MBA CASTELO GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA CASTELO GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 MBA CASTELO GESTÃO EMPRESARIAL MÓDULO I A EMPRESA NO SÉCULO XXI: INOVAÇÃO, COMPETITIVIDADE E QUALIDADE Paulo Alcantara Gomes Rio de Janeiro 1 26 de abril de

2 AULA 01

3 PARTE I O MUNDO NO SÉCULO XXI e os Reflexos Sobre as Empresas 3

4 Os Fatores Condicionantes das Mudanças 4 4

5 Os fatores condicionantes das mudanças As novas profissões geradas pelos avanços da ciência e da técnica: No século XXI, as universidades necessitam preparar jovens para profissões que ainda não existem e para tecnologias que ainda não foram geradas; Em 2016: 80% da tecnologia desenvolvida há menos de 10 anos e 80% do fator trabalho formado há mais de 10 anos; 5

6 Os Avanços da Ciência e da Técnica (o famoso gráfico de Lederman e Maloney em 1983) 100% 80% do progresso científico e tecnológico dos últimos anos 50% 25% 3,12% 6,25% 12,5%

7 Os fatores condicionantes das mudanças O efeito dos arranjos produtivos locais: - cadeias produtivas e cadeias de fornecedores; Empregados começaram a dar lugar a empreendedores. 7

8 Os Fatores Condicionantes das Transformações 1.As mudanças no conceito de nação; 2. O agravamento das disparidades sociais e espaciais: 3.O avanço das novas tecnologias da informação e da comunicação; 4. A passagem da Sociedade Industrial para a Sociedade do Conhecimento. 8 8

9 Comentários sobre o Conceito de Nação A idéia de nacionalidade no final do século XIX- sociedade industrial: Transformar indivíduos ligados aos valores tradicionais (família, vizinhança e região) em cidadãos; Utilizar, para tanto, os meios simbólicos disponíveis: estradas de ferro, bandeiras, hinos, festas, cartilhas, etc; Escolas, partidos, organizações religiosas como atores. Nationality in Decline?- Miller, D.- On Nationality, cap 6- o caso da Grã-Bretanha 9 9

10 Comentários sobre o Conceito de Nação A idéia de nacionalidade na sociedade do conhecimento, caracterizada pela consciência da globalização e pela velocidade na acumulação de conhecimentos- a inovação é determinante; Descentralização da produção de bens, inclusive os culturais e de seus mercados. A produção e o consumo são transnacionais e desterritorializados. Observa-se um declínio da nacionalidade

11 Há um declínio da nacionalidade?

12 O impacto crescente do mercado mundial; A mobilidade geográfica é outra razão que contribui para isso, pois um certo isolamento ajuda a conservar intacta e distinta a identidade nacional

13 Em terceiro lugar, as comunidades culturais sem fronteiras explícitas estão moldando cada vez mais as personalidades dos seus afiliados. Religiões universalistas, profissionais especializados, cientistas e organizações políticas não governamentais (ONGs), por não exigirem um vínculo nacional de seus membros, têm enfraquecido a lealdade e a força das identidades nacionais.

14 Por último, o estado-nação deixou de ser o lugar das deliberações políticas, que passaram a ser tomadas por órgãos de governos regionais e supranacionais.

15 1. 2. O agravamento das disparidades sociais e espaciais:

16 a) A distribuição de renda ainda se constitui em grande entrave ao desenvolvimento das nações na América Latina: b) Se a economia do continente crescer uniformemente 3% ao ano, para erradicar a pobreza, serão necessários 37 anos no Chile, 40 anos no México, 72 anos no Peru, 33 anos no Brasil.(Next- Trends for the future- Ira Matathia and Marian Salzman- Overlook) 16 16

17 c) A pequena participação das culturas minoritárias; rias; d) A questão da violência ( drogas e crimes)- apesar dos US$168 bi/ano=> 14% do PIB regional na AL); e) Os altos índices de exclusão digital; 17 17

18 O avanço das novas tecnologias da informação e da comunicação;

19 I think there is a world market for about five computers Thomas J. Watson- presidente da IBM

20 20 20

21 E agora? Sabe?... 21

22 Isto é um computador completo e seus periféricos. Como?! 22

23 Montado fica assim 23

24 Uma peça forma o ecrã e a outra o teclado. 24

25 Google 2009: 31 bilhões de buscas mensais; Google 2006: 2,7 bilhões de buscas mensais. 25

26 As Novas TI de televisores em banheiros residenciais nos Estados Unidos? 26 26

27 A passagem da Sociedade Industrial para a Sociedade do Conhecimento

28 A Globalização e seus efeitos 28 28

29 As Características da Sociedade do Conhecimento os ativos da industria passam a ser bem intangíveis: o capital humano e a capacidade de criar produtos e processos mais eficientes; O conhecimento passa ser visto como o eixo estruturante do desempenho das sociedades; A vantagem competitiva das nações desloca o seu eixo das riquezas naturais, das matérias primas e da infra-estrutura para a capacidade de inovar e de criar novos produtos e de transferí-los para o sistemas de produção

30 Reflexos da Sociedade do Conhecimento sobre a Economia Nos anos 90, segundo Kuznet e Solow, a inovação tecnológica foi responsável por cerca de 70% do crescimento econômico e por aproximadamente 80% dos ganhos de produtividade; 50% do PIB dos países da OCDE está baseado nos setores intensivos do conhecimento

31 A Sociedade do Conhecimento passou a gerar oportunidades para o aparecimento de novas profissões- alguns exemplos: Na Engenharia: Software; Nanotecnologia ( Nokia Morph- telefone pulseira ); Engenharia de Redes e Informação 31 31

32 A Sociedade do Conhecimento passou a gerar oportunidades para o aparecimento de novas profissões- alguns exemplos: 3 2 Na Área de Comunicação: O novo jornalismo: Para alcançar de audiência : Rádio- 38 anos; Televisão- 13 anos; Internet- 4 anos; IPod- 3 anos; leitores de papel x leitores de tela ; Livro físico x Kindle- IPAD. A questão da pirataria - Os anti-hackers. 32

33 Diferenças entre a Sociedade Industrial e a Sociedade do Conhecimento

34 Atributos Modelo de Produção Pessoas Tempo Espaço Paradigma Industrial Economia de Escala Mão de obra espec. Grandes tempos de resposta Limitado e definido Paradigma do Conhecimento Flexível Polivalente e Empreendedor Tempo Real Ilimitado e Indefinido Massa Tangível Intangivel 34 34

35 Consequência direta da presença crescente da Sociedade do Conhecimento: O aparecimento de novos modelos de políticas econômicas e sociais, com fortes reflexos sobre as organizações

36 Além disso: A responsabilidade social e ambiental passou a fazer parte das agendas de governo e das grandes organizações; 36 36

37 Sociedade do Conhecimento e Inovação 37 37

38 AULA 02

39 REVENDO CONCEITOS E FATOS APRESENTADOS NA PRIMEIRA AULA

40 Conceitos Básicos (CRIE/COPPE) Dados: são uma seqüência de símbolos (letras ou números). Um texto, números fotos, figuras, sons. Os dados podem ser descritos, armazenados e manipulados por computadores; Informações: são dados contextualizados. As informações também podem ser armazenadas e manipuladas por computadores. Exemplos:. No Brasil existem muitos pobres; Pobres brasileiros são bons pagadores; O financiamento bancário no Brasil é inaccessível à classe trabalhadora

41 Conceitos Básicos ( CRIE/COPPE) Conhecimento: Dados e informações podem ser armazenados, manipulados e processados pelos computadores. Com o conhecimento isto não acontece. O conhecimento é algo pessoal, vivenciado por alguém. Não pode ser armazenado nem processado por computadores. Só pelas pessoas.(conhecimento explicito, tácito e implícito) 41 41

42 A Arte da Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento- Segundo Karl Sveiby, a gestão do conhecimento é a arte de criar valor a partir dos ativos intangíveis da organização. Já para o Gartner Group, ela é "uma disciplina que promove, com visão integrada, o gerenciamento e o compartilhamento de todo o ativo de informação possuído pela empresa. Esta informação pode estar em um banco de dados, documentos, procedimentos, bem como em pessoas, através de suas experiências e habilidades"

43 Conhecimento e as Novas Organizações (CRIE/COPPE( CRIE/COPPE) Inteligência Empresarial- O conhecimento é o principal componente no processo de criação de riqueza. Sua gestão é uma necessidade para que as organizações obtenham sucesso nesta nova sociedade. Mas a gestão do conhecimento, embora necessária, não é suficiente. Sem capacidade de inovar - criar novos produtos e serviços, novos mercados, exportar e empreender negócios, nenhuma empresa se tornará líder em seu setor ou mesmo conseguirá sobreviver. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé indissociável (figura) para o sucesso das organizações na nova economia. A esta sinergia entre conhecimento, inovação e empreendedorismo damos o nome de inteligência empresarial

44 Conhecimento e as Novas Organizações 44 44

45 Conhecimento agregando valor e gerando Competitividade A competitividade depende da agregação de valor aos produtos: 1kg de soja- US$ 0,10; 1kg de lap top - US$ 1000, 00; 1kg de air bus- US$ ,00; 1kg de satélite- US$ ,00; 45 45

46 Conceitos Descoberta Resultado de uma atividade científica; Tem por objetivo empurrar a fronteira do conhecimento, principalmente relacionado às ciências humanas; A motivação é principalmente intelectual; Invenção Resultado de uma atividade tecnológica; Tem por objetivo a resolução de um problema prático; A motivação é principalmente técnica; Inovação Tem por objetivo a exploração comercial de uma invenção; A motivação é econômica; 46 46

47 Conceito de Inovação O Instituto Inovação considera que inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. E sucesso para as empresas, por exemplo, significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros benefícios

48 Conceito de Inovação Pode ser vista como a adoção de novas tecnologias que permitam aumentar a competitividade de uma organização: uma nova idéia que, se implementada com sucesso, produz resultados satisfatórios; um processo estratégico de reinvenção constante do próprio negócio. A Inovação pode também ser o ato de atribuir novas capacidades aos recursos existentes em uma empresa para gerar riqueza

49 Conceito de Inovação Schumpeter (1934) propôs uma lista de cinco tipos de inovação: Introdução de novos produtos. Introdução de novos métodos de produção. Abertura de novos mercados. Desenvolvimento de novas fontes provedoras de matérias-primas e outros insumos. Criação de novas estruturas de mercado em uma indústria

50 A Tipologia da Inovação Segundo Schumpeter Inovação Radical A inovação tecnológica radical é a introdução de um produto, serviço ou processo completamente inéditos. Esse tipo de inovação cria um novo mercado. São, comumente, produtos que não existiam ou não tinham possibilidade de existir. Via de regra, criam uma necessidade no consumidor que anteriormente não existia. Inovações radicais provocam grandes mudanças no mundo (OECD, 2004, p.32-33). Krucken-Pereira; Debiasi; Abreu (2001, p.3) atestam que a inovação tecnológica radical introduz conceitos completamente novos para a organização, necessitando da criação de processos completamente novos, muitas vezes a extinção de processos existentes, além de envolver, algumas vezes, a mudança de valores da organização. Logicamente, a Inovação Tecnológica Radical envolve muito mais incertezas, resistências e, conseqüentemente, riscos

51 A Tipologia da Inovação Segundo Schumpeter A inovação incremental : é resultado de esforços cotidianos para aperfeiçoar produtos e processos existentes, visando obter maior qualidade e maior produtividade (FREEMAN apud DEMANTOVA NETO; LONGO, 2001, p.96). Normalmente, esse tipo de inovação se adequa ao contexto da organização que está adotando-a, sendo que comumente é produto da concorrência, ou seja, uma empresa lança um produto inteiramente novo e os concorrentes se apossam desse produto e o melhoram, acrescentam alguma coisa que o diferencie do produto inicial. É um círculo virtuoso: uma empresa cria e as outras aperfeiçoam. Para não perder a competitividade a empresa criadora passa a, também, inserir melhorias no produto inicial. As inovações incrementais preenchem continuamente o processo de mudança

52 A Tipologia da Inovação Segundo Schumpeter As inovações revolucionárias são intensivas em ciência e têm amplo impacto sobre o sistema produtivo, podendo tornar obsoleta, total ou parcialmente, a base tecnológica existente (FREEMAN apud DEMANTOVA NETO; LONGO, 2001, p.96), ou seja, elas acontecem num macro ambiente, promovendo um impacto em todos os componentes da seqüência tecnológica. Elas podem modificar substancialmente o mercado, criando até um mercado inteiramente novo, alterando a sociedade. Pode-se citar como exemplo de inovação tecnológica revolucionária a telefonia celular

53 Inovações Disruptivas 53 53

54 Performance Clientes mais exigentes Trajetória de performance presente Performance que pode ser absorvida pelos clientes Clientes menos exigentes Nova trajet ória de performance Inovação Disruptiva Tempo Modelo de Inovação Disruptiva- Christensen trabalho do Rafael Clemente- PGI/ COPPE 54 54

55 Exemplos: Casas Bahia; Voe Gol; Sony; Mini Usinas de Aço; Toyota Corona; E nossas universidades? 55 55

56 Por que é indispensável inovar? A inovação amplia o espaço dos empreendedores; Entretanto, inovar é difícil porque impõe que as organizações desenvolvam uma cultura voltada para a inovação, porque exige pessoas com atitude e competências empreendedoras... Porque é determinada pela existência de políticas públicas próprias que acabam por criar um compartilhamento do risco entre governos e empresas

57 Por que as empresas inovam? Visando um melhor desempenho, materializado na redução de custos ou no atendimento ao aumento de demanda; Um novo produto ou processo pode ser uma diferencial favorável, na ótica de mercado; No caso de inovações de processo que aumentam a produtividade, a empresa adquire uma vantagem de custo sobre seus competidores permitindo uma margem sobre custos mais elevada ou, dependendo da elasticidade da demanda, o uso de uma combinação de preço menor e margem sobre custos maior em relação a seus competidores, para ganhar fatias de mercado e aumentar os lucros. No caso da inovação de produto, a empresa pode ganhar uma vantagem competitiva por meio da introdução de um novo produto, o que lhe confere a possibilidade de maior demanda e maiores margem sobre custos. 57

58 A Inovação e a Empresa OS PROBLEMAS DA INOVAÇÃO......Todos querem inovar Governo, Empresas, Pessoas porém todos têm medo da mudança Oportunidades são diversas, mas Existem inúmeras restrições...recursos (financeiros e de competências), tempo, acionista, competição, demandas de clientes, gestão do risco Enquanto a invenção pode ocorrer ao acaso, a inovação, como processo, requer gerenciamento e estratégia Depende da capacidade de aprendizado, do conhecimento acumulado e da capacidade de realização... forte relação entre a gestão da inovação, a gestão do conhecimento e o empreendedorismo... 58

59 AÇÕES DE GOVERNO QUE FAVORECEM A INOVAÇÃO Investimento em Pesquisa Básica; Política Fiscal que estimule a P&D nas Empresas; Alto Grau de Escolaridade da População; Elevada Percentagem de Pesquisadores; Infra-estrutura Adequada de Comunicação e Informação; Política de Propriedade Intelectual. 59

60 O conceito de empreendedor O empreendedor é alguém capaz de materializar uma idéia. Deve saber convencer parceiros sócios, colaboradores e eventuais investidores de que sua idéia poderá conduzir a uma situação confortável no futuro. Além de energia e perseverança, uma grande dose de paixão é necessária para construir algo a partir do nada e continuar em frente, apesar de obstáculos, armadilhas e da solidão. O empreendedor é alguém que acredita que pode colocar a sorte a seu favor, por entender que ela é produto do trabalho duro (DOLABELA, 1999). 60

61 Os mitos do empreendedorismo Primeiro Mito: Os Empresários são selvagens e correm riscos altíssimos para iniciar suas empresas. Na realidade, muitos empresários, quando iniciam seus empreendimentos não têm muito a perder e carecem de capacidade de convencimento dos eventuais investidores e parceiros. Segundo Mito: Os empreendimentos são todos fundamentados nas tecnologias avançadas. A maior parte das empresas não utiliza as novas tecnologias. A tendência é realizar inovações incrementais de pequeno porte em produtos ou processos e, em seguida, executa-las extremamente bem. 61

62 Os mitos do empreendedorismo Terceiro mito: Os empreendedores são renomados especialistas em suas áreas. Boa parte das empresas bem sucedidas surgiu da iniciativa de pessoas com pouca experiencia. Quarto Mito: Os empresários realizam o bench marking e constroem um plano estratégico bem concebido quando começam a suas empresas. De fato, um dos parâmetros que definem o êxito nas empresas é a sua flexibilidade para enfrentar as mudanças. Iniciar uma nova empresa é como saltar de pedra em pedra sobre um riacho em vez de construir uma ponte a partir de um projeto. As empresas somente desenvolvem planos de negócio bem definidos quando estão dispostas a buscar investimentos externos 62

63 Os mitos do empreendedorismo Quinto Mito: Todos os empresários contam com capital de risco para financiar as suas empresas. Isto ocorre apenas em poucos casos. A maior parte dos empresários inicia sua atividade com recursos próprios ou de amigos e familiares, e só busca o capital de risco no momento em que aparece a possibilidade de sobre seus sucessos, geralmente nas fases seguintes do crescimento. 63

64 Mapa de Competências

65 Competitividade Nas novas organizações, a competitividade passou a ser decisiva: Para sustentar uma vantagem competitiva, as organizações devem decidir como se diferenciar dos concorrentes e agregar valor aos seus produtos. No século XXI, devem ser desenvolvidos produtos inovadores, com qualidade, e asseguradas reações rápidas às necessidades do cliente; 65 65

66 Indicadores da Competitividade Segundo Philip Kotler, o empreendedor deverá perseguir um conjunto de ferramentas ou estratégias visando a obter sucesso num ambiente competitivo. São elas: indicadores financeiros, não-financeiros, setoriais, regionais, entre vários outros. Porém, é necessário identificar os que mais se apliquem ao tipo de negócio, como ferramentas de análise e avaliação; Alta qualidade, bom serviço, inovação e preço são certamente os fatores-chave para o sucesso num ambiente competitivo. No entanto, esses atributos são quase commodities. Sem eles, a empresa está fadada ao fracasso

67 Fatores que interferem na competitividade das novas organizações A MODERNIZAÇÃO DAS PRÁTICAS GERENCIAIS; A INOVAÇÃO; A MELHOR DEFINIÇÃO DOS PERFIS DE HABILIDADES E COMPETENCIAS DE SEUS QUADROS, EM CONSONANCIA COM AS NOVAS PROFISSÕES 67 67

68 As dificuldades para as empresas A maioria das empresas convive apenas com as inovações incrementais; A maioria dos empreeendedores não tem experiência nem conhecimento do negócio que escolheu; Os empreendedores iniciam seus negócios sem plano de negócios estruturado; Os empreendimentos são iniciados sem garantia de aporte de capital ou de capital de risco. Em geral os negócios começam com dinheiro próprio ou com $ dos maigos 68

69 Observação: Micro e pequenas empresas As Micro e Pequenas Empresas no Brasil representam: 4,5 milhões de estabelecimentos 48% da produção nacional 98,5% das empresas existentes no país 95% das empresas do setor de indústria 99,1% das empresas de comércio 99% das empresas de serviço 60% da oferta de emprego 42% do pessoal ocupado na indústria 80,2% dos empregos no comércio 63,5% da mão-de-obra do setor de serviços 21% do Produto Interno Bruto (ou R$189 bilhões) 69

70 Os Problemas... Baixo volume de capital empregado Altas taxas de natalidade e mortalidade Grande centralização do poder decisório Registros contábeis pouco adequados Baixo emprego de tecnologias sofisticadas Baixo investimento em inovação tecnológica Dificuldade de acesso a financiamento de capital de giro Utilização de mão de obra não qualificada ou sem qualificação 70

71 Governo Contexto das Empresas Condições da Oferta RH qualificados: científicos, técnicos e gerenciais Base científica sólida em universidades Contexto local que encoraje investimentos em atividades de inovação Competição vigorosa entre empresas locais Estrutura Industrial Infraestrutura de Presença de fornecedores e informação de alta outras empresas correlatas qualidade Presença de Clusters ao Capital de risco abundante 71 invés de empresas isoladas Condições da Demanda Consumidores locais exigentes e sofisticados Necessidades da demanda local maior do que a externa 71

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Informação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Brasília, Abril de 2008 Profa.: Lillian Alvares Sociedade da Informação Intangibilidade Conectividade

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Desvendando os segredos da concorrência

Desvendando os segredos da concorrência Desvendando os segredos da concorrência Inteligência Competitiva Sady Ivo Pezzi Júnior 1 A sociedade do conhecimento é a primeira sociedade humana onde o crescimento é potencialmente ilimitado. O Conhecimento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI, AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 Excelentíssimo Senhor Enrique Ig lesias, Presidente do Banco

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender O Processo de Empreender Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro Engenheiro de Automação Mestrado em Gestão Estratégica Qual a função do Professor? Qual a função do Aluno? Construir num cartaz as conclusões

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Inovação como Fator do Desenvolvimento

Inovação como Fator do Desenvolvimento Inovação como Fator do Desenvolvimento Novo Paradigma da Economia do Conhecimento Sociedade da Informação Economia do Conhecimento Economia Digital Novo Paradigma da Economia do Conhecimento Numa economia

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

Diferenciação de Valor

Diferenciação de Valor Diferenciação de Valor 1 Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias Sucesso para as empresas significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA

EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA EDITAL EM PROTUGUÊS DO CONCURSO DE CADERNO DE EXERCÍCIOS DO PROGRAMA DE FOMENTO DO EMPREEDEDORISMO E INOVAÇÃO NAS FACULDADES DE ENGENHARIA PROGRAMA REGIONAL DE EMPRENDEDORISMO E INOVAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. DISCIPLINA Empreendedorismo. Disciplina Empreendedorismo

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. DISCIPLINA Empreendedorismo. Disciplina Empreendedorismo FORMAÇÃO Curso de Administração Disciplina Empreendedorismo Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização: MBA em Gestão da

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil Conversatorio Internacional "Mitos y verdades sobre la acreditación en la Educación Superior" La educación tecnológica en Brasil Prof. Dr. Rolando V. Vallejos Brasil seguindo o caminho de desenvolvimento

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

5 Objetivos Principais

5 Objetivos Principais A Rainforest Business School Escola de Negócios Sustentáveis de Floresta Tropical Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo (USP) Programa de Pesquisa Amazônia em Transformação (AmazonIEA)

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial Jorge Avila INPI Presidente Florianópolis, 12 de maio de 2009 Cenário Geral Aprofundamento do processo de

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins ك Я] ك Я ٸÐЏ Carlos Martins Estudo Macroeconómico Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas da Região do Norte QUESTÕES CHAVE Qual o perfil actual do sector criativo e cultural? Qual o seu

Leia mais

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32 Empreendedorismo por José Dornelas Página 1 de 32 Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio,

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ESTRATÉGIAS EM ENGENHARIA, PRODUTO, P&D E INOVAÇÃO

ESTRATÉGIAS EM ENGENHARIA, PRODUTO, P&D E INOVAÇÃO ESTRATÉGIAS EM ENGENHARIA, PRODUTO, P&D E INOVAÇÃO Valter Pieracciani, MSc. TIME PIERACCIANI 2 1 Pibinho Incentivos fiscais Cortes Desindustrialização X Imagem positiva do Brasil Grandes eventos esportivos

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

A Inteligência Empresarial

A Inteligência Empresarial A Inteligência Empresarial A produtividade do Conhecimento deve ser, portanto, a preocupação central dos administradores do século XXI. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

A Business Intuition e os verdadeiros segredos do Made in Italy

A Business Intuition e os verdadeiros segredos do Made in Italy MILÃO - SÃO PAULO A perfeição é feita de pequenos detalhes - não é apenas um detalhe. Michelangelo Buonarroti A Business Intuition e os verdadeiros segredos do Made in Italy UM MBA INÉDITO NO MUNDO A criatividade

Leia mais

Introdução. Um caso real que acontece todos os dias no Brasil...

Introdução. Um caso real que acontece todos os dias no Brasil... I a n C u n h a Introdução Um caso real que acontece todos os dias no Brasil... I a n C u n h a Os Conceitos Básicos do Projeto Missão: Fomento a atividade empreendedora tornando

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais