CONTROLADORIA COMO MEIO DE UMA MELHOR GESTÃO EM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLADORIA COMO MEIO DE UMA MELHOR GESTÃO EM"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CADIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM CONTROLADORIA COMO MEIO DE UMA MELHOR GESTÃO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS POR: BIANCA DE OLIVEIRA MACHADO ORIENTADORA PROFª. ANA CLAUDIA Rio de Janeiro Julho de 2011

2 2 UNIVERSIDADE CADIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM CONTROLADORIA COMO MEIO DE UMA MELHOR GESTÃO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Finanças e Gestão Corporativa. Por: Bianca de Oliveira Machado

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por minha saúde, calma e luz enviada para maior compreensão deste trabalho, meu Pai, minha Mãe, meu noivo e meus amigos que me aguentaram falar de TCC durante estes três meses de pesquisa. Obrigada.

4 4 RESUMO Esta pesquisa apresenta um estudo sobre a controladoria, tendo como objetivo mostrar como a controladoria pode facilitar a gestão da micro e pequena empresa a tornando um negócio saudável e durável. Desta forma explicamos quem são as micro e pequenas empresas, e que estas, nos últimos anos tem tido uma vida curta no mercado devido gerenciamentos inadequados. Logo, com a ajuda da controladoria e do controller, as MPE s podem aprender a administrar suas informações de maneira que criem um controle organizacional e busquem agregar suas áreas aos gerentes na procura de um único objetivo. Desta maneira, a controladoria passa a trabalhar com o monitoramento e acompanhamento do desempenho da empresa e seus gestores, buscando juntar dados suficientes que facilitem no planejamento e controle das MPE s. Com criação de um sistema de informações integrado, o controller tem como função investigar e diagnosticar as possíveis razões para algum desvio e com isso gerar uma correção viável não permita que a empresa fuja de seu planejamento e consiga alcançar seus objetivos a médio e longo prazo. Palavras chaves: Controladoria, micro e pequenas empresas, sistema de informação e planejamento.

5 5 METODOLOGIA Esta pesquisa será descritiva e bibliográfica. Descritiva, pois será descrito tudo que for entendido a partir da revisão de literatura e do levantamento de dados. Bibliográfica, pois as fontes pesquisadas serão livros e trabalhos científicos, conforme serão mencionados ao fim nas referências bibliográficas ao fim do trabalho.

6 6 SUMÁRIO Introdução Micro e Pequenas Empresas no Brasil A necessidade do mercado Quem são as micro e pequenas empresas do Brasil Como estratégias para melhorar a economia Brasileira Alguns obstáculos encontrados pelas MPEs Controladoria: Conceito e estrutura Missão e responsabilidades Objetivos e funções A Controladoria no Sistema da empresa A Controladoria como Unidade Administrativa O papel da Controladoria no processo de gestão O Planejamento A Execução O Controle O Profissional da Controladoria 37 Conclusão 42 Bibliografia 44 Índice 46

7 7 Introdução Convivemos em um mundo globalizado onde todos os dias aparecem novas empresas. Pode-se dizer que a maioria das empresas que surgem no mercado são de pequeno ou médio porte, sendo chamadas de micro e pequenas empresas e consistem em serviços ou comércios, onde, segundo pesquisas estas são fundamentais para a economia brasileira. Desta maneira, quando nos referimos as MPE s nos lembramos de empreendimentos que na maioria das vezes não conseguem sobreviver no mercado por mais de 5 anos existindo aquelas que fecham com até 2 anos de vida. Visto isso, surge a controladoria como uma solução viável para estas empresas que não possuem gerentes capazes de acompanhar as informações internas e externas dos negócios. A controladoria tem como função gerar informações seguras, supervisionando os setores de administração, finanças, contábeis, informática, recursos humanos entre outros, com a intenção de ajudar na tomada de decisão que envolve gerentes e gestores. Logo, com um monitoramento constante a controladoria junto com o controller busca criar um sistema de informações integrado que facilite no planejamento estratégico e operacional da empresa, criando todo um processo na gestão onde as organizações se encontram cada vez mais em um ambiente dinâmico, competitivo e complexo e para conseguirem progredir é necessário que as empresas possuam um procedimento de gestão estruturado seguindo os processos: planejamento, execução e controle, de maneira que consiga atingir seus objetivos a médio e longo prazo. Diante disso, iniciamos o primeiro capitulo falando sobre as micro e pequenas empresas, a importância que estes pequenos negócios tem rendido para a economia, visto que no Brasil aparecem por volta de 460 mil empresas novas por ano e, as áreas com maior concentração de micro e pequenas empresas são as de serviços e comércio, esses setores chegam a ter 80% de MPEs. Abordamos que existem algumas restrições fundamentais para que a empresa seja considerada uma micro ou pequena empresa (MPEs) no Brasil e, com isso ter direito de usufruir de certas vantagens oferecidas por terem esse status. Logo, devido o governo Brasileiro ter se deparado com a chance

8 8 decisiva de combater de forma positiva aos desafios do crescimento econômico, passou-se a trabalhar para aumentar a vida útil destas empresas no mercado, e uma destas iniciativas foi a criação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, de forma que abriu espaço para o fortalecimento destes pequenos negócios como uma alternativa mais dinâmica para viabilizar a geração de empregos. No entanto, pode-se visualizar que nem tudo é tão simples assim e que ainda existem dificuldades para se manter este tipo de negócio e um deles é o mau gerenciamento das informações e a falta de analise no processo de planejamento. Visto isto, passamos para o segundo capitulo, onde explicamos um pouco da controladoria e como ela pode vir a ajudar estes pequenos negócios com suas funções. Em seu conceito e estrutura, mencionamos que a controladoria pode ser compreendida como o departamento responsável pelo projeto, elaboração, execução e manutenção do sistema integrado das informações operacionais, contábeis e financeiras da empresa, impondo assim uma nova e evoluída pratica da contabilidade. Falamos da missão e responsabilidades que como um todo segundo Ricci e Peters, é a coordenação de esforços para que empresa alcance a sinergia que irá corresponder a um resultado global igual ou superior à soma dos resultados individuais das áreas, garantindo o cumprimento da missão e da continuidade da organização. Sondamos também os objetivos e logo o sistema de informação que para a controladoria é uma ferramenta importante, pois é a partir da visão sistêmica que, cria-se um enfoque de conjunto, a partir do qual se distinguem as funções e complementações das partes. Visto isto, mostramos a controladoria como unidade administrativa e no processo de gestão, pois, desempenha a função de aglutinadora que direciona os gestores a dirigirem a teoria, os conceitos do desenvolvimento da administração, para alcançar uma boa otimização do resultado global da organização. Desta maneira, para cumprir sua missão, a área de Controladoria precisa desempenhar um papel atuante nas diferentes etapas do processo de gestão, utilizando do processo de planejamento, execução e controle para evitar ações incorretas e reduzir a frequência dos fracassos ao se explorar a

9 9 oportunidade, identificar as alternativas de execução para o cumprimento das metas, da escolha das melhores alternativas e implantação das ações. Concluímos com o terceiro capitulo, onde falamos do profissional da controladoria ou Conroller que é considerado como o gestor do sistema integrado da empresa, sendo responsável pela qualidade das informações. É um profissional multifuncional que trabalha em diferentes áreas da empresa buscando a otimização dos resultados junto com a controladoria.

10 Micro e Pequenas Empresas no Brasil A necessidade do mercado. As mudanças do mercado e da nova economia chegaram, grandes multinacionais foram instaladas no Brasil seguindo uma tendência mundial. Segundo o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) este e outros fatores fizeram com que houvesse um incentivo na prestação de serviços de forma que grandes empresas passaram a terceirizar as áreas que não eram consideradas essenciais para seus negócios, por outro lado, o desemprego que segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) gira em torno de 14%, incentivou também a criação de pequenos comércios. Diante destas variações, as micro e pequenas empresas surgiram como uma solução viável, uma vez que facilitava o gerenciamento das organização que buscavam serviços especializados. Com isso, a transferência de serviços para pequenas empresas pode ser considerada como um método moderno da administração. Onde o mesmo pode ser visto como uma alternativa de sobrevivência para as organizações, onde existi a mudança de atividades para empresas especializadas, que possuam tecnologia própria e moderna e são mais flexíveis, tendo esta atividade como sua atividade-fim, possibilitando então que a tomadora fique livre para concentrar seus empenhos gerenciais em seu interesse principal, melhorando nesse caso o seu produto ou serviço e gerando competitividade e incentivando novos pequenos negócios. Posto isso, Carelli (2003, p.79) faz a seguinte colocação: Esta forma de organização empresarial,..., está intimamente ligada com as ideias de especialização e concentração. De fato. Conserva a empresa as atividades que entende por ínsitas à sua existência, concentrando-se nestas, e repassando a empresas tecnicamente especializadas atividades acessórias e periféricas, para a sua melhor realização, melhorando o seu produto, seja pela sua própria concentração em sua área de especialização, seja pela prestação especializada das empresas terceirizadas.

11 11 Todavia, para esclarecer melhor, Giosa (1997) dá outros exemplos de contratação de serviços oferecidos por micro e pequenas empresas tais como: logística e distribuição; suprimentos; jurídico; RH (desenvolvimento / recrutamento / seleção); auditoria interna; marketing; manutenção técnica; telemarketing e etc. Diante disso, uma pesquisa do site (http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br em 26/03/11) com base em dados do SEBRAE menciona que, no Brasil aparecem por volta de 460 mil empresas novas por ano, e grande parte é de micro e pequenas empresas. As áreas com maior concentração de micro e pequenas empresas são as de serviços e comércio, esses setores chegam a ter 80% de MPEs Quem são as micro e pequenas empresas do Brasil De acordo com Sebrae, elas são 99,2% das empresas brasileiras. Concentram cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas representam apenas 20% do Produto Interno Bruto brasileiro. No Brasil por volta de 2005, já existiam cerca de 5 milhões de empresas com esse perfil. Conforme citado anteriormente por Giosa (1997) estão a atividades de logística e distribuição; suprimentos; jurídico; RH (desenvolvimento / recrutamento / seleção); auditoria interna; marketing; manutenção técnica; telemarketing dentre outros. No entanto existem algumas restrições fundamentais para que uma empresa seja considerada uma micro ou pequena empresa (MPEs) no Brasil e, com isso ter direito de usufruir de certas vantagens oferecidas por terem esse status como, por exemplo, fazer parte do Super Simples, que esta em vigor desde o dia 1º de julho de 2007, é um dispositivo que gera uma série de facilidades tributárias para as MPEs que se encaixarem na Lei. Visto isto, pode-se dizer que ultimamente existem pelo menos três definições empregadas para dar base ao que seria uma pequena ou micro empresa.

12 12 A definição mais comum e mais utilizada é a que está na Lei Geral para Micro e Pequenas Empresas (123/06), sancionada em dezembro de 2006 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e foi reivindicada por vários setores econômicos do País, pois amplia e regulariza na maioria dos casos, as vantagens de quase todas as micro e pequenas empresas. De acordo com essa lei, as micro empresas são as que possuem um faturamento anual de, no máximo, R$ 240 mil por ano. As pequenas devem faturar entre R$ ,01 e R$ 2,4 milhões anualmente para serem enquadradas. De acordo com a lei, as regras para a modificação de status da empresa são praticamente automáticas. Com isso, se o faturamento de uma microempresa for maior que o estipulado durante um ano, a mesma passa a ser uma pequena empresa no próximo ano de vigência, e tudo ocorre automaticamente, tanto para micro quanto para pequena empresa. Desta forma, a pequena empresa que fechar o ano faturando mais de R$ 2,4 milhões, não fará mais parte do sistema no próximo ano e se mesmo assim tentar usufruir do status de MPEs sem estar dentro das regras será multado. Seguindo a mesma ideia da Lei citada anteriormente vem o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), no entanto a instituição controla também a quantidade de funcionários existente nas micro e pequenas empresas. No caso de micro, pode-se ter até nove pessoas se for comércio ou serviços, e até 19 no caso de setores industriais ou de construção. Quando se trata de pequena, a empresa pode ter de 10 a 49 funcionários, no caso de comércio ou serviços e quando se refere a indústria ou construção, deve-se ter entre 20 e 99 funcionários. Já em uma terceira definição chegamos a uma instituição federal. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem como sua principal tarefa dar apoio a micro e pequenas empresas de todo pais. Por abranger um numero maior de empresas, seus limites de créditos são maiores tendo como classificação as seguintes receitas: Microempresa tem que ter uma receita operacional bruta anual maior ou igual a R$ 2,4 milhões enquanto, a pequena empresa precisa ter entre 2,4 milhões e 16 milhões, não passando deste valor. Para o BNDS a receita operacional bruta anual refere-se a receita auferida no calendário considerando: o produto da venda de bens e serviços

13 13 nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados, e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. Por fim podemos entender que micro e pequenas empresas são empreendimentos de pequeno porte que surgiram para ajudar de certa forma a economia e o mercado brasileiro e, é cada vez mais importante na estrutura capitalista atual Como estratégias para melhorar a economia Brasileira Pode-se dizer que as micro e pequenas empresas se tornaram essenciais para a economia brasileira, e viraram um dos principais pilares de sustentação do país, uma vez que, existe um interminável numero destas empresas por todo o país gerando com isso uma quantidade grande de empregos em diversas áreas. Segundo estatísticas, 25% do Produto Interno Bruto (PIB) já são gerados por empresas deste segmento, cerca de 60% do trabalho formal brasileiro o equivalente a 14 milhões de empregos, e compõe 99% dos estabelecimentos formais que existem, ou seja, 6 milhões das empresas existentes no mercado, segundo dados do SEBRAE e do IBGE. Destaca-se também o potencial das micro e pequenas empresas nas exportações, segundo dados da Agência de Promoção de Exportações do Brasil (APEX), a 10 anos atrás 64% das empresas nacionais se enquadravam no modelo de micro e pequeno negócio, e já negociavam cerca de U$8 bilhões em vendas com o exterior, essa fatia representava 12% das exportações brasileiras. Desta forma, as micro e pequenas empresas (MPEs) passaram a ser alvo de politicas especificas, sendo assim, o Brasil se deparou com a chance decisiva de combater de forma positiva aos desafios do crescimento econômico, o governo então passou a trabalhar para aumentar a vida útil destas empresas no mercado, e uma destas iniciativas foi a criação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, de forma que abriu espaço para o fortalecimento destes pequenos negócios como uma alternativa mais dinâmica

14 14 para viabilizar a geração de empregos, constituindo e regulamentando os estímulos e incentivos para o setor, gerando assim um sistema mais simples e imparcial de pagamento de impostos e contribuições, facilitando o crédito, diminuindo a burocracia e aumentando o acesso às compras governamentais, exportações e às novas tecnologias. Pode-se verificar que o surgimento destas empresas trouxe certo conforto a economia brasileira e, quando o governo percebeu que este tipo de negócio estava dando algum retorno para o mercado e ajudando ao cumprimento de algumas metas, decidiu que era viável dar um apoio maior e fazer algumas mudanças nas leis para que estas empresas pudessem sobreviver e com isso render bem mais do que elas vem rendendo nos últimos anos Alguns obstáculos encontrados pelas MPEs Nem tudo é tão simples assim, apesar da realidade citada anteriormente o apoio oferecido pelo governo poderia ser maior e as leis mais adaptadas, visto que estes empreendimentos vêm ajudando também nas contrapartidas sociais. Desta forma, pode-se dizer que este tipo de negócio se depara com sérias barreiras que influenciam em seu crescimento, sustentação e competitividade. Além das instabilidades econômicas, as Micro e Pequenas Empresas encontram dificuldades por não suportarem as pressões normais do dia-a-dia e com isso acabam fechando o negócio. Com isso, o mercado acaba perdendo, pois, postos de serviços e comércio são fechados e a sociedade perde com a falta de produtos e serviços que deixam de ser oferecidos. Segundo o SEBRAE, muitos empresários associam o fechamento da empresa a constante instabilidade econômica, a burocracia na hora de obter um financiamento, altos juros entre outros. É fato que podem existir todos estes fatores no cotidiano das Micro e Pequenas Empresas, porém, é importante ressaltar que por outro lado existe a gestão inadequada do negócio visto que muitas vezes os profissionais que estão administrando o negócio não possuem preparo adequado para conduzi-lo, não havendo assim uma analise cuidadosa

15 15 do capital e isso realmente pode pesar muito na hora de se estabilizar uma vez que qualquer tropeço pode levar a empresa à falência. Deste modo, o empreendedor precisa aprender a analisar todo o processo da empresa tendo assim uma visão mais ampla do que esta acontecendo dentro do negócio e deste modo, se livrar da incerteza de investir em um Micro ou Pequeno negócio evitando perder noites de sono por causa do processo de consolidação econômica que no país demora um pouco mais de tempo. 2 - Controladoria: Conceito e estrutura A essência do controle organizacional esta inteiramente ligada à capacidade da alta administração da empresa de agregar suas áreas e os gerentes em volta de um único objetivo, com o intuito de facilitar a gestão da empresa a partir do monitoramento e acompanhamento das performances desses profissionais, investigando e diagnosticando as razões para que eventuais desvios ocorram entre os resultados e perspectivas esperados. Diante disso, Oliveira (2004, p.13) menciona que a controladoria pode ser compreendida como o departamento responsável pelo projeto, elaboração, execução e manutenção do sistema integrado das informações operacionais, contábeis e financeiras de certa entidade, impondo assim uma nova e evoluída pratica da contabilidade. Com isso, pode-se dizer que a contabilidade demonstra ter uma grandiosa base conceitual onde encontramos atividades empresariais de maneira multidisciplinar de modo que, procura-se construir um meio alternativo a Contabilidade Tradicional, cuja base conceitual é inadequada para adaptar as informações designadas aos gerentes. Desta forma, Mossimann e Fisch (1993, p. 72), definem de maneira clara a existência de duas grandes possibilidades de haver uma troca entre ambas às partes por representarem categorias lógicas distintas e cita que: A Controladoria consiste em um corpo de doutrina e conhecimentos relativos à gestão econômica.

16 16 Pode-se dizer então que as responsabilidades e as atividades básicas da Controladoria abrangem planejamento, controle e avaliação de desempenho, a elaboração e interpretação das informações, a contabilidade de custos em geral e outras atividades que implicam no desempenho empresarial. Deste modo, Catelli (2001, p. 344) afirma que: A controladoria enquanto ramo de conhecimento, apoiada na Teoria de Contabilidade e numa visão multidisciplinar, é responsável pelo estabelecimento das bases teóricas e conceituais necessárias para a modelagem, construção e manutenção de sistemas de informações e Modelos de Gestão Econômica, que supram adequadamente as necessidades informativas dos Gestores e os induzam durante o processo de gestão, quando requerido, a tomarem decisões ótimas. Visto isso, pode-se mencionar então que a Controladoria tem como dever prestar contas dos resultados aos gestores, através de operações globais, tendo um controle confiável onde haja implementação e constante manutenção das operações e abastecimento de informações da empresa, apresentando assim a habilidade de um comunicação clara e objetiva com os gestores, desta forma, a controladoria é capaz de analisar os dados obtidos de diferentes áreas executando e administrando devidamente as atividades de uma organização, dando-lhes suporte necessário para a tomada de decisão em tempo hábil. Seguindo este pensamento, Oliveira (2004, p.18) comenta que o papel da controladoria é auxiliar as diferentes gestões da empresa, fornecendo referências das alternativas econômicas e, por meio da visão sistêmica, agregar informações e reportá-las para promover o processo decisório. Diante disso, Anthony (2001), ressalta que o controle gerencial é o procedimento pelo qual os executivos influenciam outros membros da organização, para que sigam às estratégias adotadas. Logo, a Controladoria tende dedicar-se a gestão da empresa buscando o enriquecimento de dados através da análise do Contoller, para que

17 17 os resultados sejam alcançados de maneira adequada para a confiabilidade dos gestores Missão e responsabilidades. Pode-se dizer que controladoria como ramo de conhecimento admite a definição do modelo de gestão econômica e o desenvolvimento e constituição dos sistemas de informações num contexto de Tecnologia de Gestão. Neste sentido, como unidade administrativa a controladoria tem a responsabilidade de coordenar e distribuir a Tecnologia de Gestão, além de unir e dar direção aos empenhos dos demais gestores à melhoria do resultado final da empresa. Neste sentido Catelli (99, p. 372), defini que a missão da controladoria é: assegurar a otimização do resultado econômico da organização. Complementando a idéia, Ricci e Peters (1994, p. 14) definem a missão da controladoria como: [...] coordenação de esforços para que seja alcançada a sinergia que irá corresponder a um resultado global igual ou superior à soma dos resultados individuais das áreas, garantindo o cumprimento da missão e da continuidade da organização. Desta maneira, a controladoria é vista como um órgão que passa segurança e firmeza frente aos eventos e acontecimentos administrativos e que, como leal recebedora da sinergia do desempenho global da organização, sempre que houver necessidade estará pronta para posicionar-se em relação aos gerentes da organização dando destaque à continuidade e melhoria dos resultados. Para esta missão ser desempenhada de maneira clara e objetiva, Catelli (1999) menciona que é preciso que a controladoria execute as seguintes atividades:

18 18 a) Desenvolvimento de condições para a realização da gestão econômica; b) Subsidio ao processo de gestão com informações em todas as suas fases; c) Gestão dos sistemas de informações econômicas de apoio às decisões; d) Apoio à consolidação, avaliação e harmonização dos planos das áreas. Visto isso, Anthony (2001) explica que, o controle gerencia e auxilia a administração conduzindo a uma boa organização de seus objetivos estratégicos. Deste modo, a controladoria se torna um dos principais Centros de Responsabilidades, logo, se tornou um meio de gestão nas empresas onde precisa empregar como fundamental ferramenta do seu sistema de informações a contabilidade como base de dados para operação do controle. Assim, perante sua missão e objetivos, a Controladoria possui a responsabilidade de proporcionar credibilidade e apoio as decisões para que seu desempenho fique positivo na gestão das informações e no desempenho do seu orçamento. Logo, Catelli (2001) expõe que, a cota de contribuição da área da controladoria se caracteriza por buscar a melhoria do resultado econômico da empresa, desta forma, a otimização é viabilizada ao constituir um grupo de condições e relativos objetivos, conforme mostra o quadro abaixo: Tabela 1 Requisitos para a otimização do resultado e objetivos Requisitos para a otimização do Objetivos (obtenção de) resultado Começa no planejamento Resultado objetivado Requer integração das áreas e visão Resulto assegurado de longo prazo Decorrente da otimização do Resultado efetivado resultado de cada evento/ transação Requer mensuração adequada Resultado correto Fonte Catelli (2001, p. 348).

19 19 Portanto, a Controladoria busca a otimização dos resultados dentro da administração buscando a adaptação dos objetivos de grande mensuração e, sua finalidade é alcançar diretrizes para que a organização tenha um resultado coerente de acordo com a sua necessidade. Como resultado cria-se questões a serem apontadas pelos gestores para que a empresa apresente informações com uma viabilidade coerente Objetivos e funções. A controladoria tem como objetivo a aplicação de técnicas sofisticadas de analise dos dados contábeis, que após serem reunidos e analisados são encaminhados para o planejamento e controle gerencial de acordo com a pretensão da empresa. Segundo Catelli (1999, p. 375), [...] as empresas têm uma divisão funcional do trabalho, cujo divisor de águas é a vinculação- destas funções- as suas características operacionais, que são definidas em função do produto e ou serviço produzido... No caso da Controladoria, estas funções estão ligadas a um conjunto de objetivos. Desta forma Catelli (2001, p. 348) complementa citando que: A atuação da controladoria envolve a implementação de um conjunto de ações cujos produtos se materializam em instrumentos disponibilizados. Disto isso, Nakagawa (1993) destaca abaixo os principais objetivos e funções da controladoria: Desenhar, programar e manter estrutura de informação que oriente o desempenho dos gestores; Coordenar o processo de planejamento e controle; Coordenar a padronização de procedimentos de mensuração; Garantir a informação adequada para avaliação de desempenho e apuração de resultados;

20 20 Identificar ações corretivas; Verificar se as áreas estão identificando as potencialidades e fraquezas da empresa perante oportunidades e ameaças; Garantir o cumprimento do processo de tomada de decisão. Responsabilizar-se pela coordenação da elaboração do planejamento (orçamento, procedimentos, etc.); Atuar em conjunto com as demais da elaboração de atribuições e responsabilidade para cargos de decisão da organização; Responsabilizar-se pelos críticos de mensuração adotados pela empresa; Monitoria do controle do desempenho das unidades a partir de interação com as mesmas; Estruturar e coordenar métodos eficientes de comunicação entre as unidades, e destas com a alta direção; Garantia Patrimonial e Controle; e Responsabilizar-se pelos graus de eficiência e eficácia da empresa como um todo, base para avaliação de desempenho. No entanto, Kanitz (1976) complementa mencionando que a função básica é implementada pelo Controlador e consiste em inserir e dirigir os sistemas de: informação, motivação, coordenação, avaliação, planejamento e acompanhamento. E cita que as responsabilidades principais do Controller são: Coordenação do Sistema de Planejamento e Controle (Sistema Orçamentário); Assessoria à Alta Direção na tomada de decisões; Produção de Relatórios Especiais para estudos e análises não rotineiras; Controle das Atividades (Analise dos Desvios Orçados x Realizado); Avaliação de Desempenho. Logo, Nakagawa (1993 p. 14) cita que:

21 21 [...] o controller desempenha sua função de controle de maneira muito especial, isto é, ao organizar e reportar dados relevantes, exerce uma força ou influencia que induz os gerentes a tomarem decisões lógicas e consistentes com a missão e objetivos da empresa. Portanto, com os objetivos determinados e mencionados acima, pode-se entender que seguindo estes procedimentos junto com a união das funções, a controladoria através do Controller apresentará um processo adequado as funções que lhe serão atribuídas a empresa A Controladoria no Sistema da empresa A função da Controladoria na Gestão Econômica se pratica junto à gestão da organização, desta forma, criando-se um sistema. Guerreiro (1989, p. 153) menciona que: sistema pode ser entendido como um conjunto de elementos interdependentes que interagem na consecução de um objetivo comum. Seguindo este pensamento, Nascimento e Reginasto (2007, p. 19) aludem: No contexto das atividades desenvolvidas em uma empresa, sistema pode ser entendido como o conjunto de relacionamentos dinâmicos das diferentes áreas que otimiza a utilização dos recursos por ela consumidos. [...] de modo a beneficiar a empresa em sua totalidade. Diante disto, pode-se dizer que as empresas são compostas por elementos inter-relacionados, que trabalham unidos, com objetivos determinados, formando assim um sistema. Desta forma, não se considera um sistema onde as partes trabalhem separadas, pois, é a simples agregação de suas partes, as conexões e interações entre os seus elementos que o completam. Acompanhando este raciocínio, Nakagawa (1993, p. 21) cita que:

22 22 [...] visão sistêmica é aquela que se preocupa com a compreensão de um problema em sua forma mais ampla e completa possível, [...] nos conduz à preocupação pelo desempenho da totalidade de um sistema, mesmo que o problema identificado se refira a uma ou algumas das partes do sistema, porque é característica dos sistemas a interação entre todas as partes que o compõem... A visão sistêmica é deste modo, um enfoque de conjunto, a partir do qual se distinguem as funções e complementações das partes. É propriedade dos sistemas a interação das partes produzirem no todo resultados superiores aos que produzem separadamente. Com isso, um sistema não pode ser subdividido em partes destacadas, originando-se daí a expressão: o todo é mais que a soma de duas partes. Visto isto, pode-se dizer que dentro deste sistema trabalha-se o desempenho das variáveis do ambiente externo, e este ambiente é um dos fatores que vem a esclarecer o grau de dificuldade que uma organização pode ter para obter seus objetivos. Seguindo este pensamento, Nascimento e Reginato (2007, p. 17) explicam que: O grau de incerteza e a turbulência ambiental são fatores que podem dificultar para a administração de uma organização o planejamento de suas atividades e até mesmo os seus resultados. No entanto, não se deve focar apenas nas variáveis do ambiente externo como pontos importantes que facilitam à empresa na conquista de resultados, visto que, existem variáveis do ambiente interno da empresa que podem vir a causar transtornos no resultado global. Diante disto, Nascimento e Reginato (2007, p. 17) complementam: Sob perspectiva do ambiente interno, também existem fatores, tais como: pessoas com seus próprios objetivos, existência de diversas áreas organizacionais e a demanda por diferentes

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 985 RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 RESUMOS COM RESULTADOS 986 ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS, NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO... 987 987 Ensino (ENAENS) ANÁLISE

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais