O Dispositivo Neutron para Permeabilidade do Cateter é a última inovação da empresa que criou o mercado de conectores IV seguros.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Dispositivo Neutron para Permeabilidade do Cateter é a última inovação da empresa que criou o mercado de conectores IV seguros."

Transcrição

1 O Dispositivo Neutron para Permeabilidade do Cateter é a última inovação da empresa que criou o mercado de conectores IV seguros. Neutron 2011 Com a introdução do Neutron, a ICU Medical, Inc. segue com seu compromisso de oferecer grandes inovações que atendem a necessidades clínicas reais. Fomos nós que criamos o mercado de conectores IV seguros em 1984 com o lançamento do Click Lock e depois transformamos o setor em 1993 com o lançamento do Clave o primeiro conector IV do mundo sem agulha, fechado e de peça única que até hoje é a tecnologia desse tipo mais confiável e mais amplamente utilizada do mundo. MicroClave Clear (2010) MicroClave Antimicrobiano (2009) ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Volume residual Taxa de fluxo na gravidade Compatibilidade sanguínea Compatibilidade com ressonância magnética Compatibilidade com pressão alta 0,1 ml 100 ml/minuto 10 ml/segundo Clave Antimicrobiano (2008) TEGO (2006) COMPATIBILIDADE COM MEDICAMENTOS Álcool Lipídeos Clorexidina Quimioterapia MicroClave (2001) 1o2 Válvula (1999) O dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter é o primeiro e único dispositivo de acesso vascular sem agulha liberado pela FDA para uso em pacientes pediátricos imunocomprometidos. CLC2000 (1997) Clave (1993) 1. Gorski, Lisa A MS, RN, CS, CRNI. Central Venous Access Device Occlusions: Part 1: Thrombotic Causes and Treatment. Home Healthcare Nurse. 21: , fevereiro de Stephens LC, Haire WD, Kotulak GD. Are Clinical Signs Accurate Indicators of the Cause of Central Venous Catheter Occlusion? JPEN. 19:75-79, Haire W, Herbst S. Use of Alteplase (t-pa) for the Management of Thrombotic Catheter Dysfunction: diretrizes de uma conferência de consenso da National Association of Vascular Access Networks (NAVAN). Nutrition in Clinical Practice. 15: , dezembro de Resumo de estudo da ICU Medical. Observational In-Vivo Evaluation of the Neutron Needlefree Catheter Patency Device and its Effects on Catheter Occlusions in a Home Care Setting, Alerta de segurança sobre dispositivos médicos da FDA, 28 de julho de 2010: carta aos profissionais de saúde sobre conectores de deslocamento positivo sem agulha (http://www.fda.gov/medical Devices/Safety/AlertsandNotices/ ucm htm). 6. Ryder, et al, Differences in Bacterial Transfer and Fluid Path Colonization through Needlefree Connector-Catheter Systems In Vitro, cartaz apresentado na Conferência Anual da Infusion Nurses Society (INS), Resumo Moore, C. RN, MBA, CIC. Maintained Low Rate of Catheter-Related Bloodstream Infections (CR-BSIs) After Discontinuation of a Luer Access Device (LAD) at an Academic Medical Center. Cartaz apresentado na conferência anual da Association for Professionals in Infection Control and Epidemiology (APIC) em 2010, Resumo Click Lock (1984) ICU Medical, Inc. M1-1307P Rev. 01

2 Tecnologia inovadora que reduz o refluxo para ajudar a manter a permeabilidade do cateter enquanto oferece uma barreira microbiana segura e eficaz. Neutron Dispositivo sem agulha para permeabilidade do cateter O primeiro e único dispositivo do mundo liberado pela FDA que demonstrou reduzir significativamente todos os tipos de refluxo para o interior do cateter.

3 O impacto clínico das oclusões em cateteres de linha central As oclusões de cateter prejudicam o cuidado ao paciente A despeito dos esforços contínuos dos profissionais de saúde, as oclusões de cateteres de linha central (CVCs e PICCs) continuam sendo um problema significativo que pode resultar em: > > Atrasos na atenção a pacientes críticos; > > Maior risco de infecção; > > Maiores custos de assistência médica. O refluxo de sangue é uma das principais causas de oclusões em cateteres Uma causa importante de oclusão de cateter é o refluxo de sangue 1, ou o retorno de sangue para o interior do cateter. > > O refluxo de sangue pode levar a um trombo intraluminal, o que pode inviabilizar a infusão de fluidos/medicamentos IV. > > Um cateter obstruído pode inviabilizar a coleta de sangue. As tecnologias atuais são limitadas quanto à capacidade de reduzir o refluxo Alguns dispositivos no mercado, incluindo conectores de pressão positiva sem agulha, tentam enfrentar o problema. Os dispositivos de pressão positiva só afetam o refluxo sanguíneo quando a seringa ou o aparelho de administração está desconectado. Por isso, os médicos continuam observando uma taxa inaceitavelmente alta de oclusões em seus pacientes. 25% dos cateteres de linha central desenvolvem uma oclusão trombótica parcial ou total 2,3

4 O Neutron incorpora a tecnologia de vedação de silicone de membrana partida e passagem interna reta patenteada pela ICU Medical e que já demonstrou clinicamente oferecer uma taxa de transferência bacteriana significativamente reduzida. 6 Reduz comprovadamente as infecções Por ser uma barreira microbiana clinicamente testada, o Neutron pode ser uma peça importante dos seus esforços para eliminação da CLABSI. 6,7 1. Quando o Neutron não está sendo acessado, a vedação de silicone forma uma barreira segura e regulável ao ingresso de bactérias. 2. Com o acesso luer, a vedação de silicone é pressionada e as janelas de circulação do fluido são expostas através da membrana partida do dispositivo. 3. O fluido é infundido ou aspirado através do conector e do cateter por meio da passagem interna reta dedicada.

5 Neutron: um projeto melhor O desenho exclusivo permite que o Neutron ajude a evitar oclusões reduzindo o refluxo e mantendo a permeabilidade do cateter Devido a um projeto inovador que incorpora uma válvula de silicone bidirecional para evitar refluxos a qualquer momento, o Neutron ajuda a manter a permeabilidade do cateter em situações em que os conectores tradicionais demonstraram ficar obstruídos com frequência. Neutron não acessado Neutron durante a infusão Neutron durante a aspiração A opção de lavagem com soro fisiológico do Neutron permite reduzir riscos, custos e o tempo associados ao uso da Heparina.

6 O dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter pode ajudá-lo a reduzir significativamente os riscos associados a oclusões do cateter no atendimento ao paciente A manutenção da permeabilidade do cateter e a minimização de oclusões podem ser etapas importantes nos seus esforços para melhorar a segurança do paciente e os resultados. O dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter é o primeiro e único dispositivo liberado pela FDA que demonstra reduzir significativamente todos os tipos de refluxo para dentro do cateter, o que ajuda a reduzir as oclusões, conforme já foi clinicamente demonstrado. Por ajudar a melhorar a atenção ao paciente e a segurança, reduzindo o risco de oclusões do cateter, o Neutron permite ainda: > > Minimizar atrasos no tratamento e nos procedimentos; > > Minimizar o desconforto desnecessário do paciente; > > Reduzir o período de permanência; O Neutron ajuda a reduzir a oclusão de cateter em > > Diminuir a necessidade de agentes anticoagulantes e os riscos a eles associados; 50%4 > > Reduzir o risco de liberar um coágulo na corrente sanguínea.

7 O dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter foi projetado para reduzir todos os tipos de refluxo para o interior do cateter, qualquer que seja a causa O refluxo de sangue para o interior da seringa já demonstrou contribuir para a formação de biofilme e oclusão de cateter. Causas internas > > Alterações da pressão vascular do paciente causadas por: > Tosse > Movimento > Espirro > Choro REFLUXO Causas externas > > Conexão e desconexão de um Luer > > Bolsa IV quase vazia ou bomba de infusão que para de funcionar > > Recuo do êmbolo da seringa Impeça qualquer tipo de refluxo para o interior do cateter, mesmo durante a conexão e desconexão do luer. Integre o dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter aos protocolos da sua instituição para ajudar a reduzir as CLABSIs.

8 A redução das oclusões do cateter com o dispositivo Neutron para permeabilidade do cateter pode oferecer benefícios clínicos em tempo real Evite atrasos na atenção a pacientes críticos O Neutron pode ajudar a evitar atrasos na administração de medicações intravenosas críticas (como antibióticos e oncolíticos), suporte nutricional e hematoterápicos. > > O Neutron pode ajudar a evitar atrasos em procedimentos e diminuir o tempo de permanência ao reduzir intervenções desnecessárias, incluindo a administração de tpa ou outras ações corretivas. Evite desconforto e dor para o paciente O Neutron pode ajudar a evitar desconforto e dor para o paciente, causados por picadas de agulha, reinícios de cateter e manipulação do ponto IV. Como o Neutron reduz o risco de oclusões trombóticas, os pacientes estão menos propensos ao uso de agentes anticoagulantes. Evite custos desnecessários O Neutron pode ajudar a minimizar custos desnecessários que se acumulam no tratamento de uma oclusão, como: > > Custo de equipe associado a intervenções clínicas; > > Custo de t-pa ou outros agentes anticoagulantes; > > Medicação desperdiçada, como oncolíticos hematoterápicos sensíveis ao tempo; > > Maior permanência do paciente por interrupções da terapia e reinícios do cateter. Ajude a reduzir o risco de infecções Além de utilizar as características de projeto patenteadas da ICU Medical que já demonstraram fornecer uma barreira microbiana segura e eficaz, o Neutron pode ajudar a reduzir o risco de infecção: > > Evitando tromboses, que são campos férteis para infecções; > > Minimizando a manipulação da linha IV, que é porta de entrada para bactérias. O Neutron ajuda a reduzir o uso de tpa em 50% O projeto de pressão neutra exclusivo do Neutron pode ajudar a enfrentar preocupações evidenciadas pela FDA quanto à segurança dos conectores de 4 deslocamento positivo. 5

Tecnologia de Conectores IV Sem Agulha

Tecnologia de Conectores IV Sem Agulha Tecnologia de Conectores IV Sem Agulha Escolhido por médicos e profissionais de controle de infecção duas vezes mais que qualquer outro Neutron Dispositivo de Permeabilidade do Cateter Sem Agulha NanoClave

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

ChemoLock. Definindo um novo padrão para a segurança de drogas de risco. Você simplesmente não adora quando as coisas são simples?

ChemoLock. Definindo um novo padrão para a segurança de drogas de risco. Você simplesmente não adora quando as coisas são simples? Apresentando ChemoLock Dispositivo de transferência de sistema fechado sem agulha O primeiro CSTD sem agulha a receber aprovação da FDA 510(k) para aplicações em composições farmacêuticas (ONB) e administração

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 52121 - COMANDO DO EXERCITO 160322 - HOSPITAL CENTRAL DO EXERCITO/RJ RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - CUBA APARELHO - USO LABORATÓRIO EQUIPO DE INFUSÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

Diana. Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Sistema de Composição de Drogas de Risco

Diana. Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Sistema de Composição de Drogas de Risco Diana Sistema de Composição de Drogas de Risco Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Precisão, segurança e eficiência na tecnologia de composição

Leia mais

ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis

ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis Agulhados ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis ACESSO VENOSO CENTRAL: Dispositivos totalmente implantáveis Dispositivos Percutâneos Projeto coordenado pela profa. Dra.

Leia mais

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA Este guia contém informações para os doentes com um cateter totalmente implantado (CTI) e para os profissionais de saúde que prestam assistência

Leia mais

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SCIH SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA Introdução As infecções

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Diretrizes Assistenciais Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO Com base no resultado da ata e no Parecer Técnico referente o julgamento das amostras apresentadas,

Leia mais

Soluções para a Segurança do Paciente

Soluções para a Segurança do Paciente Soluções para a Segurança do Paciente Tradução de Adélia Quadros Farias Gomes Para o Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Proqualis 2007 O Programa da Organização Mundial

Leia mais

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão 1 RESPONSÁVEIS Selma Furtado Magalhães Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba Camila Alves Machado Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão EDITORIAL Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara Revisão: Setembro de 2012

Leia mais

Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV

Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV Sistemas livres de agulhas de fácil utilização para a preparação segura e administração de medicamentos IV Maximizar a Segurança de Medicação Em Cada Etapa com

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa 11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa Bruno Viana de Andrade Enfermeiro do Serviço de Oncologia do Hospital Mater Dei Belo Horizonte MG 2014 História

Leia mais

Portfolio de Segurança

Portfolio de Segurança Portfolio de Segurança Portfolio de Segurança Soft-Man Space Polifix com Safeflow Ecoflac Plus Intrafix Safeset t e m p o d e segurança Introcan Safety O ambiente hospitalar é composto por pacientes de

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL - EMTN ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Enfª Danielli Soares Barbosa Membro do Grupo

Leia mais

Arrow CVC Systems PORQUE É A ARROW A PRIMEIRA ESCOLHA PARA O ACESSO VENOSO?

Arrow CVC Systems PORQUE É A ARROW A PRIMEIRA ESCOLHA PARA O ACESSO VENOSO? Arrow CVC Systems PORQUE É A ARROW A PRIMEIRA ESCOLHA PARA O ACESSO VENOSO? Parceria Estamos ansiosos por aderir à sua equipa de ensino local. Disponibilizamos, de imediato e no nosso site, muita informação

Leia mais

Guia de referência. Configuração e priming com tubo pré-ligado

Guia de referência. Configuração e priming com tubo pré-ligado Guia de referência Configuração e priming com tubo pré-ligado Antes da Configuração, obter os seguintes materiais: Um saco/frasco de 500 ml ou 1000 ml de soro fisiológico normal com uma (1) unidade (U)

Leia mais

CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC)

CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC) CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC) Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro O PICC é um dispositivo de acesso vascular inserido perifericamente,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Diretrizes Assistenciais Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores e revisores: João Fernando Lourenço de Almeida, Jorge David Aivazoglou

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73 PARECER COREN/SC Nº 015/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca da realização de punção intraóssea por Enfermeiro. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico sobre a Câmara Técnica do Coren/SC,

Leia mais

Com base no resultado da ata anterior o Pregoeiro considera FRACASSADO o item: Unid. Med. Qtd 912335 - CLIP DE TITÂNIO PARA NEUROCIRURGIA

Com base no resultado da ata anterior o Pregoeiro considera FRACASSADO o item: Unid. Med. Qtd 912335 - CLIP DE TITÂNIO PARA NEUROCIRURGIA PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 036/2015 AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ESPECIAIS E CLIPES PARA TRATAMENTO DE ANEURISMA CEREBRAL, CONSTANTES NA TABELA SIGTAP/SUS, AOS PACIENTES DO HOSPITAL MUNICIPAL SÃO JOSÉ. ADJUDICAÇÃO

Leia mais

ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA

ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA EQUIPE DE TERAPIA INTRAVASCULAR COMISSÃO DE CONTROLE

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

PRODUTOS PARA CUIDADOS INTENSIVOS. Cannon II Plus. Cateter de Hemodiálise Crónica

PRODUTOS PARA CUIDADOS INTENSIVOS. Cannon II Plus. Cateter de Hemodiálise Crónica PRODUTOS PARA CUIDADOS INTENSIVOS Cannon II Plus Cateter de Hemodiálise Crónica Para Usuários A Rapidez e a Precisão são a essência do Cannon II Plus. O primeiro cateter de hemodiálise crónica de tunelização

Leia mais

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos SEGURANÇA DO PACIENTE: CONHECENDO OS RISCOS NAS ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos Sandra Vasconcelos e Barbara

Leia mais

Kit para biópsia Astermed - Biocut

Kit para biópsia Astermed - Biocut Kit para biópsia Astermed - Biocut Agulha para Biópsia de tecidos moles, semiautomática, centimetrada, ponta ecogênica (sistema ecostar), radiopaca ao RX, TC, Ultra-som, MRI, estereotáxica. Bisel e Cânula

Leia mais

reconstituição (UI / ml)

reconstituição (UI / ml) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Beriplex P/N concentrado de complexo protrombínico APRESENTAÇÃO Beriplex P/N 500 UI: embalagem contendo 1 frasco-ampola com pó liofilizado para solução injetável, 1 frasco-ampola

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP Projeto Estadual para Redução de Infecção de Corrente Sanguínea em Unidades de Terapia Intensiva: intervenção de baixo custo, grandes resultados Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção

Leia mais

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual Norma - Algaliação DEFINIÇÃO Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva. Sendo uma intervenção interdependente, isto é, depende da prescrição de outros

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL Protocolo: Nº 51 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha Luiz Ernani

Leia mais

ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR COMPLEXO HOSPITALAR DO CEPON ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Serviço de Educação Permanente de Enfermagem

Leia mais

Sondas e Cateteres em 100% Silicone

Sondas e Cateteres em 100% Silicone B PF P Sondas e Cateteres em 100% Silicone CLASSE: I / II / III / IV Fabricado no Brasil 1113 BOTÃO PARA GASTROSTOMIA PERCUTÂNEA Cód. 3 TUBO DE EXTENSÃO PARA ALIMENTAÇÃO E DESCOMPRESSÃO DE BOTON Cód. TE3-03

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC PROTOCOLOS ASSISTENCIAIS DO HUWC INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA RELACIONADA A CATETERES INTRAVASCULARES 1. INTRODUÇÃO Evelyne Santana Girão Infecções relacionadas a cateteres intravasculares são importante

Leia mais

2º TERMO DE RETIFICAÇÃO DO EDITAL PREGÃO (PRESENCIAL) Nº 002/15 PROCESSO Nº 138/ 14

2º TERMO DE RETIFICAÇÃO DO EDITAL PREGÃO (PRESENCIAL) Nº 002/15 PROCESSO Nº 138/ 14 2º TERMO DE RETIFICAÇÃO DO EDITAL PREGÃO (PRESENCIAL) Nº 002/15 PROCESSO Nº 138/ 14 OBJETO: Registro de preços para aquisição de materiais específicos de cirurgia geral, urológica, vascular, ortopédica

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Código do Produto E4003 S Classificação Fiscal (NCM) 90183111

Código do Produto E4003 S Classificação Fiscal (NCM) 90183111 Seringa La vita 1ml Luer Slip Código do Produto E4001 S Classificação Fiscal (NCM) 90183111 Código de Barras 7 8989491 250379 Validade 5 anos individual em papel grau cirúrgico e filme plástico Seringa

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Tipos de solução Avaliação do paciente Complicações da Terapia Intravenosa(TIV) Tipos de dispositivos intravenosos Punção venosa Coleta de sangue para exames Administração de medicamentos Projeto coordenado

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA Drª. Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Drª. Luciana

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

EXPANSORES DE TECIDO 1

EXPANSORES DE TECIDO 1 EXPANSORES DE TECIDO 1 2 PAIXÃO INSPIRANDO A CIÊNCIA. 3 SILIMED HÁ 35 ANOS LANÇANDO AS NOVAS GERAÇÕES DE IMPLANTES DE SILICONE NO MUNDO. Criada em 1978, no Rio de Janeiro, a Silimed atende as áreas de

Leia mais

AGULHA PARA PUNÇÃO DE PORTAIS

AGULHA PARA PUNÇÃO DE PORTAIS AGULHA PARA PUNÇÃO DE PORTAIS Agulha com ponta tipo Huber para punção de cateter totalmente implantável com plataforma acolchoada (antialérgica). Transparente, Tubo Extensor sem Y em silicone, com 21cm

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 AGULHA DE BIÓPSIA HEPÁTICA PERCUTÂNEA TIPO TRUCUT (GUILHOTINA) 16G X 160MM PARA PISTOLA SEMI-AUTOMÁTICA.

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico soro anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro anticrotálico, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas contendo 10 ml de solução injetável

Leia mais

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 Ementa: Passagem, cuidados e manutenção de PICC e cateterismo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 042/2015 AQUSIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS (DIVERSOS). ADJUDICAÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 042/2015 AQUSIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS (DIVERSOS). ADJUDICAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 042/2015 AQUSIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS (DIVERSOS). ADJUDICAÇÃO Com base no resultado da ata anterior o Pregoeiro considera DESERTO o item: Item Material 12 912108 - GUARNIÇÃO

Leia mais

ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO

ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO. Nome Comercial: ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO 4,5mm x 33cm. Registro ANVISA nº: 80160409010. DISTRIBUIDOR: BIOSAT PRODUTOS MÉDICOS E ODONTOLÓGICOS

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 1. OBJETO: 2.1. Eventual AQUISIÇÃO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR (sondas, cânulas, tubos e drenos), destinados a atender as Unidades de Saúde do Estado de Roraima, conforme descrição neste Termo de Referência.

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Tocar, Nutrir e Cuidar

Tocar, Nutrir e Cuidar Tocar, Nutrir e Cuidar Soluções adequadas para a prevenção e cicatrização de feridas tocar nutrir cuidar Quando falamos do cuidado integral do paciente precisamos pensar em vários fatores que afetam a

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 26232 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 150247 - COMPLEXO HOSPITALAR E DE SAUDE DA UFBA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO EXTENSOR

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ESSENCIAL DE BOMBAS DE INFUSÃO

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ESSENCIAL DE BOMBAS DE INFUSÃO METROLOGIA-2003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 01 05, 2003, Recife, Pernambuco - BRASIL METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ESSENCIAL DE BOMBAS DE INFUSÃO

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO LipoFilter Mini INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO REFERÊNCIAS DAS PEÇAS APLICÁVEIS: Número REF h ASP-CAN-3S h ASP-CAN-3R h ASP-ADP-2 h ASP-ADP-3 Descrição LipoFilter Mini Seringa de aspiração

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

536- por. H.S. da Silva' ; I.S. Dinii; JA. Duarte Costa'.

536- por. H.S. da Silva' ; I.S. Dinii; JA. Duarte Costa'. RBE. VOL. 7 N. 1 1990 AUTOMAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE INFUSÃO EM PACIENTE UflLIZANDO MICROPROCESSADOR por H.S. da Silva' ; I.S. Dinii; JA. Duarte Costa'. RESUMO - Dentre os sistemas utilizados

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

CUIDADOS PREVENTIVOS DOS ENFERMEIROS ÀS INFECÇÕES DE CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS FRENTE AO CLIENTE EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

CUIDADOS PREVENTIVOS DOS ENFERMEIROS ÀS INFECÇÕES DE CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS FRENTE AO CLIENTE EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO 1 CUIDADOS PREVENTIVOS DOS ENFERMEIROS ÀS INFECÇÕES DE CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS FRENTE AO CLIENTE EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO PREVENTIVE CARE NURSES TO INFECTIONS CENTRAL VENOUS CATHETERS IN FRONT HEMODIALYSIS

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares

Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares Elaborado por Naomi P. O'Grady, M.D. 1 Mary Alexander 2 E. Patchen Dellinger, M.D. 3 Julie L. Gerberding, M.D., M.P.H.

Leia mais

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar Aplicação da Metrologia no Serviço de Instalações e Equipamentos de uma Unidade Hospitalar Carlos Patrício, Presidente da ATEHP Director do Serviço de Instalações e Equipamentos do CHTS, EPE Introdução

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Daniel Mendes Pinto Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Belo Horizonte - MG Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia

Leia mais

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterismo Vesical APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterização intermitente Alivio do desconforto da distensão da bexiga, provisão da descompressão Obtenção de amostra de urina estéril

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR Enfª Julliana Pinheiro Definição ITU-RAS é DEFINIDA como: 1. Qualquer infecção ITU relacionada a procedimento urológico;

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 Assunto: Indicadores de Qualidade 1. Do fato Solicitado parecer por profissional de enfermagem sobre a definição e construção de indicadores de qualidade na assistência

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM TRANSPORTE NEONATAL INTER E ENFERMAGEM INTRA-HOSPITALAR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Qualquer tipo de transporte deve ser realizado com segurança,

Leia mais

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Lucieni de Oliveira Conterno Faculdade de Medicina de Marília Disciplina de Infectologia Núcleo de Epidemiologia Clinica SCIH- Santa Casa de Marília ISENÇÃO DE

Leia mais

CLORETO DE SÓDIO 0,9%

CLORETO DE SÓDIO 0,9% FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. SISTEMA FECHADO Solução de cloreto de sódio 0,9% (cloreto de sódio 9 mg/ml): Frascos de plástico transparente com 50 ml, 100 ml, 250 ml, 500 ml e

Leia mais

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos João E. Holanda Neto Farmacêutico EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Médico Avaliação do paciente e prescrição do esquema terapêutico (protocolo de QT) de acordo com o tipo,

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

A Merit Medical Systems, Inc. (NASDAQ: MMSI) tem

A Merit Medical Systems, Inc. (NASDAQ: MMSI) tem COMPONENTES DISPOSITIVOS POSSIBILIDADES A Merit Medical Systems, Inc. (NASDAQ: MMSI) tem projetado, fabricado e comercializado dispositivos médicos descartáveis para hospitais de todo o mundo há mais de

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Folheto para o paciente

Folheto para o paciente Folheto para o paciente Quimioembolização Transarterial com Eluição de Fármaco (detace) de tumores hepáticos: Uma opção minimamente invasiva para o tratamento de tumores hepáticos Diagnóstico do hepatocarcinoma

Leia mais

Dicas práticas para conjuntos de infusão

Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Inserção da cânula Para inserir a cânula no organismo, é necessário fazer uma prega na pele para que ela fique tensionada.

Leia mais