Experiência da Natura na Utilização dos Fomentos a Inovação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiência da Natura na Utilização dos Fomentos a Inovação"

Transcrição

1 Experiência da Natura na Utilização dos Fomentos a Inovação VIII Conferência Anpei de Inovação Tecnológica, 20 de Maio de 2008

2 Negócio Natura Pesquisa & Desenvolvimento Estratégia Apoio à Inovação Lessons & Learning Incentivos fiscais

3 Overview 2007» mercado alvo: Cuidados com a Pele, Protetor Solar, Maquilagem, Perfumes, Fragrâncias, Cuidados para o cabelo, Creme de Barbear e Desodorantes» colaboradores: 5,1 mil» consultoras: 617 mil (no Brasil e na América Latina) Negócio Natura

4 receita bruta consolidada (R$ milhões) nossos números

5 Natura no mundo Brasil (1969) Chile (1982) França Argentina (1992) USA Peru (1992) México (2005) França (2005) Colômbia (2006) Venezuela (2006) México Colombia Perú Venezuela Brasil Chile Argentina Países de atuação

6 Pesquisa & Desenvolvimento Estratégia

7 P&D Drivers Estratégicos Vegetalização Uso sustentável da Biodiversidade Bem Estar Bem Segurança e Eficácia Inovação Aberta

8 Programa Natura Campus de Inovação Tecnológica

9 Apoio à Inovação

10 Histórico CNPq 2001 Finep 2001 Finep 2002 Fapesp 2003 Finep 2005 Finep 2005 Finep 2007 Fomento à Pesquisa

11 CNPq 2001 Edital CNPq no 08/2001 Fitoterápicos Total de 5 projetos aprovados Chamada para projetos de P&D no âmbito da linha de apoio ao uso sustentável da biodiversidade (fitoterápicos) envolvendo ICTs e empresas: UFMG USP UFC UNICAMP UERJ Fomento à Pesquisa

12 FINEP 2001 Recurso reembolsável para financiamento de projeto de capacitação tecnológica da Natura para uso sustentável da biodiversidade brasileira Duração: 3 anos Resultados obtidos: redução de impacto ambiental comprovação de segurança e eficácia farmacológica Fomento à Pesquisa

13 FINEP 2002 Carta convite Verde-amarelo/empresas: FINEP 02/2002 Escolha de áreas de interesse da empresa com foco em novos projetos na área de fitoterápicos, ativos da biodiversidade brasileira e segurança de produtos Fundo verde-amarelo (50/50): 5 projetos aprovados em parceria com ICTs UFSC UNIFESP UFRJ UNESP Fomento à Pesquisa

14 FAPESP o Edital lançado em 2003 (PITE): parceria científica entre a Natura, FAPESP e ICTs no Estado de São Paulo (50/50): IAC UNESP UNICAMP/UFBA CPQBA USP/UFRGS IPT/UFC Foram aprovados 8 projetos dentro do contexto da pesquisa e/ou desenvolvimento de ativos de origem vegetal da Biodiversidade Brasileira, com potencial de aplicação em produtos cosméticos Fomento à Pesquisa

15 FINEP 2005 Chamada pública do MCT/Finep 03/2005 Ação transversal de Nanotecnologia: 50% fomentado pela Finep e 50% contra-partida Natura Apoio a atividades de Pesquisa e Desenvolvimento de produtos e processos inovadores em nanotecnologia empreendidos em cooperação com ICTs 1 projeto de nanotecnologia aprovado em parceria com o IPT para o desenvolvimento de nanocosméticos de ação anti-oxidante e antiinflamatória Duração de 2 anos Fomento à Pesquisa

16 FINEP 2005 Financiamento reembolsável para a estruturação das plataformas de tecnologia para novos produtos cosméticos e suplementos nutricionais Resultados: desenvolvimento e lançamento de produtos inovadores com maior índice de vegetalização e menor impacto ambiental tanto no mercado nacional quanto internacional Destaques: Linha diversa (refil de maquilagem) Sabonetes 100% vegetal Fomento à Pesquisa

17 Finep 2007 Seleção Pública MCT/FINEP Subvenção Econômica à Inovação 01/2007 Total de 4 projetos aprovados na área 2 inovações nas áreas de biodiversidade, biotecnologia e saúde Duração de 3 anos Fomento à Pesquisa

18 Lessons & Learnings...

19 Desafios e Pontos de Atenção Submissão Comprovação Complexidade da empresa Negociações com ICTs e órgãos de fomento => Lei de Inovação Dificuldades

20 Aprendizados: Oportunidades Importância Equipe interna dedicada ao projeto Definição de processo interno bem estabelecido para comprovação técnicofinanceira Relacionamento com meio acadêmico estabelecimento de política de relacionamento para projetos de pesquisa em parceria com ICTs Relacionamento com órgãos de fomento Aprendizados

21

22 produtos canal de distribuição marca Modelo de negócio O modelo de negócio adotado pela NATURA para desenvolvimento de suas atividades privilegia em seus negócios três pilares básicos: produto, canal de vendas e marca. Para desenvolvimento de suas atividades operacionais a NATURA utiliza-se de algumas empresas, das quais duas serão objeto desta apresentação: Natura Inovação e Tecnologia de Produtos e Natura Cosméticos S.A. Estrutura Operacional

23 Funil de Tecnologia Funil de Inovação Briefing Viabilidade Técnica Validação Disponibilização Briefing Nova Tecnologia Design e Protótipo Viab. Técnica Design e Protótipo Viab. Financeira Plano Executivo Disponibilização Processos de Gestão

24 Lista de Incentivos Fiscais (usufruídos ou em fruição) i) Incentivos em forma de dedução Exclusão do lucro líquido o valor de até 60% dos dispêndios realizados com pesquisa tecnológica desenvolvimento de inovação tecnológica (art. 19 Lei n /2005) ii) Incentivos de redução de imposto Redução a zero da alíquota de IRRF incidente sobre as remessas ao exterior destinadas a registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares (art. 17, VI da Lei n /2005) iii) Incentivos de efeito caixa Depreciação acelerada do custo de aquisição das máquinas e dos equipamentos vinculados exclusivamente às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica (art. 17, III da Lei n /2005) Incentivos Fiscais

25 Benefício fiscal Vlr que retorna a cada R$ 1,00 investido Fundamento Legal Utilização pela Natura Despesa Operacional (gastos de pesquisa) R$ 0,34 RIR/99 art. 299 Sim. Despesa operacional. Exclusão no lucro líquido de despesas com P&D p/ apuração do lucro real (na base de cálculo da CSLL) R$ 0,20 Art.19 e parágrafos (lei /05) Sim, desde Patentes Concedidas R$ 0,07 Art.19 e parágrafos (lei /05) Não. Hoje temos R$ 0,54 de retorno, a cada R$ 1,00 investido. Incentivo sob forma de dedução

26 Requisitos Comprovação de os dispêndios foram aplicados em projetos de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica. Procedimento adotado Identificação da natureza dos projetos com base nas ferramentas de gestão da Cia.; Entrevistas com representantes das áreas de pesquisa e desenvolvimento; Identificação dos custos diretos e indiretos alocados a cada um dos projetos com base em controles contábeis; Definição de critérios de rateio para alocação dos custos diretos de acordo com controles contábeis; Contabilização das despesas relacionadas aos projetos; Apuração fiscal dos incentivos e preenchimento de obrigações acessórias; e Arquivos dos documentos fiscais que comprovem os gastos incorridos. Exigência Legal Comprovação de regularidade fiscal Incentivo sob forma de dedução

27 Recursos destinados à subvenção econômica serão aplicados no custeio de atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação. (art. 20, 3º do Decreto n /05, que regulamenta a Lei n /04) Subvenção obtida no âmbito da FINEP tem característica de subvenção para custeio, devendo ser computada na apuração do lucro operacional e, como consequência, será tributada pelo IRPJ e CSLL. Não obstante, seguindo normas contábeis no sentido de contabilizar as subvenções como receita, os recursos recebidos serão também tributados pelo PIS e pela COFINS. Subvenção Econômica

28

resultados 2T08 25 de julho de 2008

resultados 2T08 25 de julho de 2008 resultados 2T08 25 de julho de 2008 1 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2003-2007) = 15,9% 14 13,0 12 10 8 7,2 8,7 10,1 11,4 +13,2% 6 4 3,6 4,1 2 +12,0%

Leia mais

resultados 3T08 24 de outubro de 2008

resultados 3T08 24 de outubro de 2008 resultados 3T08 1 24 de outubro de 2008 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2003-2007) = 15,9% 14 12 10 8 6 7,2 8,7 10,1 11,4 +13,2% 13,0 5,7 6,4 4 +12,0%

Leia mais

resultados 3T09 23 de outubro de 2009

resultados 3T09 23 de outubro de 2009 resultados 3T09 23 de outubro de 2009 1 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2004-2008) = 15,0% 16,0 15,2 14,0 13,0 12,0 11,5 10,0 8,0 8,7 10,1 +17,3%

Leia mais

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP 1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP Fernando de Nielander Ribeiro Diretor Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP São Paulo, 25 de setembro de 2007. Estrutura do MCT Conselho Nacional de C&T

Leia mais

Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT

Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT DI/CPN Características dos projetos financiados pela Embrapii Foco do projeto desenvolvimento de produto ou processo inovador na área de atuação do IPT Superar

Leia mais

Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº /2005 (Lei do Bem)

Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº /2005 (Lei do Bem) Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº 11.196/2005 (Lei do Bem) Principais incentivos fiscais da Lei do Bem Os principais incentivos fiscais à inovação tecnológica previstos na Lei do Bem são:

Leia mais

Empresa Brasileira 95 anos de história

Empresa Brasileira 95 anos de história Estratégia de Inovação para Tempos Incertos Grupo Votorantim Empresa Brasileira 95 anos de história Nossas operações industriais concentram-se nos setores de base da economia, que demandam capital intensivo,

Leia mais

Instituto Nacional de Investidores INI. Agosto 2006

Instituto Nacional de Investidores INI. Agosto 2006 Instituto Nacional de Investidores INI Agosto 2006 Agenda Introdução Estratégia Objetivos a médio prazo Finanças Natura Cosméticos S.A. Mercado alvo CF&T: perfumes, maquilagem, cuidados com a pele, cuidados

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Sandra Barioni Toma

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Sandra Barioni Toma Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Sandra Barioni Toma Nosso PDI O foco das atividades de busca, seleção e realização de oportunidades e projetos em PDI é direcionado pela visão de futuro e pelas estratégias

Leia mais

IPT e Unidade Embrapii - IPT

IPT e Unidade Embrapii - IPT IPT e Unidade Embrapii - IPT Coordenação Geral Diretoria de Inovação - Zehbour Panossian Coordenação de Operação Coordenadoria de Planejamento e Negócios - Flávia Motta Sumário Sistema Embrapii Unidade

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica e o Desenvolvimento Regional: ações da FAPESP João Furtado (Escola Politécnica USP) Coordenador Adjunto de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Inova Mineral Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Articulação e participação MME, ABDI, MCTI, CETEM, MDIC, empresas e ICT s Crédito e renda

Leia mais

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação CONFERÊNCIA O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho spartaco.biotec@gmail.com

Leia mais

Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese

Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese 13.04.2016 Onde encontrar e interagir http://ri.mahle.com.br/ andre.ferrarese@br.mahle.com 2 Motivação Reduzir Dispêndio Efetivo MAHLE: % do faturamento Orçamento

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ampliando mercado de Placas de CI através s da Certificação São Paulo -SP 28 de novembro de 2006 João Florencio da Silva Analista do Escritório

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Subvenção x Receita Aportes públicos nos contratos de PPP: suas possíveis interpretações Mestre e Doutor em Direito do Estado pela

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Carlos A. Briganti João Lima Junior. Abril/2010

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Carlos A. Briganti João Lima Junior. Abril/2010 1 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Carlos A. Briganti João Lima Junior 2 Abril/2010 INOVAR É A SAÍDA Carlos A. Briganti 3 Abril/2010 VARIAÇÃO CAMBIAL 2004-2009 VALORES EQUIVALENTES A US$ 1.000,00 2004 2005 2006 2007

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

OS INCENTIVOS FISCAIS À

OS INCENTIVOS FISCAIS À DECOMTEC OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA LEI Nº 11.196/2005 Departamento de Competividade e Tecnologia - DECOMTEC São Paulo, 08 de outubro de 2012 Principais incentivos da Lei do Bem (Cap.

Leia mais

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). Perguntas Frequentes O que é o Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime)? Trata-se de um programa inovador criado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e sua Agência Financiadora de Estudos e

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Apresentação Finep APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Agenda A FINEP Inova Empresa Modalidades de Financiamento (reembolsável, não reembolsável, renda variável)

Leia mais

CAPÍTULO 2 OS RECURSOS FINANCEIROS DE APOIO À INOVAÇÃO NO BRASIL

CAPÍTULO 2 OS RECURSOS FINANCEIROS DE APOIO À INOVAÇÃO NO BRASIL CAPÍTULO 2 OS RECURSOS FINANCEIROS DE APOIO À INOVAÇÃO NO BRASIL Por Maria Carolina Rocha e Pollyana Souza O Brasil está evoluindo no apoio à inovação por meio de políticas públicas e legislações que visam

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016

CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016 CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016 APOIO FINANCEIRO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Seminário Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Uma proposta para os NITs do NE Teresa Lenice Mota (UECE) Colaboração: André Luiz Araújo (CEFET-CE) Aritomar Barros (UFC) BNB, 10 de abril de 2007

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. São Paulo,

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. São Paulo, Política para o Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação São Paulo, 12.11.2008 Sobre a FINEP Empresa pública federal vinculada ao Ministério

Leia mais

Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC

Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC Fernanda Magalhães Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Coordenação-Geral de Incentivos

Leia mais

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA QUEM SOMOS A VP Consultoria é uma empresa que atua nos segmentos de Consultoria Contábil e Fiscal, de Recursos Humanos, Tributário e Societário e de Gestão Financeira. Contamos com uma equipe de profissionais

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA EXEMPLO 1

ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA EXEMPLO 1 ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA PREMISSAS DO EXEMPLO: EXEMPLO 1 DIFERENÇA A SER ADICIONADA Arts. 68, 163 e 164 - Aquisição de equipamento em 02/01/2013

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas

Leia mais

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha Anália Francisca Ferreira Oqueé Incluída nos contratos de concessão desde a Rodada Zero, institui a obrigação do concessionário investir em atividades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006. Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE PARCERIAS E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA

ESTRUTURAÇÃO DE PARCERIAS E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA ESTRUTURAÇÃO DE PARCERIAS E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA www.biolabfarma.com.br BIOLAB Farmacêutica Empresa do setor que mais investe em Pesquisa Desenvolvimento & Inovação Linha Dermocosmética Produtos

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL 37 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO 1/7 EXECUÇÃO: OUTUBRO/2015 A JUNHO/2016. A Reitora do

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

Depreciação de Bens do Ativo Imobilizado

Depreciação de Bens do Ativo Imobilizado Depreciação de Bens do Ativo Imobilizado Contabilmente a depreciação de bens do ativo imobilizado corresponde à redução do valor dos mesmos tendo em vista o desgaste pelo uso, ação da natureza ou obsolescência

Leia mais

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás 10º Encontro Anual PRH / ANP 18-19.06.2008 Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás Rogério Amaury de Medeiros Área de Planejamento medeiros@finep.gov.br

Leia mais

Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda.

Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda. Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda. Demonstrações Abreviadas de Receitas e Despesas Diretamente Relacionadas Referentes aos Trimestres Findos em 31 de Março de 2011 e de 2010 e Exercícios

Leia mais

Sped ECF. Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica

Sped ECF. Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica Sped ECF by ROFF Labs Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica Sumário 1 A solução Sped ECF by ROFF Labs 2 Sobre o ROFF Labs 2 Uma Solução para apuração dos impostos IRPJ e CSLL Integrado

Leia mais

AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES. IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015

AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES. IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015 1 AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015 2 ROTEIRO 1) MCTI: Estrutura Geral 2) SETEC: Três Pilares de Atuação 3) SIBRATEC Shop e Plataforma ITEC 4)

Leia mais

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI Lucia Fernandes ACADEMIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL MISSÃO Formação e capacitação em PI; Desenvolvimento de P&D em PI; Disseminação do uso

Leia mais

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) O que é ECF? Escrituração Contábil Fiscal - (ECF) é uma obrigação imposta às Pessoas Jurídicas estabelecidas no Brasil exigidas pela RFB que substituiu a Declaração

Leia mais

Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013

Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013 Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013 Agenda O que é o Inova Saúde? Linhas Temáticas Instrumentos Disponíveis Etapas do Inova Saúde O Inova Saúde é parte do Plano Inova

Leia mais

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 Vanderlan Vasconselos Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 MISSÃO Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais do Prêmio FINEP de Inovação em 2009 e 2010.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais do Prêmio FINEP de Inovação em 2009 e 2010. Regulamento 1. OBJETIVO O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros,

Leia mais

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro Squadra Participações SQUADRA INVESTIMENTOS 2008 Fundação da Squadra Investimentos Gestora independente de recursos com foco em ações de

Leia mais

APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia

APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia ITEMM Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura Pernambucano, Químico industrial/ufpe, Fundador da Baterias Moura um besouro que voa alto. Cultura da Inovação como

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

BNDES Funtec. Abril, 2016

BNDES Funtec. Abril, 2016 BNDES Funtec Abril, 2016 Mecanismos de Financiamento à Inovação Start-up MPME Média-Grande/Grande Produtos BNDES Linha BNDES Inovação/ Programas Setoriais Participação Acionária CRIATEC Fundos de Investimento

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA APRES ENTAÇÃO O mundo globalizado está em constante transformação em função da implementação de novas tecnologias ao ambiente dos

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda. 06 de maio de 2016

Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda. 06 de maio de 2016 1 Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda 06 de maio de 2016 Correção na tabela do IRPF 2 Alteração em 5% da tabela progressiva mensal, nas deduções e limites de isenção Validade a partir de janeiro

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Feira de Santana BA 30/09/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? No de operações 2013 R$ 1,1 milhões

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Lei nº 11.487/2007: Problema: produção científica crescente SEM reflexo no setor produtivo e industrial Produção Científica

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS, da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes sobre

Leia mais

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Coordenadora-Geral de Inovação Tecnológica Subs?tuta Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri 03/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão...

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação. Denis Borges Barbosa e Marcelo Gustavo Silva Siqueira

Incentivos Fiscais à Inovação. Denis Borges Barbosa e Marcelo Gustavo Silva Siqueira Incentivos Fiscais à Inovação Denis Borges Barbosa e Marcelo Gustavo Silva Siqueira Lei da inovação Art. 28. A União fomentará a inovação na empresa mediante a concessão de incentivos fiscais com vistas

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal - ECF

Escrituração Contábil Fiscal - ECF EMPRESAS LUCRO REAL As empresas que são tributadas pelo Lucro Real, pagam o IRPJ e a CSLL com base no lucro obtido em sua contabilidade, ajustado de receitas e despesas que não devem ser consideradas,

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação. Denis Borges Barbosa

Incentivos Fiscais à Inovação. Denis Borges Barbosa Incentivos Fiscais à Inovação Denis Borges Barbosa Lei da inovação Art. 28. A União fomentará a inovação na empresa mediante a concessão de incentivos fiscais com vistas na consecução dos objetivos estabelecidos

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS. Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900)

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS. Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900) Introdução à PI. Evolução Histórica. Marcos legais e acordos internacionais. Tipos de PI: direito autoral; propriedade

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O Í N D I C E A N A L Í T I C O I - REGRAS GERAIS... 15 I.1 - Introdução... 15 I.2 - Conceitos e definições... 15 I.2.1 - Restituição... 15 I.2.2 - Compensação... 16 I.2.3 - Ressarcimento... 16 I.2.4 - Reembolso...

Leia mais

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008.

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. LEI Nº 11.827, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. Altera as Leis n os 10.833, de 29 de dezembro de 2003, e 11.727, de 23 de junho de 2008, relativamente à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica UNICAMP Fórum de Inovação Natura Campus Inovação aberta Sonia Tuccori Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica agenda Natura história e estratégia de negócios Inovação em produtos e estratégia tecnológica

Leia mais

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A)

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) São Paulo, SP 30 de Setembro de 2014 1 IN CVM 371/2002 CPC 32 Planos de Longo Prazo 2014-2024 Ativos Fiscais Diferidos Realização Ativos

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

EMENTAS MÓDULO I Governança Corporativa e Indicadores Estratégicos Negociação e Tomada de Decisão Gestão de Projetos

EMENTAS MÓDULO I Governança Corporativa e Indicadores Estratégicos Negociação e Tomada de Decisão Gestão de Projetos EMENTAS MÓDULO I Governança Corporativa e Indicadores Estratégicos Missão, objetivos e metas da Governança Corporativa. Governança Corporativa: conceitos e valores. Os índices brasileiros atrelados a Governança

Leia mais

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA Instituído pela Lei N.º 10.197, de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 Recursos: 20% dos recursos dos Fundos Setoriais, sendo pelo menos 30% destinados

Leia mais

Programa USP/U.Porto Edital 2015

Programa USP/U.Porto Edital 2015 1. Introdução A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade do Porto (U.Porto) Portugal celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação acadêmica em todas as áreas do conhecimento

Leia mais

PORTARIA 001/2015 PORTARIA:

PORTARIA 001/2015 PORTARIA: PORTARIA 001/2015 Institui Grupo de Trabalho para propor critérios, parâmetros e orientações a serem adotados para a inovação tecnológica na Universidade, em conformidade com a Resolução nº 7035, de 17

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Programa Nacional do Pós-Doutorado CAPES (Portaria Capes nº 86/2013) EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Seleção de Projetos de Pesquisa de Pós-doutorado O Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Jurídicas

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - TRATAMENTO CONTÁBIL... Pág. 705 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA GANHOS

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

Biodiversidade da Amazônia

Biodiversidade da Amazônia Parceria Objetivo Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico e mercadológico quanto às oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia de cosméticos de base florestal madeireira e não

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre apoio à Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 19 de março de 2014 Agenda da reunião Apresentação 1. Palavra da Diretoria

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE Av. Agamenon Magalhães, s/n, Santo Amaro Recife-PE CEP FONE: (81) FAX: (81) 3183.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE Av. Agamenon Magalhães, s/n, Santo Amaro Recife-PE CEP FONE: (81) FAX: (81) 3183. 1 PROPOSTA DE PROJETO DE LEI Nº EMENTA: Dispõe sobre a autonomia da Universidade de Pernambuco UPE e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: "Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Capítulo I DO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO PARA A PLATAFORMA DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO REPES

Capítulo I DO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO PARA A PLATAFORMA DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO REPES LEI N o 11.196, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2005 Institui o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação REPES, o Regime Especial de Aquisição de Bens

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO 1. Qual a origem dos recursos disponíveis no orçamento para a área da INFÂNCIA? Todos

Leia mais