GLAUCIENE DOS REIS SILVA Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLAUCIENE DOS REIS SILVA Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG E-mail: glauciene.reis@yahoo.com."

Transcrição

1 PERFIL NUTRICIONAL, CONSUMO ALIMENTAR E PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE IPATINGA, MG THE NUTRITIONAL PROFILE, FOOD CONSUMPTION AND PREVALENCE OF ANOREXIA AND NERVOUS BULIMIA SYMPTOMS IN ADOLESCENTS OF A PUBLIC SCHOOL IN IPATINGA CITY, MG GLAUCIENE DOS REIS SILVA Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG NILCEMAR RODRIGUES DA CRUZ Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste- MG ERING JÚNIOR BARROS COELHO Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste- MG RESUMO O objetivo deste estudo foi caracterizar o consumo alimentar, o estado nutricional, e a prevalência de sintomas de anorexia e bulimia nervosa em estudantes de uma escola da rede pública de ensino de Ipatinga/MG. Participaram 81 adolescentes com idade entre 13 e 18 anos. Para avaliação antropométrica foi utilizado o peso e altura para posterior cálculo de IMC sendo este analisado pelo índice IMC/I. Para descrever a prevalência dos sintomas de anorexia e bulimia nervosa, foram aplicados os questionários EAT-26 e BITE, respectivamente. Os dados do consumo alimentar foram obtidos através do recordatório 24 horas. A classificação do estado nutricional demonstrou melhores parâmetros nutricionais na faixa etária de 16 a 18 anos em relação às adolescentes de 13 a 15 anos. O EAT-26 e BITE indicaram que 20,98% (n=17) das adolescentes apresentaram risco de desenvolver anorexia, 1,23% (n=1) para o desenvolvimento de bulimia nervosa e 7,40% (n=6) apresentaram sintomas de ambas as doenças. Das adolescentes com eutrofia, 65,21% (n=15) e 57,14% (n=4) apresentaram sintomas de anorexia e bulimia nervosa, respectivamente. A avaliação alimentar, revelou consumo insuficiente de energia e menos de 50% atingiram as recomendações de ferro, zinco, vitamina A e vitamina C. Palavras-chave: adolescente, anorexia nervosa, bulimia nervosa, avaliação dietética, perfil nutricional. ABSTRACT

2 2 This study has the objective of characterize the food consumption, the nutritional state and the prevalence of the anorexia symptoms and nervous bulimia in students of a public school from Ipatinga/MG. The study was developed in 81 adolescents with ages between 13 and 18. For the anthropometric evaluation the height and weight was used for a later IMC calculation what is analyzed by the IMC/I rate. To describe the prevalence of the symptoms of anorexia symptoms and nervous bulimia EAT-26 e BITE questionnaires were applied, respectively. The data related to the food consumption were taken by a 24-hour recall. The nutritional state classification showed that the ages from 16 to 18 presented better nutritional parameters when compared to the ages from 13 to 15. EAT-26 and BITE questionnaires evaluation indicated that 20,98% (n=17) of the adolescents presented risks of developing anorexia, 1,23% (n=1) to the development of nervous bulimia and 7,40% (n=6) showed symptoms of both illness. Adolescents with stunting 65,21% (n=15) e 57,14% (n=4) presented anorexia and nervous bulimia symptoms, respectively. On the diet evaluation, was detected insufficient energy consumption and less than 50% reached the recommendation of iron, zinc, A vitamin and C vitamin. Key words: teenager, nervous anorexia, nervous bulimia, diet evaluation, nutritional profile. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a adolescência é o período entre 10 e 19 anos de idade (CONTI et al., 2005), o qual é marcado pelo crescimento e desenvolvimento acelerado, onde o estado nutricional indica condições de uma vida saudável (RODRIGUES et al., 2005). No início da adolescência, as transformações biológicas e as alterações na personalidade ocorrem juntas e assim como o corpo vai adquirindo uma nova forma, modifica-se também a imagem mental, onde o adolescente passa a crer que sua imagem corporal está desproporcional à imagem idealizada (BRANCO et al., 2006). Devido à pressão da mídia sofrida por esta população e por vários outros fatores, sendo estes os biológicos, psicológicos, familiares, insatisfação corporal e o desejo por um corpo perfeito, os adolescentes não se alimentam corretamente e passam a seguir dietas desapropriadas que causam desordens em seu organismo e aumentam o risco de apresentarem transtornos alimentares (BRANCO et al., 2006; DINIZ, 2007). O sexo feminino representa 90% da população afetada e em países industrializados, onde a magreza é valorizada, o problema é mais prevalente (RODRIGUES et al., 2005). Os transtornos alimentares estão associados à percepção corporal, levando em consideração o desejo de algumas adolescentes buscarem um corpo semelhante aos exibidos

3 3 pela mídia, tendo em vista, a magreza como padrão de beleza (RODRIGUES et al., 2005) e podem ser observados nas modificações no comportamento alimentar que atingem principalmente mulheres jovens, adolescentes e atletas (FREITAS e CARVALHO, 2006). Os dois tipos de transtornos alimentares, anorexia nervosa e bulimia nervosa, estão intimamente relacionados por apresentarem comum psicopatologia: uma exagerada preocupação com o peso e com a imagem corporal, que induz as pacientes a chegarem a um corpo idealizado através de métodos inadequados e optarem por dietas exageradamente restritivas (CLAUDINO e BORGES, 2002). A anorexia nervosa quando instalada na pré-puberdade, pode ocasionar um atraso tanto na maturação sexual, desenvolvimento físico, quanto no crescimento e estatura abaixo da esperada (VILELA et al., 2004). Segundo Dunker et al. (2003), a anorexia nervosa é caracterizada por medo intenso de engordar, distorção da imagem corporal e perda significante de peso em conseqüência da restrição dietética. A doença inicia-se com a restrição dos alimentos mais calóricos e tardiamente a mesma extende-se a outros tipos de alimentos. A anorexia nervosa pode gerar seqüelas devido a uma restrição alimentar auto-imposta que quando instalada de forma crônica, leva o paciente à desnutrição, desidratação, infertilidade, hipotermia, complicações cardiovasculares, entre outras (FIATES e SALLES, 2001; VILELA et al., 2004). A bulimia nervosa é caracterizada por uma grande e descontrolável ingestão de alimentos em um único momento, acompanhados de métodos de compensação inadequados como: vômitos auto induzidos, uso abusivo de laxantes, diuréticos, inibidores de apetite, além de dietas inadequadas e prática excessiva de exercícios físicos (SAPOZNIK, 2005; DINIZ, 2007). Os bulímicos geralmente não escondem o seu comportamento alimentar, diferente daqueles que apresentam anorexia nervosa, porém procuram ajuda médica muito tempo após o início da doença por se sentirem envergonhados e receosos (ALVARENGA et al., 2004). As complicações mais comuns da bulimia nervosa são: erosão do esmalte dentário, hipotensão, distúrbios eletrolíticos, diminuição da taxa do metabolismo basal (VILELA et al., 2004), além das queixas de fraqueza, cansaço fácil e diarréia causada pelo uso abusivo de laxantes (ALVARENGA et al., 2004). Sendo a adolescência, uma das fases importantes na vida do ser humano, o presente estudo teve como objetivo avaliar o perfil nutricional, a presença de sintomas de anorexia e

4 4 bulimia nervosa e o consumo alimentar de adolescentes estudantes em uma escola da rede pública de ensino no município de Ipatinga, MG. METODOLOGIA A pesquisa foi realizada em uma instituição de ensino da rede pública, localizada no município de Ipatinga, MG, no período de novembro de 2007 a abril de Foram selecionadas inicialmente 123 alunas do sexo feminino, com idade entre 13 e 18 anos. As estudantes e seus pais ou responsáveis assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido baseado na Resolução 196 de 10/10/1996 do Conselho Nacional de Saúde. Como critérios de exclusão do estudo foram considerados: estudantes menores de 13 anos ou com idade maior ou igual a 19 anos, questionários não preenchidos corretamente, ou que não assinaram o termo de consentimento. Desse modo, a população de estudo ficou constituída por 81 adolescentes do sexo feminino com idades entre 13 a 18 anos e 11 meses. Para aferição do peso, utilizou-se uma balança portátil, eletrônica (KRATOS-CAS), com capacidade de 200 kg e divisão de 50 g. As estudantes foram pesadas com o mínimo de roupa viável. Para obtenção da estatura (cm), foi utilizado um estadiômetro portátil (alturexata) com extensão de 2 metros e divisão de 0,1cm. As adolescentes ficaram em posição ereta, descalças e os tornozelos encostados na parede do estadiômetro. A partir das medidas do peso e altura, calculou-se o Índice de Massa Corporal (IMC) sendo este analisado pelo Índice de Massa Corporal por Idade (IMC/I) utilizando a tabela de referência do Centers for Disease Control and Prevention (CDC, 2000) e os valores de referência da World Health Organization (WHO, 1995), sendo classificado com magreza ou baixo peso com valores inferiores ao percentil 5, eutróficos quando os valores estiverem entre os percentis 5 e 85, sobrepeso entre o percentil 85 e 95 e obesidade acima do percentil 95 (BRANCO et al., 2006). Para a identificação de adolescentes com sintomas de anorexia nervosa foi utilizado um questionário validado por Garner e Garfinkel (1979) e traduzido para o português por Bighetti e Ribeiro (2003), - Teste de Atitudes Alimentares (EAT-26) aplicado para avaliar as atitudes alimentares. Cada questão apresenta 6 opções de resposta, conferindo-se pontos de 0 a 3, dependendo da escolha (sempre = 3 pontos, muitas vezes = 2 pontos, às vezes = 1 ponto, poucas vezes, quase nunca, e nunca = 0 ponto). A única questão que apresenta pontos em

5 5 ordem invertida é a 25, sendo que as respostas mais sintomáticas, como sempre, muitas vezes e às vezes, não são dados pontos e para as alternativas poucas vezes, quase nunca e nunca, são conferidos 1, 2 e 3 pontos. Considerou-se com sintomas de anorexia nervosa as estudantes que apresentaram escore maior que 21 pontos (EAT+) (BIGHETTI e RIBEIRO, 2003). Para identificar adolescentes com sintomas de bulimia nervosa aplicou-se o Instrumento para Avaliação da Bulimia Nervosa (BITE) desenvolvido por Henderson e Freeman (1987) e traduzido para o português por Cordás e Hochgraf (1993). Este instrumento é um questionário que permite identificar comedores compulsivos constituindo-se de 33 questões dirigidas à sintomatologia bulímica, variando de 0 à 30 pontos (CORDÁS e HOCHGRAF, 1993, RODRIGUES et al., 2005). A resposta sim representa a presença de sintoma, valendo 1 ponto, enquanto a resposta não significa a ausência (0). Nas questões 1, 13, 21, 23 e 31, pontua-se inversamente (MAGALHÃES e MENDONÇA, 2005). Considerouse com sintomas de bulimia nervosa as adolescentes que apresentaram escore maior ou igual a 20 pontos (ALVARENGA e PHILIPPI, 2001). O consumo alimentar foi investigado a partir da aplicação do recordatório 24 horas utilizando álbum de registros fotográficos (UNICAMP/UFG). Este questionário foi aplicado àquelas alunas que apresentaram escores positivos no EAT-26 e/ou BITE. A avaliação ocorreu em três dias alternados no decorrer da semana para refletir o consumo de dois dias da semana e um dia do fim de semana. Foi avaliado o consumo de lipídios, carboidratos, proteínas. Em seguida foi analisado o percentual de adequação de acordo com os valores preconizados pela Dietary Reference Intakes (INSTITUTO DE MEDICINA, 2005) onde a recomendação para indivíduos de 4 a 18 anos de ambos os sexos é: lipídios: 25 35%, carboidrato: 45 65% e proteína: 10 30%. A ingestão de calorias foi analisada considerando a recomendação de 2.200Kcal (RECOMMENDED DIETARY ALLOWANCE, 1989 apud NETO, 2003). Foi analisado o consumo de micronutrientes considerando as atuais recomendações da Dietary Reference Intakes, sendo eles zinco, ferro, vitamina A (TRUMBO et al., 2001), cálcio (INSTITUTO DE MEDICINA, 1997), e vitamina C (INSTITUTO DE MEDICINA, 2000). Para obtenção do consumo destes nutrientes e da energia foi realizada a média dos três dias de recordatório. Estes dados foram analisados através do software Avanutri versão RESULTADOS E DISCUSSÃO

6 6 Das 81 adolescentes avaliadas, 38,27% (n=31) se encontravam na faixa etária entre 13 a 15 anos e 61,72% (n=50) entre 16 e 18 anos. A média de idade foi de 15,5 anos. Observouse que todas as participantes já apresentavam a menarca há mais de 1 ano e a média total foi de 2 anos e 9 meses anterior à pesquisa. Em relação às características socioeconômicas da amostra, 45,8% (n=11) relataram que o número de moradores é de 4 quatro pessoas, 8,3% (n=2) relataram ser de 6 moradores. Quanto à escolaridade, 41,6% (n=10) dos pais e das mães cursaram de 5ª a 8ª série do ensino fundamental. A renda prevalente foi de 3 a 5 salários mínimos por mês, sendo esta citada por 58,34% (n=14) das entrevistadas. A classificação do estado nutricional, segundo o IMC, mostrou que 70,4% (n=57) encontravam-se eutróficas, 17,3% (n=14) com baixo peso, 8,6% (n=7) com sobrepeso e 3,7% (n=3) das adolescentes com obesidade, conforme demonstrado na Figura 1. Tabela 1 Características socioeconômicas das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino no município de Ipatinga, MG. Variáveis n % N de Moradores 3 pessoas 4 pessoas 5 pessoas 6 pessoas Escolaridade do pai Até 4ª série 5ª a 8ª série 1 ao 3 ano médio Ensino superior Escolaridade da mãe Até 4ª série 5ª a 8ª série 1 ao 3 ano médio Ensino superior Renda familiar 1 a 3 salários mínimos 3 a 5 salários mínimos Maior que 5 salários ,2 45,8 16,7 8,3 16,7 41,6 29,2 12,5 16,7 41,6 37,5 4,2 20,8 58,3 20,8 Sabry et al. (2007), utilizando também os valores de referência da CDC (2000) com crianças e adolescentes de ambos os sexos, estudantes de escolas públicas e privadas no estado de Fortaleza, revelou que das 86 adolescentes do sexo feminino estudantes de escolas públicas, 71,9% encontravam-se eutróficas, 15,6% com baixo peso, 3,1% com sobrepeso e

7 7 9,4% da amostra com obesidade. Outro estudo realizado com 199 adolescentes do sexo feminino de 15 anos de idade, do Centro de Juventude do Município de São Paulo, indicou que 72,36% (n=144) das adolescentes estavam eutróficas, 22,11% (n= 44) com sobrepeso e 5,53% (n=11) apresentavam baixo peso (GARCIA et al., 2003). Branco et al. (2006) encontraram um percentual acima de 10% para excesso de peso em adolescentes do sexo feminino de 12 a 18 anos estudantes em escolas públicas da cidade de Cotia/SP. Estes estudos confirmam a atual pesquisa, identificando um percentual preocupante de sobrepeso/obesidade entre as adolescentes , % ,3 10 8,6 3,7 0 Eutrofia Baixo Peso Sobrepeso Obesidade Estado Nutricional Figura 1 Classificação do estado nutricional segundo o IMC/I das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga, MG. A Figura 2 demonstra o estado nutricional de acordo com a faixa etária. % ,81 58, ,9 12 3, anos anos Estado Nutricional Baixo peso Eutrofia Sobrepeso Obesidade Figura 2 Classificação do Estado Nutricional das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga, MG, de acordo com a faixa etária.

8 8 Pode-se perceber que a faixa etária de 16 a 18 anos apresentou melhores parâmetros nutricionais quando comparados com a faixa etária de 13 a 15 anos, tanto no que se refere ao baixo peso quanto ao excesso de peso. A avaliação dos questionários EAT-26 e BITE demonstrado na Figura 3 indicou que 20,98% (n=17) das adolescentes apresentaram risco para desenvolver anorexia nervosa, resultados estes aproximados ao estudo de Rosa et al., (2008) quando avaliaram 81 adolescentes com faixa etária de 10 a 19 anos, que freqüentavam uma escola preparatória de modelos na cidade de Maringá, onde foi encontrado um valor de 22,2% de adolescentes com sintomas dessa doença. Quanto aos sintomas de bulimia nervosa, o presente estudo verificou que 1,23% (n=1) das adolescentes apresentaram indicativos para o desenvolvimento dessa doença e 7,40% (n=6) apresentaram sintomas de ambas as doenças, concomitantemente ,98 % ,40 1,23 Anorexia (AN) Bulimia (BN) AN + BN Figura 3 Distribuição percentual das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga, MG, em relação à presença de indicativos para anorexia e bulimia nervosa. De acordo com uma pesquisa que aplicou o EAT-26 em 221 estudantes universitárias de 19 a 25 anos (114 estudantes de Nutrição e 107 de outros cursos da área da saúde) com o objetivo de identificar fatores de risco para o desenvolvimento de anorexia nervosa, verificou que do total de estudantes, 22,1% foram classificadas com sintomas da doença (FIATES e SALLES, 2001). Outro estudo realizado por Dunker e Philippi (2003) revelou que 21,1% das adolescentes do sexo feminino de 15 a 18 anos de uma escola particular apresentavam sintomas de anorexia nervosa. Em relação à bulimia nervosa, Salles et al. (2005) ao avaliarem 98 adolescentes de idades entre 11 e 19 anos atendidos pelo Projeto Saúde modelo do Centro de Atendimento e

9 9 Apoio ao Adolescente (CAAA) do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP verificaram que 5,1% das adolescentes apresentaram comportamento de risco para o desenvolvimento de bulimia nervosa e 17,4% apresentaram os sintomas de ambas as doenças. Estes resultados são semelhantes aos achados de Rodrigues et al., (2005) quando avaliaram 110 modelos adolescentes de 11 a 19 anos de idade em grandes agências de São Paulo que encontraram 6,4% (n=7) das adolescentes com sintomas de bulimia nervosa. Na atual pesquisa quando os valores da presença de sintomas de bulimia nervosa apresentada isolada e/ou associada à anorexia nervosa são somados, estes resultam em 8,63 % (n=7). Sabe-se que a bulimia nervosa pode ser resultado de uma anorexia nervosa persistente que parece melhorar com o ganho de peso e retorno da menstruação, mas a presença de vômitos estabelece então o quadro de bulimia nervosa (SAPOZNIK, 2005), surgindo assim a necessidade de mais estudos na área. Na Figura 4 observa-se que das adolescentes com eutrofia, 65,21% (n=15) e 57,14% (n=4) apresentaram sintomas de anorexia e bulimia nervosa, respectivamente ,21 57,14 % ,34 28,57 17,41 13,04 14,28 Baixo peso Eutrofia Sobrepeso Obesidade 0 Anorexia Bulimia Figura 4 Distribuição percentual das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga/MG de acordo com o estado nutricional e sintomas para anorexia e bulimia nervosa. No estudo de Rosa et al. (2008) foi encontrado um valor de 66,67% de eutrofia para as adolescentes com sintomas de anorexia nervosa e 78,57% para adolescentes com indicativos para o desenvolvimento de bulimia, indicando que estes distúrbios estão presentes independentes da presença de distúrbios relacionados ao peso corporal. Portanto, o estado nutricional nem sempre demonstra a tendência para transtornos desse tipo, embora numa fase avançada haja comprometimento do peso (ROSA et al., 2008).

10 10 De acordo com os testes EAT-26 e BITE, verificou-se maior prevalência das adolescentes com faixa etária de 13 a 15 anos apresentarem risco para o desenvolvimento dos distúrbios alimentares (anorexia e bulimia nervosa). Existem evidências de que a maior freqüência de bulimia é no final da adolescência e início da idade adulta (FREITAS e CARVALHO, 2006), o que não foi confirmado no presente estudo (Figura 5). % , , a 15 anos 16 a 18 anos Faixa Etária Sintomas de Anorexia Sintomas de Bulimia Figura 5 Distribuição percentual das adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga, MG, quanto à prevalência de sintomas de anorexia e bulimia e a faixa etária. De acordo com Albano e Souza (2001), as demandas nutricionais na adolescência estão aumentadas devido aos processos de crescimento e de maturação sexual, uma vez que o consumo de uma dieta inadequada pode influenciar de forma desfavorável o crescimento somático. Considerando a Figura 6, verifica-se que a maioria das entrevistadas com sintomas de anorexia nervosa obteve maior probabilidade de adequação de consumo dos nutrientes quando comparado com as adolescentes que apresentaram indicativos para bulimia nervosa, com exceção da vitamina A. O consumo de cálcio foi insuficiente para ambos. Os dados desta pesquisa podem ser comparados ao estudo de Dunker e Philippi (2003), no qual analisaram o comportamento alimentar de adolescentes do sexo feminino de 15 a 18 anos de idade e constataram que as adolescentes com sintomas de anorexia nervosa, tendem a ter uma menor preferência por alimentos derivados do leite, assim como o próprio leite integral. O conhecimento do perfil da alimentação dos adolescentes é importante para revelar comportamentos e hábitos sinalizadores de um dos principais sintomas dos transtornos

11 11 alimentares que é caracterizado pela restrição e/ou compulsão alimentar (SALLES et al., 2005). 60,00% 50,0050 % 40,00% % 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% 0 Vit.A Vit.C Fe Zn Anorexia 39,13% 34,78% 43,48% 47,83% Bulimia 42,86% 28,57% 28,57% Nutrientes Figura 6 Percentual de adolescentes estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade Ipatinga, MG, com sintomas de anorexia e bulimia nervosa com probabilidade de adequação do consumo de vitamina A, vitamina C, cálcio, ferro e zinco. Ao analisar o consumo alimentar das adolescentes, foi possível verificar que nenhuma das participantes atingiu as necessidades energéticas. Vale ressaltar que esses dados podem não refletir a realidade do consumo alimentar destas estudantes, visto que elas podem ter subestimado seu consumo. No entanto, em relação ao consumo de carboidratos, lipídios e proteínas, todas as adolescentes classificadas com sintomas de anorexia e/ou bulimia nervosa atingiram as recomendações. A Tabela 2 mostra a média do percentual de consumo de carboidrato, lipídio e proteína das adolescentes que apresentaram indicativos para anorexia e bulimia nervosa. Tabela 2 Média do percentual de consumo de carboidrato, lipídio, proteína e energia das adolescentes com sintomas de anorexia e bulimia nervosa, estudantes de uma escola da rede pública de ensino na cidade de Ipatinga/MG. Carboidrato % Lipídio % Proteína % Energia Kcal Anorexia 55,0 26,97 14,8 1399,3 Bulimia 58,21 29,6 16,0 1402,0 Recomendações 45 65** 25 35** 10-30** 2.200* Fonte: RDA, 1989* e DRI s, 2002**.

12 12 Em uma pesquisa com 98 modelos do sexo feminino com idades entre 11 a 19 anos de idade, Salles et al. (2005) observaram que das adolescentes com sintomas de anorexia e bulimia nervosa, 92% não atingiram as recomendações de energia. CONCLUSÃO Mesmo apresentando um alto percentual de adolescentes com peso dentro dos padrões da normalidade, estas possuem indicativos para o desenvolvimento de transtornos alimentares. Verificou-se também que o percentual de adolescentes com baixo peso, assim como o excesso de peso, foi preocupante. A análise da adequação de consumo alimentar mostrou resultados positivos na distribuição percentual dos macronutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas), porém o consumo de energia apresentou-se insuficiente para as adolescentes com sintomas de anorexia e bulimia nervosa. Em relação ao consumo de vitamina A, vitamina C, cálcio, ferro e zinco, menos de 50% das adolescentes atingiram a recomendação. Desta forma, há necessidade de se conhecer melhor a prática alimentar dos adolescentes para que possibilite intervenções específicas e realmente eficazes para a realidade do adolescente, interagindo com toda família e o contexto no qual ele se insere, inclusive a escola. REFERÊNCIAS ALBANO, R. D.; SOUZA, S. B. Ingestão de energia e nutrientes por adolescentes de uma escola pública. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 77, n. 6, p , nov./dez., ALVARENGA, M. S; PHILIPPI, S. T. Bulimia Nervosa: Avaliação do Padrão e Comportamento Alimentares f. Tese (Doutorado em Nutrição Humana Aplicada PRONUT) - FCF/FEA/FSP, Universidade de São Paulo, São Paulo, ALVARENGA, M. S.; SCAGLIUSI, F. B.; PHILIPPI, S. T. Consumo e padrões alimentares de pacientes com bulimia nervosa antes e depois de tratamento multiprofissional. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, São Paulo, v. 19, n. 4, p , dezembro, BIGHETTI, F. RIBEIRO, R. P. P. Tradução e validação do eating attitudes test (EAT-26) em adolescentes do sexo feminino na cidade de Ribeirão Preto-SP f.

13 13 Dissertação (Mestrado) - Escola de enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, BRANCO, L. M.; CINTRA, I. P.; FIBERG, M. Adolescente gordo ou magro: realidade ou fantasia? Nutrição Brasil, São Paulo, v. 5, n. 4, p , jul./ago CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION AND NATIONAL CENTER FOR HEALTH STATISTICS (CDC). Growth Charts: United States, Disponível em: <http://www.cdc.gov/growthcharts>. Acesso em: 10 mar CLAUDINO, A. M.; BORGES, M. B. F. Critérios diagnósticos para os transtornos alimentares: conceitos em evolução. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 24, Suplemento 3, p. 7-12, dez CONTI, M. A.; FRUTUOSO, M. F. P.; GAMBARDELLA, A. M. D. Excesso de peso e insatisfação corporal em adolescentes. Revista de Nutrição, Campinas, v. 18, n. 4, p , jul./ago CORDÁS, T. A.; HOCHGRAF, P. B. O BITE : instrumento para avaliação da bulimia nervosa Versão em português. Jornal de Psiquiatria, São Paulo, v. 42, n. 3, p , out DINIZ, Z. M. A. M. Transtornos Alimentares: Epidemiologia, Etiologia e Classificação. Nutrição Profissional, São Paulo, v. 11, n. 1, p , jan. /fev DUNKER, K. L. L.; PHILIPPI, S. T. Hábitos e comportamentos alimentares de adolescentes com sintomas de anorexia nervosa. Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, n. 1, p , jan./mar FIATES, G. M. R.; SALLES, R. K. Fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares: um estudo em universitárias. Revista de Nutrição, Campinas, v. 14, Suplemento, p 3-6, FREITAS, B. S. A.; CARVALHO, C. R. Importantes mecanismos de perda da massa óssea nos transtornos de alimentação. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, São Paulo, v. 21, n. 2, p , abr./maio/jun

14 14 GARCIA, G. C. B.; GAMBARDELLA, A. M. D.; FRUTUOSO, M. F. P. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de São Paulo. Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, n. 1, p , jan./mar GARNER, D. M.; GARFINKEL, P. A. The eating attitudes test: psychometric features and clinical correlations. Psychological Medicine, v. 12, n. 4, p , out HENDERSON, M.; FREEMAN, C. P. L. A self-rating scale for bulimia. The BITE. British Journal Psychiatry, London, v. 150, p , INSTITUTO OF MEDICINE. Dietary Reference Intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington (DC): National Academy Press, INSTITUTO OF MEDICINE. Dietary Reference Intakes for vitamin C, vitamin E, selenium, and carotenoids. Washington (DC): National Academy Press, INSTITUTO OF MEDICINE. Dietary Reference Intakes for calcium, phosphorus, magnesium, vitamin D, and fluoride. Washington (DC): National Academy Press, MAGALHÃES, V. C.; MENDONÇA, G. A. S. Transtornos alimentares em universitárias: estudo de confiabilidade da versão brasileira de questionários autopreenchíveis. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 1-7, set NETO F. T. Necessidades Nutricionais - Recommended Dietary Allowanes (RDA). In:. Nutrição Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, cap. 12, p RODRIGUES, A. M.; FISBERG, M.; CINTRA, I. P. Avaliação do estado nutricional, prevalência de sintomas de anorexia nervosa e bulimia nervosa e percepção corporal de modelos adolescentes brasileiras. Nutrição Brasil, São Paulo, v. 4, n. 4, p , jul./ago ROSA, L. L. B.; SALADO, G. A.; CRUZ, A. P. A.; DUMAS, A. G.; GOMES, B. H. C. Perfil nutricional de adolescentes que freqüentam uma escola para modelos da cidade de Maringá. Nutrição Brasil, Curitiba, v. 7, n. 1, p , jan./fev SABRY, M. O. D.; SAMPAIO, H. A. C.; MATOS, M. R. T.; BARRETO SÁ, M. L.; BAIÃO, M. P.; PASSOS, T. U.; CUNHA, J. M. Estado nutricional de escolares de um bairro da

15 15 periferia da cidade de Fortaleza Ceará. Nutrição em Pauta, v. 4, n. 2, p , mai./jun SAPOZNIK, A.; ABUSSAMRA, E. V.; AMIGO, V. L. Bulimia Nervosa: Manisfestações clínicas, curso e prognóstico. In: CLAUDINO, A. M.; ZANELLA, M. T. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. Transtornos Alimentares e Obesidade. São Paulo: editora Manole, cap. 5, p SALLES, C. A.; DURO, M.; CINTRA, I. P.; FISBERG, G. M.; FARTHUD, C. C. Sintomas de transtornos alimentares e sua relação com o consumo alimentar em modelos adolescentes. Nutrição em Pauta, São Paulo, v. 20, n. 5, p , nov./dez TRUMBO, P.; YATES, A. A.; SCHLICKER, S.; POOS, M. Dietary Reference Intakes: vitamin A, vitamin K, arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc. Journal of the American Dietetic Association, v. 101, n. 3, p , VILELA, J. E. M.; LAMOUNIER, J. A.; DELLARETTI FILHO, M. A.; BARROS, R. J.; HORTA G. M. Transtornos alimentares em escolares. Jornal de Pediatria, v. 80, n. 1, p , jan./fev WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Physical status: The use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO, (WHO technical Report Series, n. 854)

FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR

FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA

7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA 7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA Autor(es) LIEGE MARIA POUSA Co-Autor(es) CELSO JUNIOR ROSENGHINI LOPES Orientador(es)

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

TRANSTORNOS ALIMENTARES: PREVALÊNCIA EM ACADÊMICAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO.

TRANSTORNOS ALIMENTARES: PREVALÊNCIA EM ACADÊMICAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO. 1 TRANSTORNOS ALIMENTARES: PREVALÊNCIA EM ACADÊMICAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO. Sandra Regina Passarini 1 Verônica Suzuki Kemmelmeier 2 RESUMO A cada dia observamos o aumento nos índices de adolescentes com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL E DE COMPORTAMENTOS ALIMENTARES COMO POSSÍVEIS DESENCADEADORES DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM BAILARINAS PRÉ-ADOLESCENTES

AVALIAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL E DE COMPORTAMENTOS ALIMENTARES COMO POSSÍVEIS DESENCADEADORES DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM BAILARINAS PRÉ-ADOLESCENTES AVALIAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL E DE COMPORTAMENTOS ALIMENTARES COMO POSSÍVEIS DESENCADEADORES DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM BAILARINAS PRÉ-ADOLESCENTES ASSESSMENT OF BODY IMAGE AND FOOD BEHAVIOR AS POSSIBLE

Leia mais

PERCEPÇÃO CORPORAL E FATORES DE RISCO PARA OS TRANSTORNOS ALIMENTARES EM MODELOS CORPORAL PERCEPTION AND RISK FACTORS FOR MODELS EATING DISORDERS

PERCEPÇÃO CORPORAL E FATORES DE RISCO PARA OS TRANSTORNOS ALIMENTARES EM MODELOS CORPORAL PERCEPTION AND RISK FACTORS FOR MODELS EATING DISORDERS PERCEPÇÃO CORPORAL E FATORES DE RISCO PARA OS TRANSTORNOS ALIMENTARES EM MODELOS CORPORAL PERCEPTION AND RISK FACTORS FOR MODELS EATING DISORDERS CAROLINE DE FARIA FONTES Graduanda em Nutrição do Centro

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Érica Cristina Moreira Guimarães 1, Marlene Maria Amaral Scheid 2 1 Faculdade de Ciências da Saúde,Universidade

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES PRATICANTES DE BALLET CLÁSSICO

PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES PRATICANTES DE BALLET CLÁSSICO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES PRATICANTES DE BALLET CLÁSSICO Daniel Vicentini de Oliveira 1 ; Kérolen de Mello Alves 1 ; Carmen

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS

OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS Ronilze Almeida Carneiro Graduada em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG-

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB.

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB. Avaliação do estado nutricional em crianças frequentadoras do CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, localizada no município de João Pessoa/PB. Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra.

Leia mais

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Nara Juste da Silva * Renata Maria Souza Oliveira e Silva * Ana Paula Carlos Cândido Mendes * Ana

Leia mais

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Cristina de MORAI 1 ; Danielly Souza PIRES¹; Raquel Machado SCHINCAGLIA¹; Maria Irene de Castro BARBOSA¹; Polianna

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Adolescência Período da vida que começa com o aparecimento de características sexuais secundárias e finaliza com o término do crescimento somático Estirão de Crescimento é o período

Leia mais

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS Debora Fernanda Ziroldo 1 ; Talma Reis Leal Fernandes 2 ; Gersislei Antonia Salado 3 ; Angela

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Transtornos Alimentares Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Anorexia Nervosa Anorexia sem fome Comportamento obstinado e propositado a perder peso Medo intenso de aumento de peso Alteração da imagem

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE DISTORÇÃO DE IMAGEM CORPORAL E RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES

RELAÇÃO ENTRE DISTORÇÃO DE IMAGEM CORPORAL E RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES RELAÇÃO ENTRE DISTORÇÃO DE IMAGEM CORPORAL E RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES Bianca Sisti Cubrelati, Universidade Estadual de Maringá UEM, Maringá, Paraná - Brasil Patrícia

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Avaliação antropométrica na infância: uma revisão

Avaliação antropométrica na infância: uma revisão Vol. 1, No. 1, Março, 2012, 37 45 Avaliação antropométrica na infância: uma revisão Marcelle de Miranda 1, Osana Campos Bernardes 1, Tainah Camagos Vaz de Mello 1, Thafnys Alves Silva 1, Ana Elisa Madalena

Leia mais

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente.

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente. A Água A água é o centro da vida! Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é indispensável a todas as funções do organismo, designadamente,

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ANDRADE, A. H. G.; CHERON, L. S. Resumo A asma é uma doença comum hoje em dia. O exercício físico e alimentação ajudam no

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR.

ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR. 1 ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR. ROSSET, Francieli Lieber 1 SILVA, Rosangela da 2 RESUMO OBJETIVOS: Avaliar o estado nutricional

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Proposta de cesta básica para a população da região metropolitana do Rio de Janeiro e sua relação com salário-mínimo vigente

Proposta de cesta básica para a população da região metropolitana do Rio de Janeiro e sua relação com salário-mínimo vigente Proposta de cesta básica para a população... ARTIGOS ORIGINAIS Proposta de cesta básica para a população da região metropolitana do Rio de Janeiro e sua relação com salário-mínimo vigente Proposal of a

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2010-1 PERFIL NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE CRIANÇAS DE 6 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 37 94 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR RESUMO 1 *Marisa Batista Brighenti *Flávia Hernandez Fernandez

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

Professora Adjunta do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva - NESC/UFRJ email: malubosi@nesc.ufrj.br

Professora Adjunta do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva - NESC/UFRJ email: malubosi@nesc.ufrj.br O P INIÃO 1. INTRODUÇÃO Nas sociedades ocidentais contemporâneas, o culto à magreza está diretamente associado à imagem de poder, beleza e mobilidade social num contexto contraditório e paradoxal: por

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC

APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC Ângela Mariana Panato Ghislandi 1 Juliana Bortolatto 1

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE 41 Recebido em 11/2011. Aceito para publicação em 05/2012. CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE FOOD CONSUMPTION AND PHYSICAL ACTIVITIES OF COLLEGE STUDENTS

Leia mais

ANOREXIA E BULIMIA: AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE SALVADOR 1

ANOREXIA E BULIMIA: AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE SALVADOR 1 ISSN 1809-0362 ANOREXIA E BULIMIA: AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE SALVADOR 1 Arlene Varjâo Soares* Luciana Fernandes Braga Lima** * Graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 43

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 43 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 43 Bárbara Luisa Aguiar Dias 1 Jordanny Santana de Sousa 1 Francisco Gilson Alves dos Santos 1 Márcia Andrea Lial

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL INTRODUÇÃO CAROLINA MONTES DURÕES DE SOUZA 2 MARIA FERNADA LARCHER DE ALMEIDA 2 JANE DE CARLOS SANTANA

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL. Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar.

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL. Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar. Univap Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Ciências da Saúde - Nutrição, Av.

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MORGANA GUEDES BEZERRA

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MORGANA GUEDES BEZERRA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MORGANA GUEDES BEZERRA HÁBITOS ALIMENTARES E IMAGEM CORPORAL DOS GRADUANDOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UEPB CAMPINA GRANDE 2011

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

Tabagismo e Transtornos Alimentares: como identificar e tratar, antes,

Tabagismo e Transtornos Alimentares: como identificar e tratar, antes, Tabagismo e Transtornos Alimentares: como identificar e tratar, antes, durante e após a cessação: Hospital Universitário Clementino Fraga Filho Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica Programa de Pesquisa

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹

CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹ CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹ FONTOURA, Ethiene da Silva 1 ; MALDONADO, Karla de Souza²;

Leia mais

RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09

RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09 RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09 CAAE TÍTULO SITUAÇÃO 0046.0.299.000-09 Perfil nutricional de idosos internados em um hospital público da região norte Aprovado

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS

ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS Resumo QUADROS, Emanuele Naiara 1 - PUCPR Grupo de Trabalho Educação e Saúde Agência Financiadora: não contou com financiamento Neste estudo, buscou-se

Leia mais

Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva

Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva Vol. 1, No. 1, Março, 2012, 21 29 Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva Ioná Zalcman Zimberg 1, Renata B. Cavalieri 2, Luiza R.Camargo 3,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS 1 LILIAN RAQUEL DE LIMA AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS BRAGANÇA PAULISTA 2007 2 LILIAN RAQUEL DE LIMA AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-

Leia mais

Avaliação Nutricional Em Funcionários De Uma Unidade De Alimentação E Nutrição. Nutritional Evaluation In Employees Of A Food And Nutrition Unit

Avaliação Nutricional Em Funcionários De Uma Unidade De Alimentação E Nutrição. Nutritional Evaluation In Employees Of A Food And Nutrition Unit 51 Avaliação Nutricional Em Funcionários De Uma Unidade De Alimentação E Nutrição Nutritional Evaluation In Employees Of A Food And Nutrition Unit Fernanda de Almeida Escobar Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS Assement

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS BULIMIA Dando continuidade ao nosso estudo sobre BULIMIA NERVOSA daremos ênfase a outros tipos de transtorno que muitas vezes são associados a BULIMIA, a características mais evidentes desse transtorno

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES DE UM COLÉGIO PRIVADO DO MUNICÍPIO DE MARIALVA PR.

PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES DE UM COLÉGIO PRIVADO DO MUNICÍPIO DE MARIALVA PR. PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ADOLESCENTES DE UM COLÉGIO PRIVADO DO MUNICÍPIO DE MARIALVA PR. Fernanda Olímpio da Rocha Gislaine Cristina Vagetti RESUMO O comportamento alimentar vem sido alterado

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES

DISTÚRBIOS ALIMENTARES CLÍNICA PEDIÁTRICA VER CRESCER DISTÚRBIOS ALIMENTARES Castelo Branco DISTÚRBIOS ALIMENTARES Conjunto de doenças provocadas por alterações significativas nos hábitos alimentares diários, tanto por ingestão

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013 Análise técnica do indicador PoU/FAO - População em situação de sub-alimentação, no Relatório sobre Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

NUTRIÇÃO DA CRIANÇA ATLETA

NUTRIÇÃO DA CRIANÇA ATLETA NUTRIÇÃO DA CRIANÇA ATLETA Graziela Beduschi Graduação em Nutrição - UFPR Mestrado em Ciências da Nutrição (Nutrição Esportiva) - Wollongong University AUS Curso de Nutrição Esportiva AIS Camberra AUS

Leia mais

DISTÚRBIOS DE ATITUDES ALIMENTARES E SUA RELAÇÃO COM A DISTORÇÃO DA AUTO-IMAGEM CORPORAL EM ATLETAS DE JUDÔ DO ESTADO DO PARANÁ

DISTÚRBIOS DE ATITUDES ALIMENTARES E SUA RELAÇÃO COM A DISTORÇÃO DA AUTO-IMAGEM CORPORAL EM ATLETAS DE JUDÔ DO ESTADO DO PARANÁ DISTÚRBIOS DE ATITUDES ALIMENTARES E SUA RELAÇÃO COM A DISTORÇÃO DA AUTO-IMAGEM CORPORAL EM ATLETAS DE JUDÔ DO ESTADO DO PARANÁ EATING ATITUDE DISORDER AND ITS RELATION WITH BODY SELF-IMAGE DISTORTION

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR.

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Os textos são de responsabilidade de seus autores. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Diana Rissato Ribeiro 1 2 3 RESUMO O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP.

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. ANTHROPOMETRIC EVALUATION AND FOOD KNOWLEDGE OF A PRE- SCHOOL EMEI MOUNTAIN CITY SERRA NEGRA

Leia mais

ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN

ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN Jaqueline de Sousa Lima 10, Helder Cardoso Tavares, Patrícia, Rita de Cássia Alves Silvestre, Milana Drumond Ramos Santana 11. Correspondência

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA

PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA Por Lucas Valois, nutricionista do Centro Terapêutico

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION

FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION ANDRÉIA ANDRADE OLIVEIRA Graduanda do 7º período de Nutrição do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - Unileste-MG. E-mail:

Leia mais