Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da ideia ao mercado Um caminho de percalços"

Transcrição

1 Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

2 CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4% 0,2% Manual de P&D ANEEL Compromisso Regulatório Anual Manual de Auditoria Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA R$ 11,5 M R$ 11,5 M R$ 5,7 M Light Energia R$ 2,5 M R$ 2,5 M R$ 1,25 M

3 Estrutura de Inovação Presidência Assessoria da Presidência Coordenação de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Gestão Regulatória Prospecção Tecnológica Gestão de Projetos Gestão de Auditoria Atuação Institucional Planejamento Estratégico Priorização do portfólio Gestão Técnica Propriedade Intelectual Gestão Financeira Gestão de Riscos Pós-Projeto e Lei do Bem

4 CONTEXTO REGULATÓRIO Regras de P&D Obrigatoriedade do Plano Estratégico de Investimento em P&D Projetos devem ser gerenciados pela empresa por meio de estrutura própria As empresas deverão submeter os projetos à Auditoria Independente ao final de sua execução Havendo glosa, deverá ser realizado o estorno à conta de P&D A obrigação regulatória é controlada pelo Saldo da conta contábil de P&D Critérios ANEEL: Originalidade, Aplicabilidade, Relevância e Razoabilidade dos Custos.

5 HISTÓRICO LIGHT Recursos aplicados R$ 80 Milhões no período de ,11% 14,68% 13,91% 11,21% 12,74% 2,14% 1,12% 1,72% 0,95% 2,81% 1,61% Fontes alternativas de geração de energia elétrica Segurança Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Supervisão, Controle e Proteção de Sistemas de Energia Elétrica Medição, faturamento e combate a perdas comerciais Meio Ambiente Eficiência Energética Operação de Sistemas de Energia Elétrica Qualidade e Confiabilidade dos Serviços de Energia Elétrica Smart Grid Outro.

6 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

7 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

8 Planejamento Estratégico Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Sustentabilidade Corporativa - Conceito de Triple Bottom Line Uma visão de negócios de longo prazo Transparência no progresso do Triple Bottom Line Dimensão Econômica Pressão contínua por retornos superiores aos acionistas Busca pela interferência ambiental neutra Governança Corporativa Ética e resposta holística às necessidades locais Dimensão Ambiental Dimensão Social

9 Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico Estratégia Corporativo Estratégia Divisões Estratégia Unidades de Apoio P&D&I Estratégia Unidades de Negócio Estratégia Gerências Processos e Projetos Equipes e Indivíduos

10 Planejamento Estratégico Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Plano de Investimentos de P&D Entendimento da Estratégia Corporativa Identificar as Demandas da Corporação para P&D&I Definir Contribuição de P&D&I Identificar os Temas de P&D&I Priorizar os Temas Captar Projetos de P&D&I Analisar aderência de Projetos com Temas de P&D&I Plano Estratégico de P&D Selecionar Projetos de P&D&I alinhada aos Temas Priorizar Projetos Elaborar Plano Mestre e Gerir o Portfólio de Projetos Abordagem do método para Gestão de Projetos

11 Planejamento Estratégico Relevância Estratégica Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Seleção de Grandes Temas a 1 Abrangente para a organização 1 a 2 Abrangente para o setor Abrangência do Tema 2 a 3 Abrangente além do setor

12 ELABORAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE P&D Linhas de Pesquisa priorizadas no Evento PLANO ESTRATÉGICO DE INVESTIMENTOS EM P&D RESULTADO DO WORKSHOP - CLASSIFICAÇÃO DE TEMAS POR PONTUAÇÃO CLASSIFICAÇÃO PONTUAÇÃO* TEMAS 1 55 REDUÇÃO DE PERDAS 2 52 EFICIÊNCIA ENERGÉTIVA EM COMUNIDADES 3 52 GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE 4 49 FONTES ALTERNATIVAS 5 43 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA 6 43 REDES INTELIGENTES 7 39 ANÁLISE DE RISCOS 8 39 GESTÃO DE RISCO 9 35 METODOS DE APOIO À DECISÃO MELHORIA DA QUALIDADE DO SERVIÇOS RELACIONAMENTO/ATENDIMENTO AO CLIENTE GERAÇÃO DE ENERGIA COM RSU GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESERV.HIDRELÉTRICAS PROTEÇÃO DE RECEITA MICRO-GERAÇÃO AUMENTO DA EFIFIÊNCIA OPERACIONAL GESTÃO DO CONHECIMENTO / EDUCAÇÃO EM INOVAÇÃO TECNOLOGIA DE MATERIAIS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE ATIVOS AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DAS EQUIPES EM CAMPO AUTOMAÇÃO DE REDE FERRAMENTAS/SISTEMAS VOLTADOS Á GESTÃO DA PRODUTIVIDADE SEGURANÇA DA INFRAESTRUTURA MEDIDORES INTELIGENTES

13 ELABORAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE P&D PLANO ESTRATÉGICO DE INVESTIMENTOS EM P&D Consulta Interna Intranet +

14 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

15 Da ideia ao P&D Novas Ideias Colaboração entre empregados e entidades externas Maior visibilidade dos indicadores e resultados Incorporação das lições aprendidas Rede de Criatividade e Inovação Seleção de Projetos Critérios de internalização e resultados Método de tomada de decisão Avaliação dos Resultados Planejamento dos Projetos Atenção para as incertezas dos resultados

16 Da ideia ao P&D Ideias FUNIL DA INOVAÇÃO Projetos Desenvolvimento Testes/Protótipos Mercado Lições Aprendidas Desde a idéia até sua aplicação

17 1º PASSO - OPERAÇÃO DO SISTEMA DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE P&D A ferramenta EPM-GESPIN é utilizada para cadastramento, análise e priorização de projetos

18 2º PASSO ESCOLHA DOS CRITÉRIOS

19 3º Passo LIMITES DE ENQUADRAMENTO DOS CRITÉRIOS COM PARÂMETROS PARA A ANÁLISE Exemplo de Critério de Análise e Priorização Critério Alinhamento com o planejamento estratégico da organização Decrição do critério Este fator busca medir o alinhamento do projeto com a estratégia da companhia, ou seja, com o seu Planejamento Estratégico. Itens de priorização Nenhum Fraco Moderado Forte Extremo Nenhuma relação com a estratégia de Light. Ação complementar ou tangente à algum plano de ação do PE Relacionado indiretamente com algum plano de ação do PE Convergentes com as diretrizes estratégicas ou com planos de ação do PE-Light Diretamente relacionado com as Diretrizes Estratégicas ou Visão de Futuro do PE- Light

20 4º Passo Definição de Peso de cada critério Os 9 critérios tem pesos diferenciados pois alguns são considerados mais relevantes que outros. Esta qualificação dos pesos foi feita a partir da comparação par à par seguindo o Método AHP

21 5º Passo Análise de Projetos Na ferramenta, é preciso avaliar os projetos individualmente. O projeto é avaliado por especialista(s) em P&D ANEEL. Para cada critério o projeto pode ser classificado entre EXTREMO e NENHUMA Relevância Estratégica. Conforme ilustra a tela.

22 6º Passo Análise de Projetos Ao final o sistema gera uma tela onde os projetos podem ser visualizados com suas respectivas avaliações para cada critério.

23 7º Passo Seleção de Projetos O sistema calcula, com base nas avaliações realizadas e nos pesos dos critérios, quais projetos tem maior relevância estratégica. Gerando uma tabela de classificação, conforme tela

24 8º Passo Seleção de Projetos segundo Orçamento Disponível O último passo é a seleção dos projetos avaliados e classificados com base numa restrição de recursos.

25 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

26 Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Ciclo de vida Estratégias de P&D recomendadas: re-projetar o produto com características novas; re-design; desenvolver novas aplicações.

27 Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Roadmap ALTA ADMINISTRAÇÃO: DEMANDA POR: Estratégias de P & D GESTÃO: Inovação x Invenção P & D Produtos novos Investindo Recursos: Gap Tecnológico EMPRESA RECURSOS INTERNOS: Sistema P&D = atividades/custos CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA: Ciclo de vida da tecnologia Portfolio de Tecnologias PARCERIAS Setor Fabril Setor acadêmico

28 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

29 Gestão do Portfólio de Inovação Não existe Gerenciamento sem medidas. (Peter Drucker)

30 Regime de apropriabilidade Disponibilidade dos mecanismos e força de proteção Gestão do Portfólio de Inovação Mecanismos de apropriabilidade da Inovação Natureza do conhecimento Proteção formal Tácito Codificado Propriedade intelectual Acordos confidenciais e segredos comerciais Legislação trabalhista Patentes de invenção Patentes de modelos de utilidade Desenhos industriais MArcas Indicações geográficas Gestão de recursos humanos Barreiras técnicas Time-to-market Termos de confidencialidade Política de retenção de RH estratégicos Cláusulas de não transferência para concorrentes Senhas Sigilo Acessos restritos Entrada no mercado Desenvolvimento contínuo

31 Gestão do Portfólio de Inovação Divulgação de resultados alcançados sem projetos Indicadores de performance dos resultados dos projetos Planejamento Estratégico do P&D Acompanhamento de Projetos em andamento Gestão do Conhecimento (transferência) Estratégia de Negócios do P&D&I Controle de documentação do processo de P&D Inovação e prospecção tecnológica Apropriação de resultados (pósprojeto e comercialização) Controle de propriedade intelectual Atendimento regulatório

32 Gestão do Portfólio de Inovação Projetos 8 Projetos 33 Projetos Pipeline de Inovação

33 Agenda Profa. Ingrid Paola Stoeckicht, D Sc. MBA em Gestão Estratégica da Inovação Planejamento Estratégico de P&D&I Da ideia ao Projeto de P&D Do Projeto de P&D a Inovação/Mercado Gestão do Portfólio de Inovação Percalços da Inovação

34 Percalços da Inovação Especificidade em Projetos de P&D Escopo Recursos Humanos Stakeholder Comunicação Aquisição Especificidades de Projetos de P&D Custo Tempo Integração Qualidade Risco

35 Decisão no Escopo a clareza das ideias vem de pessoas A condição ou capacidade que precisa ser alcançada ou possuída por um produto, serviço, sistema ou resultado, a fim de satisfazer requisitos, é incerta quando tratamos de P&D e ondas sucessivas é o melhor caminho. O escopo de um projeto de P&D precisa ser definido no campo da ideia, mas a especificação do que de fato será executado é um desafio, pois os rumos de P&D podem mudar em função da busca da melhor solução para os problemas e o nível de incerteza envolvida no processo investigatório.

36 Ondas sucessivas

37 Recursos Humanos a Gestão do Conhecimento Elementos cruciais do conhecimento, implícitos nas práticas de P&D, não são facilmente transferíveis, pois estão enraizados em pessoas, organizações e locais específicos. Certos Integrantes da equipe são fatores de risco no projeto. Equipes que detêm este tipo de conhecimento, podem ser capazes de se adaptar às velozes mudanças que ocorrem nos mercados e nas tecnologias e gerar inovações.

38 Prazos realistas X incerteza Os prazos em projetos de P&D estão condicionados a uma expectativa de assertividade do escopo pré-definido. Se os rumos mudarem em busca de uma melhor solução para o problema demandante da pesquisa, o tempo previsto para o projeto de certo será afetado.

39 Riscos Incerteza/Originalidade/Ineditismo Em projetos de P&D, o grau de incerteza é amplificado pela característica do novo. Quando falamos de risco em projetos de P&D, o de oportunidade está normalmente vinculado a esse tipo de projeto e pode ser um diferencial competitivo quando o sucesso na pesquisa tiver sido atingido.

40 Qualidade Inovação Radical X Inovação Incremental A visão de qualidade de um projeto em P&D está intimamente relacionada ao seu grau de inovação. O projeto pode ter tecnologias disruptivas (inovação radical) ou ações mais incrementais. Os critérios de aceitação são constantemente revistos por questões metrológicas, em função da fase de validação da pesquisa. O grau de apropriação pelo Setor demandante da inovação é que sinaliza o sucesso do projeto.

41 Custos Decisão por Melhor solução A visão de custos de um projeto em P&D é altamente diferenciada pelo grau de inovação e dependência em recursos humanos e novas tecnologias, que tanto são escassos pelo fator humano como voláteis pelo ponto de vista tecnológico. Difícil mensuração de retorno com os possíveis resultados. Nível baixo de maturidade de mercado do produto novo o que dificulta a previsão de retorno.

42 Aquisição Inovação Radical X Inovação Incremental A questão da propriedade intelectual, sigilo e recebimento de royalties em P&D é um ponto de atenção de Contratos entre as entidades executoras e as concessionárias, devido a questões altamente estratégicas envolvidas na pesquisa. Deve-se buscar a melhor solução para um problema entre possíveis fornecedores de pesquisa. As propostas não são comparáveis por terem soluções diferentes.

43 Comunicação Barreira do Poder do Conhecimento Necessidade de melhor codificação entre partes interessadas, é ponto fundamental para que a Comunicação flua com sucesso no projeto de P&D. Escuta ativa Enorme Gap de conhecimento Indicadores de performance Divulgação de resultados

44 As partes interessadas - Gerenciamento As partes interessadas mudam a cada nova fase da Cadeia de Inovação. A mudança gerada nesse tipo de projeto é fator crítico para seu sucesso. A perfeita identificação desses Stakeholder s mapeando seus interesses e poderes, trará ao projeto uma chance de total sucesso. O nível de comprometimento e aspectos comportamentais das partes interessadas são vitais para a condução do projeto.

45 Rede Tecnológica Universidades Industria Conhecimento fundamental Conceitos e metodologias Protótipos de bancada P&D Tecnologia aplicada Protótipos em larga escala Centros de Pesquisa Consultorias Conhecimento aplicado, idealização de solução Desenvolvimento tecnológico Implementação em nível de campo

46 Integração O sucesso de projetos de P&D está intimamente ligado a atuação da equipe do projeto. O nível de comprometimento e aspectos comportamentais das partes interessadas são vitais para a condução de um projeto de P&D. Mudanças em geral ocorrem por alteração nas expectativas do stakeholders ou por mau planejamento. Em projetos de P&D, mudanças acontecem ainda por necessidade de ajuste na rota da pesquisa, o que carece de alinhamento constante com os stakeholder s.

47 FIM OBRIGADO Implementar e Comercializar Reconhecer e medir Desenvolver e inovar Inovação Criar Avaliar Capturar e Organizar

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 22 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO GTE

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO INOVA AGRO INOVA AGRO 2013 Modelo de Plano de Negócios Outubro de 2013 1 Introdução Este documento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Mapa Estratégico da Indústria (2007-2015) 2015) Objetivo Criar a cultura da Responsabilidade Social nas Empresas, incorporando as suas políticas às estratégias corporativas,

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Secretaria de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia - SERHMACT Fundação de Apoio à Pesquisa - FAPESQ Setembro/Outubro de 2013 TECNOVA

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+ Faturamento: R$ 1

Leia mais

REGULAMENTO - PRÊMIO EDP INOVAÇÃO

REGULAMENTO - PRÊMIO EDP INOVAÇÃO REGULAMENTO - PRÊMIO EDP INOVAÇÃO 1. OBJETIVOS O Prêmio EDP Inovação é uma iniciativa da EDP Brasil, subsidiária da EDP Energias de Portugal, que visa incentivar a inovação, a sustentabilidade e o empreendedorismo

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

"COCRIAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS: ALCANÇANDO RESULTADOS DIFERENCIADOS COM ESTRATÉGIAS INOVADORAS. Porto Alegre, 24 de abril de 2012

COCRIAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS: ALCANÇANDO RESULTADOS DIFERENCIADOS COM ESTRATÉGIAS INOVADORAS. Porto Alegre, 24 de abril de 2012 "COCRIAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS: ALCANÇANDO RESULTADOS DIFERENCIADOS COM ESTRATÉGIAS INOVADORAS Porto Alegre, 24 de abril de 2012 Como Garantir os Resultados no Curto e Longo Prazos? COMPETITIVIDADE EFICIÊNCIA

Leia mais

PROPOSTA DE VALOR Apresentação Institucional

PROPOSTA DE VALOR Apresentação Institucional Logo da empresa cliente PROPOSTA DE VALOR Apresentação Institucional Data Nome dos Executivos CONFIDENCIAL Todos os direitos reservados Século XXI Crises, IPO e Oportunidades Consolidação de Mercado Novos

Leia mais

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa)

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) S E R G I O SALLES-FILHO D P T O P O L Í T I C A C I E N T Í F I C A E T E C N O L Ó G I C A E F A C U L D A D E D E C I

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances O futuro do uso do Gás Natural no novo desenho urbano das cidades Gás na cidade 1872-1999 1872 1890 1900 1900 Missão Possível O desafio

Leia mais

Soluções Inovadoras em Polímeros

Soluções Inovadoras em Polímeros Soluções Inovadoras em Polímeros Credenciamento na ANP N 562/2015 Credenciado Centro Tecnológico de Polímeros Evolução para Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros 1992 a 2011 2000 a 2011

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 Agilidade Relacionamento O panorama da inovação no Brasil e no mundo Relações entre das Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs)

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO EDP INOVAÇÃO - 6ª EDIÇÃO

REGULAMENTO PRÊMIO EDP INOVAÇÃO - 6ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO EDP INOVAÇÃO - 6ª EDIÇÃO 1. OBJETIVOS O Prêmio EDP Inovação é uma iniciativa da EDP Brasil, subsidiária da EDP Energias de Portugal, que visa incentivar a inovação, a sustentabilidade

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html Glossário A Atividades - Ações que os executores realizam para alcançar

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

23/09/2013. Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável

23/09/2013. Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável 23/09/2013 Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável Marco Andre Figuerôa Tassinari Rocha Gerente de Auditoria de Processos e Negócios

Leia mais

Orientações para elaboração do Plano de Negócios

Orientações para elaboração do Plano de Negócios Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Orientações para elaboração do Plano de Negócios São Paulo, 19 de agosto de 2013 Agenda Introdução Resultados das Cartas de Manifestação de Interesse Plano

Leia mais

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica Prêmio Nacional de Inovação P 0 Caderno de Avaliação Categoria Projeto: Inovação Tecnológica Inovação MPE Solução: Esta dimensão avalia as características qualitativas do solução proposta o entendimento

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 2013 Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica e Eficiência Energética OIE Abril/2013 1 1. Introdução A Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Os 10 Mandamentos da Gestão do Conhecimento

Os 10 Mandamentos da Gestão do Conhecimento 1 Os 10 Mandamentos da Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento é o tipo de tema que apaixona. Isso mesmo. Muitos se apaixonam, mas poucos casam. Só que deveriam. Parte da culpa desse estigma está

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa. Natura Alessandra da Costa Maio de 2011

O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa. Natura Alessandra da Costa Maio de 2011 O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa Natura Alessandra da Costa Maio de 2011 Agenda Contexto de Mercado Case Natura Perguntas Contexto Externo (1/3) Pesquisa Panorama Empresarial Brasil 2011,

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza EVOLUÇÃO NO MODELO DE GESTÃO ATRAVÉS DA VISÃO POR PROCESSOS NA COMPANHIA SIDERÚRGICA

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Roadmap para implantação de um Escritório de Processos

Roadmap para implantação de um Escritório de Processos - Promovendo a inovação organizacional e a governança de BPM - Introdução... 2 A necessidade de governança das ações de BPM... 3 O papel do Escritório de Processos como promotor da inovação organizacional

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014 Atendimento Integrado de Serviços março/2014 Agenda 1 A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP 2 Programa Gestão por Processos 3 Processo Atendimento Integrado de Serviços 1 Rede Nacional de Ensino e

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Considerando a necessidade de padronização da metodologia de análise, dos critérios de avaliação e do fluxo de encaminhamento da proposta institucional submetida à Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA PROINFRA

Leia mais

COMPETITIVIDADE e SUSTENTABILIDADE. Inovação nas cadeias produtivas

COMPETITIVIDADE e SUSTENTABILIDADE. Inovação nas cadeias produtivas COMPETITIVIDADE e SUSTENTABILIDADE Inovação nas cadeias produtivas INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA ESTRATÉGIA COMPETITIVA missão A missão da Anpei é: Estimular a Inovação Tecnológica nas Empresas. A associação

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Observação: Poderão participar empresas públicas, privadas e mistas.

Observação: Poderão participar empresas públicas, privadas e mistas. PRÊMIO SER HUMANO PAULO FREIRE 2015 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A. OBJETIVO A1. O Prêmio Ser Humano Paulo Freire Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Boas praticas na implantacao do. pmo

Boas praticas na implantacao do. pmo Boas praticas na implantacao do pmo IMPLANTAÇÃO DE UM PMO A implantação de um PMO requer um bom planejamento prévio, visando estruturar o setor como um braço da alta gerência a fim de assegurar a geração

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06358/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Referência: Ofício n 2401/2006/SDE/GAB de 24 de maio de 2006. Em 13 de setembro de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D?

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Ronald M. Dauscha Agenda - Foco em maturidade de inovação - Serviços para

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Gestão do Valor Tecnológico

Gestão do Valor Tecnológico Maison do Conhecimento Grupo ECC Gestão do Valor Tecnológico A Tecnologia Gerenciada como Ativo CONFIDENCIAL Sobre o Grupo ECC www.grupoecc.com.br O grupo é formado por empresas de consultoria, tecnologia,

Leia mais