Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global"

Transcrição

1 Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização e supervisão clínica aos locais/clínicas em nome do Programa Nacional de Controle da Tuberculose para avaliação da implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF. Visitas de supervisão a estes locais, farão parte do programa de garantia de qualidade associado com a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF, e serão realizadas trimestralmente ou com intervalos de tempo pré-determinados, conforme acordado pelo Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Visitas de supervisão ad hoc também podem ser requeridas. Reveja as instruções para avaliadores (página ) antes de completar esta avaliação. Nome do avaliador (es) Função e organização do avaliador Nome do local/instituição a ser avaliado Localização do local/instituição a ser avaliado (Cidade/Vila, Distrito e País) Contacto da pessoa do local/instituição (clínico) Nome e localização do laboratório que realiza Xpert MTB/RIF, caso não seja efectuado no mesmo lugar Data da visita de avaliação Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

2 Instruções para avaliadores A ferramenta de avaliação e monitorização clínica (Visita de avaliação global) é para ser usado para avaliar todos os sites de clínicas/instituições que oferecem serviços de TB Esta avaliação está dividida em quatro seções: o Secção A: Informação clínica do site/local o Secção B: Informação clínica do site/local (apenas sites de testagem Xpert MTB/RIF) o Secção C: Checklist avaliação clínica do site/local o Secção D: Não-conformidades e acções correctivas Nota: Todas as questões nesta ferramenta de avaliação e monitorização clínica (Visita de avaliação global) são mandatórias. O avaliador irá elaborar um relatório, que será compartilhado com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose, após a visita. O relatório irá listar as não-conformidades (Secção D) e recomendações sobre acções corretivas. Os avaliadores deverão rever os registos disponíveis para verificação das respostas fornecidas pela equipe clínica. Se possível, o avaliador deve organizar para que seja possível a observação da colheita de expectoração. Secção A Nesta seção, é pedido ao avaliador que recolha informações gerais sobre o local/clínica a ser avaliada. Esta seção será mais facilmente preenchida com a ajuda do Director clínico do local (ou um membro sénior da equipe clínica). As respostas devem ser registadas nos espaços fornecidos. Qualquer informação adicional (pertinente) também deve ser colhida e incluída no relatório de avaliação do local. Secção B Nesta seção, é pedido ao avaliador que recolha informação adicional relativa aos procedimentos associados com a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF. Esta seção será mais facilmente preenchida com a ajuda do Director clínico do local (ou um membro sénior da equipe clínica). As respostas devem ser registadas nos espaços fornecidos. Qualquer informação adicional (pertinente) também deve ser colhida e incluída no relatório de avaliação do local. Secção C Nesta seção, é pedido ao avaliador que avalie a implementação do teste GeneXpert Xpert MTB/RIF no local, em categorias. O avaliador deverá selecionar Sim, Parcial ou Não com base na interpretação que o avaliador fizer das respostas verbais às questões por ele colocadas. Comentários obrigatórios devem ser incluídos na última coluna para quaisquer questões para as quais a resposta "parcial" ou "Não" for dada. Secção D Nesta seção, o avaliador deve reunir todas as questões para as quais a resposta foi "não" (ou seja, não-conformidades) ou "Parcial", e fazer recomendações para acções corretivas. O avaliador deve também indicar se o seguimento da não-conformidade é exigido na próxima visita de avaliação. Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

3 Secção A: Informação clínica do local Quais os serviços de saúde oferecidos nesta unidade de saúde? (a) Rastreio HIV (b) Serviços pré-natal (c) Gestão de doenças crónicas (d) Rastreio TB (e) Outros Esta unidade é (selecione uma): (a) Unidade saúde satélite (b) Unidade saúde primária (c) Unidade de saúde de referência A unidade usa um registo para suspeitos de TB? Se sim, quantos registos desses existem, e onde estão localizados? Quantas amostras de expectoração são colhidas por cada suspeito e para que testes de diagnóstico? As amostras de expectoração são colhidas por: (a) Pessoal clinico (b) Pessoal do Laboratório (c) Pessoal clínico e laboratório Existe uma zona de espera separada, utilizada para os suspeitos de tuberculose? Qual o laboratório de referência utilizado pela instituição clínica? Qual a distância? As amostras para cultura e teste de sensibilidade aos antibióticos são enviadas diretamente para o laboratório de referência, ou primeiro para um laboratório local, e em seguida para o laboratório de referência? Existem facilidades para cuidado e tratamento de TB-MDR no local? Se não, onde está localizado o centro mais próximo? Todos os casos de TB-MDR são tratados na Unidade de TB-MDR? Algum caso de TB-MDR recebe tratamento para TB-MDR na comunidade? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág. de 9

4 Secção B: Informação clínica do local (só locais com testagem Xpert MTB/RIF) O site executa Xpert MTB/RIF no local? Se Não, com que frequência amostras de expectoração para testagem Xpert MTB/RIF são transportadas o laboratório ou para outro local para realização do teste (por exemplo, diariamente, em dias alternados etc.)? Existem sites satélite a referir amostras para testes Xpert nesta facilidade? Se sim, quantos sites satélite referem testes Xpert para esta facilidade? Existe em prática um mecanismo de transporte de amostras para o envio de amostras deste site para o laboratório onde se faz o teste Xpert? Se você receber um resultado positivo para o teste Xpert MTB/RIF, o site tem capacidade para iniciar o tratamento? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.4 de 9

5 Secção C: Checklist de avaliação clínica do local. Documentação A. Registo de Laboratório e Suspeitos TB Existe um Livro de registo de suspeitos de TB no local/clínica? O Livro de registo de suspeitos de TB é preenchido corretamente? Todos os resultados de Xpert MTB/RIF são corretamente registados no Livro de Registo do Laboratório? Todos os resultados de Xpert MTB/RIF são corretamente transferidos para o Livro de registo de suspeitos de TB? Todos os resultados positivos para Xpert MTB/RIF são introduzidos no Livro de registo de TB do distrito? No caso de Xpert MTB/RIF positivo, o número de TB do Distrito é registado no Livro de registo do Laboratório? Os resultados de TSA são devidamente registados no Livro de registo de suspeitos de TB? Existe um Livro de registo de tratamento de TB no local/clínica ou no escritório a nível distrital onde são registados os casos de TB confirmados? B. Algoritmo de diagnóstico 4 A nova requisição de exames de laboratório (esfregaço e Xpert) aprovada pelo PNCT está disponível e a uso na instalação? O site/clínica tem uma cópia do algoritmo nacional actual? A equipa clínica recebeu formação no novo algoritmo? Os membros da equipa clínica entendem o algoritmo? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.5 de 9

6 5 6 Os membros da equipa clínica seguem o algoritmo de diagnóstico para o pedido de testes de Xpert MTB/RIF? A clínica/clínicos solicita testes adicionais como exigido pelo algoritmo nacional? C. Pedidos e resultados teste Xpert MTB/RIF Os contentores e requisições de amostras para testagem Xpert são devidamente preenchidos/completos? As amostras de expetoração para Xpert MTB/RIF são propriamente rastreadas utilizando um diário de bordo ou um documento de seguimento da amostra? Algum indicador de qualidade para Xpert MTB/RIF é registado pelo site? Ex.: a) Número de amostras testadas b) Número de Xpert MTB/RIF testes com resultado positivo c) Número de amostras rifampicina resistente D. Seguimento e encaminhamento O site tem um sistema para acompanhamento de pacientes com diagnóstico recente de TB que ainda não estão em tratamento? As amostras de expectoração encaminhadas para cultura e para TSA são rastreadas adequadamente usando um diário de bordo ou um documento de seguimento da amostra? Existe em vigor um sistema de transporte para o envio de amostras para o laboratório para realização de cultura e TSA? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.6 de 9

7 4 O site tem um registo de pacientes encaminhados para a Unidade de TB- MDR (ou seja, transferidos para fora)?. Colheita e transporte de amostras A equipa conhece os requisitos das amostras para realização do teste Xpert MTB/RIF? A equipa foi formada em procedimentos de colheita de amostra? São dadas instruções adequadas aos suspeitos de tuberculose sobre como produzir expectoração de boa qualidade? A equipa verifica a qualidade e quantidade das amostras de expectoração antes de as enviar para o laboratório ou outro local? A equipa pede ao paciente para produzir nova amostra de expectoração nos casos em que a qualidade ou quantidade não é adequada? As amostras de expectoração são colhidas no exterior ou numa área apropriada, ventilada e afastada de outras pessoas? As amostras de expectoração são guardadas antes de serem transportadas para o laboratório ou outro site? Se sim, em que condições? As amostras são embaladas de forma adequada, de acordo com as regulamentações locais e internacionais, antes de serem transportadas para o laboratório ou outro site? As amostras são transportadas para o laboratório ou outro local dentro de prazos aceitáveis (7 dias)? Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.7 de 9

8 . Segurança 4 A equipa clínica está treinada em biossegurança, e medidas de controlo de infecção estão em vigor na clínica e zonas de espera dos pacientes? Estão disponíveis para profissionais de saúde e pacientes, Equipamentos de proteção individual (EPI) adequados? São fornecidos aos suspeitos de tuberculose máscaras respiratórias na chegada à clínica? E/ou faz-se a triagem de pacientes com tosse e encaminhamento destes para uma sala de espera separada? Motoristas/correios e auxiliares de limpeza que trabalham na clínica são formados em práticas de biossegurança relevantes para o desempenho das suas tarefas de trabalho? Secção D: Não-conformidades e acções correctivas Não-conformidades Acções correctivas recomendadas Seguimento necessário Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.8 de 9

9 Assinatura do avaliador: Data: Assinatura do destinatário do relatório: Designação (ex.: gestor do local, clínico): Data: Checklist Monitorização clínica Xpert Pág.9 de 9

Test. Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Instalação Xpert

Test. Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Instalação Xpert laboratorial Esta ferramenta destina-se a ser utilizada por pessoal/consultores que efectuam visitas de monitorização e supervisão em nome do Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), para instalação

Leia mais

Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Pré-entrega Xpert. Número de módulos. Detalhes da impressora

Ferramenta de monitorização e avaliação laboratorial Checklist Pré-entrega Xpert. Número de módulos. Detalhes da impressora Checklist Pré-entrega Xpert Parte 1: Detalhes de contacto Data de instalação Nome da instituição/ Nome laboratório Detalhes de contacto da instituição: Nome, Responsável laboratório com GeneXpert Detalhes

Leia mais

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital - Checklist Pré-Instalação Xpert Parte 1:Perfil laboratório Data da Avaliação/Auditoria Nome(s) e Afiliação do Assessor (es) Nome (s) contacto laboratório Telefone/email Nome laboratório Distrito Região

Leia mais

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB)

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Manejo da Coinfecção TB-HIV Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Professora: Denise Arakaki-Sanchez O Ministério de Saúde, através da Nota Informativa CGPNCT/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Inquérito de avaliação Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Relatório Amadora Dezembro 2011 Inquérito de avaliação»1 Ficha

Leia mais

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA PÁGINA 2 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias 2 18 PÁGINA 3 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias

Leia mais

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose:

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. Dra. Tatiana Galvão Doutora e Pneumologista pela UFBA Professora Adjunta EMSP/UNIFACS 21 de abril 2016 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO TÉCNICA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ÁGUA Modo PARA Produção CONSUMO Biológico HUMANO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSULTOR

REGULAMENTO DO CONSULTOR De forma a assegurar o bom funcionamento das atividades de consultoria, o GIAGI Consultores em Gestão Industrial Lda. define um conjunto de regras para serem adotadas pelos consultores e seguidamente apresentadas,

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR)

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) Conjunto mínimo de indicadores para a gestão programática da TB MDR para os programas nacionais de controle de tuberculose. 1 Indicadores para

Leia mais

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE Manual de GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Serviço de Verificação

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

1 Proposta técnica e financeira

1 Proposta técnica e financeira Concurso estudo de base PRODEM Especificações técnicas pela compilação da proposta Estabelecer um estudo de base de qualidade é uma tarefa importante para o PRODEM. Incentivamos, portanto, empresas de

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 1 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e intensa

Leia mais

Manual. MOVITRAC B Desconexão segura Aplicações. Edição 06/ / PT

Manual. MOVITRAC B Desconexão segura Aplicações. Edição 06/ / PT Moto-redutores \ Accionamentos Electrónicos \ Drive Automation \ Serviços Desconexão segura Aplicações Edição 06/007 6865 / PT Manual SEW-EURODRIVE Driving the world Índice Notas importantes... Desconexão

Leia mais

SUMARIO. - Página 1 / 11

SUMARIO.  - Página 1 / 11 SUMARIO 1 Introdução... 2 2- Benefícios e Vantagens... 2 3 Como utilizar o Banco de Resultados... 2 3.1 Requisitos... 2 3.2 Recursos do Banco de Resultados... 3 3. 2.1 Superior... 3 3.2.1.1 - Opções...

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE ANATOMIA PATOLÓGICA CITOPATOLOGIA IMUNOPATOLOGIA Anatomia patológica é uma especialidade da medicina que tem como objetivo fazer diagnóstico das doenças através

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.171.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão

Leia mais

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS VERSÃO: DEZEMBRO/2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO AGENTE DE DEPÓSITO... 3 2.1 DA SELEÇÃO... 3 2.2 DOS

Leia mais

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN O Tratamento na População Carcerária Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN Histórico O Presídio Central, inaugurado em 1959 no bairro Partenon, está localizado

Leia mais

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa.

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. Política de Recrutamento e Seleção 1. OBJETIVO: Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. 2. ABRANGÊNCIA: Abrange todas as contratações de profissionais da empresa.

Leia mais

Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião

Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião Título Editor Autores Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião Data 2014/10/24 Versão 01 Distribuição Documento Sumário Daniel Sebastião, Mónica Branco Vários FAQtos_091_01_Ext_ResResultCMMatosinhos

Leia mais

Colheita e Recolha de Amostras

Colheita e Recolha de Amostras QUALIDE Página 1/10 Edição 2 Revisão 2 Data de Aprovação 06/06/2016 Objectivo: Descrever a metodologia seguida na colheita e recolha de amostras nas instalações dos Agentes Económicos, por parte dos seus

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL BALISAR SISTEMA E CORRIGIR FALHAS NORMA ISO 19011 DIRETRIZES\PARA AUDITORIA INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL QUE PODE SER APLICADO A QUALQUER EMPREENDIMENTO 1 AUDITORIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (Aprovado pelo Parecer do CONSEPE/USC n. 02A/14, em 13 de março de 2014) BAURU 2014 SUMÁRIO Capítulo I - Das Finalidades...

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Atualizado em 13/11/2014 A Avaliação de Desempenho é um importante instrumento de gestão que permite traçar um diagnóstico das necessidades da carreira do servidor, definir estratégias

Leia mais

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de janeiro de 2017 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0354 (NLE) 5725/17 SCH-EVAL 31 COMIX 66 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data:

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 658 30 de novembro de 2012 Página 2 de 6 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objetivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 5 5. Meios

Leia mais

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR)

INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) INDICADORES PARA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE (TB MDR) Conjunto mínimo de indicadores para a gestão programática da TB MDR para os programas nacionais de controle de tuberculose. World Health Organization

Leia mais

JUNHO Procedimento de controlo antidopagem da UEFA: um guia passo a passo

JUNHO Procedimento de controlo antidopagem da UEFA: um guia passo a passo JUNHO 2013 Procedimento de controlo antidopagem da UEFA: um guia passo a passo ÍNDICE 1. Selecção do jogador 2. Notificação do controlo antidopagem 3. No posto de controlo antidopagem 4. Fornecimento da

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO

LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS FLORESTAIS DE REPRODUÇÃO (art. 27º do Decreto-Lei n.º 205/2003, de 12 de setembro) PREENCHA COM LETRA LEGÍVEL E ESCOLHA AS OPÇÕES DE ACORDO COM

Leia mais

Assunto: PROCESSOS DE LICENCIAMENTO Orientações e procedimentos para instrução dos processos a sujeitar a parecer das Comissões Técnicas Nacionais

Assunto: PROCESSOS DE LICENCIAMENTO Orientações e procedimentos para instrução dos processos a sujeitar a parecer das Comissões Técnicas Nacionais Circular Circular Normativa Assunto: PROCESSOS DE LICENCIAMENTO Orientações e procedimentos para instrução dos processos a sujeitar a parecer das Comissões Técnicas Nacionais Nº 05/DSAC Data: 03/04/02

Leia mais

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 PLANO : 1. INTRODUCAO 2. GESTAO FARMACEUTICA 3. POLITICA, LEGISLACAO, REGULACAO 4. SEGURANCA DE

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

Parte I: Informações relativas à remessa enviada

Parte I: Informações relativas à remessa enviada Certificado intracomunitário Parte I: Informações relativas à remessa enviada I.1. Expedidor I.2. N. de referência do certificado I.2.a. N.º de referência local: I.3. Autoridade Central Competente I.4.

Leia mais

Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E.

Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E. Monitorização do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, CHLN, E.P.E. 1 º Semestre 2015 Serviço de Auditoria Interna MONITORIZAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA

ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA Inquérito para avaliação da Idoneidade e da Capacidade Formativa dos Serviços de Pediatria Ano: Hospital: O internato de Pediatria deve ser realizado

Leia mais

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico UPU UNIÃO POS TAL UNIVERSA L Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico Berna 2014 Lis 2 Índice Página 1. Introdução 3 2. Campo de aplicação 3 3. Referências normativas

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3 Página: 1 de 9 SUMÁRIO 1. ESCOPO... 3 2. MANUTENÇÃO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. PROCEDIMENTO... 3 5.1. GERAL... 3 5.2. APELAÇÃO... 4 5.3. ABERTURA E ANÁLISE CRÍTICA INICIAL DA RECLAMAÇÃO...

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE INFORMAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO DA REDE ESCOLAR ORIENTAÇÃO SOBRE CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS A inclusão da Reclassificação no Sistema

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

Padrões De Qualidade Para Medição De Desempenho Dos Serviços Do Programa De Reabilitação Nutricional

Padrões De Qualidade Para Medição De Desempenho Dos Serviços Do Programa De Reabilitação Nutricional REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Padrões De Qualidade Para Medição De Desempenho Dos Serviços Do Programa De Reabilitação Nutricional Outubro de 2016 Produzido com apoio do Projecto FANTA da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES. Modo Produção Biológico CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES. Modo Produção Biológico CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO CONDIÇÕES PARTICULARES DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO...

Leia mais

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 9 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6170/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações COHOM 16 CONUN 54 SOC 81 FREMP 11 n.º doc. ant.:

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Para qualquer esclarecimento é favor contactar: Dra. Carla Caldeira

Para qualquer esclarecimento é favor contactar: Dra. Carla Caldeira Exmos. Senhores, O Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA (PNVIH/SIDA) criou, na sua página eletrónica www.pnvihsida.dgs.pt, uma plataforma que integra um módulo específico para registo informático

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB MANUAL DE PROCEDIMENTO 2013 REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB Artigo Assunto Página 1 Definições... 225 2 Conselho diretor... 225 3 Eleições e mandatos... 225 4 Deveres do conselho diretor...

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

Agrupamento Escolas de Alvalade. Nova plataforma de Microsoft Office 365. A. Instruções para acesso à plataforma de via web

Agrupamento Escolas de Alvalade. Nova plataforma de  Microsoft Office 365. A. Instruções para acesso à plataforma de  via web Nova plataforma de e-mail A. Instruções para acesso à plataforma de e-mail via web 1. Escolha um browser (Internet Explorer, Chrome, Firefox, Safari, ) 2. Aceda ao portal do agrupamento e digite o endereço

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ET Modo IPQ 107-1 Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Pág: 1/9 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Inclusão do item 3.5 - Alterações nos Requisitos de Certificação 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão geral do procedimento

Leia mais

Colheita de Amostras de Água

Colheita de Amostras de Água Documento de Divulgação Externa Certificação de Técnicos de Colheita de Amostras de Água destinada ao Consumo Humano Mod.CER.009-04 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERIZAÇÃO DA CATEGORIA... 3 3 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL

FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL FUNDAÇÃO ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA AUDIÇÕES INTERNACIONAIS 2015 EDITAL A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira anuncia audições para a Temporada 2015, visando ao preenchimento das vagas de: Violino

Leia mais

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada.

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada. 1. Introdução 1.1 Este regulamento tem como objetivo descrever os requisitos gerais do funcionamento do organismo de certificação de pessoas (OCP) da AIPOR. 1.2 O processo de acreditação do OCP foi concebido

Leia mais

DECLARAÇÃO DA POLÍTICA:

DECLARAÇÃO DA POLÍTICA: TÓPICO: ia e Assistência Financeira (FAP) DECLARAÇÃO DA POLÍTICA: Faz parte da política do Health Alliance, que é membro do UMass Memorial Health Care System, prestar serviços com desconto aos pacientes

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA EDITAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA EDITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA EDITAL Processo Seletivo 2017/2 Doutorado O Programa de Pós-Graduação em Matemática

Leia mais

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 28.5.2014 L 159/41 REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 574/2014 DA COMISSÃO de 21 de fevereiro de 2014 que altera o anexo III do Regulamento (UE) n. o 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação.

Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação. Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação. Esta síntese não substitui a leitura de toda a documentação exposta e enviada electronicamente

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo Novidades no EPC GM O GM Next Gen EPC possui inúmeras funcionalidades novas concebidas para tornar a localização da peça certa mais rápida e fácil. Para obter instruções mais detalhadas sobre cada funcionalidade,

Leia mais

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório 1. ASPECTOS LEGAIS O Estágio Supervisionado tem caráter curricular obrigatório e é uma exigência

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS PT L 341/10 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2013 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1352/2013 DA COMISSÃO de 4 de dezembro de 2013 que estabelece os formulários

Leia mais

Manual do Utilizador. Declaração Anual Suporte Informático. Anexo J /Modelo 10

Manual do Utilizador. Declaração Anual Suporte Informático. Anexo J /Modelo 10 Manual do Utilizador Declaração Anual Suporte Informático Anexo J /Modelo 10 TSR Sistemas de Informação, Lda. FEVEREIRO 2010 Pág. 2 Índice Objectivo... 3 Instalação... 3 Utilizadores... 3 Utilitários de

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA Pág. 1 de 5 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A CARTA DE BURRA PROCEDIMENTOS As novas linhas de orientação para acompanharem a Carta de Burra revista (1999) estarão disponíveis em breve. As seguintes linhas de

Leia mais

Nº 3 - Informações Sobre Execução

Nº 3 - Informações Sobre Execução Nº 3 - Informações Sobre Execução 1 1. VALORES ESTABELECIDOS NO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº 1628/OC-BR, PARA LICITAÇÃO /AQUISIÇÃO DE BENS E LICITAÇÃO/CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS (QUE NÃO OS DE CONSULTORIA)

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Regulamento de Estágio Supervisionado Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Art 1 o. O presente Estatuto disciplina os aspectos da organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado do

Leia mais

CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA HOSPITAL SÃO LUCAS DA PUCRS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA HOSPITAL SÃO LUCAS DA PUCRS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA HOSPITAL SÃO LUCAS DA PUCRS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Porto Alegre Versão 01 - Dezembro de 2013 1 Comitê Gestor: Prof. Jorge Luis Nicolas Audy Pró-Reitor de Pesquisa,

Leia mais

Manual Rápido do Sistema GPC Gestão de Classificações 2011 (Clube Columbófilo de São Miguel)

Manual Rápido do Sistema GPC Gestão de Classificações 2011 (Clube Columbófilo de São Miguel) Manual Rápido do Sistema GPC Gestão de Classificações 2011 (Clube Columbófilo de São Miguel) Este manual pretende dar uma visão da estrutura principal do programa. Se o utilizador seguir os passos indicados

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 - BR - Procedimento de Reclamação - Cliente Página 2 de 8 PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Guaratinguetá, SP Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 -

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL Pág.: 1 / 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO 2. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA 3. MODO DE PROCEDER 3.1. Introdução 3.2. Recolha de Currículos dos Candidatos 3.3. Organização Interna dos Currículos 3.3.1. Arquivo

Leia mais

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado As atividades a serem conduzidas para a Certificação do Sistema de Gestão de sua Empresa serão realizadas de acordo com os requisitos, princípios, critérios e práticas de auditoria, com o objetivo de se

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇO DE INVESTIGAÇÄO DE PRODUTO

TERMOS DE SERVIÇO DE INVESTIGAÇÄO DE PRODUTO TERMOS DE SERVIÇO DE INVESTIGAÇÄO DE PRODUTO Estes Termos de Serviço de Investigação de Produto regem o Serviço de Investigação de Produto executado pela Parte Contratante UL para o Cliente (algumas vezes

Leia mais

Convocação para Entrega de Resumos

Convocação para Entrega de Resumos Convocação para Entrega de Resumos 4ª Conferência Sul Americana PHYSIO PILATES - POLESTAR PILATES Maturidade Ativa Salvador/ Bahia, Brasil 27 a 29 de setembro de 2012 Categorias de apresentações e de solicitações

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

Guide for the preparation, utilization and quality assurance of blood components. 31. Transfusão

Guide for the preparation, utilization and quality assurance of blood components. 31. Transfusão Guide for the preparation, utilization and quality assurance of blood components 14th edition Council of Europe Publishing 31. Transfusão 1. Medidas de segurança... 1 2. Vigilância clínica... 2 3. Manipulação

Leia mais

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS Ana Marçal Acção de Formação sobre Resíduos Industriais 23 de Novembro de 2010 GESTÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE RESÍDUOS A elaboração de estatísticas sobre resíduos é reconhecida

Leia mais

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO . NOME DA ATIVIDADE: RESULTADOS ESPERADOS: - VERIFICAR SE A EMPRESA ESTÁ ATENDENDO ÀS EXIGÊNCIAS LEGAIS. - MANTER O EMPREGADOR INFORMADO SOBRE AS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AO SEU NEGÓCIO. - ORIENTAR

Leia mais

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313 TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER CTR313 Medidor portátil, muito fácil de usar, com tempo de resposta elevado, sendo um equipamento ideal para higiene e segurança no trabalho, monitorizações contínuas de

Leia mais

1. Programa de Comparação Interlaboratorial de Calibração de Trenas (PEP-UFSC-JOI-METEQ-002:2016)

1. Programa de Comparação Interlaboratorial de Calibração de Trenas (PEP-UFSC-JOI-METEQ-002:2016) 1. Programa de Comparação Interlaboratorial de Calibração de Trenas (PEP-UFSC-JOI-METEQ-002:2016) Universidade Federal de Santa Catarina Campus de Joinville Centro Tecnológico de Joinville Departamento

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO LABORATÓRIOS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO LABORATÓRIOS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Pág. 1 de 5 1. Objetivo O presente documento tem como finalidade definir requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios não destrutivos, incluindo disposições com vista à harmonização

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA

FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA A componente prática da formação é assegurada através de formas diversificadas de contacto com o mundo do trabalho, nomeadamente: ACTIVIDADES DE INTEGRAÇÃO Realizadas

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais