Após enunciar uma forma do princípio de indução e usá-lo em um exemplo, passaremos a descrever duas situações envolvendo indução:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Após enunciar uma forma do princípio de indução e usá-lo em um exemplo, passaremos a descrever duas situações envolvendo indução:"

Transcrição

1 Vale para 1, para 2, para 2,..., Vale Sempre? Renate Watanabe Universidade Mackenzie Neste artigo vamos fazer, inicialmente, algumas afirmações sobre números naturais que são verdadeiras para os números 1, 2, 3 e muitos outros e vamos tentar responder à pergunta: elas são verdadeiras sempre? Após enunciar uma forma do princípio de indução e usá-lo em um exemplo, passaremos a descrever duas situações envolvendo indução: - uma, para ver se, de acordo com uma lenda, o mundo está para acabar, e - outra, para provar que inteligência é contagiosa, pois demonstraremos que havendo um aluno inteligente numa classe com n alunos, então todos os alunos da classe são inteligentes. O objetivo do artigo é enriquecer o estoque de fatos e problemas interessantes que professores colecionam para usar em momentos oportunos nas aulas que ministram. Verdadeiro ou falso? 1. n IN, n < n IN, n 2 + n + 41 é um número primo. 3. n IN*, 991n não é um quadrado perfeito. 4. n IN*, a soma dos n primeiros números ímpares é n n IN*, 2n + 2 é a soma de dois números primos. Vejamos: 1. n < 100 é uma sentença verdadeira para n = 1, n = 2, n = 3 e outros, mas tornase falsa para qualquer número natural maior do que 99. Portanto, n IN, n < 100 é uma sentença falsa 1

2 2. n 2 + n + 41 é um número primo é uma sentença verdadeira para n = 1, n = 2, n = 3 e outros. De fato, ela é verdadeira para todos os números naturais menores do que 40. Porém o número não é primo, mostrando que a sentença = 40. (40 + 1) + 41 = n IN, n 2 + n + 41 é um número primo é uma sentença falsa. Em 1772, Euler mostrou que f(n) = n 2 + n + 41 assumia valores primos para n = 0, 1, 2,..., 39. Observando que f(n 1) = f( n), vê-se que n 2 + n + 41 assume valores primos para 80 inteiros consecutivos: 40, 39,..., -1, 0, 1,..., 39. Substituindo a variável n por n 40, obtém-se f(n 40) = g(n) = n 2 79n que assume valores primos para todos os números naturais de 0 até 79 um record para trinômios do segundo grau (1) n não é um quadrado perfeito é uma sentença verdadeira para n = 1, n = 2, n = 3 e, mesmo após muitas e muitas tentativas, não se acha um número que a torne falsa. Pudera! O menor número natural n para o qual 991n é um quadrado perfeito é e, portanto, a sentença (2) n IN*, 991n não é um quadrado perfeito é falsa. 4. A soma dos n primeiros números ímpares é n 2 é uma sentença verdadeira para n = 1, n = 2, n = 3 e, como no caso anterior, após muitas e muitas tentativas, não se acha um número natural que a torne falsa. Neste caso, tal número não existe pois, como veremos adiante, esta sentença é verdadeira sempre. 5. 2n + 2 é a soma de dois números primos é uma sentença verdadeira para n = 1, n=2, n=3 e, como nos dois exemplos anteriores, após muitas e muitas tentativas, não se encontra um número natural que a torne falsa. Mas agora temos uma situação nova: ninguém, até hoje, encontrou um número que tornasse a sentença falsa e ninguém, até hoje, sabe demonstrar que a sentença é verdadeira sempre. 2

3 A sentença é a famosa conjetura de Goldbach (3) feita em 1742, em uma carta dirigida a Euler: Tudo inteiro par, maior do que 2, é a soma de dois números primos. Não se sabe, até hoje, se esta sentença é verdadeira ou falsa. Em suma, dada uma afirmação sobre números naturais, se encontrarmos um contraexemplo, saberemos que a afirmação não é sempre verdadeira. E se não acharmos um contra-exemplo? Neste caso, suspeitando que a afirmação seja verdadeira sempre, uma possibilidade é tentar demonstrá-la recorrendo ao princípio da indução. Princípio da indução finita Seja S um conjunto de números naturais, com as seguintes propriedades: 1. 0 S 2. k IN, se k S, então k + 1 S. Nestas condições, S = IN. Vamos ver como este princípio nos permite demonstrar que a sentença 4 é verdadeira. Demonstração: n IN*, a soma dos n primeiros números ímpares é n 2. Seja S o conjunto dos números naturais n para os quais a soma dos n primeiros números ímpares é n S, pois a soma dos 1 primeiros números ímpares é 1 = Vamos supor que k S, isto é, que a soma dos k primeiros números ímpares seja k 2. Vamos provar que k + 1 S, isto é, que a soma dos k + 1 primeiros números ímpares é (k + 1) 2. Estamos supondo que e queremos provar que k 1 = k k + 1 = (k + 1) 2.Basta observar que (2k 1) + (2k + 1) = k 2 + (2k + 1) = (k + 1) 2 3

4 O princípio da indução nos garante, agora, que S = IN*, ou seja, a afirmação a soma dos n primeiros ímpares é n 2 é verdadeira para todos os números naturais maiores do que zero. No 2 o. grau o professor encontra muitas oportunidades para fazer demonstrações por indução, se assim o desejar, mas não nos deteremos aqui para dar os exemplos clássicos. Uma lenda Após a criação do mundo, em um mosteiro escondido na Índia, o Grande Criador colocou uma placa de bronze e nela fixou três bastões cobertos de diamantes. Em um dos bastões, em ordem decrescente de tamanho, colocou 64 discos de ouro. E assim disse aos monges: Transfiram esta pilha de discos para outro bastão, movendo, ininterruptamente, um disco de cada vez e nunca permitindo que um disco fique acima de um menor. Quando terminarem esta tarefa e os 64 discos estiverem em outro bastão, este templo se reduzirá a pó e com um estrondo de trovões o mundo acabará. Dizem os sábios que o mundo foi criado há 4 bilhões de anos aproximadamente e os monges, desde a criação, estão movendo os discos na razão de um disco por segundo. Será que veremos o mundo acabar? É muito difícil imaginar os movimentos feitos com uma pilha de 64 discos. Imaginemos uma pilha com 1 disco: Para 1 disco, a transferência se dá com 1 movimento: m 1 = 1 Dois discos 4

5 m 2 = 3 Para 2 discos, a transferência se dá com 3 movimentos. Três discos: m 3 = 7 Quatro discos: m 4 = 15 Já se pode ver como deslocar n discos, com um menor número de movimentos possível: inicialmente, movem-se n 1 discos para o bastão de trás, com m n-1 movimentos; em seguida, move-se o n-ésimo disco para o outro bastão da frente, com 1 movimento; finalmente movem-se os n 1 discos do bastão de trás para o da frente, com m n-1 movimentos. Tem-se: m n = m n m n 1 = 2m n Façamos uma tabela com o número de discos e o número de movimentos mínimo para mudá-los de um bastão para outro: n m n Precisamos descobrir o valor de m 64 porque m 64 segundos após a criação do mundo, ele acabará e já se passaram 4 bilhões de anos! Observando a segunda linha da tabela vemos que os seus números são, a menos de 1: 2, 4, 8, 16, 32, 64, ou seja, 2 1, 2 2, 2 3, 2 4, 2 5, 2 6, o que nos leva a fazer a seguinte conjetura: m n = 2 n 1 5

6 Esta sentença é verdadeira para n = 1, 2, 3,4 5, 6, mas será verdadeira sempre? Tentemos demonstrá-la por indução. Seja S o conjunto dos números naturais n tais que n discos são movidos com 2 n 1 movimentos. 1 S, pois para 1 disco necessitamos de 1 = movimentos. Vamos supor que k S, isto é, k discos são removidos com 2 k 1 movimentos. Vamos provar que k + 1 S, isto é, que m k +1 = 2 k Para remover k + 1 discos passamos, inicialmente, k discos para o bastão de trás com m k movimentos; em seguida, com 1 movimento, o (k + 1) ésimo disco vai para o outro bastão da frente; com m k movimentos, os k discos de trás passam para o bastão da frente. Isto é, m k + 1 = m k m k. m k + 1 = 2 k k 1 = 2. 2 k 1 = 2 k e isto mostra que k + 1 S. O princípio da indução nos garante que n discos podem sempre ser removidos com 2 n 1 movimentos e, em particular, m 64 = E assim, ficamos sabendo que segundos após a criação do mundo, ele terminará. Com um pouco mais de Matemática ficaremos sabendo se isto ocorrerá logo. Façamos alguns cálculos. Quantos segundos têm um ano? Exagerando, vamos supor que os monges façam 2 25 movimentos por ano (na verdade fazem 2 39 = = > Passaram-se até hoje 4 bilhões de anos, ou seja, anos. Podemos ficar tranquilos faltam mais do que 508 bilhões de anos para os monges terminarem sua tarefa isto, supondo que eles não errem no caminho. 6

7 Os bastões com 7, 8 ou 9 discos constituem um brinquedo conhecido como Torre de Hanoi (4), inventado pelo matemático francês Edouard Lucas ( ) e já vendido como brinquedo em Um folheto o acompanhava contando a lenda acima. E. Lucas demonstrou um teorema conhecido como teste de Lucas que lhe permitiu provar, entre outros fatos, que é um número primo e este foi, até 1952, o maior número primo conhecido = (5) Alunos inteligentes O teorema que vamos enunciar e demonstrar é uma versão mais popular de uma demonstração atribuída a A. Tarski ( ) de que todos os números naturais são iguais (6). O enunciado do teorema é o seguinte: n IN*, se numa classe com n alunos um for inteligente, então todos os alunos da classe são inteligentes. Demonstração (por indução): Seja S o conjunto dos números naturais n tais que se numa classe com n alunos, um for inteligente, então todos são inteligentes S, pois se numa classe com 1 aluno, um for inteligente, então todos (ele, somente) são inteligentes. 2. Vamos supor que k S, isto é, se numa classe com k alunos, um for inteligente, então todos são inteligentes. Vamos provar que k + 1 S: Imaginemos uma classe com k + 1 alunos, dos quais um é inteligente. Vamos pedir que um dos alunos, não o inteligente, saia da classe. Restam na classe k alunos dos quais um é inteligente. Pela hipótese (k S), todos os k alunos da classe são inteligentes. Chamemos de volta o aluno que saiu. Temos k + 1 alunos dos quais, com certeza, k já são inteligentes. 7

8 Vamos pedir que um dos k alunos inteligentes saia da classe. Restam na classe k alunos dos quais um (até mais do que um) é inteligente. Pela hipótese (k S), todos os k alunos da classe são inteligentes. Chamando de volta o aluno que saiu, teremos uma classe com k + 1 alunos inteligentes, isto é, k + 1 S. Pelo princípio da indução, qualquer que seja n > 0, se numa classe com n alunos, um for inteligente, então todos são inteligentes. Mas, pela nossa experiência, infelizmente, isto é bobagem. E agora? Onde está o erro? Referências (1) Euler e a Teoria dos Números, RPM 4, p. 12. Mathematical Gems II, R. Honsberger, MAA, p. 29. (2) Induction in Geometry, L. Golovina, I. M. Yaglom, Mir, p. 8. (3) A experiência matemática, P. J. Davis, R. Hersh, Francisco Alves, p (4) Divertimentos Matemáticos, Martin Gardner, Ibrasa, p. 59. Matemática e Imaginação, E. Kasner, J. Newman Zahar, p A Torre de Hanói, Revista de Ensino de Ciência, 11, p. 21 (5) Elementos de Álgebra, L. H. Jacy Monteiro, Ao Livro Técnico, p (6) Enrichment Mathematics for High School, NCTM, p

9 Regras mnemônicas para memorizar os primeiros dígitos do número π Em inglês: YES, I HAVE A NUMBER (Sim, eu tenho um número) 3, Ou SEE, I HAVE A RHYME ASSISTING MY FEEBLE BRAIN ITS TASKS SOMETIME RESISTING 3, (Veja eu tenho uma rima ajudando meu fraco cérebro às vezes resistindo às suas tarefas). Em francês: QUE J AIME A FAIRE APPRENDRE UN NOMBRE UTILE AUX SAGES (Que eu gostaria de ensinar um número útil aos sábios) E, em português, o colega conhece algo semelhante? Com números: (enviado por José M. de Azevedo Netto, São Paulo, SP) 9

VALE PARA 1, PARA 2, PARA 3,... VALE SEMPRE?

VALE PARA 1, PARA 2, PARA 3,... VALE SEMPRE? VALE PARA 1, PARA 2, PARA 3,.... VALE SEMPRE? Renate Watanabe As afirmações abaio, sobre números naturais, são verdadeiras para os números 1, 2, 3 e muitos outros. Perguntamos: elas são verdadeiras sempre?

Leia mais

MA12 - Unidade 3 Denição por Recorrência Aplicações da Indução Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 3 Denição por Recorrência Aplicações da Indução Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Unidade 3 Denição por Recorrência Aplicações da Indução Semana de 11/04 a 17/04 Esta unidade está dividida em duas partes. Na primeira, mostraremos como denir objetos matemáticos por recorrência

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Recursividade. Aula 9

Recursividade. Aula 9 Recursividade Aula 9 Em matemática vários objetos são definidos apresentando-se um processo que os produz. Ex PI (circunferência/diâmetro) Outra definição de um objeto por um processo é o fatorial de um

Leia mais

Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos

Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos Indução Matemática Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos O Princípio da Indução Matemática é

Leia mais

ALGUMAS ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA REALIZADAS PELOS ESTUDANTES

ALGUMAS ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA REALIZADAS PELOS ESTUDANTES ALGUMAS ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA REALIZADAS PELOS ESTUDANTES Trinh Dang Khoi ( ISCED/Luanda ) Ta thi Oanh ( Faculdade de Ciências ) Este trabalho baseia-se fundamentalmente na busca de respostas

Leia mais

XXXVIII OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (9 de agosto de 2014) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXVIII OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (9 de agosto de 2014) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instruções: XXXVIII OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (9 de agosto de 2014) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Perguntas A duração da prova é de 3h30min. O tempo

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17.

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17. Prova Teoria de Números 23/04/203 Nome: RA: Escolha 5 questões.. Mostre que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 7. Solução: Pelo teorema de Fermat 2 6 (mod 7 e 3 7 3 (mod 7. Portanto, 2 67 = 2 64+3 = ( 2 6 4 8 8

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

O desafio de substituir letras por números: que conteúdos e estratégias podem ser desenvolvidos?

O desafio de substituir letras por números: que conteúdos e estratégias podem ser desenvolvidos? Texto complementar O desafio de substituir letras por números: que conteúdos e estratégias podem ser desenvolvidos? Helena N. Cury e Maria Laura F. B. Sampaio MATEMÁTICA 1 Matemática Assunto: Desafios

Leia mais

Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA

Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA Charles F. de Barros 20 de novembro de 2008 Resumo Faremos uma breve introdução ao conceito de resíduos quadráticos, descrevendo em

Leia mais

O PRINCÍPIO DA CASA DOS POMBOS

O PRINCÍPIO DA CASA DOS POMBOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Exatas - ICEx Departamento de Matemática O PRINCÍPIO DA CASA DOS POMBOS Priscilla Alves Ferreira Belo Horizonte 2011 Priscilla Alves Ferreira

Leia mais

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias A U L A Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Jogos Matemáticos. Jorge Nuno Silva

Jogos Matemáticos. Jorge Nuno Silva Jogos Matemáticos Jorge Nuno Silva 1 Introdução Por Jogos Matemáticos designam-se puzzles, problemas e actividades que vão da simples charada à questão matemática ainda em aberto. A História da Matemática

Leia mais

O Princípio da Indução diz o seguinte:

O Princípio da Indução diz o seguinte: (*) +-,/. 01+$243/5246/798 : ;"=@?9A@BDC@E@? "!$#%& ' O Princípio da Indução é um eficiente instrumento para a demonstração de fatos referentes aos números naturais. Por isso deve-se adquirir prática

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

CONSTRUINDO O CONCEITO DE FUNÇÃO EXPONENCIAL A PARTIR DOS OBJETOS DIGITAIS DE APRENDIZAGEM TORRE DE HANÓI E GEOGEBRA. Dejair Frank Barroso 1

CONSTRUINDO O CONCEITO DE FUNÇÃO EXPONENCIAL A PARTIR DOS OBJETOS DIGITAIS DE APRENDIZAGEM TORRE DE HANÓI E GEOGEBRA. Dejair Frank Barroso 1 CONSTRUINDO O CONCEITO DE FUNÇÃO EXPONENCIAL A PARTIR DOS OBJETOS DIGITAIS DE APRENDIZAGEM TORRE DE HANÓI E GEOGEBRA. Dejair Frank Barroso 1 Resumo O artigo discute as características de Objetos de aprendizagem

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU 1 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU Equação do 1º grau Chamamos de equação do 1º grau em uma incógnita x, a qualquer expressão matemática que pode ser escrita sob a forma: em que a e b são números reais,

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação

Leia mais

CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA

CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA Cristiane Moro 1 Raquel Cerbaro 2 Andréia Beatriz Schmid 3 Resumo: A criptografia visa garantir que somente pessoas autorizadas tenham

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ. Questão Sistemas de Numeração No sistema de numeração de base 2, o numeral mais simples de

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES OBJETIVAS DO EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO PARA O PROFMAT

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES OBJETIVAS DO EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO PARA O PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA (UNIDADE ACADÊMICA DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA) PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL TUTOR: PROF.

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) A UU L AL A Você já estudou como fazer os cálculos para encontrar as principais medidas para a confecção de uma engrenagem cilíndrica de dentes retos. Vamos

Leia mais

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática UFMG/ICEx/DCC DCC Matemática Discreta Lista de Exercícios : Soluções Sequências e Indução Matemática Ciências Exatas & Engenharias o Semestre de 05 O conjunto dos números racionais Q é enumerável, ou seja,

Leia mais

O Fascínio dos Números Primos

O Fascínio dos Números Primos Centro de Matemática da Universidade do Porto Departamento de Matemática da FCUP Universidade Popular do Porto 9 de Junho de 2010 A forma dos números Figura: Duas maneiras diferentes de ver um quadrado

Leia mais

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instruções: XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Perguntas A duração da prova é de 3h30min. O tempo

Leia mais

(a 1 + a 100 ) + (a 2 + a 99 ) + (a 3 + a 98 ) +... + (a 50 + a 51 ).

(a 1 + a 100 ) + (a 2 + a 99 ) + (a 3 + a 98 ) +... + (a 50 + a 51 ). Questão 1. A sequência 0, 3, 7, 10, 14, 17, 21,... é formada a partir do número 0 somando-se alternadamente 3 ou 4 ao termo anterior, isto é: o primeiro termo é 0, o segundo é 3 a mais que o primeiro,

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

O ÚLTIMO TEOREMA DE FERMAT

O ÚLTIMO TEOREMA DE FERMAT 1 O ÚLTIMO TEOREMA DE FERMAT Jaime Ferreira Jacinto Segundo Sargento de Engenharia, Especialista no Ensino da Matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras - FAFI, União da Vitória

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 07 ATIVIDADE 01 Na aula anterior, vimos como rastrear pontos. Abra o arquivo

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Aritmética com Maple:

Aritmética com Maple: Aritmética com Maple: Capítulo 2 Objetivos: 1.Revisar os sistemas decimais e convertendo números para outras bases. 2.Usar Maple para converter números binários e hexadecimais para outras bases. 3.Distinguir

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

LÓGICA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

LÓGICA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIENCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA LÓGICA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA Nome: Cláudia Mara Cardoso Reis Coluccini Belo Horizonte, 2010 UNIVERSIDADE

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola

Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola Maria Alice Gravina Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil gravina@mat.ufrgs.br Mariângela Torre Dias Instituto de Matemática,

Leia mais

Respostas de MAIO. A sequência é formada elevando-se ao quadrado os números 2,3,4... e somandolhes 2 em cada caso.

Respostas de MAIO. A sequência é formada elevando-se ao quadrado os números 2,3,4... e somandolhes 2 em cada caso. Respostas de MAIO Dia 1: O menor número de ovos é 91. Dia 2: O nível da água baixa. No barquinho, a moeda desloca a mesma massa de água que a do barquinho, portanto, um volume maior que o da moeda. Na

Leia mais

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets s O 6 s o i cíp Prin Bá s o sic o d o ét M o D r o n s i t u e G B Escrito por Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método Índice Quem

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

Revisando a Aritmética

Revisando a Aritmética Revisando a Aritmética 1.Revisando os sistemas decimais e convertendo números para outras bases. 2.Usando Maple para converter números binários e hexadecimais para outras bases. 3.Distinguindo frações

Leia mais

Questões de raciocínio lógico Aula 2

Questões de raciocínio lógico Aula 2 Questões de raciocínio lógico Aula 2 Tópicos abordados: Lógica da argumentação Diagramas lógicos Emerson Marcos Furtado* 1. (ESAF-adap.) Pedro toca piano se e somente se Vítor toca violino. Ora, Vítor

Leia mais

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Teorema da nergia Cinética Quando uma força atua de forma favorável

Leia mais

Vamos poupar dinheiro!

Vamos poupar dinheiro! Módulo 2 Unidade 8 Vamos poupar dinheiro! Para início de conversa... Observe a história em quadrinho abaixo: Matemática e suas Tecnologias Matemática 33 Todos nós sabemos que é muito bom guardar um dinheirinho

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

Algoritmos de Busca em Tabelas

Algoritmos de Busca em Tabelas Dentre os vários algoritmos fundamentais, os algoritmos de busca em tabelas estão entre os mais usados. Considere por exemplo um sistema de banco de dados. As operações de busca e recuperação dos dados

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO P/ PERITO MÉDICO LEGISTA DA PCDF

RESOLUÇÃO DA PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO P/ PERITO MÉDICO LEGISTA DA PCDF RESOLUÇÃO DA PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO Olá galera!!!! P/ PERITO MÉDICO LEGISTA DA PCDF Hoje estou postando a resolução da prova de Raciocínio Lógico para PERITO MÉDICO LEGISTA DA PCDF, ocorrida no domingo,

Leia mais

Resolução eficaz de problemas: quatro exemplos

Resolução eficaz de problemas: quatro exemplos JFF6-0 Resolução eficaz de problemas: quatro exemplos Em Março participarei no evento Que Matemática para a Sociedade de Informação?, organizado pelo grupo FAST da Universidade do Minho, cujo objectivo

Leia mais

Imagens Mentais Por Alexandre Afonso

Imagens Mentais Por Alexandre Afonso 2 Imagens Mentais Por Alexandre Afonso 1ª Edição, 08/04/2016 As novas edições serão sempre disponibilizadas no link: http://alexandreafonso.com.br/e book imagens mentais 2016 alexandreafonso.com.br. Todos

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Geometria Área de Quadriláteros

Geometria Área de Quadriláteros ENEM Geometria Área de Quadriláteros Wallace Alves da Silva DICAS MATEMÁTICAS [Escolha a data] Áreas de quadriláteros Olá Galera, 1 QUADRILÁTEROS Quadrilátero é um polígono com quatro lados. A soma dos

Leia mais

Eu tenho a força! Será?

Eu tenho a força! Será? A UU L AL A Eu tenho a força! Será? Várias vezes vemos na televisão alguém gritando Eu tenho a força e, então, começa uma verdadeira pancadaria! Logo o super-herói sai do meio da confusão tirando pó do

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

Princípio das casas de pombo

Princípio das casas de pombo Princípio das casas de pombo Márcia R. Cerioli IM e COPPE, UFRJ Renata de Freitas IME, UFF Petrucio Viana IME, UFF Maio de 2014 1 Introdução Neste texto, apresentamos e exemplificamos o Princípio das Casas

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Raciocinar em Matemática Significado e importância

Raciocinar em Matemática Significado e importância Significado e importância Programa de Formação Contínua em Matemática para professores dos 1º. e 2º. ciclos do Ensino Básico da Escola Superior de Educação de Setúbal, 2010/2011 Raciocínio matemático:

Leia mais

Códigos Lineares CAPÍTULO 4

Códigos Lineares CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 4 Códigos Lineares 1. Definição, pârametros e peso mínimo Seja F q o corpo de ordem q. Portanto, pelo Teorema 3.24, q = p m para algum primo p e inteiro positivo m. Definição 4.1. Um código linear

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

NOTAS DE AULA. TEORIA DOS NÚMEROS (Versão 01/06/2009)

NOTAS DE AULA. TEORIA DOS NÚMEROS (Versão 01/06/2009) NOTAS DE AULA TEORIA DOS NÚMEROS (Versão 0/06/009) Por Benedito Tadeu Vasconcelos Freire S U M Á R I O AULA TÍTULO PÁGINA Aula 0 Noções sobre o processo e o método de indução 0 Aula 0 Divisibilidade 8

Leia mais

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano)

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano) O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de álgebra para ensino fundamental ( º ao º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) Pré-IME, Pré-ITA,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A TESTE Nº Grupo I As cinco questões deste grupo são de escolha múltipla. Para cada uma delas são indicadas quatro alternativas,

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

para os Números de Fibonacci 1

para os Números de Fibonacci 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 2 (2004), 205-215. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Fórmula Explícita e Interpretação Combinatória para os Números de

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50.

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. 2) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos

Leia mais

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50.

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. 2) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1

FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1 FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1 Prof.a. Ms. Renata Camacho Bezerra UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu renatacb@unioeste.br Prof.a. Ms. Patrícia Sândalo Pereira UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu pspereira@unioeste.br

Leia mais

Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1

Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Sistemas Digitais 1 Prof. Dr. Alexandre Romariz Revisado em 27/4/06 Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1 1 Introdução Fundamentos, Teoremas

Leia mais

Avaliação - Teoria do Conhecimento

Avaliação - Teoria do Conhecimento 1 Avaliação - Teoria do Conhecimento Professor Gabriel Goldmeier 1. Descartes abre as Meditações, sua obra filosófica máxima, dizendo que: Há já algum tempo eu me percebi que, desde meus primeiros anos,

Leia mais

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG ENCRYPTION: AN APPLICATION OF DISCRETE MATHEMATICS THROUGH THE IMPLEMENTATION OF CAESAR CIPHER BY

Leia mais

Vamos prosseguir na nossa caminhada rumo à invasão ao serviço público?

Vamos prosseguir na nossa caminhada rumo à invasão ao serviço público? Olá guerreiros e guerreiras, Tudo bem com vocês? Aqui é o Prof. Carlos Pereira falando. Vamos prosseguir na nossa caminhada rumo à invasão ao serviço público? Amigos, dando prosseguimento ao Projeto de

Leia mais

Algoritmos e Linguagens de Programação. Álgebra Booleana. Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007. Unidade 02-001 Álgebra Booleana

Algoritmos e Linguagens de Programação. Álgebra Booleana. Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007. Unidade 02-001 Álgebra Booleana Álgebra Booleana Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007 1 Histórico A álgebra booleana, também conhecida como álgebra de boole, foi criada pelo matemático inglês George Boole (1815-1864)

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Contagem. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE

Contagem. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Contagem George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Sumário Princípios Básicos de Contagem A Regra do Produto A Regra da Soma O número de subconjuntos de um conjunto finito Princípio da Inclusão-Exclusão

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Descobrindo o custo do concorrente...

Descobrindo o custo do concorrente... Descobrindo o custo do concorrente... * José Alberto Bonassoli Você não precisa fazer espionagem industrial para conhecer o custo da concorrência! Nem tampouco precisará comprar funcionários deles ou tampouco

Leia mais

A trajetória de um projétil arremessado no vácuo próximo a superfície da Terra é

A trajetória de um projétil arremessado no vácuo próximo a superfície da Terra é Capítulo 1 Conceitos Básicos 1.1 O Que Provar: Teoremas O primeiro passo para a resolução de um problema é defini-lo correta e precisamente. Tentar encontrar uma solução sem que isso seja feito é receita

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo Introdução à Criptografia Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais