Contabilidade UNIDADE 03. Processo Contábil. Unidade 3. Hebert Sá RECEITA DESPESAS. Processo Contábil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade UNIDADE 03. Processo Contábil. Unidade 3. Hebert Sá RECEITA DESPESAS. Processo Contábil"

Transcrição

1 Unidade 3 Hebert Sá RECEITA DESPESAS 43

2 Sumário Introdução Objetivos Estrutura da Unidade Unidade 3: Tópico 1: Contas: Conceituação, Função e Elementos Patrimoniais Plano de Contas Movimentação das Contas Saldo das Contas Tópico 2: Regras para Contabilização Método das Partidas Dobradas Tópico 3: Os Livros Contábeis e suas Funções Livros Contábeis Livros Fiscais Livros Trabalhistas Tópico 4: Balancete de Verificação Razonetes e Controle de Saldo das Contas Resumo Leitura Complementar Referências Bibliográficas

3 Nas unidades anteriores, conhecemos as fontes financiadoras das atividades das empresas e os elementos formadores do patrimônio, bem como a natureza deles. Nesta unidade, iniciaremos o, onde serão apresentados os livros utilizados para a escrituração de todos os atos praticados pelos administradores durante a gestão financeira, com a finalidade de dar transparência na gestão dos recursos e garantir todos os registros da vida da empresa. Será apresentado, também, o método, mundialmente conhecido, utilizado para registrar a aplicação de recursos quando debitada(s) conta(s) e a origem dos recursos quando creditada(s) conta(s). Logo, é pelo método das partidas dobradas que ocorre o registro e o controle das mutações ocorridas no patrimônio. O registro de toda prática de gestão é uma forma de dar transparência na utilização de recursos e garantir a todos os investidores de capital a disponibilização de relatórios para consulta, quando for necessário. Nesta unidade, iniciaremos o processo que busca desenvolver o raciocínio contábil. Vamos entender todo mecanismo de movimentação das contas utilizadas para registrar os fatos ocorridos na empresa através do método das partidas dobradas. Lembre-se de que esse método é responsável por registrar a aplicação de recursos quando debita-se alguma(s) conta(s) e a origem dos recursos quando credita-se outra(s) conta(s). Então, neste item, você será capaz de entender as contas desde a identificação até a apuração de saldo nos razonetes, além da realização do Balancete. Bons estudos! 45

4 Ao completar esta unidade, você estará apto a: 1. Compreender a finalidade e a aplicabilidade do Plano de Contas; 2. Compreender a utilidade das contas, sua movimentação e interpretação do saldo; Objetivos 3. Compreender o processo de contabilização e o método utilizado; 4. Reconhecer os Livros Contábeis e suas funções; 5. Analisar e interpretar um Balancete. Estrutura da Unidade Veja, a seguir, os conteúdos que você irá aprender nesta disciplina: 1. Contas: Conceituação, Função e Elementos Patrimoniais 1.1 Plano de Contas 1.2 Movimentação das Contas 1.3 Saldo das Contas 2. Regras para Contabilização 2.1 Método das Partidas Dobradas; 3. Os Livros Contábeis e suas Funções 3.1 Livros Contábeis 3.2 Livros Fiscais 3.3 Livros Trabalhistas 4. Balancete de Verificação 4.1 Razonetes e Controle de Saldo das Contas 46

5 1. Contas: Conceituação, Função e Elementos Patrimoniais Existem inúmeros conceitos sobre conta. Definiremos com o nome técnico que representa um dos elementos patrimoniais. A natureza de cada conta já se define de acordo com o posicionamento do elemento representado. Conheça o conceito de conta de acordo com a explicação de dois renomados autores da literatura contábil: Conta é uma classe de elementos patrimoniais expressos em unidade de valor. (Braga, 1998, p.66). Registrar ou escriturar é gravar um fato, mantendo a MEMÓRIA do mesmo. (Sá, 1980, p.21). Escritura-se baseado em DOCUMENTOS ou COMPROVANTES. O que se registra precisa ter-se COMPROVAÇÃO. (Sá, 1980, p. 21). Não haverá registro de qualquer fato financeiro no sistema contábil sem a devida comprovação por documento. Como abordamos nas unidades anteriores, o registro contábil comprova a veracidade dos fatos, idoneidade na gestão e aplicação dos recursos financeiros no dia a dia nas empresas. Resumindo, uma conta representa um dos elementos patrimoniais Bens, Direitos e Obrigações, além do PL. A finalidade de uma conta é registrar toda movimentação financeira ocorrida no dia a dia das empresas. 47

6 No quadro abaixo, observe algumas contas, suas funções e o elemento patrimonial que ela representa: Importante Lembre-se: PL Patrimônio Líquido é um grupo de contas, não um elemento. FUNÇÃO ELEMENTO PATRIMONIAL Registrar toda entrada e saída de dinheiro e, por consequência, comprovar a existência de capital disponível na empresa. CONTA CONTÁBIL Caixa Estoque de Mercadorias Duplicatas a Receber Capital Social Duplicatas a Pagar Veículos Bem Bem Direito Conta PL Obrigação Registrar toda entrada e saída de mercadoria e comprovar o valor existente para venda. Registrar todo direito que a empresa tem a receber proveniente das vendas ou da prestação de serviço, a prazo, representado por duplicata. Registra o investimento de capital na empresa efetuado pelos sócios. Bem Registra o compromisso que a empresa assumiu perante terceiros, a prazo, que será pago por uma duplicata. Registra a aquisição de veículos que serão utilizados na atividade da empresa. 48

7 1.1 Plano de Contas Representa uma relação de contas codificadas e ordenadas com base na padronização do Balanço Patrimonial, que nos permite identificar as contas em seus respectivos grupos ou subgrupos, com a descrição da natureza do saldo: se devedor ou credor. O objetivo principal do plano de contas é possibilitar o registro ordenado e consistente das transações da empresa. Veja o exemplo de um Plano de Contas bem resumido: PLANO DE CONTAS CONTAS PATRIMONIAIS 1ATIVO 2PASSIVO 1.1 CIRCULANTE Caixa Bancos Mercadorias Clientes 1.2 NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Duplicatas a receber Imobilizado Móveis e Utensílio Investimentos Ações de Outras Cias Diferido Projetos 2.1 CIRCULANTE Fornecedores Contas a pagar Duplicatas a pagar Impostos a pagar Salários a pagar 2.2 NÃO CIRCULANTE Exigível a Longo Prazo Financiamentos Resultado de Exercícios Futuros Adiantamentos de Clientes 2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Resultado do Exercício Resultado de Exerc. Anteriores 49

8 CONTAS DE RESULTADO 3DESPESAS 4 RECEITAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS Salários DESPESAS TRIBUTÁRIAS ICMS DESPESAS FINANCEIRAS Juros pagos RECEITAS OPERACIONAIS Receita de vendas Receita de serviços RECEITAS FINANCEIRAS Juros RECEITAS ADMINISTRATIVAS Aluguel 50

9 1.2 Movimentação das Contas Como movimentar as contas? As contas são movimentadas por débito e crédito. Para classificá-las, você deve observar a natureza de cada conta. Mas, o que é a natureza de uma conta? Natureza é a forma de diferenciar as contas que representam os elementos patrimoniais. Umas representam os elementos do ativo (bens e direitos) e outras, o elemento do passivo (obrigação). Há, também, as contas próprias de PL, evidenciando os recursos próprios: Capital Social, Reserva de Lucro e Prejuízos Acumulados, por exemplo. Então, quando debitar ou creditar uma conta? Importante Para se movimentar uma conta, seja por débito ou crédito, deve-se, antes, conhecer a natureza dela. Veja: Quando resolvem constituir uma empresa, os sócios apostam que todo investimento de capital tende a dar certo e, portanto, acreditam nisso. E se acreditam, logo, dão crédito. Assim, do lado direito do balanço é onde fica o elemento obrigação, representando as dívidas contraídas perante terceiros. Entenda melhor: Quando alguém vende um bem ou presta serviços a prazo, antes da entrega do bem ou da execução do serviço, do que a aprovação depende? Do crédito. Sendo assim, depois de aprovado, a confiança foi depositada no consumidor e acreditase que na data de vencimento estipulada a dívida será paga. 51

10 Importante Não raciocine contabilmente fazendo associação de algumas palavras utilizadas no cotidiano. Por exemplo: em contabilidade, a palavra débito não significa dívida. Nesse caso, Débito significa de natureza devedora e é atribuída aos elementos representativos dos bens e direitos e, estes, recebem investimentos provenientes das fontes que financiam a atividade da empresa. Resumindo: tudo que o ativo tem deve-se ao passivo, daí a origem da natureza devedora. Então, se uma conta pertence ao Ativo, sua natureza é devedora. Logo, o saldo aumenta quando é debitada e diminui quando é creditada. Se uma conta pertence ao Passivo, sua natureza é credora. Logo, o saldo aumenta quando é creditada e diminui quando é debitada. Observe e analise os quadros a seguir: Balanço Patrimonial (natureza das contas) Balanço Patrimonial (movimento nas contas) ATIVO PASSIVO ATIVO Bens e direitos (aplicações de recursos) Obrigações (origens de recursos Débito Aumento Crédito Diminuição Natureza devedora Natureza credora PASSIVO Débito Crédito Diminuição Aumento 52

11 Agora, trataremos das contas de resultado, caracterizadas como despesas e receitas. Juntas, elas representam conjugação de esforços objetivando identificar o resultado operacional. Sabemos que despesas e receitas estão presentes no dia a dia das empresas em situações como: pagar as contas de energia elétrica, água e telefone ou quando se recebe o produto de uma venda ou prestação de serviço, por exemplo. Então, vamos entender o que é receita e despesa. Consideramos como receita de uma empresa os valores recebidos em dinheiro ou com direito a receber, proveniente de suas atividades. As receitas refletem positivamente no PL. Elas são provenientes das atividades principais ou acessórias da empresa, que constituem o objeto social da pessoa jurídica ou provenientes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias da empresa, que constituam o objeto do negócio. Exemplos: RECEITA Receita de Vendas: apresenta as operações de saída de mercadorias com vencimentos à vista ou a prazo. O que determinará se é à vista ou a prazo será a contrapartida do lançamento. O valor adquirido com a venda de um bem do ativo permanente. Consideramos como despesa os gastos da empresa, desembolsados ou devidos, necessários ao desenvolvimento de suas atividades. As despesas refletem negativamente no PL. Não são enquadradas nos custos, porém são necessárias às atividades e à manutenção da respectiva fonte produtora da empresa ou provenientes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias, tal como o custo de bem do ativo permanente, que deve ser apurado quando este for alienado, baixado ou liquidado. Exemplos: Salários: representa uma despesa com funcionários e apresenta o valor bruto da folha. A perda com uma venda de um bem do ativo permanente. DESPESAS 53

12 As contas de resultado são utilizadas para apurar o resultado operacional (Lucro ou Prejuízo) num determinado exercício (ano, mês, semestre etc). Acúmulo de saldo quando movimentadas, até a data de encerramento e, depois, de acordo com sua natureza, serão confrontadas (Receitas Despesas) e encerradas, permitindo conhecer o resultado operacional da empresa lucro ou prejuízo. Essas contas (Lucro ou Prejuízo) serão apresentadas no PL, pois estão ligadas diretamente à atividade da empresa e, por serem contas de resultado, elas alteram o patrimônio líquido para mais, se houver lucro, ou para menos, no caso de haver prejuízo. Conheça, no quadro a seguir, a natureza e a movimentação das contas de resultado. DESPESA RECEITA Débito Crédito Débito Crédito Aumento Diminuição Diminuição Aumento 54

13 1.3 Saldo das Contas O saldo das contas contábeis são obtidos da mesma forma que se verifica nos extratos bancários, ou seja, pela diferença entre o débito e o crédito. Saldo de uma conta - representa a diferença entre o valor do débito e do crédito. Os saldos podem ser: devedor, credor ou nulo. a) Devedor - quando o valor do débito for superior ao do crédito (D > C); b) Credor - quando o valor do crédito for superior ao do débito (D < C); c) Nulo - quando o valor do débito for igual ao do crédito (D = C). 2. Regras para Contabilização Método das Partidas Dobradas Qualquer decisão de negociação tomada por um gestor baseia-se em causa e efeito. O método das partidas dobradas consiste, também, em uma relação de causa e efeito, ou seja, o uso de recursos financeiros nas decisões é registrado através de um débito, que evidencia a aplicação de recursos, e um crédito, para evidenciar a origem dos recursos envolvidos, com correspondência do mesmo valor. Resumindo: é o método pelo qual cada Débito efetuado em uma ou mais contas deve corresponder a um Crédito, também em uma ou mais contas, de tal forma que o total debitado seja sempre igual ao total creditado. Débito Corresponde ao aumento de Bens ou Diretos ou, ainda, à diminuição de obrigações. Crédito Corresponde ao aumento de obrigações para com alguém ou à diminuição de bens ou direitos de uma empresa. 55

14 3. Os Livros Contábeis e suas Funções Os livros utilizados para registrar os fatos ocorridos no dia a dia de uma empresa são classificados em três naturezas distintas: Contábil, Fiscal e Trabalhista. Aqui só serão descritos os mais comuns, compreendendo os contábeis e os fiscais exigidos pelo fisco estadual e o trabalhista. Livros Utilizados: Contábeis, Fiscais e Trabalhistas Para a escrituração dos fatos contábeis existem algumas formalidades exigidas pela legislação, que serão discriminadas no infográfico a seguir. 56

15 57

16 4. Balancete de Verificação Significa relacionar as contas extraídas do Livro Razão (no nosso caso, dos Razonetes) com seus respectivos saldos devedores ou credores, devendo o somatório do débito ser igual ao somatório do crédito. Exemplo: BALANCETE CONTAS SALDOS DÉBITO CRÉDITO Caixa 100,00 Capital 1.400,00 Telefone Mercadorias 300,00 700,00 Contas a Pagar 600,00 Móveis e Utensílios TOTAL 900, , ,00 58

17 4.1 Razonetes e Controle de Saldo das Contas Nos dias atuais, a informática está presente em qualquer empresa, sendo representada por profissionais graduados em cursos superiores no curso de Sistema de Informação. Esses profissionais, com apoio do contabilista, desenvolvem um sistema com linguagem contábil específica para acumular saldo em contas, gerar relatórios que, após a análise e a interpretação, servirão de base para a tomada de novas decisões. Objetivando desenvolver o raciocínio e não havendo um sistema contábil para auxiliar no controle de saldo nas contas, torna-se necessário entender, manualmente, toda a rotina e o processo de contabilização. Para isso, o controle de saldo nas contas é feito através de razonetes. Então, o que é razonete? Razonete é a representação gráfica do livro razão livro que fornece o saldo de cada conta, que tem a função de controlar o saldo de uma determinada conta. Graficamente, a estrutura do razonete assemelha-se à letra T. Observe o exemplo abaixo. DÉBITO CRÉDITO 100,00 50,00 SALDO 50,00 Pesquise mais sobre o PLANO DE CONTAS em livros ou na empresa que você trabalha. Faça uma cópia, junte ao seu material de aula e tire suas dúvidas com o professor. Dica: pergunte sobre alguma conta que lhe aguce a curiosidade. 59

18 A eficiência na manutenção e controle patrimonial por meio de um sistema exclusivo da contabilidade o das partidas dobradas, registra os fatos resultantes de decisões na gestão financeira. Simultaneamente, identifica a aplicação e a origem dos recursos. Tal controle pode contemplar um ou mais exercício social e, posteriormente, gerar relatórios que são complementados por outra técnica a análise de balanço. Ela objetiva transformar os dados contidos nos relatórios contábeis em informações que, depois de aplicada à técnica e analisados os resultados, servirão de base e novas medidas de prevenção. Poderão, assim, ser adotadas em decisões futuras que garantirão a permanência da empresa no mercado e sua estabilidade financeira. Nesta unidade, você aprendeu como a contabilidade processa seus registros, a função, o objetivo de cada conta e a movimentação até o saldo final. O próximo passo seria praticar, mas essa é função do Contador, então, vamos nos ater ao nosso objetivo que é a Gestão, ou seja, utilizar o produto da contabilidade para tomada de decisão. É o que veremos nas próximas unidades. 60

19 Objetivando a ampliação de seus conhecimentos acerca dos assuntos abordados, sugiro que acesse os seguintes endereços eletrônicos (sites): <www.sebrae.com.br>; <www.cvm.org.br> e deliberação CVM nº 29 de 05 de fevereiro de Sugestão de vídeo: <http://www.youtube.com/watch?v=5zlwwkjkkco> <http://www.youtube.com/watch?v=ovrcskyqh2m> 61

20 FARIA, Ana Cristina de; IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução à Teoria da Contabilidade. Para o Nível de Graduação. 5ª ed. São Paulo: Atlas, FERRARI, Ed Luiz. Contabilidade Geral e questões. 26ª ed. ver. Niterói, RJ: Impetus, NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo V. Contabilidade Básica. São Paulo: Frase Editora, RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Básica Fácil. 26ª ed. ampl. e atual. São Paulo: Saraiva,

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN Razonete e Balancete Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Razonete Também denominada gráfico em T ou conta em T, o razonete - uma versão simplificada do

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Contas Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Conceito Na linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta?

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Parte II Técnicas Contábeis

Parte II Técnicas Contábeis Parte II Técnicas Contábeis Técnicas Contábeis Funções da Contabilidade As principais funções da Contabilidade são: registrar, organizar, demonstrar, analisar e acompanhar as modificações do patrimônio

Leia mais

Contabilidade Financeira e IFRS

Contabilidade Financeira e IFRS Contabilidade Financeira e IFRS Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender As Principais causas da variação do Patrimônio Líquido; O Período contábil As Normas

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Já de posse do Edital ESAF Nº 01, de 14 de janeiro de 2010, que altera/anula questões da Prova AFRFB 2009,

Leia mais

Veremos no presente Roteiro de Procedimentos o conceito de razonete, bem como um exemplo prático de sua aplicabilidade.

Veremos no presente Roteiro de Procedimentos o conceito de razonete, bem como um exemplo prático de sua aplicabilidade. Contabilidade Geral: Razonetes Resumo: Veremos no presente Roteiro de Procedimentos o conceito de razonete, bem como um exemplo prático de sua aplicabilidade. 1) Introdução: Por mais que evoluam os meios

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNUCSEH MARCOS ALEXANDRE GONZAGA TAVARES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNUCSEH MARCOS ALEXANDRE GONZAGA TAVARES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNUCSEH MARCOS ALEXANDRE GONZAGA TAVARES 1º ANO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Trabalho apresentado ao prof.: Célio Sousa Ramos na disciplina NIEI ANÁPOLIS OUTUBRO - 2014 Luca Bartolomeo

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO DMPL Professora Yasmin F. S. Fernandes CONCEITO A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) é um relatório contábil que visa a evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

contabilidade básica

contabilidade básica contabilidade básica Sumário AGRADECIMENTOS... 9 PREFÁCIO... 11 1. NOÇÕES PRÉVIAS... 13 1.1 Surgimento da Contabilidade... 13 1.2 A Contabilidade e seu campo de actuação... 13 1.3 Finalidade da Contabilidade.

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo Contabilidade Conceito Contabilidade é a ciência (atividade rigorosa de estudo) que tem por: campo a azienda (qualquer ente que possa vir

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Contabilidade Intermediária Eixo tecnológico: Gestão e negócios Módulo:

Leia mais

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF 13.578.967/0001-05 NIRE 52.202.931.181 LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR MILENIUM CONSULTORIA CONTABIL SC LTDA., com sede na Rua

Leia mais

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1.1 - Subsistema da Receita 1.1.1 - RECEITA ORÇADA Demonstra a receita estimada pela Lei de Meios. É creditada pela inscrição da receita prevista

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos 4 Apuração Instantânea de Resultados Econômicos Se observarmos bem, os contadores estão utilizando o computador para elaborar, não só o balancete como também outras demonstrações financeiras como a Demonstração

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios Objetivos Identificar as políticas adotadas pela administração de empresa, relativas aos prazos de recebimentos,

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

SEM MOVIMENTO. Demonstrativo das Transferências Financeiras Intrapartidárias Efetuadas. TERESINA-PI, 31 de dezembro de 2010

SEM MOVIMENTO. Demonstrativo das Transferências Financeiras Intrapartidárias Efetuadas. TERESINA-PI, 31 de dezembro de 2010 Demonstrativo das Transferências Financeiras Intrapartidárias Efetuadas Partido : Partido Trabalhista do Brasil SEM MOVIMENTO Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC n.º Pág.: 1 Balanço Patrimonial Pág.:

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01- FCC 2014 A Cia. Investidora adquiriu 90% das ações da Cia. Gama por R$ 5.000.000,00. Na data da aquisição, o Patrimônio Líquido da Cia. Gama era de R$ 3.500.000,00 e o valor justo líquido dos ativos

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

DRE Demonstração do Resultado do Exercício

DRE Demonstração do Resultado do Exercício DRE Demonstração do Resultado do Exercício Unidade 5 Hebert Sá 76 Sumário UNIDADE 06 Introdução... 78 Objetivos... 79 Estrutura da Unidade... 79 UNIDADE 5: Tópico 1: Grupos que Formam o Relatório e suas

Leia mais

FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras

FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 -Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras TEMA 2. contabilização Parte 1 Legislação, Plano de Contas e Eventos e Transações

Leia mais

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP Teresina PI Laudo de Avaliação LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DO BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A BEP EM 30 DE JUNHO DE 2008 GLOBAL AUDITORES INDEPENDENTES, sociedade

Leia mais

Contabilidade Geral em Exercícios Receita Federal Prof. Moraes Junior Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras.

Contabilidade Geral em Exercícios Receita Federal Prof. Moraes Junior Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras. Questões Comentadas e Resolvidas Escrituração Contábil. Operações Financeiras. 1.(Fiscal de Rendas-Município do Rio de Janeiro-2010-Esaf) A empresa Mercantil Varejista S/A mandou elaborar o balanço de

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

DFC - Roteiro. TEMA 04 -Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC em Bancos (CPC 03) DFC- Introdução

DFC - Roteiro. TEMA 04 -Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC em Bancos (CPC 03) DFC- Introdução FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras TEMA 04 -Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC em Bancos (CPC 03) Profa. Dra Joanília

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS: FERRAMENTA DE SUPORTE A CONTABILIDADE Dayse Christine Belizário ; Rafael Catarino Paschoal

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

Contabilidade Financeira e IFRS

Contabilidade Financeira e IFRS Contabilidade Financeira e IFRS Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender Os procedimentos contábeis básicos ; As técnica de Balanços Sucessivos ; O Método

Leia mais

Vimos que no Plano de Contas: O que é Resultado (Lucro/Prejuízo) Quais são os objetivos do tópico...

Vimos que no Plano de Contas: O que é Resultado (Lucro/Prejuízo) Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA isciplina: EA0111 - Noções de ontabilidade para Administradores Tema 04. Regras de Apuração e a emonstração do Resultado Profa. Joanília Neide de Sales ia Quais são os objetivos do tópico... -

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza Prof. Prof. M.Sc. Marcondes Giovanni Fortaleza Pacelli CONTABILIDADE GERAL AFRFB Marcondes Fortaleza Parte Introdutória Conceito Objeto Finalidade Usuários -Internos -Externos Campo de Aplicação Funções

Leia mais

CONTABILIDADE MAS... O QUE É CONTABILIDADE? QUANDO COMEÇOU A SER 1. CAMPOS DE ATUAÇÃO DA CONTABILIDADE 06/08/2014

CONTABILIDADE MAS... O QUE É CONTABILIDADE? QUANDO COMEÇOU A SER 1. CAMPOS DE ATUAÇÃO DA CONTABILIDADE 06/08/2014 CONTABILIDADE Slides de Apoio: Profº Ms. Minotti (Material Complementar) MAS.... O QUE É CONTABILIDADE? QUANDO COMEÇOU A SER UTILIZADA? E COMO? POR QUÊ É IMPORTANTE HOJE? QUAIS SÃO OS USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO 1 FLUXO DE CAIXA Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2 Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO O estudo aqui apresentado visa pesquisar e apresentar informações e o funcionamento

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020008 PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇO NOME DO CURSO:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Prof. Benadilson Prof. Benadilson 1 Introdução Caso para Debate Ações da Tiffany: Lucro ou Prejuízo??? Ciclo Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). O lucro

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Disciplina CONTABILIDADE BÁSICA II CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 2º CCN Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Atos e Fatos Contabeis ATOS ADMINISTRATIVOS:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 FORMALIDADES DA ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte Página: 1 de 16 9. Movimentos Bancários: O controle bancário é um poderoso instrumento de gestão, pelo qual o empresário ou a diretoria de uma empresa pode verificar com rapidez e eficiência a disponibilidade

Leia mais

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada Sérgio Adriano CONTABILIDADE Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços DESCOMPLICADA DECIFRADA DESMITIFICADA 3.ª edição revista e atualizada 2016 Capítulo 1 Conceitos Básicos 1. CONCEITO DE CONTABILIDADE

Leia mais

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 T20 TEMA

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Decisões de Financiamento Curto Prazo. Capital Circulante Líquido

Decisões de Financiamento Curto Prazo. Capital Circulante Líquido Decisões de Financiamento Curto Prazo Capital Líquido Capital No ativo (direitos) encontram-se as aplicações de recursos e as suas fontes estão registradas no passivo (obrigações). Os direitos e as obrigações

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Etec Paulino Botelho Código: 091.06 Município: São Carlos EE: Professor Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 04 CONTABILIDADE Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013 PARTIDO: BALANÇO PATRIMONIAL ORGÃO DO PARTIDO UF EXERCÍCIO CÓDIGO CONTA Saldos em 31/12/2014 Saldos em 31/12/2013 CÓDIGO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 2.1. PASSIVO CIRCULANTE 1.1.1. ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO

Leia mais