Etileno:o Hormônio Gasoso dos Vegetais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Etileno:o Hormônio Gasoso dos Vegetais"

Transcrição

1 1 SUMÁRIO ASSUNTOS PÁGINAS INTRODUÇÃO 2 OCORRÊNCIA DO ETILENO 3 BIOSSÍNTESE E INATIVAÇÃO 3 APLICAÇÕES DE FITORREGULADORES 6 AUXINA 6 CITOCININAS 9 GIBERELINAS 9 ÁCIDO ABSCÍSICO 9 ETILENO 9 FATORES BIÓTICOS E ABIÓTICOS 10 TEMPERATURA 10 LUZ 10 OXIGÊNIO 10 GÁS CARBÔNICO 10 ALAGAMENTO 11 SECA 11 SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 12 FERIMENTOS MECÂNICOS 12 INFECÇÕES POR PATÓGENOS 12 TRANSPORTE DE ETILENO 13 MECANISMO DE AÇÃO DO ETILENO 13 PRINCIPAIS FUNÇÕES DO ETILENO NOS VEGETAIS 15 DIVISÃO E EXPANSÃO CELULAR 15 DORMÊNCIA 15 CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO DA PARTE AÉREA 16 CRESCIMENTO 16 LENTICELAS HIPERTROFIADAS 16 INDUÇÃO FLORAL E EXPRESSÃO SEXUAL 18 TECIDOS SECRETORES 18 SENESCÊNCIA 19 ABSCISÃO 21 AMADURECIMENTO DE FRUTOS 24 EPINASTIA DAS FOLHAS 26 FORMAÇÃO DO GANCHO PLUMULAR 28 CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO DAS RAÍZES 29 CRESCIMENTO 29 FORMAÇÃO DE PÊLOS ABSORVENTES 30 RAÍZES ADVENTÍCIAS 30 AERÊNQUIMA 32 PRODUÇÃO DE ETILENO INDUZIDO POR ESTRESSE 33 INIBIDORES DA SÍNTESE DE ETILENO 34 INIBIDORES DA AÇÃO DO ETILENO 34 USO COMERCIAL 35 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 36

2 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DISCIPLINA: FISIOLOGIA VEGETAL PROFESSOR: ROBERTO CEZAR LOBO DA COSTA ETILENO 1- INTRODUÇÃO Em 1893, foi verificado em Açores, que serragem de madeira quando queimada a fumaça produzida provocava a floração de plantas de abacaxi cultivadas em casa de vegetação. Depois de 40 anos produtores começaram a induzir a floração expondo as plantas à fumaça durante 12 horas. Na metade do século XIX, o pesquisador Fahnestock (1858) observou que um gás de iluminação havia danificado uma coleção de plantas mantidas em casa de vegetação causando senescência e abscisão das folhas. Após alguns anos os mesmos danos foram causados em árvores próximas a vazamentos desse gás, onde Girardin, identificou a presença de etileno. O estudante russo Dimitry Nikolayevich Neljubow fez a descoberta que o gás etileno como componente biologicamente ativo do gás da iluminação. Onde o mesmo fez pesquisas com ervilhas crescidas no escuro com aplicação de 0,06 l l -1, produzia 3 respostas no caule: aumento radial (intumescimento), inibição do alongamento e uma orientação horizontal do órgão.(figura12.1 kerbauy). Entre 1917 e 1937 foram realizados vários estudos com amadurecimentos de frutos, contudo em 1935, Gane cientista inglês apresentou provas químicas que o etileno era produzido em plantas, onde finalmente Crozier, Hitchock concluíram que o etileno seria um regulador endógeno de crescimento, e poderia ser considerado um hormônio de amadurecimento.

3 3 Figura 1. Representação esquemática de plântulas estioladas de ervilhas. (1) Plântula em água; (2) Plântula tratada com etileno, apresentando no epicótilo: a) inibição do alongamento; b) aumento de expansão radial; c) orientação horizontal de crescimento. Fonte: Kerbauy (2004). 2- OCORRÊNCIA DO ETILENO O etileno em zonas rural é encontradas em baixas concentrações, em torno de 0,001 a 0,005 l -1 na atmosfera, já em meios urbanos pode ser de 10 a 100 vezes maior do que no campo, principalmente em dias nublados e ventos, onde as principais fontes são os automóveis, o fogo e a industria. Os tecidos meristemáticos e as regiões nodais geralmente uma produção elevada desse gás, também observada durante a abscisão de folhas, a senescência de flores e amadurecimento de frutos, sendo este último dependendo dos teores de etileno são chamados de climatéricos (com produção elevada de etileno) e não-climatérios (com produção de baixos teores de etileno). Em se tratando de germinação, há um aumento de na taxa de produção da radícula e no desenvolvimento da plântula. 3- BIOSSINTESE E INATIVAÇÃO O etileno pode ser produzido em quase todas as partes dos vegetais superiores embora a taxa de produção dependa do tipo de tecido e do estágio de desenvolvimento. Em geral, as regiões metristemáticas e as regiões dos nós são as mais ativas na síntese de etileno. Contudo, a produção de etileno aumenta também durante a abscisão foliar e a senescência da flor, bem como durante o

4 4 amadurecimento de frutos. Qualquer tipo de lesão pode produzir a biossíntese de etileno, assim como o estresse fisiológico provocado por inundação, resfriamento, moléstia, temperatura, ou estresse hídrico. O aminoácido metionina é o precursor do etileno e o ACC (ácido 1-aminocloropropano-1- carboxílico) funciona como um intermediário na conversão da metionina em etileno. O etileno é a mais simples olefina (alceno) conhecida seu peso molecular é 28 sendo mais leve que o ar sob condições fisiológicas: Etileno Ë inflamável e rapidamente sofre oxidação. O etileno pode ser oxidado a óxido de etileno: Óxido de etileno E pode ser hidrolisado a etileno glicol: Etileno glicol Em muitos tecidos vegetais, o etileno pode ser completamente oxidado a CO 2, segundo a reação: Oxidação completa do etileno Etileno Óxido de Ácido Dióxido Etileno oxálico de carbono O etileno é facilmente liberado dos tecidos e se difunde como gás através dos espaços intercelulares para o exterior do tecido. A concentração do etileno de 1 µl L -1 na fase gasosa, a 25 ºC, corresponde à concentração de 4,4 x 10-9 M do etileno na água. Devido a facilidade na medição, são geralmente utilizadas as concentrações do etileno na fase gasosa.

5 5 Uma vez que o gás etileno é perdido dos tecidos com facilidade, podendo afetar outros órgãos, são utilizados sistemas de captura desse hormônio durante o armazenamento de frutos, vegetas e flores. O permanganato de potássio (KMnO 4 ) é um absorvente eficiente do etileno e pode reduzir de 250 para 10 µl L -1 a concentração desse hormônio nos locais de armazenamento de maçãs, aumentando o tempo de estocagem de tais frutos. Figura 2. A rota biossintética do etileno e o ciclo de Yang. O aminoácido metionina é o precursor do etileno. A etapa limitante da rota é a conversão do AdoMet em ACC, a qual é catalisada pela enzima ACC sintase. A última etapa da rota, a conversão do ACC em etileno, necessita do oxigênio e é catalisada pela enzima ACC oxidase. O grupo CH 3 -S da metionina é reciclado pela via do ciclo de Yang e, assim, conservada para a continuação da síntese. Além de ser convertido em etileno, o ACC pode ser conjugado com o N-malonil ACC. AOA = ácido aminoxiacético; AVG = aminoetóxivinilglicina. Fonte: Taiz & Zeiger (2004). O etileno são hidrocarbonetos insaturados, simétrico de 2 carbonos, uma dupla, 4 hidrogênios, pesos moleculares de 28,05, inflamável, incolor com odor adocicado similar ao éter e gasoso. Algumas substâncias são análogas ao etileno, com atividades biológicas similares como são os casos do propileno e acetileno, sendo estas moléculas preferencialmente pequenas e com duplas ligações. Quanto maior a cadeia de carbono e contendo ligações triplas menor sua atividade biológica. A via biossintética do etileno elucidada por Adams e Yang (1979), que verificaram, com carbono marcado, a conversão do L- metionina à S- adenosilmetionina, e desta aos produtos: ácido 1- aminociclopropano 1-carboxílico ( ACC) etileno.(figua 2)

6 6 A atividade da sintase do ACC é o ponto regulatório mais importante na produção de etileno, sendo os teores dessa enzima afetados por mudanças ambientais, hormonais e por diversos fatores fisiológicos. Verificou-se que a germinação, amadurecimento de frutos, senescência ou mesmo a resposta a estresses dentre os quais ferimentos mecânicos, secas, alagamento, geadas, infecções e agente tóxico são acompanhado pela ativação da sintase do ACC, promovendo elevação de etileno. A conversão de ACC a etileno é produzida pela enzima oxidativa ou mais conhecida como oxidase do ACC. Essa enzima esta associada à membrana plasmática ou presente no apoplasto. Esta enzima necessita de ferro, ascorbato e CO 2 para sua atividade, podendo ser inibida por benzoato de sódio, altas temperaturas, baixa oxigenação e íons cobalto(co +2 ). Devido o etileno ser um gás, sua aplicação no campo se torna difícil, mas em seu lugar vem sendo utilizado o ácido 2-cloroetilfosfônico, também conhecido como ethrel, que é uma substância inerte com o ph menor que 4, entretanto misturado em água e absorvido pela planta libera etileno em ph fisiológico. Essa solução aquosa de ethrel pode ser facilmente pulverizada em plantas, sendo absorvido e transportadas para os tecidos. Podendo ser usada para amadurecimento de frutos de tomate, maçã, como na sincronização da floração em bromeliácea, destacando o abacaxizeiro. 4- APLICAÇÕES DE FITORREGULADORES 4.1- AUXINA Em alguns casos, a auxina e o etileno provocam respostas semelhantes nas plantas, como a indução da floração em abacaxi e a inibição do alongamento de caules. Tais respostas podem ser devido à capacidade das auxinas em promover a síntese de etileno pelo aumento da atividade da ACC sintase. Essas observações sugerem que algumas respostas anteriormente à auxina (ácido indol-3-acético ou AIA) devem-se, na verdade, à produção do etileno em resposta à auxina. Inibidores da síntese de proteínas bloqueiam tanto a síntese de ACC quanto à de etileno induzida pela auxina, indicando que a síntese de uma nova proteína ACC promovida pela auxina ocasiona um aumento marcante na produção de etileno. Vários genes que codificam a ACC sintase foram identificados, cujos níveis de transcrição são elevados após a aplicação exógena do AIA, sugerindo que o aumento na transcrição é, pelo menos em parte, responsável pelo aumento na produção de etileno em resposta à auxina. A produção do etileno pode também ser uma regulação pós-transcricional. Em alguns tecidos vegetais, como de ervilha e Arabidopsis, a aplicação exógena de citocininas provoca o

7 7 aumento na produção de etileno, resultando em um fenótipo de resposta tríplice. (Figura 3). Estudos genéticos e moleculares têm demonstrado que as citocininas aumentam a biossíntese do etileno pelo aumento da estabilidade e/ou atividade de uma isoforma da ACC sintase. Em concentrações acima de 0,1 ul L -1, o etileno altera o padrão de crescimento de plântulas pela redução da taxa de alongamento (redução do crescimento em altura) e aumento da expansão lateral (engrossamento), levando ao intumescimento da região imediatamente abaixo do gancho plumular (curvatura do caule na região dos cotilédones), além de promover um aumento do próprio gancho plumular ou um crescimento horizontal da planta. Tais efeitos do etileno são comuns no crescimento da parte aérea de muitas dicotiledôneas, constituindo um elemento de resposta tríplice (Figura 3). Figura 3. Resposta tríplice de plântulas estioladas de ervilha. Plântulas de ervilha com seis dias foram tratadas com etileno 10 ppm (partes por milhão) de etileno (plântulas da direita) ou mantidas sem tratamento (plântulas da esquerda). As plântulas tratadas apresentaram uma expansão radial, inibição do alongamento do epicótilo e um crescimento horizontal do epicótilo (diagravitropismo). Fonte: Taiz & Zeiger (2004). O direcionamento da expansão da célula vegetal é determinado pela orientação das microfibrilas de celulose da parede celular. As microfibrilas transversais forçam a parede celular nas direções laterais, de forma que a pressão de turgor é dirigida para o alongamento celular. A orientação das microfibrilas, por sua vez, é determinada pela orientação do arranjo cortical dos microtúbulos no citoplasma cortical (periférico). No arranjo típico das células vegetais em alongamento, os microtúbulos corticais estão organizados transversalmente, dando origem ao arranjo transversal das microfibrilas de celulose. Durante a resposta tríplice das plantas ao etileno, o padrão transversal, de alinhamento dos microtúbulos é desorganizado e alterado para uma orientação longitudinal. Esta mudança de 90º na orientação dos microtúbulos leva a uma deposição paralela das microfibrilas de celulose. O novo

8 8 depósito da parede é reforçado mais na direção longitudinal do que na direção transversal, promovendo a expansão lateral em vez do alongamento. Foi descoberto que os microtúbulos não se orientam a partir do sentido transversal para o longitudinal pela despolarização completa dos microtúbulos transversais, seguida pela repolarilação de um novo arranjo longitudinal de microtúbulos. Em vez disso, ocorre o aumento do número de microtúbulos não-alinhados transversalmente, que surgem em uma posição específica (Figura 4). Em seguida, os microtúbulos adjacentes adotam o novo alinhamento, sendo que, em um determinado estágio, diferentes alinhamentos coexistem antes que seja adotada uma orientação longitudinal uniforme. Figura 4. Reorientação dos microtúbulos, de transversal para vertical, em células epidérmicas do caule de ervilha, em resposta ao ferimento. Uma célula viva da epiderme foi microinjetada com rodamina conjugada a tubulina, que foi incorporada aos microtúbulos da planta. Uma série de tempos de aproximadamente seis minutos de intervalo mostra os microtúbulos corticais sendo reorientados de uma rede transversal para oblíqua/longitudinal. A reorientação parece envolver o surgimento de um novo conjunto discordante de microtúbulos em uma nova direção, concomitantemente com o desaparecimento de microtúbulos do alinhamento anterior. Fonte: Taiz & Zeiger (2004). Os inibidores são úteis na identificação dos hormônios que apresentam efeitos idênticos nos tecidos vegetais ou quando um hormônio afeta a síntese ou a ação de outro hormônio. O etileno mimetiza altas concentrações de auxina, provocando a epinastia (curvatura das folhas para baixo) e a inibição do crescimento do caule. A utilização de inibidores da biossíntese e da ação do etileno possibilita distinguir entre as ações da auxina e do etileno. Os estudos utilizando inibidores mostram que o etileno é o agente primário da epinastia e que a auxina age indiretamente, causando um aumento substancial na produção do etileno.

9 9 A aplicação de AIA provoca a elevação da produção de ACC e etileno, refletindo na elevação de mrna da sintase do ACC. A aplicação de auxinas sintéticas como ANA, 2,4-D e picloram (ambos herbicidas) estimula a produção de etileno, enquanto que AVG bloqueia esse gás. 4.2-CITOCININAS Plantas tratadas com citocininas, eleva a produção de etileno de 2 a 4 vezes, conforme observado em milho, alface e etc..a aplicação de citocininas e auxinas resulta na produção de etileno muito maior quando esses são aplicados isoladamente, em sementes de pepino foi observado este fato, onde o efeito do sinergismo, esta associado a maior atividade sintase do ACC, e conseqüentemente a produção de ACC GIBERELINAS Nos casos de tratamentos com giberelina, pequenos e variáveis na produção de etileno. Onde apenas um leve incremento na produção de etileno foi verificado com feijão e sementes de amendoim ÁCIDO ABSCISICO O ABA em algumas plantas quando aplicado promove a produção de etileno como em alfaces e maçãs, pode ser considerado pequeno com um aumento de 2 vezes nos teores de etileno, possivelmente pela estimulação da oxidase ACC, entretanto em folhas de trigo submetidas à seca, a aplicação de ABA inibiu a produção de etileno ETILENO Dependendo do tecido vegetal a aplicação de etileno pode provocar a autocatálise ou a autoinibição desse hormônio. Durante o amadurecimento de frutos a aplicação de etileno induzirá a autocatálise, ou seja, promove a conversão de ACC a etileno. Por outro lado à auto-inibição, vai bloquear a síntese de ACC através da diminuição da atividade da sintase do ACC.

10 10 5- FATORES BIÓTICOS E ABIÓTICOS 5.1- TEMPERATURA A temperatura ótima para a produção de etileno é de cerca de 30º C, diminuindo sua síntese em temperaturas mais elevadas de um valor máximo de em torno de 40º C. Em temperaturas elevadas às enzimas oxidases do ACC são inativadas, possivelmente devido a sua localização ser nas membranas ou no apoplasto. Entretanto a sintase do ACC, não é prejudicada em temperaturas elevadas, ocorrendo um acúmulo de ACC. Temperaturas extremas podem gerar estresses, levando síntese de etileno LUZ A quantidade e qualidade de luz vão interferir na produção de etileno, podendo ter uma promoção ou inibição do mesmo. Em tecidos verdes a luz inibe a produção de etileno. Em amendoim rasteiro as gemas crescem horizontalmente, na presença de luz, e quase que verticalmente no escuro, onde a produção de etileno é 3 vezes maior. Onde podemos dizer que o etileno de alguma forma, orienta o crescimento de plantas rasteiras. As baixas intensidades de luz podem estimular a síntese de etileno e abscisão foliar de plantas sensíveis à sombra, por exemplo de algumas cultivares de pimenta OXIGÊNIO Como a enzima oxidase ACC de pende de oxigênio, o aumento do mesmo vai aumentar a produção de etileno, onde em frutos climatéricos podem ser inibidos com baixos teores de O 2, isso explica os baixos teores de O 2 em câmaras controladas para armazenamentos de frutos GÁS CARBÔNICO A síntese de etileno através de CO 2, vai depender dos tecidos vegetais. A ação antagônica do CO 2 em relação aos frutos climatéricos, possibilita o armazenamento de frutos em câmaras com concentrações elevadas de CO 2. Em pêssego e maçã, colocada em câmara enriquecida com 40% de CO 2 não houve produção de etileno, porém à taxa respiratória foi reduzida a metade. Entretanto em plantas de milho, arroz e

11 11 etc...colocadas em concentrações altas de CO 2 tiveram a produções de etileno aumentada, resultante de uma maior atividade ou síntese da oxidase do ACC ALAGAMENTO A água em excesso pode asfixiar as raízes das plantas terrestres devido a redução ou eliminação do oxigênio no solo, impedindo as trocas gasosas entre as raízes, a rizosfera e o ambiente aéreo. Em plantas alagadas o etileno é o hormônio encontrado em teores mais altos nas plantas alagadas, provocando redução do crescimento da folhas, caules e raízes, a epinastia, senescência e abscisão foliar, aumento da espessura da base caulinar, formação de aerênquima e raízes adventícias, bem como a hipertrofia de lenticelas dos caules e das raízes. O precursor ACC é acumulado na raiz hipóxica e transportado pelo xilema para a parte aérea mais oxigenada, onde será oxidado a etileno, elevando a produção desse gás. Após 24 horas de alagamento o teor de ACC aumenta significativamente, onde a produção de etileno a partir de 48 horas (Tabela 1). Tabela 1. Efeitos do alagamento sobre os teores deacc (nmol g -1 ) na seiva do xilema de etileno (nl g -1 h -1 ) em pecíolos de plantas de tomate (Lycopersicum esculentum). Plantas-controles (mantidas em solo drenado) e plantas alagadas durante 24, 48 e 72 horas. Fonte: Kerbauy (2004) SECA Varias espécies de vegetais, quando submetidos a seca, apresentam uma elevação nos teores de etileno. Estas alterações fisiológicas, bioquímicas e moleculares estão associadas ao aumento e redistribuição de ácido abscísico.

12 SUBSTANCIAS QUÍMICAS A produção de etileno pode ser estimulada por vários metais fitotóxicos, como cobre, ferro, prata, lítio e zinco; compostos inorgânicos, como a amônia, bissulfito; orgânicos como acido ascórbico; herbicidas, pesticidas e desfolhante como cianeto de potássio FERIMENTOS MECANICOS A síntese de etileno pode ser promovida através de estímulos mecânicos, como fragmentação de órgãos, a incisão, sendo a produção desse gás dependente da intensidade do ferimento, onde há uma maior produção de sintase do ACC.(Tabela 2). Tabela 2. Efeitos de ferimento na produção, durante 25 horas, da sintase do ACC (nmol g -1 h -1 ), ACC (nmol g -1 ) e etileno (nmol g -1 h -1 ) em discos de mesocarpo de (Curcubita maxima). Fonte: Kerbauy (2004) INFECÇÕES POR PATÓGENOS O amarelecimento, epinastia e abscisão das folhas podem ser provocada pela infecção de fungos, vírus e bactérias. Estes sintomas são típicos do etileno, que parece estar ligado ao mecanismo de resistência (Figura 5). O aumento de etileno provoca uma série de alterações na atividade de enzimas como a catalase, quitinase, glucanase, invertase e etc... Onde esta associada com a resistência.

13 13 Figura 5. Produção de etileno por plantas de algodão sadias e infectadas. Isolado de Verticillium albo-atrum com ação desfolhante ocasionou uma maior produção de etileno que o isolado não desfolhante. Fonte: Taiz & Zeiger (2004). 6- TRANSPORTE DE ETILENO O transporte de etileno é independente de tecidos vasculares e de outras células. Esse gás se move facilmente nos espaços intercelulares, podendo ser perdido para o meio ambiente. A água e os solutos do citoplasma dificultam o movimento do etileno, sendo o seu coeficiente de difusão, cerca de vezes inferior ao do ar. Devido sua afinidade com os lipídios (14 vezes mais solúvel do que na água), o etileno é capaz de difundir-se com facilidade pela casca de alguns frutos, com a maçã (presença de ceras). 7- MECANISMO DE AÇÃO DO ETILENO Os hormônios apresentam, freqüentemente, diferentes tipos de células-alvo respondem ao mesmo conjunto de sinais através de mecanismos similares de percepção e transdução, porem em seus programas moleculares são distinto. Independente da diversidade de efetivos do etileno no desenvolvimento vegetal, seu mecanismo de ação envolve, num primeiro momento a ligação a um receptor específico, seguido por uma ou mais vias de transdução de sinais, obtendo-se então a resposta celular (Figura 6). Na ausência de etileno, essas respostas são reprimidas, possivelmente pela ativação direta do regulador negativo CTR1, que atuaria sobre cascata de fosforilações, impedindo a seqüência de proteínas EIN2, EIN3 e ERFl de se tornar ativa.

14 14 Figura 6. Modelo hipotético de sinalização do etileno em Arabidopsis. O etileno se liga aos receptores ETR1 ou RRS1, que são proteínas de membrana do retículo endoplasmático. Os receptores de etileno ETR2 e EIN4, similares a ETR1 e ERS2, similar a ERS1, também podem estar na membrana. O etileno se liga ao receptor através do co-fator cobre, o que causa a inativação do CTR1, permitindo que EIN2 se torne ativado, o que promove a ativação de uma cascata de fatores de transcrição, incluindo o EIN3 e o ERF1, que causam a expressão de genes estimulados por etileno. Fonte: Kerbauy (2004).

15 15 8- PRINCIPAIS FUNÇÕES DO ETILENO NOS VEGETAIS 8.1- DIVISÃO E EXPANSÃO CELULAR O crescimento reduzido provocado pelo etileno em plantas intactas, esta ligada ao retardamento ou até mesmo a inibição da divisão celular, devido a maior duração da fase G1, G2 ou S. O etileno provoca a reorganização de microfibrilas de celulose da parede celular, na posição normalmente transversal para longitudinal, tendo como conseqüência, uma redução no alongamento longitudinal e um incremento na expansão celular lateral, fazendo com que o caule fique mais tempo curto e espesso. (Figura 7) Figura 7. Área média de células da base caulinar de plantas Pelthophorum dubium. Controleplantas drenadas; controle + etileno- plantas drenadas e tratadas com 240 mg l -1 de Ethrel; Um aumento similar das áreas das células foi verificado tanto em plantas drenadas tratadas Ethrel quanto em plantas submetidas ao alagamento. As maiores áreas celulares são observadas em plantas alagadas tratadas com Ethrel. Fonte: Kerbauy (2004) DORMÊNCIA A habilidade de muitas plantas se desenvolverem em estações do ano ou regiões adversas depende da capacidade que apresentam de restringir o desenvolvimento sob condições desfavoráveis e retomá-lo em condições apropriadas. Os mecanismos de reativação do crescimento e desenvolvimento ainda não são totalmente compreendidos, podendo haver alguma participação do etileno nesses processos. O envolvimento do etileno na promoção da germinação foi observado, inicialmente, na

16 16 década de 20 em algumas espécies de mono e dicotiledôneas. Sementes dormentes de pêssego, por exemplo, apresentam uma produção reduzida de etileno no eixo embrionário, podendo a germinação destas ser promovida através de tratamento com Ethrel. Em carrapichos, as sementes não-dormentes produzem até 4 vezes o teor de etileno verificado nas sementes dormentes, cujos tecidos acumulam ACC e apresentam baixas concentrações da oxidase do ACC. Em sementes de alface e de Xanthium pensylvanicum, a utilização de inibidores da síntese de etileno, como o AVG e íons cobalto, reduz a taxa de germinação, efeito esse revertido, por sua vez, com a aplicação desse gás. O efeito do etileno na promoção do desenvolvimento de brotos laterais em plantas lenhosas é conhecido desde a década de 20, apesar de não se saber ainda ao certo como atuaria nesse processo. O desenvolvimento dos ramos laterais resultaria da remoção do efeito inibitório do meristema apical sobre as gemas laterais, cuja dormência é controlada por vários hormônios, podendo o etileno modular a atividade desses hormônios (como estudado em Auxinas e Citocininas). A brotação de bromeliáceas, cormos de gladíolos e tubérculos de batatas pode ser estimulada, experimentalmente, por etileno, estando associada, pelo menos no último caso, ao aumento da taxa respiratória e à mobilização de carboidratos CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO DA PARTE AÉREA CRESCIMENTO A inibição do crescimento resultante da divisão e alongamento celulares é um efeito marcante do etileno, interpretado como conseqüência de alterações no transporte ou da ação de substâncias promotoras desses eventos celulares. Em caules e raízes, a inibição do crescimento é rápida, porém reversível, tanto em plantas intactas quanto em segmentos isolados. Entretanto, em plantas aquáticas, o crescimento de caules, pecíolos e pedúnculos de frutos é estimulado pela elevação do teor de etileno, este resultante simultaneamente do aumento na síntese do ACC e redução na difusão deste e de outros gases, de acordo com o observado, por exemplo, em arroz, pecíolos de várias plantas de hábito aquático, como Ranunculus sceleratus, Rumex palus, tris Rumex crispus, Nymphoides peltata, Callitriche platycarpa e raquis de Regnillidium diphyllum (samambaia) podem também ter o crescimento favorecido por etileno. Esses efeitos estimulatórios podem ser resultantes da interação do etileno com outros hormônios, dentre os quais um aumento na síntese de ácido giberélico (AG), ou uma diminuição no teor do ácido abscísico (ABA), alterando assim, favoravelmente, o balanço entre as

17 17 substâncias promotora e inibidora do crescimento (Figura 8). Perturbações mecânicas no caule causadas pelo vento podem estimular a produção de etileno e alterar o crescimento e desenvolvimento das plantas, modificando sua estatura e formato. Em hipocótilo de pepino, a produção de etileno foi duplicada após 4 horas da perturbação mecânica, causando a curvatura da plântula em direção ao estímulo, processo esse observado em cerca de 50 espécies de 20 famílias diferentes. Figura 8. Crescimento caulinar de plantas de arroz cultivadas sob alagamento. Nessa condição, as plantas apresentam teores elevados de etileno o que acarreta uma diminuição da concentração do hormônio inibidor do crescimento ABA e um aumento no teor do hormônio promotor do crescimento GA, o que promove o crescimento do caule. Fonte: Kerbauy (2004) LENTICELAS HIPERTROFIADAS O etileno está associado à hipertrofia de lenticelas caulinares, estas resultantes de um aumento de volume do tecido parenquimatoso encontrado junto a seus poros. Em plantas de Croton urucurana mantidas sob condições de capacidade de campo e tratadas com Ethrel, observou-se que o número de lenticelas aumentava com o aumento da concentração dessa substância liberadora de etileno (Tabela 3). Essa hipertrofia tem sido observada na base de caules e em raízes de plantas sujeitas ao alagamento, representando estruturas importantes para a eliminação de compostos tóxicos, como o etanol, e também para a captação do oxigênio, que se difunde da parte aérea para as raízes submersas (hipóxicas). Tabela 3. Número médio de lenticelas hipertrofiadas encontradas em uma área de 0,25 cm 2 na base caulinar de plantas de Croton urucuana tratadas com 150 e 300 mg/l de Ethrel. Fonte: Kerbauy (2004).

18 INDUÇÃO FLORAL E EXPRESSÃO SEXUAL A promoção da floração pelo etileno, inicialmente observada em abacaxizeiro e mangueira através da fumaça de madeira, é limitada a um pequeno número de espécies, destacando-se as espécies de Bromeliaceae. Em plantas de abacaxi, a aplicação de Ethrel ou de auxinas que induzem a produção de etileno sincroniza a resposta de floração e, portanto, a colheita dos frutos, representando uma importante prática horticultural. A resposta ao etileno é dependente da presença de pelo menos uma folha com grau mínimo de maturidade. Enquanto o tratamento de 6 horas com etileno mostrou-se suficiente para promover após 4 dias a indução floral em abacaxi, o tratamento com AVG em algumas espécies ornamentais de Bromeliaceae atrasou a formação de flores. A aplicação de etileno aumentou a formação de hastes florais em gladíolo, narciso e íris, cujos bulbos foram tratados com esse hormônio. Em Narciso tazetta, a aplicação desse gás aumentou a taxa de floração em 70% e reduziu em 20 dias o tempo de juvenilidade. Tratamentos com etileno podem promover a feminilização na alga marinha Dictiostelium mucoroides e na briófita Selaginella, assim como em plantas superiores, dentre as quais as Cucurbitaceae. Esse processo pode ser resultante da indução de um meristema floral feminino ou da ação letal do etileno na gametogênese masculina. Em Gramíneas, especialmente em trigo, 89% das plantas tratadas com esse gás apresentaram esterilidade masculina. Por outro lado, a aplicação de etileno em Cucurbitacea, Morus, Ricinus communis (mamona) e Spinacia induziram a formação de flores femininas. O tratamento com giberelina exerce um efeito contrário ao etileno, favorecendo a produção de flores masculinas, efeito esse também verificado com a aplicação de inibidores da síntese de etileno (AVG) e de sua ação (íon prata) TECIDOS SECRETORES Algumas plantas possuem tecidos secretores como os ductos de resina em Pinaceae e os ductos gomíferos em Prunoideae, Citrus e Acacia. O etileno tem sido associado à indução dessas estruturas secretoras, relacionadas geralmente com a defesa contra insetos e organismos causadores de doenças. A aplicação de Ethrel estimulou a formação de resinas e ductos resiníferos em Pinus, além da formação de gomas em Citrus vokameriana, mangueira e cerejeira. Estresses, como o alagamento, induzem a produção de etileno e a formação desses ductos resiníferos. Em Hevea brasiliensis (seringueira), a aplicação de ACC é capaz de desencadear um aumento na produção e fluxo de látex, sendo assim uma técnica bastante utilizada na produção comercial da borracha.

19 SENESCÊNCIA A senescência ou envelhecimento nas plantas superiores, diferentemente do que geralmente se supõe, não deve ser visto como processo de deterioração, mas como parte integrante de um programa de desenvolvimento. Conforme mostrado, na Figura 9, a senescência pode ocorrer no organismo inteiro ou somente em parte dele. No primeiro caso, encontram-se as plantas que frutificam uma única vez (monocárpicas), as quais normalmente morrem após a frutificação, mesmo quando as condições ambientais continuam favoráveis ao desenvolvimento, como é o caso do milho, picão, alface, soja, tabaco etc. Nesse grupo não se encontram apenas plantas herbáceas, mas muitas espécies de agaves e touceiras de bambu, as quais podem demorar até dezenas de anos para florescer e frutificar, porém, quando o fazem, morrem rapidamente (Figura 9A). Nos vegetais monocárpicos, portanto, parece existir uma forte relação entre a frutificação e o estabelecimento dos eventos da senescência. Acredita-se, há bastante tempo, que a exaustão dos nutrientes disponíveis seria uma das causas desencadeadoras da senescência e a morte dessas plantas. De fato, se os botões florais de uma planta monocárpica forem sucessivamente eliminados à medida que se formam, a senescência pode ser retardada por um bom período de tempo. Em algumas plantas, apenas a parte aérea senesce, permanecendo intactas as raízes e uma pequena porção da base caulinar, da qual se formam novos brotos quando as condições ambientais se tomam favoráveis à retomada do crescimento (Figura 9B). A senescência pode ocorrer apenas nas folhas mais velhas, progredindo em direção às mais novas (Figura 9C). Nesse caso, a causa do amarelecimento inicial e da morte que se segue pode ser encontrada na translocação dos nutrientes dessas folhas para as regiões mais ativas do crescimento. A deficiência de nitrogênio é tida como uma das mais fortes causas dessa resposta. A senescência foliar pode ser desencadeada também por fatores ambientais, como o encurtamento dos dias e a diminuição das temperaturas outonais, conforme facilmente observado em angiospermas arbóreas de região de clima temperado, nas quais a senescência atinge todas as folhas simultaneamente, tomando-as amarelas-avermelhadas (Figura 9D). As flores podem também ser mencionada como órgãos de senescência simultânea, principalmente suas pétalas, sépalas e estames (Figura 9E), o que é facilmente visível, por exemplo, nos nossos ipês e jacarandás-mimosos, ambos da família Bignoneaceae. Quando não fecundadas, as flores inteiras caem. A senescência envolve tanto eventos citológicos quanto bioquímicos. Os cloroplastos do mesófilo são as primeiras organelas a entrar no processo de deterioração e de senescência foliar, desencadeado pela destruição das proteínas constitutivas dos tilacóides, do estroma (enzimas),

20 20 degradação da clorofila e conseqüente perda da cor verde. A coloração amarela-avermelhada das folhas senescentes resulta da presença de carotenóides, antes mascarados pela clorofila. A senescência foliar progride com a redução do volume citoplasmático, número de ribossomos etc. A despeito dessas profundas modificações, o núcleo permanece estrutural e funcionalmente intacto até os estágios finais da senescência foliar. Embora a senescência envolva processos de degradação e desativação de funções, paradoxalmente a ocorrência desses eventos catabólicos depende da síntese "de novo" de enzimas hidrolíticas, como proteases, lipases e ribonucleases. Isso mostra, claramente, que a senescência não pode ser interpretada, conforme já mencionado, como um simples processo de deterioração, mas como um evento regulado geneticamente, com começo, meio e fim, como qualquer outro processo do desenvolvimento vegetal. Segundo o que se tem observado, alguns genes se encontram aparentemente desativados ou com baixa atividade durante o desenvolvimento das plantas, como é o caso dos genes associados a senescência (sag). Todavia, a partir de certo momento, passam a exercer um papel importante no desencadeamento da síntese de enzimas hidrolíticas. Tanto quanto se sabe até o momento, o etileno e as citocininas são os hormônios mais de perto relacionados com a senescência. Uma elevação na produção de etileno e uma concomitante diminuição dos teores de citocininas têm sido observadas em órgãos senescentes. Tratamentos com Ethrel (substância que libera etileno) e ACC aceleram a senescência foliar, enquanto as citocininas retardam pronunciadamente o envelhecimento desse órgão. O emprego de substâncias inibidoras da síntese de etileno, como aminoetoxivinilglicina (AVG) e íons cobaltos, ou as ações desse hormônio, como alguns sais de prata (AgN0 3 ) ou gás carbônico, retardam a senescência. Postula-se que a senescência foliar seja regulada por um balanço entre etileno e citocininas. Todavia, vale salientar que, a exemplo do que ocorre com os demais fitormônios, a resposta ao etileno e citocininas vai depender da sensibilidade das células a ambos. De modo geral, a sensibilidade ao etileno aumenta à medida que o órgão se desenvolve e amadurece; órgãos ainda muito jovens não são responsivo ao etileno. O etileno é o hormônio mais de perto envolvido com a senescência de folhas, flores ou partes florais. Evidências consistentes do envolvimento do etileno senescência foram observadas em plantas mutantes para as proteínas receptoras de etileno (ETRl). Esses mutantes são praticamente insensíveis ao etileno, retendo por um período mais longo as clorofilas das folhas e sépalas, em relação às respectivas plantas selvagens. Outras evidências relacionadas à importância do etileno na senescência de folhas, pétalas e sépalas têm sido obtidas em plantas geneticamente modificadas por meio da inserção, em sentido inverso, da região codificante do gene de uma proteína cuja função

21 21 deseja-se bloquear. Dessa maneira, o produto da transcrição do gene inserido, o chamado RNAm anti-senso, será complementar ao produto da transcrição (RNAm) do gene endógeno. Os dois genes ligam-se por complementaridade de nucleotídeos, impedindo o acesso aos ribossomos. Como resultado, a produção da proteína em questão será reduzida. Plantas transgênicas portadoras de RNAm antisenso para os genes que codificam a sintase do ACC ou oxidase do ACC, ambas envolvidas na síntese do etileno, exibem atraso na senescência das folhas, pétalas e sépalas. Flores de cravos (Dianthus sp.), que normalmente são muito sensíveis ao etileno, murchando rapidamente, quando modificadas por RNAm anti-senso apresentaram uma duração bem maior do que as respectivas flores não modificadas geneticamente. A utilização dessa tecnologia na floricultura abre amplas perspectivas para a melhora da qualidade de flores cortadas ou envasada, aumentando a duração pós-colheita e todas as vantagens dela decorrentes. Figura 9. Tipos principais de senescência em plantas superiores, com a morte da planta inteira (A); apenas a parte aérea (B); progressivamente das folhas mais velhas em direção às mais novas (C); simultaneamente em todas as folhas (D); e flores (E). Fonte: Kerbauy (2004) ABSCISÃO Ao longo do seu desenvolvimento, as plantas superiores podem liberar folhas, flores, partes de flores e frutos. Esse é o processo de abscisão, geralmente relacionado com frutos maduros, órgãos senescentes danificados. A abscisão ocorre na camada ou zona de abscisão, um conjunto de células diferenciadas morfológica quanto fisiologicamente. As zonas de abscisão localizam-se entre o órgão e o corpo da planta e se estabelecem, precocemente, durante o desenvolvimento do órgão. Baseado em evidências experimentais disponíveis, tem sido sugerido que a abscisão seria controlada principalmente pela ação de dois hormônios: etileno e auxina. O primeiro teria um papel desencadeador da abscisão, enquanto a auxina estaria envolvida numa redução da sensibilidade das

22 22 células ao etileno, prevenindo ou retardando,. dessa maneira, a queda dos órgãos. De fato, a aplicação de etileno estimula a abscisão após as células da camada de abscisão terem alcançado necessário grau de competência para tanto. De modo geral, órgãos ainda bastante jovens não respondem ao etileno. O efeito do etileno tem sido satisfatoriamente revertido pela aplicação de substâncias inibitórias da síntese ou da ação do etileno. As evidências disponíveis indicam que o efeito da auxina, nesse caso, ocorreria sob um rígido controle de sua concentração endógena no órgão. Experimentos nos quais foram retirados os limbos das folhas mostraram que os pecíolos logo sofriam abscisão, a qual, por sua vez, podia ser retardada se fosse aplicada pasta de lanolina contendo de 0,1 a 10 mg g-l de AIA. Tratamentos com doses elevadas de auxinas podem ter efeitos opostos, nesses casos contribuindo para a aceleração da abscisão, conforme tem sido verificado em folhas de várias espécies de angiospermas. Experimentos têm mostrado, em vários tipos de tecidos, que a presença de teores elevados de auxina estimula a síntese de etileno; trata-se de um efeito bastante conhecido das auxinas. O emprego de auxinas sintéticas como agentes desfolhantes é conhecido há tempos, destacando-se dentre elas o ácido 2,4,5 triclorofenoxiacético (2,4,5-T), componente ativo do "agente laranja", abundantemente utilizado pelos Estados Unidos na guerra do Vietnã. Do ponto de vista estritamente mecânico, a abscisão decorre do estabelecimento de uma fina camada transversal de células ao órgão, cujas ligações de paredes, inicialmente fortes, tomaram-se enfraquecidas devido às atividades de celulases e poligalacturonases. Conforme mostrado esquematicamente na Figura 10, inicialmente as células da zona de abscisão são relativamente pequenas e com citoplasma denso. Nessa condição, a folha mantém-se ligada à planta devido a um gradiente de auxinas fluindo do limbo em direção ao caule, tomando as células dessa camada pouco sensíveis ao etileno (Figura 10A). O desenvolvimento da zona de abscisão com a diminuição do gradiente de auxina está associado à maturidade foliar, estresse ou ácido abscísico, que eleva substancialmente a sensibilidade dessas células ao etileno (Figura. 10B), de forma que mesmo um pequeno aumento deste último é suficiente para estimular a formação de enzimas como as celulases, que hidrolisam a celulose da parede celular, causando a abscisão (Figura 10C). Conforme é ainda mostrado nessa figura, as células mais externas (do lado caulinar), mesmo após a abscisão, continuam a aumentar de tamanho; quando esse processo se encerra, elas são suberificadas e morrem, contribuindo assim para a formação de uma camada de proteção externa (Figura 10D). A abscisão depende da ativação de determinados genes que codificam enzimas hidrolíticas das paredes celulares. Tem sido observado que genes que codificam para a celulase, como, por exemplo, a β-1,4-glucanase, são induzidos preferencialmente nas células da zona de abscisão. Em

23 23 tomate, foram detectados sete genes (cel 1 a cel 7) envolvidos com sete diferentes isoenzimas. Na separação do pedúnculo, o maior nível de expressão foi encontrado nos genes cel 1, cel 2 e ce1 5. A poligalacturonase está também relacionada com a separação de células tanto na abscisão de folhas quanto de flores e frutos. Conforme já mencionado, a síntese dessa enzima depende da presença de etileno, sendo três isoformas associadas com abscisão de tomate (TAPGl, TAPG2 e TAPG4). Figura 10. Representação esquemática da abscisão de órgãos (folhas, flores ou partes florais). A) órgão (O) unido a planta (P) contendo células pequenas no local de ligação; B) essas células são diferenciadas em zona de abscisão(za) devido à diminuição do teor de auxina e aumento da sensibilidade ao etileno; C) na zona de abscisão ocorre a separação do órgão pela ação da celulase; D) nesse local é formado uma camada de proteção. Fonte: Kerbauy (2004). A capacidade de o gás etileno causar desfolhação em árvores de Bétula é apresentada na figura A árvore do tipo selvagem a esquerda perdeu todas as folhas. Já a árvore à direita foi transformada com um gene de Arabdopsis para o receptor de etileno ETR1-1, o qual possui uma mutação dominante. Essa árvore é incapaz de responder ao etileno e não perde sua folhas após o tratamento com esse hormônio (Taiz & Zeiger,2004). Figura 10.1 Bloqueio da síntese do etileno em bétula (Betula pendula). A planta da esquerda é o tipo selvagem que produz normalmente etileno. A planta da direita foi transformada com a versão mutante do receptor de etileno de Arabidopsis, ETR1-1. Uma das características dessa planta mutante é que ela não perde as folhas quando fumegada por três dias com 50 ppm de etileno. Fonte: Taiz & Zeiger (2004).

24 AMADURECIMENTO DE ALGUNS FRUTOS O termo amadurecimento de frutos refere-se a mudanças no fruto que o tornam pronto para ser consumido. Tais mudanças incluem o amolecimento do fruto devido a quebra enzimática das paredes celulares, a hidrólise do amido, o acúmulo de açúcares e desaparecimento de ácidos orgânicos e de compostos fenólicos, incluindo os taninos. Sob uma perspectiva da planta, o amadurecimento do fruto indica que as sementes já estão prontas para serem dispersas. Por muito tempo, o etileno tem sido conhecido como o hormônio que acelera o amadurecimento de frutos. A exposição desses frutos ao etileno apressa os processos relacionados ao amadurecimento, sendo que um drástico aumento na produção de etileno acompanha o início do amadurecimento. No entanto, a avaliação de um grande número de frutos têm demonstrado que nem todos respondem ao etileno. Todos o frutos que amadurecem em resposta ao etileno exibem, antes da fase de amadurecimento, um aumento característico da respiração, chamado de climatério. Tais frutos também apresentam um pico na produção de etileno, imediatamente antes do aumento da respiração (Figura 11). Visto que o tratamento com etileno induz o fruto a produzir etileno adicional, essa reação pode ser descrita como autocatalítica. Maçãs, bananas, abacate e tomates são exemplos de frutos climatéricos. Em contraste, frutos cítricos e uvas não exibem aumento na respiração e na produção do etileno e são chamados de frutos não-climatéricos. Outros exemplos de frutos climatéricos e não-climatéricos são apresentados na Tabela 4. FIGURA 11. Produção de etileno e respiração. O amadurecimento em banana é caracterizado por um aumento climatérico na taxa de respiração, conforme evidenciado pelo aumento na produção de CO 2. O aumento climatérico na produção de etileno precede o aumento na produção de CO 2, sugerindo que o etileno é o hormônio que desencadeia o processo de amadurecimento. Fonte: Taiz & Zeiger (2004).

25 25 Quando frutos não-climatéricos e climatéricos são tratados com etileno, o início do climatério é acelerado. Quando frutos não-climatéricos são tratados da mesma forma, a magnitude do aumento respiratório ocorre em função da concentração do etileno, porém o tratamento não desencadeia a produção endógena do etileno nem acelera o amadurecimento. A explicação do papel do etileno no amadurecimento de frutos climatéricos resultou em muitas aplicações práticas que visam uniformizar ou retardar o amadurecimento. Embora o efeito do etileno exógeno no amadurecimento de frutos seja evidente, o estabelecimento de uma relação causal entre o nível endógeno do etileno e o amadurecimento de frutos é mais difícil. Os inibidores da síntese do etileno, como AVG ou da ação do etileno como CO 2, NCPA ou Ag + têm retardado ou mesmo evitado o amadurecimento. Entretanto, a demonstração definitiva sobre a necessidade do etileno para o amadurecimento de frutos foi fornecida por experimentos nos quais a biossíntese desse hormônio foi bloqueada pela expressão de uma versão anti-senso da ACC sintase ou da ACC oxidase em plantas transgênicas de tomateiro. A eliminação da biossíntese do etileno nesses tomateiros transgênicos bloqueia completamente o amadurecimento dos frutos, sendo o amadurecimento restaurado pela aplicação exógena de etileno. Quando o fruto amadurece a taxa do ACC e a biossíntese do etileno aumenta. A atividade enzimática, tanto da ACC oxidase (Figura 12) quanto da ACC sintase é aumentada, bem como os níveis de RNAm de subgrupos de genes que codificam cada enzima. Contudo, a aplicação do ACC em frutos não maduros apenas aumenta levemente a produção do etileno, indicando que um aumento na atividade da ACC oxidase é a etapa limitante do amadurecimento (TAIZ & ZEIGER, 2004). Figura 12. Variação no teor de etileno e de ACC, bem como na atividade da ACC oxidase, durante o amadurecimento de frutos. Alterações na atividade da ACC oxidase e na concentração do etileno e de ACC em maçãs da variedade Golden Delicius. Os dados estão plotados em função dos dias após a colheita. O aumento na concentração do etileno e de ACC e na atividade da ACC oxidase estão estreitamente relacionados ao amadurecimento. Taiz & Zeiger (2004).

26 26 Tabela 4. Principais exemplos de frutos que apresentam respiração climatérica (frutos climatéricos) e respiração não climatérica (Frutos não climatéricos). Taiz & Zeiger (2004). Outras demonstrações da necessidade do etileno para o amadurecimento de frutos vêm da análise da maturação never-ripe (nunca-maduro) em tomateiro. Essa mutação bloqueia completamente o amadurecimento dos frutos do tomateiro. Análises moleculares revelam que o never-ripe deve-se a uma mutação de um receptor do etileno que confere a incapacidade de ligação com esse hormônio. Tais experimentos fornecem uma prova evidente do papel do etileno no amadurecimento de frutos e abriram as portas para a manipulação do amadurecimento por meio de biotecnologia EPINASTIA DAS FOLHAS A curvatura das folhas para baixo, que ocorre quando o lado superior (adaxial) do pecíolo cresce mais rápido do que o lado inferior (abaxial), é chamada de epinastia (Figura 13). O etileno e as altas concentrações de auxina induzem a epinastia e, atualmente, está confirmado que a auxina age indiretamente pela indução da produção do etileno. O estresse salino ou a infecção por patógenos também aumentam a produção de etileno e induzem a epinastia. Não se conhece a função fisiológica dessa resposta. No tomateiro e em outras dicotiledôneas, a inundação (encharcamento) ou as condições anaeróbicas no entorno das raízes acentuam a síntese de etileno da parte aérea, levando à resposta epinástica. Uma vez que tal estresse ambiental é percebido pelas raízes e a resposta é exibida nas partes aéreas, um sinal deve ser transportado a partir das raízes até as partes aéreas. Esse sinal é o ACC, que é precursor imediato do etileno. Foi constatado que os níveis do ACC aumentam significativamente na seiva do xilema, após as raízes do tomateiro serem inundadas por um a dois dias (Figura 14).

27 27 FIGURA 13. A epinastia, ou curvatura para baixo, de folhas de tomateiro (planta a direita) é provocada pelo tratamento com etileno. A epinastia ocorre quando as células do lado superior do pecíolo crescem mais rápido que as células do lado inferior. Fonte: Taiz & Zeiger (2004). Horas de encharcamento Figura 14. Variação na quantidade de ACC na seiva do xilema e a produção do etileno em pecíolos, após a inundação de plantas de tomateiro. O ACC é sintetizado nas raízes, porém é lentamente convertido em etileno sob condições anaeróbicas da inundação. O ACC é transportado via xilema para a parte aérea, onde é convertido em etileno. O etileno gasoso não pode ser transportado, de modo que geralmente afeta o tecido próximo ao local onde foi produzido. O ACC, precursor do etileno, é transportado e pode produzir etileno longe do local onde foi sintetizado. Fonte: Taiz & Zeiger (2004).

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: ETILENO (O HORMÔNIO GASOSO) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL FISIOLÓGICO 3.1. AMADURECIMENTO

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso 1. Introdução 2. Estrutura, biossíntese e medição do etileno 3. Rotas de transdução de sinal do etileno 4. O etileno regula a expressão gênica 5. Efeitos do etileno

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ Absorção

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Trabalho nº4 Daniela Costa e Sousa Filipa França de Barros Luís Manuel M. V. L. Tavares Marta Filipa P. M. Gonçalves Fisiologia Vegetal Licenciatura em Bioquímica Com

Leia mais

A energética celular:

A energética celular: A energética celular: o papel das mitocôndrias e cloroplastos Capitulo 13 (p 427 a 444) e Capitulo 14 Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição A energética celular Como já vimos anteriormente

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Aula 10 Fotossíntese

Aula 10 Fotossíntese Aula 10 Fotossíntese A fotossíntese é um importante processo nutritivo, que ocorre desde os seres vivos mais simples, como as algas unicelulares e cianobactérias, até os organismos complexos. O processo

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

Degradação Bioquímica

Degradação Bioquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução A degradação dos polímeros pode acontecer: Em presença de microorganismos (Biodegradação) Na ausência

Leia mais

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque HORMONAS VEGETAIS Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque mecânico (contacto). Apesar de não

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Origem das proteínas e de suas estruturas Níveis de Estrutura Protéica Estrutura das proteínas Conformação

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Membrana plasmática (plasmalema)

Membrana plasmática (plasmalema) Membrana plasmática (plasmalema) Bicamada lipídica (fosfolipídio + colesterol) responsável pela proteção e pelo controle da entrada e saída de substâncias da célula (permeabilidade seletiva). Modelo do

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento V581 - Fisiologia Vegetal ásica - Desenvolvimento ula 11: Elaboração dos meristemas e Florescimento Prof. Marcelo. Dornelas ativação e elaboração dos meristemas produz praticamente todo o corpo da planta

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Profa. Marta H. Fillet Spoto Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Piracicaba - SP PORQUÊ CONSERVAR? Para manter

Leia mais

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR 1 Aspectos gerais Definições: a) Absorção b) Transporte ou translocação c) Redistribuição 2 Aspectos anatômicos da raiz Tecidos envolvidos: Epiderme (pêlos absorventes) Parênquima

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

Processo de obtenção de energia das células respiração celular

Processo de obtenção de energia das células respiração celular Processo de obtenção de energia das células respiração celular Macromolécula mais abundante nas células Grande variedade (tamanho e função) Pequenos peptídeos a grandes cadeias com PM alto Diversidade

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

Aula CRESCIMENTO META OBJETIVOS. Entender o crescimento primário e secundário nas plantas.

Aula CRESCIMENTO META OBJETIVOS. Entender o crescimento primário e secundário nas plantas. CRESCIMENTO Aula 8 META Entender o crescimento primário e secundário nas plantas. OBJETIVOS Fisiologia Vegetal INTRODUÇÃO - processo conhecido como de crescimento. ra, peso) e funções em geral de um organismo,

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto 1943 1944 1953 1956 1961-66 1973 1975 1982 1988 1990 1996 2000-03 Biotecnologia Algumas

Leia mais

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos:

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A Célula Teoria celular: A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos (isto é, todos

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres A MAIORIA DAS CÉLULAS É UNINUCLEADA (APENAS UM NÚCLEO), MAS EXISTEM CÉLULAS COM MAIS DE DOIS.

Leia mais

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 introdução 2 vias de translocação 3 padrões de translocação (fonte para o dreno) 4 material translocado pelo floema 5 carregamento do floema 6 - descarregamento

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas Membrana e Organelas Membrana e Organelas 1. As funções das células estão relacionadas com sua estrutura e com sua atividade metabólica. Apresenta-se abaixo uma tabela em que estão discriminadas, em porcentagens,

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Transporte e translocação de solutos Transporte de solutos O movimento de moléculas ou íons de um local para outro é conhecido como TRANSPORTE

Leia mais

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Os lipídeos são abundantes em animais e vegetais. Compreendem os óleos, as gorduras, as ceras, os lipídios compostos como os fosfolipídios e os esteróides

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Relembrando: Material genético

Relembrando: Material genético REGULAÇÃO GÉNICA Relembrando: Material genético O MATERIAL GENÉTICO é o suporte físico do conjunto de padrões de informações hereditárias, transmitidas ao longo das gerações. GENE é a unidade de informação

Leia mais

Que diferenças existem entre a célula vegetal e animal? Características da célula vegetal e fotossíntese.

Que diferenças existem entre a célula vegetal e animal? Características da célula vegetal e fotossíntese. Que diferenças existem entre a célula vegetal e animal? Características da célula vegetal e fotossíntese. Parte da Célula Principais diferenças: Componente Célula Animal Célula Vegatal Membrana Parede

Leia mais

Nanopartículas em plantas, nano o quê? Milena Camargo de Paula * ; Rosana Marta Kolb

Nanopartículas em plantas, nano o quê? Milena Camargo de Paula * ; Rosana Marta Kolb 13 Nanopartículas em plantas, nano o quê? Milena Camargo de Paula * ; Rosana Marta Kolb Departamento de Ciências Biológicas. Faculdade de Ciências e Letras. Univ Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

TECIDOS FUNDAMENTAIS

TECIDOS FUNDAMENTAIS TECIDOS FUNDAMENTAIS Totipotência Capacidade da célula madura reter potencialidades para o crescimento e diferenciação, normalmente só encontradas no zigoto. Ex. célula do parênquima. TECIDOS podem ser

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 2 O que é a oxidação? É o processo pelo qual a matéria viva transforma em diferentes formas de energia atual a energia químico-potencial contida nas estruturas moleculares dos alimentos.

Leia mais

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal:

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Fatores externos de controle LCE SLC0622- Biologia 3 2016 Tropismo Resposta de crescimento envolvendo a curvatura de uma parte da planta em resposta

Leia mais

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert;

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 1º ano Disciplina: Biologia 2. TEMA

Leia mais

FISIOLOGIA CELULAR. 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano. 1.

FISIOLOGIA CELULAR. 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano. 1. FISIOLOGIA CELULAR Sumário 1. Estrutura celular 2. Constituintes moleculares 3. Organelas 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano Mas eu só queria um diploma

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global.

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. ENZIMAS Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. Toda enzima é uma proteína, mas nem toda proteína é uma enzima! CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

A Química da Vida. Gabriela Eckel

A Química da Vida. Gabriela Eckel A Química da Vida Gabriela Eckel Água A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. Porém, um conjunto de outras substâncias como, por

Leia mais

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos Sistemas de controle da transcrição gênica Procariotos Controle Positivo e Negativo: Há dois tipos de controle transcricional: Controle negativo: no qual uma proteína reguladora atua como um repressor

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON 1) O pâncreas é uma glândula mista, ou seja, possui função endócrina e exócrina. Na porção endócrina, o pâncreas produz dois hormônios: a insulina e o Esses hormônios

Leia mais

OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS: Cadeia respiratória e fosforilação oxidativa

OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS: Cadeia respiratória e fosforilação oxidativa OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS: Cadeia respiratória e fosforilação oxidativa Metabolismo: integração entre catabolismo e anabolismo Assimilação ou processamento da mat. Orgânica Síntese de Substâncias Estágio 1

Leia mais

Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição

Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Energética básicab Energia é a capacidade de realizar trabalho, que ocorre quando uma força age sobre

Leia mais

CITOLOGIA. Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas. MSc Monyke Lucena

CITOLOGIA. Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas. MSc Monyke Lucena CITOLOGIA Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas MSc Monyke Lucena Membrana Plasmática -Especializações Microvilosidades: São expansões semelhantes a dedos de luvas, que aumentam a

Leia mais

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Tipos de células Comparação Células eucariontes VEGETAL e ANIMAL 1. As algas azuis ou cianobactérias são procariontes; portanto, a) têm citoplasma dividido em compartimentos

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO - o processo I sugere a evaporação (transformação física) dos componentes do medicamento. - a decomposição das substâncias (transformação química) que constituem o princípio

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS

CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS 1. Dentre os diferentes compostos orgânicos das células temos as proteínas. Sobre estas responda: a) Cite

Leia mais

As funções das proteínas no organismo :

As funções das proteínas no organismo : PROTEINAS As funções das proteínas no organismo : As principais funções das proteínas - Construção de novos tecidos do corpo humano. - Atuam no transporte de substâncias como, por exemplo, o oxigênio.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Características anatômicas e químico-bromatológicas das forrageiras x alternativas para otimizar consumo e digestão

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução Unidade XI Transdução de sinal 1. Introdução 2. Transdução de sinal em células vegetais e animais 3. Transdução de sinal no espaço e no tempo Introdução Desde os estudos clássicos, os pesquisadores têm

Leia mais

REVISÃO AULAS ANTERIORES

REVISÃO AULAS ANTERIORES REVISÃO AULAS ANTERIORES Transporte de água através da planta A água de movimenta a favor de um gradiente de potencial hídrico entre atmosfera, planta e solo, ou seja, a água se movimenta do maior potencial

Leia mais

Exercícios de Proteínas

Exercícios de Proteínas Exercícios de Proteínas 1. As são compostos formados por unidos (as) por ligações e as são orgânicos, de natureza sensíveis às variações de temperatura. Os termos que corretamente preenchem as lacunas

Leia mais

Classificação LIPÍDIOS

Classificação LIPÍDIOS LIPÍDIOS DEFINIÇÃO Substâncias caracterizadas pela sua baixa solubilidade em água e alta solubilidade em solventes orgânicos. Suas propriedades físicas refletem a natureza hidrofóbica das suas estruturas

Leia mais

Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas

Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas Início Projeto Genoma Humano 20.000 genes (120.000 inicialmente estimados) Diversidade nucleotídica: 0,1 a 0,4% pares de base correspondente a aproximadamente

Leia mais

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Química e Bioquímica de Alimentos Componentes principais Proteína INTRODUÇÃO Proteínas Macromoléculas compostas de vários

Leia mais