Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado em Finanças e Economia Empresarial"

Transcrição

1 Mestrao em Finanças e Eonomia Empresarial BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE, AMBIENTE LEGAL E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS: UM ESTUDO DO CASO BRASILEIRO. Dissertação apresentaa à Esola e Pós-Grauação em Eonomia para obtenção o grau e Mestre em Finanças e Eonomia Empresarial. Aluno: Felipe Carvalho a Cruz Bana Examinaora: Prof. Dr. Daniel Ferreira (Orientaor, EPGE-FGV) Prof. Dr. Heitor Vieira e Almeia Neto (EPGE-FGV e New York University) Prof. Dr. Riaro Dias e Oliveira Brito (IBMEC-RJ) 3 e agosto e 003

2 Resumo A iéia entral este trabalho parte a perepção e que nem toos os investiores e uma mesma empresa reebem payoff proporional aos ireitos e fluxo e aixa onferios por suas ações. A esse valor, que seria apropriao pelos aionistas ontrolaores a empresa é ao o nome e benefíio privao e ontrole. Estuos anteriores mostram que a qualiae a proteção os minoritários pela lei, bem omo sua apliabiliae e origem as famílias legais expliam grane parte os benefíios privaos e ontrole entre os países. Mostram também que quano os ireitos os investiores e os reores são bem protegios e garantios pelos regulaores ou pelos tribunais, os investiores finaniam as empresas, estabeleeno a relação entre benefíios privaos e ontrole e esenvolvimento o merao e apitais. Este trabalho esenvolve um moelo simples apaz e apturar qual é a eisão ótima e um aministraor que exere ontrole sobre a empresa no que iz respeito a esviar ou não reursos a empresa e e expropriar ou não os investiores minoritários, seno que a aboragem feita neste estuo se ifere as anteriores na meia em que introuz ois tipos iferentes e esvios. O primeiro, tratao nos moelos anteriores, representa o esvio e reursos ou iéias a empresa para o aionista ontrolaor, enquanto que o seguno representa a apaiae o aionista ontrolaor e esviar reursos os aionistas minoritários. Nesta moelagem os ois tipos e esvios têm araterístias e ustos iferentes e são ombatios om instrumentos istintos na legislação. Por último, é feita uma análise e alguns pontos a Lei as S.A. brasileira busano ientifiar que araterístias essa legislação afetam os ustos inorrios pelo ontrolaor para esviar reursos os aionistas minoritários, realçano as araterístias que ontribuem para a qualiae e apliabiliae a legislação e foano nos inentivos geraos o ponto e vista eonômio.

3 ) INTRODUÇÃO A perepção e que parte o valor máximo e uma empresa não é iviia igualmente entre toos os aionistas, ou seja, nem toos os investiores e uma mesma empresa reebem payoff proporional aos ireitos e fluxo e aixa onferios pelas ações por eles etias, está hoje bastante ifunia na literatura. A esse valor, que seria apropriao pelos aionistas ontrolaores a empresa, é ao o nome e benefíio privao e ontrole. Tais benefíios não são e fáil mensuração, ao que se fossem observáveis om alguma failiae os aionistas não ontrolaores seriam apazes e impeir que tal valor lhes fosse iluío. Muitas vezes essa expropriação aontee om insiers esviano os luros a empresa om operações frauulentas. Outras vezes é amuflaa através a vena e ativos e proutos para outras empresas ontrolaas integralmente pelos ontrolaores por preços abaixo aqueles que seriam pratiaos no merao. Tais preços e transferênia são na maior parte as vezes legais. Mesmo pessoas teniamente apazes poem legitimamente isorar sobre qual o preço justo para eterminaa transação ou transferênia, seno inviável provar em juízo que pequenas variações são inorretas. Quano o volume essas transações é elevao, tais benefíios poem ser bastante volumosos. A expropriação também poe aonteer através o esvio e oportuniaes a empresa, aloação e exeutivos mal preparaos e remuneração exessiva. A expropriação também está ligaa om problemas e agênia esritos por Jensen e Mekling (976), que foam no onsumo e perquisites pelos aministraores. Signifia que os insiers usam os luros a empresa em benefíio próprio ao invés e evolver o inheiro para os aionistas. Pesquisas esenvolvias ao longo os últimos 40 anos têm levao para uma aboragem legal os problemas relaionaos om Governança Corporativa. Moigliani e Miller (958) areitavam que as empresas eram um onjunto e investimentos em projetos e seus fluxos e aixa assoiaos, interpretano naturalmente instrumentos finaneiros e ações e ívia omo ireitos esses fluxos e aixa. Jensen e Mekling (976) mostraram que o retorno esses investimentos não poia ser ao omo erto, na meia em que insiers poeriam usar tais reursos em benefíio próprio. No moelo esenvolvio por eles o limite para a expropriação seria a proprieae resiual e ações 3

4 por parte os ontrolaores, que realçaria o interesse eles em ivienos ao invés e perquisites e alinharia os inentivos. Pesquisas feitas por Grossman, Hart e Moore, resumias por Hart (995), fazem avanços foano no poer os investiores vis a vis o poer os insiers, istinguino entre os ireitos ontratuais e resiuais que os investiores têm. Eonomistas têm usao essa iéia para moelar instrumentos finaneiros não em termos e fluxos e aixa, mas em termos os ireitos que eles aloam para os etentores. Com essa moelagem, os investiores reebem aixa só porque eles têm poer, que poe ser entenio omo poer para eleger iretores, forçar o pagamento e ivienos, impeir um projeto que prejuique os minoritários em etrimento os insiers, proessar iretores e onseguir ompensação por seus atos ou liquiar empresas e reeber seus proventos. Em ambas as moelagens, e Jensen e Mekling ou na e ireitos resiuais e ontrole e Grossman, Hart e Moore, o ireito os investiores é protegio e muitas vezes espeifiao pelo sistema legal. Quano os ireitos os investiores e os reores são bem protegios e garantios pelos regulaores ou pelas ortes, os investiores finaniam as empresas. É esperao que uma boa e efiiente proteção para os investiores minoritários iminua os benefíios privaos e ontrole, fazeno om que seja melhor simplesmente pagar ivienos. Dyk e Zingales (00) e Nenova (003) apresentam eviênias empírias que mostram que a qualiae e proteção os minoritários pela lei, bem omo sua apliabiliae e origem as famílias legais expliam grane parte os benefíios privaos e ontrole entre os países. Desta forma, a ligação entre a estrutura o sistema e legal e sua qualiae om o nível e finaniamento externo as empresas e poupança a eonomia se estabelee e gera impliações para o esenvolvimento os meraos e a eonomia. A proteção ao investior enoraja o esenvolvimento os meraos na meia em que os investiores protegios e expropriação estão mais ispostos a investir e pagar mais por instrumentos finaneiros, tornano mais atrativo para as empresas a emissão e tais instrumentos. Dik e Zingales (00) e La Porta, Lopez-e-Silanes, Shleifer e Vishny (997) mostram que países om leis e regulamentações mais efiientes na proteção os investiores têm meraos e apitais mais esenvolvios. Vale lembrar que tanto para aionistas omo para reores, proteção para os investiores inlui não somente os 4

5 ireitos que a lei estabelee, mas também a apliabiliae a lei. Bek, Levine e Loayza (000) efinem três maneiras pelas quais o esenvolvimento o merao e apitais é apaz e afetar o resimento eonômio. A primeira elas é através o reforço na poupança. A seguna é através o ireionamento a poupança para investimentos reais que aabam por fomentar a aumulação e apital. A tereira é que na meia em que investiores finaneiros exerem algum ontrole sobre as eisões os empresários, existe uma tenênia e que o fluxo e investimentos seja utilizao em projetos e empresas mais proutivas, melhorano a efiiênia a aloação e apital. Outro fator que também aparee omo função o montante e benefíios privaos e ontrole é a estrutura e proprieae as empresas. Bebhuk (999) faz essa ligação utilizano argumentos relaionaos om a probabiliae e takeover. As eviênias esritas nesta introução ressaltam a importânia e um onjunto e leis apazes e gerar inentivos orretos na ireção o esenvolvimento o merao e apitais e a eonomia o país. Este trabalho busa ientifiar quais são os inentivos geraos por alguns pontos a legislação soietária brasileira. Para que a análise seja melhor funamentaa, é esenvolvio um moelo one o ontrolaor a empresa esolhe a proporção ótima e reursos esviaos a empresa e os aionistas minoritários aos os ustos que ele enfrenta para aa tipo e esvio. A seção este trabalho apresenta uma revisão bibliográfia aborano os prinipais pontos relaionaos aos benefíios privaos e ontrole. A seção 3 onstrói um moelo que aptura a função e reação o ontrolaor para esviar reursos a empresa e os minoritários em função os inentivos geraos pela legislação. A seção 4 faz uma análise o ponto e vista eonômio os inentivos geraos por alguns pontos a legislação brasileira que rege as ompanhias e apital aberto. A seção 5 apresenta a onlusão esse trabalho. 5

6 ) REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.) ESTIMAÇÃO DE BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE Existem ois métoos prinipais para se estimar os benefíios privaos e ontrole. O primeiro eles, elaborao por Dyk e Zingales (00), se baseia na metoologia esenvolvia pioneiramente por Barlay e Holerness (989), que utiliza omo base para a estimação operações e ompra e vena e ontrole. Nesta onepção, o benefíio privao e ontrole é efinio omo a iferença entre o preço por ação pago pelo aquirente e o preço e merao a empresa ois ias após o anúnio a operação. Enquanto o preço por ação pago pelo aquirente reflete os benefíios privaos e ontrole mais os ireitos e fluxo e aixa sob a nova aministração, o preço e merao reflete apenas os benefíios e fluxo e aixa que os aionistas minoritários esperam reeber sob a nova aministração. A metoologia alternativa esenvolvia por Nenova (003) se baseia no valor atribuío aos votos o bloo e ontrole, estimao numa amostra e empresas om uas lasses e ações e ajustao para a probabiliae os votos serem emanaos urante uma muança e ontrole, pelos ustos e se manter o bloo, por iferenças no pagamento e ivienos e por iferenças e liquiez. Tal meia seria uma aproximação para os benefíios privaos e ontrole e sua lógia está na intuição e que o aionista ontrolaor está isposto a pagar um prêmio para o etentor e uma ação om ireito e voto num evento e troa e ontrole no montante o valor esperao e ontrole. A metoologia e Dyk e Zingales apliaa a uma amostra e 39 países om 4 operações e vena e ontrole entre 999 e 000 aponta para prêmios e ontrole variano entre 4% e 65%, om méia positiva e 4%. O Brasil possui a maior méia, om 65% e prêmio e ontrole sobre o valor e merao as ações. A menor méia é a o Japão, om 4%, seno que países omo Estaos Unios e Inglaterra apareem om %. A metoologia e Nenova apliaa a uma amostra e 66 empresas om ações e uas lasses em 997, abrangeno 8 países, mostra que o valor atribuío aos votos o bloo e ontrole é signifiante em magnitue e varia bastante entre os países, representano 6

7 mais e um quarto o valor e merao as empresas em países omo Brasil, Chile, França, Itália, Méxio e Coréia o Sul. Dyk e Zingales mostram que quano omparaos om as estimativas e Nenova os resultaos para países omo Estaos Unios, Suíça e Alemanha são iêntios, seno a orrelação entre as meias e 59%. Entretanto, algumas estimativas ivergem bastante, omo as enontraas para Austrália e Brasil. Enquanto as estimativas e Dyk e Zingales apontam para % e 65%, as e Nenova apontam para 3% e 3%, respetivamente para Austrália e Brasil. Dyk e Zingales argumentam que 76% a iferença os resultaos entre os estuos são expliaas pelo viés presente no estuo e Nenova que avém o fato e que as empresas tenem a emitir ações e uas lasses quano os benefíios privaos e ontrole são granes. Enquanto o Brasil tinha 59% as empresas om uas lasses e ações, separano ireitos e proprieae e ontrole, a Austrália só tinha uma empresa..) VARIÁVEIS QUE EXPLICAM OS BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE Em relação aos meanismos que expliam os benefíios privaos e ontrole e que poem ser usaos na tentativa e mitigá-los, o foo maior a literatura tem sio em meanismos legais e iretos que iminuam o poer isriionário o ontrolaor e alinhem os inentivos, omo a presença e leis severas, efiientes e apliáveis na proteção os ireitos os minoritários e a elevação o nível e transparênia, tornano possível que os investiores usem os meanismos legais abíveis para oibir o omportamento abusivo o ontrolaor. Dik e Zingales (00) mostram que o aumento e esvio parão na variável que mee a proteção os aionistas minoritários reuz o valor e ontrole em 3,8%, que o aumento e esvio parão na apliabiliae a lei reuz o valor e ontrole em 6,8% e que também existem iferenças no valor e ontrole em função a origem o sistema legal os países, seno que os benefíios privaos e ontrole são signifiativamente menores em países om origem legal inglesa, germânia e esaninava o que em países om sistema legal e origem franesa. Nenova (003) também mostra que o valor os votos o bloo e ontrole é bem menor em países que ontam om sistema legal mais severo. Pra ilustrar, a méia não ajustaa o valor os votos o bloo e ontrole é 7

8 e 4,5% nos países om ommon law e 5,4% nos países om sistema legal e origem franesa. A lei mais fraa iminui os ustos para expropriação os aionistas minoritários e aumenta o valor os votos o bloo e ontrole. O impato e leis e proteção para os aionistas é e magnitue signifiante, mas a sua apliabiliae é o fator preponerante. O valor os votos o bloo e ontrole é, em méia, 48% o valor o empresa no aso e uma empresa om estrutura e proprieae ifusa que opera no pior aso e sistema legal. Uma melhora o pior para o melhor valor entro a amostra para a apliabiliae a lei faz om que o valor os votos o bloo e ontrole se reuza para 3%. O mesmo valor ai para 0% se aotaas as melhores prátias entro a amostra para proteção aos minoritários e para 8% om a melhora a regulação e takeover. Nenova (003) ressalta alguns pontos relativos às variáveis e apliabiliae a lei, proteção o aionista minoritário e regras e takeover. No aso a apliabiliae a lei, é esperao que um aumento na probabiliae e proesso e onsequentes peras monetárias e e reputação por parte o ontrolaor faça om que os ustos para obtenção os benefíios privaos e ontrole aumentem e o prêmio pelas ações o bloo e ontrole se reuza. Em relação aos efeitos os meanismos e proteção ao minoritário, esses poem ser ambíguos, na meia em que é esperao que tais meias iminuam os benefíios privaos e ontrole, ou seja, o montante que o ontrolaor é apaz e expropriar os minoritários, mas também poe fazer om que haja um grau e substituição e valor entre as lasses e ações se houver iferença na proteção entre as lasses, fazeno om que o valor estimao o prêmio e ontrole aumente om melhores meanismos e proteção. Em relação às regras e takeover, espera-se que elas iminuam o prêmio e ontrole na meia em que esse prêmio eve ser iviio om os minoritários no evento e muança e ontrole. Três seriam os pontos prinipais na regulação: tratamento igual para os minoritários no aso a troa e ontrole, tratamento igual entre as lasses e ações e ofertas públias no aso e ofertas aima e um eterminao limite. As regressões efetuaas mostram efeitos negativos signifiantes para leis mais rígias, proteção maior para os minoritários, regras e takeover e a não existênia e láusulas no estatuto que favoreçam a onentração e ontrole no valor os votos o bloo e ontrole. 8

9 Outros ois testes foram feitos por Dyk e Zingales busano estimar os efeitos ausaos pela apaiae e sonegação e impostos e nível e informação a população. Em relação à sonegação e impostos, o argumento prinipal é que o governo tem os inentivos alinhaos om os aionistas minoritários, na meia em que ambos querem que a empresa seja a mais lurativa possível para se apropriarem e parte os ganhos. Desta forma, a existênia e um sistema legal apaz e ifiultar a sonegação e impostos iminuiria os benefíios privaos e ontrole. Em relação ao nível e informação a população, o argumento prinipal é a preoupação o ontrolaor om a sua reputação, seno o grau e ifusão a imprensa esolhio omo proxy no estuo. Deve-se notar que os resultaos ressaltam o fato e que outras variáveis que não as variáveis iretas e legais estuaas em maior esala pela literatura também têm importânia na expliação e omo se poe reuzir os benefíios privaos e ontrole. Roe (00) hama atenção para o fato e que os argumentos legais falham em expliar o porquê e não ter sio observaa ifusão o ontrole em alguns países esenvolvios om sistemas juiiários efiientes e leis orporativas boas. O argumento ao pelo autor é que as leis orporativas são efiientes em reuzir os benefíios privaos e ontrole e reuzir iversos onflitos e interesse, mas são inefiazes em ataar problemas e agênia relaionaos om a aministração a empresa. Em países one tais ustos e agênia são altos, a existênia e leis orporativas boas não garante a ifusão e ontrole. Se as onições eonômias, soiais ou polítias subjaentes à empresa proporionarem elevaos ustos e agênia que só poem ser ombatios através o ontrole, a estrutura vai ser onentraa mesmo na presença e leis orporativas aequaas..3) AS CONSEQUÊNCIAS DOS BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE Daos os importantes resultaos apontaos pela literatura no sentio e mostrar entre iversos países a onsistênia e magnitue os benefíios privaos e ontrole, fia a questão importante e analisar quais são suas prinipais impliações. Dik e Zingales (00) argumentam que em relação ao esenvolvimento o merao e apitais é razoável esperar orrelação negativa entre os benefíios privaos e ontrole e o grau e esenvolvimento, bem omo orrelação positiva om o grau e onentração 9

10 na estrutura e ontrole. Quano os benefíios privaos e ontrole são elevaos, os empresários relutam em abrir apital e quano o fazem provavelmente assegurarão partiipação aionária que lhes garanta o ontrole. Também é esperao que os governos façam proessos e privatização através e vena privaa e ontrole em etrimento e oferta públia quano os benefíios privaos e ontrole são elevaos. Os resultaos o estuo mostram que a variação e um esvio parão no tamanho os benefíios privaos e ontrole gera uma variação negativa e 48% na relação e apitalização externa e merao em relação ao PIB, e 6% no perentual etio por aionistas não ontrolaores e e 35% no número e empresas privatizaas por vena privaa. Em estuo realizao por La Porta, Lopez-e-Silanes, Shleifer e Vishny (997) é feita um análise omparano o finaniamento externo as empresas entre 49 países e aoro om a origem e suas leis, a qualiae os instrumentos legais e proteção aos investiores e a apliabiliae as leis. São utilizaas três meias para finaniamento e ações. A primeira elas olha a relação e apitalização e merao as ações om relação ao PIB em 994, normalizao por uma estimativa a fração o merao e ações etia por investiores externos, ressaltano que o proeimento provavelmente superestima a partiipação os investiores externos. Outras meias utilizaas são o número e empresas listaas em relação a população e o número e IPO s (Initial Publi Offering) entre 995 e 996. As variáveis e apliabiliae e qualiae a lei avêm e uma pesquisa realizaa om investiores e são onheias as origens os sistemas legais. É utilizao um ínie para proteção os investiores, que leva em onta iversos aspetos e proteção os mesmos. Em toas as meias países om ommon law têm maior aesso a finaniamento via ações o que países om sistema ivil. Países om ommon law têm em méia 60% e finaniamento externo em ações em relação ao PIB, ontra % e países om sistema ivil e origem franesa, 46% e sistema ivil e origem germânia e 30% e sistema ivil e origem esaninava. Países om ommon law têm em méia 35 empresas listaas para aa um milhão e pessoas, ontra 0 e países e sistema ivil e origem franesa, 7 e sistema ivil e origem germânia e 7 e sistema ivil e origem esaninava. O ínie e proteção aos investiores é bem maior nos países e ommon 0

11 law, intermeiário nos países e sistema ivil e origem esaninava e germânia e mais baixo nos países e sistema ivil e origem franesa. Também foi realizaa uma série e regressões om iversos tipos e ontrole. Os resultaos mostram que boa apliabiliae na lei afeta fortemente a valorização e esenvolvimento os meraos e ívia e e ações. Aina que meias e proteção os investiores e apliabiliae a lei expliquem parte as iferenças, a origem o sistema legal aina se mostra signifiativa na expliação o nível e finaniamento externo e esenvolvimento o merao. La Porta, Lopez-e-Silanes, Shleifer e Vishny (000) argumentam que não existe uma expliação fehaa para o porquê e tais iferenças, mas uma expliação que leva em onta o ponto a organização os sistemas legais, hamaa e expliação juiial, tem sio artiulaa mais reentemente por Coffee (000) e Johnson, La Porta, Lopez-e- Silanes e Shleifer (000). As leis no sistema e ommon law são normalmente feitas por juízes, baseaas em preeentes e inspiraas por prinípios gerais e ever fiuiário e justiça. É esperao que os juízes regulem em novas situações apliano tais prinípios mesmo quano a onuta espeífia sob julgamento aina não tenha sio esrita ou proibia em estatutos. Quano o assunto sob julgamento é e expropriação e investiores, os juízes apliam o que Coffee hama e smell test, one prouram estabeleer se a onuta é justa para os aionistas minoritários. A expansão e preeentes legais para novas violações e o meo que isso representa, limita a expropriação por insiers em países om ommon law. Já em países om sistema ivil, a lei é feita por legislaores e os juízes não evem ir além o que está esrito na legislação. Como onsequênia, um insier que esubra uma maneira e expropriar os minoritários que não esteja proibia pela legislação poe prosseguir sem meo e qualquer eisão juiial esfavorável. Os prinípios mais vagos e ever fiuiário e justiça a ommon law protegem mais os investiores o que as linhas bem efinias e onuta as legislações os países om sistema ivil. La Porta, Lopez-e-Silanes, Shleifer e Vishny (00) levantam o ponto a relação e instrumentos e proteção legal para os aionistas minoritários e e proprieae e fluxo e aixa na avaliação as empresas. No estuo os autores moelam essa relação e testam suas prinipais proposições, omo segue: em países om melhor proteção ao

12 aionista minoritário há menos expropriação esses aionistas; maior proprieae e ireitos e fluxo e aixa pelo aionista ontrolaor está assoiaa om menor expropriação os aionistas minoritários; empresas em ambientes om melhores instrumentos legais evem ter Q e Tobin maiores; empresas om maior proprieae e ireitos e fluxo e aixa pelo aionista ontrolaor evem ter Q e Tobin maiores; empresas om melhores oportuniaes e investimento evem ter Q e Tobin maiores. O teste realizao utilizou aos para 7 eonomias prósperas e onfirmou as proposições empiriamente. Alguns moelos teórios foram elaboraos tentano moelar a relação entre a existênia e benefíios privaos e ontrole, a eisão e abrir apital e a estrutura ótima e proprieae para as empresas. Bebhuk (999) esenvolve uma teoria para a estrutura e proprieae as empresas, ientifiano omo a existênia e benefíios privaos e ontrole signifiativos afeta a estrutura e proprieae. Quano estes são granes, os funaores a empresa que as levam a públio fiam relutantes em eixar o ontrole em aberto, pois isto resultaria em takeover. Manteno um bloo apaz e garantir ontrole o funaor também onsegue aumentar a fração o luro que será apturao numa transferênia e ontrole. O moelo também mostra que a separação e ontrole e proprieae vai ser utilizaa em onjunto om a estrutura onentraa, mas nuna om estrutura ifusa. Shleifer e Wolfenzon (003) esenvolvem um moelo teório para balizar a eisão e um empreeneor e levantar apital via ações para finaniar um projeto. Este empreeneor opera em um ambiente om proteção legal para investiores externos limitaa e tem a possibiliae e esviar parte os luros a empresa. Fazeno isso ele orre o riso e ser proessao. Nesse moelo a eisão o empreeneor sobre o tamanho o projeto e o montante e fluxo e aixa que ele eve vener é molaa pelo ambiente legal. Tais resultaos são oloaos em um moelo e equilíbrio para eterminar o tamanho resultante o merao e apitais. Já Zingales (995a) ria um moelo apaz e analisar a eisão a empresa e abrir apital, analisano a esolha sob a ótia e qual é a melhor maneira e vener a empresa. Quano se espera que o potenial ompraor tenha apaiae e inrementar

13 o valor os ireitos e fluxo e aixa, o empreeneor poe usar o IPO para extrair parte o luro a transação sem ter que barganhar om o ompraor. Sem essa onição a maneira que maximiza valor na vena é não fazer o IPO e manter a ompanhia fehaa, barganhano sobre a empresa toa om o potenial ompraor. Essa moelagem também ajua a entener a motivação e se realizar um IPO. Grane parte o ebate polítio assume que é soialmente ótimo subsiiar o aesso e empreeneores ao merao e ações, mas o moelo mostra que poe haver ivergênia entre o soialmente ótimo e o ótimo privao. As eviênias empírias para estrutura e ontrole no muno e no Brasil estão em linha om as prinipais proposições enontraas na literatura. La Porta, Lopez-e-Silanes e Shleifer (998) realizaram um estuo mostrano aos e estrutura e proprieae para as maiores orporações e 7 eonomias prósperas e busano respostas para perguntas omo: quão omum são empresas om estrutura e proprieae ifusa em países iferentes? Se estrutura é onentraa, quem são os ontrolaores? Com que frequênia banos ontrolam empresas? Como esses ontrolaores mantém seu poer e voto? O que explia possíveis iferenças na estrutura e proprieae entre países? Em trabalhos anteriores os autores sugerem que empresas om estrutura e apital ifusa evem ser mais omuns em países om melhor proteção legal para investiores minoritários. A análise os aos mostra que em % as empresas tinham estrutura ifusa e proprieae, 30% eram ontrolaas por famílias, 8% pelo estao, 5% eram lassifiaas em outras ategorias e que, omparano entre os países a amostra, os que têm melhor proteção aos investiores minoritários apresentam maior iniênia e empresas om estrutura ifusa e proprieae: 48% ontra 7%. Os resultaos também mostram que os aionistas ontrolaores normalmente têm ireitos e voto em maior proporção o que ireitos e fluxo e aixa, que as famílias normalmente são os ontrolaores, que estas partiipam a aministração a empresa e que banos não exerem muito ontrole sobre as empresas. Outros testes mostram que a qualiae e proteção ao investior, meia omo nível e ireitos para os aionistas e omo origem o sistema legal, são robustos eterminantes a iniênia e empresas om proprieae ifusa. 3

14 Valaares (00b) realiza um estuo para o Brasil one mostra as araterístias e proprieae ireta e inireta e levanta alguns pontos. A omposição aionária as empresas brasileiras listaas na Bovespa foi analisaa e uas maneiras: ireta, one se onsieram toos os aionistas om mais e 5% o apital votante e a inireta, que iz respeito aos aionistas que etêm a empresa em última instânia. O quaro a omposição ireta em 997 mostra que não há iluição o apital votante. 6,5% as empresas possuem um aionista que etém o ontrole a empresa e este aionista possui em méia 74% o apital votante. Nas empresas restantes, o maior aionista possui em méia 3% o apital votante. O maior aionista, os três maiores e os ino maiores possuem respetivamente 58%, 78% e 8% o apital votante quano onsieraa a amostra inteira. Seguno Shleifer e Vishny (986) e Demsetz e Lehn (985), onsierano a amostra a Fortune 500 para empresas amerianas, os ino maiores aionistas possuem em méia 8% as empresas, seno que 3% elas não têm um aionista om mais e 5%. Para o Brasil, os números são respetivamente 85% e zero. A análise a estrutura inireta mostra uma iminuição e onentração o apital votante nas empresas om um só aionista majoritário e 74% para 5%, mas quano onsieraos os ino maiores aionistas, esse quaro se inverte e é observao um aumento e onentração. Para verifiar se esse resultao inia a utilização e estrutura e pirâmie ou e subsiiárias e apital aberto para manter o ontrole iminuino a quantiae investia na empresa, realizou-se a análise que segue. De toas as empresas que possuíam na forma ireta um só ontrolaor, 40,9% perem o ontrole quano onsieraa a estrutura inireta. Também 40,90% mantém o ontrole na forma inireta, seno que somente 53% elas ou,7% o total que tinha ontrole na forma ireta tiveram sua partiipação reuzia na forma inireta, o que nos leva a onluir que a utilização e pirâmie não paree ser muito utilizaa para separar ontrole e proprieae. Como expliação para isso poeria ser itaa a grane utilização e ações sem ireito e voto ou a utilização essas estruturas para manter o ontrole nas mãos e uma família. Se a análise inireta mostra menos onentração quano olhamos para aquelas om um só ontrolaor, também poemos izer que a ompetição pelo ontrole se á entro o grupo ontrolaor. 4

15 Valaares também abora a questão a separação e proprieae e ontrole, que gera inentivos para a expropriação os aionistas minoritários, mostrano que no Brasil, as empresas om um aionista majoritário, que possui em méia 74% o apital votante, este possui apenas % o apital não votante. Por último, em relação aos aionistas, a análise os aos iretos mostra que a maior partiipação é e outras empresas, seguios por inivíuos e estrangeiros, om 53%, 5% e 8% o apital votante respetivamente. Sob a ótia inireta, observa-se aumento na partiipação e inivíuos e e estrangeiros..4) CONTRATOS PRIVADOS Em países one o sistema legal e proteção os minoritários é frao, bem omo a qualiae e apliabiliae o onjunto e leis existentes, fazeno om que os benefíios privaos e ontrole sejam elevaos, que a estrutura e proprieae seja onentraa, que exista separação e ontrole e proprieae e grane espaço para expropriação os minoritários, eviênias empírias e teórias mostram que os meraos e apitais são menores e menos esenvolvios e que existe menos finaniamento externo para as empresas, o que iminui a efiiênia o sistema e faz om que bons projetos não sejam levaos aiante. Uma alternativa que se abre para as empresas que neessitam e finaniamento e que querem alinhar inentivos om os minoritários é a aoção e ontratos privaos que garantam melhores parões e governança orporativa. Srour (00) analisa a efiáia e ontratos privaos omo meanismos para um maior omprometimento a empresa em relação aos seus aionistas minoritários e om prátias mais rígias e governança orporativa, onluino que aso as empresas ou o próprio merao e apitais não vejam avanços signifiativos na lei e forma a satisfazer suas neessiaes e governança orporativa, a assinatura e ontratos privaos poe ser efiaz para este proesso. Tal proesso seria representativo a iéia e onvergênia funional exposta por Coffee (999), que se baseia na muança e regras entro os próprios meraos. Srour realizou ois tipos e testes. O primeiro testano a probabiliae a empresa fazer parte e um grupo que ilui menos os aionistas minoritários em função e variáveis que refletem as ações tomaas pela empresa em relação a prátias e governança 5

16 orporativa, seno sua prinipal proxy a listagem e ADR nível II. O prinipal resultao enontrao é que ontratos privaos que sejam apazes e impor regras rígias e ríveis e governança orporativa são importantes na onuta a empresa. O lançamento e ADR nível II afetou positivamente a probabiliae a empresa pertener a um grupo que ilui menos os aionistas minoritários. O seguno tipo e teste, seguino a metoologia e Johnson et al (000), testano o impato a aoção e prátias mais rígias e governança orporativa na performane as empresas em momentos e hoques inesperaos e retorno, enontrou eviênias robustas que a aoção e tais prátias reuz, nestes asos, a volatiliae o retorno. Além a importânia e ontratos privaos os aos também ão respalo ao aspeto legal, ao que se enontrou mais signifiânia a variável e isrepânia entre o poer e voto e proprieae, representativo o esalinhamento e inentivos entre ontrolaor e minoritário, no períoo e 997 até 999, one a legislação soietária brasileira enontrava-se aina mais fragilizaa. 3) MODELO 3.) A DECISÃO DO CONTROLADOR A revisão a literatura mostra pontos interessantes, e que são apliáveis ao Brasil, no que se refere aos benefíios privaos e ontrole. Como onsequênias e tal araterístia os estuos mostram que se poe esperar meraos e apitais menos esenvolvios, menor partiipação e investimento externo na formação o apital as empresas e uma estrutura e proprieae bastante onentraa. Os resultaos também apontam que a organização legal os países, tal omo origem os sistemas legais, qualiae e apliabiliae a legislação, expliam em grane parte as iferenças enontraas entre os países. Analisano os resultaos e estuos que estimam a magnitue e tais benefíios entre iversos países, observa-se que o Brasil possui um os maiores benefíios privaos e ontrole. Portanto, paree ser interessante analisar e que forma os inentivos que estão presentes em alguns pontos a legislação brasileira que rege as soieaes anônimas 6

17 ontribuem para a existênia os granes benefíios privaos e ontrole estimaos para o país. Para que esta análise seja melhor funamentaa, este estuo elabora um moelo simples que é apaz e apturar qual é a eisão ótima e um aministraor que exere ontrole sobre a empresa no que iz respeito a esviar ou não reursos a empresa e e expropriar ou não os investiores minoritários, aos aos ustos inorrios para realizar tais esvios. A iéia o moelo é similar aos moelos propostos por Johnson et al. (000), Lombaro e Lombaro e Pagano (00), Shleifer e Wolfenzon (003) e Durnev e Kim (003), one os aionistas ontrolaores esviam reursos a empresa para benefíio próprio e o esvio é ustoso. Os ustos inerentes ao esvio, apesar e fortemente orrelaionaos om o ambiente legal no qual a empresa está inseria, não epenem apenas a legislação. Além os ustos avinos o meo o ontrolaor sofrer proesso riminal, impliano em peras finaneiras, e reputação e até e liberae, poe-se itar ustos e transação para se efetuar o esvio, ligaos muitas vezes à fraues e propinas, ao tempo e trabalho gastos para realizar o esvio e ustos avinos a pera e bem estar e e efiiênia provenientes o fato e que não se onsegue extrair too o benefíio. A aboragem feita neste estuo se ifere as anteriores na meia em que introuz ois tipos iferentes e esvios. O primeiro, tratao nos moelos anteriores, representa o esvio e reursos ou iéias a empresa para o aionista ontrolaor, enquanto que o seguno representa a apaiae o aionista ontrolaor e esviar reursos os outros aionistas, seno que os iferentes tipos e esvios têm ustos istintos. Tal moelagem se baseia na intuição que os ois tipos e esvios têm araterístias e ustos iferentes e são ombatios om instrumentos istintos na legislação. O esvio e reursos e iéias a empresa está mais ligao ao oneito e problemas e agênia típios entre aministraores e aionistas e engloba exemplos omo o onsumo e perquisites por parte os aministraores e o esvio e iéias e projetos a empresa pelos aministraores. Já o esvio e reursos os aionistas minoritários está ligao à iéia e que o ontrolaor poe, prinipalmente fazeno uso e meanismos que istaniam ireitos e fluxo e aixa e ireitos e ontrole e brehas legais na legislação soietária, se apropriar e parte o fluxo e aixa que seria naturalmente istribuío aos aionistas minoritários. Fazem parte essa ategoria exemplos e vena e empresas 7

18 om preços iferentes entre ontrolaores e minoritários e aquisições e outras empresas ontrolaas pelos aministraores por preços aima o justo. O moelo apresentao onsiera a existênia e um onjunto e projetos a serem realizaos em um só períoo e tempo, que os luros avinos os projetos inorrios pela empresa serão istribuíos aos aionistas no final o períoo ou que a empresa será venia, liquiaa ou inorrerá em alguma operação soietária. Os investiores e os ontrolaores são neutros ao riso e a taxa e juros e a taxa e esonto são iguais a zero. Neste moelo o aionista ontrolaor onsegue esviar reursos mesmo epois que os investimentos são feitos. Defini-se a notação a seguinte forma: = proporção e ações o ontrolaor om ireitos e fluxo e aixa = proporção esviaa pelo ontrolaor o valor máximo a empresa β = proporção esviaa pelo ontrolaor o valor evio aos aionistas minoritários C = usto total e se esviar reursos o valor máximo a empresa C = usto total e se esviar reursos o valor evio aos aionistas minoritários = valor máximo a empresa O moelo onsiera a eisão e um aionista ontrolaor que possui uma proporção as ações om ireitos e fluxo e aixa e toma a eisão e esviar uma proporção o valor máximo a empresa e uma proporção β o valor evio aos aionistas minoritários aos os respetivos ustos C e C. O onjunto e relações aas por ( ) e ( β ) representa a qualiae e governança orporativa a empresa. Desta forma a eisão o ontrolaor envolve o trae off entre reeitas [ DIVIDENDO ] e ustos [ ( DESVIO ) f ( )] DESVIO DESVIO f DESVIO. 8

19 O lao as reeitas[ DIVIDENDO DESVIO DESVIO ] é efinio omo: DIVIDENDO = ( ), representano a parte o fluxo e aixa a empresa evia ao ontrolaor. DESVIO =, representano a quantiae esviaa a empresa pelo ontrolaor. DESVIO = β ( )( ), representano a quantiae esviaa os aionistas minoritários pelo ontrolaor. O lao os ustos [ ( DESVIO ) f ( )] f DESVIO é efinio omo: C = f ( ) = ( ) DESVIO, one C é função a onstante (que representa os ustos iretos e esviar reursos a empresa) e o montante esviao a empresa na forma quarátia. [ β( )( ) ] C = f ( DESVIO ) =, one C é função a onstante (que representa os ustos iretos e se esviar reursos os aionistas minoritários) e o montante esviao os aionistas minoritários na forma quarátia. A forma quarátia para o montante esviao tem a intuição e que é mais ustoso esviar reursos e uma empresa grane e lurativa (que esperta mais atenção os aionistas e entiaes regulaoras) e mais ustoso esviar uma proporção grane o valor a empresa. O luro privao o ontrolaor poe ser esrito omo: L DIVIDENDO DESVIO DESVIO f ( DESVIO ) f ( ) ou = () L = ( ) β( )( ) DESVIO ( ) [ β( )( ) ] () 9

20 Desta forma, poemos izer que os benefíios privaos e ontrole são aos por DESVIO DESVIO = β ( )( ), representano os reursos a empresa ou os minoritários que são esviaos em benefíio o aionista ontrolaor. Daa proporção 0 < < e ações om ireitos e fluxo e aixa a empresa em seu poer e ustos > 0 e > 0, a eisão ótima o ontrolaor onsiste em esolher e β que maximizem seu luro. Maximizano a equação e luro o aionista ontrolaor hegamos às seguintes relações para e β ( os passos algébrios estão esritos no APÊNDICE A ): L = 0 = * ( ) ( ) se se > ( ) L * = 0 β β = ( ) ineterminao ( ) se se se ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) < ( ) 3..) RELAÇÕES BÁSICAS Supono solução interna para as equações obtias aima, poemos erivar as seguintes relações: 0

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Mestrao em Finanças e Eonomia Empresarial BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE, AMBIENTE LEGAL E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS: UM ESTUDO DO CASO BRASILEIRO. Dissertação apresentaa à Esola e Pós-Grauação

Leia mais

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária Constituição e IF Banária Número Únio e Referênia (NUR): (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Data e entrega o Anexo: (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Anexo I Requerimento Requerimento para

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

I. NÚMEROS INTEIROS E FRAÇÕES OPERAÇÕES COM:

I. NÚMEROS INTEIROS E FRAÇÕES OPERAÇÕES COM: I. NÚMEROS INTEIROS E FRAÇÕES OPERAÇÕES COM: Relembrano...(números inteiros: soma e subtração) Observe os eeríios resolvios, e a seguir resolva os emais:. + =. + 7 = Obs.: failmente entenemos que essas

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

1. Departamento de Engenharia de Teleinformática, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici, Fortaleza, CE E-mails: aboscov@gmail.

1. Departamento de Engenharia de Teleinformática, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici, Fortaleza, CE E-mails: aboscov@gmail. CONTROLE DE TEMPERATURA DE SONDA LAMBDA DE USO VEICULAR APLICADA EM UM SENSOR DE TEOR DE OXIGÊNIO PARA USO EM SISTEMAS DE COMBUSTÃO DE BIOMASSA JAIME ALEX BOSCOV 1, GIOVANNI BARROSO 2, GUSTAVO DE ALENCAR

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO NBCT 16

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO NBCT 16 ONTABILIAE APLIAA AO SETOR PÚBLIO NBT 16 Prof.: omingos Poubel de astro Brasília/ F 17 a 21 de setembro de 2012 E-mail: domingos.poubel@globo.com EVOLUÇÃO A ONTABILIAE PÚBLIA 1922 - ÓIGO E ONTABILIAE PÚBLIA

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Análise de um Controlador Baseado no Jacobiano Estimado da Planta Através de uma Rede Neural

Análise de um Controlador Baseado no Jacobiano Estimado da Planta Através de uma Rede Neural UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise e um Controlaor Baseao no Jaobiano Estimao a Planta Através e uma Ree Neural Pero

Leia mais

USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE RADUAÇÃO DE ENENHARIA etúlio Antero e Deus Júnior getulio@eee.ufg.br Davi Sue Alves Diniz avi_sue9@yahoo.om.br ustavo Batista e

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECÂNICA Cuso, 3 a 5 e Outubro e 007 ESTUDO NUMÉRICO E EXERIMENTAL DO ESCOAMENTO NOS DUTOS DE ADMISSÃO E EXAUSTÃO DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA Oh S. H.*, Velásquez

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS Miguel Edgar Morales Udaeta Riardo Laerda Baitelo Geraldo Franiso Burani José Aquiles Baesso Grimoni GEPEA-USP

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

A escolha do consumidor sob incerteza

A escolha do consumidor sob incerteza UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL Departamento de Eonomia - DECON A esolha do onsumidor sob inerteza Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 1 Introdução A inerteza faz parte da vida, nos

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

O Modelo de Black e Scholes

O Modelo de Black e Scholes O Moelo e Black e Scholes Prf. José Fajaro FGV-EBAPE Premio Nobel e Economia 1997 Merton, R.C.: heory of Rational Option Pricing, Bell Jounal of Economics an Management Science, 4(1973), 141-183 Black,

Leia mais

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo.

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo. Geografia 61 Dentre os 50 países mais pobres do mundo, lassifiados segundo o Índie de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nessa região.

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas Plano de Gestão de Risos e Infrações Conexas (Fevereiro 2014) Página 1 de 26 NOTA INTRODUTÓRIA E APROVAÇÃO A TRATOLIXO, E.I.M. dispõe, nos termos da lei, de um Plano de Gestão de Prevenção de Risos de

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial niversiae staual e Campin Faulae e ngenharia létria e e Computação Departamento e ngenharia e Computação e utomação nustrial PLCÇÕS D MPS T-RGNZÁVS M MNRÇÃ D DDS RCPRÇÃ D NFRMÇÃ Mário Henrique Zuhini rientaor:

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA PAULO MATOS MARTINS PROF. ADJUNTO, ISEL. EDUARDO NABAIS ENCARREGADO DE TRABALHOS, ISEL RUI CABRAL TÉCNICO SUPERIOR, IEP - SANTARÉM

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Jóquei de Mamutes: Atuação do FMI em Crises Financeiras com Eventual Moratória.

Jóquei de Mamutes: Atuação do FMI em Crises Financeiras com Eventual Moratória. Esola de Pós-Graduação em Eonomia - EPGE Fundação Getúlio Vargas Jóquei de Mamutes: Atuação do FMI em Crises Finaneiras om Eventual Moratória. Dissertação submetida à Esola de Pós-Graduação em Eonomia

Leia mais

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação AIMA - ASSOIAÇÃO OMERIAL E INUSTRIAL E MONTE ALTO Página: 1 ONTA ESRIAO SALO INIIAL ÉBITOS RÉITOS 1 ATIVO R$ 805.147,23 R$ 715.984,93 R$ 714.866,28 R$ 806.265,88 1.1 ATIVO IRULANTE R$ 801.722,22 R$ 715.984,93

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Interações Estratégicas e Financiamento de Projetos Ambientais: alguns efeitos localizados acerca do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Interações Estratégicas e Financiamento de Projetos Ambientais: alguns efeitos localizados acerca do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Interações Estratégias e Finaniamento de Projetos mbientais: alguns efeitos loalizados aera do Meanismo de Desenvolvimento Limpo Resumo Fernando de Mendonça Dias Franiso S. Ramos partir da utilização de

Leia mais

AUDITORIA, CONTABILIDADE E CONTROLE INTERNO. NO SETOR PÚBLICO Base para a Governança Corporativa

AUDITORIA, CONTABILIDADE E CONTROLE INTERNO. NO SETOR PÚBLICO Base para a Governança Corporativa AUITORIA, ONTABILIAE E ONTROLE INTERNO. NO SETOR PÚBLIO Base para a Governança orporativa EXEMPLOS E LANÇAMENTOS ONTÁBEIS OM A MUANÇA O PLANO E ONTAS O FOO ORÇAMENTÁRIO PARA PATRIMONIAL Prof.: omingos

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

Sônia Pinto de Carvalho

Sônia Pinto de Carvalho s Funções Hiperbólicas Sônia Pinto e Carvalho Introução Quano fiz o curso e Cálculo I fui apresentaa às funções hiperbólicas através e sua efinição eponencial. Lembro-me que, na época, achei muito engraçao

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS DE RENDA VARIÁVEL USANDO RENDA FIXA E CONTRATOS FUTUROS DE BOLSA DE VALORES

CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS DE RENDA VARIÁVEL USANDO RENDA FIXA E CONTRATOS FUTUROS DE BOLSA DE VALORES SEEAD CONSTRUÇÃO DE CARTERAS DE RENDA VARÁVEL USANDO RENDA XA E CONTRATOS UTUROS DE BOLSA DE VALORES José Roberto Seurato (* José Roberto Seurato Junior (** RESUO O artigo trata da onstrução de uma arteira

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos

Bancos de Dados Distribuídos Espeialização em Engenharia de Software Marta Mattoso Banos de Dados Distribuídos Bibliografia Utilizada Î Özsu, M.T. Valduriez, P. "Priniples of Distributed Database Systems", Prentie Hall, 1991. Elmasri,

Leia mais

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada Rev. Bras. Farm. 9(): 44-50, 0 ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW Méritos comparativos a Cromatografia em Fase Líquia e Alta Eficiência em escala convencional e minituarizaa Comparative merits of conventional

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS DISSERTAÇÃO TÁBUAS SELETAS DE MORTALIDADE: COMPORTAMENTO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

Prof. Dr. Maurício Silveira DTE/INATEL. Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP. Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro DTE/INATEL

Prof. Dr. Maurício Silveira DTE/INATEL. Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP. Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro DTE/INATEL FOLHA DE APROVAÇÃO Dissertação efenia e aprovaa em / /, pela omissão julgaora: Prof. Dr. Mauríio Silveira DTE/INATEL Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados Metodologia de Cálulo da Inéria Inflaionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados I. Introdução Esta nota apresenta a metodologia usada atualmente para quantifiar o efeito, via inéria, da inflação

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DISSIPAÇÃO A JUSANTE DE VERTEDOUROS EM DEGRAUS COM FORTE DECLIVIDADE

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DISSIPAÇÃO A JUSANTE DE VERTEDOUROS EM DEGRAUS COM FORTE DECLIVIDADE PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DISSIPAÇÃO A JUSANTE... 17 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DISSIPAÇÃO A JUSANTE DE VERTEDOUROS EM DEGRAUS COM FORTE DECLIVIDADE Anré Luiz Anrae Simões Engenheiro Civil,

Leia mais

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP ANO XII n 56 MAIO/JUNHO e 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO ARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESOLA POLITÉNIA - USP 2 ENTREVISTA Terceirização e TI Executivo o setor e telecomunicações

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM: PERCEPÇÃO DIANTE DA VIVÊNCIA PROFISSIONAL* TEACHING NURSING ADMINISTRATION: THE NURSE'S COMPREHENSION

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM: PERCEPÇÃO DIANTE DA VIVÊNCIA PROFISSIONAL* TEACHING NURSING ADMINISTRATION: THE NURSE'S COMPREHENSION O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM: PEREPÇÃO DIANTE DA VIVÊNIA PROFISSIONAL* TEAHING NURSING ADMINISTRATION: THE NURSE'S OMPREHENSION Raquel Rapone Gaidzinski ** Maria Madalena Januário Leite** Regina

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching imulação para Ensino a Teoria as Restrições imulation for Theory of Constraints Teaching Júlio César Bastos e Figueireo, Dr. Escola uperior e Propagana e Marketing - EPM jfigueireo@espm.br --Recibio para

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA 1. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaio transcritos. TEXTO I 2. 1. Franquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taa aicional até vinte

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015 Sistemas e renagem Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2015 Silent PP Página 2 Conições gerais e vena Página 36 Ínice Remissivo Página 40 Sistemas e renagem 2015 1 Conteúo Programa completo - - - - -

Leia mais

Alessandro Tomio Takaki

Alessandro Tomio Takaki UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE DO APROVEITAMENTO

Leia mais

Depósitos acumuladores de aço inoxidável

Depósitos acumuladores de aço inoxidável Depósitos aumulaores e aço inoxiável 0 I, 00 I, 0 I, 00 I, 00 I, 00 I, 800 I, 000 I 0, 00, 0, 00, 00, 00, 800 e 000 Depósitos aumulaores para a instalação e queiemento entral até ar ( ar em epósitos e

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia Análise a Capaciae e um squema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimíia Vitor Rocha e Carvalho * e Celso e Almeia Departamento e Comunicações FC UNICAMP Caixa Postal:, CP: 33-97, Campinas SP e-mail: vitorc@ecom.fee.unicamp.r,

Leia mais

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica.

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica. ÍSIA II Aula 1 Eletrostática clauios@pitagoras.com.br IÊNIA DA OMPUTAÇÃO ASSUNTOS ABORDADOS arga Elétrica e Estrutura Atômica uantização a arga Elétrica Princípios a Eletrostática onutores e Isolantes

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI)

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) Um momento... deixe-me pensar! PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) O que é o PEI O PEI é um programa de intervenção ognitiva que tem omo objetivo desenvolver no indivíduo as habilidades básias

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva

Leia mais

ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. (1) AGUIRRE, Torrico Francisco (2) BARBOSA, Plácido

ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. (1) AGUIRRE, Torrico Francisco (2) BARBOSA, Plácido Instituto Brasileiro o Conreto ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCETO DE ALTO DESEMPENHO (1) AGUIE, Torrio Franiso (2) BABOSA, Pláio (1) Eng. Civil, Mestrano em Engenaria Civil

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais