RECURSOS HUMANOS E DEPARTAMENTO DE PESSOAL: UMA ABORDAGEM GERAL DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DIFERENCIAM ESSES SETORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS HUMANOS E DEPARTAMENTO DE PESSOAL: UMA ABORDAGEM GERAL DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DIFERENCIAM ESSES SETORES"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS SUELEN JUVÊNCIO DAMAZIO RECURSOS HUMANOS E DEPARTAMENTO DE PESSOAL: UMA ABORDAGEM GERAL DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DIFERENCIAM ESSES SETORES CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010

2 1 SUELEN JUVÊNCIO DAMAZIO RECURSOS HUMANOS E DEPARTAMENTO DE PESSOAL: UMA ABORDAGEM GERAL DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DIFERENCIAM ESSES SETORES Trabalho de Fim e de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Profº. Msc. Adilson Pagani Ramos CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010

3 2 SUELEN JUVÊNCIO DAMAZIO RECURSOS HUMANOS E DEPARTAMENTO DE PESSOAL: UMA ABORDAGEM GERAL DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DIFERENCIAM ESSES SETORES Trabalho de Fim e de Conclusão de Curso aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, com linha de pesquisa em Formação e Exercício Profissional Criciúma, 09 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Adilson Pagani Ramos, Orientador Leonel Luiz Pereira, Examinador Fabrício Miguel, Examinador

4 3 Dedico este trabalho aos meus pais, que sempre estiveram ao meu lado e com certeza responsáveis por mais esta vitória em minha vida. Aos demais familiares e amigos que sempre me incentivaram e hoje estão presentes nesse momento tão especial.

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus em primeiro lugar, por ter me dado proteção, força, paciência e muita força de vontade. A minha família, minha mãe Marissol e meu padrasto Odilon que sempre estiveram ao meu lado e nunca me deixaram desistir. Ao meu pai Elcio e sua esposa Janete, sempre me incentivando, dando força e algumas vezes até auxiliando nos trabalhos durante esta jornada e estando sempre ao meu lado. A minha irmã Camila e aos demais familiares, tios, tias, primas que entenderam a minha ausência em alguns momentos, e sempre acreditaram em mim. Ao professor Adilson Pagani Ramos, que acreditou no meu trabalho e colocou seus conhecimentos a disposição, guiando e orientando-me. Aos demais professores que estiveram presente ao longo da faculdade e que de certa forma contribuíram para este trabalho. Aos amigos que conquistamos ao longo desta caminhada acadêmica, em especial a Paula que teve muita paciência comigo dura nte esta jornada e esteve sempre ao meu lado, e aos demais colegas que dividiram conhecimentos, dúvidas, dificuldades e com certeza muitas alegrias.

6 5 RESUMO DAMAZIO, Suelen Juvêncio. Recursos Humanos e Departamento de Pessoal: Uma abordagem geral das principais atividades que diferenciam esses setores p. Orientador: Adilson Pagani Ramos. Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis. Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. Criciúma SC. Os setores de recursos humanos e departamento de pessoal executam inúmeras atividades, sendo que algumas são fundamentais para as empresas. Tendo como tema principal deste trabalho, demonstrar as principais atividades que diferenciam os setores de Recursos Humanos e Departamento de Pessoal e se essas atividades são realizadas de forma correta em uma agroindústria da região sul catarinense. Para concretizar este trabalho se conceituou as principais atividades realizadas pelos setores de recursos humanos e departamento de pessoal, sendo que, após o mesmo, foi identificado na empresa às principais atividades realizadas por esses setores e por fim, comparado essas atividades com os conceitos estudados, verificando se a mesma está de acordo com a legislação. Para o presente trabalho, foi realizado um estudo de caso por meio de entrevista com os responsáveis dos setores pesquisados na empresa. Com base na entrevista, confirmou-se que a empresa procura sempre executar as atividades de forma correta e conforme a legislação. Tem um plano de cargos e salários aguardando implantação. Verificouse, também, que é possível realizar melhorias no que se refere à questão da entrega de documentos evitando, assim, possíveis passivos trabalhistas. Palavras-chave: atividades, recursos humanos e departamento de pessoal.

7 6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1: Quadro de Incidência da Rescisão Figura 1: Organograma Quadro 2: Quantidades de Rescisões... 54

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS RH = Recursos Humanos DP = Departamento de Pessoal CLT = Consolidação das Leis do Trabalho CTPS = Carteira de Trabalho e Previdência Social ASO = Atestado de Saúde Ocupacional CPF = Cadastro de Pessoa Física RG = Registro Geral PIS = Programa de Integração Social CLP = Consolidação da Legislação Previdenciária ROCSS = Regulamento da Organização e Custeio da Seguridade Social DSR = Descanso Semanal Remunerado CIPA = Comissão Interna de Prevenção de Acidentes FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço CD = Comunicação de Dispensa MP = Movimentação de Pessoal EPI = Equipamento de Proteção Individual PPP = Perfil Profissiográfico Profissional AR = Aviso de Recebimento

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e problema Objetivos de pesquisa Justificativa Metodologia FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Empregado e empregador Recursos humanos Recrutamento e seleção Treinamento Cargos e salários Motivação Departamento de pessoal Admissão Contratos de trabalho Contrato por tempo indeterminado Contrato por tempo determinado Contrato de experiência Salário e remuneração Folha de pagamento Proventos Descontos Férias Abono pecuniário Perda do direito das férias Rescisão Tipos de rescisão de contrato de trabalho Justa causa Motivos da Justa Causa Aviso Prévio... 40

10 Documentos a Serem Apresentados ESTUDO DE CASO Agroindústria Pesquisada S/A Identificar as principais atividades realizadas pelos setores de recursos humanos e departamento de pessoal em uma agroindústria Comparar as principais atividades de recursos humanos e departamento de pessoal com os conceitos pesquisados Recrutamento e Seleção Cargos e Salários Treinamento Motivação Admissão Folha de Pagamento Férias Rescisão Sugestões de Melhorias CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 60

11 10 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como tema: As principais atividades que diferenciam os setores de Recursos Humanos e departamento de pessoal e se essas atividades são realizadas de forma correta em uma agroindústria da região sul catarinense, no qual será demonstrada a importância do assunto em questão. Neste primeiro capítulo, apresentam-se por meio deste estudo os aspectos introdutórios da abordagem do trabalho, especificando o tema e problema, objetivo geral e específico pretendido, também os procedimentos metodológicos utilizados nesta pesquisa. No segundo capítulo, demonstra-se um aprofundamento bibliográfico, reunindo opiniões de inúmeros autores. Serão expostos os aspectos que envolvem os setores de recursos humanos e departamento de pessoal de uma agroindústria, bem como os conceitos das práticas realizadas assim como os procedimentos para desenvolvê-las. Já no terceiro tópico, será feito o estudo de caso, caracterizando a agroindústria pesquisada, identificando as principais atividades realizadas pelos setores de recursos humanos e departamento de pessoal da empresa e após comparando essas atividades com os conceitos pesquisados no capítulo dois deste trabalho. Contudo, a intensidade da legislação e do assunto em questão, dá margem para um estudo mais aprofundado, não encerrando o tema neste momento. 1.1 Tema e Problema Vive-se num país que se desenvolve cada vez mais rápido e com isso o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. O papel das pessoas nas empresas é de grande significado, são fundamentais para que a organização possa atingir seus resultados.

12 11 Diante do cenário de competitividade, as organizações buscam por ótimos recursos como máquinas, equipamentos, dinheiro, relatórios, normas, e outras. Mas não adianta a empresa dispor dessas ferramentas se ela não possuir pessoas capacitadas e motivadas nos departamento de recursos humanos e departamento de pessoal. A empresa deve ter o setor de recursos humanos (RH) e o departamento de pessoal sempre atualizado, pois a rotina na área pessoal está cada vez mais complexa, exigindo mais especializações e conhecimento das legislações trabalhistas. O departamento de RH da empresa tem como papel principal a gestão de pessoas e equipes, sendo a satisfação dos colaboradores uma vantagem competitiva. Pode o RH também contribuir para o alcance dos resultados da empresa, pois este profissional deve ter um entendimento do negócio, do comportamento das pessoas e estratégias que possam ser executadas. Neste sentido, o RH tem como função recrutar, avaliar, treinar os colaboradores, organizar cargos e salários, benefícios, gestão de carreira, entre outros. Como forma de proteção ao trabalhador, foi criada uma legislação específica que a empresa deve cumprir. O departamento de pessoal atua orientando os demais setores, prevenindo reclamações trabalhistas. Desta forma, o departamento de pessoal tem uma rotina de trabalho que requer muita atenção, pois trata do dia-a-dia do colaborador na empresa. Com as várias fontes de legislação trabalhistas, uma das ferramentas que esse departamento mais utiliza é a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e a Convenção Coletiva de Trabalho da sua categoria, pois nela estão os direitos dos colaboradores na empresa. Diante deste cenário, o RH e o departamento de pessoal devem estar sempre unidos, para que o desenvolvimento dos colaboradores seja de bem-estar e motivação, pois na maioria das vezes é na empresa que passamos maior tempo do nosso dia. Vale ressaltar, que a empresa objetiva metas a serem alcançados e para chegar ao resultado positivo tem-se a preocupação com satisfação do colaborador com a empresa sendo ela financeira ou psicológica.

13 12 Diante do exposto, segue o problema da pesquisa: Quais as principais atividades do Recursos Humanos e Departamento de Pessoal e até que ponto essas atividades são realizadas de acordo com a legislação em uma agroindústria da região sul catarinense? 1.2 Objetivos da Pesquisa O objetivo deste trabalho é identificar as principais atividades do Recursos Humanos e Departamento de Pessoal e até que ponto essas atividades são realizadas de acordo com a legislação em uma agroindústria da região sul catarinense. Para atingir o objetivo geral, têm-se os seguintes objetivos específicos: - Descrever os principais conceitos relacionados com o setor de recursos humanos e departamento de pessoal; - Identificar as principais atividades realizadas por esses setores em uma agroindústria; - Por meio do estudo de caso, comparar com os conceitos estudados se essas atividades realizadas entre os setores pesquisados estão sendo executadas de forma correta. 1.3 Justificativa Com a grande preocupação dos empresários para alcançarem resultados positivos nas empresas, os mesmos procuram estruturas mais complexas em que um grande número de funcionários é responsável pelas atividades operacionais. No passado, as organizações preocupavam-se quase que exclusivamente com os resultados, sem dar a devida importância aos recursos humanos que dispunham. Neste sentido, a presente pesquisa fará um estudo para ampliar o conhecimento sobre recursos humanos e departamento de pessoal, pois é um

14 13 assunto de interesse na administração pessoal das empresas, a legislação trabalhista e o bem-estar do colaborador. De acordo com Gil (2001, p.24) gestão de pessoas abrange amplo leque de atividades, como de recrutamento de pessoal, descrição de cargos, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desempenho, etc. pessoal: Conforme Silva (2009, p.1) a responsabilidade do departamento de a parte burocrática (relativo à legislação Trabalhista e Previdenciária). É o setor que elabora a folha de pagamento, faz registro das carteiras dos funcionários, calcula as guias do INSS e FGTS para pagamento, cuida da parte demissional, etc. Dessa forma, a finalidade deste trabalho é identificar as principais atividades do Recursos Humanos e Departamento de Pessoal e até que ponto essas atividades são realizadas de acordo com a legislação em uma agroindústria da região sul catarinense. Tem o intuito de analisar os principais conceitos de recursos humanos e departamento de pessoal, comparando com as atividades realizadas pelas agroindústrias pesquisadas. É de grande relevância social, pois desta forma é demonstrada como esses setores interferem na vida do empregado, desde a entrada do colaborador na empresa, sua rotina de trabalho até a sua saída. 1.4 Metodologia Neste capítulo serão demonstradas as formas que serão utilizadas para a obtenção dos objetivos que foram propostos pelo seguinte estudo, foram analisados os tipos de pesquisa e métodos que serão utilizadas. Este estudo se caracteriza pelo tipo de pesquisa descritiva e bibliográfica, com aplicação do questionário e/ou entrevista com os responsáveis dos setores pesquisados da agroindústria estudada. Conforme Lakatos e Marconi (2003, p.160): A pesquisa bibliográfica é um apanhado geral sobre os principais trabalhos já realizados, revestidos de

15 14 importância, por serem capazes de fornecer dados atuais e relevantes relacionados com o tema. De acordo com Ruiz (1996, p.58): bibliográfica é o conjunto dos livros escritos sobre determinado assunto, por autores conhecidos e identificados ou anônimos, pertencentes a correntes de pensamento diversas entre si, ao longo da evolução da humanidade. E a pesquisa bibliográfica consiste no exame desse manancial, para levantamento e análise do que já se produziu sobre determinado assunto que assumimos como tema de pesquisa cientifica. Será de cunho descritivo, pois conforme Gil (1996, p. 46), [...] tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. Ruiz (1996) destaca que a pesquisa descritiva é considerada um estudo que permitirá ao pesquisador um entendimento dos diversos comportamentos e de seus fatores. Com este tipo de estudo o procedimento para a coleta pode ser feito com entrevistas ou com questionários. A abordagem desta pesquisa será quantitativa e qualitativa. Ruiz (1996) classifica que a definição de abordagem quantitativa é aquela que são coletados os dados e as opiniões a respeito de um determinado assunto. Assim os mesmos serão quantificados com a aplicação de técnicas estatísticas, como a percentagem, média, desvio padrão, a fim de determinar os resultados mais exatos, evitando a distorção na análise dos dados. Segundo Moreira, Pasquale e Dubner (1996, p.76), caracterizam-se por: [...] pesquisas que utilizam questionários pré-elaborados que admitem respostas alternativas e cujos resultados são apresentados de modo numérico, permitindo uma avaliação quantitativa dos dados. De acordo com Boente Braga (2004) abordagem qualitativa é basear-se por meio de categorias a serem medidas, no qual o que serão medidos são os questionários e entrevistas. É normal este tipo de abordagem nas relações sociais e humanas. Será enviado um questionário e/ou entrevista para os responsáveis dos setores de departamento de pessoal e recursos humanos da agroindústria pesquisada, a fim de compreender a forma de como é separado a função desses setores e demonstrando o seu dia-a-dia. No questionário serão feitas perguntas abertas, para que os responsáveis tenham a oportunidade de se expressarem em suas respostas.

16 15 2. REFERENCIAL TEÓRICO O objetivo deste capítulo é fundamentar teoricamente o estudo, no qual se apresentam temas que visam a embasar a pesquisa, referentes a recursos humanos e departamento de pessoal. 2.1 Empregado e Empregador Empregado é toda pessoa física que presta serviços habitualmente ao empregador, sob dependência deste e mediante salário. (GONÇALVES, 2005, p.69). Segundo art. 3 da CLT: a) o empregado é sempre pessoa física; b) há habitualidade na prestação de serviço; c) existe subordinação (cumprimento de ordens); d) há obrigatoriedade de pagamento de salários. Para Gonçalves (2005), a prestação de serviços com estas características, fatalmente, resultará em vínculo empregatício. Empresa individual ou coletiva que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação de serviços, é empregador. (GONÇALVES, 2005, p.71). Segundo art. 2 inciso 2 da CLT: quando uma ou mais empresa, tendo, embora, cada uma delas personalidade jurídica própria, estiverem sob a direção, controle o u administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão, para os efeitos da relação de emprego, solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas. Visto o conceito citado anteriormente, Gonçalves (2005) ressalta que, sendo do mesmo grupo econômico, uma empresa pode transferir empregados para outras sem efetivar a rescisão contratual. Brondi e Bernúdez (2007) ressaltam que, equiparam-se ao empregador, para efeitos exclusivos da relação de emprego os profissionais liberais, as

17 16 instituições de beneficência, as associações recreativas e outras instituições sem fins lucrativos. 2.2 Recursos Humanos Com as mudanças nas empresas, tem-se visto inúmeras indagações sobre o papel do profissional de recursos humanos, Gil (2001, p. 66) destaca que o profissional de recursos humanos compete o desempenho de inúmeros papéis, tais como: Comunicador: comunicar-se de maneira eficaz com a administração, gerências, empregados, líderes sindicais, etc.; Selecionador: propor critérios e elaborar instrumentos para recrutamento, seleção e adaptação das pessoas na empresa; Treinador: elaborar projetos de treinamento e desenvolvimento de pessoas; Avaliador de desempenho: definir padrões e construir instrumentos para avaliação do desempenho das pessoas; Analista de cargos: avaliar os cargos e as funções da empresa, com vista em identificar os requisitos que devem possuir seus ocupantes e definir seus níveis de remuneração; Motivador: utilizar estratégias adequadas para aumentar os níveis de interesse, de satisfação e de realização de pessoas; Líder: conduzir equipes e liderar reuniões de trabalho; Negociador: negociar diretamente e assessorar nas negociações com funcionários, clientes e organizações sindicais; Gestor de qualidade: desempenhar papel atuante na implantação, implementação e acompanhamento de programas de qualidades; Coach: apoiar o desenvolvimento pessoal e profissional dos empregados. Borges e Marques (2008) salientam as principais responsabilidades e práticas do gestor de recursos humanos como recrutamento e seleção, remuneração e benefícios, treinamento e desenvolvimento, comunicações, plano de carreira, condições de trabalho e segurança, e qualidade de vida no trabalho. Aquino (1992), ainda lembra que as funções de Recursos Humanos são fundamentais para o desenvolvimento da empresa, bem como para sua organização. Cabe a Administração de Recursos Humanos, escolher as pessoas certas para os lugares certos da empresa, treinar e desenvolver habilidades, desenvolver planos de carreira, determinar salários e bonificações, desenvolver programas de incentivo, fazer negociações para amenizar conflitos, preparar o pessoal para a aposentadoria, entre outros.

18 17 O administrador de recursos humanos deve também agregar suas atividades com o planejamento estratégico da organização como um todo. Além das práticas de recursos humanos deve-se preocupar-se com as decisões da empresa e seu planejamento estratégico. (BORGES; MARQUES, 2008) Recrutamento e Seleção O recrutamento e a seleção fazem parte da rotina de preenchimento de uma vaga em aberto na empresa, podendo-se utilizar de vários instrumentos para estes processos. Conforme França (2007), recrutamento é a fase inicial para o preenchimento de uma vaga. Segundo a autora, o processo de procura de empregados faz-se com base nas requisições de pessoal emitidas pelos supervisores e no mercado de trabalho, onde, de um lado, competem os empregadores, e de outro, os próprios profissionais. Para Chiavenato (2004), a tarefa do recrutamento é a de atrair com seletividade, através de várias técnicas de comunicação, os candidatos que possuam os requisitos mínimos do cargo a ser preenchido. (2007, p. 30): Carvalho (2000, p. 39) ressalta que recrutamento: representa uma série de atividades que envolvem estudos, alternativas e contatos com o mercado de mão-de-obra, objetivando a divulgação de vagas abertas em uma empresa e a conseqüente forma de atração, convocação e desenvolvimento do processo de triagem de candidatos as mesmas. O recrutamento pode ser feito de duas formas básicas, conforme França 1ª Recrutamento interno: atraindo o pessoal já contratado pela empresa, mas para outras vagas; 2ª Recrutamento externo: buscando candidatos que não tem vínculo direto com a empresa no mercado de trabalho. Gil (2001) ainda lembra que existem outros meios de recrutamento como: cartazes, recomendações, pessoal dispensado, agências, associações profissionais, anúncios, headhunters (contratação de executivos de alto nível) e internet. Bohlander, Snell e Sherman (2005), ressaltam que durante o processo de recrutamento, tenta-se informar os candidatos sobre as qualificações exigidas para o

19 18 desempenho do cargo e as oportunidades de carreira que a empresa pode oferecer aos funcionários. O recrutamento, conforme França (2007), dá subsídios para o processo de seleção. Se não houver candidatos com potencial para o preenchimento de uma vaga, não há como efetuar a seleção. Devido à rotatividade de funcionários nas empresas ou seu crescimento, as organizações sempre estão à procura do candidato para a vaga em aberto, com isso a seleção é a escolha do candidato mais adequado para a organização, dentre os candidatos recrutados, por meio de vários instrumentos de análise, avaliação e comparação de dados. (FRANÇA, 2007, p. 34). Segundo Chiavenato (2004), a seleção é uma atividade obstativa, de escolha, opção e decisão, de filtragem da entrada, de classificação e, portanto, restritiva. Conforme Carvalho (2000, p. 47), a seleção tem por finalidade: a análise, conhecimento e definição de candidatos adequados a serem contratados por uma empresa, tendo em vista a sua respectiva qualificação, potencial, enquadramento e atendimento aos requisitos básicos estabelecidos para as posições em aberto correspondentes. Para que possa selecionar adequadamente, conforme GIL (2001, p. 93), torna-se necessário definir alguns critérios como: -que conhecimentos a pessoa deve ter? -que experiência é necessária? -que aptidões são necessárias (aptidão mecânica, destreza manual, facilidade no uso das palavras, facilidade com números, etc.)? -que características são necessárias (disciplina, paciência, iniciativa, sociabilidade, etc.)? -que circunstâncias pessoais devem ser consideradas (família, local de residência, posse de automóvel, etc.)? Ao decidir por essas perguntas, deve tomar alguns cuidados, os requisitos considerados indispensáveis devem ser mantidos em quantidade mínima para não afastar os candidatos com potencial. (GIL, 2001). França (2007) lembra das principais técnicas utilizadas no processo de seletivo como: entrevistas, provas de conhecimentos, testes psicológicos e técnicas vivenciais. Após o candidato passar por todas as etapas de seleção, é a hora de a empresa tomar a decisão, e para Chiavenato (2004), a decisão final de aceitar ou rejeitar o candidato é sempre de responsabilidade do órgão requisitante. Assim, a

20 19 seleção é responsabilidade de linha (de cada chefe) e função de staff (prestação de serviço pelo órgão especializado) Treinamento Devido às necessidades das empresas e a grande competição interna por ascensão na carreira, as organizações tem a consciência de que o treinamento é importante para todos os níveis empresariais. Segundo Gil (2001), o conceito de treinamento se refere, ao conjunto de experiências de aprendizagem centradas na posição atual da organização. Trata -se, portanto, de um processo educacional de curto prazo e que envolve todas as ações que visam deliberadamente ampliar a capacidade das pessoas para desempenhar melhor as atividades relacionadas ao cargo que ocupam na empresa. cargo; De acordo com Marras (2003, p.145): treinamento é um processo de assimilação cultural a curto prazo, que objetiva repassar ou reciclar conhecimentos, habilidades ou atitudes relacionadas diretamente à execução de tarefas ou à sua otimização no trabalho. Para Chiavenato (2004), os principais objetivos do treinamento são: - Preparar as pessoas para execução imediata das diversas tarefas do - Proporcionar oportunidades para o contínuo desenvolvimento pessoal, não apenas em seus cargos atuais, mas também para outras funções mais complexas e elevadas; - Mudar a atitude das pessoas seja para criar um clima mais satisfatório entre elas ou para aumentar-lhes a motivação e torná-las mais receptivas às novas técnicas de gestão. O treinamento não pode ser visto pela empresa como uma série de cursos e eventos. A expectativa da empresa é que o treinamento possa, identificando com os seus objetivos, contribuir para melhor capacitação dos empregados, visando um aumento moral, de eficiência, de eficácia, produtividade e melhoria do ambiente de trabalho e da própria empresa. (FRANÇA, 2007, p.88).

21 20 Chiavenato (2002) ressalta que o treinamento é um esforço dirigido no sentido de equipe, com a finalidade de fazer a mesma atingir o mais economicamente possível os objetivos da empresa, sendo assim, o treinamento não é uma despesa, mas sim um investimento cujo retorno é altamente compensador para a organização. Gil (2001) reforça que no treinamento se espera adquirir conhecimentos, habilidades e atitudes, para poder desempenhar com mais qualidade as tarefas executadas. Conforme Bohlander, Snell e Sherman (2005), a razão básica de as empresas treinarem os funcionários é levar seus CHAs (conhecimentos, habilidades e aptidões) ao nível exigido para um desempenho satisfatório. Como resultados desses treinamentos, os funcionários podem ser mais eficientes no emprego e capazes de desempenhar cargos em outras áreas ou níveis superiores. Sendo assim, o processo de treinamento desenvolve habilidades já existentes no empregado, abre espaço para novos conhecimentos e permite o desenvolvimento do colaborador e conseqüentemente da organização. (MARRAS, 2003) Cargos e Salários A administração de cargos e salários assume um papel fundamental, pois a redução de níveis hierárquicos, terceirização de atividades e o enfoque da remuneração estratégica como vantagem competitiva são características que requerem atenção maior por parte do mundo empresarial. (CARVALHO, 2000). A descrição de cargos é uma ferramenta utilizada pelo departamento de Recursos Humanos, e conforme Chiavenato (2002) ocupa-se com a análise do conteúdo necessário para a execução de cada cargo, assim pode-se ter com mais certeza uma avaliação dos colaboradores, onde eles possam estar ajudando na melhoria contínua da organização.

22 21 A descrição de cargos registra as funções, tarefas e responsabilidades, organizando e atribuindo a uma ou mais pessoas. (CARVALHO E NASCIMENTO, 1993) De acordo com Chiavenato (2002, p. 305): A análise de cargo pretende estudar e determinar todos os requisitos qualificados, as responsabilidades envolvidas e as condições exigidas pelo cargo, para seu desempenho adequado. É através dessa análise que os cargos serão posteriormente avaliados e devidamente classificados para efeito de comparação. Chiavenato (2004), ressalta ainda que o cargo é um conjunto de funções (conjunto de tarefas ou atribuições) com uma posição definida na estrutura organizacional, isto é, no organograma. A posição define as relações entre o cargo e os demais cargos da organização. No fundo, são relações entre duas ou mais pessoas. Para Franco (2008), o organograma apresenta a maneira como os cargos se relacionam e isso é dado pelo o que é chamado de nível hierárquico. O desenho inicial do de um organograma é importante na construção de um plano de cargos e salários, pois determina onde estão e onde estarão os cargos após a construção desse plano. Conforme Carvalho e Nascimento (1993), a análise de cargo busca verificar a pessoa certa para a função certa, assim, analisando seus requisitos, pode-se ter certeza onde o ocupante irá desenvolver melhor sua função. Gil (2001) ressalta que na avaliação de cargos resulta a fixação dos salários e a política salarial da empresa. Ela é feita por comitês integrados não apenas por especialistas, mas, sobretudo por empregados. Conforme Chiavenato (2002), quando uma pessoa é aprovada no processo de seleção e passa a ser um colaborador, este deve estar ciente do seu comprometimento com a empresa, com sua rotina de atividades, seu relacionamento com as pessoas, assim como deve saber que passa a receber um salário de acordo com a função. O salário é uma fonte de renda, que varia de pessoa para pessoa e, pode passar a determinar seu poder aquisitivo. O autor ainda ressalta que a política salarial de uma empresa é o conjunto de princípios e diretrizes que refletem a orientação e a filosofia da organização, no que tange aos assuntos de remuneração de seus empregados.

23 22 Para Masieiro (1996), os salários devem ser justos de acordo com a função exercida, pois quando bem administrados, reduzem as faltas e atrasos no trabalho, e até mesmo a rotatividade, que é um dos grandes problemas nas empresas. A estrutura de cargos e salários significa a ordenação e organização de todos os cargos existentes na empresa e os respectivos salários. Periodicamente essa estrutura deve ser revisada, devido ao surgimento de novas funções ou exclusões de outras já existentes, alterações no quadro de salários do mercado, reajustes salariais coletivos, etc. (CARVALHO, 2000) Motivação É difícil definir exatamente o conceito de motivação, uma vez que tem sido utilizado com diferentes sentidos. Para Chiavenato (2002), de modo geral, motivo é tudo aquilo que impulsiona a pessoa agir de determinada forma ou, pelo menos, que dá origem a uma propensão a um comportamento específico. Esse impulso à ação pode ser provocado por um estímulo externo (provindo do ambiente) e pode também ser gerado internamente nos processos mentais do indivíduo. Motivação é um processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta. (ROBBINS, 2002 p. 151). Vergara (2003), acrescenta que motivação não é um produto acabado, antes, um processo que se configura a cada momento, no fluxo permanente da vida, o que significa dizer, que sempre teremos à nossa frente algo a motivar-nos. A motivação do ser humano segundo Chiavenato (2002) acontece a partir da necessidade satisfeita. O estado de moral do indivíduo com a organização influencia diretamente no clima organizacional. Se os colaboradores sentem-se satisfeitos e motivados, a organização gera equilíbrio no clima. A partir disso, podese afirmar que o moral encontra-se bom, amigável e agradável. Mas, se o moral estiver baixo o clima torna-se negativo e frio. De acordo com Silva e Rodrigues (2007, p. 8):

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual Lição 6. Férias Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual 6.1. FÉRIAS INDIVIDUAIS: arts. 129 a 138 da CLT. As férias correspondem

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT).

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADO É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADOR A empresa, individual ou coletiva, que assumindo

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS Capítulo 1 Recrutamento... 3 1.1 Possíveis ocorrências de recrutamento... 4 1.1.1 Ampliação do quadro de pessoal... 4 1.1.2 Desligamento de empregado... 5 1.1.3 Promoção...

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Carlos Antônio Maciel Luciano Nóbrega Cerqueira Maio/Junho 2009 1 SUMÁRIO 1 Admissões 2 Elaboração da Folha de Pagamento 3 Rescisões Contratuais 4 Obrigações Acessórias

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento ROTINAS TRABALHISTAS MÓDULO 1 Conceitos Introdutórios Empregador Grupo de Empresas Empresas Terceirizadas Franquia Cooperativa de Trabalho Empregador Rural Documentação do Empregador Empregado Demais Trabalhadores

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 Data-base - Maio/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento do Estado de Santa Catarina S.A - CEASA/SC,

Leia mais

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES PROGRAMA Módulo I - Processo Admissional Providências da Empresa, Documentação Exigida, Exame Médico na Admissão, CAGED, Registro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES OBRIGATORIEDADE DA CONTRATAÇÃO Estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a contratar aprendizes. Estabelecimento é todo complexo de bens organizado para o exercício

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

mesmo empregador recebendo

mesmo empregador recebendo AULA 6: Salário e Remuneração: a partir do art. 457, CLT Equiparação Salarial empregado que almeja ganhar um salário maior, deseja o salário de outro, que é o chamado paradigma ou modelo idêntica função

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

Manual do Jovem Aprendiz

Manual do Jovem Aprendiz Manual do Jovem Aprendiz Seja bem-vindo ao Manual Jovem Aprendiz! Aqui você encontra todas as informações sobre a estrutura e o funcionamento do Programa Jovem Aprendiz CIEDS. Esperamos que, com este

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro do Grande ABC Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - B. Casa Branca - Santo André CEP.: 09020-250 - Tel. ( 11 ) 4993-8299 Fax. ( 11 ) 4993-8290 CNPJ 43.339.597/0001-06

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PELO PRESENTE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 9/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 9/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 9/2014 CARGO E UNIDADES: Analista Administrativo Sênior-Pessoal (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três)

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO Recursos. INTRODUÇÃO O Procedimento de Rescisão de Contrato de Trabalho tem por objetivo estabelecer os critérios para o processo de desligamento de empregados e estagiários nas modalidades de: pedido

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA CONTRATO DE EXPERIÊNCIA O contrato de experiência é uma modalidade do contrato por prazo determinado, cuja finalidade é a de verificar se o empregado tem aptidão para exercer a função para a qual foi contratado.

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Prof. Procópio Aula 25-04-2012 Quem sou Eu? Breve Programa do Curso Bibliografia Básica Sistema de Aulas Sistema de Avaliações Contatos do Professor Apresentação

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

Como. contratar seu empregado. MEI - Microempreendedor Individual: O que você precisa para contratar o seu empregado?

Como. contratar seu empregado. MEI - Microempreendedor Individual: O que você precisa para contratar o seu empregado? MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE RECURSOS HUMANOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Workers II Óleo sobre tela Rob Jefferson Fonte: http://www.millergallery.com/artblog /?tag=rob-jefferson Consolidação

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais