O MESTRADO EM EDUCAÇÃO COMO PROCESSO FORMATIVO: UMA ANÁLISE DE TRAJETÓRIAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MESTRADO EM EDUCAÇÃO COMO PROCESSO FORMATIVO: UMA ANÁLISE DE TRAJETÓRIAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 O MESTRADO EM EDUCAÇÃO COMO PROCESSO FORMATIVO: UMA ANÁLISE DE TRAJETÓRIAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo MARTINS, Angela Maria 1 - FCC/ UNICID FURLANETTO. Ecleide Cunico 2 - UNICID Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Agência Financiadora: não contou com financiamento O propósito do estudo foi o de tentar desvendar os motivos que levaram profissionais da educação básica a optar pela docência e, em seu percurso formativo, escolher um curso de mestrado em educação como possibilidade de desenvolvimento profissional. Buscamos analisar as trajetórias profissionais de educadores da rede pública de ensino estadual que frequentaram o Programa de Mestrado em Educação em uma universidade privada situada na zona leste da cidade de São Paulo, com vistas a compreender e interpretar suas expectativas e motivações ao longo desse percurso de aperfeiçoamento profissional. Discute-se, primeiramente, a opção para exercer o magistério e, na sequência, a escolha pelo curso de Mestrado em Educação como forma de desenvolvimento profissional por parte de professores, diretores e supervisores da rede pública de ensino do estado de São Paulo. A escolha por esta modalidade de aperfeiçoamento em suas trajetórias formativas insere-se em contexto de expansão e consolidação dos programas de pós-graduação em educação no Brasil. Na primeira etapa do estudo, realizou-se análise das fichas cadastrais dos alunos egressos entre 2007 e 2009, com vistas à identificação de seu perfil de formação e profissional. Na segunda etapa, realizou-se grupo focal apenas com profissionais da educação básica da rede pública estadual paulista. Como pressuposto, lançou-se mão do conceito de transição, pois o processo de construção de trajetórias profissionais e de vida, não diz mais respeito ao cumprimento de etapas que permitiam ao sujeito sair tanto dos diversos níveis da escolaridade regular como do âmbito da família para integrar a sociedade e o mercado de trabalho desenvolvendo atividades estáveis. No mundo contemporâneo, esse processo é configurado por etapas transitórias, incluindo a formação em contextos formais e informais e a constituição de ocupações que mudam velozmente (MARTINS, 2009). 1 Doutora em Educação pela UNICAMP, Pós-Doutorado na Universidade de Lisboa. Pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e Professora do Programa de Pós-Graduação da UNICID. 2 Doutora em Educação: Currículo PUC-SP. Pós-Doutorado na Universidade de Barcelona. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNICID. Líder do Grupo de pesquisa Interdisciplinar Narrativas, Formação e Aprendizagem GRINAF.

2 2838 Palavras-chave: Trajetórias de Profissionais da Educação; Mestrado em Educação; Formação de Profissionais da Educação. Introdução O propósito do estudo foi o de tentar desvendar os motivos que levaram profissionais da educação básica a optar pela docência e, em seu percurso formativo, escolher um curso de mestrado em educação como possibilidade de desenvolvimento profissional. Buscamos analisar as trajetórias profissionais de educadores da rede pública de ensino estadual que frequentaram o Programa de Mestrado em Educação em uma universidade privada situada na zona leste da cidade de São Paulo, com vistas a compreender e interpretar suas expectativas e motivações ao longo desse percurso de aperfeiçoamento profissional. As relações entre formação, trabalho e identidade profissional vêm sendo ressignificadas, com a ampliação do campo de análises que se dedicam a examinar as inserções no mundo do trabalho. Assim, teóricos de diferentes áreas do conhecimento vêm contribuindo nessa perspectiva de investigação e apresentam certa convergência de ideias e conceitos na reflexão sobre as questões que afetam as subjetividades no exercício e desenvolvimento de atividades profissionais, sobretudo na etapa de inserção dos indivíduos nesse universo. Autores tais como Nóvoa (1991); Bourdieu (2005); Dubar (2005, 2009); Boutinet (1999) Boutinet e Dominicé (2009) e Delory-Monberger (2009), apontam a necessidade de se estudar as transições no decorrer de trajetórias profissionais; as novas temporalidades configuradas no cenário contemporâneo; a análise do imaginário social e a constituição de representações sociais nas trajetórias de vida. No campo específico das representações sociais, de acordo com Moscovici (2003), a vida cotidiana, repleta de significação cultural, é constituída por estruturas relevantes a grupos e comunidades no bojo das quais os sujeitos constroem suas trajetórias de vida e profissionais, pois é através do processo comunicativo (social) que os sujeitos revelam o que pensam (crenças, ideologias, representações) ou dissimulam o que pensam, sentem e acreditam. Segundo Jovchelovitch (2000, p. 41), as representações sociais (re) constroem a realidade, produzindo imagens significantes, que expressam o psiquismo humano sobre o mundo. Assim, a luta do sujeito social para dar sentido e interpretar o mundo encontra-se no imbricamento entre estruturas sociais dadas e a autonomia da ordem da simbólica, esta última ligada à necessidade de construção de sentidos e interpretações.

3 2839 Acrescente-se que as relações humanas são singulares, subjetivas e, por isso mesmo, difíceis de serem apreendidas. Ademais, profissionais de organizações complexas, por meio de sua ação, modificam e realizam uma (re) leitura do mundo normativo e prescritivo dessas instituições. Nas ciências sociais, Corcuff (2001) realizou mapeamento de teóricos reunidos sob a denominação de construtivistas, agrupando-os em duas correntes. A primeira toma como ponto de partida as estruturas sociais para analisar as interações entre os atores sociais (Norbert Elias, Pierre Bourdieu e Anthony Giddens) e a segunda realiza um caminho inverso, partindo da análise das interações para examinar as estruturas sociais (Peter Berger e Thomas Luckmann, Aaron Cicourel, Michel Callon, Bruno Latour e Jon Elster) 3. É preciso ressaltar que a sociologia cognitiva de Berger e Luckmann (1986, 2004) vem influenciando estudos na área de políticas públicas que lançam mão da análise cognitiva e normativa dessas políticas, além de subsidiar investigações sobre os processos de socialização tais como os encetados por Claude Dubar (2005, 2009), mais recentemente. A noção de realidades sociais apreendidas como construções históricas e cotidianas de atores individuais e coletivos, aponta que não se pode perder de vista a noção de historicidade, tendo em vista que a realidade social é construída a partir do passado, com todas as suas peculiaridades. Nessa perspectiva, Corcuff (2001) assinala que os indivíduos e os grupos lançam mão de palavras, objetos, regras e símbolos transmitidos por gerações passadas, universo esse transformado e exteriorizado, criando, ao mesmo tempo, um campo de configuração da ação social. Simultaneamente, esta realidade social é subjetivada e interiorizada, constituída de formas de sensibilidade, percepção, representação e conhecimento. Estabelecer um diálogo entre esse horizonte teórico e as representações sociais com vistas a desvendar as atribuições de significado por parte de profissionais de redes de ensino em relação às suas trajetórias profissionais - e, nesse percurso, frequentar um curso de Mestrado em Educação como opção de desenvolvimento profissional - não é tarefa fácil, porém, acreditamos ser necessário o compartilhamento de diversos olhares das ciências humanas e sociais para o aprofundamento do debate nessa área. 3 Ver sobre essa discussão Martins (2011).

4 2840 A pós-graduação em educação no Brasil: um breve histórico A pós-graduação foi implantada formalmente no Brasil em 1965, com base no parecer 977/65, de autoria de Newton Sucupira. Visava, sobretudo, formar professores qualificados para dar sustentação à expansão do ensino superior. Anteriores a essa data, estudos pósgraduados eram ocasionais e implementados sob a tutela de professores estrangeiros ou brasileiros que reuniam alguns discípulos para desenvolver estudos e pesquisas, sem exigências de créditos ou exames de qualificação. Em 1976, teve início o sistema de acompanhamento e avaliação da pós-graduação, coordenado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), cuja ação consolidou o delineamento da pós-graduação no Brasil, com vistas à formação de quadros significativos de docentes para o Ensino Superior. O Programa Nacional de Pós-Graduação (PNPG) - elaborado para o período de 1975 a 1979 integrou a pós-graduação ao sistema universitário. O II PNPG ( ) manteve os mesmos objetivos do anterior, porém procurou aperfeiçoar a avaliação. A CAPES, com base na informatização, introduziu formulários para obtenção de dados, criou comissões de especialistas para avaliar os cursos e pedidos de bolsas, possibilitando, assim, a participação efetiva da comunidade acadêmica no processo avaliativo. O III PNPG ( ) atribuiu à pesquisa papel relevante devido à sua vinculação ao I Plano Nacional de Desenvolvimento da Nova República, pois sua função primordial deveria ser a de formar pesquisadores e cientistas para consolidar o desenvolvimento científico e tecnológico do país (SGUISSARDI, 2008). O IV PNPG que seria publicado no início dos anos de 1990 não se viabilizou, porém, provocou discussões que apontaram para o esgotamento do modelo até então adotado na pósgraduação brasileira. Dessa forma, a CAPES propôs um novo modelo de avaliação que priorizava a produção científica e,consequentemente, a pesquisa, introduzindo a concepção de programa e atribuindo atenção especial às linhas de pesquisa e à sua organicidade, as quais passam, a partir desse momento,a definir os percursos curriculares, anteriormente definidos pelos docentes e pelas disciplinas (KUENZER, MORAES, 2005). O V PNPG ( ), segundo Kuenzer e Moraes (2005), destaca os limites do anterior e prevê um sistema mais dinâmico, capaz de incorporar novos indicadores nos processos de avaliação e a flexibilização de modelos capazes de assegurar o desenvolvimento acadêmico em todas as regiões do Brasil. Para isso, além de propor a formação de professores e pesquisadores para o ensino superior, preconizadas nos PNPG s anteriores, acrescenta a

5 2841 essas demandas a qualificação dos professores para a educação básica, a especialização de profissionais para o mercado de trabalho público e privado, bem como a formação de técnicos e pesquisadores para empresas públicas e privadas. Essas novas atribuições da pós-graduação stricto sensu anunciam as pressões para abertura de mestrados profissionalizantes. Entretanto, é importante registrar, conforme assinala Sguissardi (2008), que a organização da pós-graduação no Brasil pautou-se no modelo americano, pois somente nos Estados Unidos havia um sistema de pós-graduação organizado. Entretanto, Saviani (2000) destaca que na área das Ciências Humanas continuou prevalecendo a inspiração europeia, apesar da implantação do modelo americano. Nesse sentido, assinalem-se, ainda, alguns aspectos emblemáticos desse campo. Nos Estados Unidos, a Educação Básica era influenciada pela Escola Nova, que priorizava a socialização e a autonomia dos alunos, deixando em segundo plano a aquisição de conhecimentos. No nível superior, no entanto, havia uma organização que pressupunha orientação segura por parte dos docentes. Ao contrário, na Europa, os sistemas de educação básica se pautavam na concepção tradicional de ensino cujo objetivo principal consiste na aquisição de conhecimentos, portanto, esperava-se que os alunos, ao ingressarem nas Universidades - especialmente na pós-graduação - possuíssem certa maturidade intelectual e autonomia que lhes permitissem gerir seus próprios estudos (SAVIANI, 2000). Nessa perspectiva, os primeiros mestrados em educação foram estruturados com base nos pressupostos de que seus alunos teriam autonomia suficiente para gerir seus estudos, definir seus objetos de investigação e desenvolver pesquisas consistentes, sendo o papel do orientador considerado o de um primeiro examinador. Em função disso, os tempos para titulação eram longos, prevendo-se, portanto, a realização de trabalhos densos. Segundo Saviani (2000), em função da demanda reprimida, os primeiros selecionados para a pósgraduação, em sua maioria professores de graduação com sólida formação e experiência, atendiam a essas expectativas. Passado o tempo inicial, entretanto, começaram a surgir alunos sem experiência em pesquisa, componente este aliado à frágil formação teórica. Consequentemente, sem orientação mais sistemática, este aluno de novo perfil vem apresentando sérias dificuldades para a realização de estudos mais consistentes, conforme demonstram pesquisas que se dedicam a realizar balanços da produção científica da área (WITTMANN, GRACINDO, 2001; MARTINS, 2011; MAIA, 2008).

6 2842 Diante desse cenário ainda em configuração, surgem demandas de diminuição de tempo com tendência em transformar o mestrado em fase preparatória para o doutorado. Pode-se afirmar com certa tranquilidade, que o modelo híbrido configurado que procurava articular a organização americana e a densidade europeia, está em crise. Com os tempos diminuídos, há certa tendência de se superar modelos curriculares anteriores, por meio dos quais alunos cursavam disciplinas de aprofundamento teórico, substituídas, de modo geral, por disciplinas de perfil mais instrumental, voltadas à elaboração das dissertações que devem ser defendidas em curto prazo de tempo (KUENZER E MORAES, 2005). Nesse contexto, o modelo anterior de aluno ideal - o professor de graduação, bem formado e com larga experiência profissional vem sendo substituído por um novo perfil de aluno, que preferencialmente tenha participado de programas de iniciação científica na graduação, com alguma autonomia intelectual, com tempo disponível e capacidade para realizar pesquisa em dois anos. No entanto, atualmente, este perfil de aluno não condiz exatamente com a realidade de todos os programas, pois estes estão localizados em regiões com características sociais, econômicas e culturais completamente diferentes entre si, atendendo, por consequência, alunos com diferentes perfis. Nesse sentido, com base na análise do cadastro do Programa de Mestrado em Educação objeto deste estudo pode-se afirmar que os profissionais que nele adentram, apresentam trajetórias diferenciadas. São educadores provenientes de redes públicas da educação básica professores, diretores, vice-diretores, coordenadores pedagógicos, membros de equipes técnicas de secretarias de educação, supervisores de ensino -e de instituições privadas de ensino superior coordenadores de cursos de graduação, professores de cursos de pós-graduação lato sensu, diretores de grupos privados do ensino superior, diretores de faculdades isoladas, professores do ensino superior de diversas áreas do conhecimento 4. Em suma, são profissionais que estão em busca de aperfeiçoamento em seus percursos formativos, sem, no entanto, terem como objetivo primordial construir carreira acadêmica com vistas a se inserir no pós-graduação stricto sensu, conforme se discute a seguir. 4 Informações obtidas da leitura realizada das fichas cadastrais dos ingressantes entre 2007 a 2009.

7 2843 Procedimentos metodológicos Como se disse anteriormente, o estudo buscou analisar trajetórias profissionais de educação das redes municipal e estadual da cidade de São Paulo, egressos de um curso de Mestrado em Educação de uma universidade particular do município de São Paulo, na tentativa de desvendar os motivos que os levaram à escolha dessa modalidade de aperfeiçoamento e os rumos profissionais trilhados a partir dessa etapa de vida. Em outras palavras, buscou-se compreender suas representações a respeito da opção pela docência como atividade profissional e o papel do mestrado em suas trajetórias formativas. Na primeira etapa do estudo, realizou-se análise das fichas cadastrais dos alunos egressos entre 2007 e 2009, com vistas à identificação de seu perfil de formação e profissional. Na segunda etapa, realizou-se grupo focal apenas com profissionais da educação básica da rede pública estadual paulista. O roteiro do grupo focal apresentou quatro tópicos norteadores articulados à vida profissional dos egressos que abrangia: a) Discussão da opção pela docência como atividade profissional; b) Exame dos motivos que os levaram a cursar pós-graduação em educação; c) Exploração das potencialidades e limites do processo formativo durante o curso de pósgraduação, com ênfase nos desafios postos pelo mestrado; d) Discussão dos rumos da trajetória profissional após o curso de pós-graduação (possíveis mudanças profissionais e de vida). A técnica do grupo focal enfatiza a interação entre os participantes permitindo emergir várias opiniões e sentimentos, possibilitando a compreensão de significados que seriam difíceis de serem expressos por meio de outras técnicas. Embora esses grupos não reproduzam os cenários naturais nos quais ocorrem as interações cotidianas, eles permitem a emergência de mecanismos presentes nos processos interativos face a face e/ou institucionais. Na visão de Jovchelovitch (2000, p. 115), grupos de discussão fornecem o contexto para a observação de estratégias utilizadas tanto por sujeitos sociais para expressar como para dar sentido a uma realidade particular. Assim, nessas situações grupais não é incomum que apareçam polaridades, permitindo o enquadramento das falas em pares de oposição, pois o fato de que os participantes descrevem uma realidade difícil não exclui de seu universo representac ional uma realidade oposta, que é desejada.

8 2844 Apresentamos, brevemente, o perfil dos participantes do grupo focal 5. José é professor de história da rede pública estadual paulista e leciona, após o término do Mestrado, na Unip. Antônio era professor de história da rede pública estadual paulista, e atualmente, após prestar concurso para diretor, dirige uma escola da rede estadual paulista. Mara é diretora de escola da rede estadual paulista em município da região metropolitana; prestou concurso para ser diretora regional de ensino, foi aprovada e está aguardando ser chamada. Helena é diretora de escola na Rede Pública Estadual Paulista da qual está de licença há um ano; prestou concurso para ser diretora regional de ensino e está aguardando ser chamada. Marta também é diretora da Rede Pública Estadual Paulista e está atuando como supervisora substituta. Após o mestrado, lecionou na Faculdade Integrada de Guarulhos (FIG) e prestou concurso para ser diretora regional de ensino. A leitura do material possibilitou elencar os seguintes eixos de análise: diferentes graus e níveis de identificação e de satisfação com a profissão docente; significados atribuídos ao percurso formativo no mestrado em educação; desdobramentos do mestrado na vida profissional e pessoal. Inicialmente procuramos apreender como os participantes da pesquisa compreendem o caminho traçado pelos participantes da pesquisa para se tornarem docentes. Atribuição de significados: a docência como opção profissional Eles afirmaram que não pretendiam inicialmente exercer a docência, porém não tiveram condições para se inserir nas carreiras desejadas. Ficou claro que os egressos se sentiram impelidos por acontecimentos ou condições de vida para a docência em determinados momentos de suas trajetórias; não fizeram as escolhas que pretendiam, mas as possíveis de serem feitas, em determinadas condições, como explicitam os depoimentos a seguir: [...] Eu não tinha muita oportunidade, falta de opção. Eu queria ter sido terapeuta, só que faltaram as condições [...]. [...] Eu caí na Educação meio de para quedas, porque na verdade eu queria ser arqueólogo quando criança. Quando adulto já, pensando o que fazer da vida, (...) percebi que arqueologia não seria uma boa coisa aqui no Brasil? E aí eu vi que o campo mais próximo disso seria história. Minha intenção não era ser professor, minha intenção era fazer história [...] 5 Os nomes são fictícios por motivos éticos. Todos assinaram Termo de Consentimento.

9 2845 [...] Eu fazia economia, então no terceiro ano de economia eu fiquei grávida, (...) Tranquei economia no terceiro ano e fui fazer arte, fui fazer história da arte e aí não tinha outra saída, eu tinha que dar aula [...]. [...] Eu não fiz escolha, a vida me fez assim, me fez entrar na educação, acho que a vida me escolheu, não fui eu quem escolheu [...]. [...] Bem eu sempre caracterizo a minha entrada no magistério por uma questão ideológica. Eu me filiei ao partido comunista muito cedo, é uma historia de família, eu tinha um tio que era comunista na época da repressão militar (...) eu comecei a me ligar no partido comunista e comecei a ter uma visão meio de salvador da pátria. Uma visão de que vai mudar o país e assim foi a minha trajetória (...) eu fiz história e logo no primeiro semestre já comecei o magistério e houve uma empatia total [...] Os egressos se aproximaram da docência por meio de processos de rupturas com escolhas anteriores, dinâmica essa que provocou desestabilizações e que reorientaram suas trajetórias. Nessa perspectiva, suas opções da infância e da juventude tiveram que se ajustar às condições reais de vida que se apresentaram no início da vida adulta. Nesses depoimentos é possível localizar o que Boutinet (1999) denomina de caos vocacional presente nas sociedades contemporâneas, diferente de outras épocas em que se poderia falar em desenvolvimento profissional. Ao se assumir que a vida adulta não é um contínuo organizado e controlado, mas resulta de uma tensão constante entre ordem e desordem, verifica-se que ser adulto, na atualidade, presume ser confrontado por uma série de acontecimentos desestabilizadores que desorganizam e reorganizam constantemente referências centrais, obrigando os sujeitos a rever itinerários e realizar transições, decorrentes de mudanças ocorridas nas trajetórias de vida que se produzem em um intervalo relativamente curto (DELORY-MONBERGER, 2009). No caso do exercício da docência, é importante considerar que a fragilidade do status da profissão (TARDIFF, LESSARD, 2005) colabora para que não se sintam confortáveis em uma profissão cada vez menos atrativa. Seus depoimentos justificam o fato de terem se tornado docentes de forma completamente aleatória, corroborando resultados de pesquisa realizada em 2009 pela Fundação Carlos Chagas, por encomenda da Fundação Victor Civita (2011). O estudo demonstra que cada vez menos jovens no Brasil pretendem se tornar professores. Os depoimentos dos egressos revelam que a opção pela docência decorreu da impossibilidade de não terem feito escolhas desejadas - consideradas mais atrativas - em etapa de vida crucial para a tomada de decisões a transição para a fase adulta, permeada de imprevisibilidades.

10 2846 É preciso registrar que o conceito de transição vem sendo referenciado em inúmeros estudos no campo das ciências sociais, muitas vezes entendido como trajetórias profissionais móveis, pois não há possibilidade de se escalonar etapas do início de uma carreira até a aposentadoria, construindo-se, socialmente, modelos biográficos, tendo em vista que os sujeitos assumem as imprevisibilidades e reconversões de sua própria trajetória de vida e profissionais. Entretanto, configura-se um cenário ambíguo: ao tempo em que permanecem mecanismos de controle burocráticos em diversos setores do mundo do trabalho - inclusive, mais consolidados diante do aparato informatizado ao qual os sujeitos são submetidos o tempo todo convivem processos de individualização-descoletivização do trabalhador, podendo-se incluir, nesse paradoxo de funcionamento, o trabalho docente (CASTEL, 2009, p. 47). No que se refere ao grau de satisfação com a profissão, foi possível constatar que existe um desconforto, uma inquietude e até mesmo um desencanto, o que promove o desejo dos participantes para sair do lugar em que se encontram. Não escolheram a docência e, ao se depararem com as condições reais de trabalho, ficaram impactados. Ao não encontrarem soluções para os desafios, procuraram sair da sala de aula e, para isso, prestaram concursos que os encaminharam para o exercício da gestão escolar. [...] Chegou num ponto que eu chegava na sala e olhava assim e falava meu Deus, segunda feira sete horas da manhã, até chegar sexta meio dia e meia, já tinha virado uma tortura, a sala de aula me torturava. Aí apareceu o concurso de diretor, que eu fiz por fazer, porque, nunca passou pela minha cabeça ser diretora da escola [...]. [...] No dia 20 de junho vou fazer 20 anos de estado, só que eu já entrei na sala de aula pensando eu não vou morrer na sala de aula, aí comecei a me preparar para os concursos [...]. No entanto, constatou-se que nesse cargo também não se encontram confortáveis e continuam procurando outras maneiras de se deslocar em busca de melhores condições de trabalho: voltar a dar aula; pedir licença; pedir remoção, assumir uma nova função na Rede Pública e até mesmo prestar novos concursos. No mundo contemporâneo, as trajetórias profissionais são constituídas, preferencialmente, por etapas transitórias, (MARTINS, 2009). Como se disse anteriormente, as transições profissionais realizadas pelos egressos não ocorreram com base em planos de vida (mais do que de carreiras profissionais), previamente definidos. Elas estão sendo efetuadas por pressões impostas por diferentes situações vividas. Seus itinerários profissionais refletem tentativas individuais de enfrentamento das crises que emergem no exercício da profissão.

11 2847 [...] Eu passei pouco tempo, três meses na direção, passei dois meses na vice-direção da escola que eu trabalho, mas eu não gostei da experiência eu não gostei de ser diretor no ensino público [...] [...] Sou diretora da rede estadual, mas tem um ano que eu parei, tirei um tempo, eu estava acabada. Fiquei muito cansada porque não é fácil [...]. [...] Ah eu não gostaria de voltar eu desanimei muito. Eu cansei, só que eu vou voltar [...]. [...] Prestei concurso para diretor, passei, sou diretora há oito anos, foi em 2003, só que agora eu cheguei num ponto, achei que já tinha feito tudo que eu podia fazer pela minha escola, parece que não anda. (...) Eu precisava sair um pouco, dar uma volta e depois eu volto. Daí eu fui para a supervisão [...]. [...] Ingressei numa escola, no Jardim Elba, no meio daquela ilha cercada de favelas, um negócio muito difícil (...). Quando alguém colocou o revolver no meu pescoço e me falou você vai morrer, eu achei melhor sair e pedi remoção e fui para o Luis, onde eu estou hoje na Vila Ema [...]. Para Boutinet (1999), o homem contemporâneo sofre de uma nova desilusão - não a religiosa, descrita por Weber - mas a técnico-científica, um tempo que não mais acredita no progresso indefinido. Para o autor o antídoto para esse tempo é a possibilidade de construir projetos. No caso dos sujeitos da pesquisa, constatou-se que estão procurando situar seus novos projetos de vida e profissionais - fora das escolas onde atuam. Considerando que todos os participantes do grupo tinham assumido em algum momento a direção de escolas, foi possível apreender os significados atribuídos por eles sobre gestão escolar: [...] É muita decepção, é muita cobrança, é vazamento de água, não é o pedagógico que você ama? Fica ali cuidando de gente batendo boca, essas coisas vão sugando, você fica doente, você fica carente. Acho que a gente se sente muito só também [...]. [...] Cada escola é isso, é aquele embate, é aquela conquista. (...) Eu sempre consigo visualizar a escola com os professores em três situações, os proativos, os reativos e a massa de manobra. Nessa perspectiva a gente sempre trabalha com os proativos e com a massa de manobra. Os reativos você só comunica [...]. [...] Eu estou gostando de ser supervisora, sabe por quê? Porque o diretor caiu um parafuso na escola, queimou a bomba da caixa d água, ele tem que resolver, parece que ninguém consegue fazer nada sem o diretor e o supervisor já não é assim, não tem responsabilidade oficial, a função do supervisor é chegar na escola e orientar (...) na direção parece que não dá para a gente sentar e estudar [...]. [...] Quando eu ingressei na direção eu fiquei sete meses em uma escola, eu só não exonerei antes dos sete meses porque uma supervisora falou você não vai desistir que exemplo de mulher e de mãe você vai ser para os seus filhos: uma derrotada. Era um grupo muito difícil, tudo o que eu estudei no concurso, não valia, eu cheguei ali e foi totalmente diferente [...].

12 2848 Todos consideram a direção um cargo muito difícil de ser exercido no cenário educacional atual. Os principais desafios que enfrentam dizem respeito a cuidar das questões referentes à estrutura física da escola que, segundo eles, toma grande parte do tempo e impede que se envolvam com as questões pedagógicas. Sentem-se sozinhos e responsabilizados por tudo o que acontece na escola e sem condições de resolver os problemas que enfrentam. Destacam, também, as dificuldades para mediar conflitos entre os diversos atores sociais presentes nas escolas: pais, professores e alunos. Enfatizam, também, dificuldades encontradas para liderar grupos no sentido de construir um projeto pedagógico coletivo. Dubar (2009) alerta que o indivíduo contemporâneo em diferentes momentos de sua vida, ou até mesmo de maneira crônica, vem sofrendo de um sentimento de insuficiência, o que configura um processo quase permanente de crises na idade adulta, desestabilizando crenças antigas de que esta fase de idade seria um tempo de estabilidade emocional e financeira. Foi possível desvendar algumas crenças a respeito da formação inicial, quando os profissionais apontam que, em sua visão, antes de trilhar o magistério, este processo forneceria recursos para o exercício da profissão e de que os conhecimentos técnicos possibilitariam solucionar os problemas que emergem nos contextos profissionais. Ademais, questionam as modalidades escolares de aprender, vistas, de modo geral, como eficazes para atuar profissionalmente. Frente a essas e outras desilusões acabaram buscando saídas individuais, entre elas a formação continuada. Potencialidades e limites do processo formativo no Mestrado em Educação Constatou-se que para esses profissionais, exercer a docência no ensino superior abrese como uma nova possibilidade de atuação e, nesse contexto, situa-se a procura por um Programa de Mestrado em Educação. Assim, localizaram algumas situações que os impeliram a buscar essa modalidade de aperfeiçoamento: [...] Eu achava que os professores estavam chegando cada vez piores na escola. Então achei que com o mestrado eu talvez pudesse melhorar essa formação, o meu tema de pesquisa foi formação continuada de professores, eu vim buscar capacitação para tentar melhorar o que eu estava vendo [...]. [...] Eu posso dizer que para mim foram dois pontos que me fizeram interessar por educação. O curso de gestão escolar aqui da Universidade que fiz em 2005e uma conferência que assisti de um brasilianista, na qual fiz uma pergunta e no final ele pediu para conversar comigo. Ele falou que daria um projeto de pesquisa em

13 2849 educação. (...) Eu apresentei para um professor que eu o conhecia da FE-USP que estava aqui no mestrado e ele falou que era viável [...]. [...] Comigo foi na verdade uma inquietação, quando eu terminei a graduação fiquei com aquela sensação de final de processo e quando eu comecei a dar aula senti uma necessidade muito grande de estudar mais, de aprender mais [...]. O exercício da direção escolar parece ter desestabilizado os participantes da pesquisa e o Mestrado em Educação surgiu como antídoto para a falta de perspectivas no exercício da profissão. No Mestrado sentiram-se acolhidos e reconhecidos. O contato com os colegas abrandou a solidão sentida na escola e possibilitou o exercício da reflexão que, segundo Dubar (2009), cumpre um papel essencial na construção de uma identidade reflexiva, interiorizada, que possibilita a percepção de si-mesmo. Assim, os significados que a vida social assume na sua dimensão pública, no espaço em que uns se encontram com outros, seja de forma direta, como nas ruas, praças, nos rituais coletivos, etc., seja através de mediações institucionais, instituem, e, ao mesmo tempo são instituídos por ações e valores mediados pelo diálogo, no campo das representações sociais (JOVCHELOVITH, 2000, p. 67). Em meio ao turbilhão que vivem no cotidiano das escolas, o Mestrado assumiu a função de preservar - por determinado tempo - a construção de sentidos. Da mesma forma, esse compartilhamento com colegas fora do espaço cotidiano de trabalho - possibilitou-lhes o reconhecimento nem sempre possível no local em que atuam profissionalmente. Para Boutinet (1999), o sentimento de reconhecimento depende dos sinais que o Outro nos envia, da percepção de ter para o Outro uma importância, de ocupar um lugar simbólico que possibilita, ao indivíduo, a sensação de ser capaz de atender às expectativas alheias, porém, não aleatórias. [...] O mestrado para mim ele foi mais do que beber um copo d água, foi me reconhecer. Eu sai muito melhor como pessoa [...]. [...] Eu tenho muito orgulho de falar que eu tenho mestrado, todo mundo quer fazer o mestrado, pelo menos as pessoas que a gente conhece. Minha família tem orgulho, a minha filha, eu também [...]. [...] Não foi só o mestrado, eu tenho muita gratidão por essa universidade, muita gratidão, eu acho que em poucos lugares, (...) eu fui tão bem acolhido, esse acolhimento foi essencial nessa trajetória [...]. [...] Você convive aqui com um grupo na verdade e o grupo que nós tínhamos era muito bom, era mais do que uma participação em uma simples aula. Nós tivemos muita felicidade de estarmos juntos e isso fez com que a gente tivesse que se rever. Acho que todos nós tivemos que nos rever e mim isso foi muito dolorido. Desfazerme de algumas máscaras foi muito dolorido [...]

14 2850 [...] Foi no mestrado que eu acabei descobrindo o meu prazer por lecionar! (...) Eu havia passado momentos ruins na direção e no mestrado que eu comecei a perceber que havia algumas coisas boas, alunos que passam no vestibular e voltam e falam obrigado professor, aquela aula me ajudou, (...) Então comecei a perceber no mestrado essas coisas positivas que envolvem a profissão e foi aí que me descobri, descobri que eu gostava realmente de dar aula [...]. [...] Essa parte de escrever para mim foi muito difícil. Tinha um monte de ideias na cabeça. Eu imprimia encadernava e trazia e o meu orientador falava você está gastando tinta à toa, (...) Essa parte da escrita doeu muito porque é difícil a gente conseguir focar. Envolve o próprio problema de pesquisa. Você leva muito tempo sem conseguir uma definição [...]. Frente à solidão percebida no exercício da docência e da gestão, os sujeitos buscaram outro grupo de pertença que lhes possibilitou reconfigurações identitárias. Considerações finais [...] Quando eu entrei no mestrado eu já era professor de história na rede pública e agora entreguei depois do mestrado mais uma ocupação, eu estou lecionando no ensino superior também na UNIP no curso de pedagogia. Estou dividindo o meu tempo aí entre os meus alunos de pedagogia e os meus alunos de pública [...] [...] Eu to querendo ir para a educação à distância. Eu estou querendo me especializar, eu queria até fazer aquele curso de tutoria que estava tendo aqui, eu fiz até a inscrição no começo, porque eu acho que o futuro é a educação à distância então eu queria trabalhar com superior [...]. [...] O efeito do mestrado não acabou ainda. Ele está efervescendo e eu não quero que ele termine! Quando a Juliana ligou, eu estava tão apagada naquele dia, estava andando na escola com uma certa tristeza, aí quando tocou o celular e era a Juliana e ela falou dessa reunião, gente veio uma força, uma alegria incontida, eu falei puxa vida é o que eu gosto de fazer! [...] Registrem-se alguns aspectos apreendidos no processo de constituição dos significados atribuídos pelos profissionais da educação básica, no que diz respeito à opção pela docência e ao percurso formativo no mestrado em educação como opção de desenvolvimento profissional. Os profissionais afirmam prevalecer o sentimento de cumprimento de normas legais no exercício da docência e da gestão; constatam ausência de reconhecimento das atitudes e valores que norteiam suas atividades profissionais, por parte de colegas de trabalho e, sobretudo, fora do âmbito escolar, o que configura sacralização da perda de status da docência. Pode-se apreender ainda que o aperfeiçoamento profissional escolhido cursar mestrado em educação possibilitou reconfigurar o exercício de uma profissão não desejada inicialmente, mas que lhes permitiu instaurar condições de vida melhores do que as que se

15 2851 apresentavam no momento da escolha. Conforme apontam Dubar (2005) e Moscovici (2003), o reconhecimento do Outro permite a (re) construção operatória de identidades em dinâmica conjunta, pois é na compreensão interna das representações cognitivas e afectivas, perceptíveis e operacionais, estratégicas e identitárias que reside a chave dessa construção (DUBAR, 2005, p. 101). Ademais, os espaços coletivos de aperfeiçoamento profissional no caso em pauta, cursar um Programa de Mestrado em Educação são vistos como a possibilidade de desenhar novas perspectivas de trajetórias individualizadas, que permitem um tempo de distanciamento, de reflexão e de trocas de ideias e de elucidação dos problemas que eles enfrentam no cotidiano da gestão das escolas e nas salas de aula da educação básica. No estudo aqui analisado, a situação criada por meio do grupo focal também possibilitou uma relação com a linguagem constituída em processo interativo, articulando constrangimentos externos e desejos internos, obrigações exteriores e projectos pessoais, solicitações do outro e inciativas do eu (DUBAR, 2009, p. 101), permitindo-lhes ainda que temporariamente visualizar algumas saídas para a crise em que se encontram submersos no exercício do magistério. Porém, essas saídas não dizem respeito, como afirmado anteriormente, à permanência na docência, portanto, pode-se apreender que isso não significa a superação de paradoxos e/ou de ambiguidades enfrentadas no mundo social contemporâneo, cenário no qual os sujeitos se veem às voltas com suas próprias opções individualizadas de mudanças. Ao contrário, a individualização imputa maiores responsabilidades aos que estão envolvidos na busca de (re) construção de suas identidades profissionais. Nesse contexto, o novo perfil de aluno desejado para os Programas de Pós-graduação em Educação com participação em programas de iniciação científica na graduação, dotado de autonomia intelectual e tempo disponível para realizar pesquisa em dois anos não corresponde exatamente ao perfil de alunos ingressantes em todos os programas em âmbito nacional. Como afirmado anteriormente, os profissionais egressos que participaram deste estudo apresentavam trajetórias diferenciadas. Eram provenientes da educação básica ocupando diversas funções professores, diretores, vice-diretores, coordenadores pedagógicos, supervisores de ensino com passagens isoladas e circunstanciais em instituições privadas de ensino superior. Em suma, eram profissionais à procura de aperfeiçoamento, sem, no entanto, terem como objetivo primordial construir carreira acadêmica com vistas a se inserir na pós-graduação stricto sensu.

16 2852 Dessa forma, é de se perguntar quais são, efetivamente, os desdobramentos e/ou repercussões decorrentes da participação de profissionais da educação básica em cursos de Mestrado em Educação, muitas vezes suportados por bolsas de Secretarias de educação, como ocorre no estado de São Paulo? Ao que tudo indica os investimentos financeiros, físicos, morais, cognitivos, afetivos, efetuados pelos sujeitos envolvidos nesses processos formativos - merecem estudos de aprofundamento sobre as relações entre os Programas de Mestrado em Educação e possíveis desdobramentos para o enfrentamento dos problemas existentes no cotidiano das redes de escolas públicas da educação básica, tendo em vista que, gradativamente, este é o aluno que ingressa nesses Programas nos tempos atuais. REFERENCIAS BERGER, Peter ; LUCKMANN, Thomas. La Construction sociale de la réalité. Paris: Méridien-Klincksieck, BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A Construção Social da Realidade. 24. ed. Petrópolis: Vozes, BOUTINET, JeanPierre. L imaturité de la vie adulte. Paris: Presses Universitaire de France, BOUTINET, Jean Pierre e DOMINICÉ, Pierre. (Dir.) Où sont passes lês adultes? Routes et déroutes d un age de la vie. Paris: Téraèdre, BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas; Papirus Editora, CASTEL, Robert. A insegurança social: o que é ser protegido? Petrópolis: Vozes, CORCUFF, Philippe. As novas sociologias. Bauru: Edusc, DELORY-MOMBERGER, Christine. La condition biographique: essais sur le récit de soi dans la modernité avancée. Paris: Téraèdre, (coll. (Auto)biographie Education). DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, A crise das identidades. São Paulo: EDUSP, FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA. Atratividade da Carreira Docente no Brasil. Disponível em <http://www.fvc.org.br/pdf/atratividadedacarreiradocentenobrasilfinal.pdf>. Acesso 21 ago

17 2853 JOVCHELOVITCH, Sandra. Representações sociais e esfera pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petropólis: Vozes, KUENZER, Acácia Zeneida e MORAES, Maria Célia Marcondes. Temas e tramas na pósgraduação em educação. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 93, p , set/dez MAIA, Graziela Zambão Abdian. As publicações da ANPAE e a trajetória do conhecimento em Administração da educação no Brasil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p , MARTINS, Angela. Maria. Trajetórias de formação de alunas do curso de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.90, p , A pesquisa na área de política e gestão da educação básica: aspectos teóricos e metodológicos. Educação e Realidade, v.36, p.45-57, (Org.) Estado da Arte: gestão, autonomia escolar e órgãos colegidos (2000/2008). Brasília: Editora Liber, 2011 MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, NÓVOA, Antônio. (Org.) Profissão professor. Porto: Porto Editora, SAVIANI, Demerval. A pós-graduação em educação no Brasil: trajetória, situação atual e perspectivas. Revista Diálogo Educacional. v. 1, n.1, p.1-95, jan./jun SGUISSARDI, Valdemar. Pós-graduação (em Educação) no Brasil: conformismo, neoprofissionalismo, heteronomia e competitividade. In: MANCEBO, D; SILVA J.R. e OLIVEIRA, J. F. de. (Orgs.) Reformas e Políticas: educação superior e pós-graduação no Brasil. Campinas: Alínea, TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, WITTMANN, Lauro Carlos; GRACINDO, Regina Vinhaes (Coord.). O estado da arte em política e gestão da educação no Brasil: 1991 a Brasília: ANPAE; Campinas: Autores Associados, 2001.

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS ESTUDANTES DO PROGRAMA MULHERES MIL NO IFSUL- CÂMPUS SAPIRANGA/RS Gisele Lopes Heckler UNISINOS Agência Financiadora: CAPES/PROEX Resumo Esta comunicação objetiva

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE PIANO Rosane Cardoso de Araújo 1 rosane_caraujo@yahoo.com.br

SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE PIANO Rosane Cardoso de Araújo 1 rosane_caraujo@yahoo.com.br 197 ANAIS IV FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2006 ISSN 1809-2616 SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE PIANO Rosane Cardoso de Araújo 1 rosane_caraujo@yahoo.com.br

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

36ª Reunião Nacional da ANPEd 29 de setembro a 02 de outubro de 2013, Goiânia-GO

36ª Reunião Nacional da ANPEd 29 de setembro a 02 de outubro de 2013, Goiânia-GO A POLÍTICA DE REVALIDAÇÃO DE TÍTULOS DE GRADUAÇÃO NO BRASIL: DIMENSÃO NORMATIVA E EMBATES Jullie Cristhie da Conceição UFGD Introdução Este trabalho tem como objetivo explicitar a dimensão normativa e

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática

X Encontro Nacional de Educação Matemática PESQUISA-AÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Autor: Maristela Alves Silva Projeto Observatório da Educação- UFSCar-SP maristelamarcos@hotmail.com Resumo: Este texto se reporta

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação INTRODUÇÃO O presente livro constitui registro e reflexão coletiva sobre a primeira experiência desenvolvida na disciplina Docência no Ensino Superior, ofertada pelo Departamento de Teoria e Planejamento

Leia mais

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA Eduardo Gomes Vieira Vicentino Prefeitura da Cidade de São Paulo vicentinoe@yahoo.com.br Nielce Meneguelo Lobo da Costa Universidade

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Palavras chave: formação do professor; práticas pedagógicas; Matemática.

Palavras chave: formação do professor; práticas pedagógicas; Matemática. AS CONCEPÇÕES E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA MARQUES, Maria Christina Bittencourt de - CUML UTSUMI, Miriam Cardoso CUML GT: Educação Matemática / n.19 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo Edição 12 de 1 a 7 de junho de 2010 VISITE A PÁGINA DA SALA DE IMPRENSA DA EACH. ALÉM DO CLIPPING SEMANAL, VOCÊ PODERÁ ENCONTRAR OUTRAS NOTÍCIAS IMPORTANTES SOBRE A NOSSA ESCOLA http://each.uspnet.usp.br/each/sala-imprensa.php

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

(responsáveis pela Educação Ambiental)

(responsáveis pela Educação Ambiental) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS Praça da Republica, 53 - São Paulo CEP 01045-903 Tel. (011) 3237-2115 - ramal 209 5.100 mil

Leia mais