ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas"

Transcrição

1 ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas

2 ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov

3 Tríplice reação de Neljubov: CRESCIMENTO NA HORIZONTAL RESTRIÇÃO DO ALONGAMENTO AUMENTO DO CRESCIMENTO RADIAL ERVILHA

4 H 2 C = CH 2 0,06 ppm 0,06 ppm ENDÓGENO: ETILENO (GÁS) EXÓGENOS: FORMA LÍQUIDA ETHREL ETEPHON (ÁCIDO 2-CLORO ETIL FOSFÔNICO)

5 EXÓGENOS: FORMA LÍQUIDA ETEPHON (ÁCIDO 2-CLORO ETIL FOSFÔNICO) EM ph ÁCIDO (ph 4,1) LIBERA ETILENO

6 H 2 C = CH 2 0,06 ppm ANÁLOGOS: CO (MONÓXIDO DE CARBONO) HIDROCARBONETOS COM 2 DUPLAS

7 LOCAIS DE SÍNTESE: TODOS OS TECIDO VEGETAIS MERISTEMAS FOLHAS FLORES FRUTOS TRANSPORTE DE ETILENO: DIFUSÃO CELULAR INATIVAÇÃO DE ETILENO: SIMPLES EVOLUÇÃO

8 SÍNTESE DE ETILENO: PRECURSOR METIONINA (aa) ÚNICO HORMÔNIO QUE NÃO VEM DO METABOLISMO SECUNDÁRIO

9 SÍNTESE DE ETILENO:

10 SÍNTESE DE ETILENO: AVG: AMINOETOXIVINILGLICINA AOA: ÁCIDO AMINO OXI-ACÉTICO

11 SÍNTESE DE ETILENO:

12 DEGRADAÇÃO DE ETILENO: OXIDADO HIDROLIZADO COMPLETA OXIDAÇÃO DO ETILENO A CO 2

13 MODO DE AÇÃO DO ETILENO: Et SE LIGA A UM RECEPTOR ATUA A NÍVEL DE MEMBRANA PERMEABILIDADE PRODUÇÃO DE ENZIMAS DE LISE

14 MODO DE AÇÃO DO ETILENO: Enzimas reguladas pelo Et: celulase pectinase poligalacturonase β-1,3-glucanase PAL Polifenol oxidase parede celular frutos chalcona sintase (flavonóides) peroxidase compostos fenólicos

15 Efeito do meio na biossíntese de Et Temperatura TºC (até 35ºC) produção de Et TºC inibe a produção de Et TºC inibem a produção de Et

16 Efeito do meio na biossíntese de Et CO 2 Ativa a ACC oxidase (EFE) até a concentração de 0,5% no meio [CO 2 ] 5 a 10% inibe a atividade do Et antagonista do Et CO 2 compete pelo mesmo sítio de ligação no receptor com o Et

17 O 2 Necessário na conversão de ACC a Et Efeito do meio na biossíntese de Et Anaerobiose inibe a síntese

18 O 2 Necessário na conversão de ACC a Et Efeito do meio na biossíntese de Et Anaerobiose inibe a síntese

19 Efeito do meio na biossíntese de Et Luz Inibe a síntese de Et em células fotossintetizantes (ACC a etileno)

20 Efeito do meio na biossíntese de Et Injúrias TºC, insetos, estresse hídrico, doenças, efeito mecânico, etc. Atividade PAL [compostos fenólicos] Produção de Et induz a formação de ACC sintase Auxinas Estimula a síntese de ACC sintase transcrição RNA m ) (nível de

21 Efeito do meio na biossíntese de Et Giberelinas Pouco ou nenhum efeito GA síntese de Et em algumas plantas (banana) Citocininas CK não age sozinha tratamento com IAA ou tecidos estressados + CK atividade de ACC sintase (sinergismo)

22 Efeito do meio na biossíntese de Et ABA produção de Et (folhas e frutos) abscisão Etileno Et promove a conversão de ACC a Et (autocatálise) Et inibe a ACC sintase Et (autoinibição)

23 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 1) Dormência de gemas - Et quebra dormência: batata e outros bulbos (gladíolo) - tratamento curto com Et quebra dormência - tratamento longo com Et respiração [CO 2 ] inibe a síntese de Et dormência

24 TUBÉRCULOS CAULE AÉREO ESTOLÃO TUBÉRCULO Solanum tuberosum

25 Solanum tuberosum

26 DIVISÃO DA TUBERIZAÇÃO 1) Indução e iniciação dos estolões 2) Crescimento dos estolões (alongamento e ramificação) 3) Cessação do crescimento longitudinal do estolão 4) Indução e iniciação da tuberização (crescimento radial do estolão originando o tubérculo)

27 INICIAÇÃO DO ESTOLÃO DL [F Ve ] GA Ck tºc TUBERIZAÇÃO DC [F Ve ] GA Ck tºc N 2 Presença de: ABA Compostos Fenólicos Ác. Tuberônico Ác. Jasmônico Anti-Gas: CCC - Cycocel PIX Paclobutrazol Uniconazol QUEBRA DE DORMÊNCIA DO TUBÉRCULO GA (aplicação exógena) corte do tubérculo choque térmico ( tºc ) O 2 Aplicação de: Etileno Auxinas Tiouréia

28 Planta com 20 dias após plantio antes da amontoa

29 Estolões Sistema radicular Planta com 30 dias após plantio após amontoa Tubérculo mãe

30 Planta com 38 dias após plantio

31 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 2) Dormência de sementes - germinação de muitas sementes - cereais quebra a dormência - porcentagem de germinação - movimento e liberação de enzimas cuja síntese é induzida pelo GA - movimento das enzimas hidrolíticas

32 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 2) Dormência de sementes Et / CK

33 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 3) Expansão de órgãos - solos inundados [O 2 ] produção de Et nas raízes ACC é transportado, via xilema, ao caule conversão à Et [Et] alongamento e engrossamento do caule e epinastia PLÂNTULA DE ALFACE NO AR PLÂNTULA DE ALFACE COM 10 ppm Et POR 24 h

34 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 3) Expansão de órgãos - caule: monocotiledôneas promove crescimento internós monocotiledôneas altas [Et] também podem inibir o crescimento

35 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 3) Expansão de órgãos - caule: dicotiledôneas inibe alongamento celular - raiz: inibe crescimento, mas promove expansão radial (engrossamento)

36 FORMAÇÃO DE AERÊNQUIMA (CÉLULAS CORTICAIS ESPECÍFICAS PROGRAMADAS PARA MORRER) AERÊNQUIMA LISÍGENO LISE CELULAR AERÊNQUIMA ESQUIZÓGENO AFASTAMENTO DAS CÉLULAS

37

38 FORMAÇÃO DE AERÊNQUIMA (CÉLULAS CORTICAIS ESPECÍFICAS PROGRAMADAS PARA MORRER) ESTRESSE (ALAGAMENTO OU HIPÓXIA) ACÚMULO DE ETILENO MORTE DAS CÉLULAS (AERÊNQUIMA LISÍGENO) CONTEÚDO DE ENZIMAS (CELULASE E XET xiloglucan endotransglicosilase) AFROUXAMENTO DE PAREDE CELULAR DESORIENTAÇÃO DE MICROTÚBULOS MORTE CELULAR

39 RAÍZES DE MILHO SOB CONDIÇÃO DE ALAGAMENTO

40 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 4) Epinastia - sintoma de toxicidade de Et - impede a translocação de Ax - parte superior [Et] [Ax] alongamento - parte inferior [Et] [Ax] alongamento

41 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 4) Epinastia [IAA] [Et]

42 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 4) Epinastia [IAA] [Et] TOMATEIRO NORMAL TOMATEIRO TRATADO COM ETILENO

43 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 5) Gancho plumular ou apical - lado interno luminosidade produção de Et [Ax] inibe alongamento - lado externo luminosidade produção de Et [Ax] alongamento - luz verm. ou branca destrói Et [Et] abertura do gancho Ax

44 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 5) Gancho plumular ou apical

45 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 6) Formação de raízes - promove a formação de raízes em folhas, caule, pedúnculo da flor e em outras raízes 7) Floração - promove a floração em abacaxi, manga e bromélias - uniformização e antecipação da maturação dos frutos de abacaxi

46 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 8) Expressão sexual - produção de flores em cucurbitáceas 9) Senescência de folhas e flores - promove a senescência permeabilidade da M.P. e tonoplasto perda de solutos e H 2 O murchamento das flores e folhas - polinização síntese Et e ACC no estigma liberação de Et senescência das flores - promove a degradação da clorofila (desverdecimento) - senescência atividade ACC oxidase

47 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 10) Abscisão foliar Fases da abscisão: a) fase da manutenção foliar sinal interno ou externo início processo da abscisão b) fase de indução da abscisão percepção do sinal mensagem mudança na taxa de síntese de hormônios na folha c) fase da abscisão processos bioquímicos, anatômicos e fisiológicos queda da folha

48

49

50 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 10) Abscisão foliar

51 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 10) Abscisão foliar - fase de manutenção foliar Ax previne a abscisão reprime a síntese de enzimas hidrolíticas - fase de indução da abscisão níveis de Ax e Et atividade e transporte de Ax e síntese de Ax - fase de abscisão indução de genes que codificam enzimas hidrolíticas da P.C. celulase e poligalacturonase formação da camada de abscisão e queda da folha

52 Fase da manutenção foliar Fase de indução da abscisão Fase da abscisão Separação da camada de abscisão amarelecimento etileno Alta [Ax] foliar reduz a sensibilidade das células da camada de abscisão ao etileno Redução na [Ax] foliar aumenta a produção de etileno e a sensibilidade das células da camada de abscisão ao etileno

53 CAMADA DE ABSCISÃO ABSCISÃO FOLIAR

54 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 11) Amadurecimento de frutos - acelera a maturação de frutos climatéricos TOMATE CARAMBOLA MAMÃO

55 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO PICO DE ETILENO

56 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO

57 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 11) Amadurecimento de frutos - acelera a maturação de frutos climatéricos - maturação atividade ACC oxidase - acelera maturação de frutos climatéricos respiração (climatério respiratório) síntese enzimas ligadas ao processo de maturação (cor, sabor, aroma, amolecimento) - frutos não climatéricos quebra da clorofila desverdecimento

58 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO FRUTOS CLIMATÉRICOS FRUTOS NÃO CLIMATÉRICOS MAÇÃ ABACATE BANANA MAMÃO MELÃO FIGO MANGA AZEITONA PÊSSEGO PÊRA CAQUI AMEIXA TOMATE PIMENTA DOCE CEREJA UVA CITRUS ABACAXI FEIJÃO DE CORDA MORANGO MELANCIA ETILENO

59 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO FRUTOS CLIMATÉRICOS

60 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO FRUTOS CLIMATÉRICOS

61 EFEITOS FISIOLÓGICOS DO ETILENO 12) Partenocarpia MELANCIA

62 ANTAGONISTAS DO ETILENO 1) Inibidores da síntese 2) Inibidores da atividade 3) Absorvedores de etileno

63 ANTAGONISTAS DO ETILENO 1) Inibidores da síntese - [CO 2 ] (5-10%), Co 2+, uniconazol e PBZ inibem atividade ACC oxidase inibe conversão ACC Etileno - AVG e AOA inibem atividade ACC sintase inibe conversão SAM ACC Ex.: Retain (AVG)

64 ANTAGONISTAS DO ETILENO 2) Inibidores da atividade - [CO 2 ] (5-10%) - nitrato de Ag ou tiossulfato de Ag compete pelo mesmo sítio de ligação do Etileno Ex.: Ethylbloc (1-metilciclopropano)

65 ANTAGONISTAS DO ETILENO 2) Inibidores da atividade - nitrato de Ag ou tiossulfato de Ag 14 DIAS FLORES DE CRAVO TIOSSULFATO DE PRATA CONTROLE

66 ANTAGONISTAS DO ETILENO 3) Absorvedores de etileno KMnO 4 (permanganato de potássio) Ex.: Purafil

67 SACHÊ ABSORVEDOR DE ETILENO

68 ESTÁDIO DE MATURAÇÃO I Sachê Sachê ESTÁDIO DE MATURAÇÃO II Sachê Sachê

69 UTILIZAÇÃO COMERCIAL DO ETILENO - amadurecimento de frutos (banana) - inibição do crescimento em cana-de-açúcar - quebra da dormência de gemas em tubérculos (batata) - promoção da abscisão foliar em videira - colheita de café - raleamento de frutos cítricos - coloração de frutos

70

71 FIM!

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: ETILENO (O HORMÔNIO GASOSO) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL FISIOLÓGICO 3.1. AMADURECIMENTO

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso 1. Introdução 2. Estrutura, biossíntese e medição do etileno 3. Rotas de transdução de sinal do etileno 4. O etileno regula a expressão gênica 5. Efeitos do etileno

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Profa. Marta H. Fillet Spoto Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Piracicaba - SP PORQUÊ CONSERVAR? Para manter

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger)

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) Não induz

Leia mais

Frutificação. Fase I Envolve a polinização, fertilização e o início do desenvolvimento do fruto ( fruit set ).

Frutificação. Fase I Envolve a polinização, fertilização e o início do desenvolvimento do fruto ( fruit set ). Frutificação Fase I Envolve a polinização, fertilização e o início do desenvolvimento do fruto ( fruit set ). Fase II Marcada pela retomada das divisões celulares. Fase III Estágio mais longo, no qual

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas AULA 3 Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas Katia Christina Zuffellato-Ribas ESTAQUIA TIPOS DE ESTACAS:

Leia mais

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro I CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO CAFÉ YARA BRASIL FERTILZANTES S.A. Hotel Resort Bourbon -Atibaia MG -2016 Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro Prof. José

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras

Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras Produção de etileno Etileno (C 2 H 4 ) é um gás naturalmente produzido em frutas, legumes e verduras durante o amadurecimento. Em geral: Figura 1:

Leia mais

Hormônios e reguladores vegetais na pós-colheita de frutas e hortaliças

Hormônios e reguladores vegetais na pós-colheita de frutas e hortaliças Pós-colheita de Produtos Hortícolas (LPV 660) Hormônios e reguladores vegetais na pós-colheita de frutas e hortaliças Prof. Angelo P. Jacomino Depto. Produção Vegetal HORMÔNIOS E REGULADORES VEGETAIS Conceitos

Leia mais

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae);

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae); UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: GIBERELINAS (REGULADORES DA ALTURA DAS PLANTAS) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL

Leia mais

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque HORMONAS VEGETAIS Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque mecânico (contacto). Apesar de não

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Prof. Tiago Vianna

FISIOLOGIA VEGETAL. Prof. Tiago Vianna Prof. Tiago Vianna FOTOSSÍNTESE : PRODUÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA OBTENÇÃO DE ÁGUA E SAIS PELA PLANTA XILEMA(LENHO) : tecido morto de condução e sustentação XILEMA(LENHO) : tecido morto de condução e sustentação

Leia mais

Etileno:o Hormônio Gasoso dos Vegetais

Etileno:o Hormônio Gasoso dos Vegetais 1 SUMÁRIO ASSUNTOS PÁGINAS INTRODUÇÃO 2 OCORRÊNCIA DO ETILENO 3 BIOSSÍNTESE E INATIVAÇÃO 3 APLICAÇÕES DE FITORREGULADORES 6 AUXINA 6 CITOCININAS 9 GIBERELINAS 9 ÁCIDO ABSCÍSICO 9 ETILENO 9 FATORES BIÓTICOS

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

Maturação e Data de Colheita

Maturação e Data de Colheita Maturação e Data de Colheita Curso de Tecnologia Pós-Colheita e Processamento Mínimo de Produtos Hortofrutícolas Instituto Superior de Agronomia Lisboa 3 a 5 de Dezembro de 2007 Domingos Almeida Conteúdo

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

REVISÃO AULAS ANTERIORES

REVISÃO AULAS ANTERIORES REVISÃO AULAS ANTERIORES Transporte de água através da planta A água de movimenta a favor de um gradiente de potencial hídrico entre atmosfera, planta e solo, ou seja, a água se movimenta do maior potencial

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

PERDAS PÓS-COLHEITA. Pós-Colheita de Frutas e Hortaliças. Railene Hérica Carlos Rocha

PERDAS PÓS-COLHEITA. Pós-Colheita de Frutas e Hortaliças. Railene Hérica Carlos Rocha PERDAS PÓS-COLHEITA Railene Hérica Carlos Rocha 1. PANORAMA DA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO BRASILEIRA DE FRUTAS PADRÃO DE PERDAS PAISES EM DESENVOLVIMENTO X DESENVOLVIDOS Itens PAISES EM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUC CENTR DE CIÊNCIAS BILÓGICAS DEPARTAMENT DE BTÂNICA DISCIPLINA DE ECFISILGIA Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal Ciclo de vida das plantas Mesmo fixas

Leia mais

Apresentação da disciplina Fisiologia Vegetal

Apresentação da disciplina Fisiologia Vegetal Apresentação da disciplina Fisiologia Vegetal DISCIPLINA: CI0906 - Fisiologia vegetal HORÁRIO: 2ª, 4ª e 6ª feira. Turma 02-10:00 às 12:00 horas. OBJETIVOS DA DISCIPLINA: Fornecer os fundamentos teóricos

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada:

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: a) em plantas estioladas, pelo fitocromo A, em resposta luz vermelha distante b) simultaneamente (no mesmo período de tempo) pelo

Leia mais

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução Unidade XI Transdução de sinal 1. Introdução 2. Transdução de sinal em células vegetais e animais 3. Transdução de sinal no espaço e no tempo Introdução Desde os estudos clássicos, os pesquisadores têm

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR PROF. DR. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES Professor Titular em Fisiologia Vegetal Departamento de Botânica IB, UNESP UNESP/Botucatu-SP. Como minimizar

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 22 Com relação à questão 22, a terceira afirmativa ( ) O teste de ordenação, como método discriminativo, tem como objetivo comparar diversas amostras com relação a um determinado atributo e verificar

Leia mais

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule.

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Aulas 8 e 9 Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Raiz: fixação ao solo e absorção de água e sais minerais. Regiões Meristemática:

Leia mais

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Trabalho nº4 Daniela Costa e Sousa Filipa França de Barros Luís Manuel M. V. L. Tavares Marta Filipa P. M. Gonçalves Fisiologia Vegetal Licenciatura em Bioquímica Com

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL

ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL Relatório de Trabalhos Práticos 2012 Grupo nº4 Cláudia Soares 201105240 Cláudia Mateus 201102720 Edmundo Martins 201101526 Joana Maria Santos 201102749 Jorge Miguel Ramos

Leia mais

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal:

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Fatores externos de controle LCE SLC0622- Biologia 3 2016 Tropismo Resposta de crescimento envolvendo a curvatura de uma parte da planta em resposta

Leia mais

MOVIMENTOS DAS PLANTAS

MOVIMENTOS DAS PLANTAS MOVIMENTOS VEGETAIS MOVIMENTOS DAS PLANTAS Movimentos de plantas são muitos sutis e quase não perceptíveis São respostas a estímulos externos (ambientais): luz, gravidade, temperatura, abalo mecânico,

Leia mais

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses Maturação e metabolismo pós-colheita Fonte de vida: Fotossíntese CO 2 + H 2 O + energia solar Glicose + H 2 O + O 2 Respiração Glicose + O 2 CO 2 + H 2 O + energia Após a colheita: transformações químicas

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal Quadro Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal ABACATE ABÓBORA AGRIÃO AIPO ALFACE ALFARROBA ALGODÃO Geada e ALHO ALHO FRANCES ALPERCE plena floração ALPISTA emborrachamento AMEIXA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO A planta faz muito mais que aumentar simplesmente sua massa em volume a medida que cresce. Ela se diferencia, se

Leia mais

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal 1. INTRODUÇÃO Característica desejável para o melhorista e indesejável para o produtor Época

Leia mais

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos abrena41@gmail.com 1. Fases da floração (i) iniciação floral (ii) diferenciação floral (iii) período

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP DOSSIÊ TÉCNICO Hormônios Vegetais Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP Janeiro/2012 Hormônios Vegetais O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções de informação tecnológica

Leia mais

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 introdução 2 vias de translocação 3 padrões de translocação (fonte para o dreno) 4 material translocado pelo floema 5 carregamento do floema 6 - descarregamento

Leia mais

2) Órgãos da planta. Anatomia interna da folha. Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o

2) Órgãos da planta. Anatomia interna da folha. Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o C) Folhas Anatomia interna da folha Epiderme: Geralmente uniestratificada Pluriestratificada (plantas xerófitas) o o Possui estômatos (trocas gasosas) Pode apresentar camada de cutina cobrindo as células

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA CÓDIGO AGR 026 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL CENTRO Ciências Agrárias

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO UNIDADE XX Controle do florescimento 1. INTRODUÇÃO 2. MERISTEMAS FLORAIS E DESENVOLVIMENTO DE ÓRGÃOS FLORAIS 3. EVOCAÇÃO FLORAL: SINAIS INTERNOS E EXTERNOS 4. O ÁPICE DO CAULE E AS MUDANÇAS DE FASE 5.

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL Enga Agra Clélia Maria Mardegan COMO FAZER PARA AUMENTAR NOSSA PRODUTIVIDADE? Nitrogênio Funções - faz parte da composição das proteínas (estrutural);

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES. Uréia revestida com boro e cobre

NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES. Uréia revestida com boro e cobre Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES Prof. Milton F. Moraes UFPR - Campus Palotina Programa de Pós-Graduação Ciência do Solo Curitiba-PR,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA GLICÓLISE Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Glicose e glicólise Via Ebden-Meyerhof ou Glicólise A glicólise,

Leia mais

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE UNIFEBE MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS Profª. MSc Luciane Ângela Nottar Nesello E-mail: lucianenesello@unifebe.edu.br Vitaminas e Minerais Amplamente distribuídos

Leia mais

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014 CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO COLAÇÃO Papinha de Papinha de Papinha de Papinha de Maçã raspadinha 8H30 banana manga melão mamão legumes legumes legumes (abóbora legumes (mandioca, (mandioquinha,

Leia mais

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos UIVERSIDADE FEDERAL DE PERAMBUO ETRO DE IÊIAS BIOLÓGIAS DEPARTAMETO DE BOTÂIA DISIPLIA DE EOFISIOLOGIA AUXIAS e ITOIIAS iclo de vida das plantas lasses ormonais inco classes são atualmente reconhecidas

Leia mais

UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO

UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE I INFORMAÇÕES GERAIS 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS 3. IDENTIFICAÇÃO DE HORMÔNIOS 3.1. BIOENSAIOS 3.2. ANÁLISE INSTRUMENTAL 3.3. IMUNOENSAIOS 4. MECANISMO

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito 1) (FMTM-2001) O ácido indolacético (AIA) atua sobre o crescimento dos caules e raízes dos vegetais superiores. O efeito das diferentes

Leia mais

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo CIÊNCIAS Prof. Diângelo TABELA PERÍODICA Aula 18 Respiração Celular Respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usadas nos processos

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ Absorção

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 21/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 22/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas 23/T FÓSFORO P no solo + limitante

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II:

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II: REINO PLANTAE 01 - (UDESC SC/2011) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito destes tecidos, analise cada proposição

Leia mais

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz)

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz) FITOCROMO 03/1 QUAL O PAPEL DA LUZ NOS VEGETAIS? Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento Orientação dos cloroplastos nas células Orientação das folhas (intensidade e

Leia mais