INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA COM ÊNFASE EM SISTEMAS INTELIGENTES APLICADOS À AUTOMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA COM ÊNFASE EM SISTEMAS INTELIGENTES APLICADOS À AUTOMAÇÃO"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA COM ÊNFASE EM SISTEMAS INTELIGENTES APLICADOS À AUTOMAÇÃO PATRICK SILVA RIBEIRO CONTROLE FUZZY DO CHAVEAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES E DA EXCITAÇÃO DE UM GERADOR SÍNCRONO PARA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA UNIDADE CONSUMIDORA DE ENERGIA INDUSTRIAL Vitória 2014

2 PATRICK SILVA RIBEIRO CONTROLE FUZZY DO CHAVEAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES E DA EXCITAÇÃO DE UM GERADOR SÍNCRONO PARA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA UNIDADE CONSUMIDORA DE ENERGIA INDUSTRIAL Monografia apresentada ao Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica com Ênfase em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação do Instituto Federal do Espírito Santo como requisito parcial para obtenção do certificado de Especialista em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação. Orientador: Prof. M. Sc. Paulo Henrique F. Zanandrea Vitória 2014

3 (Biblioteca Nilo Peçanha do Instituto Federal do Espírito Santo) R484c Ribeiro, Patrick Silva. Controle fuzzy do chaveamento de bancos de capacitores e da excitação de um gerador síncrono para correção do fator de potência de uma unidade consumidora de energia industrial / Patrick Silva Ribeiro f. : il. ; 30 cm Orientador: Paulo Henrique F. Zanandrea. Monografia (Pós-Graduação) Instituto Federal do Espírito Santo, Coordenadoria de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, Curso Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Elétrica com Ênfase em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação, Controladores elétricos. 2. Energia elétrica Consumo. 3. Sistema de energia elétrica Controle. 4. Fator de pontência. I. Zanandrea, Paulo Henrique F. II. Instituto Federal do Espírito Santo. III. Título. CDD

4

5

6 RESUMO Este trabalho descreve o projeto de um controle Fuzzy para controlar a correção do fator de potência de uma unidade consumidora de energia elétrica. Tal projeto tem como objetivo eliminar as despesas com excedente reativo UFER, que decorre do desajuste do fator de potência da unidade consumidora simulada. O controlador proposto recebe como entradas o fator de potência da unidade e sua variação, atuando sobre a excitação de um gerador síncrono. Paralelamente é feito o chaveamento de bancos de capacitores com base na potência reativa demandada pela carga. A faixa de potência reativa a ser corrigida é de 0 a 1250kVAr. A proposta de controle abordada visa integrar o controle de fator de potência via banco de capacitores com o controle da excitação de um gerador síncrono, que em uma unidade consumidora real pode ser acionado em um processo de cogeração. Todo o desenvolvimento do controlador Fuzzy desejado foi realizado utilizando o toolbox do MATLAB para lógica Fuzzy. Para avaliação da eficácia do controlador projetado utilizouse três cenários que foram simulados no ambiente Simulink. O primeiro cenário apresentava quatro níveis de carga ao longo de quinze segundos de simulação, o segundo cenário apresentava quatro níveis de carga ao longo dos sete segundos de simulação, enquanto o terceiro simulava o comportamento de um processo industrial em batelada. Em todos os cenários simulados o controlador apresentou bom desempenho. No fim do trabalho apresentou-se uma proposta de hardware para a confecção de protótipo a ser desenvolvido em trabalhos futuros além de apresentar as conclusões. Palavras-chave: Controle Fuzzy. Fator de Potência. Banco de Capacitores.

7 ABSTRACT This paper describes the design of a fuzzy controller to control the correction of power in a consumer unit of electricity factor. This project aims to eliminate the costs of reactive surplus - UFER, which arises from the mismatch of the power of simulated consumer unit factor. The proposed controller receives as inputs the power factor of the unit and its variation, acting on the excitation of a synchronous generator. Is done in parallel switching capacitor banks based on the reactive power demanded by the load. The range of reactive power is to be adjusted from 0 to 1250kVAr. The proposed approached control aims to integrate control of power factor via capacitor bank with control of a synchronous generator excitation, which in a real consumer unit can be operated in a cogeneration process. The whole development of the desired fuzzy controller was performed using MATLAB toolbox for fuzzy logic. To evaluate the effectiveness of the designed controller was used three scenarios that were simulated in the Simulink environment. The first stage had four load levels over fifteen seconds of the simulation, the second stage had four load levels over seven seconds of the simulation, while the third simulating the behavior of an industrial batch process. In all simulated scenarios the controller performed well. After work, we present a proposal for hardware for making prototype to be developed in future work and presents the conclusions. Keyword: Fuzzy Control. Power Factor. Capacitor bank.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Tensão trifásica nos terminais de um gerador síncrono Figura 2 - Representação de gerador síncrono atuando de forma isolada Figura 3 - Representação de gerador síncrono conectado a barramento infinito Figura 4 - Gráfico da corrente de armadura em função da corrente de excitação. Curva V motor síncrono e gerador síncrono Figura 5 - Diagrama de blocos da lógica fuzzy Figura 6 - Conjuntos fuzzy para a altura de um homem adulto Figura 7- Representação das saídas parciais e finais do método fuzzy Figura 8 - Relação do toolbox de lógica fuzzy com outras ferramentas do MATLAB.22 Figura 9 - Ferramentas disponíveis no toolbox de lógica fuzzy do MATLAB Figura 10 - Tela do FIS Editor Figura 11 - Tela do Membership Function Editor Figura 12 - Tela do Rule Editor Figura 13 - Tela do Rule Viewer Figura 14 - Tela do Surface Viewer Figura 15 - Diagrama do sistema Fuzzy projetado Figura 16 - Diagrama de simulação do comportamento do gerador Figura 17 - Representação da variável fuzzy de entrada Fator de Potência Figura 18 - Representação da variável fuzzy de entrada variação de FP Figura 19 - Representação da variável fuzzy de saída Excitação Figura 20 - Configuração interna do subsistema controlador Figura 21 - Configuração interna do subsistema Bancos Figura 23 - Configuração interna do subsistema Cargas Figura 24 - Configuração interna do subsistema Fonte Figura 25 - Visão geral do sistema simulado Figura 26 - Resultado da simulação do cenário Figura 27 - Acionamento dos bancos de capacitores e da excitação no cenário Figura 28 - Resultado da simulação do cenário Figura 29 - Acionamento dos bancos de capacitores no cenário Figura 30 - Resultado da simulação do cenário Figura 31 - Acionamento dos bancos de capacitores no cenário Figura 32 - Esquema do hardware proposto para futuro protótipo... 49

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Condições de cargas simuladas no cenário Tabela 2 - Condições de cargas simuladas no cenário Tabela 3 - Condições de cargas simuladas no cenário Tabela 4 - Resultados dos testes do gerador utilizado Tabela 5 - Regras do controlado Fuzzy Tabela 6 - Acionamento dos bancos

10 LISTA DE SIGLAS FIRJAN Federação das Indústrias do Rio de Janeiro UFER Unidade Faturada de Energia Reativa UFDR Unidade Faturada de Demanda Reativa FP Fator de Potência

11 LISTA DE SÍMBOLOS P - Potência Ativa (P) Q - Potência Reativa (Q)

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO GERADORES SÍNCRONOS LÓGICAFUZZY TOOLBOX DE LÓGICA FUZZY DO MATLAB CARACTERIZAÇÃO DA CARGA METODOLOGIA DE PROJETO DO CONTROLADOR FUZZY PREMISSAS CONHECIMENTO DO COMPORTAMENTO DO GERADOR UTILIZADO DEFINIÇÃO DAS VARIÁVEIS FUZZY DEFINIÇÃO DAS REGRAS FUZZY MODELO A SER SIMULADO SUBSISTEMA CONTROLADOR SUBSISTEMA BANCOS DE CAPACITORES SUBSISTEMA GERADOR SUBSISTEMA CARGAS SUBSISTEMA FONTE CONFIGURAÇÃO FINAL RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES CENÁRIO CENÁRIO CENÁRIO TOPOLOGIA PROPOSTA PARA UM PROTÓTIPO FUTURO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 52

13 11 1 INTRODUÇÃO O alto custo da energia elétrica no Brasil, frente ao que se pratica no resto do mundo, bem como o crescente impacto desse insumo nos custos de produção da indústria nacional, vem conferindo cada vez mais importância à gestão energética dentro das empresas. Segundo estudo realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro FIRJAN (FIRJAN, 2014) o custo da energia elétrica para a Indústria no Brasil é, em média, cerca de 15% maior que a média internacional.nesse cenário, quaisquer ações que objetivem reduzir as contas de energia elétrica das empresas, seja por adoção de medidas de eficiência energética, seja por controle de parâmetros tarifários, contribui para a competitividade da indústria nacional frente aos concorrentes localizados em outros países. Dentre os fatores tarifários que podem ser gerenciados e possuem influência no valor final da conta encontram-se o valor pago pelo excedente e a demanda contratada de energia. A resolução 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL, 2010) estabelece os critérios para cálculo do valor a ser acrescido na conta de energia das unidades de média e alta tensão (Grupo A) que atingirem, em algum intervalo de medição, um fator de potência abaixo do estabelecido como referência, a saber, 0,92 indutivo ou capacitivo. O impacto desse acréscimo no valor final da conta torna necessária a adoção de medidas para o controle do fator de potência em unidades de média e alta tensão. O valor pago pelo excedente reativo consumido é identificado no faturamento de energia elétrica através de dois parâmetros: a Unidade Faturada de Energia Reativa UFER e a Unidade Faturada de Demanda Reativa UFDR. A existência de um valor considerável nesses dois parâmetros demonstra um desajuste no Fator de potência FP, que para as regras tarifárias nacionais deve ser mantido maior que 0,92, indutivo ou capacitivo. Tal desajuste implica em cobranças na conta de energia da unidade consumidora que tipicamente são reduzidas através da instalação de bancos de capacitores. Já a demanda contratada de energia é definida no contrato com a concessionária de energia (nos casos onde a unidade consumidora é cativa) ou com algum agente do

14 12 mercado livre de energia, representando, dependendo da unidade em questão, em uma despesa grande a ser monitorada e controlada. Muitas unidades utilizam-se de geradores síncronos, seja para o controle da demanda contratada ativa, seja para geração de energia através do aproveitamento de gases ou calor proveniente de algum processo industrial interno (co-geração), nos termos da Resolução Normativa nº235 da ANEEL (ANEEL, 2006). O presente trabalho apresenta uma proposta de solução que une uma ação para o ajuste do fator de potência, que são os bancos de capacitores somados a um ajuste fino implantado correspondente à potência reativa injetada na rede por um gerador síncrono, além de uma pequena contribuição para redução da demanda contratada de energia, através da potência ativa injetada pelo gerador. Para a eficácia da solução proposta projetou-se um controlador Fuzzy que atua sobre a excitação do gerador síncrono, enquanto o chaveamento dos bancos de capacitores é feito através da faixa de valores medidos da potência reativa da carga. Uma análise da aplicabilidade técnica da solução proposta foi realizada através de simulações no ambiente Matlab/Simulink. No Capítulo 2 será feito um breve apanhado dos conceitos relacionados aos geradores síncronos, abordando suas características de operação mais importantes para o desenvolvimento do trabalho. No Capítulo 3, serão revisados os conceitos que envolvem a Lógica Fuzzy, com foco em sua utilização em aplicações de controle. Adicionalmente, será exposto no Capítulo 4 os principais aspectos do toolbox do MATLAB que implementa a lógica Fuzzy. Já no Capítulo 5, serão demonstrados os 3 cenários de carga propostos para a simulação do controle a ser realizado. No Capítulo 6 será detalhado o projeto do controlador Fuzzy, apresentando todas as etapas desse processo e o produto final. No Capítulo 7, o modelo a ser simulado será descrito em todas as suas partes, sendo os resultados das simulações demonstrados no Capítulo 8. Por fim, será apresentada no Capítulo 9 uma proposta de topologia a ser aplicada em um futuro protótipo e as conclusões serão expostas no Capítulo 10.

15 13 2 GERADORES SÍNCRONOS Os geradores síncronos, ou alternadores, são as máquinas elétricas mais usadas para a geração de energia elétrica em grande escala, sendo compatível com as fontes primárias hidráulicas, eólicas, térmicas e etc. Segundo PC Sen (Sen, 1996) a principal característica que define as máquinas síncronas é o fato de o campo girante e o rotor girarem a uma mesma velocidade, dita velocidade síncrona. Como qualquer gerador de energia elétrica, os geradores síncronos transformam a potência mecânica oriunda da fonte primária conectada em seu eixo em potência elétrica disponibilizada em seus terminais de saída. Seja qual for a fonte primária (turbina hidráulica, turbina eólica ou outra fonte), e o sistema de controle que a opera, há uma tendência de comportamento semelhante: à medida que a potência entregue pelo gerador à carga aumenta reduz-se a frequência da tensão de saída do gerador. Portanto há uma relação entre a potência ativa (P) e a frequência da tensão de saída. Outra relação que existe na operação de um gerador síncrono ocorre entre o valor da tensão de saída e a potência reativa entregue. Essa relação decorre do fato de cargas com fator de potência indutivo tenderem a reduzir o valor da tensão de saída, enquanto cargas com fator de potência capacitivo tenderem a aumentar o valor da tensão de saída. Além da fonte primária anteriormente citada, o gerador síncrono, para seu funcionamento, deve ser alimentado em seu circuito de campo por uma tensão contínua, chamada tensão de excitação, resultando em uma tensão trifásica nos terminais dos enrolamentos do estator, conforme exposto na Figura 1. Figura 1 - Tensão trifásica nos terminais de um gerador síncrono. Fonte: Sen (1996).

16 14 No que tange às condições de operação, há essencialmente duas formas para a aplicação de geradores síncronos: a atuação isolada (acionando diretamente e de forma dedicada a carga) e a conexão do gerador a um sistema interligado, conhecido como barramento infinito. Na condição isolada, cujo diagrama simplificado está representado na Figura 2, as potências ativa e reativa entregues pelo gerador serão iguais às demandadas pela carga naquele instante. Assim, cabe ao sistema de controle da excitação do gerador a garantia de valores de frequência e tensão que correspondam à essa demanda. Figura 2 - Representação de gerador síncrono atuando de forma isolada. Fonte: Própria. Por questões de confiabilidade e facilidade de operação o uso comum de um gerador síncrono não ocorre para alimentação de um sistema isolado, ou seja, a conexão do gerador síncrono normalmente é feita à uma rede elétrica trifásica com capacidade de suprimento de energia muito maior.por isso, tal rede é considerada tecnicamente um barramento infinito. Nessa condição de operação, demonstrada na Figura 3, as características da tensão trifásica nos terminais do gerador (amplitude, sequência de fases, frequência e etc) permanecem praticamente inalteradas, sendo a condição de excitação responsável apenas por alterar o nível de potência que o gerador insere na rede.

17 15 Figura 3 - Representação de gerador síncrono conectado a barramento infinito. Fonte: Sen (1996). Sabe-se que a quantidade de potência ativa fornecida na saída do gerador depende da potência injetada pela fonte primária em sua entrada, refletindo no ângulo de carga. Já a potência reativa está atrelada ao módulo da tensão de campo (excitação) do gerador. Partindo-se de uma condição inicial de excitação, o aumento da corrente de campo, dita sobre-excitação, acarretará um aumento do fornecimento de energia reativa enquanto a redução da corrente de excitação, dita sub-excitação, acarretará numa redução da energia reativa fornecida conforme demonstrado na Figura 4.

18 16 Figura 4 - Gráfico da corrente de armadura em função da corrente de excitação. Curva V motor síncrono e gerador síncrono. Fonte: Pinto (2014). Assim, levando em consideração os conceitos acima apresentados, a flexibilidade de variação do fator de potência de saída de geradores síncronos, apenas variandose sua tensão de excitação do campo, constitui-se um dos aspectos que conferem mais importância à sua aplicação nos Sistemas elétricos de Potência. Tal aspecto dos geradores síncronos foi a base para o controle Fuzzy desenvolvido no presente trabalho, uma vez que a variação da excitação foi utilizada para controlar a quantidade de potência reativa injetada no barramento em conjunto com o acionamento de bancos de capacitores.

19 17 3 LÓGICAFUZZY A lógica fuzzy, ou difusa, começou a ser amplamente discutida no meio acadêmico a partir de 1965 com a publicação do artigo do professor Lofti Zadeh, no entanto, há relatos de estudos anteriores que introduziram alguns conceitos ligados a essa área. Basicamente a lógica fuzzy aparece como contraponto à lógica booleana, onde há respostas binárias, por exemplo, um elemento pertence ou não pertence a um determinado conjunto, um copo está cheio ou vazio, um indivíduo é baixo ou alto, etc. Assim, segundo Cox (1994), a lógica fuzzy tenta se aproximar da realidade onde há a possibilidade de respostas imprecisas. Na perspectiva da lógica fuzzy é possível não só definir se um elemento pertence a um ou outro conjunto extremo e sim poder apresentar graus de aproximação do elemento a esses conjuntos. Dadas essas características, a lógica fuzzy vem sendo aplicada em larga escala em diversas áreas onde é necessária uma aproximação do modo racional humano para resolver problemas. Dentre essas áreas pode-se destacar a economia, a automação de processos industriais e muitas outras. Trata-se, portanto, da união do raciocínio humano para resolver problemas envolvendo imprecisões aliado ao poder computacional, visto que a estrutura matemática proposta pela lógica fuzzy é facilmente transportada para algoritmos programáveis. Segundo Kulitz (2013), um exemplo simples para ilustrar a relevância da lógica fuzzy pode ser observado avaliando-se a altura de homem adulto. Avaliando um determinado indivíduo cuja altura seja 1,50m é fácil responder se o mesmo é baixo ou alto, pois visivelmente a resposta óbvia seria baixo. Adotando raciocínio semelhante, um indivíduo com 1,90m será facilmente avaliado como alto. Para esses dois indivíduos, não há dúvida ao responder a que conjunto pertencem, no entanto, nem todo os homens possuem alturas localizadas em um extremo ou outro. É nesse horizonte que a lógica fuzzy apresenta sua utilidade. No mundo real geralmente se utiliza, linguisticamente, termos imprecisos para representar elementos que não são facilmente colocados em um extremo ou outro. Dentro dessa perspectiva, é comum olhar para um homem e identificá-lo como um pouco alto,

20 18 um pouco baixo ou ainda de altura média. Assim, a lógica fuzzy apresenta uma abordagem matemática para esses casos. Essas variáveis linguísticas são representativas para lógica fuzzy, pois acabam por possibilitar a modelagem do problema através das chamadas funções de pertinência. Segundo Cox (1994), o processo de resolução de um problema via lógica fuzzy pode ser dividido em três etapas principais: a fuzzificação, a inferência e a defuzzificação. Um diagrama de blocos que esclarece a relação entre essas etapas pode ser verificado na Figura 5. Figura 5 - Diagrama de blocos da lógica fuzzy. Fonte: Cox (1994). Na fase de fuzzificação, os dados de entrada associados a variáveis linguísticas. Seguindo o exemplo da altura de indivíduos, podemos realizar essa etapa definindo três conjuntos fuzzy: baixos, médios e altos. De posse desses três conjuntos fuzzy, define-se funções de pertinência adequadas para cada um deles. Os tipos de função de pertinência mais utilizados são a triangular e a trapezoidal. Na figura 6, retirada das notas de aula da disciplina inteligência artificial, pode-se notar que para o conjunto dos baixos e o conjunto dos altos adotou-se a função de pertinência trapezoidal, enquanto no conjunto dos médios adotou-se a função de pertinência triangular.

21 19 Figura 6 - Conjuntos fuzzy para a altura de um homem adulto. µ (Altura) Baixos Médios Altos 0,75 0,50 0,25 0 Fonte: Kulitz (2013). 1,5 1,7 1,9 3,0 1,6 1,85 Altura Suponhamos que o objetivo seja separar indivíduos baixos para realizar uma atividade denominada atividade 1, médios para realizar a atividade 2 e altos para a atividade 3. Nessa perspectiva, poderíamos separar a variável de saída também em 3 conjuntos fuzzy (1, 2 e 3), realizando assim o processo de fuzzificação nos dados de entrada. Com todas as variáveis separadas em conjuntos fuzzy, inicia-se a segunda fase do processo que é a inferência. Nessa fase são criadas regras que relacionam os conjuntos fuzzy criados. Segundo Kulitz (2013), o modo de inferência mais utilizado na Engenharia é o MODUS PONENS generalizado, cujo nome vem do latim e significa modo de afirmar. Esse modo é composto de duas premissas, sendo uma variável e uma implicação, das quais é possível deduzir uma conclusão. Assim, podemos utilizar esse modo para elaborar as regras que servirão de base para a inferência fuzzy. Para o exemplo analisado, poderíamos definir as regras a seguir: Se Baixo então Atividade 1. Se Médio então Atividade 2. Se alto então atividade 3. Definidas as regras, a inferência fuzzy propriamente dita é realizada, sendo para isso utilizado um dos dois métodos: Mamdani ou Takagi-Sugeno. Segundo Silva (2011), o método Mamdani de inferência fuzzy baseia-se na composição max-min. Dentro dessa perspectiva, a correlação entre as regras é

22 20 realizada pelo operador lógico OU, modelando-o pela t-conorma máximo, enquanto dentro de cada regra utiliza-se o operador lógico E, modelado pela t-norma mínimo. Para melhor ilustrar o funcionamento do método Mamdani de inferência, abaixo demonstra-se duas regras fuzzy e na Figura 7 suas respectivas representações gráficas das saídas parciais e finais. Regra 1: Se x é A 1 e y é B 1 então U é C 1. Regra 2: Se x é A 2 e y é B 2 então U é C 2. Figura 7 - Representação das saídas parciais e finais do método fuzzy. Fonte: Silva (2011). Já o método de Takagi-Sugeno consiste em aplicar na saída uma combinação linear das entradas fuzzy. Tal método é extremamente útil quando se possui um conhecimento maior sobre o sistema, inclusive propondo os coeficientes a serem aplicados. O fim de um processo de inferência fuzzy ocorre com a etapa da defuzzificação. Tal etapa consiste na transformação dos valores fuzzy obtidos em valores reis definidos.

23 21 Dentre os principais métodos de defuzzificação encontrados na literatura destacamse os três descritos abaixo: Máximo - Examina-se o conjunto fuzzy de saída (B) e escolhe-se, como valor preciso, o valor no universo de discurso da variável de saída y para o qual o grau de pertinência é máximo. Média dos máximos - A saída precisa é obtida tomando-se a média entre os dois elementos extremos no universo entre os dois elementos extremos de discurso que correspondem aos maiores valores da função de pertinência do conjunto fuzzy de saída Centróide - a saída precisa é o valor no universo que corresponde ao centro de gravidade do conjunto fuzzy de saída.

24 22 4 TOOLBOX DE LÓGICA FUZZY DO MATLAB Segundo o manual do fabricante Mathworks (2014), o toolbox referente às aplicações de lógica fuzzy no MATLAB possibilita a elaboração e a configuração de funções, gráficos e iteração com um bloco do SIMULINK para análise, desenvolvimento e simulação de sistemas baseados em lógica fuzzy. As possibilidades de compatibilização e operação em conjunto do toolbox de lógica fuzzy com outras ferramentas do MATLAB estão exemplificadas na Figura 8. Figura 8 - Relação do toolbox de lógica fuzzy com outras ferramentas do MATLAB. Fonte: Mathworks (2014). Conforme pode ser verificado na Figura 9, o toolbox de lógica fuzzy do MATLAB disponibiliza ferramentas de edição onde é possível definir o número de entradas e saídas (FIS Editor), as regras do sistema lógico fuzzy (Rule Editor) e definir cada função de pertinência (Membershipr Function Editor). Também são disponibilizadas ferramentas de avaliação do desempenho do sistema projetado (Rule Viewer e Surface Viwer).

25 23 Figura 9 - Ferramentas disponíveis no toolbox de lógica fuzzy do MATLAB. Fonte: Mathworks (2014). A tela FIS Editor é a porta de entrada do toolbox, sendo acessada digitando- se o comando fuzzy no workspace do MATLAB e apresentando o aspecto que pode ser visualizado na Figura 10. Tal ferramenta possibilita a escolha das configurações principais do sistema fuzzy a ser projeto, tais como: método para cálculo das funções lógicas E e OU, método utilizado para defuzzificação, quantidade e nomes de variáveis de entrada e saída e etc. Outras funcionalidades dessa ferramenta a serem destacadas são a possibilidade de escolher entre um sistema fuzzy Mamdani ou Takagi-Sugeno, além das opções de exportar o sistema projetado para um arquivo ou para o próprio workspace do MATLAB, sendo também possível realizar a importação de sistemas tanto de um arquivo quanto do workspace.

26 24 Figura 10 - Tela do FIS Editor. Fonte: Mathworks (2014). Atela Membership Function Editor, que pode ser visualizada na Figura 11, permite adicionar e remover funções de pertinência, definir o universo de discurso de cada variável, definir os tipos e os nomes das funções de pertinência, bem como alterar manualmente e por meio de parâmetros o seu formato. Figura 11 - Tela do Membership Function Editor. Fonte: Mathworks (2014).

27 25 Na ferramentaruleeditor, cuja tela pode ser visualizada na Figura 12, é possível elaborar, editar e excluir regras que relacionam os conjuntos fuzzy de entrada e saída. Figura 12 - Tela do Rule Editor. Fonte: Mathworks (2014). As regras elaboradas podem ser testadas variando-se manualmente os parâmetros através da ferramenta Rule Viewer, cuja tela está na Figura 13. Figura 13 - Tela do Rule Viewer. Fonte: Mathworks (2014).

28 26 Por fim, é possível também as relações entre as entradas fuzzy e a saída através de uma estrutura de superfície, utilizando-se para isso a ferramenta Surface Viewer, que pode ser visualizada na Figura 14. Figura 14 - Tela do Surface Viewer. Fonte: Mathworks(2014).

29 27 5 CARACTERIZAÇÃO DA CARGA Para elaboração do projeto do controlador, bem como avaliação da eficácia do mesmo, adotou-se um perfil de carga instalada cuja escala de consumo de energia elétrica e demandas ativa e reativa que se assemelhassem à escala de uma pequena indústria. Tal premissa, teve como objetivo aproximar o modelo proposto do comportamento de uma unidade consumidora típica, possibilitando a aplicação futura em uma planta industrial real. Dentro dessa perspectiva, adotou-se três cenários de variação de carga ao longo do tempo de simulação para submeter o sistema a diferentes condições. O cenário 1 simulado, consiste em quatro níveis de carga ao longo de 15 segundos de simulação, demandando assim uma nova ação de controle a cada três segundos, visto que o controlador passa a atuar após 3 segundos da simulação para não ser influenciado pelo transitório inicial da máquina. Na Tabela 1 encontram-se listados o regime de carga em cada momento da simulação desse cenário. Tabela 1 - Condições de cargas simuladas no cenário 1. CONDIÇÕES DE CARGA - CENÁRIO 1 PERÍODO (s) POTÊNCIA POTÊNCIA ATIVA (kw) REATIVA (kvar) FP 03 A , A , A , A , Fonte: Própria. Para avaliação de uma condição mais severa para o controlador, elaborou-se o cenário 2, que consiste em novamente aplicar 4 condições de carga, porém ao longo de 7 segundos da simulação. Assim, simulou-se a reação do controlador frente à necessidade de ação de controle a cada 1 segundo em 4 condições, sendo o controlador acionado após os 3 segundos iniciais da simulação. Os níveis de carga aplicados para a simulação do cenário 2 encontram-se na Tabela 2.

30 28 Tabela 2 - Condições de cargas simuladas no cenário 2. CONDIÇÕES DE CARGA - CENÁRIO 2 PERÍODO (s) POTÊNCIA POTÊNCIA ATIVA (kw) REATIVA (kvar) FP 03 A , A , A , A , Fonte: Própria. Por fim, elaborou-se o cenário 3 que consiste em 2 condições de carga que se revezam de forma a simular um sistema funcionando em bateladas, que é um regime de carga bem comum em alguns processos industriais. O regime de carga desse cenário encontra-se na Tabela 3. Tabela 3 - Condições de cargas simuladas no cenário 3. CONDIÇÕES DE CARGA - CENÁRIO 3 PERÍODO (s) POTÊNCIA POTÊNCIA ATIVA (kw) REATIVA (kvar) FP 03 A , A , A , A , Fonte: Própria.

31 29 6 METODOLOGIA DE PROJETO DO CONTROLADOR FUZZY 6.1 PREMISSAS Conhecidas as condições de carga a serem simuladas partiu-se para o projeto do controlador fuzzy levando-se em consideração, basicamente, das premissas abaixo apresentadas. No sistema a ser simulado, a fonte de tensão trifásica, que simula o barramento infinito da rede de distribuição da concessionária, foi considerada ideal, ou seja, considerou-se que a impedância interna da fonte é nula. Em consequência disso, a tensão trifásica no barramento possui amplitude e frequência inalteradas durante todo o período da simulação, impedindo a adoção da estratégia de controle semelhante a proposta de controle nebuloso de bancos de capacitores idealizada por Yamakawa (2007), que utilizava como entradas do controlador fuzzy a tensão do barramento e sua variação. Assim, dado que a tensão no barramento do modelo adotado não varia, a ação de controle no campo do gerador apenas influenciará significativamente os valores de Potência reativa (Q gerador ) a ser fornecida pelo mesmo ao sistema. Outra premissa adotada é a de que a potência fornecida pelo gerador não consiste na única ação de controle sobre o fator de potência da fonte, contando também o sistema com o chaveamento de bancos de capacitores. Sob esse prisma, o reativo fornecido pelo gerador foi projetado como um ajuste fino ao reativo fornecido pelos bancos de capacitores. Por fim, chegou-se à ideia de um controlador fuzzy tendo como entradas os valores do fator de potência da unidade consumidora e sua variação, e acionando na saída o circuito de campo do gerador síncrono. Paralelamente, é feito o chaveamento dos bancos de capacitores a partir da leitura do valor de potência reativa demandada pelas cargas. Esse chaveamento é feito fora do controlador fuzzy projetado. Na Figura 15 é possível observar o diagrama de blocos simplificado do controlador desejado.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO FÉLIX ABRAO NETO 2 ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 4 FERNANDO DE LIMA CANEPPELE 5 JAIR DE JESUS

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA

Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Resumo: Em circuitos de corrente alternada (CA), puramente resistivos, as ondas de tensão e de corrente

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy.

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Flávio Carnelli Frade 1,2, Pedro Bastos Costa 1,3, Giovane Quadreli

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

3 Potência Reativa. 3.1. Definição

3 Potência Reativa. 3.1. Definição Potência Reativa 25 3 Potência Reativa A previsão de potência reativa tem significância técnica e econômica, pois o balanço de reativos em um Sistema de Energia Elétrica muitas vezes exige a instalação

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Qualidade e Eficiência Energética

Qualidade e Eficiência Energética Fabio Balesteros, Engenharia de Aplicação, 2010 Qualidade e Eficiência Energética September 2, 2010 Slide 1 Introdução A cada dia aumenta-se a preocupação com a produtividade dos sistemas elétricos. Economia

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Biomatemática 22 (2012), 61 76 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Thiago F. Ferreira 1, Rosana S. M.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

FATEC - Faculdade de Tecnologia, 19046-230, Presidente Prudente, SP, Brasil. {camila.gabriel, daniel.neto, deyver.bordin}@fatec.sp.gov.

FATEC - Faculdade de Tecnologia, 19046-230, Presidente Prudente, SP, Brasil. {camila.gabriel, daniel.neto, deyver.bordin}@fatec.sp.gov. Plataforma computacional estruturada com sistemas baseados em regra fuzzy para análise da racionalidade e eficiência da utilização de energia elétrica em empresas de avicultura de postura Camila Pires

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Capacitores: Instalação e Correção do Fator de Potência

Capacitores: Instalação e Correção do Fator de Potência Capacitores: Instalação e Correção do Fator de Potência I. CONSIDERAÇÕES GERAIS 3 I.1 CONCEITOS BÁSICOS 3 I.2 CONSEQÜÊNCIAS DO EXCESSO DE ENERGIA REATIVA (KVAR) 4 II. CAPACITORES 7 III. INSTALAÇÃO DE BANCO

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais