arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "arte sgs ok.qxd 7/11/2007 00:47 Page 1"

Transcrição

1 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 1

2 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 2 Quem domina a garantia domina o crédito Pablo Pombo Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável: além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída. Mahatma Gandi à Tia Nadir da Silva (in memorian). Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão. Como flechas na mão do guerreiro, assim os filhos da mocidade. Feliz o homem que enche deles a sua aljava; não será envergonhado, quando pleitear com os inimigos à porta. Salmos 127:3. ao meu querido filho Kaue Rosa

3 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 3 Ricardo Mello Sistema Nacional Garantias de alternativa eficaz de acesso ao crédito para micro e pequenas empresas no Brasil EDITORA l etradágua

4 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 4 Copyright 2007 Ricardo Alexandre de Mello Copyright desta edição Gehlen Edições Edição Joel Gehlen Revisão Wilka Seto-Gehlen Impressão Nova Letra Capa, projeto gráfico e editoração eletrônica Editora Letradágua. isbn apoio 2007 Editora Letradágua R. Henrique Tamanini, 303, Iririú CEP Joinville SC Fones: (47) e

5 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 5 Agradecimentos Agradeço a Deus por ter concluído esse livro. Agradeço ao amor da minha mãe Katia, à esposa Deise, e a vó Selma que me estimularam nos momentos mais difíceis deste livro, sem elas não seria possível superar este desafio. Agradeço ao precursor do Sistema de Sociedade de Garantia Dr. Pablo Pombo pelos artigos enviados pela internet e na divulgação deste modelo no Brasil. Agradeço ao Professor da UFSC Dr. Nelson Casarotto Filho pela confiança, oportunidade, ensinamentos e orientações transmitidos, bem como, por ser o mentor desta pesquisa. Agradeço a FAMPESC, especialmente ao seu ex-presidente Floriani, hoje vice-presidente da Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas (CONEMPEC). Agradeço ao Banco de Desenvolvimento Regional do Extremo Sul (BRDE), especificamente ao Presidente, Dr. Casildo Maldaner e ao Diretor Financeiro, Dr. Renato de Mello Vianna, assim como, ao assessor Fabio Mafra pelo apoio à edição deste livro. Agradeço ao Banco de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (BADESC), especificamente, ao Presidente, Dr. Dalírio José Beber e ao Diretor de Operações, Dr. Sayde José Miguel, pelo apoio à edição deste livro. Agradeço ao grande tradutor e amigo Mário Roberto Pena Fiqueira. À minha orientadora no Programa de Pós-Graduação de Sociologia Política (PPGSP) Professora Pós-Doutora Cecile Raud-Mattedi, a qual acredita na evolução deste sistema como uma nova opção de crédito solidário. Aos meus sogros (Dirceu e Marisa) pela visão da Igreja "..., e a casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade." (1 Timóteo 3:15) e da visão de Jesus Cristo. "Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, encher-me-ás de alegria na tua presença." (Atos 2:28) 5

6 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 6 ÍNDICE Um estudo de grande relevância 9 Resumo 11 Justificativas 12 Panorâmico Histórico na visão de Pablo Pombo 13 CAPÍTULO I Introdução Aspectos econômicos Os parâmetros básicos para o crédito - os Cs do Crédito Classificação das operações de crédito por nível de risco e provisionamento (COSIF 1.6.2) Aspectos Sociais Definição e desenvolvimento de Redes de Empresas Tipos de Redes de Empresa Redes de Empresas Aspectos Políticos Modelos detectados: Classificação dos Sistemas de Garantia Fundos de Garantia programas de garantias Os Sistemas de Sociedades de Garantias 34 CAPÍTULO II Breve Panorama da situação continental Visão Geral do Continente 37 CAPÍTULO III A situação dos sistemas de garantia na Ásia Visão geral do continente asiático Os Sistemas de Garantias do Sudeste Asiático 43 CAPÍTULO IV Sistemas de garantia na Europa 4.1 Dois modelos Características Gerais dos Sistemas Europeus Descrição geral dos entes: Regime jurídico, âmbito de atuação e objeto social Marco legal e normativo, regulação e controle 54 6

7 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page Órgãos sociais ou gestão Formação do acionista e procedência de recursos de capital O Custo Operacional da Sociedade de Caução Mútua (SCM=SNG) Refinaciamento: vínculo com setor público e com sistema financeiro Setor Público Setor Financeiro Refinanciamento Segundo Piso Tendências dos sistemas de garantias na EU Os Sistemas de Garantias da Espanha Características Gerais Âmbito e objeto social A Confederação Espanhola das SGRs (CESGAR) Marco legal e normativo Acionistas e recursos de Capital Atividades e produtos Operações Refinanciamento Companhia Espanhola de Refinanciamento (CERSA/1994) acordo de resseguro com o Fundo Europeu de Investimentos (FEI) Evolução futura União Européia /Fundos de Investimentos Europeu 85 CAPÍTULO V Situação dos Sistemas de Garantia na América do Sul 5.1 Visão Geral Os Sistemas de Sociedade de Garantias: Argentina SGR da Argentina (Lei SGR/1995) Características Gerais Marco legal e normativo Acionistas e recursos de capital Atividades e produtos Operação Condições Gerais da Garantia Refinanciamento Evolução futura Fundo de Garantia da Província de Buenos Aires (FOGABA) Características gerais 101 7

8 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page Âmbito e objeto social Acionistas e recursos de capital Atividades e produtos Operações Condições gerais de garantia Refinanciamento Anexo Estatístico do Sistema de Garantias na Argentina Sistemas de Garantia no Brasil: Programa de Garantias Características dos Programas no Brasil A visão da FAMPESC sobre a constituição da SGS Simulação de operação de crédito na sociedade de garantia solidária dentro da FAMPESC, segundo modelo espanhol Aspectos Jurídicos 108 PRINCIPAIS PARTES DA LEI 149.1,16 (Constituição das Sociedades de Garantia Recíproca de 12/03/1994 na Espanha) 111 Capítulo I - Disposições Gerais 111 Capítulo II - Da fundação da SGR 114 Capítulo III - Das participações sociais e dos direitos dos sócios 118 Capítulo IV - Dos órgãos da Sociedade de Garantia 121 Capítulo V - Modificação nos estatutos, aumento e redução de capital 125 Capítulo VI - Salvaguarda do capital e aplicação dos lucros 127 Capítulo VII - Das contas anuais das SGRs 128 Capítulo VIII - Fusão e Dissolução das SGRs 128 Capítulo IX - Da dissolução e liquidação das SGRs 129 Capítulo X - Da supervisão administrativa, do regime ratificante e dos benefícios fiscais das SGRs 131 CAPÍTULO VI Conclusão Recomendação 134 Referências bilbliuográficas 137 Anexos 141 Projeto de Lei Complementar Justificação da Consultoria do Legislativo 148 Glossário 150 8

9 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 9 Um estudo de grande relevância Pablo Pombo González* Os usuários e profissionais vinculados aos esquemas de Sistema de Garantia Mutualista ou Sistema de Garantia Recíproca para micro e pequenas empresas (MPEs) distinguem-se por serem autênticos divulgadores da atividade e ardorosos defensores de seus benefícios. Distinguem-se precisamente por sua constância e inalterável intenção na disseminação destes esquemas. Há décadas que contam com uma incalculável colaboração de alguns, ainda escassos, investigadores e professores de Universidades que estão respaldando, com seus conhecimentos técnicos e científicos, uma realidade que está em torno de um século de vida. Este é o caso de Ricardo Alexandre de Mello do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGSP/UFSC), situada na cidade de Florianópolis, estado de Santa Catarina. Com seus conhecimentos, reconhecidos por seus títulos acadêmicos, reúne a intenção e a constância que requer todo investigador. Esta combinação de esforço e empenho decidido é o que o distingue, como um excepcional valor, para a divulgação e implementação destes esquemas de garantia no Brasil. Seu rigor científico e profissional faz com que os temas por ele analisados sejam considerados de grande relevância quando se pretende desenvolver um esquema com essas características. Nos sistemas financeiros, a garantia é um bem "escasso", sobretudo aquelas garantias melhor qualificadas e ponderadas, o que provoca dificuldades no acesso ao financiamento para as MPEs. Nos encontramos ante uma situação contraditória: por um lado, a MPE é uma importante geradora de emprego e de riqueza, e por *Presidente Fundador da Associação Européia de Caução Mútua e Consultor Internacional de Sistemas de Garantias. Julho de 2006 Córdoba (Espanha). 9

10 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 10 outro, as normas dos sistemas financeiros nacional e internacional a discriminam. Uma via de solução encontra-se nos sistemas de garantias. A decisão fundamental é estabelecer qual modelo é mais adequado, uma vez que os sistemas de garantia não são homogêneos e, portanto, não têm a mesma qualidade, eficácia e relevância. Os SGR ou SGM ou SGN, com seu componente empresarial privado, têm um amplo histórico de eficácia frente a outras opções ou esquemas públicos. O trabalho de Ricardo Alexandre de Mello vem aprofundar o conhecimento e a análise desses esquemas, contribuindo no processo de tomada de decisão em curso no Brasil. 10

11 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 11 Resumo Devido à baixa rentabilidade das operações bancárias e à dificuldade quanto ao oferecimento de garantias colaterais (reais e pessoais) para a obtenção de crédito pelas micro e pequenas empresas, inclusive pelo seu pequeno porte e mínima solidez, torna-se necessário que haja interatividade entre as mesmas, com relação às questões vivenciadas em seu cotidiano, fazendo com que isto seja objeto de estímulo ao desenvolvimento, a título regional e nacional na busca de sua autonomia, isto baseado em estatuto próprio, do qual consta a Sociedade de Garantia Solidária (SGS), de acordo com a Lei número 9.841, Artigos 25 a 31, regulamentada pelo decreto 3474, de 19/05/2000. A referencia analítica para o presente estudo foi a Sociedade de Garantia Reciproca da Espanha (SGR), pois a legislação da SGS é baseada em parte na original espanhola. Conclui-se, que há uma possibilidade de se implantar a SGS no Brasil e em seguida para outros Estados, desde que tenha uma reformulação da Lei Artigos 25 a 31, passando a depender também das autoridades monetárias, públicas e regionais, devendo exercer o papel de indutoras ou promotoras, ao conceder maneiras diversas de participação, com regras de saída progressivas, não deixando de responsabilizar as empresas e também não as impedindo de conseguir melhores condições financeiras em suas atividades. Vale ressaltar, que este tema foi indicado pelo professor Dr. Nelson Casarotto, pertencente aos quadros do BRDE, no ano de 2000, no mestrado da Engenharia de Produção e Sistemas (EPS), já defendida, propiciou nova proposta, agora de tese de doutoramento no Departamento. Pela sua importância, foi aprovada no projeto de doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política (PPGSP) da UFSC sob orientação da professora francesa pós-dra Cécile Raud. Palavras chaves: Sistema Nacional de Garantias, micro e pequena empresa e desenvolvimento regional. Antes de entrar em matéria de estudo apresenta-se aqui o panorâmico histórico do Sistema de Garantia Mutualista ou de Sistema de Sociedade de Garantia (SSG) denominado no Brasil Sociedade de Garantia Solidária (SGS) ou atualmente Sistema Nacional de Garantias (SNG), e em seguida sua introdução. 11

12 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 12 Justificativas Esta proposta contribui para os estudos ligados ao crédito das MPEs bem como encaminha soluções a fim de evitar problemas inerentes que normalmente levam ao fracasso empresarial. Assim sendo, a presente pesquisa poderá auxiliar os meios governamentais e privados na criação e desenvolvimento de programas de fomento e apoio às micro e pequenas empresas (MPEs). Para as MPEs, faz-se necessário diagnosticar uma situação e definir uma política exclusiva que permita condições de manutenção e posterior desenvolvimento. Medidas isoladas podem não produzir o efeito desejado, acabando por beneficiar setores mais concentrados ou com maior poder de barganha, e só teriam apoio pela mobilização de recursos (Bacic, 1998). O desenvolvimento de empresas menores é importante para uma participação mais ampla em termos de benefícios e decisões econômicas; as pequenas empresas, com freqüência, podem servir melhor a mercados restritos ou fragmentados, nos diversos países em desenvolvimento, se comparadas com as grandes organizações. O desenvolvimento das pequenas empresas pode contribuir para diminuir os desequilíbrios regionais, a concentração urbana e os efeitos adversos, oferecendo uma resposta mais rápida às necessidades de política econômica, fato de extrema importância em épocas de retomada do crescimento, principalmente no que diz respeito à velocidade de respostas aos investimentos realizados e a dependência do crédito e da política econômica. As micro e pequenas empresas, se forem encaradas como fonte de dinamismo econômico, introduzirão novas perspectivas para esse segmento, sendo que delas se poderá esperar bem mais do que apenas a absorção de mãode-obra para aqueles que ainda não tiveram acesso ao emprego nas grandes empresas. Em vez de serem usadas como fonte de instrumento de políticas sociais, as pequenas empresas podem de fato constituir importantes estratégias de desenvolvimento econômico 1, proporcionado maior competitividade entre 1. Segundo Furtado (1980), a idéia corrente de desenvolvimento econômico e social refere-se a processo de transformação no sentido morfogenético: a adoção de algumas formas onde não se trata de simples desdobramento das preexistentes que engloba o conjunto de uma sociedade. Essa transformação está ligada à introdução de métodos produtivos mais eficazes e se manifesta sob a forma de aumento do fluxo de bens e serviços finais à disposição da coletividade. 12

13 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 13 Sistema Nacional de Garantias regiões inteiras (Abreu & Cândido, 2000). Em razão do universo da micro e pequena empresa na nova realidade econômica vigente, a presente proposta se justifica na busca de alternativas, encaminhando soluções para os problemas e facilitando o acesso ao crédito nesse segmento. Panorâmico Histórico na visão de Pablo Pombo Um dos grandes especialistas mundiais em Sistema de Sociedade de Garantia, é o economista espanhol Pablo Pombo. Presidente fundador da Associação Européia de Caução Mútua (AECM) <www.aecm.be> desde 1996 e Presidente do Conselho de Administração ( ). Secretário técnico da Rede Iberoamericana de Garantias (REGAR) <www.redegarantias.com> e consultor internacional em sistemas de garantias. Vem coordenando e assessorando em projetos de implantação legislativa de SGRs na: Argentina, Venezuela, El Salvador, Equador, Guatemala, Costa Rica e Itália. Foi presidente da Confederação Espanhola de SGRs (CESGAR) <www.cesgar.es> na etapa da promulgação da nova Lei 01/1994 do setor SGR espanhol. Membro do Conselho de Administração da Companhia Espanhola de Refinanciamento (CERSA) <www.cersa.es> (1994/96). Tem a comenda do Rei da Espanha Juan Carlos I (1995). Experiência como responsável executivo em SGRs, a mais de 15 anos. É licenciado em Ciências Econômicas e Empresariais pela faculdade ETEA da Universidade de Córdoba (Espanha). No pacto econômico e social do ano de 1977 (pacto da Moncloa) se contemplava, entre as medidas de fomento do emprego e o desenvolvimento empresarial a regulação de sociedades mutualistas de garantia que permitissem às PMEs acessar ao crédito com carência e insuficiência de garantias. A figura da Sociedade de Garantia Recíproca (SGR) se introduziu em um momento econômico que evidenciava a impossibilidade do pequeno e médio empresário abordar sozinho os problemas anexos ao financiamento de seu estabelecimento. Deram-se passos históricos desde o início do século: A iniciativa para a criação na Espanha deste tipo de Sociedade partiu da iniciativa da Câmara de Comércio e Indústria de Barcelona no meio dos anos 70, porém a idéia não era nova e tinha antecedentes, tanto na Espanha quan- 13

14 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 14 Ricardo Mello to no estrangeiro. O decreto de 31/07/1915 criou os denominados sindicatos industriais e mercantis, organismos que representavam uma caução derivada e um mecanismo solidário "entre aqueles que o constituiam". Após as primeiras iniciativas, incluindo um anteprojeto, o Decreto-Lei 15/1977 sobre medidas fiscais, financeiras e de investimento público, autorizou o governo a regular a constituição e o regime jurídico, fiscal e financeiro das SGRs. Em decorrência desse fato surgiu o Decreto 1885/1978, de 26/07; a disposição legal pelo que se estabelece e regula pela primeira vez na Espanha este tipo de entidades. O modelo da norma jurídica se inspirou na legislação Francesa sobre Sociedade de Caução Mútua, embora tenha se ampliado e introduzidas mudanças de forma significativa. No verão de 1979 põe-se em marcha a primeira SGR e inicia-se um processo febril, que foi denominado deficiente (falta de capitalização e experiência), que leva a existência de 30 SGRs ao final de 1982, com o número máximo de 42 em O apoio inicial da administração pública através do então Instituto da PME industrial (IMPI) sócio protetor, com aportes ao capital na maioria das SGRs motivou em grande parte um forte destaque dos Sistema de Garantias. Mais tarde, por iniciativa do IMPI, o sistema se redimensiona e ocorre um processo de fusões que reduz a 26 o número de sociedades. Mas, sobretudo, produz-se uma transformação do âmbito de atividade desde um modelo local (provincial) a um regional (comunidades autonômas). As comunidades autonômas começam a assumir o papel desempenhado pelo IMPI até o momento, possibilitou que, pouco mais tarde, este último abandonasse o modelo de ajuda publica através da subvenção e capitalização e acolherá ao modelo de suporte público baseado em um sistema de refinanciamento. Para este, fim criou-se a Sociedades de Garantias Subsidiárias (SOGASA) em 4/08/1980 participada pelo IMPI e as SGRs; A aprovação da Lei 1/1994, de 11/03, sobre o regime jurídico das SGRs supõe a mudança fundamental que tem motivado o atual nível de atividade da SGR. Esta lei supõe o reconhecimento como entidade finan- 14

15 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 15 Sistema Nacional de Garantias ceira reconhecida a Lei sobre Disciplina e Intervenção das Entidades de Crédito do Banco da Espanha. Além do mais: Amplia-se a lista de SGRs em direção a prestação de serviços de assistência e assessoria financeiras a seus sócios. Aumenta-se a solvência das SGRs com a mudança do antigo fundo de garantia em um Fundo de Provisão Técnica (FPT), muito mais próximo a sua nova realidade como entidades financeiras e que dota de maior realidade ao próprio aval. Com o FTP deve provisionar como mínimo 1% de risco, uma provisão semelhante às demais entidades de crédito. Além disso se possibilita o cancelamento do requisito legal por que o sócio devia aportar no antigo Fundo de Garantia o 5% de aval solicitado, no qual reduz o custo de aval. O capital mínimo da sociedade passa dos 50 milhões de pesetas, que fixava o Real Decreto 1885/1978, a 300 milhões de pesetas. O número mínimo de sócios participantes fundadores passa a 150. Como se observa o diagrama da evolução do sistema, com os últimos passos legais dados até o momento, o desenho do sistema de garantia espanhol apresenta-se com um dos mais completos da Europa e como fluente para muitos sistemas recentes deste entorno, inclusive nos países da América Latina. 15

16 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 16

17 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 17 Capítulo I Introdução 1.1 Aspectos econômicos Segundo Puga (2003), somente nos anos 80 e início dos anos 90, a visão acerca da importância das micro e pequenas empresas (MPEs) começou a mudar. Bich (apud, Puga 2003) destacava: o que quer que as grandes empresas estivessem fazendo, elas não seriam mais as principais fornecedoras de novos empregos para os americanos. De fato, dados mais recentes, apontam que as MPEs tornaram-se responsáveis por 77% dos postos de trabalho criados nos Estados Unidos da América no período que abrangeu 1990 a Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS/TEM), de 2000, 93% do total dos estabelecimentos empregadores do Brasil são constituídos por empresas de micro e pequeno porte (com até 100 empregados), e nos anos de 1999 e 2000 foram responsáveis por 96% dos empregos, respondendo também em torno de 20% do Produto Interno Bruto (PIB). Conforme Kruglianskas (1994), os principais motivos da baixa participação das MPEs brasileiras em relação ao PIB podem ser aqui resumidos: a) pouco associativismo das MPEs brasileiras; b) baixa participação dos bancos privados em conceder crédito para as MPEs; e c) por serem as medidas de apoio para este setor de natureza eminentemente setorial e específica, estas tendem a favorecer o lobby industrial, o que significa dizer que grande parte dos financiamentos é canalizada para grandes empresas (principalmente os recursos oriundos do BNDES) por apresentarem garantias maiores, e, pouquíssimo é feito para que sejam satisfeitas as necessidades das MPEs. Para Sachs (2003), a alocação adequada das pessoas em um âmbito de pleno desenvolvimento está exatamente na contemplação da diversidade das 17

18 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 18 Ricardo Mello formas de trabalho encontrada nas MPEs. Desta forma, gera-se um maior número de empregos, acarretando uma relevante contribuição no intento de reduzir a pobreza. Isto se dá em razão de se abrirem novos caminhos para atender a "maior concentração de necessidades desprovidas de voz, em sua maioria silenciosa, na economia mundial" (Pombo, 2001). Segundo Pombo (2001), nos países de menor desenvolvimento econômico, como o Brasil, o grande problema para as MPEs está ligado com o acesso ao crédito. Em contrapartida, nos países mais desenvolvidos, mesmo que uma empresa tenha à disposição um crédito bancário expressivo, tal fato não representa uma liberação imediata do financiamento. Justifica-se, em ambos os casos, pela obrigatoriedade, de usufruir o sistema financeiro. No Brasil, a quantidade de MPEs que encerram suas atividades ainda é bem alta. Conforme dados do SEBRAE (2004), 32% fecham em menos de um ano; 44% em menos de dois anos; 56% em menos de 3 anos; 66% em menos de 4 anos e, por fim, 71% delas em menos de 5 anos. O principal motivo dáse em função de: falta de capital de giro (24,1%); alta carga tributária (16%); ausência de clientes (8%); grande concorrência (7,1%) e baixa rentabilidade (6,1%). Tais dados são confirmados no quadro a seguir: Quadro 1: Custo da mortalidade das MPEs Empresas encerradas R$ Postos de trabalhos reduzidos Perda nos investimentos R$ 2,4 bilhões R$ 19,8 bilhões Fonte: SEBRAE, 2004 (Apud Folha de S. Paulo 12/08/04, caderno B, p. 12) Ressalta-se, neste caso, que não se trata somente de disponibilidade de crédito, mas sim da existência de uma demanda. Com relação à 10ª conferência UNCTAD (10/1998) estima-se que 80% da demanda de crédito no mundo estão sem ser assistidas. Este dado refere-se mais aos países em via de desenvolvimento nos continentes africano e americano. No Brasil, nota-se que apenas 10% do total de crédito ofertado é destinado às MPEs. Isto porque, segundo o instrumento de política monetária aplicado no Brasil, open market, o restante (90%) é direcionado para financiar o 18

19 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 19 Sistema Nacional de Garantias déficit nominal (superávit primário menos juros da dívida interna; neste caso, os juros são maiores que o superávit primário, por isso deficitário) do governo através da emissão de venda de títulos bancários, tendo como resultado uma drástica redução de quantidade de dinheiro em circulação. No entanto, poder-se-ia ter outro instrumento: o depósito compulsório. Neste, para cada R$ 100,00 existente havia o seguinte destino: o banco, por exigência do Banco Central do Brasil (BACEN), poderá emprestar até R$ 47,00, isto porque o restante (R$ 53,00) fica depositado no BACEN, sendo que deste rateio, R$ 45,00 ficam sem remuneração e os R$ 8,00 são remunerados pela taxa SELIC (no período 03/06 operava com a taxa de 16,50% ao ano). Vale salientar que os R$ 47,00 acabam sendo direcionados para compras de títulos públicos, inviabilizando o acesso ao consumo das famílias (incluindo as MPEs) e, consequentemente, reduzindo o PIB, já que elas concorrem com cerca de 3/5 (60% do PIB). Para Sachs (2003), é preciso transcender a uma análise meramente econômica das MPEs e, para avaliação destas, levar especialmente em consideração a sua importância social ligada à função sócio-econômica que exercem, aos encadeamentos que promovem a jusante e a montante, e aos serviços de proximidade que prestam. Ele reitera ainda que as MPEs merecem um estudo aprofundado devido ao fato de elas fazerem parte de um quarto segmento que emerge, considerado como economia solidária 2. Para Singer (2002), a economia solidária é ou poderá ser mais do que mera resposta à incapacidade do capitalismo em integrar sua economia a todos os membros das sociedades desejosos e necessitados de trabalhar. A economia solidária certamente superará, como alternativa do capitalismo, as expectativas fundadas sobre ela. Não exatamente superior em termos econômicos estritos, mas, já que se vale da certeza de que as empresas solidárias viriam a sobrepujar suas congêneres capitalistas, justamente pelo fato de poder oferecer aos mercados, produtos ou serviços melhores em termos de preço e/ou qualidade. Ela foi concebida também para proporcionar às pessoas que possam vir a adotá-la, 2. Segundo Laville (Apud Serva, 2002, p. 168), a economia solidária pode ser apreendida como instituições intermediárias dos dois campos que elas articulam, o campo político e o campo econômico. 19

20 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 20 Ricardo Mello enquanto poupadoras e consumidoras, uma condição não utópica, já que ela representa uma alternativa real de melhoria de vida do contexto da sociedade. Já na economia capitalista de mercado, é preciso distinguir o setor das grandes e médias empresas e o setor das MPEs formais, além das estatais. Este estudo, no Brasil, vai além das cooperativas de crédito, em razão do surgimento de um inédito e vigoroso Sistema de Sociedade de Garantia. Este sistema é difundido mundialmente e tem aplicativos em vários países, onde cada qual adapta uma subdivisão do sistema, já que ele agrupa dois modelos: o Sistema de Garantia Mutualista (onde o empresário é parte direta da sociedade) e o Sistema de Garantia Corporativista (mediante corporações constituídas por entes ou instituições públicas, bancos e associações). Este livro limita-se à análise do Sistema de Garantia Mutualista (SGM) 3, o o qual é denominado no Brasil de Sociedade de Garantia Solidária (SGS). Segundo comentário de Lisboa (2004), as SGSs, eventualmente, poderiam comportar-se como finanças solidárias e, deste modo, fariam parte da produção social da própria economia solidária, incluindo-se num processo socialmente cumulativo. Nele as relações de poder alternariam-se entre associados, banqueiros e governo, através de políticas públicas adaptáveis a novas regras e novos marcos legais. Prepondera como elemento central destas relações o poder da moeda. No caso em questão, as finanças solidárias arrogam-se uma dimensão de meio de pagamento, funcionando tal qual uma nova forma de operacionalização de um sistema de garantia e de crédito. A análise das finanças solidárias, entendidas como um instrumento de democratização do sistema financeiro, introduz-se no campo da economia solidária como um dos elementos de democratização das relações econômicas e também do mercado. A democratização do mercado, além de manter uma relação equilibrada 3. O panorama histórico de finanças solidárias não é recente. Elas datam dos séculos XVIII e XIX, por meio da Lending Charity (concessão de empréstimos de caridade para empreendedores de Londres). O sistema de fundo de empréstimo, no século XIX, na Irlanda, e o sistema de garantia da França, criados, respectivamente, em 1917 e 1929, coincidiram com a desocupação dos bancos dos locais pequenos. Portanto, o berço dos sistemas de garantia, predominantemente, deu-se na Europa. A partir da década de 90 disseminou-se para outras regiões, inclusive a própria América Latina: Argentina, El Salvador, Venezuela e Peru. Atualmente está em fase de transição no Brasil e Uruguai, sendo que o decreto-lei para funcionamento do Sistema de Garantia Mutualista foi aprovado para execução no Chile, em

21 arte sgs ok.qxd 7/11/ :47 Page 21 Sistema Nacional de Garantias entre a oferta e a demanda, leva a novas relações de poder dentro de um complexo sistema inter-relacionado, onde se destacam as vinculações de força estabelecidas entre os entes, sejam individuais ou coletivos, públicos ou privados, formais ou informais. Todos os partícipes, mesmo ocupando diferentes atribuições dentro da estrutura econômica, cumprem várias funções e atividades. Além disso, as finanças solidárias constituem-se como formas de democratização do sistema financeiro por procurar adequar produtos bancários às necessidades básicas da população e fortalecer o trabalho social de cada território. Elas visam priorizar os excluídos do sistema bancário tradicional, interagindo na sustentação de uma relação mais permanente entre economia e sociedade, constituída sob a égide da ética e da solidariedade, ao criar condições para um desenvolvimento humano que necessariamente deva ser integrado e sustentável. Na visão de Mercadante (Apud, Mance, 2000), o papel do Estado na elevação das finanças solidárias, consideraria como essencial, visto que toda e qualquer iniciativa que fosse levada a cabo não surtiria efeito sem o apoio fornecido por ele. O autor ainda acredita que o Estado promoverá ações estratégias, recuperando os mecanismos de fomento ao desenvolvimento e de regulação da economia. Portanto, a forma assumida pelas instituições 4 é fortemente condicionada pelo conteúdo e pela estrutura das relações sociais nas quais a ação econômica está imbricada, ou seja, pela configuração das redes sociais, ou também, pela interação entre Estado, micro e pequenas empresas e bancos (Mattedi, 2005). No Brasil, a SGS consta no Estatuto da MPE (Capítulo VIII, Artigos 25 a 31, regido pela Lei 9841 (05/10/99) e regulamentada pelo decreto número 3474 de 19/05/00), com ínfimas modificações em relação ao anterior (1994). Segundo Sachs (2003), a Constituição Federal de 1988 determina, em seus artigos 170 a 179, um tratamento diferenciado para as MPEs, visando eliminar suas obrigações creditícias. Para Hentz (2001), a SGS (instrumento financeiro), de acordo com a lei, tem personalidade de direito privado. Constitui-se em forma de sociedade 4. Segundo Aurélio (1998), instituições são leis fundamentais que regem uma sociedade política, ou também, conjunto de estruturas sociais estabelecidas pela tradição, especialmente as relacionadas com a coisa pública. 21

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Ana Carolina Rovida de Oliveira Especialista em Direito da Economia e Empresarial I INTRODUÇÃO A estabilização

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais