O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título."

Transcrição

1 IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel por natureza ou acessão física, tal como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município de Teresina. Considera-se ocorrido o fato gerador em 1º de janeiro do ano a que corresponda o lançamento. Para efeito de incidência do IPTU, considera-se como zona urbana a definida em lei municipal, na qual se observa o requisito mínimo de existência de, pelo menos, dois dos seguintes melhoramentos, construídos e mantidos pelo Poder Público: I pavimentação, meio fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais; II abastecimento de água; III sistema de esgotos sanitários; IV rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar; e V escola primária ou posto de saúde, a uma distância máxima de três quilômetros do imóvel considerado. CONTRIBUINTE O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. BASE DE CÁLCULO A base de cálculo do IPTU e o valor venal do imóvel. Este valor depende de algumas variáveis tais como: localização do imóvel, padrão da construção, área do terreno, área da construção, topografia do terreno, existência de serviços públicos disponíveis (água, luz, telefone, rede de esgoto, pavimentação, etc.). VALOR VENAL DO IMÓVEL O valor venal, que serve de base de cálculo para o IPTU, é o valor resultante da avaliação do imóvel, considerando sua localização e características físicas. É o resultado do somatório da avaliação do terreno e da avaliação da construção. ALÍQUOTAS

2 A alíquota é um percentual aplicado sobre a base de cálculo (valor venal) para a apuração do valor do IPTU devido. As alíquotas são aplicadas nos termos dos arts. 19 e 20, da Lei n 3.606, de 29 de dezembro de 2006, que definem: O imposto será calculado anualmente, de forma escalonada, sobre o valor venal do imóvel, na porção compreendida em cada uma das faixas de valor constantes na tabela abaixo, sendo o total determinado pela soma dos valores apurados na conformidade destes artigos. TABELA DE ALÍQUOTAS IPTU 2008 UTILIZAÇÃO ALÍQUOTAS (%) IMÓVEIS EDIFICADOS PARA FINS RESIDENCIAIS Faixa de Valor Venal em Reais 0,00 a ,81 0, ,82 a ,53 0, ,54 a ,06 0,6 Acima de ,06 0,7 IMÓVEIS EDIFICADOS PARA FINS NÃO RESIDENCIAIS Faixa de Valor Venal em Reais 0,00 a ,81 0, ,82 a ,53 0, ,54 a ,06 0,8 Acima de ,06 0,9 IMÓVEIS NÃO EDIFICADOS (TERRENOS) Faixa de Valor Venal em Reais 0,00 a ,81 1, ,82 a ,53 1, ,54 a ,06 1,8 Acima de ,06 1,9 EXEMPLO DO CÁLCULO DO IMPOSTO Considerando-se um imóvel residencial cadastrado com valor venal de R$ ,00 (cento e vinte e cinco mil reais). O valor venal acima será tributado de acordo com as seguintes faixas: DETERMINAÇÃO DOS VALORES PARA APLICAÇÃO DA ALÍQUOTA CÁLCULO DO IPTU/2008 Porção do FAIXA Valor Venal compreendida Alíquota (%) Valor (R$) na faixa (R$) 0,00 a , ,81 0,2 42, ,82 a , ,72 0,5 161, ,54 a , ,53 0,6 322,35

3 Acima de , ,94 0,7 161,00 VALOR IMÓVEL ,00 TOTAL 687,50 IPTU LANÇAMENTO O lançamento do IPTU será feito à vista dos elementos do Cadastro Imobiliário Fiscal, quer declaramos pelo contribuinte, quer apurados pelo Fiscal, registrado até o último dia do exercício anterior. IMUNIDADE Por força da Constituição Federal, fica vedada a cobrança de IPTU dos: I Imóveis de propriedade da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal; II Templos de qualquer culto; e III Imóveis de propriedade dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei. MENCIONAR OS REQUISITOS DA LEI 03 (Henry) Para reconhecimento de imunidade tributária de IPTU, dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público, preencha o requerimento próprio, anexando cópias dos seguintes documentos: Registro de Imóvel e Estatuto da entidade (somente para as instituições de educação e assistência social) ISENÇÕES Fica isento do pagamento do IPTU o imóvel: I residencial cadastrado com valor venal inferior ou igual a R$ ,00 (setenta mil reais), pertencente a servidor público municipal efetivo, da administração direta ou indireta, e a servidor efetivo da Câmara Municipal do Município de Teresina, quando nele residir, e desde que não possua outro imóvel no Município. Procedimento: Formalize requerimento até o último dia útil de cada exercício, em uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresentando cópias dos seguintes documentos: - último contra-cheque; - registro do imóvel ou outro documento que comprove a titularidade do imóvel; e - certidão de casamento, caso o imóvel esteja registrado em nome do cônjuge.

4 II residencial pertencente ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira, que tenha servido no teatro de operações de guerra na Itália, quando nele reside e desde que não possua outro imóvel. Procedimento: Formalize requerimento até o último dia útil de cada exercício, em uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresentando cópias dos seguintes documentos: - registro de imóvel ou outro documento que comprove a titularidade do imóvel; - diploma de expedicionário ou Cédula de Identidade expedida pela Força Expedicionária Brasileira FEB. III residencial cuja base de cálculo, obedecidos os critérios de avaliação imobiliária da Secretaria Municipal de Finanças, não ultrapasse o valor venal de R$ ,00 (vinte mil reais), e desde que o seu proprietário nele resida e não possua outro imóvel no Município. Procedimento: Formalize requerimento em uma das Unidades de Atendimento ao Público e solicitando revisão de lançamento e reconhecimento de isenção. IV de propriedade de associação esportiva, recreativa e de assistência social, sem fins lucrativos, destinados ao uso de seu quadro social ou pratica de suas finalidades essenciais e estatutárias. Procedimento: Formalize requerimento até o último dia útil de cada exercício, em uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresentando cópias dos seguintes documentos: - Registro de imóvel ou escritura; - Estatuto Social da entidade;e - ata da eleição da atual diretoria. V residencial pertencente a portador de câncer ou AIDS, comprovado por laudo do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Teresina IPMT, cujo valor venal, obedecidos os critérios de avaliação do Cadastro Imobiliário, não ultrapasse o valor de R$ ,00 (cinqüenta mil reais), e desde que o seu proprietário nele resida e não possua outro imóvel no Município. Procedimento: Formalize requerimento até o último dia útil de cada exercício, sob pena de perda do benefício- a isenção (Henry) em uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresentando cópias dos seguintes documentos: - Registro de imóvel ou outro documento que comprove a titularidade do imóvel; - Laudo médico fornecido pelo IPMT. SEGUNDA VIA DO BOLETO DE IPTU Se você não receber o boleto de IPTU, solicite em tempo hábil uma 2ª via, pois o não recebimento não isenta o contribuinte do pagamento do imposto e dos acréscimos legais por atraso. Procedimento: Dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público, e forneça o n de inscrição do imóvel ou através da internet, nesta página.

5 ATUALIZAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS Se os dados cadastrais do seu imóvel não correspondem à realidade, abra um processo de revisão dados cadastrais em qualquer uma das Unidades de Atendimento ao Público. Procedimento: Formalize requerimento, apresentando cópias dos seguintes documentos: registro de imóveis ou escritura, boleto do IPTU e CPF do requerente. Obs.: De acordo com a alteração pretendida, serão exigidos documentos complementares. ALTERAÇÕES MAIS FREQÜENTES I Alteração de nome do proprietário Sempre que houver alteração de propriedade do imóvel, solicite a alteração de nome. Procedimento: Compareça com urgência a uma das Unidades de Atendimento ao Público, levando cópia do: - Registro de Imóvel ou outro documento que comprove a titularidade do imóvel; - Carnê do IPTU; e - Preencha o requerimento solicitando a alteração. II Preenchimento do CPF ou CNPJ Verifique se o cadastro de seu imóvel está preenchido com CPF ou CNPJ. Para solicitar a atualização deste dado cadastral, compareça a uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresentando cópia deste documento. III Alteração do endereço de correspondência Sempre que mudar de endereço, compareça a uma das Unidades de Atendimento ao Público e preencha requerimento, indicando o novo endereço para qual deverão ser enviados os boletos de IPTU. IV Cadastramento de Imóvel Se você possui algum imóvel na zona urbana do Município, ainda não inscrito no Cadastro Imobiliário Fiscal, compareça a uma das Unidades de Atendimento ao Público e solicite cadastro do imóvel, anexando cópia do registro do imóvel ou documento equivalente. No caso de gleba (grandes áreas não loteadas), anexe o levantamento topográfico da área. V Desmembramento ou unificação de imóveis

6 Para fazer desmembramento ou unificação de imóveis, para efeito de IPTU, dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público, preencha o requerimento e apresente cópias dos seguintes documentos: - Boleto do IPTU; - Registro do Imóvel. - planta do desmembramento ou unificação devidamente aprovada pela SDU. VI Revisão de Lançamento O contribuinte que não concordar com o lançamento do IPTU poderá fazer reclamações no prazo de 30 dias contados da data da notificação de lançamento. As reclamações procedentes implicarão na correção do lançamento e no restabelecimento das condições de pagamento originais. Por outro lado, as reclamações que não tiverem amparo na legislação serão consideradas protelatórias, implicando na perda do desconto da cota única e estará sujeita aos acréscimos de multa e juro. Anexe ao requerimento a notificação do lançamento, o registro de imóvel ou documento equivalente e compareça a uma das Unidades de Atendimento ao Público para formalizar o processo. VII Restituição de IPTU Em caso de pagamento em duplicidade ou em valor maior do que o devido, formalize requerimento em uma das Unidades de Atendimento ao Público, justificando o motivo da solicitação e apresentando cópias e originais dos recolhimentos. OBS.: Só o próprio contribuinte ou procurador devidamente habilitado, poderá receber a restituição. VIII Transferência de Pagamento Se você efetuou indevidamente o pagamento do IPTU de um imóvel que não lhe pertence, compareça a uma das Unidades de Atendimento ao Público e solicite a transferência de pagamento, informando a inscrição do imóvel que receberá o pagamento e apresentando cópias e originais dos recolhimentos. IX Edificação de casa ou muro Qualquer modificação que você faça no seu imóvel, tais como: construção de casa, muro, ampliação, demolição etc, deve ser comunicada ao Cadastro Imobiliário Fiscal. Para tanto, dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público e preencha o requerimento solicitando a alteração cadastral. X Utilização do Imóvel

7 Qualquer modificação na utilização do imóvel (residencial, comercial, industrial, prestação de serviços etc.) deve ser comunicado à Prefeitura Municipal de Teresina. Dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público, preencha o requerimento solicitando a alteração cadastral. XI Declaração de Integração ao Cadastro Se você vai fazer averbação de edificação no imóvel e necessitar de uma Declaração de Integração ao Cadastro, dirija-se a uma das Unidades de Atendimento ao Público, apresente o boleto de IPTU e preencha o requerimento solicitando a declaração.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências.

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. LEI Nº 5.196 Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. O POVO DE PELOTAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, POR SEU PREFEITO, FAZ SABER QUE SUA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Secretaria da Fazenda

Secretaria da Fazenda DÚVIDAS FREQUENTES IPTU 1) O QUE SIGNIFICA I.P.T.U? IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano 2) QUAL A LEGISLAÇÃO PERTINENTE? Constituição Federal Código Tributário Nacional Estatuto das Cidades Código

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a campanha de fiscalização e melhoria da arrecadação de tributos, mediante o sorteio de prêmios e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACOBINA-BA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Quais são as possibilidades de uso do FGTS no consórcio? Oferta de lance em consórcio de imóvel residencial O consorciado poderá utilizar até 100% do saldo

Leia mais

Cota única e 1ª parcela 11-05-2015. 2ª parcela 10-06-2015. 3ª parcela 10-07-2015. 4ª parcela 10-08-2015. 5ª parcela 10-09-2015. 6ª parcela 13-10-2015

Cota única e 1ª parcela 11-05-2015. 2ª parcela 10-06-2015. 3ª parcela 10-07-2015. 4ª parcela 10-08-2015. 5ª parcela 10-09-2015. 6ª parcela 13-10-2015 INFORMAÇÕES REFERENTE AO LANÇAMENTO DO IPTU 2015. O lançamento e forma de pagamento do IPTU do ano de 2015, foi regulamentado pelo Decreto nº 5.714/2015 Para fins de lançamento do Imposto Predial e Territorial

Leia mais

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito LEI N.º 7.934, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 Dispõe sobre alterações na legislação tributária municipal e dá outras providências. seguinte lei: A Câmara Municipal de Belém estatui e eu sanciono a Art. 1 o

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989

Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989 Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989 C:\SiteMogi_2009\Manual para preenchimento da Guia2.doc 1 Instruções

Leia mais

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html Page 1 of 5 LEI Nº 3.115, DE 05 DE DEZEMBRO DE 1997. Alterada pelas Leis nº 3.279, de 17/03/1999 e nº 3.611, de 26/12/2001 (Observar a Lei nº 3.502, de 26/12/2000 - Conversão dos valores expressos em unidades

Leia mais

COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994

COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994 DECRETO DE Nº 15.756/92 19 DE FEVEREIRO DE 1992 (Publicado no DOM de 20/02/92) COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994 EMENTA: Regulamenta o Livro Quarto, Título

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art.

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art. UNIDADE V Tributação sobre a propriedade 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 153, inciso VI) 1.1.2. Lei n. 9.393, de 1996 1.1.3. Decreto n. 4.382,

Leia mais

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta o Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana no âmbito do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014 DECRETO Nº 286/2014 Dispõe sobre o recadastramento imobiliário do município de Viana. O PREFEITO MUNICIPAL, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais que lhe conferem a Lei Orgânica do

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 PUBLICADO (A) NO JORNAL ~~1~J.. ~~e 14~:fâ LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 Institui Programa de Incentivo Tributário para empreendimentos habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1)

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1) (I) DO COMPRADOR ( ) Ficha Cadastral do Proponente (Original, preenchida, datada e assinada) ( ) Documento de Identidade de todos os compradores e seus respectivos cônjuges, se for o caso ( ) CPF de todos

Leia mais

ANEXO I PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO FLORIDO MINAS GERAIS CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO LEI Nº 710/98

ANEXO I PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO FLORIDO MINAS GERAIS CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO LEI Nº 710/98 ANEXO I PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO FLORIDO MINAS GERAIS CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO LEI Nº 710/98 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO FLORIDO MINAS GERAIS LEI Nº 710/1998 INSTITUI O SISTEMA

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS 01) ALTERAÇÃO DE DADOS NO CADASTRO IMOBILIÁRIO FISCAL ; - Registro do imóvel (emissão com menos de 1 ano); - CPF e identidade do titular ou dos sócios

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1 Institui a Taxa de Coleta de Lixo no Município de Porto Alegre e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

ITBI IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS E DIREITOS A ELE RELATIVOS

ITBI IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS E DIREITOS A ELE RELATIVOS ITBI IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS E DIREITOS A ELE RELATIVOS Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1989 Regulamentada pelo Decreto nº 069, de 03 de março de 1989 Instruções para o preenchimento

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A:

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A: DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE UBAPORANGA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto

Leia mais

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse.

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse. 1- O que é? O IPTU é um tributo que incide sobre a propriedade imobiliária, incluindo todos os tipos de imóveis residências, prédios comerciais e industriais, terrenos e chácaras de recreio. 2- Qual é

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/ 2013 Dispõe sobre a criação e funcionamento da comissão de avaliação de imóveis para fins de calculo do Imposto sobre transmissão inter-vivos de bens imóveis, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 19.09.07. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.07. Institui a Declaração de Bens e Direitos, relativa ao Imposto sobre Transmissão

Leia mais

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015;

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015; RESOLUÇÃO N o 06/2015/CDP Florianópolis, 28 de maio de 2015. O PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA EM EXERCÍCIO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do

Leia mais

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo:

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo: LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO Prezado Cliente, A fim de facilitar seu dia-a-dia a Zitune Empreendimentos Imobiliários, criou o manual do proprietário. Através deste manual você poderá esclarecer suas principais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: Nº 03.558.096/0001-04 PU 12 MESES - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 - Qual é a base de cálculo do IPTU? A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel. 2 - O que é valor venal?

Leia mais

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato(a) ou pelo(a) pai, mãe e/ou responsável legal e, apresentada

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO Art 1 - Antes da lavratura de escritura pública, nas hipóteses previstas nos artigos 982 e 1.124-A do Código de Processo Civil, na redação dada pela Lei federal

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA DECRETO Nº 4.496, DE 22 DE JULHO DE 2011 Regulamenta os procedimentos para Escrituração Fiscal e Recolhimento de Tributos Municipais de forma Eletrônica no Município de Brumado, e dá outras providências.

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003 Prefeitura Municipal de São José dos Campos Ver LC n 314/06 ~BLIC~DO (~) NO JOR~ AL BOLETIM DO MUNIClPKJ MID o o w.... Nlt) li),(-s

Leia mais

ThaO que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES?

ThaO que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES? ThaO que é o FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação (MEC) destinado à concessão de financiamento a estudantes regularmente matriculados em cursos superiores

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponta Porã Administrando para Todos Procuradoria Geral do Município

Prefeitura Municipal de Ponta Porã Administrando para Todos Procuradoria Geral do Município Lei Complementar nº. 086, de 17 de outubro de 2012. Altera a Lei Complementar n. 72, de 24 de dezembro de 2010 que dispõe sobre a alteração da Lei Complementar nº. 026, de 21 de dezembro de 2005, a qual

Leia mais

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005) LUCRO IMOBILIÁRIO PESSOA FÍSICA ISENÇÃO E TRIBUTAÇÃO PELO IMPOSTO DE VENDA NOVA GARANTIA DA LOCAÇÃO: FUNDO DE INVESTIMENTO INCORPORAÇÃO POSSE EM ÁREAS PÚBLICAS Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Leia mais

EDITAL DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO CONCURSO AGENTE DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA/ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

EDITAL DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO CONCURSO AGENTE DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA/ASSISTENTE ADMINISTRATIVO UNIVERDIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ EDITAL DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO CONCURSO AGENTE DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA/ASSISTENTE ADMINISTRATIVO ORGANIZADOR 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS EDITAL

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

PORTARIA/LEMG nº 58, DE 1º DEZEMBRO DE 2014. Diário do Executivo Minas Gerais - Pag. 42 Terça-Feira, 02/012/2014 - Caderno 1

PORTARIA/LEMG nº 58, DE 1º DEZEMBRO DE 2014. Diário do Executivo Minas Gerais - Pag. 42 Terça-Feira, 02/012/2014 - Caderno 1 PORTARIA/LEMG nº 58, DE 1º DEZEMBRO DE 2014. Diário do Executivo Minas Gerais - Pag. 42 Terça-Feira, 02/012/2014 - Caderno 1 Dispõe sobre o credenciamento de empresas especializadas na avaliação de imóveis

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2009 GABS/SEFIN Disciplina a emissão de Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências. O Secretário de Finanças do Município de Belém, no uso das atribuições

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES MODALIDADE ORDINÁRIA. Instruções de Preenchimento

ANEXO II INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES MODALIDADE ORDINÁRIA. Instruções de Preenchimento ANEXO II Instruções de Preenchimento Observação importante: Este Anexo só deverá ser preenchido por pessoas jurídicas que estejam pleiteando habilitação na modalidade ordinária. QUADRO I. DADOS DO RESPONSÁVEL

Leia mais

Conselho Regional de Técnicos em Radiologia CRTR 10ª REGIÃO/PR Serviço Público Federal

Conselho Regional de Técnicos em Radiologia CRTR 10ª REGIÃO/PR Serviço Público Federal ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO DE PESSOA FÍSICA VIA CORREIO 1. Solicitar os boletos para recolhimento da taxa de inscrição de pessoa física, da taxa de expedição da habilitação e da anuidade (proporcional),

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

Condições Gerais. I Informações Iniciais

Condições Gerais. I Informações Iniciais Condições Gerais I Informações Iniciais Sociedade de Capitalização: MAPFRE Capitalização S.A. CNPJ: 09.382.998/0001-00 Nome Fantasia do Produto: Mc-T-04- Pu 12 Meses Modalidade: Tradicional Processo Susep

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010

Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010 Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a alteração da lei complementar n 25/2006, que dispõe sobre o Código Tributário do Município de Seara, revoga leis anteriores, e dá outras

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU 15 MESES) - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE)

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE) VISTORIA PREVIA REQUERIMENTO PREENCHIDO E ASSINADO PELO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA DECLARACAO A PROPRIO PUNHO INFORMANDO O RAMO DE ATIVIDADE GUIA DE IPTU DO ULTIMO ANO QUITADA LISTA DE DOCUMENTOS DISPONIVEL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

Condições Gerais Agromania CAP

Condições Gerais Agromania CAP Condições Gerais Agromania CAP CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES VERSÃO 16) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005 DOU de 30.12.2005 Dispõe sobre os arts. 38, 39 e 40 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, relativamente ao Imposto de Renda incidente sobre

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 ESTABELECE CRITÉRIOS PARA CÁLCULO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISQN - NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Faço saber a todos os habitantes do Município

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO

PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO Considera-se permuta toda e qualquer operação que tenha por objeto a troca de uma ou mais unidades imobiliárias, prontas ou a construir, por outra ou outras unidades imobiliárias,

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI A abertura de processos administrativos para apuração do lançamento do ITBI, bem como a apresentação de recurso para revisão da base de cálculo deve obedecer aos seguintes

Leia mais

Os recursos da conta vinculada do FGTS podem ser utilizados pelos Consorciados nas seguintes operações:

Os recursos da conta vinculada do FGTS podem ser utilizados pelos Consorciados nas seguintes operações: REGRAS DE UTILIZAÇÃO DO FGTS Utilização O Consorciado e o Imóvel devem atender a todas as condições normativas previstas no Manual do FGTS instituído pela Caixa Econômica Federal, na qualidade de Agente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a portabilidade de operações de crédito realizadas com pessoas naturais, altera a Resolução nº 3.401, de 6 de setembro de 2006, e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A:

DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A: DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta o procedimento administrativo da Transferência de Potencial Construtivo (TPC), previsto nos arts. 51 e seguintes da Lei Complementar nº 434, de

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

ITBI. Manual do Usuário. ITBI - Transmissão de Bens Imóveis

ITBI. Manual do Usuário. ITBI - Transmissão de Bens Imóveis ITBI Transmissão de Bens Imóveis Manual do Usuário 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

POLÍTICA DE PAGAMENTO

POLÍTICA DE PAGAMENTO POLÍTICA DE PAGAMENTO 1. OBJETIVO Estabelecer todos os critérios para o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços aos empreendimentos administrados pela Itambé, bem como orientar todos os interlocutores

Leia mais

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV 1. O QUE É A RADIODIFUSÃO EDUCATIVA? É o serviço de radiodifusão, tanto em frequência modulada (FM) quanto de sons e imagens (TV), que

Leia mais

DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 D E C R E T A: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 D E C R E T A: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta a Lei 9.499, de 26 de novembro de 2014, que instituiu o Programa Nota GYN, no Município de Goiânia e dispôs sobre a geração e

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓPOLIS D OESTE

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓPOLIS D OESTE LEI Nº 587/2013 13 DE FEVEREIRO DE 2013. Súmula: Autoriza o transporte de mudança e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Figueirópolis D Oeste - Estado de Mato Grosso, o Exmo. Sr. Lino Cupertino

Leia mais

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova)

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova) IRRF/ 2014 Instalar o programa da Receita Federal WWW.receita.fazenda.gov.br Nova Tenho Anterior Após abrir declaração (importação/nova) Durante a importação o programa 2013 traz também os pagamentos efetuados.

Leia mais

EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008

EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008 EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008 O PRESIDENTE do FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FAS, no uso de suas atribuições estatutárias, torna público que estará efetuando o convênio de profissionais (pessoa

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS EMISSÃO EFETIVAÇÃO DISTRIBUIÇÃO NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL ASSUNTO ANEXOS 1 DISPOSIÇÕES

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais