POLÍTICAS PÚBLICAS. Palavras-chave: política pública - tema gerador - educação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS PÚBLICAS. Palavras-chave: política pública - tema gerador - educação."

Transcrição

1 O TEMA GERADOR NA RELAÇÃO COM A POLÍTICAS PÚBLICAS 90 CONSTITUIÇÃO DE Solange Toledo Von Onçay 1 RESUMO: O presente texto faz uma reflexão do processo de sistematização que busca investigar, até que ponto a proposta educacional desenvolvida como uma das dimensões do Projeto Vida na Roça no município de Dois Vizinhos/PR, incorpora os ideários e os princípios da proposta freireana do tema gerador, trazidas e recriadas no contexto da educação do campo e quais as possibilidades de, por meio desta experiência, constituir políticas públicas. Nesse sentido, aponta caminhos inovadores para a escola na perspectiva de realimentar o processo, não apenas educacional, mas, sobretudo, social e político nas comunidades do campo. Palavras-chave: política pública - tema gerador - educação. ABSTRACT: The current text makes a though of the systematization process that tries to investigate, until what point the educational proposal developed as one of the Projeto Vida na Roça dimensions in the county of Dois Vizinhos/PR, incorporate the ideas and the principles of the generator topic of the Freire s proposal that was brought and recreated in the context of country education and which the possibilities through this experience to form public policies. In this way, point out innovators ways for the school in an outlook of refeeding the process, not only educational, but overall, social and politic in the communities of the country. Key words: public policy; generating topic; education. 1 Solange Todero Von Onçay é Pedagoga, Mestre em Educação pela UPF - Faculdade de Educação da Universidade de Passo Fundo/RS. Doutoranda em Antropologia Social pela UNAM - Universidad Nacional de Misiones - Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales- AR. Como Educadora Popular tem uma trajetória junto aos Movimentos Sociais, e atualmente atua junto a Assesoar/Francisco Beltrão-PR.

2 91 1. INTRODUÇÃO O objeto de investigação, que busco compreender e analisar, tem como base imediata as práticas pedagógicas identificadas com a proposta freireana do tema gerador, trazidas e recriadas no contexto da educação do campo 2 e no seio do Projeto Vida na Roça 3 desenvolvido no município de Dois Vizinhos-PR. Por meio da formação continuada embasada na proposta do Tema Gerador, Educadores e Educadoras, coloca em diálogo a prática pedagógica com a prática social, percebendo neste instrumental metodológico, uma ferramenta capaz de gerar e realimentar o processo, tanto educacional, como social e político, na perspectiva da emancipação das comunidades do campo. Neste sentido, tem-se por objetivo principal neste ensaio, investigar 4 : até que ponto a Educação do Campo, incorpora os ideários e os princípios da educação popular e quais as possibilidades, de por meio desta experiência, constituir políticas públicas; ou seja, é possível articular e construir políticas públicas através da escola, por meio da metodologia do tema gerador, quais as condições necessárias e como acontece este processo. As principais indagações que motivam a investigação são as seguintes: O tema gerador pode tornar-se um instrumento de geração ou articulação de políticas públicas? Que condições são necessárias para isso? Em que tempos e espaços acontecem essas práticas? Tais processos pedagógicos, tornam-se suficientemente consistentes para mobilizar a participação ativa das comunidades? Em que grau a metodologia do tema gerador, permite a constituição de políticas públicas? Como a escola pode estabelecer a relação com o poder público, o qual vem se A noção de Educação do Campo em estudo neste trabalho origina-se a partir das formulações desenvolvidas pelos movimentos sociais, de bases populares, envolvidas nas lutas políticas em torno da questão agrária no Brasil. Relaciona-se na esfera das políticas públicas entre as lutas que expressam a hegemonia e contra-hegemonia na relação entre Estado e Sociedade Civil. A Educação do Campo desse modo é compreendida como um direito social, aos camponeses pobres, tendo seu fundamento jurídico nas garantias e direitos individuais e sociais, assegurados na Constituição Brasileira e previsto na Lei 9394/96. (COSTA, 2007: 6) O Projeto Vida na Roça PVR - trabalha com uma concepção de desenvolvimento integral no qual busca desenvolver as diferentes dimensões que fazem parte do mesmo dentre elas a produção, a saúde, o lazer, o saneamento e a educação que o texto se propõe aprofundar. Uma significativa experiência que vem sendo capaz de gerir desenvolvimento a partir dos Sujeitos locais, imprimindo mobilização e capacidade organizativa nas comunidades do campo. Por meio da escuta da fala coletiva, vem possibilitando que os sujeitos envolvidos (que vivenciam a dinâmica), instaurem processos de compreensão da situação em que estão inseridos, e, ao analisar a mesma, ao estabelecer prioridades coletivas de ação, as negociam nos aportes das políticas públicas, intervindo assim, inclusive nas concepções e rumos da gestão pública. Tomo como referência o período em que a educação passa ser uma dimensão debatida junto ao Projeto Vida na Roça. Compreende o recorte temporal de 2006 até o momento atual. Momento em que encontram-me organicamente ligada à experiência.

3 92 apresentando como agente que encaminha as decisões resultantes da correlação de forças estabelecidas junto à sociedade civil? Há na essência do processo em questão, um caráter político transformador, seja na forma escolarizada, seja no processo de educação popular desenvolvido no contexto? Neste contexto, compreende-se que é fundamental potencializar estas experiências, sistematizando processos que podem constituirem-se em referenciais para uma pedagogia que atue na perspectiva da emancipação das classes populares. Uma escola que se constitua num espaço de conhecimento e aprendizagem, em que a construção de sujeitos autônomos seja o central, contribuindo também para a discussão e elaboração de um projeto que expresse e sintetize necessidades e vontades do ser humano enquanto ser da práxis. Assim, busca-se reconhecer a singularidade dessas práticas, confrontando-as com outras também singulares, sem contudo esgotar a discussão construtiva do emergente, mas registrar e sistematizar proposições que possam contribuir para a construção de uma experiência construtora de novos caminhos e de novas possibilidades de carácter educativo. 2.1 Os Fundamentos teóricos do Tema Gerador: tecendo caminhos Durante os últimos tempos acumulamos produções relevantes nas diversas áreas de pesquisa em educação, entretanto, o diálogo entre o pensar e o fazer pedagógico, ainda é escasso e necessário. De outro lado, temos visto emergir processos educativos que na interfase com a escola, apontam para novas pedagogias construídas por diferentes Sujeitos, dentre eles, os educadores críticos, que fazem de suas práticas objetos de estudo e reflexão. Trata-se de gestar a pedagogia das classes populares, preocupada em aproximar as tarefas do campo político `as do campo pedagógico, por meio das quais e conscientes de sua situação social e histórica, educadores e comunidade educativa, refletem e agem para superar os limites que impossibilitam de fazer da escola, um espaço verdadeiramente a serviço da emanciapação do povo. Busca-se, por meio do pensar-fazer da escola, jogar pedrinhas no campo da transformação (Falkembach, 1985), num devir de uma luta a favor das classes populares 5, para a 5 Pensa-se, na experiência fundada numa outra cultura econômica, social, política e cultural, capaz de criar uma identidade de classe; nas palavras de Thompson (1987), fazer-se da classe. A classe acontece quando homens, como resultado de experiências comuns (herdadas ou partilhadas), sentem e articulam a identidade de seus interesses entre si, e contra homens cujos interesses diferem (e geralmente se opõem) dos seus. A experiência de classe é determinada, em grande medida, pelas relações de produções em que os homens nasceram ou entraram

4 93 qual, segundo Gramsci 6 (1978), a escola é uma das mais importantes trincheiras. A sistematização tem sido uma das principais ferramentas capazes de permitir o traçado deste caminho, elevando a consciência de estarmos inseridos em nossas práticas, em razão de uma maior compreensão que passamos a ter sobre a mesma, e sobre o contexto onde ela se desenvolve. Segundo Falkembach (1995), sistematizar é aprender com nossas experiências. Isso implica colocar-nos em situação de aprendizagem frente ao nosso fazer e predispor-nos à problematização, circulando conscientemente e intuitivamente, entre os limites do novo e do já vivido. Todavia, ao falarmos do Tema Gerador como suporte teórico-metodológico do ensinar e do aprender tendo como ponto de partida a relação dialógica, torna-se imprescindível referendar o pensamento de Paulo Freire. Para isso buscarei revisar principalmente o III Capítulo da obra Pedagogia do Oprimido (1969), onde Freire fundamenta o trabalho com os Temas geradores de forma mais sistematizada do que havia feito antes em outros escritos, especialmente em Educação como prática da liberdade (1965). Neste bojo, é importante entender que Freire ao indagar sobre os conteúdos doutrinários e ideologizados, coloca o Sujeito e não o conteúdo no centro do processo educativo, e por isso, ao referir-se ao conteúdo, inaugura o diálogo com as classes populares, dando base para a concepção de educação libertadora. Poderíamos dizer que é com a mesma veemência com que Gramsci polemizara as estruturas e conteúdos da escola burguesa, que Freire condena a concepção bancária da educação, porém cabe destacar que entre Gramsci e Freire, há diferenças no modo de conceber a busca construtiva dos novos conteúdos. Enquanto para Gramsci, na escola unitária que vinculava cultura e trabalho, a questão era ensinar dogmaticamente (sempre de forma relativa) os primeiros elementos da nova concepção de mundo... (Manacorda, 1977, 178), para Freire, voltado ao oprimido e seu mundo, o 6 involuntariamente. A consciência de classe é formada como essas experiências são tratadas em termos culturais: encarnadas em tradições, sistemas de valores, idéias e formas institucionais (Thompson, 1987, p.10). Antonio Gramsci tornou-se um dos mais famosos pensadores de esquerda da Europa por procurar renovar conceitos do marxismo e responder aos problemas para os partidos comunistas e socialistas no período fascista e após a segunda guerra mundial. Italiano, nasceu em Ales, na Sardenha, em Preso em 1926, passou dez anos nas prisões fascistas de onde saiu para morrer, logo em seguida. Mesmo sob controle carcerário rigoroso, desenvolveu uma grande atividade intelectual, expressa na obra Cadernos do Cárcere : vinte e seis cadernos que enviou para fora da prisão. Dentre o legado, encontra-se fundamentos de uma proposta educacional a serviço da emancipação do proletariado classe trabalhadora.

5 conteúdo da educação como prática da liberdade não poderia ser doado pelo educador ou político, sob pena de estar reeditando, a concepção bancária narrativa e dogmática. 94 Surgem então as questões: Como buscar o pensar verdadeiro do povo? Diante do conjunto de idéias e opiniões desagregadas e histéricas encontradas no senso comum, qual o caminho? Como alicerçar a educação às situações concretas de opressão vivenciada pelos oprimidos? Ao tecer relações entre o mundo e os homens e destes entre si, Freire desafia-nos para a busca de uma nova concepção metodológica nos fazendo perceber outro ponto de partido para a busca dos conteúdos: É na realidade mediatizadora, na consciência que dela tenhamos educadores do povo, que iremos buscar o conteúdo programático da educação. (1987:87) Considera que o momento deste buscar é o que inaugura o diálogo da educação como prática da liberdade. É o momento em que se realiza a investigação do que chamamos de universo temático do povo ou o conjunto de seus temas geradores. (1987:87. A investigação, nesta concepção, passa ser a possibilidade de apreensão da temática significativa e a tomada de consciência em torno desta temática. Argumenta: Esta investigação implica, necessariamente, uma metodologia que não pode contradizer a dialocidade da educação libertadora. Daí que seja igualmente dialógica. Daí que, conscientizadora também, proporcione, ao mesmo tempo, a apreensão dos 'temas geradores' e a tomada de consciência dos indivíduos em torno dos mesmos. (1987: 87) Temos assim o Tema Gerador, presente no universo temático do povo, cujo (...) conjunto de temas em interação, constitui o 'universo temático' da época. (1987:93) Os temas se encontram, em última análise, de um lado, envolvidos, de outro, envolvendo as 'situações-limites', enquanto as tarefas que eles implicam, quando cumpridas, constituem os 'atoslimites' ao quais nos referimos.(1987:93) Situações limites, segundo Freire, são as que (...) se apresentam aos homens como se fossem determinantes históricas, esmagadoras, em fase as quais não lhe cabe alternativas senão adaptar-se. (1987: 94) É o limite de compreensão que este grupo possui de sua realidade. Limítrofe, que se apresenta de forma estanque e que permitem apenas soluções isoladas.

6 Argumenta Freire: 95 Será a partir da situação presente, existencial, concreta, refletindo o conjunto de aspirações do povo, que poderemos organizar o conteúdo programático da educação ou da ação política. O que temos de fazer, na verdade, é propor ao povo, através de certas contradições básicas, sua situação existencial, concreta presente, como problema que, por sua vez, o desafia e, assim, lhes exige resposta, não só no nível intelectual, mas no nível da ação. ( 1987:86) Para Freire, este é o esforço que precisamos realizar, propor ao povo sua situação existencial concreta, como algo que o desafia e para isso, precisa ser entendida dentro da totalidade. Isto exige uma metodologia cuja análise crítica, possibilita reconhecer a interação das partes. A questão fundamental, neste caso, está em que faltando aos homens uma compreensão crítica da totalidade em que estão, captando-a em pedaços nos quais não conhecem a interação constituinte da mesma totalidade, não podem conhecê-la. E não podem porque, para conhecê-la seria necessário partir do ponto inverso. Isto é, lhes seria indispensável ter uma visão de totalidade do contexto para, em seguida, separarem ou isolarem os elementos ou as parcialidades do contexto, através de cuja visão voltariam com mais claridade à totalidade analisada. (1987: 96) Assim, a captação e a compreensão da realidade se perfazem ganhando um nível não existente antes. Os homens tendem a perceber que sua compreensão e que a 'razão' da realidade não estão fora dela, como, por sua vez, ela não se encontra deles dicotomizada, como se fosse um mundo à parte, misterioso e estranho, que os esmagasse. (1987: 96). Desta forma, não há como surpreender os temas históricos isolados, soltos, desconectados, coisificados, parados, mas a relação dialética com outros, seus opostos. Como também não há outro lugar para encontrá-los que não seja na relação homem-mundo. O conjunto dos temas em interação constitui o universo temático da época. (1987:93). Esclarece Freire: Ao educador do povo, dialógico, a tarefa é, (...) trabalhando em equipe interdisciplinar este universo temático recolhido na investigação, devolvê-lo, como problema, não como dissertação aos homens e quem recebeu. Se, na etapa da alfabetização, a educação problematizadora e da comunicação busca e investiga a 'palavra geradora', na pós-alfabetização, busca e investiga o tema gerador. (1987:102) No contexto educacional de Dois Vizinhos, o debate do Tema Gerador implicou num estudo de seus fundamentos. Procurava-se respostas às seguintes indagações: O que queria Paulo Freire ao

7 96 anunciar essa ferramenta ao campo da educação popular? Como a escola poderia estabelecer vínculos com o Projeto Vida na Roça que gerava processos de desenvolvimento no contexto onde a escola estava inserida? Que ferramenta teórico-metodológica poderia tornar a escola um espaço/tempo de vivência e partilha de uma cultura, que ressignificada, iria construindo identidades, re-avivando o ser sócio-político-cultural dos sujeitos envolvidos? Como vincular a escola à prática social, ou seja, s experiências, saberes, vivências presentes na comunidade educativa? As escolas do campo de Dois Vizinhos, tem instaurado um movimento reflexivo, permitido voltar um olhar investigativo, problematizador, sobre as tarefas da escola, que passou-se a abrir mais para comunidade. Um processo, caracterizado pela auto-formação e formação do coletivo de educadores, tendo como referência o 'método da práxis' fundamentada na reflexão no registro e na sistematização da prática pedagógica, à luz de contribuições teóricas. Nas palavras de Benincá e Caimi (2002). o método da práxis, porém, não se constrói ao longo do trabalho; ele é o coração de uma teoria. Não é o método, mas a prática pedagógica que se explicita e passa a ser compreendida ao longo do processo de investigação. [...] Diferentemente de um curso de atualização, que oferece conhecimentos já construídos e que rapidamente podem ser superados, o método da práxis mantém o investigador sempre em ação, já que trabalha com uma realidade sempre nova. A prática do professor, por isso, é uma fonte permanente de geração de conhecimentos. [...] Trata-se de um processo metódico de observação da prática, está registrada e refletida de forma sistemática. (Benincá e Caimi, 2002, 104) A formação continuada, no pensamento de Paulo Freire, tem como pressuposto a existência de um processo político-pedagógico capaz de ir permitindo que o coletivo de educadores faça de sua prática educativa, objeto de estudo, refletindo-a coletivamente, a luz de teoria. É isso que foi permitindo re-criar o processo pedagógico, a luz dos princípios do tema gerador. Este é o processo que vem se perfazendo, um percurso que se fecunda no cotidiano pedagógico, num devir da necessidade de re-pensar a escola que se coloca a serviço da classe trabalhadora.

8 O Projeto Vida na Roça e a relação com a Educação Pública do campo 7 Desde 2003, quando iniciou-se o PVR em Dois Vizinhos 8, tinha-se presente que a educação era uma das dimensões 9 importante a ser desenvolvida, e que a escola pública do campo não poderia ficar de fora desses debates. Sendo assim, aproveitando o movimento que vinha sendo impulsionando pelos debates da Educação do Campo, iniciou-se o trabalho pela problematizando a escola, confrontando aproximações e distanciamento desta concepção, primeiramente junto aos educadores pois entendíamos que eles precisavam primeiro re-conceber a escola, o campo, o papel da escola neste novo contexto de campo, percebendo dentro disso o PVR como um dos instrumentos capazes de proporcionar um outro debate e, frente a tudo isso, fazer a opção de repensar suas práticas educativas. A escola precisava ser re-concebida como um núcleo de expansão do próprio projeto. Ao comungar de um projeto único, (escola e comunidade) a escola precisava dialogar com o projeto. Antes de descrever o processo que vem sendo vivenciado, é importante destacar que a concepção de escola pública do campo está assegurada pelas Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo publicada em O parágrafo único do art.2º explicita: A identidade da escola do campo é definida pela sua vinculação às questões inerentes a sua realidade, ancorando-se na sua temporalidade e saberes próprios dos estudantes, na memória coletiva que sinaliza futuros, na rede de Ciência e Tecnologia disponível na Sociedade e nos Movimentos Sociais em defesa de projetos que associem as soluções para essas questões à qualidade social da vida coletiva no país. (MEC, 2002:37) Mediante este contexto, que vinha também sendo instigados pelos debates da educação do campo, partimos da escuta do coletivo de educadores, os quais tinham desejos de expressar um conjunto de limites e dificuldades, as quais, mesmo com muita dedicação e esforço da parte das escolas, ainda se faziam presentes. Assim, o grupo foi compreendendo a necessidade da formação A noção de Educação do Campo em estudo neste trabalho origina-se a partir das formulações desenvolvidas pelos movimentos sociais, de bases populares, envolvidas nas lutas políticas em torno da questão agrária no Brasil. Relaciona-se na esfera das políticas públicas entre as lutas hegemonia e contra-hegemonia na relação entre Estado e Sociedade Civil. A Educação do Campo desse modo é compreendida como um direito social, aos camponeses pobres, tendo seu fundamento jurídico nas garantias e direitos individuais e sociais, assegurados na Constituição Brasileira e previsto na Lei 9394/96. Ver publicação Volume I - Projeto Vida na Roça resgatando valores. Mastergraf, Dois Vizinhos, O PVR trabalha com uma concepção de desenvolvimento integral no qual busca desenvolver as diferentes dimensões que fazem parte do mesmo dentre elas a produção, a saúde, o lazer, o saneamento e a educação que o texto se propõe aprofundar.

9 98 continuada. Garantiu-se, então uma agenda de encontros mensais de estudo e planejamento do trabalho escolar, onde além da rede pública municipal incluiu-se a participação dos educadores da Rede Estadual. Os encontros, num primeiro momento, tinham como intencionalidade fazer com que os educadores fossem fazendo de suas práticas educativas objeto de estudo e reflexão, desconstruindo as formas transmissivas e conteudistas normalmente utilizadas nas escolas, ao tempo de ir construindo outras possibilidades teórico metodológicas que permitissem a ponte com a realidade do campo. Após alguns estudos, definimos que o ponto de partida do processo de construção do conhecimento seria a prática social concreta, entendendo dentro de sua complexidade histórica, política, social, econômica e cultural. A partir desta compreensão, passamos a re-afirmar alguns fundamentos que entendíamos importantes para dar conta do que estávamos nos propondo para o processo educativo, quais sejam: a) a concepção pedagógica que defendemos é aquela que dá conta de compreender o sujeito humano em sua totalidade, portanto, precisa ser problematizadora; b) precisa trazer presente as representações das situações vivenciadas e suas análises; c) ser capaz de realizar o movimento dialético de construção do saber, ou seja: parte-se da prática concreta, teoriza-se esta prática e constrói-se uma nova ação que já não é a mesma, é nova, re-fundamentada. Foi a partir disso que fomos ao encontro dos estudos e experiências do Tema Gerador, a reinvenção teórica metodológica do Educador Pernambucano Paulo Freire que nos ajudaria fazer o estudo da realidade, problematizar, e assim trazer esta realidade vivida para dentro do mundo da escola. Compreendeu-se que o Tema Gerador, tinha este nome pois permitia que o trabalho ia sempre gerando novos diálogos, problematizações, novos temas que iam dando origem a outros conhecimentos, buscando novas questões a serem aprofundados. Trabalhar com o Tema Gerador é permitir que um núcleo de contradições, problemas ou necessidades vivenciadas pela comunidade, faça parte do debate da escola. Chegou-se a compreensão do que propunha Paulo freire quando aponta que o Tema Gerador busca a transformação das situações limites diagnosticadas no processo.

10 99 Estudaram-se as quatro dimensões que fundam a proposta do Tema Gerador e que expressam como Freire concebia a educação, as quais consideram importantes destacar. Uma primeira dimensão é a epistemológica que diz respeito a construção do conhecimento. Nesta, Freire afirma que todos nos somos capazes de construir conhecimento, e é a realidade que proporciona as pontes, as conexões que permitem ao homem/mulher enunciar o mundo. Ao interagir, movimentar o espaço onde estamos inseridos incorpora aprendizagens. Uma segunda é a dimensão antropológica Toda ação educativa deve necessariamente estar precedida de uma reflexão sobre as pessoas e de uma análise do seu meio de vida concreto. Na medida em que o Ser Humano, integrado em seu contexto, reflete sobre o mesmo, e se compromete com a mudança, constrói a si mesmo e chega a ser sujeito. Uma terceira é a dimensão teleológica que é o que se objetiva com o processo educativo, onde Freire trabalha a conscientização. Diz: conscientização, este é o conjunto central de minhas idéias sobre a educação. A conscientização, que se apresenta como um processo num determinado momento, deve continuar sendo processo no momento seguinte, durante o qual a realidade transformada mostra um novo perfil. E, por último, a Concepção metodológica - que é método, o modo de fazer, na perspectiva de atingir as demais dimensões. Parte-se do conhecimento do senso comum para a produção coletiva do conhecimento de forma crítico - contextualizada. A investigação é a grande ferramenta metodológica. Nas palavras de Freire Investigar o tema gerador é investigar, repitamos, o pensar dos homens referido à realidade, é investigar seu atuar sobre a realidade, que é sua práxis, (1987:98) Foi a partir destes fundamentos que realizamos encontros nas escolas envolvendo toda a comunidade. Em pequenos grupos, todos eram convidados a comunicar suas idéias, por meio de dinâmicas que envolviam as diferentes faixas etárias e níveis de participação. O importante era que todos (crianças, pais, mães, avós, lideranças) se sentissem sujeitos pensantes, refletindo sobre o seu mundo, sobre a realidade do campo. Essa idéia funda-se nas palavras de Freire (1987:66) quando diz: o sujeito pensante não pode pensar sozinho; não pode pensar sem a co-participação de outros sujeitos no ato de pensar sobre o objeto. Não há um penso, mas um 'pensamos que estabelece o penso e não o contrário. Pela primeira vez estamos sendo chamados para dizer o que pensamos da escola, o que achamos importante para os filhos e filhas de Agricultores, e não para nos dizerem que nosso filho/a tem nota baixa, que não aprende que atrapalha. (Fala de um pai) Estes momentos davam subsídios para os educadores extraírem as falas significativas que faziam parte do planejamento por tema gerador, bem como permitia ir comunicando para a comunidade o método desenvolvido pela escola, e até as questões que iam constituindo o tema

11 gerador. 100 Outro momento importante de afirmação desta proposta, foi um trabalho de escuta junto as Comunidades do PVR. Este foi o momento mais rico onde as comunidades puderam dizer o que pensam sobre a escola pública do campo, a escola das comunidades do PVR, e como gostariam que esta escola fosse. Concordando com Paulo Freire, re-afirmamos: Quanto mais investigo o pensar do povo com ele, tanto mais nos educamos juntos. Quanto mais nos educamos, tanto mais continuamos investigando. (1987:102). Este trabalho com as escolas vem dando conta de articular o currículo e as ações pedagógicas, com o projeto de desenvolvimento que está em debate. Os educadores estão motivados, percebe-se que começam refletir suas práticas, que as mesmas os inquietam, que geram pesquisas, estudo e que o planejamento vem tomando um novo sentido. A formação continuada, conforme era concebida por Freire, permite que o educador faça de sua prática, objeto de estudo, reflita-a coletivamente e a luz de teoria, re-crie-a permanentemente. Apoiando-se em Freire, escrevem Benincá e Caimi (2002, p ): A formação continuada, no pensamento de Paulo Freire, tem como pressuposto a existência de um processo político-pedagógico e, ao mesmo tempo, de uma antropologia fenomenológico-hermenêutica. Isto implica um passado que se faz história, um presente em permanente transformação e um futuro a ser construído. O passado se faz história e realidade, embora seja sempre uma determinada leitura dos acontecimentos e textos já construídos. O futuro, porém, é sempre um presente em transformação, enquanto desejo e utopia. A formação continuada foi constituindo uma metodologia muito própria, que se distribuia em diversos momento 10 : partia-se do investigado, das falas significativas identificava-se a situação limite, definia-se o Tema Gerador. Deste, constitúia-se uma rede temática, onde as 10 a) inicia-se com uma mística preparada pelos educadores; b) socializa-se uma leitura do campo pedagógico; c) retoma-se a memória do encontro anterior; d) re-elabora-se a pauta, previamente pensada; e) traz-se presente o processo desenvolvido através do relato, no qual cada educadora faz a leitura de sua memória ou relata oralmente como foi desenvolvido o seu planejamento (o que o processo gerou, o que desencadeou, quais as reflexões construídas), destacando as falas significativas e os componentes da realidade local de sua comunidade. Geralmente são trazidas para serem socializadas algumas atividades desenvolvidas pelas crianças, estas são expostas e visualizadas por todos; f) organiza-se o planejamento, tendo presente a investigação, as falas significativas, a 'situação limite' identificada; g) define-se o tema gerador. O planejamento que procura garantir uma visão de totalidade integradora desenvolvido dentro de quatro áreas do conhecimento: 1) sócio-histórica, que abrange história, geografia e cultura religiosa; 2) comunicação e expressão, que abrange linguagem, artes, educação física; c) lógico-matemática d) ciências físicas humanas e biológicas.

12 101 quatro áreas do conhecimento tinham o papel de ajudar na decodificação 11 das questões que se queriam desocultar, dando elementos para que cada um pudesse construir sua análise sobre os fatos. Assim, os conteúdos que integravam as áreas do conheciemento, eram abordados à medida que se tornam importantes para compreensão da temática. O grupo de educadores elabora um contra tema, ou seja, projeta a concepção desveladora que pretende atingir com o tema gerador que, em outras palavras, passa a explicitar a intencionalidade de por que trabalhar tal temática, o elemento formativo a ser aprofundado, o qual foi identificado como necessário a ser atingido pela investigação, dando origem ao tema. Utilizo-me das palavras de Marta M. Pernambuco (1993) para explicitar a forma que o grupo concebe o contra-tema Muitas vezes, optou-se por caracterizar coletivamente a diferença de concepção em relação a fala da comunidade com a explicitação de um contra-tema, uma síntese do contraponto analítico que se opõe ao tema gerador. Se podemos considerar o tema como ponto de partida pedagógico, o contra-tema seria uma bússola norteadora da síntese analítica, desveladora da realidade local, que se pretende construir com os educandos. Para orientar a organização programática das atividades, procura-se relacionar temas, relações de rede temática e contra-temas, em uma única questão, referência recorrente para os encaminhamentos, ou seja, a questão geradora. Realiza-se, inicialmente, uma análise das relações que foram recebidas nas falas significativas da comunidade. O tema gerador provém, na maioria das vezes dessas falas significativas, a qual apresenta uma contradição, uma situação limite, um problema imerso no senso comum que, ao grupo (comunidade-educandos) cabe adaptar-se pois pensa-se ser impossível contrapor-se. Esta contradição é o tema gerador selecionado. Geralmente é expresso pelas chamadas falas significativas as quais sintetizam as concepções de mundo recorrentes na comunidade, contradições e limites explicativos dessas visões. Uma segunda rede é construída propondo as relações entre elementos da organização social que os educadores envolvidos no processo qualificam como sendo as mais consistentes para analisar os problemas locais. Parte-se do micro para a representação da macro-estrutura social buscando-se as relações sociais entre ambas. Na concepção de Freire o principal objetivo da redução temática, é estabelecer um diálogo entre os Sujeitos detentores de diferentes conhecimentos, ou seja, transformar a rede de relações que 11 Em nota de roda pé Freire (p.109) esclarece: As codificações, de um lado, são a mediação entre o 'contexto concreto ou real', em que se dão os fatos, e o 'contexto teórico', em que são analisadas; de outros, são o objeto c

13 o grupo (educadores - comunidade) produziu, a partir da leitura crítica da realidade local, em material didático-pedagógico, organizado metodologicamente para o diálogo em sala de aula. 102 Para uma maior comparação entre as duas concepções, a do real vivenciado pela comunidade, e a que se pensa construir, reorganiza-se as redes de relações (da comunidade e dos educadores) numa só rede temática, procurando enfatizar as diferenças entre as duas análises. Procuram-se representar, lado a lado, as duas leituras da realidade. Junto, procura-se dispor os contra-temas, e os elementos da estrutura sócio-econômica a eles relacionada. Esse processo permite avaliar quais são os objetivos dos conteúdos programáticos frente às questões problematizadoras e que recortes do conhecimento deverão ser feitos, ou seja, que conteúdos específicos precisam ser pinsados na programação para construir uma nova visão sobre o tema e, sobre a problemática local. Ao educador cabe perceber que conhecimentos diferenciam as duas visões considerando tais conhecimentos como conteúdo escolar. A programação precisa considerar as duas visões de mundo apresentadas na rede temática. Passado o mês, o tema é re-planejado, incorporando novas dimensões ou reconstruindo relações para com uma nova temática. Esse ordenamento favorece o trabalho coletivo e individual dos educadores, dinamizando e enriquecendo o planejamento das atividades. Nesse sentido, é preciso perceber que os temas extraídos de uma totalidade 12 jamais podem ser tratados isoladamente. Ao invés disso, o processo de redução do tema deve constituir-se em núcleos que se integram em unidades, estas, por sua vez, estabelecem uma seqüência entre si. Desta forma, reduzir um tema significa partir do todo indo para as partes, voltando-se a ele como totalidade É fundamental estabelecer dialeticamente as relações, percebendo, assim, que o local está relacionado ao global, o passado ao presente e ao futuro, assim por diante. Em geral o processe assume as seguintes etapas significativas: a) Investigação da realidade 'escuta densa' (ouvindo os educandos, suas famílias, a comunidade em geral, as lideranças, os antigos moradores..., os novos, o ponto de vista das crianças, dos jovens, 12 Tomo o conceito de totalidade na perspectiva de Kosik (1976:35-36), ou seja, [...] totalidade não significa todos os fatos. Totalidade significa: realidade como um todo estruturado, dialético, no qual ou do qual um fato qualquer (classes de fatos, conjunto de fatos) pode vir a ser racionalmente compreendido. Acumular todos os fatos não significa ainda conhecer a realidade e todos os fatos (reunidos em seu conjunto) não constituem, ainda, a totalidade. Os fatos são conhecimento da realidade se são compreendidos como fatos de um todo dialético [...]. Sem a compreensão de que a realidade é totalidade concreta que se transforma em estrutura significativa para cada fato ou conjunto de fatos o conhecimento da realidade concreta não passa de coisa mística, ou coisa incognoscível em si.

14 103 dos adultos, dos idosos sobre a temática a ser investigada. Este resgate pode dar-se de muitas maneiras: escutas, conversas, entrevistas, desenhos, dramatizações, que expressem o vivido, o imaginado, o sonhado, o sofrido, o que é reprimido, oprimido... Registro desses fatos e falas significativas. b) Apreensão e explicitação das contradições construção coletiva de uma rede temática a partir do tema e do contra tema escolhidos: a)análise dos dados coletados pelo conjunto dos envolvidos b) rede de relações entre falas que justificam a temática escolhida; c) caracterização e justificativa do contra- tema a partir da visão dos educadores; d) relações entre fatores físicos e ambientais e características dos segmentos sociais locais; e) relação entre as duas visões (comunidade e dos educadores) considerando tais conhecimentos na programação; f) definição dos conteúdos específicos que serão abordados na programação para construir uma nova visão sobre o tema; g) distribuição das falas significativas selecionadas nas relações apresentadas na parte superior da rede temática; Um processo que vai sendo aos poucos compreendido, re-criado, re-afirmado. A formação continuada dos professores e o planejamento participativo são ferramentas indispensáveis no conjunto do processo. Outro elemento essencial, é a atitude do educador-pesquisador que vai sendo firmada. Um educador aberto ao diálogo problematizador, o qual deve envolver-se pelo tema, o que significa estar imerso na aventura de fazer ciência, criar, recriar, refletir, teorizar. Freire (1987) alerta que só se deve iniciar a busca interventora, quando aceito pela população, isto é, após conversas formais com um número significativo de pessoas, para que seja apresentado o objetivo, convidando as pessoas a participarem como investigadores, constituindo uma relação de simpatia e confiança. A proposta freireana do tema gerador veio permitido trazer presente estes componentes sociais. Com uma clara concepção político-pedagógica e uma dinâmica própria, a realidade foi sendo desocultada, não dentro de uma visão passiva, mas como uma ação comprometida, assumida pelos sujeitos que buscam, através de suas intervenções, desencadear novas ações sociais, reconstruindo, desta forma, a dimensão política do município, ao fortalecer as políticas públicas. Estas proposições colocam-nos bem perto do pensamento de Freire, e a ligação entre política e educação, educação e conscientização, estabelecida por ele. Nesse sentido, nos perguntamos: A educação está relacionada com os princípios conceituais e metodológicos da educação popular? Acreditamos ser essa uma das possibilidades educacionais capazes de fortalecer a consciência e a

15 104 organização das camadas populares. Poderia gerar políticas públicas ao trazer a tona temáticas concretas pertimentes as comunidades camponesas, explicitando-as e encaminhando-as rumo ao poder público? Se formos capazes de garantir tempos e espaços permanentes de diálogo e, havendo vontade e a competência política, seria possível, o conjunto da sociedade civil, a partir da escola, gerar um núcleo de debates, de diálogos, de definição das políticas? A educação não pode ser apenas instrumental para os setores oprimidos, afirma Freire em seu legado, mas uma área de lutas ideológicas que devem ser empreendidas, tendo em vista a transformação das estruturas opressoras. Contudo essa escola necessária às classes subalternas deve forjar ao mesmo tempo a construção de uma nova hegemonia e a formação dos atores aptos a vivenciarem o processo revolucionário, buscando consolidar projetos emancipatórios. O processo coletivo da busca dessas condições de existência humana precisa garantir, entre outras coisas, a adesão de uma nova cultura ética e política. Algumas palavras (in)conclusivas Nessa experiência, a relação dialógica presente entre os diferentes sujeitos seja do âmbito da educação ou das esferas sociais do município, colocam em debate práticas educativas escolares, práticas sociais não escolares e a ação política. Esta metodologia veio gerando novos conhecimentos e novos tempos e espaços escolares e, aprendizagens a um número bem maior pessoas do que geralmente o contexto escolar abrange. Pode-se perceber ainda se a mesma possibilita procedimentos inusitados no âmbito da educação e da política. Acredita-se estar dando passos na construção de uma cultura revolucionária que se fundamenta na capacidade de sonhar coletivamente e constituir-se numa atitude de formação permanente, na qual os sujeitos conscientes da sua situação social e histórica refletem e agem para superar os limites que os impossibilitam de serem sujeitos. Essa é a luta pela consolidação de uma hegemonia das classes populares para a qual, segundo Gramsci (1978), a escola é uma das mais importantes trincheiras, e que toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica A escola é, acima de tudo as envolvidas com a prática social, vida. É parte fundante de uma cultura enquanto modo total de vida. Um dos elementos importante a destacar na consolidação deste processo é a metodologia da formação continuada. Através de registros, sistematização e análise da

16 105 realidade emergem o tema gerador, que é expressão da realidade e explicita suas contradições e resulta na sistematização e construção de conhecimentos. Esse processo de elaboração crítica do conhecimento, fortemente influenciado pelas contribuições de Paulo Freire, possibilita construir novos caminhos sócios educacionais, fundamentalmente emancipatório. É possível perceber que na escola pode-se encontrar brechas para a construção de uma cultura ético - política, com vistas a outro projeto de sociedade, forjada a partir dos sujeitos concretos da escola e do processo educacional. A escola, nessa perspectiva, passa a ser entendida como uma das instâncias de organização dos sujeitos, de construção permanente de consciências críticas, propositivas, revolucionárias. Essa é entendida como local de construção de uma contrahegemonia, na perspectiva gramsciana, num contexto social da luta de classes. Assim, a escola passa a ser entendida como núcleo cultural fundamental onde se cruzam diferentes olhares, diferentes culturas, diferente visão de mundo e nessa diversidade de cores e de opiniões, pode-se construir consensos, definir caminhos, apontar alternativas. Nesse sentido, a educação enquanto processo coletivo de construção de uma outra cultura assume a condução do processo, afinal, como afirma Paulo Freire (1987), a educação sozinha não transforma o mundo, mas sem ela o mundo não se transformará. Os escritos de Freire (1971), principalmente os primeiros, nos quais a educação era concebida como um instrumento para ajudar o homem e a mulher a refletir sobre sua condição ontológica, ou seja, para ajudar a criar uma consciência crítica da realidade confrontada ao contexto do PVR, levam-me a acreditar que é possível estabelecer uma ligação entre práxis educacional e práxis política. A escola tem como campo a pedagogia e não a política, no sentido mais estrito. Ela não pode substituir a ação política revolucionária, porém a escola necessita se voltar para o conhecimento necessário às classes populares na transformação das estruturas. A escola das classes populares e o educador popular podem pela construção de uma pedagogia da libertação, construir uma política popular, democrática e conscientizadora que ajude os sujeitos a compreenderem criticamente as estruturas sociais, desde o início da escolarização. É preciso ainda afirmar que, construir uma pedagogia que se contrapõe à ideologia neoliberal, é construir a pedagogia da resistência, a pedagogia do desvelamento das contradições

17 106 sociais, da compreensão dos interesses de classe e, por último, da capacidade de sentir-se sujeito na construção de mecanismos de intervenção sobre as estruturas opressoras, tendo presentes os objetivos sociais da classe popular. É assumir um caráter revolucionário e transformador das estruturas opressoras. Transformação esta, que vai além da consolidação de um discurso crítico, mas, pelo contrário, é a que se gesta no bojo dos contextos concretos das lutas sociais, fruto da ação e da reflexão comprometida sobre a realidade mutável, em busca da libertação humana. Buscar a autonomia dos sujeitos é primordial à educação que queremos construir. É neste sentido que uma pedagogia da autonomia precisa reconhecer e potencializar as experiências estimuladoras de tomadas de decisões, construindo-se coletivamente, onde um esteja para todos e todos para um, onde o exercício da cidadania ativa, da democracia, da solidariedade, da amorosidade, do respeito mútuo e da cooperação esteja presente. Em síntese, esta é a tarefa deste estudo e sua pesquisadora, que organicamente vinculada a experiência, ao investigá-la também se compromete com o avanço da mesma. Trata-se de desvendar as possibilidades, revelar os processos emergentes, situar o ser humano em sua totalidade, no movimento, na luta de classes. Daí a escola deixa de ser uma instituição estranha ao meio onde está situada para se transformar num espaço de reflexão e empoderamento dos sujeitos nela envolvidos e também nas instâncias políticas mais amplas de poder, que também, certamente, incorporaria componentes de poder popular, ou seja, também se transforma pela ação transformadora.

18 107 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENINCÁ e CAIMI, F. E. (Org) Formação de Professores: um diálogo entre a teoria e a prática. Passo Fundo: UPF, COSTA. Joaquim Gonçalves. Crítica à Concepção de educação do Campo desenvolvida pelos Movimentos Sociais Populares. Curitiba, Texto Min. (Monografia do Curso de Especialização de Educação do Campo - UFPR) Diretrizes Operacionais para Educação Básica das Escolas do Campo. CNE/MEC, Brasília, FALKEMBACH, Elza Maria Fonseca. Sistematização... Juntando cacos, construindo vitrais. Ijuí: UNIJUÍ, FREIRE, Paulo. Criando métodos de pesquisa alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação. In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense, p Conscientização.: teoria e prática da libertação uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Morais, Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GRAMSCI, Antônio. Educação na América Latina: o desafio de teorizar sobre a prática para transformar. In: ARDENAL, Ernesto [et. al], BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org) Lições da Nicarágua. A experiência da esperança. 2. ed. Campinas: Papirus, p KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MANACORDA, M. El princípio educativo em Gransci. Salamanca (España), Sigueme, PERNAMBUCO. M.C.A. Significações e Realidade: Conhecimento. In. Ousadia do Diálogo. Pontuschka, N.N. (org). São Paulo, Loyola, THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Tradução de Renato Bussato e Cláudia Rocha de Almeida. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v.

O Tema Gerador na relação com a constituição de políticas públicas.

O Tema Gerador na relação com a constituição de políticas públicas. IX Congreso Argentino de Antropología Social. Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales - Universidad Nacional de Misiones, Posadas, 2008. O Tema Gerador na relação com a constituição de políticas públicas.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica.

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. João Paulo Madruga 1 Quando pensamos em Educação Física no ambiente escolar, logo nos reportamos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR (EaD) A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares Profª Drª Maria Auxiliadora Maués de L. Araujo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA POSSIBILIDADE

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais