Um Gerador de Sistemas Tutoriais Inteligentes para Auxílio à Alfabetização em Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Gerador de Sistemas Tutoriais Inteligentes para Auxílio à Alfabetização em Português"

Transcrição

1 Um Gerador de Sistemas Tutoriais Inteligentes para Auxílio à Alfabetização em Português Ana Célia Rocha Mascarenhas, Marco Aurélio de Carvalho Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília (UnB) Caixa Postal Brasília DF Brasil {anacelia, Abstract. Brazil is a country with high tax of illiteracy due to many reasons. Reverting this picture is a hard work which involves sorting out a number of problems, among them the students' difficulties of learning. This paper describes a project for developing an Intelligent Tutoring System Generator to test different schemes for teaching literacy in Portuguese. Resumo. O Brasil é um país com alto índice de analfabetismo, por diversos motivos. Reverter esse quadro é um trabalho longo e que no meio do caminho se depara com alguns problemas, entre eles a dificuldade de aprendizado. Este artigo descreve um Gerador de Sistemas Tutoriais Inteligentes para testar diferentes métodos de alfabetização em Língua Portuguesa. 1. Introdução Segundo Emilia Ferreiro (Ferreiro, 2001), o Brasil é um dos países da América Latina que tem reflexões mais prolongadas e profundas em relação ao problema da alfabetização. Apesar de haverem surgido diversos métodos de alfabetização aqui e em outros países, os métodos mais utilizados no Brasil são baseados em fonologia silábica. Será que esse paradigma foi efetivamente testado? A proposta deste trabalho é apresentar o Gerador de Sistemas Tutoriais Inteligentes (STIs) focado no ensino lingüistico de alfabetização para testar os efeitos no processo de aprendizagem. 2. Sistemas Tutoriais Inteligentes Os Sistemas Tutoriais Inteligentes são programas de computador com propósitos educacionais que incorporam técnicas de Inteligência Artificial. Tradicionalmente a arquitetura de um STI é composta de base de conhecimento, interface com o usuário, modelo do estudante e estratégias de ensino (Burns e Caps, 1998). Os STIs têm sido desenvolvidos de diferentes maneiras, entre as quais: Modelo Diferencial, Modelo de Overlay, Modelo de Perturbação, Modelo de Simulação, Modelo Mentalista e Modelo de Agentes. Wenger sugere que a função principal de um STI é agir como um "veículo de comunicação" (Wenger, 1987). Neste projeto a abordagem utilizada é a do "Overlay do Especialista, baseada em uma Árvore do Conhecimento que contém os temas a serem transmitidos, assumindo-se um caminho de percorrimento da esquerda para a direita e de baixo para cima (Carvalho 2000). Essa estrutura é semelhante às organizações hierárquicas tradicionais de livros e ementas de disciplinas, porém supõe-se que o estudante deva, por exemplo, primeiro ler o item 1.1.1, depois o

2 item 1.1.2, depois o item 1.1, depois o item 1.2.1, e assim por diante. A razão disto é que os ítem mais abrangentes (por exemplo, 1.1) englobam todo o conhecimento dos seus subordinados, portanto suas atividades de ensino só devem ser feitas depois que as mais específicas tenha sido concluídas. A escolha da atividade de ensino a ser exercitada em um dado momento leva em conta o conhecimento e avaliações daquele estudante, o que pode provocar um avanço ou um retrocesso no percurso da árvore. Se o estudante não se saiu bem em um particular "ramo" de conhecimento da árvore, as estratégias de ensino podem reabilitar atividades feitas no passado que sejam consideradas como construtores daquele conhecimento. Dessa forma, atividades de ensino de prioridades absolutas maiores passarão a concorrer na próxima escolha, com maior chance de serem indicadas na rodada seguinte. Ademais, pode ser interessante suspender uma atividade recentemente realizada por algum tempo, de forma que ela não venha a ser escolhida de novo nas próximas rodadas. Esse procedimento evita que uma mesma atividade seja executada exaustivamente sem analisar outros pontos, desmotivando o estudante. Segundo Emilia Ferreiro (Ferreiro, 1985), a solução da deficiência na aprendizagem não pode ser obtida através da repetição múltipla, pois o sujeito irá "repetir seu fracasso". O processo de escolha da atividade de ensino chega ao fim quando o estudante percorreu toda a árvore do conhecimento e a avaliação do sistema o considerou com um conhecimento suficiente, próximo ao conhecimento do especialista. 3. Alfabetização A alfabetização, considerada como o inicio do processo de aprendizagem do ser humano, é um dos pontos mais debatidos em educação em todo mundo, havendo grande polêmica em redor dos seus inúmeros métodos. Tradicionalmente classifica-se os métodos de alfabetização na língua portuguesa em analíticos e sintéticos. Os sintéticos partem da parte para o todo e os analíticos, do todo para as partes. Os métodos sintéticos podem se subdividir em alfabético, fonético ou fônico e silábico. O Alfabetico é o método em que o aluno aprende as letras isoladamente, liga as consoantes às vogais, formando sílabas; reúne as sílabas para formar as palavras e chega ao texto. No método fonético ou fônico, o aluno parte do som da letras, une o som da consoante ao som da vogal, pronunciando a sílaba formada. Já no método silábico o aprendizado concentra-se na observação e identificação das sílabas que compõem as palavras, como unidades fonológicas. Estudos realizados por Charles Fries (Fries, 1962) mostram que na maioria dos casos consegue-se sucesso no processo de alfabetização independentemente do método aplicado. Porém, se o método for mais fácil de ser assimilado e decodificado por quem está aprendendo, o aprendizado será mais rápido e eficaz. Grande parte dos métodos de alfabetização usados no Brasil são silábicos, conforme indicações do Referencial Curricular Nacional para Jovens e Adultos do Ministério da Educação. Na língua inglesa, os métodos de alfabetização de maior sucesso são baseados em consciência fonológica (Phonological Awareness), que se apresentou inicialmente

3 como uma solução clínica para pessoas que não conseguiam se alfabetizar, mas que vem gradativamente ganhando espaço em escolas como o principal método de alfabetização (Adams 1996, McGuinness 1997). O maior objetivo deste projeto é oferecer condições de teste e comparação experimental de diversos métodos existentes buscando contribuir para o aprimoramento dos mesmos e gerar novos questionamentos pedagógicos para futuros estudos. 4. O Sistema Essa pesquisa teve sua origem no desenvolvimento de um gerador de tutoriais inteligentes para dar suporte à alfabetização em Língua Inglesa (Carvalho 2000). O sistema foi desenvolvido em Java, podendo ser disponibilizado na Internet. Tal sistema é baseado em uma árvore do conhecimento utilizada para organizar o domínio de conhecimento a ser ensinado, associada com as atividades de ensino e as estratégias de ensino, definidas por um professor especialista. A partir da estratégia de ensino e da árvore do conhecimento decide-se a seqüência das atividades de ensino que deverão ser realizadas pelo estudante, de acordo com o seu desempenho, registrado no modelo do estudante. Desta forma é possível implementar tutoriais inteligentes diferentes, correspondendo a diferentes abordagens de ensino para o mesmo tema, conforme descritas por professores especialistas diversos. Como em um programa de perfil básico de alfabetização não espera-se os estudantes possuam conhecimentos da língua escrita, o projeto prevê a introdução de um sistema de síntese de voz para permitir que o computador simule a fala de textos escritos na língua portuguesa. Sintetizadores texto-fala são programas de computador que admitem como entrada um texto irrestrito escrito em linguagem natural e produzem como resultado o som correspondente à leitura deste texto. Ao ser submetido a um sintetizador texto-fala, um texto passa por uma cadeia de transformações, dando origem a uma série de códigos intermediários antes da obtenção do código final: um sinal de áudio. Dessa forma, na maior parte das vezes o estudante ouvirá exemplos e instruções e interagirá com o computador usando apenas o mouse para clicar palavras, ícones ou letras. As falas do computador são produzidas a partir de estímulos pedagógicos escolhidos pelo sistema tutorial e frases previamente estabelecidas pelo professor especialista, conforme a necessidade para a execução de uma atividade de ensino Problemas Para adaptar o sistema para o ensino de alfabetização em Português do Brasil, está sendo necessário solucionar algumas questões descritas a seguir. O sistema original inspira-se nos Temas Geradores da metodologia de Paulo Freire (Freire, 1970) e considera que na alfabetização deve-se partir de palavras extraídas do universo cognitivo e social do estudante, para despertar efetivo interesse e propiciar pronto uso das habilidades e conhecimentos adquiridos no processo de aprendizagem. Foi, portanto, desenvolvido um método para determinação das palavras a serem usadas no ensino a partir de um grupo pequeno de palavras-chave, denominado conjunto de sementes (seed set), associado com um tema específico. Esse conjunto é

4 usado como argumento de pesquisa em um amplo dicionário legível por computador, visando-se obter um subconjunto de palavras associadas com o tema proposto para compor o vocabulário de estímulos. Até o presente momento, entretanto, não foi disponibilizado ao projeto um dicionário em língua Portuguesa que possa atender aos seus requisitos. Na ausência de tal dicionário, um pequeno vocabulário poderá ser criado, colocando-se manualmente os estímulos requeridos. O segundo problema é a disponibilidade de um sintetizador texto-fala em Português Brasileiro, para transformar texto escrito em áudio. Esses textos serão préprogramados pelo professor como incentivo ou tática de ensino. O sistema Digalo, desenvolvido na França, é um candidato a essa função, porém o projeto ainda não obteve a concessão para seu uso nem o acesso às primitivas operacionais requeridas. Outro sintetizador que poderia ser utilizado é o Sistema Festival, desenvolvido na Universidade de Edimburgo, que é, todavia, baseado no Português falado em Portugal. A próxima alternativa seria a gravação em estúdio das frases, e palavras que o sistema viesse a falar. Tal estratégia seria bem menos flexível, já que alterações no vocabulário de ensino ou em textos explicativos poderia exigir novas gravações em estúdio. A Codificação Fonológica ou Simbologia Fonológica das palavras, é geralmente encontrada em dicionários em língua estrangeira. Porém o mesmo não acontece no Brasil, e os dicionários importantes em Português não trazem essa codificação, exceto alguns dicionários de tradução de língua portuguesa para outros idiomas. Esse recurso é uma peça fundamental para o funcionamento do sistema, pois as palavras usadas como estímulo deverão estar apropriadamente classificadas de acordo com seus atributos fonológicos a nível de fonemas, sílabas, rimas e prefixos. Na impossibilidade de obtenção desses atributos nos dicionários legíveis por máquinas, teremos que fornecer manualmente a codificação fonológica a cada uma das palavras do vocabulário. Isso reduzirá, mais uma vez, a flexibilidade do sistema, pois a agregação ou mudança de vocabulário (por exemplo, para adaptar a outra comunidade) deverá ser acompanhada pelo fornecimento da codificação fonológica de todas as novas palavras. 5. Conclusão A Inteligência Artificial Aplicada à Educação possui várias técnicas para oferecer novos meios de ensino utilizando Sistemas Tutoriais Inteligentes. O dilema da eficácia dos métodos de alfabetização é grande e utilizar um método inadequado ou ultrapassado pode dificultar o processo de aprendizagem. A implantação de métodos analíticos e sintéticos em um sistema adequando para as limitações pessoais de um analfabeto já é uma grande contribuição para a alfabetização. Como o sistema pode assumir o método de ensino descrito pelo professor especialista, se alguns grupos de alfabetização utilizarem o sistema com métodos diferentes, além de oferecer um auxilio para a alfabetização fornecerá a oportunidade de comparar os efeitos do desempenho na prática do perfil básico de alfabetização. O objetivo desta pesquisa, uma vez concluída a adaptação do sistema para o Português, é o de testar experimentalmente com grupos de crianças em idade de préalfabetização os efeitos do uso de diferentes sistemas tutoriais inteligentes como acessórios coadjuvantes ao ensino convencional de alfabetização. Dessa forma,

5 pretende-se separar um grupo para aprender com o auxílio do sistema utilizando consciência fonológica das palavras, outro grupo utilizando metodologia silábica e comparar o progresso desses dois grupos entre sí e com um grupo de controle usando computador com um programa não relacionado com alfabetização. A análise deverá considerar se houve melhora na aprendizagem a partir do uso do sistema, e qual dos grupos progrediu mais. Convém observar que os grupos deverão ser compostos por crianças de nível socio-econômico, cultural, e faixa etária equivalentes, e que sejam preferencialmente originários de mesma região geográfica. Poderão ser realizados outros testes com diferentes métodos de alfabetização. O foco inicial nesses dois métodos justifica-se porque os métodos silábicos são muito utilizados no Brasil e os métodos de Consciência Fonológica das palavras vem progressivamente provando melhor desempenho no processo de aprendizado na língua inglesa. Referências Adams, Marilyn Jager(1996) Beginning to read Thinking and Learning about Print London: MIT Press Black, A. W. Taylor, P., and Caley, R. (1998). The Festival Speech Synthesis System. System documentation, Centre for Speech Technology Research Universidade de Edinburgh. Burns, H. L. e Capps, C. G. (1988). Foundations of intelligent tutoring systems: An introducion. In Polson, M. C. and Richardson, J. J., editors, Foundations of Inteligent Tutoring Systems, cap. 1, páginas Lawrence Erlbaum Associates Publishers, Hillsdale, New Jersey. Carvalho, Marco Aurélio, (2000) Generating Intelligent Tutoring Systems for Teaching Reading: combining phonological awareness and thematic approaches. Universidade de Edimburgo, Edimburgo. Elan Informatique (2000) Digalo Ferreiro, Emilia e Teberosky Ana, (1985) Psicogênese da língua escrita. Editora Artes Médicas, Porto Alegre Ferreiro, Emilia (2001) Meu trabalho não é um método, Nova Escola, Editora Abril, São Paulo, Edição Nº139 Freire, Paulo (1970) Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra. Fries, C. C. (1962). Liguistics and Reading. Holt, Rinehart and Winston, Inc., Nova York Macedo, R. V. G., Blume, L. R., Rigolino, A. T. B., Milléo, N. M., Prado, N. P. Z. Referencial Curricular Nacional para Jovens e Adultos, Ministério da Educação McGuinness, Diane, (1997) Why Our Children Can t. The Free Press, New York, 1st edition Wenger, E., (1987) Artificial Intelligence and Tutoring Systems, Morgan Kaufmann Publishers, Inc.

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

Sistemas Tutores Inteligentes

Sistemas Tutores Inteligentes Sistemas Tutores Leila Cristina Vasconcelos de Andrade Jorge Juan Zavaleta Gavidia Trabalho de conclusão da disciplina Inteligência Artificial do Programa de Pós-Graduação da COPPE-Sistemas da Universidade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância Short paper Autores: Luciano Lessa Lorenzoni - Apresentador luciano@faesa.br 27-3279152 Denise Frazotti Togneri togneri@zaz.com.br

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

Ambiente Eletrônico Interativo e Colaborativo de Ensino com Síntese de Fala

Ambiente Eletrônico Interativo e Colaborativo de Ensino com Síntese de Fala Ambiente Eletrônico Interativo e Colaborativo de Ensino com Síntese de Fala Mário Uliani Neto, Pei J. Shieh, Fernando O. Runstein, José E. Canhone, Edson J. Nagle, Sílvio A. Spinella FCPqD Fundação Centro

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Atividades Práticas em Leitura e Escrita

Atividades Práticas em Leitura e Escrita Atividades Práticas em Leitura e Escrita Andréa Carla Machado Elaine Cristina dos Santos 2015 Andréa Carla Machado; Elaine Cristina dos Santos Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE O HISTÓRICO DOS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO

UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE O HISTÓRICO DOS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE O HISTÓRICO DOS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO Sharlene Marins Costa Helenise Sangoi Antunes Universidade Federal de Santa Maria Essa pesquisa tem por objetivo investigar os métodos

Leia mais

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL Camila Graciella Santos Gomes Universidade Federal de São

Leia mais

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura.

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura. Causas das dificuldades na leitura e escrita. Elsa Midori Shimazaki, Lucyanne Cecília Dias, Nerli Nonato Ribeiro Mori. Universidade Estadual de Maringá-PR, Lucilia Vernaschi de Oliveira; Universidade Estadual

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. Grupo de trabalho GT (01) Alfabetização e Letramento Escolar Rita de Cássia da Conceição Maria

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Aquisição do segundo idioma e bilinguismo na primeira infância e seu impacto sobre o desenvolvimento cognitivo inicial

Aquisição do segundo idioma e bilinguismo na primeira infância e seu impacto sobre o desenvolvimento cognitivo inicial Aquisição do segundo idioma e bilinguismo na primeira infância e seu impacto sobre o desenvolvimento cognitivo inicial ELLEN BIALYSTOK, PhD York University, CANADÁ (Publicado on-line, em inglês, em 9 de

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Conceito de aprendizagem................................. 5 1.2 Primeiros passos no Artikulate..............................

Leia mais

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS KUBASKI, Cristiane UFSM kubaski229@bol.com.br MORAES, Violeta Porto UFSM viomoraes@ibest.com.br Eixo temático: Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura O prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Preservando

Leia mais

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília e-mail: freireri@unb.br web: www.musicaparacriancas.unb.br Sumário:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOS MÉTODOS TRADICIONAIS À PERSPECTIVA SOCIAL DO ALFABETIZAR LETRANDO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOS MÉTODOS TRADICIONAIS À PERSPECTIVA SOCIAL DO ALFABETIZAR LETRANDO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOS MÉTODOS TRADICIONAIS À PERSPECTIVA SOCIAL DO ALFABETIZAR LETRANDO Maici Duarte Leite 1 Priscila Meier de Andrade Tribeck 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever?

O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever? O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever? 173 Liliana Tolchinsky e Isabel Ríos apreocupação institucional e política com relação às dificuldades dos estudantes para entender o que

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

OS AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS NA ALFABETIZAÇÃO E AS DIFERENTES CONCEPÇÕES SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

OS AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS NA ALFABETIZAÇÃO E AS DIFERENTES CONCEPÇÕES SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA OS AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS NA ALFABETIZAÇÃO E AS DIFERENTES CONCEPÇÕES SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Evanilza Ferreira da Silva, Colégio de Aplicação - UFAC, AC / BRASIL eva.vip@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 Sônia Ferreira de

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias Adauto Trigueiro, Alcione da Costa Pinheiro, Clerton Filho, Kátia Silva Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização

Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização Reportagens ALFABETIZAÇÃO De sílaba em sílaba Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização Por Eloísa Bombonatti* Refletir sobre o sistem a alfabético Estim

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO 123 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO João Fábio Davi Xavier 1 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo abordar a perspectiva de alfabetizar letrando, os alunos da Educação de Jovens

Leia mais

Índice. 1.Cenário Brasil. 2. Projeto PALMA. 3. Tecnologia Digital na Educação de Jovens e Adultos

Índice. 1.Cenário Brasil. 2. Projeto PALMA. 3. Tecnologia Digital na Educação de Jovens e Adultos 1 Índice 1.Cenário Brasil 2. Projeto PALMA 3. Tecnologia Digital na Educação de Jovens e Adultos 2 1. Cenário Brasil 3 Fonte: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2013 Analfabetismo 41

Leia mais

Adultos: questões fundamentais da prática

Adultos: questões fundamentais da prática Alfabetização de Jovens e Adultos: questões fundamentais da prática pedagógica POR QUE SABER LER E ESCREVER? Domínio de habilidades de leitura e escrita é condição para: 1. Enfrentar exigências do mundo

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO

A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO ONAIDE SCHWARTZ MENDONÇA (DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO/ UNESP/PRESIDENTE PRUDENTE). Resumo Neste trabalho apresento resultados de pesquisa realizada

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Cláudia Batista Melo 1, 2, Ulrich Schiel 3, Lourdes Mattos Brasil 4, Edilson

Leia mais

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus Como funciona uma aula de inglês na Language Plus professores nativos de inglês. Sobre os Cursos da Language Plus Os Cursos de Inglês da Language Plus foram desenhados especialmente para os profissionais

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES

LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES 1ª Parte CONCEITOS DE MEDIADOR O conceito de mediador pode ser entendido em duas vertentes: a) O conceito tradicional: professor, alfabetizador, educador profissional voltado

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

UM PROGRAMA PARA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM

UM PROGRAMA PARA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM UM PROGRAMA PARA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO TREINAMENTO DO PROFESSOR MATERIAL DE INSTRUÇÃO Um livro prático para profissionais responsáveis por elaborar

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

Em seu artigo Consciência Fonológica: relação entre desenvolvimento e escrita

Em seu artigo Consciência Fonológica: relação entre desenvolvimento e escrita A influência do elemento lúdico musical na aprendizagem da Língua Alemã como Língua Estrangeira por crianças de 4 a. e 5 a. séries falantes do Português Carin Beatriz Carreira Zachariadis O conceito de

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

TITULO: Sequenciador Inteligente de Atividades no Projeto Luz do Saber

TITULO: Sequenciador Inteligente de Atividades no Projeto Luz do Saber TITULO: Sequenciador Inteligente de Atividades no Projeto Luz do Saber EJE: Extensión, docencia e investigación AUTORES: Marco Aurelio de Carvalho Maria de Fátima Ramos Brandão REFERENCIA INSTITUCIONAL:

Leia mais

Corrigir ou não corrigir: eis a questão

Corrigir ou não corrigir: eis a questão Corrigir ou não corrigir: eis a questão Resumo Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo Temático 1: Leitura é problema de quem? O presente artigo tem por finalidade

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 Leanna Evanesa ROSA Rosane Rocha PESSOA Faculdade de Letras - UFG leannarosa@yahoo.com.br Palavras-chave: língua;

Leia mais

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis.

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis. Resumo: ATIVIDADES DIVERSIFICADAS NA SALA DE AULA: UMA TROCA DE EXPERIÊNCIAS DE DOCENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DO ENSINO Doris Pires Vargas Bolzan 1 Alexandra Pozzatti Machesan 2 Carla Markus Lopes 3 Francine

Leia mais

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico 1 Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Ana Lúcia Lico Associação Brasileira de Cultura e Educação Introdução A missão da ABRACE é preservar e promover

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

Título: NOMES E COISAS: o pensamento de crianças pré-escolares

Título: NOMES E COISAS: o pensamento de crianças pré-escolares Título: NOMES E COISAS: o pensamento de crianças pré-escolares Autores: Maria José dos Santos Maria Regina Maluf Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Não obstante a criança ser um

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Dois idiomas, uma criança

Dois idiomas, uma criança REVISTA EDUCAÇÃO - EDICAO 174 - OUTUBRO 2011 Educação Infantil Letramento Tamanho do Texto A+ A- Dois idiomas, uma criança Estudos apontam que alunos bilíngues apresentam ganhos cognitivos, mas o diálogo

Leia mais

Letramento: considerações históricas e conceituais

Letramento: considerações históricas e conceituais Letramento: considerações históricas e conceituais Aluna: Gessélda Somavilla Farencena Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Desirée Motha-Roth Graciela R. Hendges

Leia mais

Dificuldades de leitura: relato de experiência de uma escola pública em Sapucaia do Sul (RS)

Dificuldades de leitura: relato de experiência de uma escola pública em Sapucaia do Sul (RS) 1 Dificuldades de leitura: relato de experiência de uma escola pública em Sapucaia do Sul (RS) Letícia da Silva Barboza (Mestranda em Linguística - PUCRS) Gislaine Machado Jerônimo (Doutoranda em Linguística-

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental O Uso do Computador por Pessoas com Deficiência Sensorial (Surdez Congênita), Distúrbios Motores (Paralisia Cerebral, Esclerose Múltipla e Lateral Amiotrófica, Tetraplegia), e Distúrbios de Processamento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010 1 A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Brasília DF Maio 2010 Daniela Zinn S. Gonçalves - NT Educação - daniela.goncalves@grupont.com.br

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Modelo de literacia inicial

Modelo de literacia inicial Modelo de literacia inicial http://goo.gl/jiviqx (documento original) Karen Erickson, Ph.D. Center for Literacy and Disability Studies, University of North Carolina Caroline Ramsey Musselwhite, Ed.D.,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Dr. Belivaldo Chagas Silva Secretário de Estado da Educação Profa. Dra. Hortência Maria Pereira Araujo Secretária Adjunta de Estado da Educação

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS

A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS 1 CAMPOS, Gaziela 2 GUIMARÃES, Suely Fernandes 3 MATTOS, Andressa Melo 4 PEREIRA, Jocimara Lima 5 MONTEIRO, Eliana 6 ANTONIO,

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora Rejane Frozza frozza@dinf.unisc.br Orientadora UNISC Universidade de Santa Cruz

Leia mais

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS Andréa Aparecida Bernardo Santos BACH Mariana Pedroso RODRIGUES Mônica Medeiros FLORES 1 RESUMO:

Leia mais

EARLY LITERACY/ LETRAMENTO INFANTIL Projeto SP Leituras/BSP/ SISEB

EARLY LITERACY/ LETRAMENTO INFANTIL Projeto SP Leituras/BSP/ SISEB EARLY LITERACY/ LETRAMENTO INFANTIL Projeto SP Leituras/BSP/ SISEB PRECEDENTES O Instituto Nacional de Desenvolvimento e Saúde da Criança (National Institute of Child Health and Human Development NICHD)

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Unidade 3 6º encontro Orientadora: Elaine R. Cruz Ortega Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Ano 1: A escrita alfabética: por que ela é um sistema

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

UMA INTERFACE MULTIMÍDIA PARA A COMUNICAÇÃO DO PROJETO ARQUITETÔNICO

UMA INTERFACE MULTIMÍDIA PARA A COMUNICAÇÃO DO PROJETO ARQUITETÔNICO UMA INTERFACE MULTIMÍDIA PARA A COMUNICAÇÃO DO PROJETO ARQUITETÔNICO Gisele Pinna Braga Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo - FAU-USP. Mestre em Comunicações - USP. Especialista em Multimídia em Educação

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais