um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO"

Transcrição

1 um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

2 Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina, nascida a partir da administração Henri Fayol: Seu trabalho é a base para a gestão de projetos tradicional O gestor possui 5 funções básicas: Planejar Organizar Comandar Controlar Coordenar O gráfico de Gantt é adotado como ferramenta para listar, acompanhar e controlar a execução das tarefas contidas em um projeto.

3 Um pouco de história... Até então a gestão de projetos é voltada para grandes projetos de engenharia e construção civil. Década de 60: o desenvolvimento de software começa a ganhar complexidade. Para gerenciar projetos de software, as empresas utilizam a medotologia tradicional antes aplicada a projetos de engenharia e construção civil. Winston Royce (1970): artigo criticando a abordagem tradicional para a gestão de projetos de software, que fica conhecida como waterfall.

4 Um pouco de história... Waterfall, por Winston Royce (1970)

5 Um pouco de história...

6 Um pouco de história... Waterfall segue o conceito Big Design Up Front (BDUF). Os defensores do BDUF acreditam que o tempo gasto revisando exaustivamente a especificação garante a ausência de mudanças críticas na fase de execução. McConnell (1996): corrigir erros ainda na fase de especificação gasta entre 50 e 200 vezes menos tempo do que se o erro fosse encontrado durante a execução do projeto.

7 Um pouco de história... DeGrace & Stahl (1990): Fatores que tornam questionável o uso de BDUF para projetos de software: Requisitos não são completamente compreendidos no início do projeto; Usuários só sabem exatamente o que querem após ver uma versão inicial do software; Requisitos mudam durante o processo de desenvolvimento; Novas ferramentas e tecnologias tornam a estratégia de desenvolvimento imprevisível. BDUF é considerado adequado apenas para projetos estáveis, com pouca ou nenhuma mudança.

8 Um pouco de história... Recente pesquisa no Brasil com gerentes de projeto aponta a mudança de escopo (71%) como o fator principal para insucesso em projetos de software. Meredith & Mantel: problemas de comunicação e entendimento do que deve ser feito são responsáveis por falhas nos projetos. Metodologias tradicionais sugerem que: Mudanças devem ser evitadas a todo custo. Se não for possível evitá-las, o gerente de projetos deve gerenciá-las. Para as metodologias tradicionais, a mudança tem um efeito devastador

9 Um pouco de história...

10 Um pouco de história... Ken Schwaber (2007): Não há mais soluções simples de software. Quando requisitos complexos encontram tecnologias complexas, a complexidade da solução cresce exponencialmente.

11 Um pouco de história...

12 Um pouco de história... Fonte: Standish Group

13 Agilidade

14 Manifesto Ágil representantes de processos leves de desenvolvimento de software se reuniram para discutirem o que seus processos possuíam em comum. O resultado foi o Manifesto Ágil: "Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendoo nós mesmos e ajudando outros a fazê-lo. Através deste trabalho, passamos a valorizar: Indivíduos e interação entre eles mais que processos e ferramentas Software em funcionamento mais que documentação abrangente Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos Responder a mudanças mais que seguir um plano Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda."

15 Princípios Ágeis Satisfação do cliente através da entrega rápida e frequente de produto funcional Produto funcional é a principal medida de progresso do projeto Mudanças são vistas como parte natural do processo e são bem-vindas Cooperação diária entre a equipe de projeto e o pessoal de negócios Comunicação aberta dentro da equipe

16 Princípios Ágeis Equipe de pessoas motivadas, com o suporte necessário e confiança Atenção contínua para o bom design e excelência técnica Simplicidade. Nada de desperdícios! Equipes autogerenciadas: Empowerment! Foco maior nas pessoas do que nos processos Melhoria contínua

17 Aplicação Métodos Ágeis não servem apenas para desenvolvimento de software!

18 Aplicação Métodos ágeis podem ser utilizados em projetos em que há: - Ambiente de mudanças frequentes - Requisitos - Tecnologia - Leis e regras - Ambiente de incertezas - Necessidade de entrar rapidamente no mercado - Oportunidades - Responder a uma ameaça

19 Aplicação Exemplos: Alexandre Magno (CST): Scrum Executivo mudança organizacional Projetos de Marketing Projetos de Hardware Infra-estrutura Jogos olímpicos, Copa do mundo

20 O que é Scrum?

21 Scrum......é um framework para desenvolvimento de produtos complexos em ambientes complexos;...não é um processo ou técnica: dentro de Scrum podem-se empregar diversos processos e técnicas;...utiliza abordagem iterativa e incremental para melhorar a predizibilidade e o controle de riscos;...gera entrega frequente de valor para o cliente;...torna transparentes problemas das práticas de desenvolvimento, para que se possa melhorá-las;...utiliza inspeção e adaptação para melhoria contínua, em ciclos de feedback.

22 Scrum: Origens Ken Schwaber: Jeff Suttherland: jeffsutherland.com Mike Beedle: The New New Product Development Game, de Takeuchi e Nonaka Sistema de Produção da Toyota: modelo enxuto e just-in-time

23 Processos Definidos X Empíricos Processo definido Ambientes controlados ex: linhas de produção Processo empírico: Complexos e imprevisíveis Scrum é embasado na teoria de controle de processos empíricos Três pilares sustentam a teoria de controle de processos empíricos: Transparência, Inspeção e Adaptação

24 Pilares

25 Os Pilares do Scrum #1: Transparência Aspectos que afetam o resultado do projeto devem ser visíveis para os que gerenciam estes resultados O que é visto deve ser compreendido: se quem inspeciona o processo acredita que está pronto, isso deve corresponder à definição de pronto utilizada

26 Os Pilares do Scrum #2: Inspeção Deve haver inspeção no processo com frequência suficiente para se detectar variações inaceitáveis

27 Os Pilares do Scrum #3: Adaptação Ao se detectar variações inaceitáveis, o processo deverá ser ajustado o tão rápido quanto possível para se minimizar desvios ainda maiores

28 Introdução ao Ciclo do Scrum

29 O Ciclo do Scrum O representante Ele então A equipe insere do E, em cliente, então faz estes seguida, o o trabalho requisitos PRODUCT reúne se reúne no com ciclo para o de a OWNER, em representante levanta uma desenvolvimento, Em Ao lista cada final A equipe com priorizada, do dia, ciclo do o a então cliente equipe chamado de chamada desenvolvimento, requisitos e faz reúne decide, uma com SPRINT a reunião o a partir de RETROSPECTIVA, onde verifica o que mais dessa BACKLOG representante equipe prioritários 15 lista minutos terá de DO produzido no requisitos, para PRODUTO do cliente momento promover um na incremento REUNIÃO o que visibilidade DE no será feito e funcionou bem e o que pode melhorar no produto, REVISÃO que e significa no próximo ciclo comunicação apresenta valor o que para foi o feito cliente próximo ciclo de desenvolvimento: o BACKLOG DA SPRINT REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

30 Papéis

31 Papéis no Scrum ScrumMaster: responsável por garantir que o processo é entendido e seguido Product Owner: responsável por maximizar o valor, para o cliente, do trabalho que o Time de Scrum faz Time de Scrum: é a equipe, que faz o trabalho propriamente dito

32 Papéis no Scrum: O ScrumMaster Garante a adesão do time aos valores do Scrum, práticas e regras Ajuda o Time de Scrum e a organização a adotarem o Scrum Remove os impedimentos que atrapalham o trabalho do Time de Scrum Ajuda o Time de Scrum a usar o auto-gerenciamento e a multidisciplinaridade, a ser mais produtivo e a ter mais qualidade O ScrumMaster não gerencia o Time de Scrum: o Time de Scrum é auto-organizável

33 Papéis no Scrum: O Product Owner Gerencia a lista de requisitos (Backlog do Produto) através do contato frequente com o(s) cliente(s), e garantir sua visibilidade a todos Assegura o valor do trabalho realizado pelo Time de Scrum: garante o ROI do cliente Gerencia a visão do produto: estabelece, mantém e comunica Gerencia as entregas do produto para o cliente É sempre uma pessoa, e não um comitê. Mas pode ser aconselhado/influenciado por outras pessoas Suas decisões devem ser respeitadas: ninguém mais pode mudar as prioridades

34 Papéis no Scrum: O Time de Scrum É a equipe de desenvolvimento do projeto, com 5 a 9 membros, que: Transformam a lista de requisitos (Backlog do Produto) em incrementos de funcionalidades potencialmente entregáveis em cada iteração São multidisciplinares: todo conhecimento necessário para gerar o incremento Não há títulos no Time de Scrum Gerenciam a iteração de desenvolvimento São auto-organizáveis: ninguém diz ao Time de Scrum como transformar o Backlog do Produto em incrementos entregáveis.

35 O Ciclo do Scrum

36 Backlog do Produto O Product Owner levanta com o(s) cliente(s) os requisitos mais prioritários naquele momento REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

37 Backlog do Produto O Product O Product Owner Owner levanta insere com estes o(s) cliente(s) requisitos requisitos no BACKLOG mais prioritários DO naquele PRODUTO momento REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

38 O que é o Backlog do Produto? É uma lista incompleta e dinâmica dos requisitos do produto, ordenados por prioridade de desenvolvimento A prioridade é determinada por: valor que gerará ao cliente naquele momento, risco e necessidade Contém funcionalidades, correções de bugs, tecnologias e melhorias que constituem a mudança que será implementada no produto O Product Owner é o responsável por atualizar, priorizar e dar visibilidade ao Backlog do Produto Nunca está completo evolui à medida que o produto e o ambiente evoluem Seus itens possuem descrição e estimativa em pontos de esforço. Itens do alto da lista são de menor granularidade e mais detalhados

39 O que é o Backlog do Produto? É uma lista incompleta e dinâmica dos requisitos do produto, ordenados por prioridade de desenvolvimento A prioridade é determinada por: valor que gerará ao cliente naquele momento, risco e necessidade Contém funcionalidades, correções de bugs, tecnologias e melhorias que constituem a mudança que será implementada no produto O Product Owner é o responsável por atualizar, priorizar e dar visibilidade ao Backlog do Produto Nunca está completo evolui à medida que o produto e o ambiente evoluem Seus itens possuem descrição e estimativa em pontos de esforço. Itens do alto da lista são de menor granularidade e mais detalhados

40 Reunião de Planejamento da Sprint REUNIÃO DIÁRIA O Time de Scrum então se reúne com o Product Owner e decide, a partir do Backlog do Produto, o que será feito no próximo ciclo de desenvolvimento: o BACKLOG DA SPRINT BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

41 O que é a Reunião de Planejamento da Sprint? Planejamento da iteração: Time de Scrum e Product Owner defininem que itens do Backlog do Produto serão implementados na Sprint e os quebram em tarefas - Backlog da Sprint 1a. Parte: O quê? Escolha de itens mais prioritários do Backlog do Produto a serem implementados Definição da Meta da Sprint 1a. Parte: Como? Time de Scrum quebra itens em tarefas e estima o tempo que levará para realizar cada tarefa

42 O que é o Backlog da Sprint? Composto por uma lista dos itens que serão desenvolvidos durante a Sprint, as tarefas correspondentes, o andamento e as estimativas Os itens são selecionados do Backlog do Produto na Reunião de Planejamento da Sprint Cada item é quebrado em tarefas. Parte das tarefas é definida no Planejamento da Sprint, parte ao longo do Sprint O Backlog da Sprint é modificado ao longo da Sprint estimativas são atualizadas, tarefas podem surgir para os itens já existentes Deve ter alta visibilidade Pertence ao Time de Scrum

43 O que é o Backlog da Sprint? Composto por uma lista dos itens que serão desenvolvidos durante a Sprint, as tarefas correspondentes, o andamento e as estimativas Os itens são selecionados do Backlog do Produto na Reunião de Planejamento da Sprint Cada item é quebrado em tarefas. Parte das tarefas é definida no Planejamento da Sprint, parte ao longo do Sprint O Backlog da Sprint é modificado ao longo da Sprint estimativas são atualizadas, tarefas podem surgir para os itens já existentes Deve ter alta visibilidade Pertence ao Time de Scrum

44 A Sprint O Time de Scrum faz o trabalho no ciclo de desenvolvimento, a SPRINT REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

45 O que é a Sprint? (1/2) Sprint é a iteração (ciclo) de desenvolvimento Reunião de Planejamento da Sprint Trabalho de Desenvolvimento Revisão e Retrospectiva da Sprint Cada Sprint deve ter uma Meta Tem duração fixa (de 2 semanas a 1 mês) e ocorrem uma atrás da outra Duração deve contemplar horizonte curto suficiente para que mudanças não alterem a Meta ScrumMaster deve assegurar que não seja feita nenhuma mudança que afete a Meta da Sprint

46 O que é a Sprint? (2/2) Cada Sprint deve ter como saída um incremento do produto potencialmente entregável A Sprint pode ser cancelada se a Meta da Sprint perder o sentido somente Product Owner pode decidir É muito raro a Sprint ser cancelada

47 A Reunião Diária Em cada dia, o Time de Scrum faz uma reunião de 15 minutos para promover visibilidade e comunicação REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

48 O que é a Reunião Diária? Reunião de 15 minutos realizada todo dia no mesmo local, à mesma hora. Visibilidade Comunicação Decisão rápida Cada membro do Time de Scrum detalha: O que ele completou desde a última reunião diária; O que ele vai fazer antes da próxima reunião diária; Quais obstáculos estão em seu caminho. O ScrumMaster deve remover os obstáculos encontrados O gráfico de BURNDOWN deve ser atualizado!

49 O que é o Burndown da Sprint? É um gráfico que mostra a soma dos tempos estimados restantes das tarefas da Sprint pelo tempo Y: tempos estimados restantes X: dias da Sprint Serve para acompanhar o progresso em direção ao final de um sprint É feito inicialmente no Planejamento da Sprint e deve ser atualizado a cada dia da Sprint

50 O que é o Burndown da Sprint? É um gráfico que mostra a soma dos tempos estimados restantes das tarefas da Sprint pelo tempo Y: tempos estimados restantes X: dias da Sprint Serve para acompanhar o progresso em direção ao final de um sprint É feito inicialmente no Planejamento da Sprint e deve ser atualizado a cada dia da Sprint

51 Incremento no Produto Ao final da Sprint, o Time de Scrum terá produzido um incremento PRONTO no produto, que significa valor para o cliente REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

52 O que significa Pronto? Ao final da Sprint, o trabalho desenvolvido deve estar pronto Mas o que significa pronto? O Time de Scrum e o Product Owner devem definir o que significa pronto Quando alguém diz que algo está pronto, todos devem entender o que isso significa Ex. de software: codificado, testado e documentado

53 A Reunião de Revisão da Sprint O Time de Scrum então se reúne com o Product Owner e apresenta o que foi feito na REUNIÃO DE REVISÃO DA SPRINT REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

54 O que é a Revisão da Sprint? Reunião onde o Time mostra aos stakeholders o que foi feito durante a Sprint: Product Owner presente Time de Scrum demonstra o que fez e responde a perguntas Product Owner verifica o que foi e o que não foi feito na Sprint Deve prover entradas para a Reunião de Planejamento de Sprint seguinte

55 A Reunião de Retrospectiva E, em seguida, o Time de Scrum se reúne para a RETROSPECTIVA, onde verifica o que funcionou bem e o que pode melhorar na próxima Sprint REUNIÃO DIÁRIA BACKLOG DO PRODUTO BACKLOG DA SPRINT 24 HORAS INCREMENTO DO PRODUTO POTENCIALMENT ENTREGÁVEL 2-4 SEMANAS

56 O que é a Retrospectiva da Sprint? Reunião para inspecionar como correu a Sprint com relação às pessoas, relacionamentos, processos e ferramentas: Product Owner não deve estar presente Identificar e priorizar: O que foi bem? O que pode melhorar? Identificar ações para melhorias - adaptação

57 E o ciclo recomeça... BACKLOG DO PRODUTO 2-4 SEMANAS

58 Scrum vs. Métodos Tradicionais

59 Desperdício Metodologias não-ágeis afirmam que devem ser gerados inúmeros documentos para o sucesso do projeto Diagrama de Estados Cronograma Detalhado Diagramas de Sequência...algo mais? Termo de Abertura Diagrama de Atividades Relatório de Desempenho Declaração Preliminar de Escopo Diagrama de Componentes Diagrama de Pacotes Pedidos de Mudança Plano de Gerenciamento do Projeto Relatório de Encerramento Relatório de Progresso Diagrama de Colaboração Relatório de Aceite Análise de Earned Value Documento de Lições Aprendidas Diagrama de Casos de Uso

60 Desperdício Metodologias não-ágeis afirmam que devem ser gerados inúmeros documentos para o sucesso do projeto Diagrama de Estados Cronograma Detalhado Diagramas de Sequência...algo mais? O custo de produção e manutenção destes documentos compensa? Termo de Abertura Diagrama de Atividades Relatório de Desempenho Declaração Preliminar de Escopo Diagrama de Componentes Diagrama de Pacotes Pedidos de Mudança Plano de Gerenciamento do Projeto Quantos destes documentos se Relatório de Encerramento Relatório de Progresso manterão atualizados? Quantos serão realmente úteis para o desenvolvimento do projeto? Diagrama de Colaboração Relatório de Aceite Análise de Earned Value Documento de Lições Aprendidas Diagrama de Casos de Uso

61 Desperdício Em projetos típicos, 50% do tempo é gasto com requisitos, arquitetura e especificação Análise de Requisitos Especificação / Arquitetura Implementação Testes Manutenção e isso tudo é feito antes de se construir qualquer funcionalidade! Fonte: Standish Group CHAOS Report

62 Desperdício Em projetos típicos, 50% do tempo é gasto com requisitos, arquitetura e especificação Análise de Requisitos Especificação / Arquitetura Implementação Testes Manutenção e para piorar... 35% dos requisitos mudam 65% das funcionalidades nunca ou raramente serão utilizadas Fonte: Standish Group CHAOS Report

63 Desperdício Com Scrum, o projeto deve ter somente a documentação suficiente e necessária. Ou seja, adote somente o que será usado. Afinal, o objetivo do projeto é o produto, e não a documentação!

64 Desperdício Com Scrum, o Product Backlog é dinâmico, pois ele deve sempre acompanhar as necessidades do cliente, que mudam ao longo do projeto. Sempre serão feitas as funcionalidades que são de maior importância para o cliente no momento anterior ao início de cada sprint. Assim, o que for entregue, deverá ser usado pelo cliente.

65 Maior Valor Primeiro Em metodologias nãoágeis, o cliente só percebe retorno ao investimento no final do projeto. Entrega

66 Maior Valor Primeiro No Scrum, O Product Owner deve sempre alimentar e reordenar o Product Backlog, priorizando os itens de maior valor para o cliente. Assim, Scrum garante que os itens de maior valor sejam entregues primeiro, gerando ROI para o cliente frequentemente.

67 Maior Valor Primeiro A priorização do Product Backlog pelo maior valor permite à organização: entregar resultados para seu cliente mais rápido que a concorrência colocar em produção funcionalidades que agregam maior valor a seu negócio mais rapidamente lançar produtos e novas versões no mercado mais rapidamente

68 Mudanças Frequentes Como as metodologias tradicionais lidam com a mudança? Mudança é indesejada! Mudança é arriscada! Mudança é cara! Mudança deve ser negociada! Como quase todo o planejamento é feito no começo do projeto, há pouquíssimo espaço para mudanças!

69 Mudanças Frequentes Como as metodologias tradicionais lidam com a mudança? O contrato com escopo amarrado deve nos defender! O cliente vai querer mudar tudo! Cada mudança deve ser negociada com o cliente! Seu impacto deve ser quantificado! Cada mudança deve ser revista, aprovada, planejada, documentada e gerenciada!

70 Mudanças Frequentes Gerenciamento da mudança é fonte de estresse em projetos que utilizam metodologias não-ágeis. Estresse no relacionamento de longo prazo com o cliente. Estresse no dia-a-dia da equipe de desenvolvimento.

71 Mudanças Frequentes Como o Scrum lida com a mudança? Scrum encara a mudança como parte natural do processo de desenvolvimento Manifesto ágil: responder às mudanças mais que seguir um plano

72 Mudanças Frequentes Como o Scrum lida com a mudança? O Product Backlog é constantemente atualizado pelo Product Owner......e assim, mudanças já podem ser introduzidas no produto na sprint seguinte! A resposta rápida à mudança pode se transformar em vantagem competitiva!

73 Comunicação Em um projeto waterfall, quando o cliente é encorajado a participar? Análise de Requisitos Especificação / Arquitetura Implementação Testes Manutenção Testes de Aceitação O cliente percebe o projeto como uma grande caixa preta, cujo conteúdo será revelado apenas no final do processo

74 Comunicação Assim, ao final do projeto, o resultado dificilmente atenderá às necessidades do cliente naquele momento!

75 Comunicação Como o Scrum lida com a comunicação? O Product Owner está em frequente contato com o cliente para levantar suas necessidades......e assim manter o Product Backlog constantemente atualizado e priorizado.

76 Comunicação Como o Scrum lida com a comunicação? O cliente recebe frequentemente novas versões......e assim pode mais rapidamente dar feedback para a equipe, via Product Owner.

77 Comunicação Como o Scrum lida com a comunicação? Desta forma, o cliente se sente envolvido em todo o processo......compartilhando com a equipe a responsabilidade sobre o projeto......aumentando seu grau de confiança na equipe e no processo.

78 Comunicação A relação com o cliente deixa de ser meramente comercial, e passa a contemplar: Parceria Cumplicidade Satisfação Fidelidade E assim, cria-se uma relação de longo prazo com o cliente.

79 Comunicação Em metodologias não-ágeis, como se promove a visibilidade no projeto para seus stakeholders? Principalmente através de documentação......que dá muito trabalho...que não é eficiente...que não se mantém atualizada...que acaba deixada de lado

80 Comunicação No Scrum, a visibilidade no projeto é constantemente promovida! Reuniões diárias Kanban Equipe em um mesmo ambiente Envolvimento do cliente Gráficos de Burndown Entregas frequentes Reunião de Revisão Retrospectiva...são alguns exemplos.

81 Comunicação Manter comunicação aberta entre os stakeholders do projeto é a melhor forma de garantir que todos saibam o que deve ser feito e o que está sendo feito. Isso gera aumento de produtividade!

82 Scrum na Petrobras Case de Sucesso

83 Material para estudo Acesse: Material Disponível: Esta apresentação Guia do Scrum em Português Artigo sobre waterfall de Winston Royce Artigo The New New Product Development Game, de Takeuchi e Nonaka CHAOS Report Scrum Executivo, por Alexandre Magno PPT: Por que Scrum é a melhor opção em tempos de crise Material ficará disponível para download durante a semana.

84 Rafael Sabbagh Obrigado! Marcos Garrido

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Outubro de 2011 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Índice O propósito do Guia do Scrum... 3 Visão geral do Scrum...

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks S C R U M Apresentação Tiago Domenici Griffo Arquiteto de Software na MCP, MCAD, MCSD, MCTS Web, Windows e TFS, ITIL Foundation Certified, MPS.BR P1 Experiência internacional e de offshoring Agradecimento

Leia mais

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 Tradução Heitor Roriz Filho Michel Goldenberg Rafael Sabbagh Revisão Anderson Marcondes Ânderson Quadros Ari do

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL CARLOS

Leia mais

Um pouco de história

Um pouco de história SCRUM Um pouco de história 1950 Taiichi Ohno Um pouco de história 1986 1950 Takeuchi & Nonaka Taiichi Ohno Um pouco de história 1993 1986 1950 Ken Schwaber Takeuchi & Nonaka Taiichi Ohno Um pouco de história

Leia mais

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Fevereiro 2010 Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Agradecimentos Geral Scrum é baseado nas melhores práticas aceitas pelo mercado, utilizadas e provadas por décadas. Ele é

Leia mais

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil Casa do Código Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº9.610, de 10/02/1998. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, nem transmitida, sem autorização prévia por escrito da editora,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland O Guia do Scrum O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo Julho 2011 Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Traduzido para o Português por José Eduardo Deboni (eduardodeboni.com)

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software

Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software Prof. Rafael Dias Ribeiro, M.Sc, CSM, CSPO,PMP. http://www.rafaeldiasribeiro.com.br DESORDENADO Fonte: ORDENADO 1 DESORDENADO Teoria da Complexidade (Cynefin

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T Evento técnico mensal Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T : Organização Apoio 1 de xx Agenda Porque o framework Scrum? O contexto de Scrum no PMBOK O que é

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software

Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software Treinamento SCRUM Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazê-lo. Através

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Curso Certified ScrumMaster (CSM)

Curso Certified ScrumMaster (CSM) e Curso Certified ScrumMaster (CSM) 1. Perfil do Instrutor MICHEL GOLDENBERG (CSM, CSPO, CSP, CST) Michel Goldenberg é co-fundador do Grupo de usuário Scrum de Montreal, um dos maiores grupos de usuários

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Caxias do Sul, 16 de Agosto 2013 Gustavo Casarotto Agenda O Scrum Planejamento da Sprint 1 Execução da Sprint 1 Revisão da Sprint 1 Retrospectiva da Sprint

Leia mais

Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis

Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis Processos Ágeis Aprenda o que são processos ágeis Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis Leonardo Simas, Osias Carneiro, Vagner

Leia mais

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE AUTO PEÇAS Renan Malavazi Mauro Valek Jr Renato Malavazi Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse Sistema de Gerenciamento de AutoPeças A aplicação

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Scrum Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Baseado em slides de Mike Cohn mike@mountaingoatsoftware.com traduzidos e adaptados por

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Iniciando com uma Apresentação (Instrutor, Alunos e Palestra) Apresentação do Professor Sou Bacharel

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Uma breve apresentação Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Definição informal: Estratégia em um jogo de rugby onde jogadores colocam uma bola quase perdida novamente em jogo através de trabalho em

Leia mais

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo O Guia do Scrum O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo Outubro 2011 Índice Propósito do Guia Scrum... 3 Scrum visão global... 3 A Estrutura Scrum... 3 Teoria do Scrum... 4 Scrum... 5 A equipa Scrum...

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Reuse in a Distributed Environment

Reuse in a Distributed Environment Reuse in a Distributed Environment É possível aplicar APF em um Ambiente Ágil? Alcione Ramos, MSc, CFPS, PMP, CSD Cejana Maciel, MSc, Scrum Master, ITIL, COBIT Ponto de função é coisa dos anos 70. É uma

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br O que é agilidade? Agilidade: Rapidez,

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis

Introdução a Métodos Ágeis Introdução a Métodos Ágeis Insanidade, é repetir, interminavelmente, o mesmo processo, sempre à espera de um resultado diferente. Albert Einstein Joshua Kerievski sugere uma abordagem humana : Trabalhar

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Prof. Silvestre Labiak Jr. UTFPR Gestão da Produção Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos

Leia mais

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc.

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc. Projetos Ágeis aplicados a TI Júlio Cesar da Silva Msc. Apresentação Graduação em Matemática e TI MBA em Gestão em TI Mestre em Administração Certificado ITIL, Cobit e ScrumMaster Professor Graduação Professor

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM CEETEPS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FATEC DE TAUBATÉ HABILITAÇÃO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TEMA MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL:

Leia mais

SCRUM. Desenvolvimento e gerenciamento ágil. www.tecproit.com.br

SCRUM. Desenvolvimento e gerenciamento ágil. www.tecproit.com.br SCRUM Desenvolvimento e gerenciamento ágil Adilson Taub Júnior Process Manager tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; COBIT Certified;

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Jutta Eckstein Encontro Ágil 2009 1 Agilidade é Quente Gerenciamento Ágil de Projetos Testes Ágeis Arquitetura Ágeis Offshore Ágil Investimento Ágil PLM

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software ADRIANA TAVARES FIGUEIREDO Graduaçao em Licenciatura para Computação UNILASALLE RJ / 2006 Pós Graduada em Design Estratégico e MKT Management ESPM RJ

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais