Cap. 1 INTRODUÇÃO. Conceitos importantes Objetivos de investigação O preço a pagar O processo de investigação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 1 INTRODUÇÃO. Conceitos importantes Objetivos de investigação O preço a pagar O processo de investigação"

Transcrição

1 Cap. 1 INTRODUÇÃO Conceitos importantes Objetivos de investigação O preço a pagar O processo de investigação Mestrado e doutoramento segundo Bolonha Dissertação e tese Observações prévias Estrutura do livro Sem alguma reflexão prévia, o simples conceito de investigação pode assumir uma dimensão algo enganadora e, por essa via, possivelmente intimidante. Perguntará o leitor 1: em que consiste investigar? O que se poderá esperar, ou mesmo exigir, de um investigador para que o seja, de facto, de pleno direito? A imagem do investigador, enquanto personagem de intelecto genial, distraída e desfasada da realidade quotidiana, terá alguma correspondência com a realidade atual? Recuando um pouco no tempo, verificamos que a evolução histórica do conhecimento científico se pode caracterizar por um início de natureza essencialmente empírica, correspondendo aos tempos mais remotos e estendendo-se até épocas relativamente recentes. Seguiu-se um período rico em brilhantes descobertas de natureza fundamental, localizado predominantemente nos séculos XVII, XVIII e XIX. Na fase atual, a evolução do conhecimento é fruto de contribuições, em geral, parcelares, frequentemente divulgadas através de publicações em periódicos especializados ou em congressos temáticos, registando-se uma crescente coordenação entre os diversos autores e um relativo equilíbrio quanto ao peso atribuído às vias de estudo teórica e experimental. Por outras palavras, o perfil característico do investigador evoluiu significativamente no tempo, correspondendo hoje a uma pessoa normal. As condições em que atualmente se realiza investigação permitem a elaboração de excelentes trabalhos, que muito fazem avançar o conhecimento, sem que, 1 Obviamente, leitor é aqui entendido no sentido lato, ou seja, leitor(a).

2 Cap. 2 PASSOS PRELIMINARES E INÍCIO DA INVESTIGAÇÃO Escolha do tema e da instituição Escolha do supervisor A seguir à escolha do tema A proposta de investigação Antes de iniciar o trabalho de investigação propriamente dito, há que criar as condições necessárias para que o mesmo possa chegar a bom termo. Tais condições passam, entre outros fatores, pela escolha do seu tema de trabalho, da instituição de acolhimento, do supervisor. 2.1 Escolha do tema de investigação e da instituição de acolhimento A seleção do seu tema de investigação é condicionada pela recetividade que a instituição de acolhimento tenha em relação a esse tema. Por seu turno, a seleção da instituição de acolhimento será em função da recetividade que demonstre face ao tema que o leitor, enquanto futuro investigador, possa já ter elegido como sua preferência. Trata-se, portanto, de duas escolhas cuja estreita interdependência conduz, por vezes, à necessidade de optar por uma solução de compromisso, a ponderar com reflexão. Alguns aspetos que será útil ter em mente: Visite as possíveis instituições de acolhimento. Esta visita pode ser feita, num primeiro tempo, de forma virtual, através das páginas na Internet de um leque inicial de instituições passíveis de serem escolhidas por si. Independentemente de se tratar de universidades, empresas ou outras, é importante ponderar fatores como a localização, a logística disponível, a reputação (em particular, no tocante à cultura de investigação), as propinas, a possibilidade de financiamento da investigação (com a concessão de uma bolsa, nomeadamente). Uma vez reduzido o leque inicial através de uma

3 Cap. 3 O DECURSO DA INVESTIGAÇÃO Revisão bibliográfica Modelo físico Modelo teórico Modelo experimental Resultados e discussão Elaboração de conclusões A sua proposta de investigação encontra-se agora estruturada e até materializada sob a forma de um documento. Estão, pois, reunidas as condições para passar à prática. O presente capítulo debruça-se sobre cada uma das fases principais (a que equivalem as tarefas do projeto, cf. secção 2.4) que caracterizam o processo de investigação. O modelo de investigação subjacente a este capítulo dirige-se preferencialmente ao âmbito temático da ciência e tecnologia, de que fazem parte as áreas de: engenharia, matemática, física, química, entre outras. No entanto, grande parte dos tópicos abordados é comum a qualquer tema de investigação, nomeadamente sobre ciências humanas ou sociais. 3.1 Revisão bibliográfica Trata-se, conforme referido na secção 2.3, de conhecer o estado da arte sobre o seu tema de trabalho. Para tal, é necessário pesquisar a informação existente, ou seja, o conhecimento produzido, até ao momento, por outros autores. A sua primeira revisão bibliográfica foi já efetuada quando se deparou com a necessidade de escolher o tema de trabalho (cf. secção 2.3). Porém, é necessário atualizá-la regularmente. Com efeito, pode suceder que a solução que procura para a sua questão tenha sido encontrada por algum outro investigador, entre o início e o final da sua própria investigação. Se tal acontecer, o seu contributo, inicialmente original, terá então deixado de o ser, antes mesmo de o poder publicar. Em consequência, toda a estrutura do trabalho terá de ser repensada, à luz deste novo dado. Por outro lado, a todo o momento, a bibliografia pode revelar novas ideias, elas próprias inspiradoras para o avanço do seu

4 Cap. 4 O EQUILÍBRIO PESSOAL Investir em método Investir na qualidade de vida Quando nada parece avançar O papel da família e dos amigos O investigador é, antes de tudo, um ser humano. Nessa condição, o leitor é certamente confrontado, durante todo o seu trabalho, com momentos de grande motivação, ou mesmo de relativa euforia, mas também outros menos conseguidos, que desafiarão a sua capacidade de resiliência. Preservar o equilíbrio físico e emocional é a chave para que tudo corra pelo melhor e termine como deseja: com êxito. 4.1 Investir em método Poderá parecer algo vago à partida, mas o conceito de investir em método é interessante e muitíssimo útil. No essencial, trata-se de constatar o seguinte: fazer as coisas com método implica mais tempo e esforço na sua preparação (investimento), mas exige menos tempo e esforço na sua execução (retorno do investimento). Algumas sugestões concretas poderão ilustrar o referido conceito, neste caso aplicado à realização do seu trabalho em condições de equilíbrio pessoal: Valorize a gestão do seu tempo. Investigar é uma atividade de longo prazo, que exige, não apenas muito tempo, mas, também, que o tempo gasto seja tempo de qualidade. Sucede, entretanto, que o seu quotidiano envolve inúmeras outras vertentes, para além da investigação: casa e família, amigos, cultura, desporto, ou até mesmo um emprego. Gerir o seu tempo nesta complexa rede de interesses é uma necessidade imperiosa. Não o fazer pode mesmo conduzir, em casos extremos, a um esgotamento físico e mental,

5 Cap. 5 A DISSERTAÇÃO / TESE Investir em método Investir na qualidade de vida Quando nada parece avançar O papel da família e dos amigos O relatório de investigação constitui o testemunho escrito do trabalho de investigação desenvolvido ao longo de todo o processo. Pode assumir diversas formas, nomeadamente: relatório de projeto final de curso; relatório de estágio; relatório de investigação aplicada; relatório interno; relatório de progresso (caso seja apresentado no decurso da investigação); relatório de um projeto de investigação contratual; dissertação de mestrado ou tese de doutoramento. Partirei aqui do princípio de que o relatório é, efetivamente, uma dissertação de mestrado ou uma tese de doutoramento (que frequentemente designarei, de forma indiscriminada, simplesmente por tese). A tese é um documento destinado a provas académicas, devendo, pois, ser submetida à instituição de acolhimento e defendida perante um júri (cf. capítulo 6). Nesse sentido, o leitor passará a desempenhar, por seu turno, o papel de candidato, e sê-lo-á até ao preciso momento em que conheça o resultado das suas provas. 5.1 Requisitos da tese A tese é, pois, um documento escrito que relata todo o seu trabalho de investigação e que será avaliado por um júri. A sua grande importância reside também no facto de ser o primeiro contacto que os seus avaliadores (à exceção do supervisor) têm consigo e com o trabalho que desenvolveu. Acresce que, durante a correspondente leitura por cada elemento do júri, o candidato não poderá defender-se, porque está ausente (apenas estará presente nas provas). Espera-se, pois, da dissertação, que seja um documento autossuficiente. No essencial, deve conter: A prova de que o leitor (autor da tese) sabe fazer investigação e de que merece obter o grau ao qual se candidatou. Num relatório de

6 Cap. 6 APRESENTAÇÃO E DEFESA DA TESE Preparação das provas Apresentação e discussão da tese O dia das provas Depois da tese Reagir ao insucesso Este capítulo visa essencialmente o período de preparação das provas de apresentação e defesa do seu trabalho, e também as provas em si. 6.1 Preparação das provas O período que decorre entre a aceitação da sua tese pelo conselho científico da instituição e o dia de provas destina-se a dar aos elementos do júri o tempo suficiente para ler o documento e preparar a arguição 24. Tempo de sobra também para a sua preparação, uma vez que já se encontra (bem!) familiarizado com o trabalho. Algumas sugestões para esse período: Se tiver elaborado uma errata, procure divulgá-la. Tipicamente, a errata, a existir, terá a forma de uma folha em formato A4, que pode ser facilmente intercalada no volume da tese. Reproduza-a, então, em número suficiente e procure fazê-la chegar a cada um dos exemplares previamente depositados. Se não tiver logrado aceder aos elementos do júri, a correspondente entrega será então remetida para o dia das provas (desde que, para tal e no início do ato, obtenha a anuência do presidente de júri). Assegure-se de que tem toda a tese bem presente. É fundamental, para o diálogo com o júri, que possa manusear, rapidamente e sem 24 Também designada por argumentação, a arguição de um elemento do júri consiste em discutir, consigo, o seu trabalho de tese.

7 Cap. 7 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO TRABALHO Os meios de divulgação Estratégias de exposição escrita Estratégias de exposição oral Dissertações de mestrado e teses de doutoramento encontram-se, normalmente, disponíveis em bibliotecas (e em relatórios de atividade, sob a forma de resumo) de instituições de ensino superior. Em suporte virtual (nomeadamente usando formato pdf 26 ), podem ser facilmente consultadas, mediante solicitação. Contudo, a tese é um documento demasiado extenso e pormenorizado para quem pretenda uma visão simultaneamente global e célere, e o correspondente resumo é insuficiente para proporcionar uma leitura minimamente aprofundada do trabalho desenvolvido. Existem, entretanto, alternativas eficazes e bem estabelecidas, de que a comunidade científica atualmente se serve para trocar informação entre si. Este capítulo visa essencialmente as principais estratégias, para além do documento da tese, a que o leitor poderá recorrer para partilhar com terceiros os resultados da sua investigação. 7.1 Os meios de divulgação mais comuns São inúmeros os meios a que poderá recorrer para comunicar com a comunidade científica, fornecendo e recebendo informação, que poderá ser preciosa, sobre o seu tema de investigação. Os que brevemente lhe refiro a seguir são, de entre eles, os mais correntes. 26 pdf é o acrónimo de portable document format.

8 Cap. 8 PROJETO DE INVESTIGAÇÃO CONTRATUAL O que é? Candidatura: tópicos O ponto de vista dos avaliadores A importância do Curriculum Vitae Terminada a tese, é bem provável que o seu futuro profissional passe pela integração numa empresa industrial, de gestão ou de consultoria, numa instituição de ensino superior, ou mesmo no setor governamental. É também plausível que venha a querer constituir a sua própria equipa de investigação. Nalgum desses âmbitos ou em enquadramentos afins, o exercício da sua profissão será, quase inevitavelmente, confrontado com a necessidade de atrair ou conceder financiamento. Se continuar efetivamente ligado à investigação, uma forma interessante e eficaz de obter financiamento para promover a sua atividade profissional passa pela candidatura a um projeto de investigação contratual, algo que em muito se assemelha, na lógica de fundo, à tese que concluiu. 8.1 O que é um projeto de investigação contratual? Tal como a sua proposta de investigação (cf. secção 2.4), um projeto de investigação contratual consiste na estruturação de um programa de trabalho, assente em ações de investigação científica sobre uma área temática bem definida. Tem, entretanto, algumas características próprias, a começar pela sua própria dimensão (em termos de âmbito geográfico, de número de participantes, de verbas envolvidas, etc.), que pode ser muito considerável. Este tipo de projeto envolve, tipicamente, uma ou mais instituições de ensino superior, uma ou mais empresas industriais e um ou mais governos. O enquadramento geográfico de uma tal iniciativa pode ser de nível nacional ou internacional. Um projeto de investigação contratual pode

9 Cap. 9 INVESTIGAÇÃO E ÉTICA Conduta científica ética Conduta científica censurável Responsabilidade social da investigação científica Termino este pequeno livro com um breve apontamento sobre a questão ética, que não poderia deixar de aflorar. Por vezes imprudentemente subestimada, a vertente ética de um trabalho de investigação deve ser profundamente analisada, ponderada e respeitada. Ao proceder deste modo, o leitor evitará, a terceiros e a si próprio, incómodos e mesmo problemas de dimensão e gravidade à primeira vista imprevisíveis. Os aspetos de índole ética variam consoante a natureza e o âmbito do trabalho, e surgem, ainda que de forma involuntária, quando envolvem a interação com terceiros (pessoas, comunidades, sociedades, instituições). A questão ética colocar-se-á sempre que o seu trabalho puder interferir com interesses e/ou direitos dessas entidades. Sobre este assunto, o livro CSEPP et al. (1995) constitui, entre outros, um referencial conciso, rigoroso e abrangente, que inclui diversas ilustrações através de exemplos concretos, e que pode ser acedido livremente através do endereço de Internet indicado no apêndice C. 9.1 Conduta científica ética Independentemente do domínio temático em apreço físico, biológico ou social a investigação tem por objetivo essencial expandir as fronteiras do conhecimento existente. O sucesso de tão ambiciosa missão pressupõe que se encontre assegurado um elevado nível de confiança, no interior da própria comunidade científica, por um lado, e entre a comunidade científica e a sociedade, por outro. Por seu turno, a confiança é o corolário natural de todo um processo de regulamentação, acompanhado da correspondente

10 Anexo A EXEMPLO DE PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO Nota prévia O exemplo de proposta que a seguir se apresenta tem em vista a realização de uma dissertação de mestrado. Porém, no essencial, a mesma estrutura é também aplicável a uma proposta de tese de doutoramento. O conteúdo da proposta varia, naturalmente, consoante se trate de um trabalho de investigação como no caso vertente ou de um estágio de natureza profissional, ou, ainda, de um trabalho de projeto (cf. secção 1.5). À semelhança do documento original, este anexo (como, aliás, os anexos que se lhe seguem) é escrito de acordo com a ortografia anterior ao Acordo Ortográfico (AO) de 1990 (Academia das Ciências de Lisboa, outubro de 1990), em vigor desde Programa de trabalho a desenvolver pelo licenciado João Paulo Marques Dias Pinto, na preparação das suas provas de mestrado em engenharia mecânica pela Universidade de Coimbra. Ano lectivo: Título do trabalho: Modelação Numérica do Transporte de Partículas na Função Respiratória Palavras-chave: CFD 33 ; Escoamentos Difásicos; Função Respiratória; MEF/VC. A investigação em apreço tem, como motivação, a necessidade de disponibilizar modelos teóricos eficazes, que permitam aprofundar o conhecimento físico dos fenómenos de transporte (de massa, de quanti- 33 CFD: Computational Fluid Dynamics (Dinâmica dos Fluidos Computacional).

Guia de Orientação na Procura de Emprego

Guia de Orientação na Procura de Emprego Guia de Orientação na Procura de Emprego Prepare-se para procurar emprego A procura de emprego é um trabalho que exige planeamento, esforço e análise. Onde quero trabalhar? Que tipo de empregos me interessam?

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIOS

CURSO DE 2º CICLO MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE 2º CICLO MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIOS COORDENAÇÃO CIENTIFICA DOS ESTÁGIOS Prof.a Doutora Sofia Arriaga (sofiaarriaga2@gmail.com) GABINETE DE ESTÁGIOS Prof.a Doutora Sara Lopes

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 46 Data: 2011/11/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: Regulamento para Atribuição de Bolsa de Doutoramento ESTeSL/IPL Caixa Geral de Depósitos

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Artigo 1º Objeto O Regulamento do 2º Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira

Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira Regulamento do Curso de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

Leia mais

GUIA DO CICLO DE ESTUDOS DOUTORAMENTO EM HISTÓRIA

GUIA DO CICLO DE ESTUDOS DOUTORAMENTO EM HISTÓRIA Curso de Doutoramento em História GUIA DO CICLO DE ESTUDOS DOUTORAMENTO EM HISTÓRIA 5ª edição - ano letivo 2016-2017 Prof. Doutor João Luís Cardoso (Coord.) Prof.ª Doutora Ana Paula Avelar (Vice-Coord.)

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelos Decretos Lei n. os 107/2008, de 25 de Junho,

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO - MESTRADO -

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO - MESTRADO - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO -

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. Este regulamento disciplina o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Comunicação Social (Cursos de Jornalismo

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1 Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento define o processo para atribuição do

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP)

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO

Leia mais

MESTRADO EM FISCALIDADE

MESTRADO EM FISCALIDADE MESTRADO EM FISCALIDADE 1 - APRESENTAÇÃO Grau Académico: Mestre em Fiscalidade Duração do curso: 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema Europeu de Transferência de Créditos:

Leia mais

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR APRESENTAÇÃO DO CONCURSO: O concurso Gestão de Ideias para Economizar representa uma oportunidade para os estudantes se prepararem, em pequenos grupos,

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS (UFLA) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO MESTRADO E DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS (UFLA) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS (UFLA) DEPARTAMENTO DE ADMINSITRAÇÃO E ECONOMIA (DAE) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (PPGA) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO MESTRADO E DOUTORADO O processo de seleção

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico A RECENSÃO CRÍTICA. Elaborado por Maria Eduarda Pereira Rodrigues

Metodologia do Trabalho Científico A RECENSÃO CRÍTICA. Elaborado por Maria Eduarda Pereira Rodrigues Metodologia do Trabalho Científico A RECENSÃO CRÍTICA Sumário RECENSÃO CRÍTICA Definições Características Objetivos Processo Forma Estrutura Comportamentos a evitar Vantagens Conclusões Bibliografia consultada

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DO TCC (Trabalho de Conclusão de Curso)

NORMAS E PROCEDIMENTOS DO TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE (FCBS) CURSO DE PSICOLOGIA CENTRO DE PSICOLOGIA APLICADA (CENPA) NORMAS E PROCEDIMENTOS DO TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) 5º ano 2015 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Faculdade de Tecnologia de Americana Curso Superior de Tecnologia em Logística REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Americana, SP 2015 SUMÁRIO 1 SOBRE O TRABALHO

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DO DINTER PPGEFHC-IFBA 2015 CURSO DE DOUTORADO

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DO DINTER PPGEFHC-IFBA 2015 CURSO DE DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO, FILOSOFIA E HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS INSTITUTO DE FÍSICA Campus Universitário de Ondina 40210-340,

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 ÂMBITO 1. O presente Regulamento, submetido à aprovação da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/FORMAÇÃO ESPECIALIZADA Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece, por deliberação do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário O presente documento destina-se a dar um breve contributo do Centro de Estudos Económicos e Institucionais da

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL A ESCUELA JUDICIAL DE AMERICA LATINA EJAL, representada por seu Diretor Geral, Professor PhD José Sebastião Fagundes Cunha, e a FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Instituto Superior de Economia e Gestão Faz -se saber que, perante o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (adiante designado por Instituto),

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN)

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) (Aprovado por despacho do Ministro da Defesa Nacional de 19 de Abril de 2010 Ofício nº 1816/CG Pº 18/10, de 20 de Abril de 2010, do MDN, com as alterações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática.

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu estão

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

XXX CRÉDITO HABITAÇÃO

XXX CRÉDITO HABITAÇÃO ROGÉRIO MATIAS CÁLCULO FINANCEIRO CASOS REAIS RESOLVIDOS E EXPLICADOS 2008 ESCOLAR EDITORA 3 ÍNDICE Notas Prévias... 6 Resumo dos Casos Reais por Instituição Financeira e Tipo de Caso Real... 6 Dedicatória...

Leia mais

Manual para TCC. Jacareí 2011

Manual para TCC. Jacareí 2011 Manual para TCC Manual para TCC Jacareí 2011 FACULDADE INESP ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO Apresentação Este trabalho foi idealizado pela necessidade de

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág.

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág. EMPRESAS VIRTUAIS Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes Pág. 1 (de 5) PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com EMPRESAS VIRTUAIS Actualmente, vivemos numa época de grandes mudanças

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre na especialidade de Marketing,

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA

AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA PROGRAMA DE DOUTORAMENTO RESEARCH AND DEVELOPMENT OF DRUGS (DRUGS R&D) Ref.ª PDE/00017/2013 INTRODUÇÃO O

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Finanças Empresariais

Regulamento do Curso de Mestrado em Finanças Empresariais Regulamento do Curso de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN REGULAMENTO DE BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PARA ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o objetivo de estimular a Investigação

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE METODISTA DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades

Leia mais

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente regulamento propõe a uniformização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ITAPERUNA RJ 2010 NORMAS PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I. OBJETIVOS a. GERAL: Permitir que o aluno reúna as condições satisfatórias

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF 2015 SUMÁRIO Introdução... 01 2. Da Inscrição... 03 3. Da Orientação... 03 4. Da Apresentação... 03 5. Da Avaliação...

Leia mais

Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015

Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015 Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015 Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Contactos: Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Faculdade de Ciências da

Leia mais

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública MAP Pós Graduação Stricto Sensu FGV/EBAPE REGULAMENTO TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO/DOUTORAMENTO CURSO PÓS-GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO QUÍMICA FARMACÊUTICA E TERAPÊUTICA Acreditado pela A3ES 9 ª Edição 2013/2015 O Curso de Especialização

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO Dissertações de Mestrado, Seminários de Dissertação e Manual de Estilo

REGULAMENTO Dissertações de Mestrado, Seminários de Dissertação e Manual de Estilo REGULAMENTO Dissertações de Mestrado, Seminários de Dissertação e Manual de Estilo Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinete Apoio Reitoria 1.12 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

1. REQUISITOS AOS CANDIDATOS: Atender os requisitos dos artigos 5º e 6º da Portaria CAPES nº. 086 de 03 de julho de 2013

1. REQUISITOS AOS CANDIDATOS: Atender os requisitos dos artigos 5º e 6º da Portaria CAPES nº. 086 de 03 de julho de 2013 ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS - PPGEM EDITAL PARA A SELEÇÃO DE PÓS DOUTORADO Encontram-se abertas na EEL-USP, inscrições para o Programa de

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 2015 1 PREÂMBULO A Licenciatura em Serviço Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (adiante designada por

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 GRUPO 6.3 MÓDULO 17 Índice 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 2.1. A Produção Científica... 3 2.2. Divulgação Científica... 3 2.3. Comunicação

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas

Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas 1 Objetivos Com a finalidade de obter o grau de tecnólogo em Gestão Ambiental,

Leia mais

EDITAL DE PRÉ-SELEÇÃO DE BOLSISTAS AO PROGRAMA CAPES DE LICENCIATURAS INTERNACIONAIS COM A UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA e A UNIVERSIDADE DE LISBOA

EDITAL DE PRÉ-SELEÇÃO DE BOLSISTAS AO PROGRAMA CAPES DE LICENCIATURAS INTERNACIONAIS COM A UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA e A UNIVERSIDADE DE LISBOA EDITAL DE PRÉ-SELEÇÃO DE BOLSISTAS AO PROGRAMA CAPES DE LICENCIATURAS INTERNACIONAIS COM A UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA e A UNIVERSIDADE DE LISBOA O Pró-Reitor de Ensino de Graduação, Professor Murilo Cruz

Leia mais

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS ARTIGO 1 - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um instrumento de iniciação científica

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA O I Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia/FACIT oportunizará a apresentação de Trabalhos Científicos sob a forma de Comunicação Oral para professores, profissionais

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais