U I S NA N A TE T R E M R E M L E É L T É R T I R CA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "U I S NA N A TE T R E M R E M L E É L T É R T I R CA"

Transcrição

1 USINA TERMELÉTRICA GOVERNADOR LEONEL BRIZOLA GE-OPE/OAE/UTE GLB

2 TERMORIO RIO POLÍMEROS REDUC PÓLO PETROQUÍMICO DE DUQUE DE CAXIAS

3 PETROBRAS POTÊNCIA INSTALADA DE MW A TERMORIO É A MAIOR USINA TERMELÉTRICA DO PAÍS POTÊNCIA SUFICIENTE PARA ABASTECER 75 % DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 4,5 MILHÕES PESSOAS PRODUZ 22 % DA ENERGIA ELÉTRICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODE FORNECER ATÉ 400 t/h DE VAPOR PARA A REDUC

4 PETROBRAS BLOCO I BLOCO II BLOCO III CICLO COMBINADO CICLO COMBINADO CICLO COMBINADO COM COGERAÇÃO 330 MW 324,5 MW 382 MW até 400 t/h de vapor

5 PETROBRAS Manutenção CEG Subestação GIS Canteiro da obra Estação de Gás Natural Você está aqui. Água Desmineralizada Água de Incêndio m3 LINHA DE VAPOR - REDUC 2 x m3

6 PRINCIPAIS PARTES DA TURBINA A GÁS PETROBRAS GT 11 N2 ALSTOM Queimadores Entrada de Ar Câmara de Combustão Conexão com o Gerador Expansor ou Turbina Saída dos Gases Compressor

7 PRINCIPAIS PARTES DA TURBINA A GÁS PETROBRAS GT 11 N2 ALSTOM

8 PETROBRAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO COMBUSTÃO Combustor Tipo Silo Dry Low NOx Número de Queimadores 37 Emissão de NOx < 25 ppm Emissão CO < 5 ppm

9 PETROBRAS RECUPERADOR DE CALOR (HRSG)

10 PROCESSO DE CICLO COMBINADO LADO GAS ESCAPAMENTO COMVUSTIVEL EFICIENCIA ENTRADA DE AR CICLO ABERTO ~33 % GERADOR G GAS TURBINE TAMBOR RECUPERADOR DE CALOR EFICIENCIA GERADOR G CICLO COMBINADO ~ 50 % TURBINA Á VAPOR TANQUE DE AGUA AGUA DE RESFRIAMIENTO CONDENSADOR LADO VAPOR

11 TESTES DE PERFORMANCE Potência Líquida (MW) Heat Rate (KJ/kWh) Bloco Turbinas Nominal Garantido Real Nominal Garantido Real I TG11/TG12 TV18 383,2 378,2 382, Vapor (t/h) ,4 II III TG21/TG22 TV28 TG31/TG32 TV38 326,6 322,3 330, ,6 322,3 324, Total 1.036, ,7

12 PETROBRAS BLOCO I

13 BLOCO II

14 PETROBRAS BLOCO III

15 GÁS NATURAL CONSUMO: Bacia de Campos Bolívia Distribuição CEG Consumo de ± m 3 /dia Redução de 40 bar para 27 bar BLOCO I m 3 /dia PCI kj/nm 3 BLOCO II m 3 /dia PCI kj/nm 3 BLOCO III BLOCO III m 3 /dia PCI kj/nm 3

16 SUBESTAÇÃO - GIS Subestação blindada isolada a Gás SF6 16 bays Operação remota 2 Linhas de 13.5 km interligadas com São José Furnas 2 Linhas de 1 km interligadas com Reduc

17 TORRE DE RESFRIAMENTO PETROBRAS BLOCO III BLOCO II BLOCO I 3 Torres de Resfriamento consumo total de água de m3/h (s/ projeto)

18 FAIXA OPERACIONAL 50 TERMORIO B II e III - 1 TG + TV Q.S. B II e III - 2 TG + TV Eficiência elétrica [%] B I - 1 TG + TV sem exp. vapor BI - 2TG + TV exp vapor Q.S. mín B I - 2 TG + TV sem exp. vapor BI - 2TG + TV exp vapor Q.S. máx 200 t/h 400 t/h 300 t/h 300 t/h 200 t/h Turbina a Gás 400 t/h Potência [MW]

19 BLOCO I EFICIÊNCIA DA COGERAÇÃO 80 TERMORIO - BLOCO I t/h t/h Eficiência Global [%] t/h 2 TG + TV exp. vapor Q.S. min 2 TG + TV exp. de vapor Q.S. máx 300 t/h t/h t/h Potência [MW]

20 NOSSO PESSOAL QUADRO DE PESSOAL QUADRO TEMPORÁRIOS ESTAGIÁRIOS Gerência da Planta Gerência de Operações 24 - Gerência de Manutenção Elétrica e I&C Gerência de Manutenção Mecânica Gerência de QSMS 8 1 Gerência de Administração 5 1 Gerência de Avaliação da Produção 1-1 Total CONTRATADOS Conservação e Limpeza 25 Vigilância 27 Manutenção Ar Condicionado 4 Total 56

21 MELHORIAS IMPLEMENTADAS ANTES DA ENTREGA DA PLANTA: 1. PINTURA E IDENTIFICAÇÃO DOS TANQUES E TUBULAÇÕES; 2. TROCA DE TODAS AS VÁLVULAS DOS HIDRANTES ; 3. INSTALAÇÃO DE TAMPAS DE CHAPAS NO COMPARTIMENTO DE ÓLEO DAS S.A.O.; 4. CONSTRUÇÃO DOS ACESSOS AOS BLOCOS SOBRE A BRITA; 5. MUDANÇA DA PORTA DA RECEPÇÃO PARA ANTI PANICO 6. PINTURA PARA IDENTIFICAÇÃO DOS EXTINTORES DE INCENDIO; 7. CONSTRUÇÃO DO ALMOXARIFADO NO MEZZANINO DA OFICINA; 8. PINTURA EPOXI DO PISO DA OFICINA 9. AQUISIÇÃO E ADAPTAÇÃO DO CARRO DE EMERGÊNCIA;

22 MELHORIAS IMPLEMENTADAS 10. TRADUÇÃO DAS TELAS DO SISTEMA OPERACIONAL PARA PORTUGUÊS; 11. TRANSFERÊNCIA DO COMPUTADOR QUE ENVIA DADOS DO CEMS PARA A FEEMA PARA O SETOR DE QSMS; 12. AQUISIÇÃO DE KIT S DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PARA CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE ÓLEOS E QUÍMICOS; 13. AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE CANHÕES MONITORES FIXOS COM ADIÇÃO DE LGE NOS HIDRANTES DA PLANTA; 14. INSTALAÇÃO DE PLACAS DE IDENTIFICAÇÃO NO ARRUAMENTO, INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA; 15. CERTIFICAÇÃO DO LABORATÓRIO QUÍMICO PELA FEEMA; 16. IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS E INSTALAÇÃO DE COLETORES SELETIVOS NO ARRUAMENTO E NAS DEPENDENCIAS; 17. DESENVOLVIMENTO DE NOVO FORNECEDOR NACIONAL PARA OS FILTRO DE AR DAS TURBINAS Á GÁS;

23 MELHORIAS IMPLEMENTADAS 18. SUBSTITUIÇÃO DOS RALOS DE PLASTICOS POR METÁLICOS NA ÁREA DAS TURBINAS; 19. ELABORAÇÃO DO FOLDER PARA VISITANTE EM PAPEL RECICLAVEL. 20. DOAÇÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS PARA A COOPERATIVA DE CATADORES DA COMUNIDADE DE CAMPOS ELÍSEOS 21. INSTALAÇÃO DE ESTRADOS ANTIDERRAPANTE DE PVC NOS VESTIÁRIOS. 22. INSTALAÇÃO PREVENTIVA DE CORDÕES ABSORVENTES DE ÓLEO NO CANAL PERIFÉRICO; 23. COMPRA DE SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DOS OBJETIVOS E METAS DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 24. MELHORIA DO ANALISADOR NO SAMPLING PANEL 25. COMPRA DO DETERGENTE BIODEGRADÁVEL PARA LAVAGEM DAS TURBINAS

24 MELHORIAS IMPLEMENTADAS 26. INSTALAÇÃO DO MEDIDOR DE VAZÃO PARA O EFLUENTE DAS TORRES DE RESFRIAMENTO; 27. MELHORIA DESENVOLVIDA PARA TESTAR OS VGVS ANTES DA PARTIDA 28. DISTRIBUIÇÃO DOS EPI'S DE PROTEÇÃO ELÉTRICO NOS MODULOS ELÉTRICOS 29. MODIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DAS BOMBAS DE RESFRIAMENTO COM MEIO CICLO COMBINADO EM OPERAÇÃO, GERANDO MENOR CONSUMO ENERGÉTICO) 30. SISTEMA DE INJEÇÃO AUTOMÁTICA DE METABISULFITO DE SÓDIO NO EFLUENTE DAS TORRES DE RESFRIAMENTO, PARA EVITAR UM POSSÍVEL DESCARTE DE AGUA COM ALTO NÍVEL DE CLORO; 31. IMPLEMENTAÇÃO DO PI SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS TURBINAS A GÁS;

25 MELHORIAS IMPLEMENTADAS ANO 2006: 32. ELABORAÇÃO DO FORMULÁRIO INTEGRADO PARA SUGESTÃO DE MELHORIAS E SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÃO DE PROJETO TRATADOS NO MESMO PROCEDIMENTO ; 33. RECEBEMENTO DA INFORMAÇÃO ON-LINE DO VOLUME CONSUMIDO ATRAVÉS DAS INFORMAÇÕES DO BARTON, LOCALIZADO NA ESTAÇÃO DE MEDIÇÃO DA CEG, 34. PINTURA NO PISO PARA DELIMITAÇÃO DA FAIXA DE PEDESTRES SEM EPIS 35. AQUISIÇÃO DE ARMÁRIOS ESPECIAIS PARA PRODUTOS INFLAMAVEIS, QUIMICOS ÁCIDOS E BASES; 36. FORNECIMENTO DO CAFÉ DA MANHÃ PARA A FORÇA DE TRABALHO NO REFEITÓRIO DA PLANTA 37. INSTALAÇÃO DE TOMADAS NO INTERIOR DOS PRÉDIOS DAS TURBINAS A GÁS PARA OS DESUMIDIFICADORES,

26 MELHORIAS IMPLEMENTADAS 38. CONSTRUÇÃO DE GALPÃO PARA DEPOSITO TEMPORÁRIO DE RESÍDUOS E PRODUTOS INFLAMÁVEIS; 39. CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DA USINA EM JANEIRO DE 2006 PELO BVQI, DE ACORDO COM AS NORMAS ISO / ISO E OHSAS ; 40. UTILIZAÇÃO DE CONTAINERS PARA DEPÓSITO DE GLP E PRODUTOS QUÍMICOS 41. ORGANIZAÇÃO DO PRIMEIRO WORKSHOP TÉCNICO, COM 24 PALESTRAS

27 GERÊNCIA DE OPERAÇÃO DIVIDIDA EM QUATRO ÁREAS: EQUIPE OPERATIVA EQUIPE QUIMICA EQUIPE DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EQUIPE DE CONTROLE OPERACIONAL

28 GERÊNCIA DE OPERAÇÃO EQUIPE OPERATIVA: 1. COMUNICAÇÃO COM CLIENTES E FORNECEDORES 2. LIBERAÇÃO DE SERVIÇO 3. ELABORAÇÃO DE INSTRUÇÕES & PROCEDIMENTOS 4. ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS 5. ANÁLISE DE FALHAS (TEMPO REAL E PÓS-OPERAÇÃO) 6. ROTINAS DE CONSERVAÇÃO

29 GERÊNCIA DE OPERAÇÃO EQUIPE QUIMICA MANTER CONTROLE ÓTIMO DAS CONDIÇÕES QUÍMICAS DAS ÁGUAS UTILIZADAS E DESCARTADAS NA UTE. 1. RESPONSÁVEL PELOS ANALISES / RELATORIOS QUIMICOS DA UTE. 2. RESPONSAVEL DOS ANALISES DOS DESCARTES LIQUIDOS DA UTE. 3. RESPONSAVEL PELO EFLUENTE LIQUIDO PROCOM AGUA / FEEMA 4. RESPONSAVEL ANTE A POLICIA FEDERAL E EXERCITO DOS PRODUTOS QUIMICOS CONTROLADOS UTILIZADOS NA UTE. 5. RESPONSAVEL DO TREINAMENTO DO SISTEMA CICLO AGUA VAPOR E INSTRUMENTAÇÃO ANALITICA.

30 GERÊNCIA DE OPERAÇÃO EQUIPE DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO: ABSORVER KNOW HOW DOS SISTEMAS DE CONTROLE, COM O OBJETIVO DE MINIMIZAR POSSÍVEIS CUSTOS COM A MANUTENÇÃO, DESENVOLVIMENTO E OPERAÇÃO 1. SER O ADMINISTRADOR DO SISTEMA DE CONTROLE DA UTE. 2. ESTUDAR E IMPLEMENTAR AS SOLICITAÇÕES DE MELHORIAS NO SISTEMA DE CONTROLE 3. MANTER TREINADO AO PESSOAL NO CONHECIMENTO DA INTERPRETAÇÃO DAS LOGICAS DE CONTROLE 4. RESPONSAVEL PELAS COMUNICAÇÕES DO SISTEMA DE CONTROLE COM OUTROS SISTEMAS. ( Envio de dados a FEEMA, Implementação do PI, etc.)

31 GERÊNCIA DE OPERAÇÃO CONTROLE OPERACIONAL : AUDITAR E CONTROLAR A EVOLUÇÃO DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS, INDICADORES OPERACIONAIS E DO SISTEMA DE GESTÃO. 1. RESPONSÁVEL PELO ENVIO DIÁRIO DA PLANILHA DE CONTROLE OPERACIONAL. 2. RESPONSÁVEL PELA COORDENAÇÃO DAS REUNIÕES DE INDISPONIBILIDADE. 3. ACOMPAMHAMENTO DIARIO, SEMANAL, MENSUAL E ANUAL DA EFICIÊNCIAS DOS PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS DA UTE. 4. RESPONSÁVEL PELA EMISSÃO DO BALANCED SCORECARD. 5. RESPONSÁVEL PELO RELATÓRIO DE EMSSIÃO EQUIVALENTE DE CARBONO. 6. RESPONSÁVEL PELO RELATÓRIO DE EMISSÃO EQUIVALENTES PARA FEEMA. 7. RESPONSÁVEL PELOS CÁLCULOS DE CUSTOS MARGINAIS DE OPERAÇÃO E CUSTOS DE GERAÇÃO DE VAPOR ATRAVÉS DE ANÁLISES EXERGO- ECONOMICAS. 8. RESPONSÁVEIS PELA COORDENAÇÃO DE PROJETOS DA ANEEL

32 PETROBRAS GERÊNCIA DE QSMS

33 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO CERTIFICADO

34 TRADUÇÃO DAS TELAS OPERATIVAS ORIGINAL - INGLÊS

35 TRADUÇÃO DAS TELAS OPERATIVAS PORTUGUÊS

36 TRADUÇÃO DAS TELAS OPERATIVAS ORIGINAL - INGLÊS

37 TRADUÇÃO DAS TELAS OPERATIVAS PORTUGUÊS

38 GERÊNCIA DE QSMS QUALIDADE SEGURANÇA DO TRABALHO MEIO AMBIENTE SAÚDE OCUPACIONAL SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA CERTIFICADO EM JAN/06. PSP - 15 DIRETRIZES SMS PETROBRAS EM IMPLANTAÇÃO GCL GERENCIAMENTO DE CONFORMIDADE LEGAL / SISLEG NORMAS ISO 9001/2000 ISO 14001/2004 OHSAS 18001/99 SEGURANÇA PGR- PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO PAE PLANO DE AÇÃO EM EMERGÊNCIAS BRIGADA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA SOCORRISTAS CIPA / DDS PAM / APELL - C.ELÍSEOS PPRA / LTCAT / MAPA DE RISCO AREA PROTEGIDA-URGÊNCIA / EMERGÊNCIA MÉDICA PERIGOS E RISCOS DO TRABALHO AUDITORIAS COMPORTAMENTAIS AUTORIZAÇÃO PARA TRABALHOS NA UTE RELATO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES NORMA OHSAS 18001/99 - DIRETRIZES DO PSP PETROBRAS

39 GERÊNCIA DE QSMS SAÚDE MEDICINA OCUPACIONAL PCMSO / PPP / LAUDO ERGONÔMICO CAMPANHAS DE VACINAÇÃO GRIPE / TÉTANO REGISTROS DE OCORRÊNCIAS ANORMAIS DE SAÚDE NORMAS - OHSAS 18001/99 - DIRETRIZES DO PSP PETROBRAS MEIO AMBIENTE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS/COLETA SELETIVA ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS CONDIÇÕES DE VALIDADE DA LO- FEEMA CEMS- EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMQAM- ESTAÇÃO DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR PROCON ÁGUA EFLUENTES LÍQUIDOS LIBERAÇÃO DE DESCARTE DE EFLUENTES KPA- KITS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL NORMAS ISO 14001/ DIRETRIZES DO PSP PETROBRAS

40 GERÊNCIA DE QSMS ESTRUTURA DA PADRONIZAÇÃO CONTROLE E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS QUALIDADE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO ASSINATURA DE REVISTAS DE QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARTICIPAÇÃO EM CURSOS,SEMINÁRIOS,WORKSHOPS PROCEDIMENTOS INTEGRADOS E INSTRUÇÕES DE TRABALHO NORMA ISO 9001/ DIRETRIZES DO PSP PETROBRAS

41 GERÊNCIA DE QSMS NOSSAS METAS IMPLANTAR O PSP PROGRAMA DE SEGURANÇA DE PROCESSO 15 DIRETRIZES CORPORATIVAS DE SMS DA PETROBRAS IMPLANTAR A NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ADEQUAR A TERMORIO PELOS CRITÉRIOS DO PNQ

42 GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO Estruturação da Manutenção Treinamento Básicos nos Sistemas da UTE Acompanhamento do Comissionamento Estruturação das Oficinas: Elétrica, Mecânica e I&C Estudo e Análise da Documentação de O&M Elaboração de Instruções de Trabalho e Procedimentos Elaboração do Plano de Manutenção Aquisição de sobressalentes emergenciais Processo de aquisição dos sobressalentes em conjunto com a PETROBRAS Adequação as NR s 13 e 10. Auditorias de Certificação

43 GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO Planejamento das Atividades SM OP FO SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE OPERAÇÃO DA PLANTA FREQUÊNCIA DE OPERAÇÃO A Falha do Equipamento põe em Risco a Segurança das Pessoas, das Instalações ou o Meio Ambiente? A Falha do Equipamento provoca Parada da Planta? O Equipamento está 100% do Tempo em Operação e Não Possui Redundância ou Influência na Operação da Planta? S S S S M O P F O N N S N CI N CI CONDIÇÃO DE INSTALAÇÃO O Equipamento Esta em Local Inóspito? A B C Criticidade do Equipamento

44 GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO Tipos de Manutenção: Corretiva ( run to failure ) Preventiva Preservação Planejamento das Atividades Inspeções Visuais (Rotas) Preditiva Preventiva por Estado Preventiva Sistemática (tempo/hora)

45 GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO EXEMPLOS DE REGISTROS : INSPEÇÕES VISUAIS ROTAS PREDITIVA CERTIFICADOS Controle das Atividades

46 PETROBRAS GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO Exemplos de Resultados Alcançados Inspeção tipo A da GT11 e GT12 Planejamento antes de sua execução Acompanhamento direto de todas as etapas da inspeção Importância dessa participação direta dos empregados próprios Realização em tempo reduzido Nacionalização dos Filtros de Ar das GT s Desenvolvimento de fornecedores Testes de performance

47 GERÊNCIA ADMINISTRATIVA Compras Controle e administração do almoxarifado Gestão de RH da planta Controle financeiro Site Implantação da norma de responsabilidade Serviços terceirizados Refeitório Limpeza e conservação da planta Limpeza e conservação da linha de transmissão Limpeza e conservação da EMQAM Vigilância Transporte de funcionários social. TREINAMENTOS Programa Anual de Treinamento (PAT) Controle Acompanhamento Viabilização (transporte, inscrição e hospedagem) [%] TREINAMENTOS JAN FEV MAR ABR MAI JUN ACUMULADO ,7 TREINAMENTOS 14,7 1,2 6,9 5,4 10,6 11,7 ACUMULADO ,7 7,9 7,6 7,1 7,8 8,4 META 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0

48 GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Apuração e Contabilização Mensal da Medição Fiscal Confecção do Informativo Termorio Participação e execução do PMO da Usina (Planejamento Mensal da Operação) Participação dos estudos energéticos anuais e suas revisões quadrimestrais do ONS Acompanhamento e análise dos estudos Elétricos junto ao ONS Acompanhamento do rumo da regulamentação do Setor Elétrico Enquadramento da Usina

49 NOSSA EQUIPE AGRADEÇE A SUA VISITA USINA TERMELÉTRICA GOV. LEONEL BRIZOLA

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL Sub-subsistema: Alimentação de Gás Natural (CityGate) / Distribuição ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP Grande tubulações do CityGate Pequeno

Leia mais

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL E MEIO AMBIENTE: A EXPERIÊNCIA DA Rio de Janeiro, 2002 ! A Light - Serviços de Eletricidade S.A. foi constituída em 9 de julho de 1904, no Canadá, e recebeu

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Julho/2012 Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Slogan: Segurança se faz com Educação MÊS Atividades * Reunião Ordinária e Posse da CIPA: 06/07/2012 * Implantação da Urna de Sugestões da CIPA.

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE VOLKSWAGEN DO BRASIL E A PLANTA ANCHIETA SEIS FÁBRICAS NO BRASIL: Anchieta (São Bernardo), São Carlos, Taubaté, Curitiba, Vinhedo e Resende Fábrica Anchieta ( São Bernardo do Campo ) Das fábricas do Grupo

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 1 Avaliação de Desempenho Energético em Tempo Real Presented by Petrobras Objetivo Construir uma ferramenta capaz de monitorar a eficiência energética das unidades termoelétricas em tempo real e inferir

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda.

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA: ÁREAS DE ATUAÇÃO: A CB Fernandes Engenharia é uma empresa de prestação de serviços especializados de engenharia e consultoria, voltada para a indústria, atuando nas áreas de: EFICIÊNCIA

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A.

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Apresentação Thiago Flores dos Santos Gerente da Assessoria de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental EMENTA 1 2 3 Motivação

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Apólice de Seguros Incêndio (Revisão das Coberturas)

Apólice de Seguros Incêndio (Revisão das Coberturas) Tabela de e Prazos de Manutenção Item Apólice de s Incêndio (Revisão das Coberturas) Revisar Condições e Importâncias Seguradas. arts. 1.346 e 1348, IX, do Código Civil e art. 13, parágrafo único da Lei

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 Responda as questões abaixo relacionadas a Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Nas questões indique Evidências, Critérios e Não Conformidades das questões enunciadas. Utilize como

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL)

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) OBJETIVO DO ICP : Implantação do programa de saúde ocupacional (Decreto 5.757/2003) para os servidores do Hospital Materno Infantil. Conquistas de 2010

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 31.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê de Análise de Risco a acréscimo do hiperlink

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços. Suporte ao Relacionamento e Gestão de Fornecedores PETROBRAS / MATERIAIS

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços. Suporte ao Relacionamento e Gestão de Fornecedores PETROBRAS / MATERIAIS Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Suporte ao Relacionamento e Gestão de Fornecedores PETROBRAS / MATERIAIS Plano de Investimentos da Petrobras US$ 56,4 bilhões 60% PN 2006-10 34,1 Investimentos

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 AÇÕES PARA A QUALIDADE: Resultados e Perspectivas do modelo de Gestão Integrada de Qualidade, Meio Ambiente, Segurança

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

RUA: BENTO GERALDO DE CAMARGO, 741 WERNER PLASS AMERICANA-SP

RUA: BENTO GERALDO DE CAMARGO, 741 WERNER PLASS AMERICANA-SP CLIENTES TRA CLIENTES JÁ ATENDIDOS MBIGUCCI ORTOBOM STELA SELAMIL PREDIAL IN-HAUS FUSAM COSAN GRUPO FEREZIN SOGEFI GROUP A TRA ATUA EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL O QUE FAZEMOS AUTOMAÇÃO ADEQUAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326 GIA / 09 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) AS EMISSÕES DE POLUENTES NAS USINAS TERMOELÉTRICAS A GÁS NATURAL: UM ESTUDO DE CASO Jean Cesare

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10

SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10 SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10 C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA FILIAL RIO DAS OSTRAS/RJ FUNDAÇÃO:

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG. Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente

GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG. Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente Rua Reverendo Martin Luther King, 161 Santo André - SP C.N.P.J: 05.667.311/0001-22 Tel: (011) 3461-8013 WWW.GRUPOSTARSEG.COM.BR

Leia mais

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Alexandre Amaral dos Santos - AES Eletropaulo Gerência de Engenharia da Distribuição E-mail: alexandre.amaral@aes.com

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 www.edtrab.com.br

Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 www.edtrab.com.br Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 A Empresa Profissionalismo, Credibilidade e Qualidade são sinônimos do trabalho realizado pela empresa EDTRAB Serviços e Segurança do Trabalho. Pioneira

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

Certificação de Meios de Hospedagens

Certificação de Meios de Hospedagens Certificação de Meios de Hospedagens NBR 15401:2006 - Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade Sistema A Norma NBR 15401:2006 Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais