Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada."

Transcrição

1 UNIVERSITAT DE LLEIDA INSTITUT NACIONAL D EDUCACIÓ FÍSICA DE CATALUNYA Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada. Comportamento observado, percepção, preferência e satisfação dos praticantes. Tesis doctoral presentada por: Susana Carla Alves Franco Dirigida por: Professora Doutora Marta Castañer Professora Titular do Institut Nacional d Educació Física de Catalunya Universitat de Lleida Professor Doutor José Rodrigues Professor Coordenador com Agregação da Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém Lleida, 2009

2 AGRADECIMENTOS A realização deste estudo só foi possível graças à colaboração de várias pessoas e instituições, às quais passo a apresentar o meu agradecimento: À Professora Doutora Marta Castañer, pelo apoio e conhecimento transmitido durante a sua orientação, e pela colaboração na construção dos instrumentos; Ao Professor Doutor José Rodrigues, pelo apoio e conhecimento transmitido durante a sua orientação, pelo treino em observação, pela colaboração na construção dos instrumentos, e ainda pela disponibilidade e por todo o apoio pessoal e profissional que me tem proporcionado; À Dr.ª Vera Simões pela colaboração, apoio, amizade e companheirismo que me proporcionou durante a realização deste estudo e pela colaboração na construção dos instrumentos; À Professora Doutora Rita Santos Rocha pela amizade, pela colaboração e apoio prestado e pela colaboração na construção dos instrumentos; À Dr.ª Ana Tarré pela amizade e incentivo e pela colaboração na construção dos instrumentos; Ao Dr. Miguel Silva pela amizade, apoio e incentivo e pela colaboração na construção dos instrumentos; Ao Dr. Hugo Louro pelo apoio em diversas questões relacionadas com a metodologia de observação e pela colaboração na construção dos instrumentos; Ao Dr. Félix Romero pelas sugestões estatísticas e pela colaboração na construção dos instrumentos; A todos os que colaboraram na construção dos instrumentos: Professora Doutora Maria Helena Moreira, Professor Doutor José Alves, Professor Doutor Luís Carvalhinho, Professor Doutor Vítor Ferreira, Dr.ª Ana Tarré, Dr. Bruno Fonseca, Dr.ª Fátima Ramalho, Dr.ª Hêlo Isa André, Dr. João Moutão, Dr. José Filipe Freitas, Dr.ª Maria de Lurdes Machado, Dr. Luís Cerca, Dr. Luís Cid, Dr. Luís Gonçalves, Dr. Nuno Pimenta, Dr.ª Susana Alves e Dr.ª Vanessa Cordeiro. Ao Professor Doutor António Rosado, Professor Doutor José Carlos Leitão, Professor Doutor Packianathan Chelladurai e Professor Doutor Todd Loughead pelas suas sugestões relativamente ao tratamento estatístico dos dados. Aos responsáveis dos ginásios que permitiram recolher os dados nas suas instituições; Aos instrutores observados, que se submeteram às filmagens; Aos praticantes das classes observadas que se submeteram às filmagens e que responderam aos questionários; I

3 Aos praticantes que colaboraram na construção do questionário; À Dr.ª Ana Luísa Cruz, Dr.ª Marta Coelho, Dr.ª Tânia Estêvão e Dr.ª Telma Esteves que fizeram parte da recolha de dados e da equipa de observadores; Ao Professor Doutor Pedro Sequeira pelo apoio prestado; Aos colegas da Escola Superior de Desporto de Rio Maior que me apoiaram e aconselharam; À Escola Superior de Desporto de Rio Maior pelo apoio concedido. A todos os que me apoiaram e contribuíram para este trabalho o meu muito obrigado. II

4 RESUMEN El actual trabajo se ha centrado en el estudio de la conducta pedagógica de los instructores de la actividad de grupo de Fitness en la modalidad de Localizada. Fue construido y validado un nuevo sistema de observación de la conducta de los instructores de actividades de grupo de Fitness (SOCIF), que fue utilizado para codificar los comportamientos observados en los videos de las clases de Localizada de 62 instructores para observar su intervención. También fue construido y validado un cuestionario sobre la percepción y la preferencia de la conducta de los instructores de actividades de grupo de Fitness, con el cual fue posible acceder a la percepción y a la preferencia de los practicantes de Localizada (n = 447) sobre la conducta de dichos instructores. Se realizó una pregunta referente a la satisfacción global de los practicantes con el instructor. La preferencia, la satisfacción específica (preferencia - percepción) de los practicantes con cada uno de los comportamientos y la satisfacción global también han sido analizadas. Han sido planteadas 7 hipótesis, concluyéndose lo siguiente. H1: Se verificó la asociación lineal positiva entre la conducta observada en los instructores y la percepción de los practicantes en los comportamientos de Corrección Con Ejercicio, Conversaciones con los Practicantes Con Ejercicio y Conversaciones con los Practicantes Sin Ejercicio. En el comportamiento de Gestión Con Ejercicio se verificó la existencia de una asociación lineal significativa, pero negativa, en vez de positiva. No se verificó la existencia de una asociación lineal positiva entre la conducta observada en los instructores y la percepción de los practicantes en los comportamientos de Evaluación Positiva (Con y Sin Ejercicio) y de Evaluación Negativa (Con y Sin Ejercicio). Fue evidenciada también la existencia de otras relaciones lineales significativas entre la conducta observada en los instructores y la percepción de los practicantes: Información Con Ejercicio; Información Sin Ejercicio; Cuestionamiento Con Ejercicio; Cuestionamiento Sin Ejercicio; Afectividad Positiva Con Ejercicio; Afectividad Positiva Sin Ejercicio; Afectividad Negativa Con Ejercicio; Afectividad Negativa Sin Ejercicio; Estimulación Con Ejercicio; Estimulación Sin Ejercicio; Conversaciones Con Otros Con Ejercicio; Atención a las Intervenciones Verbales de los Practicantes Sin Ejercicio; Atención a las Intervenciones Verbales de Otros Con Ejercicio. H2: Sólo se verificó la existencia de una asociación lineal significativa positiva entre la conducta observada en los instructores y la preferencia de los practicantes en 7 de los 33 comportamientos: Información Con Ejercicio; Cuestionamiento Con Ejercicio; Afectividad Positiva (Con y Sin Ejercicio); Afectividad Negativa Sin Ejercicio; Conversaciones con los Practicantes Con Ejercicio; Conversaciones con Otros Con Ejercicio. También fue evidenciada la existencia de una relación lineal significativa entre la conducta observada en los instructores y la preferencia de los practicantes, pero negativa, en vez de positiva, en la Evaluación Positiva Sin Ejercicio. III

5 H3: Se verificó la asociación lineal significativa positiva entre la percepción y la preferencia de los practicantes en todos los 33 comportamientos. H4: No se verificó una asociación lineal significativa entre la satisfacción global y la conducta observada, como supuesto, en el caso de la Evaluación Negativa (Con y Sin Ejercicio), Información (Con y Sin Ejercicio), Evaluación Positiva (Con y Sin Ejercicio) y Corrección (Con y Sin Ejercicio), existiendo todavía una asociación lineal significativa positiva en la Estimulación Con Ejercicio. Han sido también encontradas otras asociaciones lineales significativas: Demostración Sin Información; Cuestionamiento Sin Ejercicio; Afectividad Negativa Con Ejercicio; Atención a las Intervenciones Verbales de Otros Con Ejercicio. H5: Aunque exista asociación lineal significativa negativa entre la satisfacción global y la satisfacción específica en los comportamientos de Información (Con y Sin Ejercicio), Corrección Sin Ejercicio, Evaluación Positiva (Con y Sin Ejercicio) y Estimulación (Con y Sin Ejercicio), ha también sido encontrada una asociación significativa negativa, en vez de positiva, en la Evaluación Negativa (Con y Sin Ejercicio). Han sido también encontradas otras asociaciones lineales significativas entre la satisfacción global y la satisfacción específica, designadamente en los comportamientos: Cuestionamiento Con Ejercicio; Cuestionamiento Sin Ejercicio; Ejercicio Independiente; Observación Con Ejercicio; Atención a las Intervenciones Verbales de los Practicantes Con Ejercicio; Atención a las Intervenciones Verbales de los Practicantes Sin Ejercicio; Otros Comportamientos. H6: En lo que se refiere a la influencia de la conducta observada en la satisfacción global, dado que al inicio no se verificaran algunos de los presupuestos de la regresión lineal múltiple, no se llego a testar ningún modelo. H7: Con relación a la influencia de las variables de satisfacción específica en la satisfacción global, aunque se ha llegado a un mismo modelo de regresión lineal múltiple con los diversos métodos de búsqueda (Stepwise, Forward y Backward), donde las variables Estimulación Con Ejercicio, Otros Comportamientos, Observación Sin Ejercicio, Evaluación Positiva Sin Ejercicio y Afectividad Negativa Sin Ejercicio presentaran un coeficiente con valor negativo, y la Afectividad Negativa Con Ejercicio y la Gestión Sin Ejercicio presentaran un coeficiente con valor positivo, este modelo tiene una reducida validez por el hecho de que no se verifican algunos de los presupuestos del mismo. En las conclusiones se detallan todos los aspectos observados y analizados a lo largo del proceso de investigación. IV

6 RESUM El present treball s'ha centrat en l'estudi de la conducta pedagògica dels instructors de l'activitat de grup de Fitness en la modalitat de Localitzada. Ha estat construït i validat un nou sistema d'observació de la conducta dels instructors d'activitats de grup de Fitness (SOCIF), que l hem utilitzat per a codificar els comportaments observats en els vídeos de les classes de Localitzada de 62 instructors per a observar la seva intervenció. També ha estat construït i validat un qüestionari sobre la percepció i la preferència de la conducta dels instructors d'activitats de grup de Fitness, amb el qual ha estat possible accedir a la percepció i a la preferència dels practicants de Localitzada (n = 447) sobre la conducta d'aquests instructors i referida a la satisfacció global dels practicants quant a la manera d intervenir de l'instructor. La preferència, la satisfacció específica (preferència - percepció) dels practicants amb cadascun dels comportaments i la satisfacció global també han estat analitzats. Han estat plantejades 7 hipòtesis que han conclòs lo següent: H1: Es va verificar l'associació lineal positiva entre la conducta observada dels instructors i la percepció dels practicants en els comportaments de Correcció Amb Exercici, Converses amb els Practicants Amb Exercici i Converses amb els Practicants Sense Exercici. En el comportament de Gestió Amb Exercici es va verificar l'existència d'una associació lineal significativa, però negativa, enlloc de positiva. No es va verificar l'existència d'una associació lineal positiva entre la conducta observada en els instructors i la percepció dels practicants en els comportaments d'avaluació Positiva (Amb i Sense Exercici) i d'avaluació Negativa (Amb i Sense Exercici). Va Ser evidenciada també l'existència d'altres relacions lineals significatives entre la conducta observada en els instructors i la percepció dels practicants: Informació Amb Exercici; Informació Sense Exercici; Qüestionament Amb Exercici; Qüestionament Sense Exercici; Afectivitat Positiva Amb Exercici; Afectivitat Positiva Sense Exercici; Afectivitat Negativa Amb Exercici; Afectivitat Negativa Sense Exercici; Pressió Amb Exercici; Pressió Sense Exercici; Converses Amb Altres persones Amb Exercici; Atenció a les Intervencions Verbals dels Practicants Sense Exercici; Atenció a les Intervencions Verbals d Altres persones Amb Exercici. H2: Només es va verificar l'existència d'una associació lineal significativa positiva entre la conducta observada dels instructors i la preferència dels practicants en 7 dels 33 comportaments: Informació Amb Exercici; Qüestionament Amb Exercici; Afectivitat Positiva (Amb i Sense Exercici); Afectivitat Negativa Sense Exercici; Converses amb els Practicants Amb Exercici; Converses amb Altres persones Amb Exercici. També va ser evidenciada l'existència d'una relació lineal significativa entre la conducta observada dels instructors i la preferència dels practicants, però negativa, enlloc de positiva, en l'avaluació Positiva Sense Exercici. H3: Es va verificar l'associació lineal significativa positiva entre la percepció i la preferència dels practicants en tots els 33 comportaments. V

7 H4: No es va verificar una associació lineal significativa entre la satisfacció global i la conducta observada, com a supòsit, en el cas de l'avaluació Negativa (Amb i Sense Exercici), Informació (Amb i Sense Exercici), Avaluació Positiva (Amb i Sense Exercici) i Correcció (Amb i Sense Exercici), existint encara una associació lineal significativa positiva en la Pressió Amb Exercici. Han estat també trobades altres associacions lineals significatives: Demostració Sense Informació; Qüestionament Sense Exercici; Afectivitat Negativa Amb Exercici; Atenció a les Intervencions Verbals d'uns altres Amb Exercici. H5: Encara que existeixi associació lineal significativa negativa entre la satisfacció global i la satisfacció específica en els comportaments d'informació (Amb i Sense Exercici), Correcció Sense Exercici, Avaluació Positiva (Amb i Sense Exercici) i Pressió (Amb i Sense Exercici), ha també estat trobada una associació significativa negativa, enlloc de positiva, en l'avaluació Negativa (Amb i Sense Exercici). Han estat també trobades altres associacions lineals significatives entre la satisfacció global i la satisfacció específica quant als comportaments: Qüestionament Amb Exercici; Qüestionament Sense Exercici; Exercici Independent; Observació Amb Exercici; Atenció a les Intervencions Verbals dels Practicants Amb Exercici; Atenció a les Intervencions Verbals dels Practicants Sense Exercici; Altres Comportaments. H6: Pel que fa a la influència de la conducta observada en la satisfacció global, atès que a l'inici no es verifiquessin alguns dels pressupostos de la regressió lineal múltiple, no s'arriba a testar cap model. H7: Quant a la influència de les variables de satisfacció específica en la satisfacció global, encara que s'ha arribat a un mateix model de regressió lineal múltiple amb els diversos mètodes de recerca (Stepwise, Forward i Backward), on les variables Pressió Amb Exercici, Altres Comportaments, Observació Sense Exercici, Avaluació Positiva Sense Exercici i Afectivitat Negativa Sense Exercici presentessin un coeficient amb valor negatiu, i l'afectivitat Negativa Amb Exercici i la Gestió Sense Exercici presentessin un coeficient amb valor positiu, aquest model té una reduïda validesa pel fet que no es verifiquen alguns dels pressupostos del mateix. En les conclusions es detallen tos els aspectes observats i analitzats al llarg del procés d investigació. VI

8 ABSTRACT The purpose of this work was to study the instructors pedagogical behaviour in the Fitness activity Resistance Training. A new observation system of instructor behaviour was developed and validated (SOCIF), which was used to codify the observed behaviours of 62 Resistance Training instructors. Their intervention was characterized. It was also constructed and validated a questionnaire concerning the perception and the preference about the instructors behaviour, with which it was possible to know the perception and the preference of the Resistance Training participants (n = 447). A question concerning the participants global satisfaction was done. The participants preference, specific satisfaction (preference - perception) with each one of the instructors behaviours and the global satisfaction had been also characterized. The conclusions of the 7 tested hypotheses were the following. H1: There was a significant positive linear association between the observed instructors behaviour and the participants perception in the following behaviours: Correction With Exercise; Conversation with Participants With Exercise; Conversation with Participants Without Exercise. In Management With Exercise there was a significant linear association, but negative, instead of positive. There wasn t a significant positive linear association between the observed instructors behaviour and the participants perception in Positive Evaluation (With and Without Exercise) and in Negative Evaluation (With and Without Exercise). There were also others significant linear relations between the observed instructors behaviour and the participants perception: Information With Exercise, Information Without Exercise, Questioning With Exercise, Questioning Without Exercise, Positive Affectivity With Exercise, Positive Affectivity Without Exercise, Negative Affectivity With Exercise, Negative Affectivity Without Exercise, Hustle With Exercise, Hustle Without Exercise, Conversation with Others With Exercise, Attention to Verbal Interventions of Participants Without Exercise, Attention to Verbal Interventions of Others With Exercise. H2: There was a significant positive linear association between the observed instructors behaviour and the participants preference in 7 of the 33 behaviours: Information With Exercise; Questioning With Exercise; Positive Affectivity (With and Without Exercise); Negative Affectivity Without Exercise; Conversation with Participants With Exercise; Conversation with Others With Exercise. There was also a significant linear relation between the observed instructors behaviour and the participants preference, but negative, instead of positive, in the Positive Evaluation Without Exercise. H3: There was a significant positive linear association between participants perception and preference in all of the 33 behaviours. VII

9 H4: There wasn t a significant linear association between participants global satisfaction and the observed behaviour in Negative Evaluation (With and Without Exercise), Information (With and Without Exercise), Positive Evaluation (With and Without Exercise) and Correction (With and Without Exercise). There was a significant positive linear association in Hustle With Exercise. There were also others significant relations between participants global satisfaction and the observed behaviour: Demonstration Without Information; Questioning Without Exercise; Negative Affectivity With Exercise; Attention to Verbal Interventions of Others With Exercise. H5: Although there was a significant negative linear association between participants global satisfaction and specific satisfaction in the behaviours Information (With and Without Exercise), Correction Without Exercise, Positive Evaluation (With and Without Exercise) and Hustle (With and Without Exercise), there was also a significant negative linear association, instead of positive, in Negative Evaluation (With and Without Exercise). There were also others significant relations between participants global satisfaction and specific satisfaction, namely in the following behaviours: Questioning With Exercise, Questioning Without Exercise; Independent Exercise; Observation With Exercise; Attention to Verbal Interventions of Participants With Exercise; Attention to Verbal Interventions of Participants Without Exercise; Other Behaviours. H6: Concerning the influence of the observed behaviours in global satisfaction, no linear multiple regression model was tested because initially some of the suppositions weren t verified. H7: Concerning the influence of specific satisfaction in global satisfaction, the same model was found with the different linear multiple regression methods (Stepwise, Forward and Backward), in which Hustle With Exercise, Other Behaviours, Observation Without Exercise, Positive Evaluation Without Exercise and Negative Affectivity Without Exercise have had a negative value in the coefficient and in which Negative Affectivity With Exercise and Management Without Exercise have had a positive value in the coefficient. However the model has a reduced validity because some of the suppositions weren t verified. VIII

10 RESUMO O presente trabalho centrou-se no estudo do comportamento pedagógico dos instrutores da actividade de grupo de Fitness Localizada. Foi construído e validado um novo sistema de observação do comportamento dos instrutores de aulas de grupo de Fitness (SOCIF), o qual foi utilizado para codificar os comportamentos observados nos vídeos das aulas de Localizada de 62 instrutores, caracterizando a sua intervenção. Foi também construído e validado um questionário acerca da percepção e da preferência do comportamento pedagógico dos instrutores de aulas de grupo de Fitness, com o qual foi possível aceder à percepção e à preferência dos praticantes de Localizada (n = 447) acerca do comportamento do instrutor. Foi ainda colocada uma questão acerca da satisfação global dos praticantes com o instrutor. A preferência, a satisfação específica (preferência - percepção) dos praticantes com cada um dos comportamentos e a satisfação global foram também caracterizadas. Foram colocadas 7 hipóteses de estudo, tendo-se concluído o seguinte. H1: Verificou-se existir associação linear positiva entre o comportamento observado nos instrutores e a percepção dos praticantes nos comportamentos: Correcção Com Exercício; Conversas com Alunos Com Exercício; Conversas com Alunos Sem Exercício. No comportamento de Gestão Com Exercício verificou-se existir uma associação linear significativa, mas negativa, em vez de positiva. Não se verificou existir associação linear positiva entre o comportamento observado nos instrutores e a percepção dos praticantes nos comportamentos de Avaliação Positiva (Com e Sem Exercício) e de Avaliação Negativa (Com e Sem Exercício). Constatou-se existirem também outras relações lineares significativas entre o comportamento observado nos instrutores e a percepção dos praticantes: Informação Com Exercício, Informação Sem Exercício, Questionamento Com Exercício; Questionamento Sem Exercício; Afectividade Positiva Com Exercício; Afectividade Positiva Sem Exercício; Afectividade Negativa Com Exercício; Afectividade Negativa Sem Exercício; Pressão Com Exercício; Pressão Sem Exercício; Conversas Com Outros Com Exercício; Atenção às Intervenções Verbais dos Alunos Sem Exercício; Atenção às Intervenções Verbais de Outros Com Exercício. H2: Apenas se verificou existir associação linear significativa positiva entre o comportamento observado nos instrutores e a preferência dos praticantes em 7 dos 33 comportamentos, nomeadamente: Informação Com Exercício; Questionamento Com Exercício; Afectividade Positiva (Com e Sem Exercício); Afectividade Negativa Sem Exercício; Conversas com Alunos Com Exercício; Conversas com Outros Com Exercício. Constatou-se também existir uma relação linear significativa entre o comportamento observado nos instrutores e a preferência dos praticantes, mas negativa, em vez de positiva, na Avaliação Positiva Sem Exercício. IX

11 H3: Verificou-se existir associação linear significativa positiva entre a percepção e a preferência dos praticantes em todos os 33 comportamentos. H4: Não se verificou existir associação linear significativa entre a satisfação global e o comportamento observado, como era suposto, no caso da Avaliação Negativa (Com e Sem Exercício) e Informação (Com e Sem Exercício), Avaliação Positiva (Com e Sem Exercício) e Correcção (Com e Sem Exercício), tendo-se encontrado uma associação linear significativa positiva na Pressão Com Exercício. Foram também encontradas outras associações lineares significativas, nomeadamente: Demonstração Sem Informação; Questionamento Sem Exercício; Afectividade Negativa Com Exercício; Atenção às Intervenções Verbais de Outros Com Exercício. H5: Apesar de se ter constatado existir associação linear significativa negativa entre a satisfação global e a satisfação específica nos comportamentos de Informação (Com e Sem Exercício), Correcção Sem Exercício, Avaliação Positiva (Com e Sem Exercício) e Pressão (Com e Sem Exercício), foi também encontrada relação significativa negativa, em vez de positiva, na Avaliação Negativa (Com e Sem Exercício). Foram também encontradas outras associações lineares significativas entre a satisfação global e a satisfação específica, designadamente nos comportamentos: Questionamento Com Exercício; Questionamento Sem Exercício; Exercício Independente; Observação Com Exercício; Atenção às Intervenções Verbais dos Alunos Com Exercício; Atenção às Intervenções Verbais dos Alunos Sem Exercício; Outros Comportamentos. H6: No que concerne à influência dos comportamentos observados na satisfação global, dado que não foram verificados os pressupostos da regressão linear múltipla na testagem inicial, não se chegou a testar nenhum modelo. H7: Relativamente à influência das variáveis de satisfação específica na satisfação global, apesar de se ter chegado a um mesmo modelo de regressão linear múltipla com os diferentes métodos de procura (Stepwise, Forward e Backward), onde as variáveis Pressão Com Exercício, Outros Comportamentos, Observação Sem Exercício, Avaliação Positiva Sem Exercício e Afectividade Negativa Sem Exercício apresentaram um coeficiente de valor negativo e a Afectividade Negativa Com Exercício e a Gestão Sem Exercício apresentaram um coeficiente de valor positivo, este modelo não é válido pelo facto de não se verificarem alguns dos pressupostos do mesmo. X

12 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJECTIVO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Caracterização das actividades de grupo de Fitness e da actividade de Localizada A satisfação dos praticantes e os instrutores de Fitness Satisfação Os instrutores de Fitness e a qualidade, motivação, satisfação e adesão ao exercício Comportamento pedagógico Modelo de análise da relação pedagógica em Desporto Instrumentos de análise do comportamento pedagógico Comportamento pedagógico dos treinadores e professores Comportamentos pedagógicos dos instrutores Cruzamento do comportamento pedagógico observado, percepção e preferência dos praticantes HIPÓTESES METODOLOGIA Amostra Amostra de instrutores Amostra de praticantes Variáveis Instrumentos Sistema de observação do comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness Considerações gerais tidas em termos de metodologia de observação Desenvolvimento e validação de um novo sistema de observação Treino dos observadores e testagem da fidelidade inter e intra-observador relativamente ao sistema de observação do comportamento do treinador e do atleta (SOTA) Aperfeiçoamento do instrumento de observação sistemática já existente (SOTA) para o contexto das aulas de grupo de Fitness Validação facial por especialistas Fidelidade inter-observadores do novo sistema de observação Fidelidade intra-observador do novo sistema de observação XI

13 Versão final do sistema de observação do comportamento do instrutor de Fitness aulas de grupo Estrutura Definição das categorias Dados obtidos Fidelidade inter-observadores e intra-observador da equipa de observadores Questionário Questionário acerca do comportamento pedagógico dos instrutores Estudo preliminar Criação da versão 1 do questionário Validação facial do novo questionário por especialistas Aplicação piloto dos questionários Fidelidade do tipo estabilidade temporal Questão: satisfação global dos alunos com o comportamento pedagógico dos instrutores Versão final do questionário Equipamentos Procedimentos Construção do sistema de observação e do questionário Recolha dos dados Tratamento e visionamento dos vídeos Tratamento dos dados Análise estatística descritiva do comportamento observado nos instrutores Análise estatística descritiva dos dados dos questionários: percepção, preferência e satisfação Associação da percepção, da preferência e do comportamento observado Associação satisfação global com o comportamento observado e com a satisfação específica Influência do comportamento observado e da satisfação específica na satisfação global Limitações do estudo APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Comportamento observado nos instrutores Preferências dos praticantes acerca do comportamento dos instrutores Relação entre percepção dos praticantes, preferências dos praticantes e comportamento observado nos instrutores Satisfação específica dos praticantes acerca do comportamento dos instrutores XII

14 7.5 Satisfação global dos praticantes acerca do comportamento dos instrutores Relação entre a satisfação global e o comportamento observado nos instrutores Relação entre a satisfação global e a satisfação específica dos praticantes Influência do comportamento observado nos instrutores na satisfação global Exploração dos dados Testagem inicial dos pressupostos da regressão linear múltipla Influência da satisfação específica dos praticantes na satisfação global Exploração dos dados Testagem inicial dos pressupostos da regressão linear múltipla Aplicação dos métodos de procura do modelo Método Enter Verificação dos pressupostos após aplicação do método Enter Métodos Stepwise, Forward e Backward Verificação dos pressupostos após aplicação do método Stepwise, Forward e Backward Conclusões acerca da influência da satisfação específica dos praticantes na satisfação global CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS XIII

15 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Média da frequência de comportamentos de feedback das categorias da dimensão Objectivo (Simões & Franco, 2006) Quadro 2 Média da frequência de comportamentos de feedback das categorias da dimensão Objectivo (Simões, 2008) Quadro 3 Idade e experiência profissional dos instrutores Quadro 4 Idade dos praticantes (n = 427) Quadro 5 Definição das categorias de cada dimensão do Sistema de Observação do Comportamento do Treinador e do Atleta Parte do Comportamento do Treinador (Sarmento et al., 1998) Quadro 6 Fidelidade inter-observadores entre o observador e observador-treinador em cada uma das categorias do SOTA-Treinador (n.º de casos = 1200 segundos) Quadro 7 Fidelidade intra-observador entre a 1ª e 2ª codificação da mesma aula, em cada uma das categorias do SOTA-Treinador (n.º de casos = 1200 segundos) Quadro 8 Caracterização dos especialistas que aperfeiçoaram o SOTA-Treinador ao contexto das aulas de grupo de Fitness Quadro 9 Caracterização dos especialistas em Fitness que realizaram a revisão e validação do novo sistema de observação Quadro 10 Caracterização dos instrutores de aulas de grupo Fitness que testaram a aplicação do sistema de observação desenvolvido Quadro 11 Fidelidade inter-observadores entre a categorização critério e o grupo de observadores, utilizando o novo instrumento SOCIF (n.º de casos = 66 exemplos) Quadro 12 Fidelidade intra-observador entre a 1ª e 2ª codificação da mesma aula, utilizando o novo instrumento SOCIF (n.º de casos = 1200 segundos) Quadro 13 Definição das categorias de cada critério do Sistema de Observação do Comportamento do Instrutor de Fitness Aulas de Grupo Quadro 14 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 1 com observador 2 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 15 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 1 com observador 3 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 16 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 1 com observador 4 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 17 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 2 com observador 3 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 18 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 2 com observador 4 (n.º de casos = 2218 segundos) XIV

16 Quadro 19 Fidelidade inter-observadores da equipa de observação: observador 3 com observador 4 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 20 Fidelidade intra-observador entre a 1ª e 2ª codificação da mesma aula: observador 2 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 21 Fidelidade intra-observador entre a 1ª e 2ª codificação da mesma aula: observador 3 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 22 Fidelidade intra-observador entre a 1ª e 2ª codificação da mesma aula: observador 4 (n.º de casos = 2218 segundos) Quadro 23 Idade dos indivíduos do estudo preliminar da construção do questionário Quadro 24 Caracterização dos especialistas que construíram a 1ª versão do questionário acerca do comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness Quadro 25 Caracterização dos especialistas que realizaram a validação facial do questionário acerca do comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness Quadro 26 Idade dos indivíduos que responderam às duas aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Quadro 27 Fidelidade do tipo estabilidade temporal do questionário (versão preferência) Quadro 28 Perguntas da versão percepção do questionário acerca dos comportamentos pedagógicos do instrutor de aulas de grupo de Fitness Quadro 29 Perguntas da versão preferência do questionário acerca dos comportamentos pedagógicos do instrutor de aulas de grupo de Fitness Quadro 30 Pergunta de satisfação global acerca do comportamento pedagógico do instrutor de aulas de grupo de Fitness Quadro 31 Análise descritiva da duração das aulas de Localizada, do número total de comportamentos dos instrutores observados e do número de comportamentos por minuto Quadro 32 Análise descritiva da duração (%) total dos comportamentos observados nos instrutores em cada um dos critérios Quadro 33 Análise descritiva da frequência (%) total dos comportamentos observados nos instrutores em cada um dos critérios Quadro 34 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos do critério Instrução observados nos instrutores Quadro 35 Análise descritiva frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Instrução observados nos instrutores Quadro 36 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos do critério Interacção observados nos instrutores Quadro 37 Análise descritiva da frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Interacção observados nos instrutores XV

17 Quadro 38 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos do critério Actividade observados nos instrutores Quadro 39 Análise descritiva da frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Actividade observados nos instrutores Quadro 40 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos do critério Controlo observados nos instrutores Quadro 41 Análise descritiva da frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Controlo observados nos instrutores Quadro 42 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos no critério Organização observados nos instrutores Quadro 43 Análise descritiva da frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Organização observados nos instrutores Quadro 44 Análise descritiva da duração (%) de cada um dos comportamentos do critério Outros Comportamentos observados nos instrutores Quadro 45 Análise descritiva da frequência (%) de cada um dos comportamentos do critério Outros Comportamentos observados nos instrutores Quadro 46 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Instrução Quadro 47 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Interacção Quadro 48 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Actividade Quadro 49 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Controlo Quadro 50 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Organização Quadro 51 Análise descritiva da preferência dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Outros Comportamentos Quadro 52 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente às categorias de comportamento do critério Instrução Quadro 53 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente às categorias de comportamento do critério Interacção Quadro 54 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente às categorias de comportamento do critério Actividade XVI

18 Quadro 55 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente às categorias de comportamento do critério Controlo Quadro 56 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente às categorias de comportamento do critério Organização Quadro 57 Correlação entre o comportamento observado nos instrutores (Comp. Obs.), a percepção e a preferência dos praticantes, relativamente à categoria Outros Comportamentos Quadro 58 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Instrução Quadro 59 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Interacção Quadro 60 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Actividade Quadro 61 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Controlo Quadro 62 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos comportamentos do critério Organização Quadro 63 Análise descritiva da satisfação específica dos praticantes acerca dos Outros Comportamentos Quadro 64 Análise descritiva da satisfação global dos praticantes com os instrutores Quadro 65 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente às categorias de comportamento do critério Instrução Quadro 66 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente às categorias de comportamento do critério Interacção Quadro 67 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente às categorias de comportamento do critério Actividade Quadro 68 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente às categorias de comportamento do critério Controlo Quadro 69 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente às categorias de comportamento do critério Organização Quadro 70 Correlação entre a satisfação global e o comportamento observado, relativamente à categoria Outros Comportamentos Quadro 71 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos comportamentos do critério Instrução XVII

19 Quadro 72 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos comportamentos do critério Interacção Quadro 73 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos comportamentos do critério Actividade Quadro 74 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos comportamentos do critério Controlo Quadro 75 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos comportamentos do critério Organização Quadro 76 Correlação entre a satisfação global e a satisfação específica, relativamente aos Outros Comportamentos Quadro 77 Medidas de diagnóstico das observações com resíduos superiores a Quadro 78 Sumário do modelo, utilizando o método Enter Quadro 79 Quadro da ANOVA, utilizando o método Enter Quadro 80 Quadro dos coeficientes, utilizando o método Enter Quadro 81 Sumário do modelo, utilizando o método Stepwise, Forward e Backward Quadro 82 Quadro da ANOVA, utilizando o método Stepwise, Forward e Backward Quadro 83 Quadro dos coeficientes, utilizando o método Stepwise, Forward e Backward XVIII

20 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Género dos instrutores Gráfico 2 Género dos praticantes (n = 431) Gráfico 3 Grupos de idade dos indivíduos do estudo preliminar da construção do questionário Gráfico 4 Habilitações literárias dos indivíduos do estudo preliminar da construção do questionário Gráfico 5 Grupos de idade dos indivíduos que responderam às duas aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 6 - Género dos indivíduos que responderam às duas aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 7 Habilitações literárias dos indivíduos que responderam às duas aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 8 Tempo de prática da actividade Step/Local dos indivíduos que responderam às 2 aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 9 Prática de outras actividades desportivas, para além de Step/Local, dos indivíduos que responderam às 2 aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 10 Outras actividades desportivas praticadas, para além de Step/Local, dos indivíduos que responderam às 2 aplicações do questionário, na fase da construção do questionário fidelidade do tipo estabilidade temporal Gráfico 11 Relação entre os valores esperados para Y estandardizados e os resíduos estandardizados (n = 443) Gráfico 12 Gráfico de probabilidade normal dos resíduos estandardizados Gráfico 13 Relação entre os valores esperados para Y estandardizados e os resíduos estandardizados (n =232) Gráfico 14 Gráfico de probabilidade normal dos resíduos estandardizados Gráfico 15 Relação entre os valores esperados para Y estandardizados e os resíduos estandardizados (n =232) Gráfico 16 Gráfico de probabilidade normal resíduos estandardizados do modelo, obtido com o método Stepwise, Forward e Backward XIX

Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada.

Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada. Comportamento pedagógico dos instrutores de Fitness em aulas de grupo de Localizada. Comportamento observado, percepção, preferência e satisfação dos praticantes. Susana Carla Alves Franco UNIVERSITAT

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 5.5.2. CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA (2.º CICLO MESTRADOS) E PÓS-GRADUAÇÃO 5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Alexandre Miguel Crispim Santos ANÁLISE DA INSTRUÇÃO NA COMPETIÇÃO EM FUTEBOL

Alexandre Miguel Crispim Santos ANÁLISE DA INSTRUÇÃO NA COMPETIÇÃO EM FUTEBOL Alexandre Miguel Crispim Santos ANÁLISE DA INSTRUÇÃO NA COMPETIÇÃO EM FUTEBOL Estudo das Expectativas e dos Comportamentos de Treinadores da 2ª Divisão B, na Prelecção de Preparação e na Competição Dissertação

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E DA LIDERANÇA NA PERFORMANCE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO Marisa Bettencourt Mota Março de 2015 UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay

Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay Prueba Piloto Conjunta sobre Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay Comitê do Censo Demográfico, IBGE Brasil Taller de Cierre y Conclusiones del Grupo de Trabajo Ronda Censos 2010 de la CEA-CEPAL CEPAL

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06 vii Resumo Este estudo apresenta os resultados de uma análise de necessidades de uso da língua inglesa de estudantes de um curso universitário de Publicidade e Propaganda, bem como de profissionais dessa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Seminário. Ano Lectivo 2007/2008

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Seminário. Ano Lectivo 2007/2008 Ano Lectivo 007/008 ÂMBITO DA DISCIPLINA Iniciação à investigação em Desporto, no sentido de contribuir para a promoção e desenvolvimento das áreas socio-profissionais ministradas na ESDRM, utilizando

Leia mais

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Graça Seco - gseco@esel.ipleiria.pt Isabel Dias - mdias@esel.ipleiria.pt Isabel Pereira - ipereira@esel.ipleiria.pt

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013

Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013 Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013 UNIVERSIDADE DE SALAMANCA Faculdade de Ciências da Educação Departamento de Teoria e História da Educação Professores e Escolas A imagem social do professor

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

Índice de Gráficos. vii

Índice de Gráficos. vii Índice de figuras Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 5 Figura 6 Modelo de raciocínio e acção pedagógica (adaptado de Shulman e Marcelo por Tavares, 1997) Modelo reflexivo de desenvolvimento / formação

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

2º/3º/4º Semestre 2009/2010

2º/3º/4º Semestre 2009/2010 I N S T I T U T O POLITÉCNICO DE SAN T AR É M Escola Superior de Desporto de Rio Maior LICENCIATURAS em T.D., C.F.S.D. e D.N.T.A. (Opção T.P.) Desporto para Deficientes 2º/3º/4º Semestre 2009/2010 Docentes:

Leia mais

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE.

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. 1 A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. GT8 Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e

Leia mais

O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking

O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking Fernanda Leão Ramos O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como

Leia mais

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração Resumo A Trissomia XXI caracteriza-se por um distúrbio de origem genética causado pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração generalizada do Sistema Nervoso Central

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a MASTER ASSESSORIA EDUCACIONAL criou o Cursos de Mestrado e Doutorado em Administração, os quais procuram enfatizar

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística

Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística Luis Cláudio Bernardo Moura Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso

LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso Orientadora: Prof. Doutora Alice Maria Justa Ferreira Mendonça Paula Alexandra Pereira Rodrigues de Caíres Funchal 2011 Escolha do

Leia mais

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011 Escola Secundária do Padrão da Légua Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo / Relatório trimestral º Período Dando cumprimento ao estipulado no ponto. do º artigo do Regulamento Interno, o Gabinete de

Leia mais

ÍNDICE GERAL Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Revisão geral da literatura.. 24 Capítulo 3 Considerações instrumentais

ÍNDICE GERAL Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Revisão geral da literatura.. 24 Capítulo 3 Considerações instrumentais RESUMO O presente estudo pretende responder à questão de determinar os factores aptos a promover o desportivismo e as competências pró-sociais no desporto infanto-juvenil. Partindo da escolha e validação

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR APRESENTAÇÃO DO CONCURSO: O concurso Gestão de Ideias para Economizar representa uma oportunidade para os estudantes se prepararem, em pequenos grupos,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a Master Assessoria Educacional criou o Curso de Mestrado em Fisioterapia, o qual procura enfatizar a Intervenção

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 ARTIGO BASE: LEADERSHIP BEHAVIORS IN SALES MANAGERS: A LEVEL ANALYSIS SHOEMAKER, MARY E., JOURNAL OF MARKETING, (SPRING 2003) Carlos Jorge Carvalho

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO QUALIDADE DE SERVIÇO E AUTO-PERCEPÇÃO FÍSICA VERSUS RETENÇÃO E FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO A INFLUÊNCIA DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES Ana Sofia Pacheco Pedro Março de 2015 UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO A PERCPEÇÃO DOS TÉCNICOS PROFISSIONAIS DE REINSERÇÃO SOCIAL NAS EQUIPAS DE VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO - estudo de caso Maria de Fátima Martins de Sousa

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

Redes Sociais da Família Multiproblemática ou Família Multidesafios

Redes Sociais da Família Multiproblemática ou Família Multidesafios ESCOLA SUPERIOR de ALTOS ESTUDOS Redes Sociais da Família Multiproblemática ou Família Multidesafios Estudo Exploratório Dissertação de Mestrado de Psicologia Clínica: Família e Intervenção Sistémica Cristiana

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física. Jogos e Emoções

UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física. Jogos e Emoções UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Jogos e Emoções Expressão Emocional em situações reais de jogos do Domínio Psicomotor João Carlos Fernandes Pessoa Gonçalves

Leia mais

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESTATUTO Nº 01/15. Dispõe sobre a institucionalização do Laboratório de Atividade Física e Esportiva (LAFE) no âmbito da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). RESOLVE: Art. 1º - Dispor sobre normas gerais

Leia mais

APCOACHING - Associação Portuguesa de Coaching

APCOACHING - Associação Portuguesa de Coaching I - Filosofia de Coaching da APCOACHING A APCOACHING (Associação Portuguesa de Coaching) está alinhada com uma forma de Coaching que honra o Cliente (Coachee) como perito na sua vida e trabalho e acredita

Leia mais

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes.

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. ii Dedicatória À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. iii iv Agradecimentos Uma investigação desta tipologia envolve, directa

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I PROPOSTA DE FORMAÇÃO INTRODUÇÃO As probabilidades e estatística funcionam hoje em dia como uma ferramenta não só de apoio, mas sim de iluminação para as diferentes ciências. Qualquer profissional não poderá

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, JUNHO 05 RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

A evolução do conceito de liderança:

A evolução do conceito de liderança: A evolução do conceito de liderança: um bolo feito de camadas Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão, 3º Ano, 2º semestre, 2011-2012 Liderança e Gestão de Equipas Docentes:

Leia mais

IPBeja Clipping. Junho 2013

IPBeja Clipping. Junho 2013 IPBeja Clipping Junho 2013 Índice # Orgão Título Data 1 C P Social Salvador CPSS presente na Formação Técnica de desporto ESEB-IPBeja 03-06-2013 2 Diário Online I Fórum de Educação e Formação do Algarve

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA Análise da entropia como medida de incerteza e valor ordinal da informação no mercado bolsista de acções português. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Como usar perguntas filtro em pesquisas online

Como usar perguntas filtro em pesquisas online Como usar perguntas filtro em pesquisas online Muitas vezes precisamos fazer uma pesquisa em um grupo de indivíduos caracterizados por algum traço comum: que sejam consumidores de um determinado produto,

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE 2010 Relatório de Actividades e Contas do Grupo Regional do Norte 2010 ÍNDICE 1. Introdução 2. Funcionamento do Grupo Regional do Norte 2.1. Período de funcionamento

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS:

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: Caro/a dinamizador(a) de grupo/técnico(a): Começamos por agradecer a sua colaboração na avaliação do programa. Este é um passo fundamental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO JAMILLE ARNAUT BRITO MORAES HABILIDADES METALINGUÍSTICAS E SUAS INTERCORRÊNCIAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS Salvador

Leia mais

Análise do Feedback Pedagógico em Instrutores Estagiários e Experientes na Atividade de Localizada

Análise do Feedback Pedagógico em Instrutores Estagiários e Experientes na Atividade de Localizada VERA ALEXANDRA DA COSTA SIMÕES Análise do Feedback Pedagógico em Instrutores Estagiários e Experientes na Atividade de Localizada Comportamento observado, auto-perceção dos instrutores e preferências dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Atividade seguradora, desenvolvimento e performance.

Resumo. Palavras-chaves: Atividade seguradora, desenvolvimento e performance. Resumo A presente dissertação assenta em dois objetivos: o primeiro focaliza-se numa comparação da atividade seguradora entre Moçambique e Portugal, descrevendo as suas realidades, e o segundo em saber

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

O ensino de Espanhol Língua Estrangeira (E/LE) através de um ambiente. virtual: projeto piloto de um curso on-line

O ensino de Espanhol Língua Estrangeira (E/LE) através de um ambiente. virtual: projeto piloto de um curso on-line O ensino de Espanhol Língua Estrangeira (E/LE) através de um ambiente virtual: projeto piloto de um curso on-line Kátia Silene Gabrielli (UNESP/ Araraquara) Profa. Dra. Ucy Soto (UNESP/ Araraquara) Introdução

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO ANO LECTIVO 2009/2010 PROGRAMAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR EDUCAÇÃO PARA

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais