo da saúde e seus conflitos com a prática médica de natureza liberal (IMMERGUT, 1992). Embora a intensidade desses conflitos varie de intensidade fundamentalmente em função do grau de interferência governamental no setor, o fato é que, em qualquer tempo e qualquer que seja o nível de desenvolvimento da nação, a tensão entre compradores e vendedores de serviços de saúde é um elemento central na estruturação dos sistemas de saúde em todo o mundo. O progressivo aumento do financiamento por parte do Estado, se por um lado expandiu intensamente o mercado para a prática médica, proporcionando acesso à saúde a indivíduos que não poderiam comprar os serviços, por outro passou a ser, paradoxalmente, objeto de intensos e importantes conflitos políticos e econômicos entre compradores e vendedores desses serviços. As associações médicas, sobretudo as da Europa Ocidental, temiam que a ampliação do financiamento dos serviços por parte do governo, poderia dar a este força suficiente para impor o controle de preços e outras formas de regulação, tendendo, no limite, a exercer um poder monopsônico ou seja, o governo ser o único comprador de serviços - (IMMERGUT, 1992), confrontando com igualdade a força monopolista dos médicos, na medida em que eles são, por sua vez, os principais fornecedores de serviços de saúde 1. A política de saúde de um país e, conseqüentemente, a estruturação de seu sistema de saúde, refletem e dependem dos antecedentes históricos e culturais, dos valores sociais, bem como dos resultados das forças políticas em ação (HSIAO,1992). Isso significa que a organização dos serviços se dá de maneira diferenciada de um país para outro - ou até em um mesmo país, em diferentes espaços temporais, não havendo dessa maneira um modelo igual a outro. Apesar disso, alguns modelos assistenciais tornaram-se paradigmáticos na estruturação dos mais diferentes sistemas de saúde no mundo. No que se refere à interferência estatal, os primeiros programas governamentais para a área de saúde foram as caixas de assistência ou fundos de saúde. Nesse modelo assistencial, tanto o financiamento quanto, por conseqüência, o poder de regulação de Estado eram bastante restritos. Além disso essas organizações negociavam seus próprios arranjos com os médicos para prover os cuidados com a saúde de seus membros, sem que o governo interferisse na remuneração dos profissionais ou nos contratos assinados entre estes e os fundos de saúde, ficando assim limitada a sua capacidade de regulação e fiscalização (IMMERGUT, 1992). O segundo tipo de programa, o Seguro Nacional de Saúde, criado na Alemanha, em 1883, implicou um papel mais ativo do governo no setor de saúde e marcou o primeiro grande momento de inflexão nos paradigmas da estruturação dos serviços. Nesse modelo, mais do que subsidiar arranjos privados, o governo criou programas públicos de seguro, nos quais a adesão não mais era facultativa, mas compulsória, visto que, nesse sistema composto por categorias profissionais, os trabalhadores são obrigados a contribuir com um percentual de seus salários, sendo também obrigatória a participação dos empregadores no financiamento do sistema. Nesse modelo assistencial, o progressivo aumento da intervenção estatal no setor criou pressões para controlar os custos dos serviços dos provedores, tais como médicos, 1 Considerando os médicos, nesse caso, como os principais vendedores de serviços - passíveis, portanto, de exercer poder monopólico porque, de algum modo, qualquer outro fornecedor de serviços de saúde depende desse profissional, embora existam teorias que defendam a diminuição da centralidade do poder do médico nas organizações e sistemas de saúde.

4 hospitais, indústrias farmacêuticas e de tecnologia médica, principalmente porque o Seguro Nacional de Saúde introduziu o pagamento coletivo para serviços de saúde, incrementando o papel do governo como principal comprador (IMMERGUT, 1992). O terceiro modelo paradigmático de programa governamental, que marcou o segundo momento de inflexão no desenvolvimento dos sistemas de saúde, teve como paradigma o NHS inglês, criado em No Sistema Nacional de Saúde, em lugar de subsidiar o seguro privado ou introduzir o seguro público, o Estado provê diretamente a assistência médica para todos os cidadãos, através de hospitais e médicos próprios ou contratados e pagos por ele. Esse modelo personifica o ideal de que a proteção social deve ser um direito de cidadania e de que esses benefícios sociais devem ser distribuídos de forma igual, independentemente da possibilidade de pagamento pelo indivíduo ou mesmo de sua categoria ou status profissional; ou seja, o NHS tem como objetivo central a universalização do acesso ao sistema de saúde. A diferença fundamental entre o Seguro Nacional de Saúde e o Sistema Nacional de Saúde está na forma de financiamento: no primeiro modelo, ele é feito através de contribuições de empregados e empregadores, além de subsídios estatais; e no último, o financiamento é solidário, feito por orçamento global, através de impostos gerais. O Sistema Nacional de Saúde foi o modelo que mais desagradou aos médicos, não por contestarem a propriedade pública em si, mas por afetar, segundo eles, seus supostos direitos à prática privada, visto que nesse sistema o governo se torna definitivamente o principal comprador dos serviços de saúde, além de fortalecer e intensificar o papel do Estado como empregador, direto ou indireto. O assalariamento dos médicos, aliás, tem sido a tendência dominante como forma de pagamento nos sistemas de saúde, atualmente. No caso brasileiro, esse assalariamento 2, no setor público ou privado, é uma modalidade consolidada e representa hoje a mais importante forma de inserção no mercado de serviços médicos (MACHADO, 1997). TABELA 1 - Médicos Distribuídos por Formas de Inserção Segundo Tempo no Mercado de Trabalho. Brasil 1995 T empo de inserção no Mercado (em anos) S ó público Formas assalariadas Formas Liberais Formas múltiplas S ó privado Público Consultóri + o (c. conv.) privado (s/ conv.) (c/conv.) Múltiplo* Liberal + público Liberal+ privado I gnorado T OT AL Até % 27,8 7,4 11,8 0,6 0,6 29,2 10,6 9,8 2,2 100,0 De 5 a % 8,8 4,8 9,1 1,3 3,2 36,2 13,7 20,8 2,1 100,0 De 10 a % 10,8 1,9 6,4 2,2 5,4 37,4 20,6 14,6 0,7 100,0 De 25 a % 12,3 4,1 4,0 3,9 5,8 29,4 21,0 15,3 4,2 100,0 35 e mais % 5,6 5,3 1,5 14,6 15,6 12,0 9,9 21,1 14,4 100,0 BRAS I L ,3 3,6 6,8 3,1 5,4 33,1 17,3 15,7 2,7 100,0 2 MACHADO(1997) considera assalariamento todas as formas de trabalho institucionalizadas, por meio das quais o profissional presta seus serviços, esteja o vínculo formalizado ou não sob a égide das leis trabalhistas.

5 (*) categoria múltiplo abrange os médicos que exercem atividades assalariadas nos setores público e privado e atuam em consultório. Fonte: Pesquisa Perfil dos médicos no Brasil, Fiocruz / CFM, Ano 1995 A tabela acima confirma essa realidade, mostrando que 69,5% dos médicos do Brasil têm vinculo público. Se considerarmos apenas os médicos em início de carreira (com até 4 anos de inserção no mercado de trabalho) esse percentual sobe para 79,4% dos profissionais. Em contrapartida, os médicos com esse mesmo tempo de trabalho, que atuam de forma liberal (em consultório, com ou sem convênio) representam apenas 1,2% do total de profissionais em atividade. Também é importante ressaltar o fato de a legislação brasileira permitir ao profissional de saúde ter dois vínculos públicos. Embora não se tenha números precisos da quantidade de profissionais com mais de um vínculo público, essa prerrogativa aumenta a possibilidade de dependência desse profissional do Estado. Ao lado da forma de pagamento, também os esforços para introduzir controle nos honorários médicos têm sido objeto de intenso conflito. Um dos mecanismos mais comuns para esse controle, surgidos a partir do Seguro Nacional de Saúde, compreende a adoção de tabelas de honorários, usualmente negociados entre representantes dos médicos e das agências de governo ou dos seguros-saúde, no caso dos sistemas privados. Entre as principais questões surgidas nesse debate está se os médicos podem cobrar dos pacientes um valor maior do que o listado na tabela e, caso possam, em que montante (IMMERGUT, 1992). Em algumas associações médicas, como as da França e da Suíça, as isenções das tabelas de honorários foram autorizadas em casos difíceis ou em pacientes graves, podendo o médico cobrar de acordo com o procedimento. Já no Canadá, os médicos têm lutado pelo direito de cobrar do paciente uma taxa extra, ou seja, um valor além do que consta na tabela de procedimentos. Na verdade, esse direito de cobrar dos pacientes segurados uma taxa suplementar tem sido visto, em alguns casos, como uma parcial alternativa para o seguro público, pois, argumentam os defensores da idéia, quando os médicos estão insatisfeitos com as taxas oficiais, podem burlar o controle de preços, através de cobrança adicional, e recusarse a tratar os pacientes que não pagam taxas privadas (IMMERGUT,1992). Por outro lado, essas cobranças adicionais têm sido combatidas pelos compradores de serviços em geral, seja por considerarem-nas ilegais, seja pela ameaça que essas cobranças possam trazer à universalidade e à tão desejada eqüidade no acesso aos serviços, mas também, e principalmente, porque os compradores temem que essas taxas extras privadas possam produzir pressão inflacionária, forçando a elevação das taxas padrão então vigentes. A hegemonia norte-americana no mundo no pós- II guerra refletiu-se também no campo médico-científico, tendo como resultado uma forte influência dos EUA na difusão e expansão do modelo de assistência médica que se consolidou no mundo ocidental a partir da segunda metade do século XX, trazendo importantes impactos na área da saúde (ALMEIDA, 1996). Um desses impactos causados foram as mudanças na organização dos serviços de assistência médica, em função do privilegiamento de um modelo assistencial hospitalocêntrico, de alta tecnologia e de prática especializada. O principal resultado desse incremento intensivo de tecnologia na área de saúde foi o crescimento geométrico dos custos da assistência médica. A inflação setorial passou a superar os índices da inflação geral, por anos seguidos e em diversos países, com diferentes modelos assistenciais, independentemente se majoritariamente públicos ou privados. Para se ter uma idéia, na década de 70 os serviços médicos já absorviam em média 7,5% do PIB de países com sistemas predominantemente públicos ou privados. O gráfico A

6 demonstra bem essa afirmação. Como podemos observar, nos EUA, um sistema majoritariamente privado, o gasto total em saúde em relação ao PIB pulou de 5,6 % em 1965 para 13% em 1995; na Suécia e no Reino Unido, sistemas majoritariamente públicos, esse gasto, no mesmo período, passou de 4,5% para 8,7 % e de 3,9% para 5,9%, respectivamente. 13,5 12,5 11,5 10,5 9,5 8,5 7,5 6,5 5,5 CANADÁ ALEMANHA ITÁLIA SUÉCIA REINO UNIDO ESTADOS UNIDOS 4,5 3,5 2, Fonte: Oecd Health Data, 2001 GRÁFICO A - GASTO TOTAL EM SAÚDE - % PIB O aumento exponencial dos custos dos procedimentos reduziu a níveis quase residuais o pagamento direto, com importante impacto para a prática médica liberal. Isso porque os valores dos serviços, antes estipulados diretamente pelo próprio profissional (fundamento da prática liberal), passaram a ser determinados e tabelados pelos planos e seguros de saúde, a que esses usuários passaram a se vincular. Ou seja, passou a acontecer nos sistemas privados o mesmo que já acontecia nos majoritariamente públicos: o aumento da centralização e do poder regulatório dos compradores dos serviços em razão da consolidação dos chamados terceiros pagadores (os planos e seguros de saúde) como principais financiadores nos sistemas privados, em razão do distanciamento do poder de compra dos serviços pelos usuários. Paralelamente à explosão dos custos desse modelo de assistência centrado na atenção curativa, também a crise fiscal do Estado, em meados da década de 70, e o consenso políticoideológico, que norteou o mundo a partir da crise do Welfare State, forneceram os subsídios necessários para se desencadearem as Reformas Sanitárias nos anos 80, cujas principais orientações e justificativas tendiam para a crítica a esse referido modelo de assistência e, principalmente, para a diminuição radical dos gastos com saúde pelos Estados nacionais ou seja, pela forte redução do financiamento do setor. Os argumentos utilizados (OECD, 1987 apud ALMEIDA, 1997) eram que a escassez de recursos públicos não permitia a manutenção dos padrões anteriores de gasto sanitário e das formas de estruturação dos serviços de assistência médica adotadas no pós-guerra, pelo crescimento do déficit público que essas formas provocavam. Nesse sentido, o Estado não poderia continuar arcando com a responsabilidade de garantia de acesso à assistência a toda a população, advogando-se a necessidade tanto da restrição da oferta de serviços de saúde quanto da descentralização, para níveis subnacionais e para o setor privado, passando a ser questionado o predomínio dos fundos públicos no financiamento da prestação da atenção médica à população. O financiamento, tanto da infraestrutura quanto da melhoria dos serviços, deveria ser provido por outros meios que não os

7 orçamentos globais (ou seja, a arrecadação fiscal), eliminando a necessidade de novos impostos ou taxas específicas. Outro argumento utilizado pelos defensores das Reformas dos sistemas de saúde na década de 80 como causa importante da ineficiência desses sistemas era o nãocomprometimento dos agenciadores do gasto com os custos dos serviços, impedia a responsabilização no uso dos recursos. Ou seja, o médico foi o alvo central dessa crítica por ser considerado o principal indutor das demandas muitas vezes consideradas desnecessárias tendo sido propostas medidas de restrição da autonomia profissional e o deslocamento monopolístico dos prestadores de serviços, com a introdução de mecanismos competitivos e de mudanças gerenciais típicas do setor privado. A importância da gestão dos sistemas de saúde passa, nesse contexto, a ser amplamente reconhecida e defendida como condição fundamental para a utilização eficiente dos restritos recursos disponíveis. Mas, o que é ser eficiente em se tratando de prover assistência à saúde? Assistência médica: bem público, bem privado ou bem social? O debate acerca da abordagem da assistência médica como um bem público, um bem privado ou um bem social, mais do que uma questão conceitual ou mesmo ideológica, é um elemento central na estruturação dos sistemas de saúde, especialmente por ter relação direta com os objetivos principais desejados para esse respectivo sistema. Em economia, segundo o enfoque neoclássico, bens privados são bens econômicos 3 cuja utilização por determinado indivíduo exclui a utilização por parte de outros (VIANNA, PIOLA & REIS,1998:111); ou seja, é aquele bem cujo consumo individual esgota nele mesmo o benefício. O bem público, ao contrário, baseia-se fundamentalmente nos preceitos da nãoexclusividade e da não-rivalidade, no sentido de, respectivamente, não se poder excluir de seu consumo um indivíduo em particular, além de o seu uso por determinada pessoa não reduzir a quantidade disponível do mesmo bem para os demais membros da sociedade. Tomando como referência a diferenciação feita por DONNANGELO (1975), que considerou a assistência médica como um conjunto de ações de diagnóstico e terapêutica dirigidas ao consumidor individual e a saúde pública como um conjunto de ações orientadas coletivamente, podemos afirmar que, sob essa perspectiva, a assistência médica - consultas, exames, internações - é um típico bem privado; e as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, ou seja, as ações de saúde pública seriam exemplos típicos de bens públicos. Assim, algumas correntes de pensamento têm tentado considerar uma classificação intermediária para a assistência médica, a partir do conceito de bens de mérito ou bens sociais, que são os bens de consumo individual cuja utilização dá origem a benefícios superiores àqueles gozados pelo consumidor (VIANNA, PIOLA & REIS,1998:111). Segundo esses autores, a qualidade de bem social provém da existência de externalidades positivas, sendo esse elemento fundamental para diferenciar os cuidados de saúde de outros bens, pois indica que há um valor social associado ao consumo de cuidados individuais (VIANNA, PIOLA & REIS,1998:111); Considerando isso, um bem social poderia ser provido pelo Estado, como é o caso da assistência médica, dado o interesse coletivo oriundo das externalidades positivas geradas. 3 Bem econômico é todo bem escasso que gera utilidade, ou seja, todos os bens que estão disponíveis em quantidades limitadas em relação às necessidades ou aos benefícios que poderão gerar (Pereira, 1995:275 apud VIANNA, PIOLA & REIS,1998:111).

8 A concepção da assistência médica como um bem privado (que supostamente não deveria ser financiado pelo Estado) e como um bem social (que não o impediria de ser provido pelo governo), tem também relação direta com a forma como um sistema de saúde é estruturado e, conseqüentemente, com os objetivos principais desejados para esse sistema. Usando os termos da doutrina econômica para o setor saúde, o debate é entre a estruturação com ênfase na abordagem pelo lado da demanda ou pelo lado da oferta. De acordo com HSIAO (1992), a escola na qual se baseia a abordagem pelo lado da demanda argumenta que o cuidado com a saúde é como qualquer outro bem: os consumidores podem exercer o controle sobre que serviços comprar e a que preço. Com a atomização do financiamento, a decisão de gastar ou não seria diretamente resultante do comportamento utilitário e maximizador do consumidor, o que supostamente forçaria os provedores, pela competição, a produzir serviços mais baratos e eficientes. Em suma, a abordagem pelo lado da demanda considera a assistência médica como um bem privado e, dessa forma, a alocação dos recursos de saúde se daria segundo a disposição do consumidor de pagar por esses serviços. A abordagem pelo lado da oferta considera, ao contrário, que os cuidados com saúde possuem características distintas dos outros bens de consumo, e que as falhas do mercado trariam enormes prejuízos para a estruturação dos sistemas de saúde. Ou seja, esse enfoque considera a assistência médica como um bem social, por ser fundamental para a manutenção da vida e, por esse motivo, qualquer um deveria ter direito a esse cuidado, independente de sua capacidade de pagar por ele. Na visão dessa escola, duas importantes particularidades limitam a abordagem da assistência médica como um bem privado: primeiro, a demanda pelo produto é gerada por um terceiro o médico e não pelo consumidor, que sequer tem conhecimento do que (não) deseja comprar. Noutras palavras, a assimetria de informações, ou seja, a disparidade entre o montante de informações que o médico tem, e o paciente não, induz ao forte domínio do profissional médico não só na decisão do serviço a ser comprado como também na indução de demandas e de preços 4 ; e, segundo, porque, por se tratar de doença ou risco de vida, em caso de necessidade o consumidor tenderia a alocar o máximo de recursos disponíveis ou disponibilizáveis. Esses dois fatores diminuiriam consideravelmente - ou mesmo eliminariam - a eficácia do comportamento utilitário e maximizador desse consumidor e, portanto, desse modelo de estruturação. Entretanto, HSIAO (1992) conclui, a partir de experiências realizadas, que nenhum extremo pode isoladamente produzir um melhor resultado; afirma ainda que a estruturação dos sistemas de saúde, tendo por base a demanda (vale lembrar, considerando a assistência médica como um bem privado), é incapaz de produzir acesso universal a esses serviços para a população. Por exemplo, dos 5 países analisados por esse autor - Japão, Alemanha, Canadá, Reino Unido e EUA, países cujo propósito comum era a contenção dos custos dos serviçosapenas os EUA escolheram estruturar seu sistema de saúde com base na demanda e as falhas de mercado foram tão severas que, mesmo com a intervenção governamental para socorrer os idosos, doentes crônicos e pobres através dos programas Medicare e Medicaid esse país tinha, em 2002, em torno de 16% de sua população descoberta, ou seja, sem acesso a qualquer tipo de assistência médica, conforme pode ser observado na Tabela 2. 4 Os próprios defensores da assistência médica como um bem privado concordam com esse argumento, tanto que um dos pontos mais importantes das reformas dos anos 80 foi a limitação da autonomia técnica do profissional médico.

9 TABELA 2 - Pessoas com e sem Seguro-Saúde (Privado e Público). EUA População total Pessoas com seguro-saúde (mil Hab.) Pessoas sem segurosaúde (mil hab.) População coberta pelo sist. Público de saúde (mil hab.) Ano (mil Hab) Abs. % Abs. % Medicaid Medicare % , , , , , , , , ,6 Fonte: Adaptação por Paulo Henrique Rodrigues, do Source Book of Insurance Data, Health Insurance Association of América, Washington, D.C., 1999 Além disso, os EUA gastaram com saúde muito mais que as outras nações, tendo esses gastos alcançado um nível quase incontrolável, em termos de percentagem do PIB (ver Gráfico A). Por outro lado, todos os países que utilizaram a estruturação com base na oferta - ou seja, elegeram como prioridade a universalidade da cobertura - conseguiram reduzir ou pelo menos estabilizar a inflação dos gastos com saúde; e, paradoxalmente, obtiveram um maior nível de satisfação dos usuários (HSIAO, 1992). Conclusões A busca da eficiência nas organizações e sistemas de saúde envolve também dimensões humanas e sociais tornando-se, por essa razão, um grande desafio para os gestores. O critérios de alocação dos recursos, cada vez mais restritos, devem necessariamente considerar parâmetros diferentes daqueles utilizados nas organizações tradicionais, principalmente em razão das especificidades da assistência médica, particularmente os limites de sua abordagem como um bem privado. A literatura, e também algumas experiências, sugerem que a eficiência, quando buscada apenas sob a ótica da dinâmica da relação entre compradores e vendedores e serviços ou seja, segundo a lógica do mercado -, pode parecer inversamente proporcional à eqüidade. Assumir essa premissa como verdadeira seria admitir que os sistemas públicos de saúde jamais conseguiriam atingir sua finalidade maior, que é prover saúde à sua população. Por outro lado, como privilegiar a eqüidade, sem pensar em ser eficiente, diante de uma realidade na qual se deve conciliar demanda crescente e recursos decrescentes. Desconsiderar a importância de buscar a eficiência, por sua vez, poderia significar a impossibilidade de se alcançar essa tão desejada eqüidade. Voltamos então à questão central: o que é (e como) ser eficiente, em se tratando de se prover assistência à saúde?

10 Bibliografia ALMEIDA, C. M. (1999), Reforma do Estado e Reforma de Sistemas de Saúde: experiências internacionais e tendências de mudança. Revista Ciência & Saúde Coletiva (ABRASCO), 4 (2):. ALMEIDA, C. M. (1997), Crise Econômica, Crise do Welfare State e Reformas Sanitárias. In: Gershman, S. & Werneck, M. L.. (org.), A Miragem da Pós-Modernidade Democracia e Políticas Sociais no contexto da globalização. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, (pp ) ALMEIDA, C. M. (1996), Novos Modelos de Reforma Sanitária: Bases Conceituais e Experiências de Mudanças. In: Nilson do Rosário Costa & José Mendes Ribeiro (org.) Política de Saúde e Inovação Institucional, Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ (pp ). ALMEIDA, C. M. (1996), Os modelos de reforma sanitária dos anos 80: uma análise crítica. Saúde e Sociedade, V 5(2): São Paulo : Revista da Faculdade de DUSSALT, Gilles. (1990), A gestão dos serviços públicos de saúde: características e exigências. Revista de Adm. Pública 26 (2):8-19, abr/jun 1992 HSIAO, W. (1992), Comparing Health Care Systems: What Nations Can Learn from One Another. Journal of Health Politics, Policy and Law 17 (4): IMMERGUT, E. (1992), Health Politics Interests and Institutions in Western Europe, Cambridge Studies in Comparative Politcs. New York: Cambridge University Press. Cap. 1 (pp ) IMMERGUT, E. (1992), Health Politics Interests and Institutions in Western Europe, Cambridge Studies in Comparative Politcs. New York: Cambridge University Press. Cap. 2 (pp ) IMMERGUT, E. (1992), The Swedish Case: Executive dominance. In: Ellen M. Immergut Health Politics Interests and Institutions in Western Europe, Cambridge MACHADO, M.H. (org) (1997) Os Médicos do Brasil: um retrato da realidade.rio de Janeiro: Ed Fiocruz MORAN, M. (1995), Three Faces of the Health Care State. Journal of Health Politics, Policy and Law 20 (3) Fall: 767:81. VIANNA, S., Piola, S. & Reis,C. (1998), Gratuidade no SUS: Controvérsias em torno do Co- Pagamento. Revista Planejamento e Políticas Públicas, 17: , IPEA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Franco, SOB - Sidnei Otávio Vicente Franco SMSDC RJ Rendeiro, MMP Márcia Maria Pereira Rendeiro SMSDC RJ / UERJ Maia ER - Eduardo

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade CFM analisa relatórios internacionais e mostra preocupação com subfinanciamento da saúde, que tem afetado

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS VI Fórum Brasileiro sobre Reforma do Estado Rio de Janeiro Pedro R. Barbosa

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado * Rodrigo Alberto Correia da Silva O mercado brasileiro de produtos para a saúde sofre por conta da publicação

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE? Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0640 Prof. Dr. Paulo Eduardo Elias 2011 Paulo Eduardo Elias Ana Luiza Viana O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC a jornada de trabalho e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC Apresentação A PEC do desemprego, da informalidade e da inflação A Proposta de

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA DA SAÚDE PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SÉRGIO FRANCISCO PIOLA MÉDICO-SANITARISTA, CONSULTOR DO IPEA E PESQUISADOR DO NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA (NESP) DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Saúde Coletiva: ciência e politica

Saúde Coletiva: ciência e politica Saúde Coletiva: ciência e politica Unicamp Março 2015 Ana Maria Costa: docente ESCS/DF, Presidentes do Cebes. Coordenadora Geral Alames Policia medica Higienismo Saude publica Medicina preventiva Medicina

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO

PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO Revisão de Artigos PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO Dra. Eunice Nunes Componentes de um Sistema de Saúde: Todo sistema de saúde pode ser pensado como a articulação de três componentes, cada um dos

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar?

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O conceito básico de valor na perspectiva do cliente é a relação entre os benefícios percebidos pelo cliente e o esforço

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica.

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. I Jornada Científica Outubro de 2012 Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. Doutorando do PPED/IE/UFRJ: Rodrigo Mendes Leal (RMendesleal@gmail.com) Orientadora: Dra. Maria Lucia

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde

Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde Painel: Como construir programas de acesso aos medicamentos Dirceu Barbano Diretor São Paulo, 07 de junho de 2010. Acesso a medicamentos: definição...relação

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975.

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975. Desenvolvimento Ocupacional 25/04/2011 ARAUJO, L; CALVOSA, M. Relações de Trabalho: Planejamento e Novas Oportunidades de Carreira para o Trabalhador. In: Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica,

Leia mais

Em 2040, Brasil terá 55 milhões de idosos

Em 2040, Brasil terá 55 milhões de idosos RELEASE 9 de dezembro de 2008. Em 2040, Brasil terá 55 milhões de idosos Novas políticas de proteção social, investimento público e financiamento serão temas cada vez mais presentes; afinal idosos serão

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Agenda Enquadramento

Leia mais

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade?

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? XXI Congresso da Associação Latina de Análise dos Sistemas de Saúde Cidade do México 2-4 de setembro de 2010 Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? Oliva López

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS Maria de Fátima de Lima Graduada em Química Industrial e pós-graduada em Engenharia Sanitária e Ambiental - CESAN A questão ambiental tem sido muito discutida,

Leia mais

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 antonio.antonietto@hsl.org.br Até meados dos anos 70 - hospitais universitários ou de organizações

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS ENUNCIADOS SOBRE TERCEIRIZAÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE Enunciado

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS MODELOS/PARADIGMAS DE GESTÃO: A NOVA GESTÃO PÚBLICA. Prof. WAGNER RABELLO JR. Origem Reino Unido. New Public Management: características

EVOLUÇÃO DOS MODELOS/PARADIGMAS DE GESTÃO: A NOVA GESTÃO PÚBLICA. Prof. WAGNER RABELLO JR. Origem Reino Unido. New Public Management: características EVOLUÇÃO DOS MODELOS/PARADIGMAS DE GESTÃO: A NOVA GESTÃO PÚBLICA Prof. WAGNER RABELLO JR Origem Reino Unido Conceito: É um modelo de administração pública voltado para a eficiência, a eficácia e a efetividade

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

SUS 25 anos do direito à saúde. Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde

SUS 25 anos do direito à saúde. Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde SUS 25 anos do direito à saúde Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde Antecedentes históricos A saúde no Brasil antes do SUS (1988): Assistência médica previdenciária X saúde pública

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado?

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Mauricio Ceschin Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Eduardo Hage Carmo Superintendente de Fiscalização, Controle e Monitoramento 15 Encontro da

Leia mais