MANUAL DO EMPREGADO DOMÉSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO EMPREGADO DOMÉSTICO"

Transcrição

1 MANUAL DO EMPREGADO DOMÉSTICO Apesar da aparente simplicidade, o trabalho doméstico apresenta dificuldades no plano teórico e paralelamenteexige orientação prática para atender às exigências das rotinascom que se defrontam os empregadores domésticos.destina-se este capítulo do manual a dar esclarecimentos sobre o assunto. Definições: Empregado doméstico é a pessoa maior de 18 anos que presta serviços de naturezacontínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou família, no âmbito residencial desta(inclusive casas de campo ou praia, sítios etc.). Empregador doméstico é a pessoa ou família que admite empregado doméstico a seu serviço. DIREITOS DO EMPREGADO DOMÉSTICO: 1. Piso salarial de acordo com o Estado da Federação, nunca inferior ao salário mínimo Federal. Devido à Emenda Constitucional 72 de 02/03/2013, que reconheceu à categoria dos Domésticos a aplicação de Convenções ou Acordos Coletivos, poderá o Piso Salarial ser determinado através destas, de acordo com a base territorial do Sindicato; 2. Carteira de trabalho assinada; 3. Vale-transporte; 4. Proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção; 5. Irredutibilidade do salário, salvo o disposto em Convenção ou Acordo Coletivo; 6. Décimo terceiro salário; 7. Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; 8. Aviso prévio de no mínimo 30 dias, sendo que para cada ano trabalhado serão acrescidos 3 dias de aviso prévio, até o limite de 90 dias; (Nota Técnica nº 184/2012/CGRT/SRT/MTE) 9. Licença gestante com duração de 120 dias; 10. Licença paternidade com duração de 5 dias; 11. Férias anuais com remuneração acrescida de um terço; 12. Previdência social e aposentadoria; 13. Gozo de férias anuais de 30 dias remuneradas com um terço a mais que o salário normal; 14. Estabilidade no emprego até o quinto mês após o parto; 15. Jornada de trabalho de até 8 horas diárias e 44 semanais; 16. Remuneração do serviço extraordinário (hora extra) superior, no mínimo, em 50% à do normal; 17. Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança; 18. Reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho; 19. Proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil; 20. Proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência; 21. Proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; Outros direitos foram conquistados pelos empregados domésticos que até a edição do presente livro aguardavam Regulamentação Governamental, sejam na forma da Lei ou na mudança de Norma Técnica, sendo eles:

2 1. Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos; 2. Seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário; 3. FGTS- fundo de garantia por tempo de serviço; 4. Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno (Adicional Noturno); 5. Salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei; 6. Assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas; 7. Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa. As regras referentes aos direitos que ainda não foram regulamentados estarão disponíveis no site da EMDOC, tão logo estas ocorram. O presente manual sempre estará atualizado e a disposição dos leitores no site: CONTRATO DE EXPERIÊNCIA A relação do trabalho doméstico exige que a pessoa contratada possua, além dos demais requisitos, o da honestidade. Indiscutível a necessidade da prova nos primeiros meses da contratação, para que o empregador tenha oportunidade de verificar as aptidões, bem como virtudes e defeitos. Do mesmo modo, é necessária a adaptação do empregado às tarefas que lhe forem atribuídas e às condições oferecidas. O empregado doméstico pode ser contratado em caráter experimental. O contrato de experiência deve ter duração de no máximo 90 dias, podendo haver uma única prorrogação dentro deste período, como exemplificamos abaixo: - 30 dias, renovado por mais 60 dias; - 45 dias, renovado por mais 45 dias; - 60 dias, renovado por mais 30 dias. DOCUMENTOS SOLICITADOS NA ADMISSÃO O empregador doméstico deve lembrar, antes de contratar alguém, que o futuro empregado passará a zelar pelo patrimônio da família, muitas vezes da educação e criação dos filhos, terá ciência de segredos e hábitos da sua família e manipulará alimentos, objetos de uso pessoal, roupas etc. Então, sugerimos exigir do candidato a seguinte documentação: 1. O comprovante de residência: pode ser cópia de um documento atual (conta de luz, água ou telefone) que comprove onde, atualmente, o candidato reside; 2. A carta de referência ou atestado de boa conduta: são meios de informação profissional sobre o candidato. Devem ser fornecidos por empregador anterior ou pessoa idônea. INSCRIÇÃO NO INSS Todo empregado doméstico deve ter um número de inscrição no INSS ou PIS (caso já tenha trabalhado em empresa anteriormente), que será utilizado para recolhimento do INSS. A inscrição pode ser feita nas agências dos correios, nos postos de atendimento da Previdência Social ou pelo site Para empregado que possui nº de NIT/PIS/PASEP, não é necessário fazer nova inscrição. A partir do primeiro pagamento da contribuição, o empregado estará automaticamente inscrito.

3 PREVIDÊNCIA SOCIAL O empregador doméstico é obrigado a arrecadar a contribuição do segurado empregado doméstico a seu serviço e recolhê-la, assim como a parcela a seu cargo, no prazo máximo até o dia 15 do mês seguinte àquele a que as contribuições se referem. Se não houver expediente bancário, o pagamento pode ser feito no dia útil imediatamente posterior. A exceção ocorre no recolhimento referente ao mês de novembro, que poderá ser procedido junto com o recolhimento do 13º salário, até o dia 20 do mês de dezembro, e, caso não haja expediente bancário, o pagamento deverá ser procedido no 1º dia imediatamente anterior. Durante o período da licença-maternidade da empregada doméstica, cabe ao empregador o recolhimento da contribuição (12%). Nos meses de afastamento e retorno, a parte da empregada será descontada proporcionalmente aos dias trabalhados. A contribuição incidente sobre o valor bruto da gratificação natalina - 13 salário - deverá ser calculada em separado e recolhida até o dia 20 do mês de dezembro, e assinalada como competência 13/ (ano do recolhimento) na GPS (Guia da Previdência Social). A GPS é fornecida gratuitamente via internet através do site. Existe uma tabela com as alíquotas de contribuição do empregado e empregador e deve ser consultada no momento do preenchimento da GPS. O carnê ou comprovantes de pagamento pertencem ao empregado, porém cabe ao empregador o seu preenchimento e recolhimento. Na rescisão, todos os carnês ou comprovantes de pagamento da GPS deverão ser devolvidos ao empregado. Sugerimos que empregador mantenha cópia dos recolhimentos para resguardá-lo em possíveis reclamações trabalhistas. Tabela da Previdência (INSS) e como contribuir: O desconto para a Previdência Social é de 8%, 9% ou 11% do salário registrado na Carteira de Trabalho do segurado mais 12% a cargo do empregador, totalizando 20%, 21% ou 23%, a ser recolhido mensalmente no carnê até o dia 15 do mês seguinte ao da competência. Alíquota para fins de Recolhimento: Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração a partir de 1º de Janeiro de 2013 Salário-de-contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%) até 1.247,70 8,00 de 1.247,71 até 2.079,50 9,00 de 2.079,51 até 4.159,00 11,00 Portaria Interministerial MPS/MF nº 15, de 10 de janeiro de 2013

4 A contribuição do empregador será sempre de 12%, independente da alíquota aplicada ao empregado. Vale dizer que antes da Edição do presente Manual, o Governo, por força da Edição da Emenda Constitucional nº 72 de abril de 2013 e através de uma Comissão Mista, estudava meios de reduzir o valor da contribuição patronal em virtude do recolhimento do FGTS. É importante lembrar que sobre férias e terço também incide a contribuição previdenciária. Se estiver em débito, deve-se procurar um Posto de Arrecadação e Fiscalização do INSS, para que sejam efetuados os cálculos do recolhimento das contribuições em atraso. PAGAMENTO DE IMPOSTO DE RENDA. A exemplo do INSS, toda vez que o empregado doméstico receber salário deve ser observada a tabela progressiva editada pelo Governo Federal, para averiguação de retenção ou não do Imposto de Renda, sendo obrigação do empregador proceder sua retenção na fonte, ou seja, no momento do pagamento. O valor do Imposto de Renda deve ser pago através de guia DARF, que tem um valor mínimo para ser recolhido e no caso de 2013 é de R$ 10,00. Caso este valor seja inferior, o empregador deve fazer o recolhimento somando os meses subsequentes. Também a retenção deve observar o número de dependentes da (o) empregada (o), visto que para cada dependente para o ano de 2013 deve ser deduzido o valor de R$ 171,97 (cento e setenta e um reais e noventa e sete centavos). Abaixo, tabela exemplificativa: Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física para o exercício de 2014, anocalendário de Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.710, De 1.710,79 até 2.563,91 7,5 128,31 De 2.563,92 até 3.418,59 15,0 320,60 De 3.418,60 até 4.271,59 22,5 577,00 Acima de 4.271,59 27,5 790,58 Exemplo: Salário de R$ 1.800,00 x 7,5% = R$ 135,00 R$ 128,31 = 6,69 * Base de cálculo do Imposto de Renda é o salário menos a contribuição previdenciária. Dedução por dependente: R$ 171,97 (cento e setenta e um reais e noventa e sete centavos) No exemplo acima, se a empregada (o) tiver dependente(s), não ocorrerá o pagamento de imposto até o valor de R$ 171,97, ficando assim desobrigada a retenção. CARTEIRA DE TRABALHO A Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) é um documento oficial expedido pelo Ministério do Trabalho, para anotação de todos os contratos de trabalho do empregado. Sua anotação é imprescindível em qualquer relação de emprego. O empregado não pode trabalhar sem sua CTPS. Caso ainda não a possua, é permitido por lei sua apresentação ao empregador no prazo de 30 dias, sob pena de ser dispensado por justa causa. O prazo para devolução da CTPS é de 48 horas, devendo constar as seguintes informações:

5 Nome e CPF do empregador; Endereço do empregador (local de trabalho do empregado); Data de admissão; Função (discriminar a função real. Exemplo: arrumadeira, cozinheira, babá, motorista, etc.); Salário (não poderá ser inferior ao mínimo fixado por lei); Assinatura do empregador; Em caso de contrato de experiência, este também deverá constar na CTPS, informando o prazo, como também suas eventuais prorrogações. Anotações posteriores: Férias (datas de início e término e seu período aquisitivo); Alterações salariais (data, valor, motivo, alteração de função); Data de saída (por ocasião da saída do empregado); Outras anotações necessárias devem ser feitas na área "Anotações Gerais". DEVERES DO EMPREGADO DOMÉSTICO: 1. Apresentar documentação pessoal: RG, CPF, certidão de nascimento ou casamento e comprovante de residência; 2. Cumprir fielmente o contrato de trabalho conforme acertado; 3. Ser pontual; 4. Acatar ordens da família; 5. Ser gentil e educado; 6. Zelar pelo patrimônio da família; 7. Dar quitação dos recibos de pagamento. SE O EMPREGADO NÃO CUMPRIR O CONTRATO DE TRABALHO DEVE-SE PROCEDER NA SEGUINTE ORDEM: 1º) Advertência verbal; 2º) Advertência escrita; 3º) Suspensão do trabalho, caso insista na prática irregularidade; 4º) Dispensa por justa causa, se o fato persistir. SALÁRIO E DESCONTOS Em alguns Estados da Federação existe um Piso Salarial, devendo o empregador doméstico observar se o Estado onde ocorre o contrato de trabalho determina o Piso Salarial. Abaixo tabela dos valores e Estados que possuem Piso salarial diferente do mínimo Federal, até a edição do presente Manual: Salário Mínimo PR RJ RS SC SP R$ 678,00 R$ 811,80 R$ 802,53 R$ 770,00 R$ 700,00 R$ 755,00

6 Nos Estados acima indicados, o Piso Salarial é fixado em lei estadual, ou seja, é a remuneração mínima paga aos trabalhadores domésticos daqueles Estados. Já o salário mínimo (R$ 678,00) é fixado em lei federal, atualizado anualmente. No ano de 2013, o reajuste ocorreu no dia 1º de janeiro e foi estipulado como remuneração mínima para aos trabalhadores nos Estados sem Piso Salarial. Sempre prevalecerá o salário de maior valor. Tratando-se de contrato de trabalho com pagamento mensal, transcorridos os 30 dias, o empregador tem obrigação de pagar o salário acertado na contratação, mediante recibo em duas vias (a segunda ficará com o empregado) até o 5º dia útil do mês seguinte. O pagamento ocorrerá depois de cumprida a obrigação. Depois do ajuste salarial entre as partes, não poderá ocorrer redução. Vale lembrar que a Emenda Constitucional nº 72 de 2 abril de 2013 possibilitou aos trabalhadores domésticos o reconhecimento de Convenções ou Acordos Coletivos, assim o Piso Salarial poderá ser determinado através de Sindicato, sempre respeitando sua base territorial. Os descontos permitidos por lei sobre o pagamento do salário são: Transporte - até 6% do salário do empregado, limitado ao montante de vale-transporte fornecido; Desconto de adiantamentos em dinheiro (vales); Faltas injustificadas; Prejuízos materiais (quando previsto em contrato); INSS; Imposto de Renda. O desconto combinado com o empregado deverá estar discriminado no recibo de pagamento. A remuneração referente às férias _ inclusive 1/3 sobre férias_ e décimo-terceiro salário não sofrerão descontos, o único desconto obrigatório é o relativo ao recolhimento Fiscal e Previdenciário. É vedado ao empregador doméstico efetuar descontos no salário do empregado por fornecimento de alimentação, vestuário, higiene ou moradia. JORNADA DE TRABALHO Antes da promulgação da Emenda Constitucional 72 de 02 de abril de 2013, não havia previsão para duração da jornada de trabalho dos empregados domésticos. Com a promulgação, a jornada passou a ser idêntica à dos trabalhadores urbanos e rurais de 8 horas diárias e 44 semanais. Assim, o empregado doméstico deve cumprir a jornada normal de trabalho não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, sendo que a jornada semanal deve ser cumprida em 6 dias da semana (segunda a sábado), facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. Caso seja ultrapassado o limite diário ou semanal de horas de trabalho, as horas suplementares deverão ser acrescidas de adicional mínimo de 50% sobre o valor da hora normal de trabalho. Estas horas são denominadas horas extras. Existe também a limitação de horas extras diárias que não poderão ser superiores a 2 horas diárias, assim a jornada máxima de trabalho por dia será sempre de 10 horas. Poderão ocorrer compensações de horários, contudo tal previsão deverá constar em contrato, limitada à feição de 10 horas diárias e 44 semanais.

7 Nos casos dos empregados domésticos que dormem no endereço de trabalho, o empregador deve ficar bem atento ao cumprimento da jornada máxima diária, e, caso utilize sua mão de obra em horário de descanso, como por exemplo, para que lhe sirva o jantar, café da manhã antes do horário regular, ajude na madrugada para atender a família, o empregador deverá pagar este período como hora extra. O fato da (o) empregada (o) dormir no trabalho por si só não configura hora extra, pois esta (e) não está trabalhando enquanto dorme. REPOUSO PARA ALIMENTAÇÃO Durante a jornada diária de trabalho, deverá o empregado gozar de um intervalo destinado à refeição e ao descanso e este intervalo deve ser no mínimo de 1 hora e no máximo de 2 horas, para os trabalhadores com carga horária acima de 6 horas diárias. Abaixo da carga horária de 6 horas, o intervalo deverá ser de no mínimo 15 minutos. Até a edição da presente obra, era proibida a troca do horário destinado à refeição e ao descanso, por saidas adiantadas (sair mais cedo) ou atraso na chegada (chegar mais tarde) e mesmo que essa solicitação fosse feita por escrito pelo empregado, perante a Justiça não tem qualquer validade. A falta de concessão do intervalo acarretaria na obrigação de pagamento de hora extra. Vale dizer que ainda estava em estudo pela Comissão que cuida da Regulamentação da Emenda a possibilidade de redução do horário destinado à refeição e ao descanso para que a(o) empregada(o) pudesse sair mais cedo ou entrar mais tarde, sem extrapolar as 8 horas diárias e 44 semanais. O (a) empregado (a) poderá permanecer na residência do (a) empregador (a), mas deve ser respeitado o descanso (não computado como trabalho efetivo), que caso seja interrompido para trabalhar, será devido o adicional de hora extra. Os intervalos concedidos pelo (a) empregador (a), não previstos em lei, são considerados tempo à disposição, por isso, devem ser remunerados como serviço extraordinário, se acrescidos ao final da jornada (Enunciado nº 118, do TST). REMUNERAÇÃO DO TRABALHO NOTURNO SUPERIOR À DO DIURNO Ainda dependendo de regulamentação, é importante frisar que o após cumprir sua jornada de 8 horas diárias, caso a (o) empregada (o) seja convocado para trabalhar no horário compreendido entre as 22:00 horas e 5:00 horas, deverá receber um adicional além das horas extras.esse adicional é denominado como adicional noturno. VALE-TRANSPORTE O empregador está obrigado por lei a fornecer vale-transporte para locomoção do empregado no trajeto residênciatrabalho e trabalho-residência. O vale-transporte não tem natureza salarial; não serve, pois, de base para contribuição previdenciária. O empregador, no início do mês, antecipa-o ao empregado, mas descontará, mensalmente, até 6% do seu salário base, limitado ao montante de vale-transporte fornecido. Na hipótese de a despesa com o vale-transporte ser inferior a 6% do salário do empregado, e este optar pelo recebimento antecipado do vale, o valor será integralmente descontado. Para receber este benefício, o empregado deve informar ao empregador o endereço residencial e os serviços e meios de transporte mais adequados ao seu deslocamento residência-trabalho e vice-versa por meio de termo de declaração e opção de vale-- transporte. A declaração falsa ou o uso indevido dos vales constituem falta grave.

8 Os vales serão adquiridos nos postos de venda ou serviços de transporte, mediante comprovação da condição de empregador ou empregado e preenchimento da guia existente no local. É proibida a substituição do vale-transporte por dinheiro, exceto na falta de estoque nos postos de venda ou serviços de transporte. REPOUSO SEMANAL REMUNERADO O empregador doméstico fica obrigado, por força de lei, a conceder o repouso remunerado um dia por semana, preferencialmente aos domingos, que será de 24 horas consecutivas. Os feriados civis e religiosos também devem ser considerados como dias de folga. Quando trabalhados, o empregador deverá conceder folga em outro dia dentro do mês, ou pagar o dia trabalhado como horas extras. FALTAS JUSTIFICADAS Doação de sangue (1 dia a cada 12 meses); Casamento 3 dias; Falecimento do cônjuge, filho, pais, irmão ou pessoa que viva sob sua dependência econômica (2 dias); Comparecimento à audiência judicial, devidamente comprovado; Comparecimento anual ao serviço militar, quando reservista (1 dia a cada 12 meses). FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO FGTS O recolhimento do FGTS até a edição do presente manual aguardava a regulamentação do Governo para seu recolhimento, anteriormente era de forma facultativa e caso o empregador optasse pelo recolhimento, este era de 8% sobre a remuneração do empregado. Antes da obrigatoriedade do recolhimento do FGTS, o empregador que decidisse recolher o FGTS de seus empregados deveriam possuir inscrição no CEI (Cadastro Específico do INSS), obtido nas agências da Previdência Social ou no site Como ainda não há uma regulamentação, pode ser que o procedimento acima seja modificado, visto que a Comissão Mista do Governo estudava a criação do SIMPLES, onde os pagamentos do INSS e FGTS fossem pagos em uma única Guia. A regra estabelecida determinava que o empregador tornava-se devedor compulsório, não mais podendo deixar de recolher até o rompimento do contrato de trabalho. Ocorrendo atraso ou interrupção, o depósito ficaria sujeito ao acréscimo de multa e juros. O recolhimento do FGTS deverá ser feito nas agências da Caixa Econômica Federal, por meio da GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e Informações para a Previdência Social, que pode ser adquirida em papelarias. Esta forma poderá ser modificada com a Regulamentação e criação do SIMPLES. Antes da regulamentação do FGTS, no ato da dispensa sem justa causa do empregado, ficava o empregador sujeito ao pagamento da multa rescisória, no valor de 40% do montante do saldo da conta vinculada do empregado. Sendo a dispensa por culpa recíproca ou força maior, a multa era reduzida em 50%. A Regulamentação também poderá mudar estes percentuais.

9 FÉRIAS O empregado doméstico tem direito a férias de 30 dias, após cada período de 12 meses de trabalho prestado à mesma pessoa ou família, este período é conhecido como aquisitivo de férias. O empregador poderá escolher dentre os próximos 11 meses subsequentes ao período aquisitivo, o período do gozo das férias do empregado, conhecido como consecutivo ou de concessão. Não sendo concedidas as férias no período consecutivo, terá o trabalhador o direito de receber o valor das férias em dobro. As férias devem ser precedidas de Aviso Prévio de no mínimo 30 dias para que o trabalhador possa se organizar. O pagamento deve ser feito até 2 dias antes do início das férias, com acréscimo de 1/3 sobre o valor do salário. O empregado assinará recibo referente ao pagamento e o empregador anotará as férias na CTPS. Cálculo: O pagamento das férias corresponde à mesma remuneração paga ao empregado na data de sua concessão, com o acréscimo de 1/3 constitucional. Tomando como base um exemplo de salário de R$ 1.000,00 mensal, teremos: Férias = R$ 1.000,00 Adicional 1/3 férias = R$ 300,00 Total proventos = R$ 1.300,00 INSS = 9% (R$ 117,00) (de acordo com a alíquota da faixa salarial) Líquido = R$ 1.183,00 A proporcionalidade será encontrada dividindo-se o valor anual de R$ 1.000,00 pelo número de meses do ano. O resultado de R$ 83,33 é multiplicado pelo número de meses trabalhados. Sobre o valor bruto total calcula-se a dedução do INSS. Quando concedidos 30 dias, o empregado pode manifestar por escrito vontade de "vender" até 1/3 das férias a que tem direito. A venda é a troca de parte dos dias de férias por trabalho. Assim o empregado recebe o valor integral das férias que possui, e retorna ao trabalho antecipadamente, vindo a receber pelos dias trabalhados. As faltas não-justificadas durante o período aquisitivo poderão ser descontadas do período de gozo. A proporção ao direito de férias é a seguinte: Quantidade de faltas x Dias de férias até 5-30 de 6 a14-24 de 15 a de 24 a Para os empregados domésticos que trabalham na forma de tempo parcial, como por exemplo, 3 vezes por semana, ou horário inferior a 44 horas semanais, o cálculo das férias deve seguir os critérios do artigo 130-A da CLT I - 18 dias, para a duração do trabalho semanal superior 22 horas, até 25 horas; II -16 dias, para a duração do trabalho semanal superior a 20 horas, até 22 horas; III - 14 dias, para a duração do trabalho semanal superior a 15 horas, até 20 horas; IV - 12 dias, para a duração do trabalho semanal superior a 10 horas, até 15 horas;

10 V - 10 dias, para a duração do trabalho semanal superior a 5 horas, até 10 horas; VI - 8 dias, para a duração do trabalho semanal igual ou inferior a 5 horas. Ainda o trabalhador em tempo parcial terá seu período de férias reduzido à metade, caso tenha mais de 7 faltas injustificadas no período aquisitivo. DÉCIMO-TERCEIRO SALÁRIO A Gratificação Natalina ou 13º salário é concedido anualmente, em duas parcelas. A primeira, entre 1º de fevereiro a 30 de novembro, no valor correspondente à metade do salário do mês anterior, e a segunda, até o dia 20 de dezembro, no valor da remuneração de dezembro, deduzindo o adiantamento já feito, sem ter seu valor corrigido. Se o empregado desejar receber o adiantamento, por ocasião das férias, deverá requerer até o dia 31 de janeiro do ano correspondente (art. 7º, parágrafo único, da Constituição Federal, Lei no 4.090, de 13 de julho de 1962, e Lei no , de 12 de agosto de 1965, regulamentada pelo Decreto no , de 3 de novembro de 1965). Seu valor total corresponderá a 1/12 (um doze avos) da remuneração atual,multiplicada pelo número de meses trabalhados durante o ano. A fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será considerada como mês integral. Ocorrendo rescisão do contrato de trabalho sem justa causa, o empregado receberá a gratificação proporcional aos meses trabalhados, calculados sobre a remuneração do mês da rescisão. ESTABILIDADE NO EMPREGO EM RAZÃO DA GRAVIDEZ A empregada doméstica tem direito à estabilidade no emprego desde a confirmação da gravidez até 5 (cinco) meses após o parto, assim não poderá ocorrer a demissão da empregada doméstica (artigo 4º-A, da Lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972, com as alterações da Lei nº , de 19 de julho de 2006). A estabilidade também compreende o período do Aviso Prévio, sendo ele trabalhado ou indenizado. SALÁRIO MATERNIDADE - LICENÇA À GESTANTE É o benefício que recebem as seguradas empregadas domésticas, por ocasião do parto, da adoção ou da guarda judicial para fins de adoção. A Previdência Social não exige carência para conceder esse benefício. O início do beneficio se dá pelo afastamento médico através de atestado fornecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde) ou por médico particular. Pode ser requerido no período entre 28 dias antes do parto e a data de sua ocorrência. A Licença terá duração de 120 dias (artigo 7º, parágrafo único, Constituição Federal). O Salário Maternidade será pago diretamente pela Previdência Social à empregada doméstica, em valor correspondente ao do seu último salário de contribuição, que não será inferior ao salário-mínimo e nem superior ao limite máximo do salário de contribuição para a Previdência Social (artigo 73, I, da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991).

11 LICENÇA PATERNIDADE A licença paternidade é um benefício que dá direito ao pai trabalhador de se ausentar por um determinado período do seu trabalho e sem prejuízo de salário após o nascimento do filho, sendo ele adotivo ou biológico, conforme previsto na Constituição Federal Brasileira de Por lei, o pai tem direito a 5 dias de afastamento. AVISO PRÉVIO A obrigação de comunicar a extinção do contrato de trabalho é recíproca: empregador e empregado estão obrigados a informar sua intenção de terminar com a relação de emprego com no mínimo 30 dias de antecedência. Quando a iniciativa for do empregador, este deverá comunicar seu empregado, que, por sua vez, permanecerá trabalhando e recebendo salário durante o período do aviso prévio, que deverá ser de no mínimo 30 dias se o empregado contar com menos de um ano de trabalho, e para cada ano de trabalho o aviso prévio terá um acréscimo de 3 dias até o limite de 90 dias. Quando não houver o aviso por parte do empregador, ou se houver o entendimento que a permanência do empregado no local de trabalho durante o período do aviso possa trazer ameaça ou insatisfação às partes, o aviso prévio será indenizado. O horário, durante o aviso prévio, será reduzido de 2 horas diárias ou de 7 dias corridos, a critério do empregado, para que este possa procurar outro emprego, sem redução de salário. De outra parte, a falta do aviso prévio por parte do empregado concede ao empregador o direito de descontar 30 dias de salário. Sobre o aviso prévio (independente se trabalhado ou indenizado) incidirá 1/12 (um doze avos) de férias e 13º salário. Quando o aviso prévio for trabalhado, o prazo para pagamento será o 1º dia útil após seu término. Quando for indenizado, o prazo será de 10 dias após apresentação da comunicação. RESCISÃO A rescisão do contrato de trabalho pode ser provocada pelo pedido de demissão do empregado, pela vontade do empregador, pelo falecimento de uma das partes, pela aposentadoria do empregado, por justa causa ou pelo próprio término do contrato de experiência. Na rescisão, o funcionário deve apresentar sua CTPS para atualização e baixa, e o empregador deve fazer um termo de rescisão, discriminando todas as verbas rescisórias. Nas rescisões por término de contrato, pedido de demissão ou demissão sem justa causa, o empregado tem os seguintes direitos: 13º salário proporcional; Férias vencidas e proporcionais mais 1/3 (se houver); Saldo de salário (se houver); Aviso prévio (dependendo do caso). ASSÉDIO MORAL E ASSÉDIO SEXUAL A violência moral e a sexual no ambiente do trabalho não são fenômenos novos. As leis que tratam do assunto ajudaram a atenuar a existência do problema, mas não o resolveram de todo.

12 Há a necessidade de conscientização da vítima e do (a) agressor (a) para que sejam posturas que resgatem o respeito e a dignidade. Assédio Moral É toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que de forma intencional atinja a dignidade e ou a integridade física ou psíquica de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. As condutas mais comuns, dentre outras, são: instruir de forma confusa e imprecisa o (a) trabalhador(a); atribuir erros imaginários ao(à) trabalhador(a); exigir, sem necessidade, trabalhos urgentes; sobrecarregar de tarefas; ignorar a presença do(a) trabalhador(a), ou não cumprimentá-lo(a) ou, ainda, não lhe dirigir a palavra na frente dos outros, deliberadamente; fazer críticas ou brincadeiras de mau gosto ao(à) trabalhador(a) em público; agredi-lo(a) física ou verbalmente, quando estão a sós o(a) assediador(a) e a vítima; fazer revista vexatória; restringir o uso de sanitários; ameaçar; insultar; isolar. Assédio Sexual abordagem, não desejada pelo (a) outro(a), com intenção sexual ou insistência inoportuna de alguém em posição privilegiada, que usa essa vantagem para obter favores sexuais de subalternos ou dependentes. Para sua perfeita caracterização, o constrangimento deve ser causado por quem se prevaleça de sua condição de superior hierárquico ou ascendência, inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função. Assédio Sexual é crime (artigo 216-A, do Código Penal, com redação dada pela Lei nº , de 15 demaio de 1991). RECIBOS Os recibos são as provas de que o empregado efetivamente recebeu os valores que lhe eram devidos pelo empregador. Devem sempre ser firmados em 2 vias e com discriminação dos proventos e descontos. Fontes: Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Previdência Social, Direitos dos Trabalhadores Domésticos, manual fornecido pelo Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Município de São Paulo. MODELOS DE RECIBOS: RECIBO DE SALÁRIO Salário R$ Horas Extras R$ Adicional Noturno R$ Descontos INSS R$ Imposto de Renda R$ Vale Transporte R$ Outros R$ Líquido R$

13 Recebi do Sr. (a) a importância líquida de R$ (por extenso) relativa ao salário do mês de de 20. Em moeda corrente, conforme demonstrativo acima. São Paulo, de de 20. Nome e assinatura do trabalhador Nº RG Nº CTPS RECIBO DE FÉRIAS Salário R$ Abono de Férias R$ Proventos R$ Descontos INSS R$ Outros R$ Líquido R$ Recebi do (a) Sr (a) a importância líquida de R$ (por extenso) conforme demonstrativo acima, referente a férias remuneradas do período aquisitivo de de de 20, a de de 20. A serem gozadas de de a de de 20, conforme aviso de férias recebido em / /.* * o aviso de férias deve ser entregue 30 dias antes de seu início. TERMO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO O TRCT deve ser impresso em 2 (duas) vias, sendo uma para o empregador e outra para o empregado, acompanhado do Termo de Quitação de Rescisão do Contrato de Trabalho, impresso em 4 (quatro) vias, sendo uma para o empregador e três para o empregado. Esta orientação é para os casos onde o trabalhador irá soerguer os valores do FGTS e receber o Seguro Desemprego. Instruções de Preenchimento Campo 21 Informar o tipo de contrato, dentre as seguintes opções: 1. Contrato de trabalho por prazo indeterminado; 2. Contrato de trabalho por prazo determinado com cláusula assecuratória de direito recíproco de rescisão antecipada; 3. Contrato de trabalho por prazo determinado sem cláusula assecuratória de direito recíproco de rescisão antecipada. Campos 22 e 27 Informar a causa e o código do afastamento do trabalhador, conforme quadro a seguir:

14 Código SJ2 JC2 RA2 FE2 FE1 RA1 SJ1 FT1 PD0 RI2 CR0 Causas do Afastamento Despedida sem justa causa, pelo empregador Despedida por justa causa, pelo empregador Rescisão antecipada, pelo empregador, do contrato de trabalho por prazo determinado. Rescisão do contrato de trabalho por falecimento do empregador individual sem continuação da atividade da empresa Rescisão do contrato de trabalho por falecimento do empregador individual por opção do empregado Rescisão antecipada, pelo empregado, do contrato de trabalho por prazo determinado. Rescisão contratual a pedido do empregado Rescisão do contrato de trabalho por falecimento do empregado Extinção normal do contrato de trabalho por prazo determinado Rescisão Indireta Rescisão por culpa recíproca Campo 30 Indicar a categoria do trabalhador: Cód. Categoria 06 Empregado Doméstico

15

16

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013?

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013? TRABALHADOR DOMÉSTICO 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? Resposta: É considerado trabalhador doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 OS NOVOS DIREITOS... 4 DIREITOS DE EFICÁCIA IMEDIATA...

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

Empregados Domésticos

Empregados Domésticos Empregados Domésticos O que está valendo hoje? Dos direitos em vigor, destacamos: Salário mínimo: O salário mínimo nacional atual é de R$ 678,00. Há Estados em que existem leis estaduais garantindo um

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais)

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

TRABALHADORES DOMÉSTICOS

TRABALHADORES DOMÉSTICOS Trabalho realizado pela advogada dra. Marília Nascimento Minicucci, do escritório do conselheiro prof. Cássio de Mesquita Barros Júnior TRABALHADORES DOMÉSTICOS Foi publicado, no Diário Oficial da União

Leia mais

TRABALHADOR DOMÉSTICO

TRABALHADOR DOMÉSTICO TRABALHADOR DOMÉSTICO Guia SESI-FIEMG dos Direitos e Deveres do Trabalhador Doméstico Edição 1.0 Outubro de 2015 1 SUMÁRIO O EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 DIREITOS DO EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 PRINCIPAIS PONTOS

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

A seguir apresentamos:

A seguir apresentamos: O Senado Federal aprovou em 26/03, em segundo turno, por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição n 478/2010 (PEC das Domésticas). A promulgação ocorreu pelo Congresso Nacional nesta terça feira

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Karime Antunes de Souza Advogada em São Paulo karime@silvaribeiro.com.br Aprovada recentemente, a Lei Complementar

Leia mais

Cartilha Mentorear. PEC Proposta de Emenda à Constituição

Cartilha Mentorear. PEC Proposta de Emenda à Constituição Cartilha Mentorear Empregada Doméstica e Categorias Associadas na Nova Lei conhecida como PEC das Domésticas PEC Proposta de Emenda à Constituição PEC 478/2010 na Câmara dos Deputados Federais PEC 66/2012

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE 09 CNPJ/CEI

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Projeto Legalize sua doméstica e pague menos INSS = Informalidade ZERO CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Realização Jornal Diario de Pernambuco

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas

Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas Os trabalhadores domésticos vão ganhar mais direitos com a promulgação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que garante a eles o

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 Suscitante: Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, com sede à Rua Rondinha, 72/78, Chácara Inglesa, São Paulo, S.P, CEP: 04140-010, inscrito no CNPJ/MF

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP.

ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP. ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP. O Sindicato dos farmacêuticos no Estado de São Paulo SINFAR, entidade sindical de primeiro grau, com Carta Sindical processo nº MTIC 362.322

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

Empregado Doméstico. Hilário Corrêa Assessoria Empresarial www.hilariocorrea.com.br. Lei 150/2015 Novas determinações Legais. Contratação.

Empregado Doméstico. Hilário Corrêa Assessoria Empresarial www.hilariocorrea.com.br. Lei 150/2015 Novas determinações Legais. Contratação. 2015 Contratação Empregado Doméstico Lei 150/2015 Novas determinações Legais Jornada de Trabalho Hora Extra Adicional Noturno Férias Décimo terceiro INSS FGTS Aviso Prévio Rescisão Seguro Desemprego Hilário

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Trabalhador Domestico

Trabalhador Domestico Trabalhador Domestico Trabalhador Domestico 3 Brasília/DF - 2013 Trabalhador Domestico Considera-se trabalhador doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços de natureza contínua (frequente,

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV.

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV. PORTARIA N o 1621 DE 14 DE JULHO DE 2010 Aprova modelos de Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho e Termos de Homologação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO. Perguntas e Respostas TRABALHADOR DOMÉSTICO. 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico?

CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO. Perguntas e Respostas TRABALHADOR DOMÉSTICO. 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? FICHA CATALOGRÁFICA CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO - Considera-se trabalhador doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços de natureza contínua (frequente, constante) e de finalidade não-lucrativa

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL 01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Trata-se de um documento básico e indispensável do trabalhador, que todo empregador deve exigir no ato da admissão, para proceder às anotações referentes

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais