ANAIS COMO MENSURAR O SISTEMA INOVATIVO DE UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS COMO MENSURAR O SISTEMA INOVATIVO DE UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA?"

Transcrição

1 COMO MENSURAR O SISTEMA INOVATIVO DE UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA? BRUNA CARVALHO DA SILVA ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MARIANA RODRIGUES DE ALMEIDA ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Resumo O objetivo deste estudo é formular um procedimento para a mensuração de um sistema inovativo e apresentar os principais indicadores e métodos sugeridos pela literatura, desenhando, assim, um marco teórico que facilita a compreensão, análise e mensuração do processo de desenvolvimento da inovação em pequenas empresas de base tecnológica. Realizou-se uma sistematização do estado da arte, considerando a evolução do conceito de inovação e sua adequação ao contexto atual das empresas. Como resultado, foi proposto um quadro conceitual que apresenta os procedimentos necessários para mensurar um sistema inovativo. Esta pesquisa é uma contribuição para futuros estudos na área, fornecendo feedbacks para orientar as políticas públicas de fomento e financiamento a pesquisa e desenvolvimento tecnológico, podendo também, subsidiar às pequenas empresas no aprimoramento dos seus processos inovativos internos. Palavras-chave: Inovação tecnológica. Sistema inovativo. Procedimento de mensuração. Pequena empresa de Base Tecnológica. 1. Introdução A globalização, mediante a internacionalização dos mercados, intensificou a concorrência entre empresas, elevando a necessidade de novos produtos e serviços caracterizados por operações de baixo custo, tempo rápido de resposta, confiabilidade de entrega e flexibilidade. Nesse ambiente dinâmico, a inovação tecnológica é considerada como um fator estratégico potencial para o aumento da competitividade, criação de novos e melhores empregos, melhoria da produtividade e, consequentemente, aumento das receitas das organizações empresariais, responsáveis por financiar uma parcela dos avanços tecnológicos, econômicos e sociais das nações. As empresas de alta tecnologia têm sido reconhecidas como fonte de vantagem competitiva, visto que, efetivamente, exploram oportunidades de mercado, desempenhando um papel central na economia. Dessa maneira, faz-se necessário medir e avaliar a mudança tecnológica resultante dos sistemas inovativos desse grupo de empresas a fim de aumentar o conhecimento sobre as forças motrizes e as consequências socioeconômicas da inovação. Embora a inovação seja um processo dinâmico e multidimensional, contextualizado em termos de ideias, aprendizagem, criação de conhecimento, competências e, inerentemente, difícil de quantificar e mensurar, alguns dos seus aspectos podem ser estudados em termos de indicadores de processos e outputs (SMITH, 2005). 1/16

2 Neste contexto, o objetivo geral do presente estudo é formular um procedimento para a mensuração de um sistema inovativo e apresentar os principais indicadores e métodos sugeridos pela literatura desenhando um quadro conceitual que facilite a compreensão, análise e mensuração do processo de desenvolvimento de uma inovação em pequenas empresas de base tecnológica. O trabalho inclui a evolução dos conceitos de inovação, além dos tipos de inovação tecnológica referenciados na literatura; em seguida, são caracterizadas as pequenas empresas de base tecnológica, enfatizando o ciclo de vida e barreiras às inovações. Na sequência se propõe um quadro conceitual para a mensuração dos sistemas inovativos, sendo especificados os principais indicadores e métodos utilizados para capturar os resultados em um processo de desenvolvimento de uma inovação. Finalmente, são apresentadas as conclusões do estudo. 2. Inovação Tecnológica A inovação tecnológica abrange a busca por soluções a problemas tecnológicos, tipicamente desestruturados, de maneira que a informação disponível não fornece uma alternativa praticável (DOSI, 1988). Por sua vez, essas soluções inovativas contribuem para o surgimento de descobertas e criações, envolvendo experiências anteriores, conhecimento formal e capacitações específicas. Delimitada pelos conceitos de ciência e tecnologia, a inovação pode ser visualizada como uma resposta tecnológica a uma demanda de mercado (CARAYANNIS; ROY, 2000). Segundo Matias-Pereira e Kruglianskas (2005, p. 3), a inovação tecnológica deve ser resultado de um ambiente que produz ciência de ponta e influencia direta e indiretamente o setor produtivo, especialmente por meio dos setores de pesquisa e desenvolvimento gerados no bojo das empresas. Nesse sentido, a origem de uma inovação, envolve, primariamente, a geração de muitas invenções relacionadas entre si. Entretanto, quando a solução de um enigma científico básico permanece no ambiente do laboratório, esta não proporciona nenhuma contribuição econômica direta, ou seja, uma descoberta que não explora os limites além dos laboratórios não é uma inovação. Uma inovação inclui não só a pesquisa básica e aplicada, mas também, o desenvolvimento, a manufatura, o marketing, a distribuição, a manutenção, e mais tarde a adaptação e atualização de produtos (SMITH; BARFIELD, 1996). Alguns economistas (SCHUMPETER, 1911; 1927; SOLOW, 1957; NELSON; WINTER, 1974; PAVITT, 1984; DOSI, 1988) se propuseram a explicar o crescimento econômico, fazendo da inovação tecnológica o cerne dos fenômenos econômicos essenciais (FREEMAN et al., 1997). Isto tem desencadeado vários estudos teóricos e empíricos, que, ascendentemente vêm fornecendo novas alternativas para o tratamento da inovação e do progresso técnico. Desde modo, a inovação tecnológica pode ter sua estrutura conceitual baseada em quatro diferentes correntes de pensamento: (a) visão schumpeteriana (SCHUMPETER, 1911; 1927); (b) teoria neoclássica (SOLOW, 1957); (c) teoria evolucionária (NELSON; WINTER, 1974); e, (d) visão neo-schumpeterina (FREEMAN et al., 1997; DOSI, 1988). Em termos gerais, ao longo da evolução dessas correntes de pensamento, o conceito geral de inovação tecnológica foi incorporando novos e diferentes conhecimentos, ainda que, seus princípios básicos sejam comuns na maioria das definições. A Tabela 1 oferece um resumo de diversas explanações para inovação a partir da visão dos autores supracitados. 2/16

3 Autores Schumpeter (1927, p. 295) Nelson e Winter (1974, p. 894) ANAIS Inovação Tecnológica Conceito As inovações são mudanças nas combinações dos fatores de produção, que consistem, principalmente, em mudanças nos métodos de produção e transporte, ou em mudanças na organização industrial, ou na produção de novas fontes de materiais. As inovações são mudanças nas regras de decisão existentes. A inovação é definida como um produto ou processo de produção Pavitt (1984, p. 344) novo ou melhorado, comercializado ou utilizado em um país, quer tinha sido desenvolvido primeiro nesse país ou em outro. Uma inovação é realizada apenas com a primeira transação Freeman et al. (1997) comercial envolvendo um novo produto ou processo. Uma inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um OCDE (2005, p. 55) novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas. Tabela 1 - Evolução dos conceitos de inovação tecnológica. A intensificação da concorrência expôs o processo de inovação a influências significativas, alterando a natureza e os cenários existentes. As empresas, nesse novo panorama, implementaram uma diversidade de novas práticas com a finalidade de melhorar o desempenho e aumentar o retorno econômico. Diante deste cenário, um conjunto maior de tipos de inovação foi possível, contemplando as dimensões: (a) inovação em produto; (b) inovação em processo; (c) inovação em marketing; e (d) inovação organizacional. No primórdio das discussões sobre inovação, Schumpeter (1911) já assumia um amplo conjunto de variações para as manifestações de novas realizações, englobando os cinco casos seguintes: (1) introdução de um novo bem; (2) introdução de um novo método de produção; (3) abertura de um novo mercado; (4) conquista de uma nova fonte de matérias-primas ou de bens semimanufaturados; e, (5) estabelecimento de uma nova organização de qualquer indústria. Percebe-se com isso, que os tipos de inovação estão gradativamente evoluindo, acompanhando tanto as tecnologias demandadas pelo mercado quanto aquelas empurradas para o mercado. Desse modo, a inovação passa a ser compreendida como um processo de natureza interativa envolvendo duas importantes abordagens: (1) o desenvolvimento tecnológico de uma invenção, combinado com a introdução no mercado aos usuários finais por meio de difusão e adoção; e, (2) o processo de inovação incluindo, automaticamente, a primeira introdução de uma inovação e a reintrodução de uma inovação melhorada. A capacidade de inovar está atrelada ao surgimento de uma mudança de paradigma na ciência, tecnologia e/ou na estrutura de mercado de uma indústria, ou à influência da inovação nos recursos tecnológicos, marketing, habilidades, conhecimentos, ou estratégias existentes na empresa. No entanto, vale enfatizar a existência de algumas limitações associadas às atividades inovativas de empresas privadas, particularmente, as de pequeno porte, como a falta de recursos de capital e a incidência de elevada incerteza no desenvolvimento e comercialização da inovação. Frente a esses tipos de limitações e a contribuição das pequenas empresas de base tecnológica a atividade inovativa, faz-se necessário analisar a dinâmica dos sistemas de inovação desse grupo de empresas, objetivando respaldar futuros estudos na área, bem como fornecer feedbacks na tomada de decisões, no que concerne as políticas públicas de 3/16

4 financiamento e/ou fomento de subsídios financeiros as atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D) no setor privado. 3. Pequena Empresa de Base Tecnológica (PEBT) As pequenas empresas de base tecnológica são conceituadas como aquelas que dispõem de competência rara ou exclusiva em termos de produtos e processos, viáveis comercialmente, que incorporam grau elevado de conhecimento científico (FERRO et al., 1988). Sendo assim, são responsáveis por investir 5% ou mais de suas receitas de vendas anuais em P&D (BALKIN; GOMEZ-MEJIA, 1987), destacando-se por serem, predominantemente, empresas jovens. Normalmente, originam-se em circunstâncias de crescimento altamente restrito, devido ao foco em um único produto e ao caráter de nicho de mercado (HOFFMAN et al., 1998).. A literatura apresenta uma variedade de terminologias para circunscrever esse objeto de estudo, as quais podem ser demarcadas por alguns autores, como: (1) pequenas empresas de alta tecnologia - high technology small firms (O REGAN; SIMS, 2008); (2) empresas baseadas em novas tecnologias new technology-based firms NTBFs (HOFFMAN et al., 1998); (3) empresas emergentes de alta tecnologia high-technology Start-Ups (KOGA, 2005); e, (4) pequenas empresas inovativas Small Innovative Companies (ACS; AUDRETSCH, 1988). Ao longo das últimas décadas, as empresas de alta tecnologia têm sido reconhecidas como fonte de vantagens competitivas, visto que, efetivamente, exploram oportunidades de mercado, desempenhando um papel central na economia, pela criação de empregos (O REGAN E SIMS, 2008). No Japão, as Start-Ups de alta tecnologia são esperadas para revitalizar a economia japonesa pelo estímulo à inovação, criação de novos mercados, e aumento da renda nacional (KOGA, 2005, p. 54). Em uma realidade de países em desenvolvimento, estas empresas têm uma grande representatividade na economia, como no caso de Israel, onde 75% do PNB (Produto Nacional Bruto) de 2000 teve origem nas pequenas empresas de base tecnológica (CHOREV; ANDERSON, 2008). Com frequência, as empresas de alta tecnologia estão presentes nos setores de eletrônica, telecomunicações, aeroespacial, biotecnologia, medicamentos e tecnologia da informação (MILKOVICH et al., 1990). No Brasil, atuam nos setores de informática, biotecnologia, robótica e novos materiais (FERRO et al., 1988). Geralmente, embora em setores distintos, as empresas high-tech apresentam algumas características em comum, entre elas: (1) apresentam ciclo de vida dos produtos mais curto quando compradas com empresas tradicionais; (2) são lideradas por empresários que obtém apoio financeiro de investidores de risco (venture capitalists), os quais, na maioria das vezes, detêm uma parte da empresa; (3) possuem investimentos significativos em P&D focados, principalmente, em produtos na vanguarda da tecnologia (BALKIN; GOMEZ-MEJIA, 1987); e, (4) tendem a ter funcionários que são altamente qualificados, disponibilizando grande proporção de seus ativos em capital intelectual humano, não possuindo, assim, grandes investimentos de capital intensivo, como em empresas tradicionais; (MILKOVICH et al., 1990). Apesar das empresas de alta tecnologia possuir algumas características específicas, os limites entre estas e aquelas de baixa tecnologia são muitas vezes confusos. Com o propósito de explorar as categorias existentes para classificar empresas como de alta ou baixa tecnologia, O Regan e Sims (2008) propõem uma abordagem baseada em critérios de inputs e outputs; assim, na perspectiva dos inputs, a essência de empresas high-tech pode ser capturada 4/16

5 pelos fatores: (1) grau de ênfase ou investimento em P&D; (2) inovação; (3) criatividade; e, (4) capacidades; enquanto na perspectiva dos outputs, são considerados importantes para a mensuração do desempenho desse grupo de empresas, critérios como: (1) lucratividade; (2) crescimento; e (3) patentes. Para o nascimento e desenvolvimento das pequenas empresas tecnológicas algumas condições ambientais são necessárias. Segundo Ferro et al. (1988), estas condições compreendem uma política estatal favorável, podendo ou não fornecer formas de subsídios e apoio, mão de obra altamente qualificada e uma economia suficientemente desenvolvida para absorver produtos tecnologicamente avançados. Essas empresas dependem de relações com universidades, empresas públicas ou privadas, institutos de pesquisa e desenvolvimento, entre outros, sendo o processo de criação classificado em três formas ideais, embora a realidade seja muito mais rica e complexa: (1) spin-offs; (2) empresas geradas ou estimuladas por grandes empresas; e, (3) empresas criadas por pessoas ligadas a universidade ou a instituições de pesquisa. Por outro lado, o processo de criação de empresas de alta tecnologia está sujeito a diversos obstáculos, os quais incluem: (1) deficiências de recursos financeiros; (2) falta de habilidades específicas dos recursos humanos (FERRO et al., 1988); (3) custos fixos elevados (BALKIN; GOMEZ-MEJIA, 1987; MILKOVICH et al., 1990); (4) elevadas taxas de mudança tecnológica; (5) dependência por inovações radicais para se estabelecerem em determinados setores industriais; (6) exposição a ambientes de incerteza, que requerem uma maior disposição para assumir riscos; e, (7) altas taxas de mortalidade (BALKIN; GOMEZ- MEJIA, 1987). Alguns autores (Hadjimanolis, 1999; Galia e Legros, 2004; Madrid-Guijarro et al., 2009) analisaram as principais barreiras à inovação, que, em um nível macro, podem ser caracterizadas em seis grandes categorias: (1) informacional - falta de informações sobre tecnologia; falta de informação sobre mercado; e, falta de conhecimento básico de negócios; (2) financeira - custo elevado da inovação; acesso difícil a fontes de financiamento externo; e riscos excessivos; (3) governo - burocracia governamental; falta de oportunidade de parcerias com instituições de pesquisa; e, falta de assistência do governo; (4) organizacional - fraquezas nas habilidades gerenciais e falta de infraestrutura; (5) mercado - falta de demanda para a inovação; e, (6) recursos humanos - falta de pessoal qualificado. Neste contexto, a fim de encorajar o desenvolvimento de empresas de alta tecnologia e diminuir as altas taxas de mortalidade das quais são vítimas, têm-se sugerido ações ativas do governo e de agências de desenvolvimento (O REGAN; SIMS, 2008). Todavia, tais ações devem focar nas necessidades específicas dos diferentes estágios do ciclo de vida dessas empresas. Normalmente, um modelo sequencial de desenvolvimento para tecnologias nascentes apresenta-se sob uma natureza de multiestágios, a qual pode variar entre três a dez estágios (Lester et al., 2003). Scott e Bruce (1987) e Auerswald e Branscomb (2003) corroboram que o modelo de crescimento para pequena empresa engloba cinco estágios distintos: (1) pesquisa básica; (2) ideia / invenção; (3) estágio inicial do desenvolvimento tecnológico - EIDT; (4) desenvolvimento do produto; e, (5) produção / marketing e, que, ao longo do processo, diferentes fundos de financiamento são necessários para converter os resultados da pesquisa básica em produtos comerciais de sucesso. Em síntese, o processo de desenvolvimento de uma inovação em uma PEBT implica geração, difusão e utilização de tecnologias (artefatos físicos, know-how técnico) que possuem valor econômico em diferentes esferas. Dessa forma, para compreender o papel relevante que esse grupo de empresas representa no estímulo ao desenvolvimento de novas tecnologias, e 5/16

6 consequentemente da economia, é importante mensurar o sistema inovativo dessas empresas, considerando uma variedade de combinações de medidas e os diferentes estágios que constituem o modelo de crescimento de uma inovação. 4. Mensurando a Inovação nas PEBT s Diante do interesse da política pública em promover a atividade inovativa, estimular o crescimento econômico e a empregabilidade há, claramente, uma crescente necessidade de medir e avaliar a mudança tecnológica para aumentar o conhecimento sobre as forças motrizes e as consequências socioeconômicas da inovação (KLEINKNECHT et al., 2002). A inovação se caracteriza por ser um processo dinâmico e multidimensional, contextualizado em termos de ideias, aprendizagem, criação de conhecimento, competências e capacidades, sendo algumas vezes sugerido como inerentemente impossível de quantificar e mensurar, embora, não se exclua a medição das dimensões-chave dos processos e outputs (SMITH, 2005). Assim, mensurar a mudança tecnológica envolve, tipicamente, um dos três principais aspectos: (1) mensurar uma variável de entrada; (2) uma variável de saída intermediária; ou, (3) uma medida direta da produção inovativa (ACS et al., 2002). Outros autores (ARCHIBUGI; PIANTA, 1996) sugerem que a inovação pode ser analisada, classificada e mensurada por meio várias perspectivas: (1) quanto à tecnologia características técnicas da inovação; (2) quanto ao produto natureza do produto na qual a inovação é provável de ser incorporada; (3) quanto ao setor de produção principal atividade econômica da empresa que gerou a inovação; e, (4) quanto ao setor de uso principal atividade econômica dos usuários da inovação. Geralmente, a quantificação do desempenho inovativo é representada por um processo do tipo input-transformação-output, no qual a combinação de fatores produtivos de entrada resulta em saídas inovativas (SMITH, 2005). Guan e Chen (2010) propõem uma perspectiva ampla para mensurar a inovação, incorporando tanto medidas relacionadas ao processo global quanto aquelas em termos de subprocessos internos, ou seja, os processos de P&D a montante e o processo de comercialização a jusante. Esses autores consideram que inputs originais, acarretam em outputs intermediários que geram os resultados finais. A execução desse processo de transformação é suportada por atividades primárias pesquisa, desenvolvimento e testes destinadas à produção dos outputs intermediários e, atividades secundárias marketing, manufatura e engenharia empreendidas no subprocesso de comercialização. Normalmente, os principais indicadores de entrada e saída apresentados pela literatura para mensuração da inovação envolvem os recursos destinados a P&D e estatísticas de patentes (BASBERG, 1987; ANCHIBUGI; PIANTA, 1996; SMITH, 2005; OCDE, 2005). Apesar da relevância dessas variáveis, foram verificadas a existência de algumas desvantagens que podem sub- ou sobreestimar o desempenho inovativo das empresas (KLEINKNECHT et al., 2002). Em primeiro lugar, as medições de despesas com P&D não mostram a eficiência do processo pelo qual os insumos são transformados em outputs intermediários ou em produtos inovadores, também, não expõem a importância quantitativa ou econômica das inovações produzidas, nem indicam o nível de complexidade tecnológica dos produtos resultantes (COOMBS et al., 1996). As estatísticas de patentes, mesmo estando disponíveis ao público em grandes números e a baixo custo (ANCHIBUGI; PIANTA, 1996), não são bons indicadores do valor econômico (Acs et al., 2002), já que, uma proporção de patentes nunca será traduzida em 6/16

7 produtos, processos e/ou serviços comercialmente viáveis (BASBERG, 1987; COOMBS et al., 1996); algumas invenções e inovações não são patenteáveis (OCDE, 2005); e, estrategicamente, algumas empresas não comercializam a patente, para impedir que um concorrente possa usá-la (KLEINKNECHT et al., 2002). Esses indicadores tendem a ser ainda mais subestimados, especialmente, nas micro e pequenas empresas em estágio inicial de desenvolvimento, em que a presença de diferentes barreiras e a falta de padronização e formalização, muitas vezes, limita as atividades durante o processo de desenvolvimento inovativo. De acordo com O Regan e Sims (2008), à medida que esse grupo de empresas amadurece o número de registros de patentes e despesas com P&D irá aumentar. Em pesquisa realizada nas Start-Ups de alta tecnologia japonesas, Koga (2005) confirma esse fato, considerando que empresas em estágios iniciais de desenvolvimento, nomeadas de recém-nascidas, possuem restrições orçamentárias, não são tão propensas a receber subsídios e, mesmo que, obtendo fundos de fontes externas, não apresentam forte incentivo para a realização adicional de P&D, podendo, assim, ser incentivada a utilizar esses fundos para outros fins. Em contrapartida, as empresas que estão em fase de crescimento, denominadas como empresas jovens, têm forte demanda por fundos para P&D, isto porque, a P&D é reconhecida como fonte de vantagem competitiva e, portanto, de crescimento. Em virtude dos problemas existentes com o uso dos indicadores tradicionais, muitos pesquisadores estão sugerindo a utilização de indicadores múltiplos (EVANGELISTA et al., 2001; HAGEDOORN et al., 2003; FLOR; OLTRA, 2004; GUAN; CHEN, 2010) para quantificar o desempenho tecnológico, uma vez que estes indicadores vêm a atender ambientes dinâmicos e mais complexos. Nesses ambientes, como nos tradicionais, os processos estão transformando, normalmente, inputs, incluindo as ações, métodos e operações, em outputs. Porém, especialmente, durante os estágios de crescimento da inovação, devido à complexidade, incerteza e à falta de linearidade, uma variedade maior de processos ocorre, resultando em uma multiplicidade de interações e, logo, na existência de inputs e outputs intermediários. Para atender a uma demanda puxada ou empurrada decorrente de forças do mercado (DOSI, 1988), o processo de desenvolvimento tecnológico irá demandar a mobilização de vários tipos de conhecimentos tecnológicos e científicos, mas também, a formação de relacionamentos com clientes, fornecedores, institutos de pesquisa, universidades e associações de indústrias. No entanto, ao transitarem através dos vários estágios de crescimento, as empresas passam a lidar com diferentes obstáculos, resultando na necessidade de competências gerenciais, prioridades e configurações estruturais específicas (HANKS et al., 1993). Desse modo, os processos e subprocessos nos estágios de desenvolvimento da inovação em pequenas empresas, estarão expostos a uma diversidade de limitações, principalmente, no que remete a recursos financeiros. Auerswald e Branscomb (2003) afirmam que para superar esta barreira as empresas devem ser estimuladas por diferentes agentes, incluindo: (1) investidores anjo ; (2) empresas estabelecidas que investem em startups de alta tecnologia; (3) empresas de venture capital; e, (4) programas governamentais especificamente concebidos para este fim. Assim sendo, considerando que para desenvolver uma inovação, o sistema requer processos e subprocessos interconectados, relacionamentos ou parcerias com uma variedade de entidades e auxílio financeiro de diferentes agentes externos, uma releitura dessa rede complexa de processos para promover as atividades inovativas se faz necessária. A Figura 1 7/16

8 expressa uma proposta de leitura da complexa rede dos processos de desenvolvimento da inovação. COLABORAÇÕES MANUFATURA ENGENHARIA Universidade ESTÁGIO INICIAL DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Centro de Pesquisa ATIVIDADES SECUNDÁRIAS PESQUISA BÁSICA INVENÇÃO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO PRODUÇÃO E MARKETING Cliente COLABORAÇÕES TREINAMENTO Empresa FONTES DE FINANCIAMENTO Fornecedor Empresa P&D DESIGN ATIVIDADES PRIMÁRIAS PESQUISA DE MERCADO Governo Investidores Anjos Áreas de particular interesse de entidades externas e agentes de financiamento. PROTOTIPAGEM PREPRODUÇÃO Venture Capital Figura 1 - Leitura da complexa rede dos processos de desenvolvimento da inovação. Para mensurar esse sistema serão necessários, além de considerar, múltiplos indicadores, fragmentá-los de acordo com os diferentes estágios que constituem o modelo de crescimento de uma inovação. Lev (2001) ressalta que a inovação inclui, tipicamente, três estágios interconectados: (1) estágio de aprendizagem e descoberta centra-se na geração e aquisição de conhecimentos e habilidade (fase de pesquisa); (2) estágio de implementação demonstra a viabilidade técnica (fase de desenvolvimento) e, (3) estágio de comercialização promove a difusão do produto e facilita o retorno financeiro e econômico. Corroborando com este autor, Guan e Chen (2010; 2012) avaliam o processo global de inovação como a interação dos subprocessos de P&D a montante e comercialização a jusante, envolvidos, respectivamente, com atividades primárias e secundárias. Na passagem de um estágio para outro, os outputs de diferentes fases tornam-se inputs de outras. Dessa maneira, os indicadores podem ser segmentados em: (1) inputs originais - tangíveis ou intangíveis; (2) inputs intermediários; (3) outputs intermediários; (4) outputs finais; (5) outcomes; e, (6) capital inovativo. Sustentados nos trabalhos de Lev (2001), Evangelista et al. (2001), Hagedoorn et al. (2003), Auerswald e Branscomb (2003), Flor e Oltra (2004), Milbergs e Vonortas (2004), 8/16

9 Milbergs et al. (2007) e Guan e Chen (2010; 2012), na Figura 2, propõe-se um quadro conceitual envolvendo os estágios de transformação, as atividades de apoio e os indicadores de entrada e saída originais e intermediários, na tentativa de elucidar o inter-relacionamento entre as partes envolvidas no sistema, quando o propósito for mensurar um processo típico de produção de uma inovação. INPUT INTERMEDIÁRIO INPUT TANGÍVEL OUTPUT INTERMEDIÁRIO OUTPUT FINAL PESQUISA BÁSICA INVENÇÃO EIDT* DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO PRODUÇÃO E MARKETING CAPITAL INNOVATIVO Mensuração e Feedback (2) Mensuração e Feedback (3) OUTCOME INPUT INTANGÍVEL Mensuração e Feedback (1) TREINAMENTO ATIVIDADES SECUNDÁRIAS P&D DESIGN ATIVIDADES PRIMÁRIAS PESQUISA DE MERCADO PROTOTIPAGEM PREPRODUÇÃO MANUFATURA ENGENHARIA Sub-processo P&D (2) Sub-processo COMERCIALIZAÇÃO (3) * Estágio inicial de desenvolvimento tecnológico. PROCESSO GLOBAL DE INOVAÇÃO (1) Figura 2 - Quadro conceitual para o processo global de inovação. Com base na Figura 2, observa-se que, para mensurar um sistema inovativo é necessário contemplar os diferentes estágios do processo de desenvolvimento de uma inovação; as variáveis de entrada e saída associadas a cada estágio e as atividades de apoio para auxiliar na concretização do escopo de cada fase. Dessa forma, dependendo do objetivo e objeto de estudo, esse processo pode ser orientado tanto para o nível global (macro sinalizadas pelas linhas tracejadas (1)), levando em consideração todas as interfaces do sistema, quanto para subníveis, nesse caso, denominados por subprocessos, os quais compreendem, na pesquisa e desenvolvimento (ilustradas pelas linhas tracejadas (2)), os estágios de pesquisa básica, invenção, estágio inicial de desenvolvimento tecnológico e desenvolvimento de produto e, na comercialização (identificadas pelas linhas tracejadas (3)), o estágio de produção e marketing. Ressalta-se, ainda, que a mensuração do processo global terá indicadores de entrada tangíveis ou intangíveis, uma sequência de outputs e inputs do processo seguinte (outputs intermediários) e recursos de saída que podem ser representados como outputs finais (um novo/melhorado produto, processo e/ou serviço), além dos outcomes (valor adicionado, lucro 9/16

10 resultados econômicos) e capital inovativo (propriedade intelectual, competências, capital humano) gerados a partir dos efeitos desencadeados pelo processo. Já o subprocesso de P&D compartilha dessa sequência, exceto com relação aos indicadores de saída, que neste, são compreendidos por outputs intermediários, como, por exemplo, patentes. Por fim, o subprocesso de comercialização, diferentemente, dos demais, possui inputs intermediários como indicadores de entrada, podendo englobar variáveis em termos de despesas com ferramental, fabricação e engenharia industrial. Com frequência, esse tipo de modelo de mensuração tem sido, do ponto de vista macro, intitulado pela literatura internacional (Wu et al., 2010; Guan e Chen, 2010; 2012; Wang, 2012) como modelo de dois estágios Sistematização dos principais métodos e indicadores de desempenho para a mensuração de um sistema inovativo Os sistemas de inovação tecnológica são caracterizados por fenômenos de natureza complexa, uma vez que compreendem os determinantes do processo inovativo, ou seja, todos os fatores econômicos, sociais, políticos, organizacionais, institucionais e outros que influenciam o desenvolvimento, a difusão e o uso das inovações (EDQUIST, 2005). Ancorado nesta complexidade, Smith (2005) alerta que esta característica não impede a quantificação das dimensões-chave dos processos. Neste contexto, alguns especialistas têm desenvolvido uma variedade de métricas para a inovação, bem como uma infraestrutura que pode ser utilizada para a coleta de dados (BASBERG, 1987; ARCHIBUGI; PIANTA, 1996; COOMBS et al., 1996; EVANGELISTA et al., 2001; ACS et al., 2002; KLEINKNECHT et al., 2002; HADEGOORN et al., 2003; FLOR; OLTRA, 2004; MILBERGS; VONORTAS, 2004; SMITH, 2005; OCDE, 2005; MILBERGS et al., 2007; NELSON, 2009; GUAN; CHEN, 2010). Com o objetivo de mensurar a inovação, os indicadores são essenciais para avaliar os investimentos e o desempenho das atividades inovativas, e, em seguida, possibilitar aos gestores o gerenciamento da organização com parâmetros adequados para capturar, em particular, o nível de desenvolvimento inovativo das empresas (HAGEDOORN; CLOODT, 2003). Milbergs e Vonortas (2004) afirmam que os indicadores de inovação, ciência e tecnologia têm evoluído em quatro gerações, tornando-se, progressivamente, mais complexos e significativos. Conforme os autores, esse processo evolutivo inclui: (1) métricas de primeira geração, refletindo uma concepção linear de inovação, centrada em indicadores de entrada; (2) métricas de segunda geração, complementando os indicadores de entrada pela contabilização das saídas intermediárias nas atividades de ciência e tecnologia (C e T); (3) métricas de terceira geração, representando um conjunto mais relevante de indicadores de inovação, além de índices com base em surveys e na integração de dados disponíveis publicamente; e, (4) métricas de quarta geração, com base em indicadores de conhecimento, relacionamentos em redes e condições do ambiente interno e externo das organizações. A Tabela 2 expõe a evolução dessas métricas. Uma vez que os resultados de muitos estudos não conduzem a um indicador ou a um conjunto comum de indicadores geralmente aceitos, para representar o desempenho inovativo, alguns autores (EVANGELISTA et al., 2001; HAGEDOORN; CLOODT, 2003; FLOR; OLTRA, 2004; NELSON, 2009; GUAN; CHEN, 2010) têm proposto uma variedade em termos de constructos, métodos, amostras e testes estatísticos de confiança e consistência, capazes de representar o impacto da inovação em um sistema dinâmico e complexo e, dessa forma, permitir a mensuração das dimensões-chave dos processos inovativos. 10/16

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 Estrutura da apresentação Origens do trabalho Objetivo Definição Referencial teórico Explicação da Tipologia de identificação

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA XII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA Engª LOURENÇA F. DA SILVA Belo Horizonte - 05/11/2010 Lourença F. Silva - 05-11-2010 1 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA PARA VALORAR

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA FERRUGEM, Kael 1 ; SANTOS, Rozali Araujo 2 ; FERREIRA, Ana Paula Alf Lima 3. Palavras-chave: sistemas, inovação e inovação sistêmica. 1. Introdução Cada vez mais as evoluções

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2006 Summary in Portuguese Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 Sumário em Português SUMÁRIO EXECUTIVO Perspectivas mais evidentes

Leia mais

O PROCESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

O PROCESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O PROCESSO DE 1 O Processo de Inovação Tecnológica Nossos últimos assuntos foram: O processo de inovação tecnológica. Relação entre inovação e sobrevivência das organizações. Fontes de Inovação. Dinâmica

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO

BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO Parte 2 Periódico: Inteligência Empresarial (UFRJ), 20, p. 13-18, 2004. Autor: CARVALHO, Rodrigo S. (Hélice Consultoria) E-mail: rcarvalho@heliceconsultoria.com.br

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Seminário FIRJAN / COPPE "Inteligência Estratégica: modismo ou imperativo? 22/08/08 Helena Tenório Veiga de Almeida

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL

A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL 1 A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL ÍNDICE SECÇÃO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS DA CONSULTA 5 2 SECÇÃO 2 ENQUADRAMENTO E CARACTERÍSTICAS DAS EMPRESAS 11 SECÇÃO 3 RESULTADOS

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Competitividade Sustentável. Pesquisa e Desenvolvimento da Gestão e Inovação para a Sustentabilidade das Organizações

Competitividade Sustentável. Pesquisa e Desenvolvimento da Gestão e Inovação para a Sustentabilidade das Organizações Competitividade Sustentável Pesquisa e Desenvolvimento da Gestão e Inovação para a Sustentabilidade das Organizações A Origem do LACOS PGQP e PUCRS assinaram em 21 de novembro de 2011 um Protocolo de Intenções

Leia mais

Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico. GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com

Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico. GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com Incerteza, Inovação e o Processo Gerencial: um estudo teórico GABRIEL FURLAN COLETTI UNESP gabrielf.coletti@gmail.com INCERTEZA, INOVAÇÃO E O PROCESSO GERENCIAL: UM ESTUDO TEÓRICO Resumo Neste trabalho

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

1. Introdução. 1 As tecnologias citadas são detalhadas no capítulo 2 Estratégia de Manufatura.

1. Introdução. 1 As tecnologias citadas são detalhadas no capítulo 2 Estratégia de Manufatura. 1. Introdução O sucesso competitivo de uma empresa é uma conseqüência direta do desempenho superior das operações da função manufatura em relação aos seus concorrentes. Se os seus produtos atendem às necessidades

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Oobjetivo deste artigo é apresentar, pela primeira vez, indicadores de inovação

Oobjetivo deste artigo é apresentar, pela primeira vez, indicadores de inovação Indicadores empresariais de inovação tecnológica de Minas Gerais: uma introdução Marta Araújo Tavares Ferreira* Viviana Milene Silva** O objetivo desse artigo é apresentar, pela primeira vez, os indicadores

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Métricas de Inovação

Métricas de Inovação Métricas de Inovação Apresentação CRI - FDC (14.12.2010) T. Canova Inovação A Inovação está entre as 3 principais prioridades para 65% dos executivos Fonte: McKinsey Global Survey 2008 Assessing Innovation

Leia mais

Tecnologia, inovação, aprendizado e geração de conhecimento

Tecnologia, inovação, aprendizado e geração de conhecimento Tecnologia, inovação, aprendizado e geração de conhecimento César Stallbaum Conceição * A difusão do atual paradigma tecnológico, baseado nas tecnologias da informação e da comunicação, e o processo de

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta. Bruno Rondani

Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta. Bruno Rondani Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta Bruno Rondani Junho 2013 Bruno Rondani Fundador da Allagi Open Innovation Services Fundador do Wenovate Conselheiro: FIESPe EMS Professor

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares

Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares e questões abertas... Raoni Barros Bagno USP / PUC Minas Outubro / 2013 BCG (2013) Como introduzir no negócio algo que não se consegue

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ

VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ Verônica Cordeiro Rocha Agente Local de Inovação atuante na região do interior da cidade de Jaraguá e Ceres do Programa

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

Influências no Desempenho Inovador das Indústrias Paulistas: Uma Análise no Setor de Bens de Capital

Influências no Desempenho Inovador das Indústrias Paulistas: Uma Análise no Setor de Bens de Capital Influências no Desempenho Inovador das Indústrias Paulistas: Uma Análise no Setor de Bens de Capital Autoria: Antônio Carlos Pacagnella Júnior, Carlos Alberto Grespan Bonacim, Sérgio Luís da Silva, Alexandre

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Métricas de Inovação

Métricas de Inovação Métricas de Inovação Apresentação CRI - FDC (09.03.2010) T. Canova Por que medir a Inovação? Inovação : design, invention, development and/or implementation of new or altered products, services, processes,

Leia mais

3 Inovação nas MPMEs de base tecnológica: conceitos, modelos e fontes de inovação

3 Inovação nas MPMEs de base tecnológica: conceitos, modelos e fontes de inovação 3 Inovação nas MPMEs de base tecnológica: conceitos, modelos e fontes de inovação Neste Capítulo, apresentam-se os conceitos básicos de inovação tecnológica e os principais modelos e abordagens não-lineares

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html Glossário A Atividades - Ações que os executores realizam para alcançar

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação CAPÍTULO 6 Inovação na IBSS Apresentação Pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group, envolvendo 1.070 executivos de 63 países, mostra uma ascensão considerável da inovação como prioridade estratégica

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CADEIAS PRODUTIVAS NA POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 1 (Apresentado na Reunião Regional Sudeste da Conferência Nacional de C&T para Inovação, Rio de Janeiro 17/08/2001) 1 Victor Prochnik Instituto

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA NO BRASIL: AVALIAÇÃO A PARTIR DAS PESQUISAS IBGE PINTEC

MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA NO BRASIL: AVALIAÇÃO A PARTIR DAS PESQUISAS IBGE PINTEC III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos Daniel F. Arcoverde Agenda Definição de inovação Motivação Processos de Desenvolvimento de Novos Produtos (NPD) Classes de Modelos de NPD Problemas

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO Flávia SOUZA Mestranda pela Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2 n 83, CEP 05508-900 São Paulo (SP)

Leia mais

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Heloise das Neves Balan Nathalie Aparecida dos Santos Rôas RESUMO - O presente trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA RESUMO No mundo dos negócios, inovar significa: desenvolvimento e introdução de novidade. A empresa deve inovar em tecnologia para se tornar competitiva e aumentar seu lucro. As inovações

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL

DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL DESEMPENHO RECENTE DOS INDICADORES DE INOVAÇÃO E DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS INDUSTRIAIS DE ALTA TECNOLOGIA NO BRASIL Tatiana Diair Lourenzi Franco Rosa, Unespar Câmpus de Campo Mourão, tatianalourenzi@gmail.com

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais