A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013"

Transcrição

1 A Ouvidoria na Saúde Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

2 Cenário Social Nas últimas décadas a sociedade brasileira passou por inúmeras mudanças que determinaram o redimensionamento de políticas públicas, com repercussão direta nas instituições públicas e privadas. Algumas dessas políticas propiciaram e ampliaram mecanismos de participação social, com vistas ao aperfeiçoamento do regime democrático. Atualmente, somos uma sociedade em transição profundamente desigual, mas em processo de emancipação social (consciência crítica, sujeitos de direitos)

3 Cidadania e Democracia A Cidadania não está mais confinada dentro dos limites da relação com o Estado, ou entre Estado e indivíduo, mas deve ser estabelecida no interior da própria sociedade, como parâmetro das relações sociais que nela se travam... A nova cidadania é um projeto para uma nova sociabilidade: não somente a incorporação no sistema político em sentido estrito, mas um formato mais igualitário de relações sociais em todos os níveis, inclusive novas regras para viver em sociedade (negociação de conflitos,um novo sentido de ordem pública e de responsabilidade pública, um novo contrato social etc.) Um formato mais igualitário de relações sociais em todos os níveis implica o reconhecimento do outro como sujeito portador de interesses válidos e direitos legítimos. Isso implica também a constituição de uma dimensão pública da sociedade, em que os direitos possam consolidar-se com parâmetros públicos para a interlocução, o debate e a negociação de conflitos, tornando possível a reconfiguração de uma dimensão ética da vida social.

4 Implantação de Ouvidorias Deve estar associada a princípios éticos e democráticos (direitos constitucionais, exercício da cidadania, transparência das ações). Redireciona o foco da organização; Promove processos educativos internos e externos; Recomenda processos de qualificação, capacitação e treinamento; Fortalece o comportamento ético dos colaboradores.

5 Papel de Ouvidor Entender a reclamação como uma postura cidadã é um processo social e não individual; Restabelecer a relação do indivíduo com a sociedade - uma oportunidade de representação e participação social; Proporcionar ao cidadão o sentimento de satisfação, respeito, dignidade e cidadania; Incentivar ações que estimulem o exercício da cidadania

6 Modelo Brasileiro de Ouvidorias Inspirada no modelo de ombudsman da Suécia, adquiriu personalidade própria, adaptada ao contexto do país; Atendimento ao Cidadão Canal de interlocução, participação social, defesa dos direitos sociais, melhoria da qualidade de produtos e serviços

7 Princípios das Ouvidorias Ética Transparência Independência Autonomia

8 Ciclo de Qualidade dos Serviços

9 SAC e Ouvidoria SAC Atende solicitações de rotina, com script e soluções predefinidas Ações corretivas Atuação operacional Ausência de independência e autonomia Ouvidoria Atende situações excepcionais, não resolvidas pelos canais tradicionais Ações corretivas e preventivas Atuação estratégica Independência e autonomia Setor da organização Vinculação à alta direção (*)

10 Função Social da Saúde Suplementar Saúde não é um produto ou serviço comum. É de caráter relevante para a sociedade. Tem função social definida pela Constituição Federal e deve atuar em favor da sociedade. Uma relação de consumo só é durável se for baseada na regularidade, nos usos e costumes e nas exigências do mercado.

11 Ouvidoria na Saúde Importa ao Ouvidor buscar compreender a complexidade das relações humanas em momentos especiais (saúde), posto que geralmente atua numa inter-relação de duas ou mais partes em posições antagônicas, com a presença de aspectos emocionais e valores distintos, que subjazem os conflitos e que estarão presentes durante o processo.

12 Perfil do Ouvidor na Saúde Discrição Bom Senso Saber Ouvir Isenção Autonomia Conhecimento Experiência Senso de Urgência Liderança Inconformismo

13 Atribuições do Ouvidor Ouvir / Instruir Documentar Dar Consistência aos fatos Procedimento que pode ser requisitado pelo Setor Público (Poder Judiciário, Ministério Público, Órgãos de Defesa do Consumidor Analisar criticamente Recomendar, sugerir ou propor ações; Promover estudos e pesquisas, Análises sistêmicas; Relatórios de gestão.

14 Relatórios de Gestão Conjunto de informações utilizadas para reportar resultados parciais ou totais das atividade da Ouvidoria concluídas ou em andamento. Periodicidade Próximo ao evento corrigir, evitar ou superar erros; Sugestão: mensal, semestral e anual

15 Sistematização dos Dados Valor Interno A sistematização permite análise crítica confiável,indicadores, e proposições. Avaliação dos resultados Recomendações * Valor Externo Transparência Ética Credibilidade

16 Indicadores Base de sustentação de decisões Um bom sistema de informações Fotografia da organização Reflexo das atividades Sistema informatizado de registro de manifestações que permita cruzamentos e dados e análise crítica

17 Questões Práticas Estrutura dimensionada com a demanda Rapidez e eficiência Retorno e solução definitiva Divulgação e sensibilização: público externo e interno Resolução 323/13

18 Postura Ética do Ouvidor Preservar os valores e os princípios éticos que norteiam as ouvidorias e as instituições. Exercer a função com competência e dignidade e respeito ao usuário. Representar os legítimos interesses dos cidadãos

19 Função Social do Ouvidor Representante do cidadão na organização com o compromisso de compartilhar informações e as colocar a serviço do interesse coletivo, colaborando para a ética na sociedade e para a formação de uma cultura de respeito aos direitos humanos, promovendo a cidadania e a consolidação do processo democrático

O Papel das Ouvidorias Públicas. Aristóteles dos Santos Ouvidor da Anatel

O Papel das Ouvidorias Públicas. Aristóteles dos Santos Ouvidor da Anatel O Papel das Ouvidorias Públicas Aristóteles dos Santos Ouvidor da Anatel ouvidoria@anatel.gov.br UM BREVE HISTÓRICO Os primeiros registros de canais abertos para as reclamações do povo contra as injustiças

Leia mais

Seminário de Atualização e implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed

Seminário de Atualização e implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor Procon/SP Seminário de Atualização e implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Importância da Atuação da Ouvidoria

Leia mais

Ouvidoria. GDO039.PT Rev. 06

Ouvidoria.  GDO039.PT Rev. 06 Ouvidoria Sumário 1 OBJETIVO... 3 2 ESCOPO... 3 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 3 4 TERMOS E DEFINIÇÕES... 3 4.1 Manifestação... 3 4.2 Ouvidoria... 3 4.3 Ouvidor... 3 5 CONDIÇÕES GERAIS... 3 7 O QUE A OUVIDORIA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA OUVIDORIA Apresentação A Ouvidoria-Geral da Faculdade Dr. Francisco Maeda foi criada para garantir um canal permanente de comunicação, proporcionando maior aproximação entre a Direção e comunidade externa

Leia mais

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento.

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento. REGULAMENTO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 1 Definição 1.1 O Ombudsman é o canal de comunicação da BM&FBOVESPA ( Companhia ) com o público externo, como os participantes de ambientes de negociação, liquidação

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

Relatório semestral Ouvidoria

Relatório semestral Ouvidoria Relatório semestral Ouvidoria Em atendimento à Resolução 4.433/2015 do Banco Central do Brasil e seus complementos, este relatório aborda os aspectos qualitativos e quantitativos da Ouvidoria da Cetelem,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO OUVIDORIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO OUVIDORIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO OUVIDORIA GRUPO DE TRABALHO PARA REVISÃO DA OUVIDORIA SES/SP Resolução SS 118, de 12 de dezembro de 2012. Institui Grupo de Trabalho para propor plano de reestruturação

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

Pode-se dizer, relacionamento próximo e consolidado da empresa com seus clientes, representa um diferencial de competividade e eficiência.

Pode-se dizer, relacionamento próximo e consolidado da empresa com seus clientes, representa um diferencial de competividade e eficiência. Exposição de motivos referente à proposta de resolução normativa que dispõe sobre a obrigatoriedade de instituição de unidade organizacional específica de ouvidoria por parte das operadoras de planos de

Leia mais

CARTILHA DA OUVIDORIA

CARTILHA DA OUVIDORIA CARTILHA DA OUVIDORIA CARTILHA DA OUVIDORIA Diretor responsável pela Ouvidoria Gen Div Ricardo Barbalho Lamellas Vice-Presidente da FHE e da POUPEX Equipe da Ouvidoria (OUVID) Antônio Sérgio Carvalho

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA /2 SUMÁRIO

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA /2 SUMÁRIO RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA - 2015/2 RESOLUÇÃO CMN/BACEN Nº 4433/2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DIRETRIZES... 2 4. ESTRUTURA E TRATAMENTO... 2 4.1. Equipe... 3 5. ANÁLISE

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL 1- As bases conceituais do Sistema de Negociação Permanente da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz

Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz nas relações no trabalho. PROJETO DESENVOLVIMENTO DAS

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da A E s c o l a d e E n g e n h a r i a K e n n e d y é um elo de ligação entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias acadêmicoadministrativas

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL OUVIDORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Unidade de Ensino, é um elo entre a comunidade

Leia mais

Curso de Capacitação de Analistas de Ouvidoria

Curso de Capacitação de Analistas de Ouvidoria Curso de Capacitação de Analistas de Ouvidoria Ênfase Saúde Suplementar Sistema Unimed Processo de Ouvidoria 27.03.2015 Sobre a CNU Central Nacional Unimed A CNU é a operadora nacional dos planos de saúde

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Universidade Feevale é um serviço que tem por finalidade garantir a efetiva comunicação e o relacionamento com

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES CADERNO DE ATIVIDADES PRIORIDADES DO PLANO DIRETOR 4 ANOS Considerando os... Desafios Desafios Desafios Desafios Desafios Defina em grupo as prioridades, segundo os critérios de... PRIORIDADES DO PLANO

Leia mais

Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores

Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores. Introdução MuniCiência Municípios Inovadores é uma iniciativa criada pela CNM para identificar, analisar, promover e compartilhar projetos inovadores adotados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: ETEC Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

Plataforma dos Consumidores

Plataforma dos Consumidores Plataforma dos Consumidores REDUÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS MELHORIA NAS AGÊNCIAS REGULADORAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE PRODUÇÃO CDC NAS ESCOLAS O candidato à Presidência da República escolhido nas

Leia mais

Segmento de Justiça Eleitoral. 18 de outubro de 2016 Brasília/DF

Segmento de Justiça Eleitoral. 18 de outubro de 2016 Brasília/DF 2ª Reunião Preparatória Segmento de Justiça Eleitoral 18 de outubro de 2016 Brasília/DF META NACIONAL: Julgar mais processos que os distribuídos (atual Meta 1) Celeridade e produtividade na prestação jurisdicional

Leia mais

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA A ouvidoria é um serviço especial de comunicação interna e externa com identificação ou anonimamente, que tem o fim de ouvir e receber

Leia mais

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE Processo Objetivo Indicador Meta/Prazo Conceito

Leia mais

Regulamento OUVIDORIA

Regulamento OUVIDORIA Regulamento OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da Faculdade Paulo Picanço é um elo entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias administrativas da IES, visando agilizar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III

DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III Assistência Social Código: 5241 Nome do Programa Benefícios Eventuais Objetivo do Programa Fornecer benefícios previstos em Lei, em forma de benefício, para atender

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

Ouvidoria Gestão de conflitos

Ouvidoria Gestão de conflitos Ouvidoria Gestão de conflitos Criação do setor de Ouvidoria na Unimed em maio de 1999. Motivação da Diretoria Executiva: Modernidade - Credibilidade Qualidade Total Justificativa: Criar Canal de comunicação

Leia mais

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA FICHA DE INSCRIÇÃO Curso: Excelência na Prestação de Serviços na Administração Pública Módulo I Excelência no Relacionamento e Atendimento

Leia mais

Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos. Março/2016. Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral

Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos. Março/2016. Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos Março/2016 Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral Quem somos Secretaria Nacional do Consumidor - Senacon Ligada ao Ministério da Justiça

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Procurador-Geral do Trabalho Luís Antônio Camargo de Melo Ouvidora do Ministério Público do Trabalho Heloisa Maria Moraes Rego Pires Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Ouvidoria

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO Presidente Joilson Barcelos RESGATANDO NOSSA HISTÓRIA 1963 1964 a 2015 2016 Fundada em 30 de maio, fruto de um movimento nacional, com a finalidade de fortalecer

Leia mais

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Ouvidoria do Conselho Federal de Enfermagem tem por objetivo colaborar para o aperfeiçoamento e

Leia mais

RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015

RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015 RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015 VÁRZEA GRANDE MT 2015 1 EXPEDIENTE LUCIMAR SACRE DE CAMPOS Prefeita de Várzea Grande/MT MARCIA FRANÇOSO Controladora Geral do Município IVANILDE NOGUEIRA RAMOS VAZ Ouvidora

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade CNEC Farroupilha constitui-se em um canal de comunicação para receber as reclamações/sugestões, dúvidas, denúncias, ou

Leia mais

QUALIDADE. Importante: Nesta edição: Como Obter a Maturidade no SGQ

QUALIDADE. Importante: Nesta edição: Como Obter a Maturidade no SGQ Egelte Engenharia Ltda Informativo Mensal Ano 9-108 Edição QUALIDADE Como Obter a Maturidade no SGQ O Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) em muitas vezes é visto por apenas 3 pontos, implementação, gestão

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 19 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade no Serviço Público Fontes utilizadas: Livro Gestão da Qualidade, Teoria e Prática Edson Paladini. Livro Gestão da Qualidade,

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais

O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais Tania Almeida. Consultora, docente e pesquisadora em Mediação de Conflitos e Facilitação de Diálogos. Diretora-Presidente do MEDIARE

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Carta do Rio de Janeiro. Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência

Carta do Rio de Janeiro. Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência Carta do Rio de Janeiro Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência "Sob o olhar do outro estamos expostos à idéia de que o reconhecimento é baseado na diferença e semelhança.

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO. Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO. Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO Funcionário público é todo

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 44/09

PROJETO DE LEI N.º 44/09 PROJETO DE LEI N.º 44/09 Dispõe sobre a Política Municipal de Esporte e Lazer de Santa Bárbara d Oeste". A Câmara Municipal Santa Bárbara d Oeste decreta: CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º. - A Política

Leia mais

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO 2016 1. JUSTIFICATIVA O Projeto de Educação no Trânsito O despertar para um trânsito mais seguro, vem conscientizar que é possível ser reduzido o número de acidentes

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Projeto qualidade e agilidade dos TCs

Projeto qualidade e agilidade dos TCs Projeto qualidade e agilidade dos TCs 1 Antecedentes e histórico 2 SAI-PMF 3 MMD-TC 4 Principais características 5 Abordagens 6 Escopo e abrangência 7 Aplicação do MMD-TC (Resolução Atricon 01/15) 8 Cronograma

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE

REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria do Sistema de Bibliotecas da UFPE é um canal de comunicação entre os usuários e as bibliotecas

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 Fundado em 27 de novembro de 1995, o IBGC associação de âmbito nacional, sem fins lucrativos é uma organização exclusivamente

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA Seção Judiciária do Estado de São Paulo OFICINA DE MEMÓRIA REALIZADA COM OS OFICIAIS DE JUSTIÇA AVALIADORES DA CEUNI Uma Estratégia de Qualidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM RECURSOS

Leia mais

RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES. Alunos Concluintes 2008 Alunos Egressos de 2009 Pesquisa Empresa SENAI Departamento Regional de Goiás

RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES. Alunos Concluintes 2008 Alunos Egressos de 2009 Pesquisa Empresa SENAI Departamento Regional de Goiás RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES Alunos Concluintes 2008 Alunos Egressos de 2009 Pesquisa Empresa 2010 SENAI Departamento Regional de Goiás Apresentação da pesquisa O que é? É um processo de avaliação, com

Leia mais

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde - SAS Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas - DRAC Coordenação Geral de Regulação e Avaliação - CGRA XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS

Leia mais

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Os salários serão administrados dentro das faixas salariais de cada classe de cargos. A determinação dos salários

Leia mais

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Certificação Profissional - Definição Usual Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes

Leia mais

O Controle Social em Saúde

O Controle Social em Saúde O Controle Social em Saúde 1 Generalidades em 1.986, a VIII Conferência Nacional de Saúde (VIII CNS) constituiu o momento culminante de formatação político-ideológica do projeto da reforma sanitária brasileira.

Leia mais

G u i a d a O u v i d o r i a

G u i a d a O u v i d o r i a G u i a d a O u v i d o r i a G u i a d a O u v i d o r i a S U M Á R I O 2. O QUE É E PARA QUE SERVE? 1. APRESENTAÇÃO 4. VALORES 6. QUEM É O OUVIDOR? 8. COMO FUNCIONA? 10. QUANDO ACIONAR A OUVIDORIA?

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A.

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A. Relatório sobre a alteração proposta ao da Vale S.A. Segue, abaixo, relatório em forma de tabela, detalhando a origem e justificativa da alteração proposta ao da Companhia e analisando os seus eventuais

Leia mais

Código de Conduta Ética Profissional

Código de Conduta Ética Profissional Código de Conduta Ética Profissional 1. CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DA BRASIL BROKERS A Brasil Brokers é uma empresa de intermediação e consultoria imobiliária que atua em todo território nacional e para nos

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Serviço de atendimento ao cidadão: uma ferramenta para comunicação e transferência de tecnologia

Serviço de atendimento ao cidadão: uma ferramenta para comunicação e transferência de tecnologia Serviço de atendimento ao cidadão: uma ferramenta para comunicação e transferência de tecnologia TARGA-LIMA, P.V. 1 ; PRADO, S.R.F. 2 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL, targa@ cnpso.embrapa.br;

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010.

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010. Gestão por Competências na Polícia Federal Brasília, 17 de Junho de 2010. Planejamento Estratégico Competências Organizacionais Fatores Críticos de Sucesso Corporativo Políticas Corporativas Competências

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9.1 Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão e Organograma Institucional e Acadêmico (conforme Estatuto e Regimento Geral). O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas Plano deve ser visto como uma marca que explicita o compromisso com a intrínseca

Leia mais

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos JoelSaade Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos Guarulhos Agosto/2016 1. introdução Este documento reflete a Proposta de Gestão, conforme exigência

Leia mais

Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Experiências de Implantação e Operacionalização de Ouvidorias

Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Experiências de Implantação e Operacionalização de Ouvidorias Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Experiências de Implantação e Operacionalização de Ouvidorias Ouvidoria - Seguros Unimed Histórico de Implantação da Ouvidoria Seguros

Leia mais

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais