UM OLHAR SOBRE A ITÁLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM OLHAR SOBRE A ITÁLIA"

Transcrição

1 UM OLHAR SOBRE A ITÁLIA

2 Apresentação Esta publicação sobre Itália vem no seguimento de outra, editada há dois anos, neste caso sobre Portugal e dirigida ao mundo empresarial italiano, tal como esta se destina aos empresários portugueses. O intuito é o mesmo, dar a conhecer melhor os nossos dois países. E se, com a primeira, procurámos contribuir para quebrar a barreira de uma certa falta de interesse que os operadores económicos italianos manifestam em relação a Portugal (apesar das muitas afinidades e semelhanças), com esta queremos desfazer alguns preconceitos que ainda persistem junto dos empresários portugueses acerca de pretensas dificuldades que o mercado italiano supostamente apresenta. E se conhecer-se melhor ajuda a relacionar-se melhor, não há dúvida que uma atitude livre de condicionamentos que, em nosso entender, são mais psicológicos do que reais, permitiria aos operadores portugueses concretizar as potenciais vantagens que podem advir de um relacionamento mais estreito com a Itália. De facto, é nossa opinião que o modelo de desenvolvimento industrial e comercial italiano pode representar para Portugal o mais ajustado ponto de referência na busca de um modelo produtivo mais competitivo País praticamente sem matérias-primas, com uma estrutura produtiva predominantemente transformadora, articulada numa malha de pequenas e médias empresas, muitas vezes organizada em "distritos industriais" (em certa medida o equivalente aos "clusters"), com sectores de excelência a nível mundial (motorística, metalo-mecânica, moda, mobiliário, agro-alimentar, artigos para o lar, para referir os principais) e com uma balança comercial sempre e largamente activa desde o início dos anos '90, a Itália apresenta hoje o modelo produtivo que poderia vir a ser o de Portugal, se se conseguir entrar no mesmo caminho. E criar parcerias, estabelecer acordos de produção e de comercialização, adquirir patentes, colaborar, por outras palavras, com empresários italianos não apresenta desafios diferentes dos que se enfrentam normalmente quando se pretende internacionalizar a actividade de uma empresa. Filippo Montera Presidente da Câmara de Comércio Italiana em Portugal

3 A GEOGRAFIA A península italiana, com as suas ilhas adjacentes, desenvolve-se na direcção da costa africana, ocupando uma posição central na Europa mediterrânica. É graças a esta posição geográfica que a Itália teve, desde sempre, relações directas com as mais diversas esferas culturais e étnicas tanto do Velho Mundo (neolatino, germânico e eslavo-balcânico), como dos países do norte de África, ou seja, com o mundo árabe muçulmano e com a sua cultura. A Itália pode, assim, ser considerada como o elo de ligação ideal entre a Europa e os povos do norte de África e do Médio Oriente, virados todos para o mesmo mar e herdeiros de laços histórico-culturais seculares. O território italiano constitui a 35ª fracção da Europa e ocupa uma superfície de Km 2. A sua fronteira setentrional é constituída pelos Alpes, através dos quais a Itália confina com a França, Suíça, Áustria e a Eslovénia. Todo o restante território italiano é circundado pelas águas do Mar Mediterrâneo. A península itálica é atravessada por uma longa coluna vertebral - os Apeninos - e do país fazem também parte duas grandes ilhas, a Sicília e a Sardenha, além de vários outros pequenos arquipélagos. A Itália apresenta uma morfologia bastante variada, com cerca de um quarto do seu território (23%) constituído por planícies, um terço (35%) por áreas montanhosas e 42% por áreas de colinas. Os Alpes constituem uma frente com cerca de 110 km, ao longo de toda a zona setentrional da Itália, de Ocidente para Leste. A planície padana tem cerca de 42 Km 2 tendo sido formada, hidrogeograficamente, pela acção secular do Rio Pó, o maior da Itália. Os Apeninos têm mais de 1200 km de comprimento. Devido à sua posição geográfica situada no centro da zona temperada, a Itália apresenta uma grande variedade de condições climatéricas. De facto é influenciada tanto pelas correntes atmosféricas húmidas e temperadas provenientes do Oceano Atlântico, como pelas correntes frias e secas provenientes do Leste da Europa. As diferenças de temperatura entre os meses de Inverno e os meses de Verão são muito marcadas na área setentrional e menos nas áreas meridionais e costeira. 1

4 Quanto à precipitação, ela é mais elevada nos Alpes e nos Apeninos (mais de 3000 mm), enquanto que as planícies, incluindo a formada pelo Rio Pó, registam fraca precipitação (geralmente menos de mm). Por fim, no Sul da Itália, a precipitação desce para menos de 600 mm. No que se refere aos cursos de água são poucos os que ultrapassam os 100 km. O Rio Pó, com os seus 652 km de comprimento, é o maior de todos. Os restantes rios são muito influenciados pelas condições climatéricas, alternando entre os regimes de cheia no Inverno e de seca no Verão. A Sicília e a Calábria são as regiões mais atingidas por este tipo de estio. Os mares italianos assumem diferentes denominações: a) Mar Adriático b) Mar da Ligúria c) Mar Jónio d) Mar Tirreno 2

5 O SISTEMA POLÍTICO ITALIANO Após o Referendo de 2 de Junho de 1946 a Itália transformou-se numa República, regendo-se a partir de então por uma Constituição - em vigor desde 1 de Janeiro de cujo artigo 1º afirma que: A Itália é uma República democrática assente no trabalho». O ordenamento republicano garante, de acordo com um modelo que é comum às democracias ocidentais, um Sistema Político inspirado no princípio da repartição de poderes (legislativo, executivo, judicial). O PARLAMENTO: A estrutura do Parlamento é composta por duas Câmaras, a Câmara dos Deputados (formada por 630 membros) e o Senado da República (composto por 315 elementos). A duração do mandato parlamentar é de 5 anos. O GOVERNO: O Primeiro-ministro não é eleito pelo povo, mas sim pelo Presidente da República; todavia, na sua qualidade de garante da unidade nacional, o Presidente da República não pode eximir-se de respeitar a vontade popular expressa nas urnas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: é eleito pelo Parlamento reunido em sessão ordinária na qual participam também os representantes das Regiões. O seu mandato é de 7 anos. O Presidente da República promulga as leis, é o Chefe das Forças Armadas e preside ao Conselho Superior de Magistratura, órgão através do qual os próprios Magistrados gerem a classe. Como se pode ver, a Itália não optou nem por um sistema presidencial (modelo americano), nem por um sistema semipresidencial (modelo francês ou português), na medida em que o Chefe do Estado desempenha apenas funções de controlo e garante do respeito pela Constituição na vida política da Nação. A MAGISTRATURA: detentora do poder judicial, a magistratura italiana é independente de qualquer outro poder e tem o seu próprio órgão de gestão no Conselho Superior da Magistratura. ÓRGÃOS AUXILIARES DO ESTADO: TRIBUNAL CONSTITUCIONAL: é o garante da constituição em todas as divergências relacionadas com a legitimidade constitucional das leis e dos actos com força de lei do Estado e das Regiões. 3

6 TRIBUNAL DE CONTAS: exerce o controlo prévio da legitimidade dos actos de governação, para além de controlar a gestão das contas do Estado. CONSELHO DE ESTADO: é um órgão de consultoria jurídicoadministrativa e de defesa dos princípios de justiça na administração pública. CONSELHO NACIONAL DA ECONOMIA E DO TRABALHO (CNEL): é o órgão de consultoria das Câmaras e do Governo, nomeadamente no que se refere às matérias de carácter económico e social. AS AUTONOMIAS LOCAIS: do ponto de vista administrativo e territorial o País está dividido em Regiões, Províncias e Concelhos. REGIÕES: A Itália está dividida em 20 Regiões (Art.º 131): Piemonte, Valle d'aosta, Lombardia, Trentino-Alto Adige, Veneto, Friuli-Venezia Giulia, Ligúria, Emilia-Romagna, Toscânia, Umbria, Marche, Lazio, Abruzzo, Molise, Campania, Puglia, Basilicata, Calábria, Sicília e Sardenha. Cinco delas (Sicília, Sardenha, Valle d'aosta, Trentino Alto Adige e Friuli-Venezia Giulia) são regiões que (por razões étnico-geográficas) detêm um estatuto especial, gozando de autonomia política, administrativa e financeira. As Regiões italianas são governadas por um Conselho Regional e por um Presidente da Região que, à frente da Junta Regional, detém o poder executivo. O Presidente da Região é eleito directamente pelo povo. O território regional está, por sua vez, dividido em PROVÍNCIAS, cada uma das quais está subdividida em CONCELHOS. As PROVÍNCIAS e os CONCELHOS são entidades autónomas organizadas politicamente de forma similar às Regiões. 4

7 A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Não é por acaso que a Administração pública italiana sempre teve a reputação de elefantíaca, vexatória e inimiga do cidadão. Dos Ministérios nacionais aos Departamentos públicos territoriais, o leitmotiv sempre foi o de filas intermináveis, tempos de espera excessivos, extrema complexidade da burocracia e custos muito elevados na obtenção de certidões e outros documentos. A partir da segunda metade dos anos noventa foi lançado um processo que visava conferir autonomia e descentralização em matéria de administração pública. Na prática quotidiana, as principais novidades que esta reforma global trouxe ao cidadão italiano e estrangeiro são as seguintes: 1. AUTOCERTIFICAÇÃO: graças à qual deixou de ser necessário requerer dezenas de certidões e de pagar os respectivos emolumentos. Deste modo, sob responsabilidade penal por falsas declarações, é possível proceder à autocertificação dos seguintes elementos: - dados pessoais e estado civil, - títulos académicos e qualificações profissionais, - situação económica, física e rendimentos, - situação jurídica, - outros dados Não é possível autocertificar: - atestados sanitários e veterinários, - certificados de conformidade CE, - certificados de marcas e patentes. Como se faz a autocertificação: - é apresentada em papel simples, assinado pelo interessado, sem reconhecimento de assinaturas e sem selo, - pode ser apresentada por outra pessoa ou ser enviada por correio ou fax. Quem a pode efectuar: - os cidadãos italianos, - os cidadãos da União Europeia, - os cidadãos extracomunitários residentes em Itália apenas podem autocertificar os dados e factos passíveis de verificação junto de entidades públicas ou privadas italianas. 5

8 A autocertificação permitiu que a administração pública reduzisse o número de certificados emitidos de em 1996 para em BILHETE DE IDENTIDADE ELECTRÓNICO (ainda em fase experimental) permite aos cidadãos aceder directamente aos serviços da Administração Pública sem sair de casa, podendo usufruir, entre outras coisas, da assinatura digital. 3. BALCÃO ÚNICO (tipo Centro de Formalidades das Empresas ou Loja do Cidadão): a sua tarefa é fornecer às Empresas um interlocutor único para todo o conjunto de actos administrativos relativos à vida de uma qualquer actividade económica. Deste modo, basta um só procedimento para o arranque das actividades, ficando assim assegurada a redução dos tempos de resposta da Administração (de 2 a 5 anos antes da reforma, para 3 a 11 meses garantidos pelo Balcão Único). Actualmente os Balcões Únicos servem 69% da população italiana. ADMINISTRAÇÃO NA INTERNET: com base no plano de acção do e-government, o Governo dotou toda a Administração Pública de sites na Internet nos quais é assegurada a máxima informação ao utente, ao mesmo tempo que possibilita o relacionamento directo entre o cidadão e a própria Administração. 6

9 AS ASSOCIAÇÕES SINDICAIS, PATRONAIS E OUTRAS O sindicalismo italiano tem as suas raízes nas lutas operárias do começo do século XX. Foi em 1906 que nasceu a CGIL - Confederazione Generale del Lavoro (Confederação Geral do Trabalho), organização que se propõe representar todas as aspirações das classes trabalhadoras. Ilegalizada pelo regime fascista, a organização sindical dos trabalhadores italianos reaparece no segundo pós-guerra, sendo afectada pelas divisões resultantes do novo clima imposto pela guerra fria. Em 1950, após as cisões internas da CGIL, nasceram a Confederação Italiana dos Sindicatos dos Trabalhadores (Cisl - Confederazione Italiana Sindacati Lavoratori) e a União Italiana do Trabalho (Uil - Unione Italiana del Lavoro). A Cisl reúne a tradição do sindicalismo católico e republicano, agrupando assim as forças políticas do governo e a hegemónica Democracia Cristã. A Uil, ao contrário, rege-se por ideias laicas, democráticas e socialistas, alinhando-se, também ela na frente anticomunista. A Cgil, portanto, sendo inicialmente um sindicato unitário, reduz-se à posição de bastião do sindicalismo comunista, próximo do PCI, com uma fortíssima capacidade de mobilização das massas. Embora continuando a manter, no seu conjunto, a hegemonia da representação dos trabalhadores, estas três organizações não esgotam o panorama sindical italiano, que contínua pontuado por uma miríade de organizações substancial ou formalmente apartidárias, autónomas e independentes. As mais importantes destas são: A CISAL - Confederação Italiana dos Sindicatos Autónomos dos Trabalhadores (Confederazione Italiana Sindacati Autonomi Lavoratori): bem implantada sobretudo no sector público, isto é, junto dos funcionários do Estado. A Ugl - União Geral do Trabalho (Unione Generale del Lavoro): formada por diversas forças sindicais de menor peso, mas de tendência aproximada, situase politicamente na área do centro-direita. Os Cobas - Confederação dos Comités de Base (Confederazione dei Comitati di Base): nascem da auto-organização do mundo sindicalista da extrema- 7

10 esquerda. Actualmente os Cobas representam a realidade mais combativa do sindicalismo italiano. Se, com efeito, o mundo do trabalho se caracteriza por um grande fraccionamento organizativo, a área patronal apresenta-se bastante mais coesa, com as grandes empresas perfeitamente identificadas com a Confindustria. A Confindustria nasce em 1910 com a finalidade de representar o emergente empresariado italiano. A sua longa história faz com que seja, actualmente, a principal organização representativa das empresas de serviços e manufactureiras em Itália, com uma rede associativa da qual fazem parte 18 federações regionais, 105 associações territoriais, 13 federações sectoriais, 111 associações sectoriais, 257 organizações associadas, envolvendo um total de empresas e empregados. A Confindustria apresenta-se perante o poder político administrativo e as organizações sindicais e sociais como o principal interlocutor para o sistema económico empresarial italiano. Importa ainda destacar algumas organizações fundamentais para a vida associativa do mundo do trabalho: A Confcommercio que, com as suas empresas associadas, dá voz ao mundo das Pequenas e Médias Empresas (comércio, turismo e serviços). A Confagricoltura, cujas empresas associadas cobrem 70% das jornadas de trabalho do sector agrícola. A Confartigianato dá voz a cerca de empresas artesanais. A Unioncamere é a organização que coordena as 102 Câmaras de Comércio italianas operantes no território nacional e as 60 Câmaras de Comércio italianas existentes no estrangeiro. Esta estrutura representa um importante instrumento ao serviço das mais de empresas italianas inscritas, tanto no que se refere à sua presença e às suas necessidades no mercado interno e externo, como no tocante à representação das suas exigências junto dos órgãos do poder político e da administração pública. 8

11 O TURISMO As civilizações que se foram sucedendo ao longo dos tempos da etrusca, à grega e à romana, para continuar na Idade Média, com a Itália dei comuni (as cidades-estado), a Renascença deixaram um património artístico inestimável: monumentos, igrejas, palácios, castelos, museus e cidades são testemunhos desta riqueza ímpar. E sem pretender fazer uma lista exaustiva (que encheria páginas e páginas) citamos apenas os locais, as cidades, as obras e os artistas mais famosos. *** Com base nas civilizações a que aludimos acima, pode ser traçado um mapa das mais importantes cidades de arte italianas: Vestígios da Civilização Etrusca encontram-se em Volterra, Arezzo, Perugia, Orvieto, Tarquinia, Ancona, Chieti. A Magna Grécia (do Século VIII a.c.), com a sua arquitectura civil e religiosa, em Nápoles, Paestum, Reggio, Taranto, Siracusa, Agrigento, Selinunte, Segesta, Taormina, Palermo, Catania, Messina. A Roma imperial (do Século VIII a.c. ao Século V d.c.), deixou-nos quase intactos até aos nossos dias importantes edifícios e estradas em Pompeia, Hercolano, Turim, Milão, Trieste, Aquileia, Verona, Bolonha, Spoleto, Cagliari. A concepção urbanística da Alta Idade Média (Século IV-XI d.c.) modelou Ravena e principalmente Siena, exemplo único da arquitectura da Itália dei Comuni (as cidades-estado). O ressurgimento do gosto clássico pode ser encontrado no estilo Românico (Séculos XI-XIII d.c.) de Ferrara, Pisa, Lucca, Assis. Do Gótico (Séculos XII-XIV d.c.) são símbolos cidades como Florença, Siena, Pisa, Pistoia, Arezzo, Veneza, Pádua, Verona, Vicenza, Jesi. Além disso, todos estes centros italianos - dos maiores aos mais pequenos - conservam inúmeras obras que testemunham os mais diversos paradigmas pictóricos, escultóricos e arquitectónicos. 9

12 Estes são: O Gótico (Séculos XII e XIV d.c.): da arquitectura dos irmãos Pisano, aos frescos do toscano Giotto, considerado o génio do Século XIV. A Renascença (Séculos XV e XVI d.c.): entre os centros da Toscânia e do Veneto trabalham os maiores artistas de todos os tempos: Brunelleschi, Donatello, Masaccio, Paolo Uccello, Piero della Francesca, Botticelli, Perugino, Mantegna, Giorgione, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Raffaello, Bramante, Tiziano. O Maneirismo (Séculos XVI e XVII d.c.): da chama da Renascença desenvolvem-se as obras arquitectónicas do Palladio e escultóricas de Sansovino e do Cellini. Na pintura destacam-se Tintoretto, Veronese, Vasari, Correggio, Parmigianino. O Barroco (Séculos XVII-XVIII d.c.) : a Roma do arquitecto Borromini e o Veneto dos colegas Canaletto e Tiepolo, além de Canova, expoente do neoclassicismo e romantismo (XVIII-XIX sec. d.c.). Esta breve síntese demonstra que o património artístico a que se pode ter acesso em Itália é ímpar no mundo. Segundo dados da UNESCO, 50% das riquezas histórico-artísticas do Planeta encontram-se em Itália. Contudo, não é só a arte que faz da Itália um destino único para os milhões de visitantes que, anualmente, chegam de todo o mundo. A natureza oferece também uma vasta série de oportunidades, tanto para os amantes da montanha como para os apreciadores do mar. No tocante ao panorama das montanhas, basta recordar a riqueza do sistema alpino italiano. De facto, os Alpes se numa das encostas se repartem pela França, Suíça, Áustria e Eslovénia, na outra pertencem por inteiro à Itália. Ao longo dos 110 km da frente montanhosa, encontram-se estâncias de neve famosas em todo o mundo, não só para os que praticam desportos de Inverno, mas também para os amantes do excursionismo. A oferta turística italiana, por outro lado, é completada pela rede de lagos que existem um pouco por toda a península e que oferecem destinos preciosos para os amantes da cultura, do desporto e para quem procura tranquilidade e diversão. A norte encontra-se o Lago de Garda (368 km 2 ), Lago Maggiore, Lago de Lugano, Lago de Iseo e Lago de Como. Na Itália central encontram-se os lagos vulcânicos de Albano, Nemi, Bracciano, Vico Trasimeno e Bolsena. 10

13 Val d Aosta Courmayeur e Valle del Gran San Bernardo são localidades famosas pela neve e pelo folclore. A Lombardia abriga a zona do Val Camonica. O Veneto as localidades de Arabba, Asiago, com os seus 7 concelhos, Cortina d Ampezzo e Sapada. O Trentino Alto Adige é famoso pelas localidades da Província de Bolzano: Gruppo Ortles, Val Gardena, Alpe di Siusi, Val Pusteria e Val Senales; e as localidades da província de Trento: Altipiani di Folgaria, Madonna di Campiglio, San Martino di Castrozza, Val di Fassa, Val di Fiemme, Val di Non, Val Sugana. Em Friuli-Venezia Giulia, enfim, toda a região de Piancavallo. Entre as localidades referidas aparecem as verdadeiras jóias que são os Dolomitas, 200 km de paredes rochosas que representam não só uma paisagem única de alta montanha, mas que oferecem também uma rede de pistas de ski de altíssima qualidade. Os principais locais dos Dolomitas são, apenas para dar alguns exemplos, Alleghe (com 270 km de pistas de ski), Cortina d Ampezzo (160 km), San Martino di Castrozza, Sappada (50 km), para além de Marmolada e das Valli. Ao longo de mais de 7000 km de costa, partindo de Noroeste, encontra-se a Riviera da Ligúria, com Cinque Terre, San Remo e a Costa dei Fiori; a Toscânia, com as várias localidades marítimas da costa tirrénica e particularmente a Versilia (Forte dei Marmi); a Campânia com a sua Costa Amalfitana, o Golfo de Sorrento e as Ilhas de Capri e Ischia; a Costa Jónica na Calábria, toda a costa insular Sicíliana e em particular as ilhas Égadas, as Eólias e a Ilha de Panarea; na Sardenha o Arquipélago da Madalena e a Costa Esmeralda. Do lado do Adriático, ao longo da costa pugliese encontra-se Santa Maria di Leuca, as Ilhas Tremiti e toda a zona de Gargano (Peschici e Vieste); a marchegiana Riviera del Conero; as famosíssimas estâncias balneárias da riviera romagnola: os Lidi Ferraresi, Rimini e Riccione; Jesolo na Lagoa Veneta e Lignano Sabbiadoro no golfo de Trieste. A importância do sector turístico é também sublinhada pelo facto de o mesmo contribuir com 5,5% para o PIB italiano, com uma dinâmica em constante aumento. 11

14 A DEMOGRAFIA Segundo os dados do ISTAT a 1 de Janeiro de 2000, a população italiana era de pessoas, continuando a verificar-se predominância da população feminina ( , ou seja, 51,4%) sobre a masculina ( , cerca de 48,6%). O número de famílias era de , com uma média de 2,6 membros por cada uma. O factor que mais influencia este trend da demografia italiana, que não é propriamente positivo, é o baixo índice de natalidade que se situa numa média de 1,5 filhos por mulher. Do ponto de vista territorial, o Noroeste alberga 26,2% da população italiana, a pouca distância do Sul (24,4%). Abaixo dos 20% está o Centro com 19,3%, o Nordeste com 18,5% e as Ilhas com apenas 11,6% da população italiana. Homens Mulheres Total População residente a 1 de Janeiro Nados vivos Mortos Saldo natural Registados Cancelados Saldo migratório População residente a 31 de Dezembro As previsões do ISTAT apontam um aumento dos residentes em Itália para Este ligeiro crescimento demográfico não dependerá, porém, dos chamados naturais. Tal como em muitas outras realidades europeias, este aumento de sinal positivo é dado não pelos cidadãos autóctones, mas sim pelas comunidades de emigrantes residentes no território nacional. Se, com efeito, a taxa de crescimento (por 1000 habitantes) é de -0,2 para os naturais, a correcção para positivo acontece graças aos emigrantes que, com a sua taxa de crescimento de +1,9, estabilizam a taxa de crescimento total em +1,7. Nos próximos 10 anos o ISTAT prevê que perante a estabilização da taxa de crescimento dos estrangeiros (sempre em torno de 1,9), assistir-se-á a uma progressiva deterioração do mesmo valor para os naturais italianos, até atingir uma taxa de crescimento demográfico, prevista para 2010, de -1,6. 12

15 O SISTEMA CONTRATUAL ITALIANO O sistema contratual italiano é constituído por um sistema bidimensional, baseado em dois níveis contratuais (nacional e local), acompanhados por uma terceira dimensão" (interconfederal). CONTRATAÇÃO DE PRIMEIRO NÍVEL CONTRATAÇÃO DE SEGUNDO NÍVEL TIPO DE CONTRATO Contratação Interconfederal Contratação triangular (ou concertação) Contratação empresarial integrativa Contratação territorial NÍVEL QUEM CONTRATA O QUE SE CONTRATA Nacional Confederações - Protocolos de sindicais (Cgil, Cisl, entendimento sobre Uil) e Organizações as relações patronais industriais (Confindustria, etc) - Constituição de entidades bilaterais - Formação profissional - Ambiente - Previdência complementar Nacional Confederações Contrato Nacional sindicais (Cgil, Cisl, Colectivo de Trabalho Uil), Organizações (CCNL): patronais - sistemas de (Confindustria, etc.) qualificação e Governo - salários mínimos das categorias - promoções - horários - direitos sindicais - férias - etc. Empresa ou grupo Província ou região Representações Matérias remetidas sindicais de pelos CCNL, direitos empresa (RSU*) sindicais, informação, salário variável, reestruturação, cassa integrazione, formação Organizações sindicais de território e respectivas contrapartes de categoria ou associativas Salários variáveis, representações sindicais 13

16 * RSU: são as Representações Sindicais Unitárias, nascidas em 1991 graças ao acordo celebrado entre Cgil, Cisl e Uil. Garantem, através de eleição por parte dos trabalhadores no seio das empresas, a unicidade sindical, principal garante do papel de primeiro plano dos sindicatos confederados e da sua política nacional a nível de contratação de segundo nível. AS NOVAS FORMAS DE TRABALHO A evolução das novas tecnologias e a expansão da new economy determinaram, nos últimos anos, em Itália como no resto da Europa, um forte desenvolvimento das chamadas novas formas de trabalho, caracterizadas por um acentuado grau de flexibilidade tanto em entrada como em saída. Os principais contratos a que estão sujeitas estas novas figuras profissionais são: TIPO DE CONTRATO ESTÁGIOS E TIROCÍNIOS TRABALHO INTERINALE O PART-TIME O TRABALHO ATÍPICO O QUE É OS SUJEITOS NOTAS Não constituem relações de Os Sujeitos Prómotores A tendência dos trabalho entre entidades de tanto podem Estágios e Tirocínios acolhimento (empresas) e ser entidades está em forte estagiários públicas como crescimento organismos privados É um contrato de trabalho Agência de trabalho Este trend encontrade aluguer por tempo de cedência de -se em alta determinado" estipulado mão-de-obra entre a empresa de cedência de mão-de-obra e o Trabalhador trabalhador que deverá prestar serviço numa empresa privada O trabalhador presta A Empresa São as grandes e serviço apenas uma parte médias empresas as do horário normal de O trabalhador em mais interessadas trabalho part-time nos contratos em part-time. O part-time em Itália está em crescimento, lento mas constante É designado como um Empresas Os "colaboradores" "contrato de colaboração não têm vínculos em coordenada e continuada Trabalhadores termos de horários ou contrato de trabalho colaboradores para-subordinado". Não representa uma relação de trabalho estável no seio da organização da empresa 14

17 TELE-TRABALHO Típico de quem desenvolve uma actividade, inclusive a partir de casa, através da utilização das novas tecnologias surgidas com a difusão da Internet Empresas Administração Pública Trabalhadores O seu crescimento em Itália foi significativo PRÁTICAS EM CONTEXTO DE TRABALHO (aprendizagem) Contrato de trabalho que visa a formação profissional dos jovens trabalhadores Empresas Aprendizes: jovens dos 16 aos 24 anos Tutor: é a figura que funciona como elo de ligação entre os dois sujeitos O Contrato de Aprendizagem tem uma duração compreendida entre 18 meses e 4 anos (5 anos no caso do artesanato) Assistiu-se a uma acentuada diminuição deste tipo de contrato 15

18 AS SOCIEDADES O sistema societário italiano é regulamentado pelo Código Civil, no seu Título V do Livro V ("Do Trabalho ). O artigo 2249º indica os vários tipos de sociedade": As sociedades comerciais, que têm por objecto o exercício de uma actividade comercial tal como: - actividade industrial direccionada à produção de bens e serviços - actividade intermediária na circulação de bens - actividade de transporte terrestre, aéreo e marítima - actividade bancária e seguradora - actividades subsidiárias das actividades anteriores Estas sociedades são: SOCIEDADE EM NOME COLECTIVO (SNC) SOCIEDADES EM COMANDITA SIMPLES (SAS) SOCIEDADES POR ACÇÕES (SPA) SOCIEDADES EM COMANDITA POR ACÇÕES (SAPA) SOCIEDADES DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SRL) As sociedades simples que não têm por objecto o exercício das actividades atrás indicadas, mas que funcionam, juntamente com a SOCIEDADE SIMPLES (SS), como modelo tanto para as Sociedades em Nome Colectivo, como para as Sociedades em Comandita Simples, constituindo com as mesmas o subgrupo denominado por SOCIEDADES EM NOME PESSOAL, paralelamente ao subgrupo das SOCIEDADES DE CAPITAIS (SPA, SRL e SAPA) 16

19 As sociedades cooperativas AS SOCIEDADES EM NOME PESSOAL SOCIEDADE SIMPLES (SS) SOCIEDADES EM NOME COLECTIVO (SNC) RESPONSABILIDADES POR DÍVIDAS A sociedade com o seu património e subsidiariamente os sócios pessoalmente, solidariamente e em medida ilimitada. O credor social poderá, assim, ressarcir-se de todo o seu crédito, sobre o património da sociedade e, posteriormente, sobre o património de qualquer um dos sócios. Estes deverão pagar ao credor, para depois recuperar, pelas respectivas quotas-partes do débito, dos outros sócios. Em caso de entrada de um novo sócio, este responde também pelos débitos já existentes. Os sócios são responsáveis pessoalmente, subsidiariamente e ilimitadamente. O credor da sociedade deverá ressarcir-se sobre o capital social. Logo, sobre qualquer um dos sócios, o qual é obrigado a saldar a dívida na proporção de todo o seu património, indo depois recuperar dos restantes sócios, pelas respectivas quotas-partes do débito. NOTAS Particularmente utilizadas nas actividades agrícolas e profissionais. Para a formação da SS não é necessário um capital mínimo. Nem tão pouco são exigidas formas específicas, a não ser as que resultam da especificidade dos bens conferidos à sociedade Este tipo de sociedade é obrigada a matrícula no Registo das Empresas. 17

20 SOCIEDADES EM COMANDITA SIMPLES (SAS) O credor social deverá ser ressarcido, antes de mais, pelo património da sociedade, depois, sobre qualquer um dos sócios comanditários. Este deverá extinguir a totalidade do débito e, posteriormente, poderá recuperar dos restantes sócios comanditários, na proporção das respectivas quotas-partes da dívida. Os sócios comanditados respondem pelas dívidas apenas com a quota que detêm no património da sociedade. Compõe-se de dois tipos de sócios: Sócios Comanditários: responsáveis pela administração da sociedade e pelas dívidas com responsabilidade ilimitada, subsidiária, pessoal. Entram em falência com a falência da SAS. Sócios comanditados: responsabilidade limitada. Não entram em falência com a falência da SAS. AS SOCIEDADES DE CAPITAIS SOCIEDADES POR ACÇÕES (SPA) SOCIEDADE DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SRL) SOCIEDADES EM COMANDITA POR ACÇÕES (SAPA) Pelas obrigações sociais responde exclusivamente a Sociedade com o seu património. Neste sentido, a responsabilidade dos sócios é limitada ao capital detido. Pelas obrigações sociais responde exclusivamente a sociedade com o seu património Os sócios comanditários respondem solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais, enquanto que os sócios comanditados respondem apenas na proporção da quota de capital subscrita. Para a constituição da SPA é necessário um capital mínimo de Euros. Para a constituição da SRL é necessário um capital mínimo de Euros 18

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS Nota justificativa A dependência alimentar do exterior é bastante acentuada no nosso país, ultrapassando os

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Investimento no Estrangeiro

Investimento no Estrangeiro Investimento no Estrangeiro Estão em vigor um conjunto de medidas, que incluem apoios e vantagens fiscais concedidos em regime contratual a empresas que pretendam internacionalizar a sua actividade. Estão

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 Assunto: Auxílio estatal N 360/2005 Portugal Alteração do regime de auxílios existente Auxílios estatais a favor do desenvolvimento regional dos Açores

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER PROPOSTA DE LEI N.º 162/X/3ª ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 PARTE I - CONSIDERANDOS 1. Nota Introdutória O Governo apresentou

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.04.2001 SG (2001) D/ 288171 Assunto: Auxílio estatal N 563/2000 Portugal Sistema de incentivos para o desenvolvimento regional dos Açores (SIDER). Excelência: I. Por carta

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012 Lombardia 9,8 M hab (1º) 31.645 PIB per Capita (2º) Trentino Alto Adige 28.811 PIB per Capita (5º) Valle D Aosta 32.716 PIB per Capita (1º) Lazio 5,7 M hab (3º) 29.727 PIB per Capita (4º) Campania 5,8

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho 14 de Maio de 2009 Perguntas e respostas 1. Quais os objectivos

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Consultores de Políticas Comunitarias

Consultores de Políticas Comunitarias Documento de Trabalho para a Programação 2014-2020: RESUMO DO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÓMICO DA ZONA DE COOPERAÇÃO 16 de outubro de 2013 1. RESUMO DA ANÁLISE DO CONTEXTO ECONÓMICO, SOCIAL E TERRITORIAL DA

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais