DEVELOPMENT OF INTEGRATED SYSTEMS OF MANAGEMENT TO MICRO AND SMALL BUSINESSES USING METHODOLOGIES OF AGILE PROCESSES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEVELOPMENT OF INTEGRATED SYSTEMS OF MANAGEMENT TO MICRO AND SMALL BUSINESSES USING METHODOLOGIES OF AGILE PROCESSES."

Transcrição

1 DEVELOPMENT OF INTEGRATED SYSTEMS OF MANAGEMENT TO MICRO AND SMALL BUSINESSES USING METHODOLOGIES OF AGILE PROCESSES. Marcos Antônio da Silva (Centro Universitário de Formiga - UNIFOR, Minas Gerais, Brasil) - Paloma Maira Oliveira (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET, Minas Gerais Brasil) - With the increasing stream of the information in the firms it is necessary the search for technologies which aid the managers in taking decisions concerning with the activities performed and in the productivity. For this purpose one of the technologies which is in evidence is the Sistema Integrado de Gestão Empresarial (Integrated Business Management). However, there is a high cost for such systems in the implementation as well as the implantation which in turn results in the use for big organizations only. Under such perspective, it is presented in this work the purpose of a methodology for the implementation of integrated systems to micro and small businesses, based on the adaptation of three models of agile process. They are: scrum, extreme programming (XP) and development oriented to functionality (FDD Feature-Driven Development). The process proposed is to present along with a case study of an ERP developed to micro and small businesses of the garment industry. Key Words: Management Information System, micro and small businesses, Agile Models of Processing. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZANDO METODOLOGIAS DE PROCESSOS ÁGEIS Com o crescente aumento do fluxo das informações nas empresas se faz necessária a busca por tecnologias que auxiliem na tomada de decisões, nas atividades realizadas e na produtividade. Com essa finalidade uma das tecnologias que se destaca é a do Sistema Integrado de Gestão Empresarial. No entanto para tais sistemas há um alto custo tanto de implementação quanto de implantação, o que resulta na sua utilização somente em grandes organizações. Sob essa perspectiva apresenta-se neste trabalho a proposta de uma metodologia para implementação de sistemas integrados para micro e pequenas empresas, baseada na adaptação de três modelos de processos ágeis. São eles: scrum, programação extrema (XP) e desenvolvimento voltado à funcionalidade (FDD). O processo proposto é apresentado juntamente com um estudo de caso de um ERP desenvolvido para micro e pequenas empresas da indústria de vestuário. Palavras-chave: Sistema de Informação Gerencial, Micro e pequenas empresas, Modelos Ágeis de Processo. 0772

2 1. INTRODUÇÃO No cenário do mundo atual, observa-se, cada vez mais, que para sobreviver na arena dos negócios globais e dos profissionais altamente competitivos, elementos como tecnologia, organização e visão estratégia são recursos indispensáveis para as organizações. Para orquestrar o conjunto destes elementos de forma afinada e automática as empresas estão se valendo dos recursos da tecnologia que se baseiam nos sistemas integrados de gestão empresarial (doravante ERP). Segundo Schmidt et al (2002, p. 214), os sistemas de informação são o produto de quarenta anos de tentativas e erros, porém, como a cada dia novos conceitos e modelos de gestão vêm sendo criados e experimentados por empresas de sucesso, torna-se imperativo a realização de novos estudos sobre as transformações que afetam os gestores das organizações e a maneira como os ERP estão sendo desenvolvidos de forma a adaptarem-se a essas. Do ponto de vista de Alves, Zambalde e Figueiredo (2004, p. 25) Enterprise Resource Planning (ERP) ou sistema integrado de gestão empresarial é a tentativa de integrar todos os departamentos e funções de uma organização num único sistema informatizado, que consiga servi-los de forma eficaz. Com outras palavras, os sistemas ERP são sistemas integrados com uma base de dados única não redundante, de forma que todo processo fique centralizado e possa ser acessado por toda empresa. A adoção de um ERP afeta a empresa em todas suas dimensões, culturais, organizacionais ou tecnológicas. Esses sistemas controlam toda a empresa, da produção às finanças, registrando e processando cada fato novo na engrenagem corporativa e distribuindo a informação de maneira clara e segura, em tempo real. Ao adotar um ERP o objetivo básico não é colocar o software em produção, mas melhorar os processos de negócios usando tecnologia da informação. Mais do que uma mudança de tecnologia, a adoção desses sistemas implicam em um processo de mudança organizacional (MENDES; FILHO, 2002). As vantagens providas pelos ERP são valiosas tanto para as empresas quanto para as pessoas envolvidas no processo, sejam elas, diretores, funcionários ou clientes. Algumas dessas vantagens são (MONK; WAGNER, 2006): suporte a tomada de decisão profícua (benéfica); valor agregado ao produto (bens e serviços); produtos de melhor qualidade; oportunidade de negócios e aumento da rentabilidade; mais segurança nas informações, menos erros, mais efetividade e produtividade; carga de trabalho reduzida; redução de custos e desperdícios. Apesar dos benefícios do ERP para empresas de grande, médio ou pequeno porte, existe ainda grande resistência para sua implantação, sendo a justificativa mais utilizada o alto custo, principalmente nas micro e pequenas empresas. O alto custo é ocasionado pela complexidade da implementação e pela implantação dos diversos módulos de sistemas ERP, uma vez que eles se encontram de maneira imbricada. 0773

3 À luz do contexto apresentado, o objetivo deste artigo é apresentar outra forma de implementação, implantação e customização de sistemas ERP voltados para micro e pequenas empresas, através do uso de processos de desenvolvimento ágeis, detalhados no decorrer do artigo. Espera-se assim, diminuir a complexidade retratada, consequentemente reduzindo custos. Esta pesquisa corresponde também a um estudo de caso, onde se investiga o desenvolvimento de um sistema ERP para micros e pequenas indústrias de vestuário da cidade de Formiga-MG. Este trabalho está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta uma caracterização dos sistemas ERP, a seção 3 apresenta uma fundamentação das metodologias ágeis, além de abranger de forma geral os processos XP, SCRUM e FDD, já na seção 4 é apresentado o processo AgileAdapt, utilizado para o desenvolvimento do ERP. Na seção 5 o estudo de caso é apresentado, mostrandose que metodologia ágil é uma solução viável para esse tipo de sistema e, por último, uma conclusão. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste tópico, busca-se elucidar os principais conceitos fundamentais que objetivam este estudo, caracterização dos sistemas ERP, Metodologias ágeis: uma abordagem geral, Programação Extrema, Scrum e Desenvolvimento Voltado a Funcionalidade (FDD Feature Driven Development). Caracterização dos sistemas ERP Os Sistemas ERP são compostos basicamente pelos módulos apresentados na Figura 1. Possuem uma base de dados central que recebe e fornece dados para os diversos módulos, apoiando as atividades dos processos de negócio das organizações. Quando um novo dado é inserido na base através de um módulo, a mesma é organizada e disponibilizada imediatamente, garantindo-se desta forma a integração entre todo o sistema. 0774

4 FIGURA 1 Estrutura modular de Sistemas ERP. Fonte: Adaptado de DAVENPORT, A integração de tais módulos, utilizando arquitetura cliente-servidor, ocasiona um grau de complexidade nesses sistemas devido aos lançamentos contábeis automáticos. Esses lançamentos são rotinas disparadas a partir das telas de entrada dos vários módulos e de qualquer outra rotina cujos cálculos afetem alguma rotina contábil. As contas a serem movimentadas, bem como o histórico e os valores, são parametrizados em uma tabela mestre (HABERKORN, 1999). Visando uma integração mais amena, robusta e produtiva, sugere-se o uso de novas tecnologias como a arquitetura orientada a serviços (Service Oriented Architecture - SOA) e os Web Services. A utilização de SOA servirá para união dos diferentes módulos, possibilitando a homogeneização, flexibilidade, divisão de tarefas e uma maior escalabilidade ao sistema. Essa arquitetura SOA não pode ser comprada ou instalada, ela deve ser estudada juntamente com o sistema ao qual deverá adaptar-se. Para que se tenha sucesso na implantação de SOA e, consequentemente, se possa usufruir de seus benefícios, cada caso deve ser estudado de maneira isolada, assim, deve-se definir os serviços e dados que esses serviços irão trabalhar (CARTER, 2007). Já a tecnologia Web Services (CHAPPELL; JEWELL, 2002), caracteriza-se por ser um meio de comunicação que permite que diferentes aplicações troquem informações entre si. Essa comunicação torna-se possível devido à utilização do padrão de formatação de dados, o XML (Extensible Language Markup - Linguagem de Descrição Extensível). Para a implantação de um ERP, de acordo com Haberkorn (1999), o primeiro passo para a implantação é o chamado levantamento das necessidades do cliente, que determina as necessidades e as prioridades das empresas, avaliando e selecionando todos os processos e regras de negócio que serão desenvolvidos pela metodologia. Caso necessário, é nesta etapa que são definidas customizações e/ou definições de projetos especiais. O próximo passo é o planejamento para determinar as prioridades, através de um plano de ação, onde possam ser revistos os pontos de conflito e detalhadas as atividades a serem compridas. Neste estágio, é fundamental que seja alcançada a unificação dos objetivos da empresa, em todas suas áreas de negócio (FILHO, 2001). Com o levantamento das necessidades e o planejamento concluído, e em paralelo o processo de conscientização sendo efetivado com todos envolvidos, chega o momento de iniciar o Treinamento dos usuários em todas as regras de negócio pertinentes ao seu trabalho. A fase do Treinamento acontece de três formas: envolvendo o Corpo Gerencial (tópicos do que o produto oferece e que tipo de informação extrair dele), Corpo Operacional (Funcionalidades dos produtos de software) e Especifico do Corpo 0775

5 Operacional (funcionalidades dos produtos de software em ambientes simulados de produção). Ainda no tópico Treinamento, é importante considerar o processo de reciclagem que pode ocorrer por mudanças na estrutura organizacional, implementações nos produtos de software ou nos objetivos previamente estipulados. O Desenvolvimento de customização e/ou soluções específicas acontece quando um grau de aderência alcançado pelos produtos de software contratados não é satisfatório, ou quando determinadas atividades da empresa são tão específicas que requerem desenvolvimentos especiais. O acompanhamento acontece desde o primeiro instante da aplicação da metodologia, transmitindo segurança aos usuários, assistindo todas as operações e processos contidos na implantação, buscando sempre a melhoria contínua. A etapa final é a validação, que consiste na determinação do grau de excelência na implantação dos produtos de software. Em síntese, nesta etapa cumpre-se o comparativo entre o executado e o planejado (HABERKORN, 1999). Neste trabalho através da utilização de processos ágeis, os módulos do ERP de vestuários estão sendo desenvolvidos e implantados independentemente de outros módulos estarem prontos, tornando o sistema flexível, adaptável e principalmente gerenciável (possibilitando customizações de acordo com as necessidades de determinada empresa). Para a contextualização das metodologias ágeis, a próxima seção discorre sobre tal assunto. Metodologias ágeis: uma abordagem geral A "indústria de software" sempre contou com métodos cujos processos de desenvolvimento eram baseados em conjuntos de atividades predefinidas, descritas como processos prescritos (AMBLER, 2004), nas quais, muitas vezes, o trabalho começava com o levantamento completo de um conjunto de requisitos, seguido de um projeto de alto-nível, de implementação, de validação e, por fim de manutenção. Entretanto, segundo Fowler (2001), estes métodos são considerados muito burocráticos para projetos grandes e que não sofram muitas mudanças em seus requisitos. A partir de 90, começam a surgir novos métodos sugerindo uma abordagem de desenvolvimento ágil no qual os processos adotados sejam adaptados às mudanças, apoiando a equipe de desenvolvimento no trabalho (BECK, 2001). Em fevereiro de 2001, um grupo inicial de 17 metodologistas, entre eles, Robert C. Martins, Jim Highsmith, Kent Beck, Mike Beedle, Alistair Cockburn, Martin Fowler, Steve Mellor, Ken Schwaber, Jeff Sutherland formou a Aliança para o Desenvolvimento Ágil de Software, também conhecida como Aliança Ágil, que 0776

6 formulou um manifesto, contendo um conjunto de princípios que definem critérios para os processos de desenvolvimento ágil de software (AMBLER, 2004); (FAGUNDES, 2005). Basicamente os processos ágeis se diferem dos processos tradicionais em dois aspectos (FOWLER, 2001): são adaptáveis ao invés de prescritivos; são orientados a pessoas ao invés de processos. Os métodos ágeis propõem uma alternativa que busca a melhoria do processo de desenvolvimento, tornando-o mais ágil e menos burocrático. Por sua característica adaptável, mudanças são mais fáceis de serem realizadas não ultrapassando tanto o orçamento. No aspecto orientado a pessoas, esses processos têm o cliente como membro da equipe, ou seja, o sistema vai sendo desenvolvido, testado e implantado continuamente. Atualmente existem vários processos ágeis, dentre os quais tem se destacado no mercado a programação extrema (XP) e o Scrum. A seguir tais metodologias são apresentadas. Programação Extrema O XP é um método eficiente, flexível e de baixo risco para equipes pequenas e médias que desenvolvem software com requisitos dinâmicos ou em constantes mudanças (BECK, 2000). Segundo Teles (2006), o Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: - projetos cujos requisitos são vagos e mudam com frequência; - desenvolvimento de sistemas orientados a objeto; - projetos que trabalhem com equipes pequenas (preferencialmente até 12 desenvolvedores); - desenvolvimento iterativo/incremental. O XP é um processo de desenvolvimento organizado em torno de um conjunto de valores (Feedback, Comunicação, Simplicidade e Coragem) e práticas (cliente presente, programação em pares, reunião em pé, refactoring, entre outras) que atuam de forma harmônica e coesa para assegurar que o cliente sempre receba um alto retorno do investimento em software (TELES, 2006). As fases do processo de desenvolvimento do XP - vide Figura 2, consistem em: exploração, planejamento, iterações para entrega, produção, manutenção e fim do projeto. 0777

7 FIGURA 2 - Fases do Processo do XP. Fonte: BECK, O objetivo da fase de Exploração é entender o real escopo do sistema. Este entendimento deve ser suficiente para que ele possa ser estimado (BECK, 2000). Todas as funcionalidades do sistema são levantadas através de histórias (User Stories) que são registradas em pequenos cartões. Estas histórias devem ser escritas sempre pelo próprio cliente, com suas próprias palavras (TELES, 2006). A fase de planejamento é usada em XP para assegurar que a equipe esteja sempre trabalhando no mais importante, a cada momento do projeto. O objetivo é definir a menor data e o maior conjunto de user stories que serão realizadas na primeira entrega. Esta definição é feita com estimativas entre clientes e programadores (BECK, 2000). Segundo Beck (2000), os compromissos são divididos para serem executados em iterações que duram de 1 a 4 semanas. Para cada user stories executada que faz parte da iteração é escrito um ou mais teste(s) de aceitação pelo cliente. E antes de implementar os programadores escrevem os testes de unidades. Também conhecida como implementação, à fase de produção começa no final da primeira iteração e, segundo Ambler (2004): entrar em produção significa lançar o sistema no ambiente real de trabalho do cliente. Deve-se implementar novos testes para provar se o sistema está estável o suficiente para entrar em produção. A fase de manutenção é o estado normal de um projeto em XP, e compreendem as fases de planejamento, iteração para entrega (a partir da segunda iteração) e produção até a entrega final do sistema. Como consequência, esta fase inclui atividades, como a operação de suporte ao sistema através de um help desk, por exemplo, (AMBLER, 2004). 0778

8 Quando não mais existir novas histórias é o momento de finalizar o projeto. É o momento de escrever algumas páginas sobre a funcionalidade do sistema, o resultado será um documento para auxiliar os desenvolvedores na realização de alguma alteração futura no sistema, se for o caso. Scrum O Scrum é um método ágil que possui como objetivo a entrega de um software de qualidade dentro de iterações, formadas por pequenos intervalos de tempo definidos, chamadas Sprints, possuem aproximadamente um mês de duração (BEEBLE, 1998). Esta metodologia é um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer trabalho, não só de software, sendo uma abordagem para desenvolvimento de sistemas e produtos nos quais os requisitos sofrem constantes mudanças. O Scrum é escalável para pequenos projetos e grandes corporações. O Scrum não requer ou fornece qualquer método específico para desenvolvimento de software, apenas estabelece conjuntos de regras e práticas gerenciais que devem ser adotadas para o sucesso de um projeto. São exemplos de práticas adotadas pelo Scrum: Produc Backlog, Sprint, Sprint Backlog, Reunião de planejamento da Sprint, Reunião diária do Scrum. As fases do processo Scrum, segundo Schwaber e Beeble (2002) são: PreGame, Desenvolvimento, PosGame, como apresenta a Figura 3. A fase de PreGame possui duas subfases: Planejamento e Arquitetura. A subfase de Planejamento inclui a definição do sistema que está sendo desenvolvido. Os requisitos são descritos e priorizados em um documento chamado tarefas do produto (Product Backlog). O planejamento inclui também a estimativa de esforço para cada requisito, definição da equipe de desenvolvimento, as ferramentas a serem usadas, os possíveis riscos do projeto, as necessidades de treinamento e uma proposta de arquitetura de desenvolvimento baseada na lista de tarefas. Na subfase de Arquitetura, é feito um projeto do sistema baseado nos itens atuais do Product Backlog. Nesta fase de desenvolvimento (game phase), o sistema é dividido em Sprints (semelhantes as iterações do XP), ou seja, o software é desenvolvido em ciclos, que levam de 1 a 4 semanas, no qual cada equipe recebe uma parte do product backlog para desenvolvimento e ao final de cada sprint sempre apresenta um produto executável ao final. 0779

9 FIGURA 3 - Fases do Processo Scrum. Fonte: BEEBLE, É na fase de Pós-planejamento (post-game phase) que acontece a entrega final do produto, iniciada quando todos os tópicos são satisfatórios (tempo, competitividade, requisitos, qualidade, custo). Atividades: testes de integração, testes de sistema, documentação do usuário, preparação de material de treinamento, preparação de material de marketing. Desenvolvimento Voltado a Funcionalidade (FDD Feature Driven Development) O FDD é um método iterativo que enfatiza tópicos de qualidade e inclui entregas frequentes de artefatos para monitorar o progresso do projeto. O desenvolvimento é voltado a Feature, ou funcionalidade, que representa um requisito funcional do sistema. Segundo Palmer (2003), o FDD apresenta as seguintes práticas: Modelagem dos Objetos de Domínio (Diagramas de classe UML), Desenvolvimento através de características, Propriedade individual da classe, Equipes de Características, Inspeções, Relatórios de resultados, entre outras. Para Highsmith (2002), o FDD possui o foco no projeto e construção e é composto por cinco fases, como apresentado na Figura 5: três delas (desenvolver um modelo, construir uma lista de características e planejar cada uma delas) são realizadas no início do desenvolvimento do sistema e as duas últimas (projeto e construção de cada característica) são completadas dentro de cada iteração. Desenvolver um modelo geral é a primeira parte da etapa do processo no FDD, quando são definidos o contexto e os requisitos do software para a construção, assim como uma documentação em forma de casos de usos ou uma especificação 0780

10 das funcionalidades. A tarefa requerida nesta etapa é a modelagem do domínio da aplicação, quando são construídos os diagramas de classe UML, o(s) diagrama(s) de sequência UML e uma lista formal das características. O objetivo da segunda fase, ainda de acordo com Highsmith (2002), é construir uma lista completa de todas as caraterísticas do produto a ser desenvolvido. Na lista, a equipe de desenvolvedores apresenta cada função esperada pelo cliente, baseada nas características gerada na etapa anterior. A lista é revisada pelos usuários e patrocinadores do sistema para sua aprovação. FIGURA 4 Fase do processo FDD. Fonte: FAGUNDES, Na fase de planejamento e construção, é criado um plano de alto nível, no qual as funções são sequenciadas de acordo com a prioridade e a dependência de cada uma, e então, designadas ao líder de programadores. Na fase para projetar cada característica, são executadas as seguintes tarefas: Estudar a documentação existente; Desenvolver o diagrama de seqüência para o conjunto de característica; Refinar o modelo do objeto; Rescrever as classes e os métodos; Inspecionar o projeto. Construir cada característica é a última etapa de cada iteração do processo FDD. A seguir, algumas tarefas requeridas nessa etapa que são executadas: Implementação das classes e métodos; Inspeção de código; Teste de unidade; Integração; Teste de integração; Entrega do incremento. 3. METODOLOGIA Este artigo busca em caráter qualitativo, através de um estudo conceitual e com base na teoria estudada, elucidar a importância da utilização e/ou adequação das metodologias ágeis que podem auxiliar a equipe no desenvolvimento de softwares para pequenas, medias e grandes empresas. 0781

11 Diante disso, serão utilizados como instrumento de coleta de dados pesquisas do tipo estruturada e semiestruturada de modo investigativo na busca das informações (levantamento de requisitos) necessárias para desenvolvimento do sistema. 4. DESENVOLVIMENTO E DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Escolheu-se, por conveniência, três indústrias de vestuários do Centro-Oeste de Minas Gerais. As organizações contam hoje com cerca de 60 funcionários. As indústrias atendem toda região e alguns estados como São Paulo, Rio de Janeiro. Atualmente tem feito exportação mesmo que ainda em pequena escala para países da América latina. A escolha pelas indústrias se deu pelo fato de seus processos não estarem bem definidos e nem tão pouco automatizado e por estar passando por diversas dificuldades tais como: atrasos no período de fechamento do balanço, entregas, grande rotatividade de funcionários e o aumento do número de concorrentes tais como país como a China, a falta de monitoramento e documentação. Inicialmente, foi feita uma reunião com o Gestor de TI e os Stakeholders para a demonstração do projeto e levantamento da missão, visão, objetivos, cadeia de valores e dos principais envolvidos no processo. Para levantamento dos requisitos forma feitas reuniões tanto com a parte de planejamento quanto a parte operacional. AgileAdapt: Adaptação dos processos XP, SCRUM e FDD Conforme apresentado, fica claro a semelhança entre as práticas e fases dos processos ágeis XP, Scrum e FDD, cada qual com suas particularidades. Após o cauteloso estudo dos processos citados, a adoção por completo de um desses processos não seria o bastante para o desenvolvimento de um sistema mais complexo, por exemplo, um ERP. Assim, definiu-se unir as práticas mais viáveis dos processos analisados, originando o AgileAdapt, um processo de desenvolvimento adaptado dos processos XP, Scrum e FDD. O processo AgileAdapt, assim como o XP, Scrum e FDD, requer uma participação integral do cliente junto à equipe de desenvolvimento, também é um processo iterativo/incremental, voltado para equipes pequenas de desenvolvimento (3 a 10 pessoas), focado em entregas contínuas, sendo flexível e adaptável. Dividido em três grandes fases: planejamento, desenvolvimento das iterações e entrega final, conforme apresenta a Figura 5. A fase de planejamento tem o objetivo de definir o escopo, estimativas, riscos e arquitetura do sistema, através de encontros com clientes (funcionários chaves das empresas) e análises da equipe de desenvolvimento. Essa etapa é dividida em duas subfases denominadas product backlog e estabelecimento de módulos. O product backlog, inspirado no processo Scrum, possui o objetivo de coletar as funcionalidades e suas respectivas prioridades (de acordo com o cliente), realizar 0782

12 estimativas e cálculos de riscos, tudo em alto nível. Ainda nessa subfase, inspirado pelo FDD, e para dar maior visibilidade ao cliente e equipe de desenvolvimento, diagramas de casos de uso são construídos. A etapa seguinte, estabelecimento dos módulos, as funcionalidades do product backlog são agrupadas em grandes módulos (vistos como subsistemas independentes), contendo várias funcionalidades com características semelhantes. Ressalta-se que a ideia dos módulos é importante para visualizar a arquitetura do sistema, entretanto funcionalidades podem ser agregadas a qualquer momento. Cada módulo, uma vez que contém várias funcionalidades, podem ser dividido em minimódulos que serão desenvolvidos dentro das iterações na segunda fase. Em outras palavras, os módulos são compostos por minimódulos, conjunto mínimo de funcionalidades, que são desenvolvidos em iterações, semelhantes às do XP e Sprints do Scrum, visando menor complexidade. FIGURA 5 - Fases do AgileAdapt: uma adaptação dos processos XP, Scrum e FDD. Fonte: Autor As fases de desenvolvimento das iterações podem ser vista como um ciclo contínuo e evolutivo, que objetiva inicialmente a modelagem de cada módulo, seguido de iterações (2 a 4 semanas) para implementação, testes e integração dos minimódulos prioritários. Na etapa de modelagem do módulo, totalmente inspirada no processo FDD, os diagramas de classes, sequência e o modelo de entidade-relacionamento (DER) são projetados. O cliente participa de todo esse processo, detalhando e aprovando a diagramação. É interessante a modelagem de um módulo completo, para a visualização das interações entre os minimódulos e também estimar o número de iterações que o módulo conterá, mesmo se o módulo não seja completamente desenvolvido em tal momento. Após o módulo projetado, inicia-se o processo de produção, dos minimódulos prioritários, passando pela implementação convencional, testes de unidade (equipe) e aceitação (cliente) e integração. Quando o conjunto essencial de minimódulos for 0783

13 concluído, o mesmo vai para a implantação parcial, ou seja, um subsistema executável é implantado no cliente para mais testes e início de trabalho. Dito de outra forma, o cliente recebe um módulo executável assim que o conjunto mínimo de funcionalidades do módulo corrente esteja completado, geralmente de dois em dois meses, dependendo do tamanho da equipe. O conjunto mínimo de funcionalidades foi definido inspirado na prática de entrega contínua dos processos ágeis. Esse conjunto são as características marcadas como prioridade máxima pelo cliente dentro de cada módulo. Quando as mesmas são atingidas, o conjunto é implantado no cliente. Isso se torna interessante, quando se tem uma equipe pequena de desenvolvedores, então torna se mais eficaz ter vários módulos, mesmo que incompletos, em operação no cliente para testes num pequeno intervalo de tempo, a se ter um ou outro módulo totalmente completo. Na implantação parcial, os clientes detectam erros, tanto de funcionalidades, como bugs e falta de usabilidade. Essas falhas são reportadas à equipe, que os corrige e entrega uma nova versão juntamente com a próxima entrega. Quando todos os módulos estiverem totalmente concluídos e não houver mais queixas por parte do cliente é realizada a entrega final. Essa fase ocorre quando todos os módulos estiverem sido implantados no cliente e o mesmo não apresente mais queixas. Nessa fase os manuais do sistema são entregues para os usuários, bem como são realizados treinamentos específicos para o uso do sistema. Inicia-se o processo de manutenção do sistema. 5. Estudo de Caso: desenvolvimento de um ERP para indústrias de vestuário de micro e pequeno porte utilizando o processo AgileAdapt Atualmente existem várias empresas que oferecem sistemas ERP especializado para indústrias de vestuário, dentre esses, três sistemas foram analisados, no qual dois deles atendem totalmente a uma indústria de vestuário, um deles não cobre os módulos básicos de um ERP, como o processo de produção completo (MRPII), em questão de usabilidade de interface gráfica (IG), dois deles deixam a desejar, possuem IG pouco intuitiva, dificultando o uso do sistema. Um fato que chama a atenção é o oneroso custo para uma empresa de micro e pequeno porte de implantar um sistema desse tipo. Analisando a região do centro-oeste de Minas Gerais, mais precisamente a cidade de Formiga-MG, o suporte para tais sistemas encontra-se a um raio de 200 km, o que pode tornar o processo lento, podendo causar prejuízos e atrasos para as organizações da região. Nesse cenário e financiado parcialmente pela FAPEMIG, surge à motivação para o desenvolvimento do ERP para vestuário, visando empresas de micro e pequeno porte. O sistema será um software livre e independente de plataforma, denominado provisoriamente de SisVest. O ERP em construção abrangerá todos os setores de 0784

14 uma indústria de vestuário, composto por sete módulos, conforme apresenta a Figura 6. FIGURA 6 Interação entre os módulos do sistema ERP SisVest. Fonte: Autor A Figura 6 compreende, em síntese, o fluxograma de integração do ERP e o seus módulos terão basicamente as seguintes funções: O estoque irá controlar as compras e os estoques de materiais e de produtos acabados. A produção é responsável pelo processo produtivo, planejamento e controle da produção. O módulo de vendas irá controlar as vendas, prazos de entrega, marketing, pedidos e faturamento. O financeiro controlará as contas a receber, contas a pagar, bancos e caixa, fluxo de caixa, capital de giro e empréstimos de curto e longo prazo. O módulo de recursos humanos será responsável pela folha de pagamento, admissão e demissão de empregados, controle de férias, política de cargos e salários, controle de ponto e frequência e segurança e medicina do trabalho. O planejamento cuidará do controle orçamentário para períodos futuros de curto, médio e longo prazo, compreendendo o orçamento de produção, de custos, de vendas, de caixa, de investimentos e de resultado. Já a contabilidade será responsável pela integração das informações geradas por todos os demais módulos, tendo como base a contabilização de todas as operações da empresa, o controle fiscal e tributário, o 0785

15 controle dos custos de produção, a emissão de relatórios e livros obrigatórios, bem como a emissão de informações de natureza gerencial. Todos os módulos são integrados e se comunicam, pois as informações geradas por cada um deles são importantes para os demais módulos, tendo como centro de comunicação e integração à contabilidade. Um exemplo é o módulo estoque, que comunica diretamente com o módulo de produção quando repassa insumos para a fabricação de um produto e quando esse produto retorna para o estoque como produto acabado. O mesmo módulo também se comunica com a contabilidade, pois as matérias primas consumidas no processo produtivo saem do estoque de materiais e passam para o estoque de produtos em elaboração e ao final do processo são contabilizadas como produtos acabados. O fato de a contabilidade permear no centro da integração é que todas as operações realizadas pelas indústrias de confecções geram registros contábeis, que alteram o patrimônio da entidade. Através do processamento desses registros é possível gerar informações úteis de natureza econômica e financeira para o processo gerencial e de decisões. Ressalta-se que cada módulo do sistema pode ser visto como um conjunto de minimódulos (não apresentados na Figura 6). Essa divisão foi necessária para o eficaz desenvolvimento ágil (fase de planejamento do AgileAdapt). Em se tratando do tamanho da equipe, atualmente com 6 pessoas, dentre elas 1 gerente de projeto, 2 especialistas de domínio (pesquisadores da área de produção e contábeis clientes), 2 programadores e 1 profissional para realizar testas, ressaltase que a equipe faz reuniões duas vezes por semana para acompanhar o andamento dos processos. O SisVest vem sendo implantado em 3 empresas da cidade de FORMIGA-MG. Cada empresa possui características de processos de produção diferenciada, possibilitando testes de aceitação diversificados sob os vários módulos do sistema. O processo de desenvolvimento deu início com visitas da equipe de desenvolvimento em indústrias de vestuário da região para conhecer o processo de produção e administração das mesmas. Inicialmente, inspirada pela fase inicial do Scrum, foi realizada a confecção do product backlog (lista de funcionalidades e prioridades do sistema em alto nível), sob o ponto de vista dos proprietários, funcionários-chaves e pesquisadores da área de contabilidade, engenharia de produção e computação. A seguir, os módulos foram definidos (Figura 6) e as funcionalidades foram divididas em minimódulos. Atualmente o módulo de Recursos Humanos (RH) foi parcialmente implantado nos três clientes, que estão utilizando e reportando ativamente as falhas. Estão em produção os módulos de estoque e produção, ambos sendo desenvolvidos 0786

16 concomitantemente. A Figura 7 apresenta uma tela do módulo de RH, no qual já foi implantado no cliente. FIGURA 7 Interface Gráfica do módulo de RH do SisVest. Fonte: Autor O sistema vem evoluindo gradativamente, o cliente pode ver a construção e ir testando o sistema. A documentação (fase de modelagem) se torna importante por ser um sistema bastante complexo e para posterior manutenção do ERP. 6. CONCLUSÕES O método AgileAdapt é baseado em princípios semelhantes ao do XP, Scrum e FDD: requisitos estáveis ou desconhecidos, e iterações curtas para promover visibilidade ao desenvolvimento, resultados em flexibilidade, receptividade e confiabilidade. Conforme já observado na prática, os clientes acompanham passo-a-passo a criação e implantação do produto. Os erros, tão logo descobertos são reportados, corrigidos e integrados juntamente com o próximo minimódulo a ser entregue. Percebe-se que a integração contínua torna o sistema totalmente flexível e adaptável. Logo, se conclui que os métodos ágeis são eficazes para sistemas ERP, sendo desenvolvidos por equipes pequenas e dividindo o mesmo em módulos/minimódulos a serem desenvolvidos em um intervalo de tempo médio de 45 dias. 0787

17 Outro fato muito importante é a questão da documentação e a motivação dos stakeholders, pois como o sistema é desenvolvido em módulos com entregas em intervalos pequenos, os mesmos são capazes de avaliar o que esta sendo feito e se esta fora do escopo, diferente de muitos métodos tradicionais onde os interessados só veem os produtos ao final de todo o desenvolvimento. Recomendações O trabalho ainda está em desenvolvimento e os resultados futuros também serão publicados, tais como: casos de implantação do sistema final, após ter sido totalmente desenvolvido e experiências da fase de manutenção e treinamento. Após implantação será feito um benchmarking para avaliação do produto com o objetivo de identificar oportunidades de melhorias. Também se propõem a criação de um BI (Business Intelligence), pois os sistemas analisados possuem apenas relatórios gerenciáveis e como a utilização de técnicas de BI tem sido cada vez mais utilizada como diferencial competitivo por ser capaz de gerar informação para tomada de decisão em nível estratégico. 7. Referências Bibliográficas AMBLER, S. W. Modelagem ágil: práticas eficazes para a Programação Extrema e o Processo Unificado. Trad. Acauan Fernandes. Porto Alegre: Bookman, ALVES, R. M; ZAMBALDE, A. L; FIGUEIREDO, C. F. Sistemas de informação. Lavras: UFLA/FAEPE, BECK, K. Extreme Programning Explained: Embrace change. Reading, Massachusttes. Ed. Addison-Wesley, BECK, K; COCKBURN, A.; JEFFRIES, R.; HIGHSMITH, J. Agile Manifesto. Ano Disponível em <http://www.agilemanifesto.org/>, Ano Acesso em Maio de BEEBLE, M.; DEVOS, M.; SHARON, Y.; SCHWABER, K.; SUTHERLAND, J. SCRUM: An extension pattern language for hyperprodutive software development. Pattern Languages or Programs 98 Conference, BOOCH G; RUMBAUGH J. JACOBSON, I. UML - Guia do Usuário, Campus, CARTER, S. The New Language of Business, The: SOA & Web 2.0. IBM Press, CHAPPELL, D. A., JEWELL, T. Java Web Services. O Reilly,

18 FAGUNDES, P.B. Framework para Comparação e Análise de Métodos Ágeis. 109f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) - Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Florianópolis, FILHO, L.C. Implantação de Sistemas ERP (Enterprise Resources Planning): Um enfoque de Longo Prazo. São Paulo: Atlas, FOWLER, M. The New Methodology. Ano Disponível em: <http://www.martinfowler.com/articles/newmethodology.html>. Acesso em abr HABERKORN, E. Teoria do ERP: Enterprise Resource Planning. São Paulo: Markron Books, MENDES, J. V; FILHO, E. E. Sistemas integrados de gestão ERP em pequenas empresas: um confronto entre o referencial teórico e a prática empresarial. Gest. Prod. vol.9 no.3. São Carlos, MONK, E.; WAGNER, B. Concepts Enterprise Resource Planning. Canada: Thomson, PALMER, S. Feature Driven Development Integrating Best Practices. Ano 2003: Disponível em <http://www.step10.com/process/integratingbestpractices.html> acesso em abril de SCHWABER, K. Agile Process and Self-Organizattion. Ano: Disponível em TELES, V.M. Extreme Programming: Aprenda como encantar seus usuários desenvolvendo software com agilidade e alta qualidade Teles. São Paulo: Novatec, ZANCUL, E; ROZENFELD, H. Sistemas ERP. Disponível em: Acesso em 21 Maio APÊNDICE Agradecimento Os autores agradecem a FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) pelo apoio no desenvolvimento deste trabalho desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento em Gestão Empresarial (GPDEGE). 0789

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS:, SCRUM, E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARISON BETWEEN THE PROCESSES OF METHODS ÁGEIS:, SCRUM, AND ASD WITH RESPECT TO THE

Leia mais

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Metodologias Ágeis e Software Livre Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Bacharel em Informática (PUCRS) Professor Universitário (FACENSA) Mais de 10 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, hoje

Leia mais

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Eduardo dos Santos Gonçalves 1, Heitor Boeira dos Reis Filho 1 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Av. Itacolomi, 3.600 Bairro São

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

INTRODUÇÃO A PROJETOS

INTRODUÇÃO A PROJETOS INTRODUÇÃO A PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GESTÃO DE PROJETOS Gestão Ágil de projetos Gestão de projetos com PMBOK GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS GESTÃO ÁGIL

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Roberto Costa Araujo Orientador: Cristiano T. Galina Sistemas de Informação Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação

Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação Elton A. dos Santos Departamento de Informática e

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS

GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS Jeandro Maiko Perceval 1 Carlos Mario Dal Col Zeve2 Anderson Ricardo Yanzer Cabral ² RESUMO Este artigo apresenta conceitos sobre

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s

Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s Uso da metodologia Scrum para planejamento de atividades de Grupos PET s CARVALHO 1, P. A. O. ; COELHO 1, H. A. ; PONTES 1, R. A. F. ; ZITZKE 1, A. P. ; LELIS 2, F. R. C. Petiano 1 ; Tutor 2 do Grupo PET-Civil

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças.

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças. METODOLOGIAS ÁGEIS SURGIMENTO As metodologias ágeis surgiram em resposta ao problema dos atrasos no desenvolvimento de software e aos cancelamentos, devido ao fato dos sistemas demorarem muito tempo para

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software

Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software Ricardo Augusto Ribeiro de Mendonça Coordenação de Pós-Graduação Lato Sensu Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) Goiânia

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A.

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A. APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO André A. de Souza Ivo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Brasil,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO Product Backlog Building Fábio Aguiar Agile Coach & Trainer SCRUM SCRUM Desenvolvimento de Software com ENTREGAS FREQUENTES e foco no VALOR DE NEGÓCIO PRODUTO release

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais