Nelson Giulietti (2) Ana Maria Giulietti (3) Jose Rubens Pirani (3) Nanuza Luiza de Menezes (3)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nelson Giulietti (2) Ana Maria Giulietti (3) Jose Rubens Pirani (3) Nanuza Luiza de Menezes (3)"

Transcrição

1 Acta bot. bras. 1(): (1988) sup!. ESTUDOS EM SEMPRE-VIVAS: IMPORTANCIA ECONOMICA DO EXTRATIVISMO EM MINAS GERAIS, BRASIL. (1) Nelson Giulietti () Ana Maria Giulietti () Jose Rubens Pirani () Nanuza Luiza de Menezes () RESUMO - Neste trabalho foram estudadas as sempre-vivas como sendo um produto natural de importincia para decoiio de interiores. Como sempre-vivas siio considerados escapos e inflorescancias que conservam a apareocia de estruturas vivas, mesmo depois de destacados das plantas. 0 presente trabalho objetivou estudar as atividades econ6micas relacionadas com esse grupo de plantas, mostrando sua importincia como geradora de renda e de emprego, nos arredores de Diamantina (Minas Gerais) e de divisas para 0 Pars, pois a maior parte da produiio 6 exportada para os Estados Unidos e Europa. Atrav6s do levantamento de quantidades comercializadas, pros pagos aos coletores e pos de atacado das principais esp6cies comercializadas na regilio (18 de Enocaulaceae, 10 de Gramineae, de Xyridaceae e de Cyperaceae), calculou-se 0 valor da produlio e da comercializaiio, tendo-se id6ia da geraiio de renda e volume comercializado. Procurou-se mostrar tammm, atrav6s da expolio, a impon.ancia na geriio de di visas. Infere-se, da amilise dos dados, um decr6seimo na exportaiio, que pode estar relacionado A queda da produiio devido a fatores como sobresfoo na coleta, dificultando a recuperalio das popula6es, ou concorrl!ncia de outros parses no mercado. Sugere-se pois incremento das pesquisas no sentido de tornar vi<\vel a cultura sistemmica de esp6cies cultiv<\veis, como fator econ6mico importante para as regi6es de campos rupestres. ABSTRACT - The present work is a study of "everlasting flowers" as a natural product of importance for interior decoration. The term "everlasting flowers" is used for scapes and inflorescences which, even after being detached from the plant, still maintain the appearance of living structures. The economic activities related to this group of plants are considered; their imi><>rtance is demonstrated, as a source of income and employment in the region of Diamantina (State of Minas Gerais, Brazil), and also as a source of revenue for the country: production is largely exported to Europe and the U.S.A. A survey was made of the quantity of such flowers marketed, of prices paid to collectors, and of the wholesale prices of the species most extensively commercialized in the region (18 Eriocaulaceae, 10 Gramineae, Xyridaceae and Cyperaceae); from these figures were calculated the values involved in production and CQIDmercialization, thus providing some idea of the income created and the quantity of plants concerned. The impqrtance of exportation of everlasting flowers as a source of revenue was also considered. Analysis Of data permits inference of a decline in export; this may be due to a fall in production as a result of over-collection and subsequent difficulty in recuperation of populations, or of market competition from other countries. It is suggested that research should be increased with a view to inaking viable the systematic cultivation of those species which can be cultivated, as an important contribution to the economy of regions of campo rupestre. Key-words - "Everlasting flowers", Eriocaulaceae, Xyridaceae, Gramineae, Cyperaceae, economic botany. (1) Parte do Projeto Sempre-Vivas, sob coordenalio de N.L. Menezes. () lnstituto de Economia Agrfcola da Secretaria de Agricultura do Estado de Slio Paulo, CP Slio Paulo, SP, Brasil. () Instituto de Biocil!ncias, Universidade de Slio Paulo, CP Slio Paulo, SP, Brasil.

2 180 Giulietti dol.

3 Importiincia econ6mica de sempre-vivas 181 Introduc;ao Ocorrentes nos campos rupestres dos altos da Cadeia do Espinhac;o, em Minas Gerais e Bahia, nas Serras de GoiAs e ainda nos cerrados do Planalto Central, sobressaemse as "sempre-vivas" (escapos e inflorescncias que ap6s terem sido removidos das plantas conservam a aparemcia de estruturas vivas), por sua beleza e durabilidade. Sao usadas como ornamentais, especialmente na decorac;ao de interiores (Figura 1). Isto confere as sempre-vivas alto valor cornercial, principalmente no mercado internacional, e seu extrativismo constitui-se em importante atividade economica nas regioos onde ocorrem, destacando-se como um centro importante de comercializac;oo 0 municipio de Diamantina, em Minas Gerais, onde se constituem na segunda fonte de renda da populac;ao local, seguindo-se a minerac;ao de diamantes. Entre as sempre-vivas comercializadas, predominam especies das seguintes familias de monocotiled6neas: Eriocaulaceae, Xyridaceae e Gramineae, com maior importfmcia, e Cyperaceae, de importfmcia secundflria. A col he ita costuma ser feita por pessoas das pr6prias regi6es (Figura ). Na Serra do Cip6, planalto de Diamantina, Serra do Cabral, em Minas Gerais, e Mucuge, na Bahia, entre outras areas, e muito comum encontrar famnias inteiras no campo, colhendo semprevivas na epoca de florac;ao. Nas serras de aces so mais ditrcil, distantes de Areas habitadas, como por exemplo na Chapada do Couto, em Felrcio dos Santos, MG, ocorre 0 deslocamento de grupos de coletores que acampam durante todo 0 perrodo de florac;ao das especies comercializadas, com uma permanemcia de ate tres meses no alto da serra, constituindo verdadeiros nucleos populacionais temporarios. o material coletado costuma ser reunido em pequenos feixes para serem secos ao sol. Posteriormente, esse material e vendido a intermediarios, que fazem a ligac;ao entre 0 coletor e 0 revendedor e/ou exportador (Figuras e ). Estes ultimos possuem, geralmente, grandes dep6sitos, onde e feita a manipulagao final do produto, incluindo secagem completa das plantas, classificagao de acordo com 0 tipo e qualidade, montagem em ramalhetes, pesagem e embalagem (Figuras 5 e 6). Muitas vezes, as inflorescencias sao tingidas em cores diversas, com 0 usa de corantes artificiais. A utilizac;ao das sempre-vivas com fins ornamentais vem de longa data, porem um maior impulso na sua comercializagao e exportac;ao ocorreu a partir dos anos 70. A presenc;a desse produto na Europa e Estados Unidos ja foi constatada por Forstner (197) na Alemanha, e Hyypio (197) em Nova York, ambos fazendo refer mcia a Syngorumthus elegans (Bong.) Ruhl. (Eriocaulaceae). No Brasil, as primeiras referencias ao uso das sempre-vivas em arranjos florais sao de Ferreira e Saturnino (1977) que se referem a composic;ao desses arranjos, confeccionados com plantas secas, apresentando uma lista bem ampla do material utilizado, eo de Saturnino et al. (1977) que faz algumas considerag6es sobre a exportac;ao de plantas ornamentais. Fig. 1 - Arranjo com diversas sempre-vivas; deslacam-se especies de Axonopus e Aristida (Gramineae) na base, numerosos capilulos de especies de Syngonanthus e Paepa/amhus (Eriocau,laceae) par lodo 0 arranjo, e, no cenlro, Ires espigas de Xyris (Xyridaceae) envolvidas por semenles aladas de Magonia (Sapindaceae) (1010 N. Giulietti); Fig. - Colelores de sempre-viva-pe-de-ouro (Syngorumthus e/egalls) em campo submelido a explorag<1o controlada, em Diamantina, MG (Ioto N. Giulietti); Fig. - Feixes de sempre-vivas secando ao sol, numa rua de Mucuge, SA (Iota A.M. Giulietti); Fig. - Colelor de sempre-vivas em Diarnantina, MG, carregando grande numero de leixes para serem vendidos ao exportador; ao lunda, veem-se varios leixes de EriocanIon kunthii no solo, em secagem (1010 N. Giulietti); Fig. 5 - Jovem selecionando capflulos e escapos adequados para comercio, num dep6sito de Diamanlina, MG (Ioto N. Giulietti); Fig. 6 - Feixes de sempre-vivas em processo de embalagem para exportag<1o, no dep6sito da lirma Minaflor, em Diamantina, MG (foto N. Giulietti).

4 18 Giulietti dol A partir de 198, passou-se a desenvolver um projeto envolvendo esse grupo de plantas, onde varios aspectos sao analisados. Relacionados com esse projeto, alguns dados ja foram apresentados por Menezes e Giulietti (1986). Nas guias de exportac;:ao expedidas pela Carteira do Comrcio Exterior (CACEX), as sempre-vivas aparecem como um produto usado para fins ornamentais. Entretanto, em algumas regioes onde ess.as plantas ocorrem, ha uma crenc;:a popular de que elas possam ser utilizadas como repelentes, principalmente porque nos dep6sitos onde sao armazenadas nao se encontra qualquer tipo de insetos. Para a detecc;:ao da existencia ou nao de principios dessa natureza, grupos das Universidades Federal de Minas Gerais e de Sao Paulo t desenvolvido, estudos, com alguns resultados preliminares jll divulgados (Pereira 1987; Salatin.o et ai. 1987; Teixeira 1987; Teixeira et al. 198, 1985). o presente trabalh.o tem por objetivo estudar diferentes aspectos econ6micos da expl.orac;:80 das sempre:.vivas, visand.o m.ostrar a sua importancia como gerad.ora de. renda e de empreg.o nas regioes onde.oc.orrem e de divisas para 0 pars. Inf.ormac;:Oes botanicas s.obre escies de comercio mais restrito sera.o apresentadas por Giulietti et al. (1988). Material e Metodos As plantas comercializadas com.o sempre-vivas pertencem a cinc.o famnias de Angiospermae - M.onocotyled.oneae: Eri.ocaulaceae, Xyridaceae, Gramineae, Cyperaceae e Rapateaceae, potool so das quatro primeiras existem dados de produc;:8.o e prec;:os. o levantamento d.o material comercializado f.oi feit.o, inicialmente, em dep6sit.os instalad.os nas cidades de Diamantina e Datas (Minas Gerais). De cada planta f.oram.obtidos os nomes populares e locais de oc.orrencia na natureza. Para todas as regioes onde as plantas eram coletadas, foram feitas expedic;:oes, visando a.obtenc;:a.o de plantas inteiras que possibilitassem a correta identificac;:ao cientifica, alem de permitir um c.ontato c.om as pess.oas env.olvidas nesse tipo de comercio. As principais regioes visitadas foram: Ouro Preto; Serra do Cip6 (municipio de Santana d.o Riach.o); G.ouveia, Diamantina, Serra d.o Ambr6sio (Municipio de Ri.o Vermelh.o); Chapada do C.out.o (Municipi.o de Felici.o dos Santos); Serra d.o Cabral (Municipi.o de J.oaquim Felicio) e Grao-M.og.oI, em Minas Gerais. Mai.ores detalhes s.obre tais expedic;:oes sera.o f.ornecid.os por Giulietti et al. (1988). AIm de inflorescencias, sa.o c.omercializadas tambm.outras partes das plantas como frutos, sementes.ou at f.olhas, porem, nesses cas.os, taismateriais recebem a den.ominac;:a.o geral de "plantas secas" a.o inves de "sempre-vivas". Neste trabalh.o, sa.o analisadas apenas as sempre-vivas sobre as quais existem dad.os de c.omercializac;:a.o. Os dad.os de prec;:.os c.obrad.os pel.o cole tor, prec;:os n.o atacad.o e quantidades c.omercializadas durante 0 an.o de 198, f.oram.obtid.os junt.o aos c.olet.ores e dep6sit.os existentes n.os municipi.os de Diamantina e Datas, n.o Estad.o de Minas Gerais. Para.0 an.o de 198, estimou-se a produc;:a.o, os prec;:.os c.orrentes e reais,.o val.or da pr.oduc;:a.o e.0 val.or da comercializac;:a.o de escies de sempre-vivas, importantes comercialmente, na regia.o de Diamantina. o val.or da pr.oduc;:a.o f.oi calculado multiplicand.o-se.os prec;:.os recebidos pel.o c.olet.or pelas respectivas quantidades, e.0 val.or da c.omercializac;:a.o, d.o mesrno modo, c.onsiderand.o.os prec;:.os n.o atacad.o. Os prec;:.os c.orrentes de 198 foram c.onvertid.os em cruzado, e.os prec;:.os reais corrigid.os pelo "rndice " (Disp.onibilidade Interna) da Fundac;:a.o GetUli.o Vargas (publicad.o na revista Conjuntura Ec.on.omica). Os dad.os de exportac;:a.o sa.o os publicados pela Carteira de C.omrcio Exteri.or (CACEX) d.o Banc.o d.o Brasil S.A., c.ompreendid.os na Sec;:ao \I - Produt.os do reino vegetal - Capltul.o 06: plantas vivas e pr.odut.os da fl.oricultura. P.osic;a.o 06.0.: fi.ores, e botoes de fi.ores, c.ortad.os, para buques.ou para ornament.os, fresc.os, sec.os, branqueados,

5 Importancia ecooomica de sempre-vivas 18 tintos, impregnados ou de outro modo preparado. item : flores e bot6es de flores, secos, para ornamentar;:ao. N.B.M. (Nomenclatura Brasileira de Mercadorias), nao montadas e montadas em cestas, cordas, ramalhetes e semelhantes. Resultados Das especies de sempre-vivas levantadas na regiao de Diamantina, foram detectadas especies importantes comercialmente em termos de quantidade e de valor. Dessas, 18 especies pertencem a famnia Eriocaulaceae, 10 sao Gramineae, sao Xyridaceae e Cyperaceae, as quais estao relacionadas na Tabela 1, com seus respectivos nomes cientfficos e populares, assim como as suas regioes de ocorrencia, epoca de reprodur;:ao e quantidades comercializadas durante 0 ana de 198. o resultado econ6mico da atividade extrativa das sempre-vivas e mostrado na Tabela. As especies estudadas proporcionaram, em 198, uma produr;:ao aproximada de 57 toneladas. Entre as especies que mais contribuiram para esse montante, destacamse: Syngonanthus elegans (sempre-viva-pe-de-ouro); Aristida jubata (barba-de-bode); Syngonanthus venustus (brejeira); Aristida riparia (rabo-de-raposa) e Rhynchospora speciosa (espeta-nariz). Deve-se ressaltar que Gynerillm sagitta tum (cana-brava), uma das especies mais importantes como sempre-viva em todo 0 pais, na regiao de Diamantina alcanr;:a normalmente de infloresc mcias comercializadas. Existe certa perda de peso das inflorescencias, desde a sua coleta ate a comercializar;:ao; tal fato e mais significativo para algumas especies como Eriocaulon kllnthii (botaodourado) que chega a perder ate 90% de seu peso na secagem. A produr;:ao de 198 alcanr;:ou quase um milhao de cruzados em valores correntes e cerca de 10,5 milh6es de cruzados em valores reais, a prer;:os de novembro de 1986, sendo que a nivel de atacado esses valores atingiram perto de 1,5 milhao e 15,7 milhoes, respectivamente. Dentre as especies que alcanr;:am maiores valores unmrios, destacam-se: Syngonanthus magnificus (sempre-viva gigante), S. suberosus (margarida), S. brasiliana (brasiliana), S. laricifolius var. longifolius (margarida-roxa), S. laricifolius (saia-dourada), S. venustus (brejeira) e S. elegans (sempre-viva pe-de-ouro). Todas essas especies tem como caracterfsticas comuns as inflorescencias vistosas com bracteas bem desenvolvidas e de cores alvas a douradas, algumas vezes com brilho nacarado, 0 que confere as mesmas, um destaque em relar;:ao a todas as outras especies. Deve-se ressaltar que, alem das especies analisadas nesse trabalho, um grande numero de outras especies tambem sao comercializadas (Giulietti et at. 1988), mas que nao foram consideradas, devido a falta de dados, ja que sua produr;:ao, comercializar;:ao e frequencia sao pequenas. Na Tabela e apresentada a evolur;:ao dos prer;:os medios recebidos pelo coletor e prer;:os medios a nfvel de comercializar;:ao, entre , a nfveis correntes e reais, onde, tem-se uma ideia da variar;:ao dos prer;:os no perfodo. Em valores correntes, a evolur;:ao foi significativa, principalmente para algumas especies, tais como: Syngonanthus elegans (sempre-viva pe-de-ouro), Eriocaulon kunthii (botao dourado), Syngonanthus magnificus (sempre-viva-gigante), Paepalanthus macrocephalus (botao-branco), Leiothrix jlavescens (botao-bolinha) e Setaria scande'?s (rabo-de-gato). Em termos reais, no en tanto, considerando 0 processo inflacionario, notadamente durante 0 ana de 1985 e infcio de 1986, tem-se uma evolur;:ao negativa para a maioria das especies, com excer;:ao de Eriocaulon kunthii (botao-dourado) e Syngonanthus eiegalls (sempre-viva pe-de-ouro), cujos aumentos dos prer;:os correntes, superaram os indioes i nflaci onari os.

6 ... Tabela 1 - Esp6cies de sempre-vivas comerclalizadas na regulo de Dlamanlina (MG) em 198 Z Nome cienlrfico Kg/Ano Familia Nome popular Area de ocorrancia Perlodo de Quanlldade cocomerciallza"ao merciallzada 1. Synfonanthus elegans (Bong.) Eriocaulaceae sempre-vlva - p6-de-ouro Dlamanllna, Serra do ClpO abril - malo Ruh sempre-vlva-maxl.?':fe0nanthus venustus S i Iv. + Eriocaulaceae brejeira Diamanllna, Serra do Cabral abril - malo ealbatus Silv.. Syngonanthus xeranthemoides Erlocaulaceae jazlda Dlamanllna, Serra do Cabral agoslo (Bong.) Ruhl.. Paepalanhtus macrocephalus Eriocaulaceae bolao-branco Diamanllna, Serra do CipO janeiro - agoslo (Bong.) Koern. 5. Syngonanthus bisulcatus Eriocaulaceae sempre-vlva chapadeira Dlamanllna, Chapada do Coulo abril (Koern.)Ruhl. 6. Syngonanthus magnijicus Giul. Eriocaulaceae sempre-vlva glganle Serra do AmbrOsio junho - agoslo Syngonanthus suberosus Giul. Eriocaulaceae margarlda Serra do AmbrOsio maio - julho LeiothrixfTavescens (Bong.) Eriocaulaceae bollo - bolinha Diamanlina, GrAo Mogol, janeiro - fevereiro.000 Ruhl Serra do Cabral 9. Syngonanthus laricifolius Eriocaulaceae sal a - roxa; saia - liamarandlba, Chapada julho - agoslo.000 (Gardn.)Ruhl. dourada do Coulo 1. Syngonanthus nitens (Bong.) Eriocaulaceae sedlnha Dlamanllna, Serra do ClpO, abrll.000 Ruhl. GolAs e Bahia 15. Syngonanthus multicaulis Silv. Eriocaulaceae mini-saia (capllulo menor) Diamanlina abril Syngonanthus vemonioides Eriocaulaceae jazlda - roxa Chapada do Coulo agoslo.500 (Kunlh) Ruhl. var melanolepis Silv. 11. Sl.ngonanthus laricifolius Eriocaulaceae margarida - roxa Ilamarandiba agoslo.000 ( ardn.) Ruhl. var. longifolius Silv. 1. Syngonanthus arthrostrichus Eriocaulaceae minl-saia Dlamanllna abril.000 Silv. 1. "H,ngonanthus sp. (Secl. Eriocaulaceae congonha-roxa Congonhas do Norle junho hysanocephalus) c:'l E: 1\

7 16. SyngolUJnthus cf. itambeensis Eriocaulaceae saia.. roxa Serra do Couto abril 00." e Silv. :l 17. S yngolujnthus brasiooiuj Giui. Eriocaulaceae brasiliana Serra do AmbrOsio maio - junho 00 DO' = r> E'.. 1 s. Eriocaulon kunthii Koern Eriocaulaceae botao dourado Diamantina agosto - setembro 50 r> e 19. Aristidajubata (Arech.) Herter Gramlneae barba de bode Monies Claros maio - junho 0.0nO e, = a 0. Aristida riparia Trinius et Gramineae rapo-de-raposa Dlamantina at GoiAs abri I - agosto " Aulomenia cf. effusa (Hack.) Gramineae andrequic6, capim chorao Dlamantlna, Mascarenhas janeiro - abril til.. Ruprecht Co.. McClure. Axonopus aureus Beauv. Gramineae capim-ourinho Diamantina julho - outubro Setaria scandens Schrad. ex Gramlneae rabo'de-gato Diamantina abril Scull. 6. Andropogon leucostachyus Gramlneae pingo-d... neve Montes Claros - RegiAo de abrll - maio.000 H.B.K Galilela; Dlamantlna 7. Schizachyrium colldensatum Gramlneae rabo-d... burro Presldente Joazeiro janeiro - abrll.000 (Kunth) Nees 8. Gynerium sagiltatum (Aubl.) Gramineae can... brava; uva Baldim, ao longo do Rio janeiro - maro (p6s) Beauv. das Velhas 9. Xyris nigricans Alb. Nilson Xyridaceae coroinha. coroa Serra do ClpO, Dlamantina janeiro - fevereiro Xyris cipoensis Smith & Downs Xyridaceae abacaxi - dourado Serra do CipO janeiro - fevereiro Xyris contensis Wand. & Cerali Xyridaceae cacau, coroa t cacau Chap ada do Couto junho - julho 00. Rhynchospora globosa (H.B.K) Cyperaceae espeta-nariz Diamantina, Serra do Cip6, setembro - outubro Roem. & Schult. GoiAs. Rhynchospora speciasa (Kunth) Cyperaceae capim-estrela, estrelinha Diamantlna, Serra do Clp6 setembro - outubro Boeck... a... QCI (11.". Axonopus brasiliensis (Spreng.) Gramineae pi ngo- de-neve Montes Claros, Diamanlina, setembro - novembro Diandrostacilya chysothrix Gramineae brinco de outro; brinco Diamantlna fevereiro - abril <!'.. Kuhlm. serra do ClpO. (Nees) Jacques-Felix de prlncesa til a

8 ... Ta bela. - Estimativa de Produ9ao, Pre90, Va lor da Produ9110 e Valor da Comercializ89ao de Sempre-Vivas, Regiao de Diamantina, Estado de Minas Gera is, 198 8l Valor da comercializa9ao Nome popular Quantidade Pre90 recebido pelo coletor(cz$/kg) Pre90 de Atacado(Cz$/Kg) Valor da produ9ao(cz$) no atacado(cz$) (Kg) Corrente Real(l) Corrente Real(l) Corrente Real(l) Corrente Real(l) 1 Sempre v i v a p de our o ,00 6,76 10,00 107, Breje ira ,50 70,16 10,00 107, Jazida ,60 1,,50 19, Batao-Branco , ,50 15, Sempre-viva chapadeira ,80 65,9 9,00 101, Sempre-viva gigante ,00 85,59 15,00 18, Margarida.000 9,00 8,81 1,00 11, Bot8o-bolinha.000 1,00 7,1 1,50 10, Saia-dourada.000 6,50 5,05 10,00 81, Jazida-roxa.500 1,60 1,,50 19, Margarida-roxa.000 7,80 60,59 1,00 9, Sedinha.000 1,60 18,0,50 8, Mini-saia.000,90,97 6,00 67, Congonha-roxa 1.500,00 18,97,00 8, Mini-saia (cap. menor) 600,90,97 6,00 67, Saia- roxa 00 5,0 58,6 8,00 90, Brasiliana 00 8,00 79,0 1,00 118, Botao-dourado 50 0,0,95 0,60, Barba-de bode ,60 15,8,50, Rabo-de- raposa ,0 1,1,10 18, Andr quice ,60 0,6,50, Pingo-de-neve ,0 8,15,00 1, Brinco-de ouro ,0 15,97,00, Capim ourinho ,0 9,50,00 1, Rabo-de-gato ,00 11,7 1,50 16, Pingo-de-neve.000 1,0 1,0,00 1, Rabo-de-burro.000 1,60 0,6,50, Cana-brava () ,0,71 0,5, Coroinha 5.000,00 1,9,00 1, A b acax dour ad o 1.000,00 1,9,00 1, Coroa-cacau 00,00 18,0,00 7, Espeta-nariz ,0 8,60,00 1, Estre linha ,00 6,61 1,50 9, Total ,0() 0,().77() 7.87() C) (1) Em cruzado de novem bro de 1986, corrigido pelo "[ndice " (Disponibilidade Interna) da Funda980 Getulio Vargas. () Em un idade. () Pre90 mmio ponderado. : Il

9 ' Tabela. - Pre90s Recebidos pelo Coletor e no Atacado de Sempre-Vivas, Regillo de Diamantina, Estado de Minas Gerais, 198 e 1986 'tj c Pre90 recebido pelo coletor Pre90 de atacado Nome popular Evolu9110:86/8(%) E volu9110: 86/8(%) n C :l Corrente Real(l) Corrente Real(l) Corrente Real(l) Correnle Real(l) Corrente Real(l) Corrente Real(1) C ri' 1 Sempre viva pe-de-ouro 6,00 );.76 65,00 70, ,00 107,9 80, Q,... Brejeira 6, ,00 6, {l 10, ,00 5, Jazida 1,60 1, 6, ,50 19, 10,00 10, fi>... Botao-branco hoo 10;56 6, ; ,85 9,00 9, ;8 a 5 Sempre-viva chapadeira 5.80,65,9 5, , 'tj., 6 Sempre-viva gigante 10,00 85,5, , , ,9 1.50,00 159, :, 7 Margarida ' ,81 50, ;7 1,00 1,1,9 10,00 18, Botao-bolinha ',1.00 ' 7,1 6,00' 7, ,50 10,71 9,00 10, :;;- 9 Saia-dourada 6,50 5,05 5, ,61 0,00, C> fi> 10 Jazida-roxa 1,60 1, 9,00 9,5, 6 -,50 19, 1,00 1,65 0 -;0 11 Margarida- roxa 7,80, 60,59 5,00 6, ,00 9, 0,00, Sedinha , , ,19 8,00 8,6 0 -{l9 1 Mini-saia.90,97 0, ,65 0,00, Congonha- roxa ' ',.00 18,97 10, ,00 8,5 15,00 16, Mini-saia (cap. menor),90,97 0,0,0 1, ,65 0,00, Saia-roxa 5,0 58,6 5,00 7, ,00 90,0 0,00, Brasiliana 8,00 79,0 ' 1,00 118,79 18 Botao-dourado 0,0,95,00, ,60, 5,00 6, Barba-de-raposa 1,60 15,8 6,00 6, 75-59,50,75 1,00 1, Rabo-de- raposa " 1,0 1,1 ' ,1 6-7,00 18,66 1,00 1, ;1 1 Andrequice 1, ,00 6,7 75 -{l7,50,5 1,00 1, Pingo-de-neve 1,0 8,15 6,00 6,1 6-5,00 1,5 10,00 10, Brinco-de-o.uro,1,0 15,9.7,00,9 08-7,00,58 6,00 6, 00-7 Capim-ourinho 1,0, 9,50 6,00 6,6 6 -,00 1,61 10,00 10, Rabo-de,gato.I,a!> ll,},, 6,00 6, ,50 16,91 1,00 1, Pingo-de-neve 1,0 1,0 6,00 6,7 6-5,00 1,59 1,00 1, Rabo-de-burro 1',60 0;6 ' 6,00 6,7 75 -{l7,50,5 10,00 11, 00 -{l5 8 Cana-brava () 0,0 ';,71 0,70 0, ,5,9 1,0 1, Coroinha,00', 111',9 6,00 7, ,00 1, 10,00 11, Abacaxi-dourado,00 1',9 6;00 7, ,00 1, 10,00 11, Coroa-cacau,00 18,0 8,00 8,5 00-5,00 7,05 1, Espeta-nariz 1,0 8,60 5,00 5, ,00 1, 9,00 9,8 50 -;0 Estrelinha 1, ,00 5, ,50 9,9 8,00 8,5-17 n &i'... a (em Cz$/Kg) :l c>. :l (1) Em cruzado de novembro de 1986, corrigido pelo -[ndice " (Disponibilidade Interna) da Funda9110 Getulio Vargas. () Os pre90s referem-se A unidade do produto.

10 Valor total FOB US$I ,6.98,0.90,9. 1,.657,7,65,6.977, 1.968, 1.11, ,0 1.8,5 1.7,8 1.7, Indice II c;'l [ II Po Tabela. - EvoluOAo das ExportaoOes Brasllelras de Sempre-Vlvas, NAo Montadas Ano QuanUdade Preoo m6dlo Valor FOB Kg Indlce US$lKg Indlce US$I.000 Indlce Montadas(1 ) QuanUdade Preoo m6dlo Kg Indice US$/Kg Indice Valor FOB US$I.000 Indice 197 7:p7,019.1, , , , , , 107.9, , , , , ' 81, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , 65, , , , 1 99, 6 771,1 1 8,8 78 1, 7 98, 16 19,0 5 8,1 0,0 55 (1) Em castas, cordas, ramalhetes e sernelhantes. Fonte: Cartelra do Com6rclo Exterior (CACEX) - Banco do Brasil s/a

11 t979 Destino Quantidade Participao Quantidade Participa0 Quantidade Participaao Quantidade Participaao Quantidade Participa90 Quantidade Partici pa9ao (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) ' 'tl =., OJ. :I,..,.;-,.,.., = :I =. ;:;. 9 D> CI.,.,. til 9 'tl.:, :;;. D> til... CO \0 Tabela. 5.A - ExporlaOes brasileiras de sempre vivas. principais paises de destino E.U.A ItAlia Japllo AlemanM Ocidental CanadA Sur9a Holanda Espanha Frana BlgicaA.uxembu rgo Outros Total Fonte: Carteira do Comrcio Exterior (CACEX) - Banco do Brasil S/A. Tabela. 5.B - Exportaoes brasileiras de sempre viva,. prmcipais parses de destino Destino Quantidade Participa9ao Quantidade Participa9ao Quantidade Participaao Quantidade Participa90 Quantidade Participa90 Quantidade Participa90 Quantidade Participa9ao (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) (%) (Kg) ("!o) E.U.A ItAlia Japao AlemanM Ocidental Canad SUr9a Holanda Espanha Frana B61gica/Luxemburgo Outros , ? Total Fonte: Carteira do Comrcio Exterior (CACEX) - Banco do Brasil S/A.

12 190 Giulietti dol. A maior parte da produgao de sempre-vivas destina-se a exportagao, ja que no mercado interne seu comercio e ainda bastante restrito e de pouca expressao. 0 crescimento da exportagao desse produto natural, no inicio da decada de 70 foi provavelmente um dos fatores que determinaram que 0 6rgao competente (CACEX) passassem a publicar sistematicamente dados espedficos sobre essas exportagoes. A evolugao das exportagoes brasileiras no perfodo de , e apresentada na Tabela, onde se po de observar que ap6s uma evolugao ascendente ate 1978 e 1979, para as plantas nao montadas, e ate 1981, para as montadas, esta havendo um decrescimo, ana a ano, em termos de quantidade e valor. Por outr lado, 0 prego medio das plantas nao montadas, tem-se mantido praticamente estavel, enquanto para as montadas houve uma queda, colocando-se, em alguns anos, abaixo das nao montadas, quando deveria ser exatamente 0 contrario, pois as montadas possuem maior valor agregado (Figuras 7 e 8). Os maiores importadores tem side os Estados Unidos da America, detendo mais de 50% todos os anos, chegando ate a mais de 70% em alguns deles, vi ndo depois a Italia, Japao e Alemanha Oddental (Tabelas 5A, 5B). Observa-se tambem que 0 total das exportagoes, depois de consideravel aumento (tendo atingido por exemplo em 1978, mais de 0 toneladas), tem caido nos ultimos anos, sendo que em 1985, atingiu apenas 7% do volume alcangado em 1978 e em 1986 apenas 1% daquele valor. Discussao Como ja loi relerido anteriormente, as sempre-vivas ocorrem principalmente nas Serras de Minas Gerais e Bahia, areas ligadas no passado e, ainda, no presente a mineragao de aura e diamantes. Atualmente essas duas atividades extrativas coexistem e as mesmas estao assodados gran des contingentes populacionais locais. Nessas areas, devido ao tipo de solo, arenoso e pedregoso, a pratica de agricul tura e praticamente i nexistente. Assi m, a coleta de sem pre-vivas consti tui -se em fonte de renda para grande n umero de pessoas, constituindo-se tambem, em atividade geradora de empregos, tanto a nivel de coleta como a nrvel de comercializagao, pois os intermediarios e dep6sitos que comercializam as plantas, empregam consideravel numero de pessoas. Tal atividade e de grande importancia para a regiao pois, de Diamantina, sem maiores dispendios, como tratos culturais, fertilizantes, defensivs, mas apenas aproveitando um recurso da natureza, tem gerado emprego, renda, e divisas para 0 pars. Durante os anos de 1985 e 1986, existiam 5 lirmas trabalhando com a exportagao de sem pre-vivas. Por outro lado, a exploragao desordenada, vem prejudicar a recuperagao das populagoes naturais e, em alguns casos, colocando em risco de extingao algumas das especies estudadas. Assim, enquanto existem especies como Aristidajubata (barba-de-bode), A. riparia (rabo-de-raposa), Axonopus aureus (capim-ourinho) e Gynerium sagittatum (cana-brava) que, devido as grandes populagoes e ampla area de distribuigao geografica, conseguem ainda se manter, a maioria das especies ja apresentam uma redugao na area atual de ocorrencia como por exemplo Syngonanthus elegans (sempre-viva-pe-de-ouro) que se distribu(a de Diamantina ate a Serra do Cip6 e hoje nao e mais encontrada nessa ultima regiao. Porem, casos mais graves podem ser observados em especies que sao endoo1icas de determinadas areas e cujas populagoes estao sendo reduzidas drasticamente, como por exemplo, Syngonanthus magnificus (sempre-viva-gigante), S. suberosus (margarida) e S. brasiliana, que sao restritas a regiao de Pedra Menina no Municipio de Rio Vermelho (MG) e que too1 apresentado um decrescimo na sua produgao, a cada ano. Assim, em

13 Importancia econ6mica de sempre-vlvas QUANTIDADE PRECO MEDIO VALOR of L- Figura indices de quantidade, prec;:o medio e valor das exportac;:6es de sempre-vivas nao montadas, 198 as duas primeiras tiveram uma produao de 000 Kg, havendo um decrescimo para cerca de 00 Kg em 1986_ Quanto a ultima especie, atualmente nao e mais comercializada. Fato similar esta ocorrendo com Xyris coutensis (cacau), uma das mais belas Xyridaceae, que esta hoje, restrita a uma pequena populaao nos altos da Chapada do Couto, Municipio de Couto MagalMes, MG. Como foi mostrado no item Resultados, esta havendo uma grande reduao no volume das exporta6es, 0 que pode estar relacionado a diversos fatores, entre os quais: sobresforo na coleta, dificultando a recuperaao das populaoes; invasao das areas de ocorrencia das especies por atividades agropecuarias e concorrencia de parses alricanos com plantas simi lares. Desse modo, tornam-se imprescindrveis novas medidas, que, de um lado venham a ajudar a manutenao dessa lonte de renda dos habitantes da regiao, e de outro, mantenham as especies a salvo do perigo de extinao. Assim, sugere-se que seja iniciado, imediatamente, um manejo racional, atraves de coleta planejada, daquelas especies que ocupam grandes areas e cuja manutenao esta atualmente garantida. Para as outras especies, sugere-se 0 inrcio imediato de sistemas de cultivo, nas' areas onde as mesmas ocorrem naturalmente, pois s6 ar elas conseguem sobreviver. Alem disso, pesquisas visando a resoluao dos problemas que envolvem a germinaao, crescimento e biologia dessas especies, devem ser intensificadas, e especialmente, serem transmitidas para a populaao envolvida nessa atividade. Embora cultivos incipientes com Syngonanthus e/egans (sempre-viva-pe-de-ouro) estejam sendo realizados em areas de ocorrencia natural, em Diamantina, esse trabalho tem sido leito sem um embasamento cientffico adequado. Por outro lado, os resultados positivos ja obtidos, devem estimular a continuidade des sa atividade e principalmente despertar a atenao dos 6rgaos competentes, notadamente daqueles ligados a pesquisa agropecuaria e a extensao rural.

14 19 Giulietti et oj """... QUANTIOADE PRECO MEDIO VALOR, \, \, \,, \ ". \ ". \ '.\ ".,." '..., " \ I \ I \ I \ I \ I V 0L L Figura Indices de quantidade, pre<;:o mdio e valor das exporta<;:oes de sempre-vivas montaaas, Agradecimentos Os autores expressam agradecimentos aos irmaos Sakurai, da firma Miraflor em Diamantina, e ao Sr. Gilmar Edison de Sousa, da firma Silva Flores, em Datas, pela prestimosa colaboragao, fornecendo dados ligados aos montantes comercializados, e indicagoes de areas com populagoes naturais de sempre-vivas. Agradecem tammm especialmente as pequisadoras Hilda Maria Longhi-Wagner pela identificagao das especies de Gramineae e Maria das Grac;as L. Wanderley pela identificac;ao das Xyridaceae. Este trabalho' s6 pode ser realizado grac;as a ajuda financeira recebida da FINEP (Financiadora de Projetos), atraves do "Projeto Sempre-vivas", e do WWF (World Wildlife Fund), atraves do projeto "Estudos botanicos nos campos rupestres".

15 Importiincia economica de sempre-vivas 19 ReferEmcias Bibliograficas FERREIRA, M.B & SATURNINO, H.M Algumas considera(foes sobre os arranjos ornamentais confeccionados com plantas secas em Minas Gerais. In M.B. Ferreira, J.P. del Laca-Buendia & E.C. Ten6rio (eds.) Anais do XXVIII Congresso Nacional de BOltinica. Belo Horizonte, p FORSTNER, W Glixie [Syngonanlhus elegans (Bong.) Ruhl., Eriocaulaceae./ Verh. zool.-boi. Ges. Wien. 11: GIULlETfl, A.M., WANDERLEY, M.G.L., LONGHI-WAGNER, H. & PIRANI, J.R Estudos em sempre-vivas: aspectos taxonomicos. Bolm BOltinica, Univ. S. Paulo II (no prelo). HYYPIO, P.A A note on Syngonanthus elegans (Eriocaulaceae). Baileya 19: MENEZES, N.L. & GIULIETTI, A.M Campos rupestres. Parafso botiinico na Serra do Cip6. Cienc. Hoje 5(5): 8-. PEREIRA, H.A Qufmica dos capftulos de Syngonanthus brasiliana Giul., e suas possfveis implica (foes ecol6gicas. Resumo do XXXVIII Congresso Nacional de BOltinica. Sa Paulo, p. 09. SALATINO,-M.L.F.; PEREIRA, H.A.B.; -SALATINO, A.; LOTTO, V.M. & GIOLIETTI, A.M Alcanos da cera epicuticular de capftulos de Eriocaulaceae. Resumos do XXXVIII Congresso Nacional de BOltinica. Sao Paulo, p. 15. SATURNINO, H.M.; SATURNINO, M.A.C. & FERREIRA, M.B Algumas considera(foes sobre exporta(fao e importa(fao de plantas omamentais em Minas Gerais. In M.B. Ferreira, J.P. del Laca Buendia & E.C. Ten6rio (eds.) Anais do XXVIII Congresso Nacional de Bottinica. Belo Horizonte, p TEIXEIRA, M.A Sempre-vivas: folclore e verdade. Cienc. Hoje 5(9): TEIXEIRA, M.A.; RIBEIRO, A. & GIULIETTI, A.M Semrre-vivas das serras de Minas Gerais - mistura de di6is da cera de Leiothrix jtnvescens (Bong.) Rub. Cienc. Cult. 7 (slipl.) p. 98 (Resumos). TEIXEIRA, M.A.; RIBEIRO, A. ; OLIVEIRA, J.R. & GIULIETTI, A.M Sempre-vivas do cerrado mineiro - abordagem fitoqufmica de duas escies da famflia Eriocaulaceae. Cienc. Cull. 6 (supl.): p. 59. (Resumos).

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DAS SEMPRE-VIVAS

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DAS SEMPRE-VIVAS SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DAS SEMPRE-VIVAS Livia Echternacht Entre as ações voltadas para a proteção e a conservação da biodiversidade brasileira, a Instrução Normativa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM ALEXANDRE DE OLIVEIRA BARCELOS ASPECTOS FENOLÓGICOS E MÉTODOS DE AMOSTRAGEM PARA QUANTIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM Syngonanthus (Eriocaulaceae)

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Comércio de hortaliças entre Brasil e Argentina.

Comércio de hortaliças entre Brasil e Argentina. 1 Comércio de hortaliças entre Brasil e Argentina. Waldemar Pires de Camargo Filho 1 ;Humberto S. Alves 2 ;Antonio Roger Mazzei 1. Instituto de Economia Agrícola, da Agência Paulista de Tecnologia dos

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA ROGÉRIO SIMÃO; TOMÁS DANIEL MENÉNDEZ RODRÍGUEZ; UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PORTO VELHO - RO - BRASIL tomas@unir.br APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

PRODUÇÃO DE FLORES CORTADAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

PRODUÇÃO DE FLORES CORTADAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 120 PRODUÇÃO DE FLORES CORTADAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 Production of cut flowers in the state o Minas Gerais Paulo Roberto Correa Landgraf 2, Patrícia Duarte de Oliveira Paiva 3 RESUMO As flores de

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO 61 Ana Caroline Veiga Universidade do Oeste Paulista, Curso de Administração, Presidente Prudente, SP. Email:

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES DE CYPERACEAE DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MUNICIPAL DO INHAMUM, CAXIAS, MARANHÃO

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES DE CYPERACEAE DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MUNICIPAL DO INHAMUM, CAXIAS, MARANHÃO CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES DE CYPERACEAE DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MUNICIPAL DO INHAMUM, CAXIAS, MARANHÃO 1.Daniele Souza dos Santos; 2.Eduardo Oliveira Silva; 3.Gonçalo Mendes da Conceição

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION 14 Florestar Estatístico ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION HEIKO ROSSMANN 1 AUGUSTO HAUBER GAMEIRO 2 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Pablo Forlan Vargas 1 ; Leila Trevizan Braz 2 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 3 ; André May 2 ; Elaine Maria dos Santos 3. 1 UNESP FCAV

Leia mais

Familiar agriculture: contributions for the national growth

Familiar agriculture: contributions for the national growth MPRA Munich Personal RePEc Archive Familiar agriculture: contributions for the national growth Joaquim José Martins Guilhoto and Silvio Massaru Ichihara and Fernando Gaiger Silveira and Carlos Roberto

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Climatologia da Probabilidade de Veranicos nas Zonas Canavieiras Paulistas

Climatologia da Probabilidade de Veranicos nas Zonas Canavieiras Paulistas Climatologia da Probabilidade de Veranicos nas Zonas Canavieiras Paulistas ALINE TOCHIO ANGELO 1 e EDMILSON DIAS DE FREITAS 1 Departamento de Ciências Atmosféricas, Instituto de Astronomia, Geofísica e

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

ANA PAULA SIQUEIRA DE OLIVEIRA

ANA PAULA SIQUEIRA DE OLIVEIRA ANA PAULA SIQUEIRA DE OLIVEIRA Mutagenicidade e estrogenicidade de plantas da família Eriocaulaceae e relação estrutura-atividade de algumas substâncias isoladas Araraquara SP 2 ANA PAULA SIQUEIRA DE OLIVEIRA

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL FREQUÊCIA DA TEMPERATURA MÍIMA DO AR ASSOCIADA A EVETOS EL IÑO, LA IÑA E EUTROS O RIO GRADE DO SUL AA PAULA A. CORDEIRO 1, MOACIR A. BERLATO 1 Eng. Agrônomo, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Fitotecnia,

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA JARDIM NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA JARDIM NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 PRODUÇÃO DE MUDAS PARA JARDIM NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 Produção de mudas para jardim... 127 Seedling production for garden in the state of Minas Gerais Paulo Roberto Correa Landgraf 2, Patrícia Duarte

Leia mais

ÍNDICE TECNOLÓGICO E SAZONALIDADE DO MARACUJÁ NO EXTREMO SUL DA BAHIA

ÍNDICE TECNOLÓGICO E SAZONALIDADE DO MARACUJÁ NO EXTREMO SUL DA BAHIA ÍNDICE TECNOLÓGICO E SAZONALIDADE DO MARACUJÁ NO EXTREMO SUL DA BAHIA ANTONIO CARLOS ARAÚJO; AHMAD SAEED KHAN; LÚCIA MARIA RAMOS SILVA; LEONARDO VENTURA ARAÚJO; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA -

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica

Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica Economic feasibility of heart of peach palm production with organic fertilizer in Costa Rica. CHAIMSOHN, Francisco

Leia mais

ED150mm f2.0. PT Instruções

ED150mm f2.0. PT Instruções ED150mm f2.0 PT Instruções Para Clientes na Europa A marca «CE» indica que este produto está em conformidade com as regulamentações Europeias de segurança, saúde, protecção ambiental e do consumidor. Os

Leia mais

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 ACIDENTES DE TRABALHO DEVIDO À INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS ENTRE TRABALHADORES DA AGROPECUÁRIA 2000-2011 INFORME DO CENTRO COLABORADOR

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO EM 2013 1

PANORAMA MUNDIAL DO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO EM 2013 1 Informe 13/2014 Panorama Mundial do Setor de Rochas Ornamentais e de Revestimento em 2013 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala 805 Bela

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Myrna Sabino, E-mail: myrna.sabino@globo.com INTRODUÇÃO As micotoxinas são produzidas por várias espécies de fungos e são conhecidas por vários efeitos nocivos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Vila Velha, de de 01. Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Eixo temático: Sabor de tradição regional Total de pontos Média Pontos obtidos

Leia mais

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE MESTRADO EM POLITICAS E GESTÃO AMBIENTAL LOGISTICA REVERSA AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE ATUAÇÃO RESPONSAVEL QUANTO A GERAÇÃO DO LIXO DESCARTAVEL

Leia mais

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro www.espm.br/centraldecases Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014 2013: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE RAÍZES DE MANDIOCA NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA Douglas Gonçalves GUIMARÃES 1 ; Welber Freire MUNIZ 2 ; Eduardo de Souza MOREIRA 2 ; Anselmo Eloy Silveira VIANA 3 ; Carlos Estevão

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 Antonio Hélio Junqueira 1 Marcia da Silva Peetz 2 As exportações brasileiras de flores e plantas ornamentais

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2014

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2014 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2014 SINDIFLORES Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo Hórtica Consultoria O Dia Internacional

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA 1º semestre de 2010 Antonio Hélio Junqueira Engenheiro agrônomo, MSc. em Comunicação e Práticas de Consumo (ESPM), pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE O Brasil está entre os dez maiores produtores mundiais, mas precisa vencer alguns desafios para tornar-se um importante player no mercado global Por

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

Diagnostico da Floricultura Tropical em Teresina Piauí, Brasil

Diagnostico da Floricultura Tropical em Teresina Piauí, Brasil Diagnostico da Floricultura Tropical em Teresina Piauí, Brasil Samara da Silva Sousa 1, Jean Kelson da Silva Paz 1, Darlene Maria Silva 1 1 Universidade Federal do Ceará-UFC, Campus do Pici Bloco 805 CEP

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO A DEMANDA MUNDIAL POR PRODUTOS AUTOMOTIVOS: UMA ANÁLISE ENVOLVENDO AS INDÚSTRIAS AUTOMOBILÍSTICAS NACIONAIS DOS PAÍSES DO MERCOSUL NO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO. RESUMO ALCELI RIBEIRO ALVES 1 Este artigo

Leia mais

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil Sheila Pereira da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO INTERNACIONAL DE COMPENSADO 1 PLYWOOD INTERNATIONAL MARKET ANALYSIS

ANÁLISE DO MERCADO INTERNACIONAL DE COMPENSADO 1 PLYWOOD INTERNATIONAL MARKET ANALYSIS 3 ANÁLISE DO MERCADO INTERNACIONAL DE COMPENSADO Antônio Donizette de Oliveira, Ivonise Silva Andrade Ribeiro 3 e José Roberto S. Scolforo RESUMO Este estudo visou construir um modelo de comércio internacional

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005

EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005 EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005 GORENSTEIN, Mauricio Romero Docente do curso de Engenharia Agronômica da FAEF / Garça-SP mrgorens@esalq.usp.br BARBOSA, Rogério

Leia mais

5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA

5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA 5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA UF TERRITÓRIO MUNICÍPIO AL Da Bacia Leiteira Belo Monte AL Da Bacia Leiteira Olho d`água das Flores

Leia mais

Desempenho produtivo de clones de capimelefante nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas

Desempenho produtivo de clones de capimelefante nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas Desempenho produtivo de clones de capimelefante nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas Anderson Carlos Marafon; Tassiano Maxwell Marinho Câmara; Antônio Dias Santiago; José Henrique de Albuquerque Rangel.

Leia mais

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional SEBRAE-RO / SEAGRI / CONDALRON DIAGNÓSTICO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE DE RONDÔNIA A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional Lorildo STOCK Porto Velho - RO 18.08.2015 Crise internacional,

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 VENDAS DE FLORES NOS DIAS DAS MÃES E DOS NAMORADOS DE 2011: ECONOMIA AQUECIDA

Leia mais

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009

Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009 Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs - MG de 1995 a 2009 Karoline Maso dos Reis¹; Aline Regina Maximiano¹; Franciele Morlin Carneiro¹; Fernanda Amaral Corrêa Nunes¹;

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

SEGURANÇA alimentar e nutricional

SEGURANÇA alimentar e nutricional SEGURANÇA alimentar e nutricional Nota Técnica A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil? Rodolfo Hoffmann 1 Autoridades afirmaram que a agricultura familiar produz 70% dos alimentos

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG 1 PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG MARKET RESEARCH: CONSUMER PRODUCT PROFILE OF DAIRY PRODUCTS (YOGURT, BUTTER AND

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011 2011 (janeiro a maio): BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² PERGOLADO ABIU

ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² PERGOLADO ABIU 390 750 ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² APRESENTAÇÃO As empresas Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A. sentem-se honradas em tê-lo como cliente e é com imensa satisfação

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015 Hórtica Consultoria Neste sábado do Carnaval de 2015, 14 de fevereiro, comemora-se em boa parte do mundo especialmente nos Estados Unidos da

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL Kennya Beatriz Siqueira, Marcos Franca de Almeida, Lorildo Aldo Stock,

Leia mais

Suprimentos 1. Cartuchos de toner. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solução de problemas. Administração.

Suprimentos 1. Cartuchos de toner. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solução de problemas. Administração. Cartuchos de toner Suprimentos 1 Aviso: Não toque no rolo do cartucho de toner, localizado sob a tampa. Tampa Sua impressora utiliza quatro cartuchos de toner separados, um para cada cor: ciano, amarelo,

Leia mais

MERCADO PRODUTOR DE AREIA INDUSTRIAL NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, SANTA CATARINA, PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL

MERCADO PRODUTOR DE AREIA INDUSTRIAL NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, SANTA CATARINA, PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL MERCADO PRODUTOR DE AREIA INDUSTRIAL NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, SANTA CATARINA, PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL Gilda Carneiro FERREIRA & Elias Carneiro DAITX Departamento de Geologia Aplicada, Instituto de

Leia mais