Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global"

Transcrição

1 Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização e supervisão clínica aos locais/clínicas em nome do Programa Nacional de Controle da Tuberculose para avaliação da implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF. Visitas de supervisão a estes locais, farão parte do programa de garantia de qualidade associado com a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF, e serão realizadas trimestralmente ou com intervalos de tempo pré-determinados, conforme acordado pelo Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Visitas de supervisão ad hoc também podem ser requeridas. Reveja as instruções para avaliadores (página ) antes de completar esta avaliação. Nome do avaliador (es) Função e organização do avaliador Nome do local/instituição a ser avaliado Localização do local/instituição a ser avaliado (Cidade/Vila, Distrito e País) Contacto da pessoa do local/instituição (clínico) Nome e localização do laboratório que realiza Xpert MTB/RIF, caso não seja efectuado no mesmo lugar Data da visita de avaliação Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

2 Instruções para avaliadores A ferramenta de avaliação e monitorização clínica (Visita de avaliação global) é para ser usado para avaliar todos os sites de clínicas/instituições que oferecem serviços de TB Esta avaliação está dividida em quatro seções: o Secção A: Informação clínica do site/local o Secção B: Informação clínica do site/local (apenas sites de testagem Xpert MTB/RIF) o Secção C: Checklist avaliação clínica do site/local o Secção D: Não-conformidades e acções correctivas Nota: Todas as questões nesta ferramenta de avaliação e monitorização clínica (Visita de avaliação global) são mandatórias. O avaliador irá elaborar um relatório, que será compartilhado com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose, após a visita. O relatório irá listar as não-conformidades (Secção D) e recomendações sobre acções corretivas. Os avaliadores deverão rever os registos disponíveis para verificação das respostas fornecidas pela equipe clínica. Se possível, o avaliador deve organizar para que seja possível a observação da colheita de expectoração. Secção A Nesta seção, é pedido ao avaliador que recolha informações gerais sobre o local/clínica a ser avaliada. Esta seção será mais facilmente preenchida com a ajuda do Director clínico do local (ou um membro sénior da equipe clínica). As respostas devem ser registadas nos espaços fornecidos. Qualquer informação adicional (pertinente) também deve ser colhida e incluída no relatório de avaliação do local. Secção B Nesta seção, é pedido ao avaliador que recolha informação adicional relativa aos procedimentos associados com a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF. Esta seção será mais facilmente preenchida com a ajuda do Director clínico do local (ou um membro sénior da equipe clínica). As respostas devem ser registadas nos espaços fornecidos. Qualquer informação adicional (pertinente) também deve ser colhida e incluída no relatório de avaliação do local. Secção C Nesta seção, é pedido ao avaliador que avalie a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF no local, em categorias. O avaliador deverá selecionar Sim, Parcial ou Não com base na interpretação que o avaliador fizer das respostas verbais às questões por ele colocadas. Comentários obrigatórios devem ser incluídos na última coluna para quaisquer questões para as quais a resposta "parcial" ou "Não" for dada. Secção D Nesta seção, o avaliador deve reunir todas as questões para as quais a resposta foi "não" (ou seja, não-conformidades) ou "Parcial", e fazer recomendações para acções corretivas. O avaliador deve também indicar se o seguimento da não-conformidade é exigido na próxima visita de avaliação. Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

3 Secção A: Informação clínica do local Quais os serviços de saúde oferecidos nesta unidade de saúde? (a) Rastreio HIV (b) Serviços pré-natal (c) Gestão de doenças crónicas (d) Rastreio TB (e) Outros Esta unidade é (selecione uma): (a) Unidade saúde satélite (b) Unidade saúde primária (c) Unidade de saúde de referência A unidade usa um registo para suspeitos de TB? Se sim, quantos registos desses existem, e onde estão localizados? Quantas amostras de expectoração são colhidas por cada suspeito e para que testes de diagnóstico? As amostras de expectoração são colhidas por: (a) Pessoal clinico (b) Pessoal do Laboratório (c) Pessoal clínico e laboratório Existe uma zona de espera separada, utilizada para os suspeitos de tuberculose? Qual o laboratório de referência utilizado pela instituição clínica? Qual a distância? As amostras para cultura e teste de sensibilidade aos antibióticos são enviadas diretamente para o laboratório de referência, ou primeiro para um laboratório local, e em seguida para o laboratório de referência? Existem facilidades para cuidado e tratamento de TB-MDR no local? Se não, onde está localizado o centro mais próximo? Todos os casos de TB-MDR são tratados na Unidade de TB-MDR? Algum caso de TB-MDR recebe tratamento para TB-MDR na comunidade? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

4 Secção B: Informação clínica do local (só locais com testagem Xpert MTB/RIF) O site executa Xpert MTB/RIF no local? Se Não, com que frequência amostras de expectoração para testagem Xpert MTB/RIF são transportadas o laboratório ou para outro local para realização do teste (por exemplo, diariamente, em dias alternados etc.)? Existem sites satélite a referir amostras para testes Xpert nesta facilidade? Se sim, quantos sites satélite referem testes Xpert para esta facilidade? Existe em prática um mecanismo de transporte de amostras para o envio de amostras deste site para o laboratório onde se faz o teste Xpert? Se você receber um resultado positivo para o teste Xpert MTB/RIF, o site tem capacidade para iniciar o tratamento? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.4 de 9

5 Secção C: Checklist de avaliação clínica do local. Documentação A. Registo de Laboratório e Suspeitos TB Existe um Livro de registo de suspeitos de TB no local/clínica? O Livro de registo de suspeitos de TB é preenchido corretamente? Todos os resultados de Xpert MTB/RIF são corretamente registados no Livro de Registo do Laboratório? Todos os resultados de Xpert MTB/RIF são corretamente transferidos para o Livro de registo de suspeitos de TB? Todos os resultados positivos para Xpert MTB/RIF são introduzidos no Livro de registo de TB do distrito? No caso de Xpert MTB/RIF positivo, o número de TB do Distrito é registado no Livro de registo do Laboratório? Os resultados de TSA são devidamente registados no Livro de registo de suspeitos de TB? Existe um Livro de registo de tratamento de TB no local/clínica ou no escritório a nível distrital onde são registados os casos de TB confirmados? B. Algoritmo de diagnóstico 4 A nova requisição de exames de laboratório (esfregaço e Xpert) aprovada pelo PNCT está disponível e a uso na instalação? O site/clínica tem uma cópia do algoritmo nacional actual? A equipa clínica recebeu formação no novo algoritmo? Os membros da equipa clínica entendem o algoritmo? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.5 de 9

6 5 6 Os membros da equipa clínica seguem o algoritmo de diagnóstico para o pedido de testes de Xpert MTB/RIF? A clínica/clínicos solicita testes adicionais como exigido pelo algoritmo nacional? C. Pedidos e resultados teste Xpert MTB/RIF Os contentores e requisições de amostras para testagem Xpert são devidamente preenchidos/completos? As amostras de expetoração para Xpert MTB/RIF são propriamente rastreadas utilizando um diário de bordo ou um documento de seguimento da amostra? Algum indicador de qualidade para Xpert MTB/RIF é registado pelo site? Ex.: a) Número de amostras testadas b) Número de Xpert MTB/RIF testes com resultado positivo c) Número de amostras rifampicina resistente D. Seguimento e encaminhamento O site tem um sistema para acompanhamento de pacientes com diagnóstico recente de TB que ainda não estão em tratamento? As amostras de expectoração encaminhadas para cultura e para TSA são rastreadas adequadamente usando um diário de bordo ou um documento de seguimento da amostra? Existe em vigor um sistema de transporte para o envio de amostras para o laboratório para realização de cultura e TSA? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.6 de 9

7 4 O site tem um registo de pacientes encaminhados para a Unidade de TB- MDR (ou seja, transferidos para fora)?. Colheita e transporte de amostras A equipa conhece os requisitos das amostras para realização do teste Xpert MTB/RIF? A equipa foi formada em procedimentos de colheita de amostra? São dadas instruções adequadas aos suspeitos de tuberculose sobre como produzir expectoração de boa qualidade? A equipa verifica a qualidade e quantidade das amostras de expectoração antes de as enviar para o laboratório ou outro local? A equipa pede ao paciente para produzir nova amostra de expectoração nos casos em que a qualidade ou quantidade não é adequada? As amostras de expectoração são colhidas no exterior ou numa área apropriada, ventilada e afastada de outras pessoas? As amostras de expectoração são guardadas antes de serem transportadas para o laboratório ou outro site? Se sim, em que condições? As amostras são embaladas de forma adequada, de acordo com as regulamentações locais e internacionais, antes de serem transportadas para o laboratório ou outro site? As amostras são transportadas para o laboratório ou outro local dentro de prazos aceitáveis (7 dias)? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.7 de 9

8 . Segurança 4 A equipa clínica está treinada em biossegurança, e medidas de controlo de infecção estão em vigor na clínica e zonas de espera dos pacientes? Estão disponíveis para profissionais de saúde e pacientes, Equipamentos de proteção individual (EPI) adequados? São fornecidos aos suspeitos de tuberculose máscaras respiratórias na chegada à clínica? E/ou faz-se a triagem de pacientes com tosse e encaminhamento destes para uma sala de espera separada? Motoristas/correios e auxiliares de limpeza que trabalham na clínica são formados em práticas de biossegurança relevantes para o desempenho das suas tarefas de trabalho? Secção D: Não-conformidades e acções correctivas Não-conformidades Acções correctivas recomendadas Seguimento necessário Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.8 de 9

9 Assinatura do avaliador: Data: Assinatura do destinatário do relatório: Designação (ex.: gestor do local, clínico): Data: Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.9 de 9

Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Pré-entrega Xpert. Número de módulos. Detalhes da impressora

Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Pré-entrega Xpert. Número de módulos. Detalhes da impressora Checklist Pré-entrega Xpert Parte 1: Detalhes de contacto Data de instalação Nome da instituição/ Nome laboratório Detalhes de contacto da instituição: Nome, Responsável laboratório com GeneXpert Detalhes

Leia mais

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB)

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Manejo da Coinfecção TB-HIV Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Professora: Denise Arakaki-Sanchez O Ministério de Saúde, através da Nota Informativa CGPNCT/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital - Checklist Pré-Instalação Xpert Parte 1:Perfil laboratório Data da Avaliação/Auditoria Nome(s) e Afiliação do Assessor (es) Nome (s) contacto laboratório Telefone/email Nome laboratório Distrito Região

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e

Leia mais

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA PÁGINA 2 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias 2 18 PÁGINA 3 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

SUMARIO. - Página 1 / 11

SUMARIO.  - Página 1 / 11 SUMARIO 1 Introdução... 2 2- Benefícios e Vantagens... 2 3 Como utilizar o Banco de Resultados... 2 3.1 Requisitos... 2 3.2 Recursos do Banco de Resultados... 3 3. 2.1 Superior... 3 3.2.1.1 - Opções...

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

1 Proposta técnica e financeira

1 Proposta técnica e financeira Concurso estudo de base PRODEM Especificações técnicas pela compilação da proposta Estabelecer um estudo de base de qualidade é uma tarefa importante para o PRODEM. Incentivamos, portanto, empresas de

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Atualizado em 13/11/2014 A Avaliação de Desempenho é um importante instrumento de gestão que permite traçar um diagnóstico das necessidades da carreira do servidor, definir estratégias

Leia mais

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR)

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) Conjunto mínimo de indicadores para a gestão programática da TB MDR para os programas nacionais de controle de tuberculose. 1 Indicadores para

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose:

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. Dra. Tatiana Galvão Doutora e Pneumologista pela UFBA Professora Adjunta EMSP/UNIFACS 21 de abril 2016 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória Contato: Luara Lopes alveslopes@un.org +55 21 99348 5642 www.eird.org/camp-10-15/ O Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR), por meio de seu Escritório Regional para

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de janeiro de 2017 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0354 (NLE) 5725/17 SCH-EVAL 31 COMIX 66 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data:

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.171.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

Trabalho Prático. Descrição Considere os seguintes dados a respeito de uma pessoa:

Trabalho Prático. Descrição Considere os seguintes dados a respeito de uma pessoa: Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação Disciplina de Organização de Arquivos Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Trabalho

Leia mais

Regulamento Interno Para Bolsas PCI

Regulamento Interno Para Bolsas PCI Regulamento Interno Para Bolsas PCI Introdução Este documento contém a regulamentação para o uso de bolsas do Programa de Capacitação Institucional PCI no. São estabelecidas regras para a solicitação de

Leia mais

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo FOGLIATTI, Maria Cristina. Avaliação de impactos ambientais. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2004. SANCHEZ, Luis Henrique.

Leia mais

Colheita e Recolha de Amostras

Colheita e Recolha de Amostras QUALIDE Página 1/10 Edição 2 Revisão 2 Data de Aprovação 06/06/2016 Objectivo: Descrever a metodologia seguida na colheita e recolha de amostras nas instalações dos Agentes Económicos, por parte dos seus

Leia mais

TUTORIAL PARA O SUPERVISOR

TUTORIAL PARA O SUPERVISOR PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RELATÓRIO DE SUPERVISÃO PERIÓDICA: VISITA DE SUPERVISÃO IN LOCO Brasília/DF, 17 de novembro de 2015. 1 APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DE SUPERVISÃO

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão Geral do Procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais. 03 Revisão Geral do Procedimento 04 Revisão

Leia mais

Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular

Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular CAMPO MOURÃO 2010 1. APRESENTAÇÃO A finalidade

Leia mais

Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe!

Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe! Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe! Por Dave Batty Visão Geral 1. Quais são os maiores desafios encarados pelos novos membros

Leia mais

Procedimento Avaliação de Desempenho (4-4-2)

Procedimento Avaliação de Desempenho (4-4-2) Procedimento Avaliação de Desempenho (4-4-2) 1. Definições A Avaliação 4-4-2 é o indicador de desempenho dos membros do Núcleo. Essa ferramenta irá controlar a presença de todos em plantões, reuniões tanto

Leia mais

LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO

LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO (art. 27º do Decreto-Lei n.º 205/2003, de 12 de setembro) PREENCHA COM LETRA LEGÍVEL E ESCOLHA AS OPÇÕES DE ACORDO COM

Leia mais

Porto, 15 de Setembro de 2003 Assunto: Aplicação do Decreto-Lei n.º 1/98, de 2 de Janeiro

Porto, 15 de Setembro de 2003 Assunto: Aplicação do Decreto-Lei n.º 1/98, de 2 de Janeiro ASSUNTO: SERVIÇO DOCENTE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO DO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Tendo o Sindicato de Professores do Norte sido contactado por alguns docentes e, a pedido destes,

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil

Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil Organização Multidistrital de Informações de Rotaract Club s Rotaract Brasil I DA DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Distintivo

Leia mais

XVIII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

XVIII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO XVIII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 1 APRESENTAÇÃO - A Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo promoverá, entre os dias 12 e 13 de julho de 2016, a XVIII

Leia mais

Nº 3 - Informações Sobre Execução

Nº 3 - Informações Sobre Execução Nº 3 - Informações Sobre Execução 1 1. VALORES ESTABELECIDOS NO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº 1628/OC-BR, PARA LICITAÇÃO /AQUISIÇÃO DE BENS E LICITAÇÃO/CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS (QUE NÃO OS DE CONSULTORIA)

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista. Curso de Farmácia. Instruções para o desenvolvimento do estágio

Faculdade Campo Limpo Paulista. Curso de Farmácia. Instruções para o desenvolvimento do estágio Faculdade Campo Limpo Paulista Curso de Farmácia Instruções para o desenvolvimento do estágio Para o desenvolvimento do estágio curricular do curso de farmácia, os seguintes passos deverão ser seguidos:

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola Manual de Sinistro BB Seguro Agrícola Julho 2016 1 Sumário INTRUÇÕES PARA AVISO E ACOMPANHAMENTO DE SINISTRO... 3 ANEXO I - LISTA DE DOCUMENTOS QUE DEVEM SER ENTREGUES PARA ANÁLISE DO SINISTRO. 5 ANEXO

Leia mais

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 28.5.2014 L 159/41 REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 574/2014 DA COMISSÃO de 21 de fevereiro de 2014 que altera o anexo III do Regulamento (UE) n. o 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Como Criar um Relatório sobre Facturas

Como Criar um Relatório sobre Facturas 1 / 7 Como Criar um Relatório sobre Facturas 1. Vá para o Portal OB10 Aceda a www.ob10.com. Clique no botão de "Início de Sessão". Introduza as suas credenciais de início de sessão. Se necessitar de ajuda,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Estágio

Leia mais

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo Novidades no EPC GM O GM Next Gen EPC possui inúmeras funcionalidades novas concebidas para tornar a localização da peça certa mais rápida e fácil. Para obter instruções mais detalhadas sobre cada funcionalidade,

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

Agendamento de Entregas

Agendamento de Entregas Agendamento de Entregas MT-212-00143 - 2 Última Atualização 24/11/2014 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: Solicitar um Agendamento de Entregas de Materiais; Acompanhar o andamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO DECISÃO 03/2015 - Altera: Decisão n o 03/2013 ESTÁGIO SUPERVISIONADO A, reunida em 18 de novembro de 2015, no uso de suas atribuições, DECIDE Regulamentar a atividade de Ensino de Estágio Supervisionado,

Leia mais

SASSMAQ PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO COMO A INDÚSTRIA QUÍMICA QUALIFICA SEUS FORNECEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS. Apresentação:

SASSMAQ PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO COMO A INDÚSTRIA QUÍMICA QUALIFICA SEUS FORNECEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS. Apresentação: DATA E LOCAL SASSAQ PROCESSO DE QUALFCAÇÃO COO A NDÚSTRA QUÍCA QUALFCA SEUS FORNECEDORES DE SERVÇOS LOGÍSTCOS Apresentação: Fernando Franco de Oliveira BASF Fluxo - Qualificação Disposições Gerais Processo

Leia mais

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Sistema de Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Um resultado se define como......a criação de diversos instrumentos de avaliação,

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Instruções de Configuração dos Vendedores de HP:

Instruções de Configuração dos Vendedores de HP: Secure Vendor Administration Tool Instruções de Configuração dos Vendedores de HP: Como cadastrar a sua empresa no base de dados de Vendedor de HP? Global Procurement Última atualização: 2 February 2012

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ET Modo IPQ 107-1 Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

Políticas Operacionais

Políticas Operacionais Pág. 1 de 5 Recursos Culturais Físicos Nota: A OP e a BP 4.11 baseiam-se na Revised Draft Operational Policy/Bank Procedure 4.11 (Política Operacional Preliminar Revista/Procedimento Bancário 4.11): O

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA Pág. 1 de 5 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA PROCEDIMENTOS As novas linhas de orientação para acompanharem a Carta de Burra revista (1999) estarão disponíveis em breve. As seguintes linhas de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (Aprovado pelo Parecer do CONSEPE/USC n. 02A/14, em 13 de março de 2014) BAURU 2014 SUMÁRIO Capítulo I - Das Finalidades...

Leia mais

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO XVII SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 1 APRESENTAÇÃO - A Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo promoverá, entre os dias 08 a 09 de dezembro de 2015, a

Leia mais

Tabela Nacional de Funcionalidade

Tabela Nacional de Funcionalidade Despacho do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde n.º 10218/2014 de 8 de agosto Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Avaliação da Funcionalidade Vários estudos têm demonstrado que

Leia mais

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE 1 Do programa e objetivos PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO Edital CGCI nº 015/2007 1.1 O Programa Professor Visitante Estrangeiro, tem como objetivo incentivar a realização de visitas de média ou longa

Leia mais

Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E.

Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E. Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E. 1 º Semestre 2015 Serviço de Auditoria Interna MONITORIZAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Página 1 de 5 1. Objectivo Estabelecer a metodologia para verificar as características do gás natural nas redes de distribuição de gás natural e registar anomalias nos valores analisados. 2. Âmbito Aplica-se

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

Maria Segurado Lisboa 30.mar.12. O Processo de Certificação PSO

Maria Segurado Lisboa 30.mar.12. O Processo de Certificação PSO O Processo de Certificação PSO Agenda Breve apresentação da certificação PSO Processo de certificação Metodologias de auditoria Decisão de certificação Marcas de certificação e certificado Benefícios da

Leia mais

Registar data notificação e data limite apresentação documentos (7) Celebrar contrato Recepcionar documentos de habilitação Executar contrato

Registar data notificação e data limite apresentação documentos (7) Celebrar contrato Recepcionar documentos de habilitação Executar contrato Check list A check list depende essencialmente de três componentes, são eles o tipo de aquisição (bens móveis, serviços ou empreitadas), o tipo de procedimento (ajuste directo ou consulta a várias entidades)

Leia mais

Estratégias de Melhoria da Gestão Escolar em Moçambique TANZÂNIA

Estratégias de Melhoria da Gestão Escolar em Moçambique TANZÂNIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Estratégias de Melhoria da Gestão Escolar em Moçambique TANZÂNIA C A B O N I A S S A D E L G A D O ZÂMBIA Lichinga Pemba T E T E MALAWI N A M P

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016

CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016 CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT - Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL - 03/2016 APOIO FINANCEIRO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO AO SISTEMA VISÃO DO FORNECEDOR V. 07/07/2016

MANUAL DO USUÁRIO AO SISTEMA VISÃO DO FORNECEDOR V. 07/07/2016 MANUAL DO USUÁRIO AO SISTEMA VISÃO DO FORNECEDOR V. 07/07/2016 ÍNDICE 1. SIGEC HOC APRESENTAÇÃO... 3 2. PRÉ-CADASTRO... 3 2.1. Gerar usuário e senha... 3 3. LOGIN NO SISTEMA PRÉ CADASTRO... 4 3.1. Recuperar

Leia mais

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313 TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER CTR313 Medidor portátil, muito fácil de usar, com tempo de resposta elevado, sendo um equipamento ideal para higiene e segurança no trabalho, monitorizações contínuas de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB MANUAL DE PROCEDIMENTO 2013 REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB Artigo Assunto Página 1 Definições... 225 2 Conselho diretor... 225 3 Eleições e mandatos... 225 4 Deveres do conselho diretor...

Leia mais

Manual de utilização da plataforma de requisições do Laboratório de Biocinética

Manual de utilização da plataforma de requisições do Laboratório de Biocinética Manual de utilização da plataforma de requisições do Laboratório de Biocinética Manual de utilização A plataforma de requisições do Laboratório de Biocinética permite a alunos e docentes a requisição de

Leia mais

PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Euler Maciel Dantas * Hallissa Simplício Gomes Pereira ** Isabelita Duarte

Leia mais

GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A

GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A ANREEE GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A SIRP ANREEE Índice 1. Início do registo para fluxo de EEE + P&A... 3 1.1. Entrar na ANREEE: www.anreee.pt... 3 1.2. Selecionar o botão central Faça aqui

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA

FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA A componente prática da formação é assegurada através de formas diversificadas de contacto com o mundo do trabalho, nomeadamente: ACTIVIDADES DE INTEGRAÇÃO Realizadas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor Dados de Identificação Questionário PSF Equipe de Saúde da Família Nome da unidade visitada:...data da visita:... Endereço:... Bairro:...Telefone:... Nome do(a) responsável pela Unidade de Saúde:... Qualificação

Leia mais

Confirmação de Cadastro 2010

Confirmação de Cadastro 2010 Confirmação de Cadastro 2010 Passo a Passo simplificado para acesso e utilização Introdução: Este passo a passo tem por objetivo informar objetivamente como acessar o site do Programa de Volta para Casa

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 PLANO : 1. INTRODUCAO 2. GESTAO FARMACEUTICA 3. POLITICA, LEGISLACAO, REGULACAO 4. SEGURANCA DE

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica

Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica REGULAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO FINAL DE CURSO Comissão: - Prof. Raimundo Furtado Sampaio - Prof. André Lima - Prof.

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA nº. 02/2014 SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA / SISTEMA WEB

COTAÇÃO PRÉVIA nº. 02/2014 SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA / SISTEMA WEB Rua Francílio Dourado, 11 - Sala 10 Água Fria - Fortaleza, Ceará, Brasil CEP: 60813-660 Telefone: +55 (85) 3114.9658 http://abraca.autismobrasil.org/ COTAÇÃO PRÉVIA nº. 02/2014 SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Antes de efetuar o seu processo de candidatura, deverá ler rigorosamente os editais e regulamentos, para que a sua candidatura seja a mais completa possível. A falta de informação

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.273.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Avaliação socioambiental de fornecedores

Avaliação socioambiental de fornecedores Avaliação socioambiental de fornecedores IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: CNPJ: Material/serviço que fornece: Responsável pelas informações: Cargo: Telefone: E-mail: Questionário Gostaríamos de conhecer

Leia mais

artus EBV QS-RGQ Kit Características de desempenho Maio 2012 Sample & Assay Technologies Sensibilidade analítica plasma

artus EBV QS-RGQ Kit Características de desempenho Maio 2012 Sample & Assay Technologies Sensibilidade analítica plasma artus EBV QS-RGQ Kit Características de desempenho artus EBV QS-RGQ Kit, Versão 1, 4501363 Verificar a disponibilidade de novas revisões de rotulagem electrónica em www.qiagen.com/products/artuscmvpcrkitce.aspx

Leia mais

FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL

FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira anuncia audições para a Temporada 2015, visando ao preenchimento das vagas de: Violino

Leia mais

Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo

Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo Concurso: Determinantes da vitimização em São Paulo ao longo do tempo CPP Centro de Políticas Públicas São Paulo, 2010 Centro de Políticas Públicas (CPP) O CPP é um centro de pesquisas voltado para a produção

Leia mais

SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO EDITAL DE 21 DE MARÇO DE 2016 LXVI CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS

SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO EDITAL DE 21 DE MARÇO DE 2016 LXVI CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO EDITAL DE 21 DE MARÇO DE 2016 LXVI CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS O DIRETOR-GERAL DO INSTITUTO RIO BRANCO, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Base de Dados Nacional. dos Elevadores. Manual do Utilizador do Portal Município

Base de Dados Nacional. dos Elevadores. Manual do Utilizador do Portal Município Base de Dados Nacional dos Elevadores Manual do Utilizador do Portal Município ÍNDICE Acesso ao Portal... 2 1. Portal... 3 2. Criação de Utilizadores... 4 3. Gestão de Utilizadores... 4 4. Alteração de

Leia mais

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Formulário de Registro Anual do Plano de AEE I - Dados referentes ao estudante

Leia mais