EMPREENDEDORISMO E A PEQUENA EMPRESA: RISCOS E ESTRATÉGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDEDORISMO E A PEQUENA EMPRESA: RISCOS E ESTRATÉGIAS"

Transcrição

1 EMPREENDEDORISMO E A PEQUENA EMPRESA: RISCOS E ESTRATÉGIAS Benur A. Girardi 1, Luiz Tadeu de Azevedo 2, Tulio Passos Franklin 3 Universidade do Rio de Janeiro 1 Campus Universitário Av. Pasteur, 107, Urca, RJ Fundação Getulio Vargas 2 Praia de Botafogo, 190/ Rio de Janeiro Brasil INMETRO, Pressure Laboratory 3 Av. Nossa Senhora das Graças, 50 Xérem CEP RJ Resumo: O principal requisito para o sucesso empresarial é a existência, por parte do empresário, de uma conduta empreendedora, ou seja, a capacidade de identificar oportunidades e transformálas em projetos exeqüíveis, para os cenários percebidos, com o mínimo de risco. Assumir riscos é inerente ao estado de ser empreendedor. O presente trabalho focaliza os riscos relativos ao crescimento da pequena empresa em termos práticos. Os conhecimentos administrativos necessários ao sucesso de uma organização são também apresentados. Mostramos que o pensamento pragmático é altamente relevante mas não prescinde do pensamento abstrato que estimula a análise e a perspicácia das simulações em cenários administrativos variados. Ao empreendedorismo com inovação é dedicada parte do trabalho, pois, o espírito inovador é decisivo para o sucesso empresarial. Ele requer, sobretudo, senso crítico e liberdade sem medo para pesquisa e experimentação. Focalizamos a inovação incremental por ser ela a forma mais econômica de melhoramento de produtos. O sucesso através da estratégia e o uso revolucionário de métodos administrativos para integração de todas as informações, interesses e valores também é abordado. Começar um negócio é importante pois nada ocorre sem um começo, no entanto, o valor é criado de fato quando a empresa cresce, gera emprego, satisfaz as necessidades de cada vez mais clientes e, com isso, oferece lucro a seus acionistas. Isto é o que cria valor para a sociedade. Uma empresa crescendo, continua a criar valor na medida em que ela gera mais e mais produtos e serviços novos, cria mais empregos, paga mais impostos e assim por diante. É a essa renovação, a cada ciclo de produto, que buscamos enfatizar nesse estudo. Palavras-chaves: Empreendedorismo; Inovação; Pequenas Empresas; Riscos; Crescimento Organizacional. EMP - 57

2 1. INTRODUÇÃO A idéia de abrir um negócio próprio e administrá-lo pessoalmente vem seduzindo brasileiros de norte a sul. Segundo pesquisa inédita elaborada pela Consultoria Ernst & Young, London Bussines School e Kauffman Center for Entrepreneurial Leadership, somos, em termos quantitativos, os primeiros no mundo, em número de empreendedores, à frente dos Estados Unidos, da Inglaterra e, sobretudo, do Japão. Não cabe aqui apresentarmos as razões desse movimento criador de valor, mas reconhecer que ele é positivo, a longo prazo, para a economia do país e que isso demonstra a capacidade empreendedora dos brasileiros. Reconhecer uma oportunidade de negócio e moldá-la de acordo com a atividade econômica, adquirir os recursos humanos, físicos e financeiros necessários para explorá-la e, finalmente, elegê-la com a criação da empresa é uma habilidade que merece um estudo em detalhe. Começar bem um negócio é importante pois nada ocorre sem um começo; no entanto, o valor é criado de fato quando a empresa cresce, gera emprego, satisfaz às necessidades de cada vez mais clientes e, com isso, oferece lucro a seus acionistas. Isto é o que cria valor para a sociedade. Uma empresa crescendo, continua a criar valor na medida em que ela gera mais e mais produtos e serviços novos, cria mais empregos, paga mais impostos e assim por diante; isto é, renova-se a cada ciclo de produto. Segundo Brereton [2] Empreendedorismo é a habilidade de criar uma atividade empresarial crescente onde não exista nenhuma anteriormente, é ação de ser empreendedor, de criar e perseguir oportunidades para satisfazer necessidades e desejos através da inovação de novos negócios. O caminho do sucesso passa, portanto, pelo esforço determinado em obter algo com interesse social que permita obtenção do lucro como forma de paga pelo tempo e capital despendido. Ichak Adizes [3], importante pensador da administração empresarial, identifica quatro funções básicas no processo de tomada de decisões das gerências das organizações: Produzir (P), Administrar (A), Integrar (I) e Empreender (E). A função P, segundo ele, está associada àquilo para o qual a organização foi concebida e direciona sua existência. A função A, à sistematização, à adoção de rotinas e à programação das atividades da organização. A função I, aos aspectos de interdependência e afinidades organizacionais e a função E à questão da antecipação do futuro, do planejamento e do Empreendedorismo. Vê-se, pois, que os variados aspectos da atividade organizacional exigem uma dosagem adequada das quatro funções apresentadas, com ênfase para a última. Pode-se também associar, segundo ele, essas funções básicas aos seguintes efeitos: o P à eficácia a curto prazo, no sentido de promover a orientação e foco; o A à eficiência a curto prazo, proporcionada por uma correta administração dos vários aspectos do empreendimento, o E à eficácia a longo prazo, no sentido do melhor aproveitamento das oportunidades futuras; e o I à eficiência a longo prazo, imaginando que esse aproveitamento seja feito de maneira harmoniosa É difícil definir sucesso, mas sabemos que ele é, subliminarmente, a mola mestra da sociedade capitalista na busca pela qualidade de vida. Quem não quer ter sucesso? Aprendemos a aviltar pessoas passíveis de fracasso. Queiramos ou não, o sucesso sempre passou pelo Empreendedorismo, com focos diferenciados. Antigamente, tínhamos metas paradoxalmente diferentes. Buscávamos, tão logo terminado nossos estudos de primeiro, segundo e terceiro graus, atingir nosso sucesso, obter emprego no mercado de trabalho como empregados de grandes empresas privadas ou de tecnocratas em empresas públicas. Não imaginávamos pontos de vista diferentes. Hoje, com a restrição dos postos de trabalho e os novos formatos terceirizados, a cada cinco anos apenas 5% das empresas permanecem vivas. Vivemos uma taxa de mortalidade anual que ultrapassa os 50%. Surge o Empreendedorismo como única forma de revertermos esse quadro. Há que se aprender a empreender, como única forma de públicas alterar o jogo, pois as estatísticas mostram que no contexto mundial nossas exportações são insignificantes e nossos produtos - commodities tem baixo valor agregado. Precisamos começar a pensar nos 3 E s de Executivo, de Empreendedor e de Empresário, porque há uma enorme correlação entre países empreendedores e a geração de riqueza. Sabemos que precisamos de pessoas para gerar negócios, fazer acontecer. Estamos com mais de meio século de atraso em relação aos países desenvolvidos. Gerar empreendedores, que era a obstinação americana pós-guerra, pode ser o real milagre econômico que sempre almejamos. Sabemos também que não é suficiente dinheiro para gerar negócios lucrativos, como sabemos que treinamento e capacitação com ou sem dinheiro não produz riqueza. Há que se considerar primeiro que não existe bom ou mau negócio, bom para homem e mau para mulher etc., mas pessoas com características propensas ao sucesso. Empreendedor é quem tem impulso para melhorar e sobretudo fazer acontecer. Há que entender naqueles que vão liderar o futuro, traços característicos das pessoas bem sucedidas. Não adianta apontar qualquer pessoa mas identificar seus traços empreendedores. Seu principal objetivo tem que ser o de querer potencializar as características marcantes de empreendedor. O conjunto genuíno de características comuns aos homens de sucesso começa com a busca de oportunidade e passa pela persistência, comprometimento, trabalho duro, exigência de qualidade e eficiência e, sobretudo, disposição para correr risco, calculado, naturalmente. Em termos estratégicos, seu comprometimento é amplo com o estabelecimento de metas e prazos, busca de informações, planejamento e monitoramento sistemático. Possui características psicológicas motivacionais de persuasão, rede de contatos, independência e autoconfiança. 2. EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO É sabido que o empreendedor tem alguns requisitos próprios inerentes a sua personalidade e que eles são passíveis de serem desenvolvidos na medida em que exista por parte dele capacidade intelectual para realizar alguma EMP - 58

3 coisa, sensibilidade e curiosidade para a aprendizagem sobre as coisas a seu redor, mas, sobretudo, capacidade de realizar coisas novas e diferentes. Respeitados os riscos do negócio, a inovação é a conduta mais marcante, basta que saibamos aplicar o senso crítico e questionador ensinado por Drucker [5] sobre a gestão da inovação tecnológica. É preciso entendê-la na sua plenitude como fonte de melhoria e mudanças sem prescindir da criatividade como fonte de inovação, seja ela com limitação de recursos humanos, de tempo, de dinheiro, de censura ou sem limitação de qualquer espécie, o que por si só traz dificuldades inerentes. Um plano de inovação deve ser desenvolvido como forma de sucesso do empreendimento. Inovar significa inserir o novo, inventar a invenção, o que naturalmente supõe uma criatividade prévia. Diferente do inventar, primazia de idéia, isto é, ser o primeiro a tê-1a, tecnologia é o conjunto de conhecimentos que se aplica a determinado ramo de atividade e cujos instrumentas software, hardware e brainware são suas formas de materialização. Tal plano envolve pesquisa na busca minuciosa para averiguação da realidade e descoberta do "plus", utilizando-se do método dedutivo e indutivo sistematicamente. Desenvolvimento é o processo de operacionalização da pesquisa. São muitas as razões que tem o empreendedor e pequeno empresário para inovar. Obsolescência sofrida pelos novos avanços tecnológicos dos produtos e serviços ao longo de seus ciclos de vida, mudança de gostos surgido pelas novas avaliações de eficiência de novos produtos e serviços que otimizam tempo e qualidade e produção, produtividade, velocidade etc. Pesquisa também é fator de risco nos limites de tempo e espaço. Por isso, poucas empresas se envolvem em inovação radical. Ela surge de longas pesquisas. A inovação sistêmica, da mesma forma, não é foco principal de pequenas empresas pois envolve várias empresas como é o caso de grandes conglomerados de telecomunicações, redes de informática etc. Focalizar, porém, na inovação incremental parece ser a forma mais econômica de melhoramento de produtos, tão ou mais importante que a imitativa, cópia simples do que faz o concorrente. Os procedimentos tecnológicos apresentados acima podem envolver o poupador de mão-de-obra com aplicação intensiva de capital, ou o poupador de capital com aplicação intensiva de mão-de-obra e vice-versa. O importante é a produtividade dos fatores de produção. A organização da inovação difere de organização para organização, a funcional é a mais empregada. É aquela de um só chefe, que, como todas, tem vantagens e desvantagens. A organização por projeto, define prazos e recursos pertencentes à organização. A organização matricial, relevante na atual conjuntura globalizada, tem sido muito empregada pois envolve várias chefias com alto grau de flexibilidade. As fases da produção de idéias inovadoras começam com a pesquisa do que inovar. Absorvidas as diversas informações pertinentes, exploram-se, através da criatividade, as formas de chegar a algo de interesse coletivo. Mas não devemos insistir de imediato, há que se incubar a idéia ou idéias para chegarmos ao algo mais. Finalmente, há que se avaliar para as modificações definitivas. A classificação da pesquisa, segundo o risco e a aplicação dos benefícios está representada na Tabela 1 abaixo. Tabela 1. Pesquisa de Riscos e Benefícios Segundo a aplicação dos benefícios Segundo o risco Básica Aplicada Geral A B Especifica C D A pesquisa geral e básica (A) só é bem sucedida se e somente se for incentivada maciçamente pelo governo. As do tipo B e C só ocorrem se incentivados por convênios, parcerias ou interações universidade/indústria. As fontes primárias de idéias inovadoras são fontes internas: funcionários da empresa. As demais fontes são externas e incluem os consumidores, foco de toda a atenção, os concorrentes, buscando suplantá-los ou imitá-los, revendedores que lidam diretamente com o público, portanto, os mais habilitados a atendê-los, os centros de pesquisas e universidades pelo menos manter-se atualizado como fonte de idéias. As prioridades da inovação são apresentadas na Tabela 2 abaixo. Tabela 2. Prioridade de inovação Tipos Percentagem Demanda Comercial 50% Necessidade do Produto 28% Viabilidade Técnica 19% Mudanças Administrativas 3% Há certos fatores que impedem a inovação, tais como o isolamento da alta gerência, a intolerância de chefias, os horizontes curtos, as práticas de prestação de contas, o excessivo racionalismo e burocracia, os incentivos não apropriados, o ambiente não participativo etc. Segundo Drucker [5], são sete as fontes de oportunidade inovadora: o Sucesso Inesperado é a primeira fonte de oportunidade. O ursinho da Parmalat, a praça da alimentação do Estação, o sutiã de silicone são alguns exemplos; a Incongruência com a realidade é a segunda. O exemplo do balde de iluminação nas estradas brasileiras é um bom exemplo disso. Mudança de Estrutura é a terceira. Surge geralmente com o inesperado, como os carros da Ford para o EMP - 59

4 povo em geral. Mudanças Demográficas trazem possibilidade de inovação, como é o caso da terceira idade, dos negros, da imigração, de mulheres no mercado; Mudanças de Percepção. É a sexta fonte. O IG, a UOL (revistas), o Silicone, mudança de estilo (camisinha) etc. Finalmente, a última fonte: o Conhecimento Novo. O computador, a Álgebra Booleana, o Milho Híbrido, a Dolly etc. Para incutir a importância da inovação, e formas de desenvolvê-la, o empreendedor deve ser despertado para o sentido crítico de suas atividades. Ele precisa saber onde está a oportunidade, como capitalizá-la, como obter recursos, como ganhar o controle sobre as atividades e saber qual a melhor estrutura. Ajuda consideravelmente sabermos que as fontes desses inputs, dentro da empresa, são: experiência, 70%, experimentação, 16%, contatos pessoais, %, revistas técnicas, 1,5% e cursos, 0,5%. Fora da Empresa, têm-se os seguintes percentuais: contatos, 61%, experiência, 25%, revistas técnicas, % e cursos, 2%. A inovação é, portanto, um processo organizacional em etapas que envolve o processo criador e o processo gerencial. As etapas do processo criador envolvem o desenvolvimento de idéias, a aceitação e a posterior implantação. O processo gerencial envolve o estímulo à criatividade, à coletivização de idéias e a mudanças das condições organizacionais. Os empreendedores sobrevivem e crescem pela capacidade de enxergar as necessidades de mudanças no tempo exato. Implementá-las o mais rápido possível, fazer a empresa funcionar de maneira participativa e ter uma cultura empresarial própria e compatível com o que prescreve o processo gerencial falado anteriormente. A etapa da inovação sempre será deflagrada com uma nova idéia. A fusão do tecnológico com o econômico segue a formulação da idéia que deverá ter sua viabilidade determinada. 3. REVOLUÇÃO PELO CONHECIMENTO No Brasil, mais de 80% dos negócios fecham logo no primeiro ano. Sem dúvida alguma, a razão do fracasso generalizado é a falsa suposição de que o conhecimento técnico é suficiente para se dirigir uma empresa. Essa idéia, conhecida em marketing como "production oriented", é altamente aceita entre empreendedores. Pesquisa realizada pela FGV/RJ mostra que a dimensão administrativa focada na estratégia e planejamento com cenários diversos influi muito mais nos resultados da empresa do que a parte operacional, técnica ou produtiva. Essa abordagem técnica mobiliza empresários para produtos, qualidade e produtividade em detrimento da mais relevante função de foco: orientação para o mercado e satisfação dos consumidores. Respeitadas as características de empreendedorismo, o técnico dá pouca garantia de sucesso. O sucesso está no estratégico com vários cenários e a criatividade para quebrar paradigmas. Essa ação inovadora não prescinde do uso revolucionário de métodos administrativos integrado, atento ao maior número de informações disponíveis. A liderança se estabelece não só pelo conhecimento das pessoas, mas pela capacidade de motivá-los a lidar com as mudanças que sinalizam para o sucesso do negócio. A integração de todas as informações, interesses e valores permite ao empreendedor alcançar o futuro por ele idealizado pelos planos e metas estratégicos para a condução do negócio indiferentemente da característica da empresa. Quando o empreendedor essencialmente operacional assume a liderança, a estratégia e o planejamento ficam relegados a segundo plano, tomando-os altamente circunstancial. O resultado é a estagnação e a inércia. O pensamento pragmático é altamente relevante mas não prescinde do pensamento abstrato que estimula a análise e a perspicácia das simulações em cenários administrativas variados. A características do empreendedor deve ser a do visionário para metas e objetivos com alternativas de mudança a longo prazo. As modernas técnicas administrativas, além de considerar as realidades existentes, sinalizam para aquelas restrições econômico-financeiras existentes, permitindo a análise de possíveis desdobramentos. Desprezar as técnicas administrativas como alavanca para o sucesso pode vir a ser o maior erro do empreendedor. Assim pensando, a FGV/RJ criou o Curso de Gestão de Pequenas e Médias Empresas cuja filosofia é acrescentar ao empreendedor as características administrativas indispensáveis ao sucesso da organização. Criou-se, assim, uma abordagem didática invertida ao que ocorre na prática e que parcialmente está em consonância com o pensamento de Say [4] no que tange ao papel econômico essencial do empreendedor, que não é o do capitalista, nem o do proprietário fundiário. A globalização exige uma competitividade mais acirrada para ocupar o mercado para o qual a maioria das nossas empresas não está preparada. Peter Druker [5] recentemente trouxe o problema à tona quando fala da importância das abordagens administrativas. Qual é o nosso negócio? Pergunta ele. A questão é que tão raramente perguntamos ao menos de forma clara e direta ou dedicamos um estudo e uma reflexão adequada sobre o assunto, que esta pode ser, talvez, a mais importante causa do fracasso dos negócios." Tabela 3. Módulos da abordagem invertida Módulos I - Tecnologia II - Produtos e Serviços III - Finanças IV - Marketing Percentuais EMP - 60

5 V - Requisitos Funcionais VI - Estratégias Empresariais VII - Trabalho de Monografia O início de um pequeno negócio começa com o conhecimento da Tecnologia e dos primeiros recursos humanos necessários a ele. Com isso, é possível materializarmos nossos produtos e serviços. Subsídios técnicos de finanças são procurados, marketing é desenvolvido visando cada vez mais o real interesse dos clientes. Muito raramente, entretanto, o empresário dedica seu pouco tempo disponível aos requisitos funcionais, condições indispensáveis de sucesso e, principalmente, de desenvolvimento de estratégias empresariais com cenários diversos que levem em conta os aspectos econômicos, sociais, políticos, de mercado (produtos e serviços), tecnológicos e de restrição de capital e trabalho, conforme Tabela 3. A abordagem invertida propõe começar pelo que o empresário sempre achou irrelevante, mas que modifica seu pensamento estratégico. A Tabela 4 mostra as disciplinas de cada módulo. O conhecimento de pessoas e exemplos de empreendimentos que obtiveram sucesso quer através de palestras quer através de leitura de livros filmes que demonstrem esse espírito. Isso requer o envolvimento de empresários ou empreendedores em atividades interativas, desenvolvendo a cooperação e levando-os ao inconformismo diante da vida. A formação de grupos é importante para forçar a autonomia e a liderança num ambiente que ative a negociação do tipo ganha-ganha. Essa atitude pró-ativa não deve prescindir da capacidade de imaginação e sonho. Desejos, sonhos, valores, persistência, pois a empresa pode ser pequena mas o empresário não. Isso só é possível se forem estimulados a desenvolver projetos embrionários em forma de casos que permitam o exercício de planejamentos e metas, aumentando o nível de dificuldades para situações complexas que sejam compatíveis com casos reais e cuja solução foram solucionada por empresários bem sucedidos. A vida é rica de casos semelhantes. Naturalmente, nem tudo interessa a determinadas pessoas. Há que se extrair do conjunto de resultados, aqueles casos que motivem o aprendizado. Quem não é aberto à realidade que nos cerca, dificilmente transmitirá essas características ao seus orientandos. Tabela 4. Disciplinas relativas ao módulo Módulos Estratégias Empresarias Requisitos Funcionais Finanças Marketing Produção e Serviços Tecnologia Análise do Investimento Disciplinas Visão Sistêmica da Empresa Planejamento Estratégico Plano de Negócios Modelagem Organizacional A função Recursos Humanos Sistema de informações Gerenciais Estratégias de Comunicação Empresarial Técnicas de negociação Administração Contábil-Financeira Captação e Investimento de Recursos Previsão e Controle Orçamentário Visão e Interação com o Mercado Conquista e Manutenção de Clientes Vendas: Processo e Validação Visão de Produtos e Serviços Logística e Processo Produtivo Administração de Serviços Tecnologia e Vantagem Competitiva Gestão e Inovações Tecnológicas Gestão do Conhecimento Intelectual Oratória, Palestras, Orientação 4. OS RISCOS DO CRESCIMENTO DA EMPRESA Todo negócio passa por várias fases de crescimento, dependendo das características do empreendedor e dos conhecimentos administrativas disponíveis. A tentativa é e sempre será a de maximizar a eficiência em torno da estratégia assumida. São as seis fases do crescimento de um empreendimento, que, como sabemos, só tem valor quando mais e mais produtos e/ou serviços são feitos em menos tempo, com maior lucratividade, criando mais empregos e, sobretudo, impostos. A estrutura dos estágios depende da auto-avaliação do empresário para saber o nível em que se encontra. Reconhecida a interface, fica mais fácil trabalhar o próximo estágio. Cada estágio tem certo nível de complexidade e diferente tipo de abordagem é exigido conforme fatores de administração: estilo de gestão; estrutura organizacional; grau de evolução dos sistemas formais; objetivos estratégicos principais; e o envolvimento do empreendedor no negócio. EMP - 61

6 O estágio da Concepção do negócio, ou da demarragem representa os primeiros contatos do empreendedor com o mundo empresarial. É a fase do registro, organização e operacionalização propriamente deita. Os riscos são evidentes. É algo conceitual que está tomando forma e o mercado pode ser um aliado ou um inimigo, dependendo do nível de qualidade e do poder aquisitivo do mercado. A obtenção de uma clientela fiel é imprevisível Devemos avaliar com precisão se: Possuímos dinheiro necessário para cobrir as necessidades de caixa e o capital de giro da empresa; Podemos expandir a partir do momento em que o mercado começa a responder aos estímulos de nossos mix de produtos e serviços; Podemos conseguir consumidores, fornecer produtos e prestar serviços suficientes para a viabilização do mercado; Podemos desenvolver uma base de produção, a partir de um processo piloto para futuramente inserir produtos diferenciados (inovadores). Nessa primeira fase, o empresário empreendedor faz tudo e supervisiona diretamente os subordinados dentro da competência que lhe é inerente. O sistema e o planejamento organizacional e estratégico são mínimos e, em alguns casos, inexistente. A estratégia é continuar funcionando. O empresário é empreendedor e executivo, senhor de si e da empresa. Centro de gravidade do processo, e, geralmente, dependente dos familiares. Os exemplos mais comuns são os restaurantes, farmácias, armazéns, lojas de varejo, pequenas indústrias e prestação de serviços (de consultoria), geralmente terceirizadas para empresas de alta tecnologia. A Segunda fase é a da Sobrevivência. O empresário foi aprovado na primeira fase e deseja manter a clientela. A gestão se desloca no sentido da maior complexidade: o relacionamento entre receita e custos. Agora, surgem novos riscos. Teremos receita suficiente para cobrir os custos de vendas, de assistência técnica, de serviços, de despesas operacionais advindas da demarragem? Podemos suportar os custos de capital? Podemos gerar o fluxo de caixa suficiente para manter a liquidez, capital de giro, exigido pelas operações e ainda financiar o crescimento com retenção dos lucros? Nessa fase, a empresa continua com uma administração simples, enxuta e pequena, com número de empregados no limiar do mínimo e com todos fazendo quase tudo, com restritos sistemas verticais, com um único gerente, com decisões e ordem do empreendedor ou dos sócios. O desenvolvimento dos sistemas é mínimo e lento, principalmente o sistema de informações e informática com controles e indicadores quase inexistentes. A contabilidade é de cunho fiscal sem preocupações com índices e benchmarking. O planejamento limita-se a previsões de entradas e saídas referenciadas ao caixa. Neste estágio, pode haver crescimento do empreendimento em tamanho e em lucratividade. O empreendedor bem sucedido mantém a posição obtida ou passa para o estágio seguinte com os riscos inerentes. Essas empresas são as mesmas anteriormente exemplificadas ou aquelas cujo dono ou sócios tem apegos vocacionais ao empreendimento. Esportistas que vivem do esporte e montam loja de material esportivo ou professores de determinados assuntos estabelecem empresas de consultoria. Alguns empresários permanecem nesse estágio, pois sua sobrevivência é garantida, outros vendem o negócio com grandes lucros. É o caso de empresas de informática e de alta tecnologia. O estágio seguinte é o da Estabilização. Naturalmente, esse terceiro estágio supõe um período de lucratividade para justificá-lo. Ele supõe que a empresa pelo menos atingiu seu ponto de equilíbrio e penetrou no mercado através de seu produto ou serviço. Essa interação está provada pelos lucros e sua manutenção fica a cargo da equipe que lidera o empreendimento, desde que novos entrantes não apareçam ou mudanças ambientais não mudem esse cenário favorável. Nesse momento, o processo de delegação geralmente ocorre, se é que a empresa tenciona manter a posição assumida. Há que se absorver gerentes capazes de manter a filosofia e cultura da empresa. O retorno do capital investido é compatível com seu desempenho e a preocupação com despesas excessivas é uma constante. A empresa começa a intensificar suas normas e surgem seus gerentes de produção, de marketing, de finanças, mudando, assim, a mentalidade da empresa. A tomada de decisão passa a ser descentralizada, porém a cultura e a filosofia organizacional é a do proprietário. Começa, então, uma monitoração voltada para o longo prazo, o que envolve estratégias, planos de negócios e modelagens organizacionais. O dono pode começar a se distanciar do negócio e limitar seu poder de tomada de decisão. Nesse momento, a empresa pode continuar a crescer ou ficar limitada ao segmento de mercado que lhe permite a manutenção do índice atual. As mudanças ambientais poderão tumultuar o período, mas se sua gestão estiver comprometida com a filosofia original e houver persistência em detrimento das flutuações, dificilmente a empresa retornará para os estágio anteriores. Novamente, há o risco de permanecer neste ou o de buscar um novo estágio para melhor acomodar o negócio. A quarta fase que é a do Crescimento propriamente dito. Agora, os níveis hierárquicos estão consolidados, o ponto de equilíbrio é ultrapassado e a empresa é suficientemente capaz de identificar o equilíbrio entre manutenção da liquidez e a capacidade de captar recursos para financiar seu crescimento. Há que se manter a lucratividade de modo a garantir seu capital de giro e intensificar o treinamento de sua equipe de gerentes e demais empregados de modo a ativar seus departamentos. O antigo sistema de informações começa a dar água e surge a necessidade de informatizar o sistema. O planejamento agora é amplo e compartilhado, incluindo outros operacionais dirigidos pelas novas gerencias e revisado com maior freqüência. O superintendente, ou dono, agora terá novos riscos a enfrentar. A auto- EMP - 62

7 análise ou diagnose vai permitir um avanço para o próximo estágio ou um retorno ao estágio anterior. As projeções contra cenários poderão melhor informar a seqüência de atividades. Se elas indicarem um caminho de ampliação, segue-se em frente; caso contrário, um retomo é aconselhável. O quinto estágio é o da Decolagem. Caracteriza-se pela forma de conseguir um alto crescimento. Como financiá-lo pode vir a ser a mais difícil decisão a ser tomada. Outras decisões são efetuadas com delegação de poderes, manutenção da liquidez, controle de custos etc. Delegar responsabilidade evita a excessiva centralização e melhora a saúde das pessoas envolvidas na direção. Manutenir a liquidez vai permitir a geração de caixa obtida quer pela venda de produtos quer pela captação de linhas de financiamento para a ampliação do negócio. Finalmente, o controle de custos que não pode ser esmorecido sob pena de fragilizar o crescimento das atividades. Essa estágio muitas vezes é traumático em gestões familiares pois o dono, geralmente, tem dificuldade em permanecer ao lado dos novos gerentes. É por essa razão que muitas empresas não saem do estágio anterior (decolagem). O último estágio é o da Maturidade, cuja característica é a preocupação em consolidar e controlar os ganhos financeiros trazidos do alto crescimento, principalmente, reter as vantagens dos estágios anteriores quando a flexibilidade nas respostas e as inovações estavam associadas ao espírito empreendedor do dono. A empresa, tendo que aumentar seu tamanho para enfrentamento do mercado, pode ser levada ao engessamento da equipe e a ter dificuldades de inovação. Agradecimentos Os autores agradecem ao apoio recebido pelos alunos do curso de Pós-graduação de gestão de Pequenas e Médias Empresas da EBAP, FGV Management - Fundação Getulio Vargas e ao Reitor da UNIRIO Prof. Pietro Novellino, pelo apoio recebido. 5. REFERÊNCIAS [1] M. Casson. The Entrepreneur Oxford: Martin Roberston, [2] P. R. Beretron. Qualifications for Entrepreneurship in Journal of Small Business Management, [3] I. Adizes. Administração e Gerencia Empresarial McGraw-Hill, São Paulo, [4] J. B. Say. Tratado de Economia Política Pat Witney, [5] P. Drucker. Inovação e Espírito Empreendedor Edit. Pioneira, São Paulo, [6] R. J. Degen. O Empreendedor: Fundamentos da Iniciativa Empresarial McGraw-Hill, SP, 1989 EMP - 63

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR Conceitos EMPREENDEDOR É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR É AQUELE QUE ASSUME RISCOS E COMEÇA ALGO NOVO 1 Onde empreender Criar

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DANIEL BRAIM DOS SANTOS A ATUAÇÃO DE CORRESPONDENTES BANCÁRIOS COMO

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE www.epossivelsim.com.br 3224.4940/3088.6161 INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar

Leia mais

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR Luis Antônio Tichs 1. RESUMO Neste trabalho aborda-se a importância do empreendedorismo e as características do empreendedor. Evidenciam-se ações estimuladoras do espírito

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato 3º Edição 2008 Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato Doutor (PhD) e mestre (MBA) em Administração

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Racionalização do trabalho: gerência administrativa Relações humanas: processo Movimento estruturalista: gerência

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Objetivos da aula. Características da pessoa empreendedora. Processos Gerenciais. Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo

Objetivos da aula. Características da pessoa empreendedora. Processos Gerenciais. Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo Processos Gerenciais Prof. Clóvis Luiz Galdino Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo Objetivos da aula Discutir os conceitos que permeiam e caracterizam o empreendedor corporativo,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO Prof. Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Prof. Ricardo Suñer Romera Neto 1 Ementa Estudo dos fundamentos, experiências e conhecimentos acumulados a respeito das atividades

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais