Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva"

Transcrição

1 Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva

2 A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial Unidade III 3. Ativo Imobilizado Unidade IV 4. Ativo Intangível

3 3. Ativo Imobilizado 3.1 Conceito de imobilizado 3.2 Custo contábil 3.3 Bens que não precisam ser ativados 3.4 Gastos com reparos e manutenção 3.5 Depreciação Taxas de depreciação Cálculo da depreciação método das quotas constantes ou da linha reta Valor residual

4 3. Ativo Imobilizado Depreciação (...) Bens depreciáveis Bens não depreciáveis Bens adquiridos usados Depreciação acelerada contábil Conj. instalações ou equipamentos 3.6 Apuração do resultado na baixa de bens do imobilizado 3.7 Amortização 3.8 Exaustão

5 3. Ativo Imobilizado 3.1 Conceito de imobilizado As contas a ser classificadas no imobilizado estão previstas no art. 179, inciso IV, da Lei nº 6.404/76, modificadas pela Lei nº /07: Art. 179 As contas serão classificadas do seguinte modo: IV. no ativo imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle de bens.

6 3.1 Conceito de imobilizado O imobilizado é formado por bens corpóreos necessários à manutenção das atividades operacionais da empresa: 1. bens em operação 2. depreciação, amortização e exaustão acumulada 3. imobilizações em andamento

7 3. 1 Conceito de Imobilizado bens em operação: terrenos; edificações; máquinas e equipamentos; móveis e utensílios; instalações (elétricas, hidráulicas etc.); veículos; ferramentas; equipamentos informática (hardwares);

8 peças de reposição; sistemas aplicativos (softwares); benfeitorias em propriedade de terceiros; direitos de recursos minerais; direitos de recursos florestais

9 3. 1 Conceito de Imobilizado 2. depreciação, amortização e exaustão acumulada Depreciação Exaustão Amortização edificações sistemas aplicativos direitos sobre recursos máquinas e equipamentos ( software) minerais móveis e utensílios benfeitorias em propriedade direitos sobre recursos instalações de terceiros florestais veículos ferramentas peças de reposição equipamentos de informática

10 3. 1 Conceito de Imobilizado 3. imobilizações em andamento: obras em andamento; importações em andamento de bens do imobilizado; adiantamentos a fornecedores para bens do imobilizado

11 3. Ativo Imobilizado 3.2 Custo contábil O registro será pelo custo de aquisição ou produção e todos os gastos necessários para colocá-los em condições de funcionamento. São custos: o preço de compra, inclusive impostos de importação e impostos não recuperáveis sobre a compra, deduzido de descontos comerciais e abatimentos; (...) Não devem ser classificados como custo: custo para abrir novas instalações; custo para introduzir novo produto, inclusive custos de propaganda promoção;

12 3.2 Custo contábil Importante: Os encargos financeiros de empréstimos e financiamentos de terceiros para a construção ou montagem de bens do imobilizado devem ser capitalizados até o momento em que o bem estiver em condições de operação (Deliberação CVM 193/96).

13 3.2 Custo contábil Exemplo: Aquisição de equipamentos para uso no valor de $ com 20% de ICMS e 10% de IPI. Outros gastos: Frete $ 800, com de 5% de ISS Instalação do equipamento $ 500 Reparo com o uso: Após um mês, o defeito de instalação custou $ 300 Por quanto deve ser registrado o ativo?

14 3.2 Custo contábil Exemplo Resolução: Valor do equipamento ,00 IPI (10%) ,00 Total da nota fiscal ,00 ICMS (20%) ,00 Valor da compra ,00 (-) ICMS a recuperar...(22.000,00) (+).Frete...800,00 (+) Gastos com instalação ,00 (=) Total ,00

15 3.2 Custo contábil Exemplo Resolução: Contabilização: D Equipamentos ,00 D ICMS a recuperar ,00 C - Caixa ,00 Importante: O gasto com o reparo deve ser contabilizado como despesas/ CIF D Despesas com reparos/cif 300,00 C Caixa 300,00

16 Interatividade Entende-se por ativo imobilizado: a) Todos os bens de uma empresa. b) Somente os bens adquiridos em nome da empresa. c) Todos os bens corpóreos, desde que sejam adquiridos à prazo. d) Aqueles bens que servem à operação da empresa e ainda, são corpóreos. e) Todos os bens registrados no ativo da empresa.

17 3.3 Bens que não precisam ser ativados De acordo com o art. 301 do RIR/99, não precisa ser registrado no ativo imobilizado para posterior depreciação, sendo computado diretamente como custo de produção ou despesa operacional, conforme o caso, o custo de aquisição de: I. vida útil: inferior a um ano II. valor unitário: inferior a $ 326,61, mesmo com vida útil seja superior a um ano(*) (*) ver exceções no Livro Texto

18 3.3 Bens que não precisam ser ativados... III. Formas para calçados, facas e matrizes (moldes) para confecção de partes de calçados utilizadas pelas indústrias calçadistas; IV.Louças e guarnições de cama, mesa e banho utilizadas por empresas que exploram serviços de hotelaria, restaurantes e atividades similares.

19 3.4 Gastos com reparos e manutenção De acordo com o art. 346 do RIR/99, os gastos com reparos, conservação ou substituição de partes de bens do ativo imobilizado que resultem no aumento de vida útil superior a um ano deverão ser incorporados ao valor do bem, para servirem de base a futuras depreciações no novo prazo de depreciação previsto para o bem recuperado: Obs: maiores detalhes, ver Livro Texto.

20 3.4 Gastos com reparos e manutenção Exemplo: Bem adquirido em 01/01/X ,00 100% Depreciação acumulada até 30/06/x8 = 54 meses,ou seja, 4 anos e meio à tx 10% a.a ,00 45% Parte não depreciada = VC 55.00,00 55% Custo das peças substituídas em julho/x8, com aumento de vida útil estimada em 2 anos ,00

21 3.4 Gastos com reparos e manutenção Exemplo transferência da depreciação acumulada para o valor original do bem: Novo valor do bem : VC + Reparo ,00 Novo prazo de vida útil (66 m + 24m) 90 meses Nova taxa de depreciação (100% / 90 meses x 12 meses) 13,3333% a.a. Valor da depreciação ao ano ( ,00 x 0,133333) ,00 Obs: sem a transferência do deprec.acumulada, teremos tx depr.diferente, porém com o mesmo valor da depreciação anual: L.Texto

22 3.5 Depreciação A depreciação de bens classificados no imobilizado está prevista na Lei nº 6.404/76, art. 183: Art No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios: (...) os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão; (...)

23 3.5 Depreciação Taxas de depreciação Regra geral, a taxa de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual se possa esperar a utilização econômica do bem na produção de seus rendimentos, ficando assegurado ao contribuinte o direito de computar a quota efetivamente adequada às condições de depreciação de seus bens, desde que faça a prova dessa adequação quando adotar taxa diferente (RIR/99, art. 310).

24 Taxas de depreciação A SRF baixou a IN nº 162/1998 e IN nº 130/1999, determinando os prazos de vida útil e as taxas de depreciação. Bens Taxa a.a Prazo:anos Edifícios 4% 25 Máquinas e equipamentos 10% 10 Móveis e utensílios 10% 10 Instalações 10% 10 Veículos 20% 5 Ferramentas 20% 5 Equipamentos de informática 20% 5 Softwares 20% 5

25 Cálculo da depreciação método das quotas constantes ou da linha reta A quota de depreciação será determinada mediante a aplicação da taxa anual de depreciação sobre o custo de aquisição dos bens depreciáveis. A quota anual de depreciação será ajustada proporcionalmente no caso de período de apuração com prazo de duração inferior a doze meses, e de bem acrescido ao ativo, ou dele baixado, no curso do período de apuração.

26 Cálculo da depreciação método das quotas constantes ou da linha reta Exemplo Aquisição máquina $ em abrilx1. Uso em 01/05/X1. Calcular a depreciação para BP: 31/12/X1. Taxa anual: 10% a.a. Período da depreciação: 8 meses Taxa anual ajustada: 0,10x 8 x 100 = 6,66% 12 Depreciação: x 0,0666 = Contabilização D -Despesas de depreciação C- Depreciação acumulada 2.400

27 Cálculo da depreciação método das quotas constantes ou da linha reta Importante: Além desse método, existem outros métodos alternativos, como o método da soma dos dígitos dos anos, método das unidades produzidas, método de horas trabalhadas, que não serão tratados neste estudo pela pouca aplicabilidade, sendo o método das quotas constantes utilizado pela maioria das empresas.

28 Valor residual Há casos, mesmo ao término de sua vida útil, o bem depreciado apresenta um determinado valor de revenda no mercado valor residual. Se a empresa assim o desejar, e for possível estimar o valor residual do bem, a quota de depreciação poderá ser ajustada levando em consideração o valor residual da seguinte forma: Quota deprec. = custo aquisição (-) v.res. vida útil do bem

29 Valor residual Exemplo: Custo de aquisição do bem = $ ,00 Vida útil esperada = 10 anos ou 10% ao ano Valor residual estimado = $ ,00(*) Quota deprec. = (-) =$ a.a 10 anos Ao final do décimo ano, quando o bem estiver 100% depreciado, no BP ficará: Custo de aquisição ,00 (-) Deprec.acumulada... ( ,00) (=) Valor contábil ,00 (*)

30 Bens depreciáveis Objeto de depreciação : todos os bens físicos sujeitos a desgaste pelo uso, por causas naturais ou obsolescência, inclusive: I. edificações e construções desde que: a) a quota de depreciação é dedutível a partir da época da conclusão das obras e do início da sua utilização; b) o valor das edificações deve estar destacado do valor do custo de aquisição do terreno, admitindo-se, no caso de imóvel adquirido construído, o destaque baseado em laudo pericial; II. projetos florestais destinados à exploração dos respectivos frutos

31 Bens não depreciáveis Não podem ser depreciados: a) terrenos, salvo em relação a melhoramentos u construções; b) prédios e construções não alugados nem utilizados na produção dos rendimentos da empresa ou destinados à revenda; c) bens que normalmente aumentam de valor com o tempo: obras de arte e antiguidades; d) bens para os quais sejam registradas quotas de exaustão (florestas destinadas ao corte e jazidas minerais).

32 Interatividade Todos os bens adquiridos em nome da empresa e para uso em suas operações devem ser ativados. Você concorda? a) Sim, o Art.183 da legislação pertinente, assim determina. b) Sim, afinal de contas precisam ser depreciados com o uso no tempo. c) Não, somente aqueles com duração de mais um ano, considerando-se as exceções. d) Não, os bens alugados serão registrados como despesas ou custos do período, dependendo do setor o qual será registrado. e) Sim, inclusive os bens importados.

33 Bens adquiridos usados De acordo com o art. 311 do RIR/1999, a taxa de depreciação de bens adquiridos usados é fixada tendo em vista o maior dos seguintes prazos: a) metade da vida útil admissível para o bem adquirido novo; b) restante da vida útil do bem considerada em relação à primeira instalação para utilização.

34 Bens adquiridos usados Exemplo : Aquisição: máquina usada com 2 anos Vida útil estimada: anos Tempo de uso: 24 meses ou.. 2 anos Metade do prazo de vida útil... 5 anos Restante de vida útil... 8 anos Dos dois o maior prevalece 8 anos. Taxa = 100% 8 anos = 12,5% ao ano

35 Depreciação acelerada contábil O art. 312 do RIR/1999 determina: Em relação aos bens móveis, poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de depreciação acelerada: I. um turno de oito horas = 1,0; II. dois turnos de oito horas = 1,5; III. três turnos de oito horas = 2,0.

36 Depreciação acelerada contábil Exemplo: Uma máquina adquirida por $ ,00, em 01/05/X0, em funcionamento : 01/07/X0. Utilização: três turnos de oito horas Apurar a depreciação no exercício de X0. Deprec.normal ( x 0,10 12 x 6)= $ (x) Coeficiente de depr. Acelerada.. 2,0 (=) Depreciação contábil... $ 7.000

37 Conjunto de instalações ou equipamentos Conforme o art. 310, 3º, do RIR/1999: Quando o registro do imobilizado for feito por conjunto de instalações ou equipamentos, sem especificação suficiente para permitir aplicar as diferentes taxas de depreciação de acordo com a natureza do bem, e o contribuinte não tiver elementos para justificar as taxas médias adotadas para o conjunto, será obrigatória a utilização das taxas aplicáveis aos bens de maior vida útil que integram o conjunto.

38 3.6 Apuração do resultado na baixa de bens do imobilizado O valor contábil de um item do imobilizado deve ser baixado quando: a) alienado; b) não se prevê obter benefícios econômicos futuros com seu uso ou venda. Os ganhos ou perdas decorrentes da baixa de um item do imobilizado devem ser reconhecidos no resultado não operacional e devem ser determinados como a diferença entre o valor líquido da venda, se houver, e o valor contábil do item.

39 3.6 Apuração do resultado na baixa de bens do imobilizado Exemplo: Venda, à vista, de um veículo adquirido em 01/03/X4 por $ ,00 e vendido em 31/10/X5 por $ ,00 Custo de aquisição ,00 (-) Deprec. acumulada (39.000,00 x 20% 12 x 20)...(13.000,00) (=)Valor contábil ,00 Valor da venda ,00 (-) Valor contábil...(26.000,00) (=) Ganho na venda do veículo ,00

40 3.6 Apuração do resultado na baixa de bens do imobilizado Exemplo Contabilização: Pela baixa do custo do veículo D = Resultado baixa imobilizado C = Veículos Pela baixa da depreciação acumulada D = Depreciação acumulada C = Resultado baixa imobilizado Pela contabilização da venda D = Caixa C = Resultado baixa imobilizado

41 3.7 Amortização A amortização de bens classificados no imobilizado está prevista na Lei nº 6.404/76, art. 183: Art No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios: (...) IV. os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão; (...)

42 3.7 Amortização O cálculo da amortização leva em consideração o tempo durante o qual o bem incorpóreo pode ser explorado economicamente. O tempo utilizado no cálculo da amortização pode ser: 1. estabelecido em lei que regule os direitos sobre o bem incorpóreo; 2. fixado em contrato por intermédio do qual foi adquirido o bem incorpóreo; 3. decorrente da natureza do bem, quando sua existência ou duração é limitada.

43 3.7 Amortização Exemplo: Uma empresa comercial alugou um imóvel pelo prazo de 05 anos, cujo contrato determina que o locador não indenizará as benfeitorias realizadas pelo locatário. Ocorrências: a) prazo do contrato de locação = 5 anos b) prazo de vida útil = 25 anos c) tempo gasto construção salão = 2 meses d) custo da construção = $ ,00

44 3.7 Amortização Exemplo... A amortização deverá ser feita em função do prazo do contrato, por ser o menor, e a partir do término de sua construção, ou seja, quando o salão estiver em condições de operar, portanto, 58 meses. Amortização: meses = 431,03 m Contabilização D = Despesas de amortização 431,03 C = Amortização acumulada 431,03

45 3.8 Exaustão A exaustão de bens classificados no imobilizado está prevista na Lei nº 6.404/76, art. 183: Art No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios: (...) V os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão; (...)

46 3.8 Exaustão Direitos sobre recursos minerais Direitos sobre recursos florestais Obs: exemplos, ver Livro Texto.

47 Interatividade Sobre a Depreciação, pode-se afirmar que: a) Trata-se de uma operação contábil, porém facultativa às empresas. b) Será apurada somente em empresas que trabalham com um turno, ou seja, oito horas de trabalho. c) Deverá ser computada no resultado do período, sempre que houver bens corpóreos adquiridos pela empresa. d) Trata-se de uma redução na apuração do lucro do mês, porém, somente sobre os bens físicos em uso e destinados à operação da empresa. e) As taxas da depreciação são informadas pelo Conselho Federal de Contabilidade.

48 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) O art. 183, 3º, da Lei nº /07 determina que os ativos devem ser avaliados ao valor recuperável. Art No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios: (...) 3º A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a recuperação dos valores registrados no imobilizado, no intangível e no diferido, a fim de que sejam:

49 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) I. registradas as perdas de valor do capital aplicado quando houver decisão de interromper os empreendimentos ou atividades a que se destinavam ou quando comprovado que não poderão produzir resultados suficientes para recuperação desse valor; ou II. revisados e ajustados os critérios utilizados para determinação da vida útil econômica estimada e para cálculo da depreciação, exaustão e amortização

50 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), que tem por objetivo o estudo, o preparo e a emissão de pronunciamentos técnicos sobre procedimentos de contabilidade e a divulgação de informações dessa natureza, também emitiu um pronunciamento sobre o assunto: CPC 01 Redução ao valor recuperável de ativos.

51 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) E, ainda, o IBRACON Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, por meio da Norma e Procedimento de Contabilidade NPC nº 7 Ativo Imobilizado, nos itens 47 a 49 estabelece a necessidade de se verificar a capacidade de geração de caixa dos ativos. Obs: O Livro Texto traz na íntegra tais procedimentos.

52 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) De acordo com o CPC-01 Redução ao valor de recuperação de ativos: Identificação de um Ativo que pode estar desvalorizado: 7. Um ativo está desvalorizado quando o seu valor contábil excede seu valor recuperável (...) Se não houver indicação 8. de uma possível desvalorização, exceto escrito no item 9 (Ativo Intangível) este Pronunciamento não exige que uma entidade faça uma estimativa formal do valor recuperável.

53 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) A entidade deve avaliar, no mínimo ao fim de cada exercício social, se há alguma indicação de que um ativo possa ter sofrido desvalorização. Se houver alguma indicação, a entidade deve estimar o valor recuperável do ativo. (..) 10.Ao avaliar se há alguma indicação de que um ativo possa ter desvalorização, uma entidade deve considerar, no mínimo, as seguintes indicações: Fontes externas mercado Fontes internas obsolescência

54 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) Reconhecimento e mensuração de uma perda por desvalorização: 56.Os itens 57 a 61 estabelecem as exigências para reconhecer perdas por desvalorização para um ativo individual com exceção do ágio decorrente de rentabilidade futura (goodwill). (...) 57. Se, e somente se, o valor recuperável de um ativo for menor do que o seu valor contábil, o valor contábil do ativo deve ser reduzido ao seu valor recuperável. Essa redução representa uma perda por desvalorização do ativo.

55 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) A perda por desvalorização do ativo deve ser reconhecida imediatamente no resultado do período a menos que o ativo tenha sido reavaliado.qualquer desvalorização de um ativo reavaliado deve ser tratada como uma diminuição do saldo da reavaliação.

56 59. Depois do reconhecimento de uma perda por desvalorização, a despesa de depreciação, amortização ou exaustão do ativo deve ser ajustada em períodos futuros para alocar o valor contábil revisado do ativo, menos seu valor residual, se houver, em uma base sistemática sobre a vida útil remanescente

57 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) Exemplo: A Cia.Sul possui registrado no ativo a custo de aquisição, computadores no valor de $ ,00 que já sofreram depreciação de 50% pelo uso normal. Mudanças significativas no ambiente tecnológico mostram evidências de obsolescência desses computadores, de forma que reduz o valor recuperável a $ ,00.

58 3.9 Redução ao valor recuperável do imobilizado (impairment test) Exemplo Resolução: Computadores ,00 (-) Deprec.acumulada... ( ,00) ) (=) Valor contábil ,00 (-) Valor recuperável ,00 (=) Provisão p/ desvalorização ,00

59 Contabilização: D = Perdas desvalorização (DRE) ,00 C = Provisão perdas desvalor. (ANC) ,00 Balanço Patrimonial: Computadores custo de aquisição ,00 (-)Depreciação acumulada... ( ,00) (-)Prov. perdas desvalorização... ( ,00) (=)Valor contábil ,00

60 Interatividade Um ativo está desvalorizado quando o seu valor contábil excede seu valor recuperável (...). Pode-se entender que: a) O percentual utilizado para cálculo da depreciação não foi adequado. b) A depreciação gerada na operação será considerada como indedutível para fins fiscais. c) Somente com a venda de tal ativo, será possível aumentar o caixa da empresa. d) Trata-se apenas de operação gerencial. e) A empresa deverá efetuar a provisão de perda.

61 ATÉ A PRÓXIMA!

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment.

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment. USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111-Contabilidade e Análise de Balanço DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6., Intangível e Impairment Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I AULA MODELO SOBRE DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO Conceito a) Legislação Societária

Leia mais

CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS Prof. Mauricio Pocopetz APLICAÇÃO Observação O CPC 01 não se aplica somente ao ativo imobilizado; Praticamente todo ativo está sujeito ao teste de recuperação; OBJETIVOS

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Publicada no D.O.U nº 223, de 20/11/2012 Seção 1 p. 140 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Cria o Manual de Procedimentos para a Depreciação dos Bens Patrimoniais no âmbito do Sistema

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

Prof. a Germana Chaves

Prof. a Germana Chaves DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO. 1. CONCEITO Depreciações, Amortizações e Exaustões: reduções de valor de ativos, em virtude de desgaste pelo uso, ação da natureza, superação tecnológica, exercício

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

Depreciação de Bens do Ativo. Imobilizado. 6 ª edição tlob 1

Depreciação de Bens do Ativo. Imobilizado. 6 ª edição tlob 1 Depreciação de Bens do Ativo Imobilizado 6 ª edição ------- tlob 1 Depreciação de Bens do Ativo Imobilizado CLEÔNIMO DOS SANTOS é bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Orientação Técnica Geral 06. OTG/GTCON ESTATAIS N 06 Tratamento Contábil de Imóveis Invadidos

Orientação Técnica Geral 06. OTG/GTCON ESTATAIS N 06 Tratamento Contábil de Imóveis Invadidos Orientação Técnica Geral 06 OTG/GTCON ESTATAIS N 06 Tratamento Contábil de Imóveis Invadidos TERMO DE APROVAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG/GTCON ESTATAIS Nº 06 Tratamento Contábil de Imóveis Invadidos

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AÇÃO SOCIAL NOSSA SENHORA APARECIDA DO MANTIQUEIRA CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL AÇÃO SOCIAL NOSSA SENHORA APARECIDA DO MANTIQUEIRA CNPJ: Folha 59 BALANÇO PATRIMONIAL (Valores expressos em milhares de reais) ATIVO 2009 2008 PASSIVO 2009 2008 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa 13 2.938 Empréstimos e financiamentos Banco 3.874 6.202 Fornecedores

Leia mais

"Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013

Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário Apresentação APIMEC 28/02/2013 "Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013 AGENDA Práticas contábeis específicas à atividade imobiliária Assuntos polêmicos Pontos de atenção para análise de

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS 1 CONCEITO Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Contribuições 27/01/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

NPC - NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTABILIDADE

NPC - NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTABILIDADE Objetivo NPC - NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTABILIDADE NPC 7 - Pronunciamento Instituto dos Auditores Independentes do Brasil - IBRACON nº 7 de 18/01/2001 ATIVO IMOBILIZADO 1. O objetivo deste Pronunciamento

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

DECRETO Nº 3.379/2015

DECRETO Nº 3.379/2015 Publicado no Jornal "O Presente" em 24/06/2015, Edição nº 4114, Página nº 29 DECRETO Nº 3.379/2015 SÚMULA: Dispõe sobre a obrigatoriedade de realizar os procedimentos para reavaliação, redução ao valor

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Períodos findos em 30 de Setembro de 2014 em 31 de dezembro de 2013 Em Milhares de Reais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Períodos findos em 30 de Setembro de 2014 em 31 de dezembro de 2013 Em Milhares de Reais NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Períodos findos em 30 de Setembro de 2014 em 31 de dezembro de 2013 Em Milhares de Reais 1. Contexto operacional A empresa é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO. Índice: Capítulo II Disposições Gerais... 3

PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO. Índice: Capítulo II Disposições Gerais... 3 AVISO N.º [XX/2015] PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO Índice: Capítulo I... 3 Disposições Gerais... 3 Capítulo II... 3 Prazos e Métodos de Amortização... 3 Capítulo III... 7 Disposições Finais... 7 1 Aviso

Leia mais

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 T20 TEMA

Leia mais

Depreciação Programada: Um Novo Método, Adequado ao Dinamismo de um Novo Ambiente

Depreciação Programada: Um Novo Método, Adequado ao Dinamismo de um Novo Ambiente Depreciação Programada: Um Novo Método, Adequado ao Dinamismo de um Novo Ambiente João Carlos Hopp Antonieta Elisabete Magalhães Oliveira Arthur Ridolfo Neto Carlos Roberto dos Santos Copia Eduardo Ramos

Leia mais

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14 Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº 12.973/14 Sergio André Rocha Professor de Direito Financeiro e Tributário da Uerj. Livre-Docente em Direito Tributário pela USP. Sócio Fundador de Sergio

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34 Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais (*) exploração, no contexto deste Pronunciamento, se refere à fase entre a obtenção do

Leia mais

Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Contabilidade Geral e Societária Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Contabilidade Geral e Societária Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova SMF Niterói ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL E SOCIETÁRIA Olá amigos, Trago para vocês

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL ÓRGÃO/ENTIDADE: TÍTULO DO TRABALHO: Análise contábil das operações, saldos

Leia mais

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011 1 Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos direitos, das 2012 2013 2014 obrigações e provisões por competência. Elaboração de procedimentos para Metodologia de reconhecimento e mensuração dos direitos

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 Sumário Prefácio à 10ª Edição, xxi Prefácio à 1ª Edição, xxiii Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 1 Noções de Comércio e de Instituições Comerciais, 3 1.1 Conceito de comércio, 3 1.2 Origens

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01- FCC 2014 A Cia. Investidora adquiriu 90% das ações da Cia. Gama por R$ 5.000.000,00. Na data da aquisição, o Patrimônio Líquido da Cia. Gama era de R$ 3.500.000,00 e o valor justo líquido dos ativos

Leia mais

FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Aspectos Patrimoniais: Identificação, Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Normas

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

A aliaç aliaç e V ida Útil CPC 27 E ICPC 10

A aliaç aliaç e V ida Útil CPC 27 E ICPC 10 CPC 27 E ICPC 10 Março 2010 Qual o tempo que um bem gera resultados econômicos positivos para uma entidade? Os períodos atualmente considerados estão consistentes com a realidade? Existem defasagens entre

Leia mais

CPC 27 ATIVO IMOBILIZADO

CPC 27 ATIVO IMOBILIZADO CPC 27 ATIVO IMOBILIZADO Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Considerações Iniciais Conceito de imobilizado Reconhecimento inicial do custo Critério de avaliação dos ativos imobilizados

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global Impactos para empresas de capital intensivo As normas do CPC 27 afetam uma série de empresas, em especial,

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Profa. Divane Silva. Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

Profa. Divane Silva. Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Objetivos Gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: Enfatizar a consciência

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013 PARTIDO: BALANÇO PATRIMONIAL ORGÃO DO PARTIDO UF EXERCÍCIO CÓDIGO CONTA Saldos em 31/12/2014 Saldos em 31/12/2013 CÓDIGO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 2.1. PASSIVO CIRCULANTE 1.1.1. ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO

Leia mais

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda.

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda. PARTE 7 DEPRECIAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Método Linear 3. Método de Cole ou da Soma dos Dígitos 4. Método Exponencial 5. Exercícios resolvidos 1. Introdução Depreciação significa desvalorização.

Leia mais

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $ CISÃO 1 INTRODUÇÃO A cisão é um processo no qual uma companhia transfere parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, extinguindo-se a companhia

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Classificações do ativo Além de classificar a conta como ativo, precisamos ser proficientes

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Aula 6 Investimentos: Método da Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada 1 Ágio ou Deságio Ocorre quando a investidora adquire um investimento, que será avaliado pelo Método

Leia mais

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014 www.pwc.com.br IN RFB 1.515/2014 Janeiro, 2015 Painel 1 Novo marco legal - geral: Extinção do RTT Novos CPCs Procedimentos de transição e adoção inicial Subcontas Mercado de capitais : Custos e despesas

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA CONTROLE INTERNO 1/13 1) DOS OBJETOS: 1.1) Estabelecer as diretrizes, normas e procedimentos para avaliação do patrimônio público - reavaliação, da estimativa de vida útil e da respectiva depreciação, amortização ou exaustão,

Leia mais

CASO PRÁTICO N.º 5. Regime da Normalização Contabilística para Microentidades FORMAÇÃO À DISTÂNCIA. Curso DIS3711

CASO PRÁTICO N.º 5. Regime da Normalização Contabilística para Microentidades FORMAÇÃO À DISTÂNCIA. Curso DIS3711 CASO PRÁTICO N.º 5 Regime da Normalização Contabilística para Microentidades FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Curso DIS3711 AVELINO AZEVEDO ANTÃO ARMANDO TAVARES JOÃO PAULO MARQUES Abril 2011 1/8 A empresa Micrológica

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

Demonstrações Contábeis Decifradas

Demonstrações Contábeis Decifradas RESOLUÇÃO A resolução dessa questão demanda a capacidade de classificação dos elementos patrimoniais e do resultado como componentes dos fluxos de caixa das atividades operacionais, de investimento e de

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

O Decreto-Lei n.º 66/2016, de 3 de novembro estabelece um regime facultativo de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento.

O Decreto-Lei n.º 66/2016, de 3 de novembro estabelece um regime facultativo de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento. ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 Regime de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento... 2 Procedimento de reavaliação... 3 Certificação por entidades externas... 5 Regime fiscal do regime

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

I - Avaliação patrimonial: a atribuição de valor monetário a itens do ativo e do

I - Avaliação patrimonial: a atribuição de valor monetário a itens do ativo e do DECRETO Nº 174/2014-GP Institui a obrigatoriedade de realizar os procedimentos de reavaliação, redução ao valor recuperável de ativos, depreciação, amortização e exaustão dos bens do Município de Aracati,

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

A Lei /2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15

A Lei /2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15 A Lei 12.973/2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15 Sumário de Apresentação 1. Introdução: Combinação de Negócios CPC 15 2. Custo

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4

PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4 Qualquer dispêndio de recursos financeiros seja ele direto ou indireto, para transformação de riquezas naturais denominadas de matéria prima e insumos, gastos

Leia mais

Contabilidade Geral: Ativo Intangível: 2. Vida Útil e Divulgação. Resumo: 1) Introdução: 2) Vida útil do Ativo intangível:

Contabilidade Geral: Ativo Intangível: 2. Vida Útil e Divulgação. Resumo: 1) Introdução: 2) Vida útil do Ativo intangível: Contabilidade Geral: Ativo Intangível: 2. Vida Útil e Divulgação Resumo: Veremos no presente Roteiro como deve ser aferida a vida útil dos Ativos Intangíveis e das regras para divulgação de informações

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012 ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 4.983 DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a realização de inventário e de procedimentos de avaliação, redução ao valor recuperável, depreciação, amortização e exaustão dos

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Lucros não Realizados na Consolidação das D.C Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Situações A empresa B vendeu para a controlada A mercadorias por R$ 140.000

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 101 (ESAF/ANALISTA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO 2010) Durante

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32. Tributos sobre o Lucro. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32. Tributos sobre o Lucro. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32 Tributos sobre o Lucro Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12 Índice OBJETIVO Item ALCANCE 1 4 DEFINIÇÕES 5 11 Base

Leia mais

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO Cálculo IV CONSIDERAÇÕES INICIAIS Razão para uso da depreciação: a) Avaliação de um bem (móvel/imóvel), pelo valor de mercado; b) Representa

Leia mais

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO DMPL Professora Yasmin F. S. Fernandes CONCEITO A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) é um relatório contábil que visa a evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais