Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas"

Transcrição

1 OFÍCIO CIRCULAR N.º 004/2010/S/SUBG/CGP/CAP Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de Assunto: Padroniza procedimentos administrativos no âmbito dos Órgãos locais de Recursos Humanos Senhor(a) Diretor(a), Para proporcionar aos Órgãos locais de Recursos Humanos as condições funcionais para a realização com qualidade das suas ações típicas, oportunizando aos profissionais o conhecimento das respectivas atribuições, esta Coordenação de Administração de Pessoas apresenta o presente documento, que tem por finalidade dar suporte ao gerenciamento dos processos da área de Gestão de Pessoas, pela apresentação das informações necessárias ao desempenho eficiente, eficaz e efetivo de suas funções. PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS 1. Designação para Função Gratificada artigo 4º, da Lei nº. 94, de 14/03/1979 combinado com artigo 37, inciso V, da Constituição Federal. Dos dispositivos legais acima apresentados depreende-se que somente os servidores municipais ocupantes de cargo efetivo podem exercer Função Gratificada. Portanto, servidores celetistas, aposentados ou servidores federais, estaduais ou de outros municípios não podem exercer Função Gratificada. Uma vez publicada a designação em Diário Oficial Resolução do Secretário Municipal de Saúde e Defesa Civil, o servidor deverá comparecer à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, situada à Rua Afonso Cavalcanti nº. 455, bloco I, sala 615 Cidade Nova, para o exercício da Função Gratificada, quando deverá ser apresentada a cópia da Declaração de Bens e Direitos da Pessoa Física entregue à Receita Federal. Caso o servidor detenha outro vínculo público, deverá ser encaminhado à A/CSRH/Coordenadoria de Administração de Recursos Humanos para análise de sua situação no que tange à Acumulação de Cargos.

2 A designação para Função Gratificada será tornada sem efeito, quando o exercício, por omissão do designado, não ocorrer no prazo 30 (trinta) dias contados a partir da publicação do ato de designação, pelo órgão oficial. 2. Nomeação para Cargo em Comissão artigo 11, da Lei nº. 94, de 14/03/1979. Segundo o artigo 37, inciso II, da Constituição Federal, a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, ressalvadas as nomeações para Cargo em Comissão declarado em Lei de livre nomeação e exoneração. É permitido ao servidor aposentado, mesmo compulsoriamente, exercer Cargo em Comissão, desde que seja considerado apto em inspeção médica, que precederá sua posse. Uma vez publicada a nomeação em Diário Oficial Resolução SMSDC, Resolução CASA CIVIL ou Decreto do Prefeito, o nomeado deverá comparecer à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, situada à Rua Afonso Cavalcanti nº. 455, bloco I, sala 615 Cidade Nova, para posse no Cargo em Comissão, quando deverá ser apresentada a cópia da Declaração de Bens e Direitos da Pessoa Física entregue à Receita Federal. Caso o nomeado detenha outro vínculo público, deverá ser encaminhado à A/CSRH/Coordenadoria de Administração de Recursos Humanos para análise de sua situação no que tange à Acumulação de Cargos. A nomeação para Cargo em Comissão será tornada sem efeito, quando a posse, por omissão do nomeado, não ocorrer no prazo 30 (trinta) dias contados a partir da publicação do ato de nomeação, pelo órgão oficial de acordo com o disposto no artigo 12 da Lei nº 94, de 14/03/ Posse em cargo efetivo artigo 15 e 16, da Lei nº. 94, de 14/03/1979. Posse é o ato que completa a investidura em cargo público. Para que a posse seja efetuada, é necessário cumprir-se os seguintes requisitos: I nacionalidade brasileira; II idade mínima de dezoito anos, salvo no caso do 4º, do artigo 14;

3 III quitação com as obrigações eleitorais; IV quitação com as obrigações militares; V bons antecedentes; VI boa saúde, comprovada em inspeção médica realizada por órgão oficial do Município, admitida a incapacidade física parcial, na forma que a lei estabelecer; VII habilitação prévia em concurso público, nos casos previstos nesta lei; VIII declaração sobre se detém outro cargo, função ou emprego em entidade pública ou privada ou se percebe proventos de inatividade; IX inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do Ministério da Fazenda; X cumprimento das condições especiais previstas em lei ou regulamento para determinados cargos, inclusive habilitação legal específica para seu exercício. O prazo para posse é de 30 (trinta) dias, a contar da publicação do provimento, e poderá ser prorrogado por mais 60 (sessenta) dias, a pedido do interessado, a critério da Administração. 4. Exercício artigo 24, da Lei nº. 94, de 14/03/1979. O exercício no cargo efetivo terá início no prazo de 30 (trinta) dias a contar da posse. Será exonerado ex-officio o funcionário que não entrar em exercício no referido prazo, cabendo ao Órgão Setorial comunicar à A/CSRH/CAD tal ocorrência, a fim de que sejam adotadas as medidas cabíveis. É importante que essa comunicação seja providenciado tão logo se completem os 30 dias, a fim de agilizar a liberação da vaga para chamada de novos candidatos. 5. Cômputo de 30 (trinta) faltas consecutivas. Quando o servidor completar 30 (trinta) faltas consecutivas, caberá ao responsável pelo Órgão local de Recursos Humanos providenciar, no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, a comunicação de tal fato à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, conforme estabelecido na Resolução SMA nº. 774/93. A comunicação deverá ser acompanhada, além da documentação de praxe, da xerocópia do cartão de ponto e dará origem ao processo de Comunicação de Faltas.

4 6. Cômputo de 60 (sessenta) faltas interpoladas. Se o servidor, num período de 12 (doze) meses, completar 60 (sessenta) faltas interpoladas, caberá ao responsável pelo Órgão local de Recursos Humanos providenciar, no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, a comunicação de tal fato à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal. A comunicação deverá ser acompanhada das cópias dos cartões de ponto, nos quais as faltas estejam registradas, e dará origem ao processo de comunicação de 60 faltas interpoladas. Importante: O descumprimento das providências descritas nos itens 5 e 6 sujeitará o responsável às penas disciplinares previstas no artigo 174 da Lei nº. 94, de 14/03/ Férias. O gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal é garantido ao servidor público através do artigo 7º, inciso XVII, combinado com o artigo 39, ambos da Constituição Federal. O servidor gozará 30 (trinta) dias ininterruptos de férias por ano, de acordo com a escala organizada pela chefia da Unidade Administrativa onde estiver lotado, a qual deverá ser encaminhada ao Órgão local de Recursos Humanos, para fins de registro no cartão de ponto pela letra F e implantação no Sistema ERGON. Para marcação do período de gozo das férias é necessário que o período aquisitivo (P.A.) de férias, correspondente a 12 (doze) meses de efetivo exercício, esteja completo, nos moldes do que dispõe a Resolução SMA nº. 851/96. O P.A. de férias é gerado automaticamente pelo Sistema ERGON, não havendo necessidade de lançamento manual no Sistema, salvo em situações excepcionais que serão resolvidas pela S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal. Somente o período de gozo das férias é que será lançado manualmente no Sistema ERGON. Quando da anotação, no cartão de ponto, do período de gozo das férias deverá ser registrado também o P.A. a que se refere. O gozo de férias deverá ter início e término dentro do mesmo ano civil. As férias só poderão ser interrompidas por imperiosa necessidade de serviço. Somente os períodos de férias adquiridos até 15/12/1998 e não gozados poderão ser computados em dobro para fins de aposentadoria.

5 No que se refere ao celetista, é imprescindível a marcação de suas férias dentro do prazo estipulado pela CLT, ainda que de forma compulsória, ou seja, o gozo das férias deverá ocorrer durante o período concessivo, que corresponde aos 12 (doze) meses imediatamente posteriores ao período aquisitivo (a marcação das férias deverá ocorrer até o 11º mês do período concessivo, para que o gozo não ultrapasse o marco final desse período). Do contrário a Administração terá que arcar com o pagamento em dobro das férias, ficando o respectivo Órgão de Recursos Humanos responsável pela omissão sujeitos às penalidades do artigo 174 da Lei nº. 94, de 14/03/ Férias Especiais. Os servidores que exercem atividades diretamente e permanente com Raios-X e substâncias radioativas farão jus a 20 (vinte) dias consecutivos de férias por semestre de efetivo exercício. As férias especiais não poderão ser acumuladas. Não fazem jus ao referido benefício os servidores que ficam expostos ocasionalmente a irradiações, bem como aqueles que, por qualquer motivo, estejam afastados do exercício de suas atribuições, ressalvada a hipótese de licença para tratamento de saúde ou gestante. O servidor afastado de suas atribuições só poderá voltar a usufruir o gozo de 20 (vinte) dias consecutivos de férias por semestre, decorridos 6 (seis) meses de efetivo exercício em atividades direta com Raios-X ou substâncias radioativas. As férias especiais deverão ser registradas no cartão de ponto indicando o semestre a que se referem. Apesar de serem concedidas em dois semestres, somente em um deles haverá a percepção do terço constitucional. 9. Substituição de Chefia artigos 32 a 34 da Lei nº. 94, de 14/03/1979. Este tema está regulamentado nos Decretos nº /2004 e nº /2005. O substituído deverá ser ocupante de cargo ou função de Direção. Já o substituto deverá ser ocupante de Cargo em Comissão ou Função Gratificada, cujo símbolo ou nível seja imediatamente inferior ao do substituído, na hierarquia do órgão.

6 Na hipótese de inexistência de símbolo ou nível imediatamente inferior, responderá pela substituição o Titular do Órgão ao qual o substituído estiver diretamente subordinado. Poderá também figurar como substituto o servidor ocupante de cargo ou função de Direção de mesmo nível hierárquico dentro da estrutura da Secretaria ou entidade, desde que sem ônus para o Tesouro Municipal. A substituição será remunerada quando igual ou superior a 30 (trinta) dias, cabendo ao substituto, ultrapassado o referido prazo, solicitar o pagamento da fidúcia, por meio de processo administrativo. 10. Exoneração artigos 26 e 60 da Lei nº. 94, de 14/03/1979. Dar-se-á exoneração: a pedido ou ex-officio. Será exonerado ex-officio o funcionário que não entrar em exercício no prazo de 30 (trinta) dias, a contar da posse. Na hipótese de exoneração a pedido, o interessado deverá dirigir-se à A/CSRH/CAD (Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455, Anexo, 10º andar, ala A Cidade Nova), portando os seguintes documentos: Certidão de nada consta, expedida pelo PREVI-RIO (Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455, Anexo, 11º andar Cidade Nova); Cópia da carteira de identidade; Certidão de nada consta, expedida pela Superintendência das Comissões de Inquérito Administrativo (Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455, Anexo, 9º andar, ala A Cidade Nova). 11. Falecimento. Em caso de falecimento do servidor, caberá ao representante do Órgão de Recursos Humanos encerrar o Cartão de Ponto, promovendo os registros pertinentes, extraídos da Certidão de Óbito. Em seguida, encaminhar cópia da referida certidão à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal e orientar à família do falecido a comparecer à A/CSRH/CAD, para fins de abertura do processo de encerramento de folha, e encaminhamento ao PREVI-RIO para requerimento de pensão.

7 Os registros no ERGON relativos ao falecimento, bem como a retirada de pagamento serão providenciados pela A/CSRH/CAD, de posse da cópia da Certidão de Óbito. Para abertura do processo de encerramento de folha são necessárias as cópias dos documentos abaixo relacionados: Certidão de óbito; Certidão de Casamento ou comprovante de convivência marital; Certidão de nascimento do(s) filho(s), se houver, ou documento de identidade do(s) mesmo(s), se for o caso. 12. Penalidades artigos 174 a 184 da Lei nº. 94, de 14/03/1979. Das penalidades sofridas pelo funcionário, são registradas no cartão de ponto as relativas à: SUSPENSÃO, MULTA e DEMISSÃO. No que se refere à ADVERTÊNCIA, a aplicação se dá de forma verbal (artigo 176), e quanto à REPREENSÃO, o procedimento é efetuado por escrito (artigo 177). A penalidade de SUSPENSÃO é registrada com a letra S, em vermelho, abrangendo todos os dias relativos à penalidade e anotados os dados referentes ao ato punitivo no campo Observações. Caso o funcionário esteja legalmente afastado, quando de sua edição, a mesma será cumprida após o término do afastamento. Por fim, em caso de DEMISSÃO, o Cartão de Ponto deverá ser encerrado no dia correspondente a sua publicação, com as anotações relativas ao número do Decreto, a data da publicação e o número do processo administrativo. 13. Remoção artigo 30 da Lei nº. 94 de 14/03/1979. Remoção é o deslocamento do funcionário de um para outro órgão e processar-se-á ex-officio ou a pedido do funcionário, atendidos o interesse e a conveniência da Administração. A remoção será realizada, mediante Portaria da S/SUBG/Coordenadoria de Gestão de Pessoas, cabendo ao Secretário Municipal de Administração efetuá-la de uma para outra Secretaria ou órgão equivalente.

8 Os servidores removidos deverão ser apresentados à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal no prazo de 07 (sete) dias corridos, a contar da data de publicação do ato no Diário Oficial, conforme previsão contida na Portaria P S/SUBG/CRH nº. 95 de 18/06/2009, publicado no D.O. Rio de 22/06/2009. Os interessados deverão comparecer aquela Gerência munidos de 2 (duas) vias do Ofício de apresentação, com frequência atualizada até o dia em que receber o documento e informações quanto ao gozo de férias, mencionando a data do D.O. em que saiu a publicação da remoção. Ato contínuo, o Órgão de Recursos Humanos encaminhará o Cartão de Ponto à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, via expediente, no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis. Já em relação aos processos administrativos em nome do servidor removido, estes poderão ser encaminhados diretamente pela Unidade de origem à Unidade de destino. Além das hipóteses de remoção, a Unidade que recebe o servidor também deverá encaminhar à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal o Boletim de Lotação (Bol. 16), em virtude reassunção (por abandono, licença sem vencimentos), posse, etc. Desnecessário, portanto, a sua emissão apenas nos casos de nomeação ou designação para Cargo em Comissão ou Função Gratificada. Nas hipóteses de reassunção, seja por abandono ou de licença sem vencimentos, caso o servidor não compareça à Unidade no prazo de 24h da data de expedição do Ofício de apresentação, ou não inicie suas atividades no dia consignado, deverá ser enviado o original do Ofício ou mesmo a sua 3º via, constando no verso a informação de que o servidor não se apresentou no prazo, assinado pelo Diretor da Unidade ou substituto legal, para que seja descaracterização a reassunção. 14. Amparo Gestacional 4º, do artigo 101, da Lei nº. 94 de 14/03/1979. Quem pode pedir A servidora gestante, que se encontre com idade gestacional de, no mínimo, 5 (cinco) meses, não necessite de licença para tratamento de saúde e julgue haver necessidade de adequar suas funções ao seu estado. Como fazer A servidora deverá comparecer à A/CSRH/CVS/Gerência de Perícias Médicas com a documentação a seguir relacionada e solicitar uma avaliação pericial para

9 comprovar que não existe necessidade de licença médica, para que possa dessa forma ser concedido o amparo. Que documentos levar 1. Boletim de Inspeção Médica (BIM), em uma via, devidamente preenchido, assinado e carimbado pela chefia imediata; 2. Documento de identidade original, expedido por órgão público, ou cópia autenticada e em bom estado, que permita a identificação fotográfica; 3. Último contracheque; 4. Documentação comprobatória da idade gestacional (laudo médico, ultrasonografia, etc); 5. Ofício de apresentação, com a freqüência dos últimos três meses, até o último dia de permanência na Unidade. Importante: Por se tratar de uma remoção temporária, imediatamente ao término do Amparo Gestacional, a servidora deverá ser formalmente apresentada à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, a fim de que seja reapresentada à sua Unidade de origem. 15. Servidores cedidos. A frequência dos servidores cedidos à Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil deverá ser encaminhada à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, até o dia 26 de cada mês. Sempre que tiver um afastamento de servidor cedido, encaminhar a CREM junto com a freqüência. 16. Boletim de Lotação. O Órgão local de Recursos Humanos deverá encaminhar à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, Boletim de Lotação (Bol. 16), quando receberem servidores, em virtude de remoção, reassunção (por abandono, licença sem vencimentos, e

10 para acompanhar cônjuge), posse etc. Não necessitando a confecção de Boletim de Lotação nos casos de nomeação ou designação para chefia; 17. Licença Gestante - 1º e 2º, do artigo 101, da Lei nº. 94 de 14/03/1979. A funcionária gestante será concedida, mediante inspeção médica, licença com vencimentos integrais, pelo prazo de 04 (quatro) meses. A licença será concedida a partir do início do oitavo mês de gestação, salvo prescrição médica adversa. A funcionária que encontrar-se em plena atividade laboral até o dia anterior ao parto, deverá entregar no seu Órgão local de Recursos Humanos, a cópia reprográfica da Certidão de Nascimento do seu filho, oportunidade que encaminharão à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal para a implantação do afastamento no Sistema de através do encaminhamento da cópia da Certidão de Nascimento 18. Salário-família artigo 137 a 142, da Lei nº. 94 de 14/03/1979. É o auxílio-pecuniário especial concedido pelo Município ao funcionário, como contribuição ao custeio das despesas de manutenção de sua família. Conceder-se-á salário família ao funcionário: 1. pela esposa que não exerça atividade remunerada; 2. pelo esposo que, por motivo de invalidez, não exerça atividade remunerada; 3. por filho menor de 21 (vinte e um) anos, que não exerça atividade remunerada; 4. por filho inválido; 5. por filho estudante que freqüente curso superior e que não exerça atividade remunerada até a idade de 24 (vinte e quatro) anos; 6. pela filha solteira sem economia própria que viva as expensas do funcionário; 7. pelo ascendente sem rendimento próprio que viva a expensas do funcionário. Compreende-se como filho de qualquer condição, inclusive o enteado e o menor que, mediante autorização judicial, viva sob a guarda e sustento do funcionário. Quando o pai e a mãe forem ambos funcionários do Município e viverem em comum, o salário-família será concedido ao pai; se não viverem em comum, ao que tiver os

11 dependentes sob sua guarda; e se ambos os tiverem, de acordo com a distribuição dos dependentes. A cada dependente relacionado corresponderá uma cota de salário-família. 19. Salário-família tríplice artigo 140, da Lei nº. 94 de 14/03/1979. Por ocasião da concessão do benefício deverá ser autuado processo no protocolo correspondente ao seu órgão de lotação, o qual será encaminhado para a S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, que, após conferência da documentação submeterá o administrativo à Gerência de Perícias Médicas que de acordo com a natureza permanente ou transitória da patologia ou invalidez diagnosticada, poderá estabelecer a permanência do benefício, ou se prescindirá de novo exame pericial. Documentos Necessários: 1. requerimento padrão; 2. certidão de nascimento; 3. laudo médico assinado pelo especialista que assiste o portador de deficiência, patologia ou filho inválido, contendo descrição do estado de saúde do paciente, bem como prognóstico de sua evolução, não podendo ser anterior a 15 (quinze) dias da data de formulação do pedido. A autenticidade do laudo será demonstrada mediante a identificação profissional de seu subscritor, com o respectivo número de registro no Conselho Regional de Medicina, devendo ainda, a assinatura ser acompanhada de atestado público de firma reconhecida; 4. certidão autenticada de curatela para filhos maiores de 21 anos. O pedido de prorrogação dos benefícios deverá ser entregue na S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, sempre com a antecedência de 15 (quinze) dias em relação ao prazo final da concessão que se pretende renovar. 20. Licença-avô Decreto nº , de 17 de junho de Quem pode pedir: O servidor que for avô materno.

12 Como fazer: O servidor deverá entregar a cópia da certidão de nascimento de seu neto ao seu órgão local de RH, para que seja providenciada uma planilha que será encaminhada à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal, que após analisar a documentação, irá implantar o adiantamento de 07 (sete) dias de suas férias para acompanhar seus netos recém-nascidos. Importante: Excluem-se desse benefício os servidores que se encontram em procedimento disciplinar. 21. Cartões de Ponto. Em virtude de intercorrências sinalizadas por algumas Unidades e nas visitas técnicas realizadas pela equipe da, detectamos a necessidade de alertarmos as Direções de Unidade, para que mantenham os Cartões de Ponto disponíveis para assinatura durante todo o expediente da Unidade, a fim de que o servidor possa cumprir com sua obrigação de assinatura e garantir seus direitos. No caso de Unidade que funciona com plantão noturno, sugerimos, que os Cartões de Ponto fiquem disponíveis para assinaturas junto às Chefias Imediatas dos servidores para que não haja omissões de assinaturas vindo a gerar futuros descontos por pontos perdidos. Como nosso cartão de ponto não possui horário de entrada e saída, cabe às Chefias Imediatas, comunicarem aos Responsáveis pelo Órgão local de Recursos Humanos, as ocorrências de impontualidades ou assinaturas indevidas. 22. Licença para Tratamento de Saúde Servidores Municipais Participantes do Plano de Saúde do Servidor Municipal (PSSM) Resolução SMA nº 1415 de 21/05/2008 Os servidores inscritos em uma das operadoras habilitadas junto ao Plano de Saúde do Servidor Municipal PSSM, quando acometidos de patologia que requeira o afastamento temporário do trabalho, poderão apresentar diretamente ao Órgão local de Recursos Humanos da respectiva Unidade de lotação, no prazo de até 02 dias úteis a contar do início da licença, atestado emitido por médico integrante da rede própria ou credenciada da respectiva operadora, objetivando a concessão da licença para tratamento de saúde, pelo prazo de até 90 (noventa) dias. Importante: Atestados que não deverão ser aceitos pelos gestores de RH:

13 1. Com período de afastamento para tratamento de saúde superior a 90 (noventa) dias; 2. Para afastamento de tratamento de saúde originário de acidente de trabalho, doença de familiares do servidor, licença aleitamento e licença maternidade; 3. Relativos a um segundo afastamento do servidor num período de 60 (sessenta) dias após a alta, ainda que seja pela mesma patologia que causou o afastamento inicial; 4. Concedidos com Licenças iniciadas até 03 dias úteis antes de feriados ou imediatamente após os mesmos, devendo o servidor ser encaminhado à A/CSRH/CVS/Gerência de Perícias Médicas; 5. Com concessão de afastamento com data retroativa, a licença sempre deverá ser a partir da data do comparecimento do servidor na unidade Médica, cabendo ao Órgão Pericial a avaliação de tal retroação. Como o Órgão local de Recursos Humanos deve proceder: Receber o atestado médico, observando os apontamentos acima, sinalizando o dia do recebimento; Providenciar Planilha de Afastamento com posterior encaminhamento à S/SUBG/CGP/CAP/Gerência de Pessoal para fins de registro da Licença no Sistema Informatizado ERGON. Aproveitamos o ensejo para renovar votos de elevada consideração e estima. LEONARDO SOUTO DE CASTILHO Coordenador

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

A Secretaria Municipal de Administração é o Órgão Central do Sistema Municipal de Administração.

A Secretaria Municipal de Administração é o Órgão Central do Sistema Municipal de Administração. 1. Sistema Municipal de Administração O Sistema Municipal de Administração, instituído pela Lei n o 3.789, de 29 de junho de 2.004, regulamentada pelo Decreto n o 24.749, de 27 de outubro de 2004, é composto

Leia mais

Deveres, Direitos e Vantagens do Servidor Público Municipal

Deveres, Direitos e Vantagens do Servidor Público Municipal Deveres, Direitos e Vantagens do Servidor Público Municipal Expediente Organização das informações Leonardo Souto de Castilho Conceito de Funcionário Público Funcionário público é a pessoa legalmente investida

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público:

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público: SERVIDOR PÚBLICO São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que têm vínculo de trabalho com a Administração Municipal, seja direta ou indireta, mediante remuneração paga pelos cofres

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Onde obtenho informações sobre aposentadoria? Resposta: No site da Secretaria Municipal de Administração (www.rio.rj.gov.br/sma), na parte destina a Serviços, há uma seção chamada Aposentadoria: Quanto

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº 02/2011 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

Coordenação Geral: Eliane Bastos Martins. Realização: José Hamilton Maldonado

Coordenação Geral: Eliane Bastos Martins. Realização: José Hamilton Maldonado 1 COORDENADORIA GERAL DO SUBSISTEMA DE RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Coordenação Geral: Eliane Bastos Martins Realização: José Hamilton Maldonado Colaboração: Alexandre

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 Índice Como tramita o processo...6 e 7 Abono Pecuniário... 8 Abono de Permanência... 8 Aposentadoria... 9 Auxílio Funeral...10 Auxílio Natalidade...11 Averbação

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

ALTERAÇÕES NO LAYOUT DE PESSOAL PARA 2014. Samuel Guimarães Leal Superintendência de Gestão Técnica SGT

ALTERAÇÕES NO LAYOUT DE PESSOAL PARA 2014. Samuel Guimarães Leal Superintendência de Gestão Técnica SGT ALTERAÇÕES NO LAYOUT DE PESSOAL PARA 2014 Samuel Guimarães Leal Superintendência de Gestão Técnica SGT Agenda Dados Cadastrais (ADP/CAD) Quadro de Cargos (QDR) Folha de Pagamento (REM/DES) Identificação

Leia mais

EXPEDIENTE. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra. Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena

EXPEDIENTE. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra. Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena 1 EXPEDIENTE Prefeitura Municipal de Fortaleza Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão Secretário: Philipe

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO AJUDA DE CUSTO Cód.: ADC Nº: 19 Versão: 6 Data: 22/09/2014 DEFINIÇÃO Indenização concedida ao servidor público, que, no interesse da Administração, passar a ter exercício em nova sede, com mudança de domicílio,

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 A Superintendência de Administração de Recursos Humanos/SEDUC, em consonância com a política de gestão e valorização de pessoas, desenvolvida pela Secretaria de Estado da Educação,

Leia mais

Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455 Bloco I Sala 615 Cidade Nova RJ CEP: 20.211-901 Telefone: (0xx21) 2504-2952 / 2503-2025 FAX: (0xx21) 2293-9437

Rua Afonso Cavalcanti, nº. 455 Bloco I Sala 615 Cidade Nova RJ CEP: 20.211-901 Telefone: (0xx21) 2504-2952 / 2503-2025 FAX: (0xx21) 2293-9437 APRESENTAÇÃO Este documento tem como finalidade orientar os Serviços de Protocolos Locais e Órgãos Locais de Recursos Humanos na tarefa de formalizar, instruir e dar prosseguimento aos requerimentos de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1 SALÁRIO-MATERNIDADE Conceito O salário maternidade é um direito constitucional destinado à gestante agente pública vinculada compulsoriamente ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), pelo período

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU Nº 378 DE 9 DE AGOSTO DE 2010

PORTARIA PGR/MPU Nº 378 DE 9 DE AGOSTO DE 2010 PORTARIA PGR/MPU Nº 378 DE 9 DE AGOSTO DE 2010 Regulamenta o Programa de Estágio no âmbito do Ministério Público da União e da Escola Superior do Ministério Público da União e dá outras providências. O

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez.

1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez. 1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez. 2. Base Legal e Normativa 2.1. Art. 40, 1º, inciso II, da Constituição

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Data 1 BIM Boletim de Inspeção Médica Nome JOÃO DA SILVA Matrícula 10/012.345-6 Diretoria SMSDC Faltando ao serviço? SIM Cargo Agente de Administração Divisão S/SUBPAV,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 610 5 Súmula: Aprova o Manual de Perícia Médica dos servidores da Administração Direta e Autárquica do Poder Executivo. A Secretária

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO

COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO Agenda Horário Assunto Palestrante 8:00h às 8:30h Abertura da Reunião pelo Secretário da SEPOG Philipe Nottingham 8:30h às 9:30h Apresentação do Processo de Aposentadoria nova

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM. 50.05.009 1/7 1. FINALIDADE Regulamentar os procedimentos relacionados à programação, reprogramação e homologação de férias dos servidores da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

CARTILHA DO IPC. Aline Alves de Araújo Fabiana G. Lima Nogueira Revisão da Cartilha Diretor Técnico Previdenciário: Francisco José Carlos

CARTILHA DO IPC. Aline Alves de Araújo Fabiana G. Lima Nogueira Revisão da Cartilha Diretor Técnico Previdenciário: Francisco José Carlos CARTILHA IPC CARTILHA DO IPC Diretoria Executiva o Diretora Presidente: Ilca Rodrigues Barcellos o Diretor Técnico Previdenciário: Francisco José Carlos o Diretor Administrativo - Financeiro: Paulo Roberto

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Estado de São Paulo

Prefeitura do Município de Carapicuíba Estado de São Paulo EDITAL Nº 0005/2011 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO A Comissão Permanente de Acompanhamento de Processos Seletivos do Município de Carapicuíba, nomeada pelo Decreto Municipal n.º 3.918 de 30 de setembro

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação. LUIZ CARLOS DE ALMEIDA CAPELLA Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação. LUIZ CARLOS DE ALMEIDA CAPELLA Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos PORTARIA SUBRE/SEPLAG Nº. 012, DE 26 DE MAIO DE 2008. DO 29/05/2008 APROVA AS ROTINAS-PADRÃO REFERENTES À VACÂNCIA E BENEFÍCIOS DO PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR, NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL,

Leia mais

www.cuiaba.mt.gov.br

www.cuiaba.mt.gov.br www.cuiaba.mt.gov.br COLABORADORES DA PERÍCIA MÉDICA SETOR MÉDICO: Dr. george salvador brito alves lima - assessor téc. em perícia médica dr. jaime pereira frank - assessor téc. em perícia médica SETOR

Leia mais

LEI Nº 94 DE 14 DE MARÇO DE 1979

LEI Nº 94 DE 14 DE MARÇO DE 1979 LEI Nº 94 DE 14 DE MARÇO DE 1979 Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos do Poder Executivo do Município do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS Palestra Tema: Formalização de Processo Administrativo na Gestão de Pessoas Aposentadoria é a contraprestação assistencial por serviços prestados, nos termos da

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos.

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. LEI Nº 0881/1998 Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou, e eu, Jaime Guzzo, Prefeito de Dois Vizinhos, sanciono a seguinte,

Leia mais

INFORMATIVO DO SERVIDOR

INFORMATIVO DO SERVIDOR INFORMATIVO DO SERVIDOR APOSENTADORIA ATENDIMENTO AUXÍLIO-CRECHE AUXÍLIO-FUNERAL AUXÍLIO-RECLUSÃO BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CALENDÁRIO DE PAGAMENTO CONTRACHEQUE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DECLARAÇÃO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA LEI N.º 1.402 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1975. Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos do Município de Indaiatuba. ROMEU ZERBINI, Prefeito Municipal de Indaiatuba, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 Versão: 02 Aprovação em: 20/10/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SRH: Sistema Recursos

Leia mais

Município do Rio de Janeiro LEGISLAÇÃO: ESTATUTO DO SERVIDOR MUNICIPAL LEI 94 / 1979. Professora Claudete Pessôa.

Município do Rio de Janeiro LEGISLAÇÃO: ESTATUTO DO SERVIDOR MUNICIPAL LEI 94 / 1979. Professora Claudete Pessôa. Município do Rio de Janeiro LEGISLAÇÃO: ESTATUTO DO SERVIDOR MUNICIPAL LEI 94 / 1979 Professora Claudete Pessôa (todos os cargos) www.superprofessores.com.br ADQUIRA JÁ O CURSO ON LINE ESTATUTO DOS SERVIDORES

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 Institui o Estatuto dos Servidores Públicos do Quadro Geral de Pessoal do Município de Belo Horizonte vinculados à administração direta, (VETADO)

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº. 01/2012 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO TÍTULO I DOS ASSOCIADOS Art.1º. Os associados distribuem-se pelas seguintes categorias: I - fundadores:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr LEI Nº. 1054/2013 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º PROVIMENTO ART. 8º Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º Significa o preenchimento de um cargo público, consubstanciado mediante ato administrativo de caráter funcional, pois o ato é que materializa ou formaliza

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

Informações sobre Aposentadoria

Informações sobre Aposentadoria MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Departamento do Serviço Exterior Informações sobre Aposentadoria Departamento do Serviço Exterior Divisão de Pagamentos Esplanada

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

CARTILHA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

CARTILHA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA GERAL DO SUBSISTEMA DE RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CARTILHA DO SERVIDOR

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE XANXERÊ SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE XANXERÊ SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE XANXERÊ SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EDITAL N 001/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE EXCEPCIONAL INTERESSE

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

CARTILHA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

CARTILHA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA GERAL DO SUBSISTEMA DE RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CARTILHA DO SERVIDOR

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA 1-OBJETIVO Estabelecer critérios e uniformizar os procedimentos relativos à programação de férias, garantindo o funcionamento adequado das atividades

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição

Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição Belo Horizonte 2015 Introdução O material aqui apresentado foi baseado na legislação e orientações de serviço vigentes

Leia mais

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS Na página 115, onde se lê: 31. Pelo menos cinquenta por cento dos cargos em

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL.

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL. Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

Seção de Recursos Humanos E-mail: recursos-humanos@fepagro.rs.gov.br Fones: (51) 3288.8076 ou 3288.8043

Seção de Recursos Humanos E-mail: recursos-humanos@fepagro.rs.gov.br Fones: (51) 3288.8076 ou 3288.8043 Seção de Recursos Humanos E-mail: recursos-humanos@fepagro.rs.gov.br Fones: (51) 3288.8076 ou 3288.8043 Janeiro/2012 1 Í N D I C E ITEM PÁGINA Abono Família 10 Abono Permanência 11 Acidente de Serviço

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Regulamenta o processo de remoção de Servidores Técnico-Administrativos,

Leia mais

Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90

Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90 Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90 De 11 de Outubro de 1990 "Dispõe sobre o Regime Jurídico Único dos servidores públicos do Município, das autarquias e das fundações municipais." O Prefeito

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO 14º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO 001/2013

RETIFICAÇÃO DO 14º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO 001/2013 RETIFICAÇÃO DO 14º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO 001/2013 1. DA CONVOCAÇÃO E NOMEAÇÃO 1.1. O Prefeito Municipal de Cametá no uso de suas atribuições legais, e em cumprimento ao disposto no item

Leia mais

CAPITULO I Disposições Preliminares

CAPITULO I Disposições Preliminares Portaria Unesp nº 499, de 06 de novembro de 2006. Estabelece normas relativas a Exames Médicos de Saúde Ocupacional, Exames Médico-Periciais e Exames de Juntas Médicas, de observância no âmbito da Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI COMPLEMENTAR Nº. 474 De 22 de junho de 2006. Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Ourinhos e dá outras providências. A Câmara Municipal de Ourinhos, aprovou em sessão do

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais