Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO"

Transcrição

1 I.1 - Obrigatoriedade da Elaboração Cap. I INTRODUÇÃO À FOLHA DE PAGAMENTO O art. 225 do Decreto nº 3.048/99 determina que a empresa seja obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamento. A elaboração da folha faz parte das obrigações acessórias conforme estabelece a Previdência Social. Art.225. A empresa é também obrigada a: I - preparar folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamentos;... O 9º do art.225 do Decreto nº 3.048/99 dispõe que na folha de pagamento, deverão estar discriminados: O nome do segurado: empregado, trabalhador avulso, autônomo e equiparado, empresário, e demais pessoas físicas sem vínculo empregatício; Cargo, função ou serviços prestados; Parcelas integrantes da remuneração; Parcelas não integrante da remuneração (diárias, ajuda de custo, etc.); O nome das seguradas em gozo de salário-maternidade; A indicação do número de quotas de salário-família atribuídas a cada segurado empregado ou trabalhador avulso. 9º A folha de pagamento de que trata o inciso I do Caput, elaborada mensalmente, de forma coletiva por estabelecimento da empresa, por obra de construção civil e por tomador de serviços, com a correspondente totalização, deverá: I - discriminar o nome dos segurados, indicando cargo, função ou serviço prestado; II- agrupar os segurados por categoria, assim entendido: segurado empregado, trabalhador avulso, contribuinte individual; (Redação dada pelo Decreto nº 3.265, de 29/11/99); III - destacar o nome das seguradas em gozo de salário-maternidade; IV - destacar as parcelas integrantes e não integrantes da remuneração e os descontos legais; e V -indicar o número de quotas de salário-família atribuídas a cada segurado empregado ou trabalhador avulso. Lembrando que não existe modelo oficial para sua elaboração, podendo ser adotados critérios que melhor atendam aos interesses de cada empresa, observadas as informações que legalmente deve conter. Nota: A empresa não está obrigada a inserir todos os segurados na mesma folha de pagamento, podendo elaborar folhas separadas para os empregados e os contribuintes individuais (empresários e autônomos). A folha de pagamento para fins contábeis deverá ser de forma analítica e sintética sendo: 1

2 1. Analítica conter de forma discriminada a memória de cálculo de todas as parcelas pagas ao empregado da retenção dos encargos sociais. 2. Sintética conter mapa demonstrando os valores totais pagos e os valores totais descontados. Na maioria das empresas, a folha de pagamento é elaborada e controlada por centro de custo. I.2 - Folha de Pagamento Informatizada A empresa poderá adotar o sistema informatizado para elaboração da folha de pagamento, observando todos os procedimentos de uma folha manual. A empresa deverá ter um programa de folha adequado a suas necessidades, contendo todas as informações necessárias, como os salários, adicionais de horas extras, prêmios, gratificações, identificação de cada empregado, adicional noturno, repouso semanal remunerado, dentre outras informações e ainda as tabelas de desconto do INSS e do IRRF. I.3 - Procedimentos e Prazo para Pagamento do Salário Procedimentos O art. 464 da CLT determina que o pagamento do salário deva ser efetuado contra-recibo, assinado pelo empregado; em se tratando de analfabeto, mediante sua impressão digital, ou, não sendo esta possível, a seu rogo. A Lei nº 9.528/97 veio acrescentar o parágrafo único ao art. 464 da CLT estabelecendo que tenha força de recibo o comprovante de depósito em conta bancária, aberta para esse fim em nome de cada empregado, com o consentimento deste, em estabelecimentos de crédito próximo ao local de trabalho. Nota: Os pagamentos efetuados por intermédio de cheques ou depósitos em conta corrente obrigam ao empregador assegurar ao empregado o seguinte: Horário durante o expediente ou logo após este, que permita o desconto imediato do cheque ou o saque imediato do valor depositado; Transporte, caso necessário, para acesso ao estabelecimento bancário; Quaisquer outras condições que impeçam atrasos no recebimento dos salários e da remuneração das férias. O pagamento dos salários deverá ser efetuado mediante recibo, no qual serão discriminadas todas as parcelas pagas. Há a necessidade de que as horas/dias trabalhados, as faltas injustificadas e os repousos semanais (caso não seja o empregado mensalista) sejam discriminados separadamente no recibo, porque além de facilitar a compreensão do empregado, evita a configuração do salário complessivo i, proibido por lei. O recibo deverá ser apresentado em duas vias para efeito de comprovação do pagamento do salário, ficando a primeira via em poder do empregador e a segunda com o empregado. Além das parcelas componentes da remuneração e dos descontos a serem efetuados, os empregadores obrigam-se ainda a comunicar mensalmente aos empregados os valores recolhidos ao 2

3 FGTS em conta vinculada, que poderão constar no mesmo recibo de pagamento dos salários do empregado. O pagamento dos salários não pode ser estipulado por prazo superior a um mês, com exceção de pagamento de comissões, percentagens e gratificações conforme estabelece o art. 459 da CLT. I.4 - Prazo para Pagamento Quando o pagamento for estipulado por mês, deverá ser efetuado o mais tardar, até o quinto dia útil do mês subseqüente ao vencido. Se estipulado por semana ou quinzena, este deverá ser efetuado também no máximo até o quinto dia da semana ou quinzena vencida. Assim temos por prazo: Pagamento mensal = até 5º dia útil do mês subseqüente ao vencido; Pagamento semanal ou quinzenal = até 5º dia (corrido) após o vencimento da semana ou quinzena Na contagem dos dias úteis, para o pagamento mensal, serão incluídos o sábado, excluindo-se apenas domingos e feriados, inclusive feriados municipais. Quando o feriado for apenas bancário, o dia em questão será considerado dia útil para efeito de pagamento salarial. O art. 467 da CLT determina que em caso de rescisão de contrato de trabalho, motivada pelo empregador ou pelo empregado, e havendo controvérsia sobre parte da importância dos salários, o empregador é obrigado a pagar ao empregado, à data do seu comparecimento à Justiça do Trabalho, a parte incontroversa dos mesmos salários (parte em que não haja litígio, estando às partes de acordo), ou de quaisquer outras verbas rescisórias, sob pena de ser, quanto a essas partes, condenado a pagá-las acrescidas de 50%. Nota: Até a data de 04/09/01, entretanto, esta obrigatoriedade do pagamento da parte incontroversa se limitava apenas aos salários, sob pena de ser o empregador condenado a pagá-los em dobro (100%). Com a publicação da Lei nº /01, é que tal obrigação se estendeu a todas as parcelas rescisórias e que a penalidade foi reduzida para apenas 50% dos valores. A Legislação Previdenciária estabelece que a empresa esteja, entre outras, obrigada a preparar mensalmente folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamentos. 3

4 Exemplo de uma folha de pagamento 4

5 CAP. II - ANÁLISE PARA ELABORAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 1 - Controle de Freqüência ( faltas, atrasos e saídas antecipadas ), os quais, deverão ser excluídos das incidências para fins de encargos sociais. 2 - Quadro de Incidências dos Encargos Sociais, conforme tabela (ANEXO ) 3- Forma e Prazo para Pagamento : O pagamento do Salário poderá ser efetuado via bancária, através de Conta Corrente aberta em nome dos funcionários, com consentimento dos mesmos, ou em cheques nominais ( salvo se o trabalhador for analfabeto, quando o pagamento somente poderá ser feito em espécie ), desde que seja assegurado ao empregado horário que permita o saque em conta corrente ou desconto do cheque, sem qualquer prejuízo para o referido recebimento. No que tange ao Prazo, a Folha de Pagamento deverá ser efetuada até o 5º dia útil do mês subseqüente ao vencido, conforme determina o parágrafo 1º do art. 459 da CLT. A folha de pagamento divide-se em duas partes distintas: Proventos e Descontos À parte dos proventos engloba: Salários, horas extras, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, adicional noturno, salário-família, diárias para viagem, ajuda de custo. À parte dos descontos compreende: Quota de previdência, imposto de renda, contribuição sindical, seguros, adiantamentos, faltas e atrasos, vale-transporte. Algumas empresas fazem o pagamento de seus funcionários no último dia do mês; neste caso é necessário fechar a folha de pagamento alguns dias antes, ganhando-se assim tempo necessário para calculo dos devido proventos e descontos. Outras empresas realizam o pagamento no limite máximo exigido por lei: o quinto dia útil do mês subseqüente ao vencido, se o pagamento for mensal, ou o quinto dia subseqüente, quando o pagamento for semanal ou quinzenal, conforme IN nº 01/89. O apontamento é feito em geral no próprio cartão de ponto; somam-se as horas trabalhadas, inclusive as horas-extras e observam-se as faltas e atrasos para o não pagamento. II.1 - Proventos: Salário É a contraprestação devida e paga diretamente pelo empregado. Ele pode ser pago mensal, quinzenal, semanal ou diariamente, por peça ou tarefa; sempre se obedecerá ao salário mínimo. Integram o salário não só a importância fixa estipulada, como também as comissões, gorjetas,percentagem, gratificações ajustadas, diárias para viagem que excedam 50% do salário percebido pelo empregado e abonos pagos pelo empregador. Hora extra São horas excedentes à jornada normal de trabalho que deverão ser pagas com fator de acréscimo. A nova constituição determinou que esse mínimo seja de 50 % alterando o parágrafo 1 do artigo 589 da CLT, que era de 20 %. Observar particularidade nas convenções de trabalho. 5

6 A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de duas horas, mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante acordo coletivo ou convenção coletiva de trabalho, devendo obrigatoriamente o empregador pagar, pelo menos, mais 50% sobre a hora normal. Ex.: Salário-hora normal= R$ 4,00 x 50% = R$ 2,00 R$ 4,00 + R$ 2,00 = R$ 6,00 Hora extra = R$ 6,00 Obs.: Aos menores e vedada a programação da jornada de trabalho, salvo para efeito de compensação. Hora extra Extração do calculo com fração de horas extras trabalhada. Quando temos o tempo dado em horas, a divisão do salário é por 220. Quando temos o tempo dado em minutos, a divisão do salário é por ou seja (220 x 60) Ex.: Funcionário com salário de R$ 800,00 fez 10hs e 40 minutos de horas extras. Primeiro passo transformar todas as variáveis da hora extra (10:40) em mesmo referencial de calculo. _ 10hs = (10 x 60) = 600 minutos 600 minutos + 40 minutos = 640 minutos de horas extras. 800/ = 0,06 por minutos trabalhado 0,06 + 0,03 = 0,09 0,09 X 640 = 57,60 Cálculo simplificado da integração de horas extras, feriado e adicionais noturno no RSR - Repouso Semanal Remunerado De acordo com a Lei nº 605/49, art. 7º, alínea a e b, com relação dada pela Lei nº 7.415, de 09/12/1985, computam-se no cálculo do repouso semanal remunerado as horas extraordinárias habitualmente prestadas. Somam-se as horas extras da semana e divide-se o resultado pelo número de dias trabalhados; temse então o número de horas feitas por dia útil. Ex. O empregado trabalhou extraordinariamente 2 horas extras por dia de segunda a sábado. Somam-se: = 12 horas extras. Divide-se o resultado pelo número de dias trabalhado da semana: 12 : 6 = 2 Essas 2 hora extra, representa o valor do Descanso Semanal remunerado DSR ou RSR Repouso Semanal remunerado. Fração de 1/6. Remuneração variável O empregado sujeito a controle de horário, remuneração à base de comissões, tem direito de, no mínimo, 50% pelo trabalho em horas extras, calculado sobre o valor das comissões a elas referentes. Com Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável. 6

7 Feriados e ou folgas trabalhada Corresponde a mais 100% do dia normal de trabalho. Adicional de insalubridade Serão consideradas atividades insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos. Há três graus de insalubridade: máximo, médio e mínimo; os empregados que trabalham em condições insalubres têm asseguradas a percepção de adicional respectivamente de 40%, 20% e 10%. A base de calculo é o salário da categoria a que pertence o empregado, e não sobre o saláriomínimo. Adicional de periculosidade São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos, em condições de riscos acentuado. O empregado que trabalha em condições de periculosidade recebe um adicional de 30% sobre o salário efetivo, não incluindo esse percentual sobre gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa. Se o empregado trabalhar em serviço insalubre ou perigoso, deverá optar por um ou outro adicional. A caracterização e a classificação de insalubridade ou periculosidade, segundo normas do MT, serão feitas através de perícia a cargo de médico do trabalho ou engenheiro do trabalho, registrado no Ministério do Trabalho. Obs.: É proibido o trabalho do menor em serviços perigosos ou insalubres, conforme quadros aprovados pelo MT. Adicional noturno Tem direito ao ad.noturno o empregado que trabalha no período de 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte. O adicional Noturno é de 20%, pelo menos, sobre a hora diurna e pago com habilidade, integra o salário do emprego para todos os efeitos ( Enunciado n 60 do TST ). A hora do trabalho no turno deve ser computada como de 52 minutos e 30 segundos, ou seja, o trabalho durante sete horas noturnas equivalente a oito horas diurnas. Vejamos: De 22:00:00 às 22:52:30 = 1 hora; De 22:52:31 às 23:45:00 = 1 hora; De 23:45:01 às 00:37:30 = 1 hora; De 00:37:31 às 01:30:00 = 1 hora; De 01:30:01 às 02:22:30 = 1 hora; De 02:22:31 às 03:15:00 = 1 hora; De 03:15:01 às 04:07:30 = 1 hora; e De 04:07:31 às 05:00:00 = 1 hora. Total de 8 horas. 7

8 Horas Extras Noturnas Quando uma pessoa fizer hora extra noturna, há 2 adicionais: o da hora extra e o da hora noturna. Aplica-se o adicional noturno sobre o salário-base-noturno, e sobre o total, aplica-se o adicional de hora extra. Ex.: Hora diurna normal, R$ 2,73, mais R$ 0,55 de adicional noturno, dá o valor da hora noturna, ou seja, R$ 3,27 sobre o qual se aplica o adicional de hora extra ( digamos 50%); resulta um total de R$ 4,91. Exemplo: 600/220 = 2, % (adc noturno) = 3,27 esse é o valor da hora noturna, ou % (adc noturno) = 720 (720/220) = 3,27 esse é o valor da hora noturna. O mesmo trabalhador fez 2 horas extras a 50%. 3, % = 4,91 (4,91 x 2h) = 9,82 DSR = 9,82/6 = 1,64 Salário-família Uma quota de salário-família fixada pela previdência social. Têm direito a ela os filhos com até 14 anos de idade ou inválidos. Cada filho tem direito a uma quota. Para recebimento do salário-família, o empregado tem que apresenta copia de certidão de nascimento dos filhos menores de 14 (quatorze) anos de idade, a carteira de vacinação atualizada quando menos de 07( sete ) anos de idade sempre no mês de maio de cada ano e, comprovante de frequência à escola quando maior de 07 ( sete ) anos de idade sempre nos meses e novembro de cada ano. O valor de cada quota do salário-família é de R$ 29,41 para quem ganha remuneração até R$ 573,58 e de R$ 20,73 para quem ganha de R$ 573,59 até R$ 862,11. Ajuda de custo e diárias para viagem Ajuda de custo é parcela paga de uma só vez para o empregado atender a certas despesas, sobretudo de transferência. Tem caráter indenizatório, nunca salarial mesmo quando excede de 50% do salário, pois esse mínimo só diz respeito às diárias que são importâncias concedidas para gastos com deslocamento do trabalhador da sede da empresa e cessam quando ele retorna, só sendo levadas em contas no cálculo do salário para efeito de indenização. II.2 - DESCONTOS: Desconto do empregado para INSS. O INSS incide sobre o total da remuneração, ou seja, salário mais as horas extras, adc. insalubridade, periculosidade, adc. noturno, 13 salário e outros valores admitidos em lei pela previdência social. Esse valor é descontado em folha de pagamento. Há um limite máximo para desconto do INSS. Quando o empregado ganha o valor superior ao limite máximo (teto) só se poderá descontar-lhe do salário e limite estabelecido. 8

9 Tabela 2011 Salário-de-contribuição 2011 ( R$ ) Até 1.106,90 de 1.106,91 até 1.844,83 de 1.844,84 até 3.689,66 acima de 3.689,66 Alíquota ao INSS (%) fixo de R$ 425,66 O vencimento para recolhimento do INSS a partir da competência 11/2008 é no dia 20 do mês subseqüente ao da competência e deve ser feito através da Guia da Previdência Social GPS. (MP 447/2008 DOU ). Tabela Progressiva em Reais do Imposto de Renda Faixa de rendimento Alíquota Parcela a deduzir Até R$ 1.566,61 0% (isento) 0,00 De R$ 1.566,62 a R$ 2.347,85 7,5% 117,49 De R$ 2.347,86 a R$ 3.130,51 15% 293,58 De R$ 3.130,52 a R$ 3.911,63 22,5% 528,37 Acima de R$ 3.911,63 27,5% 723,95 Fonte: Base de deduções: I importâncias pagas de pensão alimentícia; II a quantia equivalente a R$ 157,47 por dependente; III as contribuições para a Previdência Social da União, dos estados, do distrito Federal e dos Municípios; IV as parcelas isentas de R$ 1.499,15 provenientes de aposentadoria e pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma pagos pela Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Segundo o artigo 83, inciso I, alínea D, da Lei n 8.981, de 20/01/1995, o imposto retido na fonte deverá ser pago até o terceiro dia útil da semana subsequente do fato gerador através do DARF Exemplo prático: Um funcionário que ganha R$ 3.500,00, tem dois dependentes, qual vai ser o valor do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF)? PROCEDIMENTO DE CÁLCULO 3.500,00 Base de Cálculo (-) Inss retido do empregado (-) Dependentes (02) = Valor Tributável X Alíquota vide tabela = (-) Parcela a deduzir (vide tabela) = Imposto de Renda Retido na Fonte 9

10 Um funcionário que ganha R$ 5.600,00, tem dois dependentes, qual vai ser o valor do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF)? 5.600,00 Base de Cálculo Inss retido do empregado Dependentes (2) Valor Tributável Alíquota vide tabela Parcela a deduzir (vide tabela) Imposto de Renda Retido na Fonte EXERCÍCIO FOLHA DE PAGAMENTO 1 - Salário de R$ 1.800,00, fez 30 horas extras a 50%. Tem dois filhos menores de 14 anos. IRF 3 dependentes. 2 - Salário fixo de R$ 800,00, fez 20 horas extras a 50%. 3 - Salário de R$ 700,00, trabalha em área de periculosidade e têm 3 filhos menores de 14 anos. 4 - Salário de R$ 650,00, fez 30 horas extras noturna, trabalhou 1 feriado e têm 1 filho menor de 14 anos. 5 - Salário de R$ 2.900,00, tem 3 filhos menores de 14 anos. IRF 4 dependentes. 6 Salário de R$ 600,00, 20 horas extras diurnas e 20 horas extras noturnas, 1 feriado e 3 filhos menores de 14 anos. 7 - Salário de R$ 750,00, fez 12hs e 20 minutos de horas extras, trabalhou 1 feriado e têm 1 filho menor de 14 anos. 8 - Salário de R$ 1.100, fez 14hs e 15 minutos de horas extras e trabalha na área insalubre máxima. 9 Salário de 2.950,00, trabalhou 1 feriado. Contribuição sindical Os empregados ficam obrigados a descontar na folha de pagamento, no mês de março de cada ano, a contribuição sindical de um trabalho ( 1/30) de todos os empregados, qualquer que seja a forma de remuneração. Caso o empregado foi admitido após o mês de março, deverá desconta-lo no mês subsequente a sua admissão para sua categoria profissional específica, se não fez em emprego anterior. Adiantamentos Geralmente são permitidos adiantamentos até 50% do salário. A maioria das empresas mensalistas faz no (décimo quinto) 15 ou (vigésimo) 20 dia de trabalho um adiantamento ( vale ) do salário a seus empregados. Faltas e atrasos Quando o empregado, sem motivo justificado, faltar ou chegar atrasado ao trabalho, o empregado poderá descontar-lhe do salário quantia correspondente à falta; inclusive o repouso semanal, quando o empregado não cumprir integralmente seu horário de trabalho. Ex.: Faltas em dias: Salário / 30 dias x N de faltas em dias. 10

11 Faltas em horas: Salário / 220 horas x N de faltas em horas. Vale-Transporte Para o exercício do direito de receber o vale-transporte o empregado informará ao empregador, por escrito: I seu endereço residencial; II os serviços e meios de transportes mais adequados ao seu deslocamento residência-trabalho e vice-versa. O vale-transporte será custeado - Lei n 7.418, de 16 de dezembro de 1985 I pelo beneficiário, na parcela equivalente a 6% de seu salário básico ou vencimento, excluídos quaisquer adicionais ou vantagens; II pelo empregador, no que exceder à parcela referida no item anterior. II.3 - FGTS Segundo a constituição Federal, é direito dos trabalhadores urbanos e rurais: Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS ). Desde 05/10/1988, o direito ao regime do FGTS é assegurado aos trabalhadores urbanos e rurais independentemente de opção. O empregador é obrigado a depositar, até o dia 7 de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8% da remuneração paga ou devida no mês anterior, a cada trabalhador, incluindo a gratificação de Natal. O depósito se faz através da Guia de Recolhimento da FGTS e informações à Previdência Social GFIP, utilizando o SEFIP 8.4 através da conectividade social. II.4-13 SALÁRIO O 13 salário deve ser pago em duas parcelas. A primeira será paga entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano e a segunda até o dia 20 de dezembro. Seu valor corresponderá a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente, sendo que a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho em cada mês calendário será como mês integral. As faltas legais e justificadas ao serviço não são deduzidas para fins de cálculo de 13 salário. A Primeira parcela A primeira parcela deve ser paga até 30 de novembro do ano em curso, salvo se paga ao ensejo das férias. Para que seja paga por ocasião das férias, é necessário que o empregado faça um requerimento no mês de janeiro do correspondente ano. Para os empregados admitidos em 17 de janeiro ou anterior, seu valor corresponderá a metade da remuneração correspondente a 1/12 por mês de serviço ou fração igual ou superior a 15 dias. Ex.: Empregado Mensalista: salário mensal de R$ 800,00, recebe R$ 400,00. Horista: percebe R$2,20 por hora, faz jus a metade de 220 horas. R$ 2,20 x 220 = R$ 484,00 : 2 = R$ 242,00. 11

12 Para os empregados admitidos após 17 de janeiro, seu valor corresponderá à metade de 1/12 da remuneração por mês de serviço ou fração igual ou superior a 15 dias, contados da data da admissão até o mês de dezembro ou até o mês do pagamento quando este ocorrer antes do mês de novembro. Ex.: Mensalista admitido em 01/07/2002: salário mensal de R$ 800,00 R$ 800,00 : 12 = R$ 66,67 x 6 = R$ 400,00 : 2 = R$ 200,00 ( conta-se 6 meses de serviço de julho a dezembro) Salário variável Qualquer que seja o salário variável será necessário achar a média da remuneração de janeiro até o mês anterior ao pagamento. Aos empregados admitidos após 17 de janeiro será necessário achar a média da remuneração da data de admissão até o mês anterior ao pagamento. Quando do pagamento da primeira parcela do 13 salário, deve-se fazer o recolhimento do FGTS até o dia 07 ( sete ) do mês subsequente. Ex. de janeiro a maio = R$ 650,00 de junho a agosto = 915,00 de setembro a outubro = 780,00 Média = (5 x 650) + (3 x 915) + (2 x 780) = 755,11/10 = 755,11 salário médio no ano. 755,11/2 = 377,56 é o valor da 1ª parcela do 13º salário. Não se aplica a tributação do Imposto de Renda na Fonte e do INSS no atendimento da primeira parcela do 13 salário. B Segunda parcela Deve ser paga até 20 de dezembro do corrente ano, descontando-se o INSS sobre o total. Para o cálculo da segunda parcela usam-se os mesmo critérios adotados para a primeira. Considerase como salário fixo o de dezembro. Quando houver salário variável faz-se a média de janeiro a novembro, ou do mês em que foi admitido até novembro, obtendo-se, dessa forma, 1/11. Para aqueles que recebem o salário variável, a empresa tem o prazo até o dia 10 de janeiro do ano seguinte para acertar a diferença de 1/12, correspondente a dezembro; corrige-se, então, o valor da respectiva gratificação com o pagamento ou compensação das possíveis diferenças. Obs.: Para recolhimento do INSS, a diferença devera ser efetuada juntamente com a competência dezembro do mesmo ano. Além das horas extras prestadas habitualmente e da gratificação periódica contratual, integram também o 13 salário o adicional noturno, os adicionais de insalubridade e periculosidade. Imposto de Renda sobre o 13º 12

13 O 13 salário será tributado sobre o valor integral no mês de sua quitação, não havendo nas antecipações. A tributação será exclusivamente na fonte separadamente dos demais rendimentos do beneficiário, conforme lei n 8.134, de 27/12/1990, art. 16. Os valores relativos a pensão judicial e contribuição previdenciária, computados como deduções do 13 salário, não poderão ser utilizados para a determinação de quaisquer outros rendimentos. EXERCÍCIO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1 - Calcule a 1ª parcela do 13º salário de um funcionário admitido em 12 de maio de 2011, cujo a remuneração total, percebido em outubro foi de R$ 900,00. Suponhamos que o sua remuneração total tenha sido reajustado no mês de dezembro para R$ 1.050,00. Calcule o valor líquido da 2ª parcela. 2 - Calcule o valor da 1ª parcela e o valor líquido da 2ª parcela do 13º salário de um funcionário com remuneração total em dezembro no valor de R$ 780,00 admitido em 16 de abril de Empregado com salário-fixo de R$ 600,00, recebeu a título de adiantamento de 13º salário R$ 900,00 e durante o ano ganhou comissões no valor de R$ 9.592,00. Calcule a 2ª parcela líquida. 4 Durante o ano o funcionário recebeu os seguintes salários variáveis a título de comissão Janeiro a junho = 980,00 Julho a setembro = 1200,00 outubro = 1300,00 (total = /10 = 1.208) a - Calcule a média salarial e o valor da 1ª parcela do 13º salário. b - Calcule a 2ª parcela, sendo que em novembro recebeu 1.800,00 c - Quando chegamos em janeiro, devemos calcule o ajuste de dezembro 1/12, ele recebeu em dezembro 1.800,00 13

14 CAP. III - FÉRIAS 1 Após cada período de 12 meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado era direito ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração, na seguinte proporção: I 30 dias ocorridos, quando não houver faltado o serviço mais de 5 vezes; II 24 dias ocorridos, quando houver de 6 a 14 faltas; III - 18 dias ocorridos, quando houver de 15 a 23 faltas; IV - 12 dias ocorridos, quando houver de 24 a 32 faltas; ( art. 130, incisos I a IV da CLT ). III. 1 CONDIÇOES EM QUE A AUSENCIA DO EMPREGADO NÃO É CONSIDERADA FALTA AO SERVIÇO I - até 2 dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que, declara em sua CTPS, viva sob sua dependência econômica; II - até 3 dias consecutivos, em virtude de casamento; III por ( cinco ) 05 dias em caso de nascimento de filho; IV por ( um ) 01 dia, em cada doze meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada; V até ( dois ) 02 dias consecutivos ou não, para o fim de se alista eleitor, nos termos da lei respectivas; VI no período de tempo que estiver de cumprir a exigências do Serviço Militar; VII nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame vestibular para ingresso em estabelecimento em ensino superior; VIII - pelo tempo que se fizer necessário, quando estiver que comparecer em juízo. IX durante o licenciamento compulsório da empresa por motivo de maternidade ou aborto não criminoso, observados os requisitos para percepção do salário maternidade custeado pela previdência social; X por motivo de acidente de trabalho ou enfermidade atestado pelo INSS. III. 2 FÉRIAS: PERDA DO DIREITO Não terá direito a férias o empregado que, no curso do período aquisitivo: I deixar o emprego e não readmitido dentre dos 60 ( sessenta ) dias subseqüentes à sua saída; II permanecer em gozo de licença com percepção de salários, por mais de 30 dias; III deixar de trabalhar, com percepção de salário, por mais de 30 dias em virtude de paralisação parcial ou total dos serviços da empresa; e IV estiver percebido da Previdência Social prestações de acidente de trabalho ou de auxíliodoença por mais de 6 meses, embora descontínuo; A lei dá ao empregador o direito de marcar a época de concessão das férias aos seus empregados. Ele tem o limite de doze meses subseqüentes à aquisição do direito pelo empregado para marcar as férias, ultrapassando esse período, o empregador devera pagá-las em dobro. O empregado estudante, menor de 18 anos, terá o direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares. Os membros de uma família que trabalharem no mesmo estabelecimento ou a empresa terão direito a gozar férias no mesmo período, se assim disso desejarem e se disso a empresa não resultar prejuízo para o serviço. 14

15 II.3 - FÉRIAS: UM TERÇO A MAIS DO QUE O SALÁRIO NORMAL De acordo com o disposto no inciso XVII do art. 7 da nova Constituição, ficou instituído o pagamento de um terço a mais do que o salário normal, por ocasião por gozo de férias anuais remuneradas. Quando o empregado receber por tarefa ou peça, o pagamento será feito pela média do período aquisitivo do respectivo direito. Tratando-se de comissões, levar-se-á em conta a média percebida nos 12 ultimo meses, ou período inferior. O pagamento de férias, integrais ou proporcionais, gozadas ou não, na vigência da Constituição da republica de 1988, se sujeita ao acréscimo do terço previsto em seu art. 7 inciso XVII. Férias Proporcio nais 30 dias ( até 5 faltas ) Cálculo das férias proporcionais 24 dias 18 dias ( de 6 a 14 ( de 15 a 23 faltas ) faltas ) 12 dias ( de 24 a 32 faltas ) 1/12 2,5 dias 2 dias 1,5 dia 1 dia 2/12 5 dias 4 dias 3 dias 2 dias 3/12 7,5 dias 6 dias 4,5 dias 3 dias 4/12 10 dias 8 dias 6 dias 4 dias 5/12 12,5 dias 10 dias 7,5 dias 5 dias 6/12 20 dias 12 dias 9 dias 6 dias 7/12 17,5 dias 14 dias 10,5 dias 7 dias 8/12 20 dias 16 dias 12 dias 8 dias 9/12 22,5 dias 18 dias 13,5 dias 9 dias 10/12 25 dias 20 dias 15 dias 10 dias 11/12 27,5 dias 22 dias 16,5 dias 11 dias 12/12 30 dias 24 dias 18 dias 12 dias II.4 - ABONO PECUNIÁRIO DAS FÉRIAS Todos empregados que quiser poderá converter 1/3 ( um terço ) do período de férias a que estiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração das férias, já acrescida em ( um terço ) 1/3, referido no citado artigo 7, inciso XVII, da Constituição Federal. Para isso é necessário que o empregado requeira tal abono até 15 dias antes do término do período aquisitivo. O pagamento do abono pecuniário das férias será efetuado até dois dias antes do inicio do respectivo período. Ex.: a) Um empregado com direito a 30 dias corridos de férias requereu o abono pecuniário. Por ocasião do gozo das férias, o empregado esta com um salário de R$ 894,00 e recebe o adicional de periculosidade. Salário de R$ 894, ,20 ( adicional de periculosidade ) = 1.162,20 Remuneração das férias R$ 1.162,20 ( + ) 1/3, art. 7, inciso XVII, da Constituição R$ 387,40 R$ 1.549,60 Abono pecuniário = 1/3 de R$ 1.549,60 15

16 R$ 1.549,60 : 3 = R$ 516,53 Valor a pagar do abono pecuniário = R$ 516,53 Ex.: b) Um empregado com direito a 24 dias corridos de férias ( obteve oito faltas não abonadas ) requereu o abono pecuniário. Por ocasião do gozo de férias o empregado percebe R$ 2,160,00 por mês. Remuneração de férias, 24 dias R$ 1, ( + ) 1/3 art.7, inciso XVII, Constituição R$ 576,00 R$ Abono pecuniário = 1/3 de R$ 2, R$ 2, : 3 = R$ 768,00 Valor a pagar do abono pecuniário = R$ 768,00 III Incidência do INSS, FGTS e IR. Abono pecuniário de férias, concessão de 10 ( dez dias ) em trabalho remunerado INSS NÃO: art. 28 9, alinea e, item 6 da lei n 8.212/91,, com redação dada pela Lei n 9.711, de 20/11/98. FGTS NÃO: CLT, art. 144 IR NÃO: (súmulas 125 e 136 do Egrégio Superior Tribunal de Justiça) alterando a Lei n 7.713/88, arts. 3 e 7. Obs.: O abono de férias deverá ser requerido até 15 dias antes do término do período aquisitivo, art. 143, 1 da CLT. III.5 - FÉRIAS COM HORAS - EXTRAS Conforme preceitua o art. 142 par. 1º da CLT., essa parcela é obtida mediante apuração da média das horas-extras realizadas no período aquisitivo correspondente, cujo resultado é multiplicado pelo salário-hora atualizado, incluindo o adicional de horas-extras a que o empregado fizer jus na época da respectiva concessão. 1 ) Calcule as férias de um empregado com salário fixo mensal de R$ 1.100,00 e que no período aquisitivo correspondente fez um total de 480 horas-extras, com adicional de 50%. 16

17 CAP. IV PREENCHIMENTO DE GUIAS IV.1 - GPS GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL A GPS será preenchida em 02 ( duas ) vias, com a seguinte destinação: 1º Via destinada ao INSS 2 Via destinada ao contribuinte A empresa está obrigada a emitir guias separadas para cada estabelecimento ou obra de construção civil identificados, respectivamente, pelo CNPJ ou CEI. Observando que as guias devem ser individualizadas de acordo com o código de pagamento especifico. Os originais da GPS quitadas deverão permanecer no local onde a empresa centraliza os livro e documentos contábeis para apresentação à fiscalização do INSS, pelo prazo de 10 ( dez ) anos. Cada estabelecimento deve afixar a ultima GPS recolhida no quadro de horário e enviar cópia da mesma ao sindicato da categoria mais representativa entre seus empregados. Nota: Para o recolhimento das contribuições devidas sobre o décimo-terceiro salário deverá ser utilizada a competência 13 ( treze ). IV.2 - GUIA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL Para realizações dos recolhimentos nas contas vinculadas dos trabalhadores no FGTS, bem como prestação de informações à previdência social, o empregado/ contribuinte utilizar-se-á da GFIP. A GFIP será apresentada: a) GFIP em maio magnético gerada por programa computacional ( SEFIP ), que poderá ser obtido gratuitamente nas agencias da Caixa, Bancos conveniados ou no site juntamente com Manual do Usuário (atualmente o seu uso é obrigatório para todos as empresas). O empregador/contribuinte, para fins de quitação da GFIP, deverá apresentá-la em 02 ( duas ) vias, com a seguinte destinação: 1ª via Caixa/Banco Conveniado; 2ª via Empregador/ Contribuinte; Ao empregador/contribuinte compete manter sua via em arquivo, pelo prazo legal, para fins de controle e fiscalização. Cada formulário da GFIP, abrigando apenas uma data competência, constituirá um documento de recolhimento e individualização de valores, sendo assim autenticado pela agência bancária no ato da efetivação do depósito. O empregador/contribuinte passará a informar, em campo próprio, os valores relativos à remuneração do trabalhador. 17

18 O décimo terceiro salário, inclusive suas antecipações, será informado separadamente da remuneração regular, em campo próprio da GFIP. O cadastramento de novos Empregadores/Trabalhadores no sistema FGTS, dar-se-á quando do seu primeiro recolhimento para o futuro. Os depósitos do FGTS relativos ao percentual incidente sobre a remuneração paga ou devida ao trabalhador no mês anterior e as informações à Previdência Social devem ser efetuados até o dia 07 ( sete ) do mês subseqüente ao da competência devida. 18

19 CAP. V - ROTINA DE DESLIGAMENTO O desligamento do empregado pode se dar por vários motivos/ causas, por iniciativa do empregador ou empregado, falecimento, término de contrato de trabalho, extinção do contrato em virtude de morte do empregador em empresa individual. V.1 - Documentos Importantes Ao desligar um empregado, é importante a ater alguns documentos. Passo imprescindível no processo, como: Dar baixa no CPTS; Dar baixa na ficha ou livro de registro; Incluir o nome na lista de desligados; Relação dos salários de contribuição (INSS); Relações dos rendimentos pagos ou creditados, com indicações das quantias retidas na fonte, como imposto de renda; Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho TRCT, que reúne o recebo de quitação. Para empregado com mais de um ano de serviço é feita a homologação da DRT ou no sindicato da Categoria; Indicar a data e código da saída na GIFP do FGTS, classificando o motivo do desligamento; Aviso prévio da empresa para o empregado ou vice versa; Extrato de FGTS (CEF); Atestado de exame médico dimensional; Sindicância, inquérito, em caso de falta grave; Seguro-desemprego; entregar e colher assinatura do empregado (parte destacável); GRFC Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS e da Contribuição Social; V.2 - AVISO PRÉVIO Finalidade A relação de emprego se estabelece, em regra, mediante acordo bilateral denominado Contrato de Trabalho. Contrato de Trabalho é, portanto, um acordo espontâneo firmado entre empregador e empregado, e, razão do qual este se obriga a prestar trabalho em caráter permanente e habitual, mediante pagamento de salário e subordinação hierárquica. Qualquer das partes (empregado ou empregador) que, sem justo motivo, quiser rescindir o contrato deverá avisar a outra com antecedência mínima de 30 dias. Integração de Tempo de Serviço A falta do aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, garantida sempre a integração desse período no seu tempo de serviço; isso quer dizer que integra 1/12 a mais no 13 salário e 1/12 a mais nas férias e nos demais caso em que o aviso integra o tempo de serviço. 19

20 A falta de aviso prévio por parte do empregado dá ao empregador o direito de descontar os salários correspondentes ao prazo respectivo, a menos que o empregado ao fazer sua carta pedindo demissão peça dispensa do mesmo e o empregador dê seu parecer favorável à sua solicitação. Redução de Jornada Se a rescisão for promovida pelo empregador será feito uma redução de duas horas diárias em seu horário normal de trabalho. O empregado poderá optar trabalhar 2 horas a menos todos os dias ou por sete dias corridos no final do aviso prévio, sem prejuízo de salários (artigo 487, 4, da CLT). Remuneração do Aviso Prévio Sendo o aviso prévio trabalhado, a remuneração relativa ao período correspondente será a normal contratada mensal, quinzenal, semanal diária ou equivalente a 220 horas se não verificada falta injustificada no período, acrescida dos adicionais porventura devidos. O emprego comissionista receberá as comissões das vendas efetuadas no período, acrescido dos descansos semanais. Aviso Prévio Indenizado Recebendo o empregado remuneração fixa (mensal, quinzenal, semanal, diária ou horária), o aviso prévio indenizado deverá corresponder a 220 horas. A remuneração relativa ao aviso prévio indenizado, quando for pago em comissão, correspondente a: Empregado com mais de um ano de serviço, média dos últimos doze meses. Empregado com menos de um ano de serviço, média dos meses trabalhados. Aviso Prévio Cumprido em Casa Não há previsão legal quanto a esta modalidade de aviso prévio. V.3 - Homologação Rescisão de Contrato de Trabalho Órgãos competentes São competentes para assistir ao empregado na rescisão do contrato de trabalho, cuja vigência tenha ultrapassado um ano, o sindicato da respectiva categoria profissional, a autoridade do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) ou, na falta destes, o representante do Ministério Público ou defensor, onde houver, e o Juiz de Paz, na falta ou impedimento das autoridades anteriores descritas. Das Partes No ato da homologação, as partes devem estar presentes na figura do empregador e do empregado. 20

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário:

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: FÉRIAS COLETIVAS - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Direito de Férias 3 - Duração 3.1 - Regime de Tempo Parcial 3.2 - Faltas Justificadas

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE 09 CNPJ/CEI

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei 12. FÉRIAS 12.1 AQUISIÇÃO DE FÉRIAS O empregado adquire o direito de férias após 12 meses de vigência do contrato de prestação de trabalho. Não é possível conceder férias individuais a empregados com período

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT).

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADO É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADOR A empresa, individual ou coletiva, que assumindo

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

Capacitação Básica Departamento Pessoal II

Capacitação Básica Departamento Pessoal II Centro Avançado de Especialização Profissional TCP-PRO-00211/ Capacitação Básica Departamento Pessoal Módulo II Capacitação Básica Departamento Pessoal II Alizete Alves 03/2009 Introdução Objetivo Compromisso

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento ROTINAS TRABALHISTAS MÓDULO 1 Conceitos Introdutórios Empregador Grupo de Empresas Empresas Terceirizadas Franquia Cooperativa de Trabalho Empregador Rural Documentação do Empregador Empregado Demais Trabalhadores

Leia mais

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV.

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV. PORTARIA N o 1621 DE 14 DE JULHO DE 2010 Aprova modelos de Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho e Termos de Homologação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CUIABÁ E VÁRZEA GRNADE, e do outro lado, representando

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata.

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata. 13º SALÁRIO - 2ª PARCELA - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 05/12/2011. Sumário: 1 - Introdução 1.1 - Trabalhadores Avulsos 2 - Apuração do Tempo de Serviço 2.1 - Afastamento

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO Versão Obrigatória 2.10a Suporte Follha - Winner Página 1 27/10/08 COPYRIGHT As informações contidas neste documento, sobre produtos e/ou serviços são de propriedade

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone: (047) 3221-3300

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário (13º Salário) é o nome mais conhecido da gratificação de natal. É um salário extra, pago ao trabalhador urbano e rural, inclusive o doméstico e o avulso,

Leia mais

RESCISÃO DE CONTRATO

RESCISÃO DE CONTRATO RESCISÃO DE CONTRATO MTE altera novamente Portaria 1.621 que aprovou novos Termos de Rescisão O Ministério do Trabalho e Emprego, através da Portaria 1.057, de 6-7-2012, publicada no Diário Oficial de

Leia mais

Capítulo III Informações Financeiras 93

Capítulo III Informações Financeiras 93 4.9 - MOVIMENTAÇÃO Informar a movimentação, com as datas de afastamento e retorno, no formato DD/MM/AAAA, bem como o código, conforme as situações discriminadas no quadro a seguir: Cód H I1 I2 I3 I4 J

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 101 REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 1 INTRODUÇÃO Rodrigo Ribeiro Bueno* Os reflexos das parcelas trabalhistas

Leia mais

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL 01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Trata-se de um documento básico e indispensável do trabalhador, que todo empregador deve exigir no ato da admissão, para proceder às anotações referentes

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego

Ministério do Trabalho e Emprego . ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Portaria MTE Nº 2685 DE 26/12/2011

Portaria MTE Nº 2685 DE 26/12/2011 Pag. 70 ISSN 1677-7042 Nº 248, terça-feira, 27 de dezembro de 2011 Portaria MTE Nº 2685 DE 26/12/2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão de

Leia mais

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013?

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013? TRABALHADOR DOMÉSTICO 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? Resposta: É considerado trabalhador doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Manual das Férias Coletivas. Índice

Manual das Férias Coletivas. Índice Manual das Férias Coletivas Índice 1. COMO CALCULAR FÉRIAS COLETIVAS... 2 2. REGRAS BÁSICAS... 3 2.1. CONTAGEM DOS AVOS DE DIREITO... 4 2.2. DEDUÇÃO DE DIAS JÁ CONCEDIDOS... 6 2.3. COMPARAÇÃO DOS DIAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais