Universidade Federal Fluminense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal Fluminense"

Transcrição

1

2 AÇÕES DA COORDENAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE Prof. Paulo Roberto Trales Coordenação da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE) responsável pela execução de grande parte da política de pessoal docente da UFF, relativas principalmente ao: Acompanhamento do desempenho docente na Universidade. Acompanhamento do dimensionamento e da alocação de vagas docentes nas unidades acadêmicas.

3 AÇÕES DA COORDENAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE Gerenciamento da contratação e da admissão de professores efetivos e substitutos; Redistribuições e remoções de docentes. Execução das solicitações de afastamento de docentes para aperfeiçoamento, especialização, mestrado, doutorado ou pós-doutorado. Acompanhamento da liberação de professores para programas de cooperação com outras instituições, universitárias ou não.

4 AÇÕES DA DIVISÃO DE GESTÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Divisão da Coordenação de Pessoal Docente (CPD) responsável pela gestão de ações de desempenho dos docentes: Acompanhamento do Desempenho Docente Quadro Permanente Estágio Probatório Acompanhamento das Condições de Desenvolvimento do Plano Anual de Trabalho do Docente nos Departamentos

5 AÇÕES DA DIVISÃO DE GESTÃO DE LOTAÇÃO DOCENTE Divisão da Coordenação de Pessoal Docente (CPD) responsável pelas seguintes gestões: Seleção Simplificada para Prof. Substituto Concurso Público de Provas e Títulos Processos: da Abertura à Nomeação Remoção e Redistribuição Banco de Professores-Equivalentes.

6 AÇÕES DA DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOCENTE Divisão da Coordenação de Pessoal Docente (CPD) responsável pela capacitação e de qualificação dos Servidores Docentes e Técnicos da UFF (Afastamentos no País ou no Exterior): Participação em Eventos Capacitação para o Exercício na UFF Qualificação: Mestrado ou Doutorado Strito ou Lato-sensu

7 Comissão Permanente de Pessoal Docente CPPD Comissão instituída pelo Art. 26 (da Lei 12772) Desenvolve estudos da legislação oficial para fornecer subsídios para fixação, aperfeiçoamento e modificação da política de pessoal docente e seus instrumentos, além de outras atribuições definidas pela UFF e pelo MEC. É vinculada diretamente ao Gabinete do Reitor (GAR).

8 Comissão Permanente de Pessoal Docente CPPD Atribuições da CPPD Apreciar os assuntos concernentes: à alteração do regime de trabalho dos docentes; à avaliação do desempenho para a progressão/promoção funcional dos docentes; aos processos de retribuição funcional por titulação.

9 ESTÁGIO PROBATÓRIO

10 ESTÁGIO PROBATÓRIO - O Estágio Probatório é um período de 3 anos no qual o professor aprovado em concurso público será avaliado por uma Comissão Departamental de Avaliação de Desempenho. - Não há estabilidade durante o período do estágio.

11 AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Fatores importantes para uma boa avaliação: 1. Assiduidade 2. Disciplina 3. Iniciativa 4. Produtividade 5. Responsabilidade 6. Adaptação

12 AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO I - adaptação do professor ao trabalho, verificada por meio de avaliação da capacidade e qualidade no desempenho das atribuições do cargo; II - cumprimento dos deveres e obrigações do servidor público, com estrita observância da ética profissional; III - análise dos relatórios que documentam as atividades científico-acadêmicas e administrativas programadas no plano de trabalho da unidade de exercício e apresentadas pelo docente, em cada etapa de avaliação; IV - a assiduidade, a disciplina, o desempenho didático-pedagógico, a capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade; V - participação no Programa de Recepção de Docentes instituído pela IFE; VI - avaliação pelos discentes, conforme normatização própria da IFE.

13 Homologação do ESTÁGIO PROBATÓRIO O docente em EP deverá apresentar, em dois meses após seu início, um Plano de Trabalho ao Plenário Departamental referente aos 36 meses de EP. - Aos 12 meses, 24 meses e 32 meses, o docente em EP deverá apresentar relatório de atividades, de cada um desses períodos, e submetê-los à Comissão Departamental de Avaliação de Estágio Probatório para apreciação.

14 ESTÁGIO Homologação do ESTÁGIO ROBATÓRIO-1 Homologação do ESTÁGIO PROBATÓRIO-2 PROBATÓRIO HOMOLOGAÇÃO DO - Cada parecer da Comissão deverá ser assinado por 3 professores que deverá ser submetido ao Plenário Departamental para votação. A partir do 32º mês do EP, o Departamento deve encaminhar à CPPD processo contendo os resultados parciais e final das avaliações para serem julgados e homologados.

15 Direitos dos docentes em E P Licença por diversos motivos, principalmente: - para tratamento de saúde própria ou de pessoa da família; - para o serviço militar; - para exercício de mandato eletivo; - para missão no exterior ou para servir em organismo internacional com o qual o Brasil participe ou coopere, com perda de remuneração.

16 Mais informações para docentes em E P Poderá: Ocupar cargo de provimento em comissão ou funções de direção, chefia ou assessoramento na UFF; Poderá obter: Aposentadoria por invalidez ou compulsória por limite de idade; Remoção de ofício, no interesse da UFF.

17 Não é permitido para o docente em EP - Estabilidade e aprovação no estágio por simples decurso de tempo, sem realização de avaliação; - Licença para capacitação ou para de interesses particulares; - Ocupação de cargo comissionado em outro órgão ou entidade que não correspondam a DAS 6,5,4 ou equivalente; - Mudança de regime de trabalho aos docentes em estágio probatório.

18 Divisão de Gestão da Lotação Docente

19 Seleção simplificada Concurso público Remoção Redistribuição Gestão do Banco de Professores-Equivalente

20 Seleção simplificada - maneira mais rápida para a contratação de professor para a Universidade que, nesse caso, o contrato é temporário. - mediante processo seletivo simplificado, com prova escrita e didática, e poderá ocorrer para suprir a falta de professor efetivo em razão de: I - vacância do cargo; II - afastamento ou licença, na forma do regulamento e III - nomeação para ocupar cargo de direção, de reitor, vice-reitor, pró-reitor e diretor de campus.

21 O concurso público se destina a preencher vagas do quadro efetivo. - Lei nº , de 28 de dezembro de 2012: estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal - Resolução CEP 46/91: regulamenta sobre concursos públicos para as classes de ADJUNTO, ASSISTENTE e AUXILIAR;

22 Site do Sistema CPD: https://sistemas.uff.br/cpd Além de Informações gerais sobre Concursos, disponibiliza: Edital com as normas regendo o concurso; Inscrição de candidatos; Informação sobre a comissão examinadora, Classificação dos candidatos após o término do concurso.

23 Remoção: - deslocamento do servidor, a pedido ou de ofício, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem mudança de sede. Modalidades: I de ofício, no interesse da Administração; II a pedido, a critério da Administração; III a pedido, para outra localidade, independentemente do interesse da administração (casos especiais).

24 REDISTRIBUIÇÃO: - permite ao docente doutor, no interesse da Administração, o deslocamento de cargo efetivo no âmbito do quadro geral de pessoal, para outro órgão ou entidade do mesmo Poder. (Resolução 66/2008 CEP-UFF)

25 Requisitos documentais: Concordância prévia do docente Aprovação do CEP e concordância Magnífico Reitor + Para a saída/origem: Solicitação do Departamento de destino, com aprovação em reunião departamental, indicação de vaga em contrapartida e manifestação da direção; Aprovação da Universidade e do departamento de origem;

26 Para a entrada/destino: Solicitação da Universidade de destino com indicação de vaga em contrapartida Aprovação do departamento de origem em reunião departamental e manifestação da direção

27 MUDANÇA DAS CARGAS HORÁRIAS (20h ou 40h-DE ou 40h em casos excepcionais) - Toda alteração na carga horária deve ser previamente aprovada pela plenária departamental. REDUÇÃO -deve ser protocolada e encaminhada à CPPD para análise. setembro / 2013

28 AUMENTO Requisitos do docente: a) ter estágio probatório homologado; b) estar apto a integrar o corpo docente permanente de Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu, comprovado mediante ata do respectivo colegiado. Requisitos do Departamento: - dispor no semestre da implementação da mudança de regime de trabalho, dispor de vagas-equivalentes suficientes no banco de professores-equivalentes para que ocorra a mudança.

29 Banco de Professor equivalente (Decreto nº 7.485/2011): - corresponde à soma dos professores de 3º Grau, efetivos, visitantes e substitutos, lotados em cada universidade federal, expressa na unidade professor-equivalente

30 Afastamento para qualificação Licença para capacitação

31 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Capacitação - processo permanente e deliberado de aprendizagem, com o propósito de contribuir para o desenvolvimento de competências institucionais por meio do desenvolvimento de competências individuais. (Decreto 5.707/2006, art. 2º, inciso I)

32 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Qualificação - processo de aprendizagem baseado em ações de educação formal, por meio do qual o servidor adquire conhecimentos e habilidades, tendo em vista o planejamento institucional e o desenvolvimento do servidor na carreira. (Decreto 5.825/2006, art. 3º, inciso V)

33 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Afastamento para qualificação: - cursos de especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado.

34 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente A Lei 8.112/90 estabelece as regras para: - licença para capacitação (arts. 81-V e 87); - afastamento para estudo ou missão no exterior (art ); - afastamento para programa de pós-graduação stricto sensu no país (art. 96-A) - afastamento para programa de pós-graduação no Exterior (art. 95).

35 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Participação de docentes em congresso: (Decreto 5.707/06) - eventos acadêmico-científicos de interesse da sua área, tanto no Brasil como no exterior. Congressos no Brasil: - aprovação da chefia do Departamento; - apresentar comprovante de participação.

36 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Eventos no exterior: - afastamento do País depende de autorização(lei 8.112/90 art.95). O afastamento do País é regulado na UFF pela Resolução CEP 161/2011

37 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Solicitação: -formulário de solicitação de afastamento do País (Exterior), com as devidas assinaturas; - protocolização (formação do processo) do formulário e documentação necessária que varia conforme o objetivo da viagem. Isso é feito nos protocolos setoriais de cada Unidade.

38 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Pós-doutorado em estágio probatório depende de concordância institucional! Docentes doutores em estágio probatório podem realizar pós-doutorado, no Brasil ou no exterior. (Lei /2012, Art. 30, inc. I)

39 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente A duração máxima do afastamento para realização de pós-doutorado é de 12 meses! (Decreto 5.707/2006, Art. 9º, inc. III) Pós-doutorado no Brasil: - solicitar afastamento no País ( Resolução CEP 161/2011).

40 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Pós-doutorado no Exterior: Pós-doutorado no exterior mantendo o salário UFF, precisa: 1 - ter bolsa de estudos, concedida por agência de fomento brasileira ou organismo estrangeiro (Decreto 1.387/95, Art. 1º, Inciso VI). 2- ter afastamento autorizado e publicado em Diário Oficial da União, antes data do início da viagem. (Decreto 1.387/95, Art. 3º).

41 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Relatório O processo de afastamento para pós-doutorado, no Brasil ou no exterior, se encerra com a anexação de relatório de atividades, com as devidas assinaturas. Esse relatório é obrigatório e deve ser apresentado no prazo de 30 (trinta) dias, contado da data do término do afastamento (Decreto /85, Art.16).

42 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Mestrado e de doutorado em estágio probatório Mestrado e Doutorado no Brasil: - solicitar afastamento no País (Leis 8.112/1990, /20112 e Decreto 5.707/2006). Na UFF(Resolução CEP 161/2011). - o curso deve ser reconhecido e recomendado pela CAPES com conceito maior ou igual a 3. - definir o período do afastamento verificando o usufruto de férias - autorização do Reitor é publicada no Boletim de Serviço da UFF

43 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Mestrado e Doutorado no Exterior mantendo o salário UFF, precisa: 1 - ter bolsa de estudos, concedida por agência de fomento brasileira ou organismo estrangeiro (Decreto 1.387/95, Art. 1º, Inciso VI). 2- ter afastamento autorizado e publicado em Diário Oficial da União, antes data do início da viagem. (Decreto 1.387/95, Art. 3º).

44 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Importante: 1- Autorização de afastamento só é válida após publicação em Diário Oficial da União, antes data do início da viagem(decreto 1.387/95, Art. 3º). 2 - Exige-se Relatórios Parciais e Final

45 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente TIPOS DE AFASTAMENTO - com ônus: é assegurado ao servidor seu vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego passagens e/ou diárias concedidas por órgão federal (Capes, CNPq, Finep, UFF, FEC/UFF), durante a ausência. + - com ônus limitado - é assegurado ao servidor seu vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego passagens e/ou diárias concedidas por órgão não federal ou elas são arcadas pelo próprio servidor, durante a ausência. + - sem ônus caso de perda total do vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego e sem acarretar qualquer despesa para a UFF ou a Administração Pública Federal, durante a ausência. (Decreto /95)

46 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Docente com fastamento de longa duração perde direito ao usufruto de férias e recebimento de 1/3 das férias! Ref.: Orientação Normativa Nº 2, de 23 de fevereiro de 2011, da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SRH/MP)

47 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Licença para capacitação O docente poderá solicitar (ao Reitor, por até 3 meses e em até três parcelas no máximo) desde que tenha completado 5 anos de efetivo exercício! OBS.: poderá ser utilizada integralmente para elaborar dissertação de mestrado ou tese de doutorado. (Lei 8.112/90 e Decreto 5.707/2006)

48 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Coordenação de Pessoal Docente Divisão de Capacitação e Qualificação Docente Afastamento (pós-graduação stricto sensu) X Licença para Capacitação Afastamento: O docente tem compromissos, após seu retorno

49 DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF Direção: Marlette Rose Galvão Alves

50 Organograma elaborado com base na Portaria nº ,de 21/07/2011-BS nº 117/2011 Departamento de Administração de Pessoal - DAP Serviço de Apoio Administrativo Serviço de Apoio à Gestão Coordenação de Controle de Pagamento de Pessoal CCPP/DAP Seção de Execução da Despesa de Exercícios Anteriores Seção de Execução de Ações Judiciais Seção de Controle Financeiro de Inativos Seção de Controle Financeiro de Ativos Coordenação de Registros e Legislação CRL/DAP Serviço de Apoio Técnico Seção de Concessão de Benefícios Divisão de Análises Judiciais (DAJ/CCPP) Divisão de Pagamento Inativos e Pensionistas (DPIP/CCPP) Divisão de Pagamento de Ativos (DPA/CCPP) Divisão de Benefícios (DBE/CRL) Seção de Análise Processual Divisão de Direitos e Vantagens (DDV/CRL) Seção de Concessão de Aposentadorias e Pensões Divisão de Admissão e Cadastro (DAC/CRL) Seção de Controle de Afastamentos e Desligamentos Seção de Controle de Admissão e Funções Seção de Registro Funcional

51 Temas do DAP em Destaque: SIAPENET; Férias; Averbação de Tempo de Serviço/Contribuição; Designação de dependentes para fins de pensão; Auxílio Transporte; Ressarcimento do Plano de Saúde; SIASS; FUNPRESP.

52 Férias Definição: Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. Requisitos Básicos: 1 - Servidor efetivo: Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício para o primeiro período aquisitivo de férias. 2 - Servidor que Opera com Raio X, Substâncias Radioativas ou Ionizantes: possuir 06 (seis) meses de exercício de atividade profissional.

53 Férias informações gerais 1 - O servidor fará jus a 30 (trinta) dias de férias por exercício; 2 - O servidor integrante da carreira de Magistério Superior fará jus a 45 (quarenta e cinco) dias de férias por exercício; 3 - O servidor integrante da carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico ou Tecnológico fará jus a 30 (trinta) dias de férias por exercício; 4 - Para a concessão de férias, compreende-se cada exercício como o ano civil; 5 - Servidor que opera direta e permanente com Raio X, Substâncias Radioativas ou Ionizantes fará jus a 20 (vinte) dias consecutivos de férias, por período de 06 (seis) meses de exercício de atividade profissional, proibida a acumulação; 6 - Servidor integrante da carreira de Magistério Superior que opera direta e permanente com Raio X, Substâncias Radioativas ou Ionizantes fará jus a 45 (quarenta e cinco) dias de férias, sendo no mínimo 20 (vinte) dias de férias por semestre de atividade profissional, proibida a acumulação (no 2º semestre deverá usufruir 25 - vinte cinco dias). 7 - Servidor integrante da carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico ou Tecnológico que opera direta e permanente com Raio X, Substâncias Radioativas ou Ionizantes, gozará 20 (vinte) dias de férias por semestre de atividade profissional, proibida a acumulação.

54 Férias informações gerais 8 - O servidor integrante da carreira de Magistério Superior ou da carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico ou Tecnológico, quando afastado para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança em órgãos não integrantes das Instituições Federais de ensino, fará jus somente a 30 (trinta) dias de férias por exercício; 9 - O servidor licenciado ou afastado fará jus às férias relativas ao exercício em que retornar; 10 - As férias poderão ser parceladas em 02 (dois) períodos, desde que assim requeridas pelo servidor e concedidas pela chefia imediata; 11 - É vedada a acumulação de férias para o exercício seguinte em decorrência de licença ou afastamento; 12 - As férias integrais podem ser acumuladas em até 02 (dois) períodos, em caso de necessidade do serviço, observada a data de inicio até o dia 31 de dezembro. A necessidade de serviço deverá ser devidamente justificada e autorizada pela Chefia Imediata, com abertura de processo;

55 Férias informações gerais 13 - As férias podem ser reprogramadas a critério da Chefia Imediata, com antecedência de 60 dias; 14 - As férias só poderão ser interrompidas por motivo e calamidade pública, comoção interna, convocação para juri, serviço militar ou eleitoral, ou por necessidade do serviço declarada pela autoridade máxima; 15 - É facultado ao servidor optar pela antecipação do pagamento das férias que será paga com base na remuneração do mês do pagamento; 16 - O pagamento antecipado da remuneração das férias, integrais ou parceladas, será descontado de uma só vez na folha de pagamento correspondente ao mês seguinte ao do inicio das férias; 17 - A antecipação da gratificação natalina por ocasião do gozo das férias, no caso de parcelamento, poderá ser requerida em qualquer das etapas, desde que estas sejam anteriores o mês de junho de cada ano; 18 - O servidor tem direito ao abono constitucional de 1/3 de férias, que deverão ser pagos no mês anterior ao início das férias.

56 Férias informações gerais Fundamentação Legal: Artigos 76, 77 a 80 e 102, inciso I,da Lei nº 8.112/90 (DOU de 28/12/90); Orientação Normativa SRH nº 2, de 23/02/2011 O DAP encaminha no período de junho e julho a todos os Setores da UFF, Escala de Férias juntamente com memorando-circular, esclarecendo todos os procedimentos para marcação das férias, o qual deverá ser divulgado e lido por todos os servidores, evitando desta forma erros de preenchimento que poderão ocasionar transtornos tanto aos servidores quanto ao DAP.

57 Averbação de Tempo de Serviço/Contribuição Definição: É o registro do tempo de serviço/contribuição prestados a outras instituições públicas ou privadas. Requisitos Básicos: 1 - Ter o servidor prestado serviço a órgãos públicos ou a empresas particulares; 2 - Não ter averbado esse tempo em outro órgão público ou perante a Previdência Social; 3 - Apresentar certidão com tempo de serviço/contribuição emitida competente; pelo órgão 4 - Relação das remunerações percebidas, caso o tempo a ser averbado seja a partir de julho/1994 (Lei nº , de 18/06/2004).

58 Averbação de Tempo de Serviço/Contribuição - O tempo de serviço prestado ao serviço público federal será contado para todos os fins (Art. 100 da Lei nº 8.112/90); - O tempo de serviço prestado ao serviço público estadual ou municipal será contado apenas para aposentadoria e disponibilidade ( Inciso I, do Art. 103, da Lei nº 8.112/90); - O tempo de serviço prestado em atividade privada será contado apenas para aposentadoria e disponibilidade ( Inciso V, do Art. 103, da Lei nº 8.112/90); - O tempo de serviço prestado às Forças Armadas será contado para todos os fins, exceto o Tiro de Guerra, cujo tempo será computado para aposentadoria e disponibilidade (Inciso VI, do Art. 100 e 103 da Lei nº 8.112/90).

59 Designação de dependentes para fins de pensão Definição: É a indicação formal feita pelo servidor, manifestando a intenção de nomear e registrar perante a repartição, uma pessoa sustentada por ele, a qual será constituída beneficiária de pensão civil, no caso de seu falecimento. Requisitos Básicos: 1. Requerimento formal do servidor interessado. 2. Apresentar a documentação pertinente, observadas as disposições legais.

60 Designação de dependentes para fins de pensão Documentação: I. Para Companheira (o): 1. Cópia da Carteira de Identidade e CPF da companheira e do servidor; 2. Cópia da Certidão de Casamento com averbação da separação judicial ou divórcio, quando um dos companheiros, ou ambos já tiverem sido casados; ou de óbito, quando um dos companheiros ou ambos forem viúvos; 3. Prova de união estável: Importante: Situações que podem ser consideradas início de prova para união estável:

61 Designação de dependentes para fins de pensão a) Certidão de nascimento de filho havido em comum; b) Certidão de casamento religioso; c) Declaração do imposto de renda do servidor em que conste o designado como seu dependente; d) Disposições testamentárias; e) Declaração especial feita perante tabelião; f) Prova do mesmo domicílio; g) Prova de encargos domésticos evidentes e existência de sociedade ou comunhão dos atos da vida civil;

62 Designação de dependentes para fins de pensão h) Procuração ou fiança reciprocamente outorgada; i) Conta bancária conjunta; j) Registro em associação de qualquer natureza, onde conste o designado como dependente do servidor; k) Ficha de assistência médica, da qual conste o servidor como responsável; l) Escritura de compra de imóvel pelo servidor, em nome do designado. Nem todos os itens formam por si só prova suficiente e bastante, podendo ser considerados em conjunto, no mínimo de 3 (três), corroborados, quando for o caso, mediante justificação judicial.

63 Auxílio-Transporte Definição: Benefício concedido pela União que destina-se ao custeio parcial das despesas realizadas com transporte coletivo municipal, intermunicipal ou interestadual, nos deslocamentos de servidores de suas residências para os locais de trabalho e vice-versa. Será custeado apenas o que exceder a 6% (seis por cento) do vencimento básico do servidor. Procedimentos: 1. Preencher o formulário Requerimento de auxílio transporte, disponível em 2. Anexar ao requerimento um comprovante de residência em nome do(a) servidor(a). (Obs.: conta pública da residência água, luz, gaz, telefone fixo, IPTU)

64 Auxílio-Transporte Observações: 1. Outros documentos comprobatórios: 1.1. Contrato de locação do imóvel; 1.2. Imposto de Renda; 1.3. Contrato de TV por assinatura e internet. 2. Comprovante de de residência em nome de terceiros: 2.1. Apresentar comprovante de residência em nome do proprietário; 2.2. Declaração do titular da conta que o(a) servidor(a) reside naquele endereço; 2.3. RG e CPF do proprietário do imóvel.

65 Auxílio-Transporte Observações: 3. Casos de transporte seletivo (fora de Niterói): 3.1. Abrir processo administrativo de cadastramento do trajeto utilizado pelo(a) servidor(a) formulário específico no site anteriormente mencionado; 3.2. Após a concessão do benefício pelo DAP, o beneficiário deverá apresentar mensalmente os bilhetes de passagem, através de processo administrativo específico, à Divisão de Benefícios (DBE/DAP). O endereço informado pelo servidor deve ser o mesmo cadastrado nos sistemas informatizados, visto que qualquer alteração deve ser comunicada à Divisão de Benefícios e a Seção de Registro Funcional do DAP.

66 Ressarcimento do Plano de Saúde Procedimentos: 1. Preencher o formulário Ressarcimento de Plano de Saúde, disponível em 2. Anexar ao requerimento os seguintes documentos: Cópia do contrato do plano de assistência à saúde; Cópia da fatura do mês anterior, paga, na qual conste a relação de dependentes;

67 Ressarcimento do Plano de Saúde No caso de filhos menores de 21 anos: Cópia da certidão de nascimento; Cópia do CPF; Cópia do termo de tutela ou adoção; Comprovante de guarda legal do(s) dependentes, no caso de servidor separado ou divorciado; Laudo médico, no caso de dependente excepcional.

68 Ressarcimento do Plano de Saúde No caso de filhos maiores de 21 anos até a idade de 24 anos (ou término do curso): Cópia do RG e CPF; Declaração da Instituição de ensino informando que o(a) filho(a) é estudante universitário e matriculado em curso regular oferecido pelo MEC; Atualizar a declaração da faculdade a cada semestre.

69 Ressarcimento do Plano de Saúde Para outros tipos de dependentes: Cópia do CPF (obrigatória); Cópia da identidade; Cópia da certidão de nascimento ou casamento; Declaração de união estável através de cartório ou processo administrativo (no caso de companheiro); A documentação deve ser protocolizada nos respectivos protocolos e encaminhada ao DBE/DAP

70 Ressarcimento do Plano de Saúde Após a concessão do benefício pelo DAP, o beneficiário deverá apresentar mensalmente (até o 5º dia útil) uma cópia do comprovante de pagamento de plano de saúde juntamente com o original para a conferencia da Divisão de Benefícios (DBE/DAP).

71 SIASS Os(as) servidores(as) deverão cadastrar os dependentes (filhos, cônjuge ou companheiro, pai e mãe) no caso de necessidade de afastamento para tratar de pessoas da família por motivo de doença no Sistema de Assistência a Saúde do Servidor SIASS. Procedimentos para cadastramento: 1. Preencher o formulário Ressarcimento de Plano de Saúde, disponível em 2. Anexar ao requerimento os seguintes documentos:

72 SIASS No caso de filhos menores de 21 anos: Cópia da certidão de nascimento; Cópia do CPF; Cópia do termo de tutela ou adoção; Comprovante de guarda legal do(s) dependentes, no caso de servidor separado ou divorciado; Laudo médico, no caso de dependente excepcional.

73 SIASS No caso de filhos maiores de 21 anos até a idade de 24 anos (ou término do curso): Cópia do RG e CPF; Declaração da Instituição de ensino informando que o(a) filho(a) é estudante universitário e matriculado em curso regular oferecido pelo MEC; Atualizar a declaração da faculdade a cada semestre.

74 SIASS Para outros tipos de dependentes: Cópia do CPF (obrigatória); Cópia da identidade; Cópia da certidão de nascimento ou casamento; Declaração de união estável através de cartório ou processo administrativo (no caso de companheiro); A documentação deve ser anexada ao requerimento e entregue diretamente no DBE/DAP (NÃO É NECESSÁRIO ABRIR PROCESSO ADMINISTRATIVO)

75 Convênio UFF x GEAP Procedimentos: 1. Retirar e preencher o Termo de Adesão e receber orientações acerca de cada plano oferecido pela GEAP na Divisão de Benefícios (sala 10, 4º andar, prédio da Reitoria). 2. Após a opção do servidor pelo plano, o desconto será efetuado diretamente no contracheque; 3. Anexar ao Termo de Adesão a seguinte documentação:

76 Convênio UFF x GEAP No caso de filhos menores de 21 anos: Cópia da certidão de nascimento; Cópia do CPF; Cópia do termo de tutela ou adoção; Comprovante de guarda legal do(s) dependentes, no caso de servidor separado ou divorciado; Laudo médico, no caso de dependente excepcional.

77 Convênio UFF x GEAP No caso de filhos maiores de 21 anos até a idade de 24 anos (ou término do curso): Cópia do RG e CPF; Declaração da Instituição de ensino informando que o(a) filho(a) é estudante universitário e matriculado em curso regular oferecido pelo MEC; Atualizar a declaração da faculdade a cada semestre.

78 Convênio UFF x GEAP No caso de filhos menores de 21 anos: Cópia da certidão de nascimento; Cópia do CPF; Cópia do termo de tutela ou adoção; Comprovante de guarda legal do(s) dependentes, no caso de servidor separado ou divorciado; Laudo médico, no caso de dependente excepcional.

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF AGOSTO de 2014 Direção: Marlette Rose Galvão Alves Organograma elaborado com base na Portaria nº 45.242,de 21/07/2011-BS nº 117/2011 Departamento de

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense ESTÁGIO PROBATÓRIO Lei nº 12.772 de 28 de Dezembro de 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos do Magistério Federal; - sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA 1-OBJETIVO Estabelecer critérios e uniformizar os procedimentos relativos à programação de férias, garantindo o funcionamento adequado das atividades

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É um benefício concedido ao servidor, ativo ou inativo,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO AJUDA DE CUSTO Cód.: ADC Nº: 19 Versão: 6 Data: 22/09/2014 DEFINIÇÃO Indenização concedida ao servidor público, que, no interesse da Administração, passar a ter exercício em nova sede, com mudança de domicílio,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM. 50.05.009 1/7 1. FINALIDADE Regulamentar os procedimentos relacionados à programação, reprogramação e homologação de férias dos servidores da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS Aprova a reformulação do Regulamento para concessão de afastamento de docentes para participação em programas de pósgraduação stricto sensu no âmbito do IFS. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

REGULAMENTO Nº 006, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO Nº 006, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO Nº 006, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão de ajuda de custo e transporte dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Secretaria de Recursos Humanos

Secretaria de Recursos Humanos FÉRIAS CONCESSÃO/PAGAMENTO/INTERRUPÇÃO 1 - A cada exercício correspondente ao ano civil, os servidores fazem jus a trinta dias de férias? Resposta: sim, ressalvados os seguintes casos: I - o servidor que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 186/06 TÍTULO I. Das Normas Gerais

RESOLUÇÃO Nº 186/06 TÍTULO I. Das Normas Gerais RESOLUÇÃO Nº 186/06 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece normas de afastamento de pessoal docente para pós-graduação stricto sensu e estágios pós-doutoral e dá outras providências. O Reitor

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT O GESTOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 7 - C e 19 da Estrutura Regimental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CONSUNI N.º 04, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre normas de afastamento de servidores técnicoadministrativos, do quadro efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso, para qualificação stricto

Leia mais

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Afastamento do servidor de suas atividades

Leia mais

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO 50.05.004 1/20 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e normatizar o processo de afastamento para capacitação dos docentes e dos servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13 DO CONSELHO DIRETOR DE 05 DE OUTUBRO DE 2005. O Presidente do Conselho Diretor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Petrolina, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 012, DE 20 DE MAIO DE 2014 Estabelece normas para o afastamento de servidores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

MANUAL DO SERVIDOR COORDENAÇÃO GERAL DE BENEFÍCIOS E QUALIDADE DE VIDA CGBQV

MANUAL DO SERVIDOR COORDENAÇÃO GERAL DE BENEFÍCIOS E QUALIDADE DE VIDA CGBQV MANUAL DO SERVIDOR COORDENAÇÃO GERAL DE BENEFÍCIOS E QUALIDADE DE VIDA CGBQV Responsáveis: ADAM MARCEL ALMEIDA PINTO ALINE SILVA DE SOUZA Contato: (92) 3306-0031 / cbqv@ifam.edu.br C o o r d e n a ç ã

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE RESOLUÇÃO PROJETO DE RESOLUÇÃO ESTABELECE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA FINS DE PROGRESSÃO E PROMOÇÃO NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013.

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Assunto: Programação de férias: inclusões, modificações e exclusões Face à proximidade do final do ano, quando há intensa incidência

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

Coordenação de Pessoal Docente (CPD) Divisão de Gestão da Lotação Docente (DGLD) setembro / 2013

Coordenação de Pessoal Docente (CPD) Divisão de Gestão da Lotação Docente (DGLD) setembro / 2013 Coordenação de Pessoal Docente (CPD) Divisão de Gestão da Lotação Docente (DGLD) A DGLD é a divisão dentro da CPD responsável pela realização de seleção simplificada, concurso público, remoção, redistribuição

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR Cód.: AFP Nº: 12 Versão: 12 Data: 15/10/2015 DEFINIÇÃO Afastamento do servidor de suas atividades para estudo ou missão oficial no exterior. REQUISITOS BÁSICOS

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal CONTRATO ADMINISTRATIVO DE PROFESSOR SUBSTITUTO E VISITANTE Cód.: CPS Nº: 38 Versão: 11 Data: 19/02/2015 DEFINIÇÃO Contratação de pessoal por tempo determinado, para suprir a falta de professores efetivos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial TITULARES Co-patrocinado - Ativo, Inativo ou no exercício de função comissionada. Autopatrocinado - Aposentado pelo Regime Geral de Previdência Social (CLT)

Leia mais

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013.

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Fixa Normas para Afastamento de Docentes da UNIR para Realizar Cursos de Pós-Graduação (Alteração da Resolução 091/CONSEA/2005). O Conselho Superior Acadêmico

Leia mais

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 019/2012/CDP Florianópolis, 03 de maio de 2012. A PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do IF-SC e pelo

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI E D I T A L DE ABERTURA CPD Nº 043 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO, DE 20

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB, no uso de

Leia mais

Inscrição de dependente em assentamentos funcionais. Referência: Processo Administrativo nº 10530.001247/2009-55

Inscrição de dependente em assentamentos funcionais. Referência: Processo Administrativo nº 10530.001247/2009-55 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

EDITAL nº01/2012 CONVÊNIO UERGS/CAPES PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES Edição em Porto Alegre, Novo Hamburgo, Cruz Alta 2012/02

EDITAL nº01/2012 CONVÊNIO UERGS/CAPES PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES Edição em Porto Alegre, Novo Hamburgo, Cruz Alta 2012/02 EDITAL nº01/2012 CONVÊNIO UERGS/CAPES PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES Edição em Porto Alegre, Novo Hamburgo, Cruz Alta 2012/02 A Pró-Reitoria de Ensino da Universidade Estadual do

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a);

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Quem são os dependentes: Cônjuge, companheiro(a), filhos menores de 21 anos, não emancipados ou inválidos e filhos até 24 anos cursando

Leia mais

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta a concessão de licença para capacitação e do afastamento para estudo ou missão no exterior, o afastamento de servidores para participação em curso

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral (anexo).

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral (anexo). Resolução nº 286/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Regulamento do Programa de Estágio Pós-Doutoral. O Conselho Superior Acadêmico (CONSEA), da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), no uso de

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AUXÍLIO-FUNERAL

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AUXÍLIO-FUNERAL AUXÍLIO-FUNERAL Cód.: AFU Nº: 29 Versão: 8 Data: 05/10/2015 DEFINIÇÃO Benefício devido à família ou a terceiro que tenha custeado o funeral do servidor falecido em atividade ou aposentado, incluído o traslado

Leia mais

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - EDITAL Nº 292/IFC//2015 Torna pública a abertura do processo seletivo de servidores técnico-administrativos para as vagas de afastamento integral para pós-graduação stricto

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 93, DE 07 DE JUNHO DE 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 93, DE 07 DE JUNHO DE 2013. PUBLICADO NO D.O.U. De 3/06/203. Seção 3, Página 90. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 93, DE 07 DE JUNHO DE 203. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

Leia mais

EDITAL Nº 001/2015 - PROCESSO SELETIVO DE BENEFÍCIO DE ALIMENTAÇÃO PARA DISCENTES DA UEZO

EDITAL Nº 001/2015 - PROCESSO SELETIVO DE BENEFÍCIO DE ALIMENTAÇÃO PARA DISCENTES DA UEZO EDITAL Nº 001/2015 - PROCESSO SELETIVO DE BENEFÍCIO DE ALIMENTAÇÃO PARA DISCENTES DA UEZO O Reitor da UEZO, no uso de suas atribuições legais, estatutárias, regimentais e tendo em vista os recursos oriundos

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 EMENTA: Estabelece critérios e procedimentos, no âmbito

Leia mais

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado.

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado. RESOLUÇÃO N o 014, de 23 de dezembro de 2009. Regulamenta o Programa de Incentivo à Formação dos Servidores (PROSER) da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 Dispõe sobre os procedimentos e critérios para concessão de Licença para Capacitação no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO PROUNI 2013.1 1º CHAMADA

EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO PROUNI 2013.1 1º CHAMADA EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO PROUNI 2013.1 1º CHAMADA A Faculdade Baiana de Direito e Gestão faz saber que realizará processo seletivo, destinado ao ingresso de estudantes beneficiários do ProUni

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL);

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL); PROTOCOLO GERAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÕES: 1. APOSENTADORIA REQUERIMENTO ASSINADO PELO SERVIDOR E COM VISTO DO CHEFE IMEDIATO (ORIGINAL); OBS.: APOSENTADORIA COMPULSÓRIA - NÃO É NECESSÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 173, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 173, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013. PUBLICADO NO D.O.U. De 23/0/203. Seção 3, Página. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 73, DE 8 DE OUTUBRO DE 203. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO O

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em relação aos magistrados e servidores do Tribunal Regional

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Aplicação MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Este manual disciplina as rotinas administrativas para solicitações de Afastamento do País para os Servidores da

Leia mais

Coordenação de Cadastro/DP

Coordenação de Cadastro/DP CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenação de Cadastro/DP SEÇÃO DE CADASTRO Controle

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 419 de 01/07/2011,

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.2 Chamada para seleção de estudantes de graduação, candidatos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA UNILAB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA UNILAB RESOLUÇÃO N 19/2015, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a criação do Programa de Professor(a) Colaborador(a) Voluntário(a) (PPCV) da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Leia mais

SAÚDE CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL

SAÚDE CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL 1PLANOS DE SAÚDE CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL CARTA DE SERVIÇOS A Carta de Serviços é uma ferramenta de gestão criada pelo Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 751 de 12/11/2013, torno público

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA E FACULDADE SUMARÉ CONDIÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO E MANUTENÇÃO DA BOLSA INTEGRAL DE ESTUDO

PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA E FACULDADE SUMARÉ CONDIÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO E MANUTENÇÃO DA BOLSA INTEGRAL DE ESTUDO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA E FACULDADE SUMARÉ CONDIÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO E MANUTENÇÃO DA BOLSA INTEGRAL DE ESTUDO Capítulo I candidatos à Bolsa-Universidade Poderá candidatar-se a Educador Universitário

Leia mais