CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO PROF PAULO ANTONIO MAIA E SILVA DURAÇÃO JORNADA E HORÁRIO DE TRABALHO A duração de trabalho mede a principal obrigação do empregado no contrato de trabalho, que é a prestação efetiva dos serviços ou a sua disponibilidade. Neste aspecto, sua relevância tanto está relacionada à remuneração do empregado, independente de qual seja a forma de pagamento do salário, pois quando houver o trabalho além dos limites legais importará no seu pagamento, como com a sua higidez, pois a regulamentação da duração do trabalho tem a finalidade de proteger a saúde do trabalhador. DISTINÇÃO ENTRE DURAÇÃO, JORNADA E HORÁRIO DE TRABALHO. Duração do trabalho pode ser considerada, entre os três conceitos, como sendo o de maior amplitude, pois abrange todas as formas em que o empregado está efetivamente trabalhando ou à disposição do empregador, seja por dia, semana, mês ou ano.duração, pois, abarca todas as formas temporais de prestação do serviço. Jornada é a expressão de sentido mais restrito.etimologicamente vem do italiano giorno giornata, que quer dizer dia.corresponde, portanto, ao tempo diário que o empregado se coloca a disposição do seu empregador como conseqüência do contrato de trabalho, onde ele vende a sua força de trabalho. Todavia, há situações em que a expressão jornada é atribuída a períodos de tempo maiores, como a semana(art.59, 2, CLT). Horário de trabalho é uma expressão de natureza mais reduzida ainda, pois estritamente indica apenas o tempo decorrido entre o início e o fim de uma jornada diária, delimitando-a. Comumente se encontra sua aplicação para delimitar o trabalho semanal(horário semanal). Composição da jornada de trabalho. Tempo efetivamente laborado, tempo à disposição, tempo despendido no deslocamento residência-trabalho-residência.prontidão e Sobreaviso A jornada de trabalho pode ser calculada com base em critérios básicos e gerais de sua aferição, como também em critérios especiais, em razão de acontecerem apenas com certos profissionais.a sua disposição na composição da jornada variará conforme a amplitude que, caso venha a ocorrer, confiram ao tempo de trabalho.são o tempo efetivamente laborado, o tempo à disposição e o tempo despendido no deslocamento residência-trabalho-residência. a-tempo EFETIVAMENTE TRABALHADO.Computa-se apenas o tempo efetivamente trabalhado, excluindo-se, portanto, o tempo à disposição e sem trabalho, os intervalos intrajornada e as paralisações da atividade empresarial que impeçam o trabalho efetivo.excluise, assim, do cômputo da jornada todo e qualquer período de tempo que não tenha importado em trabalho. No Brasil, este critério não é absoluto, pois o tempo em que o empregado está à disposição aguardando ordens também é considerado como tempo efetivamente trabalhado(art.4, CLT 1 ).Este modelo não é aceito por boa parte dos ordenamentos jurídicos trabalhistas porque implica em o empregado praticamente assumir os riscos pela atividade econômica do empregador, posto que só receberia salário se tivesse trabalhado efetivamente. b - TEMPO À DISPOSIÇÃO Este critério utiliza o tempo à disposição do empregador no centro do trabalho como componente da jornada, independente de ter havido ou não a prestação efetiva do trabalho. 1 Art. 4º. Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado esteja à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens, salvo disposição especial expressamente consignada.

2 2 c- TEMPO DESPENDIDO NO DESLOCAMENTO RESIDÊNCIA-TRABALHO-RESIDÊNCIA Considerado como uma ampliação do tempo à disposição, pelo fato de não haver efetiva prestação do serviço, o tempo despendido no deslocamento residência-trabalho-residência não encontra na lei(art.58, 2, da CLT), na doutrina e na jurisprudência juslaboraristas brasileiras o acolhimento como elemento componente da jornada de trabalho, entendendo que este tempo não se insere no que é previsto no art.4 da CLT. Art.58. 2º O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público, o empregador fornecer a condução. C1 - HORAS IN ITINERE OU JORNADA IN ITINERE Este critério nasceu da construção da jurisprudência (Enunciados 90,320,324 e 325 do TST), tendo sido inserido na CLT pela na parte final do 2 do art.58 da CLT.Considera-se como integrante da jornada de trabalho o tempo que o empregado levou no deslocamento entre sua casa e o trabalho quando o local de trabalho for de difícil acesso ou não for servido por transporte público regular, e o empregador fornecer a condução. d-prontidão Por tempo de prontidão se compreende como o período tido como componente do contrato e do tempo de serviço em que o ferroviário fica nas dependências de empresa ou da via férrea aguardando ordens(art.244, 3, CLT).Não poderá ser superior a doze horas, integrando-se ao salário na razão de 2/3 do salário-hora normal. 3º. Considera-se de "prontidão" o empregado que ficar nas dependências da estrada, aguardando ordens. A escala de prontidão será, no máximo, de doze horas. As horas de prontidão serão, para todos os efeitos, contadas à razão de 2/3 (dois terços) do saláriohora normal. e-sobreaviso Diferente da prontidão, no sobreaviso o empregado ferroviário fica à disposição da empresa aguardando ordens, mas em sua casa(art.244, 2, CLT).A escala de sobreaviso não pode ultrapassar 24 horas.sua integração se dá na razão de 1/3 do salário normal. 2º. Considera-se de "sobreaviso" o empregado efetivo, que permanecer em sua própria casa, aguardando a qualquer momento o chamado para o serviço. Cada escala de "sobreaviso" será, no máximo, de vinte e quatro horas. As horas de "sobreaviso", para todos os efeitos, serão contadas à razão de 1/3 (um terço) do salário normal. f.bips, PAGERS, TELEFONES CELULARES- Houve a tentativa de se aplicar analogamente o 2 do art.244 da CLT às situações em que o empregado, fora do trabalho, utilizaria Bips, pagers ou telefones celulares, equipamentos que o colocariam mais facilmente em contato com o empregador e, conseqüentemente, possibilitaria o seu retorno ao trabalho.a OJ 49 da SDI-1 do TST acompanhou a corrente contrária à aplicação analógica do dispositivo a tais situações.esta corrente alega que o sobreaviso foi criado partindo da premissa de que o empregado permaneceria em casa, tolhido na sua liberdade de ir e vir, por não ter meios de se comunicar com o empregador. 49. Horas Extras. Uso do Bip. Não Caracterizado o "Sobreaviso". Inserida em (inserido dispositivo). O uso do aparelho BIP pelo empregado, por si só, não caracteriza o regime de sobreaviso, uma vez que o empregado não permanece em sua residência aguardando, a qualquer momento, convocação para o serviço. Com o avanço tecnológico e a criação, exatamente dos bips, pagers e telefones celulares, o empregado pode circular livremente por qualquer lugar e mesmo assim pode ser encontrado pelo empregador.contudo, ambas as correntes encontram fortes apoios na jurisprudência.

3 3 g)tempo RESIDUAL À DISPOSIÇÃO Não obstante a sua inserção na CLT pela lei /2001, no art.58, 1 2, o tempo relativo a pequenos períodos residuais de disponibilidade do empregado em face do seu empregador, nos momentos anteriores e posteriores à efetiva prestação de serviços, em que o trabalhador aguarda a marcação do ponto, mas dentro do ambiente de trabalho já era considerado pela jurisprudência como tempo não computado como jornada extraordinária ou também dela descontado. Assim, as variações de até cinco minutos, atingindo-se o limite de dez diariamente, que se encontram lançadas no cartão de ponto, não são considerados para nenhum fim.após esse limite, o tempo que estiver anotado no cartão de ponto será considerado como à disposição do empregador. JORNADA EXTRAORDINÁRIA É o lapso temporal de trabalho ou disponibilidade do empregado que ultrapassa a jornada legal ou contratada.seu efeito mais elementar é a remuneração adicional em, no mínimo, 50% da hora normal(art.7, XVI,CF). Prorrogações regulares e irregulares A jornada extraordinária pode ser originada de uma prorrogação regular, que será o acréscimo de horas à jornada disciplinado na lei ou em negociação coletiva(art.59, da CLT) 3, ou decorrer de uma prorrogação irregular, que será aquela que extrapolará os limites à jornada extraordinária fixada na lei.neste último caso, esta prorrogação surtirá os mesmos efeitos de uma prorrogação regular, sem prejuízo da sanção administrativa aplicável ao empregador. Integração à remuneração Em princípio elas as horas extras e o seu adicional tem o caráter de salário-condição.assim, desaparecendo o trabalho extraordinário, o respectivo adicional desaparecerá.mas, caso as horas extras recebidas sejam habituais, elas integram o salário do empregado para todos os fins.entretanto, a súmula 291 do TST 4 prevê que na hipótese de o empregador vir a suprimir as horas extras habitualmente prestadas durante um ano, gera para ele o direito a receber uma indenização em quantia correspondente ao valor de 1 (um) mês das horas suprimidas para cada ano ou fração igual ou superior a seis meses de prestação de serviço acima da jornada normal.na prática isso equivale conceder ao empregador a opção de se desvencilhar deste ônus, podendo assim suprimir o pagamento permanente do adicional e também das horas extras, convertendo-os nesta indenização. COMPENSAÇÃO DA JORNADA/BANCO DE HORAS A remuneração da jornada extraordinária pode ser dispensada se por força do 2 do art.59 da CLT, por um acordo ou convenção coletiva, o excesso das horas trabalhadas for compensada pela conseqüente diminuição em um outro dia posterior tendo como prazo máximo para esta compensação um ano, findo o qual o empregado faz jus ao pagamento das horas extras trabalhadas e não compensadas. É o chamado Banco de horas, pois antigamente a compensação era semanal, agora sendo de um ano, as horas extras trabalhadas ficam guardadas junto ao empregador para serem compensadas pelo empregado em um outro dia, mas dentro deste tempo máximo de um ano, de maneira que se torna possível aos empregadores adequar as necessidades dos empregados com as da produção, sem a obrigação de compensar as horas extras em um período curto após a sua prestação. 2 1º Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. 3 Art. 59. A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente de duas, mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante convenção coletiva de trabalho. 4 SÚMULA 291- HORAS EXTRAS - REVISÃO DO ENUNCIADO Nº 76 - RA 69/1978, DJ A supressão, pelo empregador, do serviço suplementar prestado com habitualidade, durante pelo menos 1 (um) ano, assegura ao empregado o direito à indenização correspondente ao valor de 1 (um) mês das horas suprimidas para cada ano ou fração igual ou superior a seis meses de prestação de serviço acima da jornada normal. O cálculo observará a média das horas suplementares efetivamente trabalhadas nos últimos 12 (doze) meses, multiplicada pelo valor da hora extra do dia da supressão.

4 4 Por outro lado, a lei exige que as horas extras a serem compensadas não excedam a soma das jornadas semanais que são regulares e nem o limite máximo de dez horas diárias trabalhadas. 2º Poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for compensado pela correspondente diminuição em outro dia, de maneira que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias. 3º. Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, na forma do parágrafo anterior, fará o trabalhador jus ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão. Não obstante a CLT exija que o acordo de compensação seja feito por um dos instrumentos de negociação coletiva, o TST, entretanto, em sua súmula 85, I, entende que a compensação das horas extras por banco de horas pode ser feito tanto por acordo individual escrito, diretamente entre empregado e empregador, como também de forma tácita. Nº 85 - COMPENSAÇÃO DE JORNADA. (INCORPORADAS AS ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS NºS 182, 220 E 223 DA SDI-1) I. A compensação de jornada de trabalho deve ser ajustada por acordo individual escrito, acordo coletivo ou convenção coletiva. II. II. O acordo individual para compensação de horas é válido, salvo se houver norma coletiva em sentido contrário. III. III. O mero não-atendimento das exigências legais para a compensação de jornada, inclusive quando encetada mediante acordo tácito, não implica a repetição do pagamento das horas excedentes à jornada normal diária, se não dilatada a jornada máxima semanal, sendo devido apenas o respectivo adicional. IV. IV. A prestação de horas extras habituais descaracteriza o acordo de compensação de jornada. Nesta hipótese, as horas que ultrapassarem a jornada semanal normal deverão ser pagas como horas extraordinárias e, quanto àquelas destinadas à compensação, deverá ser pago a mais apenas o adicional por trabalho extraordinário. EMPREGADOS QUE NÃO SÃO ALCANÇADOS PELO REGIME DAS HORAS EXTRAS Pela CLT (art.62), alguns tipos de empregados não farão jus ao adicional de horas extras, mesmo que trabalhem em jornada diária superior às oito horas diárias ou à jornada contratada.são os casos de empregados que trabalham em atividade externa, normalmente vendedores ou representantes, mas podendo ser qualquer outro tipo de empregado, cuja natureza do trabalho se torna incompatível com um controle de horário fixo como nas outras forma de trabalho, ou os gerentes que possuam poder de gestão e mando, tendo horário livre e desde que sua remuneração seja superior em, no mínimo, 40%(quarenta por cento) do seu salário básico. Art. 62. Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo: I - os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados; II - os gerentes, assim considerados os exercentes de cargos de gestão, aos quais se equiparam, para efeito do disposto neste artigo, os diretores e chefes de departamento ou filial.

5 5 Parágrafo único. O regime previsto neste capítulo será aplicável aos empregados mencionados no inciso II deste artigo, quando o salário do cargo de confiança, compreendendo a gratificação de função, se houver, for inferior ao valor do respectivo salário efetivo acrescido de 40% (quarenta por cento) TRABALHO EM TEMPO PARCIAL Legalmente, é aquele trabalho cuja duração não exceda a 25 horas semanais(art.58-a, da CLT).Por conseqüência, um contrato que se situe abaixo das 44 horas semanais máximas permitidas pela Constituição, mas acima das 25 horas semanais estabelecidas para o trabalho a tempo parcial, não será considerado com tal e nem poderá ser submetido às regras restritivas de direitos laborais fixadas na CLT(art.130-A e 143, 3 CLT). Este regime de tempo parcial construído pela CLT existe em função dos trabalhadores que, normalmente, tem como jornada de trabalho habitual a de 08 horas diárias e de 44 horas semanais, mas que são contratados para trabalhar até 25 horas semanais.ele não abrange trabalhadores que legalmente já possuem jornada de trabalho inferior às 44 horas como bancários, radialistas e jornalistas.nesses casos, a redução legal já se deu em função do trabalho desgastante, característico dessas categorias. Uma circunstância relevante no trabalho em tempo parcial é que a lei não estabelece um regime diário de trabalho, mas semanal.logo, observando-se o limite diário máximo de 8 horas, não há obstáculo em se fixar ou pactuar jornadas diárias variáveis, desde que obviamente não se exceda as 25 horas semanais. Art. 58-A. Considera-se trabalho em regime de tempo parcial aquele cuja duração não exceda a vinte e cinco horas semanais. 1º O salário a ser pago aos empregados sob o regime de tempo parcial será proporcional à sua jornada, em relação aos empregados que cumprem, nas mesmas funções, tempo integral. 2º Para os atuais empregados, a adoção do regime de tempo parcial será feita mediante opção manifestada perante a empresa, na forma prevista em instrumento decorrente de negociação coletiva. EFEITOS 1)Proporcionalidade salarial- O trabalhador contratado em regime de tempo parcial terá seu salário pago em razão do número de horas trabalhadas em relação aos demais trabalhadores que cumprem nas mesmas funções, tempo integral.isso se aplica inclusive ao salário mínimo.2)férias anuais remuneradas O tempo de gozo das férias do trabalhador em tempo parcial será menor.segundo o art.130-a da CLT I será de dezoito dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte e duas horas, até vinte e cinco horas;dezesseis dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte horas, até vinte e duas horas; quatorze dias, para a duração do trabalho semanal superior a quinze horas, até vinte horas; doze dias, para a duração do trabalho semanal superior a dez horas, até quinze horas; dez dias, para a duração do trabalho semanal superior a cinco horas, até dez horas e oito dias, para a duração do trabalho semanal igual ou inferior a cinco horas.caso o trabalhador tenha mais de 7 faltas injustificadas no período aquisitivo, terá reduzido pela metade o gozo das férias(art.130-a, par.único).os trabalhadores a tempo parcial não poderão converter férias em abono pecuniário(art.143, 3, CLT).Seria vedado também o parcelamento das férias deste trabalhador, posto que uma das parcelas restantes seria menor do que dez dias(art.139, 1 CLT) e, em outro plano, se permitiria que fossem concedidas férias coletivas a tais trabalhadores, por inexistência de incompatibilidade legal neste ponto entre o seu regime e o dos demais empregados.3)vedação de extrapolação da jornada o art.59, 4 da CLT dispõe que os empregados sob o regime de tempo parcial não poderão prestar horas extras, o que violaria a intenção da lei, que é a de possibilitar o trabalho em regime reduzido de horas com supress.

6 6 FORMA DE CONTRATAÇÃO E ALTERAÇÃO CONTRATUAL A lei não estabelece forma para os contratos de trabalho a tempo parcial, como ocorre, via de regra, nos contratos de trabalho (art.443, CLT).Entretanto, para os atuais empregados, a adoção do regime de tempo parcial será feita mediante opção manifestada perante a empresa, na forma prevista em instrumento decorrente de negociação coletiva (art.58-a, 2, CLT). TRABALHO NOTURNO Em razão do desgaste causado pelo trabalho prestado no período noturno, o direito laboral tratou de estabelecer tratamento diferenciado para esta modalidade em relação ao trabalhado durante o dia. DURAÇÃO DA JORNADA NOTURNA Por diversas razões o direito do trabalho restringiu o conceito de noite, para não considerá-la, para os fins da prestação de serviço, como sendo apenas o lapso de tempo diário que não é iluminado pela luz solar. Para a CLT, a jornada noturna urbana está situada entre as 22:00 de um dia até as 05:00 do dia seguinte(art.73, 2 ).Como a hora noturna possui 52 minutos e 30 segundos, a jornada noturna, juridicamente, possui 08 horas e não sete.(art.73, 1 ) Para o trabalhador rural, conforme for a atividade realizada haverá uma jornada diferente.na lavoura, será das 21:00 de um dia às 05:00 do dia seguinte; Na pecuária será das 20:00 de um dia às 04:00 do dia seguinte(art.7, lei 5889/73).Não há, no caso do trabalhador rural, a existência de uma hora noturna fictícia, comportando assim, essas jornadas, 08 horas de trabalho. EFEITOS DA JORNADA NOTURNA O trabalho noturno, além da diferenciação quanto ao computo da hora normal, é também remunerado de forma distinta.o fato dele trabalhar efetivas sete horas, que são computadas como oito, já se constitui em uma sobre-remuneração.mas, além disso, o trabalho noturno é remunerado com um adicional incidente sobre cada hora de trabalho, que é de 20%.Ao trabalhador rural este adicional é de 25%( LEI 5.889/73). VEDAÇÃO DO TRABALHO NOTURNO O trabalho noturno é proibido expressamente ao trabalhador menor (art.404, CLT).As demais vedações ou restrições, como aos bancários(art.224, 1, CLT), tiveram suas exceções ampliadas pela legislação. JORNADA EM PRORROGAÇÃO(ART.73, 5, CLT)-A matéria referente a jornada em prorrogação ao horário noturno, ou seja, a que o trabalhador continua laborando após as 05:00 encontra divergência quanto ao seu tratamento.uns, como defendem. Uns como VALENTIM CARRION 5 ao mencionar que, após o período noturno, havendo prorrogação, o regime deste é o das horas diurnas; o art. 73, 5º, diz que às prorrogações se aplica este capítulo, que é genérico, e não esta seção, específica para o noturno, defendem que não há aplicabilidade do adicional noturno à jornada em prorrogação, pelos motivos ora expostos. A Súmula 60, II, 6 do TST entende diversamente.ela diz que, em virtude de o trabalho noturno já se mostrar penoso, mais prejudicial ainda, as horas advindas de sua prorrogação, justificam a incidência do adicional e das horas reduzidas nestes casos em particular. TRABALHO EM REGIME DE REVEZAMENTO Com a redação do art.7, XIV, da CF, o legislador, quando estabeleceu a jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva, pretendeu conceder uma jornada de trabalho menor aos trabalhadores que laboravam em regime de revezamento ininterrupto. Como esse regime é muito desgastante para o ser humano, pois as sua condições orgânicas e psicológicas são constantemente alteradas, tornando-o penoso, seria necessário possibilitar a diminuição da jornada nos referidos turnos.esta modalidade de trabalho é aquela na qual a atividade produtiva do empregador não sofre solução de continuidade, pelo fato de os empregados se revezarem sucessivamente, 5 CARRION, Valentim. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 29ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p Adicional noturno. Prorrogação em horário diurno. Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, devido é também o adicional quanto às horas prorrogadas. Exegese do art. 73, 5º, da CLT.

7 7 continuamente, habitualmente e por turnos, nas máquinas do empregador, em diferentes períodos de trabalho (manhã, tarde e noite).estes turnos se aplicam a qualquer tipo de trabalhador. Para que haja a possibilidade de concessão desta jornada é necessário, repete-se, que o trabalhador labore em horários alternados (manhã, tarde e noite).caso trabalhe em horário fixo, não fará jus a esta jornada. INTERVALOS Os intervalos normais para descanso e alimentação têm sua aplicação normal na jornada de seis horas, sem que isso venha a descaracterizá-la. É que ininterrupta deve ser apenas a alternância entre os turnos de trabalho e não a duração do turno.isso está expresso na súmula 675 do STF. TRABALHO EM REGIME 12X36- Esse regime de trabalho não está disciplinado na CLT, sendo ajuste comum nos instrumentos de negociação coletiva e já objeto de apreciação nos Tribunais trabalhistas brasileiros. O labor nesse sistema é mais benéfico ao trabalhador, que usufrui de um período bem maior de descanso do que o normal; seja porque há permissivo legal para a realização de pactuação tácita, uma vez que o art. 7º, inciso XIII, da Constituição da República, não revogou, mas convalidou o disposto no art. 59, da consolidação, pois quando se referiu a acordo ou convenção coletiva de trabalho, referiu-se a acordo individual e não coletivo. Em princípio não se admite a concessão de intervalos intrajornadas nessa modalidade, pois ante a pactuação havida, presume-se que a jornada ajustada atenda aos interesses e necessidades comuns, contudo há julgados de Tribunais trabalhistas que entendem devida a remuneração do intervalo não concedido 7. A concessão de referido interregno, nesse sistema, conferiria ao empregado jornada com uma hora a menos, ou seja, 11 horas, quando concordou com o ajuste de doze horas consecutivas (jornada por compensação de horários, já que teve seu descanso sobremaneira aumentado). Há entendimentos ainda que o trabalho prestado após a oitava hora seja extraordinária, mesmo que este regime esteja disciplinado em instrumento de negociação coletiva 8 INTERVALOS - Os períodos de descanso do trabalho, no direito laboral, tem uma finalidade de recuperação das energias do empregado alimentando-se ou descansando e para a sua adequada inserção familiar, comunitária e política.nestes períodos, o empregado não presta 7 JORNADA 12 X 36 AUSÊNCIA DE INTERVALO INTRAJORNADA É Ilícito o ajuste que suprime concessão de intervalo para repouso e alimentação, devendo prevalecer o art. 71 e parágrafos, que cuidam dos períodos de descanso, uma vez que se tratam de preceitos de ordem pública e, portanto, de natureza cogente, que visam resguardar a saúde e a integridade física do trabalhador, no ambiente do trabalho. Recurso do reclamante a que se dá provimento. (TRT 9ª R. Proc ( ) Rel. Juiz Arnor Lima Neto DJPR ) JORNADA 12 X 36 HORAS INTERVALO NÃO CONCEDIDO PAGAMENTO OBRIGATORIEDADE Não concedido o intervalo para refeição e descanso, ainda que a jornada seja de 12 x 36 horas, devido o respectivo pagamento, eis que possui natureza idêntica à das horas extras, devendo ser remunerado com o valor da hora normal, acrescido do adicional pertinente, no mínimo de 50% (cinqüenta por cento), conforme disposto no 4º, do art. 71. da CLT. (TRT 3ª R. RO ª T. Rel. Juiz Jose Miguel de Campos DJMG ) JCLT.71 JCLT RECURSO DE REVISTA JORNADA 12 X 36 HORAS EXTRAS E REFLEXOS VALIDADE ADICIONAL DE HORAS EXTRAORDINÁRIAS 2º DO ARTIGO 59 DA CLT O entendimento que prevalece é o da validade do acordo de compensação de jornada, como no regime de 12X36, que possibilita ao empregado, após uma jornada maior de trabalho, o descanso determinado, de trinta e seis horas, baseado no ajuste por norma coletiva. Entretanto, por força do que dispõe o 2º do artigo 59 da CLT, ultrapassadas as 10 (dez) horas autorizadas de trabalho máximo diário, faz jus o obreiro ao recebimento do adicional de horas extraordinárias pelas horas que extrapolarem este limite, nos estritos termos da Súmula nº 85. Recurso de revista a que se dá parcial provimento para deferir o adicional de horas extraordinárias após a 10ª hora diária trabalhada. (TST RR /00.1 1ªT. Rel. Juiz Conv. Guilherme Bastos DJU ) JORNADA DE TRABALHO REGIME 12 X 36 HORAS PRESTAÇÃO DE HORAS EXTRAS HABITUAIS INVALIDADE A prestação de horas extras habituais descaracteriza o acordo de compensação de horas fixado convencionalmente, uma vez que frustrada a finalidade do regime de 12 X 36 horas, qual seja, conceder ao empregado um período de repouso para preservação de sua higidez física e mental, respeitado o limite de 44 horas semanais. Sentença que se mantém. (TRT 9ª R. Proc ( ) Rel. Juiz Luiz Celso Napp DJPR ) REGIME DE TRABALHO 12 X 36 ILEGAL O sistema de trabalho de 12h X 36h é ilegal, já que o labor prestado além da 10a hora diária ultrapassa a limitação estabelecida no caput do artigo 59 da CLT, na medida em que a duração da jornada de trabalho poderá ser extrapolada em número não excedente de duas diárias, mediante acordo entre empregado e empregador ou através de contrato coletivo de trabalho, mormente pelo fato de a compensação de jornadas admitida no artigo 7º, inciso XIII, da CF não permitir o labor excedente dos limites determinados no artigo 59, caput, da CLT. (TRT 12ª R. RO-V (12069/2005) Florianópolis 2ª T. Rel. Juiz Amarildo Carlos de Lima J )

8 8 serviços e o empregador não pode exigir tal prestação.por ser norma jurídica de ordem pública e cujo interesse estatal é o de preservar a saúde do trabalhador ela é absolutamente irrenunciável e não pode ser modificada pelas parte ou por norma coletiva, como preceitua a OJ 342 do TST 9. INTERVALOS INTRAJORNADA São os que são feitos dentro da própria jornada, não sendo, todavia, computados em sua duração (art.71, 2, CLT), e por isso, não são remunerados.há, entretanto, casos em que serão computados na jornada, e portanto, remunerados.a remuneração nesse caso não implicará em acréscimo salarial, mas estará inserida no pagamento do salário do empregado. Exemplos: Art. 71. Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de seis horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de uma hora e, salvo acordo escrito ou convenção coletiva em contrário, não poderá exceder de duas horas. 1º. Não excedendo de seis horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de quinze minutos quando a duração ultrapassar quatro horas. Não observância O empregador ficará obrigado a remunerar o período correspondente com um acréscimo de no mínimo cinqüenta por cento sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho(art.71, 4, CLT).. Caso o intervalo seja concedido parcialmente, a OJ 307 da SDI-1 do TST 10 entende que a não-concessão total ou parcial do intervalo intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, implica o pagamento total do período correspondente, com acréscimo de, no mínimo, 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. O limite mínimo de 1 (uma) hora para repouso ou refeição poderá ser reduzido por ato do Ministro do Trabalho quando, ouvida a Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST), se verificar que o estabelecimento atende integralmente às exigências concernentes à organização dos refeitórios e quando os respectivos empregados não estiverem sob regime de trabalho prorrogado a horas suplementares (art.71, 3, CLT).Assim, para que haja a redução no limite mínimo de uma hora no intervalo intrajornada para repouso e alimentação deve haver a observância do disposto neste parágrafo. Neste sentido, tem-se a portaria MTE(Ministério do trabalho e Emprego) n 42/2007, de , publicada no DOU de , onde é feita a disciplina dos requisitos para a redução de intervalo intrajornada, estabelecendo que: Art. 1º O intervalo para repouso ou alimentação de que trata o art. 71 da CLT poderá ser reduzido por convenção ou acordo coletivo de trabalho, devidamente aprovado em assembléia geral, desde que: I - os empregados não estejam submetidos a regime de trabalho prorrogado; e II - o estabelecimento empregador atenda às exigências concernentes à organização dos refeitórios e demais normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho. Art. 2º A convenção ou acordo coletivo deverá conter cláusula que especifique as condições de repouso e alimentação que serão garantidas aos empregados, vedada a indenização ou supressão total do período. Art. 3º A Fiscalização do Trabalho, a qualquer tempo, verificará in loco as condições em que o trabalho é exercido, principalmente sob o aspecto da segurança e saúde no trabalho e adotará as medidas legais pertinentes a cada situação encontrada Intervalo Intrajornada para Repouso e Alimentação. Não Concessão ou Redução. Previsão em Norma Coletiva. Validade. É inválida cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho contemplando a supressão ou redução do intervalo intrajornada porque este constitui medida de higiene, saúde e segurança do trabalho, garantido por norma de ordem pública (art. 71 da CLT e art. 7º, XXII, da CF/88), infenso à negociação coletiva. 10 Intervalo Intrajornada (Para Repouso e Alimentação). Não Concessão ou Concessão Parcial. Lei nº 8.923/94. Após a edição da Lei nº 8.923/94, a não-concessão total ou parcial do intervalo intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, implica o pagamento total do período correspondente, com acréscimo de, no mínimo, 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho (art. 71 da CLT).

9 9 Art. 4º O descumprimento das condições estabelecidas no art. 1º, bem como de quaisquer outras adicionais estabelecidas na convenção ou acordo coletivo, ensejará a suspensão da redução do intervalo até a devida regularização. Art. 72. Nos serviços permanentes de mecanografia (datilografia, escrituração ou cálculo), a cada período de noventa minutos de trabalho consecutivo corresponderá um repouso de dez minutos não deduzidos da duração normal do trabalho. Entretanto, a NR 17 da portaria 3214/78, do Ministério do Trabalho, estabelece as seguintes disposições quanto à jornada de trabalho e o intervalo intrajornada quanto a este tipo de trabalho: Nas atividades de processamento eletrônico de dados deve-se, salvo o disposto em convenções e acordos coletivos de trabalho, observar o seguinte: c) o tempo efetivo de trabalho de entrada de dados não deve exceder o limite máximo de 5 (cinco) horas, sendo que, no período de tempo restante da jornada, o trabalhador poderá exercer outras atividades, observado o disposto no artigo 468 da Consolidação das Leis de Trabalho, desde que não exijam movimentos repetitivos, nem esforço visual; d) nas atividades de entrada de dados deve haver, no mínimo, uma pausa de 10 minutos para cada 50 minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho; Estas disposições, entretanto, geram controvérsias na jurisprudência. Alguns tribunais entendem favoravelmente quanto a aplicação desta jornada e do seu intervalo e outros não. 11 Art Para os empregados que trabalham no interior das câmaras frigoríficas e para os que movimentam mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa, depois de uma hora e quarenta minutos de trabalho contínuo será assegurado um período de vinte minutos de repouso, computado esse intervalo como de trabalho efetivo. MINEIROS - Art Em cada período de três horas consecutivas de trabalho, será obrigatória uma pausa de quinze minutos para repouso, a qual será computada na duração normal de trabalho efetivo. MULHER EM AMAMENTAÇÃO - Art Para amamentar o próprio filho, até que este complete 6 (seis) meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um. Neste caso, o intervalo concedido para amamentação, por ausência de disposição legal, como nos casos supra, não será computado na jornada e nem será remunerado. INTERVALO INTERJORNADA É o intervalo que se dá entre duas jornadas, ou seja, no caso disciplinado pela CLT, entre dois dias de trabalho. A CLT(art.66) diz que entre duas jornadas de trabalho deve haver um intervalo mínimo de 11 horas consecutivas para descanso. 11 TRIBUNAL: 4ª Região DECISÃO: TIPO: RO NUM: /96-0 ANO: 1996 NÚMERO ÚNICO PROC: RO - TURMA: 1a. TURMA EMENTA: DIGITADOR JORNADA - INTERVALOS INTRAJORNADA. Depoimento do preposto que aponta para o exercício exclusivo nas atividades de digitação, entrada de dados, nos últimos três meses do contrato. Atração das disposições da norma mais benéfica NR 17 Ergonomia, da Portaria MTPS 3.214/78, com a nova redação dada pela Portaria MTPS 3.751/90, que ora se aplicam, para deferir o pagamento das horas excedentes à sexta diária, como extraordinárias, bem como o intervalo de dez (10) minutos a cada cinqüenta (50) de trabalho consecutivo, pois os digitadores, por aplicação analógica dos artigos 72 e 227 da CLT, equiparam-se aos trabalhadores nos serviços de mecanografia e telefonia, fazendo jus aos intervalos intrajornada e à jornada reduzida de seis horas diárias APLICABILIDADE DA NR 17 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO. JORNADA DE TRABALHO. HORAS EXTRAS. IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO - Não há que se falar em jornada reduzida de cinco horas diárias, se inexistente norma legal estabelecendo-a. Norma Regulamentar, expedida pelo Ministério do Trabalho, não tem o condão de estabelecer jornada reduzida a trabalhador. Sua função precípua, in casu, é um ato normativo de vigência e eficácia diretamente subordinada ao art. 200 da CLT, não podendo Norma Regulamentar legislar sobre jornada de trabalho, porquanto, em nossa Carta Magna, a rigor, a fonte legal é o processo legislativo. TRIBUNAL: 10ª Região TIPO RONUM: 2648 ANO: 2000 NÚMERO ÚNICO PROC: RO -

10 10 REPOUSO SEMANAL REMUNERADO É o período de 24 horas em que o empregado deixa de prestar serviços uma vez na semana ao empregador, de preferência aos domingos e nos feriados, mas recebendo a remuneração(art.67 da CLT). Ao ser indicado o lapso temporal do repouso em um número de horas consecutivas, a lei impediu que o RSR fosse fracionado em um número menor de horas e impôs a observância da totalidade das horas que deve compor o descanso.um outro ponto a ser ressaltado neste mesmo aspecto é o de possibilitar o inicio do repouso a qualquer hora do dia sem que isso interfira, em princípio, no cumprimento da imposição legal. Por outro lado, o repouso é estabelecido em uma periodicidade máxima semanal.assim, independente da duração da jornada semanal(44, 36 ou até 25 horas, no caso de regime em tempo parcial)será devido o RSR, pois o critério utilizado é a sua concessão após o decurso da semana de trabalho. Contudo, no caso de jornadas de trabalho negociadas, como é o da de 12x36, no qual o empregado trabalha 12(doze)horas e folga 36(trinta e seis), a periodicidade máxima semanal do descanso é reduzida.isso acontece porque o intervalo mínimo de 35(trinta e cinco)horas de intervalos interjornadas semanais fica respeitado.são 11(onze) horas do intervalo interjornada diário(art.66, CLT) mais 24(vinte e quatro) horas do RSR.Assim, ao descansar as 36(trinta e seis)horas o empregado já está observando a periodicidade máxima semanal, visto que ele vai, durante a semana, gozar mais de uma vez desta folga a cada 12(doze)hora de trabalho. Um aspecto importante é que esta periodicidade não pode ser aumentada.a lei a fixa em uma semana.assim, o descanso ou folga por quinzena, onde o empregado gozaria dois dias de repouso após 12(doze)dias de trabalho não é admitido. A CLT estabeleceu no art.67 e a Constituição reiterou que o RSR deve coincidir preferencialmente com o domingo.ao nosso ver essa preferência é impositiva, não apenas pelo disposto na CF, mas também visto que apenas alguns serviços estão excluídos da observância do domingo., como se vê no art.67, parágrafo único, da CLT : Nos serviços que exijam trabalho aos domingos, com exceção quanto aos elencos teatrais, será estabelecida escala de revezamento, mensalmente organizada e constando de quadro sujeito à fiscalização A escala de revezamento dos trabalhos aos domingos deve permitir que a cada 7(sete)semanas trabalhadas o empregado folgue em pelo menos 1(um)domingo(art.2 portaria 417/66, do Ministério do Trabalho.). Neste mesmo entendimento, mais adiante, o art.68 e seu parágrafo único, dizem que : Art. 68. O trabalho em domingo, seja total ou parcial, na forma do artigo 67, será sempre subordinado à permissão prévia da autoridade competente em matéria de trabalho. Parágrafo único. A permissão será concedida a título permanente nas atividades que, por sua natureza ou pela conveniência pública, devem ser exercidas aos domingos, cabendo ao Ministro do Trabalho expedir instruções em que sejam especificadas tais atividades. Nos demais casos, ela será dada sob forma transitória, com discriminação do período autorizado, o qual, de cada vez, não excederá de sessenta dias. Já no comércio varejista, cuja atividade embora não seja caracterizada como aquela cuja natureza ou conveniência pública deva ser exercida aos domingos, teve, sucessivamente por meios de medidas provisórias e por fim pelo disposto na lei / autorizado a possibilidade de não observar a obrigatoriedade do repouso aos domingos.a ressalva oposta era que o repouso semanal remunerado deveria coincidir, pelo menos uma vez no período máximo de quatro semanas, com o domingo. Esta periodicidade foi diminuída para o máximo de três semanas pela Lei nº , de 05 de dezembro de 2007, que alterou o art. 6º da Lei nº / Art. 6º Fica autorizado, a partir de 09 de novembro de 1997, o trabalho aos domingos no comércio varejista em geral, observado o artigo 30, inciso I, da Constituição. Parágrafo único. O repouso semanal remunerado deverá coincidir, pelo menos uma vez no período máximo de quatro semanas, com o domingo, respeitadas as demais normas de proteção ao trabalho e outras previstas em acordo ou convenção coletiva.

11 11 "Art. 6º Fica autorizado o trabalho aos domingos nas atividades do comércio em geral, observada a legislação municipal, nos termos do inciso I do caput do art. 30 da Constituição Federal. Parágrafo único. O repouso semanal remunerado deverá coincidir, pelo menos 1 (uma) vez no período máximo de 3 (três) semanas, com o domingo, respeitadas as demais normas de proteção ao trabalho e outras a serem estipuladas em negociação coletiva." (NR) FERIADOS Os feriados, ao lado do descanso semanal remunerado, são definidos na legislação trabalhista como dias de repouso(decreto /49)e tem o mesmo objetivo para o trabalhador:seu descanso por um curto período, no caso 24 horas, visando a reinserção social, política e familiar do empregado.a diferença entre ambos é que os objetivos sociais dos feriados são mais específicos em razão até das datas comemorativas, e os do repouso semanal remunerados são mais genéricos. CONCEITO- São lapsos temporais de um dia, situados ao longo do ano-calendário, eleitos pela legislação em face de datas comemorativas cívicas ou religiosas específicas, em que o trabalhador pode sustar a prestação de serviços e sua disponibilidade perante o empregador 13 Se pode ainda acrescentar que são períodos de descanso não rotineiros, como é o caso do descanso semanal, e que só acontecem em razão da existência das datas festivas legalmente previstas. São classificados em feriados civis e religiosos, dependendo daquilo que a norma jurídica pretender reverenciar ou homenagear e também do espaço de sua abrangência, podendo ser nacionais, regionais ou municipais. Dividem-se em feriados civis e religiosos. O empregado também não trabalha, mas recebe a remuneração relativa ao dia parado. FERIADOS CIVIS- Os feriados civis são comemorativos de datas relevantes à história da pátria ou da nacionalidade, da história das lutas pela organização e afirmação de grandes conquistas populares(1 de maio) ou dias festivos importantes para nossa cultura ocidental, como o dia de natal ou o dia da paz mundial. Os feriados civis, via de regra, são declarados em lei federal (art.11, da lei 605/49).Mas a lei 9093/95 revogou tal dispositivo nesta parte, prevendo que a ocorrência de um feriado regional(a data magna do Estado fixada em lei estadual) e a lei 9335/96 que previu a possibilidade de um feriado municipal(os dias do início e do término do ano do centenário de fundação do Município, fixados em lei municipal). Contudo, a regra é que fora esses casos, o feriado civil seja previsto em lei federal. Lei 9093/95, alterada pela lei 9335/96: Art. 1º. São feriados civis:i - os declarados em lei federal; II - a data magna do Estado fixada em lei estadual. III - os dias do início e do término do ano do centenário de fundação do Município, fixados em lei municipal. Ver também a lei /2002, que estabelece as datas dos feriados nacionais: 01/01;21/04;01/05;07/09;02/11,15/11 e 25/12. FERIADOS RELIGIOSOS- Os feriados religiosos são comemorativos de datas relevantes à tradição religiosa dominante no país ou na comunidade local.em regra são nacionais e municipais.a lei 605/49 assim disciplina: art.11(..)são feriados religiosos os dias de guarda, declarados em lei municipal, de acordo com a tradição local e em número não superior a quatro, neste incluída a Sexta-feira da Paixão. A maioria dos feriados religiosos é municipal.contudo, há feriados religiosos nacionais, como o do dia 12 de outubro, 2 de novembro e 25 de dezembro.houve a demarcação da sexta- 13 DELGADO, Maurício Godinho.Curso de Direito do Trabalho.3ª ed.são Paulo:Ltr, 2004, p.936.

12 12 feira da paixão com feriado, já incluído no rol dos quatro feriados religiosos que poderiam ser declarados por lei municipal. Lei 9093/95- Art. 2º. São feriados religiosos os dias de guarda, declarados em lei municipal, de acordo com a tradição local e em número não superior a quatro, neste incluída a Sexta-Feira da Paixão. CARNAVAL-Os dias de carnaval, inclusive a terça-feira, não são considerados feriados, por conta de não existir lei que os classifique como tal.por conseguinte, em tais dias o empregador pode exigir o trabalho sem ter que pagá-los em dobro.apenas pelo costume é que isso não ocorre. Nos dias de feriado é proibido o trabalho.no entanto, há situações em que, em virtude das exigências técnicas do empregador(hospitais, siderúrgicas, serviços públicos e transportes) em caso de força maior ou de serviços inadiáveis, o empregado deverá prestar serviços. O art.7 do decreto /49 e sua relação anexa, estabelece quais as atividades em que há permissão para trabalho nos dias de repouso. A inserção de atividades comerciais foi feita pelo Decreto nº , de A permissão é dada por decreto do Presidente da República. Não serão acumuladas a remuneração do repouso semanal e a de feriado civil ou religioso, que recaírem no mesmo dia.(art.11, 3, dec /49). REMUNERAÇÃO. No caso de o empregado vir a trabalhar em dias de repouso semanal ou feriado, sem se enquadrar em alguma das situações previstas em lei, o empregador pagará o dobro(art.9, lei 605/49).Havia sérias divergência quanto ao cálculo deste dobro.indagava-se se ele se referia ao pagamento de mais um dia de trabalho, calculado com o que é pago normalmente e inserido na remuneração habitual do empregado.é neste sentido o entendimento da súmula 461 do STF 14.Ou, por outro lado, se além da remuneração normal, se pagava mais duas diárias, como pena.o TST em reformou a súmula , que tinha o mesmo entendimento da súmula 461 do STF e passou a ter a seguinte redação, reformando o entendimento anterior: O trabalho prestado em domingos e feriados, não compensado, deve ser pago em dobro, sem prejuízo da remuneração relativa ao repouso semanal.. Não se paga o dia do repouso ou feriado com o adicional de horas extras, pois, segundo Sérgio Pinto Martins, não existe direito a hora extra nestes dias, apenas a penalidade de remunerá-lo em dobro.. Caso o empregador, conceda ao empregado a compensação da folga em outro dia da semana, estará dispensado do pagamento do dobro. Isto ocorre em razão da disposição do art.9 da lei 605/49 e porque não se trata de compensação de jornada, mas de folga. TRABALHO NOS FERIADOS- A Lei nº , de 5 de dezembro de 2007, alterou a Lei nº / 2000 e inseriu em seu texto os arts.6-a e 6-B, que cuidou de conceder o trabalhado nos feriados para os trabalhadores no comércio, atribuindo a sua regulamentação às convenções coletivas de trabalho e desde que observada a legislação municipal. "Art. 6º-A. É permitido o trabalho em feriados nas atividades do comércio em geral, desde que autorizado em convenção coletiva de trabalho e observada a legislação municipal, nos termos do inciso I do caput do art. 30 da Constituição Federal." "Art. 6º-B. As infrações ao disposto nos arts. 6º e 6º-A desta Lei serão punidas com a multa prevista no art. 75 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto- Lei nº 5.452, de 1º de maio de É duplo, e não triplo, o pagamento de salário nos dias destinados a descanso FERIADO - TRABALHO O trabalho realizado em dia feriado, não compensado, é pago em dobro e não em triplo.

13 13 FÉRIAS As férias consistem no período anual do contrato de trabalho em que o empregado não presta serviços em vários dias seqüenciais, mas recebe remuneração devida do empregador.ele adquire este direito após o decurso de 12 meses de trabalho prestados, chamado de período aquisitivo.é um dos casos no direito de prescrição aquisitiva.é também um dos casos de interrupção do contrato de trabalho, onde não há trabalho, mas há pagamento de salário e cômputo do tempo de serviço. NATUREZA JURÍDICA Sobre o ponto de vista negativo, é o período em que o empregado não pode trabalhar e nem o empregador pode exigir os seus serviços.sob um prisma positivo, por sua vez, é o tempo em que o empregador deve conceder o gozo e a remuneração ao empregado..em razão de seu caráter imperativo, por estar atrelada ao segmento da saúde do trabalhador, é uma norma absolutamente irrenunciável e não pode ser objeto de negociação coletiva 16. PERÍODO AQUISITIVO - Após cada período de 12 (doze) meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias, na seguinte proporção: I - 30 (trinta) dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 5 (cinco) vezes; II - 24 (vinte e quatro) dias corridos, quando houver tido de 6 (seis) a 14 (quatorze) faltas; III - 18 (dezoito) dias corridos, quando houver tido de 15 (quinze) a 23 (vinte e três) faltas; IV - 12 (doze) dias corridos, quando houver tido de 24 (vinte e quatro) a 32 (trinta e duas) faltas. FALTAS O art.131 da CLT diz que não será considerada falta ao serviço, para os efeitos do artigo anterior, a ausência do empregado: I - nos casos referidos no artigo 473; II - durante o licenciamento compulsório da empregada por motivo de maternidade ou aborto, observados os requisitos para percepção do saláriomaternidade custeado pela Previdência Social.III - por motivo de acidente do trabalho ou enfermidade atestada pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, excetuada a hipótese do inciso IV do artigo 133; IV - justificada pela empresa, entendendo-se como tal a que não tiver determinado o desconto do correspondente salário; V - durante a suspensão preventiva para responder a inquérito administrativo ou de prisão preventiva, quando for impronunciado ou absolvido; e VI - nos dias em que não tenha havido serviço, salvo na hipótese do inciso III do artigo 133. PERDA DO DIREITO DE FÉRIAS O art.133 da CLT reza que não terá direito a férias o empregado que, no curso do período aquisitivo: I - deixar o emprego e não for readmitido dentro dos 60 (sessenta) dias subseqüentes à sua saída; II - permanecer em gozo de licença, com percepção de salários, por mais de 30 (trinta) dias; III - deixar de trabalhar, com percepção do salário, por mais de 30 (trinta) dias em virtude de paralisação parcial ou total dos serviços da empresa; e IV - tiver percebido da Previdência Social prestações de acidente de trabalho ou de auxíliodoença por mais de 6 (seis) meses, embora descontínuos. Em qualquer um dos casos dos incisos I a IV, inicia-se novo período aquisitivo a partir do momento do retorno ao serviço. 16 FÉRIAS DIREITO IRRENUNCIÁVEL HIPÓTESE DE NÃO FRUIÇÃO CONDENAÇÃO AO PAGAMENTO EM DOBRO 1. Em face de sua irrenunciabilidade, o direito a férias em dobro, quando materializada a hipótese de incidência do art. 137, consolidado, foge ao princípio dispositivo, colocando-se na linha de alcance do impulso oficial, por imperativo de ordem pública. (inteligência dos arts. 137, CLT e 7º, inc. XVII, CF/88). 2. Recurso conhecido, porém desprovido. (TRT 21ª R. RO (57.440) Rel. Des. Carlos Newton Pinto. DJRN ) FÉRIAS NÃO GOZADAS PAGAMENTO EM DOBRO As férias são um direito irrenunciável do trabalhador e, portanto, se foram pagas mas não gozadas, o empregador se sujeita ao pagamento da dobra prevista no art. 137 da CLT. (TRT 18ª R. RO Rel. Juiz Marcelo Nogueira Pedra DJGO p ) JCLT.137

14 14 AVISO PRÉVIO DE FÉRIAS- O período em que o empregado vai gozar as férias deve ser-lhe comunicado, expressamente, pelo empregador com a antecedência mínima de 30(trinta) dias(art.135, CLT 17 ), devendo o empregado entregar a sua Carteira de Trabalho para ser anotada com as férias, antes de entrar em gozo delas. PERÍODO CONCESSIVO- (Art. 134, CLT) As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só período, nos 12 (doze) meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito. O direito ao gozo das férias deverá ser proporcionado ao empregado nos doze meses seguintes ao período aquisitivo, devendo ser-lhe dado o aviso prévio deste gozo 30(trinta)dias antes(art.135, CLT), no mínimo, tomando-se a ciência do empregado neste aviso.pela CLT a concessão das férias é ato unilateral do empregador(art.136)pois este poderá fixar o gozo das férias dos empregados no período que melhor atenda os seus interesses.tal atribuição decorre do fato de o empregador assumir sozinho os riscos da atividade econômica e dele dirigir a prestação pessoal dos serviços do empregado. CONCESSÃO EM PERÍODOS DISTINTOS- Somente em casos excepcionais serão as férias concedidas em dois períodos, sendo que um deles não poderá ser inferior a 10 (dez) dias corridos(art.134, 1, CLT).Todavia, os empregados menores de 18 (dezoito) anos e aos maiores de 50 (cinqüenta) anos de idade, as férias são sempre concedidas de uma só vez(art.134, 2, CLT). Por outro lado, os membros de uma família, que trabalharem no mesmo estabelecimento ou empresa, terão direito a gozar férias no mesmo período, se assim o desejarem e se disto não resultar prejuízo para o serviço (art.136, 1 ), e o empregado estudante menor de 18 (dezoito) anos terá direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares(art.136, 2, CLT). CONCESSÃO DAS FÉRIAS APÓS O PERÍODO CONCESSIVO -Caso o empregado venha a gozar, por concessão do empregador, as férias após o término do período concessivo, a remuneração deverá ser paga em dobro(art.137, CLT), inclusive o terço constitucional previsto no art.7, XVII(súmula 328 do TST-Nº FÉRIAS. TERÇO CONSTITUCIONAL- O pagamento das férias, integrais ou proporcionais, gozadas ou não, na vigência da CF/1988, sujeita-se ao acréscimo do terço previsto no respectivo art. 7º, XVII.) Neste sentido, cumpre anotar que em caso do gozo de apenas alguns dias além do período concessivo, serão os dias que extrapolarem este prazo que serão remunerados em dobro, como manda a súmula 81 do TST ( FÉRIAS - Os dias de férias gozados após o período legal de concessão deverão ser remunerados em dobro.) PROIBIÇÃO DE TRABALHO DURANTE AS FÉRIAS - Sendo um direito irrenunciável do empregado, o qual visa proporcionar-lhe a recuperação do desgaste físico e psicológico sofrido naturalmente após o curso de um período de trabalho, não seria admissível que o empregado viesse a laborar nas férias. Por isso, a CLT proíbe expressamente o empregado de laborar nas férias a outro empregador, salvo se estiver obrigado a fazê-lo em virtude de contrato de trabalho regularmente mantido com aquele (art.138, CLT 18 ).Ou seja, ele só poderá trabalhar nas férias de um contrato de trabalho se mantiver outro contrato de trabalho paralelo, o que é plenamente admissível. 17 Art A concessão das férias será participada, por escrito, ao empregado, com antecedência de, no mínimo, 30 (trinta) dias. Dessa participação o interessado dará recibo. 18 Art Durante as férias, o empregado não poderá prestar serviços a outro empregador, salvo se estiver obrigado a fazê-lo em virtude de contrato de trabalho regularmente mantido com aquele.

15 15 FÉRIAS COLETIVAS. Todos os empregados de uma empresa ou de determinados estabelecimentos ou setores da empresa podem gozar férias coletivas(ar.139, CLT 19 ), as quais poderão ser gozadas em dois períodos anuais, desde que nenhum deles seja inferior a 10 (dez) dias corridos(art.139, 1 20 ). Caso no período de concessão das férias coletivas existam empregados contratados há menos de 12 (doze) meses estes gozarão, na oportunidade, férias proporcionais, iniciando-se, então, novo período aquisitivo (art.140, CLT 21 ). ABONO PECUNIÁRIO DE FÉRIAS- O empregado tem a faculdade de, querendo, converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário(art.143, CLT 22 ), ou seja, em dinheiro, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.esse direito se requerido no prazo legal, de até 15 (quinze) dias antes do término do período aquisitivo(art.143, 1, CLT 23 ) não admitirá oposição pelo empregador.constituiu direito potestativo do empregado. O abono pecuniário não integra a remuneração do empregado para fins de cálculo do 13 salário, férias, FGTS, etc.(art.144, CLT 24 ) No caso de férias coletivas, a conversão das férias em abono pecuniário deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono (art.143, 2, CLT 25 ). PAGAMENTO DAS FÉRIAS. O pagamento da remuneração das férias e do abono pecuniário, se houver este, deverão ser efetuados até 2 (dois) dias antes do início do respectivo período (Art. 145, CLT 26 ) PRESCRIÇÃO DAS FÉRIAS O inicio do prazo de prescrição das férias concessão ou o pagamento da respectiva remuneração se dá a partir do término do período concessivo ou da cessação do contrato de trabalho, o que acontecer primeiro(art.149, da CLT 27 ). PRESCRIÇÃO 1.Definição Prescrição é o instituto por meio do qual o Estado fez a opção de elevar a segurança jurídica em detrimento do valor justiça. O Estado possibilita que o titular do direito ameaçado ou lesado recorra ao Poder Judiciário para alcançar seu bem da vida, aquilo que pretende ver satisfeito.contudo, o direito estabelece um espaço de tempo para que isto ocorra, evitando a perpetuação de situações indefinidas no plano social. 19 Art Poderão ser concedidas férias coletivas a todos os empregados de uma empresa ou de determinados estabelecimentos ou setores da empresa. 20 1º. As férias poderão ser gozadas em dois períodos anuais, desde que nenhum deles seja inferior a 10 (dez) dias corridos. 21 Art Os empregados contratados há menos de 12 (doze) meses gozarão, na oportunidade, férias proporcionais, iniciandose, então, novo período aquisitivo. 22 Art É facultado ao empregado converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes. 23 1º. O abono de férias deverá ser requerido até 15 (quinze) dias antes do término do período aquisitivo. 24 Art O abono de férias de que trata o artigo anterior, bem como o concedido em virtude de cláusula do contrato de trabalho, do regulamento da empresa, da convenção ou acordo coletivo, desde que não excedente de vinte dias do salário, não integrarão a remuneração do empregado para efeitos da legislação do trabalho. 25 2º. Tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se refere este artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono. 26 Art O pagamento da remuneração das férias e, se for o caso, o abono referido no artigo 143 serão efetuados até 2 (dois) dias antes do início do respectivo período. Parágrafo único. O empregado dará quitação do pagamento, com indicação do início e do término das férias. 27 Art A prescrição do direito de reclamar a concessão das férias ou o pagamento da respectiva remuneração é contada do término do prazo mencionado no artigo 134, ou, se for o caso, da cessação do contrato de trabalho.

16 16 A prescrição é definida atualmente como a perda da pretensão de se ver protegido pela via judicial algum direito subjetivo em virtude de ter transcorrido um determinado período de tempo para a busca desta proteção.ou, no dizer de Mauricio Godinho Delgado, é a perda da exigibilidade judicial de um direito em conseqüência de não ter sido exigido pelo credor ao devedor durante certo lapso de tempo TIPOS DE PRESCRIÇÃO A prescrição pode ser aquisitiva ou extintiva. A prescrição aquisitiva, também chamada de usucapião, consiste na aquisição de propriedade de coisa móvel ou imóvel em decorrência de uso pacífico e prolongado. No direito do Trabalho um dos casos de prescrição aquisitiva acontece no tocante às férias.o período de 12(doze)meses que antecede ao período de gozo das férias é chamado de período aquisitivo porque o empregado só terá direito às férias, e ao gozo posterior, após trabalhar por doze meses consecutivos.o tempo é fator de aquisição do direito. A prescrição extintiva é a prescrição propriamente dita, é a perda da pretensão, ou seja, é a perda do direito de ação que o titular do direito lesado tem de recorrer à justiça para exigir a reparação deste direito. O tempo aqui é fator de perda do direito de ser recorrer ao judiciário para obter o direito material que se pretende. 3.DISTINÇÃO: PRESCRIÇÃO VERSUS DECADÊNCIA Prescrição: No código civil de 1916, a prescrição era entendida como a perda do direito de ação. Atualmente o código civil de 2003 passou a entender que a prescrição seria a perda da pretensão e não do direito de ação.isso por conta da teoria processual, já pacificada, de que o direito de ação é autônomo e independente do direito material que se busca no processo judicial.assim, a ação judicial nunca prescreve, mas sim o direito material, a pretensão em razão em virtude do transcurso de um determinado espaço de tempo; normalmente esta perda da pretensão corresponde aos direitos reais e pessoais; A prescrição nasce, em regra, depois do direito, tendo em vista que o termo inicial da prescrição é a partir do momento que este direito é lesado; a prescrição é proveniente unicamente da lei e pode ser interrompida ou suspensa, conforme as situações trazidas no ordenamento jurídico; Decadência: é a perda do próprio direito, em razão também do transcurso de tempo; se aplica usualmente aos direito potestativos; no prazo de decadência, o direito de ação surge concomitantemente ao direito material; nasce de normas jurídicas autônomas ou heterônomas, ou através de atos unilaterais de vontade, a exemplo do testamento; o prazo decandencial corre continuamente, não havendo causas de interrupção ou suspensão previstas em lei; e a decadência pode ser alegada pela parte, pelo Ministério Púbico e pode ser feita ex-officio pelo juiz. Na legislação trabalhista existem poucos exemplos de caducidade do direito, um deles é o contido no artigo 853 da CLT, que dispõe sobre o prazo de 30 dias para que o empregador instaure inquérito judicial para apuração de falta grave de empregado estável, a contar a partir da suspensão. É também claramente decadencial o direito potestativo de escolher a opção retroativa dos depósitos de FGTS, relativos ao período anterior à Carta Magna de CAUSAS IMPEDITIVAS, SUSPENSIVAS E INTERRUPTIVAS DA PRESCRIÇÃO. No Código Civil as causas impeditivas são sempre anteriores ao período prescricional, impedindo seu fluxo antes mesmo de começar. Verificada a causa impeditiva a prescrição nem começa a sua contagem. A primeira delas, trazida pelo CC, é a incapacidade absoluta, ou seja, não corre prescrição para o absolutamente incapaz. Para o direito justrabalhista a menoridade é causa impeditiva da prescrição, pouco importando que se trate de absoluta ou relativamente incapaz, como preceitua o artigo 440 da CLT DELGADO, Maurício Godinho.Curso de Direito do Trabalho.3ª ed.são Paulo:Ltr, 2004, p Art Contra os menores de 18 anos não corre nenhum prazo de prescrição.

17 17 As outras causas de impedimento prescricional estão presentes no Código Civil nos artigos 198, II; 169, III. Não corre a prescrição contra o prestador de serviço militar em tempo de guerra e contra o ausente do território nacional que esteja em serviço público à União, Estados, Distrito Federal e Municípios. A suspensão da prescrição ocorre por causa superveniente, paralisando o curso normal da prescrição e, ao término da causa que a gerou, a prescrição volta a correr com o restante de tempo que faltava para se consumar.ou seja, a prescrição já estava em andamento, mas houve a ocorrência de uma das situações que a lei estabelece como de suspensão desse prazo, assim ele para a contagem e apenas reinicia quando a causa da suspensão desaparece. As causas suspensivas da prescrição estão presentes no Artigo 199, I e 170, II do CC. A interrupção da prescrição é efetivada por ato das partes, o qual paralisa o curso da prescrição.desaparecida a causa que a interrompeu começará um novo curso prescricional. Ocorre quando houver protesto judicial ou pessoal; instaurada reclamação administrativa pelo titular do direito de ação; com o reconhecimento do direito do titular pelo prescribente através de atos inequívocos e até extrajudiciais. A citação na Justiça do Trabalho independe de despacho, sendo um ato processual de natureza administrativa, praticado pela Secretaria da vara ou pelo setor de distribuição, quando houver mais de uma vara; Logo haverá interrupção prescricional no momento da propositura da ação, de forma automática, contrariando o preceito existente no CPC. Todavia é o entendimento da Súmula nº 268 do TST que em caso de reclamação trabalhista arquivada, que acontece quando o reclamante falta à audiência, a prescrição é interrompida apenas para os pedidos descritos na ação trabalhista arquivada 30.Desta maneira, em caso de o reclamante vir a propor nova ação, a prescrição só terá seu curso interrompido em relação aos mesmos pedidos formulados na petição inicial da ação arquivada. Importa que, mesmo com a extinção da ação sem julgamento de mérito, ocorre a interrupção da prescrição no direito juslaborativo. As demais causas encontradas no artigo 202 do CC também se aplicam ao Direito do Trabalho. CRITÉRIO DA ACTIO NATA Conforme este critério, a prescrição desponta apenas com o surgimento da ação, tornando viável para o titular do direito a exigência legal de sua pretensão, aquilo que ele pretende proteger com a ação, tendo como termo inicial a data a partir da qual a ação poderia ser proposta perante o Judiciário.Em outras palavras, pelo critério da actio nata a prescrição começa a correr a partir do momento em que a pessoa toma conhecimento da violação do direito e não do momento em que o direito é efetivamente violado. Segundo a teoria da actio nata, somente após revelado o fato desconhecido, que submetia a parte em erro substancial, é que tem início a contagem do prazo de prescrição da ação. Contudo, quando o direito é violado pela administração pública e o ato lesivo é publicado em Diário Oficial, a prescrição tem inicio a contar da data da publicação, atendendo-se ao princípio da publicidade dos atos administrativos, e não do efetivo conhecimento da pessoa que teve o direito violado, pois com a publicação pressupõe-se o conhecimento da prática dos atos por todos, inclusive dos prejudicados. CONTAGEM DO PRAZO PRESCRICIONAL- O art.132, 3, do Código Civil Brasileiro, diz que os prazos de meses e anos expiram no dia de igual número do de início, ou no imediato, se faltar exata correspondência.assim, deve-se contar o prazo prescricional da mesma maneira, quando ele for fixado em meses ou anos, ou seja, começando ele no dia 01/12/2000 e sendo de cinco anos, terminará no dia 01/12/2005.Contudo, caso o prazo tenha começado no dia 29 de fevereiro, em razão do ano ser bissexto, o fim será no dia 29 do ano correspondente, se o ano em questão também for bissexto.caso contrário, vencerá no dia 1 de março PRESCRIÇÃO. INTERRUPÇÃO. AÇÃO TRABALHISTA ARQUIVADA - NOVA REDAÇÃO A ação trabalhista, ainda que arquivada, interrompe a prescrição somente em relação aos pedidos idênticos.

18 18 PRESCRIÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO A antiga redação do Artigo 11 da CLT aduzia que a prescrição não atingia, para os trabalhadores urbanos, as parcelas inadimplidas dos últimos dois anos anteriores ao ajuizamento da ação trabalhista. No entanto, com a Constituição Federal de 1988 este prazo foi estendido para cinco anos aos trabalhadores urbanos e rurais, consoante a isonomia de ambos trazida no caput do Artigo 7º da Carta Magna. Todavia, permaneceu o prazo prescricional de dois anos, a começar do término do contrato de trabalho, para o ajuizamento da ação trabalhista. Ou seja, é bienal o prazo para que o empregado impetre ação trabalhista contra o empregador correspondente aos direitos lesados durante o curso do contrato de trabalho, a contar do término deste. Contudo só serão devidas as parcelas não alcançadas pela prescrição qüinqüenal, contadas do ajuizamento da ação trabalhista.é esse o entendimento cristalizado na súmula 308 do TST: Nº PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL (INCORPORADA A ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL Nº 204 DA SDI-1) I. Respeitado o biênio subseqüente à cessação contratual, a prescrição da ação trabalhista concerne às pretensões imediatamente anteriores a cinco anos, contados da data do ajuizamento da reclamação e, não, às anteriores ao qüinqüênio da data da extinção do contrato. A prescrição começa a fluir com o término do aviso prévio, ainda que indenizado, conforme orientação jurisprudencial do TST(OJ 83 da SDI-1). 31 Ou seja, a prescrição dos trabalhadores urbanos, rurais e domésticos, conforme do TST, é qüinqüenal, sendo contada a partir do protocolo da ação, estando o contrato de trabalho extinto ou não, e bienal contada desde a extinção contratual, correndo concomitantemente à prescrição qüinqüenal. PRESCRIÇÃO TOTAL Ocorre prescrição total quando todas as parcelas pleiteadas na ação trabalhista estiverem prescritas, seja em virtude da prescrição bienal, quando o empregado impetra a ação depois de passados dois anos da extinção do contrato; ou decorrente da prescrição qüinqüenal, ou seja, o empregado pleiteia verba anterior aos cinco últimos anos da propositura da ação. A súmula 294 do TST estabelece que: tratando-se de demanda que envolva pedido de prestações sucessivas decorrentes de alteração do pactuado, a prescrição é total, exceto quando o direito à parcela esteja também assegurado por preceito de lei.. Esse critério escolhido leva em consideração o título jurídico. Ou seja, tratando-se de parcela não assegurada em lei, como é o caso dos direitos assegurados em convenção coletiva de trabalho, acordo coletivo de trabalho, ou do acerto direto entre empregado e empregador, passados cincos anos após a lesão do direito, essa parcela ou as parcelas que se venceram no período, prescreve(m) totalmente.inclusive as parcelas que envolvam prestações sucessivas. São exemplos de parcelas sujeitas à prescrição total a gratificação ajustada e o salário-prêmio, as derivadas de contrato ou ato unilateral do empregador, pois não se tratam de prestação de trato sucessivo.eis um exemplo na súmula 199 do TST. Nº BANCÁRIO. PRÉ-CONTRATAÇÃO DE HORAS EXTRAS. (INCORPORADAS AS ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS NºS 48 E 63 DA SDI-1) II - Em se tratando de horas extras pré-contratadas, opera-se a prescrição total se a ação não for ajuizada no prazo de cinco anos, a partir da data em que foram suprimidas. PRESCRIÇÃO PARCIAL Quando a ação trabalhista versar sobre parcela garantida expressamente em lei, mas de trato sucessivo, isto é que se renova todo mês, como o aumento de salário que venha a gerar diferenças salariais, a cada recorrente e sucessiva lesão surge uma nova pretensão e a prescrição se renova periodicamente a partir de cada lesão Aviso Prévio. Prescrição. Começa a Fluir no Final da Data do Término do Aviso Prévio.

19 19 Consequentemente só haverá prescrição total em relação às verbas vencidas há mais de cinco anos antes do ajuizamento da ação. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE A prescrição intercorrente é aquela que corre no curso do processo, logo após ser interrompida, em virtude da negligência do autor para a prática de atos de sua responsabilidade. Todavia, o TST, através da Súmula nº.114, afastou a aplicação da prescrição intercorrente na Justiça do Trabalho. PRESCRIÇÃO EM AÇÕES MERAMENTE DECLARATÓRIAS Assevera o artigo 11 da CLT que a prescrição constitucionalmente estipulada não submete as ações que tenham por objeto anotações para fins de prova junto à Previdência Social.Assim as ações meramente declaratórias não estão sujeitas à prescrição, a exemplo do reconhecimento de vínculo empregatício com a finalidade de comprovar tempo de serviço junto à Previdência Social. PRESCRIÇÃO DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO a prescrição do FGTS obedece ao critério de dois anos após a extinção do contrato de trabalho, todavia, em relação aos depósitos principais do FGTS, a prescrição é trintenária com relação aos depósitos, a partir da propositura da ação, ou seja de 30(trinta)anos(art.23, 5, Lei 8036/90) 32.Tratando-se de depósitos reflexos (parcelas de FGTS judicialmente pleiteadas, decorrentes de verbas principais), a prescrição obedece ao padrão justrabalhista já mencionado. PRESCRIÇÃO DO SALÁRIO- O prazo para reivindicar o salário não pago ou a diferença salarial tem inicio a partir do quinto dia útil ao mês subseqüente ao vencido(art.459, 1, da CLT 33 ) ou, no caso das diferenças, do dia do seu pagamento, se houver(art.119, CLT, lendo-se cinco anos em lugar de dois pela alteração na prescrição trabalhista feita pela CF, art.7, XXIX) 34 PRESCRIÇÃO DAS FÉRIAS As férias se tornam um direito adquirido do empregado após o transcurso de um ano, contado a partir da data de sua admissão na empresa, esse período é denominado período aquisitivo. Passado o período aquisitivo, o empregador terá o prazo de um ano para conceder as férias ao empregado, chamado período concessivo. A prescrição das férias coaduna com o padrão justrabalhista, prescrevendo em dois anos, contados a partir do término da relação empregatícia e em cinco anos até a data do ajuizamento da ação trabalhista. Contudo o seu início se dá a contar do término do período concessivo(art.148, da CLT 35 ) que é o período de doze meses subseqüentes ao período aquisitivo das férias, que foi onde o empregado adquiriu o direito às férias. 32 5º. O processo de fiscalização, de autuação e de imposição de multas reger-se-á pelo disposto no Título VII da CLT, respeitado o privilégio do FGTS à prescrição trintenária. 33 1º Quando o pagamento houver sido estipulado por mês, deverá ser efetuado, o mais tardar, até o quinto dia útil do mês subseqüente ao vencido. 34 Art Prescreve em 2 (dois) anos a ação para reaver a diferença, contados, para cada pagamento, da data em que o mesmo tenha sido efetuado. 35 Art A prescrição do direito de reclamar a concessão das férias ou o pagamento da respectiva remuneração é contada do término do prazo mencionado no artigo 134, ou, se for o caso, da cessação do contrato de trabalho. Art As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só período, nos 12 (doze) meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA-UNIPÊ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO DIREITO DO TRABALHO II 2 ESTÁGIO PROF PAULO ANTONIO MAIA E SILVA DURAÇÃO JORNADA E HORÁRIO DE TRABALHO

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens.

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. 1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. Art. 4º. Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado

Leia mais

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada.

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada. 1 PERÍODOS DE DESCANSO Os períodos de descanso são necessidades biológicas, fisiológicas do corpo humano para que possa recompor suas energias e continuar trabalhando com eficiência. Além de o lazer ser

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTENSIVO III ESTADUAL E FEDERAL Disciplina: Direito do Trabalho Prof.: Agostinho Zechin Apostila Parte 03 Aula 01 DIREITO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tanto a CLT, quanto

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

1.1. Intervalo intrajornada é o descanso concedido dentro da própria jornada de trabalho. (1)

1.1. Intervalo intrajornada é o descanso concedido dentro da própria jornada de trabalho. (1) MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1.Artigos Correlatos 1.1. O intervalo intrajornada como hora extra 2.Simulados 1.ARTIGO CORRELATO Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante advogado, professor de Direito

Leia mais

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO I. O DOMINGO COMO DESCANSO II. FERIADOS III. A REMUNERAÇÃO DO REPOUSO IV. MULTA ADMINISTRATIVA V. OS TRIBUNAIS E O REPOUSO I - O DOMINGO COMO DESCANSO 1) FUNDAMENTO LEGAL

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO Por Sofia Kaczurowski* O Artigo 7º da Constituição Federal, no seu Inciso

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas 16/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Tolerância: art. 58, 1º da CLT.

Tolerância: art. 58, 1º da CLT. AULA 11: Tolerância: art. 58, 1º da CLT. Art. 58 da CLT 1º - Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos,

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual Lição 6. Férias Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual 6.1. FÉRIAS INDIVIDUAIS: arts. 129 a 138 da CLT. As férias correspondem

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ADICIONAL NOTURNO - PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO O adicional noturno é devido ao empregado que trabalha a noite no período biológico em que a pessoa deve dormir. É no período noturno que o organismo humano

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil - São Paulo, Brasil - 31 de janeiro de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado

Leia mais

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 Duração do Trabalho Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 horas diárias. Acordo OIT-Organização Internacional

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Fundamento: o artigo 7, parágrafo único da CF não menciona os incisos XIII e o XVI dentro os direitos dos empregados domésticos.

Fundamento: o artigo 7, parágrafo único da CF não menciona os incisos XIII e o XVI dentro os direitos dos empregados domésticos. ANALISTA TRT E TST Direito do trabalho Leone Pereira 18/09/2012 Aula 13 Modulo I RESUMO SUMÁRIO 1. Continuação: Duração do trabalho e intervalos 1.1. Empregados excluídos do controle da jornada 1.2. Intervalo

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva DURAÇÃO DO TRABALHO 1. Considerações preliminares Jornada inspira-se no italiano giorno, que se traduz por dia. Logo, jornada de trabalho é a quantidade de labor diário do empregado. Há, contudo, quem

Leia mais

HORAS EXTRAS - Considerações Gerais. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário:

HORAS EXTRAS - Considerações Gerais. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário: HORAS EXTRAS - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Jornada de Trabalho 4 - Horas Extras - Limite 4.1 - Necessidade

Leia mais

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva FÉRIAS (art. 129 a 145 da CLT) 1. Conceito O direito às férias integra o conjunto de garantias conferidas ao empregado visando a defesa de seu lazer e repouso. Visam proporcionar descanso ao trabalhador,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

1 - DA CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL -

1 - DA CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL - 1 DAS NORMAS GERAIS DE TUTELA DO TRABALHO A CLT estabelece normas que são destinadas à tutela (proteção) do trabalhador. Estas normas dividem-se em normas sobre documentação da vida do trabalhador (anotação

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS

ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS Jornadas Especiais: Bancários 1)Disserte sobre a duração e condições de trabalho dos bancários. Mencione posicionamentos jurisprudenciais pertinentes. Na Consolidação das Leis

Leia mais

TRABALHO EXTERNO. inciso XIV, jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva.

TRABALHO EXTERNO. inciso XIV, jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva. TRABALHO EXTERNO 1. INTRODUÇÃO A Consolidação das Leis do Trabalho CLT, em seu artigo 444 da CLT, estabelece que as relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas,

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

Art. 129 - Todo empregado terá direito anualmente ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração.

Art. 129 - Todo empregado terá direito anualmente ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração. FÉRIAS CONSIDERAÇÕES GERAIS * Do Direito a Férias e da Sua Duração Art. 129 - Todo empregado terá direito anualmente ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração. Art. 130 - Após cada período

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS

ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS Paulo Sérgio Basílio Advogado OBJETO DE ESTUDO O presente artigo se limitará a analisar questão controvertida sobre a contagem dos períodos

Leia mais

TRABALHADOR HORISTA. Dr. Leslie Magro

TRABALHADOR HORISTA. Dr. Leslie Magro TRABALHADOR HORISTA Dr. Leslie Magro 1. DEFINIÇÃO O trabalhador horista é aquele que recebe o salário mensalmente, porém determinado pelo valor-hora. O trabalhador horista tem todos os direitos e obrigações

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011 - Quadro de Horário Segundo a Art 74 da CLT a empresa deve afixar em lugar visível o quadro de horário. - Sistema alternativo de Controle de Jornada O Ministério aprovou através da portaria nº 1120, este

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Durante esse período de afastamento a empregada recebe um benefício previdenciário, também chamado de salário maternidade.

Durante esse período de afastamento a empregada recebe um benefício previdenciário, também chamado de salário maternidade. ANALISTA TRT E TST Direito do trabalho Renata Orsi 22/08/2012 Aula 09 Modulo I RESUMO SUMÁRIO 1. Continuação: Situações controvertidas na suspensão 1.1. Licença maternidade 2. Contratos por prazo determinado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO (2010/2012) QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO AS EMPRESAS Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM E, DO OUTRO LADO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000264/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005909/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.003630/2013-64 DATA DO

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - SWISSCAM - São Paulo, Brasil - 26 de abril de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado trabalha

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA 1 / 5 JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal de 1988 e confirmada pelo art. 58 do Estatuto Laboral, é de 8

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho I Professora: Cláudia Glênia JUR: 3231 MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E CAPITALIZAÇÃO E DE AGENTES AUTÔNOMOS DE SEGUROS

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000608/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029924/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.009880/2013-16

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias 31/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

OS INTERVALOS PARA DESCANSO NA JORNADA DE TRABALHO. Geraldo Antônio Avelino 1

OS INTERVALOS PARA DESCANSO NA JORNADA DE TRABALHO. Geraldo Antônio Avelino 1 OS INTERVALOS PARA DESCANSO NA JORNADA DE TRABALHO 2 OS INTERVALOS PARA DESCANSO NA JORNADA DE TRABALHO. Geraldo Antônio Avelino 1 1- Introdução Deus, quando criou o mundo, segundo o Livro Sagrado, descansou

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 101 REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 1 INTRODUÇÃO Rodrigo Ribeiro Bueno* Os reflexos das parcelas trabalhistas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais FÉRIAS INDIVIDUAIS Introdução Todo empregado tem direito a um período anual de férias, sem prejuízo de sua remuneração. (Art. 129,

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exceção ao princípio da continuidade, ao trato

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

Introdução ao Direito do Trabalho. Capítulo 4. Princípios do Direito do Trabalho. Capítulo 2. Fontes do Direito do Trabalho

Introdução ao Direito do Trabalho. Capítulo 4. Princípios do Direito do Trabalho. Capítulo 2. Fontes do Direito do Trabalho Sumário Capítulo 1 Introdução ao Direito do Trabalho 1.1. Conceito e denominação 1.2. Característica 1.3. Divisão 1.4. Natureza 1.5. Autonomia 1.6. Evolução no Brasil Capítulo 2 Princípios do Direito do

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013332/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/11/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR036515/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46252.002162/2013-44 DATA DO

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 29/11/2010.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 29/11/2010. JORNADA DE TRABALHO - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 29/11/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Duração Normal do Trabalho 3.1 - Aplicação Prática 3.2 - Compensação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais