BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28"

Transcrição

1 BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28

2 Seção 20 Questões para debate 2 Q 1: arrendamento operacional não cancelável de 10 anos de um prédio. Pagamento do arrendamento para anos 1 5 = $0 e $5.000 para cada um dos anos No A1, o arrendatário deve reconhecer despesa de: a. $0? b. $2.000? c. $2.500? d. $5.000?

3 Seção 20 Questões para debate 3 Q 1: arrendamento operacional não cancelável de 10 anos de um prédio. Pagamento do arrendamento para anos 1 5 = $0 e $5.000 para cada um dos anos No A1, o arrendatário deve reconhecer despesa de: a. $0? b. $2.000? c. $2.500? d. $5.000?

4 Seção 20 Questões para debate Q 2: Em 1/1/20X1, A vendeu uma máquina para banco e a retroarrendou por 3 anos. Fatos sobre a máquina e o retroarrendamento: PV = $ ; VC = $70.000; VJ = $ ; vida econômica remanescente = 3 anos; valor residual = $0; pagamentos do arrendamento = $ por ano (pagáveis no final do ano); taxa de juros implícita no arrendamento = 8%aa O que A deveria reconhecer no resultado do ano encerrado em 31/12/20X1? 4

5 Seção 20 Questões para debate Q 2 continuação: a. Ganho de $ na venda do imobilizado e despesa de arrendamento de $ b. Despesa de depreciação de $ e despesa financeira de $ (nenhuma receita). c. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda do imob.); despesa de depreciação de $23.333; e despesa financeira de $ d. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda do imob.); despesa de depreciação de $66.667; e despesa financeira de $

6 Seção 20 Questões para debate Q 2 continuação: a. Ganho de $ na venda do imobilizado e despesa de arrendamento de $ b. Despesa de depreciação de $ e despesa financeira de $ (nenhuma receita). c. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda do imob.); despesa de depreciação de $23.333; e despesa financeira de $ d. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda do imob.); despesa de depreciação de $66.667; e despesa financeira de $

7 Seção 20 Questões para debate 7 Q 3: Mesmo que a Q 2, exceto a vida econômica remanescente da máquina = 30 anos e pagamento do arrendamento = $ por ano, prazo de arrendamento de três anos. O que A deveria reconhecer no resultado do ano encerrado em 31/12/20X1?

8 Seção 20 Questões para debate 8 Q 3 continuação: a. Ganho de $ em venda do imobilizado e despesa de arrendamento de $ b. Despesa de depreciação de $ e despesa financeira de $ (nenhuma receita). c. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda imob); despesa de depreciação de $23.333; e despesa financeira de $ d. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda imob); despesa de depreciação de $66.667; e despesa financeira de $

9 Seção 20 Questões para debate 9 Q 3 continuação: a. Ganho de $ em venda do imobilizado e despesa de arrendamento de $ b. Despesa de depreciação de $ e despesa financeira de $ (nenhuma receita). c. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda imob); despesa de depreciação de $23.333; e despesa financeira de $ d. Receita de $ (amortização do ganho diferido da venda imob); despesa de depreciação de $66.667; e despesa financeira de $

10 Seção 21 Questões para debate Q 3*: As provisões são mensuradas pela melhor estimativa do valor exigido para liquidar a obrigação na data das DCs. Quando a provisão envolve grande conjunto de itens, a estimativa do valor: a. reflete a ponderação de todos os possíveis resultados por suas probabilidades associadas? b. é considerado o resultado individual mais provável? c. é o resultado individual mais provável ajustado para considerar os outros resultados possíveis? 10 * ver pergunta 3 no Módulo 21 do material de treinamento da IFRS Foundation

11 Seção 21 Questões para debate Q 3: As provisões são mensuradas pela melhor estimativa do valor exigido para liquidar a obrigação na data das DCs. Quando a provisão envolve grande conjunto de itens, a estimativa do valor: a. reflete a ponderação de todos os possíveis resultados por suas probabilidades associadas? b. é considerado o resultado individual mais provável? c. é o resultado individual mais provável ajustado para considerar os outros resultados possíveis? 11

12 Seção 21 Questões para debate Q 4*: As provisões são mensuradas pela melhor estimativa do valor exigido para liquidar a obrigação na data das DCs. Quando a provisão surge de uma única obrigação, a estimativa do valor: a. reflete a ponderação de todos os possíveis resultados por suas probabilidades associadas? b. é considerado o resultado individual mais provável? c. é o resultado individual mais provável ajustado para considerar os outros resultados possíveis? 12 * ver pergunta 4 no Módulo 21 do material de treinamento da IFRS Foundation

13 Seção 21 Questões para debate Q 4: As provisões são mensuradas pela melhor estimativa do valor exigido para liquidar a obrigação na data das DCs. Quando a provisão surge de uma única obrigação, a estimativa do valor: a. reflete a ponderação de todos os possíveis resultados por suas probabilidades associadas? b. é considerado o resultado individual mais provável? c. é o resultado individual mais provável ajustado para considerar os outros resultados possíveis? 13

14 Seção 21 Questões para debate Q 6*: A é o réu numa ação judicial por infração de patente. A sentença é esperada para 12/20X2. 30% de chance do juiz indeferir o pleito. Caso contrário, 20% de chance de A pagar $ e 80% de chance de pagar $ % é o fator de ajuste de risco para a probabilidade ponderada esperada para que os fluxos de caixa reflitam as incertezas nas estimativas de fluxo de caixa. 14 * ver pergunta 6 no Módulo 21 do material de treinamento da IFRS Foundation

15 Seção 21 Questões para debate 15 Q 6 continuação: A taxa de desconto apropriada é 10% ao ano. Em 31/12/20X1, A reconhece uma provisão de? a. $0? b. $ ? c. $84.000? d. $89.880? e. $81.709?

16 Seção 21 Questões para debate 16 Q 6 continuação: A taxa de desconto apropriada é 10% ao ano. Em 31/12/20X1, A reconhece uma provisão de? a. $0? b. $ ? c. $84.000? d. $89.880? e. $81.709?

17 Seção 21 Questões para debate 17 Q 7*: Mesmo que a pergunta 6 exceto esperase que a divulgação de algumas das informações sobre o caso possa prejudicar seriamente a posição de A no litígio sobre a suposta quebra de patente. Em 31 de dezembro de 20X1, A iria: * ver pergunta 7 no Módulo 21 do material de treinamento da IFRS Foundation

18 Seção 21 Questões para debate 18 Q 7 continuação: a. não reconhecer uma provisão. Divulgar a natureza geral da disputa, junto com o fato que, e a razão de as informações não terem sido divulgadas? b. reconhecer uma provisão mensurada na melhor estimativa e divulgar a natureza geral da disputa, junto com o fato que, e a razão de as informações não terem sido divulgadas. c. reconhecer uma provisão mensurada na melhor estimativa e divulgar as informações requeridas nos parágrafos

19 Seção 21 Questões para debate 19 Q 7 continuação: a. não reconhecer uma provisão. Divulgar a natureza geral da disputa, junto com o fato que, e a razão de as informações não terem sido divulgadas? b. reconhecer uma provisão mensurada na melhor estimativa e divulgar a natureza geral da disputa, junto com o fato que, e a razão de as informações não terem sido divulgadas. c. reconhecer uma provisão mensurada na melhor estimativa e divulgar as informações requeridas nos parágrafos

20 Seção 28 Questões para debate Q 2*: Cada empregado de A tem direito a 20 dias de férias remuneradas por ano calendário. Férias não usadas não podem ser carregadas pra frente e não constituem direitos adquiridos. O período contábil da entidade se encerra em 31 de dezembro. Férias são: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? 20 * ver pergunta 2 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

21 Seção 28 Questões para debate Q 2: Cada empregado de A tem direito a 20 dias de férias remuneradas por ano calendário. Férias não usadas não podem ser carregadas pra frente e não constituem direitos adquiridos. O período contábil da entidade se encerra em 31 de dezembro. Férias são: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? 21

22 Seção 28 Questões para debate 22 Q 3*: Mesmo que a Q 2, exceto que as férias não gozadas são pagas em 31 de dezembro de cada ano (ie constituem direito adquirido no final de cada ano calendário, mas não acumulam). Férias são: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? * ver pergunta 3 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

23 Seção 28 Questões para debate 23 Q 3: Mesmo que a Q 2, exceto que as férias não gozadas são pagas em 31 de dezembro de cada ano (ie constituem direito adquirido no final de cada ano calendário, mas não acumulam). Férias são: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

24 Seção 28 Questões para debate Q 4*: Mesmo que a Q 2, exceto que férias não gozadas podem ser carregadas pra frente por um ano calendário (ie acumulam, mas não constituem direitos adquiridos). Férias são: 24 a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? * ver pergunta 4 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

25 Seção 28 Questões para debate Q 4: Mesmo que a Q 2, exceto que férias não gozadas podem ser carregadas pra frente por um ano calendário (ie acumulam, mas não constituem direitos adquiridos). Férias são: 25 a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

26 Seção 28 Questões para debate Q 5*: Mesmo que a Q 2, exceto que férias não gozadas podem ser carregadas pra frente por dois anos calendários (ie acumulam, mas não constituem direitos adquiridos). Férias são: 26 a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? * ver pergunta 5 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

27 Seção 28 Questões para debate 27 Q 5: Mesmo que a Q 2, exceto que férias não gozadas podem ser carregadas pra frente por dois anos calendários (ie acumulam, mas não constituem direitos adquiridos). Férias são: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

28 Seção 28 Questões para debate Q 7*: A anuncia publicamente seu compromisso com um plano de demissão voluntária. Ela tem a obrigação de pagar o valor total para os empregados que optam pela demissão. A obrigação é: 28 a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? * ver pergunta 7 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

29 Seção 28 Questões para debate 29 Q 7: A anuncia publicamente seu compromisso com um plano de demissão voluntária. Ela tem a obrigação de pagar o valor total para os empregados que optam pela demissão. A obrigação é: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

30 Seção 28 Questões para debate Q 8*: A reembolsa 50% dos custos médicos pósemprego dos ex-empregados se o empregado tiver +25 anos de serviço. A obrigação é: 30 a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? * ver pergunta 8 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

31 Seção 28 Questões para debate 31 Q 8: A reembolsa 50% dos custos médicos pósemprego dos ex-empregados se o empregado tiver +25 anos de serviço. A obrigação é: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

32 Seção 28 Questões para debate Q 9*: Um plano de participação nos lucros requer que A pague uma parte específica de seu lucro acumulado por um período de 5 anos para empregados que serviram pelo período de 5 anos. A obrigação é: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento? 32 * ver pergunta 9 no Módulo 28 do material de treinamento da IFRS Foundation

33 Seção 28 Questões para debate 33 Q 9: Um plano de participação nos lucros requer que A pague uma parte específica de seu lucro acumulado por um período de 5 anos para empregados que serviram pelo período de 5 anos. A obrigação é: a. benefícios a curto prazo aos empregados? b. benefícios pós-emprego? c. benefícios de longo prazo aos empregados? d. benefícios por desligamento?

34 34 Esta apresentação pode ser modificada de tempos em tempos. A versão mais atual pode ser baixada de: +Train+the+trainer+workshops.htm Os requerimentos contábeis aplicáveis a empresas pequenas e de médio porte (PMEs) são fixados no International Financial Reporting Standard (IFRS) for SMEs, que foram emitidos pelo IASB em julho de A IFRS Foundation, os autores, os apresentadores e os editores não aceitam responsabilidade por perdas causadas a qualquer pessoa que atue ou evite em atuar em conformidade com os materiais nesta apresentação de PowerPoint, independente de tais perdas serem causadas por negligência ou afins.

IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop

IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop International Financial Reporting Standards Padrões de relatório financeiros internacionais 1 IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop 2 4 Agosto 2010 Rio de Janeiro, Brasil Direitos Autorais IFRS

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro Seção 29 Introdução 2 A Seção 29 se baseia no Projeto de Exposição de março de 2009 do IASB, Income Tax. O mesmo

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 2 Tópico 2.2 Avaliação e Debate Seção 11 Instrumentos Financeiros Básicos Seção 12 Outros Tópicos Inst. Financeiros Seção 22 Passivo e Patrimônio Líquido

Leia mais

Provisões Passivos Contingentes Ativos Contingentes Seção 21

Provisões Passivos Contingentes Ativos Contingentes Seção 21 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop

IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop International Financial Reporting Standards Padrões de Relatórios Financeiros Internacionais 1 IFRS para PMEs IFRS Foundation-BNDES Workshop 2 4 Agosto 2010 Rio de Janeiro, Brasil Direitos Autorais IFRS

Leia mais

Arrendamento Mercantil: Leasing

Arrendamento Mercantil: Leasing Contabilidade Avançada Arrendamento Mercantil: Leasing Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 17 Leases No CPC: CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Fundamentação no Brasil:

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 2 Tópico 2.3 Seção 13 Estoques Seção 16 Propriedade para Investimento Sec 17 Ativo Imobilizado Seção 18 Ativos Intangíveis Seção 27 Irrecuperabilidade de

Leia mais

IFRS PME Imobilizado e Arrendamento

IFRS PME Imobilizado e Arrendamento IFRS PME Imobilizado e Arrendamento Luciano Perrone lucianoperrone@rptreinamento.com.br www.rptreinamento.com.br Julho de 2011 REFLEXÃO INICIAL Fonte: www.uol.com.br Fonte: www.uol.com.br Fonte: Portal

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 1.5 Seções 3 8, 10, 30, 32 e 33 Apresentação de Demonstrações Contábeis

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 1.5 Seções 3 8, 10, 30, 32 e 33 Apresentação de Demonstrações Contábeis BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 1.5 Seções 3 8, 10, 30, 32 e 33 Apresentação de Demonstrações Contábeis Visão geral da apresentação de DCs 2 Seção 3 especifica requerimentos gerais

Leia mais

Módulo 11 Instrumentos Financeiros Básicos Módulo 12 Outros Assuntos sobre Instrumentos Financeiros

Módulo 11 Instrumentos Financeiros Básicos Módulo 12 Outros Assuntos sobre Instrumentos Financeiros ESTUDO DE CASO Uma entidade possui o seguinte balancete para o ano encerrado em 31 de dezembro de 20X2. Usando as colunas da direita, marque quais itens estão dentro do escopo da Seção 11 e, para aqueles

Leia mais

Benefícios a Empregados

Benefícios a Empregados Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 33 (R1) Benefícios a Empregados Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A.

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO UM ALERTA DA PRÁTICA DE ASSEGURAÇÃO NACIONAL DA BDO ABRIL 2012 BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO Em 14 de novembro de 2011, o FASB e o IASB emitiram

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por:

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (BV2010) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs

Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs Revisão de todas as seções do pronunciamento Destacando as principais diferenças em relação aos IFRSs completos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil

IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil São Paulo, 17 de Janeiro de 2011 Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2011 Disclaimer Esta apresentação pode incluir

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas

Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas Cielo S.A. (anteriormente denominada Companhia Brasileira de Meios de Pagamento) e Controladas Demonstrações Financeiras Consolidadas Referentes aos Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2009 e de 2008

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras consolidadas Exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Índice 1- Relatório dos auditores independentes...

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 1 Imobilizado

Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual. Estágio 1 Imobilizado 2014 Fundação IFRS: Material de ensino de IFRS embasado na Estrutura Conceitual Estágio 1 Imobilizado Este material de ensino foi preparado pela equipe de educação da Fundação IFRS. Ele não foi aprovado

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E CONTABILIDADE Benefícios a Empregados - Contabilização Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC nº 1.193/2009 DOU: 14.10.2009 Aprova

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em de 2010 Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Acionistas

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2 Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos 1. Fica alterada a alínea (b), do item 1.3, como segue:

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para:

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para: NBC TSP 13 - Operações de Arrendamento Mercantil Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer, para arrendatários e arrendadores, políticas contábeis e divulgações apropriadas a aplicar em relação

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda.

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 KPDS 114064 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 37 Índice OBJETIVO Item

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Índice Balanço patrimonial... 4 Demonstração do resultado...5 Demonstração do resultado abrangente... 6 Demonstração das mutações no patrimônio líquido...7 Demonstração dos fluxos de caixa... 8 Demonstração

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Companhia de Marcas e Controladas

Companhia de Marcas e Controladas Companhia de Marcas e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Em Reais) NOTA 1 - INFORMAÇÕES GERAIS A Fundação

Leia mais

Demonstrações financeiras IFRS em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras IFRS em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras IFRS em KPDS 81486 Demonstrações financeiras IFRS em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balançospatrimoniais 5 Demonstrações do

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Yasuda Seguros S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Yasuda Seguros S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Yasuda Seguros S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras consolidadas Índice Relatório da administração...

Leia mais

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A.

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Índice Relatório dos

Leia mais

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão. Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão. Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011 7 Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Conteúdo Relatório

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança KPDS 86275 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E NOTAS EXPLICATIVAS

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E NOTAS EXPLICATIVAS Titulos/Meses dezembro-06 janeiro-07 fevereiro-07 março-07 abril-07 maio-07 junho-07 Notas CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 4.418.607,04 4.532.392,35 4.648.629,79 - - - - DISPONIBILIDADE 171.907,15

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Direcional Engenharia S.A. 1. Contexto operacional

Direcional Engenharia S.A. 1. Contexto operacional Notas explicativas às demonstrações financeiras 1. Contexto operacional A Direcional Engenharia S.A. ( Direcional ou Companhia ) é uma Companhia de capital aberto organizada segundo as leis societárias

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP 1. Contexto operacional A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital aberto com sede em São Paulo, Estado de São Paulo, tendo suas ações

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Introdução... 5 Estrutura do checklist de divulgação... 6 Formato do checklist de divulgação... 6 Seção A Divulgações aplicáveis

Leia mais

SCHULZ S.A. A emissão destas demonstrações financeiras foi autorizada pela administração da Companhia em 21 de janeiro de 2015.

SCHULZ S.A. A emissão destas demonstrações financeiras foi autorizada pela administração da Companhia em 21 de janeiro de 2015. SCHULZ S.A. NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Em milhares de Reais exceto quando indicado de outra forma) NOTA 1 - CONTEXTO

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado 13/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013

METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013 METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013 Senhores Acionistas, A Administração da Metalúrgica Riosulense S.A. apresenta para apreciação e análise, as informações

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

Positivo Informática S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes.

Positivo Informática S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes. Positivo Informática S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes. Po Relatório dos auditores independentes Sobre as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010 1 - Mensagem da Administração Senhores Acionistas, A administração da Concessão Metroviária do Rio de Janeiro tem o prazer de encaminhar para apreciação de V.Sas. o Relatório de Administração e as Demonstrações

Leia mais

ACCIONA CONCESSÕES RODOVIA DO AÇO S.A.

ACCIONA CONCESSÕES RODOVIA DO AÇO S.A. RELATÓRIO SOBRE O EXAME DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATIVAS AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de abril de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 30 de abril de 2011 e 2010 ABCD Grupo Virgolino de Oliveira Demonstrações financeiras em 30 de abril de 2011 e 2010 ABCD Grupo Virgolino de Oliveira Demonstrações financeiras em 30 de abril de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 33. Benefícios a Empregados

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 33. Benefícios a Empregados COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 33 Benefícios a Empregados Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 19 Índice OBJETIVO ALCANCE 1 6 DEFINIÇÕES 7 BENEFÍCIOS

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Acréscimos e Diferimentos

Acréscimos e Diferimentos AULA 03 1. Acréscimos e diferimentos 2. Imparidade de activos (IAS 36) 3. Provisões, passivos contingentes e activos contingentes (IAS 37) - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Acréscimos

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais