A INDENIZAÇÃO COMPENSATÓRIA DECORRENTE DA ESTABILIDADE NO EMPREGO: ELEMENTOS INTEGRANTES DO CÁLCULO DO MONTANTE REPARATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INDENIZAÇÃO COMPENSATÓRIA DECORRENTE DA ESTABILIDADE NO EMPREGO: ELEMENTOS INTEGRANTES DO CÁLCULO DO MONTANTE REPARATÓRIO"

Transcrição

1 A INDENIZAÇÃO COMPENSATÓRIA DECORRENTE DA ESTABILIDADE NO EMPREGO: ELEMENTOS INTEGRANTES DO CÁLCULO DO MONTANTE REPARATÓRIO Evelyn Maysa Santana Alves Almeida* Sergio Torres Teixeira** SUMÁRIO: I Introdução; II Estabilidade Jurídica no Emprego; III Reintegração no Emprego e a sua Conversão em Indenização Compensatória por Perdas e Danos; IV Verbas Integrantes do Cálculo da Indenização; V Conclusões; VI - Referências. RESUMO A estabilidade é uma garantia dada a todos os trabalhados que de alguma forma sofrem um risco maior de dispensa em conseqüência da função ou estado diferenciado. A dispensa de um empregado estável sem justa causa pode acarretar em duas conseqüências: reintegrá-lo ou indenizá-lo. Caso seja reintegrado voltará ao cargo trabalhado primitivamente, no entanto, sendo comprovada a necessidade de indenização, o empregador deve promover o pagamento do devido ressarcimento de todas as verbas que o empregado deveria perceber até o final da estabilidade. Entretanto, segundo a Súmula 396 do TST a indenização a ser paga ao trabalhador dispensado deverá abranger somente os salários a que faria jus até o termino da estabilidade. Todavia o entendimento da nobre súmula não é totalmente justo, posto que, o indenizado deve ter o direito à restituição de todas as vantagens e garantias que *Evelyn Maysa Santana Alves Almeida Pós-Graduanda em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Tiradentes (UNIT) Advogada em Aracaju/SE **Sergio Torres Teixeira Juiz do Trabalho da 6 região. Professor da UFPE e UNICAP. Doutor em Direito pela UFPE.

2 2 receberia durante o período compreendido da dispensa até o final da estabilidade, ou seja, deve ser buscada uma equivalência de vantagens pecuniárias que seriam pagas durante o período de afastamento. PALAVRAS CHAVES: Estabilidade, Indenização, Cálculo. I. Introdução Pretende-se através deste artigo científico proceder a um estudo que envolve a problemática acerca da base de cálculo de deve ser utilizada para se obter a indenização de um empregado estável dispensado sem justa causa. O método utilizado para a elaboração deste artigo científico será o estudo essencialmente doutrinário, sendo apresentadas referências bibliográficas, bem como a análise de casos concretos através de jurisprudências. Serão coletados dados através de artigos científicos, doutrina e outros que se fizerem necessários. Todo o trabalho será efetuado com base na exegese dos dispositivos legais pertinentes ao tema, pois não podemos nos distanciar, demasiadamente, dos ditames legais. A linha de pesquisa utilizada visa explanar não somente sobre a teoria, mas também a verdadeira aplicação ao caso concreto, demonstrando as decisões proferidas até o presente momento. A matéria objeto de estudo é polêmica e extremamente controvertida e está assumindo grande destaque e importância no cenário jurídico, pois ainda não foi

3 3 definido dominantemente se é possível utilizar na base de cálculo da indenização todas as verbas que o empregado estável vinha recebendo ao longo do período laborado. A estabilidade foi criada como um meio para que o empregado não possa ser dispensado, na hipótese de está enquadrado nos casos previstos em lei. Apesar de ser um poder potestativo do empregador, a dispensa somente pode ocorrer se houver justa causa para tal. A estabilidade provisória é uma forma de garantia, mesmo que temporariamente uma forma do empregado permanecer percebendo seu salário por se encontrar em uma das situações que a lei prevê. Desta forma, o estudo a cerca da estabilidade e sua indenização equivalente se propõe não somente a demonstrar como a falta de seu aproveitamento poderá prejudicar sensivelmente os trabalhadores estáveis desempregados, mas também, como a sua inaplicabilidade pode vir a ferir valores e princípios trabalhistas. Decretada a indenização, como será feito o cálculo pra obtê-la? Quais verbas devem ser inseridas nessa base de cálculo? Deve ser computado o pagamento de férias, 13, adicional noturno, insalubridade (ou periculosidade), etc.? São perguntas extremamente relevantes no âmbito do Direito do Trabalho, não para o empregador, mas sim para o empregado que receberá de forma bem diferente os valores de sua indenização. Destarte, não somente a economia é fator predominante de dispensas, deve ser observado também outra realidade presente nas empresas como as perseguições a funcionários estáveis, especialmente aos integrantes da CIPA, estes frequentemente são dispensados sem quaisquer justificativas. Assim, o poder público reconhece a necessidade de proteger com o manto da estabilidade não somente os cipeiros, mas também as grávidas e os representantes de interesses dos trabalhadores, no exercício de suas funções, posto que represálias e perseguições são muito comuns.

4 4 Todavia, entendimento diverso ao acima apresentado seria extremamente benéfico à sociedade empresária, mas prejudicaria seus funcionários, posto que perceber somente os salários ou abranger a remuneração como um todo, fará diferença para quem acaba de ficar desempregado. Dessa forma, o tema é de grande importância e extremamente instigante, não só do ponto de vista acadêmico, mas, sobretudo, pelos seus aspectos práticos, visto que há algum tempo, determinados doutrinadores têm buscado encontrar soluções para este caso. II. Estabilidade Jurídica no Emprego Estabilidade segundo o Vocabulário Jurídico de De Plácito e Silva 1 é derivado do latim stabilitas, de stabilire (firme), é empregado para indicar toda situação duradoura ou constante, em que se firma uma coisa. De acordo com Sergio Pinto Martins 2 a estabilidade é o direito do empregado de continuar no emprego, mesmo contra a vontade do empregador, desde que inexista uma causa objetiva a determinar sua despedida.. A estabilidade é uma forma que controlar o poder do empregador de dispensar seus empregados a qualquer momento e assim assegurar que determinado obreiro não seja dispensado diante das situações garantidas por lei. No entanto a de se ressaltar que essa estabilidade jamais será absoluta, uma vez que essa dispensa tornase legal como nos casos de justa causa ou mesmo de força maior. 1 SILVA, De Plácito e. Vocabulário Jurídico. 20 Ed. Rio de Janeiro, MARTINS, Sergio Pinto. Direito individual do Trabalho. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

5 5 Historicamente a estabilidade surgiu como um privilégio profissional dado a determinadas categorias de funcionários públicos. Segundo o professor Sergio Torres Teixeira em seu artigo Conseqüências da Invalidação da Dispensa de Empregado: Distinções entre Reintegração no Emprego e Readmissão do Empregado, Os primeiros estáveis no Brasil, assim, foram os juízes e oficiais do exército e da armada, beneficiados pelas Constituições de 1824 e de Posteriormente, em 1915, a estabilidade jurídica foi estendida a todos os funcionários públicos que atingissem dez anos de efetivo serviço no cargo 3. Na esfera das atividades privadas a estabilidade teve início somente em 1923 com o advento da lei Elói Chaves 4 que previa a garantia de permanência no emprego para todos os ferroviários que completassem 10 anos de serviço com o mesmo empregador. 5 Assim, a partir desta lei ampliou-se a regulamentação da estabilidade para as demais categorias como a dos marítimos, bancários, comerciários. entendimento: Orlando Gomes em seu livro Curso de Direito do Trabalho traz o seguinte Com o advento da Lei n 62, de 5 de junho de 1935, a estabilidade deixou de ser disciplinada num diploma de previdência social para ser consagrada em lei que regulava a dissolução do contrato. O instituto generalizou-se, passando a abranger a grande categoria profissional dos industriários, até então excluída da proteção legal do direito ao emprego. 3 Trecho retirado do artigo Conseqüências da Invalidação da Dispensa de Empregado: Distinções entre Reintegração no Emprego e Readmissão do Empregado. 4 Lei n 4682/23 - criou a Caixa de Aposentadorias e Pensões para as empresas de estradas de ferro. 5 Historicamente, a estabilidade no Brasil, como de resto outras garantias e direitos dos trabalhadores, não surgiu como uma conquista das organizações profissionais, mas, simplesmente como dádiva da lei. Mais precisamente, surgiu como uma necessidade técnico-atuarial, posto que originalmente, esteve sempre associada às leis que regulamentavam as caixas de pensões e, mais tarde, os institutos de previdência. Pretendia, então o legislador proteger não diretamente o empregado, mas as instituições de seguro social recém-criadas. (GOMES, 2002).

6 6 lei supracitada: Maurício Godinho Delgado completa este entendimento afirmando que com a (...) a estabilidade deixou de ligar-se à previdência, passando a constar de diploma legal relativo ao contrato de trabalho, generalizando-se para o mercado laborativo urbano. Viria a constar, logo em seguida, da Constituição de 1937, do corpo da Consolidação das Leis do Trabalho, de 1943, e, finalmente, da Carta Constitucional de 1946, que a estendeu também aos trabalhadores rurais (art. 157, XII). Constitucionalmente a estabilidade foi prevista nas cartas de 1937, 1946, 1967 e finalmente a de 1988 limitou a estabilidade somente para os casos previstos em lei, abolindo a estabilidade decenária, ressalvando o direito adquirido para aqueles que já haviam sido contemplados. Deste modo, a constituição atual deixou de abordar em seu bojo sobre a estabilidade 6, passando a tratar tão somente do fundo de garantia por tempo de serviço que veio a substituí-la. No entanto, ressalvou a possibilidade de Lei Complementar regular outros direitos. O regime de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço foi criado tendo como um de seus fundamentos o combate às fraudes que constantemente ocorriam para que o obreiro não alcançasse a estabilidade. É importante ser dito que há dois tipos de estabilidade, a estabilidade propriamente dita e a estabilidade provisória ou temporária (garantias de emprego). A estabilidade propriamente dita era uma garantia dada ao trabalhador que estivesse no mesmo emprego por um período de dez anos. Assim, o empregador tornava-se impedido de dispensar o obreiro com tal garantia, exceto se comprovada a justa causa. Segundo professor Roni Genicolo Garcia 7 a dispensa pode ocorrer tanto 6 No entanto, a estabilidade provisória pode ser prevista de outras formas como: regulamento das empresas, acordos coletivos, convenções, normas coletivas e até mesmo em contratos de trabalho. 7 GARCIA, Roni Genicolo. Manual de rotinas Trabalhistas: problemas práticos na atuação diária. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

7 7 no caso de falta grave, como também na hipótese de superveniência de motivo técnico, econômico ou financeiro. Já a garantia de emprego é permanência no emprego, segundo Maurício Godinho Delgado é a vantagem jurídica de caráter transitório deferida ao empregado em virtude de uma circunstancia contratual ou pessoal obreira de caráter especial, de modo a assegurar a manutenção. Isto posto, pode-se verificar facilmente que o intuito da lei é valorizar a permanência do vinculo empregatício para que o obreiro não seja retirado do crescente mercado de consumo. Roni Genicolo entende que as formas de estabilidade são variadas, não possuindo um padrão que possa dar ensejo a uma exposição didática. Cita ainda que deve haver: (...) estabilidades provisórias em convenções ou acordos coletivos para proteção em época imediatamente anterior ao período de prestação do serviço militar obrigatório, ou garantia em período que anteceda à aposentadoria, ou garantia após a alta de acidentado do trabalho ou vitimado por doença profissional. (2002, p.259) Cezariano Jr, citado por Sergio Pinto Martins, faz distinção entre estabilidade própria e imprópria, absoluta e relativa e em legal ou convencional. A estabilidade própria, ou real, ou verdadeira, nos sistemas jurídicos de proteção ao trabalho em que a permanência do empregado em seu emprego é efetivamente garantida, em caso de violação pelo empregador, seja sua reintegração forçada, seja pela imposição de sanções econômicas adequadas. Há estabilidade imprópria sempre que se procura conseguir a permanência no emprego tão-somente por meio da condenação do empregador ao pagamento de uma indenização nos casos de despedida injusta. A estabilidade poderia ser classificada como absoluta ou relativa, que ocorre quando o empregado não pode ser dispensado, como na hipótese em que tem 10 anos de casa e não era optante do FGTS. Pode ser relativa ou provisória,

8 8 como ocorre nas hipóteses em que o trabalhador não pode ser dispensado em certo período de tempo, como cipeiros, grávidas, dirigente sindical, acidentado. A estabilidade pode ser legal, tendo previsão em lei, ou convencional, observada em convenção ou acordo coletivo. A estabilidade provisória abrange dirigentes sindicais, membros da CIPA, gestantes, diretores de cooperativas, acidentados (lei n 8213/91), membros de conselho do FGTS e da Previdência Social e os membros da comissão de conciliação prévia. Esta fica circunscrita a determinado período, normalmente de 12 meses após o termino do mandato. Outrossim, para a dispensa dos empregados estáveis é necessário a propositura do Inquérito judicial para apuração de falta grave. O ilustre doutrinador Valentin Carrion entende que o referido Inquérito somente seria cabível no caso de estabilidade pro tempo de serviço (Decenal). O inquérito não alcançaria a estabilidade provisória, tais como a dos membros da CIPA, cooperativa, gestante ou sindical; a jurisprudência dominante, entretanto, vê no inquérito formalidade indispensável. (2008, p.408) É importante ser dito também que nos contratos por prazo determinado não há que se falar em garantia de emprego, pois as partes sabiam desde o início do pacto quando este iria terminar, assim, o empregador não é obrigado a manter este empregado no emprego. (apague isso) III. Reintegração no Emprego e a sua Conversão em Indenização Compensatória por Perdas e Danos

9 9 Prevê o artigo 496 da CLT: Art. 496 Quando a reintegração do empregado estável for desaconselhável, dado o grau de incompatibilidade resultante do dissídio, especialmente quando for o empregador pessoa física, o tribunal do trabalho poderá converter aquela obrigação em indenização devida nos termos do artigo seguinte. Como explícito no artigo mencionado, o tribunal do trabalho tem o poder de ponderar e verificar cautelosamente se a reintegração é o melhor caminho a ser seguido, posto que podem haver motivos excepcionais que a impeçam, sendo necessário o uso de outro meio, a indenização. Há entendimento dominante no sentido de que a parte estável dispensada injustamente não pode exigir imediatamente a indenização, o conveniente é requerer em juízo o pedido alternativo, reintegração ou indenização. Assim, somente o juiz tem o poder para indicar qual é o melhor caminho a ser seguido. A estabilidade não é absoluta. Deste modo, sendo comprovada a impossibilidade do empregado estável ser reintegrado a empresa, o empregador poderá dispensá-lo mesmo sem justa causa, entretanto, deverá arcar com a justa indenização. Deve ser ressaltado que não deve predominar a imposição da reintegração uma vez que feriria os princípios da liberdade individual e da dignidade da pessoa humana. No entanto é aconselhável que o autor da ação desde logo demonstre em sua exordial fatores impeditivos de uma possível reintegração. Destarte, a estabilidade provisória permite a possibilidade de conversão da reintegração em indenização, na hipótese de comprovada incompatibilidade insuperável

10 10 entre os contratantes, compensada pelo pagamento dos salários (e demais vantagens?) até o final da estabilidade. Desta afirmação extraímos uma indagação: Uma vez paga a indenização ao empregado referente somente aos salários até o fim da estabilidade, pode ser considerado um ressarcimento pecuniário realmente justo? Na realidade, não. Vejamos. Prevê a súmula 396 do TST: I Exaurido o período de estabilidade, são devidos ao empregado apenas os salários do período compreendido entre a data da despedida e o final do período de estabilidade, não lhe sendo assegurada a reintegração no emprego. II Não há nulidade por julgamento extra petita da decisão que deferir salário quando o pedido for de reintegração, dados os termos do art. 496 da CLT. Tomando por base os ensinamentos do professor Raymundo Antônio Carneiro Pinto em seu livro Súmulas do TST Comentadas: Em ambos os itens é usado o termo salários, mas, a nosso ver, deve ter ele um sentido mais amplo, ou seja, o empregado, no caso, deve fazer jus não só ao salário básico, mas também aos adicionais, gratificações ou outras vantagens que lhe vinham sendo pagas, de forma habitual, até a data da irregular dispensa 8. (2008, p.339) No entanto, para isso deve ser pago ao trabalhador uma indenização compensatória equivalente a todos os meses restante até o final da referida estabilidade, uma vez que ao empregador foi dado a opção de permanecer com o empregado em sua empresa. Assim é possível perceber que ainda prevalece o direito potestativo do empregador de dispensar seu empregado estável, todavia deverá arcar além do ônus 8 PINTO, Raymundo Antônio Carneiro. Súmulas do TST Comentadas. 10 ed. São Paulo: LTr, 2008.

11 11 rescisório ao a reparação compensatória na hipótese de uma demissão sem justo motivo. Há de ser ressaltado que para se afastar a reintegração deve ser provado cabalmente à impossibilidade de sua aplicação. Assim, a demonstração de que possíveis danos podem ser causados ou mesmo que atos anteriores particularmente graves impedem a reintegração. A incompatibilidade pode surgir de diversas formas como ofensas, constrangimentos morais ou mesmo desrespeito a dignidade da pessoa humana, fazendo com que estas formas sejam capazes de convencer o Judiciário Trabalhista que o retorno ao emprego se tornou impraticável. É importante ser ressaltado que a conservação do emprego é um direito supremo que deve ser respeitado, assim o que trata o presente trabalho não é a não concessão da reintegração, mas sim a ponderação dos motivos que levaram a dispensa para assim verificar se há a possibilidade do obreiro retornar ao emprego sem mais conflitos. Assim sendo, não sendo cabível a devida reintegração o obreiro deverá perceber todas as verbas que vinha recebendo durante o pacto laboral até o fim de sua estabilidade, este sim uma correta e justa indenização. Para o professor Otávio Calvet em seu artigo A Estabilidade da Doméstica Gestante: Reintegração Forçada? a empregada domestica gestante fica implícita a impossibilidade do uso da reintegração, uma fez que a nas relações domésticas a pessoalidade que é uma das características da relação de emprego, torna-se mais forte que nas demais relações. E assim sendo seria praticamente impossível forçar uma reintegração para pessoas que se encontram com uma relação abalada. Segundo o doutrinador supracitado a gestante domestica pode pleitear imediatamente a indenização sem pedidos alternativos, essa devendo ser a regra para a doméstica. Entende ainda brilhantemente que:

12 12 Nesse caminho, os valores a serem protegido pelo lado do empregador não podem autorizar que ocorra a dispensa da empregada gestante, mas justificam a não reintegração. Seria no mínimo estranho imaginar-se uma decisão judicial impondo o retorno da empregada doméstica ao trabalho em ambiente de extremo constrangimento, onde a família não mais suporta a presença de um estranho a testemunhar seus fatos mais íntimos, o que levaria à inimaginável situação dos próprios integrantes da família começarem a evitar o uso da residência em função da presença da empregada reintegrada. Nem se fale no problema da desconfiança porque passará o empregador, deixando para a empregada reintegrada após litígio judicial afazeres como o preparo da comida, o cuidado com crianças, a limpeza de banheiros, a lavagem de roupas etc. 9 No próximo capítulo, serão estudadas todas as verbas que deverão integrar computo das verbas indenizatórias, para assim, solidificar o direito do empregado a uma indenização justa e digna. IV. Verbas Integrantes do Cálculo da Indenização A sentença que condena o empregador ao pagamento de indenização deve ter um efeito retroativo, ex tunc, abrangendo toda a situação vivida pelo obreiro, restabelecendo deste modo, o status quo ante. A empresa deverá ser condenada ao pagamento dos salários até o fim da estabilidade juntamente com as demais vantagens que recebia enquanto esteve laborando. Essa indenização deve envolver: horas extras frequentemente trabalhadas, adicional de insalubridade ou periculosidade, adicional noturno, enfim, todas as verbas recebidas durante a permanência do pacto laboral. 9 Trecho retirado do artigo A Estabilidade da Doméstica Gestante: Reintegração Forçada?

13 13 Este entendimento deve ser adotado em decorrência da punição dada ao empregador que dispensa um empregado estável, isto posto, a indenização deve abranger não somente os salários, mas também todas as verbas que compunham seu salário. Assim sendo, já que a indenização tem caráter compensatório em função das perdas e danos sofridos pelo autor devem ser abrangidos também neste cálculo: o fundo de garantia por tempo de serviço, o 13, as férias, horas extras e adicionais pagos com habitualidade. Entretanto, ainda há decisões que se distanciam do moderno entendimento supramencionado. Vejamos: ESTABILIDADE DIRIGENTE SINDICAL EMPRESA SEM ATIVIDADE O que se verifica nos autos é que a empresa, atualmente, está parada. Mas isso, por si só, não afeta o direito do dirigente sindical de perceber os salários que teria direito até o término de sua estabilidade. O artigo 496 da CLT é expresso quanto à possibilidade de converter a reintegração em indenização. Nesse sentido inclusive a Orientação Jurisprudencial n. 116 da SDI.. (TRT 17ª R. RO (1971/2002) Rel. Juiz Helio Mário de Arruda DOES ) A nobre doutrinadora Alice Monteiro de Barros entende que haveria o direito a indenização utilizando como base a remuneração percebida pelo empregado, exceto no caso do adicional de insalubridade. O período estabilitário constitui garantia de emprego. Logo, obstado o implemento do direito pelo empregador, a ele incumbe o ônus de indenizar o empregado com base na remuneração percebida, como se em exercício estivesse. Entretanto, não pode o adicional de insalubridade compor a base de cálculo da indenização alusiva à estabilidade, posto que, nesse período, o empregado não manteve contato com agente agressivo capaz

14 14 de autorizar o adicional correspondente (inteligência do art. 194 da CLT). BASE DE CÁLCULO DA INDENIZAÇÃO - ESTABILIDADE - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. (TRT-AP-5491/00-2ª T. - Rel. Juíza Alice Monteiro de Barros - Publ. MG ) Porém deve ser levado em consideração que a reparação por perdas e danos pela não concessão da reintegração tem caráter indenizatório e em assim sendo deve abranger todas as verbas que o obreiro vinha recebendo ao longo do tempo que permaneceu trabalhando. Já existem entendimentos nesse mesmo sentido: EMENTA: GESTANTE. ESTABILIDADE PROVISÓRIA. BASE DE CÁLCULO DA INDENIZAÇÃO. Ao determinar a conversão da estabilidade provisória da gestante em pecúnia, o juízo deve assegurar à trabalhadora indenização que contemple todos os direitos relativos ao período estabilitário. Provido o apelo para ampliar a base de cálculo da indenização, com a inclusão das parcelas de 13o. salários, férias proporcionais acrescidas de 1/3, FGTS e multa de 40%, adicional de produtividade e quebra de caixa. ( Belo Horizonte, 15/02/2007. Juíza Taisa Macena de Lima) ESTABILIDADE. INDENIZAÇÃO COMPENSATÓRIA O deferimento de indenização compensatória de estabilidade abrange não somente os salários vencidos e vincendos, mas todas as demais verbas devidas por força da relação de trabalho, inclusive férias, acrescidas de 1/3, e saláriofamília. (Salvador, 20/09/2007. Juiz relator Rodolfo Pamplona Filho) A súmula 396, I do TST utiliza o termo salários, contudo este deve ser entendido de forma ampla abrangendo todas as parcelas pagas pelo empregador.

15 15 Deste modo, deve ser considerado para o cálculo da indenização, todas as verbas que tenham natureza salarial. A intenção dessa indenização substitutiva é dar novamente o direito a que o empregado teria se estivesse trabalhando, assim, deve ser recompensado com os valores aos quais faria jus, se estivesse laborando. A indenização enseja a restituição integral do estado primitivo, uma vez que, os efeitos desta decisão devem retroagir até o momento da prática do ato da dispensa, fazendo jus à remuneração, não somente aos salários. 6 região. Compartilha deste entendimento o professor Sergio Torres Teixeira, juiz da Devem ser incluídos na respectiva reparação, destarte, não apenas os valores correspondentes aos salários mensais e eventuais 13º salários do período de afastamento, mas também todos os demais títulos remuneratórios (incluindo, assim, gorjetas) habitualmente percebidos e que o empregado despojado deixou de perceber durante o respectivo período, devidamente atualizado monetariamente e com os juros legais, considerando ainda os eventuais reajustes concedidos para a categoria. Devem ser inseridas nos respectivos cálculos, de igual forma, as utilidades usualmente concedidas a título de salário in natura, mas suprimidas quando do afastamento, devem ser consideradas na apuração do montante indenizatório. Mesmo verbas extraordinárias, mas habituais, como as horas extraordinárias percebidas com regularidade, pois, devem ser incluídas nos respectivos cálculos. 10 O empregado injustamente despedido deve ser reparado na íntegra pelos prejuízos financeiros sofridos durante o afastamento. Devem ser abrangidos também créditos mesmo que não possuam natureza remuneratória como participações nos lucros da empresa ou gratificações. 10 Trecho retirado do artigo Conseqüências da Invalidação da Dispensa de Empregado: Distinções entre Reintegração no Emprego e Readmissão do Empregado.

16 16 Estes créditos são devidos não por seu caráter remuneratório, mas sim como uma forma de punição ao empregador que de forma injusta foi dispensado apesar de estar protegido pelo manto da estabilidade provisória. É importante ser ressaltado que os valores da indenização devem ser calculados também como os depósitos do FGTS, pois são devidos da mesma forma como se empregado ainda estivesse na empresa. Para alguns doutrinadores, planos de saúde que eram pagos e foram suspensos em virtude da dispensa devem ser computados na hipótese do empregado ter estado doente nesse período e enfrentou gastos extras com médicos. O que se visa é uma forma de assegurar ressarcimento integral dos prejuízos pelos quais o empregado enfrentou com a dispensa imotivada e arbitrária. Portanto, entender de forma diferente ao exposto fere princípios trabalhistas como o princípio da proteção ao trabalhador hipossuficiente, da primazia da realidade, da boa-fé e da razoabilidade. V. Conclusões O instituto da estabilidade jurídica no campo das relações de trabalho adveio com o intuito de restringir o direito de despedir do empregador. A estabilidade jurídica objetiva assegurar ao funcionário o direito de retornar ao labor em caso de afastamento ilegal. Entretanto, o que percebemos na realidade que mesmo havendo previsão legal, esta não é respeitada ocorrendo freqüentemente à dispensa de estáveis sem justa causa.

17 17 Ocorrendo a dispensa imotivada, o empregador será compelido a reintegralo, ou até mesmo a pagar uma indenização, correspondente aos salários até o fim da estabilidade. Esta indenização pode ser considerada como um direito de todo empregado estável, quando afastado de forma irregular ou mesmo quando for caracterizado a dispensa abusiva. A composição do cálculo do respectivo ressarcimento, na hipótese de inexistente de falta grave, abrange não somente os salários correspondentes ao período do afastamento, como prevê o artigo 496 da CLT, mas sim a remuneração que recebia antes da dispensa como também a quaisquer reajustes concedidos à categoria. Este entendimento traduz uma forma de garantir ao empregado uma reparação realmente completa e justa, sendo devidos não apenas os salários, mas também créditos de natureza não remuneratória, posto que certamente seriam pagos caso o funcionário ainda estivesse em seu labor. Assim, devem fazer parte do montante pecuniário a ser pago como reparação devida, até mesmo vantagens de quaisquer natureza que foram pagas a qualquer outro empregado o qual labora no mesmo cargo, ou seja, todas e quaisquer prerrogativas inerentes. Fazer a interpretação literal da súmula 396 do TST pode parecer um entendimento simples para a sociedade empresária, porém para um trabalhador estável dispensado sem uma justa indenização fará muita diferença. Perceber somente os salários ou todas as verbas a que faria jus enquanto estivesse laborando acarreta uma diferença em valores pecuniários muito grande para um trabalhador desempregado. Entender contrariamente a esta súmula é preservar trabalhadores que após sofrer um dispensa arbitrária, está desempregado e por muitas vezes até mesmo passando necessidades.

18 18 Conclui-se assim que a indenização deve ser concebida como o restabelecimento completo do estado funcional primitivo, do qual o empregado fora irregularmente privado, caracterizando, desta forma, o ressarcimento completo de todos os direitos e vantagens correspondentes ao período de afastamento. VI. Referências BARROS, Alice Monteiro. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. - São Paulo: LTr, CARRION, Valentin. Comentários à consolidação das leis do trabalho. 33 ed. - São Paulo: Saraiva, DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, GARCIA, Roni Genicolo. Manual de rotinas trabalhistas. 3 ed. São Paulo: Atlas, GOMES, Orlando e Élson Gottschalk. Curso de direito do trabalho Rio Janeiro: Forense, MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. - São Paulo: Atlas, PINTO, Raymundo Antônio Carneiro. Súmulas do TST Comentadas. 10 ed. São Paulo: LTr, SILVA, De Plácito e. Vocabulário Jurídico. 20 Ed. Rio de Janeiro, 2002.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Reintegração de funcionário - Folha

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Reintegração de funcionário - Folha 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Reintegração de Funcionários Definição... 4 3.2 Efeitos da Reintegração

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Sumário Introdução I - Contribuição previdenciária II - FGTS e demais verbas trabalhistas III - Rescisão contratual IV - Entendimentos

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO. 80h 6º

DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO. 80h 6º DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO 0258 Direito do Trabalho II PROFESSOR(A) Profa.Esp. Denise de Fátima G.F.S. Farias 80h 6º Terça-feira 20h50min às 22h30min Sexta-feira 20h50min

Leia mais

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 1.1 NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1.1.1 Teoria do Direito Público... 19 1.1.2 Teoria do Direito

Leia mais

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da EMPREGADA GESTANTE Trabalho elaborado por IVALDO KUCZKOWSKI, advogado especialista em Direito Administrativo e Consultor de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. 001 A garantia de emprego à gestante

Leia mais

Súmario. Súmario 5 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 11 CAPÍTULO II SUJEITOS DA RELAÇÃO DE TRABALHO... 77 QUESTÕES... 77

Súmario. Súmario 5 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 11 CAPÍTULO II SUJEITOS DA RELAÇÃO DE TRABALHO... 77 QUESTÕES... 77 Súmario 5 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 11 APRESENTAÇÃO À 2ª EDIÇÃO... 13 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO... 15 QUESTÕES... 15 1. Parte histórica... 15 2. Interpretação e integração...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 17 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO... 19 QUESTÕES...

APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 17 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO... 19 QUESTÕES... Sumário 7 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 17 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO... 19 QUESTÕES... 19 1. Parte Histórica... 19 2. Interpretação e Integração... 29 3. Fontes... 36 4.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS:

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PREFEITOS DE DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTOS: O FGTS E A CONVERSÃO DO REGIME CELETISTA PARA O ESTATUTÁRIO. DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE ESTABILIDADE ESTABILIDADE DEFINITIVA X ESTABILIDADE PROVISÓRIA (GARANTIA DE EMPREGO) DIRIGENTE SINDICAL Art. 8, VIII CF + Art. 543, 3º CLT + Súmula 369 TST Tanto titulares como SUPLENTES (dirigentes sindicais)

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS Hélcio Luiz Adorno Junior. Juiz do Trabalho em São Paulo Prof. de Direito Processual do Trabalho no curso da LEX-APAMAGIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

1. Histórico: 2. Conceito:

1. Histórico: 2. Conceito: Estabilidade e FGTS 1. Histórico: A primeira norma que efetivamente tratou da estabilidade no setor privado foi o Decreto nº 4682, de 24/01/1923, a chamada Lei Eloi Chaves. A CLT, de 1943, disciplinou

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos DTLS - Direito do Trabalho e Legislação Social Período Letivo 2013 - Anual

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS REPERCUSSÕES DECORRENTES DO USO DE TELEFONE CELULAR POR EMPREGADO

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS REPERCUSSÕES DECORRENTES DO USO DE TELEFONE CELULAR POR EMPREGADO SOARES, Flaviana Rampazzo. Breves considerações a respeito das repercussões decorrentes do uso de telefone celular por empregado. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2337, 24 nov. 2009. Disponível em:

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista.

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista. A C Ó R D Ã O 8ª Turma DCBM/phb AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO ESPONTÂNEO. TRABALHO EM ALTURA. Em razão de provável caracterização de ofensa ao art.

Leia mais

Petições Trabalhistas 3.0

Petições Trabalhistas 3.0 Contestações 1. Contestação - ação de cobrança de contribuição sindical 2. Contestação - ação rescisória trabalhista 3. Contestação - adicional de insalubridade - limpeza de banheiro - empresa 4. Contestação

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

Introdução ao Direito do Trabalho. Capítulo 4. Princípios do Direito do Trabalho. Capítulo 2. Fontes do Direito do Trabalho

Introdução ao Direito do Trabalho. Capítulo 4. Princípios do Direito do Trabalho. Capítulo 2. Fontes do Direito do Trabalho Sumário Capítulo 1 Introdução ao Direito do Trabalho 1.1. Conceito e denominação 1.2. Característica 1.3. Divisão 1.4. Natureza 1.5. Autonomia 1.6. Evolução no Brasil Capítulo 2 Princípios do Direito do

Leia mais

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS SAMIRA MARQUES HENRIQUES 1 RESUMO: O presente trabalho tem a pretensão de contribuir para a discussão a cerca do Princípio específico do Direito

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 Disciplina: Direito do Trabalho I Departamento: Direito Social e Coletivo Docente Responsável: Anselmo Domingos da Paz Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br Interrupção e Suspensão do Contrato de Trabalho A interrupção e a suspensão do contrato de

Leia mais

1.1. Intervalo intrajornada é o descanso concedido dentro da própria jornada de trabalho. (1)

1.1. Intervalo intrajornada é o descanso concedido dentro da própria jornada de trabalho. (1) MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1.Artigos Correlatos 1.1. O intervalo intrajornada como hora extra 2.Simulados 1.ARTIGO CORRELATO Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante advogado, professor de Direito

Leia mais

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 101 REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 1 INTRODUÇÃO Rodrigo Ribeiro Bueno* Os reflexos das parcelas trabalhistas

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I No dia 16 de novembro de 2008, 94.808 candidatos prestaram o concorrido concurso público para os cargos de analista judiciário

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Dirceu Medeiros Direito do Trabalho

Dirceu Medeiros Direito do Trabalho Dirceu Medeiros Direito do Trabalho Aulão EVP TRT-PE 6ª Região Assuntos em percentual de possibilidade Provas de Direito do Trabalho Princípios, Fontes e Generalidades do Direito do Trabalho 3,8% Proteção

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho I Professora: Cláudia Glênia JUR: 3231 MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

TERMO DE AUDIÊNCIA S E N T E N Ç A

TERMO DE AUDIÊNCIA S E N T E N Ç A TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 18 dias do mês de setembro de dois mil e nove, às 17h40, na sala de audiências desta 2ª Vara do Trabalho de Criciúma, SC, sob a titularidade do MM. Juiz do Trabalho Dr. JOSÉ LUCIO

Leia mais

A EXTINÇÃO DO ESTABELECIMENTO E A ESTABILIDADE 1

A EXTINÇÃO DO ESTABELECIMENTO E A ESTABILIDADE 1 1 A EXTINÇÃO DO ESTABELECIMENTO E A ESTABILIDADE 1 Michel Olivier Giraudeau A extinção do estabelecimento do empregador é uma alteração em sua atividade produtiva, que muitas vezes decorre da iniciativa

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS PEÇA PROCESSUAL: OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS OAB 2ª ETAPA PRÁTICA TRABALHISTA Caros amigos e alunos do Pro Labore, Primeiramente, gostaria de externar a minha satisfação quanto

Leia mais

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA CONTRATO DE EXPERIÊNCIA O contrato de experiência é uma modalidade do contrato por prazo determinado, cuja finalidade é a de verificar se o empregado tem aptidão para exercer a função para a qual foi contratado.

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE Weliton José da Silva Balduino 1 Rafaella Gil Almeida 2 INTRODUÇÃO Historicamente, a mulher sempre desempenhou atividades, seja, no lar, nas atividades agrícolas familiares

Leia mais

Estabilidade e Garantia de Emprego:

Estabilidade e Garantia de Emprego: AULA 9 Estabilidade e Garantia de Emprego: A CLT inicialmente previa o pagamento de uma indenização ao empregado sempre que este fosse despedido sem justa causa, sendo que após dez anos de serviço a empresa,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso Funcionário Preso 15/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Informação Sefip... 5 4. Conclusão... 6 5. Referências...

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST)

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST) TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST) Alain Alpin MacGregor Advogado Em nosso ordenamento positivo, não existe lei

Leia mais

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exceção ao princípio da continuidade, ao trato

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel de direito pela

Leia mais

(67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 &RQFHLWR

(67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 &RQFHLWR (67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 5RGULJR&RLPEUD $GYRJDGRHP3RUWR$OHJUH56 &RQFHLWR "Estabilidade é o direito do trabalhador de permanecer no emprego, mesmo contra a vontade do empregador, enquanto existir

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945 EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945 CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DISCUSSÃO ANALISADA NO RECURSO ESPECIAL NÚMERO 1.322.945-DF.. 4 3 NÃO INCIDÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Curso DIREITO Disciplina DIREITO DO TRABALHO I D 07 HERMENÊUTICA JURÍDICA (MATRIZ 2008/01) Introdução ao Direito do

Leia mais

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 O secretário de relações do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, com atuação em Brasília

Leia mais

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE:

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos termos da ABNT. Obs.: tema livre; obrigatória

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Conceito e Histórico dez anos de serviço estabilidade decenal direito de optar

Conceito e Histórico dez anos de serviço estabilidade decenal direito de optar Bom dia a todos! No nosso último encontro falamos de forma geral sobre as mais recentes alterações relativas ao empregado doméstico. Trataremos aqui de forma mais específica sobre o Fundo de Garantia por

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ADICIONAL NOTURNO - PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO O adicional noturno é devido ao empregado que trabalha a noite no período biológico em que a pessoa deve dormir. É no período noturno que o organismo humano

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO RECORRENTE(S): RECORRIDO(S): SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA AUGUSTO SILVA EMENTA: ESTABILIDADE DECENAL. OPÇÃO PELO REGIME DO FGTS. PERÍODO ANTERIOR À OPÇÃO. INDENIZAÇÃO. DIREITO ADQUIRIDO. A opção pelo regime

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO

AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO Vólia Bomfim Cassar 1. Histórico: O aviso prévio prévio teve sua origem no direito civil e comercial e sempre foi devido nas extinções unilaterais dos contratos.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS.

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. CARACTERÍSTICAS Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. O FGTS consiste em recolhimentos pecuniários mensais feitos pelo empregador em uma

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória A contribuição previdenciária só incide sobre o salário (espécie) e não

Leia mais

SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO

SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO 1. Introdução Nos termos do art. 1º da Lei nº 4.375/64, o Serviço Militar consiste no exercício de atividades especiais desempenhadas nas Forças Armadas, ou seja

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO 1 3ª VARA DO TRABALHO DE UBERLÂNDIA Processo 0001325-66.2012.503.0103 Recte PAULA DAIANE SILVA GONÇALVES Recdos - 1) ALGAR TECNOLOGIA E CONSULTORIA S/A 2) TEMPO SERVIÇOS LTDA AUDIÊNCIA DE JULGAMENTO Aos

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO. 5ª SÉRIE A e B: NOTURNO

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO. 5ª SÉRIE A e B: NOTURNO FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO 5ª SÉRIE A e B: NOTURNO PROFESSORA: MARIA CLAUDIA SANTANA LIMA DE OLIVEIRA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO SÉRIE: 5 ANO A e B TURMAS: NOTURNO CARGA HORÁRIA

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Contratado pela empresa Clínica das Amendoeiras, em razão de uma reclamação trabalhista proposta em 12.12.2012 pela empregada Jussara Péclis (número 1146-63.2012.5.18.0002,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO PROCESSO nº 0001042-63.2013.5.12.0004 RECORRENTE: ROSANGELA ALVES DE SOUZA MARCELO RECORRIDO: LOJAS RENNER SOCIEDADE ANONIMA

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho O fundamento da fixação da jornada de trabalho é de ordem tríplice, senão vejamos: de ordem social, no sentido

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR Tomi Lee Gando, brasileiro, casado, técnico eletricista, portador de CTPS n. 01010, série 010, inscrito no PIS sob o n. 010.010.010-10

Leia mais

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO A Constituição Federal assegura aos trabalhadores aviso prévio proporcional ao tempo de serviço de no mínimo trinta dias nos termos da lei. Passados

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais