Férias. Conceito. Períodos Aquisitivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Férias. Conceito. Períodos Aquisitivos"

Transcrição

1 Férias Conceito Férias é um período anual de descanso remunerado, com duração prevista em Lei e acrescido de 1/3 da remuneração por ocasião do seu usufruto. As férias são concedidas ao servidor depois de completado o período aquisitivo. Períodos Aquisitivos A concessão do primeiro período aquisitivo dar-se-á, a partir da data da posse do servidor, quando o mesmo completar 365 dias de exercício no cargo. O segundo período aquisitivo, por sua vez, tem início no dia seguinte ao término do primeiro e finaliza no último dia do ano de início do referido período aquisitivo. Para os servidores regidos pela CLT e Admitidos em Emprego de Natureza Temporária - ACT, o período aquisitivo é conquistado depois de 365 dias a contar da data de início do contrato. Para o servidor inativo designado membro do Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública - CTISP, todo período aquisitivo é conquistado sempre após 365 dias a contar da data da publicação de sua designação. Usufruto Para o Servidor da Administração Direta, Autarquias e Fundações do Poder Executivo Estadual, excetuando-se os servidores regidos pela Lei nº 6843/86 (Estatuto da Polícia Civil do Estado de Santa Catariana) e Lei. nº 6844/86 (Estatuto do Magistério Público do Estado de Santa Catariana), é concedido um período de 30 dias de férias, facultado o gozo em 2 períodos, sendo que nenhum deles pode ser inferior a 10 dias consecutivos e o interstício entre os períodos deverá conter necessariamente dias trabalhados. Já o servidor membro do Magistério tem direito de até 60 dias de férias por ano e o usufruto deve coincidir com o recesso escolar. Garantido o gozo mínimo de 30 dias contínuos de férias anuais, o membro do magistério pode, durante o recesso escolar, ser convocado para participar de atividades relacionadas com suas funções. Por sua vez o servidor do magistério que não estiver em exercício em estabelecimento de ensino, terá de 30 dias continues de férias, segundo a escala previamente organizada. Lei nº 6844/86.

2 O servidor do quadro da Polícia Civil tem direito a 30 dias consecutivos de férias por ano, segundo a Lei nº 6843/86. O servidor ocupante de cargo em comissão sem vínculo efetivo ou ocupante apenas de função técnica gerencial no Poder Executivo, somente poderá usufruir férias depois de completado o primeiro período aquisitivo, ou seja, depois de 12 meses de efetivo exercício a partir da data de posse. Não poderão ser concedidas férias ao servidor em Licença para Tratamento de Saúde - LTS ininterrupta em razão da incapacidade para o trabalho. Gratificação de férias A gratificação de férias corresponde ao acréscimo de 1/3 do valor da remuneração do mês do usufruto, ocorrendo o pagamento no mês anterior à concessão do usufruto, estando condicionada ao usufruto da mesma. Na hipótese do servidor da Administração Direta, Autarquias e Fundações do Poder Executivo Estadual ter optado por 2 períodos de férias, por ocasião do primeiro período das férias, será pago ao servidor, independente de solicitação, o acréscimo constitucional de 1/3 da remuneração no período de férias. Os servidores e professores em exercício nas unidades ou estabelecimentos de ensino da SED e da FCEE perceberão a remuneração acrescida de 1/3 de férias no mês de início do usufruto das férias. Estando a gratificação de férias condicionada ao seu usufruto, haverá quando da aposentadoria, exoneração ou demissão, pagamento integral da mesma quando o servidor efetivo ou ocupante apenas de cargo em comissão, função técnica gerencial ou função gratificada, houver usufruído no mínimo 10 dias consecutivos de férias. No mês de usufruto de suas férias, o servidor não receberá o pagamento de gratificação pela participação em comissão de licitação ou de comissão que tenha ressalva na legislação específica. Particularidades O membro do magistério da SED, UDESC, FCC e FCEE, que estiver afastado por motivo de licença de saúde no mês de janeiro, é assegurado o direito ao usufruto da mesma em período posterior, preferencialmente em período de recesso escolar, segundo as necessidades e conveniência dos referido órgão ou entidades, conforme disposto no Parecer nº 027/99 da Procuradoria Geral do Estado - PGE. Os servidores nomeados para cargo efetivo na Administração Direta, Autárquica e Fundacional do Poder Executivo Estadual, que sejam oriundos do Tribunal de Contas do Estado, do Ministério Público Estadual, da Defensoria Pública do Estado, da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, da Polícia Militar de Santa Catarina, Bombeiro Militar de Santa Catarina e os servidores do Poder Judiciário Estadual, tem

3 direito à concessão de férias considerando o tempo de serviço anterior, desde que não tenha ocorrido interstício (intervalo) entre o antigo cargo e aquele para o qual foi nomeado. O servidor que retornar de licença ou afastamento não remunerado, de afastamento aguardar aposentadoria ou de disposição sem ônus para o Poder Executivo, somente poderá usufruir férias depois de completado um novo período aquisitivo, ou seja, após 12 meses de efetivo exercício a partir da data de retorno. É vedada a acumulação de usufruto de férias. A exceção a essa regra se dará por imperiosa necessidade de serviço do policial civil, que poderá acumular no máximo dois períodos aquisitivos. Quando isso for necessário, a chefia imediata do servidor deverá comunicar oficialmente o setorial da SSP sobre os motivos do não usufruto na data prevista. O servidor não perde o direito ao usufruto das férias previstas para o exercício, se existir período aquisitivo, quando do retorno de Licença para Tratamento de Saúde -LTS ou Licença por Motivo de Doença em Pessoa da Família - LPF, desde que ao término do usufruto não ocorra novo afastamento por inaptidão para o trabalho ou para tratar de pessoa da família. O ocupante de Cargo em Comissão - CC, Função Técnica Gerencial -FTG, Função Gerencial - FG ou servidor que desenvolve atividade técnica específica de natureza jurídica, não poderá assinar documentos relativos ao exercício do cargo ou função quando em usufruto de férias. O servidor perderá o direito a férias relativas ao período de afastamento para freqüentar curso quando a licença for de período integral. Escala de férias O servidor poderá usufruir férias em qualquer mês do ano, obedecendo ao critério de proporcionalidade e à escala anual de férias elaborada em conjunto com o Gerente/Diretor da área e, aprovada pelo Setorial/Seccional do órgão ou entidade de exercício. Quando o número de servidores que optarem por usufruto de férias exceder a proporcionalidade estabelecida para o órgão/entidade que é de 1/12 em janeiro e de 6/12 em fevereiro, deverão ser observados os critérios de concessão estabelecidos na Instrução Normativa em vigor, conforme a ordem que segue: quem irá completar 70 anos; quem estiver cumprindo o interstício aposentatório; maior tempo de serviço público estadual; maior número de dependentes menores de 14 anos; assiduidade.

4 Os servidores do Grupo Segurança Pública Polícia Civil, em decorrência da Operação Veraneio a proporção é de 1/9 nos meses de janeiro e fevereiro. Poderão ser adotados outros critérios em razão da peculiaridade do órgão/entidade, desde que os mesmos sejam conhecidos por todos. Está vedado o critério de sorteio de concessão de férias. Quando do encaminhamento anual da escala de férias às diretorias/gerências (unidades organizacionais) do órgão/entidade, o setorial/seccional deverá orientar sobre a sua elaboração: a escala anual de férias, a ser organizada na unidade organizacional, deverá conciliar o interesse da Administração Pública e do servidor, observando a eficácia, a eficiência, a efetividades e a relevância dos serviços prestados durante o exercício subseqüente; exceto para unidades organizacionais específicas ou para órgãos/entidades que possuem férias coletivas ou dotação orçamentária própria, a proporcionalidade estabelecida na Instrução Normativa em vigor deverá ser respeitada nos meses de janeiro e fevereiro de cada ano. o servidor que não programar as suas férias estará sujeito a perda do direito ao usufruto; As escalas de férias dos servidores ocupantes do cargo de Contador da Fazenda Estadual, lotados na SEF e em exercício como primeiros ou segundos titulares nas unidades administrativas de controle interno dos órgãos e entidades do Poder Executivo serão elaboradas pela DCOG/SEF e, após, encaminhadas aos setoriais/seccionais. A escala de férias dos Procuradores do Estado lotados em Florianópolis será elaborada pelo Procurador- Chefe do respectivo órgão de execução central e deliberadas pelo Subprocurador Geral do Contencioso. As escalas de férias dos Procuradores do Estado lotados nos órgãos de execução regionais serão elaboradas pelo Corregedor Geral e deliberadas pelo Subprocurador Geral do Contencioso. A escala de férias dos Procuradores do Estado lotado nas Procuradorias Regionais deverá considerar as eventuais necessidades de designações para substituições entre estas. Estão excluídos da proporcionalidade estabelecida para janeiro e fevereiro servidores lotados na Administração do Porto de São Francisco do Sul - APSFS, Departamento de Transportes e Terminais - DETER, Junta Comercial do Estado de Santa Catarina - JUCESC, Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC e Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina - IPREV, por possuírem autonomia financeira; servidores em exercício na Procuradoria Geral do Estado - PGE;

5 servidores em exercício no Centro Educacional Dom Jaime de Barros Câmara, da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho e Habitação - SST; servidores em exercício na Diretoria da Academia de Polícia Civil - ACADEPOL e Diretoria de Formação e Capacitação Profissional, ambas da Secretaria de Estado da Segurança Pública - SSP; servidores em exercício na Diretoria da Escola Penitenciária, Gerência de Recrutamento e seleção, Gerência de Ensino e Formação e Gerência da Escola Penitenciária; professores e servidores da Secretaria de Estado da Educação - SED em exercício nas unidades ou estabelecimentos de ensino; professores e servidores da Fundação Catarinense de Educação Especial - FCEE, em exercício nos centros e núcleo das gerências da sede, que executam atividades da área de ensino; professores e servidores da Fundação Catarinense de Cultura - FCC em exercício na Escola de Artes; servidores em exercício na Diretoria do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania - SJC; pessoal civil da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina - PCPM/SC em exercício na Academia da Polícia Militar; servidores da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca - SAP em exercício na Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina - CIDASC e Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina - EPAGRI; servidores em exercício na Escola de Saúde Pública e Escola Nível Médio - EFOS, ambas da Secretaria de Estado da Saúde - SES; servidores designados julgadores de processos fiscais, conselheiros titulares e suplentes das câmaras de julgamento, e servidores em exercício no Tribunal Administrativo Tributário - TAT/SC, da Secretaria de Estado da Fazenda - SEF; servidores em exercício na Fundação Catarinense de Esporte - FESPORTE; servidores em exercício na Gerência de Educação - GERED da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional - SDR. Particularidade da UDESC O Professor Colaborador, admitido em caráter temporário na UDESC, tem direito às férias remuneradas, com usufruto no mês de janeiro de cada ano depois de decorrido 1 ano da admissão vigente.

6 Quando não completado o período aquisitivo de 1 ano para concessão e pagamento da gratificação de férias, fica assegurado ao Professor Colaborador ACT da UDESC o pagamento de férias proporcionais, na base de 1/12 por mês de efetivo exercício nos termos do contrato vigente, a ser efetuado juntamente com a retribuição pecuniária do último mês trabalhado. Alteração da programação de férias O servidor pode solicitar, com a anuência da gerência/diretoria da área, somente uma alteração da data de usufruto das suas férias, desde que seja até o 5º dia útil do mês anterior ao previsto na escala de férias organizada. Sustação do usufruto das férias A sustação consiste no ato de cancelar integralmente o usufruto não iniciado das férias e devolver aos cofres públicos os valores recebidos com a gratificação de férias. A sustação de férias com a devolução da gratificação de férias será efetuada com a anuência do titular ou dirigente do órgão ou entidade ou quando da existência de afastamento com data de início igual ou anterior a do usufruto, devendo ser solicitada antes do início do usufruto, quando será definida, obrigatoriamente, a nova data de usufruto no exercício atual. A sustação prevista no parágrafo anterior, para os órgãos e entidades usuários do Sistema Integrado de Recursos Humanos SIRH, será processado pela Gerência de Acompanhamento e Normatização da Gestão de Pessoas GAPES, da Diretoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoal DGDP/SEA, mediante solicitação pelo devendo atender, ainda, a situação em que o servidor já solicitou o usufruto. Para os órgãos e entidades usuários do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos SIGRH, será processada pelo setorial ou seccional. Suspensão do usufruto de férias Entende-se por suspensão o retorno ao exercício das atividades no período restante de usufruto previamente estabelecido em escala de férias.

7 Estando o servidor em usufruto de férias, as mesmas não poderão ser suspensas a não ser por motivo de calamidade pública, comoções internas, convocação para júri, serviço militar ou eleitoral ou por motivo de superior interesse público, justificada a imperiosa necessidade pela gerência ou diretoria imediata com o de acordo do titular ou dirigente do órgão ou entidade, devendo, obrigatoriamente, ser solicitada durante o período de usufruto até o processamento do teste da folha, quando será definida a nova data de início do período restante. Ocorrendo a suspensão das férias por todo o período ainda existente, a mesma não confere direito à averbação do período suspenso, devendo ser oportunizado ao servidor a reprogramação do usufruto do saldo de férias, obrigatoriamente, até o dia 31 de dezembro do referido exercício.ocorrendo a suspensão após o 10º dia de usufruto, não haverá devolução da gratificação de férias. Em havendo suspensão das férias por período menor que o saldo de dias remanescentes, e em existindo concordância do servidor, as férias serão retomadas com o acréscimo dos dias em que ficou suspensa. A discordância do servidor sobre a retomada das férias deverá ser comunicada por escrito à gerência de gestão de pessoas do órgão. As férias não poderão ser suspensas Se no curso das mesmas o servidor casar ou falecer algum dos parentes no qual a legislação resguarda afastamento remunerado, ficando o prazo de afastamento legalmente previsto para essas ocorrências absorvidas no período concessório em curso; Se o casamento ou falecimento ocorrer nos últimos dias de férias, o servidor terá direito ao afastamento correspondente ao número de dias que faltarem para completar o prazo da ausência. Não haverá suspensão das férias para o servidor que venha a ser acometido de doença ou que ocorra doença em família, prevalecendo o primeiro afastamento. Suspensão para a servidora em Licença para Repouso à Gestante A licença-gestação prevalece sobre os demais afastamentos. A servidora gestante que tenha concessão de licença-gestação durante o usufruto das férias, tem o restante do usufruto oportunizado, obrigatoriamente, a partir do dia subsequente ao término da licença-gestação. O período de férias suspenso pela licença-gestação não admitirá parcelamentos quando de sua retomada.

8 Não iniciado o usufruto de férias e sobrevindo licença-gestação, o período regular de férias, seguinte à licença, deverá ser usufruído sem parcelamento de seu conteúdo e subseqüentemente à licença-gestação. Em estando no gozo da licença-gestação e sobrevindo novo período de férias, poderá a servidora reprogramar estas, se admitindo apenas nessa situação, a conjugação de dois períodos de férias em um mesmo exercício. Procedimentos Administrativos Setorial/Seccional Anual Emitir o relatório de Escala de Férias no SIGRH (Afastamentos - Férias - Emitir Escala/Pesquisar Férias não Programadas), no mês de outubro de cada exercício. Encaminhar o relatório às diretorias/gerências (unidades organizacionais) do órgão/entidade, com orientação sobre a sua elaboração. Conferir os relatórios com as informações quando do retorno das unidades organizacionais, a fim de verificar o cumprimento da proporcionalidade fixada e a existência de ratificação pelos servidores e diretores/gerentes. Inexistindo assinatura do servidor concordando com o período de usufruto das férias, devolver o relatório para que seja anexada ao mesmo, pelo diretor/gerente da área, a justificativa. Inexistindo carimbo e assinatura do diretor/gerente da área, devolver o relatório para que seja atendida solicitação de ratificação. Inexistindo atendimento a proporcionalidade estabelecida para janeiro e fevereiro, devolver o relatório à unidade organizacional para retificação. Registrar, impreterivelmente, até o processamento da prévia da folha de pagamento de dezembro, as férias no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Programação Coletiva de Férias/Individual). Quando do registro o servidor é informado automaticamente pelo registrado no SIGRH sobre a inclusão Registrar, impreterivelmente, até o processamento da prévia da folha de pagamento do mês de janeiro, as férias programadas na escala e com usufruto no exercício atual. Arquivar o relatório Escala de Férias. Emitir no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Programação Coletiva de Férias/Individual), após o registro de toda a escala de férias ou no início do mês de janeiro do próximo exercício, relatório da

9 programação anual das férias por unidade organizacional e encaminhar às diretorias/gerências, para conhecimento, acompanhamento e/ou controle. Emitir no SIGRH (Afastamentos - Férias - Emitir Escala/Pesquisar Férias não Programadas), até o mês de novembro de cada exercício, o relatório de servidores que não possuem programação de férias e que perderão o período conquistado se não acontecer o início de usufruto até 31 de dezembro. O relatório deverá ser encaminhado à unidade organizacional de lotação do servidor, cabendo ao diretor/gerente comunicar o servidor. As comunicações e notificações devem ser realizadas para o pessoal institucional (PAE) ou, na ausência deste, para o cadastrado no SIGRH, salvo as situações onde está determinado expressamente o contrário. Mensal Emitir no SIGRH (Afastamentos - Férias - Emitir Aviso de Férias) os avisos de férias a serem encaminhados às unidades organizacionais para entrega aos servidores. O Aviso de Férias deverá ser encaminhado ao servidor no segundo mês anterior ao início do usufruto. Situação eventual (servidor sem período aquisitivo) Constatado a ausência de período aquisitivo de férias para o servidor, ocorrido por inexistir o mesmo no SIRH (Módulo 06) quando da migração de dados para o SIGRH, deverá ser solicitado a GAPES, por a inclusão. Informar na solicitação a matrícula do servidor, a data de início e fim do período aquisitivo e a data de início da fruição/usufruto. Alteração da programação de férias Recepcionar via institucional, o formulário específico digitalizado de requerimento alteração de férias conferindo se consta a anuência do diretor/gerente da área. Observar, nos meses de janeiro e fevereiro, a proporcionalidade e a disponibilidade prevista para o órgão/entidade, bem como a existência ou não de solicitação anterior em nome do mesmo servidor sobre alteração do usufruto do exercício. Sendo as férias programadas na escala para o mês subseqüente, receber a solicitação até o 5º dia útil do mês anterior, conferindo se consta a anuência do diretor/gerente da área. Sendo INDEFERIDO: manifestar o motivo no formulário e comunicar o servidor pela devolução do mesmo, via .

10 Sendo DEFERIDO: registrar a alteração no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Férias Individuais) até a data do processamento da prévia da folha de pagamento do mês anterior a do início do usufruto; emitir o despacho final no formulário e armazenar no SIGRH; encaminhar o formulário digitalizado ao servidor solicitante, para conhecimento, via institucional. Arquivar o formulário no setorial/seccional. Quando do registro de licença para repouso a gestante, o usufruto das férias com início programado para o período da licença, é automaticamente alterado pelo SIGRH. O período restante é reprogramado para iniciar no dia subseqüente ao término da licença. Sustação do usufruto das férias (solicitação do diretor/gerente da área) Recepcionar via institucional, o formulário de requerimento de sustação de férias digitalizado, conferindo o preenchimento e a justificativa do diretor/gerente da área sobre a imperiosa necessidade de ser sustada (cancelamento integral do usufruto) às férias do servidor programadas e ainda não iniciadas. Deverá constar no formulário a anuência do titular/dirigente do órgão/entidade. Sendo INDEFERIDO: manifestar o motivo no formulário e devolvê-lo ao diretor/gerente da área via Sendo DEFERIDO: registrar a nova data de início do usufruto das férias no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Férias Individuais); manifestar o despacho final no formulário e armazenar no SIGRH encaminhar o formulário digitalizado ao diretor/gerente da área, via da diretoria/gerência, que deverá comunicar o servidor sobre o deferimento e de que na próxima folha de pagamento haverá a devolução integral dos valores pagos da gratificação de férias, caso a suspensão ocorra até o décimo dia do usufruto. Arquivar o formulário no setorial/seccional Quando do registro de licença para repouso a gestante, o usufruto das férias é automaticamente cancelado pelo SIGRH, sendo reprogramado para iniciar no dia subseqüente ao término da licença. Não há nesta situação a devolução dos valores pagos a título de gratificação.

11 Alteração e suspensão do usufruto das férias (GEPEM/DSAS/SEA) Recepcionar via institucional, o formulário de requerimento de alteração/suspensão/sustação de férias pela GEPEM/DSAS/SEA digitalizado, conferindo se a data de início da licença é anterior ou igual a data de início das férias programadas. Sendo INDEFERIDO Manifestar o motivo no formulário e devolvê-lo à GEPEM via . Sendo DEFERIDO: Registrar a nova data de início do usufruto das férias no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Férias Individuais); manifestar o despacho final no formulário e armazenar no SIGRH; encaminhar o formulário digitalizado à GEPEM, via da mesma, com cópia para o do diretor/gerente da área do servidor, para conhecimento e comunicação ao servidor sobre o deferimento e de que na próxima folha de pagamento haverá a devolução integral dos valores pagos da gratificação de férias. Arquivar o formulário no setorial/seccional Suspensão do usufruto de férias Recepcionar via institucional, o formulário de requerimento de suspensão de férias digitalizado, conferindo o preenchimento e a justificativa de imperiosa necessidade, pelo diretor/gerente, para a suspensão das férias já iniciadas pelo servidor. O formulário deverá apresentar o de acordo do titular/dirigente do órgão/entidade, e a data de início da continuidade do usufruto das férias, que deverá ser superior a data fim das férias programadas na escala e inferior ao primeiro dia do mês de janeiro do exercício posterior. Sendo INDEFERIDO Manifestar o motivo no formulário e devolvê-lo ao diretor/gerente da área via . Sendo DEFERIDO: registrar a nova data de início da continuidade do usufruto das férias no SIGRH (Afastamentos - Férias - Manter Férias Individuais);

12 manifestar o despacho final no formulário e armazenar no SIGRH; encaminhar o formulário digitalizado ao diretor/gerente da área, via da diretoria/gerência, que deverá comunicar o servidor sobre o deferimento da solicitação e de que na próxima folha de pagamento haverá o estorno integral dos valores pagos da gratificação de férias se a interrupção ocorreu antes do 10º (décimo) dia de início do usufruto; bem como, da data de início da continuidade do usufruto. Arquivar o formulário no setorial/seccional. Quando do registro de licença para repouso a gestante, o usufruto das férias é automaticamente suspenso pelo SIGRH, sendo reprogramado para reiniciar no dia subseqüente ao término da licença. Não há nesta situação a devolução dos valores pagos a título de gratificação. Fluxograma Clique nos link para visualizar: Fluxograma Férias Procedimentos Computacionais Como fazer uma programação individual de férias Como pesquisar as férias programadas Como consultar uma programação de férias Como interromper usufruto de férias Como imprimir escala de férias Como pesquisar férias não programadas Como alterar um período de férias Como excluir uma programação de férias Como fazer uma programação coletiva de férias Definição de Siglas Clique no link para visualizar o significado das siglas utilizadas neste manual:

13 Perguntas Frequentes 1) Quando tenho direito a férias? O direito a férias ocorrerá depois de completado o período aquisitivo. O primeiro período aquisitivo será obtido após completar 365 dias de efetivo exercício. O segundo período aquisitivo, por sua vez, tem início no dia seguinte ao término do primeiro e, finaliza no último dia do ano de início do referido período aquisitivo. Para os servidores celetistas, entre os quais os admitidos em emprego de natureza temporária ACT, o período aquisitivo é conquistado depois de 365 dias a contar da data de início do contrato. O servidor inativo, designado membro do Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública - CTISP, todo período aquisitivo é conquistado após 365 dias a contar da data da publicação de sua designação. 2) Quando se dá o usufruto das férias? O servidor poderá usufruir suas férias após completar 365 dias de efetivo exercício (primeiro período aquisitivo). E as mesmas deverão ser gozadas até o dia 31 de dezembro do ano da aquisição. Exemplo: Quando o servidor completar 12 meses de efetivo exercício no dia 01/09/2011, portanto ele deverá iniciar o usufruto de suas férias entre o dia 02/09/2011 e 31/12/2011 para não perder o direito. Para o gozo do segundo período aquisitivo a regra é usufruir as férias durante o ano seguinte da aquisição desse período aquisitivo. Exemplo: Utilizando os dados do exemplo anterior, o segundo período aquisitivo será 02/09/2011 a 31/12/2011. O servidor poderá então usufruir as férias em qualquer período de 01/01/2012 a 31/12/2012, desde que tenha o de acordo da chefia imediata e seja respeitado a proporcionalidades dos meses de janeiro e fevereiro (*). No caso dos servidores celetistas ou dos membros do Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública CTISP, o gozo das férias segue a regra estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho. 3) Posso acumular períodos aquisitivos de férias? Não. A acumulação de usufrutos de férias é vedada. Observação: Salvo por imperiosa necessidade de serviço é permitido ao policial civil acumular, no máximo, 2 (dois) usufrutos de férias, desde que exista documento da chefia imediata, dirigida ao Setorial da SSP, comunicando o não usufruto por necessidade de serviço.

14 4) O que é suspensão das férias? Entende-se por suspensão o retorno ao exercício das atividades no período restante de usufruto previamente estabelecido em escala de férias. 5) Quando as férias podem ser suspensas? Somente nas situações de calamidade pública, comoções internas, convocação para júri, serviço militar, serviço eleitoral ou imperiosa necessidade de serviço justificada pelo gerente ou diretoria imediata, com de acordo do titular/dirigente do órgão/entidade 6) A gestante está de férias e por uma eventualidade ocorre o parto. Esta gestante perde o usufruto restante das férias? Ela não perde o direito a férias. As férias serão suspensas e o período restante será usufruído a partir do primeiro dia subsequente ao término da licença. 7) Quando o servidor irá usufruir o restante das férias que foram suspensas? Ele reinicia após o término das férias programadas anteriormente. Caso o fato gerador da suspensão permaneça, ele deve iniciar logo após o término do fato motivador. Mesmo o fato permanecendo, ele deverá iniciar o usufruto até o dia 31 de dezembro do referido exercício. 8) Faleceu um parente do servidor no período de suas férias, ele pode suspendê-la para se afastar? Não, pois prevalece o primeiro afastamento. O servidor terá direito, se for o caso, ao número de dias que faltarem para completar o afastamento. 9) Perco o direito a férias previstas para o exercício quando retorno de licença tratamento saúde LTS ou licença por motivo de doença em pessoa da família - LPF? O servidor não perde o direito ao usufruto das férias previstas para o exercício, se existir período aquisitivo, quando do retorno de Licença para Tratamento de Saúde -LTS ou Licença por Motivo de Doença em Pessoa da Família - LPF, desde que ao término do usufruto não ocorra novo afastamento por inaptidão para o trabalho ou para tratar de pessoa da família. 10) O que é Sustação das Férias? A sustação consiste no ato de cancelar integralmente o usufruto não iniciado das férias e devolver aos cofres públicos os valores recebidos com a gratificação de férias.

15 11) Os Servidores do Tribunal de Contas do Estado, do Poder Judiciário de Santa Catarina, do Ministério Público Estadual, da Defensoria Pública do Estado ou da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina e os Policiais ou Bombeiros Militares que foram nomeados para cargos efetivos na Administração Direta, Autárquica e Fundacional terão direito à concessão de férias considerando o tempo de serviço anterior? Sim, desde que não tenha ocorrido interstício (intervalo) entre o antigo cargo e aquele para o qual foi nomeado. Exemplo1: O servidor exonerado no dia 04/10/11 na Assembleia Legislativa e que tomou posse no dia 06/10/11 na Secretaria da Fazenda, não terá direito ao aproveitamento do tempo anterior, pois houve interstício de um (1) dia. Para ter direito a férias o servidor deverá completar o período aquisitivo de 12 meses. Exemplo2: O servidor que foi exonerado no dia 04/10/11 na Assembleia Legislativa e tomou posse no dia 05/10/11 na Secretaria da Fazenda, terá direito ao aproveitamento do tempo anterior, pois não houve intervalo de dias. 12) O servidor que retornar de licença sem vencimento, licença para exercer cargo eletivo ou de disposição sem ônus para o Poder Executivo tem direito às férias? Sim, porém somente após completar 365 dias de efetivo exercício a partir da data de retorno. 13) O que é Suspensão de férias no SIGRH? Entende-se por suspensão o retorno ao exercício das atividades no período restante de usufruto previamente estabelecido em escala de férias. Estando o servidor em usufruto de férias, as mesmas não poderão ser suspensas a não ser por motivo de calamidade pública, comoções internas, convocação para júri, serviço militar ou eleitoral ou por motivo de superior interesse público, justificada a imperiosa necessidade pela gerência ou diretoria imediata com o de acordo do titular ou dirigente do órgão ou entidade, devendo, obrigatoriamente, ser solicitada durante o período de usufruto até o processamento do teste da folha, quando será definida a nova data de início do período restante. 14) Como é feita a programação de minhas férias? No mês de outubro de cada ano, obedecendo aos critérios de proporcionalidade, o responsável pelo setor (gerente/diretor) elabora a escala anual de férias em conjunto com os servidores.

16 Fundamentação Legal Lei nº 6745, de , dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado. Lei nº 6.843, de , Dispõe sobre o Estatuto da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina Lei nº 6.844, de , Estabelece normas de Direito Administrativo ap1icadas ao pessoal do magistério público estadual. Lei Complementar nº 380, de , dispõe sobre o Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública no Estado. Orientação Técnica SEA/DGRH/GECOF nº 09/2010, de , dispõe de procedimentos administrativos do SAGRH e computacionais do SIGRH. Decreto nº 1863, de , Regulamenta o afastamento do servidor público efetivo para freqüentar curso de pós-graduação e estabelece outras providências. Lei Complementar nº 605, de 18 de dezembro de 2013, Altera o Art. 59, da Lei 6.745, de Instrução Normativa nº 1/SEA de 25/06/14 Instrução Normativa nº 4/SEA de 21/10/14

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de férias aos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês.

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês. Vale-Transporte Conceito O vale-transporte é um benefício que o Estado antecipa aos servidores para efetiva utilização em despesas de deslocamento residência-trabalho e vice-versa. Caracterização/Particularidades

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

Insalubridade. Conceito

Insalubridade. Conceito Insalubridade Conceito As atividades insalubres são aquelas que, por sua própria natureza, condições ou métodos de trabalho, expõem as pessoas a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT O GESTOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 7 - C e 19 da Estrutura Regimental

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1 SALÁRIO-MATERNIDADE Conceito O salário maternidade é um direito constitucional destinado à gestante agente pública vinculada compulsoriamente ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), pelo período

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA 1-OBJETIVO Estabelecer critérios e uniformizar os procedimentos relativos à programação de férias, garantindo o funcionamento adequado das atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Secretaria de Recursos Humanos

Secretaria de Recursos Humanos FÉRIAS CONCESSÃO/PAGAMENTO/INTERRUPÇÃO 1 - A cada exercício correspondente ao ano civil, os servidores fazem jus a trinta dias de férias? Resposta: sim, ressalvados os seguintes casos: I - o servidor que

Leia mais

Jornada de Trabalho. Conceito

Jornada de Trabalho. Conceito Jornada de Trabalho Conceito Período durante o qual o servidor deve prestar serviço ou permanecer à disposição do órgão/entidade em que possui exercício, com habitualidade. Duração da Jornada de Trabalho

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM. 50.05.009 1/7 1. FINALIDADE Regulamentar os procedimentos relacionados à programação, reprogramação e homologação de férias dos servidores da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

Contribuição Sindical. Conceito

Contribuição Sindical. Conceito Contribuição Sindical Conceito A Contribuição Sindical é um tributo federal (art. 149 da CF), descontada em folha de pagamento e que deve ser recolhida compulsoriamente pelos empregadores, conforme estabelecido

Leia mais

DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE

DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a concessão de férias a servidor público efetivo, a servidor comissionado e a militar do Estado. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 A SCAP, no uso das atribuições conferidas pelo art. 36 do Decreto nº 46.557, de 11 de julho de 2014, e considerando o disposto nos arts. 152 a 155 e 211, da Lei

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA)

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) Resolução-CSDP nº 062, de 10 de setembro de 2010 Dispõe sobre a concessão de férias aos Defensores Públicos do Estado do Tocantins e dá outras providências. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA

ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA Conceito É um adicional por tempo de serviço, que consiste no percentual de 5% (cinco por cento) a cada ano em que o servidor ultrapassar a data do interstício aposentatório

Leia mais

Memorando Circular nº. 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015.

Memorando Circular nº. 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015. Memorando Circular nº 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015 Para: Unidades Acadêmicas e Administrativas da Fundação Universidade Federal de Rondônia Assunto: Orientações sobre os procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 27/2012 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO, CONCESSÃO E USUFRUTO DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS DE QUE TRATA A NS Nº 570 de 22/05/2006 CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1.1 A licença

Leia mais

Movimentação Externa Temporária - Disposição

Movimentação Externa Temporária - Disposição Movimentação Externa Temporária - Disposição Conceito É uma modalidade de movimentação externa transitória entre órgãos ou entidades dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios,

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 02 de outubro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS PROGRESSÃO FUNCIONAL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS PROGRESSÃO FUNCIONAL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS PROGRESSÃO FUNCIONAL 1 CONCEITO A progressão funcional é o crescimento funcional do servidor estável no exercício do cargo de provimento efetivo, nos níveis

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GOZO E SUSPENSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO

MANUAL DO SISTEMA DE GOZO E SUSPENSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO MANUAL DO SISTEMA DE GOZO E SUSPENSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO 1 Apresentação O sistema foi desenvolvido com o objetivo de dar celeridade ao procedimento de comunicação de gozo e de suspensão de licença-prêmio,

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

Licença Especial para Atender Deficiente

Licença Especial para Atender Deficiente Licença Especial para Atender Deficiente Conceito É a licença concedida à servidora efetiva para atender, em parte de sua jornada de trabalho, ao deficiente sob sua guarda. A concessão da licença é pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 Dispõe sobre os procedimentos e critérios para concessão de Licença para Capacitação no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no exercício de suas atribuições legais, de conformidade com o art. 57, inciso XVIII, da Lei Orgânica do Município de Porto

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerencia de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Estabelece critérios e procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

PARTE 1 Conceitos Gerais sobre Férias

PARTE 1 Conceitos Gerais sobre Férias Férias! PARTE 1 Conceitos Gerais sobre Férias Férias Período anual de descanso remunerado com duração prevista em lei, que poderá ser parcelado em até três vezes. Informações Gerais: * Os docentes têm

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

MANUAL DO REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE GRATIFICAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO NA JUSTIÇA DE PRIMEIRO GRAU

MANUAL DO REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE GRATIFICAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO NA JUSTIÇA DE PRIMEIRO GRAU MANUAL DO REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE GRATIFICAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO NA JUSTIÇA DE PRIMEIRO GRAU Apresentação... 3 Cargos e funções substituíveis e padrão de gratificação... 4 Funções gratificadas... 4 Cargos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o sistema de registro eletrônico de ponto e o controle de frequência dos servidores

Leia mais

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS MANUAL DO USUÁRIO Sistema de Controle de Férias Lei N 8112 de 11 de dezembro de 1990 Capítulo

Leia mais

Recuperação de Histórico Funcional e Financeiro do Servidor. Conceito. Caracterização/Particularidades

Recuperação de Histórico Funcional e Financeiro do Servidor. Conceito. Caracterização/Particularidades Recuperação de Histórico Funcional e Financeiro do Servidor Conceito Consiste na atualização e regularização da vida funcional e financeiro do servidor, uma vez constatada inconsistências ou equívocos

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 CONCEITO Entende-se por pós-graduação o curso em nível de especialização, mestrado, doutorado ou pós-doutorado, ministrado por

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE TEMPO DE SERVIÇO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE TEMPO DE SERVIÇO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS ADICIONAL DE TEMPO DE SERVIÇO 1 CONCEITO O adicional por tempo de serviço - ATS é uma vantagem pecuniária concedida a cada 3 (três) anos de efetivo exercício,

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a jornada de trabalho, o registro e o controle da frequência dos servidores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Contatos do setor de Gestão de Pessoas do Poder Executivo

Contatos do setor de Gestão de Pessoas do Poder Executivo Contatos do setor de Gestão de Pessoas do Poder Executivo O novo Portal do Servidor disponibiliza os dados dos setores de Gestão de Pessoas dos órgãos do Poder Executivo na página inicial. Se você não

Leia mais

INSTRUÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Nº 330, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Nº 330, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Nº 330, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 Estabelece procedimentos e orientações para o pagamento do Prêmio por Produtividade na Polícia Militar e dá outras providências. O CORONEL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC quanto aos procedimentos operacionais

Leia mais

Coordenação de Cadastro/DP

Coordenação de Cadastro/DP CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenação de Cadastro/DP SEÇÃO DE CADASTRO Controle

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Onde obtenho informações sobre aposentadoria? Resposta: No site da Secretaria Municipal de Administração (www.rio.rj.gov.br/sma), na parte destina a Serviços, há uma seção chamada Aposentadoria: Quanto

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA Cód.: SCH Nº: 106 Versão: 9 Data: 15/12/2015 DEFINIÇÃO É o período em que o servidor permanece no exercício de cargo ou função de direção ou chefia nos afastamentos, impedimentos

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE IV - REFORMA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE IV - REFORMA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE IV - REFORMA VERSÃO 2015 Fevereiro de 2015 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 016/2012

ATO NORMATIVO Nº 016/2012 ATO NORMATIVO Nº 016/2012 Dispõe sobre o horário de expediente e a jornada de trabalho dos servidores, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

VACÂNCIA 1. DEFINIÇÃO:

VACÂNCIA 1. DEFINIÇÃO: VACÂNCIA 1. DEFINIÇÃO: 1.1. É o desligamento de cargo público federal efetivo, com a geração de vaga, que possibilita o servidor aprovado em concurso público ser nomeado para outro cargo inacumulável,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013.

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Assunto: Programação de férias: inclusões, modificações e exclusões Face à proximidade do final do ano, quando há intensa incidência

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

O recadastramento anual dos servidores inativos está fundamentado na legislação que segue:

O recadastramento anual dos servidores inativos está fundamentado na legislação que segue: PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS RECADASTRAMENTO ANUAL DO SERVIDOR INATIVO CIVIL 1 CONCEITO O recadastramento, realizado no mês de aniversário do servidor inativo, tem a finalidade de manter

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF AGOSTO de 2014 Direção: Marlette Rose Galvão Alves Organograma elaborado com base na Portaria nº 45.242,de 21/07/2011-BS nº 117/2011 Departamento de

Leia mais